You are on page 1of 59

O BOM COMBATE

NA

ALMA GENEROSA
S O C I E D A D E I M PR E S S OR A BR A S I L E I R A B R US C O C I A. — PHONE 7- 7301 4

O verdadeiro amor dar-se sem reserva Divina.

consiste em á Vontade

1." EDIÇÃO - 5 M I L

INSTITUTO DAS MISSIONARIAS DE JESUS CRUCIFICADO

C A M P I N A S

O BOM COMBATE
NA

A L M A GENEROSA

O BOM COMBATE
NA

ALMA GENEROSA

O verdadeiro amor consiste em dar -se sem reserva á Vontade Divina.

l . a EDIÇÃO - 5 M I L

IMPRIMA-SE Campinas, 1 4 - 6 - 3 6
T FRANCISCO, BISPO DIOCESANO

INSTITUTO DAS MISSIONARIAS DE JESUS CRUCIFICADO

C A M P I N A S

PREFACIO
E' irtterdicta a impressão deste livro, cujos direitos pertencem ao Instituto das Missionarias de Jesus Crucificado de Campinas. A autora anonyma deste livro, cheio de boa doutrina c animado de um espirito são, abre a seus leitores um caminho, que somente será palmilhado pelas almas que aspirarem o mais perfeito. Se o mais perfeito na vida, sob qualquer aspecto que se o considere, não se attinge sem lucta, com mais razão podemos affirmar que uma verdadeira guerra se desencadêa contra uma alma, que, aspirando a perfeição, tem que vencer as próprias paixões, como as seduções do mundo corruptor. E' no campo, pois, da Ascética, que, ensinando a com bater as más inclinações da natureza, leva o homem a cons truir o edifício de suas próprias virtudes, que descorrem os capítulos deste livro que com razão leva o nome de "O Bom (Combate nu Alma de Boa Vontade". O amor sobrenatural, uma confiança inalterável, uma generosidade sem par, uma renuncia completa, uma abne gação pessoal e real, e uma observância piedosa e intelligen-te dos próprios deveres, eis as virtudes fundamentaes que ahi aprende uma alma desejosa de perfeição, que, por amor e sem condição, se entrega á vontade do Divino Lapidador. E só essas almas d'escol, que corresponderem á actuação da graça transformante. se tornarão fortes na Fé e ardentes no Amor, para merecerem os arroubos da vida mi/s-tica, numa santa, doce e casta união com o Divino Esposo. Tal é o piedoso escopo deste livro, que, sob as bençams de Nossa Mãe e Riqueza, Maria Santíssima, vae correr mundo em beneficio das almas de boa vontade. Campinas, 4-8-30. F. DE M.

Em que consiste a Santidade

A

Santidade consiste em negar -se a si próprio e pôr toda confiança em Deus, em ver este mundo como de passagem, lembrando que a nossa Patria é o céo para não termos amor á cousa criada, em pensarmos todos os dias que não sabemos a hora em que seremos chamados ás contas, em reflectirmos que Deus é justo e que dará a cada um segundo seu trabalho, lembrando-nos constantemente da Parábola das Virgens loucas. Na verdade se a nossa lâmpada se achar apagada não entraremos no Banquete d as Xuocias celestes, o que constantemente nos lembrará que o trabalho da santificação depende como que somente de nós. Se quizermos podemos ser grandes santos, se quizermos podemos ser réprobos, e podemos também ser tibios e ir ao purgatório por muitos annos. Agora, alma fiel, escolhe o que queres ser na hora da morte e põe mão á obra. Si queres ser tibia, cede ao teu corpo as exigências que elle te pede; se queres ser réprobo, afasta-te dos sacramen tos; se queres ser santo, ama o sacrifício, nega -te a ti mesmo e aççende em teu coração uma lâmpada cujo azeite seja Eu, Teu JESUS. 10-9-1929.

A vida espiritual mal comprehendida
ESl S Crucificado pela sua infinita misericórdia deu -me a comprehender que ha na vida espiritual um grande erro. Disse -me Elle que ha uma peste que está devastando sua Santa Egreja, e está fazendo tanto mal, que faz com que os fruetos sejam muito poucos. Esta peste das almas cha -mu-se piedade mal comprehendida. Disse-me Jesus que certas almas, em numero bem avultado, procuram o caminho que leva á montanha santa do Calvário, (pois, sem subir esta montanha ninguém poderá se santificar) mas, o que acontece é o seguinte: Começam a aceita com alegria, por amor d° Jesus. Nisto, ha mtiito que desejai*. Órfãs a subir, e logo se enveredam por outros caminhos, a pro curar cruzes a seu P l r ní>s amam a Jesus, entresam-se sem reserva a seu Divino fo^ac^o. rn°s bello prazer, mas quando se trata de soffrer o que o bom Deus lhes manda, lo"o vem essa p<"=tp d o m r , 'f f , ra. que é o PseruTVdo, — pode-se dizer — a má ah! então fogem espavoridas, dizendo que não podem supportar tamanha comprehensão que têm de sen Deus. e ahi começam a enxergar o aue não cruz! E porque acontece isto? Ah! Eu bem o sei, pois Jesus Crucificado me fez existe, fazendo de Jesus um carrasco! Ah! estas almas, Jesus as conv'da a comprehender. E' por falta de conheci mento de quem é Deus, pois Elie disse: o'hal-0 no alto da cruz, quando disse ao bom ladrão: "Hoje estarás commigo Eu sou o caminho que deveis seguir, Eu sou a verdade nue é ureciso crer; no Paraizo." Por que tanta cegueira, alma piedosa? Não vês Jesus com os preciso é então que sigamos suas pisadas. Porque então, almas queridas, não braços esten didos, dizendo a seu Pae Eterno: Pae, perdoae -lhes que não aceitaes com alegria o que o bom Mestre vos envia? Po's se File é a verdade sabem o que fazem? Porque tu, ó alma, duvidas assim de teu Deus? Não que precisamos crer. noroue ent?o não cremos e não nomos em pratica o que sabes que duvidar de Deus é a maior offensa, que se pode fazer a Elie que, EU P disse. Todo annelle que me quizer seguir, tom" sua cruz. E disse mais: por nosso amor, morreu cruci ficado?! Ah! bem disse Jesus: os homens não Todos aue me quizerem seguir soffrerão contradiccão! Porque, então, alma me conhecem, pois si todos me conhecessem procederiam de outra forma. querida, não pões em pratica estas máximas do Santo Evangelho?! O' falta de Sim, eu vos digo o mesmo, almas que vos entregaes sem reserva a viver da fé! O' piedade mal comprehendida! Queremos viver sem cruzes e fabricamos vida de Jesus Christo: Si vós conhecesseis a Jesus Christo não pensaríeis pelas próprias mãos cruzes, que tanto nos fazem soffrer e que pouco dessa forma, não serieis vossas cruzes e as cruzes daquelles que vos agradam a Jesus Crucificado. Em vez de fabrical -as, aceitemos com dirigem! O bom Deus disse -me mais, que não ha mais almas contemplativas, generosidade o que o Bom Deus se digna e nviar-nos cada dia, e não sejamos porque a peste do escrúpulo não deixa estes corações darem fruet os. Na as cruzes de nossos Directores, e, até mais, do próprio Jesus Christo! Ah! verdade, como uma alma pôde contemplar, se vive perturbada, inquieta, raz^o tem o Divino Salvador de se queixar amargamente, e de dizer que isto com medo de seu Deus, e se pro cura cada dia uma idéia para se martyrizar! é uma peste que está devastando sua Santa Esreja. Sim, quantas almas boa s, Naturalmente que estas almas não podem subir os degraus da contempla por má comprehensão da vida piedosa, não adiantam na virtude, levam uma ção, onde o bom Deus a todos mostra as riquezas immensas de seu coração vida penosa e sem merecimento algum! Estas almas, ainda não chesfaram a Divino. comprehender o valor do soffrimento e a bondade de Jesus; sim, porque a alma quando chega a comprehender que a cruz é um presente preciosíssimo,

J

6

O Bom Combale na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

í)

3-1-1930.

^Bemaventurados os que choram
^ IM, disse Eu: Bemaventurados os que choram, porque serão consolados, e no meu reino serão suas lagrimas enxugadas por meus divinos favores. Chorar, minha filha, é próprio de um coração que soffre. Criaturas ha que choram quando se vêem na mendicidade, outras quando se vêem privadas de um affecto, outras quando a desaraça lhes bate á porta, pela morte de um ente querido ou nela perda de uma fortuna!... Mas Eu disse: Bemaventurados os que choram... sim, os aue choram por causa de m<nis interesses! Na verdade, bemaventurados os que choram, quando vêem o meu nome blasphemado! Bemaventurados os que choram, quando vêem os meus interesses em perigo! Bem -aventurados os que choram, quando a desolação, que é o peccado, se alastra no mundo! Ah! minha filha, quão poucas são as almas que choram, vendo a heresia e o erro se infiltrarem nos corações!... Quão poucos são os corações que commigo choram a perda de tantas almas!.. . Ah! a perda de uma alma é um mal irreparável! Se os que se dizem meus amigos comprehendessem o valor de uma alma, ah! como chorariam!... Se meus amigos comprehendessem a desolação que causa ao meu coração o peccado, como se compadeceriam destas almas e como i riam atraz delias para me dar prazer, proporcionando -lhes uma felicidade eterna!... As almas nobres comprehende -ram todos estes estragos e procuraram reparal -os com a sua dedicação, fazendo para isso tudo que lhes estava ao próprio alcance. Commigo choravam, aos pés de meu Sacrário vinham chorar as desditas desses corações engolfados no peccado. Quantas vezes, minha filha, fui obrigado a dizer: Basta!... E agora onde ha desses corações? Quem se compa dece quando vêem o inimigo me roubar uma alma que me per tence? Ah! examinae-vos, se sentis e se vos causa uma grande dôr quando ouvis um homem blasphemar. Ah! se tal não acontecer, é porque vosso amor por mim ainda é muito diminuto! Examinae -vos, se nada sentis quando ouvirdes dizer que um homem morreu impenitente, e se fôr assim é porque ainda tendes pouco conhecimento de minha gloria!... Ah! como o mundo se acha na languidez!... Os homens choram os bens falazes da terra! E vós, almas consagradas a meu serviço, choraes junto commigo os meus bens perdidos? Pouco s, minha filha, são os que encontro aos pés do meu Sacrário a chorarem pela minha gloria! Ah! apenas entre mil encontro um! Qual será a causa de tão funesto mal? Ah! a causa de tão funesto mal é o pouco amor que me é consagrado; é a falta de conheci mento de minha gloria, sim, da gloria que está reservada , aos eleitos! Minha filha, se os homens consagrados a meu serviço, e as esposas que se immolam ante o altar compre -hendessem o que é minha gloria, saberiam chorar a perda de uma só alma, e tudo fariam par a poder trazel-a de novo para meu aprisco! Se ha esta indifferença e esta languidez é por falta de profundas meditações sobre a minha gloria! Sim, porque é pela meditação que se entra nos paramos celestes; é na meditação do effcito do peccado, represen tado em minha dolorosíssima Paixão, que as almas podem comprehender o mal do peccado e o quanto elle offende minha gloria. Se o peccado foi causa de minha sangrenta Paixão e Morte, como as almas que meditam nestas divinas verdades não hão de chorar, vendo o m undo engolfando-se e perdendo-se para sempre, privando -se de um bem eterno que sou Eu! O mal actual é proveniente da falta de reflexão e de meditação! Ah! quem meditar na minha dolorosíssima Paixão, vendo que a causa delia foi somente o peccado, sentirá partir-lhe o coração de dor! Minha filha, poucas são as almas que sabem meditar, pois se houvesse mais almas, que soubessem meditar, muitos seriam os que chorando commigo a perda das almas, procurariam trabalhar mais para minha gloria, primeiramente santificando-se, pois querer me dar almas sem antes se santificar, é vã chimera! A santificação própria já é um meio de me dar almas, por que de nada valem as palavras, quando não ha o exemplo! De nada valeriam as minhas pregações se Eu não prati casse por primeiro o que Eu ensinei! Eis ahi, almas queridas, as lagrimas que Eu chamo bemaventuradas, e que as guardo no relicário de meu Divino Coração. Eis também, filhinha, porque encontro tão poucas almas que possa chamar bemaventuradas por

falta de não comprehenderem minha gloria, e por me terem tão pouco amor! Vós, almas consagradas a meu divino serviço, lamentae commigo a perda de tantas almas e procurae de hoje cm diante vos engolfar nos paramos celestes, para depois poderdes chorar commigo o mal que se alastra no mundo! Teu JESUS DO CALVABIO 17-2-1930.

Ser grande

Q

UEBES ser grande, minha filha? Aspira. As grandes almas tiveram grandes aspirações. Lem -brando-te do teu nada. deseja juntar a este nada as grande zas de meu coração amante. Desejar ser grande em virtude não é presumpção, mas. sim, nobreza de um coração, que chegou a comprehender as riquezas celestiaes. As almas pusilânimes é que se contentam com pouco, nada desejam, vivem na languidez! Porém, grandes são os ideaes dos coraçõe s grandes e amantes de minha gloria! Grandes foram meus ideaes, quando no presépio de Belém recebia adorações dos pastores; já então eu pensava na grande missão que ia exercer no mundo, oue se achava em trevas. Porisso também vós, almas queridas, almas de bôa vontade, no meio de vossa pequenez deveis sempre aspirar aos grandes ideaes, como sejam os de me dar almas e de attrahir sobre vós as riquezas celestiaes. Não deveis pensar: Isto não é para mim! Antes, só deveis dizer: Isto nao é para mim "o peccado". Se assim não fizerdes, fareis uma grande offensa a quem tanto vos ama! Bico que sou, como consagro amor a cada um de vós em particular!... Como podereis dizer que minhas riquezas não são vossas..... Uina alma, quanto mais deseja, mais lhe é "y -,' Eu desejo que me peçam. A petição é um canal por onde descem as riquezas de meu Coração. A alma que pede minha graça, acha -se disposta a receber. O mendigo pede um pedaço de pão quando se acha com fome, e quanto mais fome elle tiver, tanto mais lhe aproveitará a es mola recebida. E vós, almas queridas, que não tendes fome, como eu vos posso dar o pão de meus divinos favores?... Ser grande, minha filha, é desprezar os bens falazes e se engolfar na divina Sabedoria!... Tudo que é terreno obscurece vosso espirito; só o que é do meu reino pode esclareeel-o: por isso é aue as grandes almas passam pelo exilio sem lhe criar affeição. Na verdade as almas grandes não nodem se affeiçoar ao que é limitado; ensolfam-se no Infinito, e descortinando as grandezas de meu Coração, têm por chimera e pó o que é deste exilio, e contemplando as grandezas de meu Coração, fazem como o veado que, sedento, procura as aguas crystalinas. Sim, o justo se sacia nas fontes do Redemptor!. . . Eu sou a fonte, aonde as almas de grandes ideaes vêm se saciar, pois o mundo, com seus prazeres, não as pode saciar. Para as grandes almas só o que é infinito, como é meu amor, é que pode saciar e miti gar a fome destes grandes corações. Ah! minha filha, ser grande é me dar honra e gloria, pois, quanto mais uma alma se torna rica em graça, mais o meu reinado se irradia, e conforme o meu desejo, se estende sobre os filhos, que resgatei no alto do Golgota!... Ser grande, é me dar almas. Só as almas grandes é que aspiram ao que Eu aspirei desde o berço até o fim d os séculos. Salvar almas, minha filha, é próprio dos corações de grandes ideaes, pois as almas pusilânimes e mesquinhas se contentam com pouco! Con tanto que não vivam em peccado mortal, pouco lhes importa minha gloria! Oh! se houvesse corações gran des?!... se houvesse corações nobres!... a única nobreza de uma alma é ter para com seu Creador as delicadezas que Elle usou. para com ella. E qual é essa delicadeza? Ah! criei -vos, pois não existíeis; portanto vos dei uma existência; mortas pelo peccado vos fi z reviver; e além disso, dei -vos uma fonte de Agua viva, onde, cada vez que tendes a desventura de cahir, nodeis vos lavar e beber o néctar precioso de meu amor! Sim, são estas as delicadezas de vosso Creador. Portanto se quereis ser agradecidos a vosso D eus, tende nobres ideaes, trazei -me os que ainda, pelo erro ou pelo peccado, se acham longe das fontes salutares dos divinos Sacramentos. Ah! a alma nobre como é bella, como ê formosa, quando aspira o bello, o formoso, que é o meu reinado nos corações, qu ando aspira os paramos celestes! Ser grande! Ser nobre! Eis, minha filha, qual

7

O Bom Combale na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

í)

deve ser teu ideal, desprezando tudo que é fallaz, para só viveres da verdadeira vida que sou Eu. Teu JESUS PRISIONEIRO

Jesus chora de saudade

Divina Sabedoria

S

F

ILHA, a Divina Sabedoria sou Eu mesmo, e quem Me conhecer verdadeiramente é um sábio. Conhecer -Me-eis ahi a verdadeira sabedoria. A sciencia dos grandes de nada lhes valerá quando ella não se assentar no meu Amor. Eu sou a verdadeira sciencia e a dou a que m m'a pede. Muitos têm conhecimento das cousas do mundo, o que também é necessário saber; mas quem não Me conhecer não será ver dadeiro sábio. A sabedoria é um dom que dou ás almas, que se desprendem dos bens caducos. Consultae uma alma des prendida dos bens fallazes, ella vos saberá dizer o que vós procuraes saber e não podeis, por causa de vosso coração se achar preso á terra. Quem instruiu os Santos senão a Di vina Sabedoria?! Para ser grande sábio precisa se ter grande desprendimento das vontades proprias; precisa deixar-se guiar pelo Mestre que é o Divino Paráclito. Mas para elle actuar é necessário que encontre o terreno adubado e preparado, onde as hervas e os torrões estejam batidos. O Espirito Divino só actua nos corações de bòa vontade. Almas ha q ue se queixam amargamente pela falta de uma bôa inspiração. Dizem ellas: Jesus me abandonou! Ah! Eu é que devia me queixar amargamente. Estas almas deixaram crescer as hervas e os torrões augmentaram, porisso nellas o espirito divino não mais pôde actuar! Ser sábio, minha filha, é conhecer as riquezas im -mensas?. . . Não. Ser sábio c desprezar o mundo com suas mentiras, ser sábio é salvar sua alma, ser sábio é se santificar, procurando cada dia augmentai- em seu coração minhas virtudes, ser sábio é viver de minha Vida, ser sábio é me dar almas, ser sábio é crescer no meu Amor para ganhar o Paraiso. 18-2-1930.

ENHOR! é obra de misericórdia consolar os que choram, dar de comer a quem tem fome, visitar os encarce rados. Ah! Senhor, sois vós aquelle que brada no fundo dos tabernáculos: Meus filhos, estou chorando de saudades. Ha tanto tempo, que alguns de meus filhos, se afastaram de mim..., outros n&o conhecem seu pae!... Que saudades! Como isso me dilacera a alma!... Eu te disse, é obra de misericórdia consolar os que choram; conso la, então, meu coração amargurado, enxuga minhas lagrimas! Ah! é essa porção querida de cândidos lyinios, que mitiga minha cruenta dôr!.... Ah! filhinha, se não fosse essa porção querida, a justiça de meu Pae teria desabado sobre a humanidade ingrata! Neste sacramento de amor, onde permaneço dia e noite, sinto necessidade de um pouco de alimento, e o meu alimento é fazer o bem, alimentar meus filhos com a minha própria carne! Eu te disse, é obra de misericórdia dar de comer a quem tem fome, e vós, porção q uerida, lyrios dç meu jardim, podeis supprir esses corações ingratos, que não me dão a esmola de seu amor!... Filhinha, Eu sou teu mendigo! Tenho tanta fome, tanta sede, tenho frio. estou nú! Deixei meu throno para vir morar em 1 vossas casas!... Apesar de tanta indigência, sinto-me satisfeito por morar com os filhos dos homens, porque o meu desejo é fazel -os a todos felizes. Dizei a todos cândidos lyrios de meu jardim, que estou com fome, que é obra de misericórdia matar a fome de um pobre mendigo, que se acha ás suas portas!. . . Sim, Eu estou á porta de cada um de meus filhos, onde ao mesmo tempo me acho prisioneiro! E' obra de miseri córdia visitar os encarcerados? Vosso Deus, o vosso ami go, o vosso Pae se acha na prisão á espera da vossa visita!... O' ingratidão de um filho que vê seu pae na prisão e não o vae visitar!!.. Eu, prisioneiro, porque commetti o crime de vos amar com loucura! Este crime, filhinha, me mereceu a sentença de ficar prisioneiro até o fim dos séculos; sentença irrevo gável, não ha appellação até o fim. dos séculos!!... Vosso amigo na prisão, isto não vos entristece o cora ção?!... Vosso pae prisioneiro não dilacera a vossa alma?!... Direis vós: O culpado fui Eu, commetti um crime, agora só me resta cumprir á risca minha sentença! Filhinhas, vede um Deus sentenciado!... Sim, sentencia do!... Condemnado a uma longa e dura prisão!... Sim ella se torna dura quando os filhos queridos não me vêm visitar!... Quando vejo porem os cândidos lyrios, minhas esposas, se aproximarem de mim, desapparece a dura pri são e se torna o sacrário um paraíso! Quando estas cândidas donzellas vem a mim com as vestes mais alvas que a neve, no meio dessa brancura acho minhas delicias! Ah! então, filhinha, mato minha sede, sacio minha fome, enxu go minhas lagrimas. Dae-me uma nova veste, cicatrizae minhas chagas abertas pela ingratidão dos filhos, que não me vem visitar! Jesus do Calvário, prisioneiro por amor dos homens.

Vida de amor e sacrifício
I- ILHA, identifica-te cbmmigo. Eu só quero reinar em teu coração de esposa. Ah! vive da minha vida, traz -me teu lyrio para o alto do Calvário e planta-o na abertura de meu Divino Coração. Depois de transplantar teu alvíssimo lyrio, dá-Me de comer; alimenta-me com os sacrifícios de cada dia, pois, Eu me alimento com os sacrifícios de minhas esposas. Filhinha, como me agradam os corações sacrificados, porisso tu, que tens que viver da minha vida, seja teu lem -ma todos os dias preparar-me uma refeição nova. Tenho tanta sede, e os homens só me dão fél e vinagre! E tu, não tens vontade de matar minha sede? Ah! se soubesses como meus lábios estão resequidos!. . . Tenho sede, de tua immolação completa; tenho sede daquelles que se acham longe de mim! Não tens vontade de m'os trazer a mim? Tu bem os podes trazer. Deseja, sê alma grande, sê generosa, vive no alto do 'Calvário, e ahi me poderás dar innumeras almas. E' o sacrifício eme abre os corações dos peccadores endurecidos. De nada valem as palavras se ellas não se acham temperadas com o sal da minha graça. Sim, filhinha, os grandes corações salvaram grandes almas, porque muito se sacrificaram por minha gloria, muito me amaram, viveram da minha vida, morreram para si próprias, e tu, lvrio do meu Coração, vive no abysmo insondável de meu Divino Coração. Teu Jesus do Calvário, que muito te ama e que deseja que vivas da mesma vida, vida de amor e sacrifício. 19-2-1930.

O dom da cruz '
V^IM, só as almas amantes é que sobem a rua da amargura! **J Só ás almas amantes lhes é dado carregar a cruz! O' cruz bemdita, preciosíssimo thesouro escondido, debaixo de apparencias bruscas, encerras tantas doçuras! O' cruz, quando fostes carregada pelos hombros de teu Creador, não sabias tu que ias servir de instrumento pa ra que as portas do céo se abrissem! E vós, almas eleitas ás quaes é dado o dom precioso de carregar a cruz pesada de cada dia, na hora em que ella se apresenta, quem sabe cheias de medo e de pavor, pondes em nossos hombros a cruz! Ah! se conhecêsseis o dom da cruz, e de como outrora serviu ao Divino Mestre de instrumento, para nella executar a mais portentosa obra, como foi a da Redempçãoü Assim, também a vós, almas eleitas, a cruz vos serve para a mais por tentosa obra a "santificação própria". Ah! qual a obra mais importante de uma alma? Sim, a obra mais impor tante é a santificação própria. A cruz, alma querida, é esse baluarte preciosíssimo que te defende dos inimigos car -naes, pois o

8

O Bom Combale na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

í)

soffrimento, subjuga e te faz conhecer o teu nada! A cruz, desthrona o império infernal. Filhos do peccado, sujeitos como estamos ás misérias humanas, a cruz nos eleva, pois ella abate nosso amor próprio, fazendo -nos comprehender que, para entrar na mansão celestial, é ne cessário soffrer! Os maus lambem soffrem, mas seus soffri-mentos ficam neutros, porque elles soffrem sem a conformi dade do Divino Crucificado. E porque é necessário soffrer? Ah! por causa de nossos peccados! 0 Divino Cru cificado nos abriu as portas do Paraíso, entretanto, preci samos completar em nó s a Paixão do Salvador, se quizer -0' Cruz bemdita, eu te saúdo, sê o sói nas minhas mos ter entrada no Paraíso, trevas. 19-2-1930. Ah! filhinha, Eu me dei todo inteiro, sem reserva, en treguei meu corpo aos maiores supplicios, dei minha vida, derramei até a ultima gotta de meu sangue para vos fazer felizes, e vós, almas escolhidas, como praticaes o mandamento para com o próximo? Não quereis uma lei para vós e outra para vosso próximo? Ah! queridas esposas, por este signal de fraternidade é que conhecerei o vosso amor para commigo. Vós, que viveis na minha casa, que vos alimentaes com a minha carne, dae -vos a todos como Eu me dei todo a vós. Sede, á minha imagem, exemplos vivos de caridade, pois a caridade é a fina flor da santida de. De nada vos valerá uma vida cheia de

austeridades se não tiverdes caridade com vosso próximo. Se usardes de muita caridade com vosso próximo, resplandecereis como o Sói no dia do Juizo final, e isto servirá de confusão para os egoístas, que só cuidaram de si, esquecendo -se de mim em cada um de meus filhos. Na verdade se usardes de caridade com vosso próximo, é a mim que me servis; se desprezardes o próximo é a mim que desprezaes! Ah! esposas muito amadas, sede para com todos mães cheias de ternura, pois se assim o fizerdes, recebereis grande recom pensa. Queridas esposas, como desejaes ser tratadas por vosso Deus? Eu respondo por vós: com caridade, com mansidão!.. . Pois assim como quereis ser tratadas, tratae vosso próximo. Sabei, minhas filhas, que Eu sou indulgente. Deus é caridade, e se não fosse caridade, deixaria de ser Deus. A mesma cousa digo-vos. Se deixardes de ser indulgentes com vosso próximo, deixaes de ser minhas esposas; assim procedendo apartae-vos do bem, para praticardes o mal, e onde está o mal não estou Eu. È os meus escolhidos fazem o que Eu fiz; c quem fizer o contrario perecerá! A caridade é justiça, e quem não praticar a caridade não é justo, pois o justo se alimenta da caridade do meu Divino Coração. 20-2-1930.

Sede tudo para todos

S

EDE tudo para todos! Ah! como me dão prazer os corações, que são tudo para todos!...

^Uma Alma, na dor, chama por Maria

M

INHA Mãe do céo, chamam -vos Rainha dos Martyres, sim, na verdade, quem soffreu mais do que vós?!. . . Ah! jamais ereatura alguma! Por isso, ó Mãe querida, é que recorro a vós, que conheceis a dòr na sua intensidade. Vede a minha dôr e apiedae-vos de mim!... Eu bem sei, que não mereço ser por vós acolhida, jamais se ouviu dizer porém que uma Mãe, de coração compassivo, despreze um filho, quando este se acha na dòr. Sim, Rainha das Dores, Mãe dos afflictos, consoladora dos (pie choram, olhae para mim! Um só olhar vosso é o sufficiente para amenizar a dôr de minha alma. Quando o trovão começa a rugir, os pintainhos, assustados, correm a se agasalhar debaixo das azas de sua Mãe. Sim, o trovão está rugindo, ameaça vir uma grande tempestade, aonde me acolherei, ó Mãe queri da, si não fôr em vosso regaço, que tantas vezes acolheu o meigo Jesus, vosso Divino Filho? Ah! como é doce este regaço! Acolhei-me, Mãe querida, estou com medo do trovão! Deixae -me encostar minha cabeça cansada de luctar em vosso regaço de Mãe. Oh! como é consolador ter Mãe!!... Mãe, palavra doce! Sim, e vós que sois tão doce, que acolheis aos mais desprezíveis! Sim, vossa filha muito indigna, é a mais miserável deste vergel, por isso é que tem mais necessidade de Mãe. Vinde, ó Maria, Mãe e Rainha dos Martyres, vinde, em meu auxili o, jamais me deixeis na or-phandade; levae-me pela mão; pois se vós nDo me levardes, jamais subirei a montanha do sacrifício, sou tão pobre -sinha; se porém vós me ajudardes, certa estou que subirei até o seu cume. Sim, Mãe querida, de vós espero esta graça . Sede minha Mãe, o Guia seguro de minha alma. 22-2-30.

David já confiava em vós antes da vossa vinda ao mun do, e eu que já vos vi crucificado, dando -me vosso sangue como bebida e vossa vida como alimento, será que ainda terei a ousadia de desconfiar de vossa Misericórdia infinita? Ah! não, Jesus, não; dae -me a morte antes que vos offender enni o peccado da desconfiança!... Mas, Jesus da minha alma, tenho de sentir a espada cruel cortar cada dia as fibras mais dolorosas de meu nobre coração, e ainda sorrir no meio destes terríveis tormentos?!... Não é isto um mysterio, sorrir na dôr?!... Ah! não, o sorriso na dôr é a conformidade com a vossa santíssima vontade, é dizer-vos: "Porque vos amo, ó meu Deus, por isso é que me affligis! Mas. como o mundo acei tará estas máximas, se, quando os homens se amam, procuram dar nrazer uns aos ontros. No emtanto, vós, aos que amaes, daes cruzes e os affligis?!... O' mysterio para r > inundo! Mas, para as almas amantes isso não é um mvs -terio. mas uma doce consolação. Viver na affliccão, viver na dôr, é doce paraíso! Sim, é doce paraíso, pois a alma soffredora já antevê os paramos celestes, onde por toda a eternidade gozará o ter aqui soffrido e affligido seu coroo. Ah! agora comprehendo porque vossos santos sorriam na dòr! Sim, Jesus, agora devo então entoar este novo cântico de acção de graças, por assim me tratardes. Na dôr cantarei as vossas Misericórdias, dizendo -vos: Louvado sejaes por assim tratardes vossa indigna serva. E no meio do desespero que me afflige. por ver-mc privada de vossa doce intimidade, dir-vos-ei: "Affligi-me. ó meu Deus. pois quanto mais me affligirdes, mais vos hei de amar, e vós mais me amareis, pois vós affligis aos que com predilecção amaes. 1-3-30.

O lyrio entre espinhos
\/|LNHA filha, eis que o lyrio de tua cândida alma foi tras -» v I plantado para o meio de uma multidão de espinhos ponteagudos! A imimundicie que vae por esse mundo além é incal culável aos teus olhos de lyrio, mas teu Jesus, desejando salvar a humanidade, deu licença ao espirito immundo para te atormentar. Eu, porém, que de tudo tiro proveito, dei licença para que tua alma, alva como é, e teu corpo innoccnte soffram todos os tormentos de que meus filhos ingratos fazem pun gentes espadas para Me ferir!... Os homens nesta mataria tanto Me offendem que sou brigado a pedir reparação aos lyrios de meu jardim. Ah! minha filha, a alma impudica abre meu Coração de lado a lado e Eu delia sou obrigado a retirar minha vista, emouanto meus anjos nessa hora me

Na dor cantarei vossas misericórdias

O

' Jesus de minha alma, morrer cada dia, eis o ideal que tanto vos apraz, cantar porém no meio da dor, eis a generosidade das almas grandes. Vós, querido Jesus, isto de mim exigis, mas como poderei realizar este vosso desejo, se não me ajudardes? Ah! perdoae-me esta phrase "se não me ajudardes". Um Deus que morreu crucificado não ajudar um filho de seu coração?!... Ah! isto seria um crime se eu duvidasse de vossa Misericórdia infinita.

18

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate im Alma Generosa 19

redobram de. louvor! E a gora Eu peço aos anjos terrestres que, pela sua pureza, se tornem agradáveis a meu Coração e que re dobrem de affeição por Mim, fazendo actos de reparação pelos impudicos. Quantos milhões e milhões de almas ha no mundo, victimas porém ha tão poucas! E Eu, a supportar a perda de tantas almas por causa de suas impurezas! Ah! Minha filha, não tens vontade de ser crucificada para ganhar esses impudicos para Mim? O mundo está em decadência por causa do nefasto mal da impureza! Quantas calamidades nas famílias co m a moral corrompida... e Eu, teu Jesus, vendo tudo isto, vendo meu Sangue perdido!... Que ingratidão! Almas puras, compadeeei -vos de vosso Deus que clama reparação. Eu quero salvar a todos. Cooperae commigo na salva ção desse povo impudico que. clama vingança! Vós, cândi dos lyrios de pureza, podeis attrahir sobre a terra uma chuva benéfica do perdão. Minha filha, o peccado da impureza é o mais difficil de reparar, porque quem o commette fica tão impedernido no coração, que não ouve a vóz do Bom Pastor! 18-5-30.

A felicidade do coração manso

A

H! os meus servos no meio da dôr gozam de uma paz que o mundo não pôde dar!... E porque, filha? Porque em seus corações cultivam a mansidão! Tudo que lhes acontece attribuem á minh a mão misericordiosa, que sabe guiar aquelles que, não tendo vontades próprias, se entregam sem reserva ás mãos da-quelles que os dirigem ou então se entregam á Divina Pro videncia, quando não têm a ventura de ter quem os guie. Feliz aquelle que em seu caminho encontrou um guia esclarecido! Mas, quando a alma se vê solitária, não deve. ficar desalentada, pois quem me possue que mais deseja? Mas o que agora, filha, te quero explicar é a felicidade do coração manso! Ah! do coração que não fôr manso não posso fazer verdadeira morada do meu, pois o meu só repousa naquelle que evita todo o azedume em suas palavras, até em seus próprios pensamentos. Ah! acho-me tão bem nestes corações, como me acho bem perto de minha Mãe Santíssima! Quem poderá dizer, filha, que Minha Mãe se irritou? Ah! jamais mortal algum o disse, nem o ha de dizer! Vendo-me apupado pela populaça, não se irritou, antes seu Coração terno e compassivo, voltou-se para o Eterno Pae e uniu sua dôr á minha dôr e pediu por ella! Ah! assim fizeram todos os meus servos, é assim que também deves fazer em tua dôr, ainda no meio dessa infer nal populaça, formada por esses terríveis inimigos, que te perseguem por minha permissão. Deleita-te, filha, na paz. No meio de taes angustias assim fez minha Mã e e assim procederam os meus servos! Ah! a mansidão seja teu baluarte nestas horas. Ah! como me agradam as almas pacificas no meio de suas tormentas. Teu Jesus Prisioneiro. 19-6-1930.

minha gloria! Oh! almas queridas, amae-me e sereis generosas, sereis como foram os meus apóstolos, que não temeram em se apresentar ante os iníquos juizes. Amae -me, e sereis esses astros brilhantes, que illuminam com a sua fé a minha Igreja militante; sereis também o allivio da Igreja padecente, porque com as vossas preces alliviareís essas almas, que na terra não soube ram fazer tudo por amor e agora se acham no crisól do soffrimento. Como desejo ver estas almas a meu lado, gozando da minha gloria, entretanto ellas devem ainda se purificar! Vede que estaes no exílio, que estaes no tempo em que vossas obras são meritórias, não vos esqueçaes destas almas que ridas, que gemem neste cárcere de dôr! Sim, a caridade deve atinsir estas almas queridas, que por si nada oodem fazer. Sede caridosas nara commigo como Eu o fui com-vosco, amae-Me como Eu vos amei e nada temereis. Ah! Se existir temor em vossos corações diante de um sacrifício, tende por certo que ainda não Me amaes verdadeira mente! Olhae um pouco esses astros luminosos de minha Igreja, es sas almas minhas amantes, e vereis que tudo que Eu lhes pedi, tudo Me deram. Quantos delles derramaram seu sangue para dar testemunho ante os tribunaes daquelles que blasphemam meu Santo Nome! E vós seríeis também capazes de dar vossa vida por mim, se resistis ante um pequeno sacrifício e ficaes amedrontados?! Queixaes -vos amargamente e dizeis que tal cruz não podeis supportar! Ah! filhos meus, é mesquinho o amor de quem mede sacri fício para com a pessoa amada?! Este amor é um amor de interesse, porque muitas almas Me amam, quando tudo lhes corre a seu bel prazer; nnas quando a dôr as visita, ah! então que de queixas, que de lamurias! Só encontro verdadeiro amor onde estão as almas, que Me louvam na Cruz. \h\ Que poucas são ellas! Que poucas!... Amae-Me, filhos meus, na Cruz, pois foi por ella que vos salvei, que vos libertei do captiveiro. Sim, sem cruz não podeis entrar na mansão celeste, sem cruz não me dareis prazer. Filhos, a caridade não mede sacrifícios. Amae-Me e nada temereis. Vosso Deus Crucificado. 18-8-1930.

Protesto e santa resolução para uma vida nova

M

A caridade não mede sacrifícios

Q

'T'M Me amar subirá commigo o Monte Calvário. O' almas minhas, amae-Me como Eu vos amei, e subireis commigo o Monte Calvário! O amor não mede sacri ficios, eis porque Eu, vosso Deus, nada poupei para vos resgatar dos grilhões do inferno! Amei -vos até o infinito, por isso abracei a cruz co m generosidade, a ponto de de -sejal-a com anciedade, para vos testemunhar o quanto vos amava. E' por isso, almas queridas, que Eu, vosso Deus, vos digo: Quem Me amar fará aquellas cousas que Eu fiz, es-quecer-se-á de si próprio, renunciará a todos os prazeres os mais lícitos, para Me dar almas, muitas almas! Quem me amar verdadeiramente deixará seu pae, sua mãe e seus irmãos para viver no silencio e na humilhação. Quem Me amar viverá uma vida privada de tudo o que lhe pôde gran -gear qualquer applauso; escondido aos olhos dos homens viverá na alegria da mortificação para Me dar almas. Quem Me amar não temerá apresentar -se ante os tribu-naes para dar testemunho de Mim. Sim,, quem Me amar desejará dar todo seu sangue pela

EU Dulcíssimo Esposo, Jesus Crucificado, eis que hoje começo uma vida nova; para isso vos peço a vossa divina graça. Senhor, que a luz divina illumine meu espirito, para que esclare cida possa seguir-vos e imitar-vos. A Virgem puríssima, minha celeste mãe, ha de ser meu espelho. Sim, mãe querida, mostrae -me um pouco vossas virtudes para que vos possa imitar. Jesus, hoje vos prometto ser humilde de coração, por que, sem esta humildade, vós não me podeis enriquecer. Para isso, por vosso amor, quero ser desprezada e tida por nada diante das criaturas. Os desprezos devem ser para mim um manjar delicioso. Jesus, quero ser modesta no falar, no andar e em todos os movimentos de meu corpo; á i mitação de Maria devo ser um espelho de modéstia para que todos os (pie me virem, fiquem edificados. Jesus, hoje quero tomar-vos como testemunha de todas as minhas acções; sempre a meu lado vos hei de ver, pois, sereis o movei de todas ellas. Jesus, á vossa imitação, quero ser doce no falar, tendo fra mente as palavras que pronunciastes: Aprendei de mim que sou doce e humilde. Sem jamais me exasperar, devo tirar as palavras do vosso doce e humilde coração, e a to dos, com humildade e doçura, captivar p ara Vós. Jesus, quero ainda lembrar -me que sou vossa esposa, e que como tal tenho o dever de ser grave, modesta em tudo: no olhar, no falar, no andar e no modo de agir. Ah! se meus olhos se abrissem e pudessem penetrar um pouco no Paraíso! Ah! o que rein a nesta mansão de paz'? Gravida de, modéstia, suavidade, emfim a paz. E eu que vivo aqui junto comvosco, eu que tenho a ventura de ser vossa espo sa, como deve proceder? Ah! como os anjos me rodeiam! Oh! quando elles ine vêm distrahida e um tanto dissipada e menos grave, como se entristecem!... Eu que sou chamada a ser perfeita! Porque Maria foi tão modesta? Ah! porque ella foi escolhida para ser vossa mãe santíssima! E eu, ó Jesus adorável, não fui chamada para ser vossa esposa? Sim, uma coroa cingirá minha fronte; ella ha de ter escripto em letras de ouro: Esposa de Jesus por toda a eternidade! Ah! quantas vezes me esqueço e procedo como uma simples camponeza e não como esposa de um

18

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate im Alma Generosa 19

rei! Jesus, abri os meus olhos, tende de mim compaixão, mandae o espirito divino para que illumine minha alma e possa comprehen-der que sou vossa esposa, e que como tal devo proceder. O verdadeiro humilde reconhece os dons recebidos para agradecer a dadiva. Não quero eu ser uma esposa verda deiramente humilde? Ah! sim; pois então que melhor agra decimento do que proceder como verdadeira esposa vossa, para que um dia não tenhaes que vos envergonhar de mim, dizendo -me: Não te conheço, dei -te tantas graças e tudo desperdiçaste, viveste na terra não como minha esposa, mas, como simples christão; agora não te posso coroar como esposa! Jesus, que responsabilidade pesa nos meus hombros! Porém, tudo se tornará suave se souber aproveitar das vos sas inspirações. Sim, se souber dar morte á minha von tade, se souber ser mortificada. Oh! Paráclito Divino, derramae sobre minha alma o dom da intelligencia, para que possa abraçar com genero sidade todo e qualquer sacrificio, que a vossa luz me apon tar como obstáculo á santa gravidade, que, como esposa de um Deus perfeitíssimo, devo ter. Só com a Vossa luz verei, Senhor, meus erros e ven cerei minhas imperfeições, abraçando alegremente as vos sas perfeições. Virgem puríssima, que na terra, por vossa gravidade no exterior e vossa humildade no interior, vos tornastes digna de altrahir o mesmo Deus, dae-me a graça, ó Mãe querida, de vos imitar, dae -me a graça de morrer como vós para a minha própria vontade, de modo a poder ouvir a vossa voz que me deseja instruir, lembrando -me que se não morrer pata mim mesma, não lerei esta dieta. O' Virgem perfeitíssima, fazei-me comprehender o meu dever de esposa de vosso divino filho, Jesus. Mãe querida, dizéí -me, a toda hora que cahir: Lembra-te que és esposa de um Deus, e como tal deves desprezar e aborrecer o imperfeito e abraçar o perfeito. Ah! Mãe querida, um dia hei de ter esta dieta de ser vossa fiel imitadora, e nesta confiança tenho a victoria ganha, pois. sou esposa de Jesus e vossa filha, tenho obri gação de chegar quanto antes a esta santidade, que Jesus deseja de mim; e com isto, nada faço de mais, antes dou cumprimento a um dever, que Jesus me impõe, ehamando -me para ser sua esposa, quando me disse: Sê perfeita como meu Pae do céo é perfeito! Ah! quão longe estou disto, mas, de hoje em diante, vol -o prometto, custe-me embora a vida, pois de que me serve ella se não fôr conforme as máximas impostas por meu Deus? Sim, Jesus, confio em vós, mesmo ouvindo: Agora depende de ti. Eu te dou minhas graças, esperando a tua cooperação. Podes ser santa, e se não o fores, um dia te arrependerás! 13-10-1930.

não fizerem, Eu não edificarei minha morada nesses coraçõ es. Caríssimos Superiores, Eu vos falo com o meu exemplo. Não me vedes aqui por vosso amor em uma dura prisão, humilhando -me alé o fim dos séculos? Permaneço no meio de vós em tanta humilhação para vos dar o exemplo, porque, sem humildade, em verdade vos d igo, não edificarei em vossos corações. Quereis me agradar? Fazei que vossos súbditos sejam humildes, para que meus olhos sobre elles repousem. Oh! como me agradam as almas humildes! Uma esposa minha deve ser de tal modo humilde que, no dia em que não fôr humilhada, se entristeça. Ah! Se não comprehenderdes bem o valor da humil dade, em verdade deveis vos entristecer, porque só na alma humilde encontro repouso e contentamento. E que mais deve desejar uma esposa se não contentar seu Esposo Jesus? Zelosos Superiores, desejacs que as bençams do Céo desçam sobre vós e toda vossa Congregação? Sede verdadeiramente humildes e fazei que todos os vossos súbditos gostem de ser humilhados. Ai da Comiminidade, onde os membros não forem humildes! As bençams do céo nella não fructificarão! A Communidade, onde haja uma só alma humilde, esta será o iman que sobre todos attrahirá as bençams as mais abundantes. Oh! Almas queridas, os verdadeiramente humildes, em verdade vos digo, são muito poucos! Ah! Se houvesse mais almas humildes, a geração hu mana não estaria tão pervertida. Os homens se debatem porque entre elles não ha humildade; por isso, ao menos vós, amadas esposas, sede imans de meu amante Coração, para Eu poder mandar sobre a terra as minhas bençams. Caríssimos Superiores, fazei vossos súbditos comer á mesa da santa humildade, não fazendo suas vontades. Dae -lhes de comer e de beber pela manhã e á noite nesta mesa divina rias santas humilhações. Vède -Me aqui tão humilhado p<n vosso amor; aprendei de Mim q ue vos falo com o exem plo de cada dia. Jamais deixeis passar sem punição uma falta contra essa santa virtude, para bem das almas a vós confiadas e para que as bençams do céo caiam sobre vós. 0 caminho para isso é o Amor, mas quem deve condu zir nessa vere da é a santa humildade, porisso se quereis conhecer quem Me ama na verdade, vede se é humilde e se gosta de ser desprezado como Eu o fui e todos os meus santos! Pelo amor, a todos deveis conduzir, mas, sempre fir mados na santa humildade, sem a qual jamais creatura alguma Me agradará. Quereis ter as bençams as mais copiosas, sede sedentos de humilhações. Ah! então Eu descerei até-vós e vos elevarei até os céus. Jesus o Rei de Amor, o Humilde e amantíssimo da Santa Humildade do Tabernáculo Santo. 21-11-1930.

Preambulo á humildade
EXTI uma voz mysteriosa que me impulsionou a escrever, niH.s. anles disso ouvi que me diziam- O que aaora te vou diter é uma s»bl ; me verdade praticada pelo humilde Jesus do tabernáculo! S«ndo de tanta imnoriancia. d^s^jo rtne minhas f : , hns Missionarias ponham mãos á obra, e que sejam verdadei ramente minhas imitadoras, para que seus trabalhos dêm fruetos de vida eterna. Vou -te falar da santa humildade e desejo que cada uma das minhas pombas a praHque. Na verdade, sendo ellas destinadas por sua vocação a me darem almas, quero que todas seiam uma copia perfeita de Maria, minha mãe, e então descerei a cada uma como a ella desci. Que o humilde Jesus do tabernáculo seja a escola, onde todos os di as hão de aprender a se desprezar e amar a humilhação como Eu a amei. aí .^ es u s > 0 humilde Jesus do Tabernáculo pelas mãos de

A sciencia das sciencias
pALAE, Senhor, que a vossa serva vos ouve. ' Escuta, filha, o que te vou dizer. Vou te ensinar que a sciencia das sciencias é Me amar. Ensinae-me, Senhor, vós bem sabeis que nada sei; tende de mini compaixão. Quanta bondade, ó meu Deus, tendes usado para commigo. Vendo minha ignorância, vos compadecestes de mim! Oh! Senhor, como sois caridoso, a vossa caridade é infi nita! Em troca disso, que vos darei, ó meu Deus? Ah! mise rável como sou, nada tenho a não ser miséria! Lembrei-me nesta hora que tenho a minha vontade, que desde a muito vois pertence, porém, como gositaes de ver as almas renovar esta offerta, eis, Senhor, que hoje, mais uma vez vos dou, Para sempre, meu coração! Agora, Jesus, podeis falar, se fôr de vossa santíssima vontade. Minha filha, vou te ensinar em que consiste a verda deira sciencia e onde se adquire. A verdadeira sciencia, como já te disse, consiste em Me amar de todo o coração e com todas as potencias da alma; porém, onde se adquirirá est a sciencia? Os grandes sábios do mundo adquirem a sua sciencia nas grandes universidades, esforçando -se muito, estudando dia e noite, recebendo lições de seus professores; porém, a outra sciencia, a mais importante, a mais necessária, não se adquire nos li vros deste mundo. Onde se adquirirá, então, esta sciencia? Em que livro a encontrarás? Vou te dizer: Num livro

Ser santo é ser humilde
K/JINHA filha, vou -te ensinar a verdadeira humildade. ' ■ Poucas, muito poucas, são as almas verdadeiramente humildes!... Vou -te dizer porque: E' que para ser humilde, é necessário o desprezo completo de si, e quem gosta de ser desprezado? Ah! Quão poucos!... Superiores, quereis conhecer quem tem verdadeira vocação? Experimentai sua humildade, porque quem é chamado por Mim, tende para a humildade, e um dia nella chegará a fazer sua santa morada. Os Superiores têm o grave dever de formar seus súbditos na santa humildade, e se assim

18

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate im Alma Generosa 19

bellissimo, que contém apenas duas pagi nas, uma vermelha e outra branca. Este livro nem a todos agrada, porque a sua apparencia é um tanto áspera, pois antes dc - abril-o e medital-o, causa pavor! Vou te falar claramente: Este livro sou Eu mesmo. E quem te está falando, é teu Jesus Crucificado. Ninguém se presuma do contrario; quem não Me conhecer no Getse-mani, na prisão, na subida do Calvário, no alto do Calvário, na sepultura, na Eucharistia, não possue a verdadeira sciencia —. o amor. Amada filha, o segredo das almas generosas, das almas heróicas, está em se aprofundarem no estudo deste livro Ião curto e tão bello! Ah! convido aqui a todos os fi lhos do exilio, que dese jam a perfeição e querem Me dar almas, que todos os dias abram este livro bellissimo, e ao menos por um quarto de hora meditem nesta pagina vermelha! Oh! então todos vós que aspiraes a perfeição, em verdade vos digo, não caminhareis nesta via, antes voareis! Se ha tantas almas que commungam lodos os dias e são tão fracas na virtude, é porque não abrem este livro. Oh! quem será indifferente, depois de ver o quanto Eu padeci, quem se negará a fazer um sacrifício, depois de ter contemplado o quanto Eu Me sacrifiquei?! Quem Me negará um copo d'agua, depois de Me ter contemplado, no alto da cruz, a exclamar: Tenho sede! Quem não se fará meu apostolo, depois de Me contemplar por tres horas agonizando em uma dura cruz! Ah! quem ficará indifferente ás minhas palavras de compaixão no alto da cruz?! Ah! em verdade vos digo, se os rochedos se partiram e o Sói se escureceu, será que o coração dos filhos queridos não se commoverá?! Ah! não, não ha coração que não se commova á vista dos meus tormentos! Podeis folhear todos os livros que quizerdes, porém, se não folheardes este, em vão trabalhareis; sempre sereis almas fracas na virtude, porque foi por este motivo que quiz tanto soffrer, sim, para vos mostrar o meu amor; de modo que vós, vendo até que ponto Eu Me sacrifiquei, vos animásseis a soffrer e a sacrificar -vos pela salvação das almas. Quando é que um coração mostra a outro que o ama? Ah' é quando por elle se sacrifica. Não é nas palavras que consiste o amor, nem tão pouco nos ardores do coração, mas sim no sacrificio. Eis porque vos digo, que se não conhecerdes o quanto Eu Me sacrifiquei por vosso amor, não podeis adquirir a verdadeira sciencia — o amor. Ü' almas queridas, todos os amantes do Calvário foram heróes na virtude. Ah! em verdade vos digo, aquelles que meditarem todos os dias na minha Sagrada Paixão, estes serão grandes e conquistarão muitas almas; serão mansos e possuirão a terra, isto é. os corações que Me darão; serão puros, serão humildes e conquistarão os coraçõ es os mais depravados!... Não quereis vós também ser destes heróes na virtude? Ah! sim, Eu bem o sei que desejaes ardentemente; então, 'vos convido a Me contemplar no Calvário e na Eucharistia. Eis o vosso livro Divino, onde aprendereis a verdadeira sciencia, o amor; e amando-Me tendes adquirido tudo, por que amando-Me sereis capazes de soffrer por Mim, assim como por vós Eu soffri; amando-Me povoareis o meu reino, porque quem Me ama, Me dá almas. Oh! vinde, almas queridas, a esta divina escola. Esta escola parece um tanto austera! Ali! não vos illudaes, ella é tão doce, o mestre é tão delicado!! Almas queridas, por piedade não vos illudaes, não sereis santas se não aprenderdes neste livro. Começae a aprender letra por letra, nao queiraes apren der tudo em um dia, primeiro aprendei as letras, depois soletrae e finalmente lereis correctamente. Ah! quando lerdes correctamente já tereis galgado quasi todo o monte de vossa perfeição. Vinde, vinde a esta escola para um dia terdes a ventura de brilhar como o Sói no reino do amor. Pelas mãos de Maria. Jesus, Rei de amor. 3-2-1931.

Pensamentos consoladores
VENHOR, quando a Vós recorro como mendiga, daes -me em abundância e me vestis como princeza! Quaes são os verdadeiros amigos de Jesus? São os que se gloriam na dõ r e nas humilhações.

12

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

Bemavenhirndo o homem que for calumniado por voss Amor, porque elle refulgirá na Cidade Eterna! Aos que usarem de mansidão com o próximo, ser -lhes-dado, como morada na Patria Celeste, o Coração de ,Iesu Senhor, quem quizer ir a Vós pela via do Amor, muit terá que soffrer da parte dos homens, porque os homen até hoje não comprehenderam vosso amável Coração. Sem descanso neste cxilio traçaste meu caminho, par que rica possa apresentar-me ás portas da Patria amada! Das vossas penas me fizestes herdeira!... Que Vo darei em troca? O meu Paraíso neste cxilio é soffrer para mostrar -Vo que Vos amo! Senhor, quem poderá medir as penas, que uma alm Victima experimenta? Só Vós, porque só Vós soffrestes com uma grande Victima. Quem se envolver na purpura sagrada que nos legaste no alto da Cruz, este é um grande sábio, porque as cham mas do Purgatório não o queimarão. > * Quanto mais uma alma soffre mais se introduz no Corai ção do divino e meigo Jesus! Oh! Meu Jesus Sacramentado, enchestes meu coração de amargura! Bemdito sejaes! Ser atormentada pelos inimigos infernaes é signal déj predestinação. Feliz a alma que o demônio lhe fizer guerra!' Quem viver de misericórdia não será julgado, ante ser -lhe-á dado na Cidade Eterna o lugar de honra.

Se virdes um homem calumniado, lembrae -vos que é amigo de Deus, porque o mundo aborrece os verdadeiros amigos deste Deus misericordioso. A verdadeira sciencia consiste em desprezar -se e em dar-se sem reserva á vontade divina! Como se conhecem os (pie Vos conhecem, ó meu Deus? Os que como Vós usam de misericórdia.
*

Amar-Te quero sem medida, oh! meu Deus! * Onde se aprende a amar? Nas humilhações, porque ellas nos elevam das misérias deste cxilio. Por herança me destes neste cxilio a vossa Cruz! Como sou rica!

Quem não usar de misericórdia, este não encontrará misericórdia. Na Cruz do meu divino Crucificado está a minha força. Sim, quando Te contemplo coberto da purpura real!
*

Ser, por Vós. desprezado, neste cxilio é honra insigne, porque quanto maior for o abandono, tanto maior será o gozo na Patria amada, o Céo. Senhor, quando a Vós recorro como mendiga, daes -me em abundância o vosso Amor, e vesti -me como uma prin-ceza.
*

Por herança me destes neste exilio a vossa Cruz! Como sou rica!

Meu Deus, amar-Vos quero sem medida, porque do -Vos, amancorrespondo ao vosso "infinito Amor!... Como se mnho™ ) T1 com o próximo.

Soffrer sem descanso, eis a ventura das almas enamo radas de vossa Cruz. O meu Paraíso neste exilio é soffrer para mostrar-Vos que Vos Amo!. .. Sem descanso neste exílio traçaste meu caminho, para que rica possa apresentar-me ás portas da Cidade Santa — a pátria Amada.

o t!

mn

,

vo s a m am ?

Os que são mise ricordiosos para

* Quando vos considero como Juiz, fico longe de Vós, porém quando vos considero remo Pae, me introduzis nò vosso amarei Coração!

*

Oh! meu Jesus Crucificado, enchestes meu coração de amargura! Bemdito sejaes!...

As humilhações nos elevam ,!as misérias deste exilio. Quem não usar de misericórdia não encontrará abrigo no Coração de Jesus. 12-2-31.

*
Ser atormentada pelos inimigos infernaes é signal de predestinação. Feliz a alma que o demónio odeia!!... Quem viver de misericórdia, não será julgado, antes ser -lhe-á dado na Cidade Santa lugar de honra. * Soffrer sem descanso, eis a ventura das almas enamo radas do divino Crucificado! * Quanto mais uma alma soffre, mais se introduz no amor, cuja morada é o Coração Santíssimo de Jesus! Se virdes um homem calumniado, lembrae-vos que é amigo de Deus, porque o mundo aborrece os verdadeiros amigos desle Deus, que, por amor de nossas almas, foi inju riado e aborrecido pelos homens!... O verdadeiro amor consiste em dar-se sem reserva á Vontade Divina!

Cooperemos com a Misericórdia para nossa santificação

J

ESUS, Rei de misericórdia, Pae compassivo, Esposo sempre prompto a perdoar, venho aqui ante vossa pre sença adorável, neste Divino Sacramento, primeiramente, para vos pedir perdão dos meus peccados. Sim, muito me pesa de vos ter offendido, ó meu Jesus, ainda que nada sinta! Sensibilidade não tenho mais, mesmo assim eu desejo ser santa e aborreço minhas iniquidades, p orque esta é a vossa vontade! Vós quereis que eu seja santa, eu também o quero ser, -e para isso hei de empregar toda minha bôa vontade, e estar adiada á vossa Santíssima Misericórdia. Dizei-me, ó Jesus misericordioso, o que devo fazer para realizar este vosso desejo de alliar minha tão pequenina vontade á vossa infinita Misericórdia? Falae, Senhor, porque tenho sede da vossa Palavra divina!

13

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

Alma que Me escutas, ouve com attenção a minha pala vra de misericórdia. A Justiça divina tinha de exterminar o homem da face da terra e precipital-o no lugar por elle mesmo creado, porque foi o peccado o autor do desespero e do supplicio eterno. O homem foi creado por mim, não para o inferno, mas, sim, para a Patria celeste, para gozar da minha própria felicidade. Esta c reatura, porém, creada por amor, deu ouvidos ao mal e no seu coração entrou a iniquidade! Agora, alma que Me escutas, reflecte bem no que te vou dizer. A minha infinita misericórdia vendo este amor espe -sinhado e injuriado pelo mal no coração do homem, creado Por amor, o que fez? Oh! prodígio!! Oh! maravilha!! Desce á terra para conciliar a justiça com a misericórdia; e esta infinita mise ricórdia cobre -se com um corpo igual ao do homem, excepto o peccado". E no seio de uma Virgem purissima, o amor deu -Mc um corpo no qu al ia soffrer as consequências do peccado; coberto com a capa dos peccadores ia soffrer os rigores da aivina Justiça offendida! Del f- C ? u e ^ p .°' a Í u s tiÇ. a c I u e foste resgatada, mas, sim, Peia divina e infinita misericórdia. Agora que te fiz conhe-salv a J u s tiça, mas sim, a misericórdia que te A 1 - °. u u e deves fazer para cooperar e alliar -te a ella? A primeira condição, para cooperar com a minha mise - rdia é vir a mim, sem medo e sein temor. Se Eu sou tão pródigo que desci á terra, tomando sobre mim todas as vossas iniquidades, porque motivo vir a mim com temor? A segunda condição para commigo cooperar é reco nhecer-Me como Pae de infinita caridade, prompto a tudo perdoar, sempre que o coraçã o se disponha á emenda. Tenho sede de fazer o bem, e corações ha que nelles querem aniquilar -Me! Se criei o homem do nada, não posso de um grande peccador fazer um grande santo? Sim, a minha infinita misericórdia tudo pôde. Vede tantos astros luminosos na minha Egreja, que de grandes peecadores tornaram-se grandes saídos. E porque, Eu vos! pergunto? Porque cooperaram commigo na minha infinita caridade! Existe um erro gravíssimo em muitos filhos meus: Dizem estes: Eu nã o posso ser grande santo, nem aspirar a tal, porque na vida passada commetti muitos peccados; os que devem ser santos, desde meninos já o são. Oh! cegueira do homem que assim fala! O que assim fala, quer aniquilar -Me e limitar minha infinita caridade! Ah! em! verdade vos declaro, não ha peccador que não possa ser um grande santo! Os peccados passados, para uma alma arrependida, não são obstáculo para ser santa, mas sim, fontes de humildade e fontes de reconhecimento, lembrando-lhe que Eu usei para com ella de misericórdia, descendo até ella, lavando-a com o meu Sangue divino e purificando -a com o meu amor. Ninguém diga que não pôde ser um grande santo, por que commetteu muitas faltas, na vida passada foi impuro e manchou sua honra com os peccados os mais vergonhosos! Ah! não, a nenhum mortal é permittido assim falar; uma só cousa é necessária, para se santificar, é bôa vontade, sem a qual o homem não pôde se salvar; porém, o homem que tem bôa vontade não deve temer, nem duvidar de sua salvação e també m de sua santificação. Eu desci para os homens de bôa vontade, e quaes sao elles? Os que ouvem a minha palavra e a põem em pratica, os que pra ticam a minha lei c os meus conselhos. Uns se contentam de observar a lei, porém outros aspiram mais alto e praticam esta lei com perfeição nas pequeninas cousas. Estes serão chamados, na casa de meu Pae, de servos fiéis, que souberam aproveitar das pequeninas cousas para vir fl mim. Nesta segunda condição ficou dito, que, para cooperar com a minha infinita misericó rdia, é necessário reconhecer-Me como Pae misericordioso, prompto a perdoar é fazer de um grande peccador um heróe de virtude. A terceira condição para alliar-se á minha misericór dia é usar de misericórdia, primeiramente comsigo, depois com o seu próximo . Como uma alma pôde usar de miseri cordia para comsigo, se ella é tão desprovida desta misericórdia e se no seu coração só existe a inclinação para o mal? Onde buscar esta misericórdia? Ah! Eu vol -o digo, no Coração de Maria; Ella vos mostrará o meu amável Coração c vos dirá: Vinde e vamos á fonte inexgotavel, vamos sem demora a Jesus. Por que temer? O Coração de meu Filho está aberto para vos receber e, não com pesar, mas, sim, com alegria. Jesus não recebe seus filhos com pesar, mas com grande regozijo! Porque temer, alma querida, vede, a misericórdia de Jesus vos abraça e indemniza vossa causa! Por esta falta Jesus já soffreu, só vos resta agora apresen tar-vos a Elie com humildade e confiança, e, quanto maior fôr a vossa confiança mais bclla será a vossa purificação. Sim,, almas que Me escutaes. é Maria
VO

que vos mostrará melhor o quanto Eu sou misericordioso e como deveis usar primeiramente de misericórdia com vossa alma, para depois usal -a com os outros. Como usareis de misericórdia com o próximo senão para alliar-vos á minha misericórdia? A medida daquella, será a medida da vossa união commigo, será por esta me dida (pie vós recebereis a minha misericórdia. Se Eu por vós morri em duro madeiro, se Me revesti de vossa natureza, tomando sobre meu delicado corpo e minha cândida alma os vossos peccados, qual deve ser o vosso proceder, vendo o vosso Mestre adorável dar-vos tantos exemplos? Misericórdia e sempre misericórdia, quer dizer, perdoar e perdoar sempre, consolar e consolar sempre aos afflictos, morrer, se preciso fôr, pára salvar uma só alma; esta é a caridade, a misericórdia que vim trazer ao mundo. Salvar almas, ó nobreza! Esta é verdadeira caridade! Pouco vale - 1 ia mi aproveitaria a um homem que fosse immensamente caruloso, se não trabalhasse, na essência da mesma caridade, q u e consiste em salvar almas; e para salval-as e aptival-as, a alma, que Me ama, serve-se de todos os meios 0 seu alcance. ■ , S i m > almas venturosas, ao mundo dei a conhecer a misp ! l n f , i n i ta misericórdia. Que bella, que formosa é esta tavel C °- r S em a qu a l 0 h o m em tornar-se-ia insuppor-cime t S 1 , p r °P r i °; Porque o homem, que não possue o conhe-nnio ?i minha misericórdia, vive em continuo martvrio, pois, die mesmo ó seu algoz! JJJJ almas que Me ouvis, mergulhae -vos nesta infinita p a r i c o r < n a > não olheis para vossos peccados, mas, sim, eido m a m i s er i c ordia, que tanto deseja vêr -vos reconhe-íüstes ''-°r * CU S - ef f ei to s benéficos. O' todos, que no passado Se -u, K ' l s > n a ° temaes, podeis ser santos e grandes santos se comprehenderdes na minha infinita misericórdia. Não vos deixeis levar pelos artifícios do inimigo que vos diz: Tu não podes aspirar a grandes cou -as, porque és um grande peccador ou o foste no passado! Ah! não offendaes minha misericórdia, dando ouvidos a tal tentação! Todos vós peccadores e não peccadores, podeis ser grandes, porque grande é minha misericórdia, que deseja ver -vos a todos felizes, e, ao meu lado para cantar o hymno bellis-simo da divina misericórdia! Tende bôa vontade e atirae -vos nos braços amorosos de Maria, que Ella é Mãe, e como tal vos conduz ao meu Cora ção infinitamente misericordioso, onde Ella vos fechará para sempre. Sede todos de Maria que Ella é vosso thesouro. Jesus, Paê de Misericórdia, do Tabernáculo Santo. 4-3-1931.

O dote de minhas Esposas
MADAS Esposas Missionarias e a todos que desejarem • me agradar. Vou hoje mostrar -vos, a belleza deste dote e as condi ções necessárias para adquiril-os. E' elle tão bello em seu fim, porque este se resume na minha maior gloria e na riqueza de vossas almas de esposas de um Deus. Então em que consiste este bello dote? Consiste no merecimento de minhas Chagas, de minhas humilhações e no conhecimento mais perfeito de quem sou Eu. Vede, amadas Esposas, que riqueza incommensuravel! Como esposas, tudo o que é meu vos pertence, mas, se possuirdes este bello dote, tereis mais conhecimento dos mere cimentos de minhas humilhações, que cahirão sobre vossas almas, á medida desse mesmo conhecimen to. Comprchen -dereis melhor minhas Chagas e nellas sereis introduzidas, e seus merecimentos ser -vos-ão dados em maior abundân cia. Conhecereis melhor minha bondade, e, á medida deste conhecimento, ser -vos-á dado o merecimento desta bondade, sempre prompta cm perdoar! Os meus thesouros são dados á medida da generosidade do cada um. Esposas tenho que são muito pobrezinhas, porque são muito pouco generosas. Eu sou rico e ellas são tão pobres! Como é doloroso para um esposo dedicado como sou Eu, ter de ver tant as esposas na indigência, por causa de sua pouca generosidade!

14

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

Eis porque vos desejo dotar com o merecimento de minhas humilhações, de minhas Santas Chagas e com a minha Sabedoria. Se fordes attentas aos meus conselhos, vos digo: Em verdade, sereis riquíssimas, e jamais vos faltará cousa alguma. E as condições necessárias para isso? Talvez algrma de vós esteja assustada?! Ah! isso não aconteça, pois Eu sou todo amor e minhas exigências são todas por amor; não vos hei de pedir cousa alguma acima de vossas forças, porque meu jugo é doce e suave. A primeira condição é esta palavra tão simples: "não". Não. para tudo que possa ser falta voluntária. Vede que não vos peço o impossível, porque as faltas voluntárias as podeis evitar se fordes attentas e se tiverdes bôa vontade. Para quem tem má vontade tudo é difficil, mas para as almas generosas não é difficil dizer "não" para tudo que de leve pôde manchar a alma ou offuscar o seu brilho! A segunda exigência é esta: "Sim" para tudo que é sa crifício. Amadas Esposas, lembro-vos aqui a palavra do Evan gelho: "Queres ser perfeito? Vende o que tens, dá -o aos pobres, Loma a Cruz e segue -Me." Por infelicidade, esposas tenho que me desejam seguir não no caminho escabroso do Calvário, mas, sim, no ca minho fácil, onde não ha sacrifícios e vontades a quebrar! I s t o é doloroso ver em tantas almas que abraçaram os conselhos evangélicos! Não vos illudaes; infelizmente nem lodos os que me dizem: "Senhor, Senhor", trabalham na sua perfeição! Portanto, se desejaes ser dotadas com o merecimento de minhas Chagas, abraçae -vos alegremente com as cruzes de cada dia, jamais censurando os vossos superiores, que vos impõem sacrifícios, não para epie lhes sirvaes, mas, sim, para minha gloria! A terceira condição é pro curar sempre »0 ultimo lugar. Lembrae -vos da minha parábola, daquelle 'lue se sentou á mesa em primeiro lugar. Chegou o Senhor e o pôz em ultimo lugar: portanto, deveis ter sempre este conceito de vós: Sou a ultima na casa do Senhor; mas que isto seja uma realidade e não como fazem muitos, que falam que são as ultimas e desejam que as tenham como primei ras, o que é uma humildade falsa! Na minha casa deveis desejar estar sempre em ultimo lugar, ainda que a santa obediência vos mande oceupar cargos elevados. Não é o pargo que vos deve ensoberbecer, antes elle vos deve humi lhar, porque lembro -vos aqui, a todos (pie oecupaes cargos: Eu, o vosso Tudo, desci á terra para servir e não para ser servido! Vede como lavei os pés dos apóstolos para vos ensinar que o p rimeiro no reino dos Céos, deve ser o ultimo neste valle de lagrimas. Se desejaes ser dotadas com a minha sabedoria é neces sário que sejaes muito humildes de coração, e isso não nas palavras que proferis, mas nas vossas obras. Amadas esposas, satisfazendo a estas minhas vontades, recebereis este tão sublime dote. Agora pergunto -vos a cada uma em particular: Estás prompta a fazer o que te peço por amor? E' isto pesado para auem ama? Examinae -vos bem e vede se é pesado. Se o achardes tal, é signal que vosso amor por mim está bem enfraquecido, porque tudo é possível áquelle que ama. Vou agora mostrar -vos a belleza deste dote, e quem sobe com seu conhecimento tereis luzes para abraçar o (pie por amor vos peço. Primeiro os merecimentos de minhas humilhações. Algum dia já meditastes no valor de minhas humi lhações? Ouem sabe muitas de vós ainda não tiveram esta venturosa idéia de meditar no quanto Eu fui humilhado por vosso amor!! Amadas esposas, é-vos impossível comprehender o infinito valor dessas humilhações, cousa que só no Paraíso vos será dada. Porém, Eu desejo que tenhaes já uma pallida idéia deste thesouro preciosíssimo e apreciado por tão poucos! Vós que desejaes ser dotadas com este tão precioso the souro, só o comprehendereis á medida que elle vos fôr dado. As minhas humilhações têm tanto valor diante do Pae, eme saldaram vossas dividas, abrindo-vos assim as portas da Mansão da Paz, que se achavam fechadas por causa do o r r m i h n . em querer saber tanto como Deus! Vede a serpente infernal seduzindo a Eva, dizendo-lhe que se comesse do frueto prohibido saberia tanto como Deus! Amadas esposas, foram as minhas humilhações que esmaearami o orgulho. Vede como se achava o mundo, quando a Elle desci: Só reinava a soberba, o pobre era calcado aos pés como um vil e scravo, os ricos viviam nas suas orgias a clamar vingança do céo, opprimindo os pequenos e os humildes!

Ser nobre era uma terrível humilhação! Pobres homens, em que lastimoso estado se achavam! E eis que Eu desci á terra, tomando um corpo, humilhando-me, nascendo na pobreza para mostrar aos homens que é a pobreza o cami nho mais seguro para entrar na mansão da paz. E eis que vivendo na humilhação, eu a amei, porque nella tive ocea-sião de mostrar-vos o seu valor. Não encontrareis nas minhas humilhações uma queixa, uma repulsa; ao contrario, no Gethsemani, vei-me-eis ir ao encontro dos soldados para lhes dizer: A quem procuraes? — A Jesus Nazareno, dizem. — Eis que lhes respondo: Sou Eu. Amadas esposas, porque assim procedi? Porque humi lhando-me ganhei para vós thesouro de infinito valor, para hoje vos poder dizer: Desejaes ser dotadas de minhas rique zas? Vinde (pie vos cumularei destas riquezas, e não mais andareis na mendicidade. Como já vos disse, é doloroso para mim ver tantas esposas pobres, quando le nho tantos thesouros guardados no meu Coração, sem ter quem os venha procurar! Como já vos disse ha condições para tiral -os do meu Coração, mas, as condições, (pie vos dei, não são difficeis porque meu jugo é doce e suave; só é pesado para os que não o sabem levar, para os que não me amam,. Lembrae-vos que o valor de minhas humilhações excede a todos os merecimentos dos santos, que povoam o Céo e que ha na terra, pois, com todas as suas dores e todo o sangue que derramaram, não chegam a uma sensível par-cella do merecimento de minhas humilhações. Vede que o merecimento dos martyres, das virgens consagradas a meu serviço, de todos os santos é de um valor incalculável, pois, tudo isso em comparação de minhas humilhações é nada, porque Eu, como Deus, humilhando-me, minhas humilhações são de valor infinito. Para melhor comprehenderdes este valor, vede o oceano quanta agua contém. Agora Eu vos digo: 0 oceano é o valor de minhas humilhações e as humilhações de todos os santos apenas sao uma gotta de agua; tomae esta gotta de agua e lançae-a ao mar, ella desapparece á vista de tanta immensidade! E' assim o valor de todos os santos em comparação do infinito valor de todos os meus actos, porque, Eu sendo Deus, sou ]? a o l n f mito em cada um de meus actos, minhas h u milhações porisso humi -infmü T 6 ' attingiram a um valor Amadas esposas, este valor vos é dado como riqueza, se cooperardes para tão nobre fim. rmrm,í! S ? U I r -° va l o r de minhas humilhações é uma ventura, porque tereis moeda solida para saldar vossas dividas e a s qu e é 0 qu e ta n to des e i°- Bemaventurado o hm, nom,,, qU C s a l va r u m a a lm a > P° i s salva-se a si mesmo, alma • ? C t ° ( i e c a r i da de como este - salvar uma Eu dm " S C M a n 1 r em u n er a do > e a melhor remuneração que salvar o qu eU es qu e Praticam este acto tão bellissimo é a l va r a s ua propria alma! Por piedade esforçae -vos para merecerdes este tão rico thesouro! Desejo tanto dotar -vos, desejo immensamente ver-vos ricas; não posso ver-vos na mendicidade porque meu Coração, sendo immensamente caridoso, deseja vera todos felizes desta felicidade celeste, para o qual o coração do homem foi creado.

1

Vou agora mostrar -vos quão precioso é o valor de minhas Chagas, fontes inexgotaveis de grandes benefícios. Ah! vós todos que vive is neste exilio não podeis medir sua grandeza! Seu valor excede á vossa fraca comprehensão. Minhas Chagas são fontes de vida e de amor, ellas têm o dom de apagar os peccados do mundo, foi delias que sahiu •o Sangue que hoje serve paia purificação de vossas almas. As minhas Chagas, cujo valor é infinito, são remédio para todos os males da alma, são bálsamo para curar todas as feridas de vossas almas, são as portas por onde podem as almas entrar na mansão da paz. Porisso quem se introduzir nestas Divinas Chag as pôde estar seguro de sua salvação eterna. Na verdade, quem poderá vos fazer mal dentro destas moradas de amor? Todos os santos que tinham este bello costume de se introduzir nestas Chagas Divinas, todos estes afortunados, morreram nos meus braços e nos braços de minha Mãe. As minhas Chagas são asylo seguro de salvação; não ha inimigo capaz de romper seus sagrados muros.

Vede seu valor. O inimigo á vista destas Chagas Divinas treme de medo e por isso elle foge espavorido daquelles que todos os dias entram nellas. O demônio não pôde ouvir sem grande terror falar destas Chagas Divinas, cujo valor será dado como riqueza ás vossas almas, se fizerdes o que vos foi dito. Vede quão necessária é vossa cooperação e fide lidade para adquirirdes tão bello thesouro. Como então sereis fortes! Expulsareis o

15

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

demônio de vós, sereis fortes para todos os combates da vida e depois alcançareis o fim desejado, que é a vossa santificação. Vede que vos falo da vossa santificação. Sim, deveis ser santas, porque este é meu desejo. Não me contentareis se disserdes: com tanto que me salve é quanto me basta! Ah! não, desejo que sejaes santas, porque foi para isto que vos chamei, e é por este motivo que vos desejo dotar com minhas riquezas. Sede diligentes, não percaes tempo, desejae ar dentemente ser dotadas com os meus dons. Isto depende somente de vós, portanto, mãos á obra, sem medo começae-a hoje mesmo, e Eu vos prometto a minha graça para progredirdes na virtude. O terceiro dom promettido é a minha Sabedoria. ,Sabeis ouão necessário é este dom — a Sabedoria, para melhor conhecer-Me e saber detestar o mal. Quem Me conhece, ama -Me. Quão bello é este dom conhecer-Me, poder comprehender-Mc, e, já neste mundo, vcr-Me com os olhos da verdadeira fé, contemplando -Me na Eucharistia e poder contemplar-Me no Céo, com esta mesma fé, o gozo dos elei tos do Paraíso. Ah! em verdade, vos digo o dia em que fordes dotadas deste dom, como vos achareis felizes; comprehen déreis melhor minhas palavras e, amando estas mesmas palavras, tudo vos será mais f ácil; então direis: Quão bom é servir a Deus atravez deste véo, "a fé"! Amadas esposas, estes tres dons estão á vossa disposi ção. Desejo quanto antes beneficiar -vos com elles, desejo ver-vos ricas; portanto dae-Me logo a consolação de vos poder dizer: Ouv istes-Me, eis que agora e para sempre, emquanto fordes fiéis, vos dou como riqueza os merecimen tos de minhas humilhações, de minhas Chagas e minha sciencia, que consiste em Me conhecerdes melhor para mais Me amar. Sede fiéis e Eu vos prometto em breve este tão precioso thesouro. Vosso Esposo amantíssimo, Jesus Crucificado do Tabernáculo Santo. 31-5-1931.

Vede, amadas esposas, oue erro funestíssimo nara vossas almas, miando Me obedeceis por obrigação! Oue falta de amor, até diso mais, de consideração para commigo, que tudo fiz por vós alegremente e desejei ardentemente ser pregado na Cruz. para patentear -vos o meu grande amor! Esta obediência para ser completa deve ser suave, para dar cumprimento ao que Eu disse: Aprendei de mim que sou manso. Quando a minha Vontade vos impuzer oualquer sacri fício, o deveis aceitar com calma, porque a falta de calma é que vos leva muitas vezes a achardes pesado o meu jugo. A alma que não tiver esta obediência calma, isto é, que não fôr alma de reflexão, fará tudo mal feito, e finalmente abandonará as praticas de piedade, c aos poucos irá se afastando do meu doce jugo. Amadas esposas, que tanto desejaes realizar os vossos esponsaes commigo, seja a vossa obediência como já vos foi dita. Não vos illudaes, não penseis porque, aos pés do Altar, Mc jurastes fidelidade eterna, que nisto consiste a vossa união! Não penseis que somente com isto realizaes os esponsaes commigo! Ah! não, sem essa obediência, as vossas almas viverão agitadas e depois, sem esta união, as consequências serão funestíssimas. Quantas graças perdidas, por falt a desta união comungo; porque quem não está unido a mim, como Me pôde ouvir? Se desejaes ouvir a minha vóz de Esposo de vossas almas, procurae em tudo fazer a minha santíssima Vontade, até nas mínimas cousas, e isto com alegria, por meu amor e não por dev er.

Vede a ingratidão que Me dão as almas, que fazem a minha Vontade por medo de perder o céo! Deixae isto para os que não Me conhecem, porque vós que fostes chamadas com tanto amor para viver na minha casa e serdes uma só cousa oommigo, deveis obedecer-Me com amor alegre e suavemente, pois se isto fizerdes, predispondereis vossas almas para fazerdes o que agora vos direi, como condição aos nossos esponsaes. Depois de terdes estas qualidades na vossa obediência, deveis em segundo lugar procurar dar-Me gloria em todas as vossas obras.
As almas que Me amam se comprazem em contentar -Me, procurando somente a minha gloria, esquecendo -se de si. A alma que, em todas suas obras, procura minha maior gloria, trabalha com satisfação, faz tudo com verda deiro prazer, e tudo o que faz acha que é pouco ou nada para poder -Me contentar. Vós, que desejaes realizar os vossos esponsaes commi go, na vossa alma deve existir esta qualidade "tudo fazer para minha maior gloria". Para realisar os esponsaes commigo são necessárias ain da estas qualidades: Desejar o desprezo c a humilha ção, e nisso achar contentamento. Não vos illudaes, caríssimas esposas, se não desejardes a humilhação e nella não achardes contentamiento, vossas almas ainda não estão aptas para os divinos desposorios. En*ão as vossas almas viverão agitadas e inquietas, em-rçuanto não abraçardes a humilhação e nella não achardes co!:tentam n nto. Emquanto vossa alma sentir aversão pela humilhação, ainda tendes muito que trabalhar, porque sen tir aversão pelas humilhações é signal de que ainda o vosso amor próprio está vivo. Almas minhas, esposas amadas, que desejaes ardente mente fazer uma só cousa commigo, trabalhae para que vossas almas tenham estas qualidades, para poderdes realisar os vossos desejos de união perfeita commigo! , Pendes mais uma qualidade a desejar para as vossas «•mas, é o remate de todas e o signal que vos pôde garan - r que a nossa união é completa. Esta qualidade é achar repouso na Cruz, abraç al-a com alegria e dizer-Me "O' meu Deus, na vossa Cruz descanço e não desejo outra cousa senão ser crucificada por vosso amor." Esposas amadas, achareis isto difficil? Na verdade não é difficil, porque todos os santos chegaram a este ponto. Agora vos pergunto para que viestes morar na minha casa? Para serdes santas. Eis esposas de meu Coração, qual é o vosso fim —- a vossa santificação própria e o povoamento de meu reino. Em verdade vos digo se fizerdes o que aqui vos deixo dito, se estas qualidades, possuírem vossas almas, sois uma só cousa commigo, e não sereis mais vós que vivereis, mas, sim, Eu é que vivo em vós. Pelas mãos puríssimas de minha celeste Mãe. Via a Confiança do Reino da Misericórdia. Jesus Crucificado.

Em que consiste a união da alma i com o Amado
MADAS esposas, vou hoje mostrar -vos em que consiste a união da alma commigo. Certas almas vivem inquietas, em perturbação cons tante por causa, dizem ellas, de falta de união commigo. Em verdade vos declaro, a maior parte que assim fala „J?° r 'Snorancia; não sabem estas almas em que consiste a união da alma commigo. te 0 1 1 1 f a z C T Em que consiste a união da alma com o Amado? ale"i a m i n h a vontade por amor de mim, proen,- e . suavemente; em desejar dar -Me gloria em tudo, no " ° p a r . a s i 0 desprezo e a humilhação; em alegrar-se Cruz '' o n tI ' a n a a natureza, e finalmente achar repouso na Amadas esposas, quem sabe muitas de vós ainda não chegastes a esta bella e encantadora victoria? Será isto difficil? Não, porque se fosse difficil, Eu, como Esposo amantíssimo, não vos ensinaria estas cousas, pois além disto deixaria de ser leve e suave o meu jugo. Vós que suspiraes por uma união mais forte commigo, fazei estas cousas que agora vos vou explicar, então vossas almas serão satisfeitas e realizarão os esponsaes desejados. Quantas almas vivem agitadas por falta desta união que devem ter commigo?! Vivem de flor em flor, á procura do que não podem encontrar, emquanto alegre e suavemente não fizerem a minha santíssima Vontade. Almas ha crue obedecem, mas sua obediência é restri -cta, não é geral nem comoleta! Como taes alma» poderão achar paz longe de mim! Quem não faz a minha Vontade até nas mínimas cousas, não pôde ter paz na sua alma. A alma obediente até nas nequeninas cousas faz com oue Eu nella cresça, á medida que diminue em si suas vontades! Esta obediência para ser completa deve ser alegre e suave.

16

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

8 7 1931.

O pão quotidiano das almas de boa vontade
• (Padre Nosso meditado)

A

MADISS1M0S filhos, quantas almas por infelicidade rezam sem saber o que estão dizendo, vindo dahi tantas distrações c faltas de attenção para com seu Deus. Eu sou Maria, vossa Mãe, desejosa de ver-vos attentos, quando tendes a felicidade de rezar. Vou mostrar-vos a belleza das vossas orações quo tidianas. Padre nosso que estaes no Céu. Caríssimos íilhos, quantos por infelicidade pronunciam esta palavra sublime, com tão pouco respeito e sem a devida comprehensão! Eis o motivo pelo qual não recebem o que pedem, porque rezam mal! Quem é este Pae? Este Pae, cujo nome pronunciaes com tão pouco respeito, é Deus. Sim, o Deus creador de todas as cousas, dos Céus e da terra e do que existe nestes dois reinos. Este Pae, o qual invocaes quando rezaes, tem ao seu lado nove coros angélicos, louvando -O, amando-0 e supprin-do as vosas faltas de attenção... Sim, amadissimos filhos, quando rezaes mal e sem o devido respeito, os anjos suprem as vossas faltas de attenção diante deste Pae, cuja caridade fez descer á terra seu adorável Filho, para abrir -vos as portas do Paraíso! Este Pae, que vós invocaes quando rezaes, tem em suas mãos as vossas vidas, podendo em um instante tirar -vol-as, conforme sua santíssima vontade! Quando dizeis, Padre nosso que estaes no Céu, os anjos respeitosos se inclinam para reverenciar este Deus tão amável em si! Amados filhos, que tendes a ventura de me ouv ir, como pronunciaes esta palavra tão consoladora, Padre nosso que estaes nos Céus? Não pronunciaes esta palavra machinal -mente sem nenhum respeito? Ah! por amor de vossas almas, pelas quaes Jesus morreu em dura Cruz, vos suppli-co: pronunciae esta palavra tão consoladora com respeitlo e veneração, lembrando-vos da reverencia e adoração dos coros angélicos. Vós creaturas previlegiadas, destinadas um dia a gozardes de sua divina presença, deveis ser na terra o que os anjos são no céu: Adorae, amae e reveren-ciae este Pae tão amável que vos criou, tirando -vos do nada e dando-vos uma alma immortal, para gozar por toda a eternidade de sua presença adorável. Amadissimos filhos, não sejaes vós arvores frondosas somente, mas sim arvores productivas. Vós sabeis que a arvore que não dá fructos, será cortada e lançada ao fogo. ■Portanto, quando rezardes, rezae com todas as potencias de vossa alma, lemhrae -vos que a oração é a vossa con versação com Deus! Pergunto-vos, si visseis vosso Deus com os olhos do corpo, qual n ão seria o vosso respeito?! i^k™ a f a c e 1 5 o r ter r a O adoraríeis, e não somente com s lábios, mas com todas as potencias de vossa alma lhe neis: Quão bom é estar na vossa presença; façamos aqui a nossa morada! mhos> es te Deu s h om . c °m felicVi n H l d0 S o qual tendes a de f a l a r <I u a n do rezaes, ainda que não 0 vejaes com "Be ° S o s do c o r P°» vêde-0 com os olhos da fé. é cmrf" l l U i a < l 0 s 0 s qu e n a o vi r a m e creram". Portanto lado m , 0 s J? l n o s desta fé admirável que deveis ver ao vosso salemcclest 3 1 1 8 ' ° U ^ a b el l ez a a r r eb a ta o s habitantes da Jerur ezarde e

Deus é Santo, Santíssimo, portanto, quando Jesus ensi nou o Padre nosso dizendo rezae assim: Santificado seja o vosso nome, quiz com isto dizer-vos, que seu nome santíssimo, deve ser por todos seus filhos, amado, adorado, reve renciado, não somente com os lábios, mas principalmente com as obras. E' nas obras santas e perfeitas que santificareis o nome daquelle que é adorado e amado por todos os habitantes da Jerusalém celeste! Santificado seja o vosso nome, deveis dizer a toda hora. Sim, santificado no meu coração e no coração de todos os homens. São estas as disposições de vossos cora ções, quando rezaes, quando vos apresentaes para conversar com Deus tres vezes santíssimo"? Se fordes santos, o nome de vosso Tudo, que é Deus, é santificado em vós. Entendei bem, Deus é santíssimo, não precisa de vossas acções para ser mais santo, nem mais perfeito, mas, o que vos digo é que fazendo obras perfeitas Ehe daes uma gloria accidcntal, por isso que, o seu santo nome seja santificado por vós, em vós e nas vossas obras. Ah! filhos dilectos, se tivésseis esta sede ardente de ver o nome de vosso D eus santificado por todos os homens, como Lhe serieis agra dáveis! i) Todos os dias rezaes estas palavras tão sublimes, sem saberdes o que estaes dizendo, por isso é que Eu, vossa Mãe sempre solicita, desejosa de vêr-vos mais perfeitos, com todo o amor vos dou estas lições, para que, quando rezardes, aproveiteis do que estaes dizendo e não façaes como ma chinas que, girando somente pela força do motor, ficam sujas quando acabam o seu trabalho. Ah! Amados filhos, quantos christãos rezam sem pro veito! Outros rezam tão mal, que em vez de darem gloria a Deus, 0 ferem com as suas más disposições! Para que isto não aconteça convosco que me ledes, preparae-vos para rezar com aquelle que é o vosso Tudo. Apresentae-vos a Elie como Eu sempre me apresentei, com confiança, amor e respeito. Apresentae -vos a Elie dizendo para vós mesmos: Com quem vou conversar neste momen to? Com meu Deus. 0 que lhe dizer? Vou rezar, vou pedir -lhe seus soecorros, sua bençam para meus trabalhos, vou render-lhe acção de graças, vou prostrar-me cm sua presença para adoral -o como meu Deus e meu único é soberano bem. Sim, amados filhos. Jesus é o vosso único e suinmo Bem. Haverá bem melhor d"o que Deus? Ah! não, tudo passa, tudo é vaidade, só Deus fica e vive eternamente. Portanto, quando vos approximardes deste soberano Bem, (pie v vosso Deus tão bom e amável, cuja bondade tem captívado milhões e milhões de virgens, lembremos que os próprios anjos, em cxlasi, proclamam: Amemos e louvemos ii nosso Bem amado pelos séculos dos séculos. Thereza de Jesus ficou tres dias fora deste mundo, somente á vista de uma das mãos de Jesus Christo. Qual não será a belleza deste Deus, seus encantos e melodias, quando o puderdes ver face a face e sem véus?! Ah! Eu bem conheço este Deus, pois, me acho nos seus aposentos, conheço sua bon dade, seu amor e belleza. por isso é que vos desejo ver re verentes em Deus que c o único bem que permanecerá sem pre, eternamlenle. Tudo passará, só Deus ficará; só Elie é bem e por sua bondade, é feita a Mansão Celeste. Prosigamos a rezar o Padre nosso que estaes nos céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino. Venha a nós o vosso reino, palavra sublime e encan -tadora! Amados filhos, rezaes quem sabe sem verdadeiro fruet o; pronunciaes essa palavra sem comprehenderdes o que estaes pedindo ao vosso Deus! Desta falta de comprehen-sao nascem tantas lamurias em tantas almas! Pobres almas! Tèm fome, têm sede de seu Deus, mas por falta de comprehensão e rezando mal, gemem e choram, dizendo sempre, não estou em paz! Venha a nós o vosso reino: Sabeis o que quer dizer 'sla palavra tão sublime? Esta palavra tão consoladora e sublime pede que Deus nexça ás vossas almas para habitar convosco. Disse Jesus: A'quelle que me amar e guardar minhas palavras viremos e nelle faremos a nossa morada. Eis por - QUe Jesus vos ensinou a pedir venha a nós o vosso reino, Pois na verdade Elie desce a vós na medida de vossa preparação. Vede caros filhos, como deveis meditar bem, quando vos preparaes para rezar, lembrando -vos que ides nu - que Jesus, o

° S o l n o s da v °ssa fé, cada vez mais se abram para Deus tt S c o m 0 devido respeito, que deveis tributar ao p tr es vez ^s Santo! nos r^f l g a m o s .. a n °ssa oração. Padre nosso, que estaes »s, santificado seja vosso nome. Amados filhos, quando pronunciaes esta admirável palavra: Santificado seja o vosso nome, sabeis o que estaes dizendo? Ah! Jesus aqui podia dizer -vos: "nem todos os que me dizem Senhor, entrarão nos reinos dos Céus." Ah! se comprehendesseis a sublimidade desta palavra, Santificado seja o vosso nome! Em verdade vos digo se bem comprehendesseis o que com os lábios dizeis, depressa santificar -vos-ieis.

17

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

31

vosso Tudo, juntamente com o Padre e o «j -spirito Santo, com alegria, desça ás vossas almas, fazendo ••vossos corações e de vossas almas sua morada de amor. • a e C 0 1 no o que vos digo, vol-o posso provar. Eu acho minhas delicias em estar com os filhos dos «meus. Sim, na realidade, este Deus Sapientissimo, bonis símo acha suas delicias em estar convosco, nos vossos corações, nas vossas almas. Portanto, filhos meus, quando dizeis, venha a nós o vosso reino, com qüe amor e veneração deveis pronunciar esta sublime palavra! Ah! deveis ver que os Céus se abrem e a Santíssima Trindade desce a vós com todos os seus 1 'ij attributos. Sim, se rezardes com verdadeira fé e amor, com o reino de Deus dentro de vós, sahireis da oração transfor mados. Que ventura a de todos que de vós se approxima-rem, pois sentirão os effeitos desta effusão de amor dentro de vós, o que vos fará derramar sobre elles o que está dentro dê vós: o próprio Deus, que é todo caridade! Prosigamos na nossa oração: Seja feita a vossa von -j tade, assim na terra como no Céu. Amados filhos, muitos são os que rezam o Padre nosso, porém, poucos os que com alegria fazem a santíssima von tade de Deus. E qual o motivo desta falta de cumprimento da vontade de Deus? Ah! esta desattenção para com Deus, causa de tão funesto mal. é por se rezar mal! Poucos, muito poucos são os que sabem rezar bem; é este o funesto mal que produz tantas impaciências e tantas censuras contra Deus. Ah! se meditassem, essas almas que censuram o próprio Deus, se meditassem nestas palavras do Padre nosso, seja feita a vossa vontade assim na terra como no Céu, não se lastj mariam; antes aceitariam com alegria e diriam, como Job despojado de seus bens: Deus tudo me deu, Deus tudo m'o tirou, seja feita sua santíssima vontade! Amados filhos, Jesus ensinou-vos a dizer seja feita a vossa vontade, para vos ensinar que deveis estar sempre contentes com tudo o que Deus vos envia, e como Job, a dizerdes sempre, Deus tudo me deu gratuitamente e agora m'o tira. Louvada e adorada seja por mim sua santíssima vontade, que sabe do que preciso eu. Sim, Deus é vosso Pae que vos ama infinitamente, por tanto na qualidade de Pae dar-vos-á o que tendes necessi dade, mas lembro-vos aqui, que, como Pae que é de vossas almas, muitas vezes vos prova como provou a Job, para ver se este varão justo na realidade o amava. Isto Elie pode fazer também convosco. E então, como deveis agir? Deveis agir como Job e como Jesus vos ensinou: Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no Céu. Ah! vós bem sabeis que no Céu os anjos rebeldes, que não obede ceram, e se revoltaram, converteram -se em demônios! Estes pobres não disseram o que disse Job, seja feita a vossa santíssima vontade. E agora eis sua triste sorte, ardendo nas ehammas abrazadoras do inferno, onde, desesperados, amaldiçoam o nome bemdito dAquelle, que os criou para goza rem eternamente. Amados filhos, vede como Deus é bom ensinando -vos o Padre nosso, no qual Elie vos disse: seja feita a vossa vontade. Sim, a sua santíssima vontade deveis cumprir com amor. Ah! quando rezardes meditae bem, preparando-vos para comprehenderdes o que estaes rezando, e assim possaes dar cumprimento, realizando em vós o que dizeis com os lábios. Porque muitos não fazem isso, disse Jesus, que nem todos os que me louvam com os lábios entrarão no meu reino. Sim, porque não basta dizer, seja feita vossa santissima vontade, se não se dá cumprimento em si a vontade de seu Deus. Que importa a um homem dizer seja feita vossa vontade, se quando chega a hora da provação ou de fazer qualquer obra que custe um pouco de sacrifício, não a faz! Este homem que só diz com os lábios esta sublime palavra, pôde entrar nos Céus? Ah! não, porque se não fizer a vontade de Deus com suas obras, isto é, cumprindo os mandamentos de sua Lei e os de sua Santa Madre Egreja, não entrará na Mansão da paz. Eis porque pouco importa ao homem rezar com os lábios sem cooperar com a sua vontade que deve abraçar com alegria a santissima vontade de Deus. Prosigamos a nossa oração: O Pão nosso de cada dia nos dae hoje. Amados filhos, quão bella é esta palavra, porém, pouco comprehendida pelos filhos deste exilio. O Pão nosso de cada dia nos dae hoje. De que pão Jesus falou? Ah! do Pão de seu próprio corpo. Ensinou -vos Jesus a pedir o Pão de cada dia, o Pão da vida, o Pão da graça; é deste Pão que tendes necessida de. Não disse Jesus, pedi primeiramente os bens

^ternos e os demais vos serão dados gratui tamente?! Sim, amados meus, Deus, vosso Pae, deseja ver -vos pedir. Eis porque v os diz, pedi e recebereis; batei e abrir -se-vos-á. A todo aquelle que pede ser -lhe-á dado e a todo aquelle que bate »brir -se-lhe-á. Dizem muitos, Deus sabe do que eu preciso, po rtanto nao é necessário que eu lhe peça; conhece minhas necessi dades melhor do que eu. E' verdade, amados filhos, Deus ve até o intimo de vossos corações, sabe e conhece todas as vossas necessidades, porém, é esta a condição necessária e x igida por sua santissima bondade para vos enriquecer de seus divinos favores. Portanto, se esta é sua vontade, que vos custa pedir? Ah! se Elie, para abrir-vos as portas do Paraíso, tanto soffreu, vós, os culpados, os necessi

50

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

18

lados, não desejaes ler nenhum trabalho para vosso próprio bem? Que cegueira a do homem! Amados filhos, poucos, muito poucos, sabem pedir, eis porque poucos são também os ricos. Ha milhões e milhões que rezam o Padre nosso e dizem o Pão nosso de cada dia nos dae hoje, porém, muitos delles não sabem o que estão pedindo e outros pedem o bem estar material. O que foi que disse Jesus? Jesus disse, pedi primeiramente o que vos importa que é a minha graça e o resto vos será dado gratuitamente. Vede como os passarinhos não semeiam, nem colhem e como são alimentados?! Que tristeza ver tantos ehristãos pobres dos thesouros do Coração Adorável de Jesus, e tudo isto porque? Ah! porque não sabem pedir, não sabem rezar o Padre nosso: pedem o que não lhe foi ordenado que pedissem e o que devem pedir não o pedem. Dahi esses tantos filhos indi gentes, que vivem na mendicidade, em vez de serem ricos da graça e darem a seu Deus a gloria que delles esperava. Ah! vede como Eu tenho razão de vos exhortar a bem rezar, porque se souberdes pedir, recebereis, pois Deus sendo tão bom, não nega a sua graça a quem lh'a pede. Elie não vos dará pedra por pão. Ah! não, se souberdes pedir, dar-vos-á cento por um. Pedi, caríssimos filhos, o Pão quotidiano para vossas almJas; não sejaes algozes de vossas mesmas almas creadas pela bondade de Deus, não as deixeis morrer de fome! Ah ! quando vos dispuzerdes para rezar o Padre nosso, dizei primeiramente: vou a meu Deus pedir -lhe o Pão para hoje sustentar minha alma, para que ella não caia e não des-falleça, para que ella hoje seja forte e resista ás embosca das do inimigo. Vou pedir Pão a meu Deus. Oh! com que amor deveis vos apresentar a este Pae, para lhe pedir não os bens caducos deste miserável mundo, mas,_ sim, os bens celestiaes que a ferrugem deste mundo nao pôde corroer. Amados filhos, como sois felizes! Jesus é vosso pão quotid iano, que vos dá cada dia forças e vigor para poderdes caminhar com segurança neste exilio. Sim, para não desfallecerdes neste exilio, pedi, pedi com confiança e amor este pão de vida; pedi como uma criança pede á sua mãe e se assim fizerdes sereis saciados: e fortes trilhareis este exilio em demanda da pátria amada, a Jerusalém Ce leste. Amados filhos, quando rezaes o Padre nosso, dizeis o Pão nosso de cada dia nos dae hoje, portanto não vos deveis contentar em somente rezar um dia no mez ou na semana. mas sim cada dia e a cada instante em que vos sentirdes fracos. O que fazeis quando tendes fome? Comeis, matando assim vossa fome. Fazeis mais; quando não sentis fome, ides ao medico para que vos examine se tendes qual quer cousa de grave! Ah! para a matéria tendes tanto cuidado, quando para a alma ha tanto relaxamento! Deixaes morrer vossa alma de fome, não lhe daes ouvidos!... Quantas vezes ella grita com a falta de paz que sentis! Ah! esta falta de paz é a fome de vossa alma, que deseja ser saciada no seu único summo bem que é Deus. Só Elie pôde saciar -vos, só Elie pôde matar a sede de felicidade, que sentis dentro de vós. Amados filhos, não vos contenteis de pedir uma, duas vezes no mez, mas, sim pedi todos os dias o pão substan cial que é o próprio D eus. Elie só espera de vós boa vontade e estado de graça para vos enriquecer! Quão pouco Elie exige de vós para tornar-vos felizes e dar-vos seus thesouros! Oh! se não sois ricos de seus thesouros, é porque não sabeis pedir, não sabeis aproveitar desta bellissima oração que Elie mesmo a ensinou aos seus apóstolos. Padre nosso que estaes nos céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O Pão nosso de cada dia nos dae hoje. Amados filhos, dizei assim, o Pão nosso, pois Elie mesmo se denominou vosso; quiz vos dizer nesta tão su blime oração que Elle é todo vosso e que vós o podeis pedir com confiança. Lembrae-vos de como faz a criança com a sua mãe, pede -lhe pão, mas sem constrangimento; sabe que está pedindo á sua mãe que é toda sua. Vede agora como Jesus foi boníssimo, dizendo -vos o Pão nosso de cada dia nos dae hoje; quiz com isso que comprehendaes que Elle é todo vosso, que lhe podeis pedir como a criancinha pede á sua mãe com toda a confiança, lembrando -vos que pedis o que e todo vosso. Sim, é todo vosso, e porque é todo vosso, quando rezardes falae assim: o Pão nosso de cada dia nos dae hoje. Amados filhos. Deus deseja que comprehendaes que é todo vosso, porque assim comprehendendo, ireis a Elle com t°da confiança. Sim, podeis na verdade pedir com confiança o Pão quotidiano, porque Elie deseja immenso vol -o dar. Pcrdoae as nossas dividas, assim como' nós perdoamos aos nossos devedores. Amados filhos, Deus está sempre prompto a vos per doar. Eil-o no alto da cruz, desculpando -vos perante seu amadissimo Pae. "Meu Pae, perdoae-lhes porque não sabem o que fazem."

Sempre bom e generoso, este Deus Sapientissimo se tem mostrado na segunda Pessoa que é o Filho. Vêde -o instituindo o sacramento da penitencia para poder sempre vos dizer: Vinde a mim que Eu sou todo misericórdia. Amados filhos, quando rezaes o Padre nosso, meditaes neste sempre perdoar de vosso Deus? Ah! quem sabe muitos dos que me ledes, pronunciam esta p alavra tão consoladora sem prestarem attenção e sem meditarem no sempre perdoar deste Deus eternamente amável! Sim, este Deus que está sempre prompto em vos per doar, deseja que ao rezardes o Padre nosso, vos capaciteis de que Elie é todo perdão, mas notae que logo Jesus aceres centou esta palavra admirável: "Assim como nós perdoamos aos nossos devedores." Chegamos a um ponto importantíssimo do Padre nosso, ponto que infelizmente não é executado pela maior parte dos filhos do exilio! domo já vos disse, Deus está sempre prompto em per doar e seu perdão está bem patente na pessoa de seu unigé nito Filho. Eil -o mais uma vez no alto da cruz dizendo ao Bom Ladrão : "Hoje mesmo estarás commigo no Paraíso", deipois de já havei - dito á peccadora: "Vae em paz, teus p eccados estão perdoados, não peques mais." Agora vos pergunto, quaes são os que estão sempre promptos para perdoar as offensas recebidas? Quaes os que, como Jesus, desculpam seus offensores? Jesus não disse no alto da cruz: "Meu Pae perdoae -lhes porque não sabem o que fazem"? Que lição admirável aqui vos deu Jesus! Vós bem sabeis o quanto os algozes estavam injuriando, com blasphemias as mais horrendas, a pessoa de Jesus Christoü Oh! lição admirável! Apesar daquelles verdugos estarem a offendel -O, Elie diz a seu Pae: "Perdoae-lhes, porque elles não sabem o que fazem"! Oh! filhos, aqui a nossa lingua gem emmudece deante desta bondade infinita, desta cari dade arrebatadora! Apesar deste Deus se achar ultrajado pelos hediondos crimes daquelles corações endurecidos, Elie sempre bom e generoso os desculpa perante o throno do Pae!! Amados filhos, Deus exige que, por amor, exerçaes esta caridade, esta bondade infinita, para com todos os vossos semelhantes. Eis porque Elie, ensinando o Padre nosso, quiz que todos os dias repetísseis estas palavras: Perdoae as nossas dividas assim como nós perdoamos aos nossos deve dores, e se Deus sempre perdoa, vós também sempre deveis perdoar, e se não perdoardes também não sereis perdoados. Eis a condição de Deus para vos perdoar. "Perdoae as nossas dividas assim como nós perdoamos aos nossos devedores. Vede Jesus vos dizendo, perdoae -nos como nós per doamos aos nossos devedores; por infelicidade, porém, poucos são os que sabem perdoar aos seus aggressores! E se poucos são os que s abem perdoar, menos ainda são os que sabem desculpar, dizendo como Jesus disse: "Meu Pae, perdoae-lhes porque não sabem o que fazem." Quão bella é a oração do Padre nosso, pois nella encerra-se tanta grandeza, tanta sabedoria! Oh! se souberdes rezar tão s ublime oração, em verdade vos declaro, chegareis um dia a serdes santos e vereis a Deus nos seus aposentos sagrados! I Prosigãiuos a nossa oração: "Não nos deixeis eahir em tentação." Amados filhos, quanta bondade de Jesus ensinando-vos no Padre nosso o meio ou melhor dando-vos o remédio para que nas horas difficeis a Elie recorraes, dizendo-lhe: Não nos deixeis cahir em tentação. Vendo Jesus os perigos a que todos vós estaes sujeitos, deixou-vos um meio de a Elie recorrerdes, para que tivésseis força e sahisseis victoriosos no combate com os inimigos de vossa alma. Quem é que não tem combates a vencer? Ah! filhos meus, ha por ahi tantos inimigos, o demónio, o mundo, a carne, e todos em guerra, e que guerra! Quanto m ais uma alma se esforçar para chegar até seu Deus, tanto niais ella é combatida. Eis porque todos sem excepção têm necessidade de rezar assim: "Não nos deixeis cahir em tentação!" Ah! os maiores santos são os mais combatidos, porisso nenhum christão, por perfeito que se ache, nunca deve deixar de rezar o Padre nosso. Hezae filhos meus, rezae com amor e não com rotina; embrae -vos l 1 1 1 -' tendes necessidade dos soccorros celestiaes, sem os quaes cahireis na tentação e quem sabe para sempre! Oh! quão bella é esta oração ensinada pela misericór dia de Jesus! Aproveitae portanto, não jogueis ao chão tão Precioso thesouro. Sim, se rezardes com rotina, sem amor theso 1 m ( e ^' ta r < ^ es n o ( I u e rezaes, lançaes ao chão tão rico Atneii " 0 S ' 8 a r n 0 S
3 n o s s a o r a Ç" 0 :

"Mas livrae-nos do mal.

5-19

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

55

Amados filhos, mais uma admirável liçã o, que Jesus vos deixou no Padre nosso. Livrae -nos do mal. Sim, só I>eus é bom; só nelle e em suas obras se acha, todo o bem, portanto, só Elie vos pôde livrar de todo o mal. Vede como é uma realidade o que vos digo. Onde encontrareis obras perfeitas, obras de caridade? Só cm Deus, c este representado neste valle de lagri mas pela sua admirável Egreja. O que vedes nesta Egreja? Só o bem por toda a parte, até onde ella estende seus braços bemfeitores. O que faz esta Egreja admirável? Es palha em profusa este bem, sahido do Coração adorável de Jesus! Não é necessário que aqui vos narre sua vida e seus factos extraordinários próprios só de um Deus, o qual se serve de suas creaturas para dar e dar em abundância seu próprio bem!! Oh! quão admirável é Deus nas suas obras, na suíd caridade infinita! Bemaventurados todos vós que estaes dentro desta arca bemdita, a Egreja, que não é outra cousa senão o Coração do mesmo Deus. Livraenos do mal, sim, amados filhos, ficae certos, que, se rezardes com amor esta bemdita oração, dentro desta arca admirável, a santa Egreja Catholica, posso vos affirmar, sereis bemditos e um dia vereis a Deus face a face, po toda a eternidade. Amados filhos, não desperdiceis minhas lições, não leiaes isto por simples curiosidade... Ah! não. Lede estas lições que vos foram dadas por amor de vossas almas; apro-veitae, tirae delias a firme e inviolável resolução de rezar o Padre nosso com amor, meditando os ensinamentos admi ráveis que nelle se contêm. Vossa Mãe Maria, que vos abençoa. 17-8-1931.

entre todas as mulheres, porque bemdito e sagrado será o Fructo de tuas puríssimas entranhas! Amados filhos, quantas vezes não repetis estas tão bellas e sublimes palavras compostas por nós, sem saberdes o que estaes dizendo! Ah! se os vossos olhos se abrissem e pudes sem vèr como os anjos saiídam a Maria no céu?! Reverentes e em transportes de santa alegria, saúdam a nossa amada: Ave, Maria! Nós vos saudamos, ó Maria, Mãe amável, Mãe puríssima, amabillissimaü Nós vos saudamos com amor e aqui aos vossos santíssimos pés, nos achamos reverentes ríP 1 c un i P r i r n l 0 S vossas ordens de Mãe amável. Eis amados tuhos, que o Coração de Maria se ab re e diz a seus anjos: ^ p de anjos puríssimos, meu Coração que vos diz, amo os noinens. Amados filhos, Maria quando recebe de seus anjos veneração e homenagem, imniediatamente olhando para vós que ainda estaes neste exílio, diz: Ah! se todos os meus I ri° S f '° e x il'° m e louvassem com a Ave Maria, nenhum gelles se perderia! Sim, porque quem saúda a minha Mãe °m a Ave Maria predispõe o seu coração para receber as enchentes de minhas graças. _ Filhos amados, saudae a Maria com amor, como os anjos a saúdam.

As beliezas da Ave Maria

A

MADOS filhos, filhos dilectos, que todos os dias repeti com amor esta encantadora saudação á Virgem Maria minha celeste Mãe "Ave Maria". Eu sou Jesus, o doce Jesus filho desta Mãe amável, dai qual vou falar-vos, explicando -vos a Ave Maria. Desejo-vos explicar a Ave Maria, porque muitos saúdam' minha Santissima Mãe rotineiramente, sem saberem o que estão dizendo. Desejando que aproveiteis desta bellissima oração, eis o motivo por que desejo hoje explicar-vos quão bella é esta oração composta pelo Pae. Amados de meu Coração, o mundo jazia nas trevas do paganismo, o demônio com seus sequazes estavam tomando posse dos corações que foram creados por nós, porisso tornou-se necessário que o Verbo se fizesse carne no seio de uma puríssima Virgem. Chegando esta hora bemdita, como sabeis, foi enviado o anjo a Maria, que, por nossa ordem, saúda esta flor escondida na sua ramagem de virtudes, as mais elevadas. Ao anjo lhe foi dito: saúda nossa Pomba, nossa Amada: Ave Gratia Plena! Oh! palavras sublimes, que, compostas por nós, encer ram tanta grandeza e sublimidade, para saudarmos áquella que ia ser mais tarde a derrota do inimigo infernal. Ave, Maria, Gratia Plena. Eu te saúdo, ó Maria, porque foste a escolhida para seres o vaso puríssimo, onde vae repousar o Verbo! De graças estaes repleta! Eis porque o nosso Deus a ti me enviou oara annunciar-te que foste a escolhida para seres a Mãe do Messias promettido. O anjo assim falou, e Maria turbou-se na sua grande humildade, porém, sempre obediente ás inspirações do céo, pronun ciou o Fiat. E o anjo lhe annunciou: Bemdita serás

56

O Beta Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

57

Lembro-vos que Ella é vossa Mãe, Mãe solicita e cari nhosa sempre prompta em vos soccorrer. "Gratia Plena". Amados filhos, Maria vossa Mãe, é cheia de graça. Eis como o anjo a saudou: "Ave, Gratia Plena". Agora vos pergunto, quando a saudaes, reflectis no que estaes dizendo? Ah! quantos dos que me ouvis, a saudaes pensando em vós, nos vossos filhos, vossos amigos, emfim em tudo, menos em Maria. Esta saudação pôde ser agradá vel a Maria? Ah! não. Como um filho pôde contentar a sua Mãe, quando lhe fala, não como filho agradecido, mas, sim,, como um extrangeiro que jamais a viu? Que dôr para esta mãe que ama seu filho, vèr que não é reconhecida como tal!! Amados filhos, se rezardes sem attenção, sois filhos ingratos, daes a Maria, que é vossa Mãe, uma espada para seu Coração tão delicado e que tanto deseja vêr-vos attentos, para poderdes aproveitar de seus divinos favores. Maria é cheia de graça, porque foi escolhida para ser minha Mãe, portanto tem nas suas mãos os thesouros do Paraíso, dos quaes pôde dispor em vosso beneficio. No emtanto, quando dizeis Ave, Maria, cheia de graç a, porque recebeis tão pouco? E' porque rezaes mal, sem attenção, machinalmente! Passaes as contas de vosso rosário e quando chegastes ao fim, tudo perdido! Ah! mais vos valeria que rezásseis só uma Ave Maria bem rezada do que um rosário inteiro sem nenhum fructo. Não é a quantidade que agrada a Maria, mas, sim, a qualidade. Luiz de Gonzaga quando rezava esta saudação encan tadora, nunca chegava ao fim, porque se mergulhava na contemplação destas admiráveis palavras que encerram tanta sublimidade! "Ave, Maria, Gratia Plena". Maria, Eu te saúdo porque o Céu te cumulou de graças. E's o vaso de eleição do Se nhor! E em transportes de amor, ficava elle dias e dias contemplando as maravilhas operadas por nós neste vaso de eleição destinado, como Mãe carinhosa, a beneficiar os homens. Amados filhos, é assim que vós fazeis?... Ah! que dôr para Maria vêr-vos tão distrahidos na oração, pensando em tudo, menos no que estaes dizendo. Se assim fazeis, podereis chegar a aproveitar de seus cari nhos de Mãe? Só um milagre s erá capaz de tirar-vos desta rotina que tanto mal faz ás almas, privando -as das doçuras e dos carinhos, com que tanto deseja beneficiar -vos. Oh! filhos meus, se souberdes saudar a Maria, garan tida está a vossa salvação. Jamais se ouviu dizer que um seu devoto se perdesse. Ah! não, jamais vi descer um devoto de Maria ao inferno. Maria, minha amadissima Mãe, repleta de caridade, pois em seu seio Eu me achava, foi visitar sua prima Isabel e esta sem saber por creatura o que em Maria se tinha operado, ao recebel-a, por inspiração divina, a saúda, dizendo-lhe : quem sou eu para que a Mãe do meu Senhor venha me visitar?! Oh! Maria, bemdita és entre todas as mulheres, porque bemdito é o fructo de tuas puríssimas entranhas. Amados filhos, quem revelou estas cousas a Isabel? Não a carne, mas, sim, o céu, e eis que, sem ella saber, disse a Maria o que o anjo lhe tinha dito: "Bemdita és tu entre as mulheres, ó Maria." Amados filhos, bem podeis avaliar quanto esta oração, ou melhor, esta saudação é agradável ao Coração de Maria e ao meu. Ave Maria, eu te saúdo, ó Maria, cheia de graça! Sim, és um vaso cheio de perfume inebriante. 0 Senhor é comtigo. Sim, ó Maria, a Trindade augustissima te escolheu para seres a portadora de seus divinos favores. Bemdita és entre todas as mulheres. Sim, ó Maria, entre todas fostes a escolhida para seres a Mãe de Deus. Portanto, bemdita és, e serás semipre proclamada por todos os anjos e santos bemdita! Bemdito é o fructo de tuas entranhas. Só tu, Maria, tens esta honra de haver sido a escolhida para sacrário, onde o Verbo se fez carne para habitar no meio dos homens! Amados filhos, eis como deveis rezar a saudação angé lica. Poderia chamal-a saudação divina, porque toda ella fo; ditada pelo nosso amor. Oh! filhos que me ouvis, se pudésseis comprehender o l a ' o r <}esiíl saudação bem rezada, como serieis felizes! Aproveitae, não desperdiceis vosso tempo em rezar mal e í's pressas. Prestae attenção com quem estaes falando e o Que estaes falando. Se assim fizerdes, na hora da vossa morte estare is repletos de graças para poderdes entrar na v ossa pátria, que é o Paraíso. Quando saudaes a Maria com a Ave Maria acerescen -' a es ' Santa Maria Mãe de Deus rogae por nós peccadores, «gora e na hora da nossa monte. Amen. Esta bella supplica foi composta por um fiel servo de a r i a » quando o demônio se levantou, querendo roubar -lhe o mais bello titulo, que possue — "Mãe de Deus". Sim, o . u s , C I 'vo divinamente inspirado pelo céu, em

enthusiasmo -irH 1 1 0 do s verdadeiros servos de Maria, prorompe em nós -°«- a --? r ec e: S a n l a M a r ! a M ã e de Deu s rogae por filh ' 1 0 s, vede que Ave Maria e Santa Maria não são invenções

s

peccadores, agora e na hora de nossa morte. "Amados

58

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa 59

humanas, mas, sim, divinas, porque estas foram ditadas pelo céu para que assim possaes conversar com Maria, pe dindo-lhe tudo de que eslaes precisando. Na verdade, Ella tudo pôde, porque tem nas suas mãos os thesouros de meu Coração. Ella é a dispensadora de meus divinos favores. Se alguém promptamente os desejar receber, peça -me por Maria, porque é por meio delia que dou em abundância meus thesouros. Foi por meio de Maria que desci ao mundo e assim vos abri as portas do Paraíso. E' por Maria que dou ás almas de bôa vontade o que me pedem. Vinde, portanto, a Maria porque Ella vos conduzirá a mim. Amados filhos, cxhorto -vos a bem rezar a oração ange lical. Vinde a Maria, com confiança e amor, por meio desta bellissima oração composta pelo nosso amor, para saudar a nossa amada, a nossa Pomba. Santa Maria, Mãe de Deus, rogae por nós peccadores, agora e n a hora de nossa morte. Repeti, filhos meus, esta bella supplica e na hora da morte vereis Maria a vos dizer: Aqui estou, filho meu, para te assistir nos últimos momentos. Sim, tu, que tanto chamaste por mim na vida, aqui estou para te ajudar na morte. Vem nos meus braços, vem des cansar para sempre. Oh! filhos meus, a vossa morte será nos braços de Maria. Sim, se com Ella souberdes viver na vida, na morte encontrareis Maria. Rezae, filhos meus, rezae com amor e alegria, rezae com confiança filial a oração angélica e tereis tudo, que sou Eu mesmo. Sim, tereis o meu amor nos vossos corações. Jesus, o vosso tudo, que eternamente vos abençoará, se souberdes . saudar a Maria. 19-8-1931.

Livro confortador das almas que gemem e choram neste valle de lagrimas

A

ALMAS que aspiraes á santidade, porém que tendes muitas lutas a vencer, vou apresentarmos um livro admirável, que vos dará força nas horas difficeis de vossa peregrinação! Este livro admirável vae ser ditado por mim. Este livro é Jesus mesmo; sim, é Jesus manso e humilde de coração, soffrendo os tormentos os mais ignominiosos e as humilhações as mais vis no seu Sacratíssimo Corpo, quando por este exilio passou fazendo o bem. Este livro divino tem sido a força dos martyres e o alento de todas as almas que o abrem e procuram meditar nos seus amorosos ensinamentos. O' almas, que desejaes estar um dia ao nosso lado e bem junto de nosso throno de amor, meditae nestas paginas e ellas serão a vossa coragem nas horas difficeis. Sim, amados filhos, recorrei a este l ivro, quando, batidos pelo desanimo; meditae no que elle vos ensina c tereis coragem para enfrentardes as vossas lutas com destreza, dando assim a Jesus amor por amor, vida por vida! Comecemos a folhear este livro de amor, impregnado de mansidão c de santa paciência! Que paginas admiráveis, amados filhos!. . . Brilha como o sói no firmamento esta primeira c admi rável pagina — a santa conformidade de Jesus no Gethsc -mani! "Fiat voluntas tua", quem pronunciou esta commove-dora palavra? Foi pronunciada por Jesus, Rei dos céus e da terra! Acabava Jesus de presenciar a mais horrenda scena no Gethsemani! lista terrível scena, amados meus, que Jesus viu naquella hora dolorosa, foi saber que, apesar de sua morte ignominiosa, não acreditando no seu amor, parte de seus filhos se perderia, engolfando -se nos prazeres da carne e desprezando as castas delicias de sua ardente caridade. Amados filhos, Jesus, derramando sangue pela força da dòr e sentindo que seu Coração vae desfallecer, supplica a seu Pae, que delle afasle cálice tão amargo! Seu Pae envia-lhe um anjo que lhe diz: K' vontade de Deus que bebas este cálice até a ultima gotta! Então Jesus, dizendo que "a sua vontade se cumpra", numa infinita con formidade offerece-se a seu Pae, pela vossa redempção. Amados filhos, seu Pae não o vem confortar, mas envia -lhe um anjo. Oh! como seria confortador para Jesus receber aquellas palavras de seu mesmo Pae. No emtanto, Para mais merecer para vossas almas, seu Pae envia -lhe um anjo. em vez delle próprio descer do céu. Porém, a sua infinita conformidade brilha ainda hoje como o sói, para ser a vossa força, quando batidos pela nta, que" tiverdes comvosco mesmos ou com o inimigo de vossas almas! Que lição admirável nesta bella pagina para vós, que nues de vencer o mal. Jesus não desanimou, apesar da or ser esmagadora e terrível; Elle, como Filho, chama por adorável Pae: Meu Pae, se é possível, afastae de mim

60

0 Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

Cl

este cálice, porém se vossa vontade é que Eu o beba, que ella se cumpra. E seu Pae, vendo seu querido Filho esma- j gado pela dòr, envia-lhe um anjo para dizer-lhe que era a sua vontade que o bebesse até a ultima gotta! Filhos meus,' Jesus não deixou de soffrer no seu coração e na sua alma! Aceita mais, vae á procura de seus caros apóstolos e. como os achou dormindo, disse -lhes: Nem ao menos pudestes! velar uma hora commigo?! Sim, Jesus sen*iu nec°ssidnde de corações amigos que delle se compadecessem, tanto; assim que se queixou á sua cara esposa Margarida Maria do abandono desta hora! | Não penseis que Jesus deixou de sentir no seu Coração' tão negra ingratidão da parte de seus amigos, por não O terem acompanhado na sua dôr, ao menos com as suas preces ao Pae. Jesus soffreu, porque seu Coração, sendo como foi formado pelo amor, é sensibilissimo! E com este exemplo o que nos ensina Jesus? Ensina -nos que podeis sentir a necessidade de serdes confortados por Deus nas horas angustiosas, como Jesus sentiu; porém o seu exemplo, nesta admirável pagina, é que Elie não foi confortado, mas, sim, fortalecido pela santa conformida de, quando o anjo lhe disse que aquella era a vontade de Deus. Amados filhos, o que representa este anjo? Este anjo é' a vontade de. Deus; é este anjo que deve vos fortificar para levantar -vos donde vos achaes esmagados pela dòr, para irdes ao encontro de vossos inimigos, ainda que com O; coração dilacerado como Jesus! Jesus se apresentou aos seus algozes com o coração atravessado com uma lança cruel e esta de dois gumes cortantes — a ingratidão de seus filhos nos séculos vindouros e o abandono de seus caros' amigos, que tanto lhe doeu! Se algum dia a dòr vos visitar, e com ella a indiffe-rença de "vossos amigos, não fiqueis apavorados se vosso coração sangrar; lembrae -vos de Jesus e dizei: Enviae-me, Senhor, o vosso anjo, isto é, dizei -me que esta é a vossa santíssima vontade, para bem de minha alma e de muitas almas, pelas quaes offereço minhas penas. Depois deveis-vos levantar e ir á frente de vossos inimigos, lançando -os por terra, com a fortaleza tirada da santa conformidade. Com coragem disponde -vos a soffrer as pancadas que vos quizerem dar, para merecerdes a coroa da santa mansidão! 2 Folhemos mais uma bella pagina deste livro admirá vel. Vamos ao encontro de Jesus manietado, perguntemos -lhe porque motivo se deixou prender, depois de mostrar aos, seus inimigos o seu poder? Jesus vos responde por mim: Deixei-me prender por mãos sacrílegas, para hoje poder-vos dizer que, por vosso amor, não poupei o meu sacratíssimo corpo. Sim. amados filhos, Jesus deixa seu corpo á mercê dos seus inimigos, para mostrar-vos que seu amor é infinito! Oh! que lição admirável! Como brilha nesta pagina o ardente amor de Jesus! Vamos, almas oue soffreis tentações e difficuldades, vamos ao encontro de Jesus arrastado pelas ruas como um malfeitor, cercado de soldados, que, armados com a ira satânica, parecem levar á prisão um facínora! Contemplae commigo a face adorável de meu Filho, porque estas cousas que vos falo mais aproveitarão ás vossas almas, se as contemplardes bem de perto. Vejamos portanto, Jesus amarrado, com a face lívida, seus olhos amortecidos, como que contemplando alguma cousa! Jesus me revelou, amados filhos que quando se viu amarrado por aquelles pobres e infelizes soldados, avistou no decorrer dos séculos almas de bôa vontade, sed entas de perfeição, porém fracas e necessitando de exemplo, que lhes servisse de estimulo para poderem chegar ao porto seguro — o Paraíso. Ainda que, com o coração despedaçado e a alma em agonia, contemplando esta visão futura, sente-se confortado, porque seu exemolo vae ser a força de milhões e milhões dc almas; sua aceitação voluntária vae ser o ali mento de tantas almas, que fracas tremem á vista de um pequeno sacrifício! Como é admirável esta pagina, como brilha nella a bondade de Jesus, apesar de se vêr Ião ignominiosamente tratado! Conforta-se Elie com a lembrança de que sua ignominia vae ser a força e o alimento das almas. Jesus, amados meus, conhece vossa fraqueza, porisso Elie não se admira, quando vos vê. desanimados; ao contrario, como Pae soli cito, deixou remédio para todos os vossos males. Sim, nelle * e encontram todos os remédios. Só vos resta aproximar-vos nelle com amor e confiança, para poderdes receber tudo de que precisaes. Sua bondade não tem limites para com os <iue o procuram. Eis que, para mais vos provar sua bon -"ade, deixa -se amarrar, como se na realidade fosse um mal-leitor! Sim, Jesus é o malfeitor do mal, isto é, o destruidor ° -o peecado, porque Elie, vindo ao mundo, destróe o pec -cado por meio do admirável sacramento da penitenci a. Eis Porque, sendo o malfeitor do mal. o prendem e Elie obedece aos seus algozes, para que mais brilhe sua encantadora oondade em favor dos homens!

S IM - ° H ! A L M A S W* m e «"vis, quantas vezes como Jesus , s '"artyrizadas pelos inimigos de vossa alma, e somen-- Porque desejaes ser malfeitoras do mal, isto é, destrui-em f. Paixões, que em vós se levantam, ou quem sabe >avor do vosso próximo; quantas vezes exhaustos pela

62

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

63

luta, tereis necessidade de confortar vossa alma tão aba tida! O' filhos meus, folheae este livro que é Jesus soffredor, e tereis alento nas vossas penas, tereis força nas vossas lutas! Sim, é neste livro divino que aprendereis a sciencia das sciencias, que consiste na vossa santificação e na conquista das almas para a Jerusalém Celeste. 3 Folhemos mais uma admirável pagina deste divino livro! Amados filhos, Jesus foi sempre heróico nos seus sacrifícios, pois aceita com amor tudo o que seus adversários lhe apresentam! Eis que agora O levam á prisão e alli lhe urbeni ultrajes sem conta! Jesus, sempre bom e generoso, aceita com resignação tudo isso sem proferir palavra, dando mesmo occasião aos algozes de pensarem que Elie era um idiota ou insensível á dôr. Pobres e infelizes algozes! Seus corações obsecados, não puderam comprehender seu silencio no meio de tantos vitupérios e profanações! Como é doloroso contemplar este quadro, pois Jesus também amava estes infelizes, que não quizeram abrir seus olhos para contemplar a divina formo sura; pois nesta hora, como Jesus me revelou, seu rosto achava-se incandescente de amor, leinbrando -se que nos séculos futuros, almas generosas comprehenderiam este seu silencio, no meio dos mais vis insultos! O' silencio admirável, tens sido a força de tantas almas no meio das provas, as mais dolorosas! Os pobres soldados não puderam comprehender esto silencio de Jesus, porque suas almas se achavam obsecadas pidas paixões! Almas (pie me ledes, quantas vezes, como Jesus, não sereis eonipreheiididas no vosso modo de pro ceder! Oh! convido-vos então a guardar silencio, e neste silencio a vos regozijardes, lembrando-vos que elle será iman, que ha de attrahir para vós os olhares amorosos de Jesus. Filhos meus, se á imitação de Jesus souberdes vos calar nas horas de provação, Jesus olhar -vos-á, comprazendo -sc no vosso silencio, d ando -vos em troca os thesouros de sua caridade infinita! Bemaventurados os que souberem calar -se nas horas de provação, porque só então Jesus compartilhará de sua dôr, dando -lhe em troca os amplexos de sua ardente caridade. Amados filhos, não penseis que calar -se nas noras em que sois calumniados e que não sois comprehendidos, seja fácil! Ah! não é fácil; é preciso ter bastante amor de Deus, que é o que dá força para poder calar -se! Quando se c inno-cente ou quando tendes penas a soffrer, a natureza humana pede desabafo; eis porque é necessário uma força sobrena tural que domine a natureza fraca. 0 desabafo jamais foi peccado, mas as almas que dese ja ni cada vez mais estarem unidas a Jesus devem procurar, á medida de suas forças, guardar as primícias de suas penas para Jesus, que ha de ser o confidente destras almas, que suspiram por tão nobre ideal — a união perfeita com seu Deus. Aqui, porém, almas minhas que me ouvis, é preciso que entendaes. Quando se tratar de certas tentações, que tiram a paz e tranquillidade de vossas consciências, deveis vos manifestar sem demora ao anjo que vos foi dado, pelo qual vos falará Jesus, tirando-vos das armadilhas satânicas e das quaes não satureis victoriosas, se não fizerdes este acto de humildade. Os sentidos presos pela tentação, precisam ser libertos pelo poder, que foi dado por Deus a estes anjos, que são os ministros do altar! Podia Jesus mesmo instruir a Paulo no caminho de Damasco, mas Elle o envia a um destes anjos para que lhe diga o que devia fazer. Quer Jesus que estes anjos sejam os dispensadores de sua divina misericórdia; eis porque, almas minhas, (piando vos achardes tentadas, deveis como a criança correr aos pés daquelles a quem foi dito: Tudo o que ligardes na terra será ligado no Céu. Sim, por este motivo, deveis recorrer a estes anjos de caridade, porém, quando sentirdes necessidade de desabafo, correi aos pés de Jesus preso no tabernáculo, onde está para ser o vosso consolo, o vosso amigo e a vossa força. Mas se preferirdes o desabafo com as criaturas, em vez de irdes junto dElle, jamais chegareis á santidade almejada pelas vossas almas. Jesus, no silencio admirável da sua prisão, não se privou de dirigir suas ardentes supplicas ao Pae, ainda que, naquellas horas de dôr e agonia, o céu lhe estivesse fechado! Jamais c essou de conversar com seu Pae, ainda que este se conservasse silencioso, para Jesus mais merecer a bem de vossas almas. Portanto, almas attribuladas, quando aos pés de Jesus Sacramentado não experimentardes consolação alguma, procedei como Elle, supplicae, chorae aos seus pés, porque Jesus nao é insensível ás vossas penas; ao contrario recolhe todas cilas e vos dá em troca bens incomprehensiveis á vossa Pobre intelligencia. Só um dia no céu é que podereis vêr as vossas penas e as vossas lagrimas, coroadas de gloria. .iV'ste mundo tudo vos é obscuro, porém quando vos fôr nado entrar na Mansão da luz, vereis claramente quão bom VOS ioi chorar em silencio aos pés de Jesus sacramentado. ' almas minhas, como devíeis suspirar por poderdes desafiar coin Jesus neste divino Sacramento! E como devieis

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

(35

ser ciosas dc que só Elie soubesse de vossas penas! Como estes momentos serão preciosos para vossas almas! Almas que soffreis sem serdes acalentadas, lembrae-vos de Jesus, que passou por esta dura prova, para hoje poder -vos dizer: Meditae em mim e tereis força. Eu também fui provado, para mais merecer para vossas almas. Vós, se assim soiis tratadas é para um dia brilhardes no céu como o sói. Sim, Jesus assim vos fala para vos alentar com a minha linguagem de Mãe; portanto todos que soffreis tantas seceuras e p rovações, animae -vos, porque só aos que carre garem sua cruz, negando tudo a si, ser -lhes-á dado estarem bem perto de Jesus, na Jerusalém Celeste! 4 Folhemos mais uma pagina deste divino livro. Vamos ao encontro de Jesus nos tribunaes para ver o que Elie nos ensina nesta tremenda humilhação! Jesus, como um manso cordeiro, deixa -se levar com tanta doçura e serenidade, que parece que vae não condemnado á morte, mas, sim, para um rico festim! O' meus filhos, Jesus, na sereni dade de seu semblante divino, mostra que vae para um bello festim; e sabeis qual seja elle? E' o festim do amor! E' nesta admirável pagina, que Elle vae mostrar as finezas de seu ardente amor! E' este o festim desejado e ardente mente almejado! Sim, Jesus estava ancioso em mostrar aos home ns as qualidades de seu ardente amor, que são a fortaleza, a calma e a serenidade no sacrifício! Apresentando-o aos juizes, accusam-nO de blasphema-dor, porque Elle se diz Filho de Deus. Jesus responde com toda a firmeza, que é Filho de Deus, declarando ainda haver ensinado publicamente e nada temendo pelas consequências desta affirmativa. Foi quando uma mão sacrílega, impulsionada pelo odio satânico, estalou na sua divina face!! Oh! meus filhos, parae aqui, meditae; o divino Filho permitte que uma mão sacrílega se lance contra seu rosto com toda a violência e furor diabólico!! Jesus, o manso Jesus, responde com toda a calma e bondade: Se fiz mal, dize -me em que e se fiz bem, porque me feres? Vede que doce linguagem a de Jesus! Assim falou para mostrar aos seus aggressores que nElle não podiam achar culpa, e os intimou a que dissessem qual o mal que tinha feito! Se disse a verdade, porque me feres?! Pobres homens, nElle não acharam culpa, mas só caridade, e eis porque o oon-demnaram á morte! Chegou a hor a do festim, chegou a hora suspirada de mostrar á humanidade que seu amor é forte, mais forte do que a própria morte! Porisso se rego zija com a sentença de morrer em uma dura cruz! Seu ardente amor vôa então até os séculos vindouros e vê mi lhões de almas prostradas deante de sua cruz, recebendo o perdão de seus peccados e este perdão distillado de sua misericórdia infinita. 5 Vamos agora á flagellação, onde esta pagina brilha como o sói, pela sua paciência e mansidão! Vamos encon tra 1-0 vestido com uma túnica rubra, e esta tecida com o seu precioso sangue, o qual sae em borbotões de seu corpo santíssimo, todo rasgado pela força e pela quantidade dos açoutes, que acaba de supportar sem proferir palavra. Oh! filhos meus, aqui aos pés de Jesus flagellado, vos convido a reflectirdes por instantes, para poderdes contemplar este Jesus em uma chaga viva e com a lace amorte cida pelas dores! Os seus divinos olhos, porém, brilham, e dillrs saem chaminas abrasadoras, que hão de ferir Iodas as almas, que meditarem nesta scena de sangue!! Oh! almas que soffreis dores physicas ou moraes, almas emfim que leva es uma vida de trabalhos e penas, as vossas dores serão comparáveis ás de Jesus?! O' todos que soffreis, convido-vos a meditardes neste quadro sanguinolento, do qual Jesus assim me falou: Minha Mãe, Eu te poupei de vêr -me neste estado, porque não resistirias, cahirias fulminada pela força da dôr! Oh! minha Mãe, disse-me ainda Jesus, todos os que realmente meditarem neste quadro sanguinolento, morrerão para as vaidades do mundo e chegarão a um alto grau de perfeição. Sim, quem será que depois de bem meditar nos tormentos, pelos quaes Jesus aqui passou, quem será que ainda ha de ter coragem de proporcionar satisfação a seus apetites e paixões?! Qual será o coração que , depois de bem meditar neste quadro, terá a ousíidia de se apegar ás vaidades, que desaitpnrecem como a fumaça?! Portanto razão teve Jesus quando me disse: Quem meditar neste quadro sanguino lento, chega a um alto grau de perfeição;' Filhos meus muito ama dos, que tendes lutas a vencer, Qiffieuldades a trilhar, molhae-as todas no corpo ensanguentado de Jesus, e tudo se vos tornará leve, tudo vos será fácil a vista do que Jesus padeceu por vosso amor. Almas desanimadas, convido -vos, a meditardes todos os dias na ••age]ação de Jesus, e Eu, vossa Mãe, vos asseguro que, em rn -evr yos tomareis fortes. Meus filhos, Jesus soffredor é o remédio para todos os vossos males. Sim, Elle é fortificante Para as vossas fraquezas, portanto, quando vos sentirdes erjo l s v j n ( í e buscar, aos pés de Jesus soffredor, a força v ^ a . y ossas fraquezas. Não vos

esqueçaes que Elle cobrir-assi"' 1 0 1 , 1 8 ü u rm i r a ( l e s eu precioso sangue, dando -vos ò" ( 'alor no m >io do inverno de vossa pobre vida! Sim, m .' "' e um duro inverno, a que se resiste e se enche de «os, se fôr aquecido ao sói da presença real de Jesus,

66

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combate na Alma Generosa

25

que se acha com a purpura sagrada de seu precioso Sangue para vos cobrir. 5. Continuemos a folhar este admirável livro. Vamos contemplar a Jesus na manifestação de se ardentíssimo amor. Oh! meus filhos, se soubésseis ler nes" pagina admirável, vossas p enas e dores seriam dulcificadaç pela lembrança do quanto Jesus soffrcu, para manifestar-vos seu infinito amor! Esta pagina rubra brilha ante os esco lhidos que nella souberem ler, bebendo nos seus ensinamen tos força e vigor para lutarem com destreza, c ganharem a victoria almejada — o Paraíso. Mas qual é esta pagina? E' Jesus coroado de agudissi mos espinhos! Os pobres soldados o coroaram de Rei d burla! Jesus aceitou com toda a paciência essa coroa, qu lhe causou tanta dòr, que vos é impossível eoniprehender Oh! quem será capaz de comprehender o que então Jesus soffreu?! Criatura alguma jamais comprehendeu o quanto Jesus soffreu na sua humanidade por vosso amor! Amados filhos, meditae, nesta admirável pagina, a lição que Jesus vos dá com o seu exemplo de paciência, acei tando o que os seus inimigos lhe querem dar! Elie não vê seus inimigos, mas, sim, o seu coração, que lhe diz: Amo, os homens e por elles aceito tudo o (pie me quizerdcs dart. Eis, amados filhos, seu amor em acção. Sim, o amor que lhe abrasa o coração, deseja irradiar-se e manifestar-se. E qual é a maior manifestação do amor senão o sacrifício? Porisso não vê os verdugos, senão para os amar e pedir por elles perdão. "Meu Pae, perdoae-lhes porque não sabem que fazem." Isso não disse Jesus somente no alto da era mas, sim, cm toda a sua Paixão, pois muitas vezes envio a seu Pae tal supplica. Sim, amados filhos, na coroação d espinhos transborda seu ardentíssimo amor manifesto pe 1 paciência, com que supportoii as suas terríveis dores! seus olhos divinos pela agudeza da dòr caem lagrimas d sangue; porém, de sua bocea divina não sae uma queix" Somente no seu coração murmura: "Meu Pae, Eu amo homens!" O' admirável exemplo, ó silencio bemdito, qu será vossa força, ó almas, que soffreis! Sim, Jesus pacient deve ser a força, a couraça para poderdes resistir a tanta lutas e dores que tendes de passar! Jesus se calou na s dôr, para hoje vos dizer: Por meu intermédio vinde a Jesul que Elie é a vossa força! O' almas que soffreis, Jesus tud^ supportou, para hoje vos dizer: Não temaes, vinde a mini que sou vosso Pae, vosso amigo, vosso esposo e vosso tudot Sim, filhos meus, Jesus soffreu para se compadecer d$ vossas penas e dores, pois Elie não é insensível aos vossos soffrimeiitos, antes bem os comprehende, porisso hoje vof pôde dizer: O' meus filhos, todos os que soffreis, vinde a mim, Eu conheço vossa dôr, vinde e Eu vos consolarei. Eu fui chamado pelo propheta o homem das dores, sim, na realidade tomei sobre mim todas as vossas enfermidades e por todas ellas soffri; portanto, vinde, que vos comprehendo c tenho de vós compaixão! Eis, filhos amados, o que Jesus vos diz pela minha bocea de Mãe solicita: Jesus é bom, comprehende vossas penas e dores! Como se sentem as creaturas felizes, quando s comprehendidas por um amigo. Jesus, o melhor dos amigos, vos comprehende, portanto, vinde com confiança lançar -vos nos seus braços, pois delles sahireis fortes para a luta. Não vos esqueçaes desta pagina admirável, onde brilha sua infinita paciência, transbordamento de seu infinito amor! 0 . Continuemos a folhar este divino livro. Vamos ao encontro de Jesus, carregando sua pesada cruz. Almas que me ouvis, meditae um Deus com o madeiro da ignominia e do desprezo sobre seus delicados hombros. Nesta via encontra-me com a alma c o coração traspassados de dôr, por vêl-O em tão lastimoso estado! O' se não fosse seu olhar divino, não o teria reconhecido, tal era o estado cm que se achava! Almas que soffreis, vossa dôr será maior do que nossa dôr? Ah! não, porque nossa dôr foi na medida de nosso amor. Jesus, meu doce Jesus me ama com amor infinito e nieu amor, ainda que não seja infinito, não tem limites; eis porque a dôr de Jesus sendo infinita, sem limites também foi a minha dôr! Portanto, nesta pagina admirável aprendei a soffrer com generosidade, e se forte fôr o vosso amor, fortí s deveis também ser nas vossas penas e dores. Não vos esqueçaes, porém que a dôr e as penas são repellidas pela natureza e até pela própria alma; ao mesmo Jesus, a dôr nao deixou de lhe causar temor no alto da cruz! Vède-0 no alto da cruz, a dizer no mais cruel de seus Padecimentos: Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes! Sim, meus caros filhos, as penas e as dores são os castigos do peccado, porisso é que causam horror a quem as tem de soffrer! Jesus, de boamente tudo soffreu por amor ° - e vossas almas, porém, a dôr não lhe deixou de ser dôr, em a pena de ser pena! Sim, todos fomos creados, não ijara 0 solfrimento, mas para gozarmos de Deus e dos n a tu r ez a s e infi- 0 s bens, que nos preparou. Criados como fostes para libe' 1 ! revolta, e a própria alma procura a ruade; entretanto, como as penas e as dores são as pro

í

08

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

69

vações do exilio, deveis, á nossa imitação, aceital -as com amor e por amor da santificação das vossas almas. Lembrae-vos, filhos meus, que breves são as penas do exilio e eterna é a recompensa, se souberdes soffrer por amor, unindo vossas penas ás nossas. 7. Continuemos a folhar este livro divino. Vamos ao Calvário, onde Jesus, cravado de pés e maos, mostra-se á humanidade com os braços abertos para dizer a todos: Vinde a mim; vinde que desejo vos abraçar com a minha infinita misericórdia! De hoje em deante a misericórdia será o para -raio da Divina Justiça; todos os casti gos estão neutralizados! Oh! meus filhos, como Jesus, dei -deixando -se pregar em uma dura cruz, vos patenteia sua misericórdia! O' almas que soffreis de escrúpulo, contem-plae a sua santíssima misericórdia em acção! Vêde -0 dizendo ao bom ladrão: Hoje mesmo estarás commigo no Paraíso! O' bondade de Jesus! O' almas temerosas, con-templae Jesus, o meu querido Filho que é Deus, com os braços abertos vos dizendo: Oh! não temas, porque, nesta dura oruz, já soffri por todos os teus peccados; só te resta agora, alma que temes, vires buscar aqui aos meus pés, misericórdia e perdão, coragem e amor! Sim, filhos de meu coração, não temaes, porque temer a Jesus é um crime! Não deveis temel-O, mas, sim, amal -o, detestando tudo que possa offendel-o. Porém, se tiverdes a infelicidade de cahir em alguma falta, mesmo em peccado grave, não temaes porque Jesus morreu pelos vossos peccados! Levantae-vos depressa, ide aos pés de seu ministro, e Elie vos dirá: Vae-te em paz, teus peeeados estão perdoados! Sim, Jesus, no alto da cruz, já os expiou; portanto, filhos meus, Jesus é o livro confortador, é o livro divino, que dá força e vigor, que dá emfini a paz perenne! Alegrae-vos, filhos meus que soffreis, porque tendes Pae e Mãe. Jesus é vosso Pae e Eu sou a vossa muito solicita Mãe, que sempre estou ás vossas ordens, para vos dar tudo o que me pedirdes de bom e de bem para vossas almas. Maria, vossa riqueza do Reino da misericórdia. I 23-9-1931.

