Educação Moral e Religiosa Católica

1º Ciclo do Ensino Básico

A Pérola 1ºano

SOLUÇÕES CADERNO DO ALUNO
Apoio na Internet www.emrcdigital.com

110
Calendário
• Com a ajuda do teu professor, vai construindo o calendário ao longo do ano.

Ano lectivo

/

Setembro
Já vou para a escola... aprender com os amigos. 22 Dia Europeu sem Carros 23 Início do Outono

Dezembro
Jesus faz anos. Vamos festejar! 1 Restauração da Independência (Feriado Nacional) 3 Dia Internacional das Pessoas com Deficiência 8 Dia da Imaculada Conceição (Feriado Religioso) 18 Dia Internacional dos Emigrantes 21 Início do Inverno 25 Dia de Natal

Outubro
Na sinfonia da vida... eu sou uma nota de alegria! 1 Dia Mundial da Música 4 Dia Mundial do Animal; S. Francisco de Assis 5 Implantação da República (Feriado Nacional)

Janeiro
No novo ano, vou construir a paz! 1 Santa Maria Mãe de Deus (Feriado Religioso); Dia Mundial da Paz 6 Dia de Reis (Epifania) 23 Dia Mundial da Liberdade
30 Dia Escolar da Não-Violência e da Paz

Novembro
No meu coração mora um sol que enche de luz os meus caminhos... 1 Dia de todos os Santos (Feriado Religioso) 9 Dia Mundial contra o Racismo 11 Dia de S. Martinho 16 Dia Internacional da Tolerância 20 Dia dos Direitos Internacionais da Criança

Fevereiro
É pequeno, pequenininho... mas eu não o quero viver sozinho! 11 Dia Mundial do Doente 14 Dia de S. Valentim

Fevereiro / Março

Carnaval Quarta-Feira de Cinzas

111
Março
Quando a natureza acorda, a Primavera está a chegar... 19 S. José; Dia do Pai 20 Início da Primavera 21 Dia Mundial da Árvore e da Floresta 22 Dia Mundial da Água

Junho
É tão bom ser criança! 1 Dia Mundial da Criança 5 Dia Mundial do Ambiente 10 Dia de Portugal (Feriado Nacional) 21 Início do Verão

Março / Abril / Maio
Páscoa – Ressurreição de Jesus

Julho
Digo adeus à escola, mas não à amizade. 20 Dia Internacional da Amizade 26 S. Joaquim e Sta. Ana; Dia dos Avós 28 Dia Nacional da Conservação da Natureza

Abril
Tanta vida! Tanta cor! Tanta beleza ao meu redor! 7 Dia Mundial da Saúde 18 Dia Internacional dos Monumentos 22 Dia Mundial da Terra 25 Dia da Liberdade (Feriado Nacional)

Agosto
Muito sol, muito mar... e a saudade dos amigos já começa a apertar... 6 Dia do Ar 15 Dia da Assunção de Nossa Senhora (Feriado Religioso)

Abril / Maio / Junho
Dia do Bom Pastor (IV Dom. de Páscoa)

Maio
A mais linda flor do jardim é o que a mãe significa para mim. 1 Dia do Trabalhador Dia da mãe (1º domingo do mês) 15 Dia Internacional da Família

Períodos Lectivos:

Interrupções Lectivas:

1º Período – 2º Período – 3º Período –

/09 – /01 – / –

/12 / /06

1ª Interrupção – 2ª Interrupção – 3ª Interrupção –

/12 – / / – –

/01 / /

. e constrói o puzzle. 14 do manual do aluno) • Desenha o momento que mais gostaste de viver na primeira aula de EMRC. em seguida. • R: Trabalho Pessoal. FICHA 2 (Pág. • Cola-os. 15 do manual do aluno) • Recorta os elementos da página 85 (anexo I). 15 do manual do aluno) • Cola nesta moldura a fotografia que tiraste na primeira aula de EMRC com todos os teus novos amigos. FICHA 3 (Pág.Ter um Coração Bondoso Um coração bondoso dá-se a todos FICHA 1 (Pág. • R: Trabalho Pessoal. • Pinta a moldura ao teu gosto.112 Unidade 1 Unidade 1 .

num desenho.113 Unidade 1 FICHA 4 (Pág. em revistas ou jornais. • Escolhe aquela que mais toca o teu coração e representa. para que tal não acontecesse. FICHA 5 (Pág. • Rodeia. com um círculo. 16 do manual do aluno) Aprendeste o que significa “ser bondoso(a)”. 16 do manual do aluno) • Descobre. empresta a tua PSP ao primo. o que farias com o teu coração bondoso. • Pinta as situações que representam a BONDADE… Luís. • Assinala com X as situações que não correspondem ao significado dessa expressão. Eu não estrago. situações concretas de BONDADE. Bom trabalho! . • Recorta-as e cola-as neste espaço em branco. a que te parece mais difícil de realizar. É só um bocadinho! Não posso! Ela é minha! Eu também quero ajudar! X X • Observa as imagens que não coloriste.

Queres oferecer-lhes uma prenda original? • Mãos à obra Material necessário: . FICHA 7 (Pág. desde que o avô foi viver para sua casa… • Desenha as imagens que faltam. conheces pessoas que têm um coração bondoso.Tintas .114 Unidade 1 FICHA 6 (Pág.Uma folha feita de papel verde .Copo vazio de plástico .Tubo de cola . 18 do manual do aluno) Decerto.Um pauzinho . Antes da vinda do avô… Depois da vinda do avô Antes da vinda do avô… Depois da vinda do avô Antes da vinda do avô… Depois da vinda do avô • Memoriza: O nosso coração é como a nossa casa: tem sempre espaço para mais um.Tesoura . 18 do manual do aluno) A vida do menino mudou muito.

20 do manual do aluno) Vamos fazer biscoitinhos para todos. Como vês.115 Unidade 1 • Observa como se faz a flor. . Ingredientes Farinha MAIZENA Farinha de trigo Fermento Açúcar Ovos inteiros Manteiga 100 gr 400 gr 1 colher de chá 125 gr 2 200 gr Mistura toda a farinha com o fermento. Não te esqueças do açúcar! Envolve muito bem para que a massa fique bem docinha! Acrescenta os ovos inteiros… agora. mãos à obra! (Pág. toca a amassar! A massa vai ficar tão fofinha! Pega na massa do teu biscoito e dá-lhe a forma que quiseres. só tens de fazer tantas flores quantos os amigos que quiseres presentear… FICHA 8 Clube dos cozinheiros bondosos Queres fazer parte deste clube? Então. é muito fácil! Agora. Acrescenta a manteiga e amassa muito bem.

muita ALEGRIA! ___________ .116 Unidade 1 CERTIFICADO Certifica-se que o/a aluno/a ______________________________________ foi admitido/a no CLUBE DOS COZINHEIROS BONDOSOS por ter Os biscoitos vão cozer em forno brando. 10 – amarelo. 8+2 7+2 9-1 9 3+3 6+4 -2 4+4 . 22 do manual do aluno) • Une os pontos e pinta. 8 – verde. Cuidado! Pede o apoio de um adulto! Os biscoitos já estão prontos. 9 – vermelho. _____de _________________ de 2____ . Resolve as operações e faz corresponder aos números que obtiveres as respectivas cores. 7 – cinza. O cozinheiro-chefe ______________________________ assinatura do(a) professor(a) FICHA 9 (Pág. Hum!!! Que cheirinho apetitoso! realizado as suas funções com DEDICAÇÃO e com muita. 6 – cor de pele.

estrelinhas. Hoje.Inventa uma frase sugestiva e forma-a no tampo da carteira com as massinhas (podes optar por colocar só o teu nome). Pinta-as às cores e cola-as na fitinha que escolheste para ti. letrinhas…) . uma miniatura de menino ou de menina ou um botão com um símbolo que faça muito sentido para ti.Um fio de lã . • 1. recorda que as tuas mãos só devem fazer coisas boas.º – Enfia missangas com as tuas cores e feitios preferidos.Tubo de cola • Das duas sugestões.º. um bocadinho de elástico de rolinho ou uma fitinha de cetim na tua cor preferida (o suficiente para poderes atar à volta do pulso) .Missangas coloridas ou botões de cores e feitios variados . podes dar-lhe um toque mais pessoal colocando. uma menina com muitas pulseiras deixou que a maldade falasse mais alto e tudo se complicou. no meio.Tintas ou marcadores . vais fazer a tua PULSEIRA da BONDADE. escolhe a que mais te agrada. cria tu próprio uma pulseira única que te faça lembrar que a BONDADE deve existir sempre na tua vida. Material necessário .117 Unidade 1 FICHA 10 (Pág. • 2. Mãos à obra! .Massinhas de várias formas e tamanhos (cotovelinhos.Bonecos ou outros enfeites em miniatura . Quando a colocares. 24 do manual do aluno) No episódio do cartaz riscado. Deixa secar e ata-a ao teu pulso… • Se não gostas destas ideias.

traça o caminho que ele deve percorrer para a encontrar. vais tu ajudar o pastor a encontrar a ovelhinha. 26 do manual do aluno) Agora. a ovelhinha que és tu… Depois cola-a nesta paisagem. na página 85 do caderno (anexo II). FICHA 12 (Pág. 27 do manual do aluno) Jesus é o teu pastor.118 Unidade 1 FICHA 11 (Pág. Tu és a sua ovelhinha… • Procura e recorta. • Com o teu lápis. .

DIAS DA SEMANA Uma actividade à tua escolha… DOMINGO 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA SÁBADO Vamos a isso! Sei que vais conseguir… FICHA 14 • Completa a frase com um desenho. com o teu coração bondoso. • Assinala com uma carinha alegre as acções que praticas e com uma carinha triste as que não praticas. . Ter um coração bondoso é… • Desenha o que farias nestas situações.119 Unidade 1 FICHA 13 (Pág. ao longo dos dias da semana. 28 do manual do aluno) Espalha a BONDADE à tua volta! Começa pelos que vivem ao teu lado.

.120 Unidade 1 VOU AVALIAR… Como me senti nestas aulas? Pinta a carinha.

símbolos de Natal (anexo III). Que lindo presépio! . Jesus nasceu! FICHA 15 • Procura. no final do caderno. (Pág.121 Unidade 2 Unidade 2 . O Pai Natal representa S.Jesus nasceu! É Natal. É Natal nesta casa! A estrela indica que nasceu Jesus. • Pinta a teu gosto este desenho. Nicolau. 34 do manual do aluno) Árvore de Natal Boas festas! O presépio representa o nascimento de Jesus. • Recorta-os e cola-os nos espaços em branco respectivos.

. • Que descobriste? Escreve aqui o seu nome: • R: Menino Jesus FICHA 17 (Pág. 38 do manual do aluno) Os sábios vieram de muito longe para adorar o menino Jesus. • Neste mapa. pinta dois países: Portugal e Palestina. • Escreve o nome do país de Jesus: • R: Palestina • Pinta com uma cor os espaços assinalados com um pontinho. 38 do manual do aluno) • Observa a página 5 do teu manual. Se possível.122 Unidade 2 FICHA 16 (Pág. utiliza a “cor de pele”. • Ajuda-os a descobrir o caminho para Belém.

à direita.123 Unidade 2 • Pinta. • Pinta. à direita. (Pág. a imagem que representa o que viram os pastores quando estavam com os rebanhos na noite de Natal. A família está toda reunida. a imagem que representa o que viram os sábios. . FICHA 18 O Natal é tempo de alegria. No Natal recebemos visitas de quem mais nos ama. • Pinta a carinha nas imagens onde vês pessoas felizes. 39 do manual do aluno) • Observa o que se passa em cada uma destas imagens.

o Natal é tempo de felicidade. Os presentes do Natal representam as coisas boas que Deus nos dá. No Natal até a comida é especial! É bom receber cartões de Boas Festas dos nossos amigos. porque Jesus nasceu. O Natal está a chegar! .124 Unidade 2 Todos gostam de enfeitar a árvore de Natal. porque estão felizes. No Natal as pessoas cantam. Montar o presépio é uma tradição de Natal. Como vês.

Neste Natal. o Natal é tempo de amar os outros... No lado esquerdo do cartão escreve: Do/a: (o teu nome. coloca o cartão dentro de um envelope e entrega-o a uma pessoa especial. 41 do manual do aluno) Jesus veio ensinar-nos que Deus nos ama. Abre o cartão e no lado direito faz um lindo desenho sobre o Natal.. Começa por dobrar o cartão ao meio. • Queres saber como se faz um cartão de boas festas? • Escuta as indicações do teu professor. Noite feliz.. Observa as imagens. feito por ti. No fim. noite feliz. Noite feliz. 4. pensa em fazer alguém feliz e envia-lhe um cartão de boas festas. noite feliz. Mas existem 8 diferenças entre as duas imagens. 1. Como se chama? Escreve aqui o seu nome. 3.. 47 do manual do aluno) • Consegues descobri-las? As canções de Natal são diferentes de país para país.) Para: (o nome da pessoa a quem vais oferecer o cartão) Um pouco mais abaixo escreve: Boas Festas! 2. Conseguiste? Parabéns! .. Estes meninos estão a cantar junto ao presépio.125 Unidade 2 FICHA 19 (Pág. Por isso. FICHA 20 (Pág.

49 do manual do aluno) 1. • Dialoga com o teu professor sobre as questões que se seguem. pinta a estrelinha. 49 do manual do aluno) • Desenha o que tu mais gostaste nas aulas de EMRC sobre o tema do Natal. Os sábios vieram de longe ou de perto? • R: De longe. Que podes fazer para levar amor a alguém no Natal? • R: Ex. • Recorda agora o que aprendeste sobre o Natal. Onde nasceu Jesus? • R: Em Belém. 7. . Gostaste das aulas sobre o tema do Natal? Pinta a carinha. 5. Qual é o símbolo mais importante do Natal? • R: O presépio. deixa a estrelinha em branco. quando cresceu? • R: O amor. 4. • Pede ao teu professor para preencher este certificado. Que ensinou Jesus aos homens. FICHA 22 (Pág. 3. 2. Se não souberes a resposta. Se souberes a resposta. Que viram os pastores no céu? • R: Uns anjos.126 Unidade 2 FICHA 21 (Pág. 6.: Visitá-la. Como podes mostrar alegria por ter nascido Jesus? • R: Ex.: Cantando.

