You are on page 1of 8

A obra Climate Change Starter’s Guidebook, elaborada pelas Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura

- UNESCO trata de aspectos de aspectos sociais, ambientais e econômicos relativos às mudanças climáticas globais. Destaca a importância do papel da educação para conscientizar, informar, desenvolver e fortalecer habilidades, capacidades, moldar valores, atitudes e comportamentos necessários para um mundo sustentável. Serve como material informativo e auxiliar no planejamento de discussões e propõe aos educadores incluir o tema nos programas de ensino de através da interdisciplinaridade. A organização da publicação compreende quatro grandes áreas temáticas: 1. A ciência da mudança climática, o que explica as causas e as alterações observadas; 2. Os aspectos sociais e humanos da mudança climática; 3. Respostas políticas para a mudança climática, incluindo medidas de mitigação e adaptação; 4. Abordagens da educação, incluindo a educação para desenvolvimento sustentável, a redução de desastres e estilos de vida sustentáveis. Capitulo 1 A ciência da mudança climática Neste capítulo são destacados os componentes do sistema climático e descritos aspectos relacionados ao clima e mudanças climáticas. O clima no planeta Terra sofre constantes alterações em escalas temporais que variam entre meses a milhões de ano sendo regido por um conjunto de fatores associados que constituem o sistema climático. Para caracterizar o sistema climático se faz necessário explanar a respeito dos conceitos de tempo, clima e atmosfera. Tempo refere-se à condição meteorológica particular diária, é um estado atmosférico momentâneo caracterizado por aspectos como temperatura e precipitação. Pode variar de forma irregular não seguindo qualquer padrão particular. Clima é definido como a média das condições climáticas do tempo durante longo prazo e pode apresentar alterações devido a fatores naturais como, mudanças na órbita da Terra em torno de Sol, erupções vulcânicas, ou mesmo períodos de elevada ou reduzida atividade solar. A atmosfera é uma camada ténue de gás que envolve a Terra. Composta por diferentes gases, com predominância de nitrogênio - N (78%), oxigênio - O (21%), e vapor de água. Em proporção menor, são encontrados os gases de efeito estufa - GEE, como o dióxido de carbono - CO2, metano - CH4, ozônio - O3 e óxido nitroso - N2O. A atmosfera estabelece processos físico-químicos com todos os elementos e ambientes que constituem a Terra: litosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera. As trocas que acontecem dependem da dinâmica

concentrações crescentes de dióxido de carbono tornando os oceanos mais . Segundo estudos. aumento do nível do mar e mudanças no crescimento de plantações agrícolas comprometendo a produção mundial de alimentos. sucede-se uma enorme gama de desastres naturais em todo o Planeta. Portanto. contribuído e acelerando o processo da mudança climática. secas. segue constante durante longos períodos de tempo se os vários elementos que compõem seu sistema permanecerem estáveis. Porém. Por essa razão. ciclones ou fortes chuvas além do derretimento de geleiras. embora. Os efeitos dos GEE são acompanhados por estudos que apontam o aquecimento na superfície da Terra em cerca de 0. desde o inicio da era industrial atividades antrópicas como queima de combustíveis fósseis. se um ou mais componentes do sistema forem alterados. em níveis acima do que estabelecidos pela natureza os GEE tornam-se “vilões”. porém. é muito conveniente pensar no sistema climático global como um conjunto de subsistemas. A radiação solar é a principal fonte de energia do sistema climático. contribuindo para o fenômeno do aquecimento Global. limpeza das florestas e práticas agrícolas vem causando o aumento dos gases estufa na atmosfera. alterações no ciclo hidrológico e aumento da água atmosférica. A consequência são os impactos no balanço de entrada e saída de radiação solar do Planeta. aumento do nível do mar. Nos últimos anos a mudança climática passou a fazer parte das preocupações da humanidade. Os nove dos anos mais quentes já registrados ocorreram na década passada. Consequências deste quadro demandam impactos que poderão afetar as diversas formas de vida no planeta: alterações nos diversos ecossistemas em diferentes ambientes da Terra. a ação e distribuição dos fluxos de energia provenientes do Sol que chegam a Terra são regulados pelo sistema climático e seus componentes. Como resultado imediato.7C no século passado. estudos apontam aquecimento global devido o aumento de GEE na atmosfera terrestre. mudanças na distribuição geográfica de secas e inundações. a estabilidade de todo o sistema pode ser comprometida ocasionando mudança climática.UV emitidos pelo Sol. O aumento de temperatura acontece em todas as regiões do Planeta. Estes ambientes funcionam de maneira interligada por processos intermitentes e constantes influenciando no clima do Planeta que. O efeito estufa é um fenómeno natural que acontece desde a formação da Terra sendo necessário para a manutenção da vida no Planeta. aumento da frequência de eventos climáticos extremos. Tem como funções manter a temperatura da Terra impedindo o escape do calor e ainda. seja maior no hemisfério Norte.interna dos diversos ambientes. Mudança climática segundo a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima – UNFCC é "uma mudança de clima que é atribuída direta ou indiretamente à atividade humana que altera a composição da atmosfera global”. bloquear os raios Ultravioleta.

