You are on page 1of 61

Fisioterapia Fisiotera ia

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE CURITIBA
CURITIBA - 2004

Fisioterapia

FISIOTERAPIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

Prefeito CASSIO TANIGUCHI

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE

Secretária EDIMARA FAIT SEEGMÜLLER

Superintendente IVANA MARIA SAES BUSATO

Curitiba, 13 de outubro de 2004.

DIA DO FISIOTERAPEUTA

Fisioterapia

Fisioterapeutas da Secretaria Municipal da Saúde
Adriana Cristina Trochmann de Mello Chiara Andreia Bassani Ferri Cibeli Maria Jordão Claudia Schneck de Jesus Cleverson Fragoso Dorcas Ribeiro Batista Eliane Cristina de Lima Eliane Marcon Fortes Estely Cândida de Lara Graziela Falavinha Ghazal Helen Rejane Dorneles Rautmann Juan Ricardo Sierra Ledlei Karine Magueta Lisandra Karine Falcão Corrêa Raciele Ivandra Guarda Raquel Silva dos Santos Sandra Regina Lesinhovski Lara Simone Ludwig Tesserolli Simone Binder Segala

principalmente. para este trabalho. . agradecem o incentivo e apoio dedicados pela Secretária Municipal de Saúde. por ela sugerido. Somente assim foi possível sua realização e.Fisioterapia Agradecimento Especial Os Fisioterapeutas. Dra EDIMARA FAIT SEEGMÜLLER. alcançar o resultado desejado. da Secretaria Municipal da Saúde.

E. através do Dr. Contando com a atenção dispensada pelo Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional . este Manual tem a certificação deste Conselho. INÊS KULTCHEK MARTY. do Centro de Informação em Saúde da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. foi possível o levantamento de dados desta Secretaria para a formulação deste Manual. Através da responsável pela Coordenação de Informação.Fisioterapia Agradecimentos A concretização deste Manual só foi possível com o apoio das SUPERVISORAS dos Distritos Sanitários e COORDENADORAS DE ASSISTÊNCIA destes que de alguma forma colaboraram para a elaboração do mesmo. EDISON LUIZ MACHADO DE CAMARGO.Regional 8. do município de Curitiba. apresenta-se nesta data o modelo de atuação da Fisioterapia na Secretaria Municipal da Saúde. na data comemorativa do Dia do Fisioterapeuta! . Dra ANA MARIA CAVALCANTI e Dra SONIA REGINA DE FINIS SOBANIA. através do carinho e atenção especial dispensados pelas orientadoras deste trabalho.

...................................................................................................................................................23 IV ..............Fisioterapia Sumário APRESENTAÇÃO..........................ATIVIDADE COLETIVA.04 II .................52 .03 I .................................................................VISITA DOMICILIAR...................................28 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................CONSULTA FISIOTERAPÊUTICA................................APOIO EM PROGRAMAS ESPECIAIS......................26 ANEXOS.................09 III ...............................................................................................................................................01 INTRODUÇÃO.......................

a partir da adolescência. incorporados de acordo com as necessidades detectadas nas populações assistidas. Porém. chegando até os estilos de vida sedentários e perpassados por maus hábitos alimentares. 19% em 1991 e 16% em 2000) e ao crescimento das faixas que representam os idosos (5.Fisioterapia Apresentação Curitiba. É o caso do Fisioterapeuta. Desta forma. 01 . 29% dos domicílios são chefiados por mulheres. acompanhando uma tendência observada nas grandes cidades. Ao se analisar as pirâmides etárias do município. Preocupada com as mudanças inevitáveis que o crescimento da cidade provoca no perfil da população curitibana. Totalmente urbana. bebidas alcoólicas e drogas. paulatinamente. a Secretaria Municipal da Saúde vem alterando também.4% em 2000). que passarão a ser comandadas por mulheres. Os homens nascem em uma proporção ligeiramente superior que as mulheres mas vão a óbito em proporções bem maiores.2% em 1970 e 8. através dos últimos censos demográficos. especialmente do sexo feminino. à saúde mental. buscando instigar as pessoas a adotarem posturas mais saudáveis de vida. às patologias crônico-degenerativas. este bem estar pode ser comprometido por diversos fatores levando-os a precisar de atenção à saúde. O bem estar físico dos seres humanos é fundamental para sua qualidade de vida. aos idosos. muitas vezes. a mutilação permanente da população masculina traz graves conseqüências sócio-econômicas e sofrimento às famílias. pode-se perceber claramente a tendência à diminuição das faixas etárias até 09 anos (25% em 1970. com 1 milhão e 600 mil habitantes. trazendo a público questões sociais como o aumento da violência urbana e a adoção de estilos de vida nada saudáveis. para poder acompanhar as questões epidemiológicas que daí decorrem. a estrutura e a organização de seus serviços. vem priorizando a atenção às mulheres. armas de fogo. inicia um novo século apresentando uma população mais feminina e também mais idosa. do nascer à velhice. que deve ser integral e adequada. o que inclui o uso inconseqüente de veículos. à AIDS. 22% em 1980. dos quais 48% são do sexo masculino e 52% são mulheres. A morte precoce ou. Em Curitiba. às questões vinculadas às violências e suas seqüelas. Essa postura da SMS vem trazendo para o quadro de servidores novos profissionais. representa mais de 20% da população do Estado do Paraná.

prevenir o aparecimento ou a recorrência de patologias e reintegrar os pacientes às atividades rotineiras com a maior brevidade possível. 02 .Fisioterapia A Fisioterapia da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba contribui no sentido de restabelecer a condição física dos usuários. Este manual tem o objetivo de mostrar a atuação da Fisioterapia no município de Curitiba que de forma pioneira vem implantando um serviço de qualidade. para isto conta com encaminhamento para tratamento em clínicas prestadoras de serviço. efetivo e diferenciado. orientações e/ou atividades coletivas nos diversos programas desta Secretaria e visitas domiciliares. proporcionando o acesso dos usuários aos serviços de reabilitação física.

Também foi realizada a avaliação e triagem dos usuários que estavam em tratamento fisioterapêutico nos serviços de fisioterapia credenciados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).Fisioterapia Introdução Em dezembro de 2001 a Secretaria Municipal da Saúde do Município de Curitiba contratou. A prioridade inicial foi realizar atividades coletivas para a abordagem de um número maior de usuários. Dentre estas novas necessidades foram incluídas as visitas domiciliares para orientação dos pacientes acamados e seus cuidadores. mas também no aspecto preventivo e educativo. onde a assistência não é direcionada apenas para o tratamento clínico. Constatou-se em 2004 que com a inclusão do profissional fisioterapeuta nas US básica e PSF. Esta nova concepção do fisioterapeuta social aponta para uma nova forma de atuação deste profissional. Assim foi possível orientá-los. tanto na prevenção de patologias quanto na restrição das seqüelas das patologias já instaladas. após o diagnóstico da situação local de cada Distrito Sanitário realizou-se a distribuição dos fisioterapeutas nas Unidades de Saúde (US). nas condições de doença ou higidez. através de concurso público. foram identificadas outras necessidades de atuação do profissional fisioterapeuta nos DS e suas respectivas US. Com o início do trabalho. maior participação de usuários em atividades coletivas e melhora na qualidade de vida dos pacientes orientados em domicílio. houve uma melhora na organização do fluxo da demanda de fisioterapia. 03 . fisioterapeutas para atuarem nos Distritos Sanitários (DS) como profissionais de apoio às Unidades de Saúde (US) básicas e de Programa de Saúde da Família (PSF). sensibilizando-os quanto à importância e sua responsabilidade durante e após o tratamento com o objetivo da otimização do processo terapêutico. além das atividades coletivas.

.realizar oficinas sobre problemas respiratórios.3. assim como estimular a formação de novos grupos de acordo com a demanda da US ou do DS. 1.1. OBJETIVOS GERAIS: . .3.2. pois a abordagem é de um número maior de usuários tanto na prevenção. .orientação e educação. . INTRODUÇÃO: Os Programas de Saúde implantados pela SMS dão ênfase à ação coletiva. Saúde da Criança: Objetivos Específicos: .estimular e orientar o desenvolvimento motor em lactentes. orientação e educação em relação às patologias quanto à restrição das seqüelas das patologias já instaladas.Atividade Coletiva 1. dentro do Programa Crescendo com Saúde. 1.prevenção e promoção da saúde do usuário.1. 04 .Fisioterapia I . ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DA SMS: 1.melhora da qualidade de vida do usuário.orientação postural.aumento da expectativa de vida do usuário. As ações coletivas fisioterapêuticas poderão ser desenvolvidas com grupos pré-existentes nas US através de palestras e/ou atividades coletivas. .

2.sensibilização de pais e/ou professores e/ou adolescentes com o intuito de prevenir as patologias típicas da idade. aos profissionais da US em relação a questões específicas da área. quando solicitadas. Atuação do fisioterapeuta: . quando solicitado. infecções respiratórias.alterações posturais na adolescência e outras patologias desta fase.avaliar os materiais e equipamentos do ponto de vista ergonômico propondo alterações. alterações posturais. 1. atrasos no desenvolvimento motor. Temas a serem abordados: . Saúde do Adolescente: Objetivos Específicos: . bronquite.asma.Fisioterapia Atuação do fisioterapeuta: . ergonomia. bronquiolite. entre outros. entre outros. prevenindo as alterações próprias desta fase.palestra educativa para professores e/ou pais e/ou adolescentes com a finalidade de sensibilização. . Temas a serem abordados: .participar de atividades educativas promovidas pela US. supervisionando e auxiliando o atendimento das equipes locais. através de uma integração US/ escola. .orientar e realizar atividades terapêuticas específicas para crianças com patologias em geral. .3.oferecer apoio técnico. processo de desenvolvimento corporal/imagem corporal.promover a saúde do adolescente. . 05 .

realizar atividades de educação em saúde. alterações anátomo-fisiológicas do corpo da gestante. exercícios específicos.3.postura.menopausa/climatério. 1. Temas a serem abordados: .3. vertigens. Atuação do Fisioterapeuta: .orientar quanto aos cuidados específicos da gestante nos períodos pré-natal. entre outros. natal e pós-parto. .3. 06 .realizar atividades educativas. Temas a serem abordados: . entre outros. Atuação do fisioterapeuta: .4. osteoporose.orientar/realizar atividades terapêuticas em patologias específicas ou mais comuns em mulheres. prevenção e orientações referente às mulheres.Fisioterapia 1. desenvolvimento motor e estimulação do bebê. Mãe Curitibana: Objetivos específicos: .orientar e/ou realizar atendimento coletivo. ergonomia. incontinência urinária. preventivas e de orientações com a gestante e familiares. Saúde da Mulher: Objetivos Específicos: .

participar de atividades educativas. Atuação do fisioterapeuta: .Fisioterapia 1.orientar indivíduos com seqüelas de patologias relacionadas (AVE. diabetes). Temas a serem abordados: .estimular e sensibilizar para a prática de atividade física e reeducação funcional.6. .orientar o hipertenso e /ou diabético assim como seus familiares. 07 . .prevenir as seqüelas e/ou complicações das doenças crônicas que atingem o idoso.realizar ações coletivas de prevenção primária. de prevenção e orientação programada pela US. . Programa HAS/Diabete: Objetivos específicos: . pé diabético. .patologia base (HAS. entre outros. em relação a patologia.5. grupos para a prática de atividades físicas específicas para o diabético e hipertenso. neuropatias). . 1.3.facilitar a adesão do tratamento proposto.articular grupos de apoio. amputações. Saúde do Idoso: Objetivos específicos: . . .prevenção de problemas relacionados à HAS e Diabete.dar assistência fisioterapêutica aos pacientes idosos.3. sedentarismo.

prevenção de quedas.Fisioterapia Atribuições do fisioterapeuta: . independência funcional. entre outros. atividade física e saúde. ergonomia. 08 .patologia base.coordenar grupos distritais. com grupos pré-existentes na US. .atividade coletiva na US ou comunidade. Temas a serem abordados: . englobando pacientes de toda a regional. de acordo com a demanda do distrito.

Consulta Fisioterapêutica 2. 2. AVALIAÇÃO E CONDUTA: O profissional fisioterapeuta. noções de ergonomia.2.3. orientações posturais e outras medidas para prevenir complicações futuras relacionadas aos aparelhos: respiratório. quando necessário. por exemplo. CAPTAÇÃO: Para o usuário consultar com o fisioterapeuta da US é necessário que este usuário possua cadastro definitivo na US e encaminhamento para tratamento fisioterapêutico de médico credenciado ao SUS. com relação aos cuidados necessários para recuperação biopsicossocial como. . após uma avaliação criteriosa.encaminhamento para grupos na própria US. circulatório e/ou músculo-esquelético.Fisioterapia II .orientações e/ou acompanhamento do paciente na própria US. .1. 2. INTRODUÇÃO: Na US o fisioterapeuta realiza as consultas fisioterapêuticas com o objetivo principal de realizar uma avaliação individual dos usuários que possuem encaminhamento para Fisioterapia. independentemente de sexo ou faixa etária.encaminhamento para uma clínica de Fisioterapia credenciada pelo SUS. os familiares. 09 . aplicação de calor ou frio. exercícios terapêuticos. Após a avaliação fisioterapêutica o paciente pode seguir para uma das três opções citadas abaixo: . faz o diagnóstico cinesiofuncional e orienta o paciente.

o usuário deve reconsultar com o médico para avaliação periódica ou de acordo com a necessidade avaliada pelo fisioterapeuta.4. Para isso são mantidos contatos pessoais com os fisioterapeutas das clínicas de Fisioterapia. Os passos seguidos para consultar os valores foram os seguintes: 10 . que se encontra em anexo. para acompanhamento do tratamento prestado pela clínica e para a avaliação da satisfação do usuário. para novas orientações. Ao término da reavaliação. do município de Curitiba. Para continuidade no tratamento fisioterapêutico em clínica credenciada pelo SUS. para encaminhamento dos pacientes ao tratamento fisioterapêutico no período compreendido entre janeiro de 2002 a dezembro de 2003. ACOMPANHAMENTO: O fisioterapeuta pode manter o paciente em acompanhamento na US onde o usuário irá receber orientações gerais sobre sua patologia. medidas de prevenção de complicações e acompanhamento da evolução clínica. noções de ergonomia. é a avaliação do “Pé Diabético”. o paciente comparece na US para consulta fisioterapêutica pré-agendada ou participa dos grupos de exercícios terapêuticos. o paciente pode ser encaminhado para uma clínica de Fisioterapia credenciada pelo SUS ou para consulta médica para reavaliação. caso não haja melhora do quadro clínico. seu tratamento. 2. Com isso é possível proporcionar a todos os usuários um tratamento adequado e de qualidade.5. Os dados foram adquiridos através de consulta a Internet. Em ambos os casos o paciente é acompanhado até a alta fisioterapêutica e. o fisioterapeuta determina se o paciente necessita de continuidade do tratamento em clínica de Fisioterapia ou de orientações na própria US. Quando o paciente é encaminhado para uma clínica de Fisioterapia credenciada pelo SUS.gov. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS: Para análise epidemiológica utilizaram-se os códigos atualmente usados pelos fisioterapeutas e médicos da SMS.br. para acompanhamento da evolução clínica do paciente. tendo o grupo de Fisioterapeutas desenvolvido um protocolo para avaliação do mesmo.datasus. em 16 de abril de 2004. após realizar dez sessões. Neste caso.Fisioterapia 2. ele deve retornar à US para reavaliação fisioterapêutica. pelo site www. Dentro da consulta fisioterapêutica. existe uma particularidade em relação à avaliação do paciente diabético.

11 . as lesões musculares e tendinosas. escoliose. nas US. a análise deste dado será de grande importância no seguimento. onde consta descrição das principais patologias observadas durante as consultas fisioterapêuticas. Observa-se no QUADRO 2 que. entre outros. as alterações do eixo da coluna vertebral. pós-operatórios. Constata-se. f) valores em quantidade apresentada. que no município de Curitiba corresponde ao número de requisições de procedimentos fisioterapêuticos registrados. em atividades coletivas e orientações. paralisia facial. seqüela de fratura.090. registradas em 2002-2003 comparando com o período de 2000-2001. b) coluna: microrregião = Curitiba. foram registrados 731. influenciou nesta mudança. c) Período: 2002 . podendo demonstrar que a atuação do Fisioterapeuta. no período de 2002-2003.Fisioterapia a) linha: município = Curitiba. pode-se constatar que as principais patologias que são apresentadas pelos usuários que procuram atendimento fisioterapêutico são as doenças crônico-degenerativas. os casos de pós-operatório ou imobilização e as alterações motoras. d) procedimento após 10/99: colocados os códigos individualmente para consulta. Isso é comprovado na prática diária na qual a maioria dos pacientes apresenta diagnóstico clínico de artrose (principalmente em joelhos e em coluna vertebral). g) demais itens: todas as categorias. a partir destes dados. e no período de 20002001. A partir dos resultados obtidos. e) gestão até 10/99: Municipal.2003. Há uma diferença de 139. No QUADRO 2 estão descritas em ordem decrescente as quantidades de atendimentos realizados em cada código de procedimento fisioterapêutico.342 para menos nas requisições fisioterapêuticas.748 encaminhamentos. que as patologias mais freqüentemente encaminhadas para a fisioterapia são as relacionadas às áreas ortopédica e reumatológica. conforme QUADRO 1. foram registrados 871.

rubor.edema.QUADRO 1: Descrição das principais patologias observadas na consulta fisioterapêutica: 12 PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Acidente Vascular L e s ã o e n c e f á l i c a Encefálico (AVE) causada por interrupção do fluxo sangüíneo em uma região do encéfalo Diminuição de força muscular na face. cefaléia súbita Confinamento ao leito. úlceras de decúbito. calor. controle da pressão arterial. alteração da sensibilidade. MS e/ou MI de um hemídio. cuidados com a alimentação. encurtamentos musculares. alteração da fala. hipotrofias.Dor. Perda de função e R e a l i z a ç ã o d e turas de uma arti. diminuição atrofia muscular exercícios terapêuculação das ADM's na articuticos e noções de lação envolvida ergonomia . evitar tabagismo e alcoolismo Fisioterapia Artrite Inflamação das estru. contraturas musculares e articulares. déficit de coordenação e de equilíbrio Realização de atividade física. diminuição da visão.

caracterizado por erosão da cartilagem articular e neoformação óssea nas bordas articulares (osteófitos) Dor. calor. edema. rubor. hipotrofia muscular. noções de ergonomia. Estado de progressiva deteriorização da articulação. caracterizada por inflamação da membrana sinovial com períodos de exacerbação e remissão Artrose É a doença articular mais freqüente. calor. freqüentemente sistêmica. limitação em atividades da vida diária Realização de exercícios terapêuticos e noções de ergonomia 13 01 . especialmente nos períodos de remissão Fisioterapia Artrite reumatóide Doença articular crônica. limitação funcional importante DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Após o diagnóstico são recomendados exercícios terapêuticos. diminuição de ADM's e de força muscular na articulação acometida Deformidades. rubor. edema. diminuição das ADM´s na articulação envolvida Perda de função.PATOLOGIA Dor.

diminuição da sensibilidade. diminuição de ADM's e/ou de força muscular Cefaléia. dispnéia Noções de ergonomia. diminuição de Limitação funcional. hérnia discal. parestesia. edema cios de alongamento localizado e dimimuscular durante nuição de força atividades funcionais muscular e prática de atividade física Fisioterapia Cervicobraquialgia Algia em coluna cervical irradiando para MMSS devido à compressão do plexo braquial Espasmos musculares.14 01 PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Bursite Inflamação da bursa Dor. ou bolsa sinovial ADM's da articulação parestesia realização de exercíenvolvida. Noções de ergonomia. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física . dor irradiada para outras regiões. limitação funcional.

Realização de atividaou sem lesão ligamen.tória e limitação culares e desequi. alteração pos. estruturais ou posturais Dor. utilização da musculatura acessória da respiração. des físicas tar associada fratura 15 01 . cuidados com a limpeza do ambiente. calor. limitação importante das AV D ´ s . tiragem supra-clavicular e intercostais Confinamento a um concentrador de oxigênio. espasmos mus.Dificuldade respiratural.edema hipotrofia muscular. seguir tratamento corretamente Fisioterapia Dorsalgia Algia na coluna vertebral decorrente de causas traumáticas. cianose.funcional líbrios musculares Noções de ergonomia. rubor e Limitação funcional. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física Entorse Torção articular com Dor.PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO D oe n ç a Pu l m on a r Caracteriza-se por Obstrutiva Crônica aumento da resis(DPOC) tência ao fluxo aéreo devido à obstrução expiratória crônica ou recorrente Dispnéia. evitar lugares com poluição. realizar atividades físicas. a l t e r a ç ã o postural Evitar o tabagismo.

parestesias Alteração postural. edema ção de origem mecânica.Espícula óssea em Dor. vertebral desequilíbrios musculares. esporadicamente. dificuldade respiratória e limitação funcional Noções de ergonomia. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física Esporão de calcâ. encurtamento Alteração da marcha. dor e. neo região de calcâneo de tendão de tríceps sobrecarga nas artisural e fáscia plan.Noções de ergonomia.culações de MMII tar Uso de calçado adequado e realização de exercícios de alongamento da musculatura de MMII .16 01 PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Epicondilite Inflamação ou irrita. Situa-se nas adjacências de uma saliência óssea (epicôndilo) que fica na face lateral e medial do cotovelo Limitação funcio. nal realização de exercícios de alongamento muscular durante atividades funcionais e prática de atividade física Fisioterapia Escoliose Curvatura lateral Deformidade em C ou anormal da coluna S na coluna vertebral.Dor.

limitação funciorior da coluna torá.Perda de função. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física Hiperlordose Desequilíbrio muscu. e n c u r .Alteração postural e l a r. “Corcun.prevenir a osteolocal aumentada. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física .lares.nal lares 17 01 Aumento anormal da curva lombar levando a uma acentuação da lordose lombar normal Noções de ergonomia. trofia muscular porose movimento anormal.Alteração postural e concavidade poste. d o r.da” nal cica Noções de ergonomia.limitação funciot a m e n t o s m u s c u . dor. E v i t a r q u e d a s e tante. aberta ou fechada Dor.PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Fratura Interrupção da continuidade do osso que pode ser rompimento completo ou incompleto. edema impor. crepitações e hematoma Fisioterapia Hipercifose dorsal Aumento anormal da Desequilíbrios muscu. sensibilidade deformidade e hipo.

dor irradiada.do tubérculo tibial ção precisa sobre o tubérculo tibial e edema . limitação física (exercícios de função e edema na funcional alongamento e fortaarticulação envollecimento muscular e vida propriocepção articular) Osgood-Schlatter D o e n ç a ó s t e o . defor. parestesia.insidiosa e caracte.Debilidade muscular.tação da cartilagem cular cente rística.D o r n o j o e l h o . perda de aderências. para MMII diminuição da sensibilidade e diminuição da força muscular Noções de ergonomia. realização de exercícios terapêuticos e prática de atividade física Fisioterapia Luxação É quando as superfícies ósseas ficam separadas uma da outra Dor intensa.Alongamento musmuscular do adoles. Prática de atividade midade. dificuldade de r e a l i z a r AV D ´ s e limitação funcional Algia em coluna Espasmos musculombar irradiando lares.18 01 PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Lombociatalgia Claudicação. com localiza. Avulsão e fragmen.

alterações cárdiorespiratórias. encurtamentos musculares. ressecamento do globo ocular 19 01 . déficit de coordenação e equilíbrio.PATOLOGIA DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Osteoporose É a doença óssea Dor em diversos graus Escoliose. cuidados gerais dade de mastigação e com a saúde deglutição. cuidados gerais com a saúde Fisioterapia Paralisia Cerebral Qualquer desordem (PC) caracterizada por alteração do movimento secundária a uma lesão não progressiva do cérebro em desenvolvimento Pode haver confinamento ao leito. acompanhamento da pressão arterial da mãe e fator cosangüíneo. alterações posturais. deficiência mental pode estar associada Atraso do desenvolvimento psicomotor normal. hipotonia supre Sialorréia. cuidados gerais com a criança Paralisia Facial Lesão do nervo facial Perda de sensibilie paralisia resultante dade. alteração de reflexos e reações. parto com assistência médica. alterações do tônus muscular Realização adequada de pré-natal. alteração Mudança no estilo de do paladar.vida. dificul. m e t a b ó l i c a m a i s e fraturas da cifose dorsal e sedentarismo e cafeífreqüente fraturas graves na. cigarro. desvio de rima dos músculos que ele labial. aumento Evitar álcool. contraturas musculares e articulares.

dor carpo do carpo que abriga o noturna ao longo do nervo mediano trajeto do nervo mediano e diminuição da força muscular Tendinite Inflamação do tendão por trauma ou movimento repetitivo e/ou estático Fisioterapia Dor.hipotrofia muscutendão ção.lar tesia. edema.20 01 PATOLOGIA Hipotrofia dos músculos da mão inervados pelo nervo mediano. limitação funcional Noções de ergonomia e realização de exercícios de alongamento muscular durante atividades funcionais DESCRIÇÃO SINAIS / SINTOMAS COMPLICAÇÕES PREVENÇÃO Síndrome do túnel do Compressão do túnel Dor. diminuição alteração postural de força muscular na articulação relacionada ao tendão Noções de ergonomia e realização de exercícios de alongamento muscular em atividades funcionais Tenossinovite Inflamação da bainha Dor. crepita. sinovial que cobre o do tendão. realização de exercícios de alongamento muscular durante atividades funcionais e prática de atividade física . arco doloroso. Limitação funcional. edema. pares. diminuição de força muscular Noções de ergonomia. rubor no trajeto Limitação funcional. parestesias.

296 venosos e linfáticos 19 1801107-1 Parkinson 1.878 40.202 1.608 17 1801104-7 Miopatias 1.339 06 1801105-5 Paralisia cerebral e retardo do 28.538 2.658 934 abdominais 16 1801109-8 Processos distróficos 2.Fisioterapia QUADRO 2 .000 15 1804108-6 Seqüela de traumatismos torácicos e 3.816 162.528 97.Descrição do número de atendimentos realizados no período de 20002003 no Município de Curitiba por procedimento fisioterapêutico: Descrição Nº Código 2000-2001 2002-2003 01 1804105-1 Doença de origem reumática de membros ou 285.802 imobilização 05 1801101-2 Alterações motoras 46.243 9.708 9.623 15.895 12.384 lesões ligamentares 04 1804107-8 Recuperação funcional pós-cirurgia ou 85.726 12 1801102-0 Alterações sensitivas 8.566 03 1804106-0 Doenças tendinosas e musculares por 103.344 11.748 Total 871. artério1.418 operatória com ou sem uso de equipamento 09 1801108-0 Plegias 13.811 coluna vertebral 02 1804101-9 Alterações do eixo da coluna vertebral 111.361 253.906 11 1804103-5 Disfunções de contusões 9.373 4.707 13 1801106-3 Paresias 7.444 10 1804104-3 Disfunções de entorses 12.500 21.908 1.365 18 1802101-8 Distúrbios circulatórios.788 51.013 104.188 905 20 1801103-9 Ataxias 689 642 21 1805102-2 Pré e pós cirurgia cardíaca e 49 286 transplante de órgão 22 1805101-4 Doença isquêmica do coração 10 136 731.090 Fonte: Datasus 21 .345 pulmonares 08 1803101-3 Assistência respiratória pré e pós14.986 36.613 desenvolvimento motor normal 07 1803102-1 Reeducação ventilatória em doenças 19.307 14 1804102-7 Disfunções de amputações 4.

OBJETIVOS DA CONSULTA E ATRIBUIÇÕES DO FISIOTERAPEUTA: .sugerir mudanças de hábitos diários para melhorar a qualidade de vida. .6. 2.7.realizar o diagnóstico cinesiofuncional. .acompanhar o tratamento fisioterapêutico até a alta. respiratórias e circulatórias. . FLUXOGRAMA: USUÁRIO MÉDICO US / ESPECIALISTA GRUPOS DA US / DS / COMUNIDADE FISIOTERAPEUTA CLÍNICAS SUS PROGRAMAS ESPECIAIS ORIENTAÇÕES / ACOMPANHAMENTO 22 .orientar os pacientes quanto aos cuidados especiais para minimizar o quadro álgico e evitar complicações músculo-esqueléticas.orientar os pacientes quanto ao fluxo de funcionamento do serviço de Fisioterapia. . .Fisioterapia 2.orientar os pacientes com relação à patologia e ao tratamento fisioterapêutico.

1. O fisioterapeuta da US realiza as visitas domiciliares (VD) com o objetivo principal de avaliar individualmente o usuário que possua indicação e/ou encaminhamento para fisioterapia. entre outros. promovendo maiores chances de recuperação das condições de saúde e atuando também de forma preventiva. alimentação. que estão impossibilitados de ir até a US. como são as relações interpessoais na família e com o grupo populacional.Fisioterapia III . 23 . 3. além de avaliar as condições de saúde dos indivíduos. após discussão dos casos com a mesma. O fisioterapeuta realiza visita domiciliar quando é necessário conhecer o ambiente familiar e as condições em que o paciente vive para elaborar a melhor forma de intervenção e tratamento (como. CAPTAÇÃO: O fisioterapeuta visitará os paciente que foram encaminhados pela equipe da US conforme priorização. prática de atividades físicas. por exemplo. quais são os determinantes dos problemas de saúde e vai estabelecendo maior vínculo com a família e conhecendo melhor seus componentes. costumes. AVALIAÇÃO E CONDUTA: O fisioterapeuta deve participar das visitas domiciliares para propiciar às famílias uma abordagem global aos indivíduos. o que facilita a intervenção terapêutica e a sensibilização das mudanças necessárias para a promoção.3. o profissional de saúde. observa onde e como eles vivem.Visita Domiciliar 3. É assim que vai se formando uma relação de confiança entre profissional da saúde e a família. no caso de paciente com diagnóstico de asma) e também no caso de pacientes acamados ou com incapacidades físicas. 3.2. INTRODUÇÃO: Durante as visitas domiciliares. prevenção e recuperação biopsicossocial do indivíduo como: hábitos de vida saudável. Para a realização das visitas o fisioterapeuta deve estar acompanhado de outro profissional da US.

O fisioterapeuta participa em todas as formas citadas acima. bem como encaminhamento para Evento Órtese/Prótese ou Evento Reabilitação. conforme o caso. que é da responsabilidade de uma equipe multidisciplinar que acompanha o paciente acamado até sua alta. Quando necessário. mudança de decúbito. necessidade de transporte social e/ou encaminhamento para clínica de fisioterapia. que oferece ao acamado uma melhor qualidade de vida mas sem prognóstico de cura e deve contar com o auxílio do cuidador e (3) preventiva. sendo um membro importante em todo o processo de tratamento do paciente acamado. (2) paliativa. o paciente e seus familiares devem receber um atendimento integral e humanizado de uma equipe multidisciplinar que deve orientar o cuidador para que este auxilie no tratamento e na reabilitação do paciente. seja para promoção. As visitas domiciliares são agendadas conforme as condições de saúde do paciente e agenda do fisioterapeuta. exame físico e classificação do paciente em risco. o paciente e seus familiares/cuidador recebem orientações quanto ao posicionamento correto no leito. quais serão os cuidados a seguir para melhorar a qualidade de vida do indivíduo acamado e auxilia na eleição de um cuidador (responsável pelo paciente). prevenção ou recuperação da saúde. explica aos familiares as condições de saúde do paciente e como será o tratamento fisioterapêutico. Em cada visita domiciliar inicia-se a avaliação com a anamnese.Fisioterapia Nestes casos. exercícios terapêuticos (fortalecimento e alongamento muscular. Também são explicadas as características particulares da patologia apresentada pelo paciente e o papel do paciente e familiares/cuidador no processo de reabilitação. Como primeira etapa da visita domiciliar o fisioterapeuta realiza a avaliação cinesiofuncional do paciente. etc) e medidas para prevenir complicações respiratórias. devendo seguir corretamente as orientações e realizar as mudanças necessárias no domicílio e na rotina do paciente e da família. circulatórias e músculo-esqueléticas como exercícios respiratórios. A assistência domiciliar é executada por profissionais de saúde e por cuidadores eleitos pelo núcleo familiar e pode ser dividida em 3 formas: (1) terapêutica. elevação de membros inferiores. A seguir. também contando com apoio de cuidadores que passam a maior parte do tempo com o paciente acamado. entre outros. É também através da VD que o fisioterapeuta 24 . o paciente poderá ser encaminhado para realizar o tratamento fisioterapêutico em uma clínica de Fisioterapia credenciada pelo SUS. necessidade de retorno para acompanhamento. adoção de posturas ortostáticas. que é a mais importante e visa evitar o aparecimento de complicações ou o agravamento de doenças pré-existentes. tempo para retorno. exercícios de mobilização articular. propriocepção.

assim como abordagens educativas que facilitem a relação do paciente com seus familiares. FLUXOGRAMA: EQUIPE DA US FISIOTERAPEUTA USUÁRIO EM DOMICÍLIO CLÍNICA SUS PROGRAMAS ESPECIAIS ORIENTAÇÕES / ACOMPANHAMENTO EM DOMICÍLIO 25 . Um dos principais objetivos da VD é a orientação do cuidador do paciente.Fisioterapia realiza o acompanhamento do paciente que utiliza o Programa de “Oxigenoterapia Domiciliar” (vide Apoio em Eventos Especiais). Pode ser utilizado também o material de apoio (vide anexo).4. 3.

Diante desta realidade. realizada pelo fisioterapeuta da mesma. 4. 4. asma. entre outros. CONTEXTUALIZAÇÃO: No município de Curitiba há um importante contingente de doenças respiratórias crônicas incapacitantes. 26 01 . foi criado o Programa de Oxigenioterapia Domiciliar.1. a qual também oferece os meios de manutenção e revisão.Apoio em Programas Especiais 4.1. asma). POPULAÇÃO ALVO: Esses indivíduos são portadores de doença pulmonar obstrutiva crônica . OBJETIVOS: O objetivo principal é melhorar a qualidade de vida do portador de doença do aparelho respiratório. para melhoria da sintomatologia e funcionalidade do indivíduo. diariamente.2. O Fisioterapeuta da SMS atua de forma preventiva e assistencial. consultas especializadas.Fisioterapia IV .3.1. O Programa consiste na dispensação do concentrador de oxigênio fornecido por uma empresa prestadora de serviço. OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR: 4.1. Grande parte dos internamentos hospitalares é de indivíduos portadores de DPOC que apresentam hipoxemia e necessitam de uso de oxigênio por longos períodos. bronquite. para manter-se clinicamente estáveis.DPOC (enfisema. bronquite) e apresentam insuficiência respiratória crônica caracterizada por hipoxemia (SatO2<88% e PaO2<55 mm Hg). reduzindo a incidência das complicações dessas patologias e gastos com internamentos. dentre as quais estão as doenças pulmonares obstrutivas crônicas (enfisema. com o objetivo de oferecer melhor qualidade de vida para esses pacientes.1.

o número de hospitalizações no último ano. O Fisioterapeuta atua de forma preventiva para melhoria da sintomatologia e funcionalidade do paciente. se houve melhora das atividades realizadas. 27 . reduzindo a incidência das complicações das patologias e necessidade de internações. se existe edema de membros inferiores e verificar pressão arterial.5. 4. pois o acompanhamento deste usuário será através de visita. ATRIBUIÇÕES DO FISIOTERAPEUTA: O Fisioterapeuta deve realizar uma visita ao mês por paciente.4. conforme ficha em anexo. Na avaliação fisioterapêutica o profissional deve observar se o paciente aderiu ao tratamento.Visita Domiciliar. FLUXOGRAMA: Conforme fluxograma determinado no item III . freqüência respiratória e freqüência cardíaca.1.1. melhorando a qualidade de vida do paciente.Fisioterapia 4. avaliação e orientação.

2 .O caminho da Recuperação para as pessoas que sofreram A.PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DO PÉ DIABÉTICO 2 .FOLHETOS PARA ORIENTAÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS 3.2 .Evite dores nas costas 4.LIVRETOS PARA ORIENTAÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS 4.Como cuidar da Coluna Cervical 3.Programa de atenção fisioterapêutica para pacientes com DPOC 3.Orientações para crianças com Asma e Bronquite 4 .E.1 .3 .Fisioterapia Anexos 1 .3 .V.1 .PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR 3 .Saúde do Idoso 5 .Como cuidar da Coluna Lombar 3.MALETA DO FISIOTERAPEUTA 28 .4 . DERRAME 4.

............................................................................................................................................................... Pulso tibial posterior MID...DN......................................................................Sensação motora MID Reflexo patelar... MIE..................... ............ ......................... Quinto metatarso................./..........................Sensação tátil MID........................................................................MIE..................... DATA.......................MIE................................... 5.............................. 3................... ......................................................................... .............................................................................................. Patologias associadas: ( ) HAS ( ) Dislipidemias ( ) Tabagismo ( ) Outros........................ TESTES Pulso pedioso MID....... Outros ( )......................................................................... US.................. . Testes Neurológicos: Diabetes mellitus: Tipo 1 ( ) Tipo 2 ( ) 1Sensação Protetora plantar ( MONOFILAMENTO ) MID Primeiro metatarso............................................... Profissão.............................. Quinto metatarso....... Terceiro metatarso......................Sensação dolorosa MID..... Endereço........................................................................ Reflexo aquileu.......................... Terceiro metatarso.........Protocolo de Avaliação do Pé Diabético: DADOS PESSOAIS: Nome............. 2.................. MIE Primeiro metatarso.............................................................................Inspeção e palpação: Alterações sensitivas: ( ) prurido ( ) anidrose/ descamação ( ) pés quentes ( ) pés frios ( ) calosidades ( ) bulose ( ) lesões cutâneas ( ) sudorese Alterações motoras: ( ) atrofia ( ) limitação articular ( ) diminuição da força muscular ( ) Deformidades ( ) pé cavo ( ) pé plano ( ) proeminência dos metatarsos (dedos em garra) Alteração vascular: ( ) coloração alterada ( ) edema ( ) úlceras ( ) claudicação intermitente ( ) pele fina e brilhante ( ) cianose ( ) ausência de pêlos ( ) trauma em panturrilha ( ) gangrena ( ) necrose ( ) infecção FISIOTERAPEUTA 29 Outros ( ) cicatrizes............./........ ...................................................................................................Sensação fria MID.................... MIE........./............................................................................... MIE............MIE.................................................Sexo............. Reflexo aquileu......................................................... RISCO 0 ( ) RISCO 1 ( ) RISCO 2 ( ) RISCO 3 ( ) ....................................................................... MIE Reflexo patelar......................................................... 4.........................................Sensação vibratória MID........................................................................... MIE................... 6............................................... Teste de Brancoft Door MID............................................................ OBSERVAÇÕES...................................................................../...................Fisioterapia 1 .................................................................. EXAME FÍSICO: a ................... ( ) amputação......... Idade...........................................................................................................................................................................................................................................................................

AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Unidade: Nome: Endereço: Fone: Data: Diagnóstico: Data de Instalação do oxigênio: Prescrição de O2 (l/min): Nº horas /dia: DATA DA VISITA Adesão (S/N) Melhora do nível de atividade (S/N) Hospitalizações no período (S/N) Edema MMII (S/N) Cianose perioral (S/N) Cianose de extremidades (S/N) Freqüência respiratória Freqüência cardíaca Pressão arterial Horímetro Resposta ao tratamento (boa/ruim/inalterada) 30 / / / / / / / / / / / / .PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DE OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR: OXIGENIOTERAPIA .Fisioterapia 2 .

sem mover o pescoço nem a cabeça. Se algum exercício lhe causar dor. mais próxima da sua casa. Movimente os ombros para cima e para baixo. sem movimentar o pescoço. Posicione suas mãos nas laterais da cabeça. lentamente. uma ou duas vezes por dia. Posicione suas mãos na parte de trás da cabeça e pressione sua cabeça contra as mãos sem movimentar o pescoço. Realize movimentos circulares dos ombros.1 Fortalecimento: Mantenha a posição por no mínimo 2 segundos e repita 5 vezes cada movimento. Caso a dor persista.S. Primeiro para um lado e depois para outro. deixe de se exercitar e procure a U. utilize menos força e limite o número de repetições. Relaxamento: Repita 5 vezes cada movimento. Movimente os ombros para frente e para trás. em sentido horário e anti-horário (para trás e para frente). Posicione suas mãos na testa e pressione sua cabeça contra a sua mão sem movimentar o pescoço. 31 . Estes exercícios podem ser realizados em casa. sem mover o pescoço nem a cabeça. Pressione a cabeça contra as mãos.Fisioterapia 3.

realize pelo menos 1 exercício de alongamento a cada meia hora. você poderá voltar para a maioria de suas atividades do dia a dia. Primeiro para o lado esquerdo. Quando dormir de lado. 32 . Trabalhe sempre com a cabeça ereta. Se precisar alcançar algum objeto em lugar alto use uma escada ou cadeira ao invés de se esticar. ajuste o assento levemente inclinado para apoiar sua coluna e sua cabeça. mantenha a cabeça alinhada com a coluna e quando dormir de barriga para cima. Sentado ou em pé. sem levantar o ombro. Sentado ou em pé. Quando a dor cessar. Vire sua cabeça aproximando o queixo do seu ombro. Evite trabalhar com a cabeça rodada para um dos lados. depois para o direito. aproxime sua orelha em direção ao ombro. posicione suas mãos na nuca e aproxime o queixo do seu peito. Durma sobre um colchão firme. No trabalho. mas lembre-se de seguir estes conselhos: Lave a cabeça na ducha. Ao bater a máquina ou digitar. nunca na pia.Fisioterapia Alongamento: Mantenha o alongamento de 15 a 30 segundos cada e repita cada exercício (lentamente) por no mínimo 3 vezes. mantenha a cabeça alinhada com o corpo. Evite dormir de bruços. procure manter o texto na altura dos olhos. Ao dirigir. Primeiro para o lado esquerdo depois para o direito. Sentado ou em pé.

Fisioterapia

3.2

Na mesma posição anterior, levante um joelho em direção ao tórax, alternadamente (direita e esquerda). Mantenha por 30 segundos, cada um, repita 3 vezes em cada perna.
A dor da coluna lombar (lombalgia) pode ter diversas origens, como: postura incorreta, tensão ou fraqueza muscular, excesso de peso, período menstrual, doenças da coluna (hérnia de disco, artrose, etc.), entre outras. Abaixo estão demonstrados alguns exercícios para aliviar a tensão muscular e amenizar a dor nas costas. Para se obter melhores resultados, execute-os pelo menos 1 vez ao dia, ao acordar ou na hora de ir dormir. Se algum exercício lhe provocar dor, utilize menos força e limite o número de repetições. Caso a dor persista, deixe de se exercitar e procure a Unidade de Saúde mais próxima de sua casa. Os exercícios assinalados são indicados para você.

Na mesma posição, puxe os dois joelhos dobrados em direção ao peito. Mantenha por 30 segundos e repita 3 vezes.

Deitado de costas, sobre uma superfície firme e com os joelhos dobrados, em posição de repouso, respire profundamente, expulse o ar contraindo os músculos do abdômen. Repetir 10 vezes.

Na mesma posição, com os joelhos dobrados, deixe as pernas caírem para um lado e depois para o outro.

Na mesma posição, contraia os músculos da barriga e das nádegas, mantendo as costas inteiramente apoiadas no chão. Permaneça por 10 segundos e relaxe. Repetir 10 vezes.

Na mesma posição, braços ao lado do corpo, coloque uma faixa (toalha ou lençol) em uma perna e leve-a para cima até onde conseguir sem dobrar o joelho, lentamente. Mantenha por 30 segundos e repita 3 vezes cada perna.

33

Fisioterapia

Na mesma posição, braços ao lado do corpo, pernas dobradas e apoiadas realize um movimento de contrair o bumbum, levantando o quadril do apoio e soltando o ar pela boca. Repita 10 vezes.

Para levantar peso do chão, o ideal é colocar-se de frente o mais perto possível do objeto e abaixar-se afastando os pés e dobrando os joelhos. Levante-se mantendo o tronco reto, pés juntos e soltando ar dos pulmões.

Na mesma posição, estique os braços acima da cabeça e as pernas para baixo. Alongue-se até onde conseguir, mantenha por 10 segundos e depois relaxe. Repita 3 vezes.

Não incline o seu tronco para frente sem dobrar os joelhos. Lembre-se disto sempre. Inclusive quando for escovar os dentes ou lavar o rosto.

Durante o dia, realize algumas contrações dos músculos do abdômen e nádegas, como se estivesse com a barriga dura.

Para calçar sapatos ou vestir calças, evite equilibrar-se em um pé só ou dobrar o corpo. Procure sentar-se para colocá-los.
Quando a dor cessar, você poderá voltar para a maioria de suas atividades do dia-a-dia mas lembre-se de seguir estes conselhos:

Não carregue bolsas ou sacolas em apenas um braço, procure dividir o volume em dois (um em cada mão).

Prefira dormir de lado, com travesseiro preenchendo a distância ombro-cabeça, braços e pernas levemente dobrados e um travesseiro entre as pernas.

As dicas deste folheto e sua dedicação irão ajudá-lo a tratar e previnir problemas de coluna.
34

Nunca é tarde para mudar seus hábitos de vida. Portanto, movimente-se.

Qualquer dúvida entre em contato com a Unidade de Saúde mais próxima de sua casa.

Fisioterapia

3.3

Exercícios gerais:
Mantenha um alongamento suave por no mínimo 30 segundos, depois relaxe e repita por mais 2 vezes.

1. Sentado ou em pé, imagine
sua cabeça sendo puxada para cima por alguém. Você força seus ombros para baixo e seu pescoço para cima.

O que é DPOC?
É uma doença pulmonar obstrutiva crônica que se caracteriza pela dispnéia (falta de ar) e dificuldade para soltar o ar. O grupo de DPOC inclui principalmente as seguintes doenças:
ENFISEMA ASMA BRONQUITE

2. Sentado ou em pé, aproxime sua orelha em

direção ao seu ombro (sem levantar o ombro). Primeiro para um lado e depois para o outro.

Orientações a serem seguidas no dia-a-dia para evitar as crises:
Evite o contato com o cigarro. Evite o contato com agentes alérgicos (poeira, animais, mofo, talco, giz, cheiros fortes, ...) Mantenha hábitos de vida saudáveis. Procure fazer caminhadas regulares. Movimente-se. Durante a realização da caminhada puxe o ar pelo nariz e solte-o pela boca, o mais profundamente possível. Quando puxar o ar encha a barriga e ao soltar, encolha a barriga. Atenção: Caso apareça qualquer alteração ou desconforto (falta de ar, dor no peito, cansaço, ...) durante a realização da caminhada ou exercícios, suspenda a atividade física e busque orientação médica. Ao realizar exercícios, procure usar tênis, roupas leves e confortáveis.

3. Sentado ou em pé, entrelace os dedos acima da cabeça. Com a palma das mãos voltadas para cima empurre delicadamente os braços para trás e para o alto. Não prenda a respiração.

4.

Segurando-se de costas em uma grade ou no batente de uma porta, com as mãos colocadas na altura dos ombros, faça com que os braços se endireitem conforme você se inclina para frente. Mantenha o peito erguido e o queixo abaixado.

5. Entrelace os dedos à frente
na altura dos ombros. Vire a palma das mãos para fora e vá esticando os braços para frente.

35

Uso de medicamentos conforme indicação médica. com as orientações dadas. puxando o ar pelo nariz. Faça somente os exercícios que seu fisioterapeuta indicar!!! Em caso de crise NÃO realize exercícios. Solte o ar pela boca mantendo os lábios semi-fechados. Permaneça sentado. Quem se exercita solta melhor o ar no caso de crise. 36 . 5. Respire lentamente. Fique calmo! 2. fazendo com que haja uma pequena resistência na saída do ar. 3. confortavelmente. A velocidade para entrada e saída do ar deve ser igual. a crise permanecer: Procure a Unidade de Saúde mais próxima da sua casa ou Unidade 24 horas. Se. Tratamento: Treinamento pulmonar com exercícios respiratórios durante o período em que não estiver em crise. Para ajudar sua respiração: 1. 4.Fisioterapia Treinamento pulmonar: Durante a realização destes exercícios puxe o ar pelo nariz e solte-o pela boca. com o corpo inclinado para frente e com os braços apoiados nos joelhos.

4 A prática do uso destes brinquedos ajudará a criança a ter mais força para soltar o ar durante as crises. por isso vá com calma. Não segure a criança pelo abdômen (barriga). * NÃO FAÇA EXERCÍCIOS NO MOMENTO DE CRISE ! 37 .Fisioterapia 3. Esforços muitos grandes e prolongados podem desencadear crises. Estas brincadeiras fazem parte do tratamento das doenças pulmonares obstrutivas como a asma e a bronquite. No momento da crise procure manter a criança sentada no seu colo como na foto ao lado.

resfriados e alguns alimentos podem desencadear a crise de asma ou bronquite.Fisioterapia Mantenha seu filho longe de: Poeira e mofo Roupas e animais com pêlos Ar frio Fumaça de cigarro e produtos com cheiro forte Gases e aerosóis Se a criança estiver realizando grande esforço para respirar e/ou seus lábios e ponta dos dedos estiverem arroxeados é uma sinal de gravidade e emergência! Vá imediatamente à Unidade de Saúde 24 horas em caso de crise. 38 O Aleitamento Materno protege contra infecções mais graves . Para maiores informações converse com a equipe da Unidade de Saúde mais próxima de sua casa. Fique alerta pois gripes.

como seguem orientações neste folheto. pois o paciente pode esquecer da medicação. diminuição de força muscular e da coordenação. tomar bastante líquido.E. para manter os movimentos e a saúde das articulações. Encontrando-as. trombose nas pernas. podendo ocasionar seqüelas como: perda de movimentos. (Acidente Vascular Encefálico . 4. alteração na coloração da urina. a pessoa deve mudar de posicionamento no mínimo a cada duas horas (alternando a posição das pernas). Para evitá-las procure: expor-se ao sol no início da manhã ou no final da tarde (aproximadamente 20 minutos). pois ela facilita algumas complicações como: infecções respiratórias e urinárias.Inspecione diariamente o corpo do paciente. Posicionamentos Fisioterapia Os cuidados deitado sobre o lado não afetado (não plégico) Observar os horários dos remédios. Evite a imobilidade (ficar só deitado ou só sentado). se possível utilize colchão específico para prevenir feridas (colchão de ar ou tipo caixa de ovo).DERRAME) O que é? É quando uma parte do encéfalo (cabeça) sofre uma lesão. Desde os primeiros dias usar posições certas para deitar. fazer uma dieta rica em cálcio.1 Os cuidados em casa para as pessoas que sofreram um A. estimular a movimentação e o "tossir". osteoporose (perda de massa óssea) e escaras (lesões na pele). Alguns cuidados são importantes para evitá-las: mantenha o paciente sempre limpo. entre outras.V. troque-o sempre que necessário. os lençóis e as roupas devem estar limpas. mudam de cor ou aparecem manchas. sentar e levantar. e observe se há presença de áreas com vermelhidão ou feridas. procure orientação. secas e bem esticadas (sem dobras). Siga as orientações dadas pelo fisioterapeuta. presença de dor ao urinar e febre sem explicação. dificuldade ou perda de fala. principalmente durante o banho. fique atento se as pernas aumentam de volume. deitado de barriga para cima 39 .

não erguer nem puxar o paciente pelo lado afetado sentar o doente na beirada da cama e pedir a sua colaboração. levante-o devagar. fazer o movimento ao mesmo tempo levantar o paciente juntos Mudança de Posição Fisioterapia Os cuidados para ajudar o paciente a levantar-se ou mudar de posição: dobrar as pernas para não forçar as costas abraçar forte e dizer ao paciente o que irá fazer segurá-lo próximo do corpo Mudança da cama para cadeira com ajuda do paciente: usar braços e pernas evitando forçar as costas segurar no lado que está bom. travar o joelho afetado do paciente com os seus abraçados.Posicionamentos Mudança da cama para cadeira com ajuda de duas pessoas (pode ser com um lençol por baixo do paciente): exemplo com hemiplegia direita exemplo com hemiplegia direita 40 deitado sobre o lado afetado (plégico) segurá-lo perto do corpo Sentado (sempre que possível coloque o paciente sentado para fora da cama) devagar. ajude-o puxando pelas costas e nunca pelo braço afetado .

portanto procure orientações do Fisioterapeuta da Unidade de Saúde mais próxima de sua casa. levar um joelho de cada vez na direção da barriga . dobrando as pernas para não forçar as costas Fisioterapia Quando o paciente pode ajudar mais: Deitado sobre o lado não afetado. levantar o quadril O paciente entrelaça as mãos e leva o braço para o alto girar o corpo juntos sentar devagar. exemplo com hemiplegia direita exemplo com hemiplegia direita Pernas dobradas. levar a perna afetada para trás (igual dar um passo) 41 Pernas dobradas. mãos entrelaçadas.Dicas de exercícios em casa OBS: Este programa não é destinado a todos os pacientes.

apoiar os braços sobre uma mesa. Procure dobrar e esticar o cotovelo Sentar e levantar. levar o corpo para frente e para cima Fisioterapia Sentado. levar o peso do corpo sobre este braço Com as mãos entrelaçadas. procure deslizar o pano ou deslizar um rolo de macarrão . com as mãos entrelaçadas e braços esticados. apoiar o braço afetado e pegar objetos com a outra mão Com um pano na mesa. braço afetado apoiado ao lado do corpo. leve um objeto de um lado para outro Sentado. ajudar o paciente a transferir o peso de uma perna para outra Em pé.exemplo com hemiplegia direita exemplo com hemiplegia direita 42 Dicas de exercícios em casa Em pé.

. cano de mangueira. ele precisa aprender novamente as tarefas que um dia ele já fez sozinho 43 . escovas (de dente e de cabelo) e outros objetos difíceis para segurar usando tiras de câmaras de ar. esponjas.. bola de isopor. procure fazer mais exercícios esticando os dedos e abrindo a mão Procure engrossar cabos de talheres. Se for usá-la. pano. procure ficar com a planta do pé completamente apoiada no chão Para vestir a roupa é mais fácil começar a colocá-la pelo lado afetado Oferecer sempre estímulos para o lado afetado. mantendo a mão fechada.. deixando os seus objetos pessoais em uma mesa deste lado da cama Fisioterapia Dicas gerais O uso da bolinha reforça o padrão errado. Os sapatos fechados (sem cadarços) e com sola de borracha são os mais indicados Não faça tudo pelo paciente. Procure ficar com o braço esticado e rodado para fora.exemplo com hemiplegia direita exemplo com hemiplegia direita Evite ficar na posição viciosa com o braço dobrado junto ao corpo e a perna esticada. afastado do corpo e mão aberta.

deixar de fumar. Qualquer dúvida procure o fisioterapeuta da Unidade de Saúde mais próxima da sua casa para que ele lhe oriente a melhor forma de cuidar de seu familiar ! . fazer exercícios físicos regularmente. equilibrar o peso. Dedique amor. Para conseguir sucesso no tratamento necessita-se de esperança e entusiasmo. encorajando a pessoa a superar suas dificuldades. diminuir o sal. esperança e muita coragem. Todos os familiares devem ajudar. controlar taxas de açúcar no sangue e não tomar remédio sem orientação do médico.44 Os cuidados para evitar um novo derrame Controlar a pressão arterial. O sucesso no tratamento Fisioterapia Até que o paciente consiga o máximo de independência é necessário ter paciência e carinho para valorizar os pequenos progressos de cada dia. avaliar o colesterol.

Apóie suas costas no encosto evitando se curvar. use um apoio sob um dos pés para dobrar o joelho e a coxa. mantenha o tronco ereto. abaixe-se afastando os pés e dobrando os joelhos. lustrar móveis. Procure usar apoio (descanso) de pulso para o teclado e mouse. Quando permanecer em pé por muito tempo. Evite torção de pescoço ao atender chamadas telefônicas. realize o serviço sobre uma mesa. Mochilas devem ser carregadas nas costas e devem ter até 10% do peso corporal. bater bolo. Trabalhar em pé Cuidado. Atente-se para posturas corretas nas várias atividades: esfregar o chão ou torcer roupa.Transportar pesos 4. Fisioterapia Atividades de casa No escritório Evite colocar objetos pesados ou documentos em gavetas que estejam próximas ao chão. Evite inclinar o tronco para frente em pé. Qualquer dúvida procure a equipe da Unidade de Saúde mais próxima da sua casa. Ajuste o monitor para que fique na altura dos olhos e bem a sua frente. 45 . até mesmo se distrair fazendo tricô. Divida o volume em duas ou mais sacolas. Assim você relaxa os músculos das costas. O ideal é colocar-se em frente e perto do objeto. Não coloque pesos em prateleiras altas. dobrar as costas exige dos músculos um grande esforço para endireitá-las.colocar objetos no alto de armários. As prateleiras devem estar a altura dos ombros ou suba em uma escadinha de 2 a 3 degraus. Os seus pulsos devem ficar relaxados. A má postura pode causar lesão. Mantenha o teclado em uma altura em que os seus cotovelos fiquem a 90 graus. Para levantar-se. suas vértebras correm o risco de ficar desprotegidas. No computador Procure sentar-se corretamente.2 Como levantar um peso do chão Fisioterapia dores nas costas Não carregue bolsas pesadas. colocar roupas no varal.

Posições para dormir Para levantar da cadeira é recomendável apoiar-se com a palma das mãos logo acima do joelho. Para ler. com uma inclinação no encosto de 10 a 20 graus. Evite inclinar o corpo freqüentemente para as laterais ou rodá-lo. Dicas para sentar Para calçar sapatos ou calças É melhor sentar-se com as costas bem apoiadas em uma cadeira. não levante o queixo nem se curve. Use o descanço de braços mantendo os cotovelos a 90 graus. . Evite dobrar o corpo para vestir roupas ou calçados. Fique na beira da cama. um para apoiar a coluna e outro embaixo dos joelhos para que estes fiquem dobrados. Evite estas posições para estudar ou ler Fisioterapia Fique de frente para a TV colocando um encosto para a cabeça. coloque uma almofada embaixo do livro. Não cruze as pernas. Não tente se equilibrar sobre uma perna. sentando-se. Para isso levante-se e estique o corpo (espreguiçando). vire de lado e levante apoiando-se sobre o cotovelo e sobre a mão. São melhores as cadeiras com abertura entre o encosto e o assento. A altura do assento deve ser a mesma dos joelhos aos pés. teclado Evite ler ou assistir TV deitado e com o pescoço dobrado. Não se sente na ponta da cadeira. porém quando o fizer. Use cadeira com encosto e assento amplo. Ao mesmo tempo coloque as pernas para fora da cama. Se ficar muito tempo sentado é recomendável colocar um banquinho ou tábua para apoiar os pés. coloque um travesseiro sob o abdômen. aproxime bem a cadeira da mesa e apóie as costas no encosto. Não se levante bruscamente. Não durma na cadeira. Evite permanecer muito tempo sentado. 46 Evite deitar de bruços.

Não forçar as costas. Posições para dormir O colchão deve ser semi-rígido (conforme orientação do fabricante). Sapatos com saltos finos e altos. . lavar o rosto. Endireite o seu corpo. Fisioterapia Subir escadas Incline-se ligeiramente para frente pois assim você estará repartindo o peso do corpo sem sobrecarregar as costas. A altura ideal do salto é de 2 a 3 cm. sem tiras atrás ou tamancos devem ser evitados. Se não for possível. É o mais adequado para a coluna manter-se reta. Inclinar-se Prefira dormir de lado com travesseiros preenchendo a distância ombro-cabeça. com os braços e pernas levemente dobrados e com um travesseiro entre as pernas. inclusive quando for escovar os dentes. 47 Não incline seu tronco para frente sem dobrar os joelhos. contraia a barriga e olhe para frente. Lembre-se disso sempre. Devem ter saltos com base larga e firme. roupas ou louças. durma de barriga para cima usando um travesseiro sob a cabeça e outro sob as coxas para manter os joelhos dobrados. Colchão rígido (ortopédico): a coluna fica torta a noite toda porque os ombros e o quadril não se acomodam ao colchão. Como entrar e sair do carro Andar Ande o mais reto possível.Sapatos Dicas de postura São pequenos cuidados que devem ser tomados no dia-a-dia para prevenir dores na coluna. Procure apoio para girar as pernas e o quadril para fora ao mesmo tempo Colchão mole: a coluna fica torta porque não há suporte para as partes mais pesadas do corpo (ombros e quadril).

hipertensão arterial.Qualquer dúvida procure Aprenda a exercitar sua saúde Não faça exercícios em jejum e não coma demais antes de realizá-los. a equipe da Unidade de Saúde 4. Evite caminhar sob sol forte. Caminhada Comece caminhando devagar e aumente o ritmo progressivamente. O exercício físico é fundamental para melhorar a qualidade de vida: Aumenta a capacidade respiratória. Colocar barras de apoio no banheiro. muletas com base de borracha. Melhora a circulação sanguínea. Aumenta a rigidez dos ossos. Previne quedas. assim como tapete antiderrapante ou uma cadeira no box para tomar banho. Fique atento aos sinais de cansaço e dificuldade para respirar. . Evitar pisos lisos ou encerados. Comece com um total de 15 minutos diários na 1ª semana e vá aumentando o tempo conforme o seu limite. Reduza o ritmo antes de parar. Fisioterapia Previne complicações causadas por doenças crônicas (obesidade. diabete. Conserva a força e flexibilidade dos músculos. Melhora o humor e a auto-estima. animais domésticos). Ao sair de casa. utilizar corretamente os instrumentos de apoio como bengala. mais próxima de sua casa 48 Evite conversar durante a caminhada. tapetes. sapatos confortáveis e com solado antiderrapante. Mantém os movimentos das articulações.3 Use roupas confortáveis. mas com cuidado. Como aumentar a estabilidade e evitar quedas Remover obstáculos à passagem (móveis. Evitar trancar a porta do banheiro ou outro cômodo. leves e ventiladas e calçados macios com solado que amorteça impactos. osteoporose) comuns no idoso.

Cabeça A Tronco B A A A B B B A B olhe para cima e para baixo vire para um lado e para o outro incline para um lado e para o outro vire para os lados A Membros Superiores B incline lateralmente A B A B B A eleve os ombros e solte movimente as mãos para cima e para baixo A B movimente para frente e para trás balance o quadril Membros Inferiores B A A Fisioterapia faça movimentos circulares com as mãos B trace um círculo com os seus ombros A B eleve os braços para cima com os cotovelos estendidos A B traga os braços estendidos à frente eleve os joelhos à frente flexione os joelhos elevando os calcanhares para trás abra os braços lateralmente retorne a posição faça movimentos circulares com os tornozelos 49 .

estenda a outra puxando-a com uma tira encolha as duas pernas e desça uma de cada vez aperte a bola com a coxa . 50 IMPORTANTE! B A A posição final deve ser mantida por 30 segundos em cada exercício A Inicie com 10 repetições e vá aumentando aos poucos o número de repetições Cabeça B Membros Superiores A B Realizar os alongamentos antes e depois das atividades físicas.Abdominais Qualquer dúvida procure a equipe da Unidade de Saúde mais próxima da sua casa. apoie as mãos e flexione um pouco a perna da frente deitado com uma perna flexionada. mantenha os braços junto ao corpo. puxe para um lado e para outro entrelace as mãos atrás da cabeça e puxe para baixo Consultar o médico antes de iniciar qualquer atividade física. dobre os cotovelos erguendo o peso eleve o peso levantando os braços lateralmente Membros Superiores A B A Membros Inferiores B A B estenda o braço puxando com a mão estenda os braços para trás entrelaçando as mãos Apóie os pés em um degrau (caixa) alternadamente sente e levante da cadeira A B Fisioterapia A B aperte a almofada com os joelhos com as pernas estendidas Glúteos eleve o quadril contraindo o bumbum A estenda o braço e puxe a mão virada para cima e depois para baixo estenda os braços para cima num apoio Membros Inferiores sentado com o tronco ereto e as pernas estendidas e afastadas. trazer o corpo para frente estenda o tronco para frente segurando num apoio A A B B B suba e desça a perna estendida C estenda a perna para trás sem tirar o calcanhar do chão.

Lápis dermográfico. Goniômetro. Estetoscópio. 5.2. 5. Estesiômetro.1.MALETA DO FISIOTERAPEUTA: A maleta do fisioterapeuta poderá ser usada em qualquer atividade desenvolvida por este. 51 .6.Fisioterapia 5 .3. Esfigmomanômetro.5. 5. 5. Fita métrica. Ela é composta de: 5. 5.4.

2002. Internet: http://www. 1998. CASTRO. Rio de Janeiro: Fisiobrasil. São Paulo: Sarvier. São Paulo: Unicamp. seção 1.htm acesso em 08/02/2004. Respirações. Porque assistência domiciliar. Variações na Postura na Criança. ASHER. 1ª ed. São Paulo: Manole. 1976. 1996. Resolução COFFITO-10. 52655268. p. O Fisioterapeuta na Saúde da População . COFFITO (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional). Hipertensão Arterial Sistêmica e Diabetes Mellitus. 1995. São Paulo: Ícone. p. Resolução COFFITO-8. BRASIL. Fabio B. Diário Oficial da União nº 50 de 14 de março de 1978. BARROS.Atuação Transformadora.br/paginas/doencas/po/p_02_acidente_vasc_cereb. COFFITO (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional).sarah. CESCHINI. 1178. 2002. São Paulo: Summus. v. M. In: Orientações para cuidadores informais na assistência domiciliar. 11-16. p. Bernard. BASILE. Posturologia. BRICOT. Normas para habilitação ao exercício das profissões de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. M. Coluna Vertebral: Diagnóstico e Tratamento das Principais Patologias.Fisioterapia Referências Bibliográficas ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. seção 1. CAMPIGNION. Brasília: Ministério da Saúde. 52 . Roberto. Cecile. Sebastião. BARROS. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE. Tarcísio. parte 2. 3ª ed. Aprova o Código de Ética Profissional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. parte 2. São Paulo: Mc Graw Hill. 7. 2001. Diário Oficial da União nº 182 de 22 de setembro de 1978. Philippe. Anatomia Fundamental. Caderno de Atenção Básica. 1989.

br/paginas/doencas/po/p_08_lesao_medular.. 1987. MC CREARY. Anatomia. Adalbert I. 3ª ed. MOMESSO. São Paulo: ARTMED. Patrícia. 53 . Patricia G. Florence P .Neurologia para Fisioterapeutas. Internet: http://www. 1995. CASH .sarah.htm acesso em 08/02/2004. KENDALL. 1997. 4ª ed. 5ª ed. 2002. São Paulo: Panamericana. São Paulo. OMS (Organização Mundial da Saúde). São Paulo: Panamericana. CASH . Proteja sua Coluna. 1987. 1987. Arthur C.Fisioterapia em Ortopedia e Reumatologia.santalucia. São Paulo: Ícone. Secretaria Municipal da Saúde.Fisioterapia CURITIBA. LESÃO MEDULAR. PROVENCE. 29ª ed. Patrícia. Panamericana.br/pneumologia/asma. 2004. Elizabeth K. GUYTON. Promovendo Independência após AVC ..com. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Tratado de Fisiologia Médica. DOWNIE. 2000. DOWNIE. Renato. Protocolo de Atenção à Saúde do Adolescente. Torácicas e Vasculares. DOENÇAS PULMONARES OBSTRUTIVAS CRÔNICAS.htm acesso em 08/02/2004. Patrícia. Rio de Janeiro: Guanabara.Fisioterapia nas Enfermidades Cardíacas. 1ª ed. DOWNIE. 1996. 1992. São Paulo: Panamericana.Um dia para Fisioterapeutas e Profissionais da Atenção Primária à Saúde. São Paulo: Manole. Músculos Provas e Funções. 8ª ed. KAPANDJI. CASH . Internet: http://www. GRAY. Fisiologia Articular: Tronco e Coluna Vertebral. Henry.

VILADOT. Internet: http://www. São Paulo: Manole. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. YOKOSHI. 19ª ed. James B.Tratado de Medicina Interna.reumatologia. CECIL . Coluna Vertebral.sarah.br/paginas/doencas/po/p_07_traumatismo_cranioence. 2ª ed. ROHEN.Fisioterapia ONCOLOGIA.br/paginas/doencas/po/p_01_paralisia_cerebral. Ramon.htm acesso em 08/02/2004.santalucia.br/doe7. 1986. Internet: http://www. 54 . WYNGAARDEN. São Paulo: Manole. O'SULLIVAN. Internet: http://www. Anatomia Humana.com. v. Internet: http://www. Johanes W. 1993. 1 e 2.htm acesso em 08/02/2004. Internet: http://www. São Paulo: Santos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. PARALISIA CEREBRAL.Tratado de Neurologia. REUMATOLOGIA. 7ª ed. MERRIT .br/oncologia/defaut.br/orient_09. 1993. et all.htm acesso em 30/03/2004. REUMATOLOGIA.reumatologia. 1993. ROWLAND Lewis. Susan B.sarah.com. Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 1992. TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO.com. Chihiro.htm acesso em 08/02/2004.htm acesso em 30/03/2004. 3ª ed.

FISIO TER APIA .