You are on page 1of 7

Doenças Autoimunes

Chamadas também de doenças por auto-agressão, acomete quando a resposta imunitária vai contra a defesa do próprio indivíduo. Não muito comum, uma vez que existem antígenos de controle desses organismos, embora muitos deles não são apresentados aos linfócitos devido sua baixa quantia. A imunossupressão é importante nesse caso devido ao controle da resposta imunológica. Sempre que há lesão, antígenos são liberados para reestruturar esse tecido e recompor suas células. A ignorância imunitária esta ligada a quantia de auto antígenos que na maior parte das vezes são associados aos linfócitos, aquele também das lesões. Na maioria das vezes são os mesmos antígenos que caracterizam a doença. As respostas imunitárias são comuns e controladas, estimuladas ao avançar da idade do individuo. Esta, é produz anticorpos naturais à partir das células B CD5+, que podem atuar como mascaradores de auto antígenos, impedindo seu reconhecimento. Etiopatogênese das doenças autoimunes Estas são multifatoriais, pode se dizer que ocorre pela falta de tolerância natural, pelo descontrole e alteração celular, fatores genéticos, imunossupressão entre outros fatores.Na autoagressão os fatores interferem desde a maturação dos linfócitos até os mecanismos imunoreguladores.

Sítios e tecidos privilegiados A auto agressão pode acontecer devido alguns antígenos estarem fora da barreira do sistema imunitário. Acreditava-se que antígenos isolados do sistema imunitário como olho, testículo, cérebro, útero grávido... não induziriam tolerância natural e ao entrar em contato com esse sistema desencadeariam uma resposta como a um antígeno externo. No entanto não é uma teoria válida, pois no olho há uma pequena quantia de drenagem linfática e que linfáticos eferentes são encontrados nos testículos. Os antígenos são encontrados na circulação em contato com o sistema imunitário, no espermatozoide em pequena quantia e em proteínas do cristalino. A não rejeição está ligada a indução de deleção de anergia, desvio de resposta T inflamatória para resposta TH2. A imunossupressão ocorre através da inoculação ativa de antígenos em sítios privilegiados , com geração de células supressoras que bloqueam a resposta T inflamatória. Estes sítios possuem substâncias que modulam a resposta imunitária. Alguns tecidos privilegiados são capazes de alterar o fenótipo de células potencialmente histotóxicas. Antígenos fetais induzem a modificações fenótipas transitórias nas células Tc maternas, criando uma tolerância temporária. Mesmo o privilegio imunológico não sendo a melhor explicação sobre auto agressão, o seu estudo melhora os o entendimento dos mecanismos de indução a tolerância periférica, que no futuro possa auxiliar na aceitação de transplantes alogênicos em humanos

assim como suas implicações odontológicas.que também podemos encontrar lesões na cavidade bucal. eritema e distúrbios de gustação. O tratamento deve ser iniciado com o conhecimento da história médica e odontológica do paciente. sendo a prevenção a forma ideal de abordagem. provocando distúrbios de cicatrização. em sua maioria de cor morena ou negra. Os principais sintomas são polidpsia. são mais susceptíveis à infecções. além de múltiplos sistemas orgânicos poderem apresentar manifestações ou complicações. hipoplasia de esmalte. minimizando o risco de infecções sistêmicas correlatas. e alterações fisiológicas que diminuem a capacidade imunológica. que são fatores de risco para cárie. A doença periodontal é a manifestação odontológica mais comum. A obesidade é outro fator determinante que pode ser associada a diabete que também tem caráter genético em alguns pacientes uma vez que o diabetes mellitus abrange um grupo de distúrbios metabólicos que podem levar à hiperglicemia. estão a hipoplasia. estando presente em 75% destes pacientes. polifagia e perda de peso.Fatores Genéticos São importantes na deficiência imunológica. A doença evolui de forma crônica e com crises isquêmicas periódicas Os achados bucais mais frequentes são: palidez da mucosa. Além disso. emergências como a hipoglicemia e a cetoacidose metabólica podem ocorrer durante o atendimento. poliúria. neuropatia do nervo mentoniano e osteomielite mandibular. aumentando a susceptibilidade às infecções. Para o tratamento odontológico adequado dos pacientes. . Os objetivos principais são promover e manter a saúde bucal adequada. glossodínia. Fatores Ambientais Alguns fatores ambientais interferem na auto imunidade : luz solar que pode formar o lúpus eritematoso sistêmico em indivíduos pré dispostos. devido a alterações imunológicas. que se associados a odontologia Os pacientes que apresentam tal desordem. Há insuficiência vascular periférica. ardor na língua. e o cirurgião-dentista deve estar atento para suspeitar previamente de um diabetes mellitus não diagnosticado. e entre as principais complicações bucais estão necrose pulpar assintomática. o cirurgião-dentista deve compreender os aspectos mais importantes relacionados à doença. Ocorre xerostomia. diminuição do fluxo e aumento da acidez e da viscosidade salivar. Dentre as alterações bucais desses pacientes. inclusive a cavidade bucal. o fator genético é conclusivo nesses casos. O maior conteúdo de glicose e cálcio na saliva favorece o aumento na quantidade de cálculos e fatores irritantes nos tecidos. más oclusões e alterações radiográficas. utilizando-se o regime profilático e preventivo. além de tratar efetivamente qualquer tipo de infecção local existente. São exemplos: A anemia hemolítica autoimune. a hipocalcificação do esmalte. Doenças comuns a animais e seres humanos.

Na tireoidite de Hashimoto. surgem bolhas na pele contendo líquido límpido. eles podem ser assintomáticos e dispensam tratamento. mais profundas que as observadas no Pênfigo Foliáceo. dificultando a alimentação. dor nas pernas e hemorragias menstruais são mais difíceis de controlar. Em alguns casos. semelhantes a queimaduras. Acomete também mais as mulheres do que os homens. Púrpura trombocitopênica: O seu nome está diretamente relacionado às principais manifestações da enfermidade. trombocitopenia. e sua prevalência aumenta à medida que as pessoas envelhecem. A intensidade dos sintomas varia muito de um paciente para outro. Tireiodite de Hashimoto: Esta inflamação da tireoide causada por um erro do sistema imunológico. o que contribui para a queda do estado geral do paciente. ele aparece. Em mais da metade dos casos. turvo ou sanguíneo. É uma doença autoimune que se caracteriza pela destruição das plaquetas. . As lesões também são extremamente dolorosas e o comprometimento da mucosa oral provoca dor ao engolir. Pênfigo Vulgar: É o tipo mais grave dos pênfigos. o que pode levar ao hipotireoidismo por carência na produção dos hormônios T3 e T4. e estar ou não acompanhadas de manifestações sistêmicas . em razão da trombocitopenia. com uma variedade de manifestações cutâneas e bucais. que confluem e rompem-se deixando áreas erosadas. Acomete a cavidade oral. Esses anticorpos provocam a destruição da glândula ou a redução da sua atividade. que podem ser mucocutâneas. na maioria das vezes. do sangramento provocado pela queda no número de plaquetas.Podem apresentar manifestações bucais. em indivíduos com idade entre 30 e 60 anos. O Lúpus Eritematoso Sistêmico é o mais grave e envolve vários sistemas.Doenças auto imunes Humanas Associadas a Odontologia Estão dividas em dois grandes grupos: órgão especifica onde a autoagressão acontece nos órgãos e as doenças autoimunes sistêmicas que estão no corpo como um todo ou vários órgãos. começa com lesões dolorosas na mucosa oral. o organismo fabrica anticorpos contra as células da tireoide. ocorre um amento na atividade da parte humoral do sistema imune em conjunto com as funções normais do linfócito T. Nessa variante. Púrpura é uma referência às manchas roxas ou avermelhadas indicativas de sangramentos que aparecem na pele. caracterizando um padrão genético que favorece a autoagressão. semelhantes a aftas. A doença parece ser mais comum em algumas famílias. São mais comuns no sexo feminino. Mais tarde. o que pode indicar um fator genético. São essas: O lúpus: É considerado uma das enfermidades do colágeno e seu caráter autoimune é responsável pelas várias manifestações clínicas encontradas. células produzidas na medula A ocorrência de edemas. ou seja.

Os linfócitos T funcionam normalmente em algumas pessoas. Os pacientes com esta doença são tratados com injeções regulares venosa ou subcutânea de imunoglobulina. Suas características clínicas tem a presença de piogênia. . Costumam verificar-se perturbações auto-imunes. mas não curativos. Se não receberem tratamento. O melhor tratamento é um transplante de medula óssea ou de sangue do cordão umbilical. por esse facto os indivíduos afectados são incapazes de combater adequadamente as infecções. Seus portadores possuem infecções piogenicas repetidas. Podem também sofrer de infecções mais graves. como resultado de mutações no gene que codifica a tirosina quinase de Bruton (BTK) e é caracterizada por deficiência de maturação dos linfócitos B. como a falência das glândulas suprarenais (doença de Addison). aos três meses de idade costumam ter diarreia.Pode surgir como resultado de uma doença. A imunodeficiência resulta numa crescente suscetibilidade a infecções oportunistas e certos tipos de câncer . A imunodeficiência combinada grave origina-se em virtude de defeitos vários e diferentes do sistema imunitário. como a pneumonia causada pelo Pneumocystis. Imunodeficiência comum variável Ocorre devido a deficiência de anticorpos e herança autossômica ligada ao X. Muitos bebés afectados por imunodeficiência combinada grave contraem pneumonia e sapinhos (uma infecção fúngica da boca). e por vezes há também uma deficiência de linfócitos T ou estes simplesmente não funcionam. estas crianças morrem habitualmente antes dos 2 anos de vida. como a infecção pelo HIV e a AIDS. como no tratamento de doenças autoimunes ou na prevenção contra a rejeição de um transplante de órgãos. Nesta afecção há uma deficiência de linfócitos B e de anticorpos. incluindo a deficiência do enzima adenosina desaminase. Não tem preferencia por sexo. Esta doença também predispõe os indivíduos afetados de forma crônica por infecções por enterovírus. Os antibióticos e as imunoglobulinas são benéficos.Imunodeficiência Desordem do sistema imunológico caracterizada pela incapacidade de se estabelecer uma imunidade efetiva e uma resposta ao desafio dos antígenos. ou pode ser induzida por administração de drogas (imunossupressão). tiroidite e artrite reumatóide Imunodeficiência Grave combinada É a mais séria das doenças por imunodeficiência. Podendo ser caracterizadas como imunodeficiência primária e adquiridas. A Agamaglobulinemia é causada pela produção deficiente de imunoglobulinas. porém noutras não. Imunodeficiência primária Gamaglobulina ligada ao cromossomo x A doença denominada Agamaglobulinemia é uma doença ligada ao cromossomo X recessivo herdado marcado por infecções bacterianas das vias respiratórias e do trato gastrointestinal. Qualquer parte do sistema imunológico pode ser afetada.

virilha e pescoço. Anestésicos tópicos podem proporcionar um alívio temporário. leucoplaquia . Os medicamentos antivirais.com maior incidência em pessoas que estão expostas a resíduos químicos e tóxicos. glândulas linfáticas inchadas nas axilas. vendidos com receita médica. as bolhas podem reaparecer em momentos de instabilidade emocional. nariz ou pálpebras .poucas proteínas plasmáticas aquelas drogas que se ligam a essas proteínas terão maior intensidade no desnutrido. Os problemas bucais mais comuns em pessoas com AIDS incluem: Úlceras aftosas. tratamentos com anti Aids : Problemas bucais são bastante comuns em portadores do vírus HIV. Doenças auto imunes: como já foi citado no decorrer do trabalho. Às vezes. em pessoas debilitadas por alguma doença e cujo sistema imunológico não funcione de maneira adequada. língua grande e mandíbula proeminente. ou estão fazendo. Para um alívio temporário. A candidíase é comum em pessoas que usam dentaduras. A lavagem com enxagüantes antisépticos pode ajudar a reduzir a irritação. Sendo necessária uma atenção de anestésicos e fármacos a ser administrados uma vez que a dentina também funcionam como reservatórios de drogas. sendo de fundamental importância o papel do cirurgião-dentista no diagnóstico precoce dessa enfermidade. alergias ou febre. herpes. manchas vermelhas. Herpes: As bolhas geralmente desaparecem em uma semana. podem reduzir este tipo de infecção. Infecções como: Aftas: Quase sempre desaparecem depois de 7 a 10 dias. Consulte seu médico ou dentista. em recém nascidos. Como não existe cura para as infecções herpéticas. Candidíase (ou sapinho) é uma infecção fúngica causada por cândida albicans. Condições em decorrência do sistema imunológico enfraquecido. e as erupções recorrentes são as mais comuns. severos problemas periodontais. verrugas . Os tecidos situados sob a mancha podem ficar muito doloridos. prescreve-se antibióticos para reduzir uma infeção secundária. Também são susceptíveis pessoas que se queixam de boca seca que acabaram de fazer. . pode se aplicar pomadas analgésicas. manchas brancas ou manchas estranhas na língua. porque não há local de reserva. Pode ser reconhecida por sua cor branca. ou dentro da boca. marrons. exposição ao sol. Ocorrem em consequência de patologias como: Desnutrição: Na prática clinica . candidíase. na boca ou na garganta . Imudeficiência Adquirida Fatores ambientais podem auxiliar na falha do desempenho imunológico. amarelada ou avermelhada nas superfícies úmidas da boca.Síndrome de Digeorge : Hipocalcemia resistente ao tratamento padronizado. Leucemias: As primeiras manifestações ocorrem na cavidade oral. rosas ou púrpuras na pele. Aspecto facial: Anomalia na anatomia dos dentes.

diminuição da filtração do sangue pelos rins. diuréticos e remédios para pressão alta e depressão. deixando as mulheres durante e após a menopausa com uma sensação constante de secura na boca. cardiovasculares e a implicação na prescrição e uso de medicamentos. descongestionantes. além da avaliação do potencial envolvimento de outros órgãos e sistemas. Líquidos quentes. periodontais (gengivais). colabora no tratamento integral e resolutivo dos pacientes transplantados. ou seja. enfatizamos que a expressão insuficiência renal crônica refere-se a um diagnóstico de perda progressiva e supostamente irreversível da função renal de depuração. . O tratamento integral e multidisciplinar é fato relevante e hoje fundamental nas ciências da saúde em geral. prevenindo e tratando infecções bucais. Embora a diminuição de saliva seja comum de acordo com as emoções fortes existem casos fisiológicos com este.Não produz saliva o suficiente para manter sua boca úmida. Expressa uma fase em que o rim não é capaz de exercer suas funções o que é essencial para o corpo humano. dando origem em alguns casos a bolhas. O tratamento educativo preventivo é o muito importante e é recomendável que o atendimento odontológico seja feito por cirurgião-dentista. aliado às atividades multidisciplinares na área da saúde. incluindo anti-histamínicos. materiais de moldagem que precisam ser esquentados e colocados em altas temperaturas na boca do paciente. derme. Imunodeficiência Fisiológica Menopausa — Mudanças nos níveis de hormônios afetam as glândulas salivares. menor risco de infecções oportunistas que ameaçam a vida. O dentista destas pessoas deve considerar os aspectos salivares.. A perda das funções excretoras e regulatórias dos rins causa manifestações bucais e salivares que implicam no tratamento odontológico a esses pacientes. analgésicos. e em especial nos casos de pacientes oncológicos ou com transplante de órgãos. especialista em pacientes com necessidades especiais.Diabétes : Com já citado -Queimaduras: As queimaduras térmicas são as mais comuns nessa profissão. As condições bucais . dentários.Uso de drogas imunossupressoras: Mais de 400 remédios podem causar boca seca. hematológicos (exames de sangue). Pacientes pré tranplante Exemplificando com os pacientes pré-transplante de rim. capacitado a estabelecer o diagnóstico precoce e correto manejo dessas enfermidades. PACIENTES TRANSPLANTADOS NA ODONTOLOGIA Uma adequada situação bucal e salivar do paciente transplantado proporciona melhora no estado geral desses. Xerostomia. maior qualidade do tratamento oferecido e prevenção de lesões bucais que possam interferir no bem estar dos pacientes.lasers também podem causar essas lesões. envolvendo a epiderme. O conhecimento da odontologia.

fato que torna a mucosa bucal mais suscetível ao desenvolvimento de lesões. dificultando o seu restabelecimento e aumentando o tempo de permanência em situações críticas e de internação hospitalar. atua-se somente evitando e tratando as possíveis infecções. dor ou ardência na língua ou mucosas. Esse grupo de pacientes apresenta ainda alta prevalência de diabetes e hipertensão (pressão alta). frequentemente. Várias manifestações bucais têm sido associadas à insuficiência renal crônica e correlacionam-se com a gravidade da condição sistêmica. língua saburrosa (ficando com a superfície esbranquiçada). A diminuição da função de coagulação do sangue pode resultar em hemorragia nas mucosas e gengiva. Por isso. O tratamento odontológico deve ser realizado em dias em que a hemodiálise não é realizada. Portanto. Muitas dessas lesões merecem consideração especial. Pacientes Transplantados As pessoas que recebem transplantem de órgãos são chamadas de pacientes transplantados e devem usar medicamentos para evitar que as defesas do corpo (sistema imunológico)rejeite os novos tecidos. e ainda infecções virais como o herpes. infecções bacterianas. ou fazer parte de um quadro de doença disseminada por todo o corpo. Tais condições dificultam a alimentação por via oral e apresentam risco de disseminação por todo o organismo. como a periodontite. determinada pela imunossupressão. desnutrição e risco de infecção generalizada. incapacidade mastigatória. Nos primeiros três meses.quadros que podem implicar risco de vida destes. causando dor. pois podem alterar gravemente a qualidade de vida do paciente imunodeprimido. incluindo-se a ação dos agentes imunossupressores. algumas vezes. Além da maior propensão a doenças infecciosas. também são constatados aumento do volume da gengiva entre os dentes (hiperplasia gengival). A diminuição do fluxo salivar (quantidade de saliva na boca) é um achado comum em pacientes diabéticos descontrolados. mais frequentes. . os pacientes transplantados têm fragilidade em suas defesas naturais. doenças nas gengivas (periodontal) e outras afecções causadas por bactérias. são: candidíase infecção por fungos conhecida como “sapinho”. mantidos sob terapia imunossupressora. que podem interferir também na saliva. resistentes aos tratamentos local e sistêmicos. que é a inflamação dos tecidos que sustentam os dentes que são as gengivas. As principais manifestações bucais encontradas em pacientes transplantados. e devese avaliar a necessidade de realização de profilaxia antibiótica (uso de certa dosagem de antibiótico antes do procedimento). É grande o número de pacientes transplantados com alterações bucais como cárie. que podem ser localizadas. fragilidade capilar gerando sangramento ou “bolhas de sangue” (petéquias). sensação de boca seca e úlcera bucal (tipo afta). podem melhorar a qualidade de vida do paciente. repercussões na cavidade bucal. Esses quadros agravam o estado geral do paciente. fungos ou vírus. Ocorre que o organismo pode identificar o transplante como estranho ao seu organismo e rejeitá-lo. As infecções bucais em pacientes com baixas defesas tendem a ser mais fortes e recorrentes. perda de apetite. A situação deve ser avaliada antes de procedimentos odontológicos. pacientes receptores de órgãos transplantados são mais susceptíveis a lesões bucais.e salivares. verificadas em pacientes com insuficiência renal crônica são: alteração na percepção do sabor. o osso e o ligamento periodontal. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado das lesões na boca. Essa fragilidade provoca. As úlceras bucais (semelhantes a aftas) podem ter causas diversas. Em pacientes receptores de transplante. os pacientes transplantados estão sujeitos à redução do fluxo salivar (quantidade de saliva produzida) induzida por medicamentos.