You are on page 1of 8

SILVA M. C. Melo.

UFSe (2001) Aplicações Administrativas em Computadores Profª Maria Conceição2 MRP e MRP I O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo de evolução dos sistemas integrados de gestão 1. MRP(MATERIAL REQUERIMENT PLANNING) – PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS São sistemas de planejamento baseados na explosão da estrutura dos produtos, visando controlar as necessidades de materiais com o uso do computador (Simcsik, As representações de estruturas de produtos auxiliam a responder: o que (componentes necessários à produção do produto); quanto produzir e comprar; quando devemos comprar ou produzir. Daí a lógica do MRP éprogramar as atividades para o momento mais tarde possível de modo a minimizar os estoques carregados. 1.1 Parâmetros do MRP dos lotes de compra, estoques Parametrização é uma atividade que permite que possíveis restrições e características da realidade sejam informadas e, portanto, consideradas pelo sistema. Ou seja, é a forma de adaptarmos o cálculo do MRP às necessidades específicas da organização. Como essas necessidades e características da organização estão sempre mudando, é também necessário revisar periodicamente a parametrização para que a realidade seja refletida o mais fielmente possível no sistema Ex: tamanho Principais parâmetros do MRP: a)Definição do lead times (tempo de espera): consiste no tempo decorrente entre a liberação de uma ordem de compra ou de produção e o momento a partirdo qual o material referente à ordem está pronto e disponível para uso. Componentes dos lead times de produção: tempo de emissão física da ordem; tempo de tramitação da ordem até responsável no chão-da-fábrica; tempo de formação do kit de componentes no almoxarifado; tempos de transporte de materiais durante o tempo em que a ordem está aberta; tempos de fila, aguardando processamento nos setores produtivos; tempos de preparação de equipamentos; tempo de processamento propriamente ditos; tempos gastos com possíveis inspeções de qualidade. Vale ressaltar que é comum encontrar erros na definição de lead times de produção, principalmente quando se considera os tempos de processamento e preparação de máquina e

em alguns casos a realidade pode está diferente do planejado. de parametrização e de controle e o sistema. quanto. observar as conseqüências da diferença identificada entre o planejado e o realizado. 1. registro maior que a realidade. disponibiliza informações ao planejador de modo a permitira tomada de decisão sobre o que. Corrêa etal (2001) explica a gestão por exceção da seguinte forma: o planejador informa ao sistema as ocorrências da realidade (apontamento). utilizando-se como critérios: dados históricos. Sobre estas é que o planejador terá de concentrar a maior parte de sua atenção. As razões para uso desses estoques podem ser incertezas quanto à fase de fornecimento do item analisado. após os processamentos cabíveis. tempos de recebimento e liberação. da visão de futuro. visando eliminar estoques. b)Definição dos tamanhos dos lotes de compra e produção (lotes mínimos. exemplo. uma máquina quebrada etc. tempo de entrega do fornecedor. quanto ao processo que o produz ou quanto a sua demanda. São as chamadas mensagens de ação ou exceção que precisam ser gerenciadas. Vale ressaltar que alguns tempos são difíceis de calcular principalmente quando fala do fornecedor. tempo de transformação da ordem de compra em pedido. a gestão dá-se por meio de informações trocadas entre planejador e sistema.desconsidera os tempos de fila (é complexo devido ao nível de congestionamento local no setor da fábrica). Componentes dos lead times de compras: tempo de emissão da ordem física. Consiste em confrontar o planejado com o ocorrido e administrar as exceções. médias e desvios padrão. Assim como um superdimensionamento. gerando uma série de “encontros . confrontando-se com as planejadas (esperadas). um recebimento esperado para segunda-feira chegou incompleta. 1. Diante da grande quantidade de ocorrências. tempos gastos com possíveis inspeções de recebimento e armazenagem. uma ordem de produção não ficou pronta. quando e com que recursos produzir e comprar.2 Gestão do MRP Nos sistemas MRP. máximos e períodos fixos) c)Definição de estoques de segurança: objetivam fazer frente a incertezas em processo de transformação. Além desses parâmetros é válido ressaltar que para um bom desempenho do MRP também deve ser observado: o sistema previsão de vendas (decisões ruins são baseadas em previsões ruins) e a acurácia dos dados em estoque para garantir um desempenho global da organização onde o sistema se encontra.3 Objetivos do MRP -Ajudar a produzir e comprar apenas o necessário e apenas no momento necessário (no último momento possível). tempo de envio do pedido até o fornecedor. ou seja.

quanto e quando produzir e comprar. 2 .MRP I (MANUFACTURING RESOURCES PLANNING) – PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE/RECURSOS DE MANUFATURA 2. ou seja. o que o MRP faz é uma projeção do saldo em estoque. 2. avanços ocorreram a partir de 1975 com a ampliação do software para a cobertura de toda a área fabril. para operações de fabricação ou montagem (Côrrea etal.1999). 2000). Concretizava-se o sonho dos programadores da fábrica. o MRP I engloba também as decisões referentes a como produzir. sejam comprados ou fabricados. em instalações contendo diversas máquinas.marcados”entre componentes de um mesmo nível. com base na decisão de produção dos produtos finais. Contribuindo para simplificar a gestão de materiais. Precisa-se descobrir os recursos humanos e equipamentos suficientes para cumprir o plano no prazo. “o MRPII diferencia-se do MRP pelo tipo de decisão de planejamento que orienta. fez com que pesquisadores percebessem que a mesma técnica do cálculo das necessidades poderia ser utilizada para calcular também as necessidades de outros recursos como equipamentos ou mão-de-obra. Segundo Corrêa etal (2001: 139).4 Conclusão O MRP permite que. Ou seja. enquanto o MRP orienta as decisões de o que. Assim. de dispor de uma ferramenta capaz de priorizar e sequenciar centenas de ordens de produção a ser conduzidas de um posto de trabalho ao outro. quanto e quando produzir e comprar os diversos semi-acabados. seja determinado o que. -Gerar ordens de produção e solicitações de compras baseado em uma previsão de vendas.1Do MRP para o MRPII A popularização do uso da técnica MRP. calculando as previsões de saída e as necessidades de acordo com os dados disponíveis (Haberkon. Entretanto para quem vive o ambiente fabril não basta garantir a disponibilidade de material p/ garantir a viabilidade da produção de determinados itens em determinado momento. 1. requerendo apenas algumas informações adicionais. componentes e matérias-primas. cujas características são: integração dos diversos setores da empresa através . com que recursos”.2Conceitos e Características do MRPII O MRPII é um conjunto de programas de controle da produção e realimentação da informação emanada do chão da fábrica. É uma filosofia de planejamento baseada num processo hierárquico de decisão e apoiada pelo uso de software.

responsável por desagregar as decisões tomadas no bloco de comando. cadastro de centros produtivos etc O primeiro aspecto importante para garantir a eficácia do MRPII é a existência de uma base de dados única. ou seja. gerando decisões desagregadas nos níveis requeridos pela execução. realimentando todo o processo. 2. desenvolvidos para suportar esta filosofia de planejamento. parâmetros posição de estoques plano detalhado de materiais e capacidade orçamentoplano de vendas agregado . assim como controlar o cumprimento do planejamento. Essa estrutura é visualizada na figura 1 abaixo. necessidade de alta acurácia dos dados. sendo portanto um nível de decisão de alta direção. quanto e quando produzir e/ou comprar. SFCSFCComprasCompras MRPMRPCRPCRPcentros produtivos. Figura 1: Estrutura do MRPII Fonte: Corrêa (2001) 2. os sistemas MRPII fornecem aos diferentes gerentes os dados e as ferramentas necessárias para a tomada de decisão. Estas funções estão normalmente associadas a módulos de pacotes de software comerciais. Gestão de demanda e MPS/RCCP) que é responsável por dirigir a empresa e sua atuação no mercado. escolhas diárias e implementações dos objetivos de curto.da informação. priorização dos objetivos de redução dos estoques e garantia de confiabilidade de entrega. cadastro de roteiros.3Estrutura do Sistema do MRPII O sistema MRPII possui a seguinte estrutura dividida nos seguintes grupos: A)Comando: composto pelos níveis mais altos de planejamento (S&OP. não redundante e acurada que interage toda a empresa por meio da informação. B)Motor:é o nível mais baixo do planejamento (MRP/CRP). tempos estruturas. incluem cadastros como: cadastro de estrutura de produto.4Módulos do MRPII O sistema MRP I é composto de uma série de procedimentos de planejamento agrupados em funções. médio e longo prazo. o que. o sistema sugere que o usuário decida. além das decisões referentes a gestão da capacidade de curto prazo. roteiros. Em outras palavras. C)Rodas: composta pelos módulos de execução e controle (Compras e SFC). -Cadastros básicos. responsáveis por apoiar a execução detalhada daquilo que foi determinado pelo bloco anterior.

manufatura e finanças. ou seja que se apresentar problemas de capacidade no CRP. Pois a qualidade de decisão . ampliação de linhas de produção. (Inicialmente é necessário desagregar a previsão por famílias e mensal em previsões semanais e por produto). O processo de decisão do MPS deve ser realizado por uma equipe multifuncional.estratégias programa defornecedores programa detalhado de produção plano mestre de produção MPSMPSRCCPRCCPlista de recursos. O módulo RCCP utiliza como dado de entrada a relação de ordens planejadas pelo MPS e tem como objetivo de apoiar a elaboração de um plano-mestre que seja viável em termos de capacidade. ativação e desativação de unidades fabris. O resultado do S&OP é um conjunto de planos coerentes que servirão de metas a serem perseguidas pelas áreas envolvidas. da qual façam parte elementos das áreas de planejamento e comercial. Para não ocorrer incoerência de decisões é necessário a integração entre as principais áreas funcionais: Mktg. tempos plano de produção agregado política de estoques Gestão de Demanda Gestão de Demanda ComandoComando MotorMotor RodasRodas -S&OP (Sales and operations planning – Planejamento das vendas e operações): É um processo de planejamento que trata de decisões que requerem visão de longo prazo do negócio. para que as decisões de curto e médio prazo estejam coerente com as decisões de longo prazo. -MPS (Master Production Schedule – Planejamento Mestre da Produção) / RCCP (Rough cut capacity planning – Cálculo das Capacidades de Recursos Críticos) O módulo MPS é uma desagregação do plano de produção agregado ou de longo prazo. como: aquisição de equipamentos. estes sejam resolvidos com ajustes sem necessidade de voltar ao MPS...

na qual as decisões tomadas nos níveis superiores condicionam as decisões de níveis inferiores. o plano de produção é inserido no módulo de Cálculo de Capacidade –CRP. por centro de produção. tomada de decisão centralizada. -SFC (Shop Floor control – Controle de Chão de Fábrica): É o responsável pela sequenciação das ordens.depende fortemente da qualidade da previsão de vendas. no caso de não haver disponibilidade de determinados materiais. Por essa estrutura pode-se dizer que o MRPII tem as seguintes características: passividade. que calcula as necessidades de capacidade para cada centro. horas extras necessárias. com implicações nos níveis de ociosidade. que caracterizam o gerenciamento por exceção (como já foi explicado no item 1. garantindo coerência vertical entre os diversos níveis de decisões tomadas na manufatura. controla as ordens e faz a avaliação do desempenho dos fornecedores. estoques de segurança e tamanhos de lote). Além disso. período a período gerando um gráfico de carga que permite identificar excessos de necessidade de capacidade ou ociosidade. O processo MPS/RCCP é o responsável por elaborar o plano de produção de produtos finais ou plano mestre de produção. além de ser um processo de planejamento. O conjunto dos módulos apresentados forma uma estrutura de planejamento hierárquico. item a item. Mudanças freqüentes neste plano de produção geram a necessidade de replanejamentos no nível do MRP/CRP e no chão da fábrica que normalmente vem acompanhada de custos adicionais. Daí ser necessário administrar a demanda. subcontratações etc. O MRP vai gerar mensagens de ação. período a período que é o dado de entrada para que o MRP possa executar o cálculo de necessidades. pois a execução vem em etapa posterior. gerenciadas e controladas pelo SFC. precisando ser apenas parametrizado (tempos. integração e altamente computadorizado. dentro de um período de planejamento e pelo controle da produção propriamente dito no nível da fábrica. -Compras : faz a liberação das ordens de compras. -MRP/ CRP (Capacity requeriments planning) O MRP é o módulo que faz o cálculo de necessidades de materiais. O processo MRP/CRP é considerado o “motor” do sistema MRPII por sua característica de automação de cálculo. às decisões detalhadas de curtíssimo prazo. Uma vez verificada a viabilidade em termos dos materiais. esta estrutura permite vincular o planejamento de longo prazo. pois irá definir a capacidade período a período. libera – controla as ordens e avalia o desempenho da fábrica. além do plano de produção ter grande impacto no desempenho do setor produtivo. Ou seja. realizado pelo S&OP.2). natureza dinâmica (reage a mudanças). . Verificada a viabilidade do plano de produção o resultado será o plano detalhado de materiais e capacidade.

Referência Bibliográfica BASSI. Irineu G. Pedroso. Marcelo C. programação e controle da produção: MRPII/ERP: conceitos. HABERKORN. GIANESI. Mauro. Para Corrêa et al (2001). gerenciamento adequado da implantação. Set/out. programação e controle da produção. uso e aplicações. SIMCSIK. abril/junho 1999. hardware e software. . Tibor. o que quer melhorar e quanto. incorporando o máximo de informações. Henrique L. N.2. CAON.2. informação e sistemas. além de atender as necessidades de informação referente ao cálculo de necessidade de materiais passou a atender às necessidades de informação para tomada de decisão gerencial sobre outros recursos de manufatura. 2. São Paulo: Atlas. que nasceu a partir do módulo do MRP. SãoPaulo. 1999. os aspectos a serem observados na implantação de sistemas MRPII são: comprometimento da alta administração. educação e treinamento aos usuários.6Conclusões O sistema MRPII. n. portanto na implantação de um novo sistema de gestão é necessário definir onde se quer chegar. métodos. CORRÊA. 1994. Planejamento. escolha adequada de sistema. Exigindo na sua implantação a reflexão das características específicas da empresa e das áreas envolvidas no processo de integração. Organização. relacionando vendas previsionais e capacidade de produção. São Paulo: Makron Books.. V. 4.veracidade dos dados de entrada.5 Processo de implantação do MRPII Pelo apresentado até o momento nota-se que o sistema MRPII muda os métodos de trabalho em todas as áreas. (* Para esse tópico utilizem o texto complementar de sistema integrado. Teoria do ERP. Sistemas integrados de gestão de manufatura: utopia ou realidade? RAE Light. Modelo de gestão do sistema de planejamento. educação e treinamento dos usuários. Esse sistema de planejamento veio permitir a elaboração de planos de longo e médio prazo.ed.34. 2001.. Ernesto. 1992. acurácia/qualidade . São Paulo: Makron Books. Revista da Administração. ed. além de permitir planejamento de curto prazo para organizar a fabricação. Nilton G. discutido em sala de aula) 2.