You are on page 1of 21

Atualidades p/ PF

Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 1 de 21
AULA 06: PANORAMA INTERNACIONAL II
SUMÁRIO PÁGINA
1 – O Oriente Médio e a Questão Palestina 1 - 12
2 – Irã 13 - 17
3 – Inclusão digital 18 - 21

Olá, amigos! Bem-vindos à nossa última aula do curso. Foi um prazer
poder colaborar para a preparação de vocês. Estamos certos de que o esforço
de vocês será recompensado pela alegria da aprovação. Estamos na torcida!

1 – O Oriente Médio e a Questão Palestina


Histórico
Amigos, é fundamental entendermos um pouco o histórico das tensões
no Oriente Médio, a fim de sermos capazes de contextualizar os conflitos que
se estendem desde a década de 1940.

Primeiramente, é preciso destacar que a região do Oriente Médio,
situada na passagem entre três continentes (Europa, Ásia e África) e dotada
das maiores reservas de petróleo, desperta grandes interesses geopolíticos e
econômicos.

De maneira didática, podemos dizer que há três eixos principais de
tensões na região:

1) Questão árabe-israelense
2) Questão israelo-palestina.
3) Luta pela hegemonia árabe
Questão árabe-israelense

Essa questão foi esteve na origem de quatro guerras e, finalmente, de
um acordo diplomático de paz (Acordo de Camp David) entre Israel e Egito, o
qual representou importante marco na política internacional da região. Ela diz
respeito à negação, pelos países árabes (Síria, Egito, Jordânia, Iraque, etc), do

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 2 de 21
direito de existência do Estado de Israel. Esses países defendiam, portanto,
que o Estado de Israel deveria ser exterminado.

As guerras decorrentes dessa primeira questão foram:

1ª guerra árabe-israelense (1948-1949)
2ª guerra: A Guerra de Suez (1956)
3ª guerra: Guerra dos Seis Dias (1967)
4ª guerra: Guerra do Yom Kippur (1973)

Vale ressaltar que Israel saiu-se vitorioso em todos os conflitos armados
elencados acima.




A origem do Estado de Israel está no
movimento sionista do século XIX – “retorno
à pátria”. Em 1914, cerca de 100 mil colonos
judeus já trabalhavam nas colônias agrícolas
da Palestina. Durante a 1ª Guerra Mundial, a
Palestina passou para o controle inglês. Em
1917, o governo britânico emitiu a chamada
“Declaração Balfour”, por meio da qual apoiava
a criação de um “lar nacional” judaico na
região.
A comoção internacional após a revelação das
atrocidades do holocausto durante a 2ª
Guerra Mundial acelerou o processo de criação
do Estado de Israel. Em 1948, em sessão
presidida por Osvaldo Aranha, representante
brasileiro na Assembleia Geral das Nações
Unidas, foi aprovado um plano de partilha da
Palestina que criaria um estado judeu e um
palestino, com voto favorável dos EUA e da

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 3 de 21
União Soviética.

 Estado judeu: 14 mil km²
 Estado árabe: 11.500 km²;
incluiria a Cisjordânia e a Faixa de
Gaza. Jerusalém ficaria na
Cisjordânia e teria status de cidade
internacional.



Questão Israelo-Palestina

Esta segunda questão decorre da implantação do Estado de Israel, em
1948, na Palestina. Esse conflito opõe o povo palestino, disperso por vários
países (Israel, Líbano e Jordânia, principalmente) a um Estado, Israel.
A consciência nacional palestina foi tão forte que criou uma
representação política coesa: a Organização para Libertação da Palestina
(OLP), sob a liderança de Yasser Arafat. Os Estados árabes passaram a apoiar
os interesses palestinos, o que agravou o problema.
A causa Palestina ganhou grande atenção internacional durante as
Olimpíadas de Munique, em 1972. Nesse episódio, a organização Setembro
Negro seqüestrou e assassinou onze atletas israelenses. Nesse momento, os
acontecimentos ainda eram isolados.

Luta pela hegemonia árabe
A terceira questão está ligada à aproximação entre o Egito (líder
tradicional do mundo árabe) e os EUA, na década de 1970. Isso abriu espaço
de conflito entre Estados árabes pela liderança regional (Iraque e Síria).
A Revolução Xiita, de 1979, no Irã (que é persa[!], e não é árabe)
agravou a situação e acrescentou um forte componente religioso, uma vez que
esse país, passou a apresentar-se como liderança revolucionária do mundo
islâmico.


Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 4 de 21
Anos 1980

Desde 1973 (Guerra de Yom Kipur), e, principalmente, desde os
Acordos de Camp David (1979), a existência do estado de Israel não está
ameaçada.
Dos anos de 1980 para cá, embora Israel continue tendo problemas
com seus vizinhos, foco maior é dado à Questão Palestina (ou Israelo-
Palestina).
Da década de 1980 em diante, a questão torna-se mais complicada. Em
1982, Israel invade o Líbano (ambos não se reconhecem) para expulsar a OLP
do sul do país e para contrabalançar a influência síria na região.
Uma conseqüência importante da ocupação israelense no Líbano foi o
surgimento do Hezbollah (Partido de Deus). Trata-se de um movimento de
resistência contra a ocupação israelense. O Hezbollah não reconhece o Estado
de Israel. É importante atentar que o Hezbollah não é palestino, é xiita e é
libanês. Os palestinos, em sua maioria, são sunitas.

Primeira Intifada

Intifada é um termo de origem árabe, o qual pode ser traduzido como
“revolta”. A 1ª intifada inicia-se em 1987 e vai até 1993, contestando a
ocupação dos territórios Palestinos por Israel. Uma das conseqüências mais
importantes da Intifada foi o surgimento do Hamas (fim dos anos 1980). O
Hamas, desde seu início, coloca-se como movimento mais radical pela
autodeterminação do movimento da palestina e mais “islamista” do que o
Fatah (cujo líder foi, por muitos anos, Arafat; e sendo hoje liderado por
Mahmoud Abbas).

Anos 1990

Em 1990 estoura a 1ª Guerra do Golfo. Saddam Hussein (ditador do
Iraque) invade o pequeno país vizinho, Kuait, acusando esse país de causar a
baixa dos preços do petróleo (vendendo mais do que a cota estabelecida pela
Opep). Apesar da pressão internacional e da determinação do Conselho de
Segurança da ONU, o Iraque recusa-se a sair. Em 1991, liderando uma

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 5 de 21
coalizão de 28 países, os EUA iniciam intensos bombardeios ao país (operação
“Tempestade no Deserto”), que teve seu território arrasado e foi obrigado a
retirar suas tropas do Kuait. Em 1993, o país sofre novos ataques dos EUA,
após Hussein impedir a entrada de inspetores da ONU no país. Em 1998, o
Iraque deixa de colaborar com uma missão da ONU e sofre novos ataques de
mísseis norte-americanos (operação “Raposa do Deserto”). O país sofria,
ainda, com o embargo econômico decretado pelos EUA, que permitia ao país
vender petróleo apenas em quantidade suficiente para comprar comida e
remédios.

A primeira intifada não consegue expulsar os israelenses dos territórios
palestinos, mas ela tem outras conseqüências importantes.
Conseqüências:

 Conferência de Madri (1991): primeira tentativa de negociações
diretas entre Israel e Palestina (OLP). Ocorre durante intifada.

 Acordos de Olso I (1993): mediação dos EUA (Bill Clinton, Yasser
Arafat e Yitzhak Rabin)
 Israel reconhece a OLP e permite o estabelecimento da Autoridade
Nacional Palestina - ANP (embrião do Estado Palestino)
 Reconhece a polícia da Autoridade Nacional Palestina - ANP (antiga
OLP) quanto ao controle das cidades palestinas em Gaza e na
Cisjordânia
 Estabelece que Ramallah e Belém seriam administradas pela ANP,
enquanto que as zonas rurais são administradas por Israel (essa é
a razão da ocupação dos colonos judeus na Cisjordânia)
 OLP sai da Tunísia e vai para Ramallah, na Cisjordânia.
A presença de colonos, protegidos pelas tropas israelenses, materializa
o projeto de manter sob seu controle uma vasta porção dos territórios. As
colônias representam a maior armadilha para a paz, pois esses colonos,
possivelmente, não aceitarão viver, no futuro, sob leis e sob a autoridade

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 6 de 21
palestina, uma vez que grande parte deles deslocou-se movida por um
sentimento de reconquista da terra bíblica de Israel.

O governo de Israel foi acusado de traição, em razão do
reconhecimento da ANP. Essa situação levou ao assassinato de Yitzhak Rabin
por um fanático judeu.

No final dos anos de 1990, houve uma série de iniciativas de paz
definitiva entre a Autoridade Nacional Palestina e Israel. Houve, no entanto,
grande frustração palestina, ocasionando uma segunda intifada, que começou
aproximadamente em 2000.

Anos 2000

A segunda Intifada começou em 28 de setembro de 2000, quando Ariel
Sharon, líder do partido direitista Likud, resolveu visitar a Esplanada das
Mesquitas acompanhado de escolta armada. Haram al Sharif, chamado de
Monte do Templo pelos judeus, fica em Jerusalém Oriental e, além de ser o
local mais sagrado para os muçulmanos, é disputado entre os israelenses e
palestinos.


 2003: Mapa do Caminho da Paz foi o primeiro documento a embasar
uma iniciativa entre Israel e Palestina.

 Em 2003, o Quarteto (Estados Unidos, União Européia, Rússia e
ONU), com consulta às partes interessadas, apresentou um plano
de paz intitulado Mapa da Paz (Road Map), em que se prevê a
criação de um Estado Palestino independente na Faixa de Gaza e
na Cisjordânia, ao lado de Israel.

 2004: Yasser Arafat morre: tinha relações difíceis com a liderança
israelense.

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 7 de 21
 2005: Ariel Sharon, primeiro ministro Israel, abandona a Faixa de Gaza,
retira as colônias judaicas (inclusive a força).

 2006: Vitória do Hamas nas eleições diretas livres e ganha o direito sob os
territórios palestinos;

 2008 houve fragmentação do governo dos territórios palestinos, tendo em
vista que o Fatah manteve o poder na Cisjordânia e o Hamas assumiu na
Faixa de Gaza.

 2006: Guerra Israel X Líbano (2ª Guerra do Líbano)


A Guerra do Líbano de 2006 foi um episódio do
conflito árabe-israelense, também conhecido,
em Israel, como Segunda Guerra do Líbano; no
Líbano, como Guerra de Julho; no Mundo
Árabe, como Sexta Guerra Israelo-Árabe.
O estopim da guerra foi a morte de três
soldados israelenses e o sequestro de dois por
milicianos do Hezbollah. Israel respondeu com
a chamada Operação Justa Recompensa, sua
maior ação militar no Líbano desde a invasão
de 1982. A operação começou com fogo de
artilharia, ataques aéreos e bombardeio naval
sobre aproximadamente 40 locais no sul do
Líbano - quase todos supostos redutos do
Hezbollah, segundo Israel. Estradas e pontes
também foram atingidas.
O conflito durou 34 dias e resultou na morte de
1.200 pessoas no Líbano, a maioria civis, e 157
israelenses, a maior parte soldados, e destruiu
parte importante da infraestrutura libanesa,
além de deixar desabrigados perto de 900 000
libaneses. Fonte: Wikipédia
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_do_L%C3
%ADbano_de_2006

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 8 de 21

Em agosto de 2006, após intensas negociações, foi aprovada a
Resolução 1701 do Conselho de Segurança da ONU, que determinava, entre
outros pontos, a cessação das hostilidades, a retirada das tropas israelenses
do território libanês, o desarmamento do Hezbollah e o reforço das forças
armadas libanesas por uma força armada internacional (UNIFIL), para guardar
a fronteira, no sul do Líbano. A resolução foi acatada por ambas as partes.
A Unifil
1
, criada em 1978, teve mandado reforçado para supervisionar o
cessar-fogo por terra e por mar entre Israel e Líbano. Israel tenta enfraquecer
o Hezbollah, mas o que, de fato, ocorreu foi seu fortalecimento desde então. A
2ª guerra do Líbano foi um grande fracasso político para Israel porque
fortaleceu o poder político de Hezbolah.

 2007: Hamas ocupa militarmente a Faixa de Gaza, é nesse momento
que o Hamas rompe com Fatah. O Hamas ocupa a faixa de Gaza, de
2007 até 2011. A OLP (Fatah) não concorda com essa ocupação. A
Palestina, nesse momento, eram duas, a Cisjordânia governada pelo
Fatah e a Faixa de Gaza pelo Hamas. Desde então Israel impõe um
bloqueio a faixa de Gaza.

 Final de 2008, Israel lançou violento ataque na Faixa de Gaza para
enfraquecer autoridade do Hamas.

 2007: Conferência de Annapolis – ocorreu nos EUA. Quarenta países
fizeram parte, o Brasil foi convidado, a solução por dois estados
(Mapa do Caminho) torna-se consensual. Obteve apoio da
comunidade internacional para a existência de dois estados.


1
O Brasil assumiu, em fevereiro de 2011, o comando da Força-Tarefa Marítima (MTF) da Força Interina das Nações Unidas no Líbano
(UNIFIL).

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 9 de 21
Fatos Recentes
2010

Tentativa de relançar o processo de paz
 Agosto de 2010: um dos episódios mais polêmicos foi o ataque a
flotilha da paz da Turquia. Nove ativistas humanitários pró-Palestina
foram assassinados, e isso prejudicou seriamente as relações entre
Israel e Palestina.

 Setembro de 2010: ANP e Israel tentaram iniciar negociações diretas.
Não avançou o processo, porque Israel se recusou a renovar a
retirada do assentamento dos colonos judeus.

 Dezembro de 2010: Brasil reconhece o Estado da Palestina, de acordo
com as fronteiras de 1967.

2011
 Fevereiro de 2011: EUA vetaram projeto de resolução do Conselho
de Segurança da ONU, apresentado pelos países árabes, que
condenava o Estado de Israel, por promover a construção de
assentamentos judeus em territórios palestinos. O texto proposto
reafirma que todas as atividades israelenses relacionadas aos
assentamentos nos Territórios Palestinos Ocupados, inclusive em
Jerusalém Oriental, são ilegais e constituem grande obstáculo para
alcançar-se a paz com base na solução dos dois Estados - Israel e
Palestina. Em consequência, projeto de resolução preconiza a
interrupção imediata da expansão das colônias israelenses, retomada
em setembro de 2010.
 A medida é apoiada por mais de 100 países. Todos os 14 membros
do Conselho de Segurança, inclusive o Brasil, votaram a favor da
resolução. Somente os EUA posicionaram-se ao lado dos

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 10 de 21
israelenses. Desde 2001, este foi o décimo veto americano sobre o
assunto (o primeiro da administração de Barack Obama).

 Maio de 2011: conseqüências da Primavera Árabe promovem
reconciliação entre o Hamas e o Fatah (Acordos de Cairo). Israel é
contra essa conciliação, pois preferiria ter apenas o Fatah como
interlocutor. O Brasil apóia a reconciliação entre os dois
representantes do povo palestino. “Hamas e Fatah assinam acordo de
reconciliação no Cairo” Estadão maio/2011

 Setembro de 2011: lançamento da candidatura da Palestina como
membro pleno da ONU.
Em dezembro, a Palestina foi admitida como membro pleno da
Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).
A conseqüência foi o corte da contribuição norte-americana para essa
organização (EUA contribuíam com 22% dos recursos da UNESCO). O Brasil
apoiou a iniciativa, a Palestina tornou-se o 195º Estado membro da UNESCO –
primeira agência especializada do sistema das Nações Unidas a admitir a
Palestina como membro pleno.




Apesar de ter sido aceita como membro da UNESCO,
a Palestina ainda não foi aceita pela Assembleia Geral
como membro pleno das Nações Unidas!


Há seis questões centrais do processo de paz:

1. Israel entende que Jerusalém é indivisível e deveria ser sua capital. Para
todos os demais países, a capital de Israel é Tel Aviv.

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 11 de 21
2. É fundamental a questão dos refugiados palestinos que, desde 1948, não
têm direito de retorno ao estado de Israel. Hoje, há 4 milhões de
refugiados nos territórios palestinos. O argumento de Israel é que, em
algumas décadas, teria uma minoria de população judaica. Israel que ser
reconhecido como um Estado judeu.


Em 1948, com a criação do Estado de Israel,
estima-se que entre 700.000 e 800.000
palestinos (80% da população palestina) foram
expulsos de suas terras e 531 cidades
palestinas foram destruídas.
Em 1967, após Israel ter ocupado a Faixa de
Gaza, cerca de 350.000 palestinos tornaram-se
refugiados pela segunda vez.
Hoje existem quase 5 milhões de refugiados
palestinos.
Os refugiados representam 70% de toda a
população palestina. Eles estão dispersos por
todo o planeta, e as condições de vida variam.
Cerca de um milhão desses refugiados vivem
em 59 campos de refugiados localizados na
Faixa de gaza, Cisjordânia, Líbano, Síria e
Jordânia.


3. Questão das colônias israelenses na Cisjordânia (Israel saiu de Gaza em
2005).
4. Garantias de segurança de Israel. Israel exige não ser ameaçada por
seus vizinhos árabes, tampouco ser vítima de terrorismo, depois de um
eventual processo de paz.
5. Fronteiras. A ANP exige que as fronteiras de uma eventual Palestina
deveriam ser aquelas anteriores às de 1967 (Linha verde).
6. Relações e possibilidade de cooperação com os vizinhos. Paz com
vizinhos árabes de Israel.





Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 12 de 21
Questão de revisão

(Fundação Cesgranrio - BNDES - 2008)

O Grupo Hamas foi o grande vencedor nas últimas eleições legislativas
palestinas. Tendo em vista o perfil político do Hamas e o resultado eleitoral,
pode-se afirmar que esse grupo:
(A) representará a vitória da Resolução nº 242, da ONU, de trocar “terra por
paz”.
(B) seguirá os fundamentos de Yasser Arafat, fundador desse partido político.
(C) atuará mais consistentemente contra a existência do Estado de Israel.
(D) influirá no reconhecimento internacional do Protocolo de Oslo, de 1993.
(E) tenderá a reproduzir, em geral, as estratégias políticas praticadas pelo
aliado Fatah.
Gabarito: A resposta correta é a letra “c”.

O Hamas caracteriza-se por ser um partido político de vertente religiosa
radical, possuindo um braço armado. Esse grupo tem-se colocado
historicamente contra a existência do Estado de Israel.


Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 13 de 21
2 - Irã

A República Islâmica do Irã localiza-se entre o mar Cáspio e o golfo
Pérsico, no Oriente Médio. O país passou por uma Revolução, em 1979, que
derrubou o antigo ditador (Xá Reza Pahlevi) e instituiu um governo baseado na
religião (teocracia), cujo líder supremo (chamado aiatolá) não é eleito.
A maior parte da população do país é muçulmana da corrente xiita. O
país contrapõe-se à Arábia Saudita e ao Egito, países muçulmanos de maioria
sunita e tradicionais aliados dos EUA no Oriente Médio. O Irã, por outro lado,
coloca-se como forte opositor da influência norte-americana na região. A
principal origem dos atritos entre Irã e EUA atualmente é o programa nuclear
iraniano, pois os EUA desconfiam que o país tem a intenção de desenvolver
capacidades nuclearas para fins militares (bomba atômica).
Em 2002, durante o governo de George W. Bush nos EUA, o Irã foi
incluído no chamado “eixo do mal” – supostos países patrocinadores de
terrorismo e suspeitos de desenvolver armas de destruição em massa.
No ano de 2005, com a eleição de Mahmoud Ahmadinejad, líder
conservador, como presidente do país, o discurso político do Irã passa a conter
forte defesa de um programa nuclear (que se afirma para fins pacíficos) e forte
posição anti-Israel. Além disso, o Irã é acusado de fornecer recursos
financeiros a grupos paramilitares do Oriente Médio, como o Hezbollah
(Líbano) e Hamas (Faixa de Gaza).
Durante a Primavera Árabe, o Irã condena o envio de tropas sauditas ao
Barein, para reprimir as manifestações da maioria xiita contra a monarquia
sunita. A Arábia Saudita afirma que há claro interesse político do Irã em
influenciar as políticas na região.
Em outubro de 2011, os EUA acusam o Irã de estar por trás de um
plano frustrado para tentar assassinar o embaixador saudita em Washington.
No fim do ano de 2011, a pressão contra o programa nuclear iraniano
se acentuou. No âmbito das Nações Unidas, diversas resoluções são votadas
contra o país persa.
De acordo com relatório da Agência Internacional de Energia Atômica
(AIEA), o Irã tem realizado atividades para o desenvolvimento de artefato

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 14 de 21
nucelar – tais como simulações de explosões em computador e experimentos
com detonadores.

Para entendermos as sanções contra o Irã:


1º rodada - Resolução 1737 - Dezembro de 2006
Proibiu o Irã de comercializar com qualquer país materiais, equipamentos,
bens e tecnologias que poderiam contribuir com o programa nuclear iraniano
Estabeleceu uma lista de empresas, entidades e pessoas cujos ativos ligados
ao programa nuclear foram congelados.
Estabeleceu um novo comitê de sanções para monitorar o cumprimento da
resolução.
Deu um prazo de 60 dias para o Irã abandonar o programa nuclear
2º rodada - Resolução 1747 - Março de 2007
Ampliou a lista de ativos congelados, incluindo outras 28 empresas,
instituições e pessoas na relação, inclusive o banco estatal Sepah e
companhias administradas pela Guarda Revolucionária.
Proibiu o Irã de exportar armas de todo o tipo.
Estabeleceu mecanismos para futuras negociações com o Irã.
3º rodada - Resolução 1803 - Março de 2008
Restringiu a importação de todos os itens e tecnologias de "uso dual", tanto
para uso pacífico quanto militar.
Ampliou a relação de empresas, instituições e pessoas com ativos congelados
ligados ao programa nuclear, acrescentando 25 nomes.
Exigiu dos membros da ONU verificar a natureza de suas importações para o
Irã para evitar contrabando.
Expandiu restrições financeiras e de viagens a pessoas e companhias ligadas
ao programa nuclear.
4ª rodada - Resolução 1929 - Junho de 2010
Proibiu a venda de várias categorias de armamentos pesados ao Irã, inclusive
helicópteros de ataque, mísseis e navios de guerra.

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 15 de 21
Pede que todos os países inspecionem, em portos e aeroportos dentro de seus
territórios, cargas suspeitas de conter itens proibidos a caminho do Irã ou
vindos do país.
Acrescentou os nomes de 40 empresas iranianas e de um alto funcionário
ligado ao programa nuclear iraniano à lista de ativos congelados.

Fatos recentes

Em janeiro de 2012, a União Europeia anunciou a adoção de um
embargo ao petróleo iraniano, como resposta ao programa nuclear do governo
de Teerã. A medida envolve a proibição imediata de novos contratos para a
compra de petróleo do Irã por parte dos países do bloco.
Além disso, a União Europeia também vai impor restrições ao Banco
Central iraniano e expandir uma série de outras medidas já existentes que
visam diminuir a capacidade do Irã de negociar com outros países.
Trata-se das medidas mais duras já adotadas pela União Europeia
contra o país. O ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague,
disse que o embargo mostra "a determinação da União Europeia nesta
questão".
A União Europeia compra cerca de 20% das exportações de petróleo
iraniano. A Grécia é um dos países europeus que mais depende do combustível
do país, pois compra cerca de um terço do petróleo que usa do Irã. Itália e
Espanha também compram do Irã, cada um, 10% do petróleo que usam. Estes
países agora terão que procurar novos fornecedores.
Os principais clientes do Irã, no entanto, não estão na Europa, mas na
Ásia. Os Estados Unidos já tentaram, com sucesso apenas limitado, convencer
a Coreia do Sul e o Japão a diminuírem as importações do petróleo iraniano. A
China, que compra mais de um quinto do petróleo produzido pelo Irã, é a
chave para o sucesso de sanções contra o país. Mas, o governo chinês não tem
mostrado disposição de restringir suas importações desse país.
Outra incerteza é em relação às opções de Israel, se o país pretende ou
não atacar as instalações nucleares iranianas em 2012. Por enquanto, os

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 16 de 21
Estados Unidos parecem estar tentando convencer os israelenses a dar mais
tempo para sanções e pressão diplomática.
A ameaça de um ataque israelense agora foi substituída por um temor
mais urgente, a ameaça do Irã de bloquear o estreito de Ormuz, na entrada do
Golfo Pérsico, uma importante rota comercial.
Um confronto no estreito poderia facilmente evoluir para um conflito
mais amplo com o Irã. E, devido ao estado volátil naquela região, um conflito
como este poderia se transformar em uma guerra mais ampla.
Petroleiros que passam pelo Estreito de Ormuz transportam cerca de 16
milhões de barris por dia (bpd), ou pouco menos de um quinto dos estoques
mundiais de petróleo.
Em dezembro, a 5ª Frota Americana disse que não iria tolerar nenhuma
interrupção ao tráfego de Ormuz, mas analistas dizem que o Irã pode ser
capaz de impedir o tráfego no Estreito espalhando minas na área.
Como podemos perceber, a tensão política gerada pela afirmação de
poder do Irã no Oriente Médio ainda está bastante longe de dissipar-se.

Questão de Revisão

(Prefeitura Municipal de S. Geraldo – Médico/PSF – 2010 – IDECAN)
Em trinta anos de estado islâmico, pouco ou quase nenhuma mudança foi
sentida no Irã. Contudo, as eleições para presidente realizadas em junho de
2009, detonaram uma onda de protestos no país, que provocaram choques
entre grupos no seio da população. Os conflitos revelaram ainda, uma grande
cisão interna, entre simpatizantes de duas alas políticas. Desde então, a
instabilidade política na terra dos aiatolás tem chamado a atenção de todo o
mundo. Devido às suspeitas de fraude, militares foram as ruas para protestar
contra as eleições presidenciais, naquele período. O atual presidente do país,
Mahmoud Ahmadinejad venceu o pleito.
As manifestações foram reprimidas violentamente pela polícia. Derrotado, o
opositor Mir Housseim Mousavi virou o talismã de jovens iranianos. O Irã é
tradicionalmente conhecido por ser politicamente um:

A) Regime democrático
B) Regime parlamentar
C) Regime teocrático
D) Regime ditatorial militar
E) Regime monárquico militar


Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 17 de 21
Gabarito: A resposta correta é a letra “c”. Como vimos, a religião é a base da
organização política no Irã. Apesar de haver eleições para presidente e cargos
parlamentares, o líder religioso (aiatolá) é quem, de fato, detém o poder
supremo no país.


Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 18 de 21

3 – Inclusão digital




Pessoal, como sabemos, as significativas transformações experimentadas
pela humanidade estimularam o desenvolvimento da chamada “sociedade do
conhecimento”. A informação é, hoje, um dos fatores preponderantes para o
desenvolvimento econômico e social. Fala-se, inclusive, no surgimento de um
quarto setor da economia, baseado na geração e compartilhamento da
informação. Os expressivos avanços científicos alcançados nas últimas
décadas, além de terem contribuído para alavancar a importância da
informação em nossa realidade, fazem das novas tecnologias ferramentas às
quais o acesso é fundamental.
O advento de um novo paradigma de sociedade fez nascer, então, uma
nova forma de exclusão. A inclusão digital trata justamente dessa questão: a
democratização do acesso às tecnologias da informação. Vejamos, por
exemplo, estatísticas recentes acerca do quantitativo de pessoas residentes em
domicílios com acesso à Internet ao redor do mundo:


Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 19 de 21

Caros, à primeira vista, a situação brasileira frente a outros países nem
parece tão ruim. Observem, entretanto, que estes são números absolutos. A
Suíça tem cerca de 8 milhões de habitantes; a Austrália, aproximadamente 23
milhões. Nós somos mais de 190 milhões! Pessoal, vale observar, porém, que
apesar de a conexão doméstica representar a principal forma de acessibilidade
no Brasil atual, este não é o único indicador relevante. Sabemos que há
pessoas sem conexão à Internet em casa, mas que têm acesso à rede em
outros locais, como no ambiente de trabalho e em lan houses, e por outros
meios, como telefones celulares. A disseminação do uso de smartphones,
inclusive, responde por boa parte dos recentes avanços na área. Segundo
dados de 2011, o acesso à Internet por intermédio de dispositivos móveis é
tão importante quanto o disponibilizado nas lan houses. Conforme
comentamos, ambos perdem apenas para a conexão doméstica. Essa
diversidade de meios de acesso certamente tem contribuído para a
democratização dos meios digitais. Segundo os dados mais recentes
disponibilizados pelo IBGE, considerando somente o período de 2005 a 2009, o
acesso à Internet no Brasil cresceu 113%!
Visando à mitigação de nossas limitações de acesso às tecnologias da
informação, o governo brasileiro possui hoje, apenas em âmbito federal, mais
de 20 programas destinados à promoção da inclusão digital. Há linhas de

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 20 de 21
financiamento, projetos de recondicionamento de computadores usados,
implantação de telecentros, introdução do uso das tecnologias da informação
nas escolas públicas, entre outros.
Redes sociais
Redes sociais: a maioria de nós não conhecia estes termos antes da
popularização da Internet. Não obstante, são conceitos da área de
Comunicação Social que existem há bastante tempo! Originalmente, redes
sociais foram concebidas como grupos de pessoas com algum nível de relação
ou interesse mútuo. O desenvolvimento tecnológico levou ao surgimento de
redes sociais virtuais, das quais muitos de nós somos íntimos hoje. Facebook,
LinkedIn, Orkut: todos estes são exemplos de redes sociais online, baseadas
fortemente na interatividade. Esta interatividade é o que torna tais espaços
propícios à exposição de idéias, transformando-os em verdadeis vetores de
informação e conhecimento. Estas redes são, por isso, consideradas também
mídias sociais, notáveis especialmente pelo alto grau de descentralização e
capilaridade. Muitas das grandes empresas hoje já contratam profissionais
especializados, que se dedicam exclusivamente à divulgação de ações e
produtos em mídias sociais. Entretanto, apesar da ampla utilização
corporativa, uma das características mais marcantes de tais ferramentas é
justamente a democratização do poder de gerar e publicar conteúdo. Como
resultado,
Questão de revisão
(FUNIVERSA - 2011 - EMBRATUR - Técnico em Comunicação Social)
No livro O poder das multidões, Jeff Howe revela um novo conceito
segundo o qual as redes sociais virtuais fomentam o trabalho em equipe e
indicam prioridades institucionais com base na experiência coletiva de
contribuir com as instituições por meio destes canais de comunicação: site,
blog, Twitter, Orkut, Facebook. Uma realidade cada vez mais inexorável,
pois colabora com noções de responsabilidade social, consumo sustentável e
relações com a comunidade. Esse conceito é conhecido como

a) crossover.

Atualidades p/ PF
Teoria e Questões
Prof. Rafael Rocha e Igor Carneiro
Prof. Rafael Rocha e Prof. Igor Carneiro www.estrategiaconcursos.com.br 21 de 21
b) cross-media.
c) crowdsourcing.
d) crossfoxing.
e) crossfield.
Gabarito: Letra “c”

Pessoal, aqui a alternativa correta é a letra “c”. Como mencionado no
texto da questão, crowdsourcing é um modelo de produção baseado na
contribuição da coletividade. A palavra inglesa crowd significa “povo”,
“multidão”, e a palavra sourcing, nesta acepção, “terceirização”.
Quando uma empresa utiliza as redes sociais para colher a opinião do
público, ela pratica crowdsourcing; a colaboração de milhares de pessoas em
artigos da Wikipédia é crowdsourcing; quando uma conhecida marca de
salgadinhos realiza uma votação entre seus clientes para decidir qual será o
sabor do novo lançamento da empresa, está realizando crowdsourcing.