You are on page 1of 3

Miguel Martins de Menezes

Seguir · 5/3

A solução de Portugal está nas mãos dos portugueses, a partidocracia que nos governa é completamente corrupta. Se alguém colocou Portugal nesta situação foi a corrupção de estado, não os portugueses! Portugal necessita de uma DEMOCRACIA DIRECTA, uma assembleia constituinte eleita pelas 11 províncias portuguesas do Norte ao Sul(cada província estará representada localmente por pequenas assembleiaspopulares em que participarão: Professores, desempregados, donas de casa, médicos, deficientes, reformados, empresários (entre muitos outros) eleitos localmente). Essa Assembleia Constituinte iria nomear um Conselho de Estado composto por 11 pessoas que nomeariam um governo escolhido entre os membros da assembleia eleita ou pessoas fora dessa assembleia. Portugal poderia ter um modelo como o da Suiça o do Uruguai (uma das democracias directas mais bem sucedidas no mundo civilizado), adaptando estas experiências a um modelo próprio para Portugal.

Avançar para uma democracia directa exige o seguinte: 1.0 – Um projecto de lei que estruture a DEMOCRACIA DIRECTA e peça um referendo nacional com um mínimo de 40,000 assinaturas de cidadãos que será entregue por uma comissão ao Tribunal Constitucional (o ideal para ter força seriam 100,000 assinaturas). 1.1 – Apoio dos cidadãos ao que foi acima citado (1.0 ), manifestando a sua vontade através do abstencionismo nas próximas Eleições Autárquicas e a assinatura desse projecto de lei com exigência de um referendo nacional. O abstencionismo em Portugal já atingiu os 53% nas últimas legislativas e 70% nas eleições Europeias. Apostar forte no abstencionismo nas próximas Eleições Autárquicas não teria implicações com dano para o país e para as instituições, pois como está mais do que comprovado, os eleitos são sempre os mesmos, por vezes com 2/3 mandatos seguidos (mudando de autarquia para ficar no poder), apenas iriamos apostar nas próximas legislativas com uma DEMOCRACIA DIRECTA. 1.2 – Após o parecer do Tribunal Constitucional o referendo é aprovado 1.3- Referendo Nacional com mais de 50% dos votos. 1.4- Nomeação de uma assembleia constituinte e de um governo. 1.5 – Uma revisão constitucional que torne a constituição adequada ao novo sistema. Necessário 2/3 dos votos dos parlamentares eleitos pela nova assembleia constituinte eleita pela Democracia directa. 1.6- Boa governação para que o povo sinta que não perdeu o seu tempo numa aposta errada, um governo que tomasse de imediato as seguintes medidas: A) Exoneração de todos os membros do conselho Consultivo do Banco de Portugal que tenham ligações à banca privada (no passado ou no presente) B) Nomeação de uma comissão especial para analisar todos os contratos assinados pelo Estado Português em que estejam envolvidos ministros e secretários de estado que posteriormente vieram a ocupar cargos de administração nas empresas privadas com quem o estado assinou esses contratos. No caso de haverem provas, anulação destes contratos, pedido de restituição integral (“Restitucio in Integrum”) dos valores pagos pelo estado com acções de penhora de bens e património das empresas e instituições envolvidas. Nomeação de um tribunal para julgar estes casos com uma justiça célere pois aqui encontra-se em jogo a soberania nacional, a segurança do estado. Criação de um projecto de lei que proíba qualquer ex ministro, secretário de estado e director de serviços de exercer funções de administração em qualquer empresa com quem o estado tenha celebrado contratos nos 5 anos subsequentes ao fim do seu mandato. C) Criação de um novo projecto de lei sobre o enriquecimento ilícito (pois o último

foi curiosamente reprovado no Supremo tribunal de Justiça). D) Investigação dos governantes que nos passados 10 anos estiveram ligados a actos de corrupção, nomeadamente ex primeiros ministros e outros que actualmente ocupam cargos no poder. A serem provados actos de corrupção, pedir a extradição dos países de actual residência dos autores desses crimes e o seu posterior julgamento no país. Entre muitas outras medidas…. Não sou um legislador, nem um constitucionalista, mas como cidadão sei que sem que isso seja feito, Portugal nunca terá a sua soberania e a sua dignidade de volta, nunca mais haverá confiança nas Instituições do Estado por parte dos cidadãos. — com Jorge Manuel Pires Alves, Armindo Matos, Jorge Manuel Duarte Brito e 38 outras pessoas.
Gosto · · Partilhar