Sacerdotal, como és admirável! Os Anjos não podem fazer o que tu fazes! Tu Me podes dar a comer aos corações de boa vontade! Como é sublime tua vocação! Porém, amados filhos, abundante é a mésse ' poucos, por infelicidade, sao os operários, poucas são estas almas bemaventurad as! Quem remediará este mal? Quem ajudará estes bemaventurados? Apresenta-se aos meus olhos a figura da mulher na qual palpita um coração criado para ser Mãe!! Mas como? Todas são destinadas ao matrimonio? Sim, ao matrimonio divino!! A mulher possúe um cor ação nobre, e, para pro var o que vos digo, vede a Verônica rompendo o tumulto para limpar minha Face Divina! Que significa esta Verô nica? Significa o coração da mulher alé o fim dos séculos, limpando minha Face Divina, ultrajada no coração dos po

As divinas esmolas

A

MADOS filhos, amar -Me é o primeiro dos mandamentos, porém, não vos posso dizer que cumpris este mandamento, se não amardes ao vosso próximo como a vós mesmos. Vou hoje, caríssimos filhos, falar -vos do amor, que deveis ter ao vosso próximo, e que vos obrigará docemente a lhe dardes a esmola sagrada, que sou Eu mesmo. Bemaventuradas são as almas que se c onstituíram distri buidoras de mini mesmo! Eu sou o Pão descido do Céu, Eu sou o Favo de Mel, Eu sou o Néctar que dá força e vigor, emfiin Eu sou a Vida, Eu sou Tudo! Amados filhos, quando estava próxima a minha subida aos céos, formei uma sociedade e nella edifiquei minha Egreja, a qual permanecerá até o fim, apezar da besta de sete cabeças, que, sendo os sete vícios capitães, contra ella vomitará as mais horrendas perseguições. De Cephas fiz a primeira pedra, dando-lhe o nome de Pedro, que quer dizer pedra; e sobre esta pedra construi a minha Egreja Militante. Desejando dar-Me a todos, por meio do homem, chamei para esta Egreja, corações de boa vontade, dando -lhes o poder de Me darem todo a todos. Por isso, chamando os primeiros discípulos, dei -lhes o poder de perdoar peccados e de Me darem como alimento, por meio do admirável Sa cramento da Eucharistia. Oh! filhos meus, como são bemaventurados os corações que, ouvindo Meu chamado se constituem distribuidores de Mim mesmo! Oh! alma

70

0 Horn Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

27

bres peccadores! Esta corajosa mulher, sem medo e sem respeito humano, rompeu a turba e chegando -se a Mim limpou-me a face, e os soldados e o povo que Me seguiam, vendo a sua coragem, attonitos, nem siquer ousaram dizer-lhe palavra! Oh! filhos meus, ainda hoje continuo a encontrar des tas mulheres fortes e, que sem respeito humano, vão rom pendo as turbas para limparem os corações dos pobres peccadores, onde minha Divina Face é esbofeteada e ultrajada! E' para este ponto, que hoje desej o chamar a vossa attenção. Disse-vos no começo que todas as mulheres têm um coração maternal; sim, porque, as que não sãt) chamadas a contrahirem alliança com as creaituras, são chamadas a contrahirem alliança commigo. O' Divino desposorio! O' matrimonio admirável no qual são gerados filhos para a Jerusalém Celeste! Como é admirável, a joven que aspira a este nobre ideal, mãe de almas! Vamos dar começo ás Divinas Esmolas, as quaes são dadas por estes corações ma ternos, nos quaes só se aninha a caridade! D izia o apostolo lamatdb: "Deus caritas est". Sim, Eu sou todo caridade, e eis que no coração destas mães só se aninha caridade! A caridade, apaga a multidão de peccados. Eu disse: "Aquelle que dér um copo de agua em Meu Nome, não fi cará sem recompensa! Qu al não será a recompensa daquelle que, em vez de dar um copo d'agua, dér a mais rica, a mais preciosa das Esmolas, que sou Eu mesmo! Esta Esmola Divina não desapparece, esta Esmola Divina é eterna! Que é esta Esmola? Esta Esmola é a felicidade eterna! E quem não deseja a felicidade eterna?! Amados filhos, o homem anda só em busca de bem estar, de felicidade e de paz. Vede o pobre procurando no seu modesto trabalho o pão para sua felicidade e bem estar de sua pobre natureza, que precisa de alimento. Vede, o rico negociando seu dinheiro para que elle se multiplique e possa assim na sua velhice ter o necessário para seu bem estar. Sim, tudo isto é licito c deve se fazer; porém, os homens sem Deus jamais gozarão de paz e bem estar, porque lhes falta a minha graça, falta-lhes este alimento divino, único que dá a felicidade com pleta. Almas generosas, aqui chamo a vossa attenção. Fallaes vós, com o vosso coração maternal, negando ao próximo a Divina Esmola do conhecimento que tendes de Mim mes mo? Oh! generosas mães, que vos constituístes esposas de vosso Deus, correspondendo ao meu chamado, vede que tantos homens gemem e choram, porque não tiveram um coração de mãe, que lhes ensinasse que a felicidade está em Me amar, porque, em Me amando, aborrece -se o peccado, a causa única da desgraça do homem. Amados filhos, os operários são poucos, a mésse é abundantíssima e os lobos disfarçados se apresentam no moio das ovelhas, para arrebanhal -as para a perdição, dahi a necessidade de coadjutores para os meus caros ministros. E onde encontraremos estes coadjutores? Como já vos disse, na mulher generosa, na mulher virtuosa que, desprezando is vaidades do século, sabe como a Verônica romper o res peito humano e ir atraz dos peccadores, dando -lhes a esmola de Mim mesmo. O' felizes Verônicas que, não temendo os insultos, nem a própria morte, sabem dar Me a quem é pobre de Mim. Filhos meus, quando vedes um pobre todo esfarrapado ;i vossa porta, se vos commove o coração, vendo-o cm tão lastimável estado , com as faces macillentas denotando fome? Sim, certamente dizeis: "Como me commove o coração este pobre, este desherdado da sorte!" Ha porém pobres mais necessitados do que estes, são os pobres peccadores que, além de serem pobres de minha graça, ultrajam com seus crimes, o meu Santo Nome! Entretanto, como a alma não é visível, poucos são os que delles se compadecem! Oh! a pobreza material é apenas de uns annos, mas a pobreza espiritual, a alma, dilacerada pelos seus crimes, perecerá, isto é, será lançada nas trevas, onde ha fogo e ranger de dentes, gritos de odio e terror, dôr sem fim! Oh! como é terrível a pobreza dos pobres peccadores! Não vos compadeceis de sua miséria? Filhos meus, compadecei-vos dos pobres peccadores, sede generosos, auxiliae aos distribuidores de Mim mesmo, auxiliae aos meus ministros, auxiliae a estas almas Verôni cas, que constituídas foram por Mim, mães de todas as aiinas! Oh! sim, filhos meus, todos podeis auxiliar os pobres l>fçcadores, uns dando a esmola da sua oração, outros au xiliando com o que lhes foi dado pela Divina Providencia, Para assim facilitardes o desenvolvimento da distribuição uas Esmolas Divinas. Oh! trabalhae todos, almas de boa vontade, nesta dis tribuição divina, e sereis bemaventurados. Sim, ainda que tivésseis commettido peccados, como grãos de areia têm as Piaias, ser -vos-ão perdoados, porque a caridade apaga a "imtipao_ dos peccados.

O' vós todos que tendes um coração nobre, dac aos po-Von C ?no? r e s
Di vi n a

a

Esmola, que sou Eu mesmo. ^-V-iMl-

Jesus Crucificado.

28

O Bom Combale na Alma Generosa

0 Bom Combate na Alma Generosa

7.'!

O medico divino

T

ODOS vós qno estues enfermos vinde a mim, que Eu vos curarei. Amados filhos, em mim encontrareis todos os remédios de que tendes necessidade. Oh! como desejo dar estes divi nos remédios!! Ha milhões e milhões de almas enfermas, e Eu como medico divino a todas desejo curar, porém milhares delias não Me procuram, e morrem em terrível penúria, quando com migo podiam tornar -se ricas de merecimentos! Este medico divino é pae, amigo e esposo, portanto interessa -se pelos vossos males e pelas vossas fraquezas, as quaes deseja curar, dando -vos assim força e vigor, para vossas almas tornarem -se ricas e cheias de animo. Quando o vosso organismo se acha enfraquecido, pro -curaes o medico para que elle vos dè o remédio pre ciso, que forneça ao vosso corpo sangue e vida, para poderdes trabalhar, desempenhando assim o vosso dever; porém, tratando-se do mais importante que é a alma, poucos são os que procuram o medico divino, para que lhes dè o remédio ou fortificante necessário! Oh! como islo é triste! A alma que é immortal, poucos são os que procuram fortifical-a e enriqueeel-a, para poder um dia gozar, na Jerusalém Celeste, de uma gloria eterna! Caríssimos filhos, sobre este ponto tão importante, a santificação da alma, reina uma terrível indifferença, e que tem feito tantas victimas. Os hosplitaes Sempre cheios, os consultórios médicos e as estações de banhos, tudo isto, dom gratuito dado por mim, o homem deve procurar para a sua saúde, verdadeiro thesouro; porém, o homem tem um outro thesouro, que a ferrugem deste mundo não corróc, este thesouro é a alma, que também precisa de medico, remédios e fortificantes. Oh! filhos meus, em numero limitado são os que tratam destas enfermidades; poucos são os que procuram enrique cer esta alma, destinada a ver-Me face a face na Jerusalém Celeste! Direis que ha tantos fieis na Egreja todos os dias; sim, mas elles são muito poucos em comparação dos que Eu criei. Destes poucos que vedes nos temidos, muitos infelizmente se ajoelham nos degrau s de meu altar, azo liara pedir remédios espirituaes, mas, sim, remédios temporaes, saúde, ri quezas e bem estar! Sabem de meus pés, sem se lembrarem fruo as suas almas estão enfermas e que têm necessidade de meus divinos remédios! Como causa tristeza este modo de proceder de tantos christãos! Chega a hora da morte e apresentam -se a mim tão i n-r inos, tão saturados de faltas, que sou obrigado a lhes dizer; Vae purificar -te, vac tomar uma túnica nova para puderes entrar nos meus sagrados aposentos! Filhos meus, não desejo assim falar -vos, mas, vet-vor. nos braços de Maria na hora de vossa morle, para que Ella i i h mediatamente vos introduza nos meus aposentos sagra dos; por isso não desejo ver -vos envolvidos com o negro véu fia indil'ferença;| dizendo, como tantos outros: Comia n to que chegue ao céu, é quanto basta. Vós sabeis, que no céu ha diversas moradas, e desejo que vossas moradas sejam bem junto de meu Ihrono de amor! Amados filhos, já vos disse, que Eu sou o remédio para todos os males, mas como o adquirireis? E' pelas mãos pu ríssimas de minha Mãe amadissima, que vos darei tudo de ou" vossa alma tiver necessidade, para ser forte; por isso, é necessário que lhe peç.aes. Quando vos sentis fracas no vosso organismo, procuraes alimentar-vos, e quando doentes procuraes o remédio, o mesmo acontece com a alma. Umas vezes ella sente-se fraca, outras doente, e qual é a vossa obrigação? E' de fortifical -a, álimental-a, enriqueeel-a; os sacramentos da confissão e da Communhão são remédios salutares para a alma, pois sem elles não pôde haver salvação para quem leve a infelicida de de peccar! Sabeis que o peccado é o mal maior para a alma, ma -tando-a e privando-a para sempre da minha divina presen ça, se com elle sahir deste mundo. 0 peccado é a lepra ter rível, que Me faz fugir para longe das almas assim atacadas, entretanto, para tão terrível mal o remédio e a cura estão i i divino sacramento da Penitencia, por mim instituído. Sim, filhos meus, o sacramento da Penitencia é o remé dio para esta terrível lepra, porém, fica ainda a pena deste peccado por pagar, porque

poucos, muito poucos são os Que têm uma convicção perfeita, que apaga a pena do Peccado; dahi ficar a alma ainda enfraquecida, débil e pre cisando de mais remédio, de mais fortificante. Oh! bondade a de vosso Deus! Prevendo tudo isto, '"luei no sacramento da Eucharistia, como fortificante de Vossas almas. Este remédio divino, que sou Eu mesmo, dá ■>>• vossas almas energias, vida e vigor. Xo transborda mento u -' minha infinita bondade operei este milagre de amor, Paia sei' o vosso divino fortificante; porém, almas ha que o não sabem tomar, pelo que muitas exclamam: Todos os dias recebo este Pão de vida e estou sempre fraca, sempre enferma! Qual a causa porque este divino fortificante não produz os effeitos desejados? A causa são as más disposições da alma, porque este Sacramento opera segundo as disposi ções de quem o recebe. Amados filhos, se uma mão sacrilega Me lançar ao chão, em que aproveita a este infeliz Me tocar? Em vez de aproveitar, serve-lhe para sua própria condemnação! Almas ha que Me recebem sem peccado, porém, com tão pouca fé, que na hora sagrada em que estou nos seus corações, não podem ouvir a minha voz, que só fala aos que se acham illuminados pela fé. Eis porque vos disse no começo que poucos dos que se acham nos meus templos, sabem pedir remédio para seus males. Uma communhão ás pressas nao fortifica a alma, uma communhão feita sem reflectir, sem verdadeira preparação não pôde dar vigor á alma; dahi a razão de tantos enfermos, de tantas almas fracas! Amados filhos, além da Sagrada Communhão, tenho outros remédios salutares, que dão força á alma todas as vezes, que a elles recorrer. Estes remédios estão na oração, pela qual vos entretendes commigo - Quando vos sentis desani madas desejaes um bom amigo para lhe contar vossas tristezas, porém em verdade vos digo, o melhor amigo sou Eu mesmo, e, quando rezaes ou meditaes, desabafaes commigo, o que vos dá forças; porém muitas almas se queixam que vêm aos meus pés e não recebem força. Ha neste caso excepções. Almas ha que estão na provação, e que já são Iodas minhas, Eu posso provar assim, porém, na maior parte são almas negligentes, que não sabem rezar; que rezam pensando em tudo, menos em mim. Geralmente as almas a quem isto acontece sao pessoas de pouca calma, que tem o mundo no seu coração! Ah! estas almas debalde rezam, porque seus corações irrequietos não as deixarão ouvir minha doce voz! Amados filhos, quantas almas enfermas! Como desejo a todas curar! Vinde, portanto, á mim e dar-vos-ei o fortificante de meu próprio Sangue e de meu próprio Corpo. Dar -vos-ei o remédio para curar vossa lepra. Este remédio é minha infinita misericórdia, perdoando -vos vossos pecca-dos por meio de meus queridos ministros. Oh! vinde almas minhas, nao sejaes mais fracas. Vinde a mim por Maria e pelos seus merecimentos, pois morrereis nos seus braços, se na vida a Ella souberdes recorrer. Maria pôde tirar-vos das penas abrazadoras do purga tório, se na vida souberdes, unida a Ella, tomar este divino fortificante que sou Eu mesmo. Pelas mãos de Maria, do Reino da Misericórdia. Jesus Crucificado. 5-10-1931.

Espirito de sacrifício
MADAS esposas, tenho-vos falado bastante do amor que é o movei de todas as acções. Vou, hoje, falar -vos do sacrifício, pelo qual conhecerei quem me ama. Quem me disser que me ama e não se sacri ficar, não me ama, porque não pôde haver amor sem sa crifício.

29

O Bom Combale na Alma Generosa

0 Bom Combate na Alma Generosa

7.'!

Eu posso dizer-vos que vos amo, porque por vós me sa crifiquei até a morte de cruz! Esposas tenho que me dizem: Senhor eu Vos amo, e quando chega a hora de Me mostrar seu amor, por meio de sacrifício, e ntão retrocedem, oppondo mil difficuldades e mil protestos! As que assim procedem amam -se a si próprias, amam suas vontades e suas commodidades, não, porém, o Deus do Calvário! E' doloroso ver tantos amantes só de palavras e não de acção! Oh! Missionarias, vós tendes como modelo Jesus e Jesus Crucificado, que não poupou sua própria mãe, para que Ella também vos seduzisse. Conhecendo minha Mãe amadissima, no seu grande amor por mim, não A poupei um só instante, porque a dôr lez-lhe ganhar thesouros incommensuraveis, para hoje poder vos beneficiar. Almas ha, por infelicidade, que se lastimam porque são provadas com dores physicas, outras com pro vações espirituaes! Pobres almas, podia -lhes dizer aqui o que disse a Samaritana: Se conhecêsseis o dom de Deus lh'o pediríeis. Sim, a dôr e afflicção são pérolas preciosas que brilharão na coroa dos que sabem soffrer e dos que sabem se sacrificar! Oh! almas minhas, se não tendes generosidade de me offertar sacrifícios, ao menos aceitae os que minha mão '» mfazeja vos envia. As almas generosas não se contentam com o que Eu lhes peço; ávidas de soffrimento, procuram iodos os meios de se sacrificarem,, para Me mostrarem seu amor. O amor tende para o sacrifício c onde não ha sacrifício não ha amor e se o ha, é um amor morno, o qual será lan çado ou melhor vomitado de minha bocca! Oh! os homens põem seus olhares sobre vós e fazem de vós juizos altíssimos; porém, Eu que sondo os corações, não posso de todas fazer egual juízo! Sim, quantas vezes encontro em vez de amor quente , isto é, um amor que transborda e desejos de sacrifício, en contro frieza, pusilanimidade incompatível com aquella que deseja ser minha Verônica! Eis, atiladíssimas esposas, a Verônica generosa e sem medo, rompendo a multidão, para Me limpar a face! A sua heróica fortaleza, deixou os soldados atônitos, não poden do dizer palavra! O' Missionaria, tu também deves destruir o teu medo, o teu amor próprio e a tua vida, se fòr necessário, para limpar a alma dos pobres peccadores, e que se acha cheia de lepra! Para seres, porém, esta mulher forte, lias de ter sempre os olhos de tua fé naquellc que te chamou para a vida. No teu peito trazes a minha imagem crucificada e o que te diz ella? Diz: Ama-Me como Eu te amei. E como Eu te amei? Eu te amei no sacrifício, derramando todo o meu sangue, entregando -Me aos mais vis insultos e humilhações. Continuo até o fim dos séculos no sacrifício, encerrado nos tabernáculos, e nelles muitas vezes insultado por sacrílegos! Portanto, esposas amadas, não merecereis este nome 'sagra do de minhas esposas, se não souberdes viver no sacrifício, suspirar pelo sacrifício, com o qual Me testemunhareis o vc.sso amor, pois, onde houver sacrifício, Eu ahi Me acho. Contemplae minha vida e vede se o que vos digo n ão é uma realidade: sacrifício na minha adolescência, sacrifí cio pregando a divina Palavra, sacrifício deixando minha Mãe, sacrifício na flagellação, sacrifício na subida do Calvário, sacrifício no alto ria Cruz, sacrifício nos Tabernáculos até o fim dos séculos, offertaiido estes mesmos sacrifí cios em vosso beneficio! Portanto vós, que chamadas fostes para a vida perfeita e para levar o meu amor por toda a parte, deveis sentir-vos felizes em viver no meio dos sacrifícios. Amadas esposas, Eu não Me acho no meio da orgias, dos bailes e divertimentos! Ah! não, Eu Me encontro na cella do bom religioso, que por meu amor se priva de todos os divertimentos do mundo. Eu não Me acho na casa do rico avarento, que come e bebe a se fartar e não soecorre o pobre, que lhe pede uma esmola por meu amor! Ah! não, Eu Me acho na casa do pobre que trabalha por meu amor, e acceita todas suas cruzes com resignação ainda por amor de mim. Eu não Me acho na cella da religiosa que não gosta de se sacrificar, que vive a se lastimar e a querer viver segun do sua vontade e que tudo acha difficil, servindo assim de cruz para seus superiores! Ah! não, Eu Me acho

na cella da religiosa que vive na mortificação e que gosta que todos a tenham por vil e sem merecimento, que é conformada, p aciente, mansa e humilde, amoldando -se com alegria á von tade de seus superiores. Sim, estou na cella da religiosa, que vive suspirando pela hora do sacrifício, para Me mostrar seu mor. Vede, caríssimas esposas, como só me encontraes no sacrifício, e por que? Porque o sacrifica o é o caminho do Paraíso, o sacrifício dá á alma merecimentos incomprehensiveis, o sacrifício faz desejar o céu. Vede, amadas esposas, como os santos pensam no paraíso: Muitos delles pedem-Me, se fosse possível, para voltar ao exílio, para ainda mais se sacrificarem por meu amor, para melhor testemunharem que Me amam. Dizem elles: Tão pouco soffremos, tão pouco nos sacrifica mos para tanto gozar! Sim, sua felicidade é tanta que, cheios de gratidãlo', desejam mostrar -Me agradecidos no sacrifício! Por isso, amadas minhas, amae o sacrifício, jamais deixeis passar a hora bemdita em que ellc se apresentar. Se não tendes força de Me offerecer sacrifícios volun tários, ao menos acecitae os que com generosidade Eu vos enviar, confiando na minha misericórdia e bondade, o que vos fará ganhar thesouros, que a ferruge m deste mundo não pôde corroer. Oh! se tivésseis fé como um grão de mostar da, serieis almas sedentas de sacrifícios, abraçando a cruz como Eu a abracei por vosso amor! Que os olho s de vossa fé se abram e comprehendam a necessidade que tendes de serdes almas de sacrifício, porque é nelle, que me encontrareis. Meditae como Eu não poupei minha Mãe, para se sa crificar por vosso amor; não poupeis, portanto, o vosso colação e a vossa alma, quando se tratar de meus interesses, Que são também os vossos! Sim, os meus interesses são a salvação de vossas almas, e o vosso interesse é a vossa propila salvação que pede sacrifício. Vosso Jesus Crucificado, que é o vosso modelo e que v os abençoa pelas mãos de Maria, que sempre viveu em sa crifício. Do Reino da Misericórdia. Via a confiança. 6-10-1931. f

78

O Dom Combale na Alma Generosa 0 Dom Combale na Alma Generosa

7!)

NOTA — Esta licção applica -se a todo christab em, geral, por isiso seja ella bem aproveitada pelos corações de bôa vontade que forem ninhos de verdadeiro amor.

O amor, o mais erudito dos mestres
A MADAS esposas, w» hoje mostrar-vos que se estiverdes attcntas ás inspirações do Divino Amor, sereis doutas na minha própria Sabedoria! Bemaventurados os que tiverem como mestre o Amor, e sabeis porque? Porque o amor leva a alma ao sacrifí cio, e onde está o sacrifício está Deus. Sim, Eu já vos provei como Eu só me acho no sacrifício, porém, quem é capaz de levar a natureza e a própria alma a se sacrificar? Somente o amor é capaz de levar o homem a abraçar o que tanto lhe repugna — o sacrifício! Sabeis, que o homem foi creado para gozar, portanto o sacrifício é uma lei contraria ás inclinações do corpo e da alma. Eis porque o sacrifício é um cálice amargo! Eu mesmo o disse no Getsemani: Meu Pai se é possível affastae de mim este cálice! Amadas esposas, depois da queda de Adão e Eva, foi imposta esta lei do sacrifício, para que por esta via o ho mem se humilhasse e fizesse penitencia do seu peccado: Com o suor de tua fronte comerás o pão, esta lei Eu mesmo a vim confirmar, tomando sobre mim todas as iniquidades, expiando-as na minha humanidade e na minha alma. Abracei esta lei do sacrifício, porque dentro de mim havia a voz do amor, que Me dizia: Amo os homens; eis' porque, apesar de Me repugnar esta lei, abracei todas as' humilhações, todos os opprobrios e todas as dores, para cumprir o que estava escripto que Eu seria chamado o Ho mem das dores! Amadas esposas, porque o amor assim Me impulsionou a abraçar a lei do sacrifício, deixei de soffrer? Ah! não, o amor não diminuiu a repugnância pela dòr, nem tão pouco a intensidade da dôr, mas o amor Me dou uma sede ardente de Me sacrificar, para mostrar-vos a intensidade deste mesmo amor! O sacrifício é o transbordamento do amor, e posso-vos provar o que vos digo. Não vedes quando duas pessoas se am am? O que fazem? Sacrificam-se, uma pela outra. E' neste sacrifício que vós conheceis que na realidade se amam, portanto, o amor é o mais erudito dos mestres, e posso vos dizer é o único mestre que leva o homem a se sacrificar! Sendo, como já vos disse, o homem destinado a gozar, não pôde abraçar a lei contraria — o sacrifício, se dentro de si não tiver a força mysteriosa do amor. Oh! que força possue o verdadeiro amor, capaz de feitos he róicos! Vede, amadas minhas, o que ledes nas vidas dos gran des santos. Ficaes pasmas, quando contemplaes esses he -roes, esmagando suas paixões e revolvendo o mundo com seus prodígios. Taes homens são capazes disto por si mesmos? Como podem operar tantas maravilhas com prejuízo do seu bem estar, de suas commodidades e de sua honra?! Quem lhes dá esta força mysteriosa? E' o amor, é somente o amor que os faz arder nesta febre divina! São capazes de loucuras, sim, de loucuras divinas! Eu fui o primeiro louco, Maria foi a segunda louca, sim, deste amor divino! Quem deu força a e sta delicada donzella, tão tenra em edade, para deixar seu querido Filho ir ao encontro da própria morte? Foi a loucura do amor que lhe deu esta força indómita, esta força mysteriosa, para se calar quando me viu na via dolorosa do Calvário! Oh! minhas amadas, si não fosse o amor, Maria teria zombado dos soldados, e, lançando-se sobre mim, teria ti rado a Cruz de meus hombros ! Oh! sim, Maria não teria resistido; mas eás que dominada pelo amor, calou-se, abafando a sua grande e immensa dôr, acompanhou-Me passo a Passo, na minha loucura da Cruz, onde ia patentear á huma nidade meu grande amor, minha loucura de amor! Oh! o amor é o único capaz de mover o coração a abra çai- o sacrifício, porque o amor é fogo, o amor é luz, o amor é vida da alma. 0 amor é fogo fazendo movimentar esta niachina de todo vosso ser, dando assim ao coração energias para abraçar a lei divina. 0 sacrifício não é minha l ei "' Sim, o scrificio é minha lei, por isso, depois do pecca do, só o amor é capaz de abraçar o que repugna! Oh! minhas amadas, se ama es na realidade a um ente vosso, ainda que jale vos cause repugnância, por motivo de uma moléstia, vós uc proporcionais todos os cuidados. Vede o amor abraçan -'■•«> o searificio! Portanto, o amor é fogo que movim enta o «■oração e o faz abraçar o que lhe repugna! 0 amou- é luz, porque o amor humano faz ver, na pes -°a que se ama, qualidades que ás vezes não existem; entre

<S0

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

81

tanto, o amor divino vos Faz ver como sou bom, como sou amável em mim mesmo. Este amor que é luz vos faz comprehender-Me e tudo que se oomprehende, aprecia-se melhor; portanto, se este divino Amor vos faz ver o que vos tenho preparado, eha-mando-vos para a vida perfeita, vos proclama bem aventura das. Esta luz que dimana do amor, vos faz ver como tudo passa neste inundo, como tudo é vaidade! Só não é vaidad e o amar-Me. Oh! como é bello o amor, como é bella esta luz, que'] dimana do verdadeiro amor. O amor é vida, sim, o meu amor dá a vida á alma, dando -lhe forças para esmagar os inimigos e abraçar comi alegria os serifieios, que este esmagamento acarreta! Vede, amadas minhas, como tenho razão de vos dizer que o amor é o mais erudito dos mestres, não havendo outro capaz de dar lições que elle dá! Contemplac a religiosa tíbia e sem amor. Ella não é* capaz de uni pequeno sacrifício, tudo acha difficil, tudo lhe custa, porque, no seu coração, não tem este mestre — o amor; e se o tem é muito pouco e morno, por isso será cila lançada para longe de mim! Oh! não posso admittir uma religiosa tibia e morna, porque é incompatível com este nome sublime — esposa de um Deus! A esposa de um Deus Crucificado, que nãlo abraça o sa crifício, não se illuda! Esposa de um Deus, quão sublime e admirável é este bello titulo; porém, não vos illudaes; ai de vós se o fordes só de nome, sereis fulminadas de mim mes mo! Eu sou o Deus da verdade, e não penseis que desejo ver -vos na illusão. Porventura não sou bom? Bem o sabeis, quantas vezes isto vos tenho dito: Sou bom, sou misericor dioso, ajudo a quem a mim recorre, porém, se abusardes de meu infinito amor, se não derdes ouvidos ao meu grande; amor, que vos diz: Sede perfeitas, trabalhae para isto com a vossa bôa vontade, pois se abusardes, se vos fiardes em t azoes tomadas ás pressas e sem reflexão, se confiardes cm umas confissões sem propósito, e viverdes afobadas, e se não nutrirdes os desejos, que devem dominar os corações das minhas amadas, mansas, humildes, pacientes, caridosas, puras e cumpridoras de vosso sagrado dever, se por amor não abraçardes as penas quotidianas, ainda que com repu gnância, não aceito vosso sacrifício. Fique aqui bem claro, que o sentir repugnância não é um mal, ao contrario será um bem, porque aceitar o sacrifí cio com sacrifício é um bem duplicado. Com cffeito, Deus não pôde aceitar o sacrifício cheio de reclamações e censuras, e contrariedades! Este sacrifício, em verdade, perdeu todo o seu valor, diante de mim, mas o sacrifício que custa e que a pobre alma 82 O Bom Combate na Alma Generosa ' i Para que Me imiteis, Me fiz homem, tomei um corpo igual ao vosso, para nelle vos dar as lições que desejo que pratiqueis, para chegar á perfeição. Vou aqui, falar-vos a cada um em particular, e cada um de vós, abrindo estas paginas, procure do que sua a lma está necessitando, e se as lerdes com fé, sereis esclarecidos e fortalecidos nos combates deste exilio. Oh! alma que Me lês, o que desejas? Ouço que Me dizes, desejo ser perfeita. Ah! desejas ser perfeita? Vae, ven de o que tens, dá -o aos pobres, toma a cruz de cada dia e segue -Me. Não tens força? Contempla teu Deus no seio de Maria; deixou este mesmo Deqs os explendores da gloria, para vir em teu soecorro, e tu, ó minha ovelhinha, minha pomba, minha amada, não tens força de desprezar os bens caducos para Me seguir? Segue-Me e verás como sou amável. Deixando tudo, acharás tudo. Deixas paes, achas outros mais dedicados; deixas irmãos, achas outros mais perfeitos i í caridade; deixas as riquezas, achas o pão quotidiano, o qual não te dá preoceupação; deixas tudo e achas tudo, que sou Eu. Eu sou a tua recompensa, a tua felicidade eterna! Vem, ô alma, segue -Me, se te sentes chamada!! Dirás tu: O que é preciso, Senhor, para ser perfeita? Praticar os conselhos evangélicos com perfeição, tomando a cruz de cada dia. Senhor, dirás tu, a cruz me assusta, como assustou ao moço do Evangelho. Minha aunada alma, esqueceste que o meu jugo é doce e suave? Oh! não temas, porque Eu sou o. Cyrineu dos que tudo deixam para Me servir. Maria, minha Mãe, é o anjo destes anjos, que, abandonando os prazeres os mais lícitos, Me se guem no caminho da perfeição. Escuta, ó alma minha, escuta com attenção: Eu sou o servo de meus servos! Não te consola esta palavra de amor? Sim, Eu Me faço servo de meus servos; e paira isso te provar, não lavei Eu os pés dos meus caros apóstolos na noite do quinta-feira santa? Não estou Eu no Sacramento Divino do Altar, fazendo o officio de servo, servindo ás almas, que têm necessidade de mim? Sim, Eu sou o servo fiel que, a toda hora e a todo momento, está prompto para servir a quem tem necessidade de mim. Oh! como és feliz, alma, que foste chamada! Agora, alma que Me ouves, como corresponderás ao meu chamado de amor, e a tanta delicadeza de teu Deus? Sendo perfeita. E como poderás chegar a sel-o? Fazendo como já te disse, imitando -Me, seguindo -Me, dando tudo o que tens aos pobres, nada possuindo, deixando as amizades, as

faz no silencio do seu coração, vio -Jentando-se para m'o offertar, na verdade vos declaro, este sacrifício o cumularei de bênção s, guardando -o para a vida eterna e para gozo de quem m'o offertar. Oh! minhas amadas, abraçae, com verdadeira satisfa ção, estas palavras sahidas de minha infinita misericórdia; meditae -as todos os dias, quando estiverdes fracas, pois em verdade vos digo, se isto fizerdes sereis perfeitas. São estas palavras de misericórdia, guardae-as no vosso coração e na vossa alma, e Eu vosso Jesus, que sou vosso Tudo, vosso Esposo amantíssimo, vos dou tudo isto por Maria. Pedi a Ella que vos dê os merecimentos de suas lagrimas, para que possaes coinprehender estas palavras de mi sericórdia. Pelas mãos de Maria, do Reino da Misericórdia. Via a confiança. 8-10-1931.

Imitação de Jesus Crucificado
|_)OR amor te entrego, estas palavras sahidas do meu aman -' te Coração. Dá-as a quem desejar ser meu fiel imitador, -Nestas Palavras divinas as almas de bôa vontade encontra rão consolação, luz e força para Me imitarem; e copiando-Me chegarão um dia ao fim desejado ■— a própria santificação. Por Maria te entrego estas palavra s. De suas mãos bem -ditas, recebe -as e por suas mãos dá -as ás almas de bôa von tade. Imitação de Jesus Crucificado. O' almas que aspiraes á santidade, para que fostes crea-das, lede muitas vezes estas palavras por mim ditadas e nellas encontrareis consolação, força e luz. Filhos meus, o amor tende para a imitação; por isso, se desejaes estar unidos a mim, tendes de Me imitar, pois em verdade vos declaro, não ha imitação sem amor e amor sem imitação. Eis porque é necessário que pratiqueis os actos, que Eu pratiquei como homem e como tendo um coração de carne, semelhante ao vosso, e uma alma também seme lhante á vossa. com-modidades e retirando -te commigo para a solidão; sim, para a solidão do teu coração, onde Me ouvirás dizer-tc: Agora i[iie estamos sozinhos, falemos um pouco da ventura, que possues, sendo chamada para tão nobre fim — a perfeição de tua alma! O' alma, que Me ouves, falemos um pouco desta grande ventura de seres chamada para a perfeição. Sabes o que seja perfeita? Ser perfeita é unir -se a Deus, porque Eu só uno a mim os que detestam todo o peccado, toda a falta voluntária por minima que seja. E tu, ó alma, foste chamada para dignificar-te na minha perfeição divina. Eis a tua ventura inexplicável!! Como és feliz por seres chamada. Vamos entrar nos conselhos por mim praticados e ver como os deves praticar, para seres minha fiel imitadora, para seres perfeita, porque esta é a tua vocação.

POBREZA VOLUNTÁRIA Oh! alma que Me ouves, não existindo pobreza no céu, desci á terra e delia fiz meu pão quotidiano, exaltando assim esta pobreza tão repellida pelos homens. Abracei -a com amor, e desta pobreza fiz minha morada, meu pão quotidiano . . . Oh! minha alma, resgatada com o meu sangue, como praticas esta pobreza tão amada de teu Jesus e praticada por teu Deus com tanta perfeição? Queres na realidade ser perfeita? Desejas ser minha fiel imitadora? Sinto que Me dizes: Sim, ó meu Deus, desejo ser pobre á vossa imitação. E sabes tu como Eu pratiquei esta pobreza, cuja base é a santa humildade? Pratiquei-a pcincipalmcnte no meu Coração, no meu es pirito, porque esta é que dá força para praticar a pobreza exterior, isto é, dos bens caducos e das falazes promessas que este mundo offerece. Está escripto, porque por minha bocea foi dito: "Bemaventurados os pobres porque delles é o reino dos céus." Oh! alma que Me ouves, o verdadeiro pobre de espi rito está sempre contente, porque nada deseja de bens temporãos, nem mesmo espirituaes, pois, se conforma com o que lhe é dado. Reconhecen do sua pobreza não se lastima, antes, na sua pobreza, reconhece que nada merece. A este pobre de espirito acontece que goza de uma paz inal terável! E agora posso te provar, que este pobre é

0 Bom Combale na Alma Generosa

83

bemaven-hirado, porque estando em paz, Eu Me acho no seu coração. ( ) pobre é bemaventurado, porque nada possuindo, possue -a mim. E Eu só estou plenamente na alma do verdadeiro Pobre de espirito. Provo o que te estou dizendo. Onde Me encontras na minha vida? Só na pobreza. No presépio, no meio das palhas; na casa de Nazareth, a mais humilde e des pida de todo o conforto humano; no alto da cruz, despido de tudo deste mundo, morrendo em tão dura cruz, tendo por deseanço longos e ponteagudos espinhos! Onde mais Mc encontras como pobre? Em uma simples partícula de pão e em humilde tabernáculo, que, por mais rico que seja, não deixa de ser uma obscura prisão! Não te assusta, ó amada minha, esta pobreza de teu Deus? Ah! esta pobreza exterior é apenas uma leve imagem da pobreza interior, que me fez assim abraçar a pobreza exterio r. Na minha alma só se aninhava o desejo da humilhação, para te mostrar, que a pobreza é um bem, sim, um salutar remédio, para des prender a alma, para que livre possa voar até as regiões do infinito amor. Eu, despreoceupado de tudo o que me rodea va, somente soffria e expiava os vossos peccados. Oh! minha alma, tu que desejas ser minha fiel imitado ra, sê na realidade pobre de espirito, porque só aos verda deiramente pobres de espirito é dado o dom da contempla ção e da união perfeita! Oh! emquanto a alma se achar amarrada pelas vontades e paixões do coração, não poderá fazer um só cousa commigo. Sim, na verdade te declaro que ainda que as vossas vontades vos pareçam santas, perturbam a nossa união. 0 verdadeiramente pobre já é minha propriedade. Sim, a pobreza foi sempre meu throno predilecto neste mundo as sim como o é também o coração pobre. Como é bella esta pobreza voluntária, que dá, o céu á tua alma; sim, porque Eu sou o céu c tu, sendo pobre na realidade, tudo deixando por meu amor, ganhas tudo que sou Eu. 0' bemaveniurada pobreza que faz guardar o proprio Deus! Agora, ó minha alma, Eu te pergunto, isto se chama pobreza? Ah! não, chama-se isto sabedoria, despre zar a riqueza deste valle de lagrimas para ganhar a riqueza ctern'a! Sim, Eu sou esta bella riqueza, que enche os Santos de felicidade. Oh! pobreza cheia de sabedoria. Oh! como sois sábios os (pie a praticaes á minha imitação! Alma (pie Me ouves, comprehendeste bem a felicidade desta pobreza voluntária? Se não comprelren deste procura' comprehender, para seres uma copia perfeita de teu Jesus, que te fala somente porque deseja tua felicidade. CASTIDADE Filha minha, deves ser somente parecida commigo na pobreza? Não, certamente; has de ser uma copia perfeita de teu Jesus Cru cificado em tudo, eis porque, çhamando-te á pratica dos conselhos evangélicos, os deves seguir com perfeição. Hemaventurada a geração casta, pois acompanhar -me-á por Ioda a parte. Oh! como é bella a geração dos castos. Os castos já neste valle de lagrimas podem Me ver de um modo mais perfeito. A João, o apostolo virgem, foi dado repousar no meu peito, porque aos puros é dada esta ventura já neste exilio e de um modo mais perfeito no céu! Os virgens na Jerusa lém Celeste repousarão no meu Coração, onde prelibarão as suas doçuras. A geração pura cantará um Cântico novo, que os outros não poderão cantar, porque os castos são os pri meiros, isto é, são os que estão mais perto de meu Coração. O' geração virgem, como és feliz! Esposa minha , como és feliz, sendo chamada para fazeres parte desta geração virgem ! Vamos ver, como deves ser ciosa em te conservares Sempre illibada. Ser-te-á isto difficil? Ah! não, porque tens -Me a mim no Divino Sacramento do amor, como comi da para guardar-te de todo o contagio e de toda corrupção. Agora, ó alma que me ouves, e que desejas sei* perfeita em tudo, deves fazer como o apostolo amado, reclinar a tua Cabeça no meu peito, para escutar o que João escutou. O que .'o Ki escutou e comprehendeu? Escutou que meu Coração ardia de amor por elle, oomprehendeu a belleza, os encantos da pureza e ficou sendo cada vez mais fascinado por esta bella virtude. Também, tu, deves como João reclinar no meu peito, quando tiveres a ventura de Me receber, e, como João es cutar que te amo infinitamente; deves ainda comprehender a felicidade, que te foi dada, conservando -te virgem, porque serás do numero desta geração bemaventurada. A pureza mostra, a quem a pratica, a necessidade de ser intimo ceinmigo. Vede João, Eu não lhe disse: repousa no meu Coração; como nelle brilhava a pureza, sentiu que meu Coração se achava triste, porque um dos doze se ia perder; vendo isso, desejou reparar aquella ingratidão, abraçando seu Mestre e dizendo -Me silenciosamente: Vê como eu te amo, ó Mestre adorável. Oh! como é bella a pureza! Faz vêr a quem a pratica o dever de reparar pelos seus irmãos ingratos; portanto, alma ÍUe Me ouves, alegra-te, immensa é a tua felicidade! Agora, te pergunto, como praticas tu esta pureza? Ale -gras-te, quando a sua pratica traz algum sacrifício, ou fazes 0 contrario ficando com isso enfadada?

Oh! se desejas ser uma copia perfeita de teu doce Jesus crucificado, ama a tua vocação, sacrifica-te por seu amor, Porque ella te torna semelhante a mim.

86

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

87

OBEDIÊNCIA PERFEITA Se desejas, ó alma que Me escutas, ser uma copia per feita de teu Jesus Crucificado, deves ser obediente em tudo e esta obediência ha de ser perfeita, quanto te seja possível, A obediência é perfeita, quando obedeces, somente guiada por este espirito de fé, que te dá tanto merecimento, dizendo: Por amor, meu Deus, obedeço a esta superiora autoritária, muitas vezes até indelicada! Sim, a tua obediência se torna perfeita se obedeces a esta superiora, por meu amor, sem reparar se é autoritária ou indelicada. A tua obediência será perfeita, quando obedeceres promptamente á imitação de minha Mãe, ouvindo José lhe dizer: Vamos para o Egypto, e Maria nem lhe perguntou porque motivo! Oh! se a tua obediência assim fòr, será prompta e perfeita. Será a tua obediência perfeita se fores alegre, isto é, sem mostrar repugnância exteriormente. E* verdade que muitas vezes certas obediências causam repu-gnancias á natureza, emquanto esta não se acha conforme o espirito. Que fazer nestes casos? Aceitar, por amor dé mim, esta rebellião da natureza e esmagar com um sorriso a sua r epugnância. Certas almas se entristecem, quando vêem quanto lhes custa obedecer. Não se devem entristecer, mas, sim, fazer um acto de humildade, lembrando-se que as suas paixões ainda não estão mortas. O' alma que Me ouves, a natureza c tão perversa, que m uitos de meus servos sentiram os seus aguilhões até a hora da moirte; portanto, sentir não quer dizer que a obediência seja imperfeita, mas, consentir, mos trando contrariedade, isto é que faz com que a obediência não seja perfeita. Já te disse, ó minha alma, como deves esmagar esta: repugnância da natureza, por meu amor, interiormente e.' exteriormente, mostrando um doce sorriso a quem tei manda. A obediência para ser perfeita deve abranger todos os, pontos, isto é, deve ser em tudo, até nas cousas mais insigni ficantes. A obediência para ter brilho diante de mim deve terj desejos de sacrifícios. Para que melhor comprehendas digp rue uma religiosa obediente em todos os pontos das Consti' tuições, do Directório e dos conselhos de sua Madre, ainda não está contente, porque deseja que sua Madre lhe peça sacrifícios. Esta religiosa brilhará como o sói diante de mim, porque sua obediência completa, tem ainda desejos altíssimos, como são os de mostrar-Me seu amor, por meio de sua obediência até o sa crifício. Esta obediência é seme lhante á minha, que Me levou até á morte da cruz! A obediência, que não deseja o sacrifício, não é com pleta. Fique aqui bem claro que ainda que tenhas desejos de sacrifiicar-te, o sacrifício não deixa de ser sacrifício. Se assim te falo é porque muitas almas pensam que, quando lhes custa ou têm repugnância pelo sacrificio, este não Me é agradável. Ah! não, o desejo do sacrificio não lhe tira seu valor, que consiste em ser sacrificio. Se Eu não sentisse dòr, nem abandono do Pae no alto da cruz, que valor teria meu sacrificio? Portanto fiquem em paz as almas que têm horror ao sacrificio, porque este hor ror é uma fonte de merecimentos. O que tira o valor do sacrificio é quando, desejando evital -o, se mostra a todto o mundo a repugnância que elle lhe causa. Portanto, alma que Me ouves, a tua obediência te torna semelhante a mim crucificado, quando esta fòr perfeita, desejando seres mandada em cousas que te causam horror, isto é, que te dêm oceasião de te sacrificares por meu amor, assim como Eu, obedecendo, senti as mais vis humilhações e os mais terríveis tormentos. Procura, ó minha alma, gravar estas lições de amor, e, se fores obediente como aqui te foi dito, a tua obediência será perfeita. A MANSIDÃO Mostrei-te, filha minha, como deves praticar os conse lhos evangélicos, mas, para te tornares uma copia perfeita de teu Jesus Crucificado, é necessário que possuas todas as qualidades de meu Coração. Eis porque vou te mostrar como deves copiar-Me na mansidão. "Aprendei de mim que sou manso e humilde de Coração." Alma que Me lês, todas as palavras que proferi devem ser ouvidas e cumpridas, portanto, se disse: Aprendei de mini que sou manso, é porque esta virtude acarreta a quem a pratica merecimentos inauditos e incomprehensiveis a um mortal. "Bemavcnturados os mansos porque clles possuirão a terra!" Sim, aos mansos lhes é dado a conquista dos povos. Conquistar um coração para meu reino é a maior das ven turas e a mais sublime das victorias! Eis porque os mansos °s chamei de bemavcnturados. Quem praticar esta bclla virtude de

meu Coração, torna-se semelhante a mim e todas a s suas obras Me são agradáveis. Quando estiverdes aos pés do altar e vos lembrardes lUe, por causa de vosso modo de proceder, o vosso irmão tem qualquer cousa contra vós, ide primeiramente recon ciliar-vos com elle, procurando o meu representante, o meu ministro. Amada alma que Me lês, a ira jamais teve parte commigo, portanto, todas as faltas contra esta bella virtude são obstáculos para nossa união, pois muitas vezes vos tenho dito que a ira é o caracter próprio dos demônios, cinquante a mansidão é o caracter dos meus filhos, porque esta qualidade é minha e por ella o mundo conhecerá que na reali dade sois meus. Benuaventurada a geração dos mansos, porque a ella lh e está reservado o esmagamento da besta das sete cabeça] que são os sete vicios capitães. Comprehendcste, n minha alma. porque chamei dê] bemavcniurados os mansos? Dus homens até o dia de hoje,' poucos foram, muito poucos os (pie eomprehenderam esta necess idade c a intensidade da pratica destas minhas pala vras! Ponisso, fiz brotar de meu Coração «lanceado uma geração de mansos, que povoarão a terra, distribuindo assim em abundância o mel de meu doce Coração! O Coração manso é minha morada de predilecção, pois nelle só ha misericórdia! Vede como os que Me eomprehenderam neste ponto são, misericordiosos! Nestes corações habito e délies faço o throno de meu perdão. Vede o sacrário, que, sempre á disposição do sacer dote, é throno de misericórdia; sacrário meu são ainda os corações mansos, que estão sempre á minha disposição para exercer por meio délies a minha misericórdia. E tu que queres ser semelhante a mim, não desejas ser -este belló sacrário, donde Me possa dar a todos? Se desejas ser este bello sacrário, sê semelhante a mim, praticando, por voto, esta bella virtude, a qual te dá tão altas prerogativas, como são a conquista das almas, para meu reino, fazendo de teu coraçío e de tua alma o meu throno de misericórdia! Bemaventurada és, ó geração mansa, p orque tu serás * esmagadora da besta infernal, dando assim a prelibar as doçuras de meu Coração! O' alma que Me lês, enche -te de santo enthusiasmo, e pratica esta bella virtude á custa de qualquer sacrificio, porque um dia bemdirás todos os sacri ficios que ella te sugerir. Desejas ser semelhante a mim, Eu bem o sei, e com isto Me alegra! Sê -o na realidade, brilhando nesta virtude diante de mim como o sói. O ZELO Está, porventura, completa a nossa obra? Ah! não ainda; é também necessário o zelo pela minha gloria, siem o qual a mansidão não se tornaria agradável a mim. Eis porque, ó Filha minha, a mansidão deve ser adiada ao zelo, dizendo: O zelo de meu Jesus devora -me, impulsiona -me. Fazei que Eu arda no desejo e na pratica deste zelo. Este zelo. uma alma, q ue Me ama, deve ter. Foi o zelo pela gloria de meu Pae, que Me levou a tanto sacrificio, não poupando nem mesmo um coração de Mãe! O' alma, que tanto desejas ser minha copia perfeita, deves ter este zelo, (pie te leve aos m dores sacrifícios, quando se tra tar da gloria de teu Deus e do reinado de meu amor nos corações. O zelo deve ser um aguilhão amoroso, que te ha de trazer sempre vigilante. O' amoroso aguilhão, (pie não Me dava repouso, e Me fez desejar os maiores tormentos, as mais ignominiosas affrontais!! Quem possue este aguilhão divino não tem re pouso neste mundo, a não ser quando em trabalhos pela expansão de meu reinado nas almas. Foi este divino agui lhão, que não deixou dormir os meus servos, ao contrario, sempre acordados por este divino aguilhã o, deram-Me tantas almas. O' alma, que queres ser copia perfeita de teu Jesus, não o serás se não possuíres este desejo vehemente de Me diffundir no meio das almas. O zelo de minha gloria te devore e te faça estar sempre com a tampada accesa, para trazeres ao meu aprisco os que se acham nas trevas. O' zelo bemdito, tu farás de minha geração mansa, guerreiros intrépidos e esmagadores da besta infernal! Reveste-te, Filha minha, das prerogativas desta quali dade que deve possuir tua alma — o zelo. Ama este zelo, e se nao o tiveres, admoesta-te a ti mesma, faz tudo o que estiver a teu alcance para seres impulsionada por este divino fogo.

86

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

87

IMITAÇÃO DE MARIA Estará já completa a nossa alma? Ah! não; Esposa minha, para ser perfeita a nossa obra, jalta ainda a imitação de Maria, minha Mãe; não só deves todas as mulheres, para ser a minha escada, para desce até vós e para vos livrar do captiveiro do peccado. Oh! com» é bella esta escada! Como é bello este Cora ção de Mãe! Eis porque vos escolhi, ó geração mansa, para que, por amor, laleis desta Mãe á qual tanto amo. Maria deve ser conhecida na sua perfeição, nas suas qualidad de Mãe amável e de seu valor diante de meu Coração. Ella é a distribuidora de todas as graças e de toda a felicidade que sou Eu mesmo. Sim, Maria é a distribuidora das divinas esmolas, que sou Eu mesmo; eis porque, se desejas SÊ completa na tua imitação para commigo, has de ser esfc filha amorosa (pie, por amor, faz um voto de falar desstí Mãe, e que até o fim será a riqueza da geração mansa. Portanto, ó minha alma, prepara -te para Me dares está} consolação, (pie, completando a tua perfeição, te dará uma -bella e encantadora morte nos braços desta Mãe, que se fag toda de quem a ella recorre, e que se dá, como riqueza, aos que forem mansos. Teu Jesus Crucificado que te diz: Se fizeres tudo o que aqui fica dito, serás minha fiel imitadora, brilhando como o sói diante de mim.

milal-A, mas ainda para ser completa a nossa obra, por «mor. tomarás a obrigação de falar desta Mãe a quem tanto | m o, e da qual fiz a distribuidora de meus divinos favores. ■is porque, depois de seres fiel imitadora das virtudes de "'anu, deves, por amor, falar desta (pie foi escolhida, entre triste até a morte! Sim, uma tristeza mortal invadiu minha alma e meu Coração ardente de sacrificio, transbor dai) ie de amor! Corno es pôde explicar isto? Triste, um Deus que desejava dar a vida com tanto ardor? Perguntas, ° alma que Me ouves: Porque fiquei nesta tristeza mortal? . \ aes receber uma outra lição de amor. Fiquei nesta tristeza mortal por causa de meu grande amor para com a s almas. Ah! quando vi muitas se perderam, quasi desfalleci de u °r.' vêr um filho perder-se para sempre, oh! que dôr! Foi tão grande a minha dôr, que transbordou nas lagri -5'ás de sangue e no suor abundantíssimo, que brotou de ^eu corpo! a . Q"e lição de amor, alma que desejas aprender a Me lar! Oh! o amor, quando é verdadeiro para commigo, faz n * que meus servos sintam immensa pena, quando vêem U 1 "a alma se perder. Oh! alma, que desejas aprender a Me amar, tens estes sentimentos de teu Jesus e de meus verdadeiros servos? Ou és indifferentc quando se trata dc negocio tão impor tante — a salvação das almas? Quem sabe dizes que Me amas e que desejas Me amar; -entretanto pouco te importas, quando se trata da salvação das almas! Não é assim que Eu procedi. Não Me vês aqui prostrado por terra vergado sob o peso da esmagadora cruz?! Oh! alma que tanto desejas Me amar, aprende aqui como se ama, não te illudas, é na dôr que se ama, pois, na dôr te provei meu amor, ah! repito, não te illudas, porque não ha amor sem dôr. Desejas mais lições de amor? Ouço que Me dizes que sim. Escuta então co m attenção. Muitas almas Me dizem: Senhor, eu vos amo, desejo dar - minha vida para vos provar meu amor, mas não é isso que mostram quando chega a, hora da realidade, a hora da prova! Dizem-Me: Meu Jesus, tudo, menos esta dòr, menos esta provação! O que dizes, alma que Me ouves, destas que assim procedem? As que assim procedem estão muito anê micas no amor, porque quando chega a hora sagrada de M'o testemunharem, não têm forças, nem confiança. Sim, confiança, porque a alma, ainda que se sinta fraca, se tiver ^ confiança em mim, resistirá, porque sabe que não são suas forças naturaes, que lhe darão as energias necessárias para resistir, mas sim, a minha graça, que tudo pôde. Alma, que Me ouves, Eu também no Gethsemanii, quasi desfalleci de dôr c de pena, porém, confiei no Pae c o Pae Me enviou um Anjo, que confortou minha natureza enfra quecida pela força da dôr. Como, dirás tu, não tinhas dentro escondida na tua natureza a Divindade?! Sim, minha Divindade estava escon dida dentro de minha natureza humana, mas, se pedi auxilio ao Pae, foi para te ensinar a pedir c para mostrar aos ho mens, que, sendo Deus, não deixei de soffrer na minha natureza humana. A natureza divina não soffreu, porque esta não pôde soffrer, eis o motivo porque tomei a natu reza huimíana, para poder soffrer e assim dar-vos as mais bellas lições de Amor! Alma, que Me ouves e que tanto desejas saber Mc amar, aqui no Gethsemani tens admiráveis lições de amor! VI como Eu desfalleci dc pena, e por terra banhado cm sangue, desejei os meus amigos ao meu lado. Eis porque, depois qne Me pude levantai -, fui á sua procura e lhes disse: Nem af menos pudestes velar uma hora commigo?! Achando-os dor" niindo, meu Coração se entristeceu, porque, amando -os, desejava que se compadecessem de mim! Pilha minha, quem sabe muitas vezes também te entris teces, quando te sentes fraca e vergada sob o peso de uma cruz; procuras então os teus verdadeiros amigos, para que le ajudem! Será que isto Me entristece? Ah! não, com isso pro curas força para melhor soffrer, o que é salutar e não condemno, porque sou Eu que suscito tantos cyreneus para a s almas, que continuam a minha Sagrada Paixão, porisso, quando tiveres necessidade de um cyreneu, não te entristeças, lembra-te aqui de minhas lições neste Horto de dôr ( angustias! Eu lambem fui á procura de meus amados amigos e exclamei: Pae, se é possível afastae de mim este cálice, mas que a vossa vontade se cumpra c não a minha.

Licções de amor no Livro divino
DO. GETHSEMANI AO CALVÁRIO

A

LMA ditosa, o que desejas? Ouço que Me dizes: Amar-te« Senhor, como vós me amaes! Sim, alma minha, este teu desejo Me é muito agradável. Perguntas -me se é difficil Me amar? Não, alma venturosa, não é difficil, pois amar-Me depende somente de ti» bôa vontade. Escuta como os anjos cantam na terra paz aos homens de bôa vontade! Vejo, minha filha, que está aneio sa para que te ensine a Me amiar. Como isto Me agrada. Ouve bem» retira-te á solidão de meu Coração, porque o teu é muito pequenino, para encerrar a minha inimcnsidade. pequenino, para »,..~w..... ......................................................... — ............ Voivtc encerrar no meu Coração amargurado no Getn-semani e ahi dar-te-ei uma lição de amor. Em verdade te digo, se estiveres bem attenta, sahiras daqui forte, sabendo-Me amar um pouco mais, Muitas almas Me perguntam: Como vos amar? Como se aini. Senhor? Escuta, minha dilecta, como se ama. Ama-se como Eu amo e como Eu amei no sacrificio. Entra, alma que Me ouves, no meu Coração amargurado, e diz-Me o que estás seiUindo. Oh! Se tua união commigo ainda não é perfeita e não te deixa experimentar uma gotta do meu cálice amargo, ao menos escuta meu Coração te falar. O meu amor é tanto e tão forte, que Me fez abraçar todas as ignominias, todos os desprezos, os mais vis e nojentos. O' minha dilecta, vê que cálice amaríssimo, que cálice nojento tenho de beber! Vê quanta immundicie neste cálice, vê a asquerosidade desta mal>>ria horripilante, que sae da boeca dos impudicos, dos blasphemos, dos escandalosos, dos suicidas, dos secta"ios, dos perseguidores de minha Egreja, dos profanadores de minha casa e de minhas santas leis, emfiin de tod os os pec-cadores, vê que cálice tenho de beber! Oh! Como meu Coração e minha alma gemem sob este peso e á vista deste cálice. O' alma que desejas uma lição de amor, aqui tens esta lição. Por. amor bebi este cálice até a ultima gotta! 0 amor tirou -lhe seu amargor? Ah! não, mas o amor foi o cálice que serviu para reunir todas essas immundicies e bebel -as até o fim! Oh! admirável lição de amor! O amor não deminuiu a dôr, mas é o cálice de ouro, que faz adoçar as penas diante de mim! Vê, alma, como se ama no sacrificio apresentado pelo amor!

90

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 9 1

E qual era a minha Vontade? A minha Vontade é a do Pae, e a do Pae é a minha, poré m como minha natureza e minha alma repelliam a dôr, o Pae enviou-Me o anjo mensageiro de sua Vontade a dizer -Me: Bebe até a ultima gotta o, cálice, porque esta é a Vontade de teu Pae, esta é a tua Vontade também de morrer crucificado, ainda que tua natureza pareça desfallecer. A Vontade do Pae, que é a vossa, vos levará a abraçar a ignominia e a dôr! Oh! alma que Me ouves, o anjo assim Me falou; não á minha divindade, mas, sim, á minha alma, que se achava em agonia, falou á minha natureza humana, que se achava vergada sob o peso dos peccados da humanidade! Vê que lição admirável para ti; sendo Deus pedi auxi lio; sendo Deus, um anjo veio-Me dar conselho e força! O' lição de humildade! Portanto porque te assustas? Porque tens necessidade dos conselhos e da força dos meus anjos, que são os meus Ministros? Mas, elles são os anjos (p e ponho á disposição das almas, que desejam ser Perfeitas. Podia o próprio Pae falar commigo e levantar minha natureza humana, mas Elie enviou um anjo, para te dar ho.ie esta lição de humildade. Sim, se desejas andar com segurança, consulta estes anjos que mereçam este nome, Porque, por infelicidade, não são todos, que merecem mi nhas luzes! Quando desejares consultar num destes anjos, Ve e prescruta se elle tem vida interior, se se entretém Commigo, porque se isto não fizer será só pedra de escân dalo. Alma (pie Me ouves, quantas lições de amor no meu '•oração! Grava -as bem no teu coração e na tua alma; sê diligente e confiante, porque ainda que caias muitas vezes, tens-Me a mim como Pae, Amigo e Esposo para depressa te levantar e continuares a tua jornada. Desejas mais lições? Ouço que Me dizes: Sim, ó meu Deus, desejo ser instruída para sabcr-vos amar. Como estes teus desejos Me agradam, vou -te conduzir á entrada do Gethsemani, aonde fui ao encontro dos soldados. Que lição admirável para tua alma, que tanto deseja Me amar. Sabendo que a hora estava próxima, Eu mesmo fui ao encontro da soldadesca, dizendo lhe: A quem proeuraes? Aqui está quem proeuraes. Depois de lhes ter mostrado que era Deus, entreguei -Me a ella como um manso cordeiro, porém não Me receberam como manso cordeiro, porque Me amarraram com tanta crueldade, que Me enterraram a corda na carne. O' liç ão admirável de amor! Alma que Me ouves, ha poucos instantes na visão do futuro, tinha presenciado os algozes Me torturando, Me amarrando, Me flagellando, tudo isto Me deixou em agonia; porém não deixei de ir ao encontro do niartyrio! Vê como se ama e no meio do sacrifício e da humilhação! Antes dos soldados Me prenderem, o pobre Judas Me osculou na face, e Eu não rejeitei seu osculo, não o lancei por terra, nem tão pouco mudei de physioncmiá! Com a minha calma habitual e propria de um Deus feito homem, disse-lhe: Amigo a que vieste? E' com um osculo que Me trahes?! Amigo!... Com que amor pronunciei esta palavra "Amigo"! Sim, sua alma criada para o céu, custava -Me im-menso vêl -a presa pelas garras infernaes! Oh! dòr! Apesar de ser Deus e de ter usado para com elle de tanta caridade c mansidão, Judas se perdeu! O que é isto? Alma que Me ouves, o homem se salva somente se tem vontade de se salvar, e Judas não quiz se salvar! Eis porque Eu não pude fazer cousa alguma em favor daquelle coração empedernido, porque está decretado que só os homens de bôa vontade serão salvos. Eu respeito a liberdade dos ho mens, o que explica que Judas não se salvou porque não quiz, apesar de Eu lhe falar e elle tocar com seus lábios na min ha sagrada Face! Quantos peccadores, ao contacto com uma relíquia de um santo, se convertem! E' que são de bôa vontade, minha graça os eommOvé e se convertem. Quem não quer porém se salvar, m"irre nos seus desvarios e crimes, apesar de meu desejo de a todos salvar. Prosigamos nas lições de amor. Como um manso cor deiro Me entreguei aos inimigos! Alma que tanto desejas aprender a Me amar, vê como se ama, entregando-Me ás mãos dos algozes mansamente e por amor! Sim, foi o meu grande amor por ti, que Me levou á entrega total de todo o meu sêr á dòr, c, como um cordeirinho, sem nenhuma repulsa. Apesar de ser Deus e Soberano Senhor de todo o creado, entreguei -Me, dizendo no Pae: Eis aqui o Cordeiro expiatório, impetratorio e satisfatório; não Me poupeis, porque desejo povoar o vosso reino. Alma, que tanto desejas aprender a Me amar, é assim que se ama. Fazes tu assim na hora do sacrifício ou mos -Iras contrariedade, faltando a

mansidão, virtude predilecta de meu Coração, e que faz brilhar as obras de meus verdadeiras servos diante de mim? Se desejas Me amar, faz o (pie Eu fiz; entrega -te nas mãos de teu Deus mansamente, sem repulsas, nem contrariedade; vê em tudo que te acontece o teu Deus, e se assim fizeres, és mestre no amor, porque só se pôde amar nas obras, na dor, na tribulação, emfim cm tudo que seja tra balho ou oração, que custe. Vê como o que te digo é uma realidade. O Amor desceu á terra e tomou uma natureza humana, para, por meio delia, soffrer, padecer, chorar e morrer para mostrar -te quanto te ama! Sim, a minha incarnação no seio de Maria é um surto de amor! Vê como a dôr e o sacrifício são o transbordamento do amor operoso. Entreguei-Me aos algozes mansamente, porque a man sidão é reflexo de bondade e de verdadeira caridade, de que está repleto o meu Coração. Vede o apostolo dizendo: Deus é todo caridade, eis porque Me entreguei delicadamente á Mansidão Divina. A natureza a faz agradável a Deus, por isso se desejas perfu mar todo o teu sêr, pratica esta virtude, porque és templo 'la Santíssima Trindade. Sim, está escripto: A todo aquelle que guardar minha palavra e a puzer em pratica viremos a elle e nelle faremos nossa morada, (S. João), portanto, como morada nossa, deves te esmerar em perfumar todo o leu sêr. Paira serem morada de um Deus, certas almas vivem a se lastimar, dizendo como amarei a meu Deus, pois não o sei amar! A's almas que assim exclamam, digo -lhes: Fazei o que Eu fiz e sereis mestres no amor. Para Me amar não é preciso ter arroubos, nem tão pouco Me vêr com os olhos do corpo, nada disto é necessário; para Me amar é necessário fazer somente o que Eu fiz, trabalhar, rezar, aceitar o sacrifício, a obediência, a humildade e tudo por amor e coni mansidão, dando tempo ao tempo e cada cousa na sua hora determinada. E' assim que se ama, é assim que Eu te amei e te amo. Vê, alma (pie Me ouves, que lições admiráveis de amor! Agora não podes dizer que não sabes como me has de amar. Vamos aos tribunaes, onde uma sacrílega mão se levan tou contra mim, esbofeteando o próprio Deus! Que dizes aqui, de um Deus que se deixa assim humilhar, permittindo a um pobre infeliz que lhe ferisse a sua sagrada Face com uma tremenda bofetada? Que dizes da resposta de teu Jesus aos algozes: Se fiz mal, dizei -Me em que, e se fiz bem, porque Me feris? O' lição admirável de teu Deus, lição de humildade: Se fiz mal, dizei-Me em que? Podia lhe dizer: Vede que estaes ferindo o Filho de Deus, mas, não; com toda a humildade perguntou -lhes: Se fiz mal, dizei-Me em que? Quiz provar -lhe que em mim não havia culpa, e isso com toda a humildade! Vê, alma que Me desejas amar, que é na santa humildade que Me podes mostrar o teu amor. Quantas occaisiões tens de praticar esta virtude! Quantas vezes fores interrogada pelos teus Superiores como procederás? Deves proceder com toda humildade, mostrando a verdade, e depois accrescenrarido se fiz mal, dae -Me uma penitencia; e isso ainda que estejas innocente, porque o - : merecimento está em ser inn: cente e passar por culpado! Vê quantas lições de amor! Alma que Me ouves, não seria melhor provar diante dos Juizes que era Deus, obrando uni prodígio ou sepultando as falsas testemunhas, que Me aceusavam de ser um endemoninhado, um pnofanador da lei de Moysés?! Não seria melhor naquella hora transfigurar-Me como no Monte, para que seus olhos se abrissem? Ah! não; sendo o Rei da humildade, o fui até o fim; não quiz poupar -me! Se com os prodígios operados se convertessem, os que alli se achavam, os teria feito, mas, perscrutando seus corações, comprehendi que de nada valeria tudo o que Eu fizesse; por isso não devia poupar -Me sacrifício, e assim morri no desprezo e na humilhação, passando diante dos Juizes, como um hypocrita, como um embusteiro, conforme diziam elles: Se fosse o que Elie diz que ê, não permittiria que o prendessem, não estaria na nossa presença! Pobres infelizes, cegos pela paixão do orgulho c de tantos outros vicias, não puderam vêr que quem estava na sua frente era o Deus dos exércitos, o Rei dos Reis, que, não havendo humilhação no c éu, a veio procurar neste mundo para pa tentear aos homens seu amor! Vê como se ama! E' na folhagem verdejante que a violeta se esconde! Sim, na miinha sagrada humanidade escondi minha Divin dade e meu poder, para assim soffrer, como victima expia tória de todos os peccados da humanidade. Herodes desejava-Me vêr, para que diante delle ope rasse um prodígio. Pobre Herodes, nem ao menos teve um olhar meu, porque seu

90

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 9 1

coração achava se obsecado pelo orgulho e impureza, dois terríveis peccados, que Me fazem fugir de quem os pratica! Eu só opero milagres com quem é na realidade humilde e puro. Podia operar o maior dos milagres ante aquelle infe liz, pile porém não se converteria, porque, como já ficou dito, só os que desejam a salvação serão salvos. Vê, alma que Me ouves, a suavidade da santa humil dade. Se na realidade fores humilde, terás a ventura de vêr meus prodígios nas tuas obras e na tua própria alma, ouvindo -Me e sentindo -Me como teu verdadeiro Pae, Amigo e Esposo. Portanto, pratica esta bella virtude com amor e serás mestra no amor. Prosigamos as nossas lições de amor, cm que o meu amor se saciou na dôr! Vamos á Flagellação, onde fui esfolado vivo pela força dos algozes! Pilatos, desejando -Mc livrar da morte^ quiz -Me apresentar ao povo, depois de fla-gellado, para vêr se de mim se compadecia elle. Eis porque dá ordem aos soldados que Me flagellem conforme a lei; mas para mim não houve lei! Instigados pelas paixões, fla -gelIaram-Me até Me verem coberto com o meu próprio Sangue! Que dizes desta barbaridade, alma que Me ouves?! Porque permittii tamanha crueldade?! Porque desejava ser saciado de dôr para mostrar -te como se ama! Sim, vê aqui como se ama! Prosigamos nas nossas lições de amor. Na minha sacratíssima Cabeça puzeram uma coroa de ponteagudos espinhos! Bebi nesta hora na fonte da dôr, Para saciar o meu amor. Se não tivesse usado de minha divindade para mais soffrer, não resistiria á dôr que os espinhos Me causaram. Sendo a cabeça uma parte tão deli cada do corpo humano, os algozes se esmeraram em fabri car um tormento especial! Sendo a cabeça, onde se ani nham os maus pensamentos nascidos do coração corrupto, pila soffri os mais horríveis tormentos, porque além da dor causada pelos espinhos, soffri um tormento especial por cada peccado commettido pelos sentidos, e isto por cada «m de vós em particular! Podes avaliar, alma que Me ouves, fPiaes os meus tormentos nesta coroação de espinhos! Para nutii esta hora tremenda de dôr foi um festim, porque meu «mor poude ser saciado! Sim, o amor deseja se expandir 1V' ; s t , n h o r a bemdita, meu amor poude se expandir, sendo Veiado na dôr! ()ò Vê ' c o m o s c am a! N a dô r *e provei meu amor; é na f . ,' .We também Me podes provar o teu. Não te digo que amiques cruzes, mas ao menos recebe com alegria as que te são dadas, lembrando te que a dôr e a afflicção são mei sageiras, que Me podes enviar para dizer -Me que Me amas» Almas ha que, quando se acham na dôr, ficam tristes, porque, dizem, não posso rezar! Pergunto aqui a estas almas: Haverá melhor oração dod que por meu amor supportar a dôr'? Esta oração é a maiS meritória, é a mais agradável a mim, porque foi na dôr que vos abri as portas da Jerusalém celeste. Não foi no monte . Thabor que vos abri as portas da Cidade Santa, mas, sim, quando expirava no alto da Cruz, no meio das mais cruciantes angustias! Vede, almas que não conheceis o valor da dôr, como | ella é meritória e como nella se pôde patentear melhor o3 amor! Oh! alma que Me ouves, desejas aprender a Me amar? Deseja então como teu Jesus ser saciada no festim da dôr, porque a dôr para o amor é um saboroso festim, que, apesar de ser festim, não deixa de ser dôr e de custar ás vezes lagrimas amargas, porém sempre é festim, porque o amor pôde patentear a quem ama que seu amor é real. Prosigamos. Vamos ao caminho do Calvário colher. -novas lições para poderes aprender mais um pouco a scien-cia das seiencias, que consiste em Me amar. Pilatos apresentou-Me ao povo e este gritou: Seja cruci ficado; e não se contentando em Me vêr esfolado, desejava Me vêr morto, porque o peccado desejava matar-Me. Infeliz peecado! Não sabia que morrendo Eu. ellc seria esmagado! Pilatos, não achando culpa em mim, lavou suas mãos e Me entregou ao odio infernal, e como feras indómitas sé arremessaram contra mim, desejando saciar seu odio, ti-rando-Me a vida! Pobres e infelizes, não sabiam elles que na Quinta-feira Santa tinha já operado o maior dos mila gres, ficando com os homens de bôa vontade até o fim dos sécu los, no Sacramento da Eucharistia, emquanto uni sacerdote Me chamar ás suas mãos, naquillo que ha de mais simples, um pedaço de pão!

O' alma que Me ouves, vê que lição admirável de amor! A mais sublime prova de amor — a instituição do divino Sacramento, onde Me dou ás nlmns, como aumento, podendo assim fartai -as de meu santo e puro Amor! Que admirável prova de amor aqui te dei! O amor tende para a união, porisso, ficando comvosco até o fim dos séculos, todos os homens de bôa vontade podem ser Íntimos commigo! Porém aquelle povo não quiz vêr meus prodígios m cego pelo odio de suas paixões, pensou que, dando -Me á morte, não teria mais quem o censurasse! Eis porque alegraram, quando Mc viram nas suas mãos! Foi uma zombaria! Diziam elles: Se fosse propheta, se fosse o Filho de Deus não se deixaria assim flagellar, e agora foi condemnado á morte, e delia não se livra, e em tremen das gargalhadas zombavam de mim! E Eu como um manso cordeiro, aceitando tudo generosamente por teu amor! Que dizes aqui, alma que Me ouves, serias tu capaz de te calar em oceasião como esta, achando -íe innocente e tendo em .•ias mãos o poder de te livrares de tal humilhação? Como procederias? Procederias dizendo a verdade, justificando -te e livrando-tc da morte humilhante! Porém teu Deus assim não fez, calou -se, e neste silencio adquiriu para ti força para também te calares cm horas semelhantes! Teu Jesus nesta oceasião provou -te seu grande amor! Vê que liç§p admirável para Me provares teu amor, quando, como E u, fores injustamente calumniada e quando mofarem de teu modo de proceder. E' assim que se ama e não ha outro caminho para o verdadeiro amor. Grava bem na tua alma estas divinas lições, não as esqueças mais. Seja crucificado e Elie mesmo carregue a Cruz, e m que vão ser crucificado! Assim que a populaça isso gritou, apresentaram-Me um enorme madeiro, no qual devia morrer! A' vista de tão vil instrumento, alegrei -Me, porque nelle havia de estender meus braços, convidando a todos para o meu reino. Oh! alma que Me desejas amar, vê que lição admirável para ti, quando a cruz te parecer dura, como foi a minha; lembra -te que ella foi por mim abraçada, e como deves amar o que teu Esposo abraçou. Além disto, deves saber que a Cruz é a mensageira de minha misericórdia. Sim, foi na cruz que usei de tanta misericórdia! Não Me vês na Cruz, perdoando a todos? Meu Pae, perdoae-lhes porque não sabem o que fazem, Hoje mesmo estarás commigo no Paraiso, João, Eis ahi a ma Mae, Mulher eis ahi teu filho, vê, portanto, alma que tan to desejas Me amar como a Cruz é a mensageira da mise ricórdia! Que lições admiráveis aqui te deixo. Alma minha, abraça, portanto, a cruz de cada dia, se u °sejas ser verdadeira amante de teu Deus, que não se pou -P°u tiara te ensinar como se ama. Vamos colher mais algumas lições para ti. Vamos ao arminho do Calvário. Carregando a Cruz pesada de todos s . Peccados da humanidade, já sem forças, apresenta -se a n .' n \ ° que tinha de mais caro neste valle de lagrimas, mm bemdita Mãe, envolta em um véu de triste za inexplicavei, apenas transbordando em lagrimas, imagem de sua 1 grande dôr! Quando meus olhos puderam fitar os seus, quasi desfalleoi de pena, vendo minha tão terna Mãe era tanta dôr, por vêr -Me em tão lastimoso estado! Maria não proferiu palavra! Seu silencio falou -Me e a Mãe e o Filho st entenderam. Sim, Maria leu no meu Coração e Eu li no seu! E no I nosso doloroso silencio quantos thesouros armazenamos para hoje com elles vos enriquecer! Alma que Me ouves, será que Eu te nho um Coração insensível para proceder desta forma!? Não poupei minha própria Mãe para dar -te mais uma prova; usar desta forma com minha Mãe, cujo coração é mais terno, mais amoroso do que o de todas as Mães reunidas ilo universo? Porque não tive compaixã o, poupando -a desta grande dôr? Ah! é porque o amor por vós assim o exigia; queria deixar -vos uma Mãe e uma Mãe cheia de merecimen tos, eis porque a fiz participante de meus tormentos e das minhas angustias! Não poupei minha Própria Mãe para dar -te mais uma prova; usar desta forma com minha Mãe, cujo coração é mais amar! E' assim que se ama e não ha outro caminho para o real amor! Sim, a estrada real do amor é a dôr; grava bem na tua alma estas admiráveis lições e serás mestra no verdadeiro amor.

j

90

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 9 1

Vamos colher mais algumas lições de amor. Subamos o Golgotha — Monte Sagrado — onde patenteei á humani dade meu infinito amor! Escuta como o verdadeiro amor se mostra por diver sas formas. Perdoar aos que nos offendem é a mais admirável prova de amor, portanto alma que desejas tanto Me amar, vê que sublime lição para ti, perdoando não aos teus amigos, por que perdoar aos que nos ama é muito fácil, mas perdoar aos que nos odeiam, aos que, como assim desejavam vêr -Me morto, isto é que se chama verdadeiro amor, portanto o perdão é a manifestação mais cabal e mais real do verda deiro e solido amor! Porque Eu pedi perdão para os algozes? Porque os amava e porque os amava desinteressadamente! Sim, amo o hoimem sem outro interesse, a não ser o de vêl-o feliz-Eu não tenho necessidade de minhas creaturas, mas Eu as amo, porque foram criadas para gozar de nossa felicidade. Vê, almla que Me ouves, que admiráveis lições de amor! Sem interesse vos amo e ainda assim sou desprezado, sou fepellidol Oh! Ainda assim Eu vos amo, porque sois meus filhos, resgatados com o meu Sangue! Ah! Por amor de vossas almas, amae -Me e sereis felizes, e tu alma que Me ouves, tens agora lições admiráveis! E se fizeres o que aqui te ficou dito, serás douta no amor e teu doce Jesus te abençoará eternamente pelas mãos da Rainha do Amor, Maria, minha terna Mãe. Do Reino do Verdadeiro Amor. 26 -10-1931.

Lapidações de amor

A

LMAS minhas, que tanto desejaes a perfeição, vou hoje mostrar -vos que meu amor é o cinzel sagrado, que vae lapidar vossa alma, para que a s minhas divinas perfeições em vós se reflictam. As muralhas da Patria amada, disse João no seu Apo calipse, são formadas de pedras preciosas. Sim, é por esta linguagem que podereis comprehender as riquezas, que se acham no Céu. . . Vou hoje, amadas minhas, dizer -vos que vós sois também pedras preciosas, que um dia haveis de ornar a minha cidade santa; mas é preciso que estas pedras sejam ilt valor c bem lapidadas, formando já neste mundo as muralhas de minha Santa Egroja, para que os meus inimigos nella não entrem. Amadas minhas, a pedra preciosa acha -se envolta de teria, poirque na terra foi creada, e sem ser lapidada cila não tem brilho. O seu fulgor acha-se escondido até que, a Poder de cinzeladas, ella se torna brilhante. A vossa alma é também uma pedra envolta no bruto. *im, ella apparece neste mundo manchada pelo peccado de «dão. No Sacramento do Baptismo torna-se esta alma limpa, Porém não brilhante, porque o brilho está reservado para 0 divino cinzel, que é meu amor. E' verdade que se morásseis depois do Baptismo entraríeis no Céu immediata-toente, mas não brilharíeis como as almas, que forem lapi dadas pelo amor. Vamos ver, amadas minhas, como o amor lapida as "mas que lhe são dóceis. . Depois do Baptismo vêm os sacramentos da Penitencia, a Sagrada Communhão e os Conselhos evangélicos. Tudo isto é frueto do amor, tornando a alma cada dia mais bri lhante e mais semelhante a mim. Porém o amor não se contenta com este brilho, elle deseja que minhas perfeições reflictam nestas almas, que lhe deram acolhimento. Vede tantas almas soffrendo terrivelmente torturas de toda espécie, depois de praticar os conselhos evangélicos! O que vem a ser isto? E' o divino cinzel lapidando a alma, para depois lapidar também a morada desta alma, o corpo.

amadas almas, o motivo pelo qual gemeis depois de tão genero samente abraçardes a perfeição. O meu divino amor é muito exigente, e quem se lhe entregar tem de ser cinzelado, porisso quem nao quizer ser cinzelado, a elle não se entrega; saibam, porém, que sem. elle não ha perfeição. Almas minhas, desejo-vos vôr perfeitas conforme -as exigências de meu amor, eis porque, dando -vos estas lições de amor, desejo que vos entregueis ás suas exigências, sem reclamações, sem temor nem tristezas. Continuemos para que comprehendaes bem o que o amor pôde fazer, para que assim não vos alarmeis, quando sentirdes o que meus verda deiros servos sentiram e o que minha amadissima Mae sentiu. . . Uma alma, que deseja immensamenite Me amar, despreza o mundo com suas commodidades e promessas enganado ras, entra para a religião, abraça os conselhos evangélicos com immensa alegria e em tudo acha prazer. O meu amor a satisfaz, a obediência torna -se para esta alma um doce festim, a pobreza causa-lhe immensa satisfação, a pratica da pureza faz-lhe ver, com os olhos da fé, seu Divinal Esposo rodeado de Virgens. O amor desejoso de lapidar esta ajma, a enamora e lhe faz desejar o sacrifício. Começa então » pedir sacrifícios! Meu Deus, dae -me a loucura da cru*, dae-nie o maiiyrio de amor, a sede de humilhações! Esta a hora bem data em que o Divino Lapidador começa a usar de seu cinzel. O que se passa com esta alma hontem tão fervorosa? Sente hoje que já não tem mais aquelle desejo de estar aos pés do altar, custa -lhe tanto ahi permanecer! O que é que aconteceu a esta alma tão fervorosa? Aconteceu o que cila pediu a loucura da cruz! O Divino Amor começou sua obra de perfeição. Primeiramente estava aos pés do altar pela consolação que recebia, e agora está porque é a vonta de daquelle que a chamou á perfeição. O que aconteceu a esta alma que hontem obed ecia alegremente e com satisfação, e hoje tanto lhe custa obedecer? E' que esta alma está sendo lapidada na sua obediência. Obedecia com satisfa ção própria e hoje o amor tirou-lhe esta satisfação, para ensinar-lhe a obedecer somente por amor de seu Deus, dando -lhe assim oceasião ao amor de cortar o gosto sensi tivo, obedecendo somente com espirito de fé! O que aconteceu com esta alma que hontem sorria, quando a superiora lhe pedia sacrifício e hoje tornou -se melancólica? Aconteceu que o divino cinzel está desbastando todas as imperfeições da pedra, tirando -lhe toda a consolação humana e divina; e ella, como ainda não conhece a verdadeira virtude, que consiste em gostar sem gostar, em sorrir sem gostar, em obedecer sem ter vontade, esta alma, que hontem estava, mergulhada nas consolações e hoje tudo lhe foi tirado, sente -se melancólica colérica e enfada-se! Começa esta alma a sondar os desígnios de Deus e a pedir -lhe satisfações. Porque assim procedeis cominigo? aizeni tantas almas. Pobres almas, por ignorância assim fazem, esquecem -se de que se entregaram ao amor, o qual as está cinzelando para as tornar brilhantes como o sói, °nde as minhas perfeições podam ser reflectidas. Esquecem-se que nos ardores em que se achavam. Me disseram: oae -me Senhor, a loucura da cruz, a sede de humilhações e o iiiartyrio do amor! Como se pôde ser louco na cruz, se não fôr nella préga-< l ü ' Como se podo ter sede de humilhações, sem ser nelías »aciado? Como se pôde soffrer o martyrio do amor, se não m marlyrisado?! E' preciso, almas minhas, que tanto de-Çjaes a perfeição, que reflictaes e leveis a sério negocio tão >i Portante. A perfeição não se adquire nas consolações, oytue es ta s s a o p a n | 0 C éu ; a p er f ei ç ã 0 só s p a( I (m i ,. e puqer ( ] e cinzeladas e estas dolorosas! Oh! se conhecêsseis stii valor as desejaríeis, ainda que com sacrifício! Como lhe r - a m í í d issima Mãe foi cinzelada pelo amor, sempre M - " dócil. Não vos illudaes, caríssimas esposas, minha • ac nao viveu mergulhada nas consolações; Ella, desde os

Vede uma alma que procura ser obediente, casta e humilde, quanto mais procura ser perfeita, menos perfeita se julga! Como entender isso? E' o divino cinzel desbastando a pedra para descobrir seu brilho. Porque uma alma, depois de renunciar a tudo que é menos puro, ainda se acha em afflicção, pensando que não é pura e está muito longe de praticar a pureza? Ah! é porque o divino cinzel está desbastando a pedra e tirando tudo o (pie nella seja menos brilhante. Porque uma alma, depois de fazer o seu voto de pobre za, acha que não é verdadeiramente pobre á imitação de seu Esposo? E' porque divino cinzel está tirando tudo, que possa offuscar o brilho desta pedra preciosa. Eis,

10

38

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

105

*
tres annos até sua morte, teve muitas consolações é verd~ de, porém depois de mim, foi no mundo, quem mais soffre Se Maria que, não tinha a culpa original, foi assim cinzela da, como vós não vos haveis de entregar ao divino Lapidador, para vos tornardes brilhantes e assim poderdes serfl pedras de valor? Amadas filhas, esposas queridas, quantas almas por in felicidade não chegam a ser brilhantes, porque não se dei xam lapidar! Aqui fique bem patente, que todos os que de sejam ser brilhantes tem de ser lapidados, e nesse trabalho quanto mais dóceis forem, mais brilhantes serão. Serão la pidados na fé para mais Me verem no Céu, lapidados na es perança para mais serem inundados de mim mesmo, lapi dados na caridade, para mais saciados serem no meu amor. O' almas que desejaes a perfeição, lembrae -vos que se nsto fordes mergulhadas no fogo, não podereis ser amoldadas em mim: portanto, alma que hontem tanto desejavas a loucura da cruz, e que hoje estás pregada de pés e mãos, conforme desejavas amar-Me até o sacrifício, agora ten s de Me amar, não na satisfação, mas na dôr, porque é assim que vos ensinei a Me amar no alto da cruz! Almas que Me desejaes amar, dissestes -Me que desejáveis as humilhações e que delias tínheis sede; vede como agora, estaes saciadas nesta sede; como o de mônio vos humilha, dando -vos pensamentos tão baixos e fazendo com que os homens vos calumniem, vos injuriem e vos levem até aos tribunaes, como Mc levaram a mim! Almas, que hontem Me pedíeis martyrio de amor, hoje estaes dizendo: O* Meu Deus, não vos enco ntro, não vos acho nem na oração, nem tão pouco no trabalho. Este é o martyrio de amor. o anal fez minha Mãe sahir des+e mundo em procura de seu Amado. Tudo isto, filhas minhas, são cinzeladas aniT-osas, que tornam vossas almas mais brilhantes que o sói. Vamos ver agora, como a morada de vossas almas deve ser cinzelada, tornando assim no dia do Juizo Universal, vossos corpos merecedores de resurgirem gloriosos do sepulcro, dando -lhes a v°ntura d° se unirem de novo á alma, que se acha tão repleta de felici dade! Eu, descendo ao mundo, tomei um corpo, formado pel Plsoirito Santo no S<MO de Maria; portanto, esta natureza humana, tão decahida pelo peccado dos primeiros paes, ficou honrada por mim, tomando -a como morada de um» alma, na qual ia mostrar -vos minha ímmensa misericórdia-Portanto esta natureza humana, sendo companheira e mo' rada de uma alma, creada pelo amor, tem de ser beneficia da, sendo também ella cinzelada pelo amor. Como a natureza pôde ser cinzelada pelo amor, se ella tem tão más inclinações? Sim, pôde ser cinzelada e tornar-se de matéria bruta em matéria bella, pela qual a alma irra dia as divinas perfeições, nella esculpidas pelo amor. Amadissimos filhos, chamo aqui a vossa attenção para Maria Santíssima. Vede todo seu exterior irradiando o qu e lhe ia na alma, quando os discípulos amados chegavam de suas penosas jornadas de apostolado. Só um olhar de Maria era o sufficiente para os deixar de novo com força. O que é que fez com que Maria, somente com simples olhar, desse tanta força aos que tiveram a ventura de fital-a? E' porque o amor lapidou todo o seu exterior, dando-lhe assim olhares de misericórdia e de compaixão de meus caros discípulos. Deixemos agora Maria, vamos ao encontro de meus outros verdadeiros amigos. Porque um doce sorriso delle s derruba por terra um malfeitor? Quantas vezes os meus servos foram assaltados por malfeitores e, á vista destes verdadeiros amigos, eram desarmados com um simples sorriso -. Porque com tão pouco uma muralha de odio cahiu por terra? Porque a natureza destes servos foi cinzelada pelo amor. Como o amor pôde cinzelar o exterior? O amor cinzela o exterior, dando á natureza um desejo vehemente de se tornar uma imagem perfeita de mim. Oh! almas que Me ouvis, se pudésseis ver qual a docilidade de todo o meu exterior, desejaríeis ser minhas copias perfeitas! Mas haverá necessidade disto? Sim, porque vós sois morada da Santissima Trindade, e não se pôde com-prehender um santo sem gravidade. E' preciso que a na tureza a pratique para merecer o que vae ser e gozar no céu. E' preciso que a natureza seja sujeita ao espirito. Sendo como sois filhos do peccado, a vossa natureza em si tem inclinações perversas, porisso o amor precisa lapidal -a, tornando-a, de bruta, uma pedra preciosa, omde todos pos sam ver minhas divinas perfeições. São dolorosas estas lapidações; sim, são dolorosas e custam tanto, que muitos toon-eram no combate, sem ter adquirido o descanso neste mundo. Como o divino Lapidador começa a lapidar pelo co- r a Ção, são estas lapidações as mais dolorosas e difficeis á natureza. O coração é um terrível inimigo, que muitas Vezes Me expulsa para longe, quando elle envereda para o nial, mas se é dócil o divino Lapidador, torna -se o c p ntro de todos os affectos, de todas as acções as mais sublimes, «m favor da própria perfeição e em favor de minha gloria, vuanta dôr, porém, causam as divinas cinzeladas para des gastar esta preciosa pedra, que se vae tornar o reflector da nivina caridade e onde se aninhará o amor puro e santo

106

Ö Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

39

para com Deus. Vede, como o divino Lapidador começa a engastar esta pedra. Uma donzella rica deixa seus queridos paes, suas rique zas e seu bem estar; isto lhe causa immensa dòr porque o seu coração se acha apegado a tudo, entretanto o divino cinzel começa a trabalhar, a dar seus primeiros retoques. Soffre-se com estas cinzeladas amorosas, mas apezar de soffrer, cila é forte e abandona tudo que o seu coração lhe pedi deixando -se levar pelo divino Lapidador para seu coraçã ser esmerilhado no amor. Esta donzella entra para a vida perfeita, seus cálculos 1 estão cumpridos, mas seu coração lhe pe de affeetos, lhe pede carinhos; e isso porque o coração ainda não está com pletamente desapegado! O' cinzeladas dolorosas que vão bater fortemente para deste coração tornar um vaso de eleição, onde Eu vou depositar a caridade perfeita, uma humildade profunda, juntamente com a qualidade mais preciosa que no meu Coração habita — a santa mansidão. Mas, para este coração ser ornado com tão sublimes qualidades, é preciso que seja martyrisado pelas cinzeladas do meu amor, tiran-do-lhe tudo o que é da terra. Este trabalho é longo e penoso para quem deseja ser saciado de minhas qualidades. Oh! manhas amadas, que Me ouvis, quem desejar ser em minhas qualidades engolfado, é preciso que soffra este mairtyrio do coraçâlo. Sim, o divino cinzelador que é meu amor, em-quanto não encontrar o coração esmerilhado pelo mesmo amor, não descança, não vos deixando descanço, causando -vos agonias dolorosas. Se fordes fortes, sereis esmerilhadas no meu amor, tornando vosso coração um vaso de eleição, onde as qualidades de meu Coração serão depositadas, podendo assim beneficiar a vossa própria alma, dando estas mesmas qualidades a todos que delias tiverem sede. Depois de bem lapidar o coração, vem a necessidade de lapidar todo o vosso exterior, a lingua, os olhos, os_ou vidos, emfim toda a vossa natureza, a qual deve respirar santidade como um corpo, onde habita a Santíssima Trindade. Como o divino Lapidador cinzela a lingua? Dando-lhe horror a toda a palavra vã, dando-lhe amor ao silencio e desejo de somente louvar a seu Deus. Isto, porém, se fa& sem martyrio? Ah! não, são dolorosas as cinzeladas, quando se sente o desejo de commentar certas cousas que para se calar causa um tormento a que muitas almas nao resis tem. A segunda emboscada do inimigo é com a pessoa que encontram: dã o azas á lingua, satisfazer.do-lhe! A lingua, é uma arma terrível para o mal e uma arma bemdita para o bem; por isso, cila, sendo regidada pelo amor, torna -se uma espada bemdita nas minhas mãos. Oh! a lingua de meus verdadeiros sorvos, que se deixaram cinzelar pelo amor, foi uma espada bemdita nas minhas mãos e que usei para a derrota do inimigo, mas para isto é necessário que ella seja dócil nas mãos de tão sábio artista, como é meu amor. Sim, a lingua que é impulsionada por meu amor, nív detrata, só fala por necessidade e com caridade, esta língua terá no céu a ventura de falar commigo, lou-vando-Me de um modo especial; porisso, esposas amadas, enlregae vossa lingua ao divino artista e ella será espada bemdita nas minhas mãos. Prosigamos a descrever as div inas lapidações, Como o amor lapida os olhos? A visão é um thesouro da natureza humana e um reflexo da alma. Pelos olhos os meus santos desprendiam raios de luz! Ah! olhae um meu servo, e logo percebereis por seu olhar que te m uma alma cândida, mas para chegar a isto, é necessário que sejam estes olhos lapidados pelo divino cinzel. Como o divino cinzel lapida os olhos? Lapida-os quando os obriga a se fecharem para tudo que é da terra e para somente Me verem em tudo o que fazem. Não é isto um martyrio, trazer sempre os olhos fecha dos para as curiosidades e novidades? Sim, é um martyrio, o qual dará no céu a estes olhos a ventura de Me contem plarem mais perfeitamente. Já neste mundo estes olhos irradiarão luz para os que ainda andam n as trevas. Entregae, amadas minhas, os vossos olhos ao divino LapidadOr e elles serão soes, reflectores de minha divina Luz! Prosigamos. Os ouvidos também devem ser cinzelados pelo divino amor! Vede como isso ha de ser. A curiosidade de saber tudo é um per igo para a alma, porisso o amor precisa cinzelar, cortando esta curiosidade, fazendo com que vossos ouvidos ouçam somente cousas santas. Se a vossa missão é de ouvir cousas que vos desagradam, a caridade a isto vos impulsione, porém, quando se tratar de ouvir cousas por curiosidade, .ou cousa que to-(piem na honra do vosso próximo, não deis ouvidos, deixae o divino Lapidador trabalhar, mortificando -vos neste ponto e hinbrando -vos que se vos deixardes assim lapidar, tereis a ventura de serdes na pátria amada innebriadas de divinas melodias.

Entregae-vos ao divino cinzel, que Elie bem sabe dar suas cinzeladas amorosas, dando -vos um horror de ouvirdes curiosidades e palavras vãs. Emfim, todo o vosso exterior, amadas minhas, deve ser ciiiz"la(!o pelo amor; o vosso modo d'e andar, sentar, etc. Sim, como templo da Santíssima Trindade, o vosso porte deve ser nobre; deixae portanto retinir o divino cinzel, pois Elie sabe fazer obras de arte. O vosso Jesus que vos abençoará eternamente, se estas cousas souberdes praticar, deixando-vos cinzelar pelo meu amor, que vos deseja ver perfeitas, mas que para isto é ne cessário receber os seus golpes com dôr. Jesus Crucificado, do Reino do amor. Pelas mãos de Maria. 7-11-1931.

* I

Amor manifesto na pedra preciosa da Santa humildade

R eMAVENTURADOS todos os que descobrirdes esta pe-dra, porque na

posse delia sereis semelhantes a mim! Aprendei de mim que sou humilde de Coração e não somente de palavras. Caríssimos Superiores, á vós dedico estas paginas, aprendei nellas a sciencia das sciencias. a mais difficil de todas as virtudes, que é o fundamento de toda a obra per feita. Vou conduzir-vos, amados meus, á minha vida, porque é de mim que deveis aprender a verdadeira humildade. ] Disse-vos ao começar que o amor sic manifesta na santa humildade. Sim, na realidade é, em um surto de amor pelos homens, que o Amor cria um corpo humano nas entranhas de uma humilde donzella. Mas, Eu vos pergunto, não podia Eu salvar -vos sem praticar este tão grande acto de humildade, abraçando um corpo humano semelhante ao vossop rebaixado pelo peccado, e tão desprezível?! Sim, o amorï porém, quiz começar a sua obra com este' infinito acto de) humildade ! Si fosse possível a um monarcha trocar com um lepro -' so seu corpo, o que diríeis deste monarcha? Diríeis elle está louco, foi deixar seu corpo são ao outro e tomou para si o desprezível! Amados filhos, Eu, o vosso Deus, vim a este mundo tomar sobre mim a lepra de vossos peccados, tomando uma natureza, na qual ia soffrer as torturas as mais atrozes e mais vis! Vede, amadissimos filhos, como o meu primeiro surto de amor foi abraçando a humildade. Este corpo foi, como o das outras crianças, crescendo aos poucos no seio de Maria, quando, entretanto, por um milagre, podia appare-cer já no mundo com a edade perfeita, sem nenhuma necessidade de ser semelhante ás outras creanças. Ah! o meu grande amor por vós dava -me desejo de me humilhar até o infinito! Eis o motivo pelo qual passei nove mezes como as outras creanças no seio de Maria. E' que o amor só se acha saciado com a deliciosa bebida da santa humildade. Alais tarde, amados meus, ia vos falar: Aprendei de mim que sou humilde, mas como vos poderia dizer isto, se. Eu mesmo não praticasse a humildade? Vós sabeis que o exemplo arrasta. E' deste ponto importante que mais tarde vos desejo falar. Prosigamos a percorrer minha vida. O que vedes? Uma creancinha escondendo sua sabedoria, sua divindade, e -seu poder, como todas as creanças crescendo, e brincando, tieceitand o os ensinamentos de Maria e de José e obedecen -Uo-lhes como um bom filho deve fazer. E para que tudo sto? Para dizer -vos hoje: Aprendei de mim, que sou hu milde na pratica e não somente nas palavras! Percorramos a minha vida de humildade. José é avisado em sonho pelo anjo que fuja para o Sgypto, porque Herodes procura dar-Me a morte. Arriados filhos, Eu accaso deixei de ser Deus, tomando iin corpo humano? Porque então é necessário que um anjo ■ cnha avisar a José? Não sabia Eu o que se ia passar? Não sabia Eu da perseguição de Herodes?

106

Ö Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

40

Porque não avisei José directamente? Para que servir -Me de um anjo, vindo do céu? Ah! a violeta estava escondida na sua verde ramagem e não desejava ser vista! Sim, apezar de siaber de tudo, da perseguição de Herodes, calei-Me e no meu silencio prati quei um sublime acto de humildade, não revelando minha sabedoria a minha Mãe e a José, que tanto Me amavam! Assim procedi, porque desejava hoje dizer -vos: Aprendei de mim que sou humilde de Coração, e isto na verdade. Prosigamos. Fui para o Egypto com Maria e José. Pin outro prodígio de humildade! Para que fugir? Não era Eu o autor de todo o creado? Não podia dar a Herodes unia morte instantânea? Além disto não podia Eu tornar -Me invisível á vista dos executores da lei de Herodes? Para •lue fugir para terras extranhas, onde íamos passar pri vações? Oh! amados filhos, o meu grande amor precisava bri lhar na humildade, eis porque, como uma creança com -muni, fujo com medo dos algozes! Oh! á vista deste quadro de minha vida, E u no meio do deserto nos braços de minha Mãe, toda assustada pelo medo dos algozes, nem uma palavra disse a Maria; deixei-a, como Eu, praticar a santa humildade. Parece, á - primeira vista que esta fugida foi pusilani -m iria de! Sim, por vosso amor soffri esta humilhação volun tária! Quantas vezes os meus santos não fugiram aos algozes, de modo que os tormentos e os supplicios, que lhes arma ram não os attingiram, emquanto que Eu, o Deus dos exércitos, fugia ao odio de Herodes, quando delle podia zombar! Vede até onde chegou minha humildade, até parecer covardia! E' preciso que chegue a hora da morte de Herodes para voltar. Um anjo de novo avisa José que não ha mais perigo para o menino. Oh! meus filhos, haverá algum perigo para Deus, que tem em suas mãos todo o poder?! Com isso quiz manifes -j tair meu amor aos homens! Eis porque depois de voltarj mos, continuo silencioso a crescer cm edade, sabedoria ej soiencia. Chegando assim a edade de trinta annos, comecei mH nha vida apostólica, com um grande acto de humilhação, deixando-Me baptisar por João, o qual dizia de si: Eu nêb sou digno de desatar a conrea de seus pés, referindo-se a mim, mas Eu quiz mostrar a este homem que até elle cheJ gou o Grande todo revestido de humildade! Sim, até João Baptista cheguei, fazendo com que elle derramasse sobre minha cabeça agua, pois com este grande acto de humildade, ficou aberta a porta aos filhos para entrarem na girando arca salvadora — A Santa Egreja. Podia, amados meus, chegar junto de João c dizer -lhe aqui está Deus. Vou neste momento instituir um grande Sacramento, mas, não; Eu, silencioso, comecei minha obra. Que necessidade tinha Eu de ser baptisado pelas mãos de um meu súbdito? Acaso havia em mim, culpa original? Ah! nã o, apesar de tomar sobre mim todos os peccados, em mim não produzdram mancha, mas, sim, como um fardo so bre meus hombros, os expiei. Assim, amados filhos, foi que comecei minha vida apos tólica, com este grande acto de humildade! Prosigamos. Depois deste grande acto de humildade, fui ao deserto fazer penitencia para pregar minha doutrina. Acaso minha língua não estava bastante pura? Acaso meu Coração tinha -se manchado? Ah! não, assim quiz Me hu milhar, fazendo penitencia pelos vossos peccados. Podia somente vos ensinar a fazer penitencia, mas Eu quiz ser o primeiro, para que o demônio não vos pudesse dizer: Elie só vos ensina, mas nao o faz. Amados filhos, estando no deserto, permitti que o demônio Me tentasse de muitas formas. Como deixar um demônio se approximar de mim, a pureza infinita? Ah! sabia Eu que a tentação é uma fonte de humildade, porisso deixei -Me assim tentar, para dizer-vos que soffrer tentação é um bem, pois faz a alma andar sempre vigilante e em continua humildade. Vamos á minha vida publica. Vêde -Me, percorrendo a pé as ruas; e que jornadas dolorosas, em procura das ove lhas tresmalhadas, ao sói ardente, passando muitas vezes fome e sede! Oh! almas que Me ouvis, quem vos dá os alimentos? E' minha bondade, que diss e á terra: Produz fruetos e sê obediente ao homem, proporciona -lhes os ali mentos os mais substanciosos. Quem criou os rios e as fontes? Quando Moysés quiz matar a sede dos que o acompanhavam, fiz brotar uma fonte de agua crystalina, e o autor de tudo isto passa fome, passa sede, anda a pé, muitas vezes descalço e com a cabeça exposta aos raios do sói! Não podia Eu dizer ao sói, diminue teu calor, porque aqui está o teu creador? Sim, assim podia fazer e como assim podia

obrar, maior foi a minha humilhação . Se um camponez trouxer no seu corpo um vestido remendado, não é tanta humilhaçãb, porque elle é pobre; mas se um Bei assim se trajar é uma acção digna de nota, porque elle é rei. Assim também diga-se de Mim, o vosso Deus, que, por ter nas mãos todo o pod er, todos os meus actos de humildade são infinitos! Sabendo que minha hora estava próxima, não querendo deixar -vos orphãos, em um surto de amor instituo o mais estrondoso dos milagres, a minha permanência entre vós até o fim dos séculos! E como opero este milagre? Em santa humildade, pois em um pedaço de pão oceulta-se a magestade de um Deus! ( O' filhos meus, não ficaes pasmos diante deste acto de humildade? Aquelle que enche os céus com a sua magestade e poder, querendo ficar comvosco até a consummação dos séculos, opera o mais heróico acto de humildade, ficando em tanta simplicidade em um pedaço de pão, ficando assim sujeito e obediente o voz de meus ministros e mesmo daquel as que Me profanam! Sim, Eu desço ás mãos do Padre santo, como ás mãos "° impuro , pois, por estes mesmos, pronunciadas as pala vras da consagração, sou obrigado a descer, porque esta é minha vontade de estar com os filhos dos homens. Prosigamos na nossa narração. Permitto que Me con-demnem á morte! Antes disto permitto que a força da dòr Me esmague! No Gethsemani escondi minha divindade, e por terra, esma gado como um verme, peço auxilio ao Pae! O' lição de humildade, o Pae envia um anjo para confortar o proprio Deus! Deixo finalmente que Me condemnem á morte e que Me matem, segundo suas paixões ordenam, e Eu aceito tudo com toda a humildade, pedindo perdão pelos algozes! Amiadissimos filhos, mostrei -vos em poucas palavras, como minha passagem por este exilio foi toda de humildade. Desejando pregar a minha doutrina, e com proveito, foi necessário que assim praticasse a humildade, porque esta é a base da perfeição, pois, sem ella, todo o esforço para se chegar á perfeição é inútil. Os soberanos da terra, caríssimos superiores, a quem principalmente dirijo estas paginas, se impõem pelo seu poder, pela sua grandeza, pela sua magestade. O Rei dos reis, assim, não obrou. Elie se impõe a vós com a sua infinita humildade! Vede -Me lavando os pés dos amados após tolos, e a Pedro que a isto se recusava, disse: Se nãt» Me deixares lavar os teus pés, não terás parte commigo. Sim, amados superiores, que tendes almas para lhes mostrardes o caminho do céu, não é pela autoridade que tendes que os conduzireis a mim e que lhes mostrareis o meu amor. Ah! não, é pela humildade que elles ouvirão vossos conselhos, é pela pratica desta humildade, que os conduzireis a mim e que. amolecereis seus corações. Os grandes da terra se fazem obedecer pela sua autori dade, mas vós, meus representantes, sereis semelhantes a mim, fazendo -vos obedecer pela humildade c mansi dão, qualidades indispensáveis a um superior. Vós todos que tendes o poder de eleger superiores, jamais elejaes superiores, que não almejem estas duas qua lidades, humildade e mansidão; porque se elegerdes superiores sem estas duas qualidades, será um desastre; estes superiores não governarão segundo meu espirito, mas, sim, segundo suas paixões! Errados, muito errados estão os que dizem que é neces sário se impor para ser obedecido! Ah! A imposição que devem ter os que desejarem ser obedecidos é uma humil dade a toda prova e uma doçura tirada de meu Coração, que disse: Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração. Em verdade vos declaro que, apesar de Judas não attender aos meus amorosos olhares, não Me impuz usando para com elle de energia. Ah! não; escondi meu poder e respeitei sua liberdade, apenas disse -lhe, se tens de ir, vae já. Oh! admirável lição para vós, caríssimos superiores, o Rei dos reis esconde seu poder e quer ser obedecido, não indo poder que tem de mandar, mas, sim, pela sua grande humildade, pela sua doçura a toda prova! A todos que desejarem ser meus verdadeiros representantes, assim lhes or deno: Fazei-vos obedecer por ajnOr e não com temor. Quan do um vosso filho cahir em alguma falta, que elle não tenha medo de se approxhnar d e vós, mas, como Eu fiz com Pedro, lançae -lhe olhares de compaixão. Pela vossa humildade, dizei-lhe: Filho não temas, porque Eu muitas vezes cahi. Sim, mostrae-lhe que vós também sois humanos e que todos estaes sujeitos ás mesmas fraquezas, e se assim fizerdes, o vosso súbdito retirar-se-á de vós confortado para proseguir a sua jornada. Errados andam os superiores que oceultam suas fraquezas á vista de seus súbditos, porque taes fraquezas contadas por vós, são uma prova de con fiança que daes aos vossos súbditos, são oceasiões que lhes daes, delles também poderem contar suas misérias. Mas se vos virem como santos de altar, elles desanimam, e dizem: Eu jamais poderei chegar a este ponto! Sendo assim e o superior

106

Ö Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

41

exigindo, como deve exigir, perfeição de seus súbditos, estes não sabem o quanto lhe custou chegar a tanto. Aquelle cahiu muitas vezes, como, porém, o súbdito não viu, pensa que só elle cahe, só elle é fraco! Eis, amados superiores, também porque se desejaes dar força aos vossos filhos, deveis vos humilhar, contando al guma de vossas fraquezas, pois este acto de humildade será uma porta pela qual entrará a minha força nos seus corações. Amados meus, os orgulhosos do mundo desejam que ninguém lhes impute faltas, mas, vós, meus representantes, deveis fazer como os meus verdadeiros servos fizeram e fazem. Conhecendo sua nullidade, não a escondem aos olhos do mundo, eis porque Eu nosso edificar nestes corações humildes e os torno semelhantes a mim, impondo a elles ser amado, porque sou bom, porque sou manso e humilde de coração. Deixae os giandes da terra se imporem por seu Poder, mas vós, que sois meus, imponde -vos porque sois bons, porque sois humildes e mansos. Aprendei de num que sou manso e humilde de coração c se aprenderdes de mim, sereis como Eu nobres, ricos de. minha graça e governareis segundo meu espirito.. Vosso Deus, que vos diz mais uma vez: Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração. Pelas mãos de Maria. 10-11-1931.

O retiro espiritual

A

MADISSIMAS esposas, o retiro é uma ne cessidade para a alma, pois, todos os que desejarem a perfeição preci sam de um retiro bem feito, ao menos uma vez por anno. Qual é a necessidade que vos obriga a um retiro? A vossa alma vdl -a mostra: Ouvir a minha voz, para poderdes ser instruídas no meu amor. Jamais se ouviu dizer que alguém amasse a quem não conhece; eis, portanto, a necessidade do retiro, porque é nelle que Eu falo ás almas, ins -truindo-as no amor, fazendo -as conhecer suas imperfeições,' para que, conhecendo -as, as detestem, e assim possam abraçar o perfeito. Eu mesmo vos dei este exemplo da necessidade do retiro, quando fui para o deserto e alli permaneci quarenta dias longe das creaturas, tratando somente dos interesses de meu Pae. Tinha Eu, porventura, necessidade de retiico? Não, porque sendio perfeito, sendo Deus, todo o bem se achava em mim, mas assim Me retirei, para hoje dizer -vos que o retiro, sem excepção, é uma necessidade para todos que desejam a santificação. Esta necessidade de retiro bem a comprehendeu- Maria, minha bôa Mãe, quando tomou parte com os apóstolos no grande retiro em que o Espirito Santo operou maravilhas sobre todos elles, que se achavam ainda nas trevas da ignorância. Os meus escolhidos, que hoje ornam a cidade santa com as suas virtudes, comprehenderam a necessidade do retiro. Eil-os procurando, como Francisco de Assis, o monte Alverne, onde por quarenta dias permaneceu em silencio, ouvindo a minha doce voz. Em troca da sua correspondên cia, enviei-lhe um anjo, que o feriu com o meu amor, imprimindo no seu corpo os signaes da vossa Redempção, sel-lando para sempre sua alma com o meu amor, tornando -o um outro serafim! Eis como os meus santos comprehenderam a necessi dade do retiro, porque é no silencio que Eu falo ás almas, e só as almas que Me ouvem poderão ser santas. Amadas esposas, desejo que vos compenetreis bem da necessidade de um retiro bem feito e das vantagens que delle podereis tirar. Sim, de um retiro bem feito depende a vossa santificação. Os santos procuravam a solidão dos bosques e, longe do bulício do mundo, ouviam minha voz; a vós, porém, uma outra solidão vos dou, esta solidão é no meu coração. E' para esta solidão bemdita que estes dias vos retirareis, procurando, quanto vos fõr possível, fugir da conversação dos homens, para poderdes tirar proveito de meus ensinamentos. Lembro-vos aqui, amadas minhas, que deveis entrar para o santo retiro, pensando que ides tratar dos negócios mais importantes de vossa vida; portanto, toda attenção possivel deveis dispensar ao santo retiro. Oh! quando um rei se apresenta a um amigo, o amigo procura prestar toda a attenção possivel ao seu inonarcha. Vós, amadas minhas, nestes dias de

bençams, deveis dar um pouco mais de atten ção ao vosso soberano, que é vosso esposo, e ao qual ides jurar fidelidade eterna. Portanto, se Me prestardes attenção, o proveito será vosso, porque Eu não tenho necessidade de vós. Retirae-vos com a vontade firme de abraçardes todas as minhas aspirações; não deixeis que o demônio tire a paz de vossa alma, porque elle é inimigo terrível de minhas esposas, pois deseja no vosso coração semear a confusão. Em taes casos recorrei a Maria e Ella o expulsará, dando a vossa alma tranquillidade para poderdes ouvir a minha voz, que só fala aos corações calmos. Sede também, nestes dias do santo re tiro, muito intimas com o Divino I^spirito Santo, pois delle dependem as 'uzes para melhor comprehenderdes minhas palavras. Pedi, portanto, esta luz divina sobre vossas almas, para assim poderdes sahir do santo retiro transformadas em mim mesmo. Oh! como desejo ver-vos uma só cousa com migo! '• por este motivo (pie fazeis o santo retiro. Já não sou Eu que vivo, mas Christo é que vive em num, dizia o discípulo amado São Paulo. Depois deste santo ••euro, desejo que isto mesmo saia de vossos corações: Já "ao sou eu que vivo, mas, sim. Christo Crucificado, que quer dizer, esposa sacrificada, humilde, pura, obediente e mansa! Este é o meu desejo, chamando -vos para a solidão r | e meu amável Coração. Sim, este desejo espero que seja satisfeito quando vos fõr possi vel. Eu vos conheço, amadas •unhas, porque edificastes em meus domínios, portanto, espero, de cada uma de vós, bôa vontade e generosidade em •'maçardes tudo quanto vos pedir no santo retiro, pois as esoluçoes, que ides tomar nestes dias, jamais as deveis esquecer, porque a vosso proveito devem ellas vos acompanhar até a hora da morte. Vede bem o que até hoje não cumpristes e o que vos está faltando, para tomardes a resolução de hoje por diante pôrdes mãos á obra. Já é tempo, não mais podeis esperar, porqu e se esperardes para amanhã, nunca chegará esse dia e morrereis nos vossos defeitos! Preparae-vos, amadas minhas, como se este retiro fosse o ultimo de vossa vida, e vede como desejaríeis vos apresentar ante o tribunal de contas. Direis vós: Meu Deus, eu desejaria ahi me apresentar nos braços de minha Mãe do Céu. Sim, é este o meu desejo de vêr -vos na hora da morte nos braços de tão carinhosa Mãe, mas, para isso, é neces sário, á sua imitação, serdes pura, obediente, mansa e hu milde; mais ainda é necessário tel-A como Mãe e a Ella recorrer como tal, meditando nas suas prerogativas e nas suas bemditas dores. Sim, se desejaes morrer santamente, < necessário santamente viver. Oh! se viverdes como Eu vivi neste exilio, a morte não vos causará pavor, antes será por vós desejada, porque ella é a porta de vossa felicidade completa e eterna. Qual é a esposa que não deseja vêr seu esposo, não' o traz de umas grades ou coberto de modo a não poder coniemplal -O? Sim, a morte é a navalha cortante, que vos rasga o véu p ara Me poderdes vêr face a face, e assim vos extasiarde.. diante de minha belleza! Olhos humanos nunca viram! In -telligcneia humana e coração humano nunca puderam eram-prehender o que lhes está preparado nesta vossa nova pátria! Portanto, se desejaes ser p articipantes de todas estas cousas, fazei bem o vosso santo retiro. Pedi a Maria que vos guie c A O S introduza na solidão de meu Coração, e Eu vos ferirei com um dardo do meu amor sagrado, deixando -vos marcadas e sedadas para a vida eterna, onde espero cantareis o Cântico novo. Vosso Jesus Crucificado, que está sempre á vossa dispo sição no Tabernáculo Santo. Pelas mãos de Maria. 28-11-1931.

Sacrifício

A

MADISSIMAS filhas, esta palavra assusta — sacrifício —; porém esta é a lei do verdadeiro amor, e o verdadeiro amor, que obriga a abraçar esta lei, contraria a vontade do homem, pois o amor só é saciado nesta lei do sacriíicio. Ouço muitas vezes dizerem-Me: Senhor, como gostar do amargo? O que dizer a estas almas? Para estas almas é necessário que o amargor das penas seja envolto oom o meu exemplo.

106

Ö Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

42

0 que se passou na minha vida de Redemptor, desde o seio de Maria até os últimos momentos, foi uma vida de sacrifícios, porque soffri no seio de Maria, tendo que conter os Ímpetos do meu coração ardente, que desejavam irradiar-se, mostrando aos homens minha missão salvadora! Portanto, minha vida foi ininterrupta de soffrimentos! Agora vos pergunto, almas que Me desejaes seguir. Po líeis Me seguir por outra via a não ser a do sacri fício? Mas, que fazer para gostar desta lei tão penosa? Lembrar-se do Paraíso, que vos deve dar a força para trilhar este caminho tão semeado de espinhos! Dizem muitas almas que, se deve abraçar o sacrifício, sem interesse de recompensa. Eu não vos falo as sim, porque o céu sou Eu mesmo, c como não Me desejar se Eu sou o bem infinito! Amadas filhas, porque ha tão poucas almas, que amam o sacrifioio? Porque poucas são as que olham para o céu e o que nelle as espera, donde nasce a pusilanimidade de Santas almas, que desfallecem no caminho da perfeição. Lembra e-vos de que a lei do sacrifício sendo a lei do amor, dá á alma merecimentos. Podia Eu abrir-vos as portas da Jerusalém Celeste com um acto de minha vontade, mas assim não quiz, porque o sacrifício é o melhor acto de reparação, que se pôde dar á pessoa offendida. Reflecti um pouco qual seria a melhor reparação se uma de vós offen-desse a um amigo, e, para reparar essa offensa, lhe enviásseis uma somma importante, em vez de irdes pessoalmente *' prostrardes ante quem offendestes a lhe pedir perdão e uma penitencia? Seria certamente a de irdes pessoalmente, fazendo um sacrifício e um acto de. humildade diante da pes soa offendida. Vede, amadas filhas, como o sacrifício é meritório, porisso o homem delle tem necessidade. Vede na antiga lei, Abrahão offertando-Me seu único filho em holocausto, além de outros tantos que vós sabeis. O amor pede sacrifício, pois onde não ha sacrificdo não ha amor. Mas, porque o sacrifício é necessário? Porque humilha c lembra ao homem, que, acima de si, estou Eu, ao qual deve obedecer com amor. E para obedecer é necessário sacrifício; é este o primeiro dos mandamentos, amar -Me e servir-Me neste mundo, para depois eternamente gozar. Mas para Me amar neste mundo, é necessário o desprezo de si, porque não se pôde amar ao mundo e a mim; pois quem se ama a si, ama o mundo, suas paixões e suas inclinações. Tenho tão poucos amantes, porque poucos são os que se desprezam, pois, desprezar -se é a summa da sabedoria, e quem se despreza por meu amor, verdadeiramente se ama. De pouno importa ao homem amar -se, se um dia fôr por mim desprezado, porque quem se ama na carne, não pode amar sua alma, visto como a alma. que de mim sahiu, suspira por mim, emquanto que a carne deseja comprazer -se no mal, porque ella é filha do mal. Porisso todo o homem que desejar seguir-Me tem de se desprezar, mas para se des prezar, é necessário abraçar a lei do sacrifício, submet -tendo-se amorosamente ás cinzeladas do meu amor, o qual torna a alma reflector de minhas qualidades. Amadas filhas, onde foi que meu amor mais brilhou? O meu amor e minhas qualidades brilharam como o sói na minha Sagrada Paixão. Oh! vede minha humildade no Geth-semani, tomando sobre mim um fardo pesado de crimes nojentos, e apresentando -Me ao Pae como um criminoso. A humildade, vós bem sabeis, é uma qualidade de meu cora ção, e no Gethsemani ella brilhou, porque me apresentei ao Pae como peccador, e o Pae como peccador Me tratou! Pergunto-vos, amadas filhas, este acto de humildade não Me custou sacrifício? Sim, e tremendo sacrifício, que Me fez suar sangue! E agora, * sereis sabias, porque sábio é o que despreza 0 ephemero e abraça o eterno. Abraçae esta lei de amor e sereis saciadas do meu ardente amor. Vosso Jesus Crucificado, o qual viveu e morreu no sacrifício. Pelas mãos de Maria, do Reino do Amor. 13 -12-1931.

sereis capazes de tomar sobre vós os opróbrios de um condemnado e, em seu lugar, sof-frer tantas humilhações? Que Me respondeis a isso, almas que Me amaes?!... Poucas serão as que Me possam dizer: Senhor, eu soffreria tudo isto por este pobre infeliz. Assim vos falo porque vejo que nem as penas insigni ficantes, nem humilhações de pouco valor não sois c apazes de as receber como filhos submissos! Vede como as minhas qualidades brilharam e como os que são pusilânimes se mostram no sacrifício! Amadas filhas, onde brilhou minha mansidão? Não foi no Thamor, mas no sacrifício, quando, coroado de espinhos, refulgiu como o sói! Na flagellação a minha mansidão illu-minou o céu e a terra, oh! sim, até aos céus chegaram os clarões desta luz vivíssima, que pela terra se espargiu, cando como luz de tantos corações, que um dia iam com -prehender esta doutrina de amor, porém, rodeada de pun gentes espinhos! Oh! como brilhou a minha mansidão, (piando os algozes Me arrastaram pelas ruas, e quando os pobres soldados, na prisão, fizeram de mim o que suas pai xões lhe inspiraram!... Vede como é no sacrifício que se mostra o valor, que se mostra a virtude! E como Me •'provareis, vós, que sois mansas, se não fôr na hora em que esta virtude vos custe sacrifício? E' só na hora do sae ificio que posso dizer que sois mansas. Em ser manso sem sacrifício não ha merecimento, por que este nasce no sacrifício e por meu amor. . . Vede como deveis amar o sacrifício, como garantia de vossa entrada na Jerusalém Celeste, porque foi com a sua chave que se abriu essa porta para vos dizer que é por elle e com elle (pie vos mostrei as qualidades do meu Coração... Vêde-Mc no alto da Cruz em hora tão angustiosa, dan-do-vos Maria por Mãe. Esperei esta hora para vos entregar tão rico thesouro, porque desejava que hoje comprehendes -seis o. valor do sacrifício, sem o qual o amor perderia seus i acantos! O amor sem sacrifício torna-se diante de mim de pouco valor, porque o que lhe dá valor é o sacrifício. Uma arvore que não produz para que serve? Para ser lançada ao fogo. 0 mesmo é o amor sem sacrifício, não tem valor, porque não dá fruetos, porisso será la nçado ao fogo, pois o sacrifício são os fruetos do verdadeiro amor. Amadas filhas, porque o sacrifício é tão desprezado? E' porque poucos são os que meditam na minha Sagrada Paixão! Vede os meus Santos tão sedentos de sacrifí cio, porque foram amantes de minhas penas e dores, e nellas souberam sugar força e luz para poderem Me imitar. Oh! não vos illudaes, sem sacrifício não ha santidade nem amor por mim, porque, como já vos disse, o amor ver dadeiro produz fruetos e estes fruetos são os desejos de se sacrificar pela minha gloria. Mas, reconhecendo vossa fraqueza e vendo como esta lei do sacrifício custa para ser abraçada, convido -vos a meditar no que vos está preparado para depois deste curto exílio! Está preparado o que vosso s olhos não podem vêr hoje, o que vossos ouvidos não podem escutar, e o que vosso coração não pôde experimentar. E porque todas estas cousas hoje não podeis vêr, nem escutar, nem sentir? Porque se isto sentísseis e escutásseis, este exilio não seria o lugar de merecerdes, portanto, almas minhas, abraçae o sacrifício a este estado, que dá ao mortal a entrada directa nos meus divinos aposentos! A mansidão, almas que Me ouvis, é a pratica da cari dade perfeita. Escutae um pouco e vereis como o que vos digo é uma realidade. A caridade não se exerce sempre, quando se dá a es mola ou se visita um pobre ou um doente. Ah! não, a cari dade perfeita deve abranger todas as acções de um homem, que desejar ser santo. Pouco importaria ao homem fazer mu itas esmolas, se, chegando á sua casa, se encolerizasse com os seus e nas suas maneiras e palavras não puzesse a caridade, que devemos ter com os nossos irmãos. Muito poucos são por infelicidade os que exerem a caridade com a sua palavra, tirada de -meu amabilissimo Coração, que mnPas vezes é mais necessária do que a esmola material. Percorrei o mundo e vereis quantos suicídios, quantas calamidades, por falta de após tolos mansos, que saibam ir atraz destas ovelhas tresma lhadas, e une lhes dêm o bálsamo de uma palavra amiga. A mansidão é uma necessidade urgente; vede como ella é o complemento exacto da caridade.

Possessão divina
LJOSSESSÃO divina quer dizer propriedade de Deus; qual ' será, porém, o mortal que terá esta ventura? Com effei-to, feliz é o homem que chegar a este estado, porque será bemaventurado. Somente os mansos podem chegar a este estado, que faz do coração humano minha morada, meu céu. Podem se contar no emtanto os que chegam

43

O Bom Combale na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

Vil

Entrae, almas que desejaes ser perfeitas, em um lar onde a mansidão não reina... Oh! que tristes espectáculos presenciareis! Alli vereis rixas semconta, o meu nome blasphcmado e finalmente o lar dissolvido!"... Agora entrae 1 no lar, onde ao menos um dos seus membros possua esta bella virtude. Nelle vereis essa alma apaziguando, acal mando, e finalmente o lar se convertendo em ante-camara do Paraíso. Isto que acontece no exterior, acontece no interior das almas. 0 que Eu posso fazer num coração, que dia e noite se exaspera, que tudo o incommoda e que com tudo se inquieta?! Nada; ó triste palavra, nada posso no coração irrequieto, no coração que não é manso! Como pôde Me ouvir quem se altera a todo instante, se Eu só habito no silencio e na paz! Acaso tendes ouvido dizer que Eu falo no meio do barulho? Ah! não, só falo ao coração que silencioso Me interroga! Almas que Me ouvis, não é isto uma perda irreparável, não é isto mal terrível? Sim, porque jamais este coração Me possuirá por completo -; ainda que esteja na minha graça, terá que pagar no fogo purificador do purgatório, até o ultimo ceitil de suas imperfeições e de sua má reflexão em po nto tão importante. Vamos vêr, vós que Me ouvis, como a alma que pratica a mansidão chega a ser propriedade minha, chega a tal ponto de união commigo, que em todo o seu exterior reflecte minha Pessoa Divina. O coração manso chega a tal união com a minha D ivindade, que vê em si minhas qualidades divinas. O coração manso participa de minhas alegrias e de minhas tristezas, é compassivo para com todos, donde vem que sente im-mensa tristeza, quando vê que sou desprezado e não sou amado! 0 coração manso sente u ma immensa alegria, mando vê uma alma que Me ama e uma sede inextinguível de Me vêr reinar nos corações de todos os homens. Mais ainda, o coração manso se alegra, contemplando o Paraíso, pátria, onde sou amado pelos Seraphins, Cherubins e todos os habitant es desta Cidade Santa, emfim eUe vive da mi nha vida. Agora podeis comprehender porque muitas vezes almas, que Me amam, ura dia estão tão alegres e outros dias uma espada lhes atravessa o coração! E' que estas almas, estando em mim, se um dia recebo uma gr ave affronta, como Eu não posso mais soffrer, ellas intimamente ligadas a mim é que soffrem! Em outros dias ficam alegn?s, porque um peccador se converteu, conforme está escripto que ha mais jubilo no céu, por um peccador que se converte do que por noventa e nove justos que perseveram no bem? Sim, o coração que Me ama é manso, participa desta alegria celeste, porque todo o coração manso vive em mim, fazendo uma só cousa commigo. Oh! almas que Me ouvis, desejae ardentemente chegar a esta ventura de poderdes ser por mim formadas não so

122

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

44

mente na vossa intensidade, mas em todo o vosso sèr, para poderdes irradiar-.Me. Ah! o coração manso é o espelho da alma, pelo qual saem raios de luz, illuminando assim todo o vosso sèr e dando luz aos que andam nas trevas do peccado! Amados filhos, se hoje vos mandasse de novo Maria, minha Mã e Santíssima, no meio de vós e a visses coberta com o manto da mansidão, oh! todos os homens correriam a Ella, que sem dizer palavra converteria todos os homens. Oh! vós filhos meus, também vos podeis cobrir com este manto real, para assim attrahirdcs todos os homens ao meu Coração. Cobri-vos, com o manto da mansidão, para entrardes no meu Coração e assim vos tornar possessões divinas, isto é, minhas propriedades. Porém isto depende de vosso esforço e generosidade de cada dia, para no fim de poucos annos vos sentirdes revestidas com esta veste nova, que vos acompanhará á eternidade, onde vos dará direito a um throno especial, no qual gozareis e bemdireis o quanto soffrestes na acquisição de tão precioso thesouro. Vosso Jesus Crucificado, que vos deu tanto s exemplos de mansidão. 14-2-1932.

> A felicidade I
ODOS os que transitaes por este exilio. vinde a mim e ' dar -vos-ei o que tanto almejaes — a felicidade. Eu sou a Mãe Lacrimosa, que ao pé da cruz vos recebi como filhos. Jesus, derramando seu precioso Sangue, com elle firmou tão precioso legado, e Eu, chorando, recebi -vos, aco-lhendo-vos sob o meu manto protector. A maior parte dos homens, porém, esqueceu -se que tem uma Mãe fiel e dedicada no seu grande Amor, porisso hoje vos falo e vos convido a virdes a mim para encontrardes a verdadeira felicidade. Mães de família, que procuracs o bem estar de vossos filhos, e que tanto empenho tendes em dar -lhes a felicidade, ouvi-me por piedade. Procuracs por todos os meios humanos a felicidade, porém esqueceis que para isso o principal meio é buscar a Deus nos Sacramentos, é procurar-Me a mim, que sou a portadora da única e verdadeira felicidade. Pergunto-vos, amados filhos, já encontrastes neste valle de lagrimas alguém feliz fora da Saída Egreja? Nunca encontrastes nem haveis de encontrar, porque a felicidade consiste em amar a Deus, único fim para o qual o homem foi creado. Se os peixes sendo creados para viverem na agua, morrem fora delia, o mesmo acontece com o homem. Fora do amor de Deus não ha felicidade, não ha vida, porisso fora do grande preceito de amal-0 a alma morre, e o homem, com a alma morta pelo peccado, não pôde ser feliz. Que felicidade poderá encontrar o homem que tiver um de seus membros doente? Ah! quando encontraes um homem paralytico, vos faz pena por vêl-o em tal estado! Elle se lastima e deseja ardentemente ser curado de seu mal, e ainda que tudo lhe pareça sorrir, não se sente feliz! Pcor que esta imagem do paralytico é a alma que não ama a Deus! Esta alma em vão procura divertir-se, em vão procura o prazer, porque todo o prazer é momentâneo... Só o prazer do amor de Deus é que dá a paz á alma e a felicidade completa. Mães queridas, que tende:; filhos, que tendes filhas, procurae dar a estes entes queridos a felicidade eterna. Oh! como é doloroso para meu Coração, vêr tantas Mães serem a causa da perdição de seus filhos! Dir-me-eis vós: Como faremos, se nossos filhos não nos obedecem? Ah! quem são os culpados disso? Sois vós mesmo, porque quando creanças nSo os soubestes educar, levando-os aos cinemas, aos bailes, centros de perdição da innocencia, onde tantos peccados de impureza se com -mettem! Direis ainda: Mas minhas filhas são innocentes, não têm malícia. Oh! cegueira a vossa! Não sabeis que quem toma veneno é para morrer? Os cinemas! O que se passa nestes antros malditos, onde o demônio laça tantas almas, onde as creanças aprendem a immoralidade e a desobediência?! Os bailes! Depois de serem prejudieiaes á saúde, são causa da perda de tanta innocencia o causa de tantos maus pensamentos, dos quaes darão rigorosas contas! Quantas almas hoje gomem no inferno por cansa dos bailes e dos cinemas! Agora vos posso provar como vós, Mães de família, sois a causa da

desgraça de vossos filhos! Oh! Mães que me eseutaes, vede como deixaes as vossas filhas sahirem á rua em trajes Ião immoraes, que apavoram os anjos! Mães queridas, dir -me-eis: Mas minhas filhas não me obedecem neste ponto! Oh! por piedade, disso quem é culpado? A culpa é da liberdade que lhes destes desde a infância!! Lançando meus olhares amorosos de Mãe sobre o mundo, tenho que dizer-vos: A humanidade se agita e geme por causa de não saberdes crear os vossos filhos no amor de Deus! O que falta á humanidade é o amor de Deus, que faz com que as paixões sejam esmagadas . Onde ha amor ao Divino Rei, ha submissão aos Paes, ha submissão aos governos, emfim, o amor de Deus trans forma em Paraíso este valle de lagrimas. Oh! quem me dera que todas as Mães da terra me ouvissem e puzessem era pratica os meus conselhos de Mãe, qu e só deseja a felicidade, o Paraíso para todos os homens redimidos pelo Sangue de meu Divino Filho. Oh! Mães queridas, vinde que Eu sou o vosso modelo, vinde a mim e dar-vos-ei minhas Lagrimas preciosas, com as quaes abrandareis os corações de vossos filhos, e o vosso lar tornar-se-á um paraíso, tornar-se-á o lar de Nazareth, no qual só reinaram amor, alegria, pobreza é verdade, mas a paz da alma tornou este lar tão feliz, que quizera fosse elle imitado por todas as famílias. Queridas Mães, não vos entriste çaes; aiinda é tempo. Vinde, vinde; as minhas Lagrimas são o remédio, o cami nho que conduzirá os vossos filhos á felicidade eterna. Estas Lagrimas abrandarão os corações para poderem rece ber o Amor dos amores, a felioidade única, que é Deus, este Deus qu e, por vosso amor, dia e noite vela nos Sacrários da terra, onde é tão esquecido e tão injuriado por tantos homens, que se esquecem que têm uma alma feita para. amar este Deus, que morreu em uma dura Cruz, somente porque seu amor é infinito para com todos os homens. Mães queridas, quizera vêr um dia os vossos filhos a meu lado, é este o motivo pelo qual assim vos falo. Vossa terna Mãe, que vos ama com amor mais forte do que a própria morte. 29-3-1932.

O thesouro escondido!...

F

ELIZES, mil vezes felizes as almas que são chamadas a trabalhar para ficarem de posse deste thesouro divino, que é Deus!! Deus, caríssimas filhas, só se acha na humildade, pois na humildade Elle nasceu, na humildade Elie morreu! Sendo grande, isto é, sendo o Creador de todas as cousas, quiz se apresentar á humanidade revestido da roupa gem da natureza deeahida, que tinha sido humilhada pelo iieccado! Eil-o revestido com esta roupagem humilde, apresen tando-se aos homens como homem, sem deixar de ser Deus! Oh! acto heróico de humildade! Só um coração repleto de caridade, e de caridade infinita, seria capaz de se humilhar a tal ponto! Vede, amadas filhas, a que ponto Deus se humilha! Vossa intelligencia é incapaz de comprehender o acto heróico de humildade de um Deus; pois vós não conheceis a magnificência e o poder deste Deus, por isso não vos é possível comprehender a humildade que Elie praticou, fazendo -se homem! Este thesouro divino que é Deus, escondido na humil dade, é o que viestes procurar, quando sentistes na vossa alma os desejos da perfeição. Estaes scientcs das palavras do Divino Mestre áquelle moço, que sentia na alma o desejo da perfeição? Vós já o sabeis: se queres ser perfeito, vende o que tens, dá aos pobres, toma a cruz e segue -Me! 0' palavras sublimes, que até hoje tem seduzido tantos, tantos corações generosos! Almas generosas que Me escutaes, já estaes de posse deste divino thesouro que é a santa vocação, porque quem possue vocação religiosa, possue a Deus. A vocação- já é um chamado á santidade, pois quem se santificar é de Deus e Deus é delle. O' felicidade não comprehendida e não amada pelos homens! Entremos, almas queridas, no nosso assumpto. Sabeis que para descobrir um thesouro é preciso escavar, tirar a terra, e depois de o encontrar, fazer uso delle, con forme as necessidades.

122

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

45

Sabeis que os conselhos evangélicos, que são divinos, a todos os religiosos e religiosas são recommendados, pois sem a sua pratica não pôde haver perfeição/. Sim, ninguém lióde ser perfeito não sendo pobre de espirito, ninguém pô de ser perfeito se não fôr casto, como também se não fôr obediente. Estes conselhos são dados por Deus para esca varmos a nós mesmos, para acharmos o thesouro escondido que é Deus. Amadas filhas, este trabalho é árduo, porém é bemdito, porque sublime é seu fim, achar o próprio Deus, o quaí exige dos que são chamados á santidade, a escavação, isto é, extirpação de tudo que seja menos perfeito, para poder praticar as virtudes ensinadas nesses conselhos. Muitos se contentam somente cem a pratica destes conselhos, mas não procuram exeraltar-se na virtude delles, pois uma cousa é um brilhante sem lapidar, outra é ellê lapidado. O brilhante brilha, mas, antes de lapidar, não tem brilho algum, porisso praticar os conselhos envange -licos, sem procurar a virtude delles, é dar a Deus um bri lhante que não merece tal nome, pois não tem brilho algum. O que dá valor ao brilhante é seu brilho! O que dá valor aos conselhos evangélicos é a virtude c om que se os praticam. Como já vos disse, fostes chamadas para ficardes de posse deste divino thesouro, que é Deus, o único que merece ser amado, o único que vos pôde dar a felicidade eterna. Sentistes, como já vos disse, o chamado divino, para exeavar e e xtirpar os vossos defeitos, para ficardes de posse deste divino thesouro, que ás vezes se acha escondido mesmo daquellas que já têm a felicidade de o possuir. Sim, Elie se acha alinda destas escondido, para lhes dar os mere cimentos da fé. que são infinitos, e que valerão no céu recompensa infinita. Vamos á vida pratica para vermos como estaes prati cando estes conselhos. Vamos vêr se na realidade estaes trabalhando para acquisição de tão precioso thesouro!! Disse-vos ao começar que não se pôde chegar á san tidade, sem ser pobre. Ser pobre quer dizer ser humilde, como Jesus o foi, nascendo pobre, tomando vossa natureza, vestindo assim a vossa roupagem, contaminada pela lepra do peccado! Ser pobre quer dizer não ter desejos de bem estar, sujeitando-se á opinião de outrem, por amor daquelle que se fez pobre, por nosso amor obedecendo até os seus algozes. Amadas filhas, como praticaes este conselho de pobre za? Não vos sentis felizes, quando experimentardes os seus effeitos, lombrando-vos que, na pratica desta virtude, estaes trabalhando para possuirdes o divino thesouro que é Deus? Ou quem sabe, se, em vez de vos sentirdes felizes, reclamaes de Deus, porque assim vos prova, dizen do como muitos, que se soubessem o que iam passar na vida religiosa, nella não leriam entrado!... Oh! será que estas, assim falando, praticam a virtude deste tão bellissi-mo conselho, a pobreza, que desprende o homem do mun do e o eleva até Deus? Ah! quem assim fala não chegará a dar a Deus a consolação, que Elie espera, nem tão pouco descobrirá o thesouro divino, pelo qual foi attrahida e seduzida. . . Oh! quem vos seduziu quando, não achando paz nas vossas famílias, sentíeis o vosso coração inquieto com desejo de perfeição? Quem foi? Foi este divino thesouro, que, das profundeza s da santa humildade, vos attrahiu para que viésseis trabalhar na extirpação de vossos defeitos, para poderdes entrar na posse do mesmo. Amadas filhas, como praticaes tão salutar conselho, quando no vosso coração daes consentimento a tantas vonta des, que vos parecem licitas? Oh! a religiosa verdadeira mente pobre não aninha vontades no seu coração. A sua vontade deve ser á vontade de seus superiores, que estão no lugar de Deus. Oh! religiosa, que aninhas vontades, lembra -te que estás faltando contra o santo voto de pobreza, que fizeste como demonstração viva de teu amor. A'quelle que te chamou á perfeição! A virtude deste voto exige negação completa de todas as vontades próprias, pois, quem nada tem, nada pôde pedir, a não ser acnuisição do divino thesouro pelo qual se fez pobre por amor! Amadas filhas, que Me ouvis, não vos illudaes. Lembro-vos aqui que a pobreza religiosa consiste em não ter vonta des, pois se alguma de vós as possue não sois pobres, e por tanto não chegareis á posse do divino thesouro, que se fez pobre em tudo, fazendo somente a vontade de seu Pae. Oh! se alguma que Me lê sentir difficuldade em praticar este voto, lembre-se da pobreza de Jesus, medite nesta pobreza e terá forças para praticar este divino conselho, que desliga as creaturas deste valle de lagrimas e as faz voar no caminho da perfeição. Um rico thesouro só se alcança depois de muitas lagri mas e muitos sacrifícios, pois, como disse Jesus, o céo soffre violência, e só será dado entrar nesta morada aos que ven ceram a batalha, por tanto não basta ser pobre, é preciso ser casto, e é por este motivo que aos religiosos lhes é pedi do o celibato, para que melhor possam guardar a sua pu reza, a sua virgindade.

üemaventurados os puros, porque elles verão a Deus. Sim, aos puros lhes é dada esta ventura de vêr a Deus, e no céu lhes é «lado. conforme a virtude deste conselho, o conhe -cimento da grandeza deste Deus, que se alimenta de pureza. Por ser pura Mc escolheu como Mãe, por ser puro esco lheu a José como Pae putativo, por ser puro escolheu a João para recostar sua cabeça no seu coração, e para se tornarem suas esposas, das que para isso são chamadas exige a pureza, pela qual o homem entra na intimidade com Deus. Vede, amadas filhas, que a pureza eleva os homens, poi s lhes dá entrada nos aposentos de Deus, o que quer dizer que eleva o homem a viver na sua intimidade. Porém a pureza é mais fácil do que a pobreza e do que a obediência. A obediência da qual vamos falar é mais combatida pela própria natureza orgulhosa, que não quer ser humi lhada! Antes de entrarmos na obediência concluamos o assum pto da pureza. Como praticaes esta virtude que vos eleva de simples christãs á dignidade régia, isto é, á dignidade de serdes es posas de Deus? Oh! como deveis sentir-vos felizes em mortificar a vossa carne e os vossos sentidos para poderdes viver intimamente ligadas ao Cordeiro sem mancha, á pró pria Pureza, que se alimenta desta pureza, da qual Elie é o mesmo autor! Oh! alegrae-vos por terdes de trabalhar nesta virtude que vo s leva a reclinardes nos braços bemditos do Cordeiro ímmaculado! Pcjubilae por terdes sabido do lodaçal do mundo, e as sim, retiradas, poderdes viver nos aposentos do Amado de vossas almas! Vamos vêr agora o sagrado voto da obediência, pelo qual vos entreg aes á vontade Divina, que vos deve reger e guiar no caminho da santidade. Como já vos disse, a obediência na vida religiosa soffre mais falhas do que a castidade porque a obediência depen de da humildade, e a humildade repugna á natureza orgu lhosa, que deseja sempre ser exaltada. A obediência em tudo, até nas pequenas cousas, leva o homem a se fundir na vontade divina, entra na posse do divino thesouro. que é Deus ! E como praticaes esta obediência, filhas amadas? Ale grae-vos em serdes contrariadas em voss as vontades. Quem sabe, em vez de vos alegrar interiormente, censuraes os actos daquelles, que estão no lugar de Deus para vos fazer ganhar o thesouro, introduzit -do-vos na sua santíssima vontade? Quem sabe quantas das que Me ledes obedeceis sem merecimen tos, porque interiormente censuraes; e quem cen sura seus superiores, censura o próprio Deus, porque a religiosa não deve obedecer por motivos humanos, ah! não, a religiosa obedece por motivos divinos, isto é, a religiosa obedece por amor, para ganhar o seu thesouro, que é seu Deus, o único que merece a quebra das vontades, pois só Elie merece a negação completa do eu!! Só Elle é digno do nosso esmagamento, para que só Elie seja amado e adorado! Como praticaes esta obediência que vos dá occasião de poderde s ser fundidas na sua divina vontade? Examinae -vos e vedes o vosso interior. Oh! por piedade, se alguma de vós obedecer por motivos humanos, arrancae do vosso coração este espinho, que não deixa o vosso esposo dormir tran -quillo! Oh! em verdade vos digo que se a vossa obediência não fôr cega, prompta e por amor de vosso Deus, não estaes ile posse (lo divino thesouro com o qual ganhareis a felici dade eterna; porisso, filhas amadas, obedecei em tudo cega e amorosamente, lembrando -vos que estaes na religião p or nobre e sublime fim, para chegardes á grande mercê de pos suirdes a Deus, que, depois de vos terdes n'Elle mergulhadas, voareis á Patria eterna, onde vossa felicidade não terá fim. Para que o vosso gozo seja completo, isto é, para poder des entrar no mais intimo do próprio Deus, é necessário que deis a todos estes conselhos, com o brilho da mansidão, qualidade do próprio Deus, pois Elie mesmo o disse: Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração. A mansidão, como já tantas vezes vos tenho dito. é a rainha das virtudes, é a coroa de todas ellas, a mansidão é a espada de dois gumes, pela qual podemos afugentar o demónio e attrahir muitas almas para Jesus. A mansidão é o transbordamento de todas as virtudes, entretanto é a humildade que faz brotar a mansidão. Sabeis, amadas filhas, que só depois que as fructas de uma arvore estão maduras devem ser apanhadas, dando assim prazer ao seu dono. Pois a mansidão são estas fructas maduras, que dão prazer ao divino dono, que é Deu s, porque com ella é que se ganham as almas. Mas, sósdepois de ficardes de posse do divino thesouro, podeis transbordar, para assim attrahirdes muitas almas. Oh! a mansidão é, na verdade, o tranbordamento, que vae perfumar vossas virtudes, para serdes apostolas.

122

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

46

Oh ! mansidão admirável, rainha de todas as virtudes, espada de dois gumes, que cortas a cabeça do dragão, tu és bemdita, porque, sendo propriedade de Deus, dás ao homem a sublime honra de ser seu apostolo! Oh! mansidão divina, transbordamento da di vina misericórdia, tu vaesser a espada que, cortando a cabeça do dragão, dará liberdade aos de possuirdes a rainha, a mais formosa da corte do Rei dos Reis — a mansidão, qualidade de Deus, pois ella habita no seu próprio Coração. Vossa Mãe, que vos faz presente destas paginas, e que si bem as meditardes, chegareis á felicidade de achardes o divino thesouro escondido nas profundezas da santa humil dade. 9-5-32.

mansos de possuírem a terra e fazerem nella reinar o coração misericordioso de Deus!! Amadas filhas, amae a vida religiosa, trabalhae para acquisição do divino thesouro, trabalhae e chegareis á mercê

Humilhação, já estareis sãs. Vede uma pessoa cheia de dores.Çomo p ôde

A quem me der hospedagem de amor mergulharei no meu infinito amor

A

LMAS religiosas, que todos os dias trabalhaes para vossa santificação, alegrae-vos, porque o dia feliz vos chegará, mesmo, neste exil io, dia que será grande, porque vos mer gulharei em mim. Viver Eu dentro de vossos corações, já é para vós uma felicidade inexplicável! Eu viver em um coração humano!! Oh! amor inexplicável, que voto aos homens?! Porém mais amor está em tomar o homem e mer gulhal-o dentro dos abysmos de meu Amor! Direis, almas religiosas, como isto pôde acontecer? Sira, porque o homem, tornando-se minha hospedagem de amor, chega a identificar -se commigo. Mas, será isto fácil? Não, porque, para viver em mim é necessário que o homem morra completamente para todas as suas vontades, por san tas que sejam. E infelizmente quão poucos são os que não tem vontades!! Como então conhecer o homem que vive em mim? Conhece -se o homem que vive em mim pela su~ humildade, pela sua obediência, pela sua caridade, pela sua mansidão e por seu edificante exterior que o faz esparzir amor. Sem estas qualidades, não vos posso mergulhar em mim! Mas, direis vós: não tenho necessidade de mais inti midade com meu Deus, pois Elie já vive no meu coração; Eu O sinto, Elie me ama, eu O amo, porque tudo deixei por seu amor. Ah! amadas esposas, chamei -vos, não simples mente para me dardes uma hospedagem de amor, mas, sim, para vos introduzir nos meus celeiros, fazendo-vos uma so cousa commigo! O que acontece por ém com a maior parte dos que chamei? Ah! poucas são as que posso dizer estarem introduzidas em meu Amor! Mas porque isto? Será por má vontade de outras almas? Ah! não, porque se fossem almas de má vontade, não me dariam hospedagem de amor em suas casas. Po rque então não chegam a esta ventura de poderem viver em mim em vez de Eu viver nellas? E' porque a virtude da humildade por ellas não é bem explorada, visto achar -se escondida nas profundezas de meu coração; dahi que só ás almas diligentes é dado descobrirem este thesouro. Muitas almas dizem -se humildes, porém não che gam a possuir nem um quilate deste precioso thesouro, por que ficam sempre na primeira etapa desta viagem, que as almas devem emprehender em sua procura. Esta viagem é penosa e muitas vezes longa. Muitas almas acham -se humildes, porque estão em officio humilhante, ou porque rece bem uma reprehensão em silencio, todos estes actos são preparativos para a viagem, porém, para chegar á posse do thesouro escondido, é necessário, além de emprehender a viagem, escavar e muito. E' desejando -se a humilhação que se comprehende esta viagem penosa? Como se pôde desejar o que repugna? Póde-se desejar, sim, quando se reflecte que esta repugnância vae acarretar um bem para si. Vede, se um medico vos receita um remédio amargosissimo, tendes de o tomar, porque o remédio amargo vos vae dar a saúde, portanto ainda que amargo o tomaes! O mesmo deve fazer a alma que deseja possuir este thesouro escondido; deve emprehender esta viagem, desejando ser humilhada; mas como tal thesouro não se descobre somente com a viagem, é preciso chegar e pôr mãos á obra, escavar e aprofundar até descobril -o. Como se pôde chegar á posse deste tão va lioso thesouro? E' alegrando -se em ser humilhado, calcado aos pés como um vil insecto! Quem chegar a este ponto estará de posse deste infinito thesouro. que dá ás almas a felicidade de se prepararem para as introduzir nos meus "elleiros. Almas religiosas, o medico divino de vossas almas vos receita agora remédios amargos, porqu e estaes enfermas; porem, quando chegardes á saúde, não vos receitarei remédios amargos, porque então tereis alegria para melhor me comprehenderdes, pois, quando chegardes a vos alegrar na

ter alegria? Ah! não podendo alegrar -se no meio de tantas dores, as lagrimas lhe marejam os olhos! 1 mesmo acontece com as alimns enfermas, ellas não podem alegrar nas humilhações, porque a alegria só é para as f iue tem saúde, isto é, humildade. Oh! felizes almas que chegarem a se alegrar em ser hu milhadas por meu amor, porque ellas chegarão a descobrir o thesouro escondido, que dá entrada ás minhas divinas operações. Com a posse deste thesouro podeis vos apresen tar a mim, para serdes ornadas com as minhas qualidades. Quando um doente, possuindo fortuna, é apresentado a um hábil operador, este se alegra, porque não trabalha somente por amor á sua arte, mas também para ganhar o seu pão quotidiano. 0 que faz então o operador? Corta, retalha conforme fôr necessário, fazendo tudo para deixar seu doente são, para ganhar um bom nome e seu quinhão, fructo do suor de seu rosto. Almas religiosas, Eu sou o vosso medico divino, que exijo de vós este thesouro para que, m'o apresentando, possa operar em vós, dcixa ndo-vos sãs e com uma saúde vigorosa, que produza fructos de vida eterna. Qual é o nome e o quinhão que por esse trabalho desejo ganhar? São as vossas almas, o vosso coração, emfim todo o vosso ser, que deve ser mergulhado no meu infinito amor. Mostrei-vos, amadas minhas, a primeira etapa desta gloriosa viagem. Mostrar-vos-ei agora a segunda, que é a santa obediência. O mundo não estaria tão cheio de calamidades se nelle houvesse mais obediência. Todos os homens querem man dar e nenhum deseja obedecer! Dahi vem tantas guerras, tantas discórdias que amarguram meu coração; entretanto, ainda tenho corações generosos, que, ouvindo meus chama dos, se fazem obedientes até á morte, como Eu o fui; esta obediência porém tem os seus grãos, que levam a alma a brilhar d iante de mim como o sói. A obediência para ser completa e perfeita deve ser complacente, isto é, alegrar-se em ser mandado, sentir um verdadeiro gozo em obedecer por amor de mim; mas para isso é necessário trabalhar e trabalhar muito, pois este precioso thesouro, se acha escondido nas profundezas de meu coração, porque só em mim se acha a obediência perfeita. O homem sendo filho do orgulho, e deste não sahindo senão soberba, ás almas que aspiram a perfeição religiosa foi dito: Segui -me, porque é seguindo-me que o homem encontrará a sua perfeição. Dizem certas almas; eu obedeço, é quanto basta! Ah não, este é o primeiro degráo, porque se os ho mens me dão suas offertas com tristeza, jamais será perfeito; dahi vem que muitos religiosos jamais chegarão á perfeição almejada pelas suas almas! Disso podeis concluir porque quasi todos os homens passam pelas penas do purgatório, visto como tudo que não é perfeito não posso introduzir em mim. Amadas esposas, quem se acha em mim não pôde pas sar pelo purgatório, porém para viver em mim é necessário descobrir estes thesouros, dos quaes vos venho falando. Não falo aqui a almas pusilânimes, que dizem: com/tanto que tenha um cantinho no céu me basta... A essas almas reli giosas, que foram chamadas á santidade, será dito: Servo máo e infiel, grandes cousas te foram dadas, e desperdiças te: agora a consequência disto é um purgatório longo, onde te purificarás de tuas imperfeições e dos desperdícios de que és culpada!... Aprendei aqui a necessidade de pordes em pratica estas cousas, que vos venho falando, para poder vos introduzir em meu Coração já neste mundo. Continuemos. Como já vos falei, a obediência deve ser com placente para ser perfeita. Oh! almas que me ledes, haverá ventura maior do que obedecer-me? Não, não ha ventura maior do que obedecer-me por amor! Vede, o que acontece com os homens com relação ás honras ou ao dinheiro. Quando um delles vae servir a um outro, e sabe que vae ganhar uma somma importante, com que alegria elle trabalha, esperando o seu thesour o! Oh! almas que me servis na pessoa de vossos suneriores, qual não deve ser a vossa ale gria, ao considerardes no que vos espera!... Não acredi -laes no que disse São Paulo, que o homem é incapaz de eomprehender o que Eu tenho preparado para os que me servem por amor? Porisso, deveis vos alegrar na obediência, pois não es -peraes o ouro deste mundo, mas, sim, o próprio Deus, que mesmo nesle mundo já pôde ser o vosso thesouro! Sim, bemaventurados os que se regozijarem na obediência, por que na ultima hora ao obediente não serão pedidas as contas! Descubramos mais uma pedra preciosa para conseguir des a immensa felicidade de serdes mergulhadas em mim.

47

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

131

Eu sou todo caridade, e aquelles, que desejam fazer uma só cousa comroigo, não devem ser differentes de mim. A caridade é virtude tão necessária, que sem ella não pôde haver salvação, pois o homem, que não tiver caridade, torna -se demônio já neste mundo! A caridade é tão neces sária ao homem que, sem ella, todas suas obras são nullas. Pouco importaria ao homem ter a pureza dos anjos, o amor dos Serafins, se não tiver caridade! A caridade é o 'aço divino que me prende ao homem, e foi esta mesma ca -lidade, que me fez descer á terra em procura de vossos peccados, para queimal -os com o seu próprio fogo. Amadas esposas, que desejaes a perfeição e que traba -Hiaes para que eu possa mergulhar-vos em mim, é necessá rio que pratiqueis esta virtude, qualidade de meu coração ( ' laço de união de vossas almas com elle, porque ainda que Ui atiçásseis as virtudes as mais heróicas, s e não tiverdes 1 'aridade, se não possuirdes este thesouro, jamais podereis chegar a esla fusão divina. Trabalhae, portanto, para a aequisição de tão precioso thesouro. Emprehendei esta viagem de sacrifício, subindo o monte da perfeição, isto é, su bindo acima de vós mesmas, elevando -vos até a mim. Só assim podereis chegar ao fim almejado de viverdes em mim. A caridade deve ser perfeita em vós, isto é, cila deve abran ger todos os pontos. A caridade deve ser por vós praticada em todos os momentos da vossa vida. E' esta caridade que vos tornará agradáveis a mim, dando -vos a felicidade de poder vos mergulhar cm mim, onde, por toda a eternidade, sereis inebriadas de eterno gozo. Vosso sempre Jesus Crucificado, que é todo amor e qu por amor deseja ser servido, para mergulhar -vos no seu in finito amor. 13-6-1932.

A sede de Jesus'pelas almas missionarias
UVI os meus clamores, almas que me amaes! E' dest prisão voluntária, que hoje desejo falar aos voss~ corações amigos. Tenho sede de corações missionários, porque é por meio destes corações, que as ovelhas tresmalhadas voltarão ao meu divino redil. Ser Missionário represen*a um enviado da corte do Rei, sim, do Rei da Gloria, que sou Eu. Oh! se um Rei deste mundo vos chamasse e dissesse: "Vinde para minha corte, desejo dar -vos os meus thesouros, para que os deis a quem achardes conveniente..." oh! este convite seria demais honroso e sentir -vos-ieis felizes por poderdes fazer o bem. Almas que me ouvis, vós podeis ser destes enviados d° miíiha corte e os disnenseiros de meus thesouros, sf? ouvirdes os meus chamados. Constitui-vos almas missionarias pela vossa oração e zelo apostólico. Sem a fé ninguém vem a mim, mas a fé sem obras é morta! Se com fé me recebeis no sacramento da Eucharistia, se com fé rezaes aos pés do meu sacrário, cumpris os vossos deveres de christãos; porém se a vossa fé não procurar as ovelhas tresmalhadas, não cumpris o segundo mandamento de minha Lei — o amor do próximo Sentir-vos-eis felizes aos pés do meu sacrário, sabendo t|ue, tendes tantos irmãos prestes a se perderem? Reflecti commigo. O vosso amor será vehemente, se, indifferentes, não vos importardes com os pobres filhos, que estão a se per der? Ah! não, o vosso amor nesse caso é egoísta, porque o amor sem obras não posso comprehender. Almas minhas, é necessário o apostolado. Não importa somente rezar; é preciso o sacrifício de ir atraz e chamar os peccadores com palavras de Bom Pastor, porque á ora ção é neccessario unir a acção. A oração sem acção é uma i-spada de um só gume, é necessária a acção para ella se tornar de dois gumes.

Vede o que Eu fiz, Eu que devia ensinar -vos todas as cousas; rezei primeiro, porém não me contentei com a ora ção somente; fui atraz das queridas ovelhas, e ellas correram após de mim, esquecendo -se até de seu alimento, porque o homem não vive somente de pã o, mas de minhas palavras, que são o Pão da Vida, o Pão substancioso da d ma. Tenho sede de almas apostolas, porque a alma apos -lola é a que me segue mais de perto. Illudidos estão os que pensam que a vida somente de contemplação é a mais per feita. Quem foi mais perfeito do que Eu na terra? Creatura alguma poderá ser o que Eu fui; e o que é que Eu fiz? Eu rezei, e, não contente com isto, fui atraz dos pobres pecca dores, que precisavam ouvir-me para poderem deixar sua má vida e abraçar a Redempção. Quem foi maior do que João Baptista? No seu grande amor, na sua contemplação, o que é que elle fez? Depois de se ter preparado pela peni tencia e oração, começou sua admirável missão, dizendo: Preparae os caminhos, porque está perto a Redempção; fazei penitencia para receberdes a salvação. Oh! admirável apostolo! Elle me deu tanta gloria, que o coroei com a palma do martyrio! Almas que me ouvis, o apostolado é uma necessidade urgente destes tempos modernos, em que os nossos inimi gos, no dizer delles, plantaram a liberdade, porém no meu dizer é a negra escravidão, a qual leva o homem a ser sujeito aos laços do demônio, que é o príncipe dessa liber dade! A verdadeira liberdade só se encontra em mim. Como pôde ser livre o pássaro eng aiolado, se elle foi creado para voar? Como pôde o homem ser livre fora de mim, se elle foi creado para me amar? Vede almas que Me ouvis, a necessidade do apostolado. Em verdade vos declaro que as almas apostólicas são : >s que mais gloria me dão, porque estas empunham a espada de dois gumes, emquanto que a contemplativa empunha a espada de um só gume. Muitos interpretam mal as palavras que dirigi a Martha: Marina, Martha, porque andas tão solicita?! Uma só cousa é necessária, Maria escolheu a melhor parte. m Eu com isto não cóndemnei em Martha seu zelo. Ah! não, o que Eu cóndemnei em Martha foi a sua inquietação. Maria escolheu a melhor parte, quiz com isto dizer que devíeis primeiramente vir aos meus pés, pedir luz, força e generosidade, para, depois de estardes repleta de mim, fazerdes o que ella mesma fez. O que foi que Maria fez? Foi também uma valorosa apostola, foi annunciar a minha re-surreição; mais ainda, ella não teve medo de me acompa nhar ao Calvário, rompendo a populaça, confessou abertamente que a melhor parte, dita por mim á sua alma, estava em me amar no sacrifício e não nas doçuras da contemplação. Sim, sem oração nada podeis fazer, porém é necessário que a obra seja completa, e a alma missionaria completa minhas aspirações, porque ella se santifica e me dá almas para Eu as poder cinzelar com o meu ardente amor. Tenho sede, almas que me ouvis, destes corações gene rosos que*se constituem meus despenseiros; sim, porque a alma apostola é distribuidora de minhas riquezas, e a alma que reza s omente, pouco pôde dar, porque Eu dou á medida que me é dado. Se um apostolo me apresenta um coração, onde Eu possa vasar meu Coração, este apostolo ganhou seu salário, porque ser -lhe-á dado o que jamais creatura alguma pôde comprehender neste exílio. Por isso,' almas generosas, sede apostolas, constituí -vos minhas despenseiras; ser-vos-á dado o galardão dos mar -tyres. Vosso Jesus Crucificado, que não cansará de vos dizer: Tenho sede de almas missionarias. 14-6-1932.

v

Pedindo a paz
Normas de educação christã

R

ESOLUÇÕES santas que deveis tomar para implorar paz que deve vir do céu. Mães, jamais deixeis vossos filhos entrarem em cine mas, bailes e thealros, porque são nestes antros de perdição te sua innocencia que o demônio toma posse de seus cora ções, nos quaes só Deus deve reinar!

48

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combale na Alma Generosa

131

Mães, se amaes a Patria Brasileira, combatei por amor le Jesus Crucificado as modas indecentes. Promettei a lesus Sacramentado velar pelos filhos que Elie vos confiou, lando morte a essas modas que fazem de vossas filhas pe-Iras de escândalo! Quereis a paz? Promettei a Jesus Sacramentado amar ^ua Santíssima Mãe, imitando-a na sua pureza, no seu grande iinor e humildade. Quereis a paz? Promettei a esta Mãe rezar diariamente no menos um terço de seu rosário e a coroa de suas bemdi-tas Lagrimas em união com a sua soledade. Quereis a paz? Promettei a Jesus Sacramentado nunca mais deixar de visital-o na sua prisão de amor, ao menos uma vez por dia. Quereis a paz? Promettei a Jesus Sacramentado traba lhar com afinco na vossa santificação, usando para isso dos meios ao vosso alcance, conforme a condição na qual Deus vos eollocou. Quereis a paz? Toinae santas resoluções nestes dias de liençanis aos pés de Jesus Sacramentado, onde Elie vos espera para receber vossa reparação amorosa e vossas santas resoluções, que deveis collocar nas mãos de Maria, a qual entregará vossa offerta ao Pae das misericórdias e Elie generosamente vos ha de abençoar. Filhos, sede dóceis por amor de Jesus Crucificado, rompei de uma vez para sempre com os divertimentos pec -'•aminosos; amae a castidade; ainae a vossos pães, sêde-lhcs obedientes, rezae com elles o santo terço, a coroa das Lagrimas. Promettei a Jesus Sacramentado, nestes dias de ben -çams, de serdes por toda a vossa vida fiéis observadores da lei de Deus, ouvindo todos os Domingos e dias santificados a Santa Missa, na qual o nosso Jesus por nosso amor se offerece como victima pelos nossos peccados. Promettei a Jesus Sacramentado amar a modéstia no vosso trajar; a modéstia em todo o vosso sêr resplan -desça ante Jesus Sacramentado, que deseja ardentemente vèr-vos como o modelo que nos legou — sua Mãe Santíssima. Sede santos, porque a santidade nos foi pedida a todos sem excepção. 23-8-1932.

O Bom Combate na Alma Generosa 139 138 O Bom Combate na Alma Generosa

O ideal do homem sábio
Ser de Jesus O ER de Jesus! Quão sublime é este ideal, unieo capaz de satisfazer o coração humano. Procurae corações felizes sem este ideal, e tereis de constatar que não os encontrareis. Sem Jesus não ha felicidade, porque Elie é o autor da verdadeira felici dade. Lançando um olhar sobre o mundo das almas, temos de verificar que na maior parte destas não existe este ideal sublime — "Ser de Jesus". Porque esta triste realidade? Porque esta maioria não conhece a Jesus, este Jesus tão bom e tão amável, que, passando por es te valle de lagrimas, at-trahia a si os enfermos, as creancinhas, os pobres, os aleija dos, e a todos consolava com a sua ineffavel doçura. Procuremos conhecer a Jesus, vamos juntos ao seu Di vino Coração, porém antes que Jesus se dê a conhecer ás nossas a lmas, procuremos levar em nossos corações a sua Mãe Santíssima. Apresentando -lhe este riquíssimo thesouro, Elie descerá até nós, e nós o poderemos tomar como norte de nossa vida. Assim norteadas por Jesus, a nossa felici dade será completa, e eníêo a poderemos dividir com todas as almas que aspiram a verdadeira felicidade, que a pro curam e a não acham, porque ella só se encontra em Jesus!. .. 7-2-1934. Por isso livremente e por amor, por um anno, (ou perpetuamente), faço voto de obediência, pobreza e castidade, segundo as condições de meu estado.

Prometto-vos d'ora avante amar-vos loucamente e pro pagar o vosso reinado nas almas, segundo as minhas possi bilidades e condições de meu estado, sempre, porém, em conformidade com a vossa santíssima vontade, manifestada por aquelles a quem escolher como guia. "Recebei, meu Jesus, a minha alma e todo o meu sêr, pois quero ser immolada pela vossa Vontade Divina. Fazei de mim uma esposa digna de vosso amor; para isto, todos os dias, tomae -me de mim mesma e prendei -me no cárcere de vosso querer, para que assim presa eu viva só para vós, cantando as vossas glorias neste mundo, para que um dia possa eternamente vos amar no céu. 12-3-1934.

As núpcias do amor

M

INHA Pomba, minha amada, "meu amor". Desde toda a eternidade te amei, eis que de hoje em diante serás a desposada de meu amor e chamar-te-ei "o meu amor". Neste dia sublime e sem occaso realizamos a nossa ver dadeira união, pois Eu, jurando -te fidelidade eterna, tomo-te como esposa de meu amor. Chamar-te-ei com o doce nome de "Meu Amor". Será este o nome eterno pelo qual te conhecerei.

Formula para as pessoas que no mundo querem se consagrar a Jesus
K/JEU amorosíssimo Jesus Crucificado. Prostrada na 1 1 presença da Santíssima Trindade e de meus Santos protectores, pelas mãos de vossa e minha Mãe do céu, des confiando de mim mesma e unicamente confiada na vossa infinita misericórdia e na protecção da corte celeste, con sagro-me toda a vós. A MISSÃO A tua missão será a de me amar por todas as almas, que existem e que ainda hão de existir até o fim dos séculos e que, indifferentes, nêo sabem me amar! Serás, junto de todos os tabernáculos existentes e que ainda se abrirão até o f : m dos séculos, "o meu amor" a reparar por todos os corações! AS BODAS Levantae-vos e acompanhae-me, serafins, e vós, ó minha doce e terna Mãe, vinde e vamos ao humilde Pombal, onde a minha Pomba, a minha amada, anciosa me espera. Dáe -me a salva sublime de teu amor, na qual levareis a alliança que vou depositar no dedo de minha amada, que de hoje em diante terá o doce nome de "Meu Amor". Minha Mãe, a minha amada se acha entre lyrios cultivados nos canteiros da innocencia, cultivados estes pelas mãos do artista amado, São José.

Amando-me, reparas, porque Eu de ti só quero amor, e será o amor que te ensinará a Sciencia dos Santos, será este amor que te tornará semelhante a mim. — A tua missão na terra não terminará com a morte, oh! não. Ella se distenderá emquanto houver um Sacrário sobre a face da terra; não descansarás emquanto a minha presença real ahi estiver. Amar e sempre amar junto aos meus Sacrários, dando a bôa nova a todas as gentes, emquanto estiveres na terra falando do meu amor, porque não deves te esquecer do cântico sublime do amor, que é a palavra da Missionaria inflammada nas santas chammas do meu infinito zelo. "Amor meu", não te esqueças jamais de abrires o Livro Sagrado de meu Coração, no qual encontrarás o teu nome. A TUA ALLIANÇA "Amor meu", dá-me agora a tua alliança, deposita-a nas mãos de nossa Amada Mãe, Ella segurando tua mão, diz com ella, amada minha: — Esposo Divino, recebei a alliança de meu eterno amor. Eu vos juro fidelidade eterna. Fazei com que o meu amor por vós chegue ao infinito, e se preciso fôr, para vos mostrar o meu amor, soffrer mil martyrios, eu os aceito, porque confio em vós que sois a fortaleza e a vida.

"Amor meu", jamais macules esta alliança feita com tanto carinho e dedicação!!! Torna -te cada dia mais fiel, correspondendo ás minhas inspirações. Fidelidade te peço, amada minha, "Amor meu". O OSCULO Recebe esposa, o meu osculo de amor, chegou a hora de gravar no teu coração o meu nome e o teu nome no meu Coração. Deixa, esposa amada, que este osculo queime os teus lábios e todo o teu sêr seja de hoje em diante um bra-zeiro, onde Eu possa aquecer todos os corações frios e indifferentes. EXCLAMAÇÕES DO CORAÇÃO DE MARIA Meu Coração exulta de alegria, porque vejo na terra o meu querido Jesus amado! Oh! exulta, tu, ó alma feliz, por te veres assim desposada com o amor de meu Jesus!!!... Serei de hoje em diante, minha querida filha, o teu Anjo, que te ensinará a verdadeira intimidade com o Amor, para que assim possas realizar a tua tão sublime e encan tadora missão. Tua Mãe que te dá o osculo de alegria.

MINHA HORA

pasmos diante deste surto de meu amor por ti! "Vem, approxima-te." Aqui está o meu Coração em chammas, minha Mãe nos abençoa!!...

"Meu Amor", chegou a hora bemdita das Núpcias, os Serafins estão

Dá-me o teu coração, approxima -te destas labare das!!!.. . "Meu Amor", Eu te juro fidelidade eterna!!! Oh! quanta alegria nes te enlace! Quero dizer -te que te amo até a loucura!!!... "Meu Amor", Eu te amo!!! Dá-me o teu dedo! Recebe, esposa, a alliança do meu eterno amor, lem bra-te ella de que c meu amor por ti jamais terá quebras. Eu te serei fiel, foi ella feita pelas minhas próprias mãos na forja do meu eterno amor. Oh! quanto amor vae nesta alliança, esposa querida!

JESUS

140

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 50

"Meu amor", de hoje em diante nem um só instante de separação, unidos viveremos no amor. Teu Jesus. 12-5-1934.

A coroa da liberdade
ALVORADA SUBLIME

H! meu Bem Amado, meu Senhor e meu Deus, raiou linaimente o dia memorável, o dia da liberdade! Summo Bem, agora que me sinto livre, deixae -me entrar nas vossas intimidades. Ouço dizerdes-me: "Antes que nella entres, deixa-me eoroar-te com a coroa que, desde toda a eternidade preparei aos que sabem desprezar-se por meu amor!. Mostrae-me, meu único e Soberano Amor, mostrae -me também o vosso Coração, do qual dissestes: "Eis o Coração que tanto ama aos homens e que da maior parte destes re cebe ingratidões e desprezos! Meu Jesus, meu thcsouro, riqueza de infinito valor, es pero que, mostrando-me o vosso Divino Coração, saberei neste instante jurar -vos fidelidade, entregando -vos minha liberdade; sim, porque se algum dia quebrar o que agora vos vou jurar, certamen te retomareis a minha coroa e assim, sem esse diadema sublime, deixar -me-eis á porta de vosso Coração. Não tendo a felicidade de nelle entrar, chorarei, meu Jesus, a minha desgraça e taes lagrimas não me purificarão, porque só o vosso amor é capaz de purificar-me, dando-me a felicidade de entrar nas vossas divinas intimidades.

SÜPPLICA
Meu Senhor e meu Deus, meu único e exclusivo Amor, neste momento solemne de minha vida religiosa venho a vós; depois de seriamente me olhar, pude vêr, na verdade, (jue em mi m nada tenho de bom que vos possa dar; porém, neste conhecimento da verdade descobri que tenho uma alma creada por vós, portanto posso dizer -vos: Sou vossa filha. Tenho mais, meu Summo Bem, tenho um coração que aceleradamente palpita á procura de quem o possa saciar... e só em vós encontrei o único Bem. capaz de satisfazel-o. Para que este meu coração, porém, seja saciado nas alegrias de vosso puro e infinito Amor, precisa estar livre, livre de tudo, de lodos e de si mesmo. Oh! Senhor, meu Rei, examinando -me attentamente eu o vi livre, jã não se preoceupa com o mundo, por elle já não bate mais, deixei os meus, aos quaes amo em vós, mas somente por vós! As vaidades, os prazeres, nunca oceupa-rão o meu coração. Meu Amor e meu Deus. aprofundando as intimidades dc meu coração, posso vos dizer que este meu pobre cora ção não mais se ama, elle se desorezou por vosso amor. As honras e os louvores que um dia poderiam me manchar, tudo elle desprezou! Estou, ó meu Jesus, p"ompta a abraçar, por vosso amor, todo e qualquer mariyrio, porque eu só suspiro o vôo "ás regiões infinitas de vosso amável Cora ção!" Livre de mim mesma, eu vos posso dizer: Uma só cousa eu desejo, amar-vos louca e apaixonadamente. .. por este amor eu me libertei das cadeias, que me prendiam ao mundo e a mim mesma. Agora, Senhor, deixae -me proferir o meu juramento de Hberd"dt>, ao anal quero ser fiel, pedin-do-vos a mercê de me tirardes a vida ou castigar-me com a firmeza de vosso amor, antes que tal desgraça aconteça.

0 JURAMENTO Meu Esposo amantíssimo, minha única alegria, meu Soberano Senhor, meu Senhor e meu Deus!!! Aqui aos pés de vosso tabernáculo, ao lado de minha grande Mãe. Nossa Senhora MMMW. a qual tomo como madrinha de meu juramento, rodeada pelas testemunhas oue escolhi para tão importa nte acto, venho a vós jurar-vos fidelidade eterna na permanência de minha liberdade. Eu que ro, ó Jesus meu, a morte, os desprezos com todos os seus humilhantes effeitos, antes do que prender-me a mim ou aos que me rodeiam. Quero, ó! Jesus, permanecer livre; e jurando -vos neste momento Uberdade, o faco em nome de vós mesmo, de vosso Sangue, de vossas Palavras de vida eterna, de vosso perdão, de vosso Sacramento de amor, de vossa vida e de vossa morte e do amor que reina em vós Trinda de Augustissima. Juro-vos pelas Lagrimas de vossa e minha Mãe Lacri mosa, pelas suas dores, pe'o amor que Ella vos dedicou e eternamente vos dedicará. Oh! Jesus, eu vos juro, pelo vosso nome. nome que é para minha bocea o doce favo de mel com o qual sabeis inebriar as vossas eleitas. Oh! meu Deus, nesta liberdade quero viver e morrer, porque, morrendo uara mim mesma, voarei para a vida que sois vós, amor meu!!

144

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa 51

JESUS Minha amaria e meu amor, nas alvoradas da liberdade, vendo os teus protestos e juramentos, posso com toda a vehemencia de meu ardente Amor coroar-te com o diadema que te tenho preparado desde que te amei, worém antes de cingir -te a fronte recebe os meus juramentos. Sim, Eu também te juro estar comtigo na vida e na morte, na dôr e na alegria, na paz e na desconsolação. Sim, Eu te juro pelos meus martyrios soffridos na vida mortal, pelo meu Sangue, pelas minhas palavras de vida, pelo meu Sacramento de Amor, com que te alimento quotidianamente, pelos meus martyrios de Amor soffridos nos silenciosos tabernáculos do universo. Sim, amada minha, Eu te juro fidelidade na minha graça, a qual actuará em ti para que possas, com esta minha assistência, permanecer firme como um rochedo no meio das ondas do teu eu. o qual, nunca morrendo, ficará esma gado pelo meu amor. Agora recebe, em meu nome e em nome de meu Pae e do Divino Santifieador, a coroa da Fberdade dos filhos de Deus. Oue esta coroa jamais seja afastada de tua fronte pela tua infidelidade. Lembra-te este diadema sagrado que agora podes voar nas infinitas regiões de meu Coraç ão, que te estão abertas poroue agora és minha, somente minha. Oh! minha celeste Mãe, guarda esta minha amada nas dobras de teu manto puríssimo. Jamais a deixes dormir. . . Acorda -a todos os dias para que (dia ine ame: leinbra-lhe, ó Mãe querida, que o meu Coração é a sua eterna morada. Amada minha, permanece fiel ao teu juramento, vive de hoje em diante a incendiar em ti o Amor, pois se assim o fizeres Eu te inebriarei neste divino festim, que te tenho preparado na vehemencia de meu Amor. Teu J esus. Assigna o teu nome ................................................................ 25-5-1934.

Juramento de amor
EU Jesus, meu amor e meu tudo. Raiou para minha alma o dia feliz, dia memorável e que jamais será esquecido pela minha alma!

\
Que dia é este, meu Summo Bem?! E'\p dia do amor, dia em que venho jurar -vos AMOR ETERNfJ! Vós sabeis, meu Bem Amado, puríssimo e perfumadíssimo Lyrio, que sustentaes e daes vida ao meu pobre lyrio, que ,a vossa pobre e pequenina esposa é fraca; porém, sabeis que tenho desejos infinitos de vos amar. Dir -vos-ei como vos disse um dia uma vossa esposa: Eu poderei ter a infelicidade de quebrar o que neste momento desejo vos jurar, porisso, antes que tal desgraça sueceda, tirae-me a vida, castigae-me se fôr preciso, mas não permittaes que a vossa pobre esposa deixe um instante de vos amar! Meu Jesus, meu Summo e único Bem, despertae-me neste momento da indifferença em que até hoje tenho vivido! Acordae-me, por piedade, e que este acordar seja eterno, para que assim acordada eu possa vi ver a vida sublime do Amor, dando-vos a cada instante provas deste amor e que sejam de valor infinito, porque, estando o vosso amor em mim, sereis vós o motor de tudo quanto o meu amor possa produzir. Amadissimo Esposo, meu único e excelcissimo amor, que d esejo exista no meu pobre coração, abri neste instante o vosso dulcíssimo Coração, porque neste instante abro o meu, para vos dizer: — Eu ........................... vossa indignissima esposa, attrahida pela vossa infinita bondade, venho a vós jurar -vos que vos amarei loucamente, apaixonadamente e eternamen te, dizendo-vos com todas as veras de meu pobre coração, que de hoje em diante viverei no vosso amável Coração, procurando consolar-vos e dar-vos consoladores! Procurarei, de hoje em diante, atirar nessas ehammas de vosso Co ração, primeiramente as minhas misérias, acreditando cega mente que me amaes, e como amante tudo me será perdoado. E depois de bem queimadas, ó Jesus meu, atirarei a essas ehammas os pobres peccadores, que pela vossa mise ricórdia desejo ir procurar para vos dar! Meu doce amante, jurando-vos fidelidade eterna no meu amor em corresponder ás vossas finezas, eu também vos juro dar -vos tudo quanto o vosso amor exigir de mim, sejam desprezos, humilhações, ealumnias, emfim tudo quanto qui -zerdes que eu soffra para testemunhar-vos o meu amor, parque só assim meu amor por vós será completo. Fidelidade nas alegrias, fidelidade nas tristezas, fide lidade no abandono, fidelidade na vida, fidelidade na morte! Jesus meu, creio que neste momento tomaes o meu coração e escreveis nelle as seguintes palavras: "Eu te amo, oh! minha pomba, minha amada, neste momento acabaes de me jurar fidelidade eterna no teu amor, Eu também te

52

O Bom Combale na Alma Generosa /

O Bom Combale na Alma Generosa

147

juro, em nome de meu Sangue por ti vertido! Em notúe de meu Coração traspassado pela lança de Longuinho! Em nome de meu Sacramento de amor, do qual todos/os dias te alimentas! Em nome de minhas palavras de vida eterna! Em nome de meu eterno quere"! Xesle momento % \\ te juro amar-te loucamente! apaixonadamente! delicadamente! sua vemente! porque desde to^a a eterridade te anjei! Oh! minha esposa! minha amada! Ah e o teu coração .'ás labaredas que queimam o meu, deixa que neste instante opere em ti a transformação divina que te fará exclamar: — Morro de amor porque o meu Senhor, o meu Deus, vive em mim, eu O sinto pelos eff eitos, que me impulsionam á virtude heróica. Sim, mirha amada, jurando -te fidelidade constante em meu amor, dou-te como prova deste amor, a minha alliança, a qual te garante um amor sem quebras, lembrando-te que só será quebrado se tu o expulsares para longe de ti; porém, « o r n o tu me disseste caie te desse a morte antes que isso aconteça, eu te falo, dizendo -te que a morte te darei antes que tal desgraça aconteça, só se tu tal vinculo queiras romper. Lembra-te, amada minha, do teu juramento de amor, todos os dias renova-o e assim se~ás livre da lethargin perniciosa em que tantas esposas vivem. Oh! minha Mãe Lacrimosa, minha Biqueza, minha Protecção, minha carinhosa Mãe, neste momento tão solemne de minha vida religiosa, no qual jurei ao meu Jesus fideli dade eterna no meu amor e Elie também me jurou, se lhe fôr fiel, venho a vós, porque vós sabeis o quanto eu sou fraca, pois sem vós me será impossível a fidelidade; porisso, Mãe querida, ajudae-me, dae-me todos os dias a vossa mão, levae -me ao meu único Amor, eu quero que só Elie reine, só Elie impere no meu coração, eu quero amal-0 acima de mim mesma, que por seu amor eu saiba abraçar todos os tormentos sejam de qualquer forma, emfim, minha Mãe, eu. quero tornar -me louca no amor e que na minha loucura só ache repouso na cruz, na dôr, para as sim poder saciar a minha sede de amor que me causa constante martyrio. Mãe querida, vós bem sabeis o quanto eu preciso de vós, porisso confiando na vossa maternal solicitude de cada instante, atiro -me ao vosso regaço, certa de sahir victoriosa no que jurei ao meu único e Summo Bem. 1-6-1934.

M

\

INHA esposa muito amada, o subterrâneo da santa humildade será o conhecimento de minha grandeza, principalmente de meu grande amor por ti, para abi te esconderes. Na verdade, somente Eu, que conheço estes infinitos e profundos subterrâneos de meu Amor, onde escondo os meus eleitos, poderei te abrigar. Sim, esconder -te-ei nesses divinos subterrâneos só vistos pelos meus olhos. Ha nestas profundezas tantos mysteriös, os quaes te revelarei para os eommunicares ás minhas amadas nascidas de nossas intimidades, introduzindo -as ahi, porque Eu as desejo vèr escondidas nestes subterrâneos de meu Amor, onde comprehen -derão a sua sublimidade no conhecimento da verdade, que é a santa humildade. 7-6-1934.

Subtilezas do amor divino
\/J EU Jesus, meu Senhor e meu Deus, meu único Amor, • v i sentindo em minha alma os vossos próprios Ímpetos, os quaes me dão fome e sede de vós, eu vos supplico, por vós mesmo, que aceiteis a minha própria vida nos seus instantes, e que nenhum destes se perca! Que estes instantes sejam levados por vós a vos amar infinitamente. Meu Deus, meu amer e meu tudo, sou a desposada de vosso Amor. Vós o sabeis, porém, apesar de me desposardes, posso ter algum instante que nJo seja vosso; por isso, desejando infinitamente vos amar, (pois sois vós que me levaes a desejar -vos), eu vos supplico, e repito, aceiteis todos os instantes de minha vida, pai i que nenhum delles se perca. Eu vos supplico, na venemencia de vossa paixão amorosa por minha alma, que estes insl antes de meu peregrinar se jam fundidos nos vossos etc -nos quereres. Assim os meus nadas e os meus pobres momentos desta vida serão infini tos, ó meu Jesus, e terei a felicidade de vêr o meu coração saciado de vosso eterno Amor, único capaz de saciar a mi nha fome de amor, que bem vos posso dizer, fome divina;

Subterrâneos do amor e a humildade

porque se vós mesmo não me ordenásseis que vos aníásse, pobre como sou, não atinaria com as vossas fontes!/ Meu Deus, quanta miséria!... sim, engolfar -meia nas iguarias do mundo! Porém, como vós, na immensa ternura para com a minha alma, me ordenastes amorosajnente que vos amasse, eis-me hoje faminta de vós! E que s e d e ! . . . Gomo meu peito estúa diante de vossas fontes! Este meu pobre coração quer ser afogado nessas divinas fontes; e assim divinamente afogada, vireis me salvar em um surto de amor! Oh! então levar-me-eis nos vossos braços e nesses bra ços divinos permanecerei eternamente! Sim, meu amor, meu Deus e meu repouso, eu vos orde no, pelo amor que em meu peito puzestes, que recolhaes amorosamente os meus pobres instantes deste peregrinar e os envolvaes no vosso eterno e infinito amor, para que assim eu possa amar -vos infinitamente em cada instante de minha passagem por este exilio. Confiada em vosso eterno querer, atiro os meus nadas ao vosso Coração, para me vêr em breve afogada nessas di vinas fontes de amor, donde a cada instante jorra o néctar divino de vosso amor, onde as almas eleitas constantemente são afogadas por essas surprehendentes enchentes dessas divinas fontes. Oh! meu Deus, meu Amor e meu tudo, quantas almas já foram salvas dessa innundação pelas divinas fontes!!! O' Salvador divino, sois vós, sim, não mandaes os anjos, mas somente vós é que quereis salvar essas almas assim tão divi namente afogadas! Que ventura, ó meu Summo Bem, ser assim por vós salva do divino, afogamento! Sim, eu espero esta grande mercê, porque não olhastes os meus peccados, pois, somente a vossa paixão por mim é que vos leva até esses excessos de Amor! Vossa indignissima esposa, que quer viver em cada instante a vos amar infinitamente .................................. 8-6-1934.

Nos clarõesdo amor divino
SUPPLICA

M
ame!

EU Senhor e meu Deus! meu único Bem! meu repouso! minha alegria! Nas claridades infinitas de vosso amor pela minha alma, eu vi, por intermédio de vossa pobre serva, como me amaes e desejaes que eu vos

Sim, eu o sinto pela fome que me devora... eu bem quizera saciar -vos, oh! meu Amado!!! Sabeis o quanto sou fraca e batida pelas tentações de meu eu, que não cessa de roubar-vos o meu puro e affeiçoado amor. Oh! como vos tenho maguado no vosso amor por mim! Como tenho sido ingrata ao vosso amor! Vós, meu Deus, a me pedirdes que vos deixe vasar em mim o vosso amor, e eu a afastar -vos de mim, pelas minhas infidelidades. Ora é o meu eu que se levanta, ora estou a dar ouvidos ás distracções voluntárias, que por vezes abraço somente para satisfazer o meu próprio coração!... Jesus meu, meu unico amor, perdoae a minha fraqueza, não a olheis mais, porque de hoje em diante, na espontânea offerta que vós mesmo vos dignastes pedir-me, vou jurar amar-vos mais do que todas as creaturas do universo, e que já estão vos amando! Amar -vos-ei mais do que as que já se acham ao vosso lado, porque, meu Jesus, as que já estão vos gozando na visão beatifica, não têm mais os meios para augmentar o seu amor como eu tenho aqui no exilio. Sim, posso vos amar na dôr, no abandono, na cruz, na humilhação, na minha fé, emfim posso vos amar sem vos vêr, e este amor é mais forte, porque amar-vos sem vos vêr é amar -vos na força do amor e na vehemencia de vossos próprios Ímpetos! Meu Jesus, meu tudo! Meu unico e exclusivo amor! Eu vos supplico perdoeis as minhas fraquezas, esquecei -as porque agora raiou a claridade de vosso amor, e nestas claridades divinas vou alçar o meu vôo. Sustentae-me,

148

O Bom Combate na Alma Generosa

0 Bom Combale na Alma Generosa

53

Amor meu, na força de vosso amor e quando os assaltos do meu eu, de meu inimigo tentador vierem convidar -me a descer ao lama çal de minhas próprias misérias... oh! nestas horas, olhae-me com mais clemência, não me deixeis descer; castigae-me se fôr preciso, porém deixae -me ao vosso lado e

não me escondaes a vossa divina face! Oh! nessa hora fazei-me acordar aos toques de vosso amor e não me despenheis da montanha sublime do amor! Eu sei, Jesus, que, apesar de minhas

quedas, vós me ordenaes que nellas não me detenha, mas olhe somente o vosso Coração ferido por meu amor. Sim, eu o vejo ferido de amor, porém quando eu vos ferir com a ingratidão, dae -me a dôr, mas, por piedade, não expulseis de vossa intimidade a vossa esposa que neste mo mento vos vae jurar amar-vos mais do que todas as creatu ras que existirem e hão de existir até o fim dos séculos. Jesus, meu amor, meu único amor capaz de satisfazer ás ânsias de meu coração, no dia de hoje aqui venho, no conhecimento de meu nada, para vos supplicar e vos jurar amor sem medida; porém, para que me possaes saciar, neste momento em nome de vosso Sangue, de vosso amor, de vossa vida, de vossa morte e de vossa permanência amorosa nos tabernáculos do universo, vos declaro que eu, vossa indignissirna esposa, vos qu ero amar mais do que todas as creaturas, mais do que os serafins, mais do que todos os eleitos que já gozam de vossa presença, mais do que vossa Mãe, mais do que vós mesmo vos amaes! Oh! ousadia a minha, mas, sois vós mesmo que a tal ousadia me impulsionaes! Sim, mais do que vós mesmo vos amaes, porque eu quero mostrar-vos o meu reconhecimento, por isso eu vos supplico que me deis a ventura de poder dizer-vos e mostrar-vos que vos amo. Oh! sim, vós soffrestes uma morte affrontosa e eu quero soffrer mil mortes, milhões de mortes, para dizer-vos que vos amo! Eu juro, oh! meu Amor, meu Summo Bem; dizer-vos que vos amo, não porque vosso amor é doce como o favo de mel, mas somente porque vós sois o meu único Bem, que devo amar. Oh! meu Jesus, que eu vos ame mais do que vós mesmo! Eu quero, eu vos juro, por vós mesmo, que quero ser a pri meira no amor e a ultima na vossa casa; a primeira em soffrer as humilhações os desprezos e a morte em cada instante! Que^o soffrer do que vós soffrestes por mim. Sim, não uma morte, mas tartns quantas fo -em necessárias para vos amar acima d" todas as creaturas! Oh! Jesus, perdoae a minha ousadia, porém só assim ficarei saciada! Soffrer en onero, porém o ai>° eu rão onero é que o vosso amor emmudeca no meu pob-e coração! Oh! Jesus, ab-azada por e-se incêndio divino, tudo sup -portarei alegremente, suavemente, pacificamente; porém se vós me largardes um instante eu cahirei, rolarei da monta nha, e quando vierdes ao meu encontro só encontrareis escombros, ruinas!... Oh! isto jamais permittaes!!!

I

Ella, desejando amar-vos mais do que todas as creatu ras, vem. por minhas mãos, apresentar -vos neste dia os seus arrojos de amor. Vós certamente regozijaes por verdes que ha ha terra almas, que attenuarão' o martyrio do divino Amante, que se acha prisioneiro de amor! Recebei, Trindade Augustissima, suas supplicas e juramentos; não permittaes que jamais ella os quebre. Eu vos declaro que a ajudarei a alçar os seus vôos de amor, dardhe -ei as gigantescas azas de minha pureza, para que possa na realidade permanecer nas alturas do amor, ainda que para isto lhe seja preciso o martyrio de cada instante. Sim, eu a ajudarei com o vosso poder, T rindade Augus -tissima, que vos comprazeis nos vossos amantes, os quaes tudo desprezam para vos dar honra e gloria. Maria. 10-6-1934.

— Mysticos desposorios de minha humildade Eucharistica com a minha amada MISERIAZINHA, que soube esconder-se nos véus riquíssimos de minha humildade. — A
MADA minha, minha affeição delicada, venho, nos vehe-* * mentes jimpulsos de meu eterno querer, desposar-me comtigo. Eu desejei ardentemente que chegasse este dia, porque me vejo tão só nas minhas riquezas, cobertas com os véus da humildade. Eu que sou o Rico, o thesouro infinito, me vejo só nestas riquezas Eucharisticas, porque não tenho almas humildes que se occultem nestas profundezas divinas, donde saem os meus santos, plenos de graças. Te nho, amada "miseriazinha", tão poucos amantes destas riquezas, por isso Eu te convido e te desposo como apaixonada desta minha humildade. Sim, serás de hoje em diante a feliz apaixonada destas Riquezas tão pouco procuradas! Os meus desejos, porém, vão além de tua paixã o, Eu quero que sejas mãe, quero gerar em ti filhos capazes de virem buscar estas riquezas incom-mensuraveis, únicas que fazem Santos. Esposa amantíssima, d:go-te em verdade que desejei ardentemente este matrimonio de minha humildade Eucha ristica com o teu coração, escondido nestes profundos abys -mos de humildade. OhJ sim, Eu te vejo enamorada destas Riquezas, e não podendo por mais tempo resistir aos teus encantos, Eu me approximo de ti, desposando -te como Rainha de minhas Ri quezas Eucharisticas. Sim, a minha humildade agora vae ser desalterada em ti, ella já tem uma esposa capaz de conceber filhos, que nos consolem e nos confortem no nosso esquecimento Eucha-ristico! Oh! esposa querida, como me sinto só nos meus tabernáculos do universo! Agora, porém, j á não estarei só, Eu te escolhi para minha dedicada esposa, e que feliz sou, mi nha amada! Sim, na minha felicidade Eucharistica, Eu te cummularei de filhos capazes de virem beber nestas riquezas Eucharisticas o néctar dos Santos. Sou, minha amada "miseriazinha", o louco que, nas suas humildes loucuras, não é comprehendido! Eu assim me abati para chamar ao meu convívio os meus filhos, os po bres, os ignorantes e os sábios; porém, ainda assim tão pequeno, não sou amado, não sou comprehendido! Os ho mens acham um absurdo esconder -se tanto, e tanto se humilhar! Oh! sim, loucura ineffavel! Se não me abatesse tanto, ainda seria menos amado... chamar-me-iam o Deus orgulhoso, porém, assim abatido, te attrahi! Se assim não me visses, vendo a tua nullidade, fugiri as de mim e, espantada, terias medo em vêr-me como sou na realidade. Os anjos velam-se ao cont°molarem a minha formosura, o meu podor e magestade! Que seria de ti, pobre creatura, se assim também visses? Fugirias para longe e não terias a felicidade de te vèr hoje reclinada sobre mim, não serias a feliz apaixonada de meu Coração. Por isso, amada "miseriazinha", rejubilemos juntos nas profundezas deste meu aniquilamento, no qual ha riquezas infinitas, onde se acha o meu amor, a minha sciencia e sabedoria, onde deposito a minha vida com todas as riquezas. Sim, só os que assim se aprofundam serão levantados por mim ás eternas alegrias de meu amor.

JESUS RECLINA SUA AMADA NO SEU DIVINO COBAÇÃO Amada minha, minha "delicia", pelos teus juramentos de amor, lidos por minha Mãe, aqui ante o throno da Santíssima Trindade, Eu te ordeno: reclina amorosamente sobre o meu peito em chammas, para que ellas queimem o teu sêr, e te façam, por meu amor, dar -me constantes provas de que. teu amor é meu. Que este amor a cada instante te leve a procurar provas que mereçam dizer-te: Minha aniada, em ti Eu me delicio. Sim, deliciar-me-ei em cada instante de tua vida, que deve ser minha vida. Communicar-te-ei a vida do meu amor todos os dias, e esta vida dar-te-á a sede e a fome do mar-tyrio. Nestas ânsias de fome morrerás nos braços de minha Mãe, e Ella sorrindo-me, comprehenderás então o segredo dos tres. O' sublime segredo! Oh! bemdita deleitação de amor! Naquelle dia eu te conhecerei nas minhas intimidades! Amada minha, tu me juraste amar-me mais do que todas as creaturas, amar-me mais do que Eu me amo! Como me alegram os teus juramentos. Agora deixa-me dizer-te: se assim me amares, Eu também te juro amar-te muito, muitíssimo. Sim, no meu amor Eu te juro, porque elle tem a consistência infinita e nella tu te fortificarás para poderes supportar os Ímpetos deste vehemente amor por ti. Jesus.

POR MARI A Trindade Augustissima, em vossa presença apresento o altíssimo vôo da esposa de meu Jesus.

54

O Bom Combate na Alma Generosa O Bom Combate na Alma Generosa 151

Amada esposa, chegou a hora tão desejada; recebe neste momento o manto dos humildes, élle é feito com os meus sil êncios nas injurias. Recebe a alva túnica feita com meus actos de renuncia neste sacramento de amor! Oh! como renuncio ás pompas e ás honras de minha majestade, só por teu amor! nhãs mãos sobre a tua cabeça, e ao lado de minha Mãe faça mos o nosso juramento, desposemo -nos.

Recebe as sandálias feitas com os meus actos de heroís mo, entrando nos corações frios e indifferentes! Recebe, minha esposa, o diadema feito de meus actos de humildade, não fulminando os que ludibriam de minha loucura, dei xando-me assim estar nos Sacrários do universo. Assim vestida com as Riquezas de minha humildade approxima-te de mim. Eu neste momento imponho as mi0 Bom Combate na Alma Generosa 155

O ENLACE Recebe, amada minha, minha pobre enamorada, as effusões de minha infinita humildade. De hoje em diante serás a minha feliz apaixonada, viverás a conceber filhos de nossa affeição amorosa. Recebe o osculo de minha humildade, que elle te selle como propriedade e esposa rmerida de minha infinita hu mildade; jamais lhe sejas infiel. Amada minha, que este osculo de minha humildade te queime todos os dias, deixando -te ao meu lado como hóstia escondida capaz de receber as operações divinas. Recebe o anel forjado nas officinas das Riquezas Eu -charístiens, feito com as minhas ternuras escondidas sobre-os véus de uma pequenina hóstia. Dá-me agora a tua alliança: sim, põe no meu dedo a alliança de tua humildade. Jamais a tires de mim, permane cendo firme e amorosa ao lado de meu voluntário esqueci mento. Vive, amada, sempre inclinada sobre este teu esposo, que se vê tão só, tão esquecido! Sim, Eu recebo a tua alliança c cpiando a quizerdes tirar de meu dedo pela tua fraqueza, Eu a apertarei com mais firmeza sobre o meu peito incandescente. Sou, amada, o teu Esposo humilde, que de pobre só tem as apparencias, porém que é rico e no nosso matrimonio de humildade e pobreza apparenle, serás a esposa mais rica e capaz de offusear aquelles que me desprezaram na riqueza e que na realidade são paupérrimos. Recebe todos os meus amplexos, os meus ósculos, escondida nas profundezas de nosso abysmo riquissimo, do qual sahirás carregada de fruetos para sustentares os filhos que de nós vão nascer. Teu esposo humilde e rico.

Não olhar a não ser por amor de seu Esposo, e só o necessário, para que sua alma possa contemplar a formo sura divina. 2. ° Mortificação dos seus ouvidos. Não ouvir sinão por amor de Jesus, e abster-se de tudo quanto fôr curiosidade, para que sua alma possa ouvir as harmonias celestiaes, isto é, a vóz de seu Amado. 3. ° Mortificação de seu paladar. Mortificação de seu paladar, para poder gostar das cousas divinas, principalmente para saborear o amor de seu Jesus, que ansioso espera poder sacial-a. 4. ° Mortificar a sua língua. Não falando a não ser por amor de seu Divino Esposo e só palavras cheias de caridade e de mansidã o, para que a sua alma possa receber os ósculos divinos, que a inebriarão. 5. ° Mortificar todo o seu sêr, para ber os amplexos do amor divino, e estreitar contra seu divino Coração. que elle possa assim Jesus a rece possa

6 " Mortificar pela grav'dade os i""s passos, caminhando só po- sen amor. lembrand^-se que rada passo que dá é para mais amal-o e avançir na perfeição. 7. ° Mortificar o sen corrç'o, fazendo com rrue e'le só palpite de amor, ab-fa^do r>romo ; nmente »edo sentimento que não seja caridoso, humild», paciente e cheio de ternura para com o seu próximo, vendo em todos o seu Jesus, para que possa receber as enchentes do amor divino. 8. " Mortificar os sevs pevsamep'os renriorndo tudo que levar o sello do menos perfeito, P-mbrando-se que o seu pensar deve estar conHnu^nr -níe eccnmdo em Deus, só no amor de seu Am°do, para fim as , ; m EH» no^a lhe dizer: Porque só pensas em mim, Eu te farei outro Jesus. 25-6-1934.

Mortificação dos sentidos para receber as enchentes do amor divino
1. ° Mortificação dos olhos.

A alma prepara-se para nascer na intimidade de Maria
1. " Preparo — Pelo conhecimento de seu nada e da sua incapacidade para qualquer acto de virtude. 2. ° Preparo — Grandes desejos — Assim como Maria desejou a vinda do Messias, a alma deve desejar nas cer em Maria, cujo nascimento lhe alcançará a intimidade com Jesus. 3. " Preparo — Grande pureza de consciência. — Aqui a alma aprofunda-se em si mesma e vê se a sua consciência está pura com relação a tudo que é falta voluntária. Examinando-se sobre as Constituições, Directório e offi-cios ao seu cargo, isto é, se tudo faz bem e se a sua consciên cia não lhe accusa de relaxamento voluntário, porque só a uma consciência pura Deus fala. 4. ° Preparo — Grande pureza de coração. — Só o coração puro pôde chegar á união com Deus, pois Elie não une a si o coração apegado a si mesmo. Esta pqreza de coração pelo desprendimento de tudo que é creado — objectos, creaturas, vontade própria, conso lações, honras, bem estar, opiniões, desejos. Aqui entra também em execução o voto de pobreza.

5. " Preparo — Pureza de intenção. — A nossa intenção deve ser pura, isto é, tudo quanto desejamos e obramos deve ser purificado pelo amor Divino. A alma que se prepara para nascer em Maria deve so mente agir para agradar a Deus. Para isto a alma aqui deve fazer um exame para vêr se suas intenções, desejos e obras são somente para agradar a Deus e por seu Amor. Ver aqui se, quando age, não é descuidadamente, sem purificar a sua intenção. 6. " Preparo — Grande pureza de espirito. — Dentre as nossas faculdades, contamos a memoria, entendimento e vontade. Essas faculdades da alma devem ser exercitadas, traba lhadas e unificadas. 1. " A Memoria, exercitando-se em recordar os benefí cios da Redcmpção e todas as graças que dahi nos vêm. 2. ° A Intelligencia, isto é, o entendimento, exercitan do-se na penetração das cousas apanhadas pela memoria. 0 entendimento faz -nos reflectir sobre os favores recebidos. 3. " A Vontade — A vontade é uma faculdade da alma que deve trabalhar para deixal -a forte. A vontade da alma se fortifica na Vontade divina. "Vêr aqui se estamos sempre promptos em executal -a." A vontade da alma é que nos dá a generosidade no sacrifício, mas oara isto é necessário fortifical-a. Este trabalho deixa a alma preparada para poder nascer em Maria:

156

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa

55

1." Conhecendo o seu nada e vendo a sua incapacidade e desejando a união com seu Deus. Sente a alma a necessidade de trabalhar, mas como nos diz Santa Thereza, o primeiro impulso de todo o trabalho é desejar. Aqui a alma começa a desejar e depois a trabalhar pela pureza de consciência, pureza de coração, pureza de inten ção, pureza de espirito. Assim fazendo a alma pôde ser transplantada de si mesma para nascer nas qualidades de Maria. COMO SE DARA' ESTE NASCIMENTO EM MARIA Dar-se-á como se dá com o sói. 0 sói penetra em uma habitação com os seus raios sem ruído e sem ser necessário abrirem -se os vidros. Assim nossas almas podem nascer nas qualidades de "Marin, penetrnl -as, estando ellas mirissim^s nestes portos, poroue nascer em Maria é differente de conial-A de loncre, por isso a alma que deseia essa grande graça tem a necessidade de fazer este trabalho que aqui fica descriminado.

Assim alimentada, a alma avançará a passos gigantescos no caminho da santidde, pois é com Maria e por Maria que tudo nos vem. Este tudo é seu Jesus, que é a nossa vida, nosso principio e fim. 8-1-1935.

t

Preparação para nascer na intimidade de Jesus
1. " Trabalhará nos desejos. Vivendo já na intimidade de Maria, desejará ardente mente nascer ainda na intimidade de seu Divino Esposo. Assim come Maria desejou a vinda do Messias, a sua alma desejará também que chegue a hora bemdita de nascer nas divinas intimidades. 2. ° Trabalhará nas faculdades de sua alma, memoria, entendimento e vontade. A Memoria recorda os benefícios recebidos na Encarnação, na Bedempção, na Eucharistia, Vocação, graças par ticulares, etc. O Entendimento faz com que a nossa alma tire a subs tancia das palavras, das graças recebidas, fazendo -nos com-prehender os benefícios recebidos, para delles tirarmos proveito. A Vontade deve fortificar -se e alimentar -se na Vontade Divina, fazendo -a mais forte que a própria morte. Este trabalho lhe dará a ventura de nascer na intimi dade de seu Divino Esposo, porque só uma alma interior pôde ser intima de Jesus.

TRABALHO PARA DEPOTS DO NASCIMENTO A alma depois owe nasce em Maria, orecisa ser bap'i -sada e conservada nas oualidades de Maria. Como realizará a alma o seu baptismo mys-tico e a sua conservação em Marin? Vejamos: Baptismo Depois de ter assim nascido é necessário ser baptisado, o que se dará pelo trabalho da alma que recebe um nome que condiga com as intimidades de Maria, e que lhe lembre o que ella é para Maria e o cuie Maria é para ella. A alma prepara este baptismo por um grande desejo de conhecer a Maria nas suas perfeições. Trabalhará para imi -tal-a nas alegrias que Ella experimentava na sua vida oceulta. Fará o seu enxoval com as alegrias de Maria e com a sua vida oceulta. Escolherá o dia do seu baptismo, o Sacerdote que deve ser Jesus e seus padrinhos. Fará a alma o seu acto de renuncia, como o fazem os padrinhos que vão baptisar uma crean-ça, quando por ella dizem que renunciam ao demônio, ao mundo e ás obras, promettendo em nome da mesma amar a Jesus Christo. Depois do Baptismo a alma deve trabalhar para se con servar no que desejou e realizou. Sem a perseverança nin guém se salva. Só aos que perseveram será dado o galardão, dahi a necessidade do trabalho que a alma deve fazer para se conservar fiel. A alma deve fazer o trabalho de se conservar na inli -rnidade com Maria, tendo o seu exame diário sobre esta intimidade, sobre o trabalho que fez, examinando-se até que um dia não seja mais necessário exame, pois essa intimidade já alcançou segunda natureza. A alma deve nesta intimidade nada fazer, nada receber, nada dar, que não seja por Maria, E' necessário ai^da oue a alma t -abalhe não somente na intimidade cnmn também na imitação e alimentação das qualidades de Maria. Na imitação a alma fará o seguinte trabalho: "por exemplo" o"e r imitar Maria na sua fortaleza, procurará a alm-» vêr a fortaleza de Maria junto á Cruz. Ouer iinital-a na s"a aff biüdade, procurará a almn vêr Maria eo lado dos diseip?>]os. toda doçura e caridade para com elles ainda que grosseiros. Quer a alma imitar Maria na sua pureza, ella a deve vêr fazendo tndo r»*r amor e com amor, com modéstia e grande pureza de intenção. Para que a alma não perca os fruetos de seu nascimento em Maria, é necessário que durante toda a sua vida a imite. Mas não deve a alma só imital-a, porque não é só na imitação que se adquirem as forças; é necessária a alimenta ção em Maria. Como se alimenta a alma em Maria? A alma deve a! m nt r-. .> para a Inda que a perfeição exige, fazendo um trabalho com a sua alma, fazendo -a conhecer a bondade, a solicitude, o carinho desta Mãe Amável! Por'ar;to a alma deve se alimentar: 1." na bondade de Maria 2." na solicitude de Maria, 3.° no carinho desta Mãe bemdita. A alma assim alimentada nada pôde recear, nada lhe falta, vive na imitação, na intimidade, e finalmente alimen ta-se á mesa sagrada de sua bondade, solicitude e carinho.

100

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 56

Baptismo mystico na intimidade divina
ÍJEPOIS de ter assim nascido na intimidade divina, nella *—' a alma deve ser baptisada. O Sacerdote será Jesus Crucificado. A agua com a qual Elie a baptisará serão as torrentes de seu Amor Divino, que, não podendo se conter, a mergu lharão nas aguas da divina intimidade. A pia baptismal será o Coração de Maria, onde ella tem depositado o Amor que lhe consagra. O sal será a sua eterna Sabedoria, a qual a fará douta no seu Divino Amor. A toalha, com que a envolverá para a ceremonia do grande Baptismo, será a sua infinita pureza, pela qual a alma se tornará intima com o seu Divino Coração, mere cendo a grande graça de se tornar uma só com Elie, de ser a sua consoladora e a sua fiel confidente. Neste Baptismo Mystico a alma deve escolher um nome novo, o qual fale á alma da intimidade divina. Deve fazer também o seu juramento e o seu protesto, renunciando a tudo que não seja só viver com Jesus. Desse dia em deante deve se considerar a fiel confidente de Jesus e a sua consoladora, reparando e amando pelos pobres peccadores, mantendo-se assim em uma vida toda de Amor e Sacrifício, procurando abandonar -se á vontade divina, seguindo sempre cóm rigor as divinas inspirações da graça.

Oh! almas minhas, vêde -Me coroado de espinhos! Quanto sangue escorre pela minha fronte! Este sangue é vosso; porque temeis? Este sangue derramado com tanta dôr pagará vossas imperfeições. Vinde, recolhei -o no vosso coração; só uma cousa vos peço — bòa vontade; dizei como o bom ladrão: Senhor, quando estiverdes no vosso reino, lembrae -vos de nós! Sim, filhas do meu Coração, Eu estou roo meu reino, Eu estou nos vossos corações a vos dizer: Hoje é o dia da misericórdia. Quereis commennorar este grande acontecimento tão precioso para vós? Recolhei nas vossas almas, no dia de hoje, todos os mereciment os de meu Sangue Divino, que é fodo vosso! A Mãe Dolorosa, com o cálice de ouro nas mãos, está a dizer -vos: Vinde, porção querida, vinde beber o sangue do Amado. Vinde, amados de meu Coração, neste dia de salvação, dou -vos os merecimentos da paixão do Redemptor c os meus para pagarem vossias dividias e ficareis brilhantes como o sói! Sahireis triumohantes como Jesus, no dia da resurreição, isto é, limpas de toda mancha! Oh! armadas minhas, vède -Me a dizer-vos: Tenho sede, lenho sede de vossa confiança illimitada! Tenho sede de serdes verdadeiramente humildes! Ah! filhas queridas, (ruem me dera, desta Cathedra Divina — a Cruz — ouvir hoje de vossas almas este grito: 0' meu Deus, ó esposo amado que me escolhestes para vossa esposa, de hoje em deante hei de desejar a humilhação como desejo o vosso reino! Meu Deus, hei de confiar em vós como vossa Mãe confiou! Oh! se isto fosse uma realidade! Podeis, amadas de meu Coração, podeis sim; isso somente depende de vossa generosidade! Para vós já adquiri a força de que necessi-taes nas tres horas de tremenda agonia, soffrendo tormentos indizíveis! Amadas de meu Coração, a minha Santa Egreja veste-se de luto, neste dia memorável, porém vossas almas não de vem vestir-se de luto. Ah! não, de um profundo recolhi mento sim, para Me poder ouvir e falar -Me; mas um santo gozo ha de invadir vossas almas, lembrando -vos que não soffri em vão. A h ! não, vejo-vos tão solicitas a aproveitar de minha morte! Vejo vossas almas tão puras, lavadas com o meu sangue! Oh! não soffri em vão. Se Eu não tivesse morrido por vós, não vos via hoje, porçfio querida, a dizer: Nós somos Missionarias de Jesus Crucificado, o que quer dizer: somos mensageiras de sua misericórdia! Sim, se Eu por vós não derramasse todo o meu sangue, não teria a c onsolação de vos vêr hoje tão solicitas aos pés da minha cruz a Me dize rem : Por nós morrestes, ó Esposo de nossas almas, por vós taimbem morremos, morrendo para o mundo e todas as nossas vontades, porisso a vós nos entregamos alegremente, dando -nos sem reserva para tudo que vos aprouver! Oh! sim, minha ignominiosa morte g:>rou-vos, vós sois o frueto de minha sagrada Paixão! Sim, porção querida, minhas Missionárias, ás tres horas da tarde, antes de dar o ultimo suspiro, disse: No século vinte hão de nascer como frueto de todos os tormentos de minha sagrada Paixão "As Missionarias" que hão de ter como nome "Jesus Crucificado"! Desde aquella hora bemdicta estáveis guardadas no meu Coração até o dia em que disse ao meu filho: E' hora! O' amadas de meu Coração, como sois ricas! Quem mais do que vós pôde dizer: Somos ricas! Creatura alguma pôde dizer, porque vós possuis todos os merecimentos desta Paixão e Morte; pois vós sois seu frueto! O frueto de uma arvore tem direito de dizer: A arvore que me gerou é minha m?e, e vós que fostes geradas cm hc-'-a tão bemdicta, nadeis dizer: Somos herdeiras de nossa mãe — A Sagrada Paixão do Salvador! Oh! como sois ricas! Como sois afortunadas! Aprovei -tae, correspondei a tantas finezas de vosso Esposo. Dizei hoje muitas vez°s: Somos o frueto da Paixão do nosso Redemptor que é nosso Esposo! Dia da misericórdia, dia de perdão, cantam os anjos! louvemos este grande dia em aue o Divino Redemptor gerou a porção querida das Missionarias, as quaes têm o nome de nosso Deus humanado. Jesus Crucificado!

Geração das missionarias

S

EXTA-FEIRA SANTA, ás tres horas da tarde, hora em que vos gerei, almas Missionarias! Approxima-te, alma victima, approximate de mini Daqui a poucas horas a minha Santa Egreja militante e mi nha Egreja triumphante vão commemorar o sublime e commovedor drama sanguinolento da minha santíssima morte! O que se passa hoje no céu? Muitos não sabem o que se passa nesta mansão de paz, neste dia de misericórdia! Os anjos, archanjos, cherubins e seraphins, thronos e dominações cartam o hv-mno bcllissimo da misericórdia, e ao Pae o offertam em favor da Egreja militante e padecente, Minha Mãe Santíssima canta também, unindo seu canto á minh a misericórdia, derramando sobre o mundo e a Egreja padecente torrentes de misericórdia! Ah! quantas almas no dia de hoje snhf>m deste cárcere, onde gemem suspirando pela pátria amada! Sim, hoje é o grande dia do perdão! Hoje é o dia máximo da misericórdia! Vê, alma que Me ouves, como o que te digo te posso rrovnr no bom ladrão. Só porque Me f'isse: "Guando estiveres no teu reino, lembra -Te de mim", qual não foi a minha resposta: — "Hoje, sim, hoje, dia da misericórdia, estarás commigo no Paraíso!" Oh! almas queridas, hoje é o dia de mergulhar -vos nd meu Sangue Divino e delle sahirdes brilhantes como o sói! Almas que temeis o passado, por piedade, hoje é o dia da purificação! Approximae-vos da minha cruz e dir-vos-ei como ao bom ladrão: Hoje mesmo estarás co mmigo no Paraiso, isto é, um dia gozarás da minha beatitude. Sim, almas minhas, em verdade vos declaro que hoje é o dia em que mais misericórdia derramo sobre o mundo! Não foi hoje que morri na cruz? E porque morri? Qual o motivo dessa morte? Não foi por v ossa salvação e santificação? Sim, portanto tenho razão de vos dizer que hoje é o dia em que mais misericórdia espalho sobre vossas almas! Oh! por piedade, os que Me ledes não Me deis o cálice amargo de ainda temer, de desconfiar que não fostes bem perdoados! Approximae-vos da minha cruz, senti -Me a dizer-vos: Vede como estou com os olhos inclinados para a terra, para vêr as vossas almas e chamal -as; vinde almas que temeis, vinde, ajoelhae-vos bem perto de minha cruz, vede minhas mãos perfuradas a vos dizerem: Porque temeis? Estas chagas feitas pelos cravos são a vossa morada, este sangue que corre é vosso, é licor que vos fortifica e vos lava. Porque então temeis?!

A VOCAÇÃO MISSIONARIA
bancando um olhar sobre a humanidade, e vendo em que lastimoso estado ella se acha, ouvimos no intimo de nossa alma uma voz, que nos diz que a vocação Missionaria é uma necessidade urgente! Porque uma necessidade urgente? Porque os interesses sagrados de nosso Deus acham-se em perigo de serem lan çados ao fogo! 0 joio foi semeado pelo inimigo de Deus e elle tomou conta dos campos do Senhor; e o Senhor, vendo seus campos cheios de joio, pede p or amor trabalhadores para semearem estes campos, que lhe custaram a própria vida!

100

O Bom Combate na Alma Generosa

O Bom Combate na Alma Generosa 57

O nosso Divino Rei, sentindo que, com as suas santas inspirações, não lhe dão acolhimento, chama a si almas abnegadas e diz -lhes: vae a meu campo trabalhar, não te importes com o raio do sói, nem tão pouco com a chuva, E' necessário que vás, e em troca dar -te-ei em abundância meu amor. Eis a paga, eis o salário da alma Missionaria, c haverá salário mais rico do que este? A alma Missionaria é a mensageira da paz, porque não s e poupando em sacrifícios, vae atraz da ovelha tresmalhada dizer -lhe que volte para o redil, porque o Senhor do redil a ama; e a ovelhinha tresmalhada, vendo que, apesar de ter-se afastado do reba nho, ainda é amada, pressurosa volta ao redil, onde é rece bida no mais doce amplexo! Eis a ovelha salva das garras infernaes, porém, para que isto seja realidade, é necessário que a alma Missionaria possua, dentro de si, em abundância, o Deus da caridade, que lhe dará uma sede ardente, a qual só será saciada na eternidade! Sim, o calor do amor divino é que deve abrazar 0 coração e a alma de uma Missionaria, e não se pôde com -prehender de Outra forma a vocação de uma alma Missionaria; Qual a alma que, amando a Deus, não goste de ficar no silencio de seu convento, amparada pelos seus bemditos muros, aos pés do Divino Mestre?!! Sim, a alma que ama deseja sempre estar ao lado de seu amado, porém a Missionaria, depois de passar as suas horas aos pés de seu Amado, não se podendo conter, vae atraz dos irmãos queridos, q ue se acham cheios de lama e vae lhes mostrar, que, apesar de seus desvarios, o seu Deus ainda os ama, por isso os exhorta a que voltem para a casa paterna. Mostra-lhes a Missionaria os anjos do Senhor, que são os ministros do altar, os quaes têm o poder d e perdoar peccados, dado pelo -próprio Deus. E quando a Missionaria volta de seu trabalho, sente -se feliz porque fez aos outros felizes! Sim, só ha felicidade onde está Deus, e a Missionaria, mostrando o erro e mostrando o amor, leva as almas a seu Deus. Eis Deus tomando posse destes corações, que já se acha vam longe de seus afagos; portanto a estes corações de novo voltou a felicidade, porque voltaram para seu Deus, o único que pôde dar ao homem a felicidade. Alma Missionaria, grande é tua felicidade, porque tu fazes o que o Divino Mestre fez. Elie não se contentou somente de rezar, quiz Elie mesmo ir atraz dos peccadores, não se poupando aos raios de sói ardente, fazendo caminhadas penosas e longas! Missionaria que não te poupes, pareces -me o Divino Missionário, percorrendo as ruas e cidades em busca de seus filhos para lhes mostrar a felicidade eterna. Sim, Missionaria, a tua vocação é sublime; é uma neces sidade para estes tempos, em que o mundo se acha tão cheio de impurezas e vicios! Missionaria, é nas grandes cidades o teu maior traba lho, porque nellas se acham os antros de perdição, onde as donzellas perdem seu pudor, onde as creanças são levadas pelos seus próprios paes para perderem sua innocencia. Sim, Missionaria, grande é teu campo de acção no meio destas cidades, para mostrar a estes paes o perigo a que expõem seus filhos innocentes"! Grande é teu campo de acção, mostrando ás donzellas tãio corrompidas já pelos cinemas, theatros e modas escandalosas, o perigo em que se acham de perder suas almas se assim continuarem! Sim, Missionaria, grande é teu campo de acção no meio de tanta miséria que se alastra pela humanidade! Tirar essas almas de tantas immundicies e leval-as aos anjos de minha Santa Egreja militante é trabalho árduo, porém grande é a tua recompensa. Missionaria, lembra-te que o Divino Missionário não fez sua obra sem lhe custar seu próprio Sangue! Sim, tu, também has de ser immolada na cruz dos que não te comprehendem, como não comprehenderam ao Divino Missionário, chamando-0 de louco! Sim, tu, também has de ser chamada de louca! « Sim, alma Missionaria, por muitos has de ser bemdita e por muitos has de ser escarnecida! Muitas serão as bofe tadas que has de levar, sim, bofetadas de injurias, mas tu, com o doce sorriso de teu Mestre, chegarás a conquistas, chegarás á victoria, onde, depois de um doce trabalhar pelo teu Mestre querido, gozarás a recompensa das almas apostolas, tendo no céu a consolação de vêr muitas almas, que, se não f osse a tua abnegação, estariam perdidas para sempre! Missionaria de Jesus Crucificado, a tua vocação é subli me, porque nãlo ha mais sublime victoria do que a conquista de uma alma! Salvar uma alma é predestinar a sua própria para o céu! O' belleza não apreciada, ô sublimidade não compre-hendida — salvar uma alma! Só, ó meu Deus, aquelles que vos conhecem, podem comprehender o quanto vale salvar uma alma! Missionaria, enche-te de santo enthusiasmo e dá, se fôr preciso, teu sangue para salvar uma única alma, porque só uma alma vale mais do que tudo o que existe neste mundo corrupto! Sim, uma alma vale o sangue do Cordeiro Immaculado!

ICC

O Bom Combate na Alma Generosa

O' todos os que fordes chamados á vocação Missiona ria, enchei-vos de santo enthusiasmo e dizei como o apos tolo São Paulo: eu me glorio em ser apostolo de Christo Crucificado e não desejo pregar a não ser Christo Crucifi cado. Sim, deveis servir ao Senhor na alegria, porque, olhando para vossa nulliflade, fez Elie em vós grandes cou sas, como instrumentos de sua misericórdia. Sim, a Missionaria não é outra cousa do que instru mento nas mãos de Jesus Crucificado, para exercer a sua misericó rdia. A's vezes estes instrumentos são tão nullos e tão pouco apreciados pelos homens; é que o Rei da mise ricordia escolhe os pequenos, os humildes, para que mais a sua gloria resplandeça, por isso Deus não precisa para suas grandes obras de grandes homens, pois o que Elie deseja são homens de boa vontade e fáceis de serem amoldados segundo o seu coração; por isso, o maior predicado de uma alma, que deseja ser Missionaria, é ter bôa vontade. Paz na terra aos homens de bôa vontade, paz, Missio naria, terás nesta vida e na outra, porque és alma de bô;. vontade, que não contente em te salvares, desejas que todos se salvem.

I
Pags. 7 7 9 11 13 13 14 10 16 18 19 20 21 21 23 25 26 27 29 33 36 41 44 54 58 69 72 75 78 81 90 101 108 114 117 120 122 125 130

A PROPAGANDA
Nas Casas das Missionarias encontram-se vários livros e objectos de piedade próprios para propaaanda e que muit< bem fazem á s almas. Além de Terços e Coroas para todos os gostos, encontram -se medalhas, crucifixos e santinhos para lembranças e presentes. Chama-se a attenção principalmente para os livros edi tados pelo Instituto e outros de vários autores sempre esco lhidos. Peçam os Evangelhos, as Eoistolas, Lições de Jesus Victima, Glorias e Poder de N. Senhora, Presidio de Amor Dons e Fructos do Espirito Santo, Bom Combate e Avisos Espirituaes. Enviam-se catálogos e informações. Assignem a revista "A Missionaria de Jesus Crucifi cado", ascética, mystica e de propaganda, dando noticias das actividades das Casas dos missionários. Assignatura annual registrada — 7$000. Peçam á Casa de N. Senhora, rua Marechal Deodoro, n. 1099, Campinas, Estado de S. Paulo.

f

INDICE
pm que consiste a santidade ..........................................................................
L vida espiritual mal comprehendida .......................................................... (emaventurados os que choram ................................................................... ler grande ............................................................................................................ )ivina Sabedoria ................................................................................................. ? ida de amor e sacrifício ................................................................................. icsus chora de saudade ..................................................................................... II Dom da Cruz ..................................................................... , ............................. |ède tudo para todos ...................................................................................... Jma alma na dôr chama por Maria ................................................................ ía dôr cantarei vossas misericórdias ........................................................... ) lyrio entre espinhos ....................................................................................... L felicidade do coração manso ...................................................................... L caridade não mede sacrifícios ................................................................... 'rotesto e santa resolução para uma vida nova ....................................... 'reambulo á humildade .................................................................................... ier santo é ser humilde .................................................................................... i sciencia das sciencias ..................................................................................... 'ensamentos consoladores ............................................................................... looperemos com a Misericórdia para nossa santificação ) dote de minhas Esposas ............................................................................... im que consiste a união da alma com o Amado ...................................... ) pão quotidiano das almas de bôa vontade ........................................... Is bellezas da Ave -Maria ................................................................................. .ivro confortador das almas que g emem e choram neste valle de lagrimas ......................................................................................... is divinas esmolas ............................................................................................. ) medico divino .................................................................................................. espirito de sacrificio ........................................................................................ > amor, o mais erudito dos mestres ........................................................... mitação de Jesus Crucificado ........................................................................... -icções de amor no livro divino .................................................................... .apidações de amor ............................. , ........................................................... imor manifesto na pedra preciosa da Santa Humildade ) retiro espiritual .............................................................................................. • sacrificio ................................................................................................. tf.., •ossessão Divina . . ......................................................................................... Felicidade ......................................................................................................... i Thcsouro escondido ...................................................................................... ospedagem de amor ........................................................................................

Pa*
A sede de Jesus pelas almas missionarias .................................................. li Pedindo a paz . .. .\fc.'>* • ............................................................................... 1" O ideal do homem sábio ................................................................................... li Formula de consagrarão a Jesus .................................................................... 1! As núpcias do Amor .......................................................................................... li A carôa da liberdade ....................................................... }................................. 1< Juramento de amor ............................................................................................... ..................................................................................................................................... 1< Subterrâneos do amor e a humildade ............................................................ 1< Subtilezas do amor Divino .............................................................................. b .Vos clarões do amor Divino ........................................................................... 1< Jesus e sua amada ................................................................................................. li Por Maria ............................................................................................................... li Mystieos desposorios ......................................................................................... lí Mortificação dos sentidos ................................................................................ 1! A alma prepara -se para nascer na intimidade de Maria lí Preparação para nascer na intimidade de Jesus ......................................... lí Baptismo mystico na intimidade divina ..................................................... 11 A geração das missionarias ............................................................................. U A vocação missionaria ....................................................................................... 1( A Propaganda ....................................................................................................... 1(

m
SOC. IMPRCSSORA BRASILEIRA BRUSCO & CIA. - Praça Cambucy. 29 - S. Paulo