You are on page 1of 89

Guia de Estudo

LPIC – 101
por Luciano Antonio Siqueira

Lançado sob os termos da


Gnu Free Documentation License
Índice
Introdução................................................................................................................................................5
Porque este documento foi escrito?...............................................................................................5
À Quem se Destina........................................................................................................................5
Versão Atualizada do Guia............................................................................................................5
Contribuições.................................................................................................................................5
Informações de Copyright.............................................................................................................5
Pré-requisitos.................................................................................................................................6
Convenções usadas neste documento............................................................................................6
Tópico 101: Hardware e Arquitetura.......................................................................................................7
Objetivo 1.101.1: Configuração de Atributos Fundamentais de BIOS .............................................7
Recursos de Hardware...................................................................................................................7
Comandos para inspecionar dispositivos.......................................................................................8
Objetivo 1.101.3: Configuração de Modems e Placas de som...........................................................9
Modems.........................................................................................................................................9
Placas de Som..............................................................................................................................10
Objetivo 1.101.4: Configuração de Dispositivos não IDE...............................................................11
Dispositivos SCSI (scuzzy).........................................................................................................11
Objetivo 1.101.5: Configuração de Placas de Expansão Diversas...................................................12
Objetivo 1.101.6: Configuração de Dispositivos de Comunicação..................................................12
ISDN............................................................................................................................................12
DSL..............................................................................................................................................13
Objetivo 1.101.7: Configuração de Dispositivos USB.....................................................................13
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes....................................................15
Objetivo 1.102.1: Criação de Esquemas de Partições de Disco.......................................................15
A Partição Swap..........................................................................................................................16
Objetivo 1.101.2: O Gerenciador de Boot........................................................................................16
LILO............................................................................................................................................16
GRUB..........................................................................................................................................18
Dispositivos de Boot Alternativos...............................................................................................18
Objetivo 1.102.3: Compilar e Instalar Programas a partir do Código Fonte....................................19
Compressão e Descompressão de Arquivos................................................................................19
Compilar e Instalar Programas....................................................................................................20
Objetivo 1.102.4: Bibliotecas Compartilhadas.................................................................................21
Objetivo 1.102.5: Administração de Pacotes Debian (.deb).............................................................21
Objetivo 1.102.6: Administração de Pacotes RedHat (.rpm)...........................................................21
Modos Maior e Menor.................................................................................................................21
Assinaturas de Pacotes.................................................................................................................22
Integridade do Pacote...................................................................................................................23
Arquivos e Diretórios Pertinentes ao rpm....................................................................................23
Exemplos de uso do rpm..............................................................................................................23
Tópico 103: Comandos GNU e Unix ...................................................................................................25
Objetivo 1.103.3: Trabalhando na Linha de Comando.....................................................................25
Variáveis......................................................................................................................................25
Variáveis pré-definidas................................................................................................................26
Variáveis especiais.......................................................................................................................27
Histórico de comandos.................................................................................................................27
Comandos Seqüenciais................................................................................................................28
Auto-Completar Comandos e Caminhos.....................................................................................28
Objetivo 1.103.2: Processar Fluxos de Texto Através de Filtros.....................................................28
Objetivo 1.103.3: Gerenciamento Básico de Arquivos....................................................................33
Diretórios e Arquivos..................................................................................................................33
Encontrando Arquivos com o Comando find..............................................................................34
Caracteres Coringa (file globbing)..............................................................................................35
Objetivo 1.103.4: Fluxos, Canalização e Redirecionamentos de Saída............................................36
Redirecionamento........................................................................................................................36
Canalização..................................................................................................................................37
Objetivo 1.103.5: Criar, Monitorar e Finalizar Processos................................................................38
Tarefas em Primeiro e Segundo Plano.........................................................................................39
Objetivo 1.103.6: Modificar a Prioridade de Execução de um Processo.........................................40
Objetivo 1.103.7: Procurar em Arquivos de Texto Usando Expressões Regulares..........................40
Expressões Regulares e grep........................................................................................................40
sed................................................................................................................................................41
Objetivo 1.103.8: Edição Básica de Arquivos com o vi...................................................................42
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS......................................45
Objetivo 1.104.1:Criação de Partições e Sistemas de Arquivos.......................................................45
fdisk.............................................................................................................................................45
Criação de Sistemas de Arquivos................................................................................................46
Partição Swap..............................................................................................................................46
Objetivo 1.104.2: Manutenção da Integridade de Sistemas de Arquivos.........................................47
Checando o Sistema de Arquivos................................................................................................47
Examinando e corrigindo o Sistema de Arquivos........................................................................47
Uso do Disco................................................................................................................................47
Objetivo 1.104.3: Controle da Montagem e Desmontagem dos Sistemas de Arquivos...................48
/etc/fstab.......................................................................................................................................48
mount...........................................................................................................................................48
Opções de montagem...................................................................................................................48
Objetivo 1.104.4: Administração de Cotas de Disco........................................................................49
Objetivo 1.104.5: Controle de Permissões e Acesso à Arquivos......................................................50
Permissões Octais........................................................................................................................51
umask...........................................................................................................................................51
suid e sgid....................................................................................................................................52
A Permissão sticky......................................................................................................................52
Permissões Especiais em Formato Octal.....................................................................................53
Atributos chattr............................................................................................................................53
Listas de Controle de Acesso – ACL...........................................................................................54
Objetivo 1.104.6: Modificar Donos e Grupos de Arquivos..............................................................54
Objetivo 1.104.7: Criar e Alterar Links Simbólicos e Links Físicos................................................55
Hardlinks (Links Físicos).............................................................................................................55
Softlinks (Links Simbólicos).......................................................................................................55
Objetivo 1.104.8: Encontrar Arquivos de Sistema e Conhecer sua Localização Correta.................56
Hierarquia Padrão de Sistemas de Arquivos (FHS).....................................................................56
Encontrando Arquivos.................................................................................................................57
Tópico 110: O Sistema de Janelas X.....................................................................................................59
Objetivo 1.110.1: Instalar e Configurar o X11R6............................................................................59
Compatibilidade de Hardware.....................................................................................................59
Instalando o X11R6.....................................................................................................................59
Configurando o X11R6................................................................................................................59
Ajustes da Configuração..............................................................................................................60
Seções de XF86Config e xorg.conf.............................................................................................60
Fontes...........................................................................................................................................62
Instalar fontes Xft........................................................................................................................62
Instalar fontes Core......................................................................................................................62
Servidor de Fontes xfs.................................................................................................................63
Objetivo 1.110.2: Configurar o Gerenciador de Display..................................................................63
xdm..............................................................................................................................................64
gdm..............................................................................................................................................65
kdm..............................................................................................................................................65
Objetivo 1.110.4: Instalar e Personalizar um Ambiente de Gerenciador de Janelas........................65
Menus..........................................................................................................................................65
Emulador de Terminal.................................................................................................................66
Comportamento de Teclado e Mouse..........................................................................................66
Bibliotecas Adicionais de Aplicativos.........................................................................................67
DISPLAY Remoto.......................................................................................................................67
Apêndice 1.............................................................................................................................................69
Objetivos detalhados para o exame 101...........................................................................................69
Exam 101: Detailed Objectives........................................................................................................69
Topic 101: Hardware & Architecture..........................................................................................69
Topic 102: Linux Installation & Package Management..............................................................71
Topic: 103 GNU & Unix Commands..........................................................................................74
Topic 104: Devices, Linux Filesystems, Filesystem Hierarchy Standard...................................77
Topic 110: The X Window System.............................................................................................80
Apêndice 2.............................................................................................................................................83
GNU Free Documentation License..................................................................................................83
Introdução
Porque este documento foi escrito?
Este material foi escrito quando da minha própria preparação para os exames da certificação LPI nível
1. Depois de terminado, considerei que poderia ser útil para outras pessoas que buscam a certificação
e sentem falta de material específico em português. O exame para obtenção do certificado é dividido
em duas provas, 101 e 102. Este volume é específico para a prova 101 e foi escrito tendo como
referência os objetivos detalhados para prova 101 fornecidos pelo próprio LPI. A lista dos objetivos
detalhados para o exame 101 pode ser conferida no primeiro apêndice do presente volume. Mais
informações sobre o LPI e suas certificações em http://www.lpi.org/.
Todo material contido neste guia foi basicamente retirado de HOWTOs, páginas de manual de
programas e demais documentos disponíveis através do Linux Documentation Project. Outra
importante fonte foi o livro Linux System Administration 1, lançado pelo LinuxIT, disponível em
http://savannah.nongnu.org/projects/lpi-manuals/.

À Quem se Destina
O presente material destina-se à todos que desejam obter a certificação Linux LPI nível 1. No entanto,
o guia também poderá ser útil a quem não pretende obter a certificação, mas interessa-se em
aprofundar seus conhecimentos em administração de sistemas GNU/Linux.

Versão Atualizada do Guia


Versões atualizadas deste guia podem ser obtidas em http://lcnsqr.byethost15.com/.

Contribuições
Todos leitores são convidados a contribuir para o guia. Sugestões para aprofundar os tópicos e
exercícios para cada objetivo serão muito bem vindos.
Caso identifique informações incorretas, erros de ortografia ou outros equívocos, informe o autor:
<lcnsqr em yahoo·com·br>

Informações de Copyright
Copyright (c) Luciano Antonio Siqueira.
Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document
under the terms of the GNU Free Documentation License, Version 1.2
or any later version published by the Free Software Foundation;
with no Invariant Sections, no Front-Cover Texts, and no Back-Cover Texts.
A copy of the license is included in the section entitled "GNU
Free Documentation License".

Leia The GNU Manifesto se você quiser saber porquê essa licença foi escolhida para esse material.
O guia foi escrito com todo esforço para garantir a confiabilidade das informações contidas. No
entanto, as informações aqui contidas são oferecidas sem qualquer garantia, expressa ou implícita. O
responsável pelo material aqui apresentado não se responsabiliza por possíveis danos causados ou
alegação do gênero em relação à este livro. Tampouco a leitura deste guia é garantia de sucesso na
obtenção da certificação LPI nível 1.

5
Introdução

Os logotipos, marcas registradas e símbolos usados neste livro são de propriedade de seus respectivos
proprietários.

Pré-requisitos
Para melhor utilização deste guia, presume-se que o leitor já esteja familiarizado com o sistema
GNU/Linux. Portanto, os assuntos são abordados de maneira direta, com objetivo de serem apenas
referência rápida para posterior estudo e exercício mais aprofundados. O material foi escrito e testado
num computador rodando Linux Slackware 10.2.

Convenções usadas neste documento


Comandos, opções de comandos, caminhos para arquivos/diretórios, saídas de programas e
informações tiradas de telas de terminal em geral são apresentados com fonte de tamanho fixo:
Exemplo de tabela de rotas mostradas com o comando route:
Kernel IP routing table
Destination Gateway Genmask Flags Metric Ref Use Iface
200.228.60.0 0.0.0.0 255.255.255.0 U 0 0 0 eth0
127.0.0.0 0.0.0.0 255.0.0.0 U 0 0 0 lo
0.0.0.0 200.228.60.1 0.0.0.0 UG 0 0 0 eth0
Argumentos de comandos são geralmente mostrados em itálico, significando que devem ser
substituídos por valor apropriado:
shutdown [opção] horário [mensagem]
Também são mostrados em itálico nomes e termos específicos ao tema:
“Projetos GNU geralmente incluem documentações como FAQ, Readme, ChangeLog e Guia de
usuário/administrador. Podem estar no formato ASCII, HTML, LateX ou postscript. Estes arquivos
podem ser encontrados em /usr/share/doc, em diretórios correspondentes aos programas.”
Termos em negrito são usados quando introduzidos ou muito relevantes para o assunto:
“Uma conta de usuário pode ser apagada com o comando userdel. A opção -r assegura que o
diretório pessoal do usuário também seja apagado.”

6
Tópico 101: Hardware e Arquitetura
Objetivo 1.101.1: Configuração de Atributos Fundamentais de
BIOS
Peso: 1

Recursos de Hardware
O hardware básico do sistema é configurado através do utilitário de configuração de BIOS, que pode
ser acessado no início do boot da máquina. Através deste utilitário, é possível liberar e bloquear
periféricos integrados, ativar proteção básica contra erros (proteção básica contra vírus e S.M.A.R.T.)
e configurar endereços I/O, IRQ e DMA.
✔ IRQ: Requisição de Interrupção do dispositivo para a CPU, que interrompe a atividade em
andamento e processa a instrução enviada pelo dispositivo.
✔ I/O: Endereço específico no mapa de memória do sistema. A CPU irá se comunicar com o
dispositivo lendo e escrevendo neste endereço.
✔ DMA: Canal que permite à certos dispositivos acesso direto à memória sem intermédio da
CPU.
Recursos padrão utilizados por dispositivos comuns:
Dispositivo Porta I/O IRQ
/dev/ttyS0 0x03f8 4
/dev/ttyS1 0x02f8 3
/dev/ttyS2 0x03e8 4
/dev/ttyS3 0x02e8 3
/dev/lp0 0x378 7
/dev/lp1 0x278 5
Placa de Som 0x220 -
É comum que algumas máquinas, como servidores dedicados, sejam acessados apenas remotamente e
não tenham um teclado conectado. Em caso de algum problema que faça a máquina desligar, como
interrupção no fornecimento de energia, é importante que a máquina reinicie e volte a operar
normalmente. Alguns BIOS procuram por um teclado e interrompem o boot caso não o encontrem.
Para esse tipo de máquina sem teclado, é imprescindível que o BIOS esteja configurado para não
checar por teclado durante o boot.
O kernel do Linux armazena informações sobre recursos de dispositivos no diretório /proc, nos
arquivos:
✔ /proc/dma
✔ /proc/interrupts
✔ /proc/ioports
✔ /proc/pci

7
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

Trecho exemplo de /proc/ioports:


0000-001f : dma1
0020-0021 : pic1
0040-0043 : timer0
0050-0053 : timer1
0060-006f : keyboard
0070-0077 : rtc
0080-008f : dma page reg
00a0-00a1 : pic2
00c0-00df : dma2
00f0-00ff : fpu
0170-0177 : ide1
01f0-01f7 : ide0
0376-0376 : ide1
0378-037a : parport0
03c0-03df : vesafb
03f6-03f6 : ide0
03f8-03ff : serial
(...)

Comandos para inspecionar dispositivos


lspci
Lista informações de chipset dos componentes PCI. Com a opção -v lista I/O e IRQ dos
dispositivos.
Exemplo de lspci:
# lspci -v
(...)
00:0f.1 Communication controller: C-Media Electronics Inc CM8738 (rev 10)
Subsystem: C-Media Electronics Inc CM8738
Flags: medium devsel, IRQ 9
I/O ports at dc80 [size=64]
Capabilities: [40] Power Management version 2

01:00.0 VGA compatible controller: Silicon Integrated Systems [SiS] 630/730


PCI/AGP VGA Display Adapter (rev 20) (prog-if 00 [VGA])
Subsystem: Silicon Integrated Systems [SiS] 630/730 PCI/AGP VGA Display
Adapter
Flags: 66Mhz, medium devsel
BIST result: 00
Memory at e0000000 (32-bit, prefetchable) [size=128M]
Memory at efee0000 (32-bit, non-prefetchable) [size=128K]
I/O ports at cc80 [size=128]
Expansion ROM at <unassigned> [disabled]
Capabilities: [40] Power Management version 1
Capabilities: [50] AGP version 2.0
Dmesg
Mostra as mensagens do kernel, da identificação do hardware em diante. Essa informação está
disponível em /var/log/dmesg e /var/log/messages.
Exemplo de dmesg:

8
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

# dmesg
(...)
ttyS0 at I/O 0x3f8 (irq = 4) is a 16550A
parport0: PC-style at 0x378 (0x778) [PCSPP(,...)]
parport0: irq 7 detected
lp0: using parport0 (polling).
io scheduler noop registered
io scheduler anticipatory registered
io scheduler deadline registered
io scheduler cfq registered
Floppy drive(s): fd0 is 1.44M
(...)

Objetivo 1.101.3: Configuração de Modems e Placas de som


Peso: 1

Modems
Para utilizar um modem externo, tudo que precisa ser considerado é a porta serial a qual ele está
conectado. Se o modem for PCI interno, precisar-se-á saber qual é a porta I/O e a interrupção
utilizadas pelo mesmo. Isso pode ser conseguido com o comando lspci -v.
Para configurar a porta serial do modem interno, usa-se o comando setserial. Para checar se uma
porta serial está em uso, usa-se setserial -g dispositivo.
Checando portas serias com setserial:
# setserial -g /dev/ttyS[0123]
/dev/ttyS0, UART: 16550A, Port: 0x03f8, IRQ: 4
/dev/ttyS1, UART: unknown, Port: 0x02f8, IRQ: 3
/dev/ttyS2, UART: unknown, Port: 0x03e8, IRQ: 4
/dev/ttyS3, UART: unknown, Port: 0x02e8, IRQ: 3
No caso do exemplo, apenas a primeira porta serial (/dev/ttyS0) está em uso. Às demais podem
ser atribuídos os valores de recursos do modem conseguidos através do comando lspci -v.
Por exemplo, se os valores relativos ao modem forem I/O 0xdc80 e IRQ 9 pode-se atribuir esses
valores à porta /dev/ttyS3, que está livre:
# setserial /dev/ttyS3 port 0xdc80 irq 9 autoconfig
e cria-se um link simbólico /dev/modem para /dev/ttyS3:
# ln -s /dev/ttyS3 /dev/modem
O comando setserial também é usado para controlar a velocidade da porta serial.
Usar /dev/ttyS3 a 115kb:
# setserial /dev/ttyS3 spd_vhi
Argumentos setserial de velocidade:
spd_hi
56kb quando solicitado for 38.4
spd_vhi

9
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

115kb quando solicitado for 38.4


spd_shi
230kb quando solicitado for 38.4
spd_warp
460kb quando solicitado for 38.4
spd_cust
Usar um divisor diferente quando solicitado for 38.4. A velocidade será o valor do argumento
baud_base dividido pelo valor do argumento divisor.
spd_normal
38.4kb quando solicitado for 38.4
A configuração do modem para fazer ligações dial-up pode ser feita através do utilitário wvdial ou
do minicom.
O script wvdialconf busca por um modem nas portas seriais e USB automaticamente e gera o
arquivo /etc/wvdial.conf. Editando este arquivo com as informações sobre o provedor de
internet, a ligação é feita com o wvdial:
# wvdial <nome do provedor>
No minicom, os processos de configuração, discagem e autenticação são feitos manualmente, na
janela do terminal do programa. Para configurar o modem, o minicom deve ser iniciado no modo de
configuração:
# minicom -s
Diferente do wvdial, o minicom não executa o pppd automaticamente, cabendo ao usuário fazê-
lo para criar a interface de rede e à ela um número IP. Esses procedimentos serão abordados mais
profundamente no no tópico 112 do exame 102, objetivo 1.112.4: Configurar o GNU/Linux com um
cliente PPP.
Se não foi possível a comunicação com o modem através desses procedimentos e o modem está
devidamente conectado à máquina, muito provavelmente trata-se de um winmodem. Winmodems são
dispositivos dependentes de software adicional muitas vezes desenvolvido exclusivamente para
plataforma MS-Windows®. Dessa forma, se esse software específico não estiver disponível também
para GNU/Linux, o modem não funcionará.

Placas de Som
Há dois tipos principais de suporte a placas de som no GNU/Linux, OSS (Open Sound System) e
ALSA (Advanced Linux Sound Architeture).
Para encontrar o dispositivo de som:
# lspci | grep -i audio
00:0f.0 Multimedia audio controller: C-Media Electronics Inc CM8738 (rev 10)
Caso o dispositivo não pôde ser encontrado dessa forma, toda a saída de dmesg e lspci pode ser
consultada para procurar o dispositivo correspondente ao áudio.
Identificada a placa, é possível carregar o módulo correspondente, seja ele OSS ou ALSA. A entrada
em /etc/modules.conf referente ao primeiro dispositivo de áudio encontrado é sound-slot-

10
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

0. Para carregar automaticamente a placa através do /etc/modules.conf, adicione neste


arquivo a linha
alias sound-slot-0 <nome do módulo>
Informações mais aprofundadas sobre a instalação e carregamento de módulos do kernel serão
abordadas no tópico 105 do exame 102: Kernel.

Objetivo 1.101.4: Configuração de Dispositivos não IDE


Peso: 1

Dispositivos SCSI (scuzzy)


Há dois tipos de dispositivos SCSI:
✔ 8 bit: 8 dispositivos incluindo o controlador.
✔ 16 bit: 16 dispositivos incluindo o controlador.
Dispositivos SCSI são identificados através de um conjunto de três números chamado SCSI_ID:
1. O Canal SCSI. Cada adaptador SCSI suporta um canal de dados no qual são anexados os
dispositivos SCSI. São numerados a partir de zero.
2. O ID do dispositivo. A cada dispositivo é atribuído um número ID único alterável através de
jumpers. A gama de IDs vai de 0 a 7 em controladores de 8 bit e de 0 a 15 em controladores
de 16 bit. O ID do controlador costuma ser 7.
3. O número lógico da unidade (LUN). É usado para determinar diferentes dispositivos dentro
de um mesmo alvo SCSI. Pode indicar uma partição em um disco ou um dispositivo de fita
específico em um dispositivo multi-fita. Hoje não é muito utilizado pois adaptadores SCSI
estão mais baratos e podem comportar mais alvos por barramento.
Todos dispositivos SCSI são listados em /proc/scsi/scsi:
# cat /proc/scsi/scsi
Attached devices:
Host: scsi1 Channel: 00 Id: 00 Lun: 00
Vendor: HL-DT-ST Model: RW/DVD GCC-4521B Rev: 1.00
Type: CD-ROM ANSI SCSI revision: 02
O comando scsi_info usa as informações deste arquivo para mostrar o SCSI_ID e o modelo do
dispositivo solicitado:
# scsi_info /dev/scd0
SCSI_ID="0,0,0"
HOST="1"
MODEL="HL-DT-ST RW/DVD GCC-4521B"
FW_REV="1.00"
Por padrão, o dispositivo SCSI de boot é o de ID 0, o que pode ser alterado na BIOS SCSI. Se
existirem tanto dispositivos SCSI quanto IDE, a ordem do boot precisa ser especificada na BIOS da
máquina.

11
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

Objetivo 1.101.5: Configuração de Placas de Expansão


Diversas
Peso: 3
A configuração de placas de expansão diversas engloba os aspectos abordados nos objetivos
anteriores, mais um conhecimento mais sólido sobre coldplug, hotplug e inspeção de hardware.
Em linhas gerais, coldplug significa a impossibilidade de se conectar dispositivo sem a necessidade
de desligar a máquina. Exemplos de dispositivos coldplug são placas PCI, ISA e dispositivos IDE. Na
maioria dos computadores, CPU e pentes de memória são coldplug. Porém, alguns servidores de alta
performance suportam hotplug para esses componentes.
Hotplug é o sistema que permite conectar novos dispositivos à máquina em funcionamento e usá-los
imediatamente, como no caso de dispositivos USB. O sistema Hotplug foi incorporado ao núcleo do
modelo de driver do kernel 2.6, assim qualquer barramento ou classe pode disparar eventos hotplug
quando um dispositivo é conectado ou desconectado. Assim que um dispositivo é conectado ou
desconectado, o hotplug dispara um evento correspondente, geralmente trabalhando junto do sub-
sistema udev, que atualiza os os arquivos de dispositivos em /dev.
O hotplug precisa estar liberado no kernel, através da opção CONFIG_HOTPLUG. Dessa forma,
haverá o arquivo /proc/sys/kernel/hotplug contendo o caminho para o programa hotplug
(normalmente em /sbin/hotplug). A ação tomada pelo hotplug dependerá do nome do agente
passado pelo kernel (nomes de agentes podem ser “usb”, “pci”, “net”, etc.). Para cada agente existe
um script correspondente em /etc/hoplug/, que se encarrega de configurar corretamente o
dispositivo no sistema.
Mesmo alguns dispositivos coldplug são configurados pelo sistema hotplug. Na hora do boot, o script
/etc/init.d/hotplug (ou /etc/rc.d/rc.hotplug no slackware) dispara os agentes em
/etc/hotplug/ para configurar aqueles dispositivos presentes antes da máquina ser ligada.

Objetivo 1.101.6: Configuração de Dispositivos de


Comunicação
Peso: 1

ISDN
Há várias maneiras de se usar ISDN no GNU/Linux. A mais simples é empregar um dispositivo ISDN
externo que disca, autentica e abre a sessão sozinho, disponibilizando a conexão pela interface
ethernet. Se o computador está ligado diretamente à conexão ISDN, é necessário um dispositivo
chamado Terminal Adapter (TA).
Em TAs conectados à porta serial e em alguns dispositivos USB, aparecerá uma interface de
comandos AT exatamente como se o TA fosse um modem. É simples porém pouco eficiente.
Outra maneira mais eficiente de usar uma linha ISDN é usar um adaptador (PCI, ISA, PCCARD)
conectado diretamente ao barramento da máquina. O utilitário isdn4linux incorpora muitos dos
percalços de uma conexão ISDN e a estabelece com se fosse uma interface de rede convencional.

12
Tópico 101: Hardware e Arquitetura

DSL
Como na conexão ISDN, o mais simples é que um dispositivo DSL externo estabeleça a conexão e aja
como um roteador para a máquina. Se você possui um modem DSL e seu provedor usa PPPoE (Point
to Point Protocol over Ethernet) você precisará de um cliente PPPoE. Neste caso, a ferramenta de
conexão para DSL é o pppoe.

Objetivo 1.101.7: Configuração de Dispositivos USB


Peso: 1
Dispositivos para interface USB (Universal Serial Bus) são divididos em classes:
✔ Display Devices
✔ Communication Devices
✔ Audio Devices
✔ Mass Storage Devices
✔ Human Interface Devices (HID)
A porta USB é operada por um controlador (Host Controller):
✔ OHCI (compaq)
✔ UHCI (intel)
✔ EHCI (USB v2.0)
Uma vez conectados, os dispositivos USB podem ser inspecionados com o comando lsusb.
# lsusb
Bus 002 Device 003: ID 05a9:a511 OmniVision Technologies, Inc. OV511+ WebCam
Bus 002 Device 002: ID 0f2d:9308 ViPower, Inc.
Bus 002 Device 001: ID 0000:0000
Bus 001 Device 001: ID 0000:0000
As informações detalhadas sobre os dispositivos USB conectadas são armazenadas no arquivo
/proc/bus/usb/devices.
O controle dos dispositivos USB é feito pelo hotplug. Etapas executadas quando uma câmera USB é
conectada ao computador:
1. Os módulos USB do kernel identificam o evento USB e a ID vendor:product
2. Esses dados são passados para /sbin/hotplug (ou outro, se o indicado em
/proc/sys/kernel/hotplug não for o padrão)
3. O agente USB respectivo (/etc/hotplug/usb.agent) associa o dispositivo ao produto
correspondente. A relação entre dispositivo e módulo consta no arquivo
/etc/hotplug/usb.distmap.
O primeiro estágio envolve procedimentos do kernel, enquanto o segundo e terceiro estágio envolvem
o mecanismo do hotplug. O mapa USB correto precisa estar disponível para iniciar corretamente o
dispositivo.

13
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e
Administração de Pacotes
Objetivo 1.102.1: Criação de Esquemas de Partições de Disco
Peso: 5
Para acessar recursos em disco o sistema utiliza um mecanismo chamado montagem. Em sistemas
UNIX, significa anexar um disco a um diretório, chamado ponto de montagem. Para o usuário, os
recursos aparecem como uma árvore de diretórios e subdiretórios.
A raiz da árvore de diretórios é representada por uma barra “ / ”. É necessariamente o primeiro
diretório a ter um dispositivo anexado. Depois de montada a raiz, os diretórios contidos neste
dispositivo poderão ser pontos de montagem para outros dispositivos.
Processo de montagem:
1. O carregador de boot carrega o kernel e transmite as informações sobre a localização do
dispositivo raiz.
2. Os demais dispositivos são montados conforme as instruções encontradas em /etc/fstab.
Etapas da criação do layout de disco:
✔ Criar partições de tamanho específico
✔ Escolher o sistema de arquivos
✔ Determinar um ponto de montagem para cada partição
Duas partições é o mínimo exigido em sistemas GNU/Linux, uma que será a raiz “ / ” e outra que
será a partição de troca swap. Muitas vezes, pode haver um terceira partição pequena, no início do
disco, apenas para armazenar o kernel e o carregador de boot secundário. Fora essas, não há regras
inflexíveis quanto à criação de partições, devendo ser avaliado o melhor esquema para a função que o
sistema desempenhará.
A partição raiz deve ser do tipo Linux Native, cujo código é 83 (0x83). Tudo no sistema poderá
existir diretamente no dispositivo raiz. No entanto, certos tipos de arquivos são processados de formas
bem distintas de outros arquivos. Em certos casos, é interessante criar uma partição distinta para certo
diretório, principalmente em servidores que são muito exigidos. Essa estratégia também impede que
os dados no disco se fragmentem muito.
Outra questão é o backup. Enquanto certos arquivos não necessitam de backup, outros exigem-no.
Mesmo dentre os quais é realizado o backup, alguns são pouco alterados durante um determinado
período enquanto que outros são constantemente alterados ou criados. A criação de partições
diferentes para cada diretório que comporte um tipo distinto de arquivos facilita as operações de
criação e recuperação de backup.
Sugestões de diretórios que podem estar em outros dispositivos/partições:
/var
Este diretório contém os as filas de email e impressão, que são muito manipuladas. Há
também os arquivos de log, cujo conteúdo está em constante alteração e crescimento.
/usr
Programas, códigos fonte e documentação. O ciclo de alteração desses arquivos é longo.

15
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

/tmp
Espaço temporário utilizado por programas. Uma partição distinta para /tmp impedirá que
dados temporários ocupem todo o espaço no diretório raiz, causando travamento do sistema.
Não necessita de backup.
/home
Diretórios pessoais do usuário. Uma partição distinta ajuda a limitar o espaço disponível para
usuários comuns.
/boot
Ponto de montagem para a partição do kernel e do carregador de boot. Necessário apenas caso
o sistema exija que o kernel esteja antes do cilindro 1024 do disco.

A Partição Swap
Uma partição é swap é identificada pelo código 82 (0x82), atribuído quando da sua criação.
Geralmente, a partição swap é do mesmo tamanho que o montante de memória RAM no sistema. Para
servidores, esses número pode ser maior. Uma partição swap muito maior que isso provavelmente não
terá o espaço excedente utilizado. É possível haver mais de uma partição de swap.
É preferível criar partições de swap nos dispositivos mais rápidos, se possível em dispositivos
distintos daqueles que têm seus dados muito acessados pelo sistema.
Também é possível criar grandes arquivos como área de swap, o que é geralmente feito em situações
emergenciais, quando o sistema ameaça ficar sem memória disponível:
# dd if=/dev/zero of=emerg.swp bs=1024k count=32
32+0 registros de entrada
32+0 registros de saída
# mkswap emerg.swp
Setting up swapspace version 1, size = 33550 kB
no label, UUID=543baaad-d660-4a5d-881d-fb7f1485b992
# swapon emerg.swp
# cat /proc/swaps
Filename Type Size Used
Priority
/dev/hda2 partition 160640 39760 -1
/root/emerg.swp file 32760 0 -2

Objetivo 1.101.2: O Gerenciador de Boot


Peso: 1
A MBR (Master Boot Record) ocupa o primeiro setor do disco (512 bytes). Este primeiro setor
contém a tabela de partições e o carregador de boot. Terminado os procedimentos da BIOS, o
carregador de boot é disparado, que por sua vez procura na tabela de partições uma partição ativa e
carrega o primeiro setor dessa partição.

LILO
O LILO (Linux Loader) é dividido em três componentes:
✔ lilo – o carregador propriamente. É instalado na MBR e carrega o boot loader de segundo
estágio, geralmente localizado em /boot/boot.b

16
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

✔ /etc/lilo.conf – arquivo de configuração para o lilo. Principais opções em


/etc/lilo.conf:
➢ boot – Onde o lilo deve ser instalado. Geralmente na MBR, em /dev/hda.
➢ install – O carregador de segundo estágio (/boot/boot.b é o padrão).
➢ prompt – Oferece ao usuário a escolha do SO a iniciar.
➢ default – Rótulo do dispositivo iniciado por padrão. Se não houver, o primeiro listado em
/etc/lilo.conf será escolhido.
➢ timeout – Associado a prompt, especifica a espera em décimos de segundo.
➢ image ou other – kernel ou dispositivo a ser carregado (usar “other” para outros
sistemas). No início do processo de boot, apenas os primeiros 1024 cilindros do disco
estarão acessíveis ao carregador de boot. Portanto, é importante certificar-se de que a
partição contendo o kernel (geralmente pequena, montada em /boot) esteja abaixo deste
limite de 1024 cilindros)
➢ label – Rótulo para a imagem de kernel
➢ root – localização do dispositivo contendo o sistema de arquivos raiz.
➢ read-only – monta a raiz como somente leitura, para o fsck agir apropriadamente
➢ append – passa parâmetros para componentes compilados estaticamente no kernel
➢ linear/lba32 – obriga o lilo a ler o disco usando endereçamento de bloco linear. A opção
“linear” é geralmente usada para discos muito grandes e “lba32” para permitir que o lilo
leia além dos primeiros 1024 cilindros do disco. Essas opções não são aconselháveis.
➢ message – especifica um arquivo contendo uma mensagem a ser mostrada no painel de
boot do lilo.
➢ delay – tempo de espera para que o usuário invoque o prompt, caso este não for invocado
automaticamente.
➢ vga – valor numérico especificando as preferências visuais do terminal
✔ /sbin/lilo – O utilitário que lê as configurações em /etc/lilo.conf e instala o
carregador de boot. Deve ser executado toda vez que uma alteração for feita ao
/etc/lilo.conf
Exemplo de /etc/lilo.conf:
boot = /dev/hda
message = /boot/boot_message.txt
delay = 4
timeout = 110
vga = 788
image = /boot/vmlinuz
root = /dev/hda3
label = Linux
read-only
other = /dev/hda1
label = Windows
table = /dev/hda

17
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

GRUB
O grub (Grand Unified Bootloader) é uma alternativa ao lilo. Também é instalado na MBR; pelo
comando /sbin/grub ou pelo /sbin/grub-install, que obtém as instruções de
/boot/grub/grub.conf.
Principais seções de /boot/grub/grub.conf:
✔ global
➢ default – imagem de boot padrão (começa por 0)
➢ timeout – tempo de espera para iniciar o boot, em segundos
✔ imagem
➢ title – nome para a imagem
➢ root – localização do carregador de segundo estágio e do kernel (hd0,0 = /dev/hda)
➢ kernel – caminho para o kernel à partir de root
➢ ro – read-only
➢ initrd – caminho para a imagem initrd
Diferente do lilo, o comando grub-install não precisa ser executado toda vez que forem
feitas alterações ao arquivo /boot/grup/grub.conf. Uma vez instalado, o carregador de boot
do grub lê o arquivo /boot/grub/grub.conf diretamente.

Dispositivos de Boot Alternativos


Um disquete de boot será importante caso a MBR do disco tenha sido alterada e o sistema esteja
inacessível. Mesmo com a maioria dos Kernels atuais não mais cabendo num disquete, ainda assim é
possível criar um disquete de boot com o lilo.
Primeiro, o disquete deverá ser formatado e ter um sistema de arquivos:
# fdformat /dev/fd0h1440
Usando o sistema de arquivos minix:
# mkfs -t minix /dev/fd0
Montando o disquete:
# mount /dev/fd0 /mnt/floppy
É necessário criar um arquivo de configuração do lilo alternativo, como /boot/lilo.floppy,
contendo as informações necessárias para criação do disquete de boot:
boot = /dev/fd0 # O dispositivo de disquete
map = /mnt/floppy/map
compact
image = /boot/vmlinuz # Substituir para o kernel do sistema
root = /dev/hda3 # Substituir para a partição raiz do sistema
read-only
Agora o lilo pode ser instalado no disquete, usando o arquivo de configuração criado:
# lilo -C /boot/lilo.floppy
Desmontar o disquete:

18
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

# umount /mnt/floppy
O disquete de boot está pronto. É importante lembrar que disquetes de boot criados dessa forma só
funcionaram na própria máquina onde foram feitos. Caso sejam feitas alterações no kernel ou
localização da partição raiz, as configurações deverão ser adequadas e o lilo reinstalado no disquete.
A maioria das distribuições GNU/Linux fornece Cds de boot para instalação do sistema. Esses
mesmos Cds podem ser usados para acessar e dar boot num sistema já instalado e que possa estar
inacessível por uma falha do carregador de boot. Para iniciar um sistema já instalado, os seguintes
parâmetros são passados no prompt de boot:
boot: linux root=/dev/hda3 noinitrd ro
Onde “linux” é o nome do kernel e “/dev/hda3” é a partição raiz. Já dentro do sistema, é
possível reinstalar o carregador de boot.
Geralmente será necessário alterar a seqüência dos dispositivos de boot no BIOS da máquina sempre
que um dispositivo de boot alternativo for utilizado.
Para fazer o backup da MBR, basta copiar os primeiros 512kb do disco, o que pode ser feito usando o
comando dd:
# dd if=/dev/hda of=mbr.backup bs=1k count=512
Este backup pode ser guardado num disquete e depois restaurado para a MBR:
# dd if=mbr.backup of=/dev/hda

Objetivo 1.102.3: Compilar e Instalar Programas a partir do


Código Fonte
Peso: 5

Compressão e Descompressão de Arquivos


A maioria dos programas distribuídos em código fonte apresentam-se na forma de arquivos tar (tape
archiver) comprimidos. Arquivos tar são vários arquivos aglutinados em um só, o que facilitaa
distribuição.
Tipos de compactação:
Compressão Descompressão Descompressão “cat” Extensão
compress uncompress zcat .Z
gzip gunzip zcat .gz
gzip2 bunzip2 bzcat .bz2
Os comandos zcat e bzcat descomprimem para a saída padrão, ou seja, jogam o conteúdo
descomprimido na tela do terminal. Detalhes sobre o que é a saída padrão e como utilizá-la no tópico
103, objetivo 1.103.4: Usar fluxos, canalização e redirecionamentos.
Essas ferramentas de compressão não concatenam arquivos, por isso são utilizadas junto com o
comando tar. Para facilitar esse procedimento, a compressão e descompressão podem ser feitas
diretamente pelo comando tar, através dos argumentos:
✔ Z → compress

19
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

✔ z → gzip
✔ j → bzip2
Criar um arquivo tar “programa.tar.bz2” contendo o diretório ./programa/ e seu conteúdo,
compactando com bzip2:
$ tar cjf programa.tar.bz2 ./programa/

Extrair esse arquivo:


$ tar xjf programa.tar.bz2
Como mostrado no exemplo, o argumento c indica criação de arquivo, x extração de arquivo e f o
nome do arquivo.

Compilar e Instalar Programas


O primeiro passo para instalar um programa em código fonte distribuído no formato tar é extraí-lo:
$ tar xjvf sylpheed-2.0.4.tar.bz2
Este comando criará o diretório ./sylpheed-2.0.4/, contendo o código fonte do programa e as
ferramentas de configuração.
A configuração pré-compilação é feita dentro desse diretório, por um script chamado configure.
Este script coleta informações sobre a arquitetura do sistema, caminhos de comandos, bibliotecas
compartilhadas, características de funcionamento do programa, etc.
Em geral, o configure pode ser invocado sem argumentos na forma:
$ ./configure
Uma opção bastante utilizada é --prefix , que informa em qual diretório base o programa deverá
ser instalado. Por exemplo:
$ ./configure --prefix=/opt
Indica que o diretório base da instalação será /opt. O script configure possui muitas opções de
personalização da instalação. A lista descritiva completa das opções pode ser vista usando
$ ./configure --help
As informações coletadas pelo script configure são armazenadas em um arquivo no mesmo diretório
chamado makefile. Este arquivo pode ser editado para alterar as opções de instalação, como a
variável prefix, que desempenha a mesma função do argumento --prefix do script configure, e
outras variáveis que indicam a localização de bibliotecas, comandos, características do programa, etc.
Terminada a configuração, o programa pode ser compilado através do comando make. Make criará
as bibliotecas e arquivos executáveis conforme as opções existentes no makefile. Após o término
da compilação, que pode levar algum tempo dependendo do tamanho e tipo do programa, o programa
está pronto para ser instalado
# make install
Se o diretório base de instalação não estiver no diretório pessoal do usuário, esse comando deverá ser
executado com permissões de super usuário (root). Mesmo estando o diretório base de instalação fora
do diretório pessoal do usuário, é recomendado executar ./configure e make como usuário
comum.

20
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

Objetivo 1.102.4: Bibliotecas Compartilhadas


Peso: 3
Funções comuns e compartilhadas por diferentes programas são armazenadas em bibliotecas. Durante
a compilação de um programa, essas bibliotecas específicas são ligadas ao programa que as usará.
A ligação pode ser estática ou dinâmica, ou seja, as funções da biblioteca poderão estar embutidas
no programa compilado ou apenas mapeadas para a biblioteca externa. Programas estáticos não
dependem de arquivos externos e programas dinâmicos são menores e poupam recursos da máquina.
O programa encarregado de carregar a biblioteca e ligar ao programa que dela depende é o ld.so.
Para que o ld.so possa localizar a biblioteca da qual um programa depende, esta deverá estar
mapeada em /etc/ld.so.cache. As localidades comuns de bibliotecas de sistema são /lib e
/usr/lib. Para acrescentar um diretório ao ld.so.cache, o arquivo /etc/ld.so.conf é usado:
Exemplo de /etc/ld.so.conf
/usr/local/lib
/usr/X11R6/lib
/usr/i486-slackware-linux/lib
/usr/lib/qt/lib
Para atualizar o /etc/ld.so.cache após as alterações em /etc/ld.so.conf, é utilizado o
comando ldconfig. A execução do ldconfig é fundamental para que as alterações em
/etc/ld.so.conf repercutam no funcionamento do ld.so.
Outra maneira de deixar uma localidade de biblioteca ao alcance do ld.so é adicionar seu o
respectivo caminho à variável de ambiente LD_LIBRARY_PATH
# export LD_LIBRARY_PATH=/usr/local/lib
Esse método, porém, garante apenas o acesso temporário do ld.so ao diretório em questão. Não
funcionará fora do escopo da variável de ambiente e quando a variável deixar de existir, mas é um
método útil para usuários sem permissão para atualizar o /etc/ld.so.cache ou para execução
pontual de programas.

Objetivo 1.102.5: Administração de Pacotes Debian (.deb)


Peso: 8
Objetivo ainda não abordado. Maiores detalhes sobre administração de pacotes debian em
http://www.debian.org/doc/manuals/reference/ch-package.pt-br.html.

Objetivo 1.102.6: Administração de Pacotes RedHat (.rpm)


Peso: 8
A maioria dos pacotes rpm é nomeada no formato:
nome-versão-release.arquitetura.rpm

Modos Maior e Menor


Algumas abreviações de opções são parecidas mas realizam diferentes ações dependendo de sua
posição na linha de comando. A distinção é feita a partir da primeira opção da esquerda para a direita.

21
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

O primeiro argumento passado ao comando rpm é chamada argumento modo maior. As demais são
as opções de modo menor.
Opções de modo maior para o rpm:
-i → Ou --install. Instala o pacote
-U → Ou --update. Atualiza ou instala o pacote
-F → Ou --freshen. Atualiza o pacote apenas se o mesmo estiver instalado
-V → Ou --verify. Verifica o tamanho, MDB, permissões, tipo,integridade, etc.
-q → Ou --query. Investiga pacotes e arquivos
-e → Ou --erase. Desinstala o pacote
Opções de modo menor para o rpm
a → Aplica em todos pacotes instalados
c → Com “q” lista arquivos de configuração
d → Com “q” lista arquivos de documentação
f → Com “q” verifica qual pacote instalou o arquivo referido
h → Mostra progresso visual da instalação
i → Com “q” lista informações sobre o pacote
l → Com “q” lista todos arquivos e diretórios do pacote
p → Com “q” indica que a investigação é realizada no arquivo .rpm
v → Modo descritivo
Outras opções
--nodeps
Instala o pacote sem checar as dependências
--force
Força a instalação/atualização
--test
Mostra como seria a instalação mas não instala
--requires
Com “q”, mostra as exigências para o pacote especificado
--whatrequires
Com “q”, mostra quais dependem do pacote especificado

Assinaturas de Pacotes
É possível checar a assinatura de todo pacote distribuído como parte de um projeto. Se a distribuição
for Fedora, por exemplo, as chaves são incorporadas ao banco de dados do rpm com o comando
# rpm --import /usr/share/rhn/RPM-GPG-KEY-FEDORA

22
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

Assim, todo pacote copiado do servidor fedora pode ser checado:


# rpm --checksig <nome do pacote>

Integridade do Pacote
A integridade do pacote é checada usando a opção -V. A opção -Va checa todos os pacotes. A
análise é feita tendo como referência os arquivos originais do pacote.
Significado dos caracteres retornados pela verificação:
. → Teste bem sucedido
? → O teste não pôde ser realizado
S → O tamanho do arquivo mudou
M → A permissão ou o tipo do arquivo mudou
5 → A soma MD5 do arquivo é diferente
D → O dispositivo foi modificado
L → O link simbólico foi modificado
U → O dono do arquivo mudou
G → O grupo do arquivo mudou
T → A data do arquivo mudou

Arquivos e Diretórios Pertinentes ao rpm


/etc/rpmrc
É o arquivo de configuração do rpm e do rpmbuild. Contém informações sobre a arquitetura
do sistema e os caminhos para macros e diretórios utilizados no manejo de pacotes. Este
arquivo é também encontrado em /usr/lib/rpm/
/usr/lib/rpm/*
Diretório contendo as macros necessárias para o manejo de pacotes.
/var/lib/rpm/
Diretório onde se situam as bases de dados do rpm

Exemplos de uso do rpm


Instalar um pacote:
# rpm -ivh xyz.rpm

Instalar todos pacotes iniciados por xyz


# rpm -ivh xyz*

Atualizar um pacote:
# rpm -Uvh xyz.rpm

23
Tópico 102: Instalação do GNU/Linux e Administração de Pacotes

Desinstalar pacote chamado xyz


# rpm -e xyz

Mostra os arquivos contidos no pacote


# rpm -qlp xyz.rpm

Mostra que pacote instalou o arquivo abc.efg


# rpm -qf abc.efg

24
Tópico 103: Comandos GNU e Unix
Objetivo 1.103.3: Trabalhando na Linha de Comando
Peso: 5
A maneira mais direta de interagir com o computador é usando a linha de comando. O prompt do
shell (terminando em $ ou # para o usuário root) indica que está pronto para receber instruções.
O shell é o ambiente que faz o intermédio entre o usuário e os recursos do computador, como um
ambiente de programação em tempo real para executar tarefas. O shell padrão no GNU/Linux é o
bash (Born Again Shell). Os procedimentos aqui mostrados se referem ao bash.
As instruções do shell geralmente seguem o formato: comando [opções] {argumentos}
Alguns comandos embutidos do shell:
alias
Cria um codinome para um comando, no formato
$ alias codinome='nome_do_programa --opções'
É útil para facilitar a entrada de comandos recorrentes que levam muitos argumentos. Usar alias
sem argumentos mostra quais aliases existem e seus conteúdos.
exec
O comando iniciado através de exec não se torna um processo filho do shell, mas toma seu lugar.
Dessa forma, o shell é finalizado quando o comando terminar.
O shell interpreta a primeira palavra na linha de comando como um comando. O caminho completo
ou relativo para o comando precisa ser fornecido, a menos que o comando esteja localizado em um
dos diretórios contidos na variável de ambiente PATH. Se o programa encontra-se no diretório de
trabalho atual e fora dos diretório contidos em PATH, ele precisará ser invocado começando por ./ :
$ ./programa_local

Variáveis
As variáveis usadas no shell são semelhantes às usadas em linguagens de programação. Nomes de
variáveis são limitadas a caracteres alfanuméricos.
Criar/Modificar uma variável (espaços não devem ser usados):
$ nome_da_variável=valor_da_variável

O valor de uma variável é retornado acrescentando “$” ao seu nome:


$ echo $nome_da_variável
valor_da_variável
Há dois tipos de variáveis: locais e exportadas
Locais
Acessível apenas no shell atual.
Exportadas
Acessível no shell e pelos processos iniciados neste shell.

25
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

Todas as variáveis são listadas usando o comando set. Para ver apenas as variáveis exportadas, usa-
se env.
Exemplo de set:
# set
(...)
OSTYPE=linux-gnu
PATH=/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/sbin:/usr/sbin:/bin:/usr/bin:/usr/X11R6/bi
n
PIPESTATUS=([0]="0")
PPID=16226
PS1='\u@\h:\w\$
PS2='> '
PS4='+ '
PWD=/root
QTDIR=/usr/lib/qt
SHELL=/bin/bash
(..)

Exemplo de env:
# env
(...)
PATH=/usr/local/sbin:/usr/local/bin:/sbin:/usr/sbin:/bin:/usr/bin:/usr/X11R6/bi
n
LC_COLLATE=C
PWD=/root
INPUTRC=/etc/inputrc
JAVA_HOME=/usr/lib/java
LANG=pt_BR
(...)
Se uma variável pode ser acessada por qualquer processo ou shell, é chamada de variável global.

Variáveis pré-definidas
DISPLAY
Usado pelo X para saber onde executar os aplicativos clientes
HISTFILE
Caminho para o histórico de comandos do usuário (geralmente $HOME/.bash_history)
HOME
Caminho para o diretório pessoal do usuário
LOGNAME
O nome que o usuário usou para entrar no sistema
PATH
Lista de diretórios nos quais programas serão procurados caso tenham sido solicitados sem o
caminho completo ou relativo
PWD
O diretório atual

26
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

SHELL
O shell utilizado (neste caso, /bin/bash)
TERM
O tipo de emulador de terminal utilizado

Variáveis especiais
$! → PID do último processo filho
$$ → PID do shell atual
$? → Retorna 0 se o último comando foi bem sucedido, caso contrário retorna 1
~ → Corresponde ao diretório pessoal do usuário atual
~alaor → Corresponde ao diretório pessoal do usuário chamado “alaor”

Histórico de comandos
Para mostrar o histórico de comandos digitados pelo usuário atual, usa-se o comando history.
History é um comando embutido do bash.
É possível usar atalhos no estilo do emacs para listar o histórico:
Ctrl+p → Linha anterior
Ctrl+n → Próxima linha
Ctrl+b → Volta um caracter
Ctrl+f → Avança um caracter
Ctrl+a → Começo da linha
Ctrl+e → Fim da linha
Outros atalhos:
!! → roda o último comando
!a → roda o último comando que começa pela letra “a”
!2 → roda o comando na 2ª posição do histórico
!-2 → roda o penúltimo comando
^termo1^termo2 → roda o último comando substituindo “termo1” por “termo2”
O arquivo ~/.profile contém personalizações do bash para o usuário, como aliases e variáveis
particulares.
Exemplo de entrada em ~/.profile :
alias ls='ls --color'
Dessa forma, o alias para ls será permanente.

27
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

Comandos Seqüenciais
Executar três comandos em seqüência, independente do resultado de cada um:
$ Comando1 ; comando2 ; comando3
Executar o comando seguinte apenas se o anterior foi bem sucedido (se retornou 0):
$ comando1 && comando2 && comando3
Executar o comando seguinte apenas se o anterior não foi bem sucedido (se retornou diferente de 0):
$ comando1 || comando2 || comando3

Auto-Completar Comandos e Caminhos


Um recurso que agiliza a digitação de comando e caminhos existentes., utilizando a tecla TAB.
Exemplo: Comando whatis
$ wha<TAB>
$ whatis
Exemplo: caminho /etc/X11/twm
$ ls /e<TAB>/X<TAB>/t<TAB>
$ ls /etc/X11/twm/

Objetivo 1.103.2: Processar Fluxos de Texto Através de Filtros


Peso: 6
Este objetivo se relaciona principalmente ao uso das ferramentas do pacote GNU textutils. São
comando Unix padrão, utilizados para modificar sequências de texto.
cat
É usado para mostrar o conteúdo de arquivos
$ cat /etc/issue
Welcome to \s \r (\l)
Também pode ser usado como um editor de texto rudimentar
$ cat > texto_simples
texto simples
criado com cat
<Ctrl+d> encerra a entrada de texto
Opções comuns do cat:
-n → Numera as linhas
-b → Numera apenas linhas que não estejam em branco
-A → Mostra quebra de linhas
tac
Tem a mesma função do cat, mas mostra o conteúdo de trás para frente:
$ tac texto_simples
criado com cat
texto simples

28
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

head
Mostra o começo de arquivos. Por padrão, as 10 primeiras linhas são mostradas. A quantidade de
linhas a serem mostradas é indicada pela opção -n :
$ head -n 5 /etc/passwd
root:x:0:0::/root:/bin/bash
bin:x:1:1:bin:/bin:
daemon:x:2:2:daemon:/sbin:
adm:x:3:4:adm:/var/log:
lp:x:4:7:lp:/var/spool/lpd:
A opção -c especifica o número de caracteres (bytes) a serem mostrados no lugar de linhas:
$ head -c 5 /etc/passwd
root:
tail
Mostra o final de arquivos. Por padrão, as 10 últimas linhas são mostradas. A quantidade de linhas a
serem mostradas é indicada pela opção -n :
$ tail -n 1 texto_simples
criado com cat
A opção -c especifica o número de caracteres (bytes) a serem mostrados no lugar de linhas. A para
que o fim do arquivo seja mostrado continuamente, a medida que mais texto é adicionado au final do
mesmo, usa-se a opção -f (de follow). O sinal “+” indica que a leitura deve ser feita a partir da linha
de número especificado após o “+”:
$ tail +35 /etc/group
console::101:
messagebus:x:102:
haldaemon:x:103:haldaemon
wc
Conta linhas, palavras ou caracteres, com as opções -l, -w e -c respectivamente. Quando usado sem
argumentos, mostra esses três valores na sequência.
$ wc texto_simples
2 5 29 texto_simples
$ wc -l texto_simples
2 texto_simples
$ wc -w texto_simples
5 texto_simples
$ wc -c texto_simples
29 texto_simples
nl
Numera linhas, como cat -b. O argumento -ba faz numerar todas as linhas. O argumento -bt
apenas as que não estejam em branco
$ nl texto_simples
1 texto simples
2 criado com cat
expand
Substitui espaços de tabulação (TABs) por espaços simples, mantendo a mesma distância aparente.
Contar os caracteres de /etc/fstab e comparar ao mesmo arquivo filtrado por expand:

29
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

$ wc -c /etc/fstab
773 /etc/fstab
$ expand /etc/fstab | wc -c
820
unexpand
Substitui dois ou mais espaços simples por espaços de tabulação (TABs).
hexdump
Mostra arquivos binários. A opção -C torna a saída mais legível, mostrando a coluna de endereço
hexadecimal, seguida pela coluna dos dados do arquivo (valores hexadecimais sequenciais separados
a cada dois bytes) e por último a coluna que mostra esses mesmos bytes no formato ASCII.
Examinando o começo do arquivo /bin/cat:
$ hexdump -C /bin/cat | head
00000000 7f 45 4c 46 01 01 01 00 00 00 00 00 00 00 00 00 |.ELF............|
00000010 02 00 03 00 01 00 00 00 70 8b 04 08 34 00 00 00 |........p...4...|
00000020 90 39 00 00 00 00 00 00 34 00 20 00 07 00 28 00 |.9......4. ...(.|
00000030 19 00 18 00 06 00 00 00 34 00 00 00 34 80 04 08 |........4...4...|
00000040 34 80 04 08 e0 00 00 00 e0 00 00 00 05 00 00 00 |4...à...à.......|
00000050 04 00 00 00 03 00 00 00 14 01 00 00 14 81 04 08 |................|
00000060 14 81 04 08 13 00 00 00 13 00 00 00 04 00 00 00 |................|
00000070 01 00 00 00 01 00 00 00 00 00 00 00 00 80 04 08 |................|
00000080 00 80 04 08 cd 35 00 00 cd 35 00 00 05 00 00 00 |....Í5..Í5......|
00000090 00 10 00 00 01 00 00 00 d0 35 00 00 d0 c5 04 08 |........Ð5..ÐÅ..|
A palavra “ELF” no início da coluna ASCII indica que este é um arquivo executável no formato elf –
Executable and Linkable Format.
split
Divide um arquivo em arquivos menores seguindo critérios como tamanho ou número de linhas. A
opção -l indica o número de linhas de cada parte do arquivo dividido. A opção -b indica qual o
tamanho de cada parte. Um prefixo para as partes pode ser indicado após o nome do arquivo a ser
divido:
Dividir um arquivo em partes de 1024Kb usando o prefixo “parte_”:
$ split -b 1024k “arquivo original” parte_
Esse comando criará arquivos chamados parte_aa, parte_ab, parte_ac, etc. Para concatenar novamente
o arquivo, usa-se cat:
$ cat parte_* > “nome do arquivo”
Será criado um arquivo de conteúdo idêntico ao do arquivo original.
uniq
Mostra o conteúdo de arquivos suprimindo linhas seqüenciais repetidas.
cut
Delimita um arquivo em colunas, em determinado número de caracteres ou por posição de campo.
Mostrar caracteres da posição 1 à 5 de cada linha:

30
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

$ cut -c 1-5 /etc/group


root:
bin::
daemo
sys::
adm::
(...)
Para separar por campo, usa-se a opção -d para especificar o caracter que delimita os campos e -f
para informar a posição do campo.
Mostrar os campos da posição 1 e 3 do arquivo /etc/group, campos que estão separados por
“:”:
$ cut -d ':' -f 1,3 /etc/group
root:0
bin:1
daemon:2
sys:3
adm:4
(...)

Para mostrar outro delimitador no lugar do original, usa-se a opção --output-delimiter:


$ cut -d ':' -f 1,3 /etc/group --output-delimiter ' = '
root = 0
bin = 1
daemon = 2
sys = 3
adm = 4
(...)
paste
Concatena arquivos lado a lado.
$ paste texto_simples texto_simples
texto simples texto simples
criado com cat criado com cat
join
Similar ao paste, mas trabalha especificando campos, no formato join -1 CAMPO -2 CAMPO
“arquivo um” “arquivo dois” Onde CAMPO é o número indicando qual campo nos respectivos
arquivos (primeiro e segundo) deve ser correlacionado.
Exemplo: Relacionar as linhas de arq2 cujo primeiro campo (coluna 1) seja igual ao primeiro
campo de arq2:

31
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

arq1:
1 a1 x1
2 b1 y1
3 c1 z1

arq2:
1 a2 x2
2 b2 y2
3 c2 z2

$ join -1 1 -2 1 arq1 arq2


1 a1 x1 a2 x2
2 b1 y1 b2 y2
3 c1 z1 c2 z2
A primeira coluna do resultado é o campo que foi relacionado, seguido das linhas correspondentes. É
possível delimitar quais campos mostrar, com a opção -o. Essa opção deve ser escrita no formato
N.M, onde N é o número correspondente ao arquivo e M o número correspondente ao campo deste
arquivo. O campo de relação também pode ser referido por 0.
Exemplo: Fazer a mesma relação do exemplo anterior, mostrando apenas o primeiro campo de
arq1 e apenas o segundo de arq2:
$ join -1 1 -2 1 -o '1.2 2.3' arq1 arq2
a1 x2
b1 y2
c1 z2
sort
Ordena alfabeticamente. Com a opção -n ordena numericamente e -r inverte o resultado.
$ sort texto_simples
criado com cat
texto simples
fmt
Formata para determinado número de caracteres por linha. O padrão é 75.
-w → indica o número de caracteres por linha
-s → quebra linhas grandes mas não as preenche
-u → um espaço entre palavras e dois espaços entre sentenças.
pr
Divide o arquivo para impressão. O padrão é 66 linhas por 72 caracteres de largura, modificados por
-l e -w respectivamente.
tr
Converte caracteres. O comando tr lê apenas diretamente via stdin.
Conversão simples de um único caracter:
$ cat texto_simples | tr ' ' '.'
texto.simples
criado.com.cat

Converter letras minúsculas para maiúsculas:

32
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

$ cat texto_simples | tr 'a-z' 'A-Z'


TEXTO SIMPLES
CRIADO COM CAT

Objetivo 1.103.3: Gerenciamento Básico de Arquivos


Peso: 3

Diretórios e Arquivos
Arquivos podem ser acessados tanto por seu caminho absoluto quanto seu caminho relativo.
Caminhos absolutos são aqueles iniciados pela barra da raiz ( / ), e caminhos relativos são aqueles
que tomam por referência o diretório atual. O ponto “.” refere-se ao diretório atual, e “..” refere-se
ao diretório contendo o diretório atual.
O comando ls é usado para listar arquivos e conteúdo de um diretório. A opção -l exibe detalhes
sobre o(s) arquivo(s), -s mostra o tamanho em kilobytes e -d mostra o diretório, e não seu conteúdo.
Exemplo de saída de ls -l:
$ ls -l /etc/X11/xinit/
total 20
-rw-r--r-- 1 root root 321 2006-01-14 17:33 README.Xmodmap
lrwxrwxrwx 1 root root 15 2006-03-20 22:31 xinitrc -> xinitrc.fluxbox
-rwxr-xr-x 1 root root 556 2003-03-16 19:59 xinitrc.blackbox
-rwxr-xr-x 1 root root 560 2006-03-07 03:32 xinitrc.fluxbox
-rwxr-xr-x 1 root root 799 2006-01-14 17:30 xinitrc.twm
-rwxr-xr-x 1 root root 788 2005-07-21 15:27 xinitrc.wmaker
A primeira coluna mostra o tipo e as permissões do arquivo, a segunda coluna mostra o número de
links físicos (hard links) para o arquivo, a terceira e a quarta mostram o dono e o grupo aos quais o
arquivo pertence, a quinta mostra o tamanho em bytes, a sexta e a sétima mostram a data e a hora da
última modificação do arquivo e a oitava coluna mostra o nome do arquivo. Se o arquivo for um link
simbólico, uma seta mostra o arquivo para o qual ele aponta.
O comando cp é utilizado para copiar arquivos. Suas opções principais são:
-i → Modo interativo. Pergunta antes de sobrescrever um arquivo.
-p → Copia também os atributos do arquivo original.
-r → Copiar recursivamente o conteúdo do diretório de origem.
É importante saber que quando copiando um diretório recursivamente, o uso da barra “/” no final do
diretório de origem fará com que apenas o conteúdo do diretório seja copiado/movido para o destino e
o não uso da barra fará com que o diretório de origem e seu conteúdo sejam copiados no destino.
Exemplo de cp:
$ cp tux.xcf icons/
Copia o arquivo “tux.xcf” para o diretório “icons” no diretório atual.
O comando mv move e renomeia arquivos. Usado com a opção -i pede por confirmação antes de
sobrescrever um arquivo de destino.
Exemplo de mv:

33
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

$ mv imagem.jpg ../fotos/
Move o arquivo “imagem.jpg” para o diretório “fotos” que está no mesmo diretório onde está
contido o diretório atual (um nível acima).
Para alterar a data de um arquivo, utiliza-se o comando touch. Usado sem argumentos, touch
altera a data e a hora de criação e modificação de um arquivo para os valores atuais do sistema. Para
alterar apenas a data de modificação, usa-se a opção -m, e para alterar apenas a data de acesso, usa-se
a opção -a. O argumento passado com -t usa outro valor de tempo:
Mudar a data e hora para janeiro, 01 – 00:01
$ touch -t '01010001' texto_simples
$ ls -l texto_simples
-rw-r--r-- 1 luciano users 29 2006-01-01 00:01 texto_simples
No bash, o comando para retornar o diretório atual é o pwd. O comando cd muda para o diretório
especificado ou vai para o diretório pessoal quando nenhum diretório for especificado.
O comando mkdir cria diretórios. Para criar uma árvore de diretórios recursivamente, usa-se a opção
-p:
$ mkdir -p caminho/completo/para/dir
Para alterar as permissões do diretório no ato da criação, as mesmas são transmitidas ao mkdir com
a opção -m.
Criar diretório sem qualquer tipo de acesso para o grupo ou outros:
$ mkdir -m 700 exclusivo
$ ls -ld exclusivo/
drwx------ 2 luciano users 48 2006-03-20 21:42 exclusivo/
Diretórios vazios podem ser apagados pelo comando rmdir. Para apagar uma árvore de diretórios
vazios, usa-se a opção -p.
Para apagar diretórios com conteúdo, usa-se rm -r, e para forçar a remoção, a opção -f é utilizada.

Encontrando Arquivos com o Comando find


Sintaxe do find:
find diretório critério [-exec comando {} \;]
O argumento diretório indica onde o find deve iniciar a busca e critério pode ser o nome do arquivo
/diretório a ser procurado e/ou uma regra para a busca.
Critérios comuns para o find:
-type
Tipo do arquivo (d para diretório, f para arquivo comum e l para link)
-name nome
Nome do arquivo
-user usuário
Dono do arquivo

34
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

-atime -/+n
Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.
-ctime -/+n
Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.
-mtime -/+n
Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.
-amin -/+n
Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-cmin -/+n
Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-mmin -/+n
Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-newer arquivo
O arquivo procurado foi criado/modificado mais recentemente que arquivo.
-perm modo
O arquivo procurado tem permissão mode
-perm -modo
O arquivo procurado tem todos as permissões listadas em mode
-perm +modo
O arquivo procurado tem qualquer das permissões listadas em mode
Exemplo: Encontrar todos os arquivos do tipo link em /usr/lib criados há menos de 24 horas:
$ find /usr/lib -type l -ctime -1
/usr/lib/libssl.so
/usr/lib/libcrypto.so
/usr/lib/libssl.so.0
/usr/lib/libcrypto.so.0

Caracteres Coringa (file globbing)


As operações com arquivos e diretórios permitem o uso de caracteres coringa, que são padrões de
substituição de caracteres.
O caracter “ * ” substitui qualquer seqüência de caracteres:
$ ls /etc/host*
/etc/host.conf
/etc/hosts
/etc/hosts.allow
/etc/hosts.deny
/etc/hosts.equiv
O caracter “ ? ” substitui apenas um caractere:

35
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

$ ls /dev/fd?
/dev/fd0 /dev/fd1 /dev/fd2 /dev/fd3
O uso de colchetes “[]” indica uma lista de caracteres:
$ ls /dev/hd[abc]
/dev/hda /dev/hdb /dev/hdc
Chaves “{}” indicam uma lista de termos separados por vírgula:
$ ls /dev/{hda,fd0}
/dev/fd0 /dev/hda
O uso de exclamação antes de um coringa o exclui da operação:
$ ls /dev/fd[!01]
/dev/fd2 /dev/fd3
Coringas precedidos de barra invertida “ \ ” não desempenham função substitutiva:
$ ls /dev/fd\[\!01\]
ls: /dev/fd[!01]: Arquivo ou diretório não encontrado
Entre aspas duplas, apenas os caracteres especiais “|”, “/” e “$” têm efeito. Entre aspas simples
apenas o caracter especial “\” tem efeito.

Objetivo 1.103.4: Fluxos, Canalização e Redirecionamentos de


Saída
Peso: 5
Processos Unix geralmente abrem três descritores padrão de arquivos, que os permitem processar
entrada e saída de dados. Estes descritores podem ser redirecionados de e para outros arquivos ou
processos. Por padrão, o descritor de entrada (stdin) é o teclado e os descritores de saída padrão
(stdout) e saída de erro (stderr) são a tela do computador. Os valores numéricos para esses descritores
são 0 para stdin, 1 para stdout e 2 para stderr. Os descritores também podem ser acessados através dos
dispositivos virtuais /dev/stdin, /dev/stdout e /dev/stderr.
O fluxo dos dados para redirecionamentos e canalizações numa linha de comando vai da esquerda
para a direita.

Redirecionamento
Para redirecionar a saída padrão de um comando para um arquivo, utiliza-se o símbolo “>” após o
mesmo, que deve indicar o arquivo a ser criado com os dados referidos:
$ cat texto_simples > clone_texto_simples
Se o arquivo existir previamente, será sobrescrito. Para adicionar os valores sem apagar o conteúdo
existente, usa-se “>>”.
Para redirecionar o conteúdo de um arquivo para a entrada padrão de um comando, usa-se “<”. Neste
caso, o fluxo dos dados segue da direita para a esquerda. É especialmente útil para utilizar com
comandos como o tr que não lê arquivos diretamente:
$ tr ' ' '-' < clone_texto_simples
texto-simples
criado-com-cat
O conteúdo redirecionado por padrão é o de stdout. Para especifar stderr usa-se 2>. Para redirecionar

36
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

ambos simultaneamente, usa-se &>.

Canalização
É possível enviar a saída de um comando para a entrada de outro comando simultaneamente,
utilizando o caracter de canalização “|”. É preciso que o programa de origem dos dados os direcione
para a saída padrão. Isso varia para cada programa, e geralmente se dá passando o argumento de
destino como um traço “-” ou simplesmente ocultando o argumento de saída. Da mesma forma,
alguns programas precisam que seja especificada a origem dos dados através de stdin. Todas essas
informações podem ser obtidas consultando o manual do programa.
Exemplo: Extrair a terceira música de um CD com o programa cdparanoia canalizando o áudio
através do programa oggenc para armazenar a música no formato Ogg Vorbis.
$ cdparanoia -d /dev/cdrom 3 - | oggenc - -o 03.ogg
Por fim, é possível redirecionar simultaneamente a saída tanto para um arquivo quanto para stdout,
através do comando tee. Para tal, canaliza-se a saída do comando para o comando tee e a este um
nome de arquivo para armazenar a saída:
$ cat /etc/passwd | tee cópia_passwd
O conteúdo de /etc/passwd será mostrado na tela e copiado no arquivo cópia_passwd.
É possível também usar a saída de um comando como argumento para outro, usando aspas invertidas:
$ ls -dl `cat /etc/ld.so.conf`
drwxr-xr-x 5 root root 7464 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/lib
drwxr-xr-x 2 root root 712 2006-03-17 12:26 /usr/i486-slackware-linux/lib
drwxr-xr-x 2 root root 688 2005-10-29 22:53 /usr/lib/qt/lib
drwxr-xr-x 16 root root 7272 2006-03-21 02:49 /usr/local/lib
Resultado idêntico é conseguido usando $():
$ ls -dl $(cat /etc/ld.so.conf)
drwxr-xr-x 5 root root 7464 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/lib
drwxr-xr-x 2 root root 712 2006-03-17 12:26 /usr/i486-slackware-linux/lib
drwxr-xr-x 2 root root 688 2005-10-29 22:53 /usr/lib/qt/lib
drwxr-xr-x 16 root root 7272 2006-03-21 02:49 /usr/local/lib
O comando xargs desempenha função parecida, passando os dados que recebe via stdin como
argumento para um segundo comando.
Exemplo do xargs acompanhando a execução do find:
$ find /usr/X11R6/bin/ -name 'xt*' | xargs ls -l
-rwxr-xr-x 1 root bin 268928 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xterm
-rwxr-xr-x 1 root bin 13076 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapchar
-rwxr-xr-x 1 root bin 6536 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapin
-rwxr-xr-x 1 root bin 4320 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapinfo
-rwxr-xr-x 1 root bin 7704 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapout
-rwxr-xr-x 1 root bin 5880 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapproto
-rwxr-xr-x 1 root bin 4196 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapreset
-rwxr-xr-x 1 root bin 5856 2006-01-14 17:35 /usr/X11R6/bin/xtrapstats
Neste exemplo, xargs tomou cada caminho passado por find e repassou como argumento para o
comando ls -l.

37
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

Objetivo 1.103.5: Criar, Monitorar e Finalizar Processos


Peso: 5
Em linhas gerais, um processo é um programa em execução. Cada processo possui um número único
de identificação chamado PID. Este número pode ser usado para mudar a prioridade de um processo
ou para finalizá-lo. O processo que inicia um outro processo é chamado o processo pai (parent
process) do segundo, assim como o segundo é chamado processo filho (child process) do primeiro.
pstree
Mostra processos ativos em formato de árvore genealógica (processos filhos ligados aos respectivos
processos pais).
Opções comuns:
-p → Inclui PIDs dos processos.
-h → Lista apenas os processos do usuário atual.
ps
Mostra os processos de maneira detalhada.
Opções comuns:
ux → Mostra todos processos do usuário.
aux → Mostra todos processos no sistema.
-u → Mostra apenas processos cujo dono seja o indicado pela opção -u.
-g → Mostra apenas processos cujo grupo seja o indicado pela opção -g.
top
Monitora continuamente os processos, mostrando informações como uso de memória e CPU de cada
processo. A tecla “h” fornece ajuda sobre o uso do programa. Pode ser usado para alterar a prioridade
de um processo
pidof
Retorna o número PID para o programa solicitado, se o programa estiver em execução.
PID do daemon crond:
# pidof crond
2404
kill
Envia sinais de controle para processos. O sinal padrão quando nenhum sinal é informado é
SIGTERM, de valor numérico 15, que pede ao programa em questão para finalizar. O processo não
necessariamente obedece ao sinal, a menos que o sinal seja SIGKILL. Em alguns casos, o sinal
SIGHUP pode ser interpretado como ordem para o processo reler seu(s) arquivo(s) de configuração.
Exemplo de kill:
# kill -SIGTERM 4902
Envia o sinal SIGTERM para o processo de PID 4902

38
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

Sinais comuns:
SIGHUP
Termina ou reinicia o processo. Valor numérico 1.
SIGINT
Interrompe o processo, igual a Ctrl+c. Valor numérico: 2.
SIGQUIT
Fecha o processo. Valor numérico: 3.
SIGKILL
Força a finalização o processo. Valor numérico: 9.
SIGTERM
Pede ao processo para finalizar. Valor numérico: 15.
killall
Tem função igual a de kill, porém usa o nome do processo no lugar do PID. Com a opção -l
lista os sinais possíveis.
# killall -SIGHUP cupsd
Neste exemplo, o daemon cupsd irá reler seus arquivos de configuração.

Tarefas em Primeiro e Segundo Plano


Após iniciado um programa no shell, este na maioria das vezes assumirá o controle de stdin e stdout,
ou seja, ficará em primeiro plano. Para interromper o programa e voltar ao prompt do shell, usa-se a
combinação de teclas Ctrl+z. Feito isso, para continuar a execução do programa em segundo plano,
ou seja, mantendo o prompt do bash em primeiro plano, usa-se o comando bg (background). Para
continuar a execução do programa em primeiro plano usa-se o comando fg (foreground).
$ ogg123 -q 03-geraldo_vandré-fica_mal_com_deus.ogg
Ctrl+z pressionado
[1]+ Stopped ogg123 -q 03-geraldo_vandré-fica_mal_com_deus.ogg
$ bg 1
[1]+ ogg123 -q 03-geraldo_vandré-fica_mal_com_deus.ogg &
$
O número mostrado antes do comando identifica a tarefa. Este número é passado para fg e bg para
especificar a tarefa desejada. Se houver apenas uma tarefa na sessão atual, fg e bg podem ser usados
sem argumentos. Para usar o nome do programa no lugar de seu número de tarefa, basta precedê-lo
por %?:
$ bg %?ogg123
O comando jobs lista as tarefas existentes na sessão atual do bash. É especialmente útil quando há
mais de uma tarefa em andamento.
É possível iniciar programas diretamente em segundo plano, adicionando o símbolo “&” ao seu final.
$ ogg123 -q 10-geraldo_vandré-berimbau.ogg &
[2] 5375
Os números mostrados correspondem ao número da tarefa e ao PID, respectivamente.

39
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

O número de uma tarefa pode ser usado como argumento do comando kill desde que precedido do
símbolo “%”:
$ kill %2
Quando um usuário sai do sistema, um sinal SIGHUP é enviado a todos os processos à ele
pertencentes. Para que esse sinal não interrompa o processo do usuário após este sair do sistema, o
comando deve ser invocado através do nohup:
$ nohup wget ftp://transferência/muito/demorada.tar.bz2 &
nohup: appending output to `nohup.out'
As saídas stdout e stderr serão redirecionadas para o arquivo nohup.out, criado no mesmo
diretório em que o comando foi executado.

Objetivo 1.103.6: Modificar a Prioridade de Execução de um


Processo
Peso: 3
Números nice (NI) são usados para alterar a prioridade de CPU e balancear seu uso num ambiente
multiusuário. Todo processo comum é iniciado com uma prioridade padrão (0). Números nice vão de
19 (menor prioridade) a -20 (prioridade maior). Apenas o super-usuário (root) pode diminuir um
número nice de um processo para abaixo de zero.
É possível iniciar um comando com uma prioridade diferente da padrão através do comando nice.
Por padrão, nice muda a prioridade para 10.
$ nice -n 15 tar czf home_backup.tar.gz /home
Inicia o comando tar com número nice de prioridade 15.
Para alterar a prioridade de um processo em andamento, o renice é usado. A opção -p indica o PID
do processo em questão.
# renice -10 -p 2997
2997: prioridade antiga = 0; prioridade nova = -10
As opções -g e -u permitem alterar todos processos do grupo ou do usuário, respectivamente.
# renice +5 -g users
Neste exemplo, todos os processos de usuários do grupo users tiveram suas prioridades (número nice)
alteradas para +5.
Prioridades podem ser modificadas interativamente através do programa top. Quando na tela de
processos, basta apertar a tecla “r” e indicar o número PID do processo.

Objetivo 1.103.7: Procurar em Arquivos de Texto Usando


Expressões Regulares
Peso: 3

Expressões Regulares e grep


Expressões regulares são elementos de texto, palavras chave e modificadores que formam um padrão,
usado para encontrar e opcionalmente alterar um padrão correspondente. Muitos programas suportam

40
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

o uso de expressões regulares. O comando grep é o mais comum para realizar buscas por expressões
regulares em textos.
Caracteres especiais em expressões regulares:
^ → Começo de linha
$ → Fim de linha
. → Qualquer caracter
* → Qualquer seqüência de zero ou mais caracteres
[] → Qualquer caracter que esteja presente nos colchetes
Exemplos - Mostra apenas as linhas que começam com o caracter “ #” do arquivo
/etc/lilo.conf.
$ grep '^#' /etc/lilo.conf

Mostra linhas de /etc/lilo.conf que contenham o termo “hda” ou “hdb”:


$ grep 'hda[ab]' /etc/lilo.conf

Mais opções de grep:


-c → Conta as linhas contendo o padrão.
-i → Ignora a diferença entra maiúsculas ou minúsculas.
-f → Usa a expressão regular contida no arquivo indicado por essa opção.
-n → Procurar somente na linha indicada por essa opção.
-v → Mostra todas as linhas exceto a que corresponder ao padrão.
Exemplo: Mostrar apenas linhas contendo caracteres (inverter a busca por linhas que não possuam
caracteres
$ grep -v '^$' /etc/lilo.conf

sed
O comando sed é mais utilizado para procurar e substituir padrões em textos, mostrando o resultado
em stdout. Sintaxe do sed:
sed [opções] ‘comando e expressão regular’ [arquivo original]
No sed, a expressão regular fica circunscrita entre barras “/”.
Exemplo:
$ sed -e '/^#/d' /etc/lilo.conf
Mostra o arquivo /etc/lilo.conf sem linhas começadas por “#” (linhas de comentário). A letra
“d” ao lado da expressão regular é um comando sed que indica a exclusão de linhas contendo o
respectivo padrão.
Exemplo: substituir o termo “hda” por “sdb”:
$ sed -e 's/hda/sdb/g' /etc/lilo.conf

41
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

Exemplo: Entre as linhas 14 e 21,substituir a palavra “runlevel” por “rl”:


$ sed -n -e '14,21s/runlevel/rl/p' /etc/inittab
# These are the default rls in Slackware:
# 2 = unused (but configured the same as rl 3)
# 3 = multiuser mode (default Slackware rl)
# 5 = unused (but configured the same as rl 3)
Devido a opção -n, as linhas que não contém a expressão regular não foram mostradas.
Opções comuns de sed:
-e → Executa a expressão e comando a seguir.
-f → Lê expressões e comandos do arquivo indicado pela opção.
-n → Não mostrar as linhas que não correspondam a expressão.
Comandos comuns do sed:
s → Substituir.
d → Apagar a linha.
r → Insere o conteúdo do arquivo indicado na ocorrência da expressão.
w → Escreve a saída no arquivo indicado.
g → Substitui todas ocorrências da expressão na linha atual.

Objetivo 1.103.8: Edição Básica de Arquivos com o vi


Peso: 1
Na maioria das distribuições o vi é o editor de textos padrão. O vi localiza-se em /bin.
Há três modos básicos no vi:
Modo de comando
É o modo inicial do vi. Serve para navegação e edição. Geralmente, os comandos são letras únicas.
Se precedido por número, o comando será repetido correspondentemente ao valor desse número.
Modo de última linha ou coluna
Acessível ao apertar a tecla “:” no modo de comando. Usado para fazer buscas, salvar, sair, executar
comandos no shell, alterar configurações do vi, etc. Para retornar ao modo de comando, usa-se o
comando “visual”.
Modo de inserção
A maneira mais comum de entrar no modo de inserção é apertando a tecla “i” ou “a”. É o modo mais
intuitivo, usado para digitar texto no documento. A tecla ESC sai do modo de inserção e volta para o
modo de comando.
Algumas teclas comuns usadas no modo de comando:
0 , $ → Início e fim de linha

42
Tópico 103: Comandos GNU e Unix

1G , G → Início e fim de documento


b , e → Início e fim de palavra
( , ) → Início e fim de sentença
{ , } → Início e fim de parágrafo
w, W → Pular palavra e pular palavra contando com a pontuação
h,j,k,l → Esquerda, abaixo, acima, direita
/ , ? → Busca para frente e para trás
i → Entra no modo de inserção na posição atual do cursor
a, A → Entra no modo de inserção depois do cursor ou no fim da linha
o, O → Adiciona linha e entra no modo de inserção depois ou antes do cursor
s, S → Apaga item ou linha e entra no modo de inserção
c → Modifica um item através de inserção de texto
r → Substitui um único caracter
x → Apaga um único caracter
y, yy → Copia um item ou toda linha
p, P → Cola o conteúdo copiado depois ou antes do cursor
u → Desfazer
ZZ → Fecha e salva se necessário
ZQ → Fecha e não salva
Comandos do modo de última linha ou coluna
:! → Chama um comando do shell
:quit ou :q → Fecha
:quit! ou :q! → Fecha sem gravar
:wq → Salva e fecha
:exit ou :x ou :e → Fecha e grava se necessário
:visual → Volta para o modo de comando

43
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos
GNU/Linux e Padrão FHS
Objetivo 1.104.1:Criação de Partições e Sistemas de Arquivos
Peso: 3
Discos IDE podem conter até 4 partições físicas, das quais uma pode ser estendida. A partição
estendida pode ser dividida em partições lógicas. Pode haver um máximo de 46 partições num disco
IDE e 16 num disco SCSI.

fdisk
O fdisk é o programa padrão para manipular partições no GNU/Linux. Com a opção -l lista os
dispositivos e as partições existentes:
# fdisk -l

Disk /dev/hda: 10.0 GB, 10005037568 bytes


255 heads, 63 sectors/track, 1216 cylinders
Units = cilindros of 16065 * 512 = 8225280 bytes

Dispositivo Boot Start End Blocks Id System


/dev/hda1 * 1 153 1228941 b W95 FAT32
/dev/hda2 154 173 160650 82 Linux swap
/dev/hda3 174 782 4891792+ 83 Linux
/dev/hda4 783 1216 3486105 83 Linux

Disk /dev/hdb: 2111 MB, 2111864832 bytes


64 heads, 63 sectors/track, 1023 cylinders
Units = cilindros of 4032 * 512 = 2064384 bytes

Dispositivo Boot Start End Blocks Id System


/dev/hdb1 1 1023 2062336+ c W95 FAT32 (LBA)
Para manipular partições, o fdisk deve ser inciado tendo como argumento o dispositivo em questão:
# fdisk /dev/hda
Uma vez dentro do fdisk, certas letras corresponderão a comandos. Alguns comandos bastante
utilizados:
p → Lista as partições
n → Cria uma nova partição interativamente
t → Muda a identificação da partição
d → Apaga uma partição
q → Sai do fdisk sem gravar as alterações
w → Sai do fdisk e grava as alterações
m → Mostra a ajuda de comandos
Por padrão, o fdisk cria novas partições identificadas como partições nativas de GNU/Linux, cujo
código hexadecimal é 83 (0x83). O código de identificação de partições do tipo swap é 82 (0x82).

45
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Criação de Sistemas de Arquivos


Durante muito tempo o sistema de arquivos mais utilizado no GNU/Linux foi o ext2 (second
extended). No entanto, hoje muito se usa sistemas de arquivos journalling, como o ext3 e o ReiserFS.
Por padrão, o ext2 consiste em blocos de 1024 bytes. Há três tipos de blocos.
Superblocks
Repetem-se a cada 8193 blocos. Contém informações sobre o tamanho dos blocos, inodes
livres, data da última montagem, etc.
inodes
Indicadores para os blocos de dados. O 12 primeiros blocos de dados após o inode são
acessados sequencialmente. Se os dados excederem 12 blocos, blocos inode indiretos agem
como espelho. Cada inode tem 256 bytes e contém a informação de usuário, grupo,
permissões e data referente aos dados associados.
Blocos de dados
Os blocos que contém os arquivos e diretórios propriamente ditos.
A diferença para um sistema de arquivos journalling é que um sistema com essa capacidade registra
de antemão todas alterações que irá realizar no disco. Dessa forma, erros de gravação (normalmente
ocasionados por queda de energia ou desligamento incorreto) podem ser mais facilmente
diagnosticados e sanados. É possível fazer a conversão de ext2 para ext3 sem perda de dados.
O comando mkfs cria sistemas de arquivos em partições. A opção -t indica o tipo do sistema de
arquivos:
Criar uma partição ext2 na partição /dev/hda3:
# mkfs -t ext2 /dev/hda3
Há também comandos específicos para cada sistema de arquivos: mkfs.ext2, mke2fs,
mkfs.ext3, mkfs.xfs, mkreiserfs, mkdosfs e mkfs.vfat.

Partição Swap
Após a partição swap ser criada pelo fdisk, ela precisa ser formatada com o comando mkswap:
Formata como swap a partição /dev/hda2:
# mkswap /dev/hda2
Após criada e formatada, uma partição swap precisa ser ativada para ser usada como memória swap.
O comando swapon -a ativa todas partições swap que constarem em /etc/fstab. As entradas
referentes à partições swap em /etc/fstab não têm ponto de montagem.
Exemplo de entrada de partição swap em /etc/fstab:
/dev/hda2 swap swap defaults 0 0
Normalmente, todas as partições swap contidas em /ect/fstab são ativadas pelos scripts de
inicialização do sistema. Para ativar ou desativar essa partição manual manualmente, usa-se swapon
/dev/hda2 ou swapoff /dev/hda2, respectivamente.
Informações sobre partições swap ativas são armazenadas em /proc/swaps.

46
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Exemplo de /proc/swaps:
Filename Type Size Used Priority
/dev/hda2 partition 160640 32632 -1

Objetivo 1.104.2: Manutenção da Integridade de Sistemas de


Arquivos
Peso: 3

Checando o Sistema de Arquivos


O comando fsck deve ser executado em partições que apresentarem erros ou em dispositivos que
foram desligados incorretamente. A partição deverá estar desmontada ou montada como somente-
leitura (ro) para a verificação.
Como o comando mkfs, o fsck possui a opção -t para especificar o tipo do sistema de arquivos e
um comando específico para cada partição: fsck.ext2 ou e2fsck, fsck.ext3, fsck.xfs,
reiserfsck e dosfsck.

Examinando e corrigindo o Sistema de Arquivos


debugfs
Depurador interativo de sistemas de arquivos. Examina sistemas ext2 e ext3. Muda diretórios,
examina dados de inodes, apaga arquivos, cria links, mostra o log de journalling ext3, etc. É
usado em casos extremos, geralmente após o fsck ter falhado.
dumpe2fs
Mostra informações de grupo de blocos e de superblocks.
tune2fs
Configura parâmetros ajustáveis em sistemas de arquivos ext2, como rótulo e limites de
montagem antes de checar automaticamente.

Uso do Disco
df
Mostra o espaço disponível em cada dispositivo. A análise é feita diretamente no dispositivo.
Por padrão, mostra o espaço em unidades de 1kb. A opção -h usa medidas apropriadas para
tornar a saída mais inteligível.
du
Mostra o espaço ocupado. Sem argumentos, mostra o uso de cada diretório no sistema. Um
diretório específico pode ser indicado através da opção -s. A opção -h usa medidas
apropriadas para tornar a saída mais inteligível.

47
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Objetivo 1.104.3: Controle da Montagem e Desmontagem dos


Sistemas de Arquivos
Peso: 3

/etc/fstab
Durante os procedimentos de carregamento do sistema, é o arquivo /etc/fstab que determina os
pontos de montagem dos dispositivos. Cada linha corresponde a um dispositivo, contendo os
seguintes termos separados por tabulações ou espaços:
1. Dispositvo
2. Ponto de montagem (“swap” se for uma partição de swap)
3. Tipo de sistema de arquivos
4. Opções
5. Dump (0 ou 1). Determina se dispositivo deverá ser considerado pelo comando dump. Se
ausente, 0 é considerado.
6. fsck (1 ou 2). Determina a ordem da checagem feita pelo fsck durante o boot. Para a
partição raiz (/), deve ser 1. Se ausente, 0 é presumido e a checagem não será feita no boot.
Para permitir que usuários comuns montem e desmontem dispositivos – geralmente, o caso de
dispositivos removíveis – deve-se incluir a opção “users” para o respectivo dispositivo.
Exemplo:
/dev/cdrom /mnt/cdrom auto noauto,users,ro 0 0
A palavra “auto” na posição referente ao sistema de arquivos indica que o sistema de arquivos deve
ser identificado automaticamente.

mount
O comando mount usado sem argumentos mostra os dispositivos montados e outros detalhes, como
ponto de montagem e tipo do sistema de arquivos. Também é usado para montar dispositivos
manualmente:
# mount -t iso9660 -o ro /dev/cdrom /mnt/cdrom
O comando do exemplo monta o dispositivo /dev/cdrom contendo mídia com sistema de arquivos
iso9660 no diretório /mnt/cdrom, com permissão somente-leitura (ro).
Para montar manualmente um dispositivo que conste em /etc/fstab, basta fornecer para o
comando mount a localização do dispositivo ou do diretório alvo. Para desmontar um dispositivo, o
comando umount é utilizado tendo como argumento o dispositivo ou o diretório alvo a ser
desmontado. Usado com a opção -a, mount monta todos os dispositivos em /etc/fstab (exceto
os marcados com a opção noauto).

Opções de montagem
As opções de montagem são as mesmas para /etc/fstab e para mount diretamente. Se mais de
uma opção for fornecida, deverão ser separadas por vírgula.

48
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

rw ou ro
Gravável ou somente leitura
noauto
Não é montado automaticamente
users
O dispositivo poderá ser montado e desmontado por usuários comuns
user
Apenas quem montou terá permissão de desmontar
owner
As permissões do dispositivo montado se adequarão ao usuário que o montou
usrquota
Habilita o uso de quotas de disco para usuário
grpquota
Habilita o uso de quotas de disco para grupo
remount
Remonta um dispositivo montado com outras opções. Útil para remontar um dispositivo como
somente leitura, por exemplo.

Objetivo 1.104.4: Administração de Cotas de Disco


Peso: 3
Para habilitar o controle de cotas de disco, é necessário que o kernel suporte essa função e incluir a
opção usrquota ou grpquota em /etc/fstab. Para que a opção recém adicionada tenha
efeito, é necessário remontar o dispositivo.
Para gerar a tabela de estatísticas de uso do sistema de arquivos, deve ser executado o quotacheck
-a, o que é normalmente feito pelos scripts de inicialização.
Para criar as configurações de cota para usuários e grupos, usa-se o comando edquota. A opção -u
altera as configurações de cota para o usuário especificado da mesma forma que -g altera para o
grupo especificado. O editor padrão do sistema (geralmente o vi) é usado para essa tarefa.
Essas configurações são armazenadas no diretório alvo onde a partição em questão foi montada, nos
arquivos aquota.user e aquota.group. Nestes arquivos é possível especificar limites como
espaço e inodes para o usuário ou grupo.
Para que as cotas passem a ser monitoradas e controladas, deve-se executar o comando quota -a.
Assim a os limites para cada usuário serão comparados à tabela de estatísticas de cotas, até que um
dos limites seja alcançado e o usuário não disponha de mais espaço.
É possível também estabelecer um período em que o usuário será avisado de que seu limite foi
alcançado, através do comando edquota com a opção -ta, de uma maneira semelhante a forma de
configurar os limites.
Para que o usuário acompanha o status de sua cota, basta executar o comando quota sem

49
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

argumentos. O super-usuário pode gerar relatórios de cota dos sistemas de arquivos com o comando
repquota -a.

Objetivo 1.104.5: Controle de Permissões e Acesso à Arquivos


Peso: 5
Há três níveis de permissão para arquivos e diretórios: usuário dono do arquivo (u), grupo dono do
arquivo (g) e outros (o).
Exemplo de permissões de arquivos:
$ ls -l /etc/X11/xdm/
total 80
-rwxr-xr-x 1 root root 385 2006-01-14 17:30 GiveConsole
-rwxr-xr-x 1 root root 244 2006-01-14 17:30 TakeConsole
-r--r--r-- 1 root root 3618 2006-01-14 17:30 Xaccess
-rwxr-xr-x 1 root root 191 2006-01-14 17:30 Xreset
-r--r--r-- 1 root root 2559 2006-01-14 17:30 Xresources
-r--r--r-- 1 root root 487 2005-09-12 02:56 Xservers
-rwxr-xr-x 1 root root 4697 2006-01-14 17:33 Xsession
-rwxr-xr-x 1 root root 4545 2005-09-12 03:01 Xsession.orig
-rwxr-xr-x 1 root root 471 2006-01-14 17:33 Xsetup_0
-rwxr-xr-x 1 root root 145 2006-01-14 17:30 Xsetup_0.orig
-rwxr-xr-x 1 root root 189 2006-01-14 17:30 Xstartup
-rwxr-xr-x 1 root root 303 2006-01-14 17:30 Xwilling
lrwxrwxrwx 1 root root 20 2006-03-19 09:36 authdir -> ../../../var/lib/xdm
-rwxr-xr-x 1 root root 14696 2006-01-14 17:35 chooser
drwxr-xr-x 2 root root 104 2006-01-14 17:30 pixmaps
-r--r--r-- 1 root root 1533 2006-01-14 17:30 xdm-config
A primeira letra representa o tipo do arquivo, podendo ser:
d → diretório
l → link simbólico
c → dispositivo especial de caracteres
p → canal fifo
s → socket
- → arquivo convencional
As demais letras são divididas em grupos de três, determinando as permissões para o dono do
arquivo, o grupo do arquivo e demais usuários, respectivamente.
As permissões são alteradas com o comando chmod, podendo ser leitura (r), escrita (w) e execução
(x).
Exemplo: O grupo à que pertence o arquivo texto_simples terá apenas acesso de leitura ao
mesmo e para os demais usuário será retirado a permissão de leitura:
$ chmod g=r,o-r texto_simples

Inclui permissão de escrita para o grupo do arquivo texto_simples:


$ chmod g+w texto_simples

50
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Apesar de possuírem o mesmo modelo de permissões, arquivos e diretórios reagem de maneiras


diferentes. Em diretórios, a permissão “r” permite acessar o conteúdo do diretório, a permissão “w”
permite criar arquivos dentro do diretório, e “x” permite listar o conteúdo do diretório.

Permissões Octais
Permissões podem ser manejadas mais eficientemente através de um formato numérico, chamado
octal. O número octal consiste numa seqüência dígitos, cada um representando as permissões para o
usuário, grupo e outros, nessa ordem.
Permissões octais (numéricas) e suas permissões correspondentes:
Dígito Leitura Escrita Execução
0 - - -
1 - - sim
2 - sim -
3 - sim sim
4 sim - -
5 sim - sim
6 sim sim -
7 sim sim sim
Assim, o comando:
$ chmod 0664 texto_simples
Mudará as permissões do arquivo texto_simples para -rw-rw-r--, ou seja, leitura e escrita
para o usuário, leitura e escrita para o grupo e somente leitura para outros.
Para mudar recursivamente todo os arquivos dentro de um diretório especificado, utiliza-se o chmod
com a opção -R.

umask
umask é o filtro de permissões para criação de arquivos. As permissões para novos arquivos criados
são aplicadas calculando as permissões padrão do sistema (0666 para arquivos e 0777 para
diretórios) menos as permissões umask.
umask sem argumentos mostra a máscara atual de criação de arquivos. Para mudar, basta fornecer a
nova máscara como argumento.
Em sistemas onde os grupos iniciais dos usuários são particulares, a máscara poderá ser 002, o que
subtrairá das permissões padrão do sistema a permissão 2 (w – escrita), na categoria outros (o). Dessa
forma, os arquivos serão criados com as permissões 0664.
Em sistemas onde o grupo inicial de todos os usuários é o grupo users, a máscara poderá ser 0022,
o que subtrairá das permissões padrão do sistema a permissão 2 (w – escrita), nas categoria grupo (g)
e outros (o). Dessa forma, os arquivos serão criados com as permissões 0644, limitando a permissão
de escrita apenas ao usuário dono do arquivo.

51
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

suid e sgid
Todos processos são vinculados ao usuário que os iniciou. Dessa forma, um programa pode trabalhar
com um arquivo apenas até onde as permissões deste arquivo permitem ao usuário. Algumas tarefas,
no entanto, exigem que um usuário altere ou acesse arquivos aos quais não tem a permissão
necessária. Por exemplo, alterar a própria senha exige que o arquivo /etc/passwd seja alterado e
as permissões de /etc/passwd só permitem escrita ao usuário dono (root):
$ ls -l /etc/passwd
-rw-r--r-- 1 root root 814 2006-03-15 14:04 /etc/passwd
Para contornar essa condição, existe um bit de permissão especial chamado suid. Arquivos
executáveis que possuam a permissão suid serão executados em nome do dono do arquivo, e não em
nome de quem os executou. A permissão suid é representada pela letra “s”, no campo referente ao
dono do arquivo (u):
$ ls -l /usr/bin/passwd
-rws--x--x 1 root bin 37880 2004-06-21 16:20 /usr/bin/passwd

Exemplo: Incluir o modo suid a um arquivo executável:


$ chmod u+s meu_programa
De maneira semelhante, a permissão sgid atua em diretórios. A permissão sgid é uma permissão
de grupo, portanto aparece no campo de permissões referente ao grupo.
Num diretório com a permissão sgid, todos os arquivos criados pertencerão ao grupo do diretório
em questão, o que é especialmente útil em diretórios com o qual trabalham um grupo de usuários
pertencentes ao mesmo grupo.
Exemplo: Tornar um diretório sgid:
$ chmod g+s dir_do_grupo/
Quando habilitadas, as permissões suid e sgid fazem aparecer a letra “s” no lugar da letra “x” nas
permissões de dono do arquivo e grupo do arquivo, respectivamente. Se a permissão de execução
também existir, aparecerá a letra “s” em minúsculo. Se apenas as permissões suid e sgid
existirem, aparecerá a letra “S” em maiúsculo.

A Permissão sticky
O inconveniente em usar diretórios compartilhados é que um usuário poderia apagar algum ou todo o
conteúdo inadvertidamente. Para evitar que isso aconteça, existe o modo de permissão stick, que
inibe usuários de apagarem arquivos que não tenham sido criados por eles mesmos. É o caso do
diretório /tmp:
$ ls -ld /tmp
drwxrwxrwt 21 root root 1312 2006-03-23 22:51 /tmp
A letra “t” nas permissões para demais usuários demonstra o uso da permissão sticky. Se apenas a
permissão sticky existir, aparecerá a letra “T” maiúscula.
Exemplo: Usar a permissão sticky no diretório “comunitario”
$ chmod o+t comunitario/

52
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Permissões Especiais em Formato Octal


Como as opções convencionais, as permissões especiais também podem ser manipuladas em formato
octal (numérico). A permissão especial é o primeiro dos quatro dígitos da opção no formato octal.
dígito suid sgid sticky
0 - - -
1 - - sim
2 - sim -
3 - sim sim
4 sim - -
5 sim - sim
6 sim sim -
7 sim sim sim

Atributos chattr
É possível estabelecer algumas regras para o tratamento de arquivos em sistemas do tipo ext2, os
chamados atributos do arquivo. Para listar esses atributos, usa-se o comando lsattr. Para alterar
esses atributos, usa-se o comando chattr. Cada atributo é especificado por uma letra precedida do
sinal +, - ou =, que adiciona, retira ou torna exclusivo o atributo no arquivo/diretório especificado.
Atributo Descrição
A Não modifica a data de acesso
a O arquivo não poderá ter seu conteúdo sobregravado. Apenas o
superusuário ou um programa capacitado por
CAP_LINUX_IMMUTABLE poderão alterar essa opção.
c O kernel automaticamente comprime os dados para gravar e
descomprime para ler
D Um diretório com essa função grava imediatamente os dados ao disco,
como se a opção de montagem dirsync fosse aplicada a um subconjunto
de arquivos
d Essa opção exclui o arquivo de um backup via dump
i Não poderá ser alterado, apagado ou renomeado. Nenhum link poderá tê-
lo como alvo. Apenas o superusuário ou um programa capacitado por
CAP_LINUX_IMMUTABLE poderão alterar essa opção.
j Todos os dados serão gravados ao jornal ext3 antes de serem
propriamente gravados
s Se o arquivo for apagado, todos seus blocos são zerados no disco
S Alterações no arquivo são gravadas imediatamente no disco
u Após a remoção do arquivo, o conteúdo do arquivo é preservado,
possibilitando recuperação.
Os atributos “c”, “s” e “u” não são de fato suportados.

53
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Exemplo: Atribuir “i” ao arquivo “texto_simples”


$ chattr +i texto_simples

Listas de Controle de Acesso – ACL


Listas de controle de acesso (ACL) são usadas para obter maior controle sobre permissões de acesso à
arquivos e diretórios. Uma ACL consiste em um conjunto de entradas, que determinam condições de
acesso para um usuário em particular ou um grupo de usuários, permissões de leitura, escrita e
execução/leitura.
Uma entrada ACL contém o tipo da entrada, opcionalmente um argumento para o tipo e as
permissões.
Tipos de entrada:
OCL_USER_OBJ
Permissões para o dono do arquivo
ACL_USER
Permissões para os usuários especificados pelo argumento
ACL_GROUP_OBJ
Permissões de acesso para o grupo do arquivo
ACL_GROUP
Permissões para os grupos especificados pelo argumento
ACL_MASK
As maiores permissões possíveis para ACL_USER, ACL_GROUP_OBJ e ACL_GROUP
ACL_OTHER
Permissões para processos que não se encaixem em nenhum dos outros itens.
Exemplo de ACL textual:
user::rw-
user:lisa:rw-
group::r--
group:toolies:rw-
mask::r--
other::r--
As permissões ACL tem correspondência com o modelo convencional de permissões. As permissões
para o dono do arquivo correspondem à entrada ACL_USER_OBJ. As permissões para o grupo do
arquivo correspondem à entrada ACL_GROUP_OBJ, somente se não houver ACL_MASK. Se a
ACL contiver uma entrada ACL_MASK, as permissões para o grupo do arquivo corresponderão à
entrada ACL_MASK. Permissões para demais usuários corresponde m à ACL_OTHER.

Objetivo 1.104.6: Modificar Donos e Grupos de Arquivos


Peso: 1
Para alterar dono e grupo de arquivos e diretórios, usa-se chown e chgrp. O primeiro argumento é

54
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

um nome válido de usuário ou grupo e o segundo é o arquivo/diretório para alterar. Apenas o


superusuário pode usar o comando chown, mas qualquer usuário pode usar chgrp em seus
arquivos/diretórios.
Mudar dono de arquivo:
# chown luciano texto_simples

Mudar grupo de arquivo:


$ chgrp users texto_simples

Para alterar usuário e grupo simultaneamente:


# chown luciano.users texto_simples
Tanto chown quanto chgrp possuem a opção -R, para alterar conteúdos de diretórios
recursivamente.

Objetivo 1.104.7: Criar e Alterar Links Simbólicos e Links


Físicos
Peso: 1

Hardlinks (Links Físicos)


Hardlinks são um ou mais nomes que um inode do sistema de arquivos pode ter. Todo arquivo criado
é, necessariamente, um hardlink para seu inode correspondente. O mesmo só será apagado após seu
último hardlink remanescente ser apagado e nenhum programa estar mantendo o arquivo aberto.
Novos hardlinks são criados usando o comando ln:
$ ln texto_simples outro_texto_simples
A opção -i do ls mostra o número inode dos arquivos:
$ ls -i texto_simples outro_texto_simples
55412 outro_texto_simples 55412 texto_simples
Ambos “texto_simples” e “outro_texto_simples” são hardlinks para o mesmo inode
55412. Hardlinks para o mesmo inode possuem mesma permissão, donos tamanho e data, pois essas
permissões são registradas diretamente nos inodes.
$ ls -l texto_simples
-rw-r--r-- 2 luciano users 29 2006-01-01 00:01 texto_simples
O número “2” na segunda coluna de informações demonstra que há 2 hardlinks para o inode
correspondente à texto_simples.
Hardlinks só podem ser criados dentro de um mesmo sistema de arquivos. Não é possível criar
hardlinks para diretórios. Os arquivos especiais “.” e “..” são hardlinks para diretório criados
exclusivamente pelo próprio sistema.

Softlinks (Links Simbólicos)


Links simbólicos apontam para um caminho, ou mais especificamente, para um hardlink. Links
simbólicos podem apontar para qualquer alvo, inclusive em outros e diferentes sistemas de arquivos.

55
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Para criar um link simbólico, usa-se ln com a opção -s.


$ ln -s texto_simples link_texto_simples
Detalhes do link:
$ ls -l mais_texto_simples
lrwxrwxrwx 1 luciano users 13 2006-03-24 05:11 mais_texto_simples ->
texto_simples
Um link é indicado pela letra “l” no início das permissões, que neste caso são sempre rwxrwxrwx.
O tamanho do arquivo de link é exatamente a quantidade de bytes (caracteres) do caminho alvo. A
seta ao lado do nome do link simbólico indica o caminho alvo.
Um link simbólico para um caminho relativo será quebrado se o alvo ou o próprio link for movido.
Um link simbólico para um caminho absoluto só será quebrado se o alvo for movido ou apagado.
Para atualizar a informação de alvo de um link simbólico existente, recria-se o link com a opção -f.
Funções comuns para links simbólicos são indicar caminhos longos freqüentemente usados, criar
nomes mais simples para executáveis e nomes adicionais para bibliotecas de sistema.

Objetivo 1.104.8: Encontrar Arquivos de Sistema e Conhecer


sua Localização Correta
Peso: 5

Hierarquia Padrão de Sistemas de Arquivos (FHS)


O FHS (do inglês: Filesystem Hierarchy Standard) é o padrão de diretórios base adotado pela maioria
da distribuições GNU/Linux. Cada diretório serve a um propósito, sendo divididos entre os que
devem existir no dispositivo/partição raiz e os que podem ser pontos de montagem para outras
partições e/ou dispositivos.
Devem existir no dispositivo/partição raiz (/):
/bin e /sbin
Contém os programas necessários para carregar o sistema e comandos especiais.
/etc
Arquivos de configuração específicos da máquina.
/lib
Bibliotecas compartilhadas pelo programas em /bin e /sbin e módulos do kernel.
/mnt
Pontos de montagem para outras partições ou dispositivos
/proc
Armazena informações do kernel em tempo de execução
Podem ser pontos de montagem para outras partições e/ou dispositivos:
/boot

56
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Kernel e mapas do sistema e os carregadores de boot de segundo estágio


/home
Os diretórios dos usuários
/root
Diretório do superusuário
/tmp
Arquivos temporários
/usr
Conteúdo para uso dos usuários. Programas, bibliotecas, documentos, etc.
/usr/local e /opt
Programa adicionais. Também podem conter as bibliotecas necessárias para os programas
adicionais.
/var/www e /var/ftp
Páginas HTML e diretórios para FTP anônimo.
/var
Dados de programas como configurações variantes e logs. Contém diretório compartilhados
(ex: /var/spool/mail) e não compartilhados (ex: /var/log)

Encontrando Arquivos
find
find diretório critério [-exec comando {} \;]
O argumento diretório indica onde o find deve iniciar a busca e critério pode ser o nome do arquivo
/diretório a ser procurado e/ou uma regra para a busca.
Critérios comuns para o find:
-type
Tipo do arquivo (d para diretório, f para arquivo comum e l para link)
-name nome
Nome do arquivo
-user usuário
Dono do arquivo
-atime -/+n
Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.
-ctime -/+n
Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.
-mtime -/+n

57
Tópico 104: Dispositivos, Sistemas de Arquivos GNU/Linux e Padrão FHS

Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a n*24 horas.


-amin -/+n
Data de último acesso ao arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-cmin -/+n
Data de criação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-mmin -/+n
Data de modificação do arquivo, menor ou maior que n. n corresponde a minutos.
-newer arquivo
O arquivo procurado foi criado/modificado mais recentemente que arquivo.
-perm modo
O arquivo procurado tem permissão mode.
-perm -modo
O arquivo procurado tem todos as permissões listadas em mode.
-perm +modo
O arquivo procurado tem qualquer das permissões listadas em mode.
locate
Através do locate, todo caminho de arquivo ou diretório contendo a expressão fornecida como
argumento será mostrado. A busca é significativamente mais rápida em relação ao find pois o
locate realiza a busca no seu banco de dados - /var/lib/slocate/slocate.db – e não
diretamente no disco. Esse banco de dados precisa ser sempre atualizado através do comando
updatedb, o que é geralmente feito por um agendamento cron diário, mas que pode ser executado
manualmente. O arquivo de configuração para o updatedb é o /etc/updatedb.conf. Nele
constam informação como que diretórios e sistemas de arquivos ignorar na atualização do banco de
dados.
Exemplo de /etc/updatedb.conf:
# /etc/updatedb.conf: slocate configuration file

PRUNEFS="devpts NFS nfs afs proc smbfs autofs iso9660 udf"


PRUNEPATHS="/dev /proc /sys /tmp /usr/tmp /var/tmp /afs /net /mnt"
export PRUNEFS
export PRUNEPATHS
prunefs indica quais tipos de sistemas de arquivos ignorar. prunepaths indica quais diretórios
ignorar.
which
Usado para retornar o caminho completo para o programa fornecido. Realiza a busca apenas nos
diretórios definidos na variável de ambiente PATH.
whereis
Retorna os caminhos para o arquivo executável, código fonte e página manual referente ao comando
solicitado, se houverem.

58
Tópico 110: O Sistema de Janelas X
Objetivo 1.110.1: Instalar e Configurar o X11R6
Peso: 5
Existem basicamente duas opções para o X11R6: Xfree86 e X.Org. Em termos práticos, não há
diferença entre eles, apenas em alguns detalhes de arquitetura e configuração. O X11R6 é o ambiente
gráfico de janelas no GNU/Linux.

Compatibilidade de Hardware
O primeiro passo antes de usar o X11R6 é verificar a compatibilidade de hardware. Em
http://www.xfree86.org/4.1.0/Status.html pode ser encontrada a lista de dispositivos compatíveis.
Ainda que o dispositivo não seja totalmente compatível, é possível utilizá-lo no modo VESA
Framebuffer, se o mesmos suportar (a grande maioria dos dispositivos aceita esse modo).

Instalando o X11R6
O mais comum é que o X11R6 já venha instalado junto com a distribuição. Para instalar
manualmente, os pacotes binários podem ser encontrados em
ftp://ftp.xfree86.org/pub/XFree86/4.1.0/binaries/, em subdiretórios correspondentes a arquitetura
desejada (axp=alpha, ix86=Intel 80x86) e versão da biblioteca Gnu C. Para auxiliar no processo de
instalação, há o script Xinstall.sh, disponível no diretório common do servidor servidor FTP.
Verificar quais binários adequados:
$ sh Xinstall.sh -check
Os arquivos de instalação fundamentais são Xbin.tgz, Xlib.tgz, Xman.tgz, Xdoc.tgz,
Xfnts.tgz, Xfenc.tgz, Xetc.tgz, Xvar.tgz, Xserv.tgz e Xmod.tgz.
Os arquivos devem ser descompactados em /usr/X11R6. O diretório /usr/X11R6/bin deve
constar na variável PATH e o diretório /usr/X11R6/lib deve constar no cache de bibliotecas do
ls.so.

Configurando o X11R6
Configurar o X11R6 significa criar um arquivo /etc/X11/XF86Config ou
/etc/X11/xorg.conf, que deve conter informações sobre caminhos para arquivos de sistema,
mouse, teclado, monitor e dispositivo de vídeo.
Ferramentas de configuração para o XFree86
XFree86 -autoconfig
Configura o servidor X automaticamente. Se bem sucedido, será possível mover o cursor do
mouse na tela. Ctrl+Alt+backspace fecha a sessão do X. O arquivo de configuração ainda não
foi escrito por essa ferramenta.
XFree86 -configure
Alternativa ao anterior
xf86cfg

59
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

Se não ocorrerem problemas, uma sessão X será iniciada com uma janela de configuração
mostrando o diagrama de configuração do servidor X.
xf86config
Interface interativa de texto para entrar as informações de configuração manualmente.
Ferramentas de Configuração para o X.Org
X -configure
O servidor X carrega cada módulo de dispositivo, testa o driver e salva o resultado para o
arquivo xorg.conf.new no diretório do usuário (provavelmente /root)
xorgcfg
Se não ocorrerem problemas, uma sessão X será iniciada com uma janela de configuração
mostrando o diagrama de configuração do servidor X.
xorgconfig
Interface interativa de texto para entrar as informações de configuração manualmente.

Ajustes da Configuração
Após configurar o servidor X, pode ser necessário corrigir o posicionamento da tela. Para isso, existe
o aplicativo xvidtune. Através de uma interface interativa, é possível reposicionar a tela.
Encontrada a posição adequada, os valores retornados no terminal virtual devem ser incluídos como
opção Modeline, na seção Monitor do arquivo /etc/X11/XF86Config ou
/etc/X11/xorg.conf.
Outro item que pode precisar ser incluído manualmente é o funcionamento da roda do mouse. Na
seção referente ao mouse em /etc/X11/XF86Config ou /etc/X11/xorg.conf. incluir a
opção ZaxisMapping, como no exemplo:
Section "InputDevice"
Driver "mouse"
Option "Protocol" "IMPS/2"
Option "Device" "/dev/mouse"
Option "ZAxisMapping" "4 5"
EndSection

Seções de XF86Config e xorg.conf


Os arquivos de configuração XF86Config e xorg.conf são divididos em seções no formato:
Section "nome da seção"
Item_1 "Valor item 1"
Item_2 "Valor item 2"
...
EndSection

Nomes das seções:


Files
Caminhos para alguns arquivos necessários ao servidor X. Itens podem ser FontPath,
RGBPath e ModulePath. O item mais importante é FontPath, que determina as
localizações das fontes no sistema.

60
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

ServerFlags
Opções globais para o servidor X, no formato Option “Nome” “Valor”.
Module
Carregamento dinâmico de módulos. Load “nome do módulo”.
InputDevice
Dispositivos de entrada. Deve haver uma seção InputDevice para cada dispositivo. Os
itens obrigatórios nessa seção são Identifier e Driver. Identifier é um nome
único para identificação do dispositivo. Os valores mais comuns para Driver são
“Keyboard” e “Mouse”. Outros itens são opcionais e são descritos com Option. Option
“CorePointer” indica que o dispositivo é o apontador (mouse) primário. Option
“CoreKeyboard” indica que o dispositivo é o teclado primário. O caminho para o dispositivo
é indicado com Option “Device” “/dev/xxx”.
Device
Dispositivo de vídeo. Várias seções Device podem indicar vários dispositivos de vídeo, e
deve haver ao menos um. Os itens obrigatórios nessa seção são Identifier e Driver.
Identifier é um nome único para identificação do dispositivo. Driver especifica o
drive do dispositivo de vídeo, disponíveis em /usr/X11R6/lib/modules/drivers/.
Outros itens comuns são BusID (ex.: Option “BusID” “PCI:1:0:0”) e VideoRam
(Ex.: Option “VideoRam” “8192”).
Monitor
O arquivo de configuração pode ter várias seções Monitor. Deveria haver pelo menos uma,
mas se não houver uma padrão será criada. A única opção obrigatória é Identifier.
Outras opções são UseModes, HorizSync, VertRefresh e ModeLine.
Modes
Modos de tela disponíveis para monitor. Não é obrigatória.
Screen
Agrega dispositivo e monitor. Pode haver mais de uma seção Screen. Apenas as opções
Identifier e Device (indicando um dispositivo de vídeo de uma seção Device
existente) são obrigatórias.
Display (Subseção de screen)
A subseção Display define, entre outras coisas, que resolução usar para cada profundidade
de cor.
ServerLayout
Agrega as seções Screen e InputDevice para formar uma configuração completa do
servidor X.
DRI
Seção opcional que fornece informação sobre a Infraestrutura de Renderização Direta (DRI).
Para que usuários comuns possam utilizar o DRI, incluir o item Mode 0666 nesta seção.
Vendor

61
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

Informações e configurações personalizadas

Fontes
Há dois sistemas de fontes, Core e Xft. No sistema Core as fontes são manipuladas no servidor e no
sistema Xft no cliente. O sistema Xft é mais avançado e permite usar fontes Type1, OpenType,
TrueType, Speedo e CID, com suporte a anti-aliasing (cantos arredondados). O X.Org inclui suporte
nativo ao sistema Xft.

Instalar fontes Xft


Para instalar fontes para o sistema Xft basta copiá-las para um dos diretórios de fontes padrão -
/usr/X11R6/lib/X11/lib/fonts/*, /usr/share/fonts/* - ou para o diretório
.fonts/ no diretório pessoal. O cache de fontes precisa ser atualizado para que a nova fonte possa
ser usada, o que será feito automaticamente quando o X iniciar uma sessão. A atualização manual é
feita através do comando fc-cache.
O alguns comportamento das funções do Xft pode ser alterado através do arquivos de configuração
global /etc/fonts/fonts.conf ou no arquivo de configurações por usuário .fonts.conf,
no diretório pessoal.
Para os programas que não usam fontes por Xft por padrão, o recurso *faceName em
$HOME/.Xresources especifica um nome de fonte para usar através do Xft. Exemplo:
XTerm*faceName: Courier
O programa xterm usará a fonte Courier através de Xft.

Instalar fontes Core


Instalar fontes pelo sistema Core requer duas etapas: Criar o diretório com os arquivos das fontes e
arquivos índice e em seguida incluir o diretório em questão caminho de fontes do sistema.
Para cada tipo de fonte, a instalação se dá de uma forma:
Fontes Bitmap (.bdf)
Esse tipo de fonte precisa primeiro ser convertido para o formato .pcf, através do comando
bdftopcf. As fontes convertidas podem ser convertidas com o comando gzip. O diretório padrão
para esse tipo de fonte é /usr/X11R6/lib/X11/fonts/75dpi. Após copiadas as fontes para o
diretório, o comando mkfontdir deverá ser executado dentro do diretório.
Fontes escalonáveis (Type1, Speedo, TrueType, etc)
O procedimento é semelhante ao das fontes Bitmap, exceto pelo fato de que fontes escalonáveis não
precisam ser convertidas e de que o comando mkfontscale precisa ser executado antes de
mkfontdir. Os diretórios respectivos também se encontram em
/usr/X11R6/lib/X11/fonts.
A segunda etapa é incluir cada diretório entre os diretórios de fontes de servidor X. Isso pode ser feito
de maneira temporária, com o comando xset:
# xset fp+ /diretório/para/as/fontes
# xset fp rehash

62
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

Os diretórios de fonte atualmente em uso podem ser listados com xset -q.
Para que os novos diretórios se tornem diretórios de fontes permanentes, devem ser incluídos na seção
Files do arquivo de configuração /etc/X11/XF86Config ou /etc/X11/xorg.conf,
como itens FontPath.

Servidor de Fontes xfs


O servidor de fontes xfs pode rodar como daemon ou tarefa comum, e fornece fontes através da rede
ou mesmo no host local.
Iniciar o xfs como daemon:
# xfs -daemon
O arquivo de configuração padrão para o xfs é /usr/X11R6/lib/X11/fs/config, cujas
opções mais comuns são:
client-limit
Limite de clientes conectados à esses servidor de fontes
alternate-servers
Outros servidores de fontes
catalogue
Caminhos dos diretórios contendo as fontes para serem fornecidas pelo xfs.
port
Porta tcp que o xfs usará para esperar por pedidos de conexão. Padrão: 7100.
Para que as fontes sejam solicitadas ao daemon do xfs, o endereço do host servidor de fontes precisa
ser incluído como item FontPath da seção Files de /etc/X11/xorg.conf ou
/etc/X11/XF86Config:
Se o servidor de fontes for o host local:
FontPath “unix/:7100”
Se o servidor de fontes for o host chamado slackware, através de uma conexão TCP/IP:
FontPath “tcp/slackware:7100”

Objetivo 1.110.2: Configurar o Gerenciador de Display


Peso: 3
Muitas distribuições GNU/Linux já entram no login gráfico por padrão. Outras usam o login em texto.
Esse comportamento pode ser modificado através do arquivo /etc/inittab, alterando runlevel
inicial. O runlevel padrão para login em texto é 3 (multi-usuário). Para login gráfico é 5 (ou 4 para o
slackware).
Login em texto:
id:3:initdefault:
Login gráfico:
id:5:initdefault:

63
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

O login gráfico passará então a ser controlado por um gerenciador de display.


Há três Gerenciadores de Display principais:
✔ xdm → Padrão do X
✔ gdm → Gnome
✔ kdm → Kde
Os respectivos arquivos de configuração encontram-se em:
✔ /etc/X11/xdm/*
✔ /etc/X11/gdm/*
✔ /etc/X11/kdm/*

xdm
O xdm faz parte dos programas do sistema de janelas X. O arquivo de configuração principal é o
xdm-config. O caminho do programa é /usr/bin/xdm. Além de permitir o login local, também
permite que o login seja realizado através da rede. Para tanto, é usado o protocolo XDMCP (é
desativado por padrão). O xdm precisa estar rodando (o que já acontece caso o runlevel do sistema
seja 5) e configurado adequadamente para responder à pedidos de login. O host remoto, através do
comando X -query nome_do_servidor, solicitará o pedido de conexão.
Arquivos de configuração
/etc/X11/xdm/Xresources
A aparência do xdm pode ser modificada através deste arquivo. Fontes, cores e mensagens pode ser
incluídas ou alteradas. Exemplo de conteúdo:
xlogin*borderwidth:3
xlogin*greeting:”Bem vindo ao login gráfico”
xlogin*namePrompt:login:\040
xlogin*greetColor:blue
xlogin*foreground:black
xlogin*background:white
/etc/X11/xdm/Xsetup_0
Script executado antes do login, com permissão de super-usuário (root). Usado para definir
cores/imagens de fundo e disparar aplicativos.
/etc/X11/xdm/Xservers
Mapeia um display para um host. Geralmente contém apenas a indicação para o display local:
:0 local /usr/X11R6/bin/X
Pode também ser usado para automaticamente enviar requerimento de login para hosts remotos
rodando o X. O servidor X ocupará primeiro /dev/tty livre.
/etc/X11/xdm/Xaccess
Controla o acesso remoto via XDMCP. É possível estabelecer regras para pedidos de conexão
remotos.
Trecho exemplo de Xaccess:

64
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

*
* CHOOSER BROADCAST
A primeira linha indica que qualquer host poderá requisitar login na máquina. A segunda linha indica
que qualquer host (*) pode solicitar à máquina local uma lista de possíveis servidores (que estejam
rodando o xdm) para conexão, que será obtida através de chamadas BROADCAST na rede.
/etc/X11/xdm/xdm-config
Arquivos que agrega os demais arquivos de configuração do xdm. Libera ou bloqueia o login remoto
via XDMCP. Para bloquear, basta que exista a linha:
DisplayManager.requestPort: 0
Assim, o xdm não esperará por pedidos de conexão diretos ou indiretos.
As condições e maneiras de usar o gdm e kdm são praticamentes iguais às do xdm, salvo alguns
detalhes.

gdm
O executável do gdm encontra-se em /usr/bin/gdm. O arquivos de configuração são Sessions
, gdm.conf e Init/Default, que corresponde ao Xresources. O arquivo gdm.conf
controla a maioria das funções do xdm.

kdm
Os arquivos do kdm muitas vezes estão em /usr/share/config/kdm. O executável é
/usr/bin/kdm. Sua configuração é em muito parecida com a do xdm, sendo o arquivo kdmrc o
principal.

Objetivo 1.110.4: Instalar e Personalizar um Ambiente de


Gerenciador de Janelas
Peso: 5
O gerenciador de janelas é a interface entre o usuário e o servidor X. É praticamente impossível
utilizar o ambiente gráfico sem um gerenciador de janelas. O procedimento mais comum para iniciar
uma sessão do X é através do comando startx, que chama o script xinit. O script xinit tem
dentre suas funções iniciar o servidor X e programas clientes. O gerenciador de janelas é o principal
desses clientes. Há o script xinit padrão, localizado em /etc/X11/xinit/xinitrc, mas o mais
comum é cada usuário ter seu script xinit personalizado, ~/.xinitrc.

Menus
Uma das funções de um gerenciador de janelas é fornecer menus de acesso à programas (menu root)
e controle de janelas (menu window). O menu root é acessado clicando na área de trabalho, o menu
window clicando na barra ou no botão do título da janela.
A configuração dos menus varia para cada gerenciador de janelas. De uma forma geral, arquivos de
configuração de menus têm seu conteúdo disposto de forma hierárquica, discriminando o tipo do
item, o nome do item e o valor.
Exemplo do arquivo de menu do gerenciador de janelas Windowmaker,

65
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

/etc/X11/WindowMaker/WMRootMenu:
("Applications",
("Info",
("Info Panel", INFO_PANEL),
("Legal", LEGAL_PANEL),
("System Console", EXEC, "xconsole"),
("System Load", SHEXEC, "xosview || xload"),
("Process List", EXEC, "xterm -e top"),
("Manual Browser", EXEC, "xman")
),
("Run...", SHEXEC, "%a(Run,Type command to run:)"),
("XTerm", EXEC, "xterm -sb"),
("Mozilla Firefox", EXEC, "firefox"),
...

Emulador de Terminal
O emulador de terminal é um programa que permite interagir com o shell como num terminal de texto
convencional. O emulador de terminal mais comum é o xterm. Há alternativas interessantes como o
rxvt – que é mais leve que o xterm – e o aterm – que possui mais opções de configuração.
Os padrões de aparência e comportamento do xterm são determinados no arquivo
/etc/X11/app-defaults/XTerm. Essas características podem ser alteradas através de
argumentos para o xterm ou através dos arquivos ~/.Xresources ou ~/.Xdefaults.
Exemplo de ~/.Xresources:
XTerm*font: -misc-fixed-*-*-*-*-18-*-*-*-*-*-iso8859-1
XTerm*foreground: grey70
XTerm*background: black
XTerm*visualBell: true
Nesse exemplo é alterada a fonte, as cores de fundo e de letra e o bipe de sistema é inibido para dar
lugar a uma sinalização visual. Para que essas alterações tenham efeito, é necessário aglutinar as
configurações ao banco de dados de recursos do servidor X. Essa tarefa é realizada automaticamente
(se houver alterações no arquivo) toda vez que o X inicia ou manualmente, com o comando:
$ xrdb -merge ~/.Xresources
Há ferramentas que auxiliam a criação de arquivos de recursos, não só para o emulador de terminal,
mas para uma variedade de outros programas:
xwininfo
Retorna informações sobre uma janela, inclusive informações de posição e tamanho.
editres
Permite testar as configurações e posteriormente salvá-las num arquivo.

Comportamento de Teclado e Mouse


A resposta para eventos de teclado e mouse pode ser alterada modificando o arquivo Xmodmap. O
arquivo global é /etc/X11/xinit/.Xmodmap (ultrapassado) e para o usuário é ~/.Xmodmap.
Este arquivo deve ser passado ao programa xmodmap para alterar as respostas a eventos.
Exemplos de .Xmodmap:

66
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

Inverter os botões do mouse:


pointer = 3 2 1

Definir tecla Delete:


keycode 107 = Delete
O comando xev auxilia no entendimento e uso de eventos de mouse e teclado. xev abre uma janela
que mostrará no emulador de terminal os códigos associados ao evento recebido na janela.

Bibliotecas Adicionais de Aplicativos


Muitos programas do ambiente gráfico exigem bibliotecas adicionais, como os programas criados
com a biblioteca GTK (Gimp Tool Kit) ou QT. Essas dependências podem ser verificadas com o
comando ldd, da mesma maneira usada em programas de terminal. Uma vez instaladas as
dependências pendentes nos locais apropriados (localizáveis pelo ld.so), os programas funcionarão.

DISPLAY Remoto
Em ambientes de rede, é possível redirecionar a janela de um programa para ser mostrada e
controlada em um outro host da rede. A variável de ambiente DISPLAY determina onde as janelas de
programas serão mostradas e controladas.
A variável DISPLAY possui o seguinte formato:
hostname:displaynumber.screennumber
Em estações de trabalho convencionais onde o usuário está logado ao próprio host local e só há um
conjunto de monitor e teclado/mouse, a variável DISPLAY é “:0.0”, o que significa que os
programas serão mostrados e controlados no único display (entendido como o conjunto
monitor/teclado/mouse) no host local. Displaynumber e screennumber são úteis, por exemplo, para
operar com monitores adicionais instalados no host.
Se o usuário está logado no servidor por uma estação remota chamada “debian”, através de uma
conexão XDMCP (login remoto via xdm), a variável DISPLAY para este usuário deverá ser
“debian:0.0”, de forma que os programas executados por ele (programas oriundos do servidor)
sejam mostrados e controlados na estação remota.
Por segurança, apenas o usuário e no mesmo host que iniciou a sessão X poderá abrir programas no
respectivo display, a menos que outros usuários/hosts sejam autorizados a fazê-lo. Essa exclusividade
é garantida através do MIT-MAGIC-COOKIE-1, um cookie que é gerado toda vez que uma sessão
X inicia e armazenado em ~/.Xauthority.
A maneira mais convencional de se autorizar outros a acessar um mesmo display é usando o comando
xhost, que libera/bloqueia o acesso para outros usuários/hosts ao display local:
Permitir a outros usuário no host local acessarem o display:
# xhost +local:

Permitir que usuários na estação remota “redhat” acessem o display local:


# xhost +redhat
Agora, basta mudar a variável DISPLAY na estação “redhat” para redirecionar a saída e o controle
de programas para o display local. Supondo o host local chamar-se “slackware”, o seguinte comando

67
Tópico 110: O Sistema de Janelas X

poderia ser executado na estação “redhat”:


# export DISPLAY=slackware:0.0
Para bloquear retirar a permissão da estação, substitui-se o sinal “+” por “-”:
xhost -redhat
Ao super-usuário (root) o acesso a um display no mesmo host estará garantido ao passo que existir a
variável de ambiente XAUTHORITY apontando o caminho para o arquivo .Xauthority do usuário
que iniciou a sessão do X.

68
Apêndice 1
Objetivos detalhados para o exame 101
Estes são os objetivos oficiais para o exame 101, disponíveis através do site http://www.lpi.org/. A
opção por deixar os objetivos em inglês é para ater-se ao formato original, visto que os objetivos
oficiais são publicados apenas nesse idioma.

Exam 101: Detailed Objectives


This is a required exam for LPI certification Level 1. It covers basic system administration skills that
are common across all distributions of Linux.
IMPORTANT INFORMATION: These are the current 101 objectives, which are valid effective
2006-01-01. The 101 exams which are delivered through test centrers all over the world, will reflect
these updated objectives for English in early 2006 and all other languages by late 2006/early
2007. Candidates should be prepared to take exams based upon these objectives after 1Q2006.
Each objective is assigned a weighting value. The weights range roughly from 1 to 10 and indicate the
relative importance of each objective. Objectives with higher weights will be covered in the exam
with more questions.
Maintainer: Dimitrios "Taki" Bogiatzoules, Product Developer
Last modification: 2005-12-31

Topic 101: Hardware & Architecture


• 1.101.1 Configure Fundamental BIOS Settings
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to configure fundamental system hardware by making
the correct settings in the system BIOS in x86 based hardware.
Key knowledge area(s):
Enable and disable integrated peripherals.
Configure systems with or without external peripherals such as keyboards.
Correctly set IRQ, DMA and I/O addresses for all BIOS administrated ports and settings for
error handling.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/proc/ioports
/proc/interrupts
/proc/dma
/proc/pci
• 1.101.3 Configure Modem and Sound cards
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to configure modem and soundcard settings.
Key knowledge area(s):
Ensure devices meet compatibility requirements (particularly that the modem is not an

69
Apêndice 1

unsupported win-modem).
Verify that correct resources are used by the cards.
Configure modem for outbound dial-up.
Set serial port speeds.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/proc/dma
/proc/interrupts
/proc/ioports
/proc/pci
lspci
lsusb
• 1.101.4 Setup non-IDE Devices
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to configure non-IDE devices as SCSI, SATA, USB
drives using the special BIOS as well as the necessary Linux tools.
Key knowledge area(s):
Differentiate between the various types of non-IDE devices.
Manipulate BIOS to detect used and available SCSI IDs.
Set the correct hardware ID for different devices, especially the boot device.
Configure BIOS settings to control the boot sequence when both non-IDE and IDE devices are
present .

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
SCSI ID
/proc/scsi/
scsi_info
• 1.101.5 Setup different PC expansion cards
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to configure various cards for the various expansion
slots.
Key knowledge area(s):
Know the differences between coldplug and hotplug devices.
Determine hardware recources for devices.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
The appropriate subdirectories of /proc
hotplug configuration files, terms and utilities
lspci
lsusb
• 1.101.6 Configure Communication Devices
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to install and configure different internal and external

70
Apêndice 1

communication devices like modems, ISDN adapters and DSL modems.


Key knowledge area(s):
Verification of compatibility requirements (such as the modem is not a winmodem).
Correctly set IRQs, DMAs and I/O Ports of the cards to avoid conflicts between devices.
Load and configure suitable device drivers.
Set serial port speed.
Setup modem for outbound PPP connections.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/proc/dma
/proc/interrupts
/proc/ioports
setserial
• 1.101.7 Configure USB devices
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to activate USB support, use and configure different
USB devices.
Key knowledge area(s):
Identify and load the correct USB driver module.
Demonstrate knowledge of the USB layer architecture and the modules used in the different
layers.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
lspci
xHCI modules
lsusb
/etc/usbmgr/
usbmodules
/etc/hotplug
udev configuration files, utilities and documentation

Topic 102: Linux Installation & Package Management


• 1.102.1 Design hard disk layout
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to design a disk partitioning scheme for a Linux
system.
Key knowledge area(s):
Allocate filesystems and swap space to separate partitions or disks.
Tailor the design to the intended use of the system.
Ensure the /boot partition conforms to the BIOS requirements for booting.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/ (root) filesystem
/var filesystem

71
Apêndice 1

/home filesystem
swap space
mount points
partitions
• 1.102.2 Install a boot manager
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to select, install and configure a boot manager.
Key knowledge area(s):
Providing alternative boot locations and backup boot options (for example, using a boot
floppy or a bootable CDROM).
Install and configure a boot loader such as GRUB or LILO.
Interact with the boot loader.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/boot/grub/grub.conf
/boot/grub/menu.lst
grub-install
MBR
superblock
first stage boot loader
/etc/lilo.conf
lilo
• 1.102.3 Make and install programs from source
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to build and install an executable program from
source. This objective includes being able to unpack a file of sources. Candidates should be
able to make simple customizations to the Makefile, for example changing paths or adding
extra include directories, either in the raw Makefile or using the configure tools.
Key knowledge area(s):
Unpack a file of sources using typical compression utilities.
Make simple customizations to Makefile such as changing paths or adding extra include
directories.
Apply parameters to a configure script.
Know where sourses are stored by default.
Compile a RPM oder DPKG software package using sources.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
RPM and DPKG commands
/usr/src/
gunzip
gzip
bzip2
tar
configure
make

72
Apêndice 1

• 1.102.4 Manage shared libraries


Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to determine the shared libraries that executable
programs depend on and install them when necessary.
Key knowledge area(s):
Identify shared libraries.
Identify the typical locations of system libraries.
Load shared libraries.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
ldd
ldconfig
/etc/ld.so.conf
LD_LIBRARY_PATH
• 1.102.5 Use Debian package management
Comment this objective!
Weight: 8
Description: Candidates should be able to perform package management using the Debian
package tools.
Key knowledge area(s):
Install, upgrade and uninstall Debian binary packages.
Find packages containing specific files or libraries which may or may not be installed.
Obtain package information like version, content, dependencies, package integrity and
installation status (whether or not the package is installed).

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
unpack
configure
/etc/dpkg/dpkg.cfg
/var/lib/dpkg/*
/etc/apt/apt.conf
/etc/apt/sources.list
dpkg
dselect
dpkg-reconfigure
apt-get
alien
• 1.102.6 Use Red Hat Package Manager (RPM)
Comment this objective!
Weight: 8
Description: Candidates should be able to perform package management using RPM based
tools.
Key knowledge area(s):
Install, re-install, upgrade and remove RPM packages.
Obtain information on RPM packages such as version, status, dependencies, integrity and

73
Apêndice 1

signatures.
Determine what files a package provides, as well as find which package a specific file comes
from.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/etc/rpmrc
/usr/lib/rpm/*
rpm
grep

Topic: 103 GNU & Unix Commands


• 1.103.1 Work on the command line
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to interact with shells and commands using the
command line. The objective assumes the bash shell.
Key knowledge area(s):
Use single shell commands and one line command sequences to perform basic tasks on the
command line.
Use and modify the shell environment including defining, referencing and exporting
environment variables.
Use and edit command history.
Invoke commands inside and outside the defined path.
Use commands recursively through a directory tree.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
.
bash
echo
env
exec
export
pwd
set
unset
~/.bash_history
~/.profile
• 1.103.2 Process text streams using filters
Comment this objective!
Weight: 6
Description: Candidates should should be able to apply filters to text streams.
Key knowledge area(s):
Send text files and output streams through text utility filters to modify the output using
standard UNIX commands found in the GNU textutils package.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:

74
Apêndice 1

cat
cut
expand
fmt
head
hexdump
join
nl
paste
pr
sed
sort
split
tac
tail
tr
unexpand
uniq
wc
• 1.103.3 Perform basic file management
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to use the basic Linux commands to manage files and
directories.
Key knowledge area(s):
Copy, move and remove files and directories individually.
Copy multiple files and directories recursively.
Remove files and directories recursively.
Use simple and advanced wildcard specifications in commands.
Using find to locate and act on files based on type, size, or time.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
cp
find
mkdir
mv
ls
rm
rmdir
touch
file globbing
• 1.103.4 Use streams, pipes and redirects
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to redirect streams and connect them in order to
efficiently process textual data. Tasks include redirecting standard input, standard output and
standard error, piping the output of one command to the input of another command, using the

75
Apêndice 1

output of one command as arguments to another command and sending output to both
stdout and a file.
Key knowledge area(s):
Redirecting standard input, standard output and standard error.
Pipe the output of one command to the input of another command.
Use the output of one command as arguments to another command.
Send output to both stdout and a file.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
tee
xargs
<
<<
>
>>
|
` ` (back ticks)
• 1.103.5 Create, monitor and kill processes
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to perform basic process management.
Key knowledge area(s):
Run jobs in the foreground and background.
Start a process that will run without being associated to a terminal.
Signal a program to continue running after logout.
Monitor active processes.
Select and sort processes for display.
Send signals to processes.
Kill processes including processes that did not terminate correctly after an X session has
closed

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
&
bg
fg
jobs
kill
nohup
ps
top
killall
• 1.103.6 Modify process execution priorities
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should should be able to manage process execution priorities.
Key knowledge area(s):

76
Apêndice 1

Know the default priority of a job that is created.


Run a program with higher or lower priority than the default..
Change the priority of a running process.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
nice
ps
renice
top
• 1.103.7 Search text files using regular expressions
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to manipulate files and text data using regular
expressions. This objective includes creating simple regular expressions containing several
notational elements. It also includes using regular expression tools to perform searches
through a filesystem or file content.
Key knowledge area(s):
Create simple regular expressions containing several notational elements.
Use regular expression tools to perform searches through a filesystem or file content.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
grep
sed
• 1.103.8 Perform basic file editing operations using vi
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to edit text files using vi. This objective includes vi
navigation, basic vi modes, inserting, editing, deleting, copying and finding text.
Key knowledge area(s):
Navigate a document using vi.
Use basic vi modes (Command, Insert, Replace).
Insert, edit, delete, copy and find text.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
vi
/, ?
h,j,k,l
G, H, L
i, c, d, dd, p, o, a
ZZ, :w!, :q!, :e!
:!

Topic 104: Devices, Linux Filesystems, Filesystem Hierarchy Standard


• 1.104.1 Create partitions and filesystems
Comment this objective!
Weight: 3

77
Apêndice 1

Description: Candidates should be able to configure disk partitions and then create
filesystems on media such as hard disks. This includes the handling of swap partitions.
Key knowledge area(s):
Use various mkfs commands to set up partitions and create various filesystems, including
ext2, ext3, reiserfs, vfat and xfs.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
fdisk
mkfs
mkswap
• 1.104.2 Maintain the integrity of filesystems
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to maintain a standard filesystem, as well as the extra
data associated with a journaling filesystem.
Key knowledge area(s):
Verify the integrity of filesystems.
Monitor free space and inodes.
Repair simple filesystem problems.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
du
df
fsck
e2fsck
mke2fs
debugfs
dumpe2fs
tune2fs
• 1.104.3 Control mounting and unmounting filesystems
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to configure the mounting of a filesystem.
Key knowledge area(s):
Manually mount and unmount filesystems.
Configure filesystem mounting on bootup.
Configure user mountable removeable filesystems such as tape drives, floppies and CDROMs.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/etc/fstab
mount
umount
• 1.104.4 Managing disk quota
Comment this objective!
Weight: 3
Description: Candidates should be able to manage disk quotas for users.

78
Apêndice 1

Key knowledge area(s):


Set up a disk quota for a filesystem.
Edit, check and generate user quota reports.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
quota
edquota
repquota
quotaon
• 1.104.5 Use file permissions to control access to files
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to control file access through the proper use of
permissions.
Key knowledge area(s):
Manage access permissions on regular and special files as well as directories.
Use access modes such as suid, sgid and the sticky bit to maintain security.
Use the group field to grant file access to workgroups.
Basic knowledge of ACL.
Know how to change the default file creation mode of the shell.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
chmod
umask
chattr (where applicable)
• 1.104.6 Manage file ownership
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to control user and group ownership of files. This
objective includes the ability to change the user and group owner of a file as well as the
default group owner for new files.
Key knowledge area(s):
Manage access permissions on regular and special files as well as directories.
Use the group field to grant file access to workgroups.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
chmod
chown
chgrp
• 1.104.7 Create and change hard and symbolic links
Comment this objective!
Weight: 1
Description: Candidates should be able to create and manage hard and symbolic links to a
file.
Key knowledge area(s):
Create links.

79
Apêndice 1

Identify hard and/or softlinks.


Copying versus linking files.
Use links to support system administration tasks.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
ln
• 1.104.8 Find system files and place files in the correct location
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be thouroughly familiar with the Filesystem Hierarchy
Standard (FHS), including typical file locations and directory classifications.
Key knowledge area(s):
Understand the correct locations of files under the FHS.
Find files and commands on a Linux system.
Know the location and propose of impotant file and directories as defind in the FHS.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
find
locate
slocate
updatedb
whereis
which
/etc/updatedb.conf

Topic 110: The X Window System


• 1.110.1 Install & Configure X11
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to install and configure X and an X font server.
Key knowledge area(s):
Verify that the video card and monitor are supported by an X server.
Customize and tune X for the videocard and monitor.
Install and configure an X font server.
Install fonts.
Manually edit the X Window configuration file.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
xorgcfg
xorgconfig
/etc/X11/xorg.conf XF86Setup
xf86config
xvidtune
/etc/X11/XF86Config
.Xresources
• 1.110.2 Setup a display manager

80
Apêndice 1

Comment this objective!


Weight: 3
Description: Candidates should be able setup and customize a display manager. This
objective covers the display managers XDM (X Display Manger), GDM (Gnome Display
Manager) and KDM (KDE Display Manager).
Key knowledge area(s):
Turn the display manager on or off.
Change the display manager greeting.
Change default color depth for the display manager.
Configure display managers for use by X-stations.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
/etc/inittab
/etc/X11/xdm/*
/etc/X11/kdm/*
/etc/X11/gdm/*
• 1.110.4 Install & Customize a Window Manager Environment
Comment this objective!
Weight: 5
Description: Candidates should be able to customize a system-wide desktop environment
and/or window manager.
Key knowledge area(s):
Demonstrate an understanding of customization procedures for window manager menus
and/or desktop panel menus.
Select and configuring the desired x-terminal (xterm, rxvt, aterm etc.).
Verify and resolve library dependency issues for X applications.
Export the X-display to a client workstation.

The following is a partial list of the used files, terms and utilities:
.xinitrc
.Xdefaults
xhost
DISPLAY environment variable

81
Apêndice 2
GNU Free Documentation License
GNU Free Documentation License
Version 1.2, November 2002

Copyright (C) 2000,2001,2002 Free Software Foundation, Inc.


51 Franklin St, Fifth Floor, Boston, MA 02110-1301 USA
Everyone is permitted to copy and distribute verbatim copies
of this license document, but changing it is not allowed.

0. PREAMBLE

The purpose of this License is to make a manual, textbook, or other


functional and useful document "free" in the sense of freedom: to
assure everyone the effective freedom to copy and redistribute it,
with or without modifying it, either commercially or noncommercially.
Secondarily, this License preserves for the author and publisher a way
to get credit for their work, while not being considered responsible
for modifications made by others.

This License is a kind of "copyleft", which means that derivative


works of the document must themselves be free in the same sense. It
complements the GNU General Public License, which is a copyleft
license designed for free software.

We have designed this License in order to use it for manuals for free
software, because free software needs free documentation: a free
program should come with manuals providing the same freedoms that the
software does. But this License is not limited to software manuals;
it can be used for any textual work, regardless of subject matter or
whether it is published as a printed book. We recommend this License
principally for works whose purpose is instruction or reference.

1. APPLICABILITY AND DEFINITIONS

This License applies to any manual or other work, in any medium, that
contains a notice placed by the copyright holder saying it can be
distributed under the terms of this License. Such a notice grants a
world-wide, royalty-free license, unlimited in duration, to use that
work under the conditions stated herein. The "Document", below,
refers to any such manual or work. Any member of the public is a
licensee, and is addressed as "you". You accept the license if you
copy, modify or distribute the work in a way requiring permission
under copyright law.

A "Modified Version" of the Document means any work containing the


Document or a portion of it, either copied verbatim, or with
modifications and/or translated into another language.

A "Secondary Section" is a named appendix or a front-matter section of


the Document that deals exclusively with the relationship of the
publishers or authors of the Document to the Document's overall subject

83
Apêndice 2

(or to related matters) and contains nothing that could fall directly
within that overall subject. (Thus, if the Document is in part a
textbook of mathematics, a Secondary Section may not explain any
mathematics.) The relationship could be a matter of historical
connection with the subject or with related matters, or of legal,
commercial, philosophical, ethical or political position regarding
them.

The "Invariant Sections" are certain Secondary Sections whose titles


are designated, as being those of Invariant Sections, in the notice
that says that the Document is released under this License. If a
section does not fit the above definition of Secondary then it is not
allowed to be designated as Invariant. The Document may contain zero
Invariant Sections. If the Document does not identify any Invariant
Sections then there are none.

The "Cover Texts" are certain short passages of text that are listed,
as Front-Cover Texts or Back-Cover Texts, in the notice that says that
the Document is released under this License. A Front-Cover Text may
be at most 5 words, and a Back-Cover Text may be at most 25 words.

A "Transparent" copy of the Document means a machine-readable copy,


represented in a format whose specification is available to the
general public, that is suitable for revising the document
straightforwardly with generic text editors or (for images composed of
pixels) generic paint programs or (for drawings) some widely available
drawing editor, and that is suitable for input to text formatters or
for automatic translation to a variety of formats suitable for input
to text formatters. A copy made in an otherwise Transparent file
format whose markup, or absence of markup, has been arranged to thwart
or discourage subsequent modification by readers is not Transparent.
An image format is not Transparent if used for any substantial amount
of text. A copy that is not "Transparent" is called "Opaque".

Examples of suitable formats for Transparent copies include plain


ASCII without markup, Texinfo input format, LaTeX input format, SGML
or XML using a publicly available DTD, and standard-conforming simple
HTML, PostScript or PDF designed for human modification. Examples of
transparent image formats include PNG, XCF and JPG. Opaque formats
include proprietary formats that can be read and edited only by
proprietary word processors, SGML or XML for which the DTD and/or
processing tools are not generally available, and the
machine-generated HTML, PostScript or PDF produced by some word
processors for output purposes only.

The "Title Page" means, for a printed book, the title page itself,
plus such following pages as are needed to hold, legibly, the material
this License requires to appear in the title page. For works in
formats which do not have any title page as such, "Title Page" means
the text near the most prominent appearance of the work's title,
preceding the beginning of the body of the text.

A section "Entitled XYZ" means a named subunit of the Document whose


title either is precisely XYZ or contains XYZ in parentheses following
text that translates XYZ in another language. (Here XYZ stands for a
specific section name mentioned below, such as "Acknowledgements",
"Dedications", "Endorsements", or "History".) To "Preserve the Title"
of such a section when you modify the Document means that it remains a
section "Entitled XYZ" according to this definition.

84
Apêndice 2

The Document may include Warranty Disclaimers next to the notice which
states that this License applies to the Document. These Warranty
Disclaimers are considered to be included by reference in this
License, but only as regards disclaiming warranties: any other
implication that these Warranty Disclaimers may have is void and has
no effect on the meaning of this License.

2. VERBATIM COPYING

You may copy and distribute the Document in any medium, either
commercially or noncommercially, provided that this License, the
copyright notices, and the license notice saying this License applies
to the Document are reproduced in all copies, and that you add no other
conditions whatsoever to those of this License. You may not use
technical measures to obstruct or control the reading or further
copying of the copies you make or distribute. However, you may accept
compensation in exchange for copies. If you distribute a large enough
number of copies you must also follow the conditions in section 3.

You may also lend copies, under the same conditions stated above, and
you may publicly display copies.

3. COPYING IN QUANTITY

If you publish printed copies (or copies in media that commonly have
printed covers) of the Document, numbering more than 100, and the
Document's license notice requires Cover Texts, you must enclose the
copies in covers that carry, clearly and legibly, all these Cover
Texts: Front-Cover Texts on the front cover, and Back-Cover Texts on
the back cover. Both covers must also clearly and legibly identify
you as the publisher of these copies. The front cover must present
the full title with all words of the title equally prominent and
visible. You may add other material on the covers in addition.
Copying with changes limited to the covers, as long as they preserve
the title of the Document and satisfy these conditions, can be treated
as verbatim copying in other respects.

If the required texts for either cover are too voluminous to fit
legibly, you should put the first ones listed (as many as fit
reasonably) on the actual cover, and continue the rest onto adjacent
pages.

If you publish or distribute Opaque copies of the Document numbering


more than 100, you must either include a machine-readable Transparent
copy along with each Opaque copy, or state in or with each Opaque copy
a computer-network location from which the general network-using
public has access to download using public-standard network protocols
a complete Transparent copy of the Document, free of added material.
If you use the latter option, you must take reasonably prudent steps,
when you begin distribution of Opaque copies in quantity, to ensure
that this Transparent copy will remain thus accessible at the stated
location until at least one year after the last time you distribute an
Opaque copy (directly or through your agents or retailers) of that
edition to the public.

It is requested, but not required, that you contact the authors of the

85
Apêndice 2

Document well before redistributing any large number of copies, to give


them a chance to provide you with an updated version of the Document.

4. MODIFICATIONS

You may copy and distribute a Modified Version of the Document under
the conditions of sections 2 and 3 above, provided that you release
the Modified Version under precisely this License, with the Modified
Version filling the role of the Document, thus licensing distribution
and modification of the Modified Version to whoever possesses a copy
of it. In addition, you must do these things in the Modified Version:

A. Use in the Title Page (and on the covers, if any) a title distinct
from that of the Document, and from those of previous versions
(which should, if there were any, be listed in the History section
of the Document). You may use the same title as a previous version
if the original publisher of that version gives permission.
B. List on the Title Page, as authors, one or more persons or entities
responsible for authorship of the modifications in the Modified
Version, together with at least five of the principal authors of the
Document (all of its principal authors, if it has fewer than five),
unless they release you from this requirement.
C. State on the Title page the name of the publisher of the
Modified Version, as the publisher.
D. Preserve all the copyright notices of the Document.
E. Add an appropriate copyright notice for your modifications
adjacent to the other copyright notices.
F. Include, immediately after the copyright notices, a license notice
giving the public permission to use the Modified Version under the
terms of this License, in the form shown in the Addendum below.
G. Preserve in that license notice the full lists of Invariant Sections
and required Cover Texts given in the Document's license notice.
H. Include an unaltered copy of this License.
I. Preserve the section Entitled "History", Preserve its Title, and add
to it an item stating at least the title, year, new authors, and
publisher of the Modified Version as given on the Title Page. If
there is no section Entitled "History" in the Document, create one
stating the title, year, authors, and publisher of the Document as
given on its Title Page, then add an item describing the Modified
Version as stated in the previous sentence.
J. Preserve the network location, if any, given in the Document for
public access to a Transparent copy of the Document, and likewise
the network locations given in the Document for previous versions
it was based on. These may be placed in the "History" section.
You may omit a network location for a work that was published at
least four years before the Document itself, or if the original
publisher of the version it refers to gives permission.
K. For any section Entitled "Acknowledgements" or "Dedications",
Preserve the Title of the section, and preserve in the section all
the substance and tone of each of the contributor acknowledgements
and/or dedications given therein.
L. Preserve all the Invariant Sections of the Document,
unaltered in their text and in their titles. Section numbers
or the equivalent are not considered part of the section titles.
M. Delete any section Entitled "Endorsements". Such a section
may not be included in the Modified Version.
N. Do not retitle any existing section to be Entitled "Endorsements"
or to conflict in title with any Invariant Section.

86
Apêndice 2

O. Preserve any Warranty Disclaimers.

If the Modified Version includes new front-matter sections or


appendices that qualify as Secondary Sections and contain no material
copied from the Document, you may at your option designate some or all
of these sections as invariant. To do this, add their titles to the
list of Invariant Sections in the Modified Version's license notice.
These titles must be distinct from any other section titles.

You may add a section Entitled "Endorsements", provided it contains


nothing but endorsements of your Modified Version by various
parties--for example, statements of peer review or that the text has
been approved by an organization as the authoritative definition of a
standard.

You may add a passage of up to five words as a Front-Cover Text, and a


passage of up to 25 words as a Back-Cover Text, to the end of the list
of Cover Texts in the Modified Version. Only one passage of
Front-Cover Text and one of Back-Cover Text may be added by (or
through arrangements made by) any one entity. If the Document already
includes a cover text for the same cover, previously added by you or
by arrangement made by the same entity you are acting on behalf of,
you may not add another; but you may replace the old one, on explicit
permission from the previous publisher that added the old one.

The author(s) and publisher(s) of the Document do not by this License


give permission to use their names for publicity for or to assert or
imply endorsement of any Modified Version.

5. COMBINING DOCUMENTS

You may combine the Document with other documents released under this
License, under the terms defined in section 4 above for modified
versions, provided that you include in the combination all of the
Invariant Sections of all of the original documents, unmodified, and
list them all as Invariant Sections of your combined work in its
license notice, and that you preserve all their Warranty Disclaimers.

The combined work need only contain one copy of this License, and
multiple identical Invariant Sections may be replaced with a single
copy. If there are multiple Invariant Sections with the same name but
different contents, make the title of each such section unique by
adding at the end of it, in parentheses, the name of the original
author or publisher of that section if known, or else a unique number.
Make the same adjustment to the section titles in the list of
Invariant Sections in the license notice of the combined work.

In the combination, you must combine any sections Entitled "History"


in the various original documents, forming one section Entitled
"History"; likewise combine any sections Entitled "Acknowledgements",
and any sections Entitled "Dedications". You must delete all sections
Entitled "Endorsements".

6. COLLECTIONS OF DOCUMENTS

You may make a collection consisting of the Document and other documents
released under this License, and replace the individual copies of this

87
Apêndice 2

License in the various documents with a single copy that is included in


the collection, provided that you follow the rules of this License for
verbatim copying of each of the documents in all other respects.

You may extract a single document from such a collection, and distribute
it individually under this License, provided you insert a copy of this
License into the extracted document, and follow this License in all
other respects regarding verbatim copying of that document.

7. AGGREGATION WITH INDEPENDENT WORKS

A compilation of the Document or its derivatives with other separate


and independent documents or works, in or on a volume of a storage or
distribution medium, is called an "aggregate" if the copyright
resulting from the compilation is not used to limit the legal rights
of the compilation's users beyond what the individual works permit.
When the Document is included in an aggregate, this License does not
apply to the other works in the aggregate which are not themselves
derivative works of the Document.

If the Cover Text requirement of section 3 is applicable to these


copies of the Document, then if the Document is less than one half of
the entire aggregate, the Document's Cover Texts may be placed on
covers that bracket the Document within the aggregate, or the
electronic equivalent of covers if the Document is in electronic form.
Otherwise they must appear on printed covers that bracket the whole
aggregate.

8. TRANSLATION

Translation is considered a kind of modification, so you may


distribute translations of the Document under the terms of section 4.
Replacing Invariant Sections with translations requires special
permission from their copyright holders, but you may include
translations of some or all Invariant Sections in addition to the
original versions of these Invariant Sections. You may include a
translation of this License, and all the license notices in the
Document, and any Warranty Disclaimers, provided that you also include
the original English version of this License and the original versions
of those notices and disclaimers. In case of a disagreement between
the translation and the original version of this License or a notice
or disclaimer, the original version will prevail.

If a section in the Document is Entitled "Acknowledgements",


"Dedications", or "History", the requirement (section 4) to Preserve
its Title (section 1) will typically require changing the actual
title.

9. TERMINATION

You may not copy, modify, sublicense, or distribute the Document except
as expressly provided for under this License. Any other attempt to
copy, modify, sublicense or distribute the Document is void, and will
automatically terminate your rights under this License. However,
parties who have received copies, or rights, from you under this
License will not have their licenses terminated so long as such

88
Apêndice 2

parties remain in full compliance.

10. FUTURE REVISIONS OF THIS LICENSE

The Free Software Foundation may publish new, revised versions


of the GNU Free Documentation License from time to time. Such new
versions will be similar in spirit to the present version, but may
differ in detail to address new problems or concerns. See
http://www.gnu.org/copyleft/.

Each version of the License is given a distinguishing version number.


If the Document specifies that a particular numbered version of this
License "or any later version" applies to it, you have the option of
following the terms and conditions either of that specified version or
of any later version that has been published (not as a draft) by the
Free Software Foundation. If the Document does not specify a version
number of this License, you may choose any version ever published (not
as a draft) by the Free Software Foundation.

ADDENDUM: How to use this License for your documents

To use this License in a document you have written, include a copy of


the License in the document and put the following copyright and
license notices just after the title page:

Copyright (c) YEAR YOUR NAME.


Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document
under the terms of the GNU Free Documentation License, Version 1.2
or any later version published by the Free Software Foundation;
with no Invariant Sections, no Front-Cover Texts, and no Back-Cover Texts.
A copy of the license is included in the section entitled "GNU
Free Documentation License".

If you have Invariant Sections, Front-Cover Texts and Back-Cover Texts,


replace the "with...Texts." line with this:

with the Invariant Sections being LIST THEIR TITLES, with the
Front-Cover Texts being LIST, and with the Back-Cover Texts being LIST.

If you have Invariant Sections without Cover Texts, or some other


combination of the three, merge those two alternatives to suit the
situation.

If your document contains nontrivial examples of program code, we


recommend releasing these examples in parallel under your choice of
free software license, such as the GNU General Public License,
to permit their use in free software.

89