FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA

REABILITAÇÃO PSICOMOTORA

NORMAS E SUGESTÕES DE REDAÇÃO
DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS
(VERSÃO PROVISÓRIA)

Sofia Santos Pedro Morato
2009
Cristina Espadinha - 2013 (revisão e versão acessível)

......... 2 “Pormenores técnicos” (Bell......... 5 Bibliografia do Guia................................................................................................................ 2010) ..............ÍNDICE PARTES DE UM DOCUMENTO CIENTÍFICO ................. 1997 & APA..................................................... 14 1 .......................

). síntese bibliográfica na área. 2.100/120 palavras:      problema de investigação (numa frase.. se possível). AGRADECIMENTOS – a parte relativa aos agradecimentos são facultativos.. devendo ser breves e claros. incluindo os resultados estatísticos.. deve conter todos os elementos significativos das partes do documento. os resultados.  Resumo de artigo teórico (revisão da literatura).. variáveis estudadas. os objetivos. TÍTULO – deve resumir de forma clara a ideia dominante do trabalho /artigo.. as referências a apoios devem aparecer de forma explícita a seguir aos agradecimentos.PARTES DE UM DOCUMENTO CIENTÍFICO Um documento científico deve ter as seguintes partes: 1. espécies. 100/120 palavras     o tópico numa frase. tipo. ÍNDICE – inventário de toda informação contida no documento de forma esquemática e organizada. 4. conciso e específico.. sumariza o problema. coerente e legível. ocupam o primeiro lugar logo a seguir à folha de rosto.. implicações e aplicações. ABSTRACT/RESUMO – resumo breve e holístico dos conteúdos do documento (não exceder as 120 palavras). grupos tomados ou procedimentos empregues. introduz o problema. INTRODUÇÃO – apresentação do problema específico do estudo realizado e descrição das estratégias de investigação. a amostra e as suas características (número. teoria. o método de observação. definição da hipótese e sua relevância. não avaliativo. (de acordo com a APA o título deve ter cerca de 10 a 12 palavras – isto em inglês). caracterizado por ser preciso. a interpretação dos dados e implicações:  Resumo de estudo empírico (trabalho de campo). 3. eis algumas questões a que se deve estar atento a este nível:  apresentação do problema: qual é o tema principal do estudo 2 . para uma compreensão rápida e global de todo o manuscrito (facilita a leitura).. os dados obtidos. sendo a sua enumeração feita em números romanos. conclusões. outras variáveis. género. e AUTORIA: autor(es) e instituição(ões) de pertença. decorre da natureza do relatório.). conceitos e enquadramento (área temática) do artigo as fontes utilizadas conclusões 5. método experimental (instrumentos utilizados.

características demográficas. correlacional. desenhos..05 ou  < . numa sequencialização lógica dos trabalhos posteriores com os atuais.. a descrição de todos os passos dados para a concretização do trabalho. clarificar o tipo de análise realizado e porquê (paramétrica. i.  Apresentação Estatística – inclui a informação sobre a amplitude e valores do teste. de forma a se poder apreciar a pertinência dos métodos e a fidelidade/validade dos resultados.). Podem ser utilizados quadros. subjetividade nas análises. os seus graus de liberdade.. 2010).. tabelas consoante a natureza do trabalho:  Tabelas e Figuras (quadros. rejeição de hipóteses e porquê). instrumentos.)....01).. caso tenham sido utilizados vários instrumentos procedemos à sua descrição separadamente.... se pormenorizar este tipo de informação – sem se proceder à sua análise e discussão (Bell. numa primeira parte. DESENVOLVIMENTO/REVISÃO BIBLIOGRÁFICA . significância estatística (discriminando qual o nível de significância utilizado:  < . não esquecer a estatística descritiva (médias e medianas... desvios-padrão. testes de hipóteses (aceitação vs. onde a análise de estudos e outros trabalhos relacionados com a nossa área de investigação se torna pertinente (evitando pormenores desnecessários. não paramétrica. e procedimentos... devem ser identificadas/enumeradas. procedimentos para a sua seleção. para em seguida. procedimentos.. MÉTODO – descrição da forma como o estudo foi conduzido em termos de sujeitos. técnicas e instrumentos utilizados. onde se inclui as instruções aos participantes.  Identificação das subsecções – participantes (descrição da amostra. e o seu tratamento estatístico. 1997. resumem-se de forma breve os principais resultados. se possível. gráficos) – estratégias de apresentação clara e concisa dos dados (atraem a atenção e simplificam a descrição e análise da informação). materiais. legendadas e aconselhadas aos leitores no próprio trabalho (legenda de tabelas colocada na sua parte superior. variáveis.. 8. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS – sumário dos dados e informações recolhidas.e. 3 . enquanto que a legenda de figuras deve estar na parte inferior da mesma). APA. enfatizando resultados pertinentes e metodologias relevantes.). 7.inclui a discussão da literatura. figuras. de que forma se relaciona o desenho experimental e as hipóteses com o problema?  quais as implicações teóricas do estudo e de que forma se relaciona com a pesquisa existente nesta área?  quais as hipóteses testadas? 6. a formação de grupos de controlo.. descritiva.). o nível de probabilidade..

software ou outras informações necessárias (documentos importantes usados ou produzidos pela investigação). 12. 4 . identificação de implicações práticas e teóricas. desenvolvimentos futuros. sugestão de melhorias.9.. LISTA DE REFERÊNCIAS . inferências. limitações da investigação. possíveis consequências teóricas e validade das conclusões tiradas (confronto com outros estudos e outras conclusões – similaridades e diferenças). a sua enumeração deve ser feita ou em romano ou alfabeticamente.identificação das fontes utilizadas apenas no documento final ou BIBLIOGRAFIA – conjunto de fontes utilizadas para a elaboração do documento. formulários e fichas. 10. apesar de poderem não estar referenciadas ao longo do manuscrito (para a sua organização ver página relativa à bibliografia). ANÁLISE E DISCUSSÃO – após a apresentação. ANEXOS – o seu objetivo reporta-se à possibilidade de uma informação mais detalhada. que poderia distrair o leitor aquando da leitura do documento principal. propostas de novos temas de investigação. entra-se na fase de discutir e de interpretar os dados obtidos. RESUMO E CONCLUSÕES – caracteriza-se por ser um resumo das principais conclusões decorridas dos resultados obtidos.. polémicas e comparações teóricas fracas. atenção às inferências e generalizações forçadas. inclui a apresentação exaustiva dos dados brutos. 11. evitar trivialidades. podendo inclusive confrontá-los com as hipóteses colocadas inicialmente: teorias...

pontuações dos testes e resultados..  Revisão: “Ninguém. outras abreviaturas científicas ou estatísticas (cm para centímetros. sequencialização da apresentação das ideias e conteúdos.e. por muito dotado que seja. é o caso das abreviaturas oriundas do latim e. redundâncias e repetição de palavras. trigonométricos (sen/cos. 1997 & APA.g. para isto é.g.  Abreviaturas – podem ser utilizadas abreviaturas quando possibilitam poupar tempo e simplificar o trabalho. frases estrangeiras (à posteriori. caso exista tradução disponível... LSD).: nome dos capítulos vs. para por exemplo.  Citações – material citado por outros autores ou duplicado de um item do teste.  Estilo de escrita – gramática e ortografia correta. 1991. revistas e outras publicações. para evitar confusões ou interpretações erradas. subcapítulos). economia de expressão.g.)... evitar rótulos. evitar uma escrita agressiva...  Utilização do itálico – títulos dos livros. 2010)  Extensão do trabalho – evitar exceder o número de páginas estipulado. sob o risco de penalização.: utilizar género em vez de sexo. simplificação da linguagem para uma compreensão perfeita e fácil. letras gregas. símbolos ou expressões matemáticas.... em português:  a incorporação da citação com menos de 40 palavras deve ser entre aspas:  Neste tipo de avaliação “interessamo-nos por aquilo que o indivíduo regularmente faz e não pelo que e capaz de fazer” (Salvia e Ysseldyke.. género e espécie.  Apresentação – atenção às indicações dadas pelas instituições às quais os trabalhos estão associados. introdução de termos técnicos.. p. 1997).. 1977.). 5 . i.g..  Organização do trabalho com Cabeçalhos (Headings): a utilização dos CABEÇALHOS indica a organização do trabalho e estabelecem a importância de cada tópico... palavras/frases citadas como exemplos linguísticos.. assim... todos os tópicos com a mesma importância têm o mesmo nível de CABEÇALHO (e.). e.. 12).). maior identidade étnica e racial. 31 in Bell. não se deve utilizar o itálico com termos químicos (NaCl.. p. deve ser reproduzido palavra por palavra na língua original ou. é capaz de elaborar uma versão aceitável à primeira vez: escrever significa reescrever” (Barzun & Graff.  Descrição com o máximo de precisão – esta característica edifica-se como uma necessidade ao nível da escrita científica (e.“PORMENORES TÉCNICOS” (BELL. sd para desvio-padrão.

A qualidade da adaptação geral é mediada pelo nível de inteligência. 5). exceção quando se pretende prevenir interpretações dúbias. a expressão. nomeando-se a fonte secundária. ainda que por outras palavras deve ser salvaguardada mediante a referência do autor e do ano em que foi expressa em todas as frases. 6 . e sem aspas. 22). plágio). Qualquer citação direta deve ser acompanhada por uma referência que inclua o número da página:  O conceito de Comportamento adaptativo inicialmente apelidado de ‘competência social’ foi definido como a “capacidade eficaz e eficiente do indivíduo lidar com as exigências sociais e da natureza do seu envolvimento” (Heber. com a sua listagem final. Plágio – compreende a utilização de texto ou ideias expressas por outrem. p. no caso em que a citação é superior a 40 palavras (em inglês) deve ser feita normalmente em bloco e iniciada numa nova linha. Deschamps & Mugny.) utilizam-se 4 pontos para indicar qualquer omissão entre duas frases. ao mesmo tempo que a pontuação no final da frase pode alterada de acordo com a sintaxe. que da consideração da definição de comportamento adaptativo – com ênfase na capacidade de se lidar […todos os dias com o contexto ecológico…] – este se relacione com o que as pessoas fazem para tomar conta delas mesmas e para se relacionar com os outros no seu dia-a-dia.  (…) não deve ser utilizado nem no final nem no início de qualquer citação. como um novo parágrafo. 1983. É evidente. socialmente percecionada. 2 conceitos que transcendem o seu significado. 1980). Comportamento Adaptativo refere-se à qualidade da performance diária em lidar com as exigências do envolvimento. p. daí a necessidade da introdução de referências ao longo do documento. exceção nos casos em que a sua utilização se caracterize por ser imprescindível. de regras. contudo.  A primeira letra da primeira palavra pode ser alterada para maiúscula ou minúscula. a definição […proposta] pela AAMD de deficiência mental tem considerado a inclusão da proeficiência motora em adição às medidas de inteligência.   Citações – têm de ser identificadas todas as citações (vs. e não tanto com o potencial abstracto inerente à inteligência (Grossman.  Atenção: se a citação for dalgum artigo da APA e ultrapasse as 500 palavras há necessidade de pedir autorização aos autores para a utilizar (o número de palavras para se pedir permissão de utilização varia de organismo para organismo). Desde 1959. normas em vigor num determinado sistema social (…) pondo em causa as mesmas ou a unidade do sistema” (Doise.   (….  Tanto quanto possível dever-se-á evitar a utilização de citações indiretas. ou seja.  Quando na citação se omite informação extra utiliza-se (…) indicando que se omite informação da fonte original: A adoção de comportamentos desajustados reporta-se à “transgressão. 1961.