• Dialoga com os teus colegas acerca do resultado do teu trabalho. 54 do manual do aluno) O Diogo tem mesmo razão! Cada uma das tintas é diferente e. Agora. pinta o desenho B. utilizando todas as cores que achares mais adequadas. A B • Pinta o desenho A com a tua cor preferida. FICHA 23 (Pág.Ser Humilde A humildade mora nos corações simples. todas fazem falta… • Observa os desenhos. por isso. .127 Unidade 3 Unidade 3 .

sozinhos! Professora.128 Unidade 3 FICHA 24 (Pág. • Pinta a lagartinha ao teu gosto. H U M I L D A D E . eu quero ir para outro grupo! 2º E 9º H 1º M 3º U 5º L D 6º 7º A 4º I D 8º Gostas do Sol que eu desenhei? Aqui está mais um pedacinho com cola! Pega a figura e cola-a aí… • Junta as letras. Todos calados! Eu é que sei! Vamos fazer outro trabalho. 55 do manual do aluno) • Descobre o caminho que leva estes meninos a ficarem outra vez contentes e amigos uns dos outros. forma a palavra e escreve-a na lagartinha.

. • Já cá estás?! Pinta a igreja e. vai à sala de aula. Ela indica o lugar para onde deves ir. Agora. Parabéns! • Boa! Vamos à parte mais difícil: com as palavras ESCOLA e HUMILDADE escreve uma frase: • Não há dúvida: és um génio! Lê a mensagem num espelho e descobre o que ela te quer dizer. • Vai ter ao lugar onde se casaram os noivos. não te esqueças das palavras de Jesus… • Desenha-te à mesa. 57 do manual do aluno) Segue as pistas e descobre uma surpresa para ti… Ainda bem que cá chegaste! Estão todos à tua espera!. vai ter comigo à ESCOLA… Jesus ama os humildes! Tu és um deles. (Sapo – po) + (balão – ba) Salão DO Casa + mento Casamento Muito bem! Onde vai ser o teu lugar? Ao escolher....129 Unidade 3 FICHA 25 (Pág. • Descobre a charada... depois. .

cola-o com muito jeitinho e pinta a teu gosto. Mãe!” Berrava: “Não! Agora. pág. já!” Cuidado! Não o deites aí. Não falava para ela! Ela é má! Não. dizia logo… O que foi? Não é o meu pai para me dizer isso! Oh! Eu é que sei… X É verdade! Peço desculpa… Como se sentiriam as pessoas ao verem as tuas atitudes? • Desenha os seus rostos nestas fotografias FICHA 27 (Pág. a chorar. Vê. 59 do manual do aluno) • Completa o painel com o azulejo que falta e que está no anexo V. • Observa as imagens e assinala com X as tuas respostas. agora não! No próximo mês! Mãe. dá-me aquelas sapatilhas! Se eu fosse o filho… Amuava logo! X Respondia logo: “Pode ser. • Recorta-o. só. Se eu fosse o menino. ali. X Pedia-lhe para jogar comigo.130 Unidade 3 FICHA 26 (Pág. Deixava-a ficar ali. o caixote do lixo.. Se eu visse esta menina no recreio. 89.. 58 do manual do aluno) Aprendeste que os humildes estão sempre atentos aos outros. Bom trabalho! .

131 Unidade 3 FICHA 28 (Pág. Completa e forma as frases. Fico triste quando… Sou generoso quando… Fico irritado se… Tenho medo de… Sou amigo quando… Sinto-me feliz quando… FICHA 29 As aparências iludem mesmo! (Pág. nestes dois desenhos aparentemente iguais. 62 do manual do aluno) • Descobre. mostra como és por dentro. 60 do manual do aluno) • Eu sou assim… Desenha o teu rosto. Eu sou assim… por fora… Agora. . sete diferenças.

FICHA 32 (Pág. de pé. • Escreve-a aqui e ilustra-a a teu gosto. 65 do manual do aluno) Dias da semana 2ª FEIRA 3ª FEIRA 4ª FEIRA 5ª FEIRA 6ª FEIRA Queres participar no concurso “ÉS O MAIOR!”? É muito fácil: • 1..O fariseu. Vinheta 3 .132 Unidade 3 FICHA 30 (Pág.Regista.O cobrador de impostos ficou à distância e nem sequer se atrevia a olhar para o céu. Vinheta 1 . 64 do manual do aluno) As fábulas são histórias vividas por animais que nos transmitem muitas lições de vida. os nomes dos teus colegas preferidos. 63 do manual do aluno) • Ilustra em banda desenhada a história que Jesus contou.º . • Partindo da gravura. neste quadro. O MAIOR AMIGO! O MAIOR ESTUDIOSO! O MAIOR APOIO NAS DIFICULDADES! .Jesus disse. se quiseres). então… FICHA 31 (Pág. Um era fariseu e o outro era cobrador de impostos. inventa uma fábula sobre a necessidade de aceitar os outros tal como eles são… (podes pedir ajuda aos teus pais.Duas pessoas foram rezar a um lugar sagrado. Batia com a mão no peito e dizia. rezava assim… Vinheta 4 . Vinheta 2 . ao longo da semana..

SERÁ QUE ÉS CAPAZ? • 2. ganha aquele que tiver maior número de pontos: – O MAIOR AMIGO – Vermelho – O MAIOR ESTUDIOSO – Amarelo – O MAIOR APOIO… – Verde • 3. quando os seus nomes forem escritos no QUADRO de HONRA da tua turma.Coloca cada um dos cartões dobrados no recipiente com as respectivas cores.Conta o que sentiste no primeiro dia dessa experiência.Agora. só tens de mostrar que és o seu AMIGO HUMILDE. quando retirares o cartãozinho com o seu nome.º .º .º . • Queres seguir-lhe o exemplo? Joga connosco o JOGO DO AMIGO INVISÍVEL.Decora o nome do colega de turma que te vai calhar por sorte. • 4. 66 do manual do aluno) Jesus deu o maior exemplo de humildade: foi AMIGO de todos. — Procura estar sempre a par das suas necessidades para o poderes ajudar. Em cada item. — Faz-lhe surpresas agradáveis: escrever um bilhetinho simpático e deixá-lo na sua carteira sem que ele veja pode ser uma ideia. O meu AMIGO invisível é .º .133 Unidade 3 • 2. leva os nomes registados em cartões de cores diferentes. • 4.Não te esqueças de felicitar os vencedores. • 1. mesmo daqueles que nunca foram simpáticos com ele.º .º . Não o digas a ninguém! Vai ser um segredo guardado só por ti. FICHA 33 (Pág.º .Participa na contagem dos votos… e torce pelo teu preferido! • 5.Faz aqui o seu retrato. • 3 .Na próxima aula de EMRC.º .

Cristo quer a tua ajuda para amar. Podes recorrer às sugestões que te damos no “banco de palavras”. Aqui tens um exemplo: gordinho magrinho feio sabe pouquinho doutor rico pedreiro bonito inteligente Ao que vem de outra terra. agora. Cristo quer a tua ajuda para amar.134 Unidade 3 FICHA 34 (Pág. ao lado. é a tua vez.. Dá-lhe amor. completar a letra da canção. Dá-lhe amor. Para amar. Ama a todos como irmãos e faz o bem! (bis) .. (bis) Não te importes da raça Nem da cor da pele. dá-lhe amor… Agora. Ao que nunca viaja. 68 do manual do aluno) Gostaste da canção que hoje aprendeste? • Vais.

Ele explicou que o mais pequenino de todos é que era o maior comilão. Jesus pegou num sabonete e colocou-o em cima de uma pedra. Ele explicou que o mais pequenino de todos é que é o maior. 68 do manual do aluno) Quando se fala em humildade.Dá-se esse nome à pessoa que sabe viver na humildade. • Procura-as nesta sopa de letras e rodeia-as com um traço. escreve cada uma à frente da frase respectiva. há palavras que não podem ficar de fora. ou seja. Quem não gostava nada da humildade era o fariseu. 3 . 1 . VOU AVALIAR… Como me senti nestas aulas? Gostei / não gostei da unidade 3 (risca o que não interessa) . das aparências. Os amigos de Jesus estavam a pensar qual deles era o maior.O que conta é o que as pessoas são para além daquilo que mostram exteriormente. 2 .135 Unidade 3 FICHA 35 (Pág. Depois. humilde. 4 . Substitui as palavras erradas e dá-lhes um sentido correcto. • As frases que vais ler contêm alguns disparates. 6 – O cobrador de impostos era humilde. Jesus pegou num menino e colocou-o junto de si.Jesus falou sobre a humildade numa festa de casamento.Os humildes sabem que qualquer pessoa é como um tesouro: tem muito valor. E N G R A N D E C I D O I T A B A U F I R C E J D E D G W G A F H T O R A G U R C F H T J F A U E L A S O S E T A F U K I V M R A P A R E N C I A S L E E I C F O M M O S O S R B O L L L O M P E S S I V O I V I M P D H U M N L D A D E S C U D E E O N E T T O Q R B E X O C O O P R E O N S I V O U S A T N I L A L L A D T G U I D Q Q L X K U A R F V M J I O F S H S J Q D V B O Q E K E P G C A P Ç A B J S Q V A L O R H l Os amigos de Jesus estavam a pensar qual deles era o mais bonito.Ele disse que quem se humilda será engrandecido. 5 .

• Desenha aqui o que mais gostas de fazer com a tua família. tal como ela é. Também na família cada pessoa é única. FICHA 37 (Pág.136 Unidade 44 136 Unidade Unidade 4 . Cada flor é diferente das outras. Também tu encontras na tua família o carinho. a segurança e tudo o mais de que precisas para te sentires feliz.Crescer em família Na minha família eu estou feliz! FICHA 36 (Pág. • Desenha dentro de cada flor o rosto dos membros da tua família. • Conversa com os teus colegas sobre o teu desenho. Precisa de ser amada e respeitada. • Depois pinta todo o desenho ao teu gosto. 72 do manual do aluno) É dentro de uma família que as pessoas se sentem felizes. . apesar de parecer igual. • Desenha aqui a tua família. 73 do manual do aluno) A família é como um canteiro de flores. É o • Pinta a palavra mais importante desta frase: que faz a família feliz.

podemos oferecer-lhe um… 3. Quando gostamos de alguém. Existem muitas maneiras de mostrar… pela nossa família. 2. • Pinta os espaços assinalados com um pontinho e descobrirás um símbolo de amor. Quando gostamos de alguém. 1 S O R R R Í C I S O A 6 A 5 B E I J I N H O U D 7 A M O R 2 4 C 3 A B R A Ç O P E S E N T 1. Quando chegamos a casa. . . nós sorrimos para essa pessoa. . : . 73 do manual do aluno) Existem muitas maneiras de mostrar amor pela nossa família. . 7. lê as frases em baixo. quando alguém precisa. 4. : : : : : : : . Com a ajuda do teu professor. : : : : : : : : : : : .137 Unidade 4 FICHA 38 (Pág. damos um… aos pais. Amar a família é também oferecer a nossa…. Um… ao deitar e ao levantar? Tão bom! 6. • Escreve as letras que faltam nas palavras. Uma… no rosto: sabe tão bem! 5.

138 Unidade 4 FICHA 39 (Pág. Na família existem tarefas que todos podem fazer. Até porque poderia ser perigoso… . Mas nem tudo é próprio para os mais pequenos. conforme achares que são próprias para crianças ou para pessoas crescidas. Pinta as imagens. 74 do manual do aluno) • Liga as imagens da esquerda com as da direita.

• Descobre e pinta nesta “sopa de letras” as seguintes palavras: E R A L E U E B F N E I N B I S N G A N Q A N N P H U J H B M Q D E I I U O N A E C I L X D I D R O A T I O A B E L D V A B M R T Z U T F R T Z X A S F J O B E D E C E R L AJUDAR ALEGRAR AMAR OBEDECER RESPEITAR G R A R . 77 do manual do aluno) A Bíblia é muito importante para todos os que acreditam em Jesus. Também ensina como devem os filhos tratar os seus pais. : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : : • Completa. as frases: 1. agora. 74 do manual do aluno) A função dos pais é tratar dos seus filhos. • Pinta com uma só cor todos os quadrados que não têm dois pontinhos. 2. Na família todos podem A M A R os outros. FICHA 41 (Pág. Ela ensina-nos a vivermos felizes.139 Unidade 4 FICHA 40 (Pág. A tarefa dos pais é C U I D A R dos filhos.

F 5. FICHA 42 (Pág. . porque são eles que Os pais têm um imenso amor pelos seus filhos e desejam o melhor para eles. …os filhos devem A M A R os pais. Os pais sabem mais coisas que eu. V 2. quando me apetece. e um F. Os meus amigos sabem mais que os meus pais. 78 do manual do aluno) • Desenha aqui os teus pais. Queres hoje mesmo fazer sorrir os teus pais? • Então escreve aqui uma mensagem bonita para lhes mostrares. Só devo obedecer aos pais. É por isso que os filhos lhes devem obedecer. • Escreve um V. • Pinta com uma cor à tua escolha as palavras que correspondem ao que mais admiras nos teus pais. F 3. …os filhos devem R E S P E I T A R os pais. cuidam de mim. se achares que a frase é verdadeira.140 Unidade 4 • Completa as frases com as palavras do exercício anterior: A bíblia ensina-nos que… …os filhos devem O B E D E C E R aos pais. V 1. • Dialoga com os teus colegas sobre estas actividades. • Escreve por baixo os seus nomes. Obedeço aos pais. V 4. …os filhos devem A J U D A R os pais. Respeito os meus pais. porque são mais crescidos do que eu e me amam. se achares que ela é falsa. Também podes copiar esta mensagem para um cartão e oferecê-lo num dia especial. quando chegares a casa. …os filhos devem A L E G R A R os pais.

81 do manual do aluno) • Descobre. Jesus também teve uma família. Também ensinam a conhecer melhor o mundo.141 Unidade 4 FICHA 43 (Pág. o caminho que Jesus seguiu para ir à fonte buscar água. de quem já ouviste falar. A cidade onde Jesus viveu com a sua família era Nazaré. Pinta um deles. neste labirinto. FICHA 44 (Pág. Como todas as crianças do seu tempo. • Pinta de vermelho as bolinhas das frases que são falsas. ajudava-os nas tarefas diárias. Jesus obedecia aos seus pais. • Pinta de verde as bolinhas das frases verdadeiras. • Pinta as gravuras. quando estão com os alunos. 82 do manual do aluno) Os professores fazem as vezes dos pais. • Descobre 6 diferenças entre estes dois desenhos. O pai adoptivo de Jesus era carpinteiro. Deves tratá-los com respeito e escutá-los com toda a atenção. Devemos cuidar da natureza… Devemos cuidar da natureza… . escreveu que Jesus era obediente aos seus pais. Um escritor chamado Lucas. Maria é o nome da mãe de Jesus. A cidade onde a família de Jesus morava era Belém.

quando as suas mães já preparavam o jantar. 84 do manual do aluno) Depois do lanche. a Sofia e a Paula foram brincar para o parque.142 Unidade 4 FICHA 45 (Pág. mas apenas uma foi ajudar a mãe. PAULA SOFIA Rita Ana RITA Paula Sofia ANA . Ao anoitecer. cada uma voltou para sua casa. a Ana. a Rita. Cada menina arranjou alguma coisa para fazer. Qual foi? • Segue os traços e saberás o seu nome.

86 do manual do aluno) Cada menino e menina deve procurar ser bom para a sua família. Como me senti nestas aulas? Gostei / não gostei da unidade 4 (risca o que não interessa) . Entendi bem as explicações do professor. Eu ajudo-te. avó! Olha que lindo! Toma! FICHA 47 Vou avaliar… • À frente de cada frase pinta a bolinha com as cores: Verde – Muito Amarelo . Gostei de conversar sobre os temas. pois não? Sai! Quero jogar! • Observa as figuras. Não quero! Não chores! Eu limpo isto tudo! É para ti.Pouco As aulas sobre o tema da família foram divertidas. Pinta aquelas em que as crianças estão a ser simpáticas para com a sua família.143 Unidade 4 FICHA 46 (Pág. Gostei das canções. Gostei de pintar os desenhos. Mas nem sempre isso acontece.Mais ou menos… Vermelho . pai. Gostei dos desenhos dos livros. Pensei na minha família.

• Com base na imagem. Podes incluir na história outras personagens que te pareçam importantes.Amar a Natureza Um Mundo para eu cuidar FICHA 48 (Pág. Mãos à obra! FICHA 49 (Pág.92 do manual do aluno) • Escreve o nome da casa de cada animal no sítio correcto. É tão bom ter uma casa para morar! Savana (Leão) Colmeia (Abelha) Lago (Sapo) Cesto (Gato) “Buááá! Estamos perdidos! Leva-nos para casa!” Pombal (Pombo) Casota (Cão) Terra (Minhoca) Árvore (Macaco) . • Traça o caminho que cada ser vivo deve seguir para encontrar a sua casa.144 Unidade 45 144 Unidade Unidade 5 . 91 do manual do aluno) • Pinta os desenhos a teu gosto. inventa uma história bonita que possas contar aos teus amigos na próxima aula de EMRC.

Com a ajuda do teu professor e dos teus amigos: • Cultiva uma planta num dos canteiros do jardim. Segue. • Elabora uma escala de serviço para que. (Pág. na tua escola. .. por exemplo. Vou contar o que se passou. podes fazer um molde com o teu animal preferido. podes fazer-lhe umas sardas ou qualquer outro motivo que o torne original. Vais fazer um porta-chaves.. 94 do manual do aluno) “O homem cultivava e cuidava do jardim do Éden…” Queres ajudar a cultivar e a cuidar da terra onde moras? Começa hoje mesmo.145 Unidade 5 FICHA 50 Material: – 2 pedacinhos de pano colorido ou pano de feltro verde – 4 pedacinhos de pano de feltro branco (colados 2 a 2) – 2 missangas pretas (olhos) – algumas missangas ao teu gosto – um fio (cerca de 10 cm) – uma argola – um fio de lã vermelho (boca) – um tubo de cola Se o tecido for liso. os sapos. Se quiseres. 93 do manual do aluno) Viva a Terra e tudo o que ela contém! Como. • Cola aqui a fotografia. haja um responsável que cuide dela. depois. as mesmas instruções. Mãos à obra! Molde do sapo Bom trabalho! FICHA 51 (Pág. semanalmente.

Já alguma vez a fizeste? Experimenta. desenhar…) (Pág. Senhor! . (Pág. • Faz dois vincos. recortar e colar. pintar.146 Unidade 5 FICHA 52 Material: – 1 rolinho de papel higiénico ou de papel de cozinha (se o quiseres maior). – Marcadores ou tintas e pincéis (se quiseres decorar o embrulho). na outra extremidade do rolo (3). 96 do manual do aluno) O meu coração é para Ti. 95 do manual do aluno) Uma das formas inteligentes de ajudar a Terra é a reutilização de materiais. vais poupar o papel e fazer… • Achata ligeiramente o rolinho (1). É muito divertido! Desta vez.(4). • Ora aqui está uma ideia original para decorares.. dobrando as bocas do rolo para dentro (2) 2 3 3 …Um embrulho muito especial 1 • Repete o que fizeste na figura 2. – Fitas variadas. Bom trabalho! FICHA 53 Este é o teu coração! • Enfeita-o com tudo aquilo que possa representar o que de melhor existe em ti para ofereceres a Deus… (podes escrever..

• Descobre e rodeia: – O antigo covil de onde saem. Descobre sinais que podem pôr em perigo a saúde da Natureza. • Conta o que farias para resolver o problema.147 Unidade 5 FICHA 54 (Pág. se mandasses no mundo. – O homem que era coxo e. • Descobre e pinta: Consigo andar! Consigo andar! Estou a ver. – O pai que era mudo e agora chama pelo filho. agora. 99 do manual do aluno) • Num desenho livre. agora. . Se eu mandasse no mundo… FICHA 56 (Pág. estou a ver luz! Eu estou a ouvir! Miriam! O meu pai já fala! O meu pai disse o meu nome! – O invisual que agora olha para o mundo que o rodeia com os olhos bem arregalados. dá muitos pulos de alegria. • Cola aqui uma fotografia ou recorta e cola uma notícia que te pareça importante acerca deste assunto. mostra como passas o teu tempo de lazer na praia. pequenos juncos e canas tenrinhas. – O surdo que foi curado e agora aprecia a música que o menino toca na sua flauta. – A nascente donde brota o caudal de água que rega a terra. 100 do manual do aluno) • Olha à tua volta. FICHA 55 (Pág. 102 do manual do aluno) • Observa a imagem com muita atenção.

à passagem de Jesus. Representa. a transformação que se dá nos meninos.148 Unidade 5 FICHA 57 (Pág. . “É meu e só meu!” Generoso. Tranquilo Mentirosa. “Já vais ver!” Pacífico • Legenda as imagens que desenhaste. Alegre Egoísta. em desenho. • Repara nas imagens. Quand ele passa. “Fui eu que fiz!” Sincera “Não fui eu que fiz!” Agressivo. “Somos todos importantes” “Eu é que sou a melhor!” Furioso. usando algumas das palavras seguintes: Tranquilo(a) / Alegre / Rico(a) / Generoso(a) / Humilde / Maroto(a) / Pacífico(a) / Trabalhador(a) / Sincero(a). “Podes usar” Menina Humilde Menina altiva. tudo se transforma. 104 do manual do aluno) Jesus está passando por aqui. Triste.

alerte ou corrija atitudes… mas. • Não te esqueças do ribeirinho que rega e dá vida à tua árvore. 106 do manual do aluno) Tu também pareces uma árvore plantada junto a uma corrente de água. • Pinta uma camisola. escrevendo nela uma mensagem que informe. 105 do manual do aluno) A Natureza florida na minha camisola colorida! Material: – Camisola lisa. não te esqueças de usar a tua criatividade e de surpreender toda a gente. • Podes decorá-la com os frutos que a tua imaginação souber criar. FICHA 59 (Pág. – Papel de jornal (para colocares dentro da camisola e evitares que as tintas passem para o outro lado). – Bata ou camisa velha (para não sujares a tua roupa). – Tintas próprias para tecido. • Molha as pontas dos dedos em tinta e forma a copa desta árvore que és tu. Mãos à obra! . – Pincéis.149 Unidade 5 FICHA 58 (Pág. – Farrapos (para limpar os pincéis). – Água para limpar os pincéis.

• Mostra — nas atitudes que vais colorir — que sabes cuidar desta beleza que Deus colocou nas tuas mãos.150 Unidade 5 Já sou capaz! Sabes que o futuro da Natureza está nas mãos de cada um de nós. Também não gosto desta! Vou fazer outra e rasgar esta folha! Não mates a pombinha! Porque queres matá-la? VOU AVALIAR… Como me senti nestas aulas? Gostei / não gostei da unidade 5 (risca o que não interessa) .

seguido da mãe. — Aqui está o meu herói! — Gracejou a mãe. o amigo do terceiro andar. Mas era raro ficar doente! Ele era sempre dos primeiros a chegar à escola. enquanto ajeitava o cabelo espetado pela última vez. numa correria louca. Na mesa. alisou a aba da mochila com o Homem Aranha — o seu herói — para toda a gente o poder ver. Vinha sozinho. — Vamos? Chegaram à escola num abrir e fechar de olhos. muito branquinha.151 Anexos ANEXO I UL1 (MA 15) UMA VIDA NOVA — Mãe… mãe… é agora?! Já são horas de irmos para a escola? A mãe do João ligou a luz do candeeiro pela quarta vez. com um sorriso maroto: — Desta vez. Rodou a cabecita em todos os sentidos. em tempo de aula: o pai saía mais cedo para levar a Maria. — Vamos ver. regou-o com leite morno do fundo da chávena e precipitou-se para o hall de entrada onde dormia a mochila nova. mãe? Sem esperar resposta. não tardava nada. antes de abrirem a farmácia. Percorreram o caminho a pé. mãe! Não quero chegar atrasado! Encheu a boca com o último pedacinho de pão. olhando impacientemente para a porta da entrada comum do prédio. — Amanhã. — Jú! Espera aí. com muito espaço para brincar… Os caminhos estavam impecavelmente limpos. vou recordar-te algumas coisas que ainda não… — Já sei. — Vens. esgueirou-se pela porta e só parou lá em baixo. — Pronto para o grande dia? — Estou quase. surpreendendo-o por detrás com aquele abraço que o deixava sempre sem fôlego. lançou o olhar para o despertador e respondeu. Sentado à mesa. havia sinais de alguém já o ter tomado antes deles. a terminar. já não precisas de vir comigo. já podes ir mais cedo para o teu trabalho e tomar um cafezinho com as tuas colegas. O João acompanhava-os quando tinha de ficar em casa dos avós. Sempre fora assim. posta de véspera. Podes ir descansando que eu já vou ter contigo… Desceu as escadas num ápice e adiantou-se a preparar o pequeno-almoço para os dois. . Era grande. o menino recordou a educadora Leonor naquele jeito terno de olhar e dos miminhos sem hora marcada que lhe faziam sempre muito bem ao coração… e dos amigos que voltaria a ver. ante o olhar atento e as palavras de orientação da mãe. Não te demores. à procura de quem o chamava. João. ao liceu que ficava no centro da cidade. vou obedecer em tudo à senhora professora… vou ser amigo de todos e… — João! Jú! O rapazinho estacou. mãe! Já sou crescido e. acertaste! O despertador está quase a tocar. faço tudo direito! Assim. Ainda faltam uns bons cem metros para o teste terminar… Até lá. meu! Eu vou contigo! Era o Tiago. mãe! Já sei tudo de cor! Vou estar atento nas aulas. com a mochila pelo ar. na nova escola situada no fundo do quarteirão. — Vai ser o máximo! — Pensou de si para si. Cheirava a terra molhada e as gotas de água cintilavam nas pétalas das flores e faziam malabarismos até se estatelarem no chão. ao pé do portão. a irmã mais velha. entretido com as migalhinhas que se desprendiam do pão estaladiço que se esforçava por comer. à espera de ver a figura esguia da mãe. como vês. cheiinha de livros e de materiais novinhos em folha que a mana ajudara a escolher.

um homem chamado Elias andava a viajar e entrou numa cidade. Deus prometeu que quem tivesse um coração bom nunca passaria fome. perto de Sídon. Até logo! Espero por ti aqui. tudo bem! Vamos lá… O menino apertou a mão delicada da mãe e encaminharam-se para a sala os dois. mas ele chamou-a e disse: “Traz-me também um bocado de pão. Foi a casa e com o resto da farinha e do azeite que tinha para viver.” Elias pôs-se então a caminho em direcção a Sarepta. e fixa-te lá. O João entrou confiante. teve uma grande surpresa: a caixa da farinha e a garrafa do azeite estavam cheias. traz-me um pouco de água para beber”. Deus recompensou-a! Texto bíblico (1Reis 17. Viu uma viúva e chamou-a: Estou com muita fome e não tenho nada para comer. mas fez o que Elias disse.” . para te dar de comer. Será a nossa última refeição. Tico? ANEXO II UL1 (MA 19-20) ELIAS E A MULHER DE CORAÇÃO BOM Texto adaptado: Há muito. a conta-gotas. com aquele ar descontraído de sempre: — A sala é muito gira! Vai ser bom andar nesta escola! Não achas. primeiro faz um pãozinho e traz-mo. Mas. fez o pão e deu-o a Elias. mas. não tenho pão. Mulher. depois. podes dar-me um pouco de água? A mulher deu-lhe um copo de água. está bem? — Certo. Naquele instante. Então disse à mulher: Não podes trazer-me um bocado de pão? Ela respondeu: Sou muito pobre. eu vou comer. para fazer um pão para o meu filho. Ela ia buscá-la. mais logo. o João lembrou-se do colo quente da Leonor… e gostou do cheirinho perfumado da nova professora. A mulher ficou admirada. Chamou-a e disse-lhe: “Por favor. Os pais iam saindo. mas o teu filho também. com ar de satisfação. que não tenho pão cozido. muito tempo. Mas Elias disse: Não tenhas medo. declara o seguinte: “Não se acabará a farinha na panela. Elias também sentia muita fome. 8-16) Então o Senhor disse a Elias: “Vai para a cidade de Sarepta. a menina mimada que eles tão bem conheciam lá da escola. Porque o Senhor. mãe! Já podes ir que eu vou sozinho para a sala dois. o Senhor. ao lado do amigo Tiago. certo! Mas. procurou um lugar vago para se sentar com o amigo e rematou. e oferecia as suas mãos aos dois rapazes. Deus de Israel. Uma voz decidida fez-se ouvir do canto da sala: — Faça o favor de entrar! A sala também é sua… Era a senhora professora. teu Deus. enviar chuva a este país. Já dei ordens a uma viúva de lá. Ao voltar para casa. Não te importas. tenho apenas um punhado de farinha numa panela e um pouco de azeite numa almotolia. à procura de um abraço caloroso. A mãe pediu licença para entrar. depois morreremos de fome. Acabava de enxugar uma lágrima da cara rechonchuda da Vanessa Teixeira. Apressou-se a dizer adeus à mãe. preparas o resto para ti e para o teu filho. viu uma viúva que apanhava lenha. Vim aqui apanhar dois cavacos para levar para casa e preparar o pouco que tenho para o meu filho e para mim.” Mas Elias respondeu-lhe: “Não tenhas medo! Vai lá fazer o que disseste. pois não? — Hum… ok. só um pouco de farinha e de azeite.152 Anexos — Chegámos. nem o azeite na almotolia. Ao chegar às portas da cidade. vou cumprimentar a tua professora. enquanto acenavam para os filhos.” Mas ela respondeu: “Juro-te pelo Senhor. até ao dia em que eu. antes.

