TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO

PORTARIA N° 3/2013

Regulamenta a concessão de diárias e passagens aéreas e/ou terrestres no âmbito deste Regional.

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MATO GROSSO, usando das atribuições legais que lhe confere o Regimento Interno do TRE-MT e,

CONSIDERANDO o teor da Resolução nO 73, de 28 de abril de 2009, do Conselho Nacional de Justiça, que dispõe sobre a concessão e pagamento de diárias no âmbito do Poder Judiciário; CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer critérios para a uniformização da aplicabilidade da vigente Resolução TSE n° 23.323, de 19 de agosto de 2010, que dispõe sobre a concessão de diárias no âmbito da Justiça Eleitoral; CONSIDERANDO o teor das Resoluções TSE n° 23.115, de 20 de agosto de 2009, e Resolução TSE n° 21 .083, de 30 de abril de 2002; CONSIDERANDO o teor do Acórdão n° 6078/2009 do Tribunal de Contas da União - 2° Câmara; CONSIDERANDO a necessidade de proteção à saúde do servidor; CONSIDERANDO 1385/2010, RESOLVE o tratado no Procedimento Administrativo n°

Seção I Disposições Iniciais

Art. 1° O Membro, Juiz Eleitoral ou servidor deste Tribunal que, em razão de serviço ou capacitação da Justiça Eleitoral, afastarem-se da jurisdição ou sede, em caráter eventual ou transitório, para outro ponto do território nacional ou para o exterior, farão jus a diárias, destinadas a indenizar as parcelas de despesas extraordinárias com pousada, alimentação e locomoção urbana, sem prejuízo do fornecimento de passagens ou do pagamento de indenização de transporte.

§5° É devida a concessão de diárias e/ou passagens/indenização de transporte ao magistrado quando se deslocar para zona eleitoral distinta daquela em que é titular. §4° Somente serão concedidas diárias e passagens aos Membros. § 7° Sempre que possível deverão ser evitadas saídas e chegadas no período compreendido entre às 22 (vinte e duas) horas e 06 (seis) horas. não investido inicialmente da função eleitoral.correlação entre o motivo do deslocamento e as atribuições do cargo efetivo ou as atividades desempenhadas no exercício da função comissionada ou do cargo em comissão. respectivamente. §6° Não é devida a concessão de diárias e/ou passagens/indenização de transporte ao magistrado da justiça comum. Art.compatibilidade dos motivos do deslocamento com o interesse público. 2° Fica vedada a concessão de diárias e passagens aos Membros do Ministério Público à conta da Justiça Eleitoral. III . consoante indicação deste Tribunal. II quando o deslocamento ocorrer dentro do município correspondente à jurisdição ou sede. do Membro. §2° Entende-se por sede o município onde o magistrado ou servidor tiver exercício em caráter permanente. II . em razão da suá designação como substituto de juiz eleitoral ou para responder por zona eleitoral. salvo quando se destinar a localidades de difícil acesso. Juiz Eleitoral ou servidor.quando o deslocamento da jurisdição ou sede constituir atribuição permanente do cargo do Juiz Eleitoral ou servidor.quando o deslocamento ocorrer dentro da mesma reglao metropolitana.(FI. quando tiver que se deslocar a outro município integrante da juriSdição eleitoral. aglomeração urbana ou microrregião. constituídas por municípios limítrofes e regularmente instituídas pelo estado de Mato Grosso por meio de lei complementar. §3° O disposto no caput não se aplica aos seguintes casos: I . Juízes Eleitorais ou servidores que estejam no efetivo exercício dos respectivos cargos ou funções e que observem rigorosamente: . devidamente homologada pelo Tribunal Superior Eleitoral. na condição de juiz substituto. . 2 da Portaria n° 3/2013) § 1° Consideram-se Membros as autoridades de que trata o Regimento Interno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso. no intuito de executar tarefas atinentes à magistratura eleitoral.

no dia do retorno à jurisdição ou sede. Art. 3 da Portaria n° 3/2013) Art. 3° As diárias serão concedidas por dia de afastamento da jurisdição ou sede. observado o disposto no inciso III do §3° do artigo 1° desta Portaria: I . III . §3° Os colaboradores deverão declarar se recebem auxílioalimentação e/ou auxílio-transporte e seus respectivos valores. Distrito Federal e municípios com mais de duzentos mil habitantes.Localidade 1: capital dos estados. Seção" Das Diárias Nacionais Art. § 1° Para os efeitos do capuf deste artigo. II . as localidades classificam-se em: 1. incluindo-se a data de partida e a de chegada. § 1° O Membro. §2° Colaborador eventual é a pessoa física sem vínculo funcional com a Administração Pública. § 1° Colaborador é a pessoa física sem vínculo funcional com a Justiça Eleitoral. Juiz Eleitoral ou servidor farão jus somente à metade do valor da diária nos seguintes casos. mediante a equivalência das atividades a serem exercidas com as dos cargos constantes do anexo da Portaria TSE n° 413/2012 ou normativo que venha a substituí-Ia. mas vinculada à Administração Pública. o retorno deverá ocorrer preferencialmente na mesma data do seu término.Localidade especial: municípios ou localidades com até duzentos .quando fornecido alojamento ou outra forma de hospedagem por órgão ou entidade da Administração Pública.(FI. /11. 4° O valor da diária a ser paga a colaborador e a colaborador eventual será fixado pelo Diretor-Geral.quando o afastamento não exigir pernoite fora da jurisdição ou sede e não se enquadrar nos casos de vedação de concessão de diárias previstos nesta Portaria. para cumprimento do disposto no artigo 11. Juiz Eleitoral ou servidor estiverem participando se encerrar até as 13 (treze) horas. /1.Localidade 2: municípios com até duzentos mil habitantes. §2° Caso o evento em que o Membro. 5° As diárias serão concedidas de acordo com a localidade para a qual ocorrer o deslocamento.

fora da sede do serviço. §3° O valor da diária será reduzido à metade. § 1° Exigindo o afastamento pernoite em território nacional. 90 Nos casos em que o servidor se afastar da respectiva jurisdição ou sede acompanhando Membro deste Tribunal. 70 Poderá ser estipulado valor diferenciado para a diária internacional. assim considerados pelo Tribunal Regional Eleitoral e homologados pelo Tribunal Superior Eleitoral. com custos elevados de pousada. Art. pagamento e restituição das diárias pagas no território nacional. desde que fornecido ao beneficiário alojamento ou outra forma de hospedagem por órgão ou entidade da Administração Pública. 4 da Portaria n° 3/2013) mil habitantes. 60 As diárias internacionais serão concedidas a partir da data do afastamento do território nacional e contadas integralmente do dia da partida até o dia do retorno. . Art. inclusive. SeçãolV Do valor das Diárias Art. §2° O enquadramento do município na classificação a que se referem os incisos I e " do parágrafo anterior será feito utilizando-se a tabela de estimativas de população por município brasileiro publicada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Diário Oficial da União (DOU). nas hipóteses dos §§ 1° e 20 . inclusive em moeda estrangeira. alimentação e locomoção urbana. a serem definidos pelo Tribunal Superior Eleitoral para toda a Justiça Eleitoral. conforme valores constantes das respectivas tabelas de diárias nacionais. Seção III Das Diárias Internacionais Art.(FI. Parágrafo único. será devida diária nacional integral. Aplica-se à diária internacional os mesmos critérios fixados para a concessão. o valor da diária corresponderá a oitenta por cento da diária percebida pela autoridade acompanhada. 80 Os valores das diárias serão aqueles fixados pelo Tribunal Superior Eleitoral para toda a Justiça Eleitoral. §2° Conceder-se-á diária nacional integral quando o retorno à sede acontecer no dia seguinte ao da chegada no território nacional.

