You are on page 1of 60

PROTEÇÃO E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

Químico Luiz Fernando Mendes Nunes

1

2

PROTEÇÃO E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL
Químico Luiz Fernando Mendes Nunes

2012
3

com. Especialista em Ciências.com 4 .gospeleciencia. Bacharel em Química.Luiz Fernando Mendes Nunes.br Site: www. Contatos: (71) 3399 5914 (71) 8876 4524 E-mail: lfmendesnunes@yahoo.

seres humanos e suas inter-relações. a iluminação. fauna. flora. saúde e outros). social. química. o teor de oxigênio) e bióticos (como as condições de alimentação. água.” “Circunvizinhança em que uma organização opera. influências e interações de ordem física. leis. 2009) 5 .Meio Ambiente CONCEITOS Meio Ambiente “Conjunto de condições. cultural e urbanística. modo de vida em sociedade e para o homem. a pressão. recursos naturais. companhia. Os constituintes do meio ambiente compreendem fatores abióticos (como o clima. educação. solo. incluindo-se ar. (CONAMA N°306/2002) Meio Ambiente Meio Ambiente “Conjunto de forças e condições que cercam e influenciam os seres vivos e as coisas em geral. biológica.” (ISO 14001) (Wikipédia. abriga e rege a vida em todas as suas formas”. que permite.

Meio Ambiente Impacto Ambiental “Qualquer alteração das propriedades físicas. Licenciamento Ambiental (Resolução CONAMA 237/1997) • É uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade potencialmente poluidora ou degradadora do meio ambiente. • É um procedimento administrativo.” (Resolução CONAMA nº 001. bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida. químicas e biológicas do meio ambiente. 6 . causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante da atividade humana. gasoduto Extração de minérios Aterros sanitários Distritos industriais Extração de combustíveis fósseis Exploração econômica de madeiras Outras. 23 de janeiro de 1986) “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.” (Art 225 da Constituição Federal) Algumas atividades com Impacto Ambiental • • • • • • • • • • • Construção de rodovias Construção de ferrovias Construção de portos e terminais Construção de aeroportos Instalação de oleoduto.

795. como gás metano (CH4).Autoriza o início da obra ou instalação do empreendimento. de 27 de Abril de 1999) Biodegradável • Diz-se da substância que se decompõe facilmente reintegrando-se à natureza. “Pode construir”. (Princípio do Equilíbrio) Licença Instalação . Aprova sua localização e concepção atestando a viabilidade ambiental do projeto. Validade 6 anos. Biodigestores • Processo de decomposição do lixo orgânico por microorganismos. Biodigestor 7 . Atenção!! O poder público só deve licenciar uma atividade potencialmente poluidora. essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente. • Muitos produtos industriais não o são.• Etapas do Licenciamento Ambiental: Licença Prévia – concebida na fase preliminar do planejamento. Educação Ambiental • Processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais. (Lei no 9. Licença Operação . bem de uso comum do povo. transformando-o em produtos combustíveis.licença que autoriza o início do funcionamento do empreendimento. Dejetos humanos são biodegradáveis. Validade 10 anos. habilidades. Validade 5 anos. como os plásticos. pois sofrem este processo natural de reintegração. conhecimentos. quando o impacto que gerar no meio ambiente compense o desenvolvimento socioambiental.

• Gestão Ambiental é Condução. EIA/RIMA (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) Gestão Ambiental • Gestão Ambiental é a administração do exercício de atividades econômicas e sociais de forma a utilizar de maneira racional os recursos naturais. fungos.Biodiversidade • Diversidade de espécies vivas: animais vertebrados e invertebrados. Desenvolvimento Sustentável • satisfação das necessidades básicas e aspirações do bem-estar da população. direcionamento e orientação das atividades humanas visando o desenvolvimento sustentável. retirados ou disponíveis no meio ambiente para as atividades econômicas humanas. outras fontes indicam 30 milhões. Recursos Naturais • São "insumos". durante e após as obras. matérias-primas. renováveis ou não. ISO 14000 • ISO 14000 é uma série de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem diretrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. • Classificados em: Renováveis e Não Renováveis 8 . propondo ainda como minimizar os negativos. sem comprometer a possibilidade das gerações futuras de estabelecer suas próprias necessidades e aspirações. haveria de 5 a 10 milhões de espécies no mundo. fontes de energia. onde se avaliará o ambiente antes da implantação. • Por estimativas conservadoras. plantas. Mas só uma pequena parte foi descrita pela Ciência. prevendo-se os possíveis impactos ambientais. • Estudo obrigatório no Brasil para empreendimentos de maior porte. ou seja. positivos e negativos. algas e microorganismos.

compreende a proteção do meio ambiente independentemente do interesse utilitário e do valor econômico que possa conter. ou seja. PRESERVAÇÃO X CONSERVAÇÃO PRESERVAÇÃO CONSERVAÇÃO Foca a natureza sem a interferência humana. vida animal) ou que não implicam reposição (energia solar. vegetação. pois a Natureza não tem capacidade de renovar seus estoques. e no cumprimento de todas as leis vigentes. como é o caso de fontes de energia tradicionais. 9 . ventos). ou carvão mineral Pacto Global Iniciativa lançada pela Organização das Nações Unidas em 1999 para incentivar empresas a contribuírem com a construção de uma economia global mais sustentável e inclusiva. Exemplo: petróleo. FSC é uma sigla em inglês que significa Conselho de Manejo Florestal. socialmente justa e economicamente viável. gás natural.• Recursos Naturais Renováveis .que podem se regenerar.que tendem a se esgotar. Permite o uso sustentável e assume um significado de integração com o ser humano. se o uso for bem controlado (solo. • Recursos Naturais Não Renováveis . Certificação Florestal (FSC) Certificado que garante que a madeira utilizada em determinado produto é oriundo de um processo produtivo manejado de forma ecologicamente adequada.

Trata de transformações culturais e de valores. saúde e distribuição de renda). estimulando a adoção de padrões sustentáveis de produção e consumo. Identifica também problemas. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. a preservação dos recursos naturais e minerais. É o único tratado internacional que estipula reduções obrigatórias de emissões causadoras do efeito estufa. Agenda 21 Propõe que os diversos países do mundo tomem medidas para que no século 21 seja garantida a sustentabilidade das atividades humanas e principalmente que seja alcançada a melhoria da qualidade de vida para as atuais e futuras gerações. a ética política para o planejamento rumo ao desenvolvimento sustentável. O Protocolo de Quioto foi discutido e negociado em Quioto no Japão em 1997. 2009) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Agenda 21 Principal documento resultado da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento – UNCED/Rio-92. a sustentabilidade urbana e rural. 10 . DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Protocolo de Quioto • As ações prioritárias da Agenda 21 brasileira são: os programas de inclusão social (acesso de toda a população à educação.” (WWF. sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. propõe soluções e estima custos de investimento. foi aberto para assinaturas em 11 de Dezembro de 1997 e ratificado em 15 de março de 1999.DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPORTÂNCIA DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL “Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual.

• Os projetos de MDL podem ser baseados em fontes renováveis e alternativas de energia. abaixo dos valores de 1990. Promover o uso de fontes energéticas renováveis. e a Austrália não fazem parte do Protocolo de Quioto. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) Um dos mecanismos de flexibilização criados pelo Protocolo de Quioto para auxiliar o processo de redução das emissões de gases do efeito estufa ou de captura de carbono. • O protocolo de Quioto estimula os países signatários a cooperarem entre si. aprovado em Montreal Canadá. O tratado esteve aberto para adesões a partir de 16 de setembro de 1987 e entrou em vigor em 1 de Janeiro de 1989. através de algumas ações básicas: Reformar os setores de energia e transportes. Tem validade de 15 anos (1997 até 2012). O objetivo do protocolo é que os países industrializados diminuam em 5% as suas emissões. Atualmente há 180 nações que já assinaram o protocolo. em que os países signatários se comprometem a substituir as substâncias que se demonstrou estarem reagindo com o ozônio (O3). Os Estados Unidos. Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos. 11 . no período entre 2008 e 2012. maiores emissores mundiais. eficiência e conservação de energia ou reflorestamento. Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção. Proteger florestas e outros sumidouros de carbono DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL • Protocolo de Montreal É um tratado internacional.O documento foi ratificado por 168 países.

12 . Aterro Sanitário de Nova Iguaçu Legislação Ambiental Chorume Legislação Ambiental Legislação Ambiental • O Séc. no Estado do Rio de Janeiro. aprovado pela ONU. água e solo. “a poluição e os impactos ambientais eram um mal necessário”. no mundo. XX Óptica Corretiva – década de 70 – se baseava na correção dos efeitos nocivos advindos da poluição do ar. foi o do aterro sanitário de Nova Iguaçu. XX é marcado por 3 ópticas importantes sobre a consciência ambiental: Evolução da Consciência Ambiental Brasileira no Séc.• O primeiro projeto de MDL. que utiliza tecnologias bem precisas de engenharia sanitária.

Legislação Ambiental – é a parte do direito que disciplina a relação do homem com o meio ambiente. legislação ambiental incipiente. de preservar os recursos ambientais imprescindíveis à existência do próprio homem 13 . Política Nacional do Meio Ambiente – 1981.• Até a Década de 70: Industrialização acelerada – desenvolvimento econômico justifica os prejuízos ambientais. Óptica Integradora – a partir da década de 90 – combina aspectos econômicos e sociais com os ambientais. • Década de 80: Ação da ONG’s ambientalistas. Grandes acidentes ambientais Popularização dos problemas ambientais. a fim de proporcionar a qualidade de vida ao ser humano. visando preservação do Meio Ambiente e utilização dos recursos naturais com vistas à preservação das gerações futuras. Conferência sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento – Rio . Brasil: Constituição de 1988. Baseada pela regulamentação. Normas da série ISO 14000.92. aquecimento global. Tentativa de controle através de padrões de descarte. foi a primeira atitude mundial em tentar organizar as relações de homem e meio ambiente). São Paulo: criação da CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) Óptica Preventiva – década de 80 – proteger a saúde humana e o meio ambiente contra os efeitos de atividades que modificavam a camada de O3. Lei da Natureza.. • Na Década de 70: Conferência de Estocolmo – 1972 (realizada na capital da Suécia. bem como.. . Início do entendimento das questões ambientais (consequências) Atenção à camada de ozônio – 1974. alguma preocupação com acidente de trabalho. Brasil: criação da SEMA. • Década de 90: Qualidade ambiental deve estar presente no cotidiano.

Princípios do Direito Ambiental Princípio da prevenção – o principal objetivo é evitar que ocorra dano ao meio ambiente. Princípio Democrático – assegura ao cidadão o direito à informação e a participação na elaboração das políticas públicas ambientais. a conservação e a fiscalização do meio ambiente.• Diante dessa definição. Princípio da educação – visa promover a conscientização coletiva em torno da necessidade de preservação do meio ambiente. Deve ter iniciativa de forma repressiva no controle. Todos devem primar pela construção de valores sociais e iniciativas voltadas para o meio ambiente. Os princípios Ambientais sintetizam os objetivos apresentados pelo direito – quando regulamenta a relação do homem com o meio ambiente. Princípios do Direito Ambiental Os princípios são: Princípio do Direito Humano Fundamental – direito que pertence a todos. Princípios do Direito Ambiental Princípio da participação e cooperação – todos devem participar. Objetivo Mediato (que vem logo após): preservação dos recursos ambientais. podemos extrair os 2 objetivos perseguidos pelo direito na tentativa da preservação ambiental: Objetivo Imediato (mais próximo): proporcionar qualidade de vida aos seres humanos. Princípios do Direito Ambiental Princípios do Direito Ambiental • Os princípios são normas que sintetizam todos os objetivos perseguidos pelo sistema jurídico. 14 . tanto o poder público quanto a coletividade.

devendo adotar a solução que busque alcançar o desenvolvimento sustentável. Princípios do Direito Ambiental Princípio do Equilíbrio – princípio voltado à Administração Pública. Distrito Federal e Municípios: “Proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas” (CF. a fauna e a flora” (CF. Evitar o dano ambiental diante da incerteza científica do risco ambiental quanto ao resultado. art. VI) “Preservar as florestas. sons. a qual deve pensar em todas as implicações que podem ser desencadeadas por determinada intervenção no meio ambiente. derivada do risco da atividade. cujo dever e fixar parâmetros mínimos a serem observados em casos como emissões de partículas . destinação final de resíduos. visando promover o desenvolvimento sustentável. A responsabilidade pelos danos causados ao meio ambiente é de natureza objetiva. Sujeita-se à responsabilidade civil. 23. • Cabe a União.Princípios do Direito Ambiental Princípio da responsabilidade ou do poluidorpagador – todo aquele que lesar o meio ambiente é obrigado a reparar o dano e a cessar. Na dúvida. A responsabilidade é solidária. Competências Princípio do Limite – Também voltado para a Administração Pública. art 23. Competências Competências •UNIÃO: Estabelecimento de normas gerais válidas em todo o território nacional. ruídos. penal e administrativa. dentre outros. •MUNICÍPIOS: Estabelecimento de normas que visem atender aos interesses locais. a favor do ambiente e contra o degradador. “in dúbio pro ambiente”. Princípios do Direito Ambiental Princípio da precaução – tomar cuidado com riscos desconhecidos. Estados. 15 . sendo desnecessário a comprovação de dolo ou culpa. VII) •ESTADOS: Estabelecimento de normas peculiares.

LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO AOS RECURSOS NATURAIS •Lei n° 4. Além disso. o Capítulo VI incorpora várias disposições da lei federal anterior (Lei n°6.PNRH e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos – SNGRH. CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL . reconheceu a legitimidade do Ministério Público da União para propor ações de responsabilidade civil e criminal por danos causados ao meio ambiente.938/81). 225: Trata especificamente do meio ambiente. •Art. LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO AOS RECURSOS NATURAIS • Lei nº9433/97: instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos . 16 . o Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama) e criou o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).902/81: Dispôs sobre a criação de estações ecológicas e áreas de proteção ambiental. •Art.197/67: Lei de Proteção à Fauna. 129: Funções institucionais do Ministério Público referentes ao meio ambiente. 5°: Garantia de acesso a informações.771/65: Instituiu o Código Florestal. •Lei n° 4. •Lei n° 5. LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO AOS RECURSOS NATURAIS LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO AOS RECURSOS NATURAIS •Lei n°6.504/64: Estatuto da Terra – referente à conservação dos recursos naturais renováveis. 174: Política de Desenvolvimento Urbano.938/81: Estabeleceu a Política Nacional do Meio Ambiente.1988 Na Constituição Federal (CF). •Decreto-lei n° 227/67: Instituiu o Código de Mineração. •Decreto-lei n° 221/67: Estabeleceu o Código de Pesca. •Lei n°6. •Art. tida como um marco na área ambiental: •Art.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL
TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI – Do Meio Ambiente Art. 225 – Todos têm direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum ao povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. § 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: I – preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas; II – preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do país ,...

CONSTITUIÇÃO FEDERAL
III – definir, em todas as Unidades da Federação , espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, ... IV – exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade; V – controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente;

CONSTITUIÇÃO FEDERAL
VI – promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente; VII – proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais à crueldade. §2º Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, ...; §3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. ...

A Constituição Federal abriu novos caminhos para a atuação dos municípios, com a geração de instrumentos que possibilitam a ação e o controle do uso da propriedade privada à função social por meio dos Planos Diretores, cuja elaboração e adoção é obrigatória em áreas urbanas com população igual ou superior a 20 mil habitantes.

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

OBJETIVO: Foi estabelecida em 1981 mediante a edição da Lei 6.938/81. Tem como objetivo preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana.

17

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE
• Poluição: Degradação da qualidade ambiental resultantes de atividades que direta ou indiretamente: a) Prejudiquem a saúde, segurança e bem-estar da população; b) Criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; c) Afetem desfavoravelmente a biota;

Estabelece que, para os fins previstos na lei, entende-se por: •Meio ambiente: Conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. •Degradação da qualidade ambiental: Alteração adversa das características do meio ambiente.

d) Afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente;
e) Lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos.

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE
• Poluidor: Pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, responsável direta ou indiretamente, por atividade causadora de poluição ambiental;
• Recursos ambientais: a atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo, os elementos da biosfera, a fauna e a flora.

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

INSTRUMENTOS:
• Estabelecimento ambiental; de padrões de qualidade

• Zoneamento ambiental;
• Avaliação de Impacto Ambiental; • Licenciamento; entre outros.

POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE

SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (SISNAMA)
Composição: • Órgão Superior: o Conselho do Governo; • Órgão Consultivo e Deliberativo: o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama); • Órgão Central: o Ministério do Meio Ambiente (MMA); • Órgão Executor: o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama);

• Com a Lei n° 6.938/81 que estabeleceu a Política Nacional do Meio Ambiente, veio o SISNAMA - Sistema Nacional do Meio Ambiente - que é a reunião de todos os órgãos existentes em um país que tratam de forma direta ou indiretamente da preservação ambiental.

18

SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (SISNAMA)

• Órgãos Seccionais: Órgãos ou entidades da Administração Pública Federal e fundações instituídas pelo Poder Público; • Órgãos Locais: Órgãos ou entidades municipais responsáveis pelo controle e fiscalização das atividades referidas nas suas respectivas jurisdições.

• Com a Lei n° 6.938/81 que estabeleceu a Política Nacional do Meio Ambiente, veio o CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente - um órgão consultivo e deliberativo para cuidar das "diretrizes de políticas governamentais para o meio ambiente e os recursos naturais".

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente
• Competências -estabelecer, mediante proposta do SEMA, normas e critérios para licenciamento de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras; -determinar, quando julgar necessário, a realização de estudos das atividades e das possíveis conseqüências ambientas de projetos públicos ou privados;

-estabelecer privativamente, normas e padrões nacionais de controle da poluição por veículos automotivos, aeronaves e embarcações, mediante audiência dos ministérios competentes; -estabelecer normas, critérios e padrões relativos ao controle e à manutenção da qualidade do meio ambiente.

Agrotóxicos
AGROTÓXICOS (Lei nº 7.802/1989)
Art. 1º A pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, serão regidos por esta lei. Art. 3º § 6º - fica proibido o registro de agrotóxicos, seus componentes e afins: -Para os quais não haja antídoto no Brasil; -Que revelem características teratogênicas, carcinogênicas ou mutagênicas; -Que provoquem distúrbios hormonais, .. -...

19

-Os possíveis efeitos prejudiciais ao homem. -O nome a percentagem de cada princípio ativo. nativos ou em rota migratória. ou ambas as penas cumulativamente. 20 . entre outros. licença ou autorização da autoridade competente. e multa. obedecidas as normas e instruções dos órgãos registrantes e sanitártio-ambientais competentes. importar. os agrotóxicos e afins são obrigados a exibir rótulos próprios e bulas. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente. sem a devida permissão. e multa. os seguintes dados: -O nome do produto. Produzir. seus componentes e afins. LEI DE CRIMES AMBIENTAIS (Lei n° 9. perigosa ou nociva à saúde humana ou ao meio ambiente.detenção. areia. 29. Agrotóxicos Art. animais e ao meio ambiente. redigidas em português..detenção. que contenham. pedra.605/98) Art. perseguir. 56.. cal ou qualquer espécie de minerais: Pena . Art. § 5º As empresas produtoras e comercializadoras de agrotóxicos. reciclagem ou inutilização. e pela dos produtos apreendidos pela ação fiscalizatória e dos impróprios para utilização ou em desuso. fornecer. . após a devolução pelos usuários. Essa pena será aumentada de 1 a 5 anos se o crime ocorrer por lançamento de resíduos sólidos.reclusão.detenção de 6 meses a 1 ano. -Instruções para o caso de acidentes. de 1 a 3 anos. comercializar. 44. guardar.. exportar.605/98) Art. Matar. são responsáveis pela destinação das embalagens vazias dos produtos por elas fabricados e comercializados. LEI DE CRIMES AMBIENTAIS (Lei n° 9. ou multa. armazenar. Art. ou detritos. utilizar espécimes da fauna silvestre.. processar. apanhar. Extrair de florestas de domínio público ou consideradas de preservação permanente. 38. de 1 a 4 anos. ou utilizá-la com infringência das normas de proteção: Pena .605/98) LEI DE CRIMES AMBIENTAIS (Lei n° 9. com vistas à sua reutilização. em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos.Agrotóxicos Art..605/98) Art. óleos ou substâncias oleosas. 6º As embalagens de agrotóxicos. transportar. e multa. LEI DE CRIMES AMBIENTAIS (Lei n° 9. -Entre outras. embalar. 7º Para serem vendidos ou exposto à venda em todo o território nacional.. -O nome e endereço do fabricante e importador. caçar. mesmo que em formação. ter em depósito ou usar produto ou substância tóxica. 54. e multa. Pena de reclusão de 1 a 4 anos. em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos: Pena .. . ou em desacordo com a obtida: Pena . líquidos ou gasosos. . sem prévia autorização. -A quantidade de agrotóxico que a embalagem tem.. de 6 meses a 1 ano. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana.

•A gestão de recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público. Não é crime o abate de animal. • O enquadramento dos corpos d’água em classes de uso. dotado de valor econômico. •A bacia hidrográfica é a unidade territorial para a gestão de recursos hídricos.433/1997) POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS OBJETIVOS: Assegurar a necessária disponibilidade de água. POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS: •A gestão de recursos hídricos deve promover o uso múltiplo das águas. o uso prioritário de água é o consumo humano e a dessedentação de animais. POLÍTICA NACIONAL DOS RECURSOS HIDRICOS (Lei nº 9. a utilização racional e integrada dos recursos e a prevenção e defesa contra eventos hidrológicos críticos. pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais. de Informações sobre Recursos 21 . desde que legal e expressamente autorizado pela autoridade competente. III – VETADO (o texto era em legítima defesa). dos usuários e das comunidades. • A outorga dos direitos de uso da água. • A cobrança pelo uso da água. •A água é um recurso natural limitado. POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS INSTRUMENTOS: • Os Planos de Recursos Hídricos. quando realizado: I – em estado de necessidade. • O Sistema Hídricos. 37. II – para proteger lavouras. IV – por ser nocivo o animal. desde que assim caracterizado pelo órgão competente. para saciar a fome do agente ou de sua família.LEI DE CRIMES AMBIENTAIS (Lei n° 9. •Em situações de escassez. POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PRINCÍPIOS: • A água é um bem de domínio público.605/98) Art.

POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS • A outorga dos direitos de uso da água . para 4 poluentes: • Poeira total em suspensão. que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar (Pronar): • Melhorar a qualidade do ar. imposto ou taxa. em nível nacional. Lei n° 5. • Atender aos padrões de qualidade estabelecidos.a cobrança não é uma tarifa. são pagos os serviços de tratamento e captação da água e não a utilização do bem ambiental. que estabeleceu as faixas de proteção à margem dos rios. Lei nº 10. ou seja. • Monóxido de carbono (CO). • Não comprometer a qualidade do ar em áreas consideradas como não degradadas.643/34: Código de Águas Lei nº 4.861/88: Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. Lei n° 9. • Dióxido de enxofre (SO2). Lei n° 7.318/67: criação do Conselho Nacional de Saneamento. • A cobrança pelo uso da água .803/80: diretrizes básicas para o zoneamento industrial nas áreas críticas de poluição. água.318/67: criação do Conselho Nacional de Saneamento. posto que são inalienáveis.é o ato administrativo pelo qual a autoridade outorgante concede ao outorgado o direito de uso dos recursos hídricos. ASPECTOS LEGAIS RELATIVOS AO MEIO AQUÁTICO Decreto n° 24. a outorga não representa alienação (venda) das águas. ASPECTOS LEGAIS RELATIVOS AO MEIO ATMOSFÉRICO  A Portaria MINTER n° 231/76 estabeleceu padrões de qualidade do ar. • Oxidantes fotoquímicos.257/01: diretrizes gerais da política urbana (usos do solo). Decreto-lei n° 221/67: Código de Pesca.984/00: criação da Agência Nacional de Águas. ASPECTOS LEGAIS RELATIVOS AO MEIO TERRESTRE Lei n° 6. Assim sendo. é uma retribuição que o usuário faz à sociedade por utilizar privativamente um bem que é de uso comum. Atualmente. Decreto-lei n° 221/67: Código de Pesca. ASPECTOS LEGAIS RELATIVOS AO MEIO ATMOSFÉRICO O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) editou a Resolução n°05/89.771/65: Código Florestal. é definida como um preço público. Lei n° 5. por prazo determinado e de acordo com os termos e condições preestabelecidas. 22 .

xenônio. hidrogênio. • Material particulado inorgânico (partículas de areia e fuligem).03 Outros gases 0. microorganismos. oxigênio. incolor e inodora chamada de ar atmosférico. • A 80 km de altitude o oxigênio é quase inexistente. impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preserválo para as presentes e futuras gerações.95 Argônio (Ar) 0. radônio. • A atmosfera é composta de vários gases que formam uma mistura transparente. • Gases: nitrogênio. • Vapor d’água. partículas de pó. dióxido de carbono. há também vapor de água. metano.” (Art 225 da Constituição Federal) Importância da Qualidade do Ar COMPOSIÇÃO DA ATMOSFERA TERRESTRE Atmosfera • Atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra.“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. • Além dos gases. bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida. argônio. criptônio.93 Gás Carbônico (CO2) 0. hélio. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL MÉDIA DE GASES DA ATMOSFERA TERRESTRE GASES Nitrogênio (N2) Oxigênio (O2) % 78.01 23 . etc. • Material particulado orgânico (pólens e microorganismos). ozônio.08 20.

Gases e Vapores Origem: Poluentes Primários (emitidos já na forma de poluentes). 24 . ESTRATOSFERA Ocorrem as reações importantes para o desenvolvimento das espécies vivas no planeta. Exemplos: • Dióxido de Enxofre (SO2). em animais.ESTRUTURA DA ATMOSFERA TERRESTRE TROPOSFERA Onde ocorrem todos os processos climáticos e também a maioria dos fenômenos relacionados com a poluição do ar. em vegetais ou em materiais. • Alguns particulados como a poeira. em razão da presença do ozônio. • Óxidos de Nitrogênio (NOx). POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA É quando o ar contém uma ou mais substâncias químicas em concentrações Poluição Atmosfera suficientes para causar danos em seres humanos. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Os poluentes atmosféricos podem ser classificados de acordo com: Estado Físico: Material Particulado. • Monóxido de Carbono (CO). Poluentes Secundários (formados na atmosfera por reações químicas ou fotoquímicas) Classe Química: Poluentes Orgânicos e Poluentes Inorgânicos POLUENTES PRIMÁRIOS: Lançados diretamente no ar.

sem sabor e não irritante. • Entre as fontes antropogênicas de poluição do ar podemos destacar: Processos e operações industriais. que precipita originando a chamada chuva ácida. • É chamado de gás assassino silencioso. Incineração de lixo. • O CO é um gás incolor. • Pode deixar uma pessoa inconsciente ou mesmo matar em poucos minutos. Queima de combustíveis. 25 . Queimadas. Exemplo: SO3 (formado pelo SO2 e O2 no ar) reage com o vapor de água para produzir o ácido sulfúrico (H2SO4).POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA POLUENTES SECUNDÁRIOS: Formam-se na atmosfera por meio de reações que ocorrem em razão da presença de certas substâncias químicas e de determinadas condições físicas. Entre outros. é perigoso. inodoro. Processos Antropogênicos Principais Poluentes Atmosféricos PRINCIPAIS POLUENTES PRINCIPAIS POLUENTES MONÓXIDO DE CARBONO (CO) Composto gerado nos processos de combustão incompleta de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. • Aproximadamente 60% do CO presente na troposfera é de origem antropogênica.

daí o termo fotoquímico. PRINCIPAIS POLUENTES ÓXIDOS DE NITROGÊNIO (NOX) A maior parte dos processos de combustão ocorre na presença de oxigênio e o composto mais abundante no ar é o nitrogênio. Fontes de NOx  PRINCIPAIS POLUENTES • O NO2 (dióxido de nitrogênio) é o poluente produzido pelas descargas dos motores de automóveis. além de ser gerado na respiração dos seres vivos. portanto a principal fonte dos óxidos de nitrogênio são os processos de combustão. São produtos das reações entre óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis (presentes na fumaça dos veículos).PRINCIPAIS POLUENTES DIÓXIDO DE CARBONO (CO2) Principal composto resultante da combustão completa de combustíveis fósseis e outros materiais que contenham carbono em sua composição. especialmente movidos a óleo diesel e gasolina. • Reduz a fotossíntese das plantas. 26 . • É tóxico para as vias respiratórias. provocando enfisema pulmonar. • Existem evidências que o SO2 agrava as doenças respiratórias preexistentes e também contribui para o seu desenvolvimento. catalisada pela radiação solar. PRINCIPAIS POLUENTES • O SO2 é lançado na atmosfera principalmente pela queima de combustíveis fósseis. PRINCIPAIS POLUENTES ÓXIDOS DE ENXOFRE (SO2 e SO3) Produzidos pela queima de combustíveis que contenham enxofre em sua composição. além de serem gerados em processos naturais. PRINCIPAIS POLUENTES OXIDANTES FOTOQUÍMICOS São compostos gerados a partir de outros poluentes que foram lançados à atmosfera por meio da reação química entre esses compostos. A reação ocorre na presença de luz solar.

GÁS SULFÍDRICO (H2S) Subproduto gerado nos processos desenvolvidos em refinarias de petróleo. 27 . em virtude da presença de enxofre na matéria-prima processada. principalmente aquelas à base de nitrogênio. mesmo a baixas concentrações. GÁS FLUORÍDRICO (HF) Gerado dos processos de produção de alumínio e fertilizantes. Produz Queimadura. Podem ter origem nos processos de combustão ou em consequência dos fenômenos naturais. Sua ação tóxica sobre as mucosas interrompe a respiração e impede a visão. Em doses altas pode causar espasmos musculares. Quando em contato com os olhos – causa irritações. Quando em contato com a pele – causa irritações e queimaduras fortes. indústria química e indústria de celulose e papel. tremores e morte. mais pesado que o ar. Há possibilidade de ocorrer danos nos pulmões e morte. Quando inalado – causa irritações e queimaduras. possui cheiro de ovo podre. asfixia e cegueira permanente. É um gás incolor. bem como em refinarias de petróleo. altamente tóxico. PRINCIPAIS POLUENTES PRINCIPAIS POLUENTES • Amônia (NH3) – consequências. AMÔNIA (NH3) As principais fontes de geração são as indústrias químicas e de fertilizantes. PRINCIPAIS POLUENTES PRINCIPAIS POLUENTES • Gás Fluorídrico (HF) – Consequências. queimaduras sérias e cegueira. forma mistura explosiva com o ar. Quando ingerido – causa irritações e queimaduras.PRINCIPAIS POLUENTES PRINCIPAIS POLUENTES MATERIAL PARTICULADO (MP) Partículas de material sólido e líquido capazes de permanecer em suspensão.

3 a 1. levando a desequilíbrios biológicos e ecológicos. com parada respiratória e morte em poucos minutos. em alguns casos de forma irreversível. mas não intolerável. os testes de armamento nuclear e a queima de carvão. A morte poderá ocorrer mesmo se houver remoção para ambiente não contaminado. 200 500 700 a 1000 1000 a 2000 Inflamação dos olhos e irritação do sistema respiratório.0 3a5 8 20 a 39 Detectável pela maioria das pessoas pelo sentido do paladar. Inconsciência imediata. porém mais intensos. 0. Nível de exposição permissível para 8 horas de exposição Odor forte e desagradável. Manuseio incorreto de agrotóxico Usina Nuclear de Angra dos Reis 28 . provocando asfixia. garganta e pulmões. PRINCIPAIS POLUENTES PESTICIDAS E HERBICIDAS Utilizados principalmente na agricultura para o controle de pragas e de plantas daninhas. irritação dos olhos. Tosse. Provoca tosse e imediata irritação dos olhos. após uma hora de exposição Perda da consciência e possível morte em 30 minutos a uma hora. Este gás tóxico paralisa o sistema nervoso que controla a respiração. água. Segundo a Agencia Nacional de Vigilancia Sanitária (ANVISA). paralisação da respiração e morte. flora e fauna -. Máxima concentração permissível para curto período de exposição (10 min por turno de 8 horas) 50 100 Pronunciada irritação nos olhos. As principais fontes são as indústrias que os produzem e os agricultores que fazem o uso deles. perda do olfato após 2 a 5 minutos de exposição. Pode provocar a morte. o uso intenso de agrotóxicos levou à degradação dos recursos naturais . Inconsciência instantânea.Concentração de H2S (ppm) Efeitos nos seres humanos PRINCIPAIS POLUENTES • GÁS SULFÍDRICO (H2S) – Consequências Os efeitos são similares aos do CO. Poderá resultar danos cerebrais permanentes. mas é possível respirar por alguns minutos. PRINCIPAIS POLUENTES SUBSTÂNCIAS RADIOATIVAS São materiais que possuem alguns elementos capazes de emitir radiação. incapacitando os pulmões de funcionar. As principais fontes são as usinas nucleares. Odor moderado Inicia o processo de irritação dos olhos.solo. mais que pelo odor Facilmente detectável.

PRINCIPAIS POLUENTES PRINCIPAIS POLUENTES CALOR Ocorre principalmente por causa da emissão de gases a alta temperatura para o meio ambiente (liberados nos processos de combustão). com intensidade capaz de prejudicar os seres humanos e outros seres vivos. SOM Caracteriza-se pela emissão de energia para o meio ambiente. só que na forma de ondas de som. Macropatologias Ambientais • • • • • • • • Efeito Estufa Destruição da Camada de Ozônio Chuva Ácida Degradação do Solo Resíduos Nucleares Desertificação Crescimento Populacional Escassez de água Macropatologias Ambientais 29 .

30 . desaparecimento de centros urbanos localizados à beira-mar. A emissão dos chamados gases estufa (CO2. elevação do nível dos oceanos. EFEITO ESTUFA EFEITO ESTUFA • Consequências do aumento do Efeito Estufa: elevação da temperatura global. em média. Sem ele. talvez seja subproduto de atividade industrial. • A sua quantidade na atmosfera é muito pequena. a vida pôde se manter no planeta. As Hidrelétricas e o Efeito Estufa • Energia considerada limpa produz dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4). • A origem deste gás ainda é inserta. EFEITO ESTUFA • Trifluormetilpentafluoreto de enxofre (SF5CF3) é o novo gás-estufa descoberto por pesquisadores da Europa e dos Estados Unidos. porém o que preocupa os pesquisadores é que este gás demora mil anos para se dissipar. óxido nitroso e clorofuorcarbono-CFCs) aumenta a quantidade de energia que é mantida na atmosfera em decorrência da absorção do calor refletido ou emitido pela superfície do planeta. o que provoca a elevação da temperatura da atmosfera. metano. Graças ao efeito estufa. poluentes ligados ao aquecimento do planeta. modificação da flora e da fauna na superfície terrestre.EFEITO ESTUFA EFEITO ESTUFA O efeito estufa é um fenômeno natural. 33ºC mais fria. a superfície da Terra seria.

produzindo ácidos (nítrico e sulfúrico). Outro grande impacto danoso é a acidificação da água. As moléculas de clorofluorcarbono atingem a estratosfera. Além disso pode matar uma grande variedade de peixes e causar a destruição da vegetação. Adicionalmente.6. Natureza morta no lago artificial produzido pela hidrelétrica. CHUVA ÁCIDA CHUVA ÁCIDA Os gases nitrogenados e sulfonados reagem com o vapor de água na atmosfera. impedindo que níveis excessivos atinjam a superfície terrestre. precipitam-se nos solos pela ação da chuva. rompe a molécula de ozônio (O3). formando monóxido de cloro (ClO) e oxigênio (O2). Causa enormes perdas de produtividade na agricultura proveniente da acidificação dos solos. então. principalmente as radiações ultravioleta. essa camada tem a capacidade de bloquear as radiações solares.• O principal responsável pelo problema é o apodrecimento da enorme reserva de biomassa depositada no fundo dos reservatórios. Este átomo. que inundou 2. DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO Situada na estratosfera. onde os raios ultravioletas do Sol aparecem em maior quantidade. • A deteriorização libera gases como CO2 e CH4 na atmosfera. causa também a destruição de obras civis e monumentos. principalmente em lagos de reservatórios voltados para abastecimento e produção de energia elétrica. 31 . Esses. Esses raios quebram as partículas de CFC liberando o átomo de cloro.6 mil quilômetros de florestas nativas. Considera-se ácida a chuva que apresenta pH inferior a 5. por sua vez.

máximos (padrões) estão dois níveis: primário e 32 . • pode matar uma grande variedade de peixes e causar a destruição da vegetação. principalmente em lagos de reservatórios voltados para abastecimento e produção de energia elétrica. Os limites divididos em secundário. PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Padrões de Qualidade do Ar (Resolução CONAMA nº03 de 1990)  Especificar o nível máximo permitido para diversos poluentes atmosféricos. • causa também a destruição de obras civis e monumentos. • a acidificação da água. sendo que a máxima concentração de um poluente é especificada em função de um período médio de tempo.CHUVA ÁCIDA Consequências da Chuva Ácida • perdas de produtividade na agricultura proveniente da acidificação dos solos.

São níveis máximos toleráveis.  Secundário Concentrações de poluentes atmosféricos abaixo dos quais se prevê o mínimo efeito adverso sobre o bem estar da população. • Os parâmetros regulamentados são os seguintes: partículas totais em suspensão fumaça partículas inaláveis dióxido de enxofre (SO2) monóxido de carbono (CO) ozônio (O3) dióxido de nitrogênio (NO2). assim como o mínimo de dano à fauna e à flora. PADRÕES DE QUALIDADE DO AR CRITÉRIOS EM EPISÓDIOS DE POLUIÇÃO DO AR 33 . poderão afetar a saúde da população. aos materiais e ao meio ambiente em geral. ultrapassados.PADRÕES DE QUALIDADE DO AR PADRÕES DE QUALIDADE DO AR  Primário Concentrações de poluentes que.

Cada continente. Decréscimos de resistência física em pessoas saudáveis. sintomas gerais na população sadia. Precauções: pessoas idosas ou com doenças cariorrespiratórias devem reduzir as atividades físicas e permanecer em casa. A população em geral deve evitar atividades exteriores. Todas as pessoas devem minimizar as atividades físicas e evitar o tráfego. cada povo. Importância da Qualidade da Água DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DA MASSA DE ÁGUA NO PLANETA “A água faz parte do patrimônio do planeta. Precauções: idosos e pessoas com enfermidades devem permanecer em casa e evitar esforço físico. Pessoas saudáveis podem acusar sintomas adversos que afetam sua atividade normal. (Artigo 1 da Declaração Universal dos Direitos da Água) 34 . cada cidade. mantendo as portas e janelas fechadas. cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos”. PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Nível de emergência Efeitos sobre a saúde: morte prematura de idosos e pessoas doentes.PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Nível de atenção Efeitos sobre a saúde: decréscimo da resistência física e significativo agravamento dos sintomas em pessoas com enfermidades cardiorrespiratórias. além de significativo agravamento de sintomas. Precauções: todas as pessoas devem permanecer em casa. PADRÕES DE QUALIDADE DO AR Nível de alerta Efeitos sobre a saúde: aparecimento prematuro de certas doenças. cada região.

 A OMS . Tamanha abundância de água cria condições essenciais para a vida e mantém o equilíbrio da natureza. QUALIDADE DA ÁGUA QUALIDADE DA ÁGUA  A qualidade da água depende diretamente da quantidade de água existente para dissolver. dos rios.DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DA MASSA DE ÁGUA NO PLANETA A superfície da Terra é dominada. ou seja. como cólera e diarréias. • Significa dizer que a água deve estar presente não somente em quantidade adequada. • Acredita-se que menos de 1% de toda a água doce do Planeta está em condições potáveis. Os 25% restantes são terras emersas. • A água de fácil acesso.Organização Mundial da Saúde estima que 25 milhões de pessoas no mundo morrem por ano em virtude de doenças transmitidas pela água. A alteração da qualidade da água agrava ainda mais o problema de escassez desse recurso. representa muito pouco do total de água doce disponível. lagos e represas. em 75%. DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DA MASSA DE ÁGUA NO PLANETA • A disponibilidade é um dos fatores mais importantes para moldar os ecossistemas. diluir e transportar as substâncias benéficas e maléficas para os seres que compõem as cadeias alimentares. mas também sua qualidade deve ser satisfatória para suprir as necessidades de uma determinada biota. acima da água. pelas águas. 35 .

A água participa de várias funções vitais no corpo humano (é o solvente do corpo). seja porque a qualidade da água local está prejudicada por causa da poluição. cerca de 2.  Projeções feitas por cientistas calculam que em 2025. uso industrial e uso agrícola  ABASTECIMENTO HUMANO Dentre os usos da água. uma vez que o homem depende de uma oferta adequada de água potável para a sua sobrevivência. USOS DA ÁGUA USOS DA ÁGUA  Os grandes centros urbanos.  No Brasil 40% da água tratada fornecida aos usuários é desperdiçada.43 bilhões de pessoas estarão sem acesso à água. seja em termos quantitativos. esse é considerado o mais nobre e prioritário. Nos últimos 15 anos a oferta de água limpa disponível/habitante diminuiu em 40%. USOS DA ÁGUA A competitividade pelo uso dos recursos hídricos está caracterizada por três grandes demandas: uso urbano ou doméstico. USOS DA ÁGUA  Segundo a ONU. 36 . cada pessoa necessita de 40 litros de água por dia. os pólos industriais e as zonas de irrigação implicam numa demanda de água que pode superar a oferta.

diluição e assimilação de poluentes.USOS DA ÁGUA  ABASTECIMENTO INDUSTRIAL A água é usada na indústria em seu processo produtivo.  GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A água é utilizada para fins energéticos por meio da geração de vapor de água em usinas termoelétricas ou pelo aproveitamento de energia potencial ou cinética da água nas usinas hidrelétricas. por exemplo: como solvente em lavagens. Usina Hidrelétrica de Itaipu (binacional) 37 . Água no corpo humano. processos de resfriamento. sendo responsável por aproximadamente 70% do consumo de água doce do mundo. lacustre e marítima é frequentemente uma alternativa bastante interessante sob o ponto de vista econômico. USOS DA ÁGUA  NAVEGAÇÃO O transporte de carga e passageiros por via fluvial. Será que a água é importante para nós? USOS DA ÁGUA USOS DA ÁGUA  IRRIGAÇÃO Representa o uso mais intenso dos recursos hídricos. Pode introduzir uma série de impactos ambientais no meio aquático.

. ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA Enquanto uns tem tanto e usam sem compromisso.... outros têm tão pouco e padecem necessidade pela falta! 38 . .USOS DA ÁGUA USOS DA ÁGUA  ASSIMILAÇÃO E TRANSPORTE DE POLUENTES Os corpos d’água podem ser utilizados com a finalidade de assimilar e transportar os despejos neles lançados. químicas e biológicas e da natureza das substâncias lançadas.  PRESERVAÇÃO FLORA DA FAUNA E O comportamento destes corpos como receptores de despejos varia com suas características físicas. independentemente dos usos que se façam dos corpos d’água. O equilíbrio ecológico do meio aquático deve ser mantido. USOS DA ÁGUA USOS DA ÁGUA  AQUICULTURA  RECREAÇÃO Os corpos d’água oferecem várias alternativas de recreação para o homem. seja por meio de atividades como a natação e os esportes aquáticos ou por meio de outras atividades como a pesca e a navegação esportiva. A criação de organismos aquáticos de interesse para o homem requer padrões de qualidade da água praticamente idênticos aos necessários para a preservação da flora e fauna.