problemas relacionados à saúde e as desigualdades de gênero. a pobreza. Assim. Para governantes e cientistas o desafio é garantir políticas e medidas relacionadas ao tema de que ofereçam melhores condições de vida para as populações vulneráveis visando reduzir a pobreza e garantir desenvolvimento global sustentável. ameaças para a vida marinha e ecossistemas de água doce. aumento de incêndios em florestas. rápida urbanização. maior demanda de vagas para trabalho e habitação. propagação de doenças e pragas. A questão que permanece é a forma como a humanidade vai reagir com a ameaça da mudança climática e que preparativos serão feitos para enfrentar os desafios colocados por um incerto e imprevisível. alterações no crescimento das plantas e florestas. perda de espécies vegetais e animais incapazes de se adaptar ou migrar a mudanças. o deslocamento humano é intensificado pela mudança climática criando um novo grupo social os migrantes ambientais. promoção à igualdade de gênero. Capitulo 2 Este capítulo explora os impactos sociais decorrentes das mudanças climáticas. tem consequências que podem e provavelmente irão induzir uma cadeia de impactos entre os ecossistemas interligados em cada região e em todos os continentes. Estudos demonstram que. tornará ainda mais difícil a vida das populações aumentando a pobreza. derretimento de geleiras e os impactos nos ecossistemas que as compõe. incluem aspectos econômicos e sociais. redução de lagos e rios de gelo.ácidos. crescimento populacional descontrolado. as doenças e intensificando as desigualdades sociais. propagação de doenças infecciosas. Os desafios que se apresentam para atender a esta categoria são multidimensional. Pelas alterações que estabelece no ambiente. a dificuldades dos países e comunidades mais pobres para atender a todas as necessidades causadas pela migração ambiental. ameaça ao abastecimento de água e energia hídrica. alterações negativas na produção agrícola de alimentos. educação. dependência da agricultura de subsistência. porém é o mais atingido devido a aspectos geográficos. futuro . Milhões de pessoas são deslocadas anualmente como resultado de desastres relacionados a “catástrofes súbitas naturais”. destacando a migração. O mundo pobre é o que menos contribui para as alterações do clima. mudanças na umidade do solo e no escoamento. cada um dos impactos listados acima não são de ocorrência isolada. Esse movimento requer politicas de direitos humanos para mediar conflitos. mudanças na fluxo de correntes oceânicas e mudanças nas estações. prejuízo na formação recifes de corais. falta de infraestrutura e recursos. intensificação na saúde pública e cuidados médicos.

Segundo a OMS. No aspecto clima e a saúde humana. deslocadas por razões ambientais migram em busca de trabalho e condições de sobrevivência e ainda precisam enfrentar a discriminação de gênero. Neste sentido. Abandonam a escola para atuar como mão de obra a fim de auxiliar as necessidades alimentares da família vitima das catástrofes naturais. abrigo. mulheres e meninas são mais vulneráveis devido a seus papéis sociais. a mudança climática já está tendo um impacto negativo efeito sobre a saúde mundial. incluindo alimentação. mostrando-se despreparados para enfrentar os desafios. Este quadro torna-se cíclico e agrava as condições que permitem o desenvolvimento. Isto é necessário por razões de igualdade. doenças respiratórias. comida suficiente e abrigo seguro. água potável.Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio . e infraestrutura. saneamento. e relacionadas à água e alimentos contaminados Como consequência. aptidões e prováveis comportamentos de homens e mulheres. educação e informação”. doenças transmitidas por vetores.ODM determinados pela comunidade internacional propõe estratégias e as ações para combater a pobreza que. doenças transmitidas pela água padrões de prevalência. nos impactos sobre agricultura. diarreia. . conceito que descreve as funções e responsabilidades. Os países em desenvolvimento não possuem capacidade institucional para lidar rapidamente com as mudanças. Estima que entre os anos 1970 e 2004 ocorreram mais de 140 mil mortes adicionais por ano. características. insolação. saúde. aprendidos culturalmente. Estratégias para lidar com a mudança climática dependente do nível de desenvolvimento económico e humano de um pais ou região. Nos aspectos pertinentes a género. A mudança climática coloca uma maior carga sobre as mulheres e meninas que. a qual é um princípio essencial dos direitos humanos. o crescimento e desenvolvimento das crianças e vem sendo prejudicado por lesões e deficiências que. podem perdurar ao longo da vida prejudicando futuras gerações e contribuindo para a manutenção do ciclo de pobreza. independentemente da renda. a fim de utilizar os dados coletados para tratar corretamente a pobreza no contexto da mudança climática. Crianças e adolescentes ainda sofrem prejuízos quanto à educação formal. A incapacidade em ter estas necessidades atendidas inclui grupos no índice da pobreza. a comunidade cientifica concluiu que alterações globais do clima afetariam os requisitos de saúde em toda parte: ar limpo. os países desenvolvidos devem ajudar os mais pobres. em particular. devido à malária. bem como com pesquisa. água potável. recursos hídricos. doenças cardiovasculares. segundo a ONU é "uma condição caracterizada por severa privação de necessidades humanas básicas.

aborda as causas das mudanças climáticas e adaptação . Considerando as limitações do conhecimento científico e a presença de incertezas irredutíveis. pela da introdução de culturas tolerantes à seca. partilhar responsabilidades e benefícios dentro e entre as sociedades. e conhecimento para as mulheres e meninas. Capitulo 3 Este capítulo aborda estratégias de mitigação e adaptação. Mitigação insuficiente agora também aumenta o risco de resultados catastróficos. Examina e avalia a contribuição das atividades econômicas para as alterações climáticas. capacitação. as mulheres se tornam chefes do lar e passam a desempenhar duplo papel. ou seja. As soluções mais apropriadas estão educação formal e informal que promova à ética e mudança de comportamentos.aborda seus efeitos sobre a sociedade e o meio ambiente.Outro cenário que sobrecarrega o gênero feminino procede da migração para a cidade do homem provedor. Como soluções para minimizar as disparidades entre os gêneros é necessário elaborar planos de gestão de riscos e estratégias especificas que minimizem as alterações ambientais. construção de . Orienta o desenvolvimento de políticas e acordos globais para estabilizar as concentrações de GEE na atmosfera. Os esforços de mitigação podem promover conservação da biodiversidade. Na ausência do parceiro masculino. Adaptações ao futuro da mudança climática já estão ocorrendo através de ajustes que moderem os danos e ainda. Mais mitigação realizada hoje significa menos adaptação será necessária no futuro. Ações de mitigação devem reduzir a extensão da mudança climática através da redução de GEE do atmosfera. Nos próximos anos os efeitos da mudança climática afetarão diretamente centenas de milhões de pessoas. Tão importante como resolver e minimizar as implicações éticas e sociais dos eventos climáticos é agir na origem do problema. mas com função conjunta de complementar ações que se combinam a fim de estabelecer uma estratégia global para reduzir as emissões de GEE e as mudança acusadas pelos impactos climáticos. eliminar ou reduzir as emissões de gases de efeito estufa. As mudanças já observadas no clima global exigem uma resposta dupla: estratégia de mitigação . criar programas que objetivem melhorar o acesso à educação. Mitigação e adaptação não são alternativas separadas. do solo e da água aumentando a capacidade de resistência e da habilidade das comunidades para se adaptar às mudanças das condições climáticas locais. e principalmente na responsabilidade das ações humanas para toda a “comunidade biótica”. se faz necessário desenvolver uma abordagem ética na interação homem com ecossistemas. Somente através da educação e do conhecimento é possível pensar e agir.

redução das desigualdade. Mudanças climáticas podem determinar graves ou limitar o desenvolvimento econômico. danos climáticos são avaliados em suas unidades naturais e a ação aos danos é imediata e rápida. Ainda. destaca-se a promoção de acordos entre governo e indústria definindo aumento de tributos para emissores de poluentes e incentivos financeiros para utilização de tecnologia limpa. a Educação para o desenvolvimento sustentável representa um importante recurso contra as alterações climáticas mudança e prevenção em termos de . outra alternativa está sendo defendida. existem modelos econômicos que podem ser adotados. Por isso. Neste caso. sociais. concebidas considerando aspectos sociais. aspectos ambientais e redução ou eliminação de riscos ambientais. Neste sentido. bem-estar humano. proporcionando ao mesmo tempo uma forma abrangente dos custos.habitações adaptadas. empresas e indivíduos buscar alternativas para que a produção de consumo de bens e serviços resulte do uso tecnologias e fontes de energia não poluentes. Governantes e populações precisam pensar além de suas fronteiras e atuar no interesse de toda a comunidade internacional de forma coordenada e unificada em busca de os modelos e informações necessárias para responder ao desafio comum das mudanças climáticas. introdução de defesas a inundação nas regiões e costeiras e manguezais a fim de reduzir a vulnerabilidade a tempestades e elevação do nível do mar. Aspectos referentes mitigação e adaptação dependem de políticas climáticas eficientes orientadas no sentido de uma "economia verde”. Cabe a governos. ambientais e institucionais. utilização de cenários e modelos para projeções. Entre as estratégias. A mudança passa por escolhas éticas que associem crescimento econômico e preservação ambiental. O modelo tradicional se concentra apenas em impactos no mercado e atribui valores monetários aos danos climáticos globais. Como passos para a adaptação são recomendadas as seguintes estratégias: identificação de vulnerabilidades de riscos climáticos atuais e futuros. na tomada de decisão tanto para a adaptação e mitigação há necessidade de valorização dos serviços ecossistêmicos através de politicas que forneçam estruturas incentivem a redução de emissão de GE. planejamento de adaptação e identificação da possível adaptação e integração da adaptação às mudanças climáticas. Para isso. baseia-se na avaliação do clima com base em critérios e politicas econômicas. Estimativas da vulnerabilidade deve considerar indicadores físicos e sociais ativos com base em conhecimentos e modelos atuais a fim de determinar estratégias de prevenção. riscos e oportunidades aos envolvidos na problemática ambiental. O modelo ou abordagem preventiva busca os princípios de risco e investimentos a serem feitos para proteção de eventos catastróficos naturais.

reorientar os programas de educação existentes para abordar a sustentabilidade. gestão ambiental. dando a este tema um significado mais amplo e profundo.mitigação e adaptação. deve ajudar os alunos a compreender e resolver os impactos do aquecimento global hoje. muitas vezes tem efeitos e consequências internacionais. Educação não deve simplesmente introduzir novos conteúdos sobre a mudança climática. emissões de resíduos e poluição. basear-se nas necessidades locais. a tolerância social. desenvolver capacidades civil para tomada de decisão. bem como as atitudes. habilidades e conhecimentos que capacitem os indivíduos e comunidades para resolução de problemas locais de maneira ética e responsável. promover o conceito de sustentabilidade. aumentar a consciência pública e ofertar treinamento aos educadores. promover a aprendizagem ao longo da vida. envolver a educação formal. compra e consume e as consequência das ações individuais para o ambiente. Para isso a educação também precisa de mudanças como: melhorar o acesso. não formal e informal. Para dar forma a estes objetivos são necessários novos métodos e técnicas pedagógicas de estudo. lidar com o bem-estar equilibrado em todos três reinos da sustentabilidade . Promover o apoio ao desenvolvimento socioeconômico equitativo e progresso.meio ambiente sociedade e da economia. adaptável força de trabalho e qualidade de vida. e incentivar a mudança de atitudes e comportamentos necessários para colocar o nosso mundo no caminho sustentável. Revisões curriculares devem ser instituídas em todas as áreas para educar gerações mais jovem sobre mudanças. A Educação para o Desenvolvimento Sustentável deve basear-se nos princípios e valores que fundamentam o desenvolvimento sustentável. a qualidade. A educação deve voltar-se a abordagens de aprendizagem que desenvolvam o pensamento crítico. causas e consequências. e reconhecer que o cumprimento necessidades locais. capítulo 4 Este capitulo constitui-se em guia para planejadores da educação e Profissionais a fim de auxiliar e reorientar os programas de educação existentes que abordam a sustentabilidade. Os currículos da educação formal devem desenvolver uma visão interdisciplinar da mudança climática. Equipar os indivíduos com os valores. conhecimentos e habilidades para fazer escolhas e decisões que minimizem o uso de recursos naturais. ser localmente relevante e culturalmente apropriada. Os métodos pedagógicos também devem partir do conhecimento dos alunos . Somente através da educação e do conhecimento cada pessoa poderá avaliar a forma como vive.

referentes à vida diária e ajustar as aprendizagem em resposta ao conhecimento cientifico que possibilite agir e resolver os problemas no entorno imediato. Acreditamos na educação como determinante para freá-la este processo. As ações para resolver este problema precisam sair do âmbito das intenções e discursos para se tornar reais. também são necessários esforços política para uma mudança efetiva. Considerações Finais A mudança climática é um tema complexo. econômica e ambientais. mas não pode fazê-lo sozinho. A mudança climática traz consigo um senso de urgência para que a comunidade educativa está respondendo. . melhorar a sua capacidade de adaptar-se a mudanças sociais. Nenhum povo por mais poderoso e desenvolvido que seja está isento dos efeitos da mudança climática global. Com um futuro incerto. através da educação é possível a reduzir a vulnerabilidade das comunidades. Suas consequências ganham destaque pela sucessão de catástrofes naturais em diferentes partes do Planeta. É necessário informar e conscientizar pessoas de todas as nações sobre as consequências e custos ambientais dos estilos e hábitos de vida que adotam.