todas as tabelas devem ter um título.g..oito itens.: médias.. devendo estar igualmente enumeradas para uma maior facilidade de consulta (e.)..05).. situação idêntica acontece com a escrita das fórmulas:  quando se reporta à descrição estatística (dos vários testes utilizados) deve-se incluir informação suficiente que permita ao leitor corroborar as análises efetuadas:  Tal como se pode observar pelos resultados não existem diferenças quando se compara o grupo com Dificuldades Intelectuais e Desenvolvimentais e o grupo com T21 (p < ..    frações comuns (um quinto da população.. descrição. exceção ao nível do desenvolvimento físico (p>... atenção à correlação correta entre os conceitos e os seus valores (e. títulos ou cabeçalhos (e.05. texto corrido. apesar de referenciarmos a estatística menos comum ou estatística utilizada de forma controversa. obtiveram os valores de: 2....... no entanto.g.g.)... Números – devem ser escritos em numeração quando em processos de comparação.: . tempo...): no caso das frações decimais utilizamos o zero (0) antes do ponto decimal quando os números são inferiores a 1 (0.: N para a amostra total vs. há que determinar a quantidade de informação que o leitor necessita para a discussão dos resultados e em seguida decidir sobre a modalidade de apresentação dos dados..: doze participantes contribuíram para a aplicação do teste.a utilização de tabelas na apresentação da informação é eficiente..... números que representem funções estatísticas ou matemáticas. precedentes de unidades de medida (5 cm). idades. os Dez Mandamentos.. ...).)..g.05). dois terços dos alunos opinaram que. amostra. datas. . existem exceções às quais se deve estar atentos:  números inferiores a 10 que não representem medidas precisas ou que se agrupem para comparação com números inferiores a 10 (e. equações. devendo ser inteligível e suficientemente elucidativa (sem referência ao texto)..43 (0.g. ao nível das correlações/proporções e níveis estatísticos de significância não colocamos o zero (0) – e.50)..g. especial atenção para a utilização de letras para representar conceitos: e.: tal como se observa na tabela 8.23 cm)..: p < . n para designar o número de elementos numa parte da amostra..  números a iniciar frases. uma nota geral explica a informação geral da 7 .repetir a tarefa três vezes..  Apresentação dos dados – existem vários métodos de apresentação dos dados estatísticos e matemáticos (símbolos..).existem sete razões para... com os padrões-desvio em parêntesis.). 2.21).  Tabelas . termos comumente aceites (os Doze Apóstolos. todas as tabelas devem ser parte integrante do texto. não é necessário introduzir as referências para a estatística mais em voga. enumeração.  se se apresentar a estatística descritiva em tabelas/quadros não é necessário repetir a informação em texto corrido. possibilitando a ‘arrumação’ de uma grande quantidade de informação de uma forma sistemática e clara na leitura.59 (1. em primeiro lugar..

À conquista do espaço Desenhos/Imagens – são seletivas e transmitem ao leitor a flexibilidade em enfatizar aspetos de uma dada imagem ou ideia.001).. **p < .. permitem um olhar global dos resultados.. sendo particularmente úteis na descrição de interações (ou falta de) e de relações nãolineares. deverão ser caracterizadas pela qualidade.  NOTAS DE RODAPÉ – podem ser de dois tipos: 1) NOTAS RELATIVAS AO CONTEÚDO complementam ou amplificam a informação do texto (o essencial).g.).  QUADROS/FIGURAS/GRÁFICOS: a preferência da utilização das tabelas deriva da maior exatidão da informação apresentada.g. ***p < .. por outro lado. uma vez que as figuras implicam que o leitor faça a estimativa de alguns valores.tabela (Nota:. entre outros.. devendo ser introduzidas apenas se reforçam o texto. 8 .  FOTOGRAFIAS – denotam uma boa forma de atrair o leitor.). não esquecer a sua enumeração (referenciada no índice e no momento da sua apresentação) na ordem em que é mostrada (e. com um background contrastante.). uma nota de probabilidade indica o resultado dos testes de significância (*p < . finalmente.. Figura 1 . enquanto uma nota específica se refere a uma coluna/linha específica (1este participante não completou o teste porque. a legenda constitui-se como uma parte fundamental da figura (e.: ver legendas abaixo).05.01.: tal como se observa na figura 1.Campeonato Mundial Figura 2 . quando se “copia” uma tabela/quadro de outro autor há que não esquecer a referência bibliográfica). ou 2) NOTAS DE INDICAÇÃO DOS AUTORES ORIGINAIS fornecem informação sobre a fonte das citações.

 GRÁFICOS: mostram relações (comparações e distribuições) o Gráficos em linha: relação entre variáveis quantitativas Figura 3 – Exemplo de um gráfico em linha o Gráficos de barras: utilizado quando a variável independente é categorial Figura 4 – Exemplo de um gráfico de barras o Gráficos de ‘queijos’: utilizado para % e proporções Figura 5 – Exemplo de um gráfico de ‘queijos’ o Gráficos de dispersão: pontos simples que representam os valores dos eventos simples Figura 6 – Exemplo de um gráfico de dispersão 9 .

neste caso pode-se optar ou por usar o nome todo do grupo ou uma sigla: o o o Entrada na bibliografia: Organização Mundial de Saúde. No caso de citações diretas deve ser acrescentada a página do livro onde surge a citação: o o o o Walker (2013) comparou os tempos de reação… Num estudo recente sobre tempos de reação (Walker. desde que seja claro que se está a falar do mesmo.. (apesar de ser um estrangeirismo não se utiliza o itálico) e a respetiva data.  REFERÊNCIA A CITAÇÕES NO TEXTO  UM TRABALHO DE UM AUTOR: colocar o APELIDO do autor mais o ANO de publicação. 2001) 10 . 1994 quer Bradley. Ramirez e Brown.. Soo. Walker (ou o autor) também encontrou… o   O autor afirmou que “os tempos de reação…”(Walker. Citações subsequentes no texto: (OMS. (2001). o Eg. (1994) afirmaram… [exemplo de referência para as citações subsequentes no texto] o Exceção – Se duas referências com o mesmo ano tiverem a mesma forma reduzida (e. 2001). p. 1994).1994). Ramirez e Soo. colocar … e o último autor)  GRUPOS COMO AUTORES: empresas. Rosen. UM TRABALHO DE MÚLTIPLOS AUTORES (ENTRE 3 E 5): citar sempre todos os autores no texto na primeira vez que surge no texto.o Gráficos pictoriais: utilizado para representar diferenças quantitativas simples entre grupos que têm uma representação gráfica óbvia.2 – Wasserstein et al. instituições governamentais ou outras podem ser responsáveis pela autoria de uma publicação. 2013.g. e a respetiva data. 2013)… Em 2013. devem ser citados os apelidos dos autores seguintes até as duas referências ficarem diferentes (neste exemplo: Bradley et al. Walker (2013) descreveu….22). quer Bradley. Zappulla. associações. Walker comparou os tempos de reação… Num estudo recente sobre tempos de reação. Todavia na lista de referências/bibliografia devem aparecer pelo menos os primeiros oito autores da publicação (mais de 8 autores listar os primeiros 7.  UM TRABALHO DE MÚLTIPLOS AUTORES (6 OU MAIS): citar sempre o nome do primeiro autor seguido de et al. 1994 e Bradley. Dentro do mesmo parágrafo não é necessário repetir a referência ao ano do estudo. Soo et al.1 – Wasserstein. UM TRABALHO DE DOIS AUTORES: citar sempre os dois autores no texto. 1994 ficariam com Bradley et al. Gerstman e Rock (1994) descobriram… [exemplo de referência para a primeira citação no texto] o Eg. Nas referências subsequentes apenas incluir o nome do primeiro autor seguido de et al. Primeira citação no texto: (Organização Mundial de Saúde [OMS].

o “desempate” é feito através do título (ordem alfabética) e na data acrescenta-se uma letra. (1993). P.. e Santos. & Jones. 3.. 1991. separados por vírgulas e o último autor separado por ‘e’. K. (1987). colocar “:” e o LOCAL DE PUBLICAÇÃO. identificar a EDIÇÃO do livro. No caso de não ser a primeira edição do livro. K. o Capítulo num Livro 1..  Lambert. J.. 1998. 11 .  Quando o mesmo autor aparece isolado e noutras vezes com colegas a sua inscrição na bibliografia faz-se. No caso de se citar o mesmo autor mas em diferentes anos.. Escrever o TÍTULO do capítulo do livro. e Leland. J. Escrever o TÍTULO do livro em itálico. far-se-á por ordem cronológica: Morato.. (1995).. K.R. Por fim identificar a EDITORA. (1990).. N. por ordem alfabética do segundo/terceiro. 4. Austin..R. e Morato. S. Nihira.  Caso haja um empate opta-se pela ordem cronológica: o o Kaufman. & Jones. 5. Entre parênteses é colocada a DATA da publicação. Adaptive Behavior Scale-School: Examiner’s Manual (2nd ed. 2.  Em último caso e na presença do mesmo autor em artigos do mesmo ano.  Todas as informações introduzidas nos respetivos campos devem ser são separadas pelo sinal “. inicial do primeiro nome. autor: o o Morato. Morato.”. separados por vírgulas e o último autor separado por ‘e’.. Kaufman. H. Colocar os NOMES dos autores: apelido. 3. BIBLIOGRAFIA   A entrada dos nomes dos autores faz-se por ordem alfabética do apelido do mesmo.. igualmente. 2. Entre parênteses é colocada a DATA da publicação. P.). Colocar os NOMES dos autores: apelido. Texas: PRO-ED. (1999).  Exemplos de alguns dos tipos de referências mais usados: o Livro: 1. inicial do primeiro nome.

Experiência de aprendizagem mediatizada à luz das novas tecnologias. colocar “:” e o LOCAL DE PUBLICAÇÃO.E. In Actas do Seminário Novas Tecnologias na Educação Especial: uma Abordagem Pedagógica. Renwick. Teste de conceitos espaciais de posição e orientação: Construção. Being.. separados por vírgulas e o último autor separado por ‘e’. 91-109. Womack. 7. Identificar o volume/número e/ou meses de publicação da revista. 6. G. Entre parênteses é colocada a DATA da publicação. UTL. colocar “:” e identificar a EDITORA. (1990. Identificar a EDITORA.  Contribuição Não Publicada numa ata: Lichstein. o Artigo numa publicação periódica 1. K. Simpósios ou seminários  Publicadas: Fonseca. consoante o caso. identificar a EDIÇÃO do livro. P. Relaxation therapy 12 .). pp. 6. Escrever o TÍTULO do artigo. T. V. (ed.  Woodill. In Goode.. e Raphael. D. Dean. 5.. Escrever o nome da REVISTA em itálico. (1988).K. Pólo do Projecto Minerva. Cambridge. R. C. J. 3. 4. 29-31 de Março.  Morato. No fim colocar as páginas referentes ao capítulo em causa. (no prelo). o Atas de Congressos. 7. S. (1991).. No caso de não ser a primeira edição do livro.4. p. Colocar os NOMES dos autores: apelido. June). Revista de Educação Especial e Reabilitação. Escrever a palavra In e em seguida identificar os NOMES dos editores do livro (neste caso o as iniciais primeiro e o apelido em último) e no final escrever entre parênteses ed. 43-52. MA: Brookline Books. becoming: An approach to the quality of life of persons with developmental disabilities. 57-74.L. Brown. e Childres. Revista de Educação Especial e Reabilitação. No fim colocar as páginas referentes ao artigo em causa. Comportamento adaptativo. 1(5/6).  Santos. (n/d). Colocar o LOCAL DE PUBLICAÇÃO. Johnson. belonging.S. ou eds. I. Quality of life for persons with disabilities – International perspectives and issues. validade e garantia (estudo preliminar). D. (1994). inicial do primeiro nome. R. 2. Escrever o TÍTULO do livro em itálico. 8.D. ISEF/DEER. 5..

Dissertação Apresentada à Faculdade de Motricidade Humana com vista à obtenção do grau de Doutor em Motricidade Humana na especialidade de Educação Especial e Reabilitação.  Comunicação Não Publicada apresentada num Encontro Científico: Morato. J. J.handle. J. familism. Zamboanga. Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa. K. E. D. Symposium conducted at the Meeting of the First International Congress of Behavioral Medicine. Lisboa: Secretariado Nacional de Reabilitação. 21-22 de Novembro. R.)... A. Y.um estudo sobre a cognição espacial de crianças com Trissomia 21. S. Weisskirch. Estudo psicométrico da escala de comportamento adaptativo versão portuguesa (ECAP). P. Universidade Técnica de Lisboa.. Procura feita em 17 de Maio de 2011. . E.org/10.1037/a0021370 o Psychology.L. . Poster Session presented at the Annual meeting of the Society for Scholarly Publishing. Universidade de Aveiro. (1999).doi.. Park. In T. Greene. Tecnologias de Apoio à Integração Profissional de Pessoas com Deficiência Mental" Comunicação apresentada no Colóquio Necessidades Educativas de Especiais: Investigações e Práticas. 548–560. Rosenthal (chair). Washington. P. Saragoça.  Poster: Ruby. C.d.º 4. L. (1997). (1995).net/10400. DC.. B. http://hdl.org/wiki/Psychology 13 . de http://en. 16.  Internet: Artigos e Documentos de Bases: A fórmula é a seguinte: Nome da fonte – data (ano) – título – Retirado de morada www – em: data (mês. Mendes. (n. Reducing medication in geriatric populations.  Teses de Mestrado ou de Doutoramento: o Santos. Kim. S. . Deficiência Mental e Aprendizagem ... I. doi:http://dx. S. In Wikipedia. Beyond redlining: Editing software that works. L.. Tese de Doutoramento não publicada. Sweden. (1993. N. (2010).5/510. dia e ano) ou DOI o Schwartz. Colecção Livros SNR. C.. S. June). Uppsala. P. and filial piety: Are they birds of a collectivist feather? Cultural Diversity and Ethnic Minority Psychology. e Espadinha..wikipedia. A. & Fulton.. Hurley.for polypharmacy use in elderly insomniacs and noninsomniacs. Moniz Pereira. Communalism. o Morato.

html Para mais informações consultar: www. (2000).apa. DC: American Psychological Association. Bell.org/learn/faqs/index. C. Publication Manual of American Psychological Association (6th ed. e Freire. Braga: Psiquilíbrios. Electronic References formats recommended by the American Psychological Association (1999. A. L. DC: Author.BIBLIOGRAFIA DO GUIA Almeida.aspx 14 . Washington. (1997). 1999 from the World Wide Web: http://www. Pinto. T. (1990). American Psychological Association (2010). S. November 19). Washington.apastyle. Metodologia de investigação em psicologia e educação. Como realizar um projecto de investigação: Um guia para a pesquisa em ciências sociais e da educação. Metodologia da investigação psicológica. Lisboa: Gradiva Publicações. J.org/journals/webref. Retrieved November 19. Porto: Edições Jornal de Psicologia.).