You are on page 1of 6

9/23/2008

PósPós-Graduação MBA Recursos Humanos
Legislação e Relações Trabalhistas Professor Robson Seleme
Mestre em Ciências
E-mail rseleme@fatecinternacional.com.br
Prof. Msc, Robson Seleme

CONTEÚDO - AULA 03
RELAÇÕES CONTRATUAIS E EMPREGADOR 3.1. Relações Contratuais
Estagiário Empregado X Eventual Empregado doméstico Funcionário público

3.2. Empregador
Prof. Msc, Robson Seleme
2

Aprendiz
Art. 428 § 2 – Garante o salário mínimo hora
– R$.380/mês R$.12,67/dia R$1,73
http://portal.mec.gov.br/sesu/index.php?option http://portal.mec.gov.br/sesu/index.php?option= content&task=view&id=655&Itemid=303 http://www.prouni.com.br/

Existência de um programa de aprendizagem desenvolvido por meio de atividades técnicas e práticas, com objetivos, conteúdos e carga horária
Prof. Msc, Robson Seleme
3

1

9/23/2008

Estagiário
Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho Preparação para trabalho produtivo de educandos Ensino regular em:
• • • • • • Educação superior Educação profissional Do ensino médio Educação especial Anos finais do ensino fundamental Profissional da educação jovens e adultos
Prof. Msc, Robson Seleme
4

Estagiário
Não cria vínculo empregatício Requisitos:
– Matrícula e freqüência regular do educando – Celebração de termo de compromisso
• Educando X concedente X Instituição de ensino

– Compatibilidade entre as atividades executadas e as previstas no termo

Pode ser efetivado através de agentes de integração (CIEE)
Prof. Msc, Robson Seleme
5

Empregado X Eventual
EMPREGADO
– Continuidade – Exerce AtividadeAtividade Fim Ati id d -Fi – Possui função definida – Riscos pelo empregador
Prof. Msc, Robson Seleme
6

EVENTUAL
– Eventualidade – Exerce Atividade- i Atividade Ati id d -meio – Não possui função definida – Riscos por conta própria
Chapa caminhão

2

9/23/2008

Empregado doméstico
Inicialmente pelo código civil 1916 Atualmente art. 1º da Lei nº 5.859/72 Art. A t 1º A empregado doméstico, assim Ao d d é ti i
considerado aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família no âmbito residencial destas.
Prof. Msc, Robson Seleme
7

Empregado doméstico
Perguntas?
– Até onde vai o âmbito residencial? – Até onde vai o empregado doméstico e a di i t ? diarista? – O empregado doméstico pode ser contratado por uma empresa? – A filha de criação pode ser considerada uma trabalhadora doméstica ?
Prof. Msc, Robson Seleme
8

Empregado Doméstico
Salário mínimo Irredutibilidade do salário Décimo terceiro salário Repouso semanal Férias remuneradas com 1/3 Licença gestante de 120 dias Licença paternidade Aviso prévio proporcional Aposentadoria Integração a previdência social
Prof. Msc, Robson Seleme
9

DIREITOS DO TRABALHADOR DOMESTICO

3

9/23/2008

Funcionário público
Pessoas que trabalham para a administração pública direta e indireta de qualquer dos poderes da união, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios C.L.T. Emprego público Lei específica Vínculo estatutário
– Servidores públicos Cargo público regemregem-se por normas especiais de direito administrativo
Prof. Msc, Robson Seleme 10

Funcionário público
Quando contrata pela C.L.T. fica sujeita ao regime jurídico das empresas privadas
– A investidura em emprego público depende de aprovação p p ç prévia em concurso público p – O despedimento do empregado público deve ser sempre motivado – A remuneração do pessoal contratado esta sujeito a um limite máximo – O empregado público detém estabiestabilidade provisória no período eleitoral
Prof. Msc, Robson Seleme
11

Empregador
Art. 2 – C.L.T - Considera-se empregador a C.L.T Consideraempresa, individual ou coletiva que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação de serviços.
Profissionais liberais Instituições de beneficência 3. Associações recreativas 4. Outras instituições sem fins lucrativos Que admitirem trabalhadores como empregados
1. 2.
Prof. Msc, Robson Seleme 12

4

9/23/2008

Empregador
Poder de Direção:
é a faculdade atribuída ao empregador de determinar o modo como a atividade do empregado deverá ser desenvolvida, em decorrência do contrato de trabalho.

Poder de Organização:

combina a função do empregado e os fatores de produção, tendo em vista os fins objetivados pela empresa. A organização da empresa não deve ser apenas econômica, mas também social (ex.: obrigatoriedade de creches em empresas com mais de 30 mulheres com mais de 16 anos).
Prof. Msc, Robson Seleme 13

Empregador
Poder Disciplinador : de impor sanções
disciplinares aos empregados. No brasil a CLT. permite apenas a suspensão por 30 dias (art. 474), se a penalidade tiver duração maior se considera dispensa sem justa causa. A carta de advertência não prevista em lei, sendo admitida apenas, sob o argumento de que uma penalidade mais branda, pode ser imposta. Não se admite, penalidades como multas, rebaixarebaixamento, transferências punitivas.

Prof. Msc, Robson Seleme 14

Empregador
trabalho do empregado. Ex.:marcação de horários de entrada e saída do serviço, 2. 2 prestação d contas d empregados vendedores, t ã de t de d d d 3. controle de qualidade das peças produzidas, 4. revista dos pertences quando o empregado deixa o estabelecimento (não previstas em lei, surgiu através do uso e costume, porém, jamais poderá ser abusiva.
1.

Poder de Controle : é o direito de fiscalizar o

Prof. Msc, Robson Seleme 15

5

9/23/2008

Prof. Msc, Robson Seleme 16

Professor: Msc.Robson Seleme Msc.Robson

6