You are on page 1of 88

FACULDADES ASSOCIADAS DE SANTA CATARINA – FASC FACULDADES DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA REGIÃO CARBONÍFERA FACIERC CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SANDRA REJANE JOAQUIM CIPRIANO TIAGO KAMERS

A IDENTIFICAÇÃO DAS CORE COMPETENCES DO ANALISTA DE REDES SOCIAIS: UM PROCEDIMENTO A PARTIR DA CONTRIBUIÇÃO DE GESTORES

CRICIÚMA, 2010

SANDRA REJANE JOAQUIM CIPRIANO TIAGO KAMERS

A IDENTIFICAÇÃO DAS CORE COMPETENCES DO ANALISTA DE REDES SOCIAIS: UM PROCEDIMENTO A PARTIR DA CONTRIBUIÇÃO DE GESTORES

Trabalho de Conclusão de Curso submetido ao Programa de Graduação em Sistemas de Informação das Faculdades de Ciências Econômicas da Região Carbonífera como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Prof. Orientador: Thiago Henrique Almino Francisco, Esp.

CRICIÚMA, 2010.

SANDRA REJANE JOAQUIM CIPRIANO TIAGO KAMERS

A IDENTIFICAÇÃO DAS CORE COMPETENCES DO ANALISTA DE REDES SOCIAIS: UM PROCEDIMENTO A PARTIR DA CONTRIBUIÇÃO DE GESTORES

Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado e aprovado para obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação no Programa de Graduação em Sistemas de Informação das Faculdades de Ciências Econômicas da Região Carbonífera – FACIERC. Criciúma, ___ de novembro de 2010.

_________________________________ Prof. Nacim Miguel Francisco Junior. Coordenador do Curso

Banca Examinadora integrada pelos professores:

_________________________________ Prof. Thiago Henrique Almino Francisco, Esp. Professor Orientador

__________________________________ Prof. Nacim Miguel Francisco Jr. , MSc. Membro

__________________________________ Prof. Rafael Darosci Henrique, Esp. Membro

DEDICATÓRIAS

Dedico este trabalho ao Rei dos reis e Senhor dos senhores, Jesus Cristo, por ter me dado força e graça para concluir mais este desafio em minha vida. Ao meu esposo Jovânio Cipriano que com todo seu amor soube respeitar e compreender meus momentos de estudo; as minhas filhas Khetully e Giovanna Cipriano por entenderam a minha ausência e aos meus pais por me darem oportunidade de hoje estar aqui realizando este sonho. Sandra Rejane Joaquim Cipriano

Dedico esta monografia a Deus por toda força e sabedoria, aos meus pais, os quais amo muito, pelo exemplo de vida e família e aos meus irmãos por tudo que me ajudaram até hoje. Tiago Kamers

já com saudades. Sandra Cipriano. que me proporcionou oportunidade de crescimento. meu esposo Jovânio Cipriano e minhas filhas Khetully e Giovanna Cipriano.AGRADECIMENTOS Eu. o Deus da minha vida e da minha salvação. e assim podemos chegar até o final deste trabalho. quero agradecer em primeiro lugar ao grande Rei e Senhor Jesus Cristo. Ao nosso orientador Thiago Francisco. por terem tanta paciência comigo neste período turbulento. . que tanto nos incentivou e contribuiu com seus conhecimentos acerca do tema. Pai (in memoriam). com sua sabedoria e dedicação. Jane e Magno. Quero louvá-Lo por este trabalho. A minha amiga e colaboradora deste trabalho Sandra pela dedicação e motivação na realização do mesmo. e mesmo com um pouco de atraso consegui chegar até aqui. compartilhando seus conhecimentos como professor e orientador que nos seguirão em todo percurso da vida. Agradeço de coração ao nosso orientador Thiago Francisco. Eu. Tiago Kamers agradeço a Deus pela vida e pela oportunidade de expressão que tem permitido. Aos meus familiares que tem sido a grande motivação de vida: Mãe. Agradeço a meus pais por sempre me incentivarem a estudar. Também não posso deixar de agradecer ao meu amigo Tiago Kamers por ser tão paciente comigo. Também quero agradecer minha querida família. Agradeço ainda a todos os professores que nesta longa jornada contribuíram para eu chegar até aqui. pois sem Ele nada se pode fazer.

Fazer isso repetidamente e de maneira confiável ajudará você a atingir suas próprias metas” Seth Godin. Seth‟s Blog .“O Networking social que importa é aquele que ajuda pessoas a cumprirem seus objetivos.

Analista de redes sociais. .RESUMO Cipriano. Tecnologia da Informação. que a identificação das competências essenciais contribuirá para o desígnio das core competences que compõem o perfil deste analista cooperando na consolidação das metas estratégicas das organizações. Este trabalho tem como objetivo principal identificar as core competences de um analista de mídias sociais por meio da contribuição de gestores. 2010. A popularização deste conceito fez despertar nos administradores a utilização dela nas empresas como ferramenta para alavancar seu faturamento na consolidação de seus objetivos estratégicos. descritiva por meio de questionário com 10 questões aplicado a amostra proposital de 12 gestores em organizações de diferentes segmentos. Tiago. A inserção das mídias sociais no ambiente corporativo fez originar a necessidade pela criação de um novo cargo chamado de Analista de Redes Sociais. Criciúma. Palavras-chaves: Core competences. mídias sociais. Identificar quais os conhecimentos e capacidades inerentes a este novo cargo tornou-se fundamental para alinhar suas atividades com os objetivos do negócio. AS CORE COMPETENCES DE UM ANALISTA DE REDES SOCIAIS. As core competences são as principais competências que este analista deve possuir para exercer tal profissão que diante da contemporaneidade do assunto não existem muito estudos baseados na definição das principais características do cargo. FACIERC. Para tanto será desenvolvido uma pesquisa qualitativa. mostrar o impacto e a relevância das mídias sociais nas organizações da era do conhecimento. P. Os resultados permitem concluir. Sandra Rejane Joaquim. Seu crescimento se deu em um ritmo bastante acelerado alterando a forma como as pessoas veem e utilizam a internet. entre outros aspectos. Investigar a contribuição da tecnologia da informação na consolidação das mídias sociais e manifestar de que modo a geração Y contribuiu com sua massificação. Curso de Sistemas de Informação. Trabalho de Conclusão de Curso.88. Kamers. As Redes sociais são um meio de comunicação entre as pessoas onde o computador é o intermediário.

Keywords: Core competences. there are not many studies about the definition of principal characteristics of load. social medias‟ analyst. to identify what is knowledge and capacity inherent in the new load become fundamental to align its activities with objectives of business. co-operating at consolidation of strategic marks of organizations. to investigate the contribution of technology of information in the consolidation of social medias and to manifest in a way the generation Y contributes to its massification.ABSTRACT This work has as principal objective to identify the core competences of a social medias` analyst through contribution of managers. that a identification of essential competences will contribute to the purpose of core competences who compose the profile of this analyst. . The social nets are a way of communication between people in which computer is an intermediary. The popularization of this concept awaked in the administrators its utilization in the enterprise like instrument to augment rapidly their turnover is consolidation of their strategic objectives. The results permit concluding. So a descriptive and qualitative research will be developed through questionnaire with 10 questions applied in an intentional sample with 12 managers in different segments. social medias. The core competences are the principal competences what this analyst needs have to exercise this profession who in the presence of contemporaneousness of the subject. changing the way how people see and use the internet. The insertion of social medias at corporative environment originated need of creation of a new load entitled Social Medias` Analyst. to show the impact and the relevance of social medias at organizations in knowledge age. between others aspects. Them growth happened in a many accelerate rhythm. technology of information.

......... Estímulo à Inovação................................... Quantidade de Funcionários das Empresas Entrevistadas..................................................................... Relacionamento Pessoal................................... Percentual de Utilização das Redes Sociais pelas Organizações........................................................... Iniciativa e Determinação...........LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gráfico 2 Gráfico 3 Gráfico 4 Gráfico 5 Gráfico 6 Gráfico 7 Segmentação e Tempo de Atuação da Organização no Mercado.......... 67 68 69 72 72 73 74 ..................... Conhecimento Técnico......................................

...................0.........LISTA DE QUADROS Quadro 1 Quadro 2 Diferenças entre a Web 1.... 48 75 ..... Competências Humanas no âmbito das organizações..................0 e Web 2..

............................ Objetivo Geral......3............................2 1.............. 32 33 34 35 2.... FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA...............................2 2...................................3 2.......... JUSTIFICATIVA.........................................................3 2......3 Métodos e Técnicas de Mapeamento de Competências na Organização.....................................6 2.................................................................................... Tema..................................4........1 2......3................... A Evolução da Tecnologia da Informação......................1 2....... Objetivos Específicos.......................................SUMÁRIO 1 1.......6.....................................1 2...........................2 Formação Acadêmica X Experiência Profissional.......................3 2 2.......................................................................................................... OBJETIVOS.....3........ 13 14 15 15 15 15 15 19 19 20 21 22 24 25 26 26 27 27 29 30 31 2.......... Experiências Práticas........1.................2 2.........1 1........... PERGUNTA DE PESQUISA.......................... As Competências Essenciais da Organização e os Ativos Intangíveis....... Características do Analista de Sistemas................ O PERFIL PROFISSIONAL DO ANALISTA DE SIS............................................................................................3...................4 2......4 2..1.........2......... 38 .......................................... A CONJUNTURA ATUAL DO MERCADO DE TRABALHO NA AREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) ................6...........................3 INTRODUÇÃO...............................4................................................5 Perfil do Egresso............... 36 2.. A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO.. DEFINIÇÃO DE CORE COMPETENCES..1 2.................1 2..2 2.................................1.............. Estágio Curricular Supervisionado e TCC............ A ORGANIZAÇÃO NA ERA DO CONHECIMENTO...... Conceito de Competências........2 2.... Formações e Principais Atividades do Analista de SIS................ O CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SIS)......2 1....................................5..................................2.............. Áreas de Abrangência........1 1... O Analista de Sistemas de Informação.................................................. Aplicação da Tecnologia da Informação.............6.......................................1 2..........1 1...............................4..........................................................

.......................................................2 3.................. Twitter.... AS REDES SOCIAIS.....8 2...........1. ASPECTOS EVOLUTIVOS DA TI: A WEB 2............10 2..........................3 2................................ TIPO DE PESQUISA E ABORDAGEM METODOLÓGICA.............10.............................................8.......................................11......8............................................................... História da Internet...................................1 2........... A Geração Y no Mercado de Trabalho...............2 2....................1 5 Atividades do Analista de Redes Sociais.1.0.......10.......10.......2 2.........................9 2.............................. INSTRUMENTO E PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA.......7 2...................... Facebook........................ WEB 2......................................................... POPULAÇÃO DA PESQUISA E AMOSTRA.....................................................9........................9.........2................................10.................................. Sites de Redes Sociais........ .................... Orkut....................................... 58 59 61 61 64 65 66 66 76 78 86 2.........................1 3.......0............................ 40 41 41 43 44 46 46 47 50 52 52 54 55 56 2.................................................8. REFERENCIAS......................1....... PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS...................................1 2.................. Características da Geração Y................2 A DEMANDA POR PROFISSIONAIS QUALIFICADOS.................3 4 4...... APENDICE A............... O Nascimento de uma Nova Geração.....................2 2...............................1 3 3.............11 A PROFISSÃO EMERGENTE: O ANALISTA DE REDES SOCIAIS............ A contribuição das Redes Sociais na Consolidação das Estratégias Organizacionais..1 2.................. REFLEXÕES SOBRE O PROFISSIONAL DA GERAÇÃO Y.........10........3 2.................1 2................................... CONCLUSÃO................................... ANÁLISE GERAL DOS RESULTADOS.............................................................................................

no trabalho. marcas e serviços de empresas e pessoas. Os integrantes da geração Y chamados de nativos digitais são considerados os responsáveis pela massificação das redes sociais. As pessoas estão cada vez mais inseridas nas mídias no decorrer de sua evolução podendo estar conectadas em casa. O progresso da tecnologia da informação fez com que os indivíduos na era do conhecimento fossem classificados em diversas gerações. Assim ele foi denominado Analista de Mídias Sociais. onde por meio do compartilhamento de opiniões por intermédio de redes computacionais. Este deveria ter certas características como. Do surgimento das mídias sociais e sua inserção no âmbito empresarial nasceu a necessidade da criação de um novo cargo a ser ocupado. também por um novo modelo de profissional. principalmente na forma como as pessoas passaram a tirar proveito de seus recursos. A identificação das principais atividades que compõem a rotina de trabalho deste analista induz a busca pelos conhecimentos que o mesmo deverá possuir para tal finalidade. A utilização das mídias sociais no ambiente corporativo traz uma série de vantagens competitivas as organizações que usufruem de seus recursos.13 1 INTRODUÇÃO Com a evolução da Internet. sendo os próprios usuários os principais agentes responsáveis pelo seu crescimento. Para as empresas é imprescindível traçar um perfil de cargo onde deverão estar inseridas as capacidades que o indivíduo deverá ter. sede de informação e de conhecimento. . diminuição de custos. por exemplo. Empresas começaram a enxergar o potencial desta nova ferramenta e criaram estratégias específicas para tirar proveito desta tecnologia. tais como. A Internet tornou-se palco de uma revolução na forma de como é utilizada. boa comunicação. nas escolas ou em qualquer lugar por meio de computadores e dispositivos móveis. Esta então chamada de mídia social hoje está presente em todo o mundo devido à rápida popularização que este conceito vem ganhando. agilidade na criação e execução de campanhas de marketing. conhecimentos técnicos e estímulo à inovação. constante feedback e obtenção de resultados rápidos. criou-se um novo tipo de mídia na sociedade. Possuindo características inerentes ao seu perfil como boa comunicação. é possível divulgar produtos.

A inexistência do mapeamento das competências pode comprometer o modelo de gestão ao deparar-se com uma atuação negligenciada frente às principais características do perfil de cargo. propicia uma descrição correta de seus objetivos estratégicos e sua execução. Diante desta realidade.1 PERGUNTA DE PESQUISA: Por meio da contribuição dos gestores. Neste contexto. quais são as core competences de um analista de redes sociais? . o trabalho tem como problemática a seguinte questão: A partir da contribuição dos gestores. 1. além de contribuir com a participação concreta do analista nos resultados obtidos. Além da descrição das atividades que o cargo irá solicitar. habilidades e atitudes. que convém ao desenvolvimento de uma organização. torna-se mais fácil encontrar os trabalhadores que atendam os requisitos exatos e preencher vagas com eficiência. Ao serem identificadas. os gestores criaram um perfil onde são listadas as competências requeridas para encontrar o profissional ideal que atenda as qualificações específicas da profissão. mapear os conhecimentos. As competências são habilidades que cada indivíduo deve buscar e desenvolver em seu processo de evolução como ser humano e profissional.14 No meio administrativo muito se fala do termo competências. Core Competences são principais competências que o indivíduo deve priorizar ao seu currículo a fim de estar atualizado conforme as exigências das organizações na era do conhecimento. evidentemente a partir do auxilio da pesquisa. o trabalho visa evidenciar aspectos que permitam identificar as core competences do profissional que trabalha com as novas tecnologias da informação. afetando diretamente os resultados esperados bem com os objetivos estratégicos.

E uma vez desenvolvida.  Identificar qual o impacto das mídias sociais nas organizações contemporâneas. habilidades psicomotoras e a internalização de atitudes. Não é diferente com as profissões. pois com o avanço da tecnologia e .97) 1.2 OBJETIVOS 1.  Investigar a contribuição da tecnologia da informação na consolidação das mídias sociais nos dias atuais. 1.  Identificar de que modo a geração y contribui para a massificação das mídias sociais na contemporaneidade. tornando-se fonte para aquisição de vantagem competitiva e sustentável (CARBONE.2.1 Tema O desenvolvimento das core competences dá-se por meio de aprendizagem. que envolve respectivamente a assimilação de conhecimentos e a obtenção de habilidades cognitivas.1. et al.15 1.2. 2008.  Conhecer o perfil de profissionais que trabalham com mídias sociais. O que há pouco tempo atrás era moderno hoje já está ultrapassado.1 Objetivo Geral: O Objetivo geral é estabelecido em: Identificar as core competences de um analista de mídias sociais por meio da contribuição de gestores 1. a relevância das core competences para a organização da era do conhecimento.2 Objetivos Específicos:  Descrever. a competência gerencia as necessidades da organização. por meio de uma pesquisa bibliográfica. p.3 JUSTIFICATIVA Atualmente vive-se em uma era onde a informação e a tecnologia passam por mudanças constantemente.

para que não se torne superado em relação a este novo perfil de profissional que o mercado atual exige. formando uma rede social. Então as pessoas deixam nestas Redes seu perfil exposto. a princípio nas universidades e por fim em cada lugar do planeta aonde a internet chegasse. De modo geral. além de fotos. participando de comunidades que revelam seus interesses e pensamentos. Ainda neste contexto de inovação. Nestas Redes sociais. preferências por determinadas áreas e assuntos. Twitter. em alguns casos são restritos a “amigos”. um ser social. como idade. Por este motivo deve-se estar sempre atualizado e acompanhando as tendências inovadoras. Com a chegada da Internet foi possível expandir estas redes geograficamente e por meio de correios eletrônicos as pessoas começaram trocar informações. De posse destas informações que ficam compartilhadas e sem nenhum custo. visto que o homem. e a intenção é fazer novas amizades no mundo virtual e manter atualizadas as já existentes tanto no mundo real como aquelas feitas na Rede. destaca-se uma área que vem crescendo numa velocidade extraordinária: as Redes sociais.16 com consumidores cada vez mais exigentes. o que as organizações precisam é apenas de um bom profissional na área de conhecimento e tecnologia. a maioria das pessoas participa apenas por diversão e lazer. checando seus dados e preferências para assim usarem no aperfeiçoamento ou lançamento de suas marcas e produtos.. mas é de fácil acesso. O que muitos não imaginam é que “infiltrados” nestas Redes estão pessoas ligadas às organizações. como no Orkut. . etc. surgindo assim o cargo de Analistas de Redes Sociais. com os amigos e colegas. enseja o convívio com a família. Facebook. grau de instrução. sexo. onde a informação se espalha muito rapidamente. principalmente em se tratando da área de Tecnologia da Informação (TI). caracterizando assim as Redes sociais virtuais. Atualmente algumas organizações conseguiram enxergar este novo nicho de mercado no meio dessas Redes que vieram para ficar. pois com o tempo hoje tão escasso fica mais fácil se comunicar e se expressar por meio destas Redes sociais. torna-se necessário que o profissional esteja ainda mais preparado e inserido neste mercado tecnológico. e a troca de informações entre si. as Redes sociais já existem desde o início da humanidade. com dados pessoais.

Dentro deste contexto. que tem por objetivo. mostrar o diferencial exigido por . utilizando-se fortemente da Tecnologia da Informação (TI). muitas vezes. possam despertar e perceber o quanto empresas estão lucrando com esta nova forma de pesquisa. tende a assumir características distintas das normalmente vistas em seu currículo. se for o caso. e com as core competences definidas fica ainda mais fácil de avaliar os próprios colaboradores que já trabalham na organização e realocá-los. deve estar atento às mudanças e tendências de sua profissão. surge a necessidade de identificar as core competences de um analista de Redes sociais. nas quais são alvos de um tipo de pesquisa que busca classificar os indivíduos em segmentos que podem ser direcionados. as core competences do Analista de Redes Sociais. e concluir que isto aconteça talvez pelo funcionário não possuir as core competences necessárias para a função e ao mesmo tempo para as organizações que ainda não enxergaram este nicho de mercado. antes pouco difundido no mercado. habilidades e atitudes para realmente fazerem a diferença nas organizações utilizando as Redes sociais? Para responder estas perguntas é que foi proposto o estudo sobre este tema. Por meio de pesquisas e estudos sobre o tema. como citado. o profissional. cada vez mais rápida e dinâmica. Um bom exemplo disto. Por outro lado. Este profissional como agente transformador de mercado. de maneira mais qualificada. Também poderá a organização. fato que há pouco tempo não existia. aos objetivos de público alvo. neste novo espaço que vem surgindo e que contribui muito para o marketing. analisar o perfil do profissional que já ocupa este cargo e não está trazendo o retorno esperado. espera-se obter conhecimentos que se faça entender e compreender a importância dos relacionamentos pelas Redes sociais.17 Mas será que existem profissionais capacitados para ocuparem tais cargos nas organizações? E quais as principais competências esses profissionais devem possuir para ocuparem esses cargos? Quais seus conhecimentos. na busca de satisfazer a demanda de um mercado cada vez mais exigente. é o crescimento e a divulgação das empresas e suas marcas por meio digital das Redes sociais. É importante descobrir o perfil do profissional capaz de ocupar este cargo de Analista de Redes Sociais. que vem despertando o interesse das organizações de forma geral. e o porquê das empresas estarem atualmente investindo tanto em mídias sociais.

Com a globalização. Ainda este profissional precisa ter diversas habilidades. . que é o lucro.18 uma empresa que deseja este profissional. pois seu principal instrumento de trabalho é a internet. Este trabalho representa uma abordagem em relação à área de atuação do profissional da TI. onde empresas estão espalhadas por diversos países e mercados. Por meio deste. consistente e crítica do impacto de sua atuação profissional na sociedade. dentre outras habilidades. Muito mais que um técnico na área de Sistemas de Informação. e nos remete a problemática que norteia este estudo: Quais as core competences de um analista de Redes sociais. Tem-se no analista de Redes sociais um profissional que precisa entender muito da TI. 2009). trabalhavam numa sala à parte da organização. saber claramente quais seus objetivos e suas estratégias. eram profissionais apenas técnicos por lidar exclusivamente com máquinas. mais precisamente da informática. em geral esses profissionais já foram extintos das organizações. Por muito tempo se teve uma visão de que os profissionais da área de TI. denominada Central de Processamento de Dados (CPD) e seu relacionamento com pessoas era restrito já que sua função basicamente se resumia em cuidar dos hardwares e softwares para que estes funcionassem perfeitamente. já que estará lidando com comportamento humano: Tal fato proporciona ao entorno uma visão humanística. como lidar com pessoas para conseguir extrair das Redes sociais informações capazes de suprir estas necessidades chegando ao objetivo final. ter um grau de relacionamento pessoal distinto. além de conhecer a cultura da empresa. (FACIERC. se perceberá que muitos dos requisitos esperados de um analista de Redes sociais estão intimamente ligados a conhecimentos sobre comportamento humano. Hoje. este profissional precisa. as organizações estão descentralizando e precisam de profissionais que além de entender de informática sejam capazes de transformar esta ferramenta em favor dos negócios da empresa para que seus objetivos sejam alcançados. mas também tem que entender do negócio da organização. tendo estas concepções como preponderantes às mais diversas aplicações sociais e análise crítica dos mecanismos de dominação tecnológica e/ou comercial.

autores tentam explicar à sua maneira o que seria a TI. no entanto. mas nem sempre o termo é colocado da maneira correta. informações. logo se remete a computadores e aparelhos modernos. o modo que levamos dados as pessoas certas. desenvolvimentos de sistemas. software ou comunicação de dados. No entanto Tecnologia da Informação vai muito além que hardware. pessoas e outros elementos envolvidos.] a Tecnologia de Informação é um conjunto de métodos e ferramentas. a palavra informação tomou nova forma. mas é difícil defini-la por completo. 2010) Para Foina (2001..) .19 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2. p.49) dividiu o tema em cinco categorias principais: hardware. só que existem processos. redes de comunicação. no lugar certo e no momento certo. Tecnologia da Informação é inovar. (GARCIA. Com a popularização dos microcomputadores nas últimas décadas. de forma criativa. que se propõe a garantir a qualidade e pontualidade das informações dentro da malha empresarial. p... banco de dados e sua administração. suporte operacionais. software. Turban (2004. robótica e os chips inteligentes”. isto também faz parte. 31) “[.”. na maioria das vezes quando alguém escuta falar em TI. O que antigamente era algo que passava de pessoa para pessoa ou fatos e acontecimentos que chegavam ao destino por meio de . pois se trata de um tema bastante abrangente. Existem diversas definições para Tecnologia da Informação.. software. Para Garcia (2010). telecomunicações e redes. workstation(. Morton (1991) define TI como “tecnologia da informação é composta pelos seguintes elementos: hardware.1 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Nos departamentos das organizações tem-se ouvido muito falar no termo Tecnologia da Informação (TI). e internet. mecanizadas ou não. de forma que estes dados possam ser rapidamente interpretados pelo receptor (que é quem gera a informação). Semelhantemente. aumentando consideravelmente as chances de uma decisão ser tomada corretamente.

J. “tecnologia deve nos remeter as inovações criadas para resolvermos problemas que enfrentamos diariamente. pessoas.20 receptores já com certa defasagem. vem ocorrendo de maneira acentuada desde a Revolução Industrial (Inglaterra. sejam hardwares. quando o presidente americano Dwight Eisenhower anunciou a criação da ARPA. 2. De acordo com Rangel (1999). Com o crescimento populacional e dificuldades advindas como fruto da competição capitalista. por sua vez. procurando agilizar a execução de tarefas e a automação de processos. agência do departamento de defesa. enfim.1 A Evolução da Tecnologia da Informação O homem sempre buscou conhecimento. século XVII)”. seja para sua própria sobrevivência ou para facilitar as relações e interesses particulares e sociais. Advanced Research Projects Agency. a primeira fase da era da informação se deu por volta dos anos 50. é tudo aquilo que possa facilitar o trabalho. para muitas valendo mais do que o próprio capital físico. tornando-o menos cansativo e de uma forma mais simples. Segundo o autor. redes. softwares. com o objetivo de desenvolver e pesquisar alta tecnologia para as forças armadas. R. p. Já Tecnologia. Conforme Garcia (2010). Existia dentro da ARPA uma divisão denominada IPTO ( Information Processing Techniques Office). extrai-se da idéia de Garcia que a Tecnologia da Informação seria um meio de facilitar a forma de que as informações são expostas. Cortês (2008. mudando o rumo e abrindo novos caminhos para que o objetivo proposto pela organização seja sempre alcançado. e seu diretor. hoje se tornou algo valioso para as organizações. C.”. se utilizando de todos os meios possíveis.1.1) afirma que “a substituição de pessoas por máquinas. desde que a informação chegue ao momento correto e o problema ou situação possa ser resolvido. Licklider acreditava que os computadores forneceriam as pessoas um acesso ilimitado a informação e a outros indivíduos que compartilhassem seus interesses. Deste modo. chamada na época de “processamento de informação”. buscou meios de tornar-se mais produtivo e sobreviver à concorrência do capitalismo moderno. a atividade do primeiro sistema de armazenamento de .

datilografadas e distribuídas por meio de malotes. modernizar e. Neste contexto. tratadas na forma de planilhas e tabulações.21 informação se deu no inicio dos anos de 1800. consequentemente. 14).2 Aplicação da Tecnologia da Informação A Tecnologia da Informação (TI) pode ser considerada uma forma de se resolver problemas do cotidiano por meio de recursos computacionais. qualidade e rapidez dos processos. pessoas capacitadas e sempre atualizadas com o que há de mais moderno no mercado. pois criam aplicações inovadoras. De acordo com Turban (2004). . 2. Para atender esta demanda por informação as empresas precisam de profissionais especializados em tecnologia. aumentar a competitividade dos setores produtivos nas organizações contemporâneas. Antes do processo de mecanização do fluxo e tratamento das informações. elas eram produzidas em memorandos. a TI desempenha um papel relevante no desenvolvimento das organizações. p. onde era possível controlar os teares que começaram a fazer desenhos preestabelecidos. Para Foina (2001. a tecnologia da informação proporcionam vantagens competitivas e estratégicas diretas para as organizações. “A Tecnologia de Informação nasceu com o uso dos computadores nas empresas e organizações. Softwares hoje são criados para solucionar os mais diversos tipos de cálculos e agilizar tarefas para as pessoas. pois é com o auxílio de suas ferramentas que hoje são realizadas a maior parte das tarefas dentro das empresas.1. quando o francês Joseph Marie Jacquard construiu uma máquina de tear comandada por placas perfuradas e enfileiradas.” (Dalla Lana. Desde então a Tecnologia da Informação vem evoluindo e o homem deixa de fazer as tarefas manualmente e passam a desenvolver ferramentas para auxiliar na eficiência. “A utilização de softwares é reconhecida como uma importante ferramenta para impulsionar.”. 2009). revelando sua extrema importância.

A Wal-Mart utiliza a TI extensivamente. que realizassem tarefas altamente repetitivas. continuo e abordava somente os conhecimentos técnicos do individuo. p. Acompanhando desde o período da Revolução Industrial.22 Ainda segundo o autor. 2. Estes por sua vez. tanto para se defender dos concorrentes quanto para criar serviços inovadores e conseguir redução de custos. 2004. enquanto a tecnologia do amanhã assumiria estas tarefas e o homem tomaria para si as funções que exigissem julgamento. Isto remete ao comentado pelo autor Toffler (1972). como robôs. (TURBAN. habilidades interpessoais e imaginação. onde os preços são bem mais atrativos do que se comparado com a loja física. a TI é um fator importante na redução dos custos. Foram criados outros segmentos que não estavam ligados a linhas de produção. . pois a inovação nos preços muitas vezes é uma força motivadora na obtenção de vantagem estratégica. eram inseridos dentro da organização para desempenharem um papel que muitas vezes era rotineiro. buscando alcançar os objetivos propostos pela produção em massa de seus produtos. Com a entrada do conceito de serviço como produto. 97) Um exemplo visível da redução de custo por meio da utilização da TI seria a compra de produtos pela internet. mas sim a conjuntos de funcionários prestando serviços. principalmente nas diversas etapas de sua cadeia de suprimentos. onde no começo da tecnologia da industrialização exigiam-se seres humanos sem pensamento próprio.2 A ORGANIZAÇÃO NA ERA DO CONHECIMENTO A estrutura organizacional sofreu profundas mudanças nas últimas décadas. tem-se neste caso uma visão muito simplista dos conceitos que regem as atuais organizações. foram tomadas algumas iniciativas no sentido de aprimorar a forma como as organizações regiam seus controles sobre os departamentos. onde a força da organização se manifestava por meio do seu contingente de empregados e seu parque industrial.

23 Fazendo-se uma abordagem das organizações dentro de um enfoque atual. sendo que há a necessidade de se conhecer todo o processo produtivo sendo assim valorizada a competência de resolução de problemas. cada modelo de organização atua de maneira distinta na transformação destes dados em conhecimento que deve ser aplicado conforme suas necessidades. onde a informação é imprescindível para sua manutenção. a forte concorrência requer da força de trabalho aptidões e atitudes que defendam a maior integração no processo produtivo. dando as organizações atuais uma grande vantagem em relação aos modelos anteriormente comentados. entre crescimento e estagnação dentro das organizações. e o conhecimento gerado dentro destas organizações tem uma valorização contínua dentro dos seus processos. Só então. em especial nesta Era da Informação e Conhecimento. prevalecendo a multifuncionalidade. Não é uma tarefa fácil. Conforme descreve Coutinho e Ferraz (1994). o treinamento é essencial e intensivo. sabendo disto. nos permitem imaginar que uma fonte de vantagem competitiva nas empresas é seu ativo intangível „conhecimento‟. que são o fato destas organizações viverem na era da informação e do conhecimento. Ainda segundo os autores. o trabalho passa a ser visto como um ativo a ser valorizado e não como item de custo. Isto faz toda a diferença entre o sucesso e o fracasso. Apesar da grande quantidade de informação e da relativa facilidade de processamento destas. tanto públicas quanto privadas.3): As grandes mudanças nos cenários de atuação das empresas. pois se depende muito do próprio conhecimento tácito de cada um que vai direcionar e coordenar esta gestão de conhecimento e tem que ter necessariamente muito relacionamento com os processos da organização. cada organização tem que dispor da capacidade intelectual de seus cooperadores para transformar estas em conhecimento que possa ser aplicado. De acordo com Francini (2002. p. se conseguirá atingir os resultados desejados através da aplicação do conhecimento adquirido em prol do crescimento da organização. Deste modo. elas buscam cada dia mais métodos que possam satisfazer de maneira adequada a busca pelo conhecimento e . Dispondo de tal vantagem. e a efetiva gestão e aplicação deste ativo na expectativa de sua conversão em resultados.

”. 2. Oliveira (2009). Os tempos na era do conhecimento proporcionam novos horizontes antes não explorados e a abertura de novos mercados e modalidades de negócios que antes não eram possíveis. Toda organização que se preocupa com seu crescimento e busca estar atualizada em relação a seus concorrentes encontra dentro da estratégia de gerenciamento e aplicação do conhecimento uma ferramenta indispensável na busca de seus objetivos. “gerir o conhecimento numa organização implica compreender as aptidões estratégicas ou as aptidões tecnológicas estratégicas. no caso de organizações que têm por base a tecnologia. As empresas precisam ter no mercado atual ferramentas que sejam capazes de gerenciar informações com intuito de obtenção de conhecimento. A TI tornou-se parte integrante no meio corporativo atual. descobrir novos clientes e agregar valor a seus serviços. onde quem souber administrar melhor o conhecimento terá boa vantagem competitiva. pois conseguem identificar necessidades. Para Leonard-Barton (1998). que buscam cumprir com objetivos e metas das organizações sempre em tempo recorde a fim de disputar mercado. mudar seus produtos. As que conseguem têm todo um diferencial a seu favor. Os sistemas são capazes de oferecer as informações necessárias aos administradores a ponto que possam até tomar decisões importantes para o futuro das organizações.24 sua aplicação.3 O CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SIS) Para que as organizações obtenham bom desempenho em seus negócios é imprescindível possuir um adequado fluxo de informações. que vem como uma solução para os atuais problemas encontrados pelos administradores. Desde os colaboradores de nível operacional aos gerentes tem necessidades específicas no acesso às . a TI propicia geração de valores e atua como um elemento importante para facilitar a informação no cenário dos negócios em todas as áreas da empresa. Neste contexto está inserida a TI. Desde os colaboradores de nível operacional até mesmo os diretores estão diariamente ligados a algum tipo de software. Segundo Giordane.

Desta forma fica claro que o bacharel em Sistemas de Informação (SI) tem como meta utilizar seus conhecimentos acerca da TI a fim de aproximá-la ao máximo do ambiente empresarial utilizando-a como ferramenta de apoio aos negócios. 2009): O Bacharel em Sistemas de Informação (SI) desenvolve soluções baseadas em tecnologia da informação para os processos de negócio das organizações de forma que elas atinjam efetivamente seus objetivos estratégicos de negócio. Possuindo estes atributos ele será capaz de inovar quando preciso. iniciativa.1 Perfil do Egresso De acordo com a proposta do ministério da educação (MEC. ele é capaz de desenvolver e implantar sistemas e redes a fim de permitir a distribuição dos dados no ambiente corporativo. De acordo com a ementa da UFSC (2010). garantir acesso aos dados corretos é fundamental para atingir o sucesso. correções ou personalizações. O sistema de informação evolui constantemente a medida que os gestores passam a implementar novas funcionalidades. concentração. capacidade permanente de aprendizagem. No guia de profissões da UNESP (2010). Estes deverão suportar as operações que a empresa necessita e propiciar vantagem competitiva a elas. existem qualidades e atributos que este profissional deve possuir para obter sucesso em sua carreira tais como: raciocínio lógico. sólida base conceitual em computação. fazer planejamentos. A principal função é de definir quais os principais requisitos para desenvolver os sistemas de informação. Este profissional também tem enfoque na área administrativa. 2. . tecnologia da informação e predisposição para mudanças.3.25 informações. o currículo do curso visa formar profissionais com habilidades empreendedoras responsáveis desde a análise e desenvolvimento até a implantação e manutenção dos programas com visão crítica e ética obedecendo a evolução tecnológica. saber gerenciar a informação e a infraestrutura de TI nas organizações.

com qualidade e eficiência adequados às exigências atuais de níveis de mercado. mas também pela evolução do software otimizando-o para uso nos processos de todos os setores da empresa. 2. administrativo-empresarial e humanístico social fundamentais. processamento e dispersão das informações. 2. com utilização eficiente dos recursos computacionais (hardware e software). Ele também poderá planejar a disposição do hardware e outros programas para solução de problemas com coleta. Silveira e Ribeiro (2009).  Formação teórico-prática adequada à elaboração de soluções para os problemas organizacionais. onde soluções pdem ser geradas a partir da interpretação da teoria pelo mesmo. O curso prepara o profissional para enfrentar situações reais do cotidiano. Isto é possível. pois durante o período . Formação teórico-prática em Computação. afirma que o curso de SI deve ser estruturado de forma a permitir que o egresso faça uso da computação como atividade principal de seu trabalho.3 Experiências Práticas O bacharel em SI durante todo o curso é preparado com intuito de aliar seus conhecimentos teóricos à prática. Formação teórico-prática em tecnologia geral.3. adequada ao desenvolvimento.26 O profissional é responsável não somente pelo desenvolvimento.2 Áreas de Abrangência O curso de sistemas de informação na conformidade com o MEC (2009) possui em sua grade curricular enfoque nas seguintes áreas:    Formação teórico-matemática.3. implantação e utilização de softwares aplicativos diversos. utilizando da informática nas atividades que necessitam da administração de informações no ambiente empresarial.

O objetivo é criar uma experiência dele com o meio profissional integrando a teoria à prática. debater soluções. Em plena era de frequentes inovações tecnológicas existem algumas .4 O PERFIL PROFISSIONAL DO ANALISTA DE SIS O mercado encontra-se em um estágio acirrado onde as organizações buscam e lapidam os profissionais a fim de alinhá-los as estratégias de seus negócios. É considerada uma atividade bastante eficiente.3. devendo propiciar ao mesmo uma postura profissional facilitando sua inserção no mercado de trabalho. o estágio supervisionado do curso de SI contempla a carga de 1.27 acadêmico os alunos são submetidos a situações reais onde precisam resolver problemas voltados à TI. utilizando estes conhecimentos para resolução de diferentes tipos de problemas. O período de estágio é imprescindível para o acadêmico. 2. 400 horas de estágio curricular supervisionado que pode ser iniciado a partir do 4º semestre. permite ao acadêmico demonstrar através de um trabalho segundo normas científicas as áreas onde ele demonstra maior interesse. Eles podem construir algoritmos ou programas.4 Estágio Curricular Supervisionado e TCC Segundo UENP (2010). fazer uma análise dos resultados apresentados.Trabalho de Conclusão de Curso. Cowan (2002) nos diz que por meio destes métodos os estudantes desenvolvem interesses. Conforme Silveira e Ribeiro (2009). 772 horas de prática curricular.818 horas de conteúdo disciplinar. 2. pois permite elaborar soluções para problemas conhecidos utilizando de recursos de TI. O TCC . habilidades e experiências prévias de aprendizado. pois o mesmo irá lidar com soluções baseadas em TI para processos de negócios das organizações. Durante este período o acadêmico é submetido a contato permanente com rotinas de trabalho.

Este profissional deve possuir facilidade em comunicar-se. Não somente seus conhecimentos técnicos. Os analistas geralmente são reservados e possuem certa dificuldade em manter comunicação oral. Esta deficiência deve ser trabalhada para permitir que o mesmo expresse melhor suas ideias e seus conhecimentos para o crescimento da empresa. em virtude das diversas interações que ele deverá ter com clientes. como por exemplo. cognitivas e comportamentais além de seus conhecimentos técnicos. saber realizar negociações. Santos (2010): A atividade a ser desenvolvida por este profissional consiste. finanças. . O colaborador de TI busca sempre a melhor forma de tornar a ferramenta que está desenvolvendo o mais eficiente possível para agilizar tarefas e diminuir os custos. como também capacidades diversas. o impacto da TI nos negócios representa maior vantagem competitiva mostrando que a empresa está preparada para lidar com o que há de mais novo. Para Rezende (2003). de convencer à utilização de uma nova ferramenta deixando a visão clara dos benefícios que ambas as partes terão. A era do conhecimento traz um modelo de profissional capaz de aliar suas experiências à negociação com fornecedores com objetivo. o analista também necessita possuir aptidões emocionais. O analista possui entendimento das regras e processos que regem desde a implantação da ferramenta até a manutenção posterior dos sistemas em funcionamento. De acordo com Medeiros (2007) em sua página. contando com o auxílio de fornecedores de informações ou de conhecimento especializado. por exemplo.28 características básicas que os colaboradores da era do conhecimento devem possuir. Com a inclusão do software os administradores passam a ter uma ferramenta que lhes oferece suporte ao operacionalizar suas ações relacionadas a objetivos estratégicos. usuários ou fornecedores. utilizando suas próprias competências. em converter informações em conhecimentos. inteirar-se sobre detalhes do negócio da empresa. conhecer sobre marketing. Este modelo de profissional deve estudar conceitos importantes de administração. basicamente. contabilidade dentre outros. Existem metodologias que devem ser aplicadas ao desenvolvimento de software para ambiente empresarial.

2. O profissional analista de sistemas surgiu exatamente para administrar os recursos dos programas que as empresas utilizam. Novas exigências de competências se fazem necessárias no atual quadro de busca de aumento de produtividade e flexibilidade em um mercado cada vez mais competitivo. . O uso de software então se tornou indispensável para as organizações que buscam agilidade. Segre.29 Rezende (2003) diz que a pesquisa. O analista de sistemas tem como principal objetivo realizar o estudo dos processos computacionais com a finalidade de encontrar a melhor e mais inteligente forma de processar as informações. segurança e eficiência em suas tarefas. para que seja bem aplica deve necessariamente obedecer a quantidade e qualidade em equilíbrio propiciando o sucesso nos negócios (BAUREN. Conforme Quintão. Para tal é necessário que o analista compreenda as disciplinas da engenharia de software assim como as atividades que a empresa possui. Para que o analista construa soluções que realmente consigam beneficiar seus clientes eles precisam realizar diversos estudos que compreendem não somente o software e hardware.4. assim como atender as necessidades de cada modelo de negócio através de personalizações. É um processo que engloba atividades a serem executados de forma estruturada e integrada.1998). Rapkiewicz (2010): O processo de globalização econômica tem impacto direto na formação profissional dos indivíduos.1 O Analista de Sistemas de Informação Com o aumento constante da quantidade de informações que as pessoas lidam em seu cotidiano. de extrema importância no que tange apoio as estratégias. mas principalmente os usuários com seus procedimentos e aplicações. A informação. correções e implementações no software. organização e implementação de uma metodologia é uma tarefa exaustiva que deve ser executada baseando-se em uma sólida fundamentação teórica. logo se percebeu a necessidade em encontrar um mecanismo ou uma forma de organizar estes dados com intuito de facilitar sua utilização para obtenção de resultados.

Uma das características fundamentais deste cargo é a atualização tecnológica. A tecnologia nos últimos anos vem evoluindo em grande velocidade com isto é preciso que o analista esteja sempre estudando. Como as linguagens estão em constante evolução isto requer concentração. .2 Características do Analista de Sistemas Os analistas devem ter basicamente bom conhecimento de lógica computacional que é o estudo de algoritmos. Para que os usuários possam mais tarde operar estes sistemas eles recebem então um treinamento próprio de um analista de suporte.4. encontrar suas dificuldades e conseguir compreende-los compõe o segredo para o sucesso. desta forma a capacidade técnica se torna um item menos importante.30 Ao conhecer as exigências do mercado para qual será modelada a ferramenta de software o profissional torna-se capaz de padronizar e transcrever de modo que os computadores consigam executar as instruções fornecidas. Estas novas exigências precisam estar ligadas com o conceito de empregabilidade. Algumas das características essenciais deste analista são: visão global. As ferramentas computacionais permitem ao programador que utilize de sua criatividade para sugerir ideias que maximizem a eficácia do sistema atual. capacidade de estudar. Os usuários tem uma tendência natural a resistir toda vez que uma implementação ou mudança lhes é imposta. agente de mudanças. espírito de equipe. também devem possuir iniciativa para resolver problemas e criar novas soluções de software quando necessário. Os usuários são peças chave na obtenção do sucesso do trabalho de um programador. existem competências e habilidades específicas que eles devem ter para estarem inseridos neste nicho de trabalhadores. Desta forma o mesmo deve procurar manter boa interação e integração entre eles. capacidade de aderir à mudanças e disposição para manter-se constantemente atualizado com as novas tecnologias. Entender exatamente o que estão procurando. pesquisando e aprimorando seus conhecimentos. A manutenção do software é um processo no qual podem ser apontados mudanças na atual forma de utilizar o sistema. 2. Chermont (1999). De acordo com Bressano (2007).

4. curso superior. capacidade analítica. O analista de sistemas é capaz de criar novos produto e serviços. os cursos de Sistemas de Informação e Ciência da Computação.31 Neste contexto é importante que o analista seja capaz de liderar com objetivo de convencer a todos que suas modificações serão benéficas para melhorar a rotina de todos e principalmente obter melhores resultados em menos tempo. por exemplo. foram identificadas as seguintes: conhecimento técnico. Atualmente os acadêmicos desta área lidam com assuntos tais como: controle. integridade. flexibilidade. o curso possuía duração de quatro anos. bom relacionamento pessoal. conhecimento de negócios. manipulação. Porem a necessidade de maior especialização fez com que surgissem novas opções de cursos mais específicos como. Com o avanço dos sistemas a infraestrutura tecnológica tornou-se um bem altamente valorizado das organizações. que também possuem mesmo tempo de permanência. teoria de sistemas e inclusive matemática. criatividade e inglês fluente. sendo que o maior diferencial está na possibilidade da mudança do foco de como otimizar processos para quais novos processos são possíveis de serem feitos. Para Tapscott (1995). 2. facilidade em transmitir ideias. liderança. Utilizando modernas ferramentas de tecnologia de informação ele é capaz de desenvolver rotinas de programação bem elaboradas que propiciam resultados rápidos aos usuários do software. . perfil generalista. De acordo com Moreira (1999). ao realizar uma pesquisa para saber quais os conhecimentos e as habilidades que as empresas procuravam nos profissionais de TI.3 Formações e Principais Atividades do Analista de SIS No início o profissional que tivesse interesse em trabalhar com Sistemas de Informação deveria prestar vestibular para análise de sistemas como bacharelado. a organização é capaz de acompanhar mudanças se tiver a seu dispor a infraestrutura tecnológica necessária. sendo responsabilidade dos colaboradores de TI agregarem gradualmente mais valor ao software a fim de alinhá-lo cada vez mais com os objetivos da empresa.

2. De acordo com Avó (2006). A TI é utilizada como instrumento para aumentar a geração de lucros. Isto mostra que apenas conhecer a fundo as ferramentas existentes já não é o mais suficiente para garantir uma vaga neste ramo em constante evolução. . Segundo Henrique (2009) os profissionais versáteis estarão definitivamente no mercado atual. A presente situação neste meio corporativo exige que os trabalhadores estejam em contato direto com qualquer todo tipo de novidade tecnológica. aumento da quantidade de dispositivos móveis e crescimento do volume de dados armazenados. cada vez mais as empresas estão investindo em TI. em um processo de aquisição ou criação de novas funcionalidades é de responsabilidade do setor de Tecnologia da informação acompanhar todo o processo desde o levantamento de requisitos e análise até os teste e implantação do mesmo. elaboram planos de tecnologia e os executam visando satisfazer as exigências dos gerentes além de cultivarem relações dentro e fora do ambiente corporativo. Alinhar os objetivos de TI as estratégias do negócio é o objetivo do analista. Além disto. que conheçam as funcionalidades e adaptações do programa para tirar melhor aproveitamento. sempre com intuito de agregar maior credibilidade e agilizar processos operacionais. conhecem a fundo a área de negócios. Para tal finalidade ela deverá trazer resultados que estejam de acordo com os objetivos da organização.5 A CONJUNTURA ATUAL DO MERCADO DE TRABALHO NA AREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Para estar inserido atualmente no mercado de trabalho da tecnologia da informação o profissional deve lidar com mudanças rápidas e constantes. Neste mercado também existem fatores que contribuem diretamente com mudanças no mundo dos negócios tais como: comportamento do consumidor. terceirização em alta. Em contrapartida existe uma grande carência em profissionais capacitados. Estes profissionais são aqueles que agregam muito conhecimento tecnológico.32 A quantidade de informações que percorrem e são distribuídas diariamente dentro do meio corporativo é administrada por estes profissionais.

Os cursos de graduação vêm se multiplicando em ritmo acelerado para atender uma demanda cada vez maior de pessoas que buscam qualificar-se a fim de garantir seu espaço neste moderno mercado de trabalho. definida como uma multiplicidade de mudanças surgidas a partir de 1970.33 2. pois poucos têm as características que as empresas estão buscando (Bruno.1 Formação Acadêmica X Experiência Profissional Durante um determinado período as empresas tinham por hábito a contratação de profissionais autodidatas. A área da TI possui dezenas de ramificações. 2010 diz que “É preciso analisar que o ensino técnico não acompanhou o . que instituiu novas relações internacionais nos planos econômico. político e tecnológico. O desenvolvimento da TI no país aliada a sua desigual apropriação pelas diferentes camadas sociais é um dos principais responsáveis por este atraso (SILVEIRA. ASSEF. A constante evolução das ferramentas da informação fizeram prevalecer aqueles profissionais com formações específicas. Esses são hoje a maior garantia das empresas na busca constante por maiores e melhores resultados em seus setores tecnológicos. cultural. Esta por último diz respeito ao atraso que o país tem em receber as novidades do mercado mundial. o que abre portas para diferentes cargos que exigem especializações. como a desigualdade social e a obsolescência tecnológica. Com o crescimento do número de vagas os recrutadores de pessoas encontram dificuldades em selecionar profissionais que atendam os requisitos necessários para ocupar estes cargos. cursos. 1996).5. 2003). E a necessidade de um sistema de produção sustentado na automação flexível. social. De acordo com Fogaça (1998) a educação geral e a educação profissional passaram a ser vistas de forma inter-relacionadas. No caso do Brasil os profissionais lidam com algumas dificuldades. principalmente em função de dois processos: a globalização. estes eram considerado preparados suficiente para ocupar vagas que exigiam raciocínio lógico. Com isto muitas vezes quando os profissionais concluem alguns cursos de graduação ou especialização eles já estão defasados tecnologicamente. E imprescindível que todo profissional da TI possua ao mínimo alguma formação para trabalhar neste ramo. certificações trazendo a tona o mercado da formação.

2.. As competências são definidas como o exercício efetivo da capacidade de um indivíduo (Anabuki. únicas e distintivas de uma organização que lhes conferem uma vantagem competitiva intrínseca e. diz que as pessoas passam a aprender a aplicar o conhecimento no ambiente de trabalho de acordo com as oportunidades oferecidas pela empresa. Com a rápida absorção de novidades que este novo mercado tem. por isso. Conforme Nunes (2008). o trabalhador que opta por seguir esta carreira deverá estar ciente que terá de abdicar de bastante de seu tempo de lazer a fim de dedicá-lo à contribuir com seu processo de aprendizado. é cada vez mais difícil acompanhar este processo. e principalmente da marca ou produto que está representando..competências estratégicas. As core competences são aquelas consideradas fundamentais para o colaborador. . define-se como “. de serviço e competências técnicas. constituem os fatores chave de diferenciação face aos concorrentes. 2002). são os conhecimentos essenciais que ele deve possuir para se adequar as características que o cargo pede. Outros exemplos incluem competências sociais. Existem também as competências no nível organizacional. blogs.6 DEFINIÇÃO DE CORE COMPETENCES As core competences no âmbito profissional são os atributos que o profissional deve possuir para ocupar um cargo dentro da organização.34 crescimento acelerado da indústria. Seguindo essa idéia Le Boterf (1999). comunidades. Além dos investimentos financeiros com formação. redes sociais. não recebeu estímulos suficientes e hoje se estabelece de forma emergencial e precária no país”. sabendo como se comportar dentro delas. Uma das competências importantes do analista de mídias sociais é possuir conhecimento acerca de conteúdos de sites.” Mostrando a importância em se identificar quais melhores medidas a serem tomadas para conquistar vantagem no meio dos negócios.

David C. a palavra competência vem do latim. a habilidade nas ações diárias e o potencial de criação de valor são atributos essencialmente humanos que se tornaram fatores críticos de competitividade em um mercado que exige mais. no final da idade média.35 2. p. competere. educadores e sindicatos que representavam a sociedade. 42). onde quem definia as competências eram grupos de empresários. hoje nas empresas os gerentes procuram transformar recursos e ativos em lucro. (DEFFUNE e DEPRESBITERIS. As organizações da atualidade buscam cada vez mais por profissionais diferenciados que atendam uma série de requisitos possuidores do conhecimento que eles precisam para exercer suas atividades com o máximo de eficiência. Na mesma década. e ele a chama de „competência‟. (2005. é uma nova forma de alquimia necessária às organizações. Durand (1998) faz uma comparação dizendo que nos tempos medievais os alquimistas procuravam transformar metais em ouro. deu novo rumo ao conceito de competências. tendo assim um conjunto de esforços. conforme Carbone et al (2008. Por se tratar de um tema já muito antigo. Rabechini Jr. 2002).6. Na Alemanha a idéia era voltada para a educação profissional sendo mais tarde incorporado para educação geral. (2005). nos Estados Unidos. competência era um termo exclusivamente jurídico. O conceito de competência como conhecimentos. Conforme Rabechini Jr. em vários países. Antigamente. habilidades e atitudes tornou-se conhecido por volta dos anos 70. o melhor e mais rapidez. p. onde através de estudos e pesquisas aplicados para o .1 Conceito de Competências Competências são habilidades que cada indivíduo deve buscar e desenvolver a fim de garantir sua evolução como ser humano e profissional.McClelland. e o conceito de competência pode ser visto na decomposição da palavra onde com significa conjunto e petere significa esforço. o termo fazia referência a capacidade atribuída a alguém para julgar certas questões.67) afirma o seguinte: O conhecimento sobre o negócio.

impactando a sua performance e contribuindo para os resultados”. tecnologias e comportamentos que uma empresa possui e consegue manifestar de forma integrada na sua atuação. de maneira responsável e validado. As competências essenciais são competências que fazem a diferença na organização conferindo vantagens competitivas e contribuindo para o sucesso da mesma. p. Segundo Resende (2000). valores – no todo ou em parte . que implica mobilizar. habilidades. sob a forma de conhecimento e capacidades relacionais em momento adequado. Já Fleury e Fleury (2001) diz que “competência é um saber agir responsável e reconhecido. recursos e habilidades. integrar. 2000). e Nisembaum (2000.35) define as competências organizacionais como “conjunto de conhecimentos. que agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo. transferir conhecimentos. Sendo assim o ser competente não é quem tem determinados recursos e sim aquele individuo que consegue mobilizá-los.36 campo da psicologia iniciou-se uma importante e significativa mudança na valorização de requisitos para o trabalho. as organizações também possuem as suas. 2. onde o autor afirma que competência é o saber agir ou reagir. interesse. Neste contexto a responsabilidade cai sobre a falta de investimento no capital humano. aptidões. Elas podem ser usadas estrategicamente como ferramenta de gestão. “competência é a aplicação prática de conhecimento.” Na mesma linha de raciocínio vem Le Boterf (1994).com obtenção de resultados”. as empresas vêm enfrentando grandes problemas devido à dificuldade e de encontrar colaboradores que atendam diversas competências essenciais para seus cargos.6. carreira e profissão. Assim como os indivíduos possuem competências.2 As Competências Essenciais da Organização e os Ativos Intangíveis A crescente demanda que as empresas têm por profissionais qualificadas faz com que cada vez mais e melhor elas lapidem quais competências estão buscando. (RESENDE. Afetando até mesmo seus próprios funcionários que se tornaram obsoletos para competir no disputado mercado de trabalho. habilidades. . Segundo Gramigna (2007).

37

gerando valores distintivos que são difíceis de serem copiados pela concorrência, mas são percebíveis pelos clientes. Segundo Resende (2000):
A identificação e definição de competências essenciais devem levar em conta os fatores de sucessos relacionados a: diferencial e renovação da tecnologia; características e dificuldades da manutenção de clientes; importância para o negócio das relações com os fornecedores; adaptabilidade às condições de mercado; logística de distribuição; eficiência ou precisão operacional; importância da função do marketing e importância estratégica do fator humano.

As organizações estão sentindo a necessidade de mudar seu rumo com relação ao foco que vinham seguindo anteriormente, agora tem aplicado seus recursos com uma visão mais humanística, voltada para a gestão de pessoas e de competência. Conforme descreve Rabechini Jr. (2005), “O atual paradigma de gestão de empresas enfatiza o capital humano como o principal bem de uma organização”. Com o intuito de se tornar mais competitiva numa sociedade cada vez mais exigente e uma concorrência fortemente acirrada, faz-se necessário um investimento significativo em gestão do capital humano. Segundo Fleury e Fleury (2000), surgem necessidade do desenvolvimento de competências, através de investimentos em educação e aprendizagem permanente, para a participação e sobrevivência neste jogo competitivo. O fator humano é um elemento fundamental dentro das organizações atuais. Conforme Sveiby (1998, p. 9) cita que “as pessoas são os únicos verdadeiros agentes na empresa. Todos os ativos e estruturas – quer tangíveis ou intangíveis – são resultados das ações humanas”. A partir dos anos 90 o modelo de gestão de pessoas começou-se a expandir, ativo estratégico dentro da organização, utilizando-se de suas competências para criar a vantagem competitiva, é o chamado Modelo de Gestão por competência, (CHIAVENATO, 2002). Segundo o autor, ainda existem algumas competências essenciais, como a ética, inovação, responsabilidades, espirito empreendedor, liderança, trabalho em equipe, dentre outros, que começaram a aparecer em várias organizações diferentes se transformando em competências de parâmetro norteador para as empresas.

38

Estas competências encontradas individualmente em cada colaborador são ativos intangíveis, fundamentais para que a organização possa fazer a diferença entre seus concorrentes, pois não adianta as organizações investirem somente em tecnologias e maquinários avançados se o principal bem, seus colaboradores não tiverem competências necessárias para aumentarem o desempenho global da organização. De Acordo com Deluiz 2010:
A adoção do modelo das competências profissionais pelas gerências de recursos humanos no mundo empresarial está relacionada, portanto, ao uso, controle, formação e avaliação do desempenho da força de trabalho diante das novas exigências postas pelo padrão de acumulação capitalista flexível ou toyotista: competitividade, produtividade, agilidade, racionalização de custos.

Fischer (2001), afirma que nos tempos atuais as empresas vivem um momento de contradição, pois precisam de seus ativos intangíveis (os funcionários), mas não criam um contexto e condições para que este ativo venha se desenvolver e manifestar-se, ou seja, conforme citado acima, existe a necessidade de desenvolvimento de competências e a organização precisa criar um ambiente favorável à aprendizagem.

2.6.3 Métodos e Técnicas de Mapeamento de Competência na Organização

Para ter-se um diagnóstico apurado das competências relevantes para a organização é necessário que se faça o mapeamento das mesmas. Este mapeamento tem como propósito, segundo Carbone et al (2008, p. 55), “identificar o gap ou lacuna de competências, ou seja, a discrepância entre as competências necessárias para concretizar a estratégia corporativa e as competências internas existentes na organização”. Como estratégia organizacional é importante que todas as competências necessárias para o bom funcionamento da organização estejam bem definidas e alinhadas com os objetivos da empresa para que assim o capital intelectual seja

39

aprimorado e despontem com vantagem em frente à concorrência, conforme explica HERRERA (2008):
O mapa de competências deve ser uma consequência da formulação de estratégias e fazer parte do plano de intenções (planejamento estratégico) com medidas de melhoria do capital intelectual na superação das fraquezas internas para enfrentamento da concorrência.

É necessário, no entanto, a observação de alguns cuidados metodológicos antes de fazer a descrição das competências, como esclarece Carbone et al (2008, p.56), pois a descrição de uma competência representa o desempenho esperado de uma pessoa, sendo assim, deve aparecer de forma clara e objetiva, caso contrário, cada um tende a dar a interpretação que melhor lhe convir. É importante também, evitar termos técnicos e construções muito longas, com duplicidades, irrelevância e obviedades, e ambiguidades, sugere o autor. O primeiro passo desse processo de mapeamento consiste em identificar as competências necessárias para alcançar os objetivos da organização. Para esta assimilação Carbone e outros (2008) sugere que seja realizada uma pesquisa documental, incluindo a análise do conteúdo da missão, dos objetivos, da visão de futuro e de documentos relativos à estratégia organizacional. Em seguida Bruno-Faria e Brandão (2003), propõem que seja feito coleta de dados com pessoas que tenham amplo conhecimento do negócio estratégico da empresa, com analise documental. A entrevista constitui outra técnica de pesquisa bastante aplicada ao mapeamento de competências. Normalmente ela é utilizada para comparar a resposta dos entrevistados com os dados apurados na analise documental, tendo em vista identificar as competências relevantes à organização. Conforme Brandão e Babry (2005), “podem ser utilizados, também, outros métodos e outras técnicas de pesquisa, como a observação, os grupos focais e os questionários estruturados com escalas de avaliação.”. Todos esses métodos têm por objetivo mapear, ou definir o perfil de competências da empresa e das pessoas. Segundo Gramigna (2007, p. 44), no mapeamento são levantados dois tipos de competências: as técnicas e as de suporte. A primeira diz respeito ao perfil do profissional que irá ocupar determinados cargos, sendo estas competências

40

referentes ao cargo. A segunda são as que agregam valor as competências técnicas e vão fazer a diferença no perfil profissional das pessoas. A autora cita algumas competências que devem ser elencadas para a fase de mapeamento, que são: autodesenvolvimento e gestão de conhecimento, capacidade de adaptação e flexibilidade, capacidade empreendedora e negocial, comunicação e interação, criatividade e inovação, cultura de qualidade, liderança, planejamento e organização, tomada de decisão, visão sistêmica e trabalho em equipe.

2.7 A DEMANDA POR PROFISSIONAIS QUALIFICADOS

Durante a era industrial os trabalhadores exerciam funções que necessitavam em sua maioria, habilidades manuais, com o uso de sua força. Cumpriam uma carga horária diferente de hoje, eles eram obrigados a exigir mais do seu corpo e seus conhecimentos e capacidade de pensar eram deixados de lado. Neste período as organizações visavam maior produtividade a todo custo sem olhar pelo lado humano. (LUCCI, 2010) Passada a era da industrialização entramos na era do conhecimento, onde o trabalhador tradicional foi substituído pelo trabalhador que concilia o manual com o teórico. Assim os profissionais passaram a agregar a informação no seu cotidiano através de cursos, faculdades, especializações. De acordo com Conceição e Arruda (2000), a evolução dos conhecimentos técnico e científico tornou necessária uma mudança no modo de trabalho, afetando a posição dos agentes produtivos neste mercado. A produção em massa que anteriormente era predominante nas grandes empresas abre espaço para a produção de qualidade aliado a redução de custos, tornando como forte característica a capacidade de inovar. A demanda por profissionais qualificados atinge diretamente as empresas no quesito de concorrência. Com a atualização do parque tecnológico muitos gestores deixaram de preparar também seus colaboradores. O que pode ser considerada uma desvantagem comparado as organizações com pessoal altamente treinado e competente.

Segundo Oliveira (2010). a de um modelo de desenvolvimento pautado exclusivamente pela ótica econômica. “Foi um período dramático para educar os filhos. a redução dos postos de trabalho. Segundo Oliveira (2010. uma geração é separada de outra pelo período de aproximadamente 20 anos. o uso intensivo das inovações tecnológicas. As melhores carreiras contemplavam a carreira militar ou a de operário nas indústrias. onde cinco gerações estão convivendo juntamente e em números significativos. e entre ricos e pobres dentro de um mesmo país. Conforme Oliveira. (ANDRADE. e a devastação do meio ambiente pelo uso predatório de novas tecnologias trata-se da mesma opção. 2. pois o maior conflito entre as gerações anteriores se dava na maioria das vezes referente a divergência de opiniões entre pais e filhos.”.1 O Nascimento de uma Nova Geração O conflito entre gerações existem desde o inicio da humanidade. Hoje se podem encontrar pessoas de diversas gerações. o aumento da exclusão social.47). começando pelos Belle Époque marcada pelas pessoas nascidas entre 1920 e 1940. não foi um tempo muito fácil de viver. a competição entre as empresas. o desemprego estrutural. algo irrelevante. Havia poucas alternativas para o desenvolvimento dos jovens. algo que não acontecia anteriormente. crises econômicas e tensões políticas. posições políticas. o agravamento das diferenças sociais entre os países ricos e pobres. p. tornando a preocupação com o indivíduo ou com as comunidades e sociedades. Em seguida vem a geração Baby Boomers.8. Segundo Viana (2008): . entre o período de 1945 e 1960. cresceram em meio a guerras. estamos num momento singular. pois é por volta dessa idade que os jovens fazem suas primeiras escolhas profissionais entre outros assuntos. e começam a interferir de forma significativa na sociedade.41 A internacionalização da economia. 2007) Neste contexto a qualificação profissional aliada ao saber emerge como um dos fatores determinantes para o sucesso. como relacionamentos. porem era superficialmente divulgado nas imprensas. sua maior preocupação era com a reconstrução do mundo por terem nascido logo após a segunda guerra mundial.8 REFLEXÕES SOBRE O PROFISSIONAL DA GERAÇÃO Y 2.

esses jovens cresceram na grande maioria com a ausência dos pais. onde diversos líderes políticos foram assassinados inclusive Malcolm X.. Tudo acontecia em excesso. porque estão tão acostumados ao trabalho que não conseguem se ver em outro cenário de atuação. e a letra Y foi designada para os bebês nascidos entre 1980 e 1990. Hoje em dia. foram obrigados a crescer tendo a televisão como sua maior companhia e tornando-se assim pessoas individualistas e céticas.. Esta geração está chegando agora à vida adulta e transformando o mercado de trabalho com características bem distintas e peculiares se comparada com as gerações anteriores. para ficarem nele até o dia da aposentadoria. e então surgiu o termo geração Y. . muito desses indivíduos. as experiências mais intensas. O nome foi criado nos Estados Unidos e originou-se pelo fato de que na antiga União Soviética devido a forte influência sobre os países comunistas. já aposentáveis teimam em continuar na empresa. pois já nasceram conectadas e são nativo digital. e a vida deles era focada no emprego de forma que viviam obcecados dia e noite mesmo que inconscientemente. Ainda segundo o autor. segundo Oliveira (2010). A próxima geração nasceu entre os anos 65 e 79.42 Trata-se de uma geração que foi orientada pelos seus pais a preservar o emprego. Movimento hippies e rebeliões de estudantes passaram a fazer parte do cenário em quase todo o mundo. as roupas mais coloridas. A nova ordem era rebelar-se contra qualquer coisa que tivesse o caráter de convencional ou padronizado (.). eram definidos até as letras dos nascidos em determinado período. Enfim. por serem filhos dos Baby Boomers. e grande maioria dessa geração construíram grandes empresas e ocupam altos cargos nestas companhias até hoje. a buscar um emprego garantido e seguro. uma geração totalmente diferente das gerações passadas. OLIVEIRA (2010. os cabelos mais longos. p 53). nos anos 80 nasce a geração Y. segundo Oliveira (2010). O autor ainda ressalta que para esta geração o trabalho era a coisa mais importante do mundo. um período de grandes revoluções. que eram obstinados pelo trabalho ou ainda pelo divórcio que tomou força nessa época. A música ficou mais barulhenta. de onde se originou o nome da geração X.

8. p 106). estes jovens estão ligados à velocidade e tecnologia. Segundo o autor. Oliveira (2010. p. De outro lado temos rapidez. “A grande diferença entre as duas gerações os nativos e os imigrantes. e que estas pessoas terão mais habilidades. várias mídias. também compartilha desse pensamento dizendo que a geração Y é mais rápida para absorver as informações. pois eles precisam selecionar.”. Esses jovens. esses indivíduos têm por características serem impulsivos. OLIVEIRA (2010. impacientes. buscar viver com intensidade cada experiência. descreve: Fazer questionamento constantemente.43 2. chamados de geração Y. além de possuir um perfil multitarefa e serem individualistas. Para Melo (2010). música e internet. mais informações e serão mais atualizados comparados com pessoas de outras gerações e tudo isto se dá ao fato de elas “terem um acesso quase que ilimitado a qualquer informação e sabem como acessá-la. “nos surpreendem pela forma como operam e consomem. é que os mais velhos estão ainda num ritmo meio lento.”. demonstrar ansiedade e impaciência em quase todas as situações. enquanto os das gerações anteriores são os imigrantes digitais. Outra característica marcante e positiva dessa geração é a capacidade que eles possuem de conseguirem se conectar a várias tecnologias ao mesmo tempo e extrair muitas informações simultaneamente. gostam de novidades. querem estar antenados e buscam símbolos que os liguem a comunidades. conforme explica Castro e Oliveira (2010). desenvolver ideias e pensamentos com superficialidade. As pessoas desta geração também são chamadas de nativos digitais.2 Características da Geração Y Os nascidos entre 1980 e 1999. Não é raro vê-los utilizando a televisão. 63). o telefone. entre as várias formas . vem sendo de certa forma criticados por alguns autores e elogiados por outros. imediaticidade e tudo acontecendo ao mesmo tempo.”. o rádio. ao mesmo tempo. de acordo com Faustini (2010). mas tudo gira em torno do fato dessas pessoas terem chegado junto com a era da informação e do conhecimento. ser transitório e ambíguo em suas decisões e escolhas – estas são algumas das características atribuídas à Geração Y.

isto ajudou a formar um jovem impaciente que necessita receber o reconhecimento por tudo que faz. No entanto nem todos os gestores estão preparados para receberem esses novos profissionais que também tem suas características peculiares no que diz respeito a perspectiva do mercado de trabalho. Esta geração aprendeu desde cedo a receber feedback. 2010. Para eles a informalidade nada mais é do que flexibilidade e conveniência em seu comportamento. pois acreditam que o jovem não precisa disto para trabalhar bem. Isto com certeza afeta o desempenho da Geração Y no ambiente de trabalho.3 A Geração Y no Mercado de Trabalho Com todo este arsenal de conhecimento a sua disposição e facilidades para absorver o mesmo. e a primeira é o reconhecimento. com relação às organizações. (OLIVEIRA. A segunda necessidade que esta geração possui para produzir bem é a informalidade no local de trabalho. existem quatro necessidades prioritárias para os profissionais dessa nova geração.44 de informações disponíveis. estudos comprovam que os jovens que trabalham em organizações flexíveis e . tendo atraído a atenção dos gestores que possuem uma visão competitiva e reconhecem o potencial desses jovens. onde ele encontra gestores que se desenvolveram sem feedback e. a geração Y vem chegando ao mercado de trabalho munidos de muita informação e novas ideias. onde informalidade era sinal de rebeldia e contestação. De acordo com Oliveira (2010). esta nova geração tem uma perspectiva diferente de um ambiente de trabalho. portanto nem sempre estão dispostos a dá-lo. ou mesmo os da geração X que cresceram cheios de regras e normas a serem seguidas. Ao contrario das gerações anteriores onde o foco era reconstruir um mundo pós-guerra. p 64). Segundo o autor. conforme Oliveira (2010. 2. o que vai ser essencial para a construção do conhecimento. 65).8. Em casa os pais sempre os recompensavam quando se superavam na escola ou se diferenciava das demais crianças. p.

”. em primeiro lugar ficou o bom ambiente de trabalho. que muitas vezes é confundido com egoísmo e arrogância. afirma que os jovens da geração Y “para serem atraídos para uma determinada empresa precisam estar certos que conceitos como criatividade. seguido por desenvolvimento profissional. 67). Com as famílias cada vez menores e a condição de vida mais facilitada. mostra que os jovens estão bastante exigentes e conscientes em relação ao que esperam do mercado de trabalho. Por conta disto e com a ajuda da tecnologia os jovens tem sentido a necessidade de se relacionar e compartilhar sua vida por meio das redes sociais. “Um paradoxo criado por toda esta ampla tecnologia foi que. democracia. A individualidade é outra característica do jovem profissional dessa geração. Referente a pesquisa. crescimento profissional e boa imagem no mercado. os jovens Y desenvolveram uma necessidade de compartilhar parte de sua vida por meio de redes sociais. De Talentos – Empresa dos Sonhos dos Jovens 2010. este comportamento tem a influência direta das gerações anteriores. a de relacionamentos. estrutura horizontal. Uma pesquisa realizada pela Cia. e vem sendo desenvolvida desde 2002.”. qualidade de vida. . quais suas principais expectativas da empresa que desejam trabalhar e quais as características que procuram encontrar no gestor da organização. p. Segundo o autor. ao privilegiar a ação individual e não a coletiva. conforme Oliveira (2010. desenvolvimento e retenção dos jovens dentro de sua cultura organizacional e modelo de negócios”. flexibilidade e grandes desafios serão conceitos que estarão presentes e vivenciados no seu dia a dia. pois enquanto as gerações baby boomers e X participavam de brincadeiras coletivas com colegas e a grande maioria compartilhava os mesmos recursos e cômodos da residência com seus pais e irmãos. os da geração Y vivem numa realidade diferente. e as respostas foram bem coerentes com os comportamentos dos jovens da geração Y. realizam projetos fantásticos. tanto quanto a horário. que tem por objetivo “oferecer subsídios às empresas para atração. seleção. a saber. As perguntas são relacionadas de forma. Viana (2008). integração. forma de vestir e no ambiente de trabalho. isto tem proporcionado um cenário favorável para o desenvolvimento acentuado da individualidade.45 informais. comparados com os que não têm esta flexibilidade. Esta seria a quarta necessidade dos jovens da geração Y.

uma rede de dados própria para interesses específicos. com isto eles fortaleciam o conhecimento gerado e superavam a união soviética na corrida militar.9.1 História da Internet O governo americano criou na década de 1960 um sistema com a finalidade de unir programas de pesquisa criados por suas universidades. ela era caracterizada como uma rede de computadores que tinham a capacidade de transmitir informações entre si simultaneamente.0 O crescimento acelerado da tecnologia.9 ASPECTOS EVOLUTIVOS DA TI: A WEB 2. neste momento houve a inclusão dos protocolos TCP e IP.0 irá exigir.46 Com isto conclui-se que não é fácil conseguir satisfazer este novo profissional que está entrando no mercado de trabalho. Conforme Garcia (2010). Tal programa foi denominado Arpanet. As empresas passaram a investir nesta tecnologia possibilitando que ainda em meados de 1990 uma boa parte dos computadores dos Estados Unidos pudessem se conectar a rede. com isto veio uma forte motivação à privatização da internet. em seu artigo. permitiu assim que esta nova web pudesse expandir-se cada vez mais otimizando seus produtos e serviços. conhecido até os dias de hoje como um protocolo de transferência de dados na internet (SIMON. 2. 1997). 2. Empresas que se . pois as empresa e seus gestores terão que mudar seus conceitos e flexibilizar em muitos aspectos para atender as expectativas dessa nova geração. As organizações da atualidade devem estar preparadas para acompanhar as frequentes mudanças que a WEB 2. Com sua criação logo em seguida foram desenvolvidos novos projetos para melhorar o seu desempenho. Já no ano de 1990 a conhecida arpa-internet acabou ficando ultrapassada sendo descartada pelo governo. Em 1983 o governo americano temendo pelo envolvimento de várias camadas no projeto decide então criar a Arpa-internet. fruto da globalização.

é um termo criado para denominar uma nova rede de comunidades e serviços.170 redes regionais.é frequentemente descrita como a rede das redes. tornando-se a verdadeira rede global. Desde que foi criada em 1993 tem permitido um nível de globalização nunca visto antes na história.9. além disto. pois abrange todas as espécies de redes possíveis. incluso em seu pacote do Windows. Da época que foi lançado o Internet Explorer até hoje uma das tecnologias em grande ascensão é a de código aberto. Após este acontecimento surgem os navegadores de internet começando pelo Netscape Navigator e o Internet Explorer da Microsoft em 1995. Assim como diz Ferreira (1994): A Internet . atualmente ela pode ser considerada o meio de comunicação que une todos os outros meios como rádio e televisão.2 WEB 2. Conforme Castells (2003) foi neste período que o inglês Tim Bernes Lee sugeriu o termo de World Wide Web. que até hoje é modificado e vem recebendo atualizações. Este termo lhe foi designado em 2004 pela empresa O'Reilly Media. com o objetivo de ser a segunda geração de comunidades e serviços passando a utilizar aplicativos de redes sociais e tecnologia de informação.0. Através dela as informações correm com maior velocidade. Neste quesito pode ser citado o navegador conhecido como Mozilla Firefox.maior rede de computadores do mundo . ela foi responsável por mudanças significativas nos meios de ensino. 2.47 destacaram neste processo foram a Microsoft e IBM.0 Chamada de WEB 2. que era uma forma de compartilhar informações utilizando as tecnologias de rede existentes. O poder da internet é imenso. 2010). proporcionando drásticas mudanças no mercado de trabalho (RANGEL. Ela . contando com mais de 13. Para os profissionais analistas é fundamental que estejam constantemente atualizados neste meio de comunicação para aumentar seu aprimoramento profissional acompanhando o que há de mais moderno em tecnologia de software. nacionais e internacionais.

A web 2. tonando possível realizar atividades online as quais necessitavam antes de um software instalado no computador. De acordo com Blattmann e Silva (2007).48 representa uma grande mudança na forma como é vista pelos usuários. Um dos principais princípios é utilizá-la como plataforma. Conforme Souza e Alvarenga (2004). Segundo O‟Reilly 2005: Web 2.0 não possui uma fronteira demarcada. Era como se fosse apenas mais um aplicativo em operação no computador. pois se tornou uma grande integração de várias linguagens e motivação. Bernes Lee desenvolveu uma plataforma onde os recursos de rede eram dispostos de visualmente. Esta tecnologia entrou na vida dos cidadãos norte-americanos de forma a consolidar-se como um dos meios de comunicação mais utilizados do mundo. Primo (2007) descreve a Web 2. cujo seu principal objetivo é potencializar as formas de publicação. Com a descentralização da mesma. os usuários passam a exercer um papel de ativo e participante sobre a criação. e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. aproveitando a inteligência coletiva. .0 é a mudança para uma internet como plataforma. facilitando a compreensão e utilização por parte dos usuários.0 como uma segunda geração de serviços online. Deixa de ser apenas um conjunto de técnicas de informática e ganha caráter mercadológico visando a comunicação entre as pessoas por intermédio dos computadores. Entre outras. compartilhamento e organização das informações geradas pelos usuários.0 pode ser considerada uma nova concepção. a web 2. a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas. Fazendo uso de protocolos TCP/IP e Uniform Ressource Locator (URL) esta seria a principal ferramenta de pesquisas das pessoas. O novo conceito também fez com que os sites passassem a englobar uma série de recursos e funcionalidades que antes só era possível encontrar em endereços web diferentes. seleção e troca de conteúdo postado em determinados sites por meio de plataformas abertas. Seus recursos mudaram a vida de todos na sociedade permitindo diversas formas de compartilhamento de informações entre usuários conectando as pessoas em tempo real e com a criação das redes de relacionamento.

0. Foi aí que surgiu o conceito da nova web 2. que eram a forma de comunicação do usuário com a web. como consequência da mudança do paradigma no comércio. Em um determinado período da história conhecido como estouro da bolha. em um branstorming promovido pela O‟ Reilley Media e a Media Live Internacional seguindo dados do quadro 1: Quadro 1: Diferenças entre Web 1.0 e Web 2. resultado de intensas mudanças (TRISTÃO.0. várias organizações se viram incapazes de continuar suas operações indo a falência.49 Durante este período foram criados os conhecidos navegadores.0 (2008) . período o qual a internet começou a ser um dos mais importantes meios de comunicação e mercado financeiro. 2008). ela é real e seu objetivo é mostrar um mundo virtual onde as operações são rápidas e fáceis.0 Fonte: Conceituando o que é Web 2. Desde que esta nova web eclodiu ela passou a tornar-se cada vez mais presente na vida das pessoas.0 e WEB 2. Foram estabelecidas algumas diferenças básicas entre WEB 1.

Este novo conceito não deve ser visto somente como uma simples forma de conexão entre computadores em uma rede. Segundo Marteleto (2001. Esta necessidade de relacionar-se com outros indivíduos faz parte da própria natureza humana.. unindo idéias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados”. criação de ideias. Conforme Lévy (2000). a existência da internet colaborativa permite o compartilhamento de conhecimento entre as pessoas.72). .50 O principal diferencial entre as duas gerações é o fato de durante a primeira o usuário ser como um mero espectador.] um conjunto de participantes autônomos. Estas relações começam no convívio familiar. enquanto durante a segunda geração ele passa a contribuir com conteúdo criando. A evolução deste serviço trouxe maior liberdade aos usuários que passaram a expor seus trabalho e dividir com outras pessoas. p. com isto forma-se uma rede social.” Este círculo de relacionamento vai aumentando e ficando cada vez mais diversificado. mas sim como um meio de interação entre os usuários por meio dos recursos computacionais. As redes sociais estão presentes no cotidiano da sociedade com acesso a Internet. redes sociais representam “[. editando e opinando. informação e também estão presente no ambiente corporativo. segundo Tomael. armazenamento de dados. nas comunidades religiosas. no circulo de trabalho. seja para entretenimento.93) “A própria natureza humana nos liga a outras pessoas e estrutura a sociedade em rede. nos grupos de amizades.10 AS REDES SOCIAIS As pessoas estão inseridas na sociedade por meio de laços que vem se formando desde o nascimento. Alcará e Di Chiara (2005.. p. etc. Estas pessoas podem então modificá-lo e reescrevê-lo ou até mesmo postar em espaços pessoais em redes de relacionamento. é como um espaço onde é permitido a todos trocarem informações. 2. como a participação na escola. e vem se estendendo na medida em que o individuo vai crescendo e tornando-se parte da sociedade. As redes sociais são forte característica de como se deu a evolução da web nos últimos anos.

Romênia e Itália.5 milhões de internautas navegam em todos os ambientes. Inglaterra e França. Segundo ele. para formar redes de relações pessoais no ciberespaço (RECUERO. como Orkut. onde usuários com afinidades em comum desenvolvem discussões sobre um determinado assunto o qual todos têm interesse. p.51 Para Recuero (2009). e o que a difere das outras ferramentas é a exposição pública. Twitter. 67. as redes sociais são um meio de comunicação entre as pessoas onde o computador é o intermediário. You Tube. Facebook. A referida pesquisa mostra ainda que os brasileiros acessam as redes sociais em sua maioria (83%) por razões pessoais e não há diferenças entre sexos para tal acesso. onde a falta de tempo e as dificuldades metropolitanas ou geográficas. uma . Rother (2010). superando países como Estados Unidos. Segundo Recuero (2009). perdendo apenas para a Índia. diz que “Hoje. seja em casa. estas comunidades são uma extensão da sociedade em que vivemos. o internauta brasileiro tem um grau de sociabilidade muito grande que pode ser demonstrada pela penetração de mídia social no país. as mídias sociais começaram aos poucos tomarem espaço na vida do ser humano e hoje. o que mostra que o maior objetivo da procura por sites de redes sociais é para o relacionamento pessoal. sua influência vem aumentando cada dia mais. levam grupos de pessoas a interagirem virtualmente: As comunidades virtuais são agregados sociais que surgem da Rede [Internet]. De acordo com uma pesquisa realizada pelo IBOPE. Sérvia. Espanha.137). o Brasil aparece entre os dez países que mais acessam sites de redes sociais. Turquia. já por questões profissionais os homens acessam mais do que as mulheres e a parcela de acesso cai para 33% no geral. Coréia do Sul. da diretoria do IBOPE.0. China. e mais de 28 mil pessoas entrevistadas. Rússia. e nem todos os que são mais populares no mundo são os mais acessados no Brasil. De acordo Pavarin (2010). 2009. quando uma quantidade suficiente de gente leva adiante estas discussões públicas durante um tempo suficiente. neste ano (2010) em 27 países. no trabalho ou em locais públicos”. Com o advento da internet e principalmente com o uso das ferramentas da web 2. com suficientes sentimentos humanos. ou Linked In. Existem vários sites de redes sociais. MSN. Uma das características de algumas redes sociais são as comunidades.

devido sua grande popularidade e hoje ainda se encontra em primeiro lugar no Brasil com 26. e inclusive falsos perfis. o Orkut. com os mais variados temas e estilos. São sites de diversos países. O site funciona basicamente da seguinte forma: primeiramente o indivíduo precisa ter uma conta no Google. seus interesses por determinados assuntos. completa a autora. seguido por Twitter e Facebook. gostos e também têm . informada a INFO Online.” Atualmente qualquer pessoa pode se registrar a partir da pagina inicial do site.52 pesquisa IBOPE de fevereiro de 2010. Segundo Munhoz e Michel (2008). Com esta mudança é possível uma pessoa ter vários perfis. informando ali alguns dados pessoais. O site de relacionamento ganhou sua versão em português já em 2005. No inicio para se criar uma conta de usuário no site era necessário receber um convite pessoal de alguma pessoa conhecida.com) é um “software social” e foi lançado em janeiro de 2004.9 milhões de usuários e um alcance de 73% dos brasileiros. mostra que o ranking de acesso no Brasil tem como os três primeiros colocado.orkut. 2. conforme pesquisa IBOPE (2010).1 Sites de Redes Sociais Existe uma quantidade imensa de sites de redes sociais que podem ser encontrados na internet. relacionamentos.10. já cadastrada no site. 2. criado pelo estudante da universidade de Stanford e funcionário da empresa Google.1 Orkut O Orkut (www. “a idéia era criar um sistema onde poderia ser construída uma rede social a partir de laços já existentes e verificados pelos indivíduos na vida real. Na Wikipédia (2010) a lista de nomes de redes sociais chega a quase 200 cadastrados.10. depois entra no site e cria seu perfil.1. o engenheiro turco Orkut Buyukkokten. que pode ser criada também na própria pagina do Orkut. e criar seu perfil. não representado por uma pessoa real e sim uma personagem.

vídeos. Conforme dados da pesquisa IBOPE desse ano. de classes C. A rede vai aumentando à medida que amigos vão sendo adicionados. contra 85% da região sudeste. o “Orkut”: mulheres. (RECUERO. “Funcionam como fóruns. existem várias delas e com os mais diversificados assuntos.. afirma que: Com a exposição de suas idéias. suas fotos (naturais. “Este perfil sugere que as redes sociais estão efetivamente cumprindo o papel de inclusão e socialização”. manipuladas.. enfim. ...53 a possibilidade de postar fotos. aqui no Brasil a região Nordeste é a que apresenta um maior percentual (90%) de acesso as redes sociais. E e residentes em municípios menores (com menos de 100 mil habitantes) e mais distantes (interior e periferias). As comunidades são um ponto forte do site. Esta diferença deve-se ao perfil daqueles que acessam a principal rede. diretora executiva de marketing e novos negócios do IBOPE Inteligência. onde o convidado tem a opção de aceitar ou não a solicitação de amizade. 2004). crenças.. Sobre os usuários do Orkut. com menor grau de instrução. de suas características (desde informações pessoais e profissionais até informações comportamentais – opção sexual. e isto ocorre por meio de convites. pensamentos e interagir com seus amigos por meio de recados (scraps). bem como o estabelecimento e manutenção das relações sociais através de seu sistema”. Pithan (2004).).. seus conhecimentos. distorcidas. com tópicos (nova pasta de assunto) e mensagens (que ficam dentro da pasta do assunto)”. por exemplo. jovens. D. avalia Laure Castelnau. (IBOPE 2010) O Orkut consiste em uma rede social por proporcionar interações entre seus usuários o que vem confirmar o que diz Recuero (2004) é que ele “proporciona a interação mediada pelo computador. acabam alimentando mesmo que inconscientemente um mundo imaginário e participando ativamente de relações sociais características da sociedade atual.). de suas vidas. São criadas pelos usuários da rede e agregando grupos que se identificam com a proposta e descrição da comunidade. e isto se deve ao fato do perfil do usuário e a classe econômica está diretamente ligada a isto. gostos.

54 2. em qualquer lugar do mundo”. deixando alguns dados pessoais. . políticos e celebridades. e não existem comunidades. o sítio alterou o tema para “Compartilhe e descubra o que está acontecendo neste momento. a rede foi criada em 2006. as pessoas seguem umas as outras e não precisa de convite. “estou no trabalho” já não agradavam mais seus seguidores. cria seu perfil e escolhem as pessoas que querem seguir.1. “estou em casa”. assim a mensagem pode ser enviada de qualquer lugar e chegar ao destino em primeira mão. e respostas como “estou no ônibus”. então o web site mudou o tema para “o que está acontecendo neste momento”.8% e um alcance de 24% de brasileiros. segundo pesquisa IBOPE em fevereiro de 2010.com) é a ferramenta da Internet que mais está em evidência. deixando a rede mais atrativa.2 Twitter O Twitter (www. Aparentemente funciona como o já mencionado Orkut. Tavares e Abreu (2010) “em julho de 2009. Os perfis dos usuários são bem variados. com um grande crescimento no número de acessos e usuários sendo a segunda rede mais frequentada no Brasil. Biz Stone e Evan Willians. o que mais destaca no Twitter é a velocidade com que as informações são disseminadas. De acordo com Roberto (2009). com um índice de 8. Conforme Ferreira. o Twitter tinha o objetivo de descrever o que o usuário estava “fazendo naquele exato momento”. o usuário se cadastra no site. Quando surgiu.twitter. A ferramenta é um microblog gratuito onde os “tuites” (postagem) são limitados a 140 caracteres. por Jack Dorsey. pois os usuários se sentem mais próximos de seus ídolos já que grande maioria expõe acontecimentos de sua vida pessoal. e foi fundada como parte de um projeto da empresa Odeo.10. aparecem de pessoas comuns comentando sobre suas atividades rotineiras até empresas. O que diferencia do Orkut é a maneira de como são postadas as mensagens. Conforme uma matéria da revista Época de março de 2009. o Twitter serve para trocar e divulgar informações”. A mensagem deve conter apenas 140 caracteres porque a idéia inicial era a utilização via celular. ou seja.

divulgar vídeos e fotos. 2010). mas muito distante ainda do Orkut. porém no Brasil ele ocupa a terceira posição. Tavares e Abreu (2010). O método para convites é o mesmo. as pessoas não param de trocar mensagens. “assim como aconteceu com o Orkut. mas circulam pela internet como os textos de blogs. Semelhante ao Orkut. (STRICKLAND. 2. o site ocupa a terceira posição nos ranking dos sites de redes de relacionamento mais acessados pelos internautas brasileiros. O Facebook dá sugestões constantemente na página inicial de pessoas que poderiam ser conhecidas. os usuários do Facebook também utilizam a página para expor suas vidas pessoais. . e então foi expandido a fim de incluir os estudantes de Stanford. As mensagens são de 140 toques.”. De acordo com os números do IBOPE (2010). o Twitter está para ganhar a sua versão em português com ajuda dos usuários atuais do sistema. A grande novidade do Twitter é o ritmo. Mark Zuckerberg. Em vez de seguir para apenas uma pessoa. que no site leva o nome de grupos. a mensagem do Twitter vai para todos os “seguidores” – gente que acompanha o emissor. a empresa abriu espaço para que qualquer usuário com e-mail e acesso a Internet pudesse se cadastrar. mas o site tornou-se extremamente popular no campus. ficando pouco atrás do Twitter. mas segundo Ferreira. o que proporcionará um crescimento ainda maior do Twitter para os usuários brasileiros. como no celular ou no MSN. Foi criado em 2004 por três estudantes de Harvard.10. deixarem recados nos murais e participarem de comunidades. com o índice de 8% dos usuários de redes sociais. Dustin Moskovitz e Chris Hughes. O intuito de seus criadores era colocar os estudantes em contato uns com os outros. ÉPOCA 2009 Ainda não existe a versão em português para o Twitter.3 Facebook Facebook é um site de relacionamento muito parecido com o Orkut. Por algum motivo inexplicável.1. Columbia e Yale. como os torpedos dos celulares.55 O Twitter pode ser entendido como uma mistura de blog e celular. ficando à disposição do usuário a opção de aceitar ou não as pessoas como novos amigos. O Facebook é o site de redes sociais com maior número de usuários no mundo. Em 2006.

amigos de amigos.0 veio com força total apresentando as redes sociais como forma de interatividade entre as pessoas. algumas organizações passaram a enxergar este novo nicho de mercado como uma ferramenta para divulgarem seus produtos e serviços. vídeos. Manter este vínculo com clientes tem sido trabalhado e investido pelas organizações com maior intensidade. terá dificuldades na comunicação do ciberespaço.56 facilitando a procura de amigos na rede. pessoas que participam dos mesmos grupos. o que inclui opiniões. Para isto ele usa como fonte de busca os contatos de correio eletrônicos.10. Empresas que não tem boa comunicação interna dificilmente vai conseguir usufruir de todos os benefícios que as redes sociais podem proporcionar quando bem estruturada.2 A contribuição das Redes Sociais na Consolidação das Estratégias Organizacionais Desde o inicio desde século. aquela empresa que não tem o hábito de se comunicar internamente. Existem diretores de empresas que aderem a políticas rígidas onde acreditam que o rendimento de seus colaboradores irá cair se tiverem acesso a mídias sociais ou teme que ex-funcionários insatisfeitos possam difamar a empresa usando esses meios. Conforme Boog (2002.2): Pessoas e empresas fazem uso desta tecnologia on-line para compartilhar conteúdo. etc. 2.. aonde a web 2. Isto dá possibilidade para interação instantânea entre os usuários. . p.. experiências. “Usar tecnologia em larga escala. Porém não são todas as empresas que estão preparadas para terem este tipo de relacionamento com os clientes. ainda é uma barreira cultural muito grande nas organizações brasileiras. pois tudo está muito ligado a cultura organizacional. conforme explica Souza e Azevedo (2010. perspectivas utilizando textos. 241). e principalmente aplicativos em internet. possivelmente. imagens. pois nele encontraram uma nova forma de promover seu produto ou serviço e acompanhar como está sua imagem institucional. p. o que prejudicaria a imagem da mesma.”.” Souza e Azevedo (2010). são as mídias sociais utilizadas como filtro de opinião. “.

É muito importante que as organizações que queiram entrar neste ramo façam um mapeamento de como são seus clientes. É importante que as mídias se encaixem na cultura. As empresas devem escolher uma equipe especializada em mídias sociais que irá identificar através da politica e da cultura o que mais se aproxima de seus clientes. p. saber a faixa etária. Twitter e Facebook. para que assim as pessoas sintam a empresa próxima a elas. Teobaldo (2003. as necessidades pessoais e o nível intelectual facilita na hora de escolher qual ferramenta será utilizada e qual linguagem que será empregada. é preciso todo um estudo elaborado e significativo quanto a cultura. 10): São os profissionais de comunicação que exercem a função estratégica de lidar com estas ferramentas interativas. para as empresas que presam pela comunicação. Conforme um post do prof. caso contrário de nada adianta ter um Twitter com milhares de seguidores se isto não for expressivos para os negócios. tem que entender do negócio e das estratégias organizacional. mas para isto não deve ser feito de qualquer maneira. ele será apenas um bom Twitter. optando assim dentre várias redes existente a que pode trazer mais retorno. identidade e públicos da empresa.57 Porém. em seu blog. o Ibope Nielsen Online. sendo que independente de qual for o público a linguagem deve ser sempre o mais simples possível para que todos possam assimilar as mensagens que estão sendo transmitidas. os objetivos e o público da empresa. sobre ferramentas de monitoramento do comportamento em redes como Orkut. pois elaboram um diagnóstico para então planejar. aplicar. A empresa precisa de profissionais qualificados e não basta gostar de internet e saber criar contas em sites de redes sociais. tanto entre seus colaboradores quanto com seus clientes. "Trata-se de uma ferramenta com uma interface de utilização muito fácil por parte . p.82) afirma que “O público deve ser sempre considerado como um elemento da empresa e não como um estranho”. as mídias sociais são um canal que pode trazer muito retorno com pouco investimento. anunciou em maio desse ano. conforme AdNews. Já existe no mercado ferramentas para auxiliar neste trabalho. Conforme Souza e Azevedo (2010. gerenciar e/ou analisar o melhor plano de comunicação a ser usado junto com os demais funcionários envolvidos nessa tarefa de gerenciamento das mídias sociais. Sérgio Jr.

Ao escolher o Twitter como meio de divulgação. 2. já tem as mais tradicionais que optam por criarem uma comunidade no Orkut. A ferramenta tem o objetivo de monitorar o comportamento dos usuários nas redes sociais e acompanhar o conteúdo online gerado pelo consumidor. De igual modo funciona com o Facebook. pois é através destas que o público vai expor sobre o que está bom e o que precisa ser melhorado em determinados produtos e serviços. uma revolução em comunicação digital iniciou-se a partir de então com a popularização das redes de relacionamento.58 das empresas. e qualquer outra rede que a empresa optar. Orkut. Novos horizontes foram abertos. Como visto acima. Conforme Recuero (2009). a internet passou por uma considerável transformação na forma como as pessoas tiravam proveito de seus recursos. Por muito tempo as redes sociais são utilizadas com intuito de oferecer diversão aos seus usuários. onde por meio de fóruns criam-se tópicos e várias pessoas expressam suas opiniões. pois sempre vai ter os que vão contrariar. o Twitter é um meio de comunicação muito rápido. tirando dúvidas e esclarecendo qualquer mal entendido a respeito de seus produtos e serviços. etc. o que quer dizer que empresas aproveitam para anunciar ofertas relâmpagos. mas isto faz parte do processo e é importante que a empresa tenha um profissional qualificado para responder aos comentários e interagir com seus clientes.11 A PROFISSÃO EMERGENTE: O ANALISTA DE REDES SOCIAIS Com a mudança da web. discussões em comunidades. pois pode ser acessado facilmente pelo celular. A rápida popularização deste novo conceito . É um pouco arriscado. como opiniões publicadas no Twitter. ou então muitas usam para divulgar o lançamento de seus produtos e rapidamente se espalha pela rede. ou manter contato com familiares e amigos. a empresa deve saber utilizar muito bem seus 140 caracteres para divulgar promoções e anunciar seus novos produtos e seus diferenciais quanto ao concorrente. Opiniões estas que são de fundamental importância para as organizações. Ela foi desenvolvida justamente com o propósito de facilitar o trabalho de profissionais que não são de tecnologia". blogs. seja com postagem de fotos.

donas de casa. pois com o baixo custo para obtenção de computadores cada vez mais pessoas são incluídas no universo virtual. é um completo Geek. As empresas passaram a ver as mídias sociais como um forte e promissor aliado para alavancarem seu faturamento. 2. fissurado em leitura. tais como. notícias.1 Atividades do Analista de Redes Sociais . entretenimento.” Conforme dados de pesquisa Reuters (2010) a rede social Facebook possui hoje mais de 400 milhões de adeptos por todo o mundo. estudantes. Com isto a busca por este novo modelo de profissional aumentou bastante. Segundo Silveira (2003). Basicamente o objetivo do Analista de Mídias Sociais é focar-se em redes de relacionamento tais como Orkut. Na definição de Veroni (2010) “é um profissional capaz de analisar tendências e ficar antenado com as principais discussões que são repercutidas ou criadas pelos internautas. As pessoas estão geralmente agrupadas por interesse e cada vez mais estão segmentando suas escolhas. atualizado e conhecedor dos recursos que estes sites tem a oferecer. Twitter dentre outras redes. trabalhadores. ele nasce da integração online. novidades e velocidade da informação. um dos fatores que vem colaborando com o crescimento destas redes é a popularidade que a tecnologia vem ganhando. diz que uma vez que este profissional está bem inserido. usar e indicar para outras pessoas. Este profissional é raro de se encontrar e muitas empresas já estão na caça desse perfil. através dessas escolhas que o analista irá buscar formas de explorar este potencial veículo de informação. Facebook. MIRANDA (2009). do network virtual e da paixão por gostar de se comunicar através da web. ele deve com frequência criar projetos para a marca ou produto os quais os membros da comunidade possam comentar. Geralmente tem entre 18 e 25 anos. isto exige que este analista também entenda a forma de pensar deste novo público.59 por todo o mundo fez despertar nas pessoas o interesse de utilizá-lo em seus negócios. Conforme a opinião de Rafael Galdino (2010): Não existe curso de graduação para um profissional de Mídia Social.11. A participação da classe C cresce aceleradamente o que indica que novas mentes estarão inseridas neste público.

60 O profissional especialista em TI deve estar preocupado em desenvolver ferramentas que passem confiança para às pessoas que irão utilizar. observando as interações dos usuários e sempre que possível executando ações. tornando assim a marca reconhecida e contribuindo com o público. Conforme define Montenegro (2010). este profissional deve estar preocupado em manter-se em contato sempre com os participantes da comunidade para ouvir opiniões da marca ou produto que está promovendo. Existem formas bastante conhecidas como fóruns. nestes o profissional poderá inserir a empresa nas redes ou fazer o monitoramento dela. estas são algumas das principais atividades do analista de mídias sociais:  O analista de redes sociais é responsável pela criação do projeto e o acompanhamento.  Identificar oportunidades de levar a marca ou empresa a campanhas online através de sua participação nas redes sociais. Ele precisa conhecer os mecanismos necessários a fim de criar soluções eficientes para interagir com os usuários. além disto. uma marca o analista prestará o serviço de monitoramento. . Neste caso ele tem por finalidade mostrar a empresa o rumo que deverá seguir para atingir resultados na criação de sua publicidade online.  Ao inserir uma empresa. blogs e comunidades. Ele é encarregado de procurar por erros e corrigi-los.  Ele pode optar por fornecer consultoria às organizações.

mas sim a aquisição do espírito e método para a indagação intencional. 3. a Metodologia Científica orientava a construção da pesquisa teórica e prática. p. conduzida por professores universitários e alunos de graduação e pós-graduação. p. FIALHO e OTANI. O resultado mais importante não é o oferecimento de respostas salvadoras para a humanidade.1 TIPO DE PESQUISA E ABORDAGEM METODOLÓGICA Para Souza. Faculdade ou em outra Instituição de Ensino Superior). Conforme Barros e Lehfeld (2000. Pesquisa acadêmica: atividade de caráter pedagógico que visa despertar o espírito de busca intelectual autônoma.13). análise do material coletado e verificação dos resultados. tornando-se o referencial e baseando seu desenvolvimento em função do material pesquisado. A pesquisa acadêmica é realizada no âmbito da academia (Universidade. o que leva o homem a pesquisar seria a busca do conhecimento que consiste na necessidade humana de conhecer. A parte prática compreenderia a produção científica referente às técnicas e métodos operacionais para o estudo e compreensão da realidade ou do objeto de análise. que estariam referenciando e direcionando modelos analíticos de explicação da realidade em questão. considerando que a busca pela solução da problemática envolve reflexões acerca de uma situação específica mais do que soluções práticas e universais propriamente ditas. A finalidade da metodologia da pesquisa é definir as estratégias metodológicas que irão viabilizar o processo de coleta de dados. fazse necessário um referencial metodológico que oriente todo este processo. resolver problemas.61 3 PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS Embora a fundamentação teórica sustente o trabalho. A parte teórica abordaria o problema da natureza do conhecimento e do método científico. Fialho e Otani (2007). Este trabalho se classifica como uma pesquisa acadêmica por ser uma atividade de caráter pedagógico. (SOUZA. A pesquisa faz parte do processo de construção do conhecimento e sua meta principal é justamente o de gerar novos conhecimentos ou refutar algum conhecimento já existente. Tradicionalmente. formular teorias ou ainda testar teorias. 35). . 2007.”. Ainda segundo os autores “Pesquisar tem como finalidades principais.

45). ela parte do pressuposto que tudo pode ser quantificável. questionário e observação sistemática. um trabalho de campo que permite um contato maior com a realidade. analise de regressão. 2007. pode-se aplicar a forma quantitativa ou qualitativa. não podendo assim ser aplicada diretamente para atendimento de necessidades humanas. p. p. . A pesquisa quantitativa é mais precisa nos resultados.20) ela pode ser Básica ou Aplicada.. A pesquisa é realizada no local onde os fenômenos acontecem. ou seja. que provavelmente resultará em um produto diretamente aplicado. Na abordagem do problema. tendo como propósito resolver um problema específico. envolvendo verdades e interesses universais. Já a pesquisa Aplicada que se enquadra a este trabalho: Objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática e dirigida à solução de problemas específicos.”. ou fenômeno. utilizando-se de técnicas estatísticas. que segundo Souza. média. moda. p. pois trabalha com números. como porcentagem. a abordagem qualitativa.62 A técnica empregada nesta pesquisa foi de documentação direta. “Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. Fialho e Otani (2007). etc. podendo ainda haver uma combinação dessas duas formas de se coletar informações. forma de pesquisa aqui utilizada. Quanto à natureza da pesquisa na visão de Silva e Menezes (2005. pois consiste na observação dos fatos tal como ocorrem na coleta de dados e no registro de variáveis. (SOUZA. conforme Souza. A pesquisa aqui aplicada quanto aos objetivos é do tipo descritiva. Fialho e Otani (2007) onde. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. De acordo com Gil (1994. assumindo a forma de levantamento. FIALHO e OTANI. ou estabelecimento de relações entre variáveis”. é definida por Souza. Fialho e Otani (2007) consiste na coleta de dados no próprio local onde o fato acontece. Ainda segundo o autor. conforme Silva e Menezes (2005). 38). “A pesquisa descritiva deste tipo tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população. No entanto. Envolve verdades e interesses locais. traduzindo opiniões e informações em números. a pesquisa descritiva envolve aplicação de técnicas de coleta de dados. mediana. A básica tem por objetivo gerar novos conhecimentos para o avanço da ciência. buscando atender demandas sociais.

utilização e comunicação das informações coletadas para o desempenho da pesquisa. segundo Santos (2000): Campo. p. fichar. de modo a interpretar os resultados ali demonstrados. será avaliado de forma quantitativa. Tem como base fundamental conduzir o leitor a determinado assunto e a produção. por meio de entrevistas aplicadas com questionários à gestores de recursos humanos de diversas empresas. organizar e arquivar tópicos de interesse para a pesquisa em pauta. A pesquisa bibliográfica é a base para as demais pesquisas e pode-se dizer que é uma constante na vida de quem se propõe estudar. Um questionário aplicado a gestores de empresas que utilizam ou não redes de mídias sociais. Pode ser realizada independentemente ou como parte da pesquisa descritiva ou experimental. Nos procedimentos técnicos foi utilizada a pesquisa bibliográfica. coleção. 48) a pesquisa bibliográfica: Procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos. onde a principal característica reside no intuito de proporcionar um panorama cognitivo acerca do tema estudado. Em laboratório se refere à reprodução artificial que permite a coleta de informação para descrição e analise. Fialho e Otani (2007). armazenamento. . conforme Souza. portanto. reprodução. isto não significa que dados quantitativos não estarão presentes na análise realizada. busca conhecer e analisar as contribuições culturais ou cientificas do passado existente sobre um determinado assunto. De acordo com Cervo e Bervian (1996. A utilização dessa pesquisa depende do objetivo a ser alcançado. A pesquisa em Bibliografia é a coleta de informações em materiais impressos ou publicado na mídia. De acordo com Fachin (2001. selecionar. a documental e de levantamento. Laboratório e Bibliografia. A pesquisa bibliográfica se refere ao levantamento de dados. mas a análise terá um olhar predominantemente qualitativo. Em ambos os casos. 125) a pesquisa bibliográfica: Diz respeito ao conjunto de conhecimentos humanos reunidos nas obras. tema ou problema. p. A classificação em relação às fontes de informação é basicamente dividida em três. A fonte de informação utilizada nesta pesquisa é. A pesquisa bibliográfica constitui o ato de ler.63 Contudo. a de campo.

a natureza essencial está na natureza das fontes. um conjunto de indivíduos que trabalham em um mesmo local. o mais precisamente possível. O universo desta pesquisa são os gestores de empresas que são responsáveis pelas contratações de profissionais relacionados a redes sociais. Semelhantemente à pesquisa bibliográfica. Fialho e Otani (2007). Em função do tamanho da amostra. mediante coleta de dados em materiais publicados em diversos meios. ela está relacionada à coleta. está relacionada à interrogação direta das pessoas cujo comportamento se quer descobrir. como por exemplo. Enquanto amostra seria o subconjunto da população apresentada por meio de calculo específico de acordo com seu tamanho. portanto. 3. Fialho e Otani (2007). p. Por fim.”. escrita ou oral. as características da população através das medidas das características da amostra”. Segundo Souza. Ainda com este autor: . a pesquisa também é classificada como sendo de levantamento. conforme Souza.130) “a essência de uma boa amostra consiste em estabelecer meios para inferir. sobre o tema da pesquisa cientifica. Permitindo a coleta de dados específicos que contribuam para a conclusão e a consecução dos objetivos deste trabalho. Para Mattar (1996. É um tipo de pesquisa que Geralmente. Logo a pesquisa documental é toda informação visualizada. recorrendo a um determinado grupo de pessoas sobre um determinado problema levantado. classificação. efetua-se uma solicitação de informações referentes a determinado problema. “A pesquisa documental fundamenta-se na utilização de materiais impressos e divulgados que não receberam ainda tratamento analítico. seleção difusa e à utilização de qualquer espécie de fonte de informação. o levantamento e a análise do produzido sobre determinado assunto.64 A pesquisa bibliográfica é. foram aplicados questionários em um total de 20 empresas para que se identificassem as core competences de tais profissionais.2 POPULAÇÃO DA PESQUISA E AMOSTRA De acordo com Richardson (1999) a população pode ser caracterizada por um apanhado de elementos possuidores de determinadas características.

O questionário foi enviado via e-mail para o setor de Recursos Humanos de 20 empresas da região de diversos segmentos. Após devidamente preenchidos os questionários foram devolvidos também via e-mail. FIALHO. geralmente. 128-129). pois. outras o superestimam. resultando em medidas de amostra que são.3 INSTRUMENTO E PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS Os dados da pesquisa foram coletados por meio de um questionário elaborado com 10 questões. Por meio das considerações e argumentações dos capítulos anteriores e por esta metodologia objetivou-se responder a questão central enunciada na formulação da problemática e dos objetivos do presente estudo.65 A amostragem está baseada em duas premissas. A pesquisa foi realizada durante o mês de outubro de 2010. as variações nestes valores tendem a contrabalançarem-se e a anularem-se umas às outras. Confirmando sua forma. sendo que após de. segundo Gil (apud SOUZA. onde os entrevistados puderam optar por uma ou mais alternativa e 4 abertas que permitia os pesquisados expor sua opinião sobre o assunto. próximas às medidas da população (MATTAR. e desde que a amostra tenha sido adequadamente obtido. . A primeira é a de que há similaridade entre os elementos de uma população. de levantamento. Como é objetivo da pesquisa descritiva. de tal forma que uns poucos elementos representarão adequadamente as características de toda a população. 1996. A qual consiste em identificar quais as core competences de um analista de redes sociais. OTANI. p. onde foi respondido pelos gestores responsáveis pela contratação de profissionais analistas de redes sociais. devidamente respondidos e devolvidos. quanto aos procedimentos técnicos. permite entender os fenômenos e o estabelecimento das relações entre as variáveis pesquisadas. 3. a utilização de técnicas padronizadas de coleta de dados. questionários e observação sistemática. a segunda é de que a discrepância entre os valores das variáveis na população e os valores dessas variáveis obtidos na amostra são minimizados. os questionários tiveram seus dados tabulados para análise e melhor compreensão dos resultados. 4 questões fechadas. 2007). enquanto algumas medições subestimam o valor do parâmetro. sendo 2 questões informativas para se conhecer o campo entrevistado.

este capítulo apresenta as informações referentes ao objeto de estudo deste trabalho e os dados levantados por meio das análises e discussões indicadas pela pesquisa. bem como saber o que pensam sobre a utilização deste novo tipo de mídia dentro das organizações. Desse modo. Por meio destas opiniões fica claro o que as organizações buscam ao contratar um profissional deste ramo. No gráfico 1 seguem os dados com o panorama dos indicativos citados acima: . 4. quais as mídias sociais mais conhecidas no âmbito organizacional e desta forma sabem-se então quais as redes sociais que este profissional deve dominar para entrar neste mercado de trabalho. Neste processo foram distribuídos 20 questionários direcionados aos gestores de empresas de diversos segmentos. sendo 4 objetivas e 6 discursiva para extrair as opiniões dos gestores. Referente às segmentações. optou-se por uma em cada ramo para assim conhecer em qual área as Redes sociais estão mais presente. tendo-se assim um parâmetro para comparar se tempo de mercado influencia na utilização das mídias. dos quais. As duas primeiras perguntas foram mais em nível de conhecimento das organizações para saber qual sua segmentação e há quanto tempo estão atuando no mercado. Como por exemplo.1 ANÁLISE GERAL DOS RESULTADOS Os questionários enviados às empresas continham 10 questões.66 4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DA PESQUISA Com a pesquisa é possível extrair dados que mostram a importância em conhecer a opinião dos gestores de empresas acerca das competências que um profissional analista de redes sociais deve possuir. apenas 12 voltaram respondidos e serão aqui apresentados em forma de gráficos e análises. Também se visou eleger quais as core competences consideradas fundamentais que integram o perfil do profissional de redes sociais.

como blogs e sites. concessionária e relojoaria utilizam apenas dois tipos de mídias cada. pois empresa com 52 anos não utiliza nenhum tipo de mídia. Ficou claro que isto não tem a ver com o tempo de atuação no mercado. confecção e educação superior. onde aderem a 100% das mídias apresentadas na pesquisa. informática. enquanto outra com 10 anos utiliza-se de muitas. enquanto os outros 4 ramos entrevistados não utilizam de nenhum tipo de mídia social Dados mostrados no gráfico 2. Percebeu-se ainda que dentre os entrevistados. empresa com 39 anos de mercado participa de várias. transportadora.67 Segmentação e Tempo de Atuação da Organização no Mercado Anos de Atuação 20 52 15 35 15 7 50 10 2 25 65 39 Transportadora Supermercado Serigrafia Relojoaria e ótica Publicidade e propaganda Informática Hospitalar Educação superior Construção civil Confecção Concessionária Cerâmico Gráfico 1: Segmentação e Tempo de Atuação da Organização no Mercado Fonte: Primária (2010). por outro lado. . Publicidade e propaganda. ou ainda empresa com 2 anos não utiliza de nenhuma redes sociais. os ramos que mais utilizam mídias sociais são os cerâmico. incluindo outras. onde foram questionados o número de funcionários que a organização possui. também mostraram que o porte de empresa .

pois empresas com mais de 500 funcionários tanto utilizam todas as mídias como também não utilizam nenhuma. Foram escolhidas para apresentação as três redes sociais mais usadas no Brasil. O gráfico 3 mostra algumas mídias utilizadas nas empresas entrevistadas de acordo com o questionário empregado. Quantidade de Funcionários das Empresas Entrevistadas Percentual 34% 25% 16% 25% Menos que 50 Entre 51 e 100 Entre 101 Acima de 500 Gráfico 2: Quantidade de Funcionários das Empresas Entrevistadas Fonte: Primária (2010). Twitter e Facebook. conforme Souza e Azevedo (2010).68 nada tem a ver com utilização de redes sociais. por falta de comunicação internamente o que dificulta qualquer outro tipo de comunicação. E o mesmo acontece com empresas pequenas. conforme pesquisa IBOPE (2010) que são Orkut. . Isto veio confirmar que muito tem a ver com a cultura da organização. que ainda existe uma barreira cultural muito grande nas organizações brasileiras em se tratando de usar aplicativos em internet ou tecnologia em larga escala. conforme citado por Castro e outros (2002). Ou ainda.

69 Percentual de Utilização das Redes Sociais pelas Organizações Orkut Twitter Facebook Nenhuma Outros 25% 12% 29% 17% 17% Gráfico 3: Percentual de Utilização das Redes Sociais pelas Organizações Fonte: Primária (2010). Porém. que o perfil dos usuários do Orkut são as classes C. e também para divulgação de suas marcar e produtos. Pela amostra apresentada na pesquisa. conforme citado no referencial teórico. a rede social que tem maior abrangência entre as organizações é o Twitter. por se tratar de um veículo de rápida divulgação as empresas utilizam para divulgar ofertas relâmpagos. no meio organizacional ele ficou em terceiro lugar. merecia mais atenção os dados apresentado na pesquisa. conforme pesquisa IBOPE (2010). o Twitter tem um alcance 24% dos brasileiros. Isso veio ratificar conforme explicou a diretora executiva de marketing do IBOPE. com aproximadamente 26. Dependendo do ramo da empresa. pois o público destas classes sociais pode ser alcançado por meio desta rede. . e E. Segundo pesquisa IBOPE (2010).9 milhões de usuários com alcance de 73% dos brasileiros. com 29% de atuação entre as empresas. e iniciou-se apenas com o objetivo de descrever o que o usuário estava fazendo no momento. Laure castelnau. D. Por meio do gráfico notou-se que embora no Brasil o site de relacionamento com maior número de usuários seja o Orkut. com menor grau de instrução e moradores de cidades com menos de 100 mil habitantes.

e também para identificar as necessidades do mercado atual. saberemos fazer para eles. ficando limitado às classes A e B. Notou-se ainda que das empresas que utilizam o Facebook normalmente utilizam outras mídias sociais também. com um índice de 8% dos usuários brasileiros IBOPE (2010).”. da D à A. ideias. tema da sexta questão. como foi o caso da organização hospitalar. Na amostra aqui apresentada ele ficou com uma participação de 17% das organizações entrevistadas. respondeu que “com certeza é muito importante. por temor ou mesmo pela cultura organizacional. bem como rápido retorno da aceitação/reprovação dos mesmos.70 Já o Facebook ficou em segunda colocação entre as organizações. mesmo os que não utilizam essa ferramenta. Grande maioria julga importante para a divulgação da marca. pois vendemos isso para nossos clientes que somos especialistas em marketing digital e por isso precisamos atuar nas redes para mostrar que se sabemos fazer para nós. para confirmar o que foi citado antes por Souza e Azevedo (2010). as . Na questão de número 5. quando questionado para os gestores se julgavam importante a participação da empresa em mídias sociais. estão conectados às mídias sociais o que facilita a comunicação e a divulgação da marca. na grande maioria pessoas da geração Y. que existem diretores que aderem a políticas rígidas. pois não necessariamente os que usam o Twitter possuem outros tipos de mídias. Ao serem questionados os gestores sobre a opinião deles quanto ao impacto das mídias sociais nas organizações contemporâneas. pois expõe muito a empresa. o que não ocorre com o Twitter. conceitos e aproximação com os clientes. Como o caso do supermercado que não utiliza nenhum tipo de rede social. Felipe Moraes. e gestor de uma agência de Publicidade e propaganda. pois os “futuros acadêmicos”. Também houve. quase todos foram unânimes ao responderem que sim. Para a instituição de educação superior é fundamental. mas o gestor julga importante para aproximar-se de todas as classes sociais. Autor do livro: Planejamento Estratégico Digital. o que não acontece hoje na organização. onde a gestora respondeu que não julga importantes as redes sociais. Conhecer a opinião e o perfil dos clientes também foi bem colocado. embora seja o site de relacionamento com maior número de usuários no mundo e o terceiro no Brasil.

. Para o gestor da instituição de ensino o principal impacto seria a transformação da estrutura organizacional ficando mais dinâmica e flexível. Já Felipe Morais considera um grande impacto o fato de as pessoas desejarem se relacionar com as marcas e as redes sociais abrirem este canal. já que o mundo gira em torno deste avanço tecnológico. percebe-se que 33% dos entