Superior Tribunal de Justiça

RECURSO ESPECIAL Nº 785.292 - SC (2005/0156964-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : : : : MINISTRO GILSON DIPP ELDO UMBELINO ANDRÉ MELLO FILHO E OUTRO(S) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA EMENTA RESP. CRIMINAL. CRIME CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA. PAGAMENTO DE SANÇÃO DE CARÁTER ADMINISTRATIVO, ANTES DO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE, EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO. IMPROPRIEDADE. DECISÃO MONOCRÁTICA CASSADA EM SEDE DE RECURSO MINISTERIAL. MANUTENÇÃO DO ACÓRDÃO RECORRIDO. RECURSO DESPROVIDO. I. Hipótese na qual o recorrente, denunciado por crime contra a ordem tributária, teve extinta a punibilidade em razão do pagamento de sanção administrativa antes do recebimento da denúncia. Interposto recurso ministerial, este restou provido para determinar-se o julgamento do mérito da ação penal. II. O pagamento de sanção de caráter meramente administrativo não impede o prosseguimento da ação penal, eis que, de acordo com o art. 34 da Lei n.º 9.249/95, a punibilidade será extinta quando o agente promover o pagamento do tributo ou contribuição social, inclusive acessórios, antes do recebimento da denúncia. III. No caso dos autos, sequer se pôde apurar o tributo eventualmente devido, ante a não apresentação da documentação necessária para tanto, pelo recorrente. IV. Recurso desprovido. ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça. "A Turma, por unanimidade, conheceu do recurso, mas lhe negou provimento."Os Srs. Ministros Laurita Vaz, Napoleão Nunes Maia Filho e Felix Fischer votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Arnaldo Esteves Lima. Brasília (DF), 19 de junho de 2007.(Data do Julgamento)

MINISTRO GILSON DIPP Relator

Documento: 700998 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 06/08/2007

Página 1 de 6

da Lei n. nos termos da ementa acima. não tem o condão de extinguir a punibilidade nos termos do art. O Tribunal a quo deu provimento ao recurso em sentido estrito.” Consta dos autos que o recorrente foi denunciado como incurso nas sanções do art. o Ministério Público interpôs recurso em sentido estrito. Antes do recebimento da denúncia. o denunciado efetuou o pagamento da multa aplicada por força da não apresentação dos documentos solicitados.292 .Site certificado . SR.º 8. por ter. Diante disso.481/2000). o recorrente interpôs o presente recurso especial alegando. sem relação com a obrigação tributária principal descumprida pelo agente. até porque o não cumprimento da exigência fiscal é que impediu a possibilidade de correta aferição do ICMS sonegado” (fl. A quitação da notificação fiscal. 1o. 34 da Lei n.º 9. 34 DA LEI N. sem relação com a obrigação tributária principal administrativa. em face do seguinte acórdão proferido pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (fl.137/90. 9.249/95.DJ: 06/08/2007 Página 2 de 6 . quando se tratar de mera aplicação de sanção administrativa. deixado de apresentar documentos solicitados pela Secretaria da Fazenda do Estado de Santa Catarina. declarou extinta a punibilidade face à satisfação integral do débito antes do recebimento da denúncia. que deu origem à ação penal visando apurar crime contra a ordem tributária. 512). em tese. sustentando que “o pagamento da notificação fiscal de modo algum quitou os valores de tributo devido. MINISTRO GILSON DIPP (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por ELDO UMBELINO. antes do recebimento da denúncia. bem como aderiu ao REFIS/SC (art.º 11. 536): “DIREITO PENAL – CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA – DECISÃO QUE EXTINGUIU A PUNIBILIDADE EM VIRTUDE DA QUITAÇÃO DA NOTIFICAÇÃO FISCAL ANTES DO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA – MERO CUMPRIMENTO DA SANÇÃO ADMINISTRATIVA APLICADA AO AGENTE – INDEPENDÊNCIA DAS ESFERAS PENAL E ADMINISTRATIVA – INTELIGÊNCIA DO ART. § único. com fulcro na alínea "a" do permissivo constitucional. em Documento: 700998 . O Magistrado de 1o grau sentenciando o feito. 12.SC (2005/0156964-8) RELATÓRIO EXMO.249/95 – RECURSO PROVIDO.Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 785. da Lei Estadual n.Inteiro Teor do Acórdão . Inconformado.

que o acórdão atacado violou o artigo 34 da Lei 9. Foram apresentadas contra-razões (fls.]” (fl. 552). Documento: 700998 . eis que “as obrigações acessórias e que dão origem a multas administrativas. subindo o recurso a esta Corte pelo provimento de recurso de agravo de instrumento. 575).249/95. tal como é o caso dos Autos.Inteiro Teor do Acórdão ..DJ: 06/08/2007 Página 3 de 6 . É o relatório.Superior Tribunal de Justiça síntese. impedem a deflagração da persecução criminal contra o agente infrator [. A Subprocuradoria-Geral da República opinou pelo desprovimento (fls.Site certificado . se cumpridas antes do recebimento da denúncia. 570/573).. 585/588). O apelo especial teve seu seguimento negado (fl.

. constatando que a conduta do recorrente corresponderia.Site certificado . No presente recurso especial alegou-se.DJ: 06/08/2007 Página 4 de 6 . sequer se pôde apurar o tributo eventualmente devido. inclusive acessórios. se cumpridas antes do recebimento da denúncia. e sua quitação não impede o prosseguimento da ação penal. Em consequência desse fato. impedem a deflagração da persecução criminal contra o agente infrator [. 31). Percebe-se. que dispõe sobre o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviço de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (fl. ofereceu denúncia. à prevista no parágrafo único do art.º 10.º 9. No caso dos autos. pelo recorrente. o livro razão relativos ao segundo semestre de 1997 e do ano de 1998 e os livros diários relativos ao segundo semestre de 1997 e ao ano de 1998 (fl. Documento: 700998 . antes do recebimento da denúncia. MINISTRO GILSON DIPP (Relator): Trata-se de recurso especial interposto em face de acórdão proferido pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. 1. portanto. que a sanção determinada pela notificação fiscal é de caráter meramente administrativo. 87 da Lei Estadual n.º 8. 34 da Lei n. o Ministério Público. a punibilidade será extinta quando o agente promover o pagamento do tributo ou contribuição social. sócio-gerente da Nilcatex Têxtil Ltda..]” (fl.292 . em tese. que o acórdão atacado violou o artigo 34 da Lei 9. 29). Solicitada a prorrogação do prazo inicialmente determinado.. 552). 32). Paralelamente. de acordo com o art. determinando o pagamento de infração acessória fundamentada no art.249/95. mas não comporta provimento. eis que. foram apresentados somente os livros diários e os livros razão (fl. tal como é o caso dos Autos.Inteiro Teor do Acórdão .297/96. a Secretaria de Estado da Fazenda do Estado de Santa Catarina emitiu notificação fiscal contra a Nilcatex Têxtil Ltda. SR.º da Lei n.249/95. eis que “as obrigações acessórias e que dão origem a multas administrativas. foi intimado a apresentar os balanços patrimoniais encerrados em 31/12/97 e 31/12/98 e respectivos demonstrativos dos resultado do exercício. em síntese.SC (2005/0156964-8) VOTO EXMO.137/90. para cassar decisão monocrática que declarou extinta a punibilidade do recorrente e determinar a análise do mérito da ação penal. ante a não apresentação da documentação necessária para tanto.. A irresignação merece ser conhecida.Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 785. que deu provimento ao recurso ministerial. Depreende-se dos autos que o recorrente.

2. o acusado foi denunciado pela prática do delito descrito no parágrafo único do art. punida com multa e que.137.297/96. 1. por óbvio. º da Lei n. Tal desobediência refere-se a documentos fiscais relativos ao ICMS devido pela empresa do acusado (fls. 29 e 31). antes do recebimento da denúncia' (grifo nosso). à toda evidência. 1. facilitar a punição administrativa. 8. inclusive acessórios .729. A previsão deste artigo visa tutelar o erário público.º da mesma Lei) o tributo devido.137/90.DJ: 06/08/2007 Página 5 de 6 . quando o agente promover o pagamento do tributo ou contribuição social. no caso. secundária e que tem meios próprios para ser efetivada e cuja satisfação não influi na esfera penal. de 14 de julho de 1965. 10. visto tratarem-se de esferas de responsabilidade independentes. reduzir (art. 8. que estabelece ser crime contra a ordem tributária a recusa imotivada em apresentar documentos exigidos pela autoridade fiscal. incentivando o sonegador a contornar o prejuízo causado por meio das condutas de suprimir. 4.137/90) ou deixar de recolher (art. não afasta a responsabilidade pela infração penal.Site certificado . conheço do recurso. 8. negando-lhe provimento. não há como substituir a decisão objurgada. visto tratar-se. de 27 de dezembro de 1990. 538/539): “No caso dos autos. Estabelece o art. ou seja. O dispositivo despenalizador não visa. Documento: 700998 . que não tem relação com a persecução penal. nada há a reparar no acórdão recorrido que. Esta conduta também caracteriza infração administrativa tributária.Superior Tribunal de Justiça Diante disso.Inteiro Teor do Acórdão . nos termos da fundamentação acima. devidamente corrigido e acrescido dos encargos moratórios. 32 e 172). apenas e tão-somente de cumprimento da punição administrativa imposta ao agente (fls. 34 da Lei n. tem relação com a obrigação tributária principal descumprida pelo acusado.249/95 que 'extingue-se a punibilidade dos crimes definidos na Lei n.” Diante do exposto. descrita no art. com propriedade considerou que (fls. 87 da Lei Estadual n. Assim.º da Lei n. 9. e na Lei n. É como voto.

Ministros Laurita Vaz. ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data. proferiu a seguinte decisão: "A Turma." Os Srs. Dra. justificadamente. Sr.Crimes Contra a Ordem Tributária Econômica e as Relações de Consumo CERTIDÃO Certifico que a egrégia QUINTA TURMA. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO Subprocuradora-Geral da República Exma. Napoleão Nunes Maia Filho e Felix Fischer votaram com o Sr.Leis Extravagantes . HELENITA AMÉLIA G.Superior Tribunal de Justiça CERTIDÃO DE JULGAMENTO QUINTA TURMA Número Registro: 2005/0156964-8 MATÉRIA CRIMINAL Números Origem: 20030177108 200401594378 8000006928 PAUTA: 12/06/2007 REsp 785292 / SC JULGADO: 19/06/2007 Relator Exmo. por unanimidade.Site certificado . Sr.DJ: 06/08/2007 Página 6 de 6 . mas lhe negou provimento. o Sr.Inteiro Teor do Acórdão . Brasília. LAURO ROCHA REIS AUTUAÇÃO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : ELDO UMBELINO : ANDRÉ MELLO FILHO E OUTRO(S) : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA ASSUNTO: Penal . Ausente. Ministro GILSON DIPP Presidente da Sessão Exmo. CAIADO DE ACIOLI Secretário Bel. Ministro Arnaldo Esteves Lima. Ministro Relator. conheceu do recurso. Sra. 19 de junho de 2007 LAURO ROCHA REIS Secretário Documento: 700998 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful