You are on page 1of 3

Entenda o freio-motor, os efeitos dofiltro de ar sujo e as octanas da gasolinaGostaria de parabenizá-los pelo excelente trabalho, com um

conteúdo técnico e informativo o qual aprecio e confio muito.1) Li em uma consulta técnica aqui que um filtro de ar sujo nos motores carburados enriquece a mistura e nos injetados causa perda de rendimento. Gostaria que me explicassem o por quê.2) Li isso também: pouca abertura do acelerador gera turbulência na admissão e freio-motor... O que significa a expressão "freiomotor"?3) O que significa as tais "octanas" presentes na gasolina e por que somente nela "encontramos" octanas.4) No caso do licenciamento de carros envenenados, a avaliação se dá antes ou "depois do feito"?Paulo Willian Silva PintoSão Paulo, SPvulx_atom@bol.com.br Em função do volume de questões (seis) enviadas pelo leitor, selecionamos quatro para resposta neste momento.1) No carburador, o combustível é aspirado da cuba de nível constante por efeito de depressão do interior do difusor ou venturi. É por isso que o afogador consiste em obstruir a boca do carburador para que a depressão torne-se maior na região do difusor e aumente a quantidade de combustível, tornando a mistura mais rica. Com o filtro de ar restringindo a passagem, a potência do motor cai tanto devido à menor entrada de ar ao motor quanto pela mistura rica demais.Já na injeção o combustível é forçado, sob pressão, a juntar-se ao fluxo de ar. Mas o combustível é adicionado ao ar de acordo o seu fluxo de chegada ao interior dos cilindros, conforme detectado por sensores do sistema. Por exemplo, o Fio Quente, o sensor de posição da borboleta de aceleração, o sensor de pressão no coletor de admissão. É por isso que o filtro de ar com restrição excessiva (sujo) não faz aumentar o consumo de combustível, apenas reduz a potência do motor.2) Sendo o motor uma bomba de ar, e estando sua entrada fechada pela borboleta de aceleração, ele fará resistência ao deslocamento do veículo, como um freio -daí o nome freio-motor. A resistência decorre da enorme depressão gerada no interior dos cilindros, sendo essa depressão usada pelo sistema de assistência ao freio de serviço, ou servofreio. Tanto que os motores diesel, por não terem borboleta de aceleração (e freio-motor praticamente nenhum), precisam de uma bomba de vácuo especificamente para o servofreio. O freio-motor tem importância cada vez menor devido aos avanços que vêm sendo conseguidos nos sistema de freios, mas pode ser usado com vantagem, por exemplo, numa longa descida de serra para manter o freio de serviço (de "pé") livre de superaquecimento. Mas não precisa ser usado para ajudar numa freada forte para imobilização do veículo, que pode ser baseada exclusivamente no freio de serviço. Isso porque a potência desse freio é bem maior que a do motor. Por exemplo, um carro típico que acelere de 0 a 100 km/h em 12 segundos leva no máximo 3 s para imobilidade total a partir de 100 km/h. Portanto, numa emergência, a alavanca de câmbio deve ser esquecida.3) A gasolina é um hidrocarboneto em que seus elementos principais são a iso-heptana e a octana. A maior ou menor quantidade deste segundo define a maior ou menor resistência à autocombustão resultante da pressão a que é submetido no interior dos cilindros -- a autocombustão resulta na detonação, a conhecida batida de pino. É o fabricante do motor quem determina o requisito de octanas para o motor, devendo o motorista cuidar para que o veículo seja abastecido com o combustível correto.No Brasil só existem gasolinas de duas octanagens, a comum e a premium, de respectivamente 95 e 98 octanas, medidas pelo método Motor (a gasolina aditivada mantém o mesmo número de octanas, não importa se comum ou premium). Poucos são os carros no mundo que requerem 98 octanas; a grande maioria funciona perfeitamente com 95 octanas.4) Na vistoria de um carro modificado, a avaliação pelo órgão responsável (saiba mais) deve ocorrer depois de concluída a preparação ou transformação.

Relações de marcha: o acerto do câmbioO que significa "relação de
0,80:1 e diferencial de 4,11:1", por exemplo, de um câmbio? Quais relações podem ser consideradas boas?Orlando Higaorlando@cpqd.com.br

Não pode ser esquecido que todo carro deve ser capaz de arrancar numa rampa de. tanto com relação curta demais (rotações excedendo a de potência máxima) quanto com a longa demais (rotações abaixo da de potência máxima). os fabricantes franceses costumam indicar em suas fichas técnicas a relação invertida. quanto mais alta a relação de marcha (mais curta ou reduzida). são calculadas em função do motor. e vice-versa. Assim. uma quinta marcha de relação igual a 0. As demais. 35%. ou redução. reduzindo a força. com comando de válvulas "bravo" (maior duração e levantamento). Se a relação for mais longa.em geral cinco nos câmbios manuais e quatro nos automáticos. Mas há exageros com fins exclusivamente de marketing. completamente carregado. . Disso se conclui que. não fornece o mesmo torque (força) em todos os regimes de rotações. Um automóvel possui várias marchas -.11 vezes mais que se o diferencial tivesse a relação de 1:1. A cada duas voltas da engrenagem motora corresponde uma única volta da engrenagem movida.11 voltas para cada volta da engrenagem movida. no mínimo. As relações ou reduções de marcha definem quantas voltas dá a engrenagem motora (a que move a outra) para cada volta da engrenagem movida. Por isso nossas consultas de preparação sempre trazem a recomendação de quanto alterar a relação final de transmissão para "casar" as rotações de potência e de velocidade. com a divisão do número de voltas da engrenagem movida pelo da motora. Vamos exemplificar com uma marcha em que a engrenagem motora tem 15 dentes e a movida 30 dentes: há aqui uma relação.Uma característica especialmente desejável num carro em que a ênfase seja o desempenho é o "casamento" das rotações: a velocidade máxima deve ser atingida com o motor na rotação de potência máxima. O sistema de transmissão adota engrenagens com diferentes números de dentes para multiplicar ou reduzir a força do motor de acordo com a marcha selecionada.80:1 que você forneceu. exigem relações numericamente mais próximas entre si.porque o motor a combustão. Isso corresponde a uma multiplicação de força ou uma desmultiplicação de velocidade. a velocidade final em pista plana seguramente será menor.7 litros. Se esse equilíbrio não for obtido. Assim.8:1 seria indicada como 1:1. Em geral. É o caso da relação de 0. mais marchas. a engrenagem motora dá 4.Em última análise. também da linha Volkswagen. No outro exemplo fornecido. "pedindo marcha". Orlando. os motores mais esportivos (potência específica elevada). o correto escalonamento de marchas do câmbio.Mas a transmissão não termina na relação das marchas. o motor vai girar menos para um mesmo número de voltas da roda. ambos de seis marchas. Multiplicando-se a relação da marcha pela do diferencial e conhecendo o perímetro do pneu do veículo.Boa pergunta. pode-se determinar a velocidade teórica a partir do número de rotações por minuto do motor.A função dessa diferença é aumentar a velocidade da engrenagem movida. mais rotações o motor terá de dar para uma mesma volta da roda do veículo. menor a cilindrada.À guisa de curiosidade. tipicamente os de concepção mais antiga. admitem relações de marcha mais espaçadas. Você percebe isso cada vez que entra numa subida e o motor perde giros. de acordo com a marcha que você seleciona no câmbio. como já vimos. em função da curva de torque normalmente mais plana e ao torque máximo que surge em rotação mais baixa. ao contrário do elétrico. para reduzir a queda de giros nas mudanças de marcha.Determinar as relações de marcha adequadas. melhor dizendo. a quinta marcha de vários modelos Volkswagen. requisito que serve para determinar a relação da primeira marcha. uma redução para a marcha anterior. não importando qual a marcha selecionada. Todo automóvel possui um diferencial com sua relação. de 2:1. o motor vai girar 4. ou numericamente menor. ou reduzir sua velocidade. Motores de versões "comportadas" (potência específica baixa). é a característica de funcionamento do motor que vai determinar o número de marchas do câmbio. requer perfeito conhecimento das características do motor.25. embora já haja diversos modelos com seis no manual e cinco no automático -. como o Viper V10 de 8 litros e o Corvette V8 de 5. Assim. aumentando a força.