You are on page 1of 9

PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST”

EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO

DIVÓRCIO E RECASAMENTO

Rua: Queluz 126

Jd. Stº Antonio de Pádua

Cep:09111-800

Santo André –SP

por meio de uma aliança feita perante o Senhor.15. Hb 13. estável e permanente. e unir-se-á à sua mulher.28). “Todavia perguntais: Por quê? Porque o Senhor tem sido testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade. tornando-se uma só carne. para com a qual procedeste deslealmente sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. 1Co 7. Mc 10. Rm 7. As Escrituras demonstram que o casamento entre um homem e uma mulher é uma instituição cujo autor é Deus (Não é exclusivo para crentes os não crentes também se dão em casamento) (Gn 2. A Bíblia diz que a união de um homem e uma mulher no casamento os torna “uma só carne” (Gn 2. e que ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. porquanto do varão foi tomada. e aquele que cobre de violência o seu vestido. Mas amar e perdoar são os ideais perfeitos de Deus para os nossos casamentos. ainda que lhe sobejava espírito? E por que somente UM? Não é que buscava descendência piedosa? Portanto guardai-vos em vosso espírito.18) e forma um laço indissolúvel que perdura até a morte de um dos cônjuges (Mt 19. DEFINIÇÃO DE CASAMENTO: É a solene promessa mútua (explícita ou tácita). Ef 5. somente com bons frutos.2.31). o casamento impede que homem e mulher tenham vidas imorais (1Co 7.6.1). portanto cuidai de vós mesmos. indivisivelmente. III. para limitar seu mal. e serão UMA só carne”. na qual ambos deixam pai e mãe. Mt 19. e carne da minha carne. E não fez ele somente um. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . ficando terminantemente proibido o adultério (Ml 2. ela será chamada varoa. II. PLANO DE DEUS PARA O CASAMENTO: Gênesis 2:23-24 “Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos. Deus com desgosto DISCIPLINOU o divórcio já praticado pelo homem. algo que fica difícil distinguir. diz o Senhor Deus de Israel.8.24). As Escrituras também ensinam que essa união deve ser mantida pura por meio da fidelidade conjugal. Esta é a chave de toda a questão: Deus ODEIA o divórcio. O plano de Deus é o casamento ser indissolúvel. DIVÓRCIO: É bom que fique claro que Deus odeia o divórcio! Malaquias 2:14-16. Quem se divorcia sofre como se dilacerasse seu próprio corpo. para formarem uma família. Levando em conta a natureza humana e suas inclinações.28. diz o Senhor dos exércitos. Rua: Queluz 126 Jd. Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe. e não sejais infiéis”. Dessa união o Senhor pretendeu que a multiplicação da raça humana e o povoamento da terra fossem levados a efeito (Gn 1. a união legal de um homem e de uma mulher.2.39). mesmo se nossos cônjuges nos traírem: Deus ODEIA o divórcio! É evidente que o perdão deve ser concedido quando a imoralidade sexual não for uma prática continuada. a quebra do juramento “até que a morte nos separe”.6.16.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO I.5.24. Essa união é boa para o homem (Gn 2. Como o homem tem o coração duro e não perdoa como Deus nos perdoa. 9. até que a morte os separe.4). Pois eu detesto o divórcio.

Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . mas nem toda prostituição “pornéia” é um ato de adultério. Eu. Portanto o que Deus ajuntou. fornicação. prostituição. em Grego. e mesmo que venha a se casar com outro homem. Ele. Rom 7:3. “Também foi dito: Quem repudiar sua mulher dê-lhe carta de divórcio. e serão os dois UMA só carne? Assim já não são mais dois. Disseram-lhe os discípulos: Se tal é a condição do homem relativamente à mulher. Por isso. estará cometendo adultério contra ela. não o separe o homem. ou prostituição (mulher paga). Mas se o marido morrer. não convém casar. e quem casar com a repudiada. ou adultério (mulher casada). comete adultério. e outros há que a si mesmos se fizeram eunucos por causa do reino dos céus. a faz adúltera.” Mateus 19:3-12. e unir-se-á a sua mulher. e o homem que se casar com uma mulher divorciada do seu marido estará cometendo adultério". comete ADULTÉRIO. porém. impureza sexual Todo adultério “moicheia” é um ato de fornicação. vos digo que todo aquele que repudia sua mulher. abrange qualquer pecado sexual: fornicação (mulher solteira). não será adúltera. mas somente aqueles a quem é dado. mas não foi assim desde o princípio. etc. aceite-o”. se ela se casar com outro homem enquanto seu marido ainda estiver vivo. Porque há eunucos que nasceram assim. mas UMA só carne. a não ser por causa de infidelidade. e casar com outra. “Porneia”. ela estará livre daquela lei. pela lei a mulher casada está ligada a seu marido enquanto ele estiver vivo. a não ser por causa de IMORALIDADE SEXUAL. Imoralidade Sexual: Mat 5:31-32. Por isso existe uma distinção entre as palavras. sendo uma mais abrangente (prostituição) e a outra mais restrita (adultério).” Marcos 10:11-12 “Ele respondeu: "Todo aquele que se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher. Moicheia = adultério . e que ordenou: Por isso deixará o homem pai e mãe. e o que casar com a repudiada também comete adultério.Pornéia = prostituição. que qualquer que repudiar sua mulher. ela estará livre da lei do casamento. Lucas 16:18 "Quem se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher estará cometendo adultério.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO POSSIBILIDADES: IIIa. Quem pode aceitar isso. lhes disse: Nem todos podem aceitar esta palavra. se o marido morrer. e há eunucos que pelos homens foram feitos tais. estará cometendo adultério". “Por exemplo. Rua: Queluz 126 Jd. será considerada adúltera. Responderam-lhe: Então por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la? Disse-lhes ele: Pela dureza de vossos corações Moisés vos permitiu repudiar vossas mulheres. porém. “Aproximaram-se dele alguns fariseus que o experimentavam. mas. Eu vos digo porém. E se ela se divorciar de seu marido e se casar com outro homem. dizendo: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Respondeu-lhe Jesus: Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio [um] homem e [uma] mulher.

15). se arrependam . IV. Em alguns casos esse novo casamento após a morte do cônjuge é aconselhado (1Tm 5. RECASAMENTO: Há duas situações diferentes: 1º Caso o cônjuge já tenha falecido. Lc 16. 17:30 “que Deus não leva em conta os tempos de ignorância. Este verso fala do descrente abandonar o lar. Rm 12:17-19. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . Portanto podemos considerar e compreender que aqueles que o fizeram.11.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO IIIb. Entretanto.3. apesar de separado. tal união deve ser realizada com alguém também salvo por Cristo (1Co 7. separados da vida de Deus pela Ignorância e dureza do coração”. podemos avaliar o texto de Atos dos apóstolos Cap.32.32. pois é uma questão de proteger a vida do irmão (ã) em Cristo. Mc 10. 2º Caso o cônjuge esteja vivo. porque neste caso o irmão. A vida está acima de qualquer regra. mas agora ordena que todos os homens.12. ou a irmã. Excepcionalmente algumas exceções são abertas para casos de divórcio (Mt 5. É claro que isto também não autoriza o recasamento. se o incrédulo se apartar. a resposta é “não” (Mt 5.3). a resposta é “sim” (Mt 22.24.15). é claro que o texto trata explicitamente de não crentes casados com crentes e não esta autorizando o recasamento.14. 1Co 7. Abandono do Lar: I Coríntios 7:15: “Mas. ou mesmo por razões de traição. em todos os lugares. Rm 7. deixando o outro livre para solicitar o divórcio.” ainda em Efésios 4:17-18 “ portanto digo eu dou testemunho no Senhor que não andeis mais como andam os gentios. Rua: Queluz 126 Jd. Rm 7. aparte-se. não está sujeito à servidão. IIIc. moral. alguns tem usado também este texto para se aplicar situação de possíveis crentes “membros de igreja” que um abandonam o lar. Outras: Há coisas que a Bíblia diz e outras coisas que a Bíblia não diz: Por exemplo: Risco de morte. que colocasse em risco a sua integridade física. E os casos que ocorreram antes da conversão? Podemos usar a mesma premissa? há quem defenda que casamentos entre não crentes não são de fato válidos por não serem realizados “no Senhor”. É uma demonstração de amor. não deliberadamente mas por questões. Recasamento somente com a morte.39). 1Co 7. obscurecidos no entendimento.18. podem ser considerados nesta classificação. pois Deus nos chamou em paz”.10-11). que a pessoa crente deve lhe dar carta de divórcio. mas nenhuma exceção há para o recasamento quando o cônjuge ainda vive. em pensamentos fúteis.2. o bom senso nos leva a decidir pelo divórcio.

cessamos de ser sal e luz e estamos participando agressivamente na destruição total de nossa sociedade. nós. nos tornamos agentes da destruição da imagem de Deus na vista dos outros.9 que os pais da igreja proibiam o novo casamento. seja de Hillel (divorcio e novo casamento por qualquer razão trivial) ou Shammai (divorcio e novo casamento permitidos em caso de adultério). como Igreja. quando Erasmus sugeriu a idéia diferente daquela tomada pelos teólogos protestantes. um novo casamento não seria permitido qualquer que fosse a causa. Jesus ao contrario. Até mesmo se imoralidade estivesse envolvida. um novo casamento seria proibido. 5. Ponto de vista Patrístico (dos Primeiros Pais da Igreja) Ponto de vista Erasmiano (tradicionalmente Protestante) Ponto de vista Preterativo (Agostiniano) Ponto de vista dos Esponsais (O noivado) Ponto de vista de Consanguinidade (ou casamento ilegal) O Ponto de vista Patrístico. com apenas uma exceção ( Ambrosiaster. 4. estava apresentando um conceito inteiramente revolucionário: que o divórcio era pecaminoso e não estava de acordo com o plano de Deus. um escritor latino do quarto século). 2.XVI.Ryrie escreveram um livro excelente intitulado. Creio que ao tratarmos o valor bíblico da aliança pelo valor cultural de contrato. se o divórcio acontecesse. 1.10 foi o que o Mestre não estava seguindo os argumentos das escolas rabínicas. Steele e Charles C. Uma pesquisa cuidados. Paul E. ocorreu no séc. Mais importante ainda. que os pais da Igreja forma unanimes no entendimento do ensino de Cristo e Paulo: se alguém sofresse o infortúnio do divórcio.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO CINCO PONTO DE VISTA HISTÓRICOS DO CASAMENTO: QUERO AQUI ACRESCENTAR UM COMENTÁRIO EXTRAÍDO DO LIVRO : CASAMENTO: CONTRATO OU ALIANÇA? DO AUTOR : CRAIG HILLQUE LIDERA O FAMILY FOUNDATIONS INTERNARTIONAL. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . Rua: Queluz 126 Jd. “Meant to Last” (destinado a durar) no qual se discutem os cinco pontos de vista históricos do divórcio e novo casamento incluindo aquele introduzido por Erasmus. a única explicação razoável para a reação dos discípulos as palavras de Cristo em Mateus 19. através de centenas de manuscritos escritos pelos líderes dos cinco primeiros séculos revelou. Esse ponto de vista permaneceu na Igreja até o século XVI. 3. No ponto de vista patrístico. Quando foi que esta troca aconteceu? Primeiramente. através de um humanista chamado Desiderius Erasmusque teve grande influência sobre Martinho Lutero e outros reformadores. Tal peso foi dado á ordem das palavras de Mateus 19.

Somos gratos a Bill Heth. mas que. A controvérsia era sobre o significado de “cousa indecente” em Deuteronomio 24. eventualmente se desligou dos reformadores. É possivelmente o mais amplamente aceito entre os Protestantes. Muitos vão até além de permitir o divórcio e novo casamento por uma variedade de razões. sustenta que os fariseus estavam tentando enredar Jesus a entrar num debate entre a escola liberal de Hillel e a mais conservadora de Shammai. uma vez que nos contratos de casamento judaicos a obtenção de divórcio sempre implicava o direito de novo casamento. promovido por Agostinho. seu ponto de vista é amplamente mantido entre os evangélicos. Cristo disse: “eu porém vos digo: quem repudiar a sua mulher e casar com outra comete adultério” depois quando eles estravam sozinhos com Cristo o pressionavam para resolver o assunto. quando esclareceu a questão (Marcos 10. O Ponto de vista Preterativo. uma preterição. o clássico humanista Desiderius Erasmus sugeriu esta interpretação que é defendida pelo erudito moderno Jhon Murray.10-12). na realidade. A maioria que assume esta posição também diz que Paulo.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO O Ponto de vista Erasmiano. embora Erasmus fosse essencialmente considerado herético pelos seus contemporâneos. ele estava permitindo ao parceiro inocente o direito de recasar-se (nota do Autor: Steele e Ryrie não estão afirmando que a concessão de divorcio sob a lei judaica realmente implicava o direito de novo casamento. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . mas Cristo não aceitou a isca. a fim de classifica-lo para nós. Em linguagem simples. O ponto de vista agostiniano defende que as palavras de Cristo “não sendo por causa de relações sexuais ilícitas” eram. É surpreendedor que a evidência em suporte da opinião de Agostinho seja mais forte de que geralmente é reconhecida. Esse modelo de interpretação não recebeu grande consideração a não ser por outros eruditos sérios. Dado que a maior parte da literatura evangélica tem. promiscuidade mental. Então ele lhes disse “quem repudiar sua mulher e casar com outra comete adultério contra aquela” Marcos 10. envitou o assunto até que estivesse a sós com seus discípulos. etc. Ao invés disto. tais como: diferenças irreconciliáveis. maus tratos. por causa de sua exegese complicada que torna difícil a explicação ao leitor. mas que Erasmos e seus seguidores tinham erroneamente tentado construir tal caso.9.1. uma omissão que evitava totalmente a pergunta deles. subsequentemente pela Confissão de Westminster. com sabedoria. Rua: Queluz 126 Jd. e que seja tão raramente discutida como uma possibilidade na abundância de livros populares sobre o assunto. Sustenta que as palavras de Cristo em Mateus 19. o ponto de vista preterativo. que fez uma extensiva pesquisa no assunto.11 Isso parece cobrir a possibilidade cultural de que na cultura romana o divorcio era requerido no caso de adultério e que Cristo estava nesta circunstância. por sua vez. sobre o que pediram a Cristo para comentar. mais a frente expôs este conceito ao permitir divorcio e novo casamento no caso de abandono voluntário por parte de um parceiro. e assim interpretar as palavras de Cristo). proibindo o novo casamento. Erasmus era um contemporâneo de Lutero que influenciou o seu pensamento em um grande número de assuntos. No inicio da reforma. É curioso que. sido influenciada pela dos reformadores e. permitiam o divorcio no caso de adultério e. os escritores reformados foram grandemente influenciados pela sua doutrina do divorcio e novo casamento.

mesmo que reconheça que o divórcio pode ocorrer.18-20). O ponto de vista Patrístico não permite o novo casamento nem mesmo quando o divórcio ocorreu. Essa corrente defende que a claúsula de excessão de Cristo (Mateus 19. O ponto outo de vista Erasmiano. tanto era o ensino do Senhor como também o entendimento do Apóstolo Paulo em relação a ele. Este ponto de vista defendido admiravelmente no Livro de Carl Laney. Existiam somente duas correntes alternativas: reconciliar-se ou permanecer sem casar-se (1Cor.20. que permite o divórcio no caso de adultério ou deserção (outras razões foram acrescentadas hoje atualmente).9) permitia a quebra de um noivado no caso de violação dos termos de noivado pela imoralidade do parceiro. tem muito a seu favor.11) 2.7. ainda que não seja sem dificuldades (como é o caso com todas as cinco posições) há muitos elementos que recomendam esta visão. logo se percebe que tal interpretação é possível. Portanto aqui nunca houve um Rua: Queluz 126 Jd. quando na realidade há amplo apoio nos círculos eruditos. e o reconhecimento claro da necessidade de um “divórcio” para quebrar esse compromisso (como é ilustrado por Maria e José em Mateus 1. O ponto de vista Preterativo. e 1 Corintos 5.29. em Levitico 18. com apenas alguns comentários superficiais. O ponto de vista dos Exponsais. poderá ser útil resumir o que cada um destes pontos dizem acerca do novo casamento. A questão: Antes de concluir esta pesquisa. no caso de falta de castidade pré-marital. nem novo casamento seriam permitidos. 1. daí um divorcio seria permitido na extraordinária circunstância de se estar casado com um parente próximo. a primeira a infidelidade pré-marital e a segunda a infidelidade conjugal. nem divórcio. e o que se ajusta precisamente a todos os documentos Bíblicos sobre o assunto. Ambas as palavras falam de infidelidade sexual. Quando se entende a natureza permanente do noivado na época de Cristo. Mas é i impraticável. isso concede liberalidade ao parceiro ofendido a recasar-se 3. O argumento em favor desta posição tem méritos.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO O Ponto de vista Esponsais.1 e nos manuscritos do Mar Morto. Os argumentos a favor são fortes e suficiente para que aqueles que tratam do problema de divorcio e novo casamento sintam alguma necessidade de discuti-los. argumenta que Cristo usou a palavra porneia no sentido especifico dos graus proibidos de consaguinidades (nota do autor: isso significa: casamento entre pessoas do mesmo sangue) e afinidade. O Ponto de vista de Consanguinidade. mantido por um número de eruditos evangélicos. se Cristo não se referisse a essa possibilidade. 4. há considerável apoio para este ponto de vista em Atos 15. preocupa-se em dar uma carta de divórcio durante o período de noivado antes que o casamento ocorra. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . Uma vez que os casais referiam-se a si mesmos como marido e mulher.6-18. o mais consistente com o caráter de Deus. O ponto de vista dos Esponsais. teria aberto a porta para mal-entendidos e fechado até mesmo a porta para a quebra de um noivado. Se o divórcio for legitimado. é imperativo que busquemos um ponto de vista que não seja somente o mais aceitável. não permite o novo casamento. The Divorce Myth (O mito do Divorcio). Sendo um problema tão representativo em nossos dias. Fora disso. Esse. antes da consumação do casamento. A questão colocada é que Cristo cuidadosamente escolheu a palavra “fornicação” (porneia) para colocar em contraste a “adultério” (moicheia). permite ao parceiro “inocente” novo casamento sem qualquer questão. mas sim o mais adequado ao ideal de Deus.

“É necessário. Ver nota de 1 Jo 3:9 “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado. COMO TRATAR UM RECASADO: 1º Com amor: João 4:10 “Respondeu-lhe Jesus [à Samaritana]: Se tivesses conhecido o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber. nem diácono e nem líder na Igreja. embora reconhecendo que o divórcio deva ser instituído nos casos de casamentos ilegais. não que o recasamento é um adultério CONTÍNUO. Assim o parceiro ofendido poderia entrar num segundo noivado que. os textos bíblicos em questão na realidade não justificam o novo casamento. de Cristo Jesus e dos anjos eleitos. Atualmente uma exegese diluída de ! Cor. que guarde essas coisas sem preconceito e que não faças nada com parcialidade” (1 Tm 5. tu lhe terias pedido e ele te haveria dado água viva. A modernização do ponto de vista Erasmiano parece assumir que o novo casamento é automaticamente permitido se o divórcio ocorre pelas razões permitidas. 5.” 1 Tessalonicense 5:14 “Exortamos-vos também. temperante. Tito 1:6-8 e 1 Timóteo 3:2. porém deve ser notado que até mesmo se a imoralidade justifica o divórcio. seria o primeiro casamento. O ponto de vista de Consaguinidade. os diáconos sejam maridos de uma só mulher. Por isso. Verificando vários comentários sobre este versículo. 4º Não podendo ser pastor. ou seja é a ação do Espírito Santo de Deus na vida do convertido). porque é nascido de Deus” (na Bíblia Anotada – Comentário: Divina semente ou Semente de Deus: Esta divina semente cancela o poder dominante do pecado. “O parceiro crente não estava obrigado a procurar o descrente por todo o império romano se o descrente escolhia partir” V. por que seria recusado por nós? Atos 8:36-37 e I Co 7:1724. Deve continuar vivendo na condição que foi salvo por Cristo. a que admoesteis os insubordinados. Isso pode ser a causa de sua popularidade hoje em dia.12. que o bispo seja irrepreensível. consoleis os desanimados.15 é usada para justificar o novo-casamento nos casos de deserção do parceiro crente por um companheiro incrédulo. ordeiro.21). crente ou não. esse não pode viver pecando. sóbrio. apto para ensinar. quando consumado. Também sustenta que no caso de um casamento ilegal. e governem bem a seus filhos e suas próprias casas”. exprime apenas um ponto no tempo. Observe que somente o ponto de Vista erasmiano permite o novo casamento.” 2º Podendo ser batizado e ser membro de uma igreja local: Se o divorciado demonstra arrependimento sincero. pois o que permanece nele é a divina semente. Paulo diz que o crente “não fica sujeito á escravidão” em tais casos. irmãos. mas procuremos olhar para o que DEUS Rua: Queluz 126 Jd. não podemos exigir que um recasado. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . o divorcio é proibido e o novo casamento de uma pessoa divorciada nunca é permitido. 3º Como alguém que não vive mais na prática do pecado: Pela construção da frase. se não vive de modo indigno. Isso é entendido pelos Erasmianos modernos como significando que o crente está livre para casar novamente. vemos que em Mt 19:10 “comete adultério” não expressa algo contínuo. Considerações: Alertamos aos irmãos que não tratem do assunto pensando nos irmãos em Cristo que tem vivido nesta situação: “Eu te exorto diante de Deus. marido de uma só mulher. ora. se foi salvo e aceito por Cristo. interrompa seu atual casamento. ampareis os fracos e sejais longânimes para com todos. pois. como alguém sugeriu. descobrimos que a vasta maioria concorda que o significado é que o crente não está obrigado a manter o casamento e pode ter de aceitar a separação se o descrente partir. hospitaleiro. considera o novo casamento contrário tanto aos ensinos de Cristo como aos de Paulo. somente um noivado. 7.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO primeiro casamento. Mas isso é um salto exegético de fé.

cuidado para não se basear em interpretações isoladas de textos que não são claros. Gomes Rua: Queluz 126 Jd. olhe para os muitos textos que Jesus e Paulo deixam claros a respeitos do assunto. verifique o significado exato do texto.PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CIDADE SÃO JORGE “ECCLESIA REFORMATA ET SEMPER REFORMANDA EST” EDIFICANDO RELACIONAMENTOS ATRAVES DE JESUS CRISTO realmente diz sobre o assunto. mas como Igreja do Senhor Jesus precisamos nos posicionar sobre o tema. Pastor: George A. Stº Antonio de Pádua Cep:09111-800 Santo André –SP . mesmo que tenhamos alguma dificuldade. este é o preço que pagaremos por querer estabelecer os ensinos do Senhor Jesus. Nossa pretensão não é de esgotar o assunto.