Personagens: O Profeta Elias (este nome significa meu Deus é Yahvé) é o homem de Deus. Surge como um novo Moisés. 21. tornou-se rei de Israel e reinou. considerado uma continuação da história da monarquia. iniciada pelos dois livros de Samuel. O Rei Acab. devido às invasões Assírias. Deus de Israel. O grandioso Reino formado pelo Rei David e continuado por Salomão chega ao fim. 2º. E. filha de Etbaal. É um profeta itinerante. habitante de Guilead. O ciclo de Elias encontra-se em 1Re 17-19. juntamente com o segundo livro dos Reis. filho de Omeri. levou o povo a uma situação de afastamento de Deus.» (1 Re 17. o profeta. os samaritanos. refúgio num país estrangeiro. sinais e prodígios.C. a sua vida repete de certa forma o próprio itinerário de Moisés: ida ao deserto. rei de Sídon. rei de Judá. Alguns dados da história do povo de Israel A pregação de Elias começou por volta do ano 875 a. a quem eu sirvo.153 Anexos A viúva foi fazer como Elias lhe tinha dito e tanto ela e o filho como o profeta tiveram o necessário para comer por muito tempo. a Vulgata latina identifica-os como 1º. sem vínculo a um santuário. após o desastre do fim da monarquia. 3º e 4º Livros dos Reis. esse afastamento foi sendo cada vez maior. Acab fez o mal aos olhos de Deus. Elias desenvolve a sua actividade durante os reinados de Acab e Acazias.1) A seca é consequência da idolatria a que Israel se tinha entregue. O primeiro Livro dos Reis foi. a pregação de Elias começa com o anúncio de um terrível castigo: Elias. viagem ao Horeb (Sinai). tal como o Senhor tinha dito por meio de Elias. adorando o deus Baal. o tisbita. Por isso. ainda tomou por esposa Jezabel. É o início do Exílio. Este conjunto de escritos pretendia fazer o exame de consciência da história nacional. Ergueu um altar a Baal no seu templo. Uma pequena parte da população residente não foi levada para o exílio e misturou-se com outros povos que os assírios transferiram para aquela região. filho de Nabat. De acordo com o texto bíblico. afastando-se do centro político e religioso que é Jerusalém.C. No trigésimo oitavo ano de Asa. no Reino do Norte. entre os anos 874 e 852. na Samaria. não cairá orvalho nem chuva nestes anos senão à minha ordem. Nasceu assim uma população mista pela proveniência e pelas tradições religiosas. desaparece . O Reino do Norte centrou a sua vida política na cidade de Samaria. mais do que todos os seus predecessores. 2 Re 1. e foi prestar culto a Baal (deus pagão). A divisão conduz o povo a uma situação de fragilidade. nem o azeite na almotolia. A divisão nos Reinos do Norte e do Sul já tinha provocado o afastamento do Reino de Israel (norte) da cidade de Jerusalém e por isso do próprio Templo. que construiu na Samaria. Acab. Tal como Moisés. A farinha não se acabou na panela. Texto e contexto A História de Elias e da Viúva de Sarepta é apresentada na primeira parte do Livro dos Reis. faz parte dos chamados livros históricos. O Reino do Norte foi destruído em 721 a. que culmina com a manifestação de Deus. A norte constitui-se o Reino de Israel e a sul o Reino de Judá. único local da presença de Deus.. como se não lhe bastasse imitar os pecados de Jeroboão. Por isso. que aparece e desaparece de forma imprevisível. que pertence ao Antigo Testamento. prostrando-se diante dele. filho de Omeri. disse a Acab: «Pela vida do Senhor. O povo tinha passado pela experiência de ruptura e de divisão do Reino do Norte e do Reino do Sul. durante vinte e dois anos. No entanto. Este livro.

a fome assolava toda aquela região. A viúva representa um caso típico de infelicidade. os seus avisos e as suas promessas. Se Moisés foi o fundador da religião Yavista. O seu pai era general e treinava os soldados do imperador. Martinho) Era uma vez um menino chamado Martinho. e Elias como modelo dos profetas. também. Martinho assustou-se tanto que correu a refugiar-se numa Igreja! . porque foste estrangeiro residente na terra do Egipto. Não maltratarás nenhuma viúva nem nenhum órfão. esta não era apenas uma viúva.” (Lc 4. era também uma estrangeira. No episódio da transfiguração de Jesus no monte. 20-21). Esta mulher experimentava a sina de ser viúva. tem apenas um filho.” (Ex 22. A viúva Jesus refere-se ao episódio do encontro de Elias com a viúva: “Posso assegurar-vos. De facto. quando o céu se fechou durante três anos e seis meses e houve uma grande fome em toda a terra. tal como os órfãos e os estrangeiros. 25-26) Esta personagem não judia vivia em Sarepta. mas também a nível social. tornara-se um grande perigo. Esta confissão não tinha apenas consequências ao nível do culto. Elias não foi enviado a nenhuma delas. o traje negro exprime um duplo luto: perdeu a esperança da fecundidade. sozinha sem marido sem ninguém que a proteja. Uma mulher simples que. A principal missão de Elias consistia em defender o Yahvismo em toda a sua pureza. sem dúvida. O profeta Elias é enviado a esta mulher para lhe transmitir uma palavra e realizar um gesto de salvação. mas sim a uma viúva que vivia em Sarepta de Sídon. as personagens que surgem são Moisés. Houve. o porta-voz de Deus. as políticas dos reis Omeri (885-874) e Acab (874-853). numa região entre Tiro e Sídon (15 km). ANEXO III UL1 (MA 21) UM EXEMPLO DE BONDADE (Lenda de S. já não pode ter filhos. capital da Fenícia. e está sem defesa. a intenção de fazer esta aproximação. para significar a Lei. No entanto. presa fácil da exploração. de acordo com as normas de uma sociedade em que a família era considerada propriedade do chefe de família.154 Anexos na Transjordânia. Um dia. no entanto. Elias será o seu maior defensor nos momentos de perigo. uma referência. que havia muitas viúvas em Israel no tempo de Elias. se este desaparecia. as viúvas. em determinadas circunstâncias históricas. enquanto Martinho lançava o peão. rebentou uma trovoada. Na Bíblia. são objecto de uma protecção especial por parte da Lei de Deus: “Não usarás de violência contra o estrangeiro residente nem o oprimirás. e depois de três anos e seis meses sem chover. Esta atitude sincretista esteve sempre presente ao longo da história do povo. Assim. profeta é. uma pequena casa e um punhado de farinha e azeite. da parte do narrador. o imperador ordenou que o pai de Martinho se transferisse para Pavia. A figura de Elias surge como o paradigma do profeta de Deus. aquele que comunica ao povo o juízo de Deus. como diz o texto. de modo especial as alianças estabelecidas com Tiro. a viúva e os órfãos ficavam sem protecção e sem direitos. nas palavras de Jesus. O culto a Yahvé era agora acompanhado pelo culto a Baal. com a confissão de que só Yahvé é o Deus de Israel. antes de mais. provocaram uma invasão da religião cananeia. Não se tratando de uma mulher judia é estranhamente visitada por um profeta de Israel e torna-se. em Itália. Já em Pavia. contudo.

É por isso que ainda hoje. quando faz sol em Novembro. apenas uma se perdeu. aconteceu um milagre… Para que nenhum dos homens passasse mais frio. pai e filho foram ao palácio do imperador. Martinho recebeu a espada. O pai disse-lhe: — És alto e forte. 4-7) Jesus disse: “Suponham que um de vocês tem cem ovelhas e perde uma delas. digo-vos que haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove pessoas boas que não precisam de se arrepender. Jesus põe em evidência uma certa não razoabilidade na atitude do pastor. Martinho parou imediatamente o cavalo. O pai explicou-lhe que metade da capa não lhe pertencia: seria sempre do imperador e ele devia usá-la para se lembrar que estava ao serviço do império. um dia. Assim. ao chegar a casa. mas nada encontrou. uma capa e a ordem para ir lutar para França. Martinho resolveu voltar para casa. enquanto as outras noventa e nove continuaram junto do pastor. e. comeram cogumelos venenosos e adoeceram gravemente. cheio de frio. — Que histórias tão bonitas! — Disse Martinho. 11 de Novembro. Acho que já podes ser soldado! Nesse mesmo dia. um homem a pedir esmola. Ele e os amigos estavam tão entusiasmados. Quem lhes valeu foi o bispo. Estava já a chegar às portas da cidade. a atitude deste foi deixar as noventa e nove no local onde estavam a pastar e correr à procura da que se havia perdido. E. E essa estranheza só pode ser motivada pelos sentimentos dele e pela sua relação com cada ovelha. Hoje todos o conhecemos: no seu dia. Não deixará logo as noventa e nove para ir à procura da ovelha perdida até a encontrar? Quando a encontra. põe-na aos ombros. as nuvens desapareceram e o Sol brilhou com toda a sua força. acontece que. Foi nessa altura que se começou a interessar pela mensagem de Jesus. que lhes deu leite a beber. nesse momento.” Da mesma maneira. diz aos amigos e vizinhos: “Alegrem-se comigo. quando viu.155 Anexos Lá dentro estava um bispo a contar histórias de Jesus e dos Apóstolos. salvando-os do terrível veneno. que decidiram viver da maneira como viviam os santos que conheciam das histórias. é costume fazer-se uma festa onde se partilham castanhas em sua homenagem — é o magusto. rasgou a capa em duas partes iguais e entregou uma metade ao homem. Sem acrescentar outros pormenores. pois pertencia ao imperador. De facto. ia Martinho a caminho da cidade de Amiens. Procurou algumas moedas no bolso. pegou na espada. porque já encontrei a minha ovelha que andava perdida. O vento soprava frio e Martinho aconchegou-se melhor dentro da sua capa quentinha.” Comentário A parábola da ovelha perdida funda a sua mensagem na desproporção entre o número de ovelhas que se perderam e o número daquelas que permaneceram junto do pastor. Sem hesitar. torna-se claro que o amor para com cada uma delas foi o motor . Estranhamente. Martinho! Martinho era um homem tão bom que se tornou santo. à beira da estrada. teve uma ideia: “Vou dar-lhe a metade da minha capa de soldado que me pertence!” Martinho não podia dar-lhe a outra metade. UL1 (MA 25-26) ANEXO IV PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA Texto bíblico (Lc 15. todo satisfeito. dizemos que é o Verão de S. Alimentavam-se apenas de raízes e de frutos. Então. quando rebentou uma grande tempestade. mas. Uma tarde. bem como no estranho comportamento deste.

a andorinha levantou o olhar. soltou um grito de desconsolo e gritou desesperada: — Não posso acreditar nisto! Já está a chover! Estou perdida. envergonhada. de uma relação genérica que abrange de forma indiferenciada o rebanho. É que a água fria tolhe-me as asas… Intrigada com a mudança brusca do tempo. pousou aos pés da estátua uma formosa andorinha que estava de passagem para o Egipto. do alto deste pedestal. A afirmação conclusiva no texto evangélico (Da mesma maneira. porque era amado por todos.) dá a interpretação da parábola. Aqueles que acham não precisar de se arrepender (os cumpridores da Lei do tempo de Jesus) não comovem o Céu. Jesus está a falar não de pastores e ovelhas. meu Deus. feitos de safiras refulgentes que eram somente uma amostra do brilho do seu olhar. — Isto não está a acontecer comigo. Coberto de ouro fino e de pedras preciosas. é impossível fazer qualquer coisa… Tu é que me podias ajudar. — Por que choras. pois. em dias de maré-cheia. que ama infinitamente cada pessoa. Já nem sequer tenho hipóteses de as alcançar. corre ao encontro daqueles que se perdem e alegra-se com a sua conversão. eu devo estar a sonhar: uma estátua com lágrimas nos olhos? Não há dúvida: os homens são cada vez mais inteligentes! Não lhes bastou inventar homens de pedra… agora também os fazem chorar… Estou pasmada! Aproximou-se a medo e pousou as patinhas delicadas na ponta do nariz do Príncipe Feliz. . de todos os lados. Príncipe? Oh. Sentindo duas gotas grossas a percorrer-lhe a penugem negra. — Choro pelo sofrimento. Certa manhã. A sua morte repentina causou uma profunda tristeza em todo o reino. estendia os braços — como quem se prepara para dar um abraço ao mundo — e contemplava a cidade. ANEXO V UL1 (MA 28) O PRÍNCIPE FELIZ Era uma vez uma estátua colocada na praça mais central de uma cidadezinha inglesa. o “Príncipe Feliz”. São os que tomam consciência da sua condição de pecadores que são objecto da atenção de Deus. crianças choravam. Aqui e ali. Não se trata. à procura de trabalho para comprar o pão de cada dia. se apercebeu do que realmente se passava. o filho mais novo do rei. graças ao seu coração bondoso. finalmente. andorinha! — Estou de passagem para o Egipto — balbuciou. tal qual as rochas da praia. Inclinou ainda mais a cabecita negra. digo-vos que haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove pessoas boas que não precisam de se arrepender. — Não sabia que havia tanta gente infeliz no meu reino. a fim de ajustar contas com a Criador. olhou de revés para ambos os lados. com um par de olhos preciosos. quando. Foi então que aqueles olhos azuis se encheram de água. Afinal.156 Anexos da sua actuação. à espera de uma reacção. do alto do seu pedestal. Deste modo. percebe-se a atitude do pastor: Deus. Tinha sido feita para prestar homenagem ao “Príncipe Feliz”. Gostava tanto de os poder ajudar … mas. choro pela pobreza… choro pela miséria do meu povo! A andorinha olhou para a praça com olhos de ver e deu razão ao Príncipe. não fosse alvo de troça de algum pardal que ali passasse. Ia atrasada e procurava desesperadamente o bando. só uma louca como eu pára para falar com estátuas que choram… — e. estendendo o olhar pelo horizonte. dizendo isto. mas da relação de Deus com as pessoas. Quem se considera auto-suficiente não precisa de Deus e não está disponível para acolher o seu amor misericordioso. mas de uma relação pessoal com cada um dos membros do grupo. mulheres praguejavam e os homens corriam.

— Mas. No dia seguinte. batendo palmas de alegria. cheia de falhas e de buracos provocados pelas bicadas. Mas. Há tantos pobres na cidade… Estás a ver ali. Enquanto cá estiveres. apesar do aspecto miserável da sua farda. mas não se importou nada com isso. Tinha decidido ficar ali para sempre. vou partir para o Egipto. um dia destes. Jamais abandonaria um amigo de verdade. Vais ficar cego se to arrancar… — Não faz mal… ainda me resta um. A andorinha debicava. Já foi muito famoso mas. a beleza da estátua que há bem pouco tempo enchia de orgulho a gente daquela cidade. que ajudava. — Que feia a estátua do Príncipe Feliz! Temos de a deitar abaixo. — Diziam os senhores importantes do alto das suas carruagens. — Mas a safira é um dos teus olhos. andorinha. O dinheiro deve chegar para pagar a renda da nossa casa. Agora. Sem mais nada para fazer. vive sozinho e a doença não o deixa trabalhar. A andorinha arrancou o rubi da espada e levou-o ao casebre. era chegada a vez de o ajudar: ele estava cego e precisava dela a todo o instante. Os dias curtos e amarelados do Outono cediam passagem aos dias cinzentos e ensopados do Inverno. emocionada. Os dias foram passando e. — Olhem só o que a andorinha deixou aqui… — É uma jóia. Pousada no ombro do Príncipe. A andorinha sabia que estava a pôr em risco a sua própria vida. Lá. Leva-lhe esta safira para que possa sobreviver. a andorinha morreu. Vê como tem os pezinhos roxos de tanto frio que sente por estar descalço. agora. Não percas tempo. com eles. sorrindo.. Querem pô-los na rua. vão ficar eternamente a meu lado! . Via o seu esforço recompensado nas vidas renovadas de tanta gente que ajudava… e na felicidade estampada no rosto do Príncipe Feliz. os senhores importantes mandaram tirar a estátua da praça central.. a andorinha assistiu a tudo. — Disse a mais velha. vivem uns meninos pobres que não podem pagar a renda. já estaria muito longe… à procura do calor… — Arranca o rubi da minha espada e deixa-o ali. — Por isso. — Agora. Baixaram-na do pedestal e levaram-na para uma fundição. o corpo da andorinha. as lâminas de ouro da estátua e distribuía-as pelos pobres que encontrava nas ruas sujas e lamacentas de Londres. Adeus… — Espera um pouco. a andorinha cumpria à risca as instruções do seu Príncipe e fazia muitas pessoas felizes. o Príncipe acordou mais cedo do que nunca e desfez-se logo em pedidos. E a safira serviu para salvar o velho escritor. — Tragam ao Céu o coração de chumbo do Príncipe Feliz e o corpo da Andorinha — ordenou Deus. Intrigados com o voo rápido da andorinha. vais arrancar a safira que me resta e vais pô-la na mão daquele menino que mendiga à porta da igreja. Entre idas e voltas mais ou menos acidentadas. vai ajudá-lo! A andorinha voou até à arruinada cabana que o Príncipe lhe tinha indicado. Estava muito frio. ao fundi-la. tu serás os meus olhos e eu verei o mundo com os olhos do teu coração. ficarás cego! Não me peças isso que eu não sou capaz! — Não faz mal. amiga. num ápice.157 Anexos Mas o coração falou mais alto e ela acabou por dizer que “sim”. contava-se na praça que uma criancinha tinha sido vista com uma andorinha nas mãos e um pedaço de chumbo em forma de coração. Deitaram-no então. Dias depois. os meninos precipitaram-se para a entrada e viram qualquer coisa a brilhar no chão. Numa manhã de nevoeiro. enregelada pela chuva torrencial. se o fizer. Príncipe. Mas só naquele dia. verificaram que o coração do Príncipe resistia ao calor mais elevado. — Nunca na Terra existiu alguém que tivesse tanto amor pelos pobres — acrescentou. inerte. na lixeira onde jazia. naquele cubículo escuro. No dia seguinte. Vamos vendê-la agora mesmo. Nessa mesma noite. uma a uma. naquele casebre em frente. Agora. — Tarefa cumprida. uma luzinha a brilhar? Ali vive um velho escritor. a andorinha deitou-se aos pés do amigo e adormeceu.

para não voltarem a encontrar-se com Herodes. Assim. Depois mandou-os a Belém com esta recomendação: Vão e informem-se cuidadosamente acerca do menino e. instalação em Nazaré (2.” Quando Herodes teve conhecimento disto. do ponto de vista pedagógico. Tão distintos que quaisquer esforços de conciliação nos levantam grandes dificuldades quer de ordem literária. Apresentamos uma possível organização1 destes primeiros capítulos: genealogia de Jesus (1. porque de ti é que há-de vir um chefe que será o pastor do meu povo de Israel. como não podia deixar de ser. sua mãe. Lucas. 18-25). No entanto. não és de modo nenhum a menor entre as terras principais da Judeia. Ao verem a estrela.” Depois de ouvirem o rei. Mateus e S. quer teológica.” Então Herodes chamou à parte os sábios e perguntou-lhes quando é que exactamente a estrela lhes tinha aparecido. vieram uns sábios do Oriente a Jerusalém e perguntaram: “Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? É que nós vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo. 1-17). conforme o que o profeta escreveu: Tu. 1-12). venham-me dizer. na região da Judeia. Depois apresentaram o que traziam para lhe oferecer: ouro. para eu ir também adorá-lo. anunciação a José (1. iremos tratar os dois textos de forma paralela.1-18) faz parte da chamada Narrativa da Infância (Cap. as cronologias são díspares. 13-15). Mandou reunir todos os chefes dos sacerdotes e os doutores da Lei e perguntou-lhes: “Onde é que há-de nascer o Messias?” Eles responderam: “Em Belém da Judeia. ó Belém. 1-2). visita dos magos (2.158 Anexos ANEXO VI UL2 (MA 36-37) O NASCIMENTO DE JESUS Elementos problemáticos nas narrativas O nascimento de Jesus vem relatado apenas nos evangelhos de S. Fazemos apenas referência a alguns elementos: as narrativas foram escritas cerca de 80 anos depois dos acontecimentos. viram o menino com Maria. sentiram uma alegria enorme. têm um carácter secundário no conjunto dos textos dos evangelhos de Mateus e de Lucas. no tempo do rei Herodes. Depois do seu nascimento. Mas é evidente que. Mateus (2. . massacre das crianças (2. 19-23). repararam que a estrela que tinham observado no Oriente ia adiante deles. os sábios partiram. fuga para o Egipto (2. 1-12) Jesus nasceu em Belém. e inclinaram-se para o adorarem. por outro caminho. nem Marcos nem João fazem qualquer referência aos episódios do seu nascimento e infância. Texto bíblico (Mt 2. Então Deus avisou-os por meio dum sonho. incenso e mirra. e como ele todos os moradores de Jerusalém. Uma história que harmonize as duas narrativas poderá mesmo ser adequada a alunos desta faixa etária que não estão em condições de problematizar os textos. há discordância entre as duas narrativas. quer histórica. Nisto. pode-se observar a presença de elementos que se aproximam do mágico e do maravilhoso. terra de Judá. 16-18). As dificuldades próprias de cada um dos textos já são grandes. ficou muito preocupado. quando o encontrarem. até que parou por cima do lugar onde se encontrava o menino. Comentário O texto de S. estas questões ainda não podem ser colocadas aos alunos. há elementos próprios das narrativas pagãs (a estrela e os anjos). os dois textos que possuímos apresentam-nos dois relatos bem distintos. Quando entraram na casa. maiores ainda quando os juntamos e criamos um hipotético relato dos acontecimentos do nascimento de Jesus: juntar os pastores e os magos na mesma história é como juntar peças de puzzles diferentes. E eles partiram para a sua terra.

2ºEdição. Melchior e Baltasar. Difusora Bíblica. Cadernos Bíblicos nº9. e é de Nazaré.). Texto bíblico (Lc 2. Jesus dá início ao tempo da nova aliança. mas o anjo disse-lhes: “Não tenham medo! Venho aqui trazer-vos uma boa-nova. Ficaram muito assustados. que é Cristo. e a luz gloriosa do Senhor envolveu-os. na província da Judeia. Difusora Bíblica. que será motivo de grande alegria para vocês e para todo o povo. são pagãos que vêm adorar o Salvador (ou seja. local onde cresceu. dado a Maria em Lucas — colocam Jesus. Lisboa. José partiu de Nazaré. Para Mateus. Todos iam inscrever-se cada um na sua cidade. Mais do que um astro. sua mulher. Por isso. que estava grávida. o Grande (que reinou de 40 a. 1-20) Por essa altura. Naquela região havia pastores que passavam a noite no campo. os reis de Sabá e de Seba mandarão presentes!”) que se chamam Gaspar. na província da Galileia. até 4 a. o Emanuel. Situado no tempo e no espaço.C. Apareceu-lhes um anjo. tem uma intencionalidade clara: os magos eram especialistas em astrologia e esta é colocada ao serviço deste grandioso acontecimento. na linha da descendência do rei David.” Nisto juntaram-se ao anjo muitos outros e louvaram a Deus. e nem Herodes. Enquanto estavam em Belém. tal como os anjos conduzem os pastores até ao presépio. passando pelo Egipto (qual novo Moisés. o tempo do novo Israel). onde tinha nascido o rei David. PERROT Charles. A segunda parte do texto apresenta Jesus numa viagem que começa em Belém e termina em Nazaré. Lisboa. Nasceu-lhe então o menino. guardando os rebanhos. representantes do povo Judeu. o cristianismo está aberto aos pagãos e não apenas aos judeus). o encontro com Jesus é o objectivo da viagem de um grupo de magos que vem do Oriente. que era o seu primeiro filho. foi lá inscrever-se com Maria. na cidade de David. 10 (“Os reis de Társis e das ilhas oferecerão tributos. Porém. local onde nasceu. filho de Deus. nem Jerusalém. Os magos chegam junto de Jesus guiados por uma estrela. Pois nasceu hoje. 2ºEdição. o vosso Salvador. 1 2 PERROT Charles. guiado por uma estrela. E pouco mais chega até nós pela pena de Mateus.C. 1990. os magos eram pagãos.159 Anexos Estes primeiros capítulos de S. Mateus procuram responder a duas perguntas: Quem é Jesus? De onde vem Jesus? A genealogia e as aparições a José — que neste evangelho tem um papel de destaque. Este primeiro recenseamento fez-se quando Quirino era governador da Síria. a tradição latina apresenta-nos três — em função dos três presentes referidos por Mateus — reis. e foi para Belém. Ao longo do texto encontramos várias antíteses: Herodes (rei) e Jesus (rei que nasceu). por não conseguirem arranjar lugar em casa. segundo um manuscrito parisiense do século VI2. O texto procura responder à pergunta: de onde vem Jesus? Geograficamente Jesus é originário de Belém. A estrela é o guia dos magos. Como José era descendente de David. o Senhor! Poderão reconhecê-lo assim: encontrarão o menino envolvido em panos e deitado numa manjedoura. Envolveu-o em panos e deitou-o numa manjedoura. Narrativas da infância de Jesus. chegou o momento de Maria dar à luz. reconhecem o Messias. A presença de magos relacionada com o nascimento do Emanuel não é inocente. 1990. Narrativas da infância de Jesus. a estrela é um tema comum ao nascimento de um grande homem. Cadernos Bíblicos nº9. cantando: “Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens a quem ele quer bem!” . os magos (que querem adorar) e Herodes e Jerusalém (que não adoram). Temporalmente Jesus nasce durante o reino de Herodes. agora é possível encontrar Jesus: e os magos põem-se a caminho para encontrarem “o rei dos Judeus que acaba de nascer”. o imperador Augusto deu ordem para se fazer o recenseamento de toda a população do império romano. a partir do salmo 72. prova disso é um vasto conjunto de textos que apresentam a estrela como metáfora do rei-messias.

mais desprezados do que os pecadores e os publicanos. a primeira manifestação de Jesus no Templo (2. Anjo – Deus é que vai ser o pai do menino. A família de José era originária da cidade de Belém. o nascimento se dá no mais completo silêncio e segredo. o qual contrasta com o acolhimento e anúncio dos anjos. Maria – Mas José vai ser o meu marido e eu ainda não casei com ele. que estava deitado na manjedoura. 26-38). 4151). a respeito de Jesus. possivelmente uma gruta. 57-66). depois da dedicatória do evangelho (1.160 Anexos Mal os anjos partiram para o céu. o Senhor está contigo.80). por tudo o que tinham ouvido e visto. música e esplendor.52).1-4). exactamente como lhes fora anunciado. puseram-se a contar a toda a gente o que lhes tinha sido dito a respeito daquele menino. e pelo caminho cantavam louvores a Deus. Jesus nasceu em Belém por ocasião do primeiro recenseamento que se fez. visita de Maria a Isabel. em Nazaré. e a revelação dirigida aos pastores. é o nascimento em si e o contraste entre a pobreza do local e a grandiosidade da sua pessoa e missão.” Foram a toda a pressa e lá encontraram Maria e José. 67-79). anúncio do nascimento de Jesus (1. Porém Maria recordava todas estas coisas e meditava nelas atentamente. por isso tinha de ir fazer o recenseamento à sua terra. a apresentação de Jesus no Templo (2. por um lado. principalmente em contraponto com o nascimento de João: a respeito de João. Jesus no Templo (2. Os pastores foram-se embora. salmo (Benedictus) de Zacarias (1. o maior destaque do relato é o momento da circuncisão. seja como tu dizes. dá início ao relato da infância: anúncio do nascimento de João (1. sendo Quirino governador da Síria. podemos destacar alguns elementos. Maria – Quem és tu? Anjo – Sou o anjo Gabriel e vim anunciar-te que vais ser a mãe do Filho de Deus. Lucas coloca o nascimento de Jesus num pobre “estábulo”. Se. ficavam muito admirados.40). Depois de verem. nascimento de Jesus (2. cheia de graça. o anúncio aos pastores é cheio de alegria. Comentário A narrativa de Lucas apresenta uma estrutura totalmente diferente da de Mateus. O conjunto apresenta três refrães no final de cada ciclo: nascimento de João (1. os pastores disseram uns para os outros: “Vamos a Belém para vermos o que o Senhor nos deu a conhecer. o nascimento e a circuncisão de Jesus (2. Centrando-nos na parte referente ao nascimento de Jesus. Maria – Então. 1-21). Todos os que ouviram o que os pastores diziam. (O anjo retira-se e Maria fica em oração. e o Magnificat (1. aparece-lhe o anjo Gabriel) Anjo – Ave Maria. 5-25). em Lucas é Maria que tem todo o destaque. Em Mateus existe uma clara antítese entre Herodes e Jesus. em Mateus é José que é alvo das palavras do anjo. comum aos Actos dos Apóstolos. Do outro lado do palco está José a quem aparece o anjo) José – Quem és tu? . bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. 22-39). e o menino. 39-56). Lucas. ANEXO VII UL2 (MA 36-37) DRAMATIZAÇÃO DA HISTÓRIA DO NASCIMENTO DE JESUS Cena I (Na casa de Maria. o nascimento e circuncisão de João (1. em Lucas existe uma grande proximidade entre João Baptista e Jesus. Os pastores representam os mais pobres entre os pobres.

Avista-se a cidade) Maria – José. meu menino. enquanto o povo se reúne. Herodes – O filho de Deus? Mas então esse menino é mais importante que eu? Conselheiro 3 – Sim. (Chegam à gruta e ajoelham-se. Mago 3 – Vamos depressa. a cidade do rei David. (Vai batendo às portas. Mago 2 – Aqui tens. José (aponta para um estábulo) – Vamos para ali. é verdade. com uma barriga já grande vai no burro até Belém. assim seja. Maria é descida por José e deita-se. que é a nossa terra. a tua futura mulher. Pelo menos há palha onde te possas deitar e os animais aquecem o lugar. Por isso. Ele é o rei dos reis. José – Se é essa a vontade de Deus. (Dirigem-se para a gruta. ajoelham-se) Mago 1 – Aqui tens. vai ser a mãe do filho de Deus. Cena III (Herodes está num trono. Conselheiro 2 – Queriam vir adorar o filho de Deus que está para nascer. Nasceu o Salvador. Conselheiro 1 – Sim. José – Vamos ver se nos deixam ficar nalguma casa.161 Anexos Anjo – Sou o anjo Gabriel. este presente para ti: o perfume de mirra digno do salvador do mundo. Herodes – E onde é que ele vai nascer? Conselheiro 4 – Em Belém. Maria e Jesus estão na gruta. meu menino. temos de ir a Belém. (Entram. Vão àquela gruta para o adorar. A criança nasce. Quando chegam. Vamos preparar as coisas. Um anjo aparece a José) . não posso mais. José – O que queres de mim? Anjo – Maria. o nosso menino tem de nascer. Herodes – Então só há uma maneira de eu me ver livre dele: mandem as minhas tropas matar todas os bebés de Belém! (Os conselheiros começam a conversar uns com os outros. Eles ficam assustados) Anjo – Não tenham medo. Maria. os magos vão-se aproximando) Mago 1 – A estrela que nós seguimos já parou em cima daquela gruta. este presente para ti: o incenso digno do filho de Deus. José – Maria. com ar aflito) Cena IV (José. O cavaleiro abre um pergaminho) Cavaleiro – O Imperador Augusto mandou que todos se recenseassem. Do outro lado do palco há um grupo de pastores a guardar rebanhos a quem aparecem anjos. este presente para ti: o ouro digno de um rei. estou com muitas dores. meu menino. Ao longe. Aceita-a e cuida do bebé. Ele está envolvido em panos numa manjedoura. (Preparam tudo e carregam o burro. Cena II (Aparece um cavaleiro romano. todos têm de se dirigir para a sua terra de origem para darem o seu nome. Estão junto dele os seus conselheiros) Herodes – Ouvi dizer que passaram por aqui alguns magos do Oriente. Pastores – Vamos todos ver o menino. mas todos dizem que não têm lugar) Maria – José. Será que é ali o sítio onde nasceu o Salvador do mundo? Mago 2 – Só pode ser. Mago 3 – Aqui tens.

162 Anexos
Anjo – José, levanta-te e foge com Maria e o menino para o Egipto porque o rei Herodes quer matá-lo. José – Mas tem de ser já? O menino é ainda tão pequeno! Anjo – Sim, já. Quando for possível, eu logo te digo para regressarem a Nazaré. Mas só depois da morte de Herodes. (José e Maria arranjam as coisas e saem todos rumo ao Egipto)

ANEXO VIII
UL2 (MA 45)

CANÇÕES
Jesus vem ao mundo Jesus vem ao mundo: Que paz e bondade! Oh, quanta doçura, Amor e humildade! Vinde e adoremos Jesus salvador: A estrela nos aponta O rumo a salvação, Belém e Deus Menino, A celeste mansão. Jesus no presépio, Mas vede que amor: Nascer pobrezinho O Deus criador! Na face resplandece A luz divinal, Tesoiro de graça, De vida imortal. Natal em Festa (Medley de 8 Musicas) Está na hora do menino ir deitar e na chaminé pôr os sapatinhos. Já é noite, o Pai Natal vai chegar, Para todos deixar os presentinhos. Cedo acordo ouço os sinos a tocar E levanto-me alegre aos saltinhos. Devagar para ninguém acordar, Vou contente ver os meus presentinhos. Lá, lá, lá, lá (…) Devagar para ninguém acordar, Vou contente abrir os meus presentinhos Entrai pastores, entrai Por este portal sagrado: Vinde adorar o Menino Numas palhinhas deitado. Alegrem-se os céus e a terra, Cantemos com alegria, Que nasceu o Deus Menino Filho da Virgem Maria. É Natal, Deus Menino nasceu Vê-se ao longe uma estrela a brilhar São os reis, são os reis, são os reis Vêm a Belém para o visitar. (Bis) Noite Feliz, Noite Feliz O Senhor, Deus de amor, Pobrezinho, nasceu em Belém Eis na lapa, Jesus nosso bem Dorme em paz ó Jesus Dorme em paz ó Jesus. Mmm…, Mmm… Mmmmm… Aos pastores os anjos do Céu Anunciando a chegada de Deus, De Jesus Salvador De Jesus Salvador. Logo que nasceu Jesus acampou. Logo que nasceu Jesus acampou. E à luz das estrelas, uma voz soou. Um ah! ah! ah! ah! Um ah! ah! ah! ah! Maria Senhora seu filho embalou Maria Senhora seu filho embalou E à luz das estrelas, uma voz soou. Um ah! ah! ah! ah!

163 Anexos
Um ah! ah! ah! ah! Vem das alturas o Senhor Manifestar o Seu amor. Feliz Natal, Feliz Natal, Jesus nasceu Feliz Natal. (Bis) Toca o sino pequenino Sino de Belém Já nasceu o Deus Menino Que a Senhora tem. (Bis) Esta noite é bela Entre o céu e Ela Vamos à capela Felizes rezar. E ao tocar o sino Sino pequenino Vem o Deus Menino Para nos salvar. Toca o sino pequenino Sino de Belém Já nasceu o Deus Menino Que a Senhora tem. (Bis) Gloria in excelsis Deo! Oh! Vamos todos à porfia Cantar um hino de louvor, Hino de paz e alegria Que os anjos cantam ao Senhor: Gloria in excelsis Deo! Gloria in Excelsis Deo!

ANEXO IX

UL2 (MA 48-49)

NATAL DO SAPATEIRO
Vou contar-vos uma história Que nos traz uma lição. Guardai-a bem na memória, Ouvi-a com atenção. Era uma vez um sapateiro, Em tempos que já lá vão, Trabalhava o dia inteiro Para ganhar o seu pão. Homem simples e honrado, Homem de bom coração. Por todos era estimado, A todos dava a sua mão. À noite, já cansado Do trabalho da jornada, Lá se punha ajoelhado E no silêncio rezava. E no tempo do Natal Pedia sempre a Jesus Que lhe trouxesse um sinal, Que mostrasse a sua luz. Um dia, porém, foi diferente: Enquanto ele se ajoelhava, Ouviu uma voz, de repente, Que do céu vinha e falava: “De profissão és sapateiro, A todos dás teu amor És honesto e verdadeiro, Agradas ao teu Senhor. Ouve, então o que te digo: Grande alegria te darei; Amanhã vou ter contigo, Em tua casa entrarei.” Que grande alegria sentiu! Que doce voz lhe falou! E de noite nem dormiu, Até que o dia chegou.

164 Anexos
Levantou-se prontamente, Colocou seu avental. Não parava, de contente: Era um dia especial! Começou o seu labor, Tudo varreu e limpou. E pensando no Senhor, Esperando ele ficou. Eis que à porta alguém bateu. Seria Jesus que chegava? Não foi Ele que apareceu, Era um mendigo que entrava. Não ficou desconsolado Com semelhante surpresa: Agarrou no desgraçado E sentou-o à sua mesa. Tratou dele sem demora; Partilhou com ele o pão, E quando se foi embora Ia feliz no coração. Recomeçou a trabalhar O sapateiro, ocupado. Até o Senhor chegar Não podia estar parado. Quando, porém, de repente Alguém à porta tocou. Foi abri-la novamente E uma senhora entrou. Vinha muito atrapalhada: Seu sapato se rasgou. Fê-la ficar descansada E o sapato remendou. Quando foi para pagar Ela não tinha dinheiro: Mandou-a sair em paz E perdoou-lhe o sapateiro. Compreender já não podia Este bom trabalhador: Já passava do meio-dia E não chegava o seu Senhor. Redobrou de paciência E ao trabalho ele voltou. Com a paz na consciência, Cheio de fé continuou. E sem tardar grande tempo Novamente alguém chegou: Cheio de contentamento O trabalho abandonou. Seria agora o Senhor? Lá foi ele abrir depressa; Apesar do seu fervor Não se cumpria a promessa: Oh! Que linda criancinha Chegava com sua mãe! Sem desprezar a quem vinha, Soube tratá-los bem. De novo na solidão, Enquanto a noite chegava, Perguntava ao coração Se o Senhor se demorava. Ia a hora adiantada E parou de trabalhar. Era já noite cerrada, Ninguém voltou a entrar. Não sabia o que pensar; Só sentia alguma dor. O dia todo a esperar, E não chegou o Senhor! E como sempre fazia Ao chegar o dia ao fim, Ajoelhou — sem alegria — E hoje rezava assim: “Ó Senhor da minha vida, A quem sirvo por amor, Hoje tenho a alma ardida, Consumida pela dor. Sei, Senhor, que nada valho, Mas esperava que chegasses; Que visses o meu trabalho, Que comigo te sentasses.”

“Tu vieste ter comigo?! Não dei conta o dia inteiro!” “Sentei-me na tua mesa E deste-me do teu pão. Jesus aproveita a conversa em torno da mesa.165 Anexos E de novo lá do céu. Jesus disse isto: “Quando alguém te convidar para um casamento. ficarás muito honrado diante de todos os que estiverem contigo à mesa. Um pouco entristecida. senta-te no último lugar e assim. respondeu o sapateiro. e todo o que se humilha será engrandecido. Em tua casa me acolheste. A voz lhe respondeu E dizia. na escolha dos convidados (Lc 14. quando fores convidado.” “Já compreendo. não encontramos nenhuma sequência doutrinal ou geográfica.” “Ó Senhor. enternecida: “Três vezes fui ter contigo E as três me recebeste.13: Quando deres uma festa. Hoje fui mãe e criança. mas antes uma amálgama de textos e parábolas que procuram renovar o repto lançado por Jesus tendo em vista a conversão dos seus ouvintes. não te sentes no lugar principal. Jesus refere ainda o cuidado. ou a falta dele.” Que todos percebam bem — a história chegou ao fim — Sempre que ajudo alguém É Natal dentro de mim! (Adaptado de um conto) ANEXO X UL3 (MA 56-57) PARÁBOLA DO CONVIDADO QUE OCUPA O PRIMEIRO LUGAR NO BANQUETE Texto bíblico (Lc 14.” Ficarás depois envergonhado quando tiveres de procurar o último lugar. O Natal é cada dia Que te encontro no irmão.” Nesta altura.284 enquadra-se na viagem de Jesus até Jerusalém. Agora sinto a alegria A encher-me o coração. estás confundido”. dirá: “Amigo passa para um lugar mais honroso. Jesus foi a casa dum dos chefes dos fariseus para comer com ele. À tua porta bati. O tema do Banquete é o assunto central da primeira metade do capítulo 14. Pois todo aquele que se engrandece será humilhado. De novo corri p’ra ti Em busca de confiança. aquele que convidou os dois terá que te dizer: “Dá o lugar a este.” Comentário O conjunto de textos apresentado por Lucas entre os capítulos 9. convida os . Senhor: Cada pessoa que atendi Era o sinal do teu amor. Por isso. No entanto. afinal. Foi a ti que recebi. Não pude pagar despesa E deste-me o teu perdão. porque pode acontecer que tenha sido convidado alguém mais importante que tu. para proferir algumas parábolas e conselhos aos seus ouvintes — os fariseus e doutores da lei: partindo desta parábola. e todos observavam o que Jesus fazia (v 1).513 e 19. quando vier o que te convidou. Então. 7-11) Ao reparar como alguns convidados escolhiam os lugares de honra à mesa. Até falaste comigo.

mas ouviu um dos cisnes dizer: — Olha. Muito assustado. regalada. Os cisnes levantaram voo e o patinho feio foi com eles. Escolhem os lugares de destaque tanto nas casas de oração como nos banquetes. condena fortemente a pretensiosismo e a altivez (v 18: Mas todos eles. que lindo é este cisne! — É o mais bonito do lago! — Respondeu a mãe. Jesus dirige esta palavra aos mais importantes do povo. Entretanto. o Inverno chegou. No banquete do reino só têm lugar aqueles que humildemente aceitam o convite do Senhor. os inválidos. O desafio de Jesus faz eco do livro dos Provérbios 25. O Patinho Feio pensou que o iriam enxotar. escondeu-se debaixo de uns troncos e por ali ficou abandonado. há-de provar da minha ceia). O patinho não tinha para onde ir. 3 4 5 ”Como já estava a chegar a altura em que havia de ser levado deste mundo. voltou a Primavera.) e a parábola do grande banquete (Lc 14. a mãe despediu-se do seu filhote e chorou muito. Mas. nem tomes o lugar de pessoas importantes.24: Garanto-vos que nenhum daqueles que convidei primeiro. 6-7: Não te gabes na presença do rei. olharam para o bando e exclamaram: — Que cisnes tão lindos! .166 Anexos pobres.» UL3 (MA 61-62) ANEXO XI HISTÓRIA DO PATINHO FEIO Num belo dia de Verão. Jesus seguiu para diante. Então.” Lc 20.” ”Dito isto. cheios de pena. olhou para as águas do lago onde se viu reflectido. os coxos e os cegos. mas demasiado ocupados deixam passar o banquete do Reino de Deus. Jesus tomou a decisão de ir a Jerusalém. saiu um patinho muito estranho! Todos os animais fugiram assustados. nada menos do que um belo cisne. que patinho tão feio! Quando a mãe pata nadava com os filhos. então. sair de casa. Era nada mais. Com o coração apertadinho. Jesus faz um veemente convite à humildade (v 11: Pois todo aquele que se engrandece será humilhado e todo o que se humilha será engrandecido). seus irmãos. Quando passou por cima da sua antiga quinta. — Onde é que irá o patinho feio com este frio? Não parava de nevar. Os animais do bosque olhavam para ele. porque mais vale que te digam: “sobe para aqui!”. ao nascimento dos seus filhotes. os patinhos. E o senhor galo. — Que lindos! — Disse a mãe pata. ia esconder a cabeça entre as asas. que por ali passava. se foram desculpando). os fariseus e os doutores da lei. do quarto ovo. àqueles que se pavoneavam nos primeiros lugares5 . uns são convidados. Finalmente. e mais ainda. a senhora pata assistiu. e o Senhor não espera e manda convocar todos os que estão pelos caminhos. No meio dos mais importantes do povo.46 «Cuidado com os doutores da lei! Gostam de andar a passear bem trajados e de serem cumprimentados com todas as atenções nas praças públicas. todos os animais da quinta olhavam para eles e diziam: — Que pato tão grande e tão feio! Os irmãos tinham vergonha dele e gritavam-lhe: — Vai-te embora! É por tua causa que toda a gente olha para nós! O patinho resolveu. em direcção a Jerusalém. e andou ao acaso. Andando o Patinho Feio a nadar. do que seres humilhado diante de alguém mais importante. Admirado com o que estava a ouvir. mãe. chegou a um lago no qual passeavam dois belos cisnes que olhavam para ele. um por um. exclamou: — Meu Deus.

” Mas o cobrador de impostos ficou a distância e nem sequer se atrevia a levantar os olhos para o céu. Ensinavam uma profunda obediência aos ensinamentos divinos. . aos olhos de Deus. sobre cuja prática se mostravam rigorosos. injustos e adúlteros. um deles. que são ladrões. Jesus procura desafiar os seus discípulos à oração incessante. O fariseu. solicita ao juiz que lhe faça justiça. os romanos. Jejuo duas vezes na semana e dou a décima parte de tudo o que ganho. 7 Cobrador de Impostos – Segundo o sistema implantado pelos romanos na Palestina. Ao escolher estas duas personagens. por causa das nossas obras e da nossa posição social. Jesus não se importa de ser “politicamente incorrecto”. contada por Jesus. Um deles era fariseu e o outro. Bíblia Sagrada em Português corrente). apenas batia com a mão no peito e dizia: “Ó meu Deus. Dois homens foram ao templo.” Comentário Esta parábola. 9-14) Jesus fez também esta comparação para alguns que se julgavam pessoas muito justas e desprezavam os outros: “Dois homens foram ao templo para orar. sai muito mal visto da história: não é justificado por Deus. os cobradores de impostos eram pessoas encarregadas de recolher impostos e taxas sobre mercadorias. (in Vocabulário. pecador público. orava assim: “Ó Deus. ficando com o excedente para si. o outro. odiado e desprezado pela população. respeitado pelo povo. Aos olhos de Deus o que conta é a simplicidade e humildade do coração. Jesus quer desafiar as estruturas social e religiosa da época. mas. na época do Novo Testamento. Jesus apresenta-nos duas personagens: um fariseu6 e um cobrador de impostos7 . sem cessar. para ele é muito claro: a relação com Deus deve ser marcada pela humildade e não pelo orgulho e a soberba. Pois todo aquele que se engrandece será humilhado e todo o que se humilha será engrandecido. eram olhados com desprezo pelos judeus. é a pessoa humilde que é exaltada. composto sobretudo por leigos.167 Anexos ANEXO XII UL3 (MA 63) PARÁBOLA DO FARISEU E DO COBRADOR DE IMPOSTOS Texto bíblico (Lc 18. nem como este cobrador de impostos que ali está. Bíblia Sagrada em Português corrente). Esta narrativa surge na sequência da parábola do juiz e da viúva que. Até podemos ser admirados pelas pessoas. Eram os representantes da piedade popular e os mestres do ensino da Tora (Lei). e como muitos deles se aproveitavam indevidamente da sua função para extorquir ao povo mais impostos do que os que eram devidos. altivo. tem compaixão de mim que sou pecador!” E Jesus concluiu: “Afirmo-vos que o cobrador de impostos foi para sua casa mais justo aos olhos de Deus do que o fariseu. Como se encontravam ao serviço da potência ocupante. cobrador de impostos. Jesus lança o seguinte aviso: a oração requer humildade. agradeço-te porque não sou como os outros. Depois de apelar à oração. segundo antigas e sempre novas interpretações da Palavra de Deus. surge a parábola em causa. Nesta sequência. como os fariseus. sai elogiado por Jesus e justificado por Deus. 6 Fariseus – Formavam um grupo religioso particular no interior da religião hebraica. é apenas referida no evangelho de Lucas. (in Vocabulário.

firmou sobre eles a autoridade da mãe. mas uma criança simples e humilde. Os discípulos perguntavam-se sobre qual deles seria o maior.168 Anexos ANEXO XIII UL3 (MA 66) O MAIOR DOS DISCÍPULOS Texto bíblico (Lc 9. E quem me recebe a mim. donde se destacam Pedro.1-16) Ouçam. dizendo isto. no dizer do povo?). O paradigma do discípulo não é o realizador de milagres ou curas. Jesus fala aos seus discípulos. Este capítulo. três tiveram a graça de testemunhar a sua transfiguração e Pedro tinha acabado de fazer um brilharete… mas nenhum destes é o maior… nenhum destes episódios parece importante. cuidadosamente. E é nesta sequência que surge o nosso texto. É a humildade que Jesus deseja ver espelhada no comportamento dos seus discípulos. Aquele de vocês que for o mais humilde. não é o entendido nas coisas de Deus. é a mim que recebe. 36-37. pegando num menino. versando vários assuntos e personagens8 . em primeiro lugar os Doze e. e lhes anuncia a sua paixão (vv. entre outros. — e. tem como tema aglutinador os discípulos de Jesus. esse é que é o maior.1-39 “Quem será o mais importante no Reino dos Céus?” Jesus chamou uma criança. 23-27). quando os lança em missão (vv. Jesus percebeu as ideias deles e. 1-6). garanto-vos que não entram no Reino dos céus. quando lhes fala das condições para o seguir (vv. 43b-45). Jesus tinha escolhido Doze e. nem aquele que testemunha grandes teofanias. Quem honra o pai gozará de longa vida e quem obedece ao Senhor consolará a sua . de entre estes. e até um Possesso. Quem honra o pai encontrará alegria nos filhos e será ouvido no dia da sua oração.” Comentário Esta narrativa faz parte do capítulo 9 do evangelho de S. Aquele que honra o pai alcança o perdão dos seus pecados e quem honra a sua mãe é semelhante àquele que acumula tesouros. 21-22. 8 9 Os doze. esse é que é o maior. A referência a crianças como modelo atravessa os evangelhos: Mt 18. de entre estes. os direitos do vosso pai. Pedro. 46-48) Certa vez. e disse: “Reparem no que vos digo: se não se transformarem e não se fizerem como crianças. recebe aquele que me enviou. Lucas. ANEXO XIV UL4 (MA 76-77) DEVERES DOS FILHOS PARA COM OS PAIS Texto Bíblico (Sir 3. que é bastante confuso e variado. que pôs de pé no meio deles. estavam os discípulos a discutir qual deles seria o mais importante. e depois ainda o primado de Pedro na sua confissão de fé “Tu és o Messias de Deus”. Também Mc 9. quando os questiona (v 18: Quem sou eu. Porque Deus quer honrar o pai nos filhos e. filhos. que Jesus escolhe para a sua transfiguração. colocou-o junto de si e disse: “Todo aquele que receber esta criança em meu nome. Herodes. quando os encarrega de alimentar a multidão (v 13: Dêem-lhes vocês de comer). procedam de modo a serem salvos. Aquele de vocês que for o mais humilde. Moisés e Elias na Transfiguração. Tiago e João. Tiago e João. mostra um menino como modelo do seu discípulo.

em hebraico. com os seus pais. Este nome refere-se ao uso que o livro tinha na Igreja (Ecclesia). e não nas novas ideias trazidas pelo pensamento grego. é amaldiçoado por Deus aquele que irrita a sua mãe. podemos recordar o mandamento que Deus deu a Moisés no monte Sinai “Respeita o teu pai e a tua mãe. não tendo sido. Filho. Estes diferem bastante do texto grego. não o desprezes na plenitude da tua vida. Se o seu espírito for desfalecendo. honra teu pai com palavras e acções. Lisboa/Fátima. pudessem aplicar-se. para que vivas muitos anos na terra que o Senhor. granjeando assim uma grande importância. perante o perigo das novas ideias e costumes que brotam do helenismo. cada vez mais. Difusora Bíblica. à reflexão e progredir numa vida conforme à lei”. numa época em que o helenismo se propagava pelo Médio Oriente. De facto. 1ª Edição. não o desgostes durante a sua vida. . O que se pretende defender é que a verdade está na Lei e nos Profetas. Trata-se de um texto de simples compreensão. Comentário O livro de Ben Sirá10 ou do Eclesiástico11 não faz parte do cânone judaico. A bênção do pai fortalece a casa dos filhos e a maldição da mãe arrasa-a até aos alicerces. 13 ANEXO XV UL4 (MA 80-81) JESUS E OS SEUS PAIS As fontes bíblicas sobre a relação de Jesus com os seus pais em Nazaré são escassas. pois a sua ignomínia não poderia ser glória para ti. Ao lermos o texto. integrado na Bíblia judaica. ampara a velhice de teu pai. como a seus senhores. integra o conjunto de livros da Bíblia chamados deuterocanónicos. conhecido e reconhecido como canónico pela Igreja.12).C. Não te glories com aquilo que desonra teu pai. podemos até dizer que se trata de um compêndio da lei e dos profetas. A caridade que exerceres com o teu pai não será esquecida e ser-te-á levada em conta em troca de teus pecados. os teus pecados dissolver-se-ão como o gelo ao sol.. teu Deus. O excerto proposto aos alunos é um conjunto de conselhos dirigidos aos filhos na sua relação com os pais. pela glorificação das forças da natureza e pelo culto do homem. Um homem adquire glória com a honra de seu pai e é vergonha para os filhos uma mãe desonrada. Tal como um blasfemador é o que desampara o seu pai.169 Anexos mãe. 1998. esclarecidas por suas lições. em Nazaré da Galileia. “a fim de que as pessoas desejosas de aprender. como diz o seu tradutor. por volta do ano 180 a. para que desça sobre ti a sua bênção. principalmente para o ensino dos catecúmenos. 10 11 12 Ben Sirá significa “Filho de Sirá”. Os “originais” hebraicos foram encontrados apenas no final do séc XIX. O texto original terá sido escrito. Durante muitos anos. durante os primeiros séculos da Igreja foi bastante utilizado. O helenismo caracteriza-se pela convivência de culturas. apenas se conhecia a versão grega12 deste livro. os que lhe deram a vida. pág 1091. por um universalismo que tende a abolir as fronteiras de raças e de religião. os evangelhos não se detêm no tempo em que Jesus viveu no anonimato. Assim.13 Esta nova situação coloca em causa as tradições e a existência do Judaísmo. No dia da aflição. por isso. por isso. o seu autor procura defender as raízes religiosas do Judaísmo. O que teme a Deus honra seu pai e servirá. o Senhor lembrar-se-á de ti. desde sempre In Nova Biblia dos Capuchinhos. pelo sincretismo religioso. sê indulgente. Em contrapartida. Filho. te vai dar”(Ex 20.

Jesus voltou então com eles para Nazaré e continuou a ser-lhes obediente. oferecendo-nos também alguma informação sobre os costumes religiosos da família (Lc 2.” E nada mais é dito a respeito da vida oculta de Jesus em Nazaré da Galileia! Durante a narração da sua vida pública. mas não o encontraram. E a graça de Deus estava com ele” (Lc 2. descobriram-no dentro do templo. Depois de narrar os acontecimentos relacionados com o nascimento de Jesus. ficaram muito impressionados e a mãe disse-lhe: Filho. Quando os pais o viram. Passados os dias da festa. e disse-lhe: Levanta-te. Jesus respondeu-lhes: Por que é que me procuravam? Não sabiam que eu tinha de estar na casa de meu Pai? Mas eles não compreenderam o que Jesus lhes disse. Ao fim de três dias. Ali fixou residência numa terra chamada Nazaré. quando soube que Arquelau é que reinava na Judeia. O menino crescia e tornava-se mais forte e cheio de sabedoria. 39s). entramos ainda em contacto com os irmãos14 de Jesus. estes irmãos são primos. José levantou-se. Todos os que o ouviam ficavam maravilhados com a sua inteligência e as suas respostas. Sua mãe guardava todas estas coisas no coração. Quando o menino tinha doze anos. foram lá como de costume. narra apenas o regresso da família do Egipto. toma o menino e sua mãe e volta para a terra de Israel. tomou o menino e sua mãe e voltou para a terra de Israel. a maior parte da sua vida). Nazaré da Galileia. 14 De acordo com a interpretação católica. 41-52): “Todos os anos os pais de Jesus iam a Jerusalém à festa da Páscoa. relata o episódio da ida a Jerusalém e do seu desaparecimento. 19-23): “Depois da morte de Herodes.” Mateus é ainda mais lacónico a respeito deste período da vida de Jesus. José e Maria voltaram para casa. agradando a Deus e aos homens. E pouco mais sabemos da sua situação familiar e dos anos passados em Nazaré (afinal. Escutava o que eles diziam e fazia-lhes perguntas. a linguagem da época não distinguia os irmãos e os primos. José e Maria voltaram com Jesus para a sua terra. mas Jesus ficou em Jerusalém. . um anjo de Deus apareceu num sonho a José. sentado entre os doutores. porque já morreu quem procurava tirar a vida ao menino. Jesus crescia em sabedoria e idade. De facto. teve medo de ir para lá. Logo a seguir. Julgavam que ele ia com algum grupo pelo caminho. Ao fim de um dia de viagem começaram a procurá-lo entre os parentes e os amigos. Mas. por morte de seu pai Herodes. Foi assim que se cumpriu aquele dito dos profetas: Ele há-de chamar-se Nazareno. Recebeu então novas instruções de Deus por meio de um sonho e partiu para a região da Galileia. por que nos fizeste isso? O teu pai e eu temos andado aflitos à tua procura. no Egipto.170 Anexos Lucas refere que “depois de terem cumprido tudo o que a Lei de Deus manda fazer. sem os pais darem por isso. para onde tinham ido refugiar-se por causa da perseguição de Herodes (Mt 2.

cria todos os animais para sua companhia. e o quarto rio é o Eufrates. Da terra.” por não se enquadrar na temática trabalhada nesta UL. o Senhor Deus fez a mulher e apresentou-a ao homem”). O Génesis apresenta-nos dois relatos da criação: Gn 1. 8-15) O Senhor Deus preparou um Jardim em Éden. este tema poderá ser aprofundado na UL 1 do 7º Ano “No princípio”. cheio de árvores. fez nascer toda a espécie de árvores que eram agradáveis à vista e davam bons frutos para comer. optámos por não fazer referência ao v. O ouro daquela terra é muito bom e há lá também âmbar e lápis-lazúli. só quando cria a mulher “feita dos meus próprios ossos e da minha própria carne”19 o homem encontra uma companhia apropriada.4a e Gn 2. O nome do primeiro é o Pichon. e colocou nele o homem que tinha modelado.1-2. Comentário Este excerto faz parte dos primeiros capítulos do livro dos Génesis. mas uma localização do jardim) que está guarnecido de árvores e plantas até perder de vista.171 Anexos ANEXO XVI UL5 (MA 94) UMA TAREFA MUITO ESPECIAL Texto Bíblico (Gn 2. No meio do jardim. Soprou-lhe nas narinas e deu-lhe respiração e vida. Transpondo e interpretando este mito de origem. e um rio que se separa em quatro rios diferentes17 o Pichon.4b-24. nasce um rio que rega o jardim e depois se divide em quatro rios diferentes.16 Deparamo-nos com um jardim. e para dele cuidar. para nele trabalhar e para o guardar”18 é essencial para compreender o alcance do texto. pela qual é o principal responsável. a Terra é a casa que Deus preparou para o homem. dos chamados “Mitos de Origem”. com tudo o que precisava para se alimentar e ser feliz. sem um único animal e com apenas um habitante — o homem (a mulher apenas surge no v. E o homem tornou-se um ser vivo.”15 Na sequência da criação do homem. para nele trabalhar e para o guardar. No contexto da nossa UL. Pouco sabemos acerca deste jardim.7 Nesta nossa análise. escritos de forma paralela e bastante diferentes. (cf vv. 23 . 22. Porém não nos compete nesta fase aprofundar esta questão. “lá para o oriente” com uma vegetação luxuriante. 15 16 Gn 2. O texto proposto aos alunos apresenta-nos o jardim no qual Deus colocou o homem que tinha acabado de criar a partir da do barro: “O Senhor Deus modelou o homem com barro da terra. o versículo central “O Senhor Deus colocou o homem no jardim de Éden.9b “No meio do jardim. De todo o excerto apresentado. que rodeia a terra de Havila. Deus coloca-o num jardim em Éden (e não no jardim do Éden — não é um nome. O segundo rio chama-se Guion. e este é responsável por ela. 15 19 V. deu-lhe um jardim como sua casa. estava a árvore da vida e a árvore do conhecimento do bem e do mal. 17 Esta referência aos quatro rios. nomeadamente ao Tigre e Eufrates. vendo que o homem estava sozinho. “Da costela que tinha tirado do homem. o Guion. importa destacar que o jardim é a casa do homem. o Tigre e o Eufrates. desde sempre alimentou o desejo de conseguir localizar e encontrar este jardim de delícias. onde há muito ouro. estava a árvore da vida e a árvore do conhecimento do bem e do mal. que rodeia toda a terra de Cuche. 16-24). no entanto. Deus criou o homem. 18 V. O terceiro rio chama-se Tigre que passa na zona oriental da Assíria. No entanto. lá para o oriente. Em Éden. depois. O Senhor Deus colocou o homem no jardim do Éden.

501. o fogo. o livro bíblico […] mais estudado . 35.C. é antes um homem do povo. Joaquim. Porém. é um fenómeno universal. Braga. pós-exílico. No covil em que repousavam os chacais. A Bíblia o livro dos livros. A sua mensagem é dura e violenta. na Igreja cristã primitiva. e as terras secas em fontes caudalosas. oráculos proféticos.R. o esplendor do monte Carmelo e da planície de Saron. as ervas tornar-se-ão canas e juncos. Editorial Franciscana. apresenta-nos um texto profético. fazem parte dezasseis profetas. os fracos e doentes encontram a saúde e a força. diatribes. adivinho. visões. Editorial Franciscana. 536. 20 CARREIRA DAS NEVES. Trata-se de um texto escatológico (que reflecte sobre a realidade do fim dos tempos). o julgamento avassalador. 2007. que junto de Deus procuram descobrir os desígnios e os planos da história da salvação. pág.20 De entre estes. a desgraça dá lugar à graça. Joaquim. profundamente conhecedor dos homens e do seu tempo. O povo vivia no exílio. O contributo dos profetas no campo religioso. A terra queimada mudar-se-á em lago. comum a várias culturas e religiões. Então os coxos saltarão como os veados e os mudos gritarão de alegria. Porque as águas jorram no deserto e as torrentes na estepe. Os profetas não são apenas intermediários que se aproximam de Deus para mendigar a resolução dos problemas do povo. à terra de onde mana leite e mel. com intuição religiosa. Comentário O programa de E. Então se abrirão os olhos dos cegos e os ouvidos dos surdos ficarão a ouvir. ao entrarmos no Cap. Comentários ao Antigo Testamento. É esta linha que segue o Cap. no entanto. dance e grite de alegria. etc. por isso. sonhava com a derrota do povo opressor. anunciando um Deus que arrasa os povos inimigos de Israel (Cap. meditado e ‘cristianizado’. A mensagem profética vai de encontro à questão central da fé judaica: o monoteísmo e a fidelidade à Aliança. O Senhor dar-lhe-á a grandeza das montanhas do Líbano. pois a linguagem e a mensagem são claramente posteriores ao exílio (talvez do chamado segundo Isaías).22 O excerto proposto faz parte do chamado “Pequeno apocalipse” dos capítulos 34 e 35. segundo a linguagem do êxodo.172 Anexos ANEXO XVII UL5 (MA 101-102) ONDE ESTÁ DEUS ESTÁ A VIDA Texto bíblico (Is 35. reflexões pessoais. o autor muda completamente de registo. a estepe exultará e dará flores belas como narcisos. e desejava o regresso à terra da promessa. O profeta não é um iluminado. diálogos. tirado do livro de Isaías. que anuncia a renovação futura. salte. A Bíblia o livro dos livros. o profetismo bíblico apresenta-nos uma singularidade característica. social e político ao longo da história de Israel é essencial para compreender toda a sua complexidade — estes. mas Deus é misericordioso e faz regressar o povo eleito à terra prometida. 22 Anúncios.5-7) O deserto e a terra árida alegrar-se-ão. reflexões sapienciais. CARREIRA DAS NEVES. Do cânone judaico das Escrituras. 35: a Natureza rejubila e floresce.M. fazendo parte do primeiro livro de Isaías. a cólera e não faltam elementos apocalípticos. Então hão-de contemplar a grandeza do Senhor e o esplendor do nosso Deus. Braga.21 O profetismo não é exclusivo da Bíblia. . Comentários ao Antigo Testamento. 34): aparecem a destruição. o povo regressará gloriosamente a Sião. Repito. 21 “… e foi.” Pág. Estes capítulos. ou vidente. O texto proposto faz apenas referência à bênção e à vida que brota da acção libertadora de Deus. Os textos proféticos fazem uso de inúmeros géneros literários. desempenharam ao longo dos séculos um papel importantíssimo. 2007. que apresenta uma mensagem de liberdade ao povo. que ela se cubra de flores. não são desse autor. dá origem à vida e à alegria. é o profeta Isaías que tem maior destaque. São antes homens. 1-2. pareneses. O povo experimentou o exílio porque não soube ser fiel à aliança e à promessa.

Deram-lhe o livro do profeta Isaías. devolveu-o ao encarregado e sentou-se. Enviou-me para anunciar a libertação aos prisioneiros. 16ss) [Jesus] foi depois para Nazaré. E perguntavam: Este não é o filho de José? ANEXO XIX UL5 CANÇÃO Um Girassol (Letra: J. Jesus começou então a dizer-lhes: Esta parte da Escritura que acabaram de ouvir. Tenho mil sementes de Amor para te dar! (Bis) Tenho mil sementes de Ternura p’ra te dar! (Bis) Tenho mil sementes de Carinho p’ra te dar! (Bis) . para dar vista aos cegos. como era seu costume. Procuro a luz de Deus e sou feliz assim. Jesus fechou o livro. Ficaram todos com os olhos fixos nele. Música: Frei Fabreti OFM) Um Girassol Um Girassol florido num jardim Buscando a luz do sol sorriu para mim! Eu também sou um pequeno girassol. No sábado. foi à casa de oração. cumpriu-se hoje mesmo. e pôs-se de pé para ler as Escrituras. ele abriu-o e encontrou o lugar onde estava escrito assim: O Espírito do Senhor tomou posse de mim. Depois. Thomaz Filho. a terra onde se tinha criado.173 Anexos ANEXO XVIII UL5 (MA 103) Texto bíblico (Lc 4. para pôr em liberdade os oprimidos e para anunciar o tempo em que o Senhor quer salvar o seu povo. Todos diziam bem de Jesus e estavam admiradíssimos com as suas belas palavras. por isso me escolheu para levar a Boa Nova aos pobres.

1999. N.° 8/2007. . CD 1. 26. Lisboa: Secretariado Nacional da Educação Cristã. Sta. Quando a cultura é interpelada pela fé. Melodia em Cantarolando… Canções temáticas para os mais pequeninos. 32-33. CD 2. faixa 15. 2007. Madrid: Ediciones San Pio X.° 5/2006. Prior Velho: Paulinas. Pastoral Catequética. Lisboa: Difusora Bíblica. 2001. 1998. 1996. Revista de Catequese e Educação. p. ERRICKER. Fritz. Sta. Congregação das Oblatas do Divino Coração & Fraternidade dos Irmãozinhos de S. Cruz Quebrada: Editorial Noticias. El origen de Dios en el niño. E. Edições Convite à Música. Barcelona: Urano Publishing. Francisco de Assis. C. Programa de Educação Moral e Religiosa Católica.174 bibliografia Recursos utilizados BÍBLIA SAGRADA. P. Inc. SNEC. A Boa Nova. The education of the wole child. SANDERS. 2007. Brincar — Propostas artísticas para o pré-escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico — 2. Lawrence E. Edições Convite à Música. pp. N. faixa 22. PEDRINHO Dimas. Pastoral Catequética. Tradução Interconfessional do hebraico. Melodia em Cantar. Brincar — Propostas artísticas para o pré-escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico — 2. El linguage secreto de los niños. 2005. Trowbridge. A verdadeira história de Jesus. p. SHAPIRO. XPTO. Educação Moral e Religiosa Católica — Um valioso contributo para a formação da personalidade. Revista de Catequese e Educação. Cantar. do aramaico e do grego em português corrente. Dançar. Dançar. Comba Dão: Edições Convite à Música. OSER. Lisboa: Secretariado Nacional da Educação Cristã. 2006. 22. 1993. Lisboa: Editora Rei dos Livros. Canções para evangelizar. Cantarolando… Canções temáticas para os mais pequeninos. CD áudio. Great Britain: Redwood Books. Ensinos Básico e Secundário. Comba Dão: Edições Convite à Música. et alii. Orações para os mais pequenos. 1997. Lisboa: Secretariado Nacional da Educação Cristã. Wilts. GONÇALVES Carlos. BRAZÃO Lígia.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful