You are on page 1of 9

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Tecnologia e Geociências Departamento De Engenharia Química Físico-Química Experimental Química Industrial Aluna

: Karina Maria Mendes

RELATÓRIO PRÁTICA

DE

AULA

PRÁTICA 3 : ADSORÇÃO

Uma molécula quimicamente adsorvida pode ser decomposta em virtude de forças de valência dos átomos da superfície e é a existência de fragmentos moleculares adsorvidos que responde. Em alguns casos o sistema pode ser descrito pela Isoterma de Freundlich. 1. A adsorção química. Freundlich. e a relação entre a quantidade adsorvida (x) e a concentração (c) é conhecida como a isoterma de adsorção. pois todos os processos de adsorção são exotérmicos. A quantidade de substância adsorvida na superfície decresce com o aumento da temperatura. Nela as moléculas (ou átomos) unem-se à superfície do adsorvente através da formação de ligações químicas (geralmente covalentes) e tendem a se acomodarem em sítios que propiciem o maior número de coordenação possível com o substrato.Recife. chegou através da seguinte equação: . Na adsorção física as moléculas fixam-se na superfície do adsorvente utilizando as forças de Van der Waals. A uma temperatura constante. é específica e é empregada na separação de misturas. da pressão e da área da superfície . chegou a está isoterma estudando o fenômeno da adsorção. pelo efeito catalítico das superfícies sólidas. em parte. o H.os sólidos porosos como o carvão ativado são ótimos adsorventes. abril de 2011. a quantidade adsorvida aumenta com a concentração do adsorbato (em solução ou na fase gasosa). Introdução Adsorção é a adesão de moléculas de um fluido (o adsorvido) a uma superfície sólida (o adsorvente). também chamada quimissorção. o grau de adsorção depende da temperatura. quantitativamente.

1 Funil. 500 mL de Hidróxido de sódio (NaOH) 1 M. com a variação da concentração do ácido acético.1 Materiais 6 Erlenmeyers de 250 mL. 1 Pipeta de 50 mL. m é a massa do adsorvente sólido. O expoente 1/n é adimensional. papel de filtro. 2 Buretas de 50 mL. Materiais e Procedimento experimental 2. 1 Pipeta de 10 mL. 200 mL de Ácido Acético (CH3COOH) 1 M. 1 Termômetro (0 – 100 ⁰C). 6 Balões volumétricos de 100 mL. tem valor menor do que um. e está relacionado com a intensidade da adsorção. c é a concentração da solução e K e n são constantes. O objetivo principal dessa prática será estudar a adsorção do ácido acético sobre o carvão vegetal. 1 Béquer de 250 mL. Também pode-se utilizar essa equação linearizada como segue: (x/m) = log k + (1/ n) Log (c).log  1 x  = log K + n log c m Onde x é a massa da substância adsorvida. . 1 Pipeta de 25 mL. 2.

Preparou-se 200 mL de uma solução de ácido acético 1M e padronizou-se.2 Procedimento experimental Colocou-se 20 g de carvão ativado num béquer.5 2 25 75 0. respectivamente.10 4 5 95 0. 3. 2. Fenolftaleína. calculou-se para os outros volumes de ácido acético e os resultados encontram-se na tabela 1.01 M. agitando esporadicamente. inicial = 3g Seguindo este mesmo modelo. 25.05L mHAc. inicial – concentração inicial do ácido acético. filtrado e colocado numa estufa pelo menos a 120 ºC por uma hora. retirou-se o carvão da estufa e deixou esfriar em dessecador.20 g de Carvão Ativado. Em seguida deixou-se o carvão decantar e filtrou-se. titulando 25 mL de uma solução de NaOH 1M. CHAc = 1mol/L MMHAc = 60g/mol VHAc = 50 mL = 0. foi lavado com água destilada. MMHac – massa molar do ácido acético . inicial / 60g/mol . A fórmula utilizada para tais cálculos foi a seguinte: CHAc = Onde.5 a 0. 0. 4. Tomou-se 10 mL da amostra 1 e titulou-se com NaOH 1M. Com o restante da solução padronizada preparou-se seis soluções de 100 mL de ácido acético nas concentrações 0. 25.05 5 2 98 0.02 6 1 99 0. 50 e 50 mL. inicial . Para isto tomou-se seis balões volumétricos de 100 mL e adicionou-se: Tabela 1 – Preparação das Concentrações de Ácido acético Amostra Ácido acético (mL) Água destilada (mL) Concentração obtida 1 50 50 0. 3. Transferiu-se as soluções preparadas para os erlenmeyers contendo carvão ativado e anote o tempo. Deixou-se a adsorção perfazer-se por 45 minutos. tomando porções de 10. CHAc.25 3 10 90 0. abaixo : Tabela 1 : volumes x mHAc. VHac 1mol/L = mHAc. inicial Volumes (mL) (g) mHAc. Resultados e Discussão Inicialmente verificamos a massa inicial de ácido acético antes do inicio do experimento. usando fenolftaleína como indicador.01 Pesou-se em seis erlenmeyers com rolhas seis amostras de carvão de 2 g cada uma. Em seguida fez-se a mesma titulação com as amostras 2.05L CHAc = mHAc. inicial / MMHAc . utilizando como indicador a fenolftaleína. 5 e 6.

35g = 1. 0. V2 1mol/L .05982g Nas tabelas abaixo. VHAc 0.0045L Vpipetado = 10mL = 0. para cada amostra de acordo com o modelo a seguir : CNaOH = 1mol/L Vgasto de NaOH = 4.06 .45mol/L CHAc = mHAc.5 0.3g – 0. 0.2892g w = 0.0108 0. e do log da massa.0045L = CHAc . V1 = C2 . inicial – mHac. encontram-se os resultados gerais de massa adsorvida.45mol/L = mHAc. que ficou no erlenmeyer. para montar o gráfico: .00018g = 0.25 10 5 2 1 1.0.11916g w = 0.0108g = 0.6g – 0.5mL = 0.33 mHAc.1. w = mHAc.12 0.5532g w = 0.06 Após isso calculamos a massa final. final (g) 0.0468g = 0.01L C1 .33g = 1.3 0.35g Utilizando este modelo.05L mHAc. 0.17g w = 0.5g – 0. final / 60g/mol .0468 0.00084g = 0. final / MMHAc .65g w = 1. calculou-se para as outras amostras como mostrados por volume na tabela 2 a seguir : Volumes (mL) 25 10 5 2 1 0. após a adsorção. final w = 3g .00084 0.00018 De posse desses resultados calculou-se a massa que foi adsorvida do ácido em cada amostra. final = 1.12g – 0.01L CHAc = 0.6 0.

65 logx 0.2365720 1 1.30102999 96 1.2571178 28 0.0468 20 0.3 0.17 0.0681858 61 0.289 2 0.217484 x/m 0.5 0.5388017 11 0.553 2 0.65 log x 0.2231535 91 3 0.02 0 log[HAc] 0.8538719 6 2.50 0 0.35 m (g) 20 x (g) 1.00018 20 Tabela 4: Dados para linearização da equação Amost ra 1 m (g) 20 x (g) 1.5388017 11 0.00 6 log x/m 1.0681858 61 0.0108 20 1.119 16 0.08 25 0.60205999 1 -1 2 20 1.33 20 1.01 4 0.00084 20 6 0.30102999 5 0.9238695 05 1.02 7 0.12 0.119 16 4 20 1.69897000 4 -2 5 0.06 0.2571178 28 0.0835460 51 1.69897000 4 5 20 .217484 log[HAc] 0.553 2 0.30102999 5 0.289 2 0.60205999 1 -1 2 1.05 8 0.10 0 0.5686362 4 1.Tabela 3: Massa adsorvida x log massa adsorvida Amost ra 1 MHAc inicial (g) 3 MHAc final (g) 1.9238695 05 3 20 0.17 0.30102999 96 1.05 0 0.25 0 0.6 0.059 82 4 0.2218487 5 [HAc] 0.

1762 E o 1/n que é um valor adimensional que tem a ver com a intensidade da adsorção.0.7538 k=0. vimos que esse valor é satisfatório já que este se aproxima de 1. 1/n = 0. .864 n = 1.Através dos gráficos conseguimos calcular a constante da reação Log k = .1574 Comparando o valor de R² na reta.

Questões 1 – Discuta o valor de n e K calculados. Sim.4. teor de cinzas. Conclusão A prática foi de bom proveito. 2 – Qual a importância do conhecimento da Isoterma da adsorção? R.Para o conhecimento das constantes de adsorção. adsorvatos e pH das soluções. . sendo importantes para saber do andamento da reação. R. foi válida usar a isoterma de Freundlich neste experimento? R. 6 – A adsorção do ácido acético em carvão ativado é uma adsorção química ou física? Por que? Segundo sua resposta.É uma adsorção física. floculação. já que conseguimos cumprir o objetivo principal que era calcular o k e o n através do esboço dos gráficos e aplicando a teoria da isoterma de adsorção. alta resistência mecânica e o processo de ativação a que o carvão foi submetido. visto que se dá por polaridade.A natureza química dos adsorventes (grupos funcionais na superfície que conferem alta reatividade). 4 – Quais os fatores que poderiam influenciar a adsorção? R. 3 – Explique o mecanismo responsável pela adsorção.O carvão ativado tem inúmeros microporos. além de que pudemos verificar e fixar utilizando a prática os principais conceitos de adsorção 5. dispersão.Pode ser fundamental para o controle de uma variedade de processos de interface como detergência. flotação de minérios bem como em outras separações sólido-líquido. R. facilitando a adsorção. que aumentam a superfície de contato com o adsorbato. 5 – Discuta algumas aplicações gerais da adsorção. R. a viscosidade e temperatura da fase líquida e o tempo de contato do adsorvente com a solução.Os valores de n e k são coerentes se formos compará-los com o que seria esperado teoricamente. Outros fatores que podem afetar a adsorção de modo significativo são a granulometria.

http://docs. http://docs.br/. educacao.ufrrj.br/Pesquisa/pdf/DissertacaoDIANA.br/.ufpr..unicamp.com.ufsc.br/~wloh/offline/qp433/seminarios/ad sorcaosurf-melissa.posalim.br/revistas/exatas/rce/v24n1-2/3.iqm./20061_qmc5409_experimento_carvao_adsorcao. Referências Bibliográficas 1..com/adsorção 5. www.wikipedia.pdf 4. www.6..com/viewer? a=v&q=cache:dpkQRlqxtbMJ:www.google.jhtm .google.editora.com/viewer? a=v&q=cache:nqhww0e3pqEJ:www.google.qmc. http://docs..pdf 6.uol.pdf 3.com/viewer? a=v&q=cache:wuhajTlcymwJ:www.pdf 2./adsorcao-diferentes-interacoes-entre-moleculas.