You are on page 1of 6

Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n.

4 – Ago/Dez 2009  

DA INDENIZAÇÃO PELO DESCUMPRIMENTO REITERADO DOS DIREITOS SOCIAIS – APLICAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO, ARTIGO 404 DO CC, NA SEARA TRABALHISTA. ANALUISA MACEDO TRINDADE1 I - Da constitucionalização dos direitos sociais. A importância jurídica e, sobretudo, social do Direito do Trabalho tornou imprescindível a constitucionalização de seus mais basilares princípios. Aliás, tal fato decorre da evolução própria do Estado, que, adotando a democracia, regime em que se pode combinar liberdade e igualdade na convivência social, e que tem como base a dignidade da pessoa humana, incluiu em sua Carta Constitucional direitos e garantias indispensáveis à concretização destes princípios. Percebe-se a importância do Direito do Trabalho já nas primeiras linhas da Constituição Federal. O artigo 1º. traz como fundamentos da República Federativa do Brasil, dentre outros, a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa. Estão os direitos sociais inseridos no Título II da CF, o qual traz o rol dos direitos e garantias fundamentais. Ali temos um extensivo rol de direitos sociais, elevados à nível constitucional. A valorização do trabalho e da livre iniciativa são fundamentos das ordens econômica e social brasileiras – artigos 170 e 193 da CF/88. Até mesmo na verificação do cumprimento da função social pela propriedade, tema inserido na política agrária do Brasil, há que se verificar o bem estar dos trabalhadores – artigo 186, inciso IV. Irrefutável, portanto, a importância dos direitos sociais no âmbito jurídico como um todo e, em especial, no âmbito constitucional.

                                                                                                                          1  Advogada inscrita na OAB/PR sob o número 45.796, pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho, analuisamtrindade@hotmail.com.  

49  

. com a prática reiterada de descumprimento da legislação que garante os direitos sociais. Negar efetividade aos direitos sociais se traduz no colapso do Estado Social de Direito. Oscar.org. exigindo uma resposta à altura do Poder Judiciário para que se desestimule a continuidade. no qual estamos inseridos. principalmente dos direitos positivados na Carta Constitucional e na Consolidação das Leis do Trabalho. criará. alternativas propiciadoras da efetividade processual. Não é outra a opinião de George Marmelsein Lima. mas tão somente agindo para concretizar um direito fundamental.pdf. Juiz Federal: O juiz. . 50     . Fundamentos a determinação de ofício de medida antecipatória no processo do trabalho. Tais descumprimentos configuram ato ilícito por parte dos empregadores. 4 – Ago/Dez 2009   II – Da necessidade de coibir o desrespeito reiterado aos direitos sociais Deparamo-nos. O Poder Judiciário pode e deve utilizar-se de todas as ferramentas possíveis para coibir as práticas ilícitas e abusivas em desfavor dos direitos sociais.ar/pdf/eft2009n51_pp3-15. em textos meramente ilustrativos. não se tranqüilizando com a auto-escusa calcada nas deficiências do sistema.eft. inquieto diante da complexidade procedimental.. quase que hodiernamente. moralmente comprometido com a missão de realizar o justo.                                                                                                                           2 Citado em KROST. Disponível em: www. para que se mantenha vivo o Estado Brasileiro. pois de nada servem se os direitos que ali estão positivados não encontram efetividade perante a sociedade.2 Agir de forma diversa equivaleria ao esvaziamento dos direitos fundamentais e à transformação de todo o nosso ordenamento jurídico. inclusive a Carta Magna. e isso para cumpri o seu mais basilar objetivo: concretizar os direitos fundamentais. Na verdade. ele próprio.Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n. o magistrado não estará `tomando partido´ em relação a esta ou àquela parte.

especialmente quando o fundamento da indenização for a extrapolação de limites econômicos e sociais do ato praticado. Em sendo o contrato de trabalho sinalagmático – complexo de obrigações – plenamente aplicável é o dispositivo legal acima. Nem sempre a legislação especial trabalhista. visualizando esta extensão. Daí a necessidade de buscarmos as solução em outros ramos do direito. II – A solução: aplicação do parágrafo único. a indenização. Aliás. até por ter sido concebida em um contexto social diverso do atual. o objetivo da norma acima é. pode o juiz conceder ao credor indenização suplementar. sobretudo as legalmente instituídas. reparar efetivamente os prejuízos advindos do descumprimento de obrigações. desestimular a reiteração desenfreada das condutas ilícitas. e não havendo pena convencional. tem respostas que efetivamente coíbem os desmandos dos empregadores. da CLT – que encontramos solução palpável para esse recorrente problema. a uma só medida. É no Novo Código Civil. a aplicação de indenização para coibir a prática de ilícitos constituídos pelo desrespeito da legislação trabalhista vem sendo defendida veementemente pelo Ilustre Jurista Souto Maior: Em se tratando de práticas ilícitas que tenham importante repercussão social. Provado que os juros da mora não cobrem o prejuízo. 4 – Ago/Dez 2009   Pois bem. e. fixase como forma de desestimular a continuação do ato ilícito. Inserido no Título IV – Do Inadimplemento das Obrigações. O parágrafo único do artigo 404 dispõe: Parágrafo único.Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n. aplicável subsidiariamente à seara trabalhista – autorização do parágrafo único. principalmente. artigo 8º. as quais significam extenso dano social. pois   51   . artigo 404 do Código Civil na seara trabalhista.

cfm 52     . portanto. (grifo nosso) No mesmo texto.... por óbvio. dano a outros empregadores que. as agressões ao direto do trabalho acabam atingindo uma grande quantidade de pessoas. possam vir a sofrer dano análogo.org. Disponível em http://www. pois. acaba forçando-os a agir da mesma forma. ou. recompondo-se a ordem jurídica. . que prejudica toda a sociedade. cumprem a legislação trabalhista. as relações sociais. as reclamações trabalhistas em face de uma mesma empresa que apresenta agressões reincidentes.Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n. sendo que destas agressões o empregador muitas vezes se vale para obter vantagem na concorrência com outros empregadores.anamatra. valendo-se da prática inescrupulosa de agressões aos direitos dos trabalhadores. de outro modo. 4 – Ago/Dez 2009   sob o ponto de vista social o que importa não é reparar o dano individualmente sofrido. nem o dano sofrido pelo trabalhador.br/hotsite/conamat06/trab_cientificos/teses_aprovadas. para ampliarem seus lucros. não compensa de forma integral. tais como: salários                                                                                                                           3   MAIOR. Com relação às empresas que habitam o cotidiano das Varas. não capitalizados. individualmente considerado. Isso implica. Indenização por dano social pela agressão voluntária e reincidente aos direitos trabalhistas. precarizando. A pertinência desses dispositivos no direito do trabalho é gritante. Óbvio que esta prática traduz-se em dumping social. inadvertidamente. por completo. Souto Maior defende a aplicação de indenização ex officio pelo Magistrado quando são reincidentes as violações: Portanto.. a mera aplicação do direito do trabalho. com pagamento de juros de 1% ao mês. mas impedir que outras pessoas. Souto. que se baseiam na lógica do capitalismo de produção. e correção monetária. normalmente. quanto mais o dano experimentado pela sociedade3. vítimas em potencial do agente.

mediante a mantença da dignidade daquele trabalhador que teve o seu direito violado. trabalho em horas extras de forma habitual. o fundamento de ordem positiva para impingir ao agressor                                                                                                                           4  Obra cit... propositalmente. conseqüentemente. O dano à sociedade configura ato ilícito. O Tribunal Superior do Trabalho já classifica essas agressões reiteradas como dumping social. Encontra-se no art.     53   . A prática. Vê-se que o arbitramento da indenização pela reiterada agressão ao direito do trabalho tem por escopo coibir tal prática e. DANO À SOCIEDADE. não recolhimento do FGTS. 404. pois com tal prática desconsidera-se. como se vê do Enunciado 4: "DUMPING SOCIAL". como dito por Souto Maior. por exercício abusivo do direito. pois a perspectiva não é da proteção do patrimônio individual4. por dano social. 186. reflete o conhecido "dumping social". motivando a necessária reação do Judiciário trabalhista para corrigi-la. não pagamento de verbas rescisórias. parágrafo único do Código Civil. devem resultar em condenação de uma indenização. portanto. arbitrado ex officio pelo juiz. artigo 404 do Código Civil como medida eficaz a ser adotada pelo Judiciário em desfavor de tais práticas. e recomenda a aplicação do parágrafo único. INDENIZAÇÃO SUPLEMENTAR. sem anotação de cartão de ponto de forma fidedigna e o pagamento do adicional correspondente. nos exatos termos dos arts. 187 e 927 do Código Civil.Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n. já que extrapola limites econômicos e sociais. 4 – Ago/Dez 2009   em atraso. pagamento de salários por fora. a estrutura do Estado social e do próprio modelo capitalista com a obtenção de vantagem indevida perante a concorrência. As agressões reincidentes e inescusáveis aos direitos trabalhistas geram um dano à sociedade. proteger a sociedade como um todo.

ser aplicada de ofício pelo Magistrado. 4 – Ago/Dez 2009   contumaz uma indenização suplementar. e 832. dia útil do mês subseqüente ao vencido. III – Conclusão Os direitos sociais. não concessão de intervalo intrajornada. A Consolidação das Leis do Trabalho autoriza a aplicação subsidiária do direito comum. § 1º. 2007. aliás. a indenização suplementar prevista no parágrafo único do artigo 404 do Código Civil é medida eficaz no combate ao agressor contumaz dos direitos sociais. (grifo nosso) A aplicabilidade do Enunciado acima encontra lugar em diversas situações de desrespeito reiterado à legislação trabalhista: pagamento de salário além do prazo legal – 5º.                                                                                                                           5  Enunciado proferido na 1ª Jornada de Direito Material e Processual na Justiça do Trabalho.Revista Eletrônica da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção do Paraná – n. reclamam medidas que garantam a sua efetividade. uma vez verificada a prática reiterada do desrespeito. pagamento de horas extras por fora. da CLT5. já previam os artigos 652. como. descumprimento das convenções coletivas de trabalho. Assim sendo. como direitos fundamentais que são. "d". podendo.   54   . inclusive.