You are on page 1of 2

1.

Tese pela qual a discricionariedade administrativa opera somente noâmbito das consequências jurídicas das normas jurídico-administrativas. Para essa tese, há três situações em que constata a discricionariedade:a) Quando para uma hipótese de incidência é prescrita mais de umaconseqüência jurídica ( p.ex. , Lei nº 8884/94, art. 24);b) Quando para uma hipótese de incidência é deixada em aberto a conseqüência jurídica, devendo ser preenchida pelo administrador ( p.ex. , Lei nº 8884/94, art.52, caput ); Hipótesedeincidência ConsequeênciaJurídica 1 ConsequeênciaJurídica 2 ConsequeênciaJurídica 3 43 Fundamentos do Estado de direito c)

Quando para uma hipótese de incidência é prescrita uma conseqüência jurídica de aplicação fac ativa ( p.ex., Lei nº 8884/94, art. 53). 2. Tese na qual a discricionariedade administrativa opera tanto no âmbitodas hipóteses de incidência das normas jurídico-administrativas como noâmbito das conseqüências jurídicas. Essa é tese é conhecida na doutrinacomo Teoria Unitária. Essa tese divide-se em três vertentes:a) A doutrina tradicional, para a qual a concretização de alguns conceitos jurídicos indeterminados é determinada pela subjetividade do administrador ;b) A doutrina que afirma que a concretização de todos os conceitos jurídicosindeterminados é determinada pela subjetividade do administrad or;c) A doutrina que afirma que a eleição das consequências jurídico-normativas e aconcretização de conceitos indeterminados são igu almente formas deaplicação regrada do Direito, sendo determinada pela subjetividade doadministrador. Hipótesedeincidência ConsequênciaJurídica emaberto Hipótesedeincidência ConsequênciaJurídica deaplicaçãofacultativa

incorreta ou inexistente). ela deve fazer:a) A integração da hipótese de incidência. quando existe a aplicação de uma n orma que consente o poder discricionário àadministração.I. Para essa tese a possibilidade de eleição de uma conseqüência jurídica por parte daadminis tração é resultado da presença de uma hipótese de incidência imperfeita (indeterminada. Há discricionariedade porque o legislador não quis precisar todas as hipóteses deinci dência possível.Assim.I. (R 1 +R 2 +R n )ConsequeênciaJurídica 1 ConsequeênciaJurídica 2 ConsequeênciaJurídica 3 .44 Fundamentos do Estado de direito 3. Se o legislador quisesse vedar a discricionariedade.b) A subsunção da situação de fato à hipótese de incidência previamenteintegrada. bastaria dividir a norma a cima emtrês normas distintas ou em tantas que fossem necessárias para a eliminação para aeliminação de qualquer possibilidade escolha pelo aplicador da norma. (conceitos jurídicosindeterminados) ConsequeênciaJurídica 1 ConsequeênciaJurídica 2 ConsequeênciaJurídica 3 H. H. Tese pela qual a discricionariedade administrativa só opera no âmbito das hipóteses de incidência das normas jurídico normativas.