RESPONSABILIDADE E SUCESSO

É difícil encontrar alguém que não deseje obter sucesso na vida. Todos, de alguma forma, querem realizar seus mais diversos objetivos. Ocorre que só querer não basta, é preciso mais, é necessário sentir-se apto e merecedor de gozar a regalia de ser bem sucedido. E isso poderá ser obtido a partir do momento que você aprende a utilizar sua mente em níveis mais profundos e a sentir a si próprio como referência primordial para manifestar sua capacidade criadora a fim de modificar o curso da sua vida para melhor. Se você por algum motivo, consciente ou não, possui o mau hábito de responsabilizar a tudo e a todos menos a si mesmo pelo que lhe acontece, dificultando a aceitação de que é o único interessado pela movimentação das forças que poderão levá-lo a ser vitorioso neste ou naquele empreendimento, deve sem demora tornar-se auto-responsável por tudo que lhe diga respeito, pois, esta é a única via para desfrutar o prazer de ser bem sucedido. Uma vez que essa nova postura é que o libertará do acomodamento e da dependência de situações que fogem ao seu domínio, levando-o à condição de ser o gerenciador dos feitos necessários ao cumprimento das tarefas fundamentais à realização de suas maiores aspirações. Cada pessoa vive de acordo com aquilo que acredita, o pessimista nutre-se de pensamentos negativos e supervaloriza as dificuldades, já o otimista consciente pensa e vê a vida sob perspectivas favoráveis, procura em cada situação um ponto de aprendizado; cada obstáculo é um desafio que não lhe causa temor. Levando em conta que você é quem comanda a sua mente, através de seu livre-arbítrio, aquilo que você pensa sobre si próprio e sobre o universo à sua volta, determina e define tanto a sua realidade interna como externa. Então, independente do setor de sua existência em que isto se aplique, se você tem claro em sua mente que é merecedor de sucesso, provavelmente você o conquistará. A qualquer momento você é livre para acreditar ou desacreditar em si mesmo. Portanto, acredite sempre mais, desenvolva com pertinácia sua habilidade da autoconfiança. Boa Reflexão e viva consciente.
Willes da Silva Psicoterapeuta
Palestras e Cursos Motivacionais, Atendimento Terapêutico e-mail: willesterapeuta@bol.com.br site: www.viverconsciente.com.br

"Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender." Alvin Toffler

QUAL É A SUA EQUIPE
Em matérias organizacionais fala-se muito de trabalho em equipe, mas qual será a equipe ideal ou a que, pelo menos, se aproxime da excelência necessária para ser considerada uma boa equipe? Se não há duvidas que o sucesso de qualquer empreendimento requeira uma equipe de alto nível afinada com os objetivos pré-estabelecidos deste, então é necessário formular critérios para a escolha ou, até mesmo, para permanência dos seus membros. Alguns até existem, mas, nem todos possuem objetividade suficiente para garantir um modo de aferição confiável ou real, outros pecam pelo “achismo” muito em voga hoje em dia. Então, para ser objetivo, eu pergunto: Sendo você um empreendedor, você admitiria em sua equipe alguém com baixa autoestima? A primeira vista pode parecer meio despropositada tal questão, já que muitos se remeteriam em primeiro lugar ao nível de conhecimento que o pretenso candidato deveria possuir e a outros tantos requisitos. Mesmo assim eu insisto: de que vale o conhecimento se o indivíduo não demonstra confiança em suas aptidões? Se ele não possui a mínima noção do seu valor pessoal ou da sua própria competência? Se ele não sabe expressar ou nem tem ciência do grau da sua ambição pessoal ou do significado de sua auto-realização? Se ele não sabe comunicar quais os valores ou princípios que regem a sua vida? Para efeito de informação, todas estas situações impressas nestas questões estão relacionadas direta ou indiretamente com o grau de auto-estima de todo o indivíduo. A auto-estima, excluídas as banalizações decorrentes da ignorância sobre o tema, é um elemento de superior relevância no universo do trabalho e inevitavelmente no sucesso de uma equipe. Indivíduos com baixa auto-estima costumam carregar suas “mochilas” de problemas para o ambiente de trabalho. Têm dificuldades de atuar em equipe, se comunicam mal, são individualistas, pouco criativos e competem negativamente. Estão sempre incorrendo em “jogos psicológicos”, seja no papel de críticos exacerbados ou vítimas; às vezes são submissos demais, “pensam pobre” e contentam-se com qualquer ganho, outras vezes são rebeldes extremados e estão sempre descontentes. Isso sem citar figuras como o bajulador (puxasaco), o perfeccionista, o sabe-tudo, o dedo-duro, o sabotador, o fofoqueiro, o carreirista e outras tantas que perfazem o rol das pessoas de baixa auto-estima e de difícil relacionamento no trabalho. A esta altura desta breve reflexão o leitor atento já deve estar se perguntando: e o que fazer? Minha vasta experiência no trato da autoestima me faz crer que a boa e equilibrada auto-estima é essencial em qualquer setor da existência humana, logo, no trabalho não seria diferente. Desta conclusão decorre também a idéia de que, seja qual for o tamanho da empresa, ela deve estar atenta às gradações comportamentais dos seus trabalhadores, dado que raramente encontramos pessoas totalmente equilibradas existencialmente que não necessitem de alguma atenção qualificada.

Vale lembrar ainda, que não se trata de descartar indivíduos de baixa auto-estima, mas, sim, de incluí-los através de programas, cursos, palestras, etc., a fim de fornecer-lhes elementos e conteúdo para que desenvolvam suas capacidades de superação para agirem com interdependência, criatividade, dinamismo e outras tantas habilidades, de modo a serem pró-ativos e produtivos no conjunto da equipe que venham a fazer parte. O sucesso de toda boa equipe reflete no sucesso pessoal dos seus membros e vice-versa. Logo, por excelência, ela deve possuir no conjunto das suas qualidades e aptidões, uma auto-estima elevada. Boa Reflexão e viva consciente.
Willes da Silva Psicoterapeuta
Palestras e Cursos Motivacionais, Atendimento Terapêutico e-mail: willesterapeuta@bol.com.br site: www.viverconsciente.com.br

"Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender." Alvin Toffler

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful