Os tigres asiáticos

Por que Tigres Asiáticos ? Este apelido faz com que a gente se lembre do animal TIGRE, que é forte, agressivo e impetuoso. A economia desses países que são chamados de Tigres é uma economia altamente competitiva e dinâmica, a produtividade é alta. Os funcionários das indústrias, ganham três vezes mais do que os dos países do 3° Mundo, embora bem menos do que os do 1° Mundo. São pessoas de uma cultura completamente diferente do mundo ocidental, lá existe muita disciplina e um grande respeito à hierarquia. São povos que sofreram com muitas guerras e ocupações e possuem uma história muito antiga. Na economia dos Tigres a grande característica de sua indústria é produzir produtos mais baratos com rígido controle de qualidade e para eles o cliente tem sempre razão. É dessa forma que seus produtos invadem os mercados de, praticamente todos os outros países. Isto é conseguido com muita luta e dedicação porque sempre há altos impostos de importação que é a arma que os outros países usam para não sofrer tanto com a concorrência dos produtos baratos dos Tigres. Essa é a economia competitiva, os Tigres ganham na quantidade. Esses 5 países foram, no passado dominados pelos japoneses e possuem características comuns como : • Elevado crescimento econômico anual. • Mão-de-obra abundante e barata. • Grande facilidade à vinda de capital estrangeiro. • Segurança interna, com reduzidos conflitos sociais. • Legislação criminal autoritária e severa, incluindo castigos físicos.

1

inovação. mesmas 2 .U. Taiwan . Nova York. dirigidas para exportações estão crescendo 3 vezes mais depressa do que grande parte do restante do mundo . Hong Kong. A liberalização econômica promove a competição.• Legislação tributária simples. Desde 1985 o número de jovens coreanos que freqüentavam universidades era maior que o número de jovens britânicos nas condições. e também a Ásia possui a metade da população do mundo . Há 500 anos . novos investimentos de capital e crescimento econômico mais rápido. crescendo a uma taxa 5 vezes superior a da Revolução Industrial. Hoje está mudando do Atlântico para o Pacífico. A força propulsora que está por trás da mudança do Atlântico para o Pacífico é o milagre econômico da Ásia .A. O impulso econômico está sendo reforçado por um comprometimento com a educação . Hoje a Orla do Pacífico esta passando por uma grande expansão econômica. Los Angeles . Apesar do Japão ser o atual líder da região . O centro de gravidade econômico está mudando dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento.. sendo um mercado de US$ 3 bilhões por semana. A região da Orla do Pacífico possui o dobro do tamanho da Europa e dos E. os países do leste da Ásia (Coréia do Sul . sem entraves ao lucro. As economias da Orla do Pacífico . o centro comercial do mundo começou a migrar do Mediterrâneo para o Atlântico . As cidades da Orla do Pacífico. Paris e Londres. Cingapura e a China ) acabarão por dominar o mercado. Sidney e Tóquio estão tomando lugar das cidades há muito tempo estabelecidas no Atlântico.

países. Este bloco asiático. apresentam uma taxa de crescimento médio anual 3 . está tentando erguer os outros países para que se torne um bloco que tenha competição na economia mundial e que ocupe parte dela. E aos países de industrialização mais recente o Japão também está colaborando para o desenvolvimento dos mesmos neste setor. Coréia do Sul . Na Bacia do Pacífico. Cingapura e HongKong . Tailândia e Malásia. Hong Kong e Cingapura são os primeiros destaques. quem predomina sobre os outros componente é o Japão com uma economia super competitiva que está enfrentando a UNIÃO EUROPÉIA e os EUA. Formosa (Taiwan). A partir da década de 70. como o Japão já está fazendo e conseguindo à algum tempo e neste momento querendo ajudar seus vizinhos para formar um bloco onde investidores de multinacionais apliquem seu dinheiro e façam um bom proveito de toda esta estrutura que está sendo montada para este objetivo.que são os países que mais crescem industrialmente naquela região e precisam de apoio financeiro o qual o Japão está promovendo para a atuação de um mercado competitivo no cenário mundial da economia. o direcionamento da indústria eletrônica para a exportação de produtos baratos traz prosperidade econômica crescente e rápida para alguns países da Ásia. As reservas de moedas estrangeiras dos 4 tigres hoje totalizaram US$ 180 bilhões. Dez anos depois.A participação dos 4 tigres no total mundial de bens manufaturados chegou a 11% em 1988 . que são os seguintes: Indonésia. Coréia do Sul. Cingapura e Hong Kong revolucionaram a teoria do desenvolvimento econômico. Acredita-se que eles continuem crescendo à taxas anuais de 7 % a 10 % contra um crescimento nos E.U. além das zonas exportadoras do litoral na China . Formosa. de cerca de 3 % . movido pelo potente Japão.Coréia do Sul. Apesar da recessão mundial dos anos 80. Malásia. Sua participação na exportação mundial de bens eletrônicos de consumo cresceu para 30 % . Tailândia e Indonésia integram o grupo de países chamados Tigres Asiáticos. destina volumosos investimentos aos Dragões Asiáticos . Taiwan .A.

o destino de Hong Kong é decidido por um acordo entre o Reino Unido e a China. Em troca. Cingapura e Malásia. Os Tigres beneficiam-se da transferência de tecnologia obtida através de investimentos estrangeiros associados a grupos nacionais. Em 1984. cedendo-lhe a utonomia administrativa. iniciado em 1949. a China promete manter o sistema capitalista em Hong Kong durante 50 anos. e de massacres de grevistas. e admite a intervenção do Estado em diversos setores econômicos. graças à base industrial voltada para os mercados externos da Ásia.  Hong Kong.de 5%. Prevê-se a devolução do território de Hong Kong à soberania chinesa para agosto de 1997. As indústrias e exportações concentram-se em produtos têxteis e eletrônicos. Tal situação só é possível porque é sustentada por uma cultura conformista. que valoriza a disciplina e a ordem. as economias dos Tigres Asiáticos dispõem de mão-de-obra barata: as organizações sindicais são incipientes e as legislações trabalhistas forçam a submissão dos trabalhadores. Os Estados Unidos e o Japão são os principais parceiros econômicos e investidores. Em Formosa. quando se inicia um processo de lenta transição para a democracia. Na Coréia do Sul. os golpes de Estado são acompanhados de perseguições e assassinatos de políticos oposicionistas. Europa e América do Norte . seguindo de perto o modelo japonês. 4 . Os regimes fortes e centralizadores da Indonésia. praticamente abriga escritórios dos maiores bancos do mundo. O planejamento estatal é posto em prática em larga escala. garantem a estabilidade política necessária para sustentar o desenvolvimento industrial e atrair investimentos estrangeiros. Com exceção de Cingapura.Já é um dos grandes centros financeiros do mundo . Chiang Kaishek morre em 1975 e seu filho Chiang Ching-Kuo mantém o regime ditatorial por mais nove anos. prolonga-se até 1985. o regime ditatorial de Chiang Kaishek.

possuindo uma das mais justas distribuições de rendas do mundo. só investiram US$ 50 milhões em média nos últimos anos. buscam seu crescimento canalizando seus investimentos no Japão. décadas tentou-se o mesmo com os E.U. Coréia do Sul. Cingapura.Tem uma alta taxa de crescimento econômico (9. ao passo que os E. % em 1999). e daí para cá. Com este desequilíbrio os países asiáticos mesmo que com lembranças da ocupação japonesa . que possui 6 vezes mais população que Taiwan . balança de pagamentos positiva. grandes reservas financeiras e um grande problema de escassez de mão-de-obra. o seu PNB cresce à uma taxa de 10% ao ano e suas exportações aumentaram principalmente com os E.U.É o décimo segundo país do mundo em comércio exterior e possui a maior reserva de moedas estrangeiras do mundo depois do Japão . investindo na Ásia com mais de US$ 10 bilhões comprometendo-se com US$ 50 bilhões para os próximos 5 anos . Taiwan. China.A. e não foram 5 . tendo aumentado suas importações em mais de 50% desde 1987 de países como Taiwan . pois há reconhecidos .    O Japão é o principal parceiro comercial de mais da metade dos países da Orla do Pacífico .A.À partir de 1979 Deng Xiaoping introduziu versões rudimentares de mecanismos de mercado.A. Cingapura adota políticas de isenção de impostos às empresas que colaboram com a manutenção de seu avanço sobre outros países da região . e hoje a China já é a 3ª economia do mundo sob o critério da paridade do poder de compra. baixa inflação.Passou nos últimos 20 anos de uma nação de pobres agricultores para o mais avançado dos países Asiáticos recentemente industrializados . pleno emprego.U. Coréia e Hong Kong .

então. Malásia . então. a percepção de que a moeda deveria cair torna-se realidade. a moeda local a valores mais baixos. 6 . Por volta do ano 2001 . A crise dos países do Sudeste Asiático alastrou-se pela região e refletiu-se nos "Tigres" mais ricos. quase toda empresa que busca crescer não tem outra escolha senão ir até onde está o crescimento econômico. Indonésia e Filipinas . atualmente. Mais 68 milhões na Tailândia . O governo vêse obrigado a deixar a cotação de sua moeda "flutuar" para baixo. como a Coréia. o baht. levou a uma desvalorização. Cingapura e Hong Kong.Frente a esse quadro não resta outra saída aos Estados Unidos senão mudar seu alvo para o Pacífico. Taiwan. após a queda. haverá 11 milhões de novos consumidores na Europa. Com isso os especuladores ganham a aposta. As principais instabilidades ocorreram em duas pontas da economia internacional: os países asiáticos e os EUA. a fugir dessa moeda. comprando outras mais fortes (como o dólar). Com isso. caso contrário só lhes restarão contemplar o sucesso do Japão e dos Tigres Asiáticos. e na China poderá ter mais de 100 milhões de pessoas com disponibilidade de renda. Por que as Bolsas estão caindo em todo o mundo? A queda das Bolsas mundiais não tem apenas um único motivo. o Japão e os 4 tigres asiáticos haverá 13 milhões . Investidores passam. especuladores apostam que o governo de um determinado país não conseguirá manter a cotação de sua moeda nacional. O mesmo se aplica às empresas européias . Eles ganham. No Oriente. a crise foi detonada quando um ataque especulativo contra a moeda da Tailândia. recomprando. Nesses ataques. Apenas nos países mais ricos do Pacífico . tal crescimento raramente se encontra no mercado interno. Para grande maioria das 500 maiores empresas industriais do mundo.

O outro pólo da crise das Bolsas foi Nova York.No caso de Hong Kong. Os sinais declinantes da Ásia foram um estímulo para que essa percepção se transformasse em fato. do Japão para os tigres. Uma certa divisão intra-regional de tarefas acompanhou aquele processo asiático. o fato de a colônia britânica ter sido reincorporada à China e de concentrar negócios de empresas ocidentais contribuiu para deixar o mercado ainda mais sensível. por sua vez. os Estados Unidos absorveram algo em torno de 70%. Hong Kong . em direção a atividades de fabricação intensiva em mão-de-obra qualificada naqueles ramos. Na dianteira. Embora a economia norteamericana venha dando sinais de vitalidade. As quedas ali registradas reforçaram a idéia de que empresas ocidentais seriam afetadas e influenciariam automaticamente os mercados mundiais. Não correspondiam à realidade das empresas e da economia. de investimentos diretos e joint-ventures com empresas locais. Taiwan. integrando-se ao drive exportador japonês. o Japão mais especializou-se sofisticados crescentemente indústrias nos como segmentos eletrônica. Matéria publicada pelo Estado de São Paulo em 27 de janeiro de 1998 Ao longo de 1980-92.Coréia. 7 . a Ásia (Japão inclusive) acumulou um excedente comercial em torno de US$ 2 trilhões com o resto do mundo. automobilística e bens de capital. de fuso horário.cresceram. inicia seu pregão antes das Bolsas da Europa e dos EUA. Desse excedente. tecnologicamente em telecomunicações. por uma questão geográfica. Essa sensação foi explicitada pelo próprio presidente do Fed (o banco central norte-americano). havia uma idéia generalizada de que as cotações das ações na Bolsa de Nova York estavam exageradas. Os tigres . A Bolsa de Hong Kong. Tal integração materializou-se através dos fluxos.

Indonésia . as quais lá já estavam durante os anos dourados. da qual não escapou também a Coréia. Em artigos de couro. como outra face da moeda. respectivamente. Cinco anos depois. acordos de transferência tecnológica e venda de componentes e equipamentos. enquanto o dragão assumia 46% delas. 20% e 10% dos investimentos na região.US$ 40 bilhões em 1995 . o crescimento do dragão deu-se em detrimento dos tigrinhos e afetou até os tigres. como calçados.ocuparam espaços anteriormente ocupados pelos tigres na produção e exportação em setores tradicionais intensivos em mão-de-obra não qualificada. no período. bem como na montagem final de produtos eletrônicos. enquanto a China abocanhava agora metade dos US$ 12 bilhões de compras norte-americanas. o déficit comercial norte-americano teria de ter crescido. Três anos depois. A nosso juízo. a reorientação nos fluxos de investimento direto em países asiáticos. a taxas mais do que espetaculares. 1. não se pode entendê-la inteiramente excluindo a entrada da China em cena. no mesmo período a parcela das vendas coreanas nas importações dos Estados Unidos desceu de 20% para 1%. Primeiro. Não satisfaz o tom monocórdico com o qual se bate na tecla das ligações perigosas entre setores públicos e privados na região. Tailândia. enquanto a China foi destino de 20% do fluxo.crédito bancário. Em 1991.a presença da China expandiu-se de 3% para 16% em dez anos. bem como 8 . Para que isso não tivesse acontecido. os dados acima ilustram três aspectos relevantes da crise asiática.Malásia. os percentuais foram de 8% para a Malásia. vestuário e montagem na eletrônica e na automobilística. O deslocamento comercial teve. Nas importações norte-americanas de vestuário . a Malásia e a Tailândia absorveram. a Coréia detinha 25% das importações de calçados dos Estados Unidos.3% para Tailândia e 67% para a China. sua fatia havia caído para 3%. Em 1990. Mas a alegria dos tigrinhos acabou com a emergência do dragão chinês nestes ramos. Tampouco a crise se trata apenas de exaustão da transferência de mão-de-obra de setores tradicionais para modernos. Os tigrinhos . Nestes setores.

depois de três décadas com taxa média anual acima de 8. No caso do tigre coreano. Perseguido já pelos tigrinhos nas indústrias tradicionais. inclusive imobiliários. a atuação predadora do dragão foi óbvia e. sem falar nas ondas adicionais de deflação em dólares dos ativos asiáticos que se seguiriam. é o papel crucial da China nos desdobramentos da crise. os primeiros viram-se às voltas com déficits comerciais crescentes nos últimos anos. Por um lado. do deslocamento anterior.5%. aspectos privilegiados por Paul Krugman e que viraram coqueluche na imprensa. rumo a automobilística. Caso contrário. para os quais o investimento de transnacionais e a expansão de mercados locais deverão ser essenciais. O cenário mais favorável supõe que as desvalorizações cambiais de tigres e tigrinhos não sejam seguidas por movimento cambial equivalente pelo dragão. não por acaso. tinha acima o tigrão japonês nas faixas superiores da escala de segmentos produtivos. as oportunidades de mercado abertas pelo eventual crescimento japonês e/ou americano não serão capturadas pelos necessitados. é verdade que já estava colocada a tendência a diminuição de ritmo de crescimento. máquinas-ferramentas e produtos químicos.de conclusão dos processos de educação da população. tigres e tigrinhos suspiram de alívio com a possibilidade do "upgrading" chinês se dar utilizando o crescimento de seu mercado interno. Mas acabou sendo também mortal a mordida chinesa em alguns de seus mercados. perderam seus fundamentos no crescimento real. Um segundo aspecto. Pretende transitar de seu sistema de micro-empresas intensivas em trabalho não-qualificado e montadas pelo ingresso de capital originário da diáspora chinesa na Ásia. Finalmente. No tocante aos tigrinhos. Os circuitos especulativos locais. em uma perspectiva menos imediata. A hiper-alavancagem financeira de seus conglomerados se desdobrou em excesso de investimento nos ramos eletrônicos e automobilísticos que já conquistara. há que se observar a intenção declarada chinesa de escalar a "cadeia de valor" da indústria. que decorre do primeiro. em termos relativos pelo menos. com este aceitando uma reversão parcial. como 9 .

O Brasil. diante da mudança setorial de campo de caça do dragão. entra neste terreiro com seu Real forte. por sua vez. 10 ... Por outro. os tigres já devem estar com as barbas de molho.ativo a ser oferecido a agentes externos.