Pedagogia Da Autonomia – Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire Tópico 2.

4 – Ensinar exige bom senso
Quase sempre confundimos autoridade com autoritarismo, licença com liberdade. Não é autoritarismo, exercer a autoridade de professor na classe, tomando decisões, orientando atividades, estabelecendo tarefas, cobrando produção individual e coletiva de grupo, isso é bom senso. Não preciso um professor de ética para dizer que não é possível, como orientador de dissertação, criticar arduamente um orientando só porque um dos examinadores foi severo em seu argumento. É possível solidarizarse com o orientando, dividindo com ele a responsabilidade do equívoco ou do erro. O bom senso nos diz isso. De nada serve, falar em democracia e liberdade, mas impor, ao educando, a vontade do mestre. Com o exercício ou a educação do bom senso, colocando em prática nossa capacidade de indagar, comparar, duvidar, aferir, mais eficazmente curiosos podemos nos tornar e mais crítico se pode fazer o nosso bom senso. O bom senso “diz” que é imoral dizer que só há uma coisa a se fazer em relação a fome e a miséria: esperar que a realidade mude. O bom senso nos diz que é possível mudar com a disciplina da gulodice da minoria insaciável. É o bom senso que nos permite ver que há um desvio no comportamento de um determinado aluno. O bom senso não diz o que é, mas indica que há algo a ser sabido. Tem que ser levado em consideração as condições em que os educandos vêm existindo, a importância dos “conhecimentos de experiência feitos” com que chegam a escola para que não seja possível subestimar ou zombar do saber que ele traz consigo para a escola.

a avaliação. o de diminuir a distância entre o discurso e a prática. A luta pelos direitos dos professores é algo que faz parte da prática docente e deve ser entendida como um momento importante. É que o trabalho dos professores é o trabalho dos professores com os alunos e não do professor consigo mesmo.5 – Ensinar exige humildade. A importância do bom senso na hora do ensino. por isso. Sejam competentes ou incompetentes. A prática docente. Nenhum professor escapa ao juízo que dele ou dela é feito pelos alunos. todos deixam a sua marca. Este esforço. Esta avaliação crítica da prática vai revelando a necessidade de uma série de virtudes ou qualidades sem as quais não é possível.O ideal seria que fosse inventada uma forma pela qual os educandos possam participar da avaliação. ética. nem ela. O professor tem o dever de dar suas aulas. nem tampouco o respeito do educando. A importância do respeito ao espaço onde o professor realiza a prática docente. aos educadores e à prática pedagógica. As qualidades ou virtudes são construídas por nós no esforço que nos impomos para diminuir a distância entre o que dizemos e o que fazemos. é profundamente formadora. especificamente humana. lutar por salários menos imorais e que isso faz parte da luta em favor do respeito dos mesmos e à educação. é já uma dessas virtudes indispensáveis. tolerância e luta em defesa dos direitos dos educadores É um dever e acima de tudo um direito dos educadores. O desrespeito a este espaço é uma ofensa aos educandos. de realizar sua tarefa docente. higiênicas. precisam de condições favoráveis. espaciais. sem as quais se move eficazmente no espaço pedagógico.  Seleção de conceitos Não confundir autoridade com autoritarismo.a coerência. Tópico 2. autoritário ou amoroso. Faz parte da prática docente o respeito que o educador deve . Para isso.

ter à identidade do educando. deve ser reinventada a forma histórica de lutar. “Não posso desgostar do que faço. Não cair no comodismo. à sua timidez. sob pena de fazê-lo mal”. é preciso aprender a conviver com os diferentes e ser provido de humildade.  Seleção de conceitos Luta consciente e organizada. de braços cruzados. à sua curiosidade. pelos direitos e deveres dos educadores. tornando-se indigno. . Não podemos nos acomodar. o poder público cria tanto descaso pela educação pública. É aceitável abandoná-la. à sua pessoa e ao seu direito de ser. ou seja. Prática da humildade e tolerância para com os alunos. A questão é que. Uma das formas de luta contra o desrespeito dos poderes públicos pela educação. não devendo agravar com procedimentos inibidores. Não é possível ficar nela. Através do cultivo da humildade e da tolerância. crítica e organizada contra os defensores é a resposta à ofensa à educação. A luta política consciente. é a recusa em transformar a prática docente em “qualquer coisa”. o professor deve ter respeito à pessoa do educando. cansado. Paulo freire critica que não podemos cair no indiferentismo. mas nem por isso devemos cruzar os braços e dizer que não há o que fazer. Para ser educador. sobretudo numa perspectiva progressista.