You are on page 1of 7

TRATAMENTO DE EFLUENTES, CUSTO E BENEFÍCIO EM PEQUENA EMPRESA

Estamparia Têxtil
Jonathan Teles Feltrin Prof. Sandro Sabino Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Superior de Tecnologia de Gestão Ambiental (GAM 0153/1) – Prática Módulo 1 29/10/12 RESUMO Na indústria têxtil o tratamento de efluentes é uma parte essencial no processo final para dar um fim aos seus dejetos poluidores, e esse processo tem que ser feito para ajudar o meio ambiente. Hoje nas indústrias o tratamento de efluentes tem seu papel fundamental e importante, aqui nesse trabalho estamos abordando o processo do começo ao final no tratamento de efluentes de uma estamparia de pequeno porte. O grande mal na estamparia são os corantes, que no trabalho da estampa são descartados os restos desses corantes que é poluidor pelo seu alto grau de toxidades. A legislação ambiental esta em cima dessas indústrias para que elas não despejem esses corantes poluidores nos rios e vegetação antes de fazer o processo de tratamento que é o tratamento de efluentes. Este processo na pequena, média e grande empresa basicamente é o mesmo procedimento. Além de eliminar a poluição das águas depois de tratadas ainda se pode reaproveitar está água, como na estamparia, por exemplo, são lavados os quadros usados na estampa. Palavras-chave: Tratamento de efluentes. Estamparia. Legislação ambiental. 1 INTRODUÇÃO As indústrias que envolvem efluentes estão sempre preocupadas em tratar seus dejetos poluidores para não ser jogado no meio ambiente. Cada vez as leis ambientais estão em cima dessas indústrias para não houver poluição ambiental no planeta. O tratamento de efluentes nas estamparias basicamente é o mesmo só muda seu porte, o objetivo do tratamento é eliminar as águas toxicas e tentar reaproveitar o máximo para não ter desperdícios. Ainda na estamparia essa água é aproveitada para limpeza dos quadros e utensílios utilizados no processo de estampa. Existe certo custo para esse processo, desde o começo do tratamento até seu final é gerado valores, mas esses valores viram lucros em certas partes com o reaproveitamento da água já tratada

alcalinidade... vírus. (BELTRAME. Esses conhecimentos da vazão e da composição do efluente industrial possibilita a determinação das cargas de poluição/contaminação. é preciso quantificar e caracterizar os efluentes. com o período de operação. 2000). 2 TRATAMENTO DE EFLUENTES ”Na indústria têxtil caracteriza-se pela diversidade de processos utilizados e geração de altos volumes de efluentes com alta carga poluidora”.).) e biológicas (bactérias. etc.2 para limpeza dos materiais usados no processo de estampa e além de ter consciência ambiental. águas pluviais poluidoras e esgoto doméstico. Este presente trabalho foi focado no tratamento de efluentes de duas estamparias localizadas no vale do Itajaí de pequeno porte. demandas legais e prejuízos para imagem da indústria junto à sociedade. efluente líquido industrial é o despejo líquido proveniente do estabelecimento industrial. para isso existe esse processo de tratamento. A indústria têxtil tem sido um grande problema na questão de efluentes pois existem vários processos poluidores questionando a água. 2010). protozoários. (EFLUENTES. com a matéria-prima utilizada. 2010).. Esse presente estudo apresenta duas indústrias de pequeno porte na área têxtil de estamparia aqui no vale do Itajaí. metais etc.. Desse modo. sólidos etc.). para evitar danos ambientais. Vamos falar do processo de tratamento de efluente nessas empresas do começo ao final do tratamento. De acordo com a norma brasileira – NBR 9800/1987. A estamparia é um processo de impressão onde . o que é fundamental para definir o tipo de tratamento. As características físicas (temperatura. com a reutilização de água etc”. águas de refrigerações poluidoras.. Foram visitadas as empresas para entender e estudar esse processo de tratamento. 3 ESTAMPARIA Segundo Andrade Filho e Ferreira (1987) estamparia é o beneficiamento têxtil que tem por finalidade imprimir desenhos coloridos nos tecidos.. “As características físicas. compreendendo emanações de processo industrial. as químicas (ph. químicas e biológicas do efluente industrial são variáveis com o tipo de indústria. avaliar o enquadramento à legislação ambiental. (EFLUENTES. O efluente recebe um prétratamento antes de ser lançado ao meio ambiente e é necessário conhecer as propriedades física e química do efluente e os agentes poluentes presentes. cor. feito entrevistas aos seus responsáveis no procedimento depois de feito o serviço que é a estampa.

baldes. para posterior tratamento e destino de material decantado e da água tratada e limpa que pode ser filtrada e clorada para reuso no mesmo processo de limpeza. e da lavagem das telas e de todos os utensílios como rodos. que pode ser “transfer sublimáticas” ou “silk screen”. então esta se fazendo um . seus resíduos são separados por tanques para fazer a decantação e nesse processo é usado basicamente dois produtos. O procedimento no tratamento nessas empresas é simples e eficaz se tratando de uma empresa de estamparia de pequeno porte. 4 TRATAMENTO EFLUENTE NA ESTAMPARIA O efluente de estamparia é composto de resíduos de tintas prontas e das químicas usadas para preparar as tintas. A água fica decantando 2 a 3 horas com seus produtos. a estamparia. uma coletora leva embora para um lugar apropriado. espátulas. lá é feito esse processo de reutilizar a água para lavagem dos quadros.3 utiliza-se vários métodos na sua criação. onde foi feita uma visita técnica de estudos de tratamento de efluente. porém muito diferente ao tamanho dado a cada unidade. frações de pigmentos. etc.1 PROCESSO DE TRATAMENTO EFLUENTE NA ESTAMPARIA Na estamparia o efluente é separado em tanques de contenção impermeabilizados que pode ser no próprio local de limpeza. ai a sujeira baixa no tanque e a água limpa é transportada para outro tanque e o lodo presente também é colocado em outro recipiente que fica uma semana secando para seu destino final conforme a legislação. seja ela de pequeno e grande porte. Basicamente esse processo é feito na maioria das estamparias e indústrias têxteis. e entre outros modelos de estampa. Este efluente é parecido em todas as estamparias. Ai nesta empresa está se fazendo um estudo para reutilização da água para fins de necessidades pessoais como utilizar na descarga sanitária pois é um grande volume de água despejada nesse sentido alem que na empresa entrevistada o numero de funcionários é pequeno mas a cada descarga acionada é 8 a 10 litros de água despejado. existem também varias técnicas para transformar os tecidos e dar a eles mais coloridos e diversificação. pois é separado em pequenos e grandes tanques depende de seu porte de resíduos para fazer a decantação do efluentes e até mesmo reaproveitar a água como nessa empresa e também na maiorias dessas estamparias usam para limpeza de seus quadros utilizados e utensílios para o trabalho de estampa. o AGUAFLOC e o QUIMIFLOC. Entre elas. 4. de quadros ou rotativos. o aterro industrial. Na empresa Bay Estamparia e GHT Estamparia.

4 estudo profundo na parte de economia de água. de maneira que pode ser retirados depois pela saída inferior. . Basicamente são quatro passos do processo de tratamento: • 1° Tanque de dosagem: onde vai acorrer a dosagem de sulfato de alumínio que tem a função de coagulação. e na parte superior ocorrerá a passagem do efluente pelo filtro. • 2° Tanque de floculação: tem a função de ajudar a dissolução do sulfato de alumínio na sua ação agente coagulante. para o sulfato de alumínio ter a reação desejada o ph esteja com a dosagem de 5 a 8. Abaixo os tanques de procedimento de tratamento de efluentes da estamparia: FIGURA 1. 2012. • 3° Tanque de decantação: aqui os sólidos sedimentam por diferentes densidades.TANQUES DE PROCESSO TRATAMENTO EFLUENTE FONTE: GHT Estamparia. • 4° Tanque filtração: ele retém os sólidos que não reteve nas etapas anteriores.

e alem que a água é um recurso finito em nosso planeta. Os efluentes líquidos da indústria têxtil são tóxicos e geralmente não biodegradáveis e também resistentes a destruição pelos métodos de tratamento físico-químico.5 FIGURA 2 – ETAPAS DOS TANQUES TRATAMENTO EFLUENTES FONTE: AUTOR. 4. esse é o maior desafio enfrentado pela indústria têxtil. pois existem 18 funcionários fichados e pode se converter em mais economia de água. 2012. Já na GHT Estamparia basicamente é a mesmo custo e beneficio já se trabalha com a reutilização da água tratada para limpeza dos quadros e seus utensílios.2 CUSTO E BENEFICIO O custo mensal nesse procedimento na empresa BAY Estamparia envolvendo técnicos e produtos no tratamento tem um custo mensal de R$1200. Alem da consciência ambiental. alem de lavar os quadros ainda pode utilizar na necessidade diária. A redução do volume de efluentes através de recirculação e reaproveitamento de água e recuperação de produtos químicos e subprodutos. surfactantes e aditivos que geralmente são compostos orgânicos de estrutura complexas. Ainda esta sendo estudada a possibilidade de reutilizar água tratada para descarga sanitária.00 e seus benefícios é a economia da empresa na reutilização da água para lavagem dos quadros de estampas. O consume de água tende aumentar como crescimento industrial. sem o comprometimento da qualidade do produto acabado. “A não biodegradabilidade dos efluentes têxteis se deve ao alto conteúdo de corantes.” .

é um tratamento simples e eficaz no desenvolvimento ambiental e econômico a essas empresas alem . é que é atualmente disposta em aterros industriais. utilizando-se técnicas capazes de valorizar e reutilizar de forma sustentável. 1999). 2004). Abaixo uma amostra de borra de estamparia ainda dentro do tanque de tratamento: FIGURA 3 – BORRA DE ESTAMPARIA TÊXTIL FONTE: GHT Estamparia. A fase liquida dessas águas é geralmente descartada em córregos e rios ao passo que os sólidos em maior volume são removidos para posterior tratamento. 5 LODO DE ESTAMPARIA TÊXTIL Esta atividade tem como subproduto o lodo residual proveniente da lavagem de quadros. GONERA. tais resíduos. o que impede o descarte direto na rede de esgoto ou em corpos de água. é considerada segundo a norma 10004(ABNT. resíduo solido de classe II não inerte. denominado por borra de estamparia têxtil. basicamente o processo é o mesmo em quase toda pequena e média empresa. com composição química variada.6 (LEDAKOWICZ. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse foi um processo de começo ao fim de um tratamento de efluentes de duas estamparias de pequeno porte. 2012. A borra de estamparia têxtil.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro. V. Tratamento do efluente de uma industria têxtil. 1999. S. Centro de informação metal mecânica. José Ferreira de.7 de ajudar o meio ambiente. 2000. 2010. Caracterização de efluente têxtil e proposta de tratamento. 2012. Dissertação (mestrado em engenharia química).cimm. Maria E. 2004. NBR 9800: critério para lançamento de efluentes líquidos industriais no sistema coletor publica de esgoto sanitário. O processo de tratamento efluente industrial esta sendo mais vigente nas empresas pequenas e médias e indústrias de grande porte em questões ambientais.br/portal/material_didatico/3669-efluentes-industriais#. ______. 1987. ABNT. Rio de Janeiro: CETIQT/SENAI. CIMM. Rio de Janeiro.Classificação. Programa de pósgraduação em engenharia química. Processo físico-químico com ozônio e coagulação/floculação.2012. M. Water research. 2000. não tem grandes desperdícios exagerados de água ainda pode ser utilizado na limpeza de suas ferramentas e possivelmente no futuro implantar outros modos de utilizar a água tratada. Acesso em: 17 out. Introdução à Tecnologia têxtil.universoambiental. 33. ANDRADE FILHO. 1987.com. Maurício L. SANTOS. NBR 10004: Resíduos sólidos .. Nagel.UH70HW_A_St>. Leocádia Terezinha Cordeiro. GONERA.com. 162 f. Natal. REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. HASSEMER. Optimization of oxidants dose for combined chemical and biological treatment of textiles wastewater. 174 p. 3 v. p. Laércio Frazão dos. LEDAKOWICZ. Disponível em: < http://www. 2002.71.br/Arquivos/Agua/TratamentodeEfluentedeumaIndustriaTextil. na questão de necessidade diárias de seus funcionários. SENS. EFLUENTES industriais. . BELTRAME. Disponível em: < http://www. pdf>. Acesso em: 06 out.