§3° Quando ocorrerem deslocamentos de servidores de outros órgãos para este Tribunal. §2° Não será devido o adicional se o deslocamento para embarque e desembarque ocorrer em transporte oficial. obrigatoriamente. § 1° Para efeito deste artigo. o enquadramento como equipe de trabalho deverá obedecer as regras contidas neste normativo. o adicional será acrescido do percentual de 40% (quarenta por cento) do valor da diária de nível superior a cada destino. 5 da Portaria n° 3/2013) Parágrafo único. entende-se por equipe de trabalho o deslocamento de no mínimo 2 (dois) servidores designados por meio de ato do Presidente ou do Diretor-Geral para desempenharem atividades complexas e de idêntica finalidade. exceto escalas e conexões. em se tratando da Sede. nos trechos nacionais.(FI. o local e o período no qual se dará a atividade. ou pela chefia imediata. A declaração de assessoramento deverá ser firmada pelo Membro no documento de solicitação de diárias e passagens. adicional correspondente a oitenta por cento do valor de uma diária de nível superior. Art. 11 As diárias sofrerão descontos correspondentes ao auxílioalimentação e/ou auxílio-transporte a que tiver direito o beneficiário. por meio de formulário disponível no Portal Corporativo deste Tribunal. metade quando parte do Seção V Da solicitação de Diárias Art. 10° O servidor que se deslocar em equipe de trabalho receberá diária equivalente ao maior valor pago entre os demais servidores membros da equipe. §2° O ato de designação dos membros da equipe de trabalho será expedido antes do início do serviço e consignará o objetivo. destinado a cobrir despesas de deslocamento para embarque e desembarque. devendo o Magistrado ou a Chefia Imediata . cabendo ao solicitante declarar a não utilização de referido veículo para fins do recebimento do adicional de deslocamento. Juiz Eleitoral ou servidor. Art. no caso dos Cartórios Eleitorais. deverão ser realizados. § 1° Quando o deslocamento compreender mais de uma cidade. Art. 12 Será concedido ao Membro. exceto em relação às que são pagas excepcionalmente em finais de semana e feriados. §3° O adicional será devido pela deslocamento ocorrer em transporte oficial. 13 Os pedidos subscritos pelo Juiz Eleitoral.

6 da Portaria n° 3/2013j protocolizar o referido documento devidamente preenchido e assinado. endereçado à unidade responsável. endereçado à unidade responsável. Corregedor e Diretor-Geral. exceto nas seguintes situações. excepcionalmente. de uma só vez. . ainda. 15 As diárias serão pagas antecipadamente. com antecedência mínima de 10 (dez) dias úteis ao início da viagem. em se tratando de solicitação de Juízes-Membros.(FI. § 1° Quando o período de afastamento se estender até o exercício seguinte. em se tratando de solicitação dos Juízes Eleitorais e servidores desta Casa. às diárias correspondentes ao período prorrogado. II . o Gabinete da Diretoria-Geral encaminhará o expediente à Coordenadoria Orçamentária e Financeira/SAO para pagamento.quando o afastamento compreender períOdO superior a 15 (quinze) dias.ao Corregedor. 14 A decisão sobre a concessão de diárias caberá: I .ao Presidente.em casos de emergência. em se tratado de Presidente. Caso seja autorizada a solicitação. no prazo de 10 (dez) dias úteis anteriores a data da viagem. a solicitação deverá ser efetuada por Ofício. II . § 2° É de exclusiva responsabilidade do solicitante a verificação dos dados informados no formulário. Seção VI Da autorização das Diárias Art. o Membro. § 2° Autorizada a prorrogação do prazo de afastamento.ao Ordenador de Despesas. a critério do ordenador de despesas: I . § 1° Quando da impossibilidade do preenchimento do documento disponibilizado na intranet. Juiz Eleitoral ou servidor farão jus. Parágrafo único. caso em que poderão ser pagas parceladamente. Seção VII Do pagamento das Diárias Art. a despesa recairá no exercício que se iniciou. III . em que poderão ser processadas no decorrer do afastamento.

b) não houver disponibilidade de transporte aéreo regular na data desejada. 18 As diárias pagas serão publicadas no veículo oficial de divulgação dos atos do Tribunal. 20 Serão emitidas passagens. contendo: o nome do solicitante. a importância unitária e o total a ser pago. Parágrafo único. quando: a) não houver disponibilidade de transporte aéreo regular no trecho pretendido. Nos trechos intermunicipais no Estado de Mato Grosso. a emissão de passagens aéreas aos servidores será efetuada quando a distância do local de origem ao de destino for acima de seiscentos quilômetros por vias terrestres usuais. observado o parágrafo único deste artigo. Seção VIII Da publicidade das Diárias Art. Art. 21 A aquisição de passagens aéreas ou terrestres será realizada pela unidade responsável pelo processamento das diárias. ferroviárias ou hidroviárias. SeçãolX Das Passagens Art. nos seguintes casos: I .rodoviária. domingo ou feriado. 17 Quando o afastamento iniciar-se em sexta-feira ou incluir sábado. quando houver disponibilidade de transporte aéreo regular no trecho pretendido. salvo no caso em que o valor da passagem aérea seja igualou inferior à terrestre. que observará . Art. o período de afastamento. o destino. a solicitação de diárias deverá ser expressamente justificada e a autorização do pagamento configurará o acolhimento da justificativa do proponente pelo ordenador de despesa. 7 da Portaria n° 3/2013) Art.aéreas. o expediente e demais documentos relativos à concessão deverão ser encaminhados à unidade responsável para juntada em procedimento específico. " .(FI. c) o beneficiário recusar o transporte aéreo. sem prejuízo das diárias. 19 A publicação a que se refere o artigo anterior será a posferiori em caso de viagem para realização de diligência sigilosa. Art. 16 Após o pagamento.

deverão efetuar o recolhimento à Conta Única do Tesouro Nacional.vôos diretos ou aqueles com percursos de menor duração. caso o Membro. havendo o cancelamento do deslocamento pelo próprio requerente por motivos alheios ao interesse público.(FI. este: 1. visando garantir condição produtiva. III . após sua aquisição pela unidade competente.autorização expressa do ordenador de despesa. via GRU (Guia de Recolhimento da União). no prazo de 5 (cinco) dias úteis. poderá solicitar na agência a utilização da passagem paga para fins particulares. evitando-se. efetuando-se o recolhimento à Conta Única do Tesouro Nacional. II . § 2° Quando for antecipado o término do evento motivador do . IV . 8 da Portaria n° 3/2013) cumulativamente: I . Juiz Eleitoral ou servidor tenham preferência por companhia aérea. por meio de GRU (Guia de Recolhimento da União). V .o menor preço. três horas o início previsto dos trabalhos. informado pela unidade responsável. Art. evento ou missão. da diferença entre o valor das passagens que seriam adquiridas pela pesquisa de menor preço com as de sua preferência. trechos com escalas e conexões. sempre que possível. deverão ser arcadas pelo solicitante. o tempo de traslado e a otimização do trabalho. disponíveis na data da aquisição. § 1° Após emissão das passagens aéreas ou terrestres pela unidade responsável. no mínimo. § 1° A diferença entre o valor das passagens não poderá ser superior a trinta por cento. devidamente comprovado. independente de companhia aérea. 23 Os custos resultantes de mudanças de passagens terrestres ou aéreas. Art.após a quitação da obrigação constante do inciso anterior.deverá arcar com o custo total da aquisição das passagens informado na Nota Fiscal emitida pela empresa contratada.a autorização da emlssao do bilhete deverá ser realizada considerando o horário e o período da participação do servidor no evento. 22 Na aqulslçao das passagens aéreas e/ou terrestres. deverá ser recolhido antes do deslocamento do solicitante. § 2° O valor da diferença das passagens.em viagens nacionais deve-se priorizar o horário do desembarque que anteceda em. 11. salvo alterações em seu deslocamento pela Administração. contados da data do encaminhamento/protocolo da fatura fiscal pela referida empresa.

ou em razão de caso fortuito ou força maior. no prazo de 5 (cinco) dias úteis do retorno à jurisdição ou sede. exceto se a Administração deste Regional der causa. por motivo justificado. §3° Não sendo possível cumprir a exigência da apresentação do comprovante de passagem. §3° Nos casos em que o requerente solicitar a emissão de passagens aéreas ou terrestres para data não condizente com seu deslocamento. antecipando ou protelando-o. de grupos de trabalho ou de estudos. Seção X Da Prestação de Contas Art. Art.(FI. 25 Caberá ao fiscal do contrato a verificação da cotação de preços da agência contratada. assim como as decorrentes de caso fortuito ou força maior que afetem diretamente o processo eleitoral. devidamente comprovados. este Tribunal não arcará com os custos adicionais decorrentes de remarcação de passagens já adquiridas. Juiz Eleitoral ou servidor. § 1° A comprovação da viagem deverá ser feita por declaração contendo o motivo e o período da viagem. poderá fazê-lo por conta própria na agência contratada. 24 O prazo mlnlmo para aqulslçao das passagens aéreas ou terrestres será de 7 (sete) dias úteis que antecedem a data de deslocamento do solicitante. após a unidade competente tê-Ias adquirido em conformidade com esta portaria. comparando-os com os praticados no mercado. dispensada a entrega dos originais. da aquisição de novas passagens. § 2° A declaração e documentos anexos deverão ser digitalizados e juntados ao processo respectivo. sob pena de sanção disciplinar. no caso de reuniões de conselhos. Art. Parágrafo único. o efetivo deslocamento. o beneficiário poderá comprovar o deslocamento por qualquer das seguintes formas: 1. Não se aplica o disposto no caput quando se tratar de viagens do Presidente. de . do Corregedor. as decorrentes de convocação do Tribunal Superior Eleitoral. Juiz Eleitoral ou servidor que perceberem diárias e/ou passagens deverão comprovar. 26 O Membro. cujo prazo poderá ser até a data da antevéspera do evento. bem como. quando o deslocamento for para capacitação. acompanhada dos comprovantes de passagens que porventura foram emitidos.ata de reunião ou declaração emitida por unidade administrativa. da informação de data e horário de chegada e da cópia autenticada do certificado de conclusão de curso. 9 da Portaria n° 3/2013) deslocamento do Membro.

10 da Portaria n° 3/2013) comissões assemelhadas. em que conste o nome do beneficiário como presente. treinamentos ou assemelhados. III . Parágrafo único. em até trinta dias da data do retorno. as diárias recebidas em excesso. a declaração será firmada. não sendo possível. Caberá à unidade responsável pelo processamento das diárias e/ou aquisição de passagens informar as pendências de prestação . deverá restituir o valor das diárias e/ou passagens ao erário via GRU. em que conste o nome do beneficiário como presente. Juiz Eleitoral ou servidor não apresentem a declaração de que trata este artigo. respectivamente. no mês imediatamente subsequente.retorno antecipado. com devolução proporcional ao valor recebido. . SeçãolX Das Disposições Gerais Art. em 5 (cinco) dias úteis a contar da data prevista para o início do afastamento. em 5 (cinco) dias contados da data do retorno à sede originária de serviço. em razão da não prestação de contas. 111.serão igualmente restituídas. 27 As diárias serão restituídas ao erário nas hipóteses e nos prazos abaixo mencionados: I . o beneficiário estará sujeito ao desconto do respectivo valor em folha de pagamento do respectivo mês ou. Art. § 1° Caso o Membro. II e III. pelo Assessor ou Chefe de Cartório Eleitoral. 28 A autorização de nova viagem sem prestação de contas da anteriormente realizada é de competência e responsabilidade do ordenador de despesas. II . em até 30 (trinta) dias da data do retorno. no prazo estabelecido nos incisos I.não realização do deslocamento. em 5(cinco) dias úteis a contar da data de retorno à sede.declaração emitida por unidade administrativa ou lista de presença em eventos. §4° Sendo o Membro ou Juiz Eleitoral o beneficiário das diárias e/ou passagens.(FI. deverão restituir o valor das diárias e/ou passagens ao erário via GRU.outra forma hábil a comprovar o deslocamento. §2° Não havendo restituição das diárias recebidas indevidamente. seminários. com devolução integral do valor recebido. 11. §5° Caso o beneficiário não cumpra a exigência prevista neste artigo.

33 Os casos omissos serão resolvidos pelo ordenador de despesas. 29. I Desembargador RUI RAM Presidente . Art. atestados pela chefia imediata. Cuiabá-MT. o ordenador de despesas e o beneficiário das diárias responderão solidariamente pelos atos praticados em desacordo com o disposto nesta portaria. a cada ano. 30 Conceder-se-á indenização de transporte ao servidor que. ficando revogada a Portaria n° 78/2008. realizar despesas com utilização de meio próprio de locomoção para execução de serviços externos inerentes às atribuições próprias do cargo que ocupa. Art. Art. Art. mantendo saldo disponíveis com as demandas de deslocamentos de Magistrados e servidores. por opção. Art. Esta Portaria entrará em vigor na data da sua publicação. 32 A unidade responsável pelo processamento de diárias e passagens é aquela definida no Regimento Interno do TRE/MT. A concessão de diárias e passagens ficará condicionada à disponibilidade orçamentária e financeira. e condicionada ao interesse da administração. 31 A autoridade proponente. Parágrafo único. a emissão de empenhos para custear diárias e passagens. A unidade responsável deverá solicitar. 34.(FI. Art. 7 de janeiro de 2013. efetivo ou comissionado. 11 da Portaria n° 3/2013) de contas à Diretoria-Geral.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful