You are on page 1of 32

Princípios Gerais Sobre Primeiros Socorros

Prof. Drd. Ledimar Brianezi

Primeiros Socorros: Conceitos
 Atendimento temporário e imediato prestado a uma pessoa ferida ou

que adoece repentinamente;
 São os cuidados imediatos prestados a uma pessoa, fora do ambiente

hospitalar, cujo estado físico, psíquico e/ou emocional coloquem em perigo sua vida ou sua saúde, com o objetivo de manter suas funções vitais e evitar o agravamento de suas condições(estabilização), até que receba assistência médica especializada;
 atendimento efetuado por um leigo treinado à(s) vitima(s) traumáticas

ou não traumáticas (emergências clínicas) no local da ocorrência, até a chegada do Serviço Médico de Emergência (SME);

Quem realiza???
 Prestador de socorro: Pessoa leiga, mas com o mínimo de

conhecimento capaz de prestar atendimento à uma vítima até a chegada do socorro especializado.
 Socorrista: Titulação utilizada dentro de algumas instituições, sendo

de caráter funcional ou operacional, tais como: Corpo de Bombeiros, Cruz Vermelha Brasileira, Brigadas de Incêndio, etc.

Principais objetivos dos primeiros socorros:
 Reconhecer situações que ponham a vida em risco;
 Aplicar respiração e circulação artificiais quando necessário;  Controlar o sangramento;

 Tratar de outras condições que ponham a vida em risco;
 Minimizar o risco de outras lesões e complicações;  Evitar infecções;

 Deixar a vítima mais confortável possível;
 Providenciar assistência médica e transporte;

Conceitos aplicados aos Primeiros Socorros
 Urgência: Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital. O

tempo gasto entre o momento em que a vítima é encontrada e o seu encaminhamento deve ser o mais curto possível.  Emergência: Estado grave, que necessita atendimento médico, embora não seja necessariamente urgente. Ex: contusões leves, entorses,hemorragia classe I, etc.  Sinal: É a informação obtida a partir da observação/análise da vítima.  Sintoma: É informação a partir de uma relato da vítima.

Aspectos legais do socorro
 - Artigo 5º e 196º Constituição;  - Artigo 135º do Código Penal Brasileiro;  - Resolução nº 218/97 do Conselho Nacional de Saúde;

 - Código de Ética dos Profissionais

de Educação Física

CONSTITUIÇÃO:
Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedades dos termos seguintes. Da Saúde Art. 196º. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

CÓDIGO PENAL:
 Art. 135 - Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem

risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública:
 Pena - detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.  Parágrafo único - A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta

lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte.

Importante: O fato de chamar o socorro especializado, nos casos em que a pessoa não possui um treinamento específico ou não se sente confiante para atuar, já descaracteriza a ocorrência de omissão de socorro.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE:  Resolução nº 218/97 Reconhece como profissionais de saúde de nível superior as seguintes categorias: assistentes sociais, biólogos, profissionais de educação física, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, médicos, médicos veterinários, nutricionistas, psicólogos e terapeutas ocupacionais.

Código de Ética do Profissional de Educação Física
CAPÍTULO II Dos Princípios e Diretrizes  Art. 4º - O exercício profissional em Educação Física pautar-se-á pelos seguintes princípios:
I - o respeito à vida, à dignidade, à integridade e aos direitos do indivíduo; II - a responsabilidade social; III - a ausência de discriminação ou preconceito de qualquer natureza; IV - o respeito à ética nas diversas atividades profissionais; VII - a prestação, sempre, do melhor serviço, a um número cada vez maior de pessoas, com competência, responsabilidade e honestidade;  VIII - a atuação dentro das especificidades do seu campo e área do conhecimento, no sentido da educação e desenvolvimento das potencialidades humanas, daqueles aos quais presta serviços.
    

 Art. 5º - São diretrizes para a atuação dos órgãos integrantes do Sistema

CONFEF/CREFs e para o desempenho da atividade Profissional em Educação Física:
 I - comprometimento com a preservação da saúde do indivíduo e da

coletividade, e com o desenvolvimento físico, intelectual, cultural e social do beneficiário de sua ação;  IV - autonomia no exercício da Profissão, respeitados os preceitos legais e éticos e os princípios da bioética;

CAPÍTULO III Das Responsabilidades e Deveres  Art. 6º - São responsabilidades e deveres do Profissional de Educação Física:

Código de Ética do Profissional de Educação Física

 III - assegurar a seus beneficiários um serviço profissional seguro,

competente e atualizado, prestado com o máximo de seu conhecimento, habilidade e experiência; VIII - manter-se informado sobre pesquisas e descobertas técnicas, científicas e culturais com o objetivo de prestar melhores serviços e contribuir para o desenvolvimento da profissão; X - zelar pela sua competência exclusiva na prestação dos serviços a seu encargo; XII - manter-se atualizado quanto aos conhecimentos técnicos, científicos e culturais, no sentido de prestar o melhor serviço e contribuir para o desenvolvimento da profissão; XIII - guardar sigilo sobre fato ou informação de que tiver conhecimento em decorrência do exercício da profissão; XIV - responsabilizar-se por falta cometida no exercício de suas atividades profissionais, independentemente de ter sido praticada individualmente ou em equipe; XV - cumprir e fazer cumprir os preceitos éticos e legais da Profissão;

Código de Ética do Profissional de Educação Física
CAPÍTULO III Das Responsabilidades e Deveres  Art. 7º - No desempenho das suas funções, é vedado ao Profissional de Educação Física:
 VI - prejudicar, culposa ou dolosamente, interesse a ele confiado;
 VIII - transferir, para pessoa não habilitada ou impedida, a

responsabilidade por ele assumida pela prestação de serviços profissionais;

DIREITOS DA PESSOA QUE ESTIVER SENDO ATENDIDA
 a vítima possui o direito de recusar o atendimento.
 em adultos, quando estiverem conscientes e com clareza de pensamento  crenças religiosas  falta de confiança no prestador de socorro

 A vítima NÃO pode ser forçada a receber os primeiros socorros, devendo

assim certificar-se de que o socorro especializado foi solicitado e continuar monitorando a vítima, enquanto tenta ganhar a sua confiança através do diálogo.
 Caso a vítima esteja impedida de falar em decorrência do acidente?

DIREITOS DA PESSOA QUE ESTIVER SENDO ATENDIDA
Caso a vítima esteja impedida de falar em decorrência do acidente?
 Não discuta com a vítima;
 Não questione suas razões, principalmente se elas forem baseadas

em crenças religiosas;  Não toque na vítima, isso poderá ser considerado como violação dos seus direitos;  Converse com a vítima. Informe a ela que você possui treinamento em primeiros socorros, que irá respeitar o direito dela de recusar o atendimento, mas que está pronto para auxiliá-la no que for necessário;  Arrole testemunhas de que o atendimento foi recusado por parte da vítima.

O consentimento para o atendimento de primeiros socorros pode ser:
1 - formal; quando a vítima verbaliza ou sinaliza que concorda com o atendimento, após o prestador de socorro ter se identificado como tal e ter informado à vítima que possui treinamento em primeiros socorros; 2 – implícito; quando a vítima está inconsciente, confusa ou gravemente ferida a ponto de não poder verbalizar ou sinalizar consentindo com o atendimento. Nesse caso, a legislação cita que a vítima daria o consentimento, caso tivesse condições de expressar o seu desejo de receber o atendimento de primeiros socorros.

Ação do Socorrista na Prevenção de Acidentes

Prof. Ledimar Brianezi

Ação do socorrista na prevenção de acidentes e em situações de emergências
 Procedimentos Gerais:
 observe o local do acidente a medida que se aproxima;  cuide da sua segurança e da segurança das outras pessoas no local;  consiga acesso até a vítima e verifique se há qualquer perigo imediato a

vida;  forneça suporte básico à vida das pessoas que estiverem em risco;  obtenha assistência médica mais avançada, se necessário. Deve-se ativar o serviço de resgate médico;

Doenças que Exigem Cuidados Especiais em uma situação de Emergência.
 Patógenos Hematogênicos:
 Hepatite B.
 Hepatite C.  Vírus HIV.

 Doenças:
 Herpes  Tuberculose.  Meningite.

Protegendo-se dos Riscos de Infecção
 Certifique-se de que suas vacinas estejam em dia
 Vacina em dia.(MMR (sarampo, caxumba e rubéola), Tríplice (difteria, tétano e

pertussis), varicela, hepatite B e gripe;

 Usar luvas de látex  Usar máscara de bolso ao aplicar respiração boca-a-boca

Primeiro Socorros no Esporte
 O técnico ou profissional de Ed. Física é responsável pela saúde dos

seus atletas.
Médio.

 Taxa de Lesões de Vários Esportes Praticados por Alunos do Ensino
Esporte Taxa de lesão /esporte

Basquete Ginástica Futebol

29,2% 38,9 % 36,4%

Expectativa e Deveres: - Alunos e ou atletas. - Pais. - Equipe Médica. - Autoridades legais.

Definições legais da função:
1. 2. 3. 4.

5.
6. 7.

8.
9.

Planejar adequadamente a atividade; Fornecer instruções corretas; Alertar sobre riscos inerentes; Proporcionar um ambiente físico seguro; Fornecer equipamentos adequados e corretos; Agrupar os atletas corretamente; Avaliar os atletas quando à presença de lesão ou incapacidade; Supervisionar atentamente as atividades; Fornecer atendimento de emergência apropriado;

Jogando com segurança
 Sob nenhuma circunstância deve-se permitir que atletas retornem às

suas atividades caso apresentem qualquer uma das seguintes condições:
 Perda de função: não conseguir, correr, saltar, pular. Não ser capas de

arremessar, pegar, rebater ou agarrar com as mãos.  Febre.  Dores de cabeça, tontura, zumbido.  Dores durante a atividade.

Estratégia de Primeiros Socorros no Esporte
 Instrução em primeiros socorros:
 Complementação do estudo através de cursos de RCP e DEA.

 Manter-se atualizado.
 Reconhecer limites.

 Manter registros de saúde dos atletas:
 Formulários de consentimento (menores).  Formulário de histórico de saúde.

 Cartão de Informação de Emergência.

 Verificar instalações e equipamentos:
 Ver ficha.

Estratégia de Primeiros Socorros no Esporte
 Preparo dos Jogadores para as Atividades:
 Exame físico de pré-temporada;  Testes de pré-temporada;

 Condicionamento de pré-temporada;
 Aquecimento e desaquecimento adequado;  Equipamentos de proteção, EPI e bandagens;

 Instrução de habilidades corretas;
 Orientação nutricional correta;  Proibição de brincadeiras violentas;

Estratégia de Primeiros Socorros no Esporte
 Desenvolver um plano de emergências médicas:
 Como avaliar (checar) um atleta lesionado;  Como acionar (chamar) o resgate;  Como prestar os cuidados de Primeiros Socorros;