You are on page 1of 27
 

Engenharia de Gestão Visão Geral

 

EN2506

Prof. Dr. Júlio Facó

Prof. Dr. Júlio Facó

CECS

UFABC

Pesquisa Operacional Imagine que uma transportadora decidiu alavancar as suas entregas e fez uma promoção de
Pesquisa Operacional
Imagine que uma transportadora decidiu alavancar as suas
entregas e fez uma promoção de 30% em todas as entregas da
cidade A até a cidade F. Para que não tenha prejuízo, ela terá
sempre que percorrer o menor caminho entre as cidades. Como
fazer isso?
C
B
F
A
E
D

Contexto

Tudo é muito rápido, rápido mesmo ...

Tudo é muito rápido, rápido mesmo ...

Em 1865, a Notícia da Morte do presidente Abraham Lincoln levou 3 semanas para chegar à Europa.

Hoje, uma informação pode chegar do outro lado do mundo na mesma velocidade da bala que o matou.

 
 

E nas Operações das Empresas? E a P.O. das Empresas?

E a Logística das Empresas?

E as Redes?

 

Pesquisa Operacional

É uma ciência de planejamento e execução de uma operação de maneira a realizá-la de forma mais econômica com os recursos disponíveis.

Ferramenta que auxilia na tomada de decisões

 

P.O. é uma Simulação!

“Uma gama variada de métodos e aplicações que o reproduzem comportamento de sistemas reais, usualmente utilizando-se de ferramentas computacionais.”

(Kelton et al., 1998)

“Processo de elaboração de um modelo de um sistema real (ou hipotético) e a condução de experimentos com a finalidade de entender o comportamento de um sistema ou avaliar sua operação”

(Shannon, 1975)

 

Terminologia

Um sistema é um agrupamento de partes que operam juntas, visando um objetivo em comum.

(Forrester, 1968)

Um modelo pode ser definido como uma representação das relações dos componentes de um sistema, sendo considerada como uma abstração, no sentido em que tende a se aproximar do verdadeiro comportamento do sistema.

 
Terminologia Um sistema é um agrupamento de partes que operam juntas, visando um objetivo em comum.
 

Modelagem

Captura o comportamento do sistema real

Permite a análise pela pergunta:

“E se

...

?”

Capaz de representar sistemas complexos de natureza dinâmica e aleatória

Limitações:

 

– Podem ser de construção difícil Não há garantia do ótimo

 
Eventos Discretos X Eventos Contínuos
Eventos Discretos X Eventos Contínuos

Por que Simular?

Analisar um novo sistema antes de sua implantação Melhorar a operação de um sistema já existente Compreender melhor o funcionamento de um sistema Melhorar a comunicação vertical entre o pessoal de operação Confrontar resultados Medir eficiências

 
Por que Simular?
Por que Simular?
Quando Simular? Planilhas Calculadora ! " Lápis e Papel Intuição
Quando Simular?
Planilhas
Calculadora
!
"
Lápis e Papel
Intuição

Exemplos de Aplicação de P.O.

Alimentação: Que alimentos as pessoas (ou animais) devem utilizar de modo que o custo seja mínimo e os mesmo possuam os nutrientes nas quantidades adequadas?

Rotas de transporte: Qual deve ser o roteiro de transporte De veículos de carga de modo que entreguem toda a carga No menor tempo e no menor custo total?

Manufatura: Qual deve ser a composição de produtos a serem fabricados por uma empresa de modo que se atinja o lucro máximo sendo respeitadas as limitações ou exigências do mercado comprador e a capacidade de produção da fábrica?

Siderurgia: Quais minérios devem ser carregados no alto forno de modo a se produzir, ao menos custo, uma liga de Aço dentro de determinadas especificações de alimentos químicos?

 

Exemplos de Aplicação de P.O.

Petróleo: Qual deve ser a mistura de petróleo a ser Enviada para uma torre de craqueamento para produzir seus derivados (gasolina, óleo, etc) a um custo mínimo?

Agricultura: Que alimentos devem ser plantados de modo que o Lucro seja máximo e sejam respeitadas as características do solo?

Carteira de Investimentos: Quais ações devem compor uma carteira de investimentos de modo que o lucro seja máximo e sejam respeitadas as previsões de lucratividade e as restrições governamentais?

Mineração: Em que sequência deve-se lavrar blocos de minério abaixo do solo, dados sua composição, posicionamento e custos de extração?

Localização Industrial: Onde devem ser localizadas as fábricas e os depósitos de um novo empreendimento industrial de modo que os custos de entrega do produto aos varejistas sejam minimizados?

 

Aplicação Típica de P.O. - Logística

Logística

“Processo de planejamento, implantação e controle eficientes do fluxo de matéria-prima, de produtos acabados e de informações, desde o seu ponto de origem até o seu ponto de consumo, com o propósito de atender aos requisitos solicitados pelos consumidores.”

Fonte: Ballou (1999)

 
 

Aplicação Típica de P.O. - Logística

Ou seja, as empresas precisam:

i.

Entregar a quantidade certa

ii.

No local certo

iii.

No momento exato

iv. E com um custo acessível

 
Aplicação Típica de P.O. - Logística Competição Crescente • Fluxo de informação mais veloz • Fluxo
Aplicação Típica de P.O. - Logística
Competição Crescente
• Fluxo de informação mais veloz
• Fluxo físico mais assertivo
Hierarquia de Decisões – variáveis logísticas (exemplo)
Hierarquia de Decisões – variáveis logísticas (exemplo)

P.O. aplicada ao Problema do Caminho Mais Curto

Problema:

– Obter Caminhos interligando Vértices de um Grafo, cujo comprimento (Custo) seja Mínimo.

Implementações:

– Algoritmo de Dijkstra. – Outros.

Aplicações:

– Redes de Computadores (ex. Percurso entre Roteadores). – Tráfego Urbano. – Sistemas Rodoviários, Ferroviários e Aéreos. Roteirização – Etc ..

 
As Pontes de Königsberg (Kaliningrado)
As Pontes de Königsberg (Kaliningrado)

O Problema.

• A cidade de Königsberg possuía sete pontes sobre o rio Pregel.

• As pessoas se perguntavam se seria possível atravessar cada ponte apenas uma vez e retornar ao ponto de origem.

• Ninguém conseguia encontrar tal percurso

 
 
1736 - matemático suíço - Leonhard Euler
1736 - matemático suíço - Leonhard Euler

1736 - matemático suíço - Leonhard Euler

 

Ciclo de Euler:

Percurso com início e fim em um mesmo vértice e que atravessa exatamente uma vez cada segmento de via.

 

Rede

• Grafo com algum tipo de fluxo fluindo entre os nós através dos arcos.

– Ex: Uma rede de estradas (arcos) unindo várias cidades (nós). O conjunto de veículos andando nas estradas é o fluxo que flui na rede.

 
Tipos de Grafos Orientado Não Orientado C C B B F F A A E E
Tipos de Grafos
Orientado
Não Orientado
C
C
B
B
F
F
A
A
E
E
D
D
Misto

Roteirização

Roteirização definir a melhor seqüência em que vias e/ou pontos devem ser percorridos,visando o atendimento das demandas por serviço e tendo como objetivo minimizar os custos operacionais, as distâncias percorridas ou os tempos dos trajetos

 

Problemas Típicos em Grafos

• natureza combinatorial (com variáveis inteiras). • grande número de variáveis de decisão e restrições. • emprego de métodos aproximativos.

 
Configuração de um problema em nós: pontos de origem e destino únicos e separados 1 2
Configuração de um problema em nós: pontos de origem e destino únicos e
separados
1
2
1
2
3
2
6
5
3
9
7
9
8
1
6
2
4
5
6
7
8
1
7
2 4
3 1
4
Origem
9
10
11
9
1
Edsger Wybe Dijkstra (1959)
Edsger Wybe Dijkstra (1959)
Exemplo de Aplicação em nós: Roteirização
Exemplo de Aplicação em nós: Roteirização
 

Alguns métodos aproximativos para resolução do problema de roteirização em nós

• Economias • Varredura • Vizinho mais próximo

 

Economias

• Passo 1: Selecionar um veículo disponível. Caso não haja mais veículos, parar.

• Passo 2: Calcular as economias para todos os pares de pontos de parada.

• Passo 3: Ordenar os pares na ordem decrescente dos valores das economias.

• Passo 4: Começar pelo par de vértices com maior economia e proceder na seqüência obtida no Passo 2.

 

Varredura

• Passo 1: Localizar a base (depósito) e todos os pontos em um mapa.

• Passo 2: Traçar uma linha a partir da base em qualquer direção. Girar a linha com centro na base no sentido horário ou anti-horário incluindo todos os pontos encontrados até que a capacidade do veículo tenha se esgotado.

• Passo 3: Usando um algoritmo roteirização, definir o roteiro ou seqüência dos pontos agrupados no veículo.

 

Vizinho Mais Próximo

• Passo 1: Selecionar um veículo disponível. Caso não haja mais veículos, parar.

• Passo 2. Selecionar o ponto (parada) não programado mais próximo da base (depósito).

• Passo 3: Se a capacidade do veículo não for ultrapassada, incluir o ponto selecionado no roteiro.

• Passo 4. Selecionar o ponto não atendido que esteja mais próximo do último ponto inserido no roteiro, verificando a capacidade do veículo. Caso não seja possível encontrar nenhum ponto que possa ser inserido no veículo corrente, voltar para o Passo 1.

 
 

Exemplos de Aplicação em PO

 
Configuração de um problema em arcos • O Problema do Carteiro Chinês – (Caminho mínimo em
Configuração de um problema em arcos
• O Problema do Carteiro Chinês
– (Caminho mínimo em grafos não-orientados)
O Problema do Carteiro Chinês • Exemplo de Resolução: a - b - c - b
O Problema do Carteiro Chinês
• Exemplo de Resolução:
a - b - c - b - e - f - g - d – d
repetindo apenas as arestas "b" e "d" em sua rota.
Configuração de outro problema em arcos • O Problema do Varredor de Ruas – (Caminho mínimo
Configuração de outro problema em arcos
• O Problema do Varredor de Ruas
– (Caminho mínimo em grafos orientados)
O Problema do Varredor de Ruas • Exemplo de Resolução: a - b - c -
O Problema do Varredor de Ruas
• Exemplo de Resolução:
a - b - c - b - g - d - e - f - e - g
repetindo apenas os arcos "b“, “e“ e “f” em sua rota.
 

E os problemas em Roteirização?

 
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Arcos
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Arcos
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Arcos
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Arcos
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Nós
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Nós
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Nós
Características de Problemas Típicos de Roteirização em Nós

Armazenagem

Estudo de Caso

Dell

46

47
47
Histórico da Empresa – Michael Dell -> 1984: PC’s • 1986 – Europa – US$ 50
Histórico da Empresa
– Michael Dell -> 1984: PC’s
• 1986 – Europa – US$ 50 milhões em faturamento
– Core Competences:
-
Eliminação dos revendedores
• Build-to-order
• Diret order model
-
ATO ao invés de MTO
-
JIT
-
Information Systems
48
Histórico da Empresa – 1996 – Direct order model para Internet • Início de 1997: faturamento
Histórico da Empresa
– 1996 – Direct order model para Internet
• Início de 1997: faturamento US$ 2 milhões/ dia
• Início de 1998: faturamento US$ 5 milhões/ dia
• Final de 1998: faturamento US$ 10 milhões/ dia
• Hoje: centenas de milhões de dólares/dia
Clientes divididos em categorias:
Pessoal Dedicado de venda >
Compartilhamento de recursos >
Sistema eficiente de Vendas >
< Grandes
< Médio e Pequenos
< Individuais
RECURSOS
REQUISITOS DE
OPERACIONAIS
MERCADO

Histórico da Empresa

– Benefícios para a DELL:

• Desenvolvimento e conhecimento de um sistema de manufatura voltado para cliente

• Know-How em Build–to-order • Um passo a frente dos competidores • Altos giros de estoque, que permitiram:

– Alianças e parcerias estratégicas com fornecedores e membros da cadeia que fornecia quantidades menores em um único lote, mas com maior freqüência.

 

Princípios de Manufatura

• 4 princípios-chave:

– Substituição do estoque por informação • Informações sobre – Consumidores, pedido, necessidades e previsões. • Essa vantagem foi passada para os fornecedores. – Desenvolvimento de competência em internet para os fornec. – Visão direta das necessidades dos clientes pelos fornecedores – Velocidade, Valor e Volume

• Aumento de velocidade -> volumes maiores de negócios -> parcerias vantajosas (para ambos) com fornecedores.

– Mudança constante • Inovação, mudança programada – Coordenação • Liderança, planejamento, empowerment e treinamento • Manter as pessoas alinhadas com a estratégia

 

Lições Aprendidas - Dell

• O conhecimento do Consumidor é a base para a criação de valor – Programa na Dell: Customer Experience Initiative • Perspectiva do cliente • A mudança do mundo físico para o virtual cria barreiras de entrada – Por meio da geração de valor e criação de vantagens competitivas distintas. • O crescimento “explosivo” torna evidente o paradoxo do empowerment e alinhamento simultâneos. – Paradoxo (na maioria das empresas):

• Empowerment de funcionários bem treinados, de confiança e com histórico conhecido. • Tempo suficiente para contratar, treinar e alinhar novos funcionários à estratégia e cultura da empresa • A continuidade de se reinventar é crítica para a continuidade da velocidade – Inovação, reavaliações estratégicas e de processos.

 
6º Trabalho •Faça uma análise crítica do modelo de Negócios da DELL (particularmente no que diz
6º Trabalho
•Faça uma análise crítica do modelo de Negócios da DELL
(particularmente no que diz respeito à sua cadeia de valor).
Procure informações na página da DELL, livros ou artigos.
Podem consultar o artigo enviado(The Economist)
 

Próxima Aula:

Gestão de Recursos Naturais