Todos os metais podem ser solubilizados pela água. ou de seus potenciais carcinogênicos ou mutagênicos.ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA  POLUIÇÃO Alteração das características da água por quaisquer ações ou interferências. A ocorrência de contaminação não implica necessariamente um desequilíbrio ecológico. detergentes sintéticos e petróleo. Podem produzir certos inconvenientes para o consumo pela alteração de cor. odor e sabor que provocam.  CONTAMINAÇÃO Refere-se à transmissão de substâncias ou microorganismos nocivos à saúde pela água. PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS  POLUENTES ORGÂNICOS RECALCITRANTES OU REFRATÁRIOS  METAIS Compostos orgânicos biodegradáveis ou cuja biodegradação é muito lenta. A ocorrência de poluição não implica necessariamente riscos à saúde de todos os organismos que fazem uso dos recursos hídricos afetados. sejam elas naturais ou provocadas pelo homem. podendo gerar danos à saúde em função da quantidade ingerida. Ex: defensivos agrícolas. 39 . pela sua toxicidade. nãotaxa de O impacto produzido está associado à sua toxicidade e não ao consumo de oxigênio. O impacto produzido por esse despejo ocorre principalmente pela diminuição de concentração de oxigênio dissolvido na água e não pela presença de substâncias tóxicas. PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS  POLUENTES ORGÂNICOS BIODEGRADÁVEIS PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS A matéria orgânica biodegradável lançada na água será degradada pelos organismos decompositores presentes no meio aquático.

vírus (hepatite infecciosa).PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS • Os principais metais pesados poluentes dos corpos hídricos são: Cobre (Cu)  Zinco (Zn)  Mercúrio (Hg) Chumbo (Pb) Cádmio (Cd) Níquel (Ni) Estanho (Sn) Os metais pesados surgem nas águas naturais devido aos lançamentos de efluentes industriais tais como os gerados em: indústrias extrativistas de metais. protozoários (amebíase). Consequências: diminui a quantidade de oxigênio dissolvido diminui o tempo de vida de algumas espécies aquáticas PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS  NUTRIENTES O excesso de nutrientes nos corpos d’água pode levar ao crescimento excessivo de alguns organismos aquáticos. altera o ciclo de reprodução potencializa a ação nociva dos poluentes aumenta a velocidade de reação entre os poluentes presentes na água aumenta a quantidade de CO2 na atmosfera 40 . PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS  ORGANISMOS PATOGÊNICOS  SÓLIDOS EM SUSPENSÃO Transmitem um grande número de doenças pela água. Reduz as taxas de fotossíntese. diminuem a sua transparência. helmintos (esquistossomose). principalmente onde o saneamento básico é precário ou inexistente.  indústrias de tintas e pigmentos.Descarte de grandes volumes aquecidos em rios e oceanos.  galvanoplastias (depósito de um metal sobre uma superfície). isto é. Os principais nutrientes são o nitrogênio (N) e o fósforo (P). Aumentam a turbidez da água. Ex: bactérias (leptospirose). levando a desequilíbrios na cadeia alimentar. PRINCIPAIS POLUENTES AQUÁTICOS  TÉRMICA .

• Em Israel são empregados 600 m³ de água para irrigar 1 hectare por ano.000 litros de água poluída (ONU. • A partir de 1950 o consumo de água. 30 vezes mais. a população mundial correspondia a 3% da população atual.000 litros de água utilizada pelo homem resultam 10. • Incluindo os adultos.EUTROFIZAÇÃO É o enriquecimento das águas com os nutrientes necessários para o crescimento da vida vegetal aquática. como por exemplo. • Para abater uma cabeça de gado são necessários 500 litros de água. No Nordeste Brasileiro são utilizados 18. a indústria e os esgotos oriundos das atividades urbanas. 41 . A eutrofização natural é um processo muito demorado. enquanto a disponibilidade de água permanece a mesma? • O homem pode passar até 28 dias sem comer mas.000 m³. 1993)? • Há 2. são vítimas fatais de doenças transmitidas pela água. a agricultura. de 5 a 10 milhões de seres humanos. estando associado à evolução de ecossistemas durante o fenômeno de sucessão ecológica.000 litros de água. A eutrofização pode ter uma origem natural ou acelerada. • Para fabricar um carro é preciso gastar 35. Você Sabia? A eutrofização acelerada consiste num processo de enriquecimento de nutrientes provenientes de atividades humanas. triplicou? • Para cada 1. por ano. apenas 3 dias sem água. em todo o mundo. ou seja.000 anos.

podendo ocorrer alteração da qualidade do solo. • Alguns solos podem conter até 95% de material orgânico ou menos de 1% desse material. o planeta tinha 5. devido ao efeito cumulativo de resíduos dos mais variados tipos.POPULAÇÃO Em 1992.44 bilhões de habitantes Hoje já somos 7. tendo a capacidade de depuração e imobilizando grande parte das impurezas nele depositadas. 5% de matéria orgânica e 95% de matéria inorgânica. • A fração sólida do solo possui: aprox. • O solo atua freqüentemente como um "filtro". • Pense Nisso: Uma vida (70 anos) = 18 t de lixo ou 50 m3 = 2 carretas de lixo 42 . matéria orgânica e água capaz de manter a vida das plantas na superfície terrestre. Importância da Qualidade do Solo E a água permanece na mesma quantidade! O Solo • O solo é uma mistura de vários minerais.0 bilhões. • Essa capacidade é limitada.

podem contaminar animais que se alimentam das pastagens. Enchê-la até ¼ de seu volume com água. Despejo de resíduos sólidos 43 . o Clordane e o Heptacloro. potencialmente poluentes: Aplicação de defensivos agrícolas ou de fertilizantes. posição antes ocupada pelos Estados Unidos. vindo a contaminar o homem Inseticidas clorados como o DDT. Como descartar as embalagens: • • • • • • • Esvaziar totalmente a embalagem. Repetir 3 vezes. Inutilizar a embalagem furando no fundo. Entregar aos postos coletores e receber comprovante de entrega. o Aldrin. Tampar e agitar por aprox. o Brasil assumiu o posto de maior consumidor de agrotóxicos em todo mundo.Atividades de usos e ocupação do solo. • Os agrotóxicos poluem o solo devido a sua aplicação direta antes ou depois do plantio. após a sua aplicação. • Permanecendo no solo. Em 2008. Despejar a água utilizada no pulverizador. o Dieldrin. podem levar mais de 3 décadas para desaparecer do solo. 30 segundos. • Pode ocorrer também quando se enterra as embalagens.

Lançamento de esgotos domésticos ou industriais Ferros-velhos e depósitos de sucata Dejetos de animais. 44 . Cobre e Zinco. incluídos na dieta dos animais. Os principais problemas ambientais associados aos dejetos suínos são sua alta carga orgânica. Ferro. Refinarias de petróleo Estocagem de resíduos perigosos . nutrientes (N e P) e algumas espécies metálicas como por exemplo.aqueles que apresentam riscos à saúde pública e ao meio ambiente.

exceto aspecto. se degradam ou se decompõem. turbidez. entre outras. em função de suas propriedades físicas. Tonners.• Classificação • O grupo de materiais denominados Resíduos Perigosos. são solúveis em água. pode apresentar riscos à saúde pública. mais de 228 mil toneladas por dia de lixo hospitalar. químicas ou infecto-contagiosas. dureza e sabor Pilhas. Pneus e outros Hospitais • Segundo dados oficiais da última Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (2000). – Resíduos Classe II B – inertes Em contato com água não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água. Óleos vegetal e mineral queimados. podem gerar percolados (chorume). cor. ou riscos ao meio ambiente) • Inflamabilidade • Corrosividade • Reatividade • Toxicidade • Patogenicidade • Resíduos Classe II – não perigosos – Resíduos Classe II A – não inertes Não se enquadram na classificação de resíduos classe I (perigosos) ou resíduos classe II B (inertes) – possuem as características de periculosidade do lixo doméstico. Embalagems de inseticídas. são regulamentados pela Resolução Conama nº 23/1996 • O Conama divide os resíduos perigosos em: resíduos perigos Classe I. realizada pelo IBGE. no Brasil. resíduos não inertes Classe II resíduos inertes Classe III Resíduos Classe I – perigosos Resíduos que apresentam periculosidade (Característica que. são produzidas. Lâmpadas fluorescentes. Latas de tinta. Cartuchos de tinta de impressora. Baterias. Remédios vencidos. 45 .

30% de sais minerais e 10% de substâncias orgânicas tóxicas (putrescina e cadaverina). É composto de 60% de água. conhecido como necrochorume. •730 milhões de pneus (janeiro/1999). Os cemitérios podem constituir-se em fonte de contaminação.lixões (21%) 228 mil Destinados a aterros controlados (37%) A instalação de cemitérios em locais com condições geológicas desfavoráveis pode provocar sérios riscos ao meio ambiente. os cemitérios podem apresentar a potencialidade de comprometer a qualidade do solo e das águas subterrâneas. Devido ao processo de decomposição de corpos dispostos no subsolo. •No Brasil são descartados cerca de 17 milhões de pneus por ano. aterros sanitários (36. • Produção de Pneus • Todos os dias são fabricados cerca de 2 milhões de novos pneus no mundo. causando alterações físicas. químicas e biológicas no solo e nas águas subterrâneas e superficiais que não estiverem devidamente protegidas ou que estejam em locais vulneráveis. sendo que cada cadáver pode gerar de 30 a 40 litros”. é liberado pelo corpo durante 6 a 8 meses. além de carga patogênica.2%) outros • O produto da decomposição. • Formas inadequadas de descarte de pneus: Jogados em terrenos baldios Colocados em lixões Queimados 46 .

a destinação final.• Segundo a Resolução Conama 258 de 1999: Art. lagos ou riachos. 9 Fica proibida a destinação final de pneumáticos inservíveis. de forma ambientalmente adequada. tais como a destinação em aterros sanitários. petróleo e derivados Laboratórios Atividades de processamento do carvão Construção civil Curtumes e associados Fabricação de tintas Tratamento de efluentes e áreas de tratamento de lodos. a partir de 1 de janeiro de 2002. Atividades de processamento de asbestos Estocagem de produtos químicos. mar. comprovar junto ao IBAMA. Art 7 As empresas fabricantes de pneumáticos deverão. anualmente. das atividades de pneus inservíveis. rios. terrenos baldios ou alagadiços. Mineração • Impactos Ambientais causados por mineração: impactos visuais perda do banco de sementes perda da vegetação da biota local Poluição do solo por resíduos perigosos Poluição sonora Compactação do solo Poluição atmosférica Pedreira Itapeti – Mogi das Cruzes 47 . e queima a céu aberto.

que não requerem alterações físicas no curso d’água e incluem as políticas administrativas e legais e os procedimentos que regulamentam alguma atividade. • Controle de focos de erosão e recuperação de rios objetivando o retorno ao seu equilíbrio dinâmico. pela restauração das suas condições naturais. POLUIÇÃO HÍDRICA  Principais técnicas de controle da poluição: • Implantação de sistemas de coleta e tratamento de esgotos sanitários e industriais. •Obtenção de informação técnica referente aos melhores meios de que se dispõe para controlar a poluição. • Estruturais. Apesar de parecer um número muito grande.POLUIÇÃO HÍDRICA Controle da Poluição  Há cerca de 113 trilhões de m3 de água doce no mundo. 48 . • Coleta e destino final do lixo POLUIÇÃO HÍDRICA • Controle da utilização de fertilizantes e agrotóxicos • Disciplinamento do uso e da ocupação do solo • Reuso da água • Afastamento de fontes de poluição • Modificações no processamento industrial POLUIÇÃO HÍDRICA Principais técnicas de recuperação dos rios: • Não estruturais. a Terra corre o risco de não mais dispor de água limpa. sem prejuízos dos investimentos econômicos. que requerem algum tipo de alteração física no corpo d’água e incluem as reformas nas estruturas já existentes acelerando os processos naturais de sua recuperação. •Obtenção e emprego de técnicas de combate à poluição ambiental e de pessoal especializado na aplicação das mesmas. •Selecionar e adaptar as soluções de controle importadas ao conjunto de técnicas desenvolvidas no país. POLUIÇÃO HÍDRICA Principais técnicas com relação poluidores de origem industrial: a agentes •Providenciar um controle ambiental seguro.

diluição. Incineradores catalíticos e Flares Processos especiais 49 . Falhando a primeira barreira. procura-se evitar que as substâncias nocivas atinjam o homem e lhe provoquem danos (proteção).Ações que visam reduzir a qualidade de poluentes descarregada na atmosfera.  Medidas para Reduzir a Geração de Poluentes – ex. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Medidas Diretas: Retenção dos Poluentes Após Geração (filtros) Equipamentos de Controle de material particulado: Filtro de tecido Lavadores Venturi Precipitador eletrostático Ciclone de baixa pressão Ciclone de alta pressão Multiciclone Equipamentos de controle de gases e vapores: Condensadores – resfriamento dos vapores Absorvedores Absorvedores Incineradores: com chama direta. segregação ou afastamento dos poluentes. através da instalação de equipamentos de controle (“Filtros de Ar”).Ações que visam à eliminação. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Medidas Indiretas: Planejamento Urbano e Medidas Correlatas  Diluição através de Chaminés altas  Medidas para Impedir a Geração do Poluente – ex. redução.: substituição de combustíveis. matérias-primas e reagentes que entram no processo.: operar os equipamentos dentro da sua capacidade normal. • Medidas Diretas . mudança de equipamentos e processos. POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Medidas usualmente utilizadas para controlar a poluição atmosférica: Medidas Indiretas Medidas Diretas POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA • Medidas Indiretas .POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Visa evitar que as substâncias nocivas consigam alcançar o ar (prevenção).

Filtro de Manga (Tecido) Precipitador Eletrostático Lavador Venturi Ciclone Flare Ar limpo Lavador de Gás Entrada de ar poluído Lavador de Gás 50 .

considerando o uso e tipo de solo na região. da POLUIÇÃO DO SOLO •Implantação dos sistemas de prevenção e erosão. considerando critérios de proteção do solo. POLUIÇÃO DO SOLO 51 .POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA POLUIÇÃO DO SOLO O controle da poluição do solo se dá pelas técnicas preventivas e corretivas. que visam a minimização dos riscos ambientais. segregação. reciclagem e tratamento. operação em curvas de nível. o relevo. e cuja aplicação dependerá das circunstâncias locais. execução de dispositivos de drenagem e manutenção da cobertura vegetal. POLUIÇÃO DO SOLO •Minimização de sistemas de disposição final de resíduos urbanos pela coleta seletiva. a possibilidade de ocorrência de inundações e as características do subsolo. tais como alteração de declividade. •Minimização de resíduos industriais pela redução da geração da fonte. •Execução de sistemas de prevenção contaminação das águas subterrâneas. POLUIÇÃO DO SOLO Técnicas mais utilizadas: •Seleção dos locais e das técnicas mais apropriadas para o desenvolvimento das atividades humanas. a vegetação. reciclagem e alteração dos processos produtivos. •Execução de sistemas de disposição final de resíduos.

quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matériasprimas não renováveis estavam se esgotando rapidamente. • A expressão reciclar.RECICLAGEM RECICLAGEM RECICLAGEM • A reciclagem é o termo genericamente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Papel Reciclável Aparas de papel Caixas em geral Cartazes velhos Copos descartáveis Embalagem de ovo Embalagem longa vida Não Reciclável Bituca de cigarro Etiqueta adesiva Fita crepe Fotografia Guardanapo Papel carbono Plástico Reciclável Brinquedos Canos e tubos (PVC) Copinhos de café Copos descartáveis Embalagem metalizada (biscoitos e salgadinhos) Embalagens de material de limpeza Não Reciclável Adesivos Absorventes Acrílico Cabos de panela Espuma Fraldas descartáveis Envelopes Folhas de caderno Formulários de computador Fotocópias Papel celofane Papel de bala Papel higiênico Papel metalizado Embalagens de refrigerantes Isopor (verificar o símbolo na embalagem) Potes Sacos plásticos em geral Tampas Isopor Tomadas Jornais e revistas Papel de fax Papel sulfite Rascunhos Papel parafinado Papel plastificado Papel toalha Papel vegetal 52 . vem do inglês recycle (re = repetir. e cycle = ciclo) e surgiu a partir do final da década de 1980.

Uma única latinha de alumínio reciclada economiza energia suficiente para manter um aparelho de TV ligado durante três horas .9% de energia. etc) Lata de alumínio (refrigerante e cerveja) Panelas sem cabo Pregos e parafusos Grampos Latas contaminadas com resíduos químicos (tinta.Metal Reciclável Arames Canos Chapas Clipes Esponjas de aço Não Reciclável Aerossóis Vidro Reciclável Cacos dos produtos citados Copos Não Reciclável Ampolas de injeção Cerâmicas Frascos de remédios Garrafas em geral Lâmpadas incandescentes Recipientes em geral (conserva. óleo. A reciclagem de alumínio economiza 95% da energia que seria usada para produzir alumínio primário. 53 . resulta em adubo de excelente qualidade para a agricultura. há uma economia de 2. por meio da compostagem.3 kg de matérias-primas (minérios). salsicha. perfume) Espelhos Lâmpadas fluorescentes Louças. cristais Porcelanas Pratos refratários Tubos de TV Vidro laminado (pára-brisa) Cobre Lata de aço (conserva. A cada 10% de utilização de cacos. tampos de mesas) Vidros temperados (carros. janelas. economizando 1. A reciclagem de lixo orgânico. inseticida) Latas de combustível Pilhas e baterias (devem ser devolvidas para o fabricante) Sucata de construção civil Tampinhas de garrafas Vidros planos (portas. verniz. box) Benefícios da reciclagem • Benefícios Econômicos • Benefícios Ambientais • Benefícios Sociais • Benefícios Econômicos A reciclagem de papel economiza matéria-prima A reciclagem de 1 kg de vidro quebrado gera 1 kg de vidro novo.

potes em geral PS Poliestireno Copos descartáveis OT Outros plásticos especiais em engenharia CD’s e eletrodomésticos Modelo Atual Modelo Esperado (Desenv. SIMBOLOGIA SIGLA PET DESCRIÇÃO Polietileno Tereftalato EMPREGO Frascos para refrigerantes PEAD Polietileno de Alta Densidade Utilidades domésticas e produtos de limpeza Tubos e conexões. cada uma. No Brasil. Recoloca no ciclo de produção um material que pode contaminar o solo. A cada kg de alumínio reciclado. pois o material é muito resistente a radiações. Identificação de mat. seletivos da categoria Plástico. calcário. ar e água. A reciclagem de vidro aumenta a vida útil dos aterros sanitários e poupa a extração de minérios como areia. fios têxteis. A geração de milhares de empregos A reciclagem de plástico no Brasil gera cerca de 20 mil empregos diretos em 300 indústrias de reciclagem. conseguindo um rendimento mensal. feldspato etc. 5 kg de bauxita são poupados.• Benefícios Ambientais 50 kg de papel reciclado evitam o corte de uma árvore de 7 anos. calor. barrilha. Dá a destinação correta ao produto. Sustentável) Uso dos Recursos Transformação dos Recursos Transporte Consumo Uso dos Recursos Transformação dos Recursos Transporte Consumo Resíduos e Impactos Recuperação dos Recursos Impacto Minimizado 54 . de três salários mínimos. • Benefícios Sociais A reciclagem contribui para a diminuição do volume de lixo: (Brasil produz 240 mil ton de lixo/dia). A reciclagem de vidro diminui a emissão de gases poluidores pelas fábricas. fracos para água mineral Sacos de lixo e embalagens flexíveis Modelos de Desenvolvimento PC Policloreto de Vinila PEBD Polietileno de Baixa Densidade PP Polipropileno Auto-peças.200 litros de óleo combustível. estima-se que 100 mil pessoas vivam exclusivamente de coletar latas de alumínio para reciclagem. A reciclagem do plástico impede um enorme prejuízo ao meio ambiente. a água e o ar. Cada tonelada de papel reciclado pode substituir o plantio de até 350 m2 de monocultura de eucalipto. Uma tonelada de papel reciclado economiza 20 mil litros de água e 1.

Os esgotos eram levados em condutos subterrâneos até um local.. • Além de privadas nas casas. todos equipados com água corrente. havia sanitários públicos. esgotos na construção e drenagem nas ruas. • Em 33 a. mesmo que intuitiva. asseio pessoal e limpeza da cidade certamente contribuíram muito para preservar os romanos de doenças. 55 . alguns deles muito luxuosos. esgoto.Um pouco de História • Em ruínas de civilização na Índia (a cerca de 4000 anos). mergulhando um ferro em brasa dentro dela ou ser purificada com filtração em areia ou cascalho e então resfriada. • Todos os cuidados com a água. • Há 2000 anos a. já existia uma relação.C. • Os romanos deram grande importância aos cuidados sanitários e de higiene.C. na Índia já era recomendado a purificação da água pela fervura sobre um fogo. foram encontrados banheiros. já existiam 170 banhos públicos em Roma. a cloaca máxima. pelo aquecimento do sol. onde eram lançados no rio Tibre. Saneamento Ambiental • No final da Idade Média. esgotos romanos e construção de aqueduto. entre saneamento do meio e processo de doença. • Há relatos históricos de banhos públicos.

OBJETIVOS • Controle e prevenção de doenças. 56 .CONCEITOS Mas o que é SANEAMENTO AMBIENTAL? Primeiramente Saneamento vem SANEAR que significa tornar SADIO. afastamento e tratamento de esgotos. • Melhoria da qualidade de vida da população. • Melhoria da produtividade do indivíduo. visando a preservar ou modificar as condições do ambiente com a finalidade de prevenir doenças e promover a saúde. têm por objetivo alcançar a Salubridade Ambiental. coleta. CONCEITOS  Salubridade Ambiental pode ser entendida como o estado de qualidade ambiental capaz de prevenir a ocorrência de doenças relacionadas ao ambiente e de promover as condições ecológicas favoráveis ao pleno gozo da saúde e do bem-estar da população. Abrangência do Saneamento Ambiental limpeza urbana. do verbo  Saneamento Ambiental é o conjunto de medidas. • Facilitar a atividade econômica. Ou seja. coleta e disposição de lixo e drenagem de águas pluviais. Abrangência do Saneamento Ambiental abastecimento público de água potável.

.40% da água das torneiras não tem confiabilidade . 57 . morreram 29 pessoas por dia no Brasil de doenças decorrentes de falta de água encanada.em 1998.65% das internações hospitalares de crianças menores de 10 anos estão associadas à falta de saneamento básico. apenas 10% do total de esgotos produzido recebem algum tipo de tratamento.a falta de saneamento básico é a principal responsável pela morte por diarréia de menores de 5 anos no Brasil.80% dos esgotos coletados é lançado diretamente nos rios. esgoto e coleta de lixo. os outros 90% são despejados "in natura" nos solos.Abrangência do Saneamento Ambiental Abrangência do Saneamento Ambiental No Brasil . sem tratamento . córregos e nascentes. .mais de 34 milhões vivem sem a coleta de esgoto nas cidades .cada brasileiro produz em média 1kg de lixo por dia Saneamento Ambiental Cenário Brasileiro No Brasil . Atualmente. constituindo-se na maior fonte de degradação do meio ambiente e de proliferação de doenças. rios.

Tudo isso. através da pele Picada do mosquito Aedes aegypti Peste bubônica Picada de pulgas Poliomielite Contato fecal-oral. está levando ao declínio diversas zonas pesqueiras regionais. contato fecal-oral Ingestão de água ou alimentos contaminados por ovos Malária Picada da fêmea do mosquito Anopheles sp A larva penetra na pele (pés descalços) ou ovos pelas mãos sujas em contato com a boca Ingestão de água contaminada Ingestão de água.00 na área de medicina curativa. economiza-se R$ 4. leite e alimentos contaminados Ingestão de água contaminada. e moscas também podem transmitir Ingestão de água e alimentos contaminados Forma de Contágio Ingestão de água ou alimentos contaminados por cistos Febre tifóide Hepatite A Ingestão de alimentos contaminados. principalmente no tratamento de esgotos.00 investido no setor de saneamento. Doenças causadas pela falta de Saneamento Doença Amebíase ou disenteria amebiana Ascaridíase ou lombriga Ancilostomose Cólera Disenteria bacilar Esquistossomose Febre amarela Doença Febre paratifóide Forma de Contágio Ingestão de água e alimentos contaminados. aliado ao excesso de pesca. diminui a incidência de doenças e internações hospitalares e evita o comprometimento dos recursos hídricos do município.Dados divulgados pelo Ministério da Saúde afirmam que para cada R$ 1. O despejo de rejeitos tóxicos e materiais assemelhados e o escoamento de águas poluídas dos continentes aumenta de forma progressiva no mundo inteiro. falta de higiene Salmonelose Animais domésticos ou silvestres infectados Teníase ou solitária Ingestão de carne de porco e gado infectados • Investimentos em saneamento. Desratização Tratamento de água 58 .

então capital do Império. que foi executado por Aleixo Gary. Pedro II assinou o Decreto nº 3024. Nesse dia. por Luciano Francisco Gary. o Imperador D. em São Sebastião do Rio de Janeiro. mais tarde.Curiosidade No Brasil. Coleta e disposição do lixo Limpeza urbana 59 . o serviço de limpeza urbana foi iniciado oficialmente em 25 de novembro de 1880. cujo sobrenome origina-se a palavra gari. aprovando o contrato de “limpeza e irrigação” da cidade. que hoje denomina-se os trabalhadores da limpeza urbana em muitas cidade brasileiras.

br/port/conama/ www. 2005. Reform. Artigo Poluição atmosférica e seu controle. 2009. Licenciamento ambiental passo a passo no estado da Bahia: Normas e procedimentos.br www. www. Mônica Lopes Aguiar. João Usberco.egonline. São Paulo: Saraiva. Maria Lucia Cardoso de Souza.br/1ano/ciencias_ambiente/conteudo.mma. 2002.org.gov. São Paulo: Pearson Prentice Hall. Edgard Salvador. 3ª Ed.Referências Bibliográficas Introdução à Engenharia Ambiental – 2ª edição. volume único. Artigo Degradação dos recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana.br/ www. Maria Luiza Faro Guimarães. Danielle Serra de Lima Moraes.gov. Apostila de Direito Ambiental. Manual de saneamento ambiental. 2002. Química essencial.portal. Salvador: Centro de Recursos Ambientais. 2007.ambientebrasil. São Carlos. Engenharia e Projetos. Berenice Quinzane Jordão.fisp.html 60 . 2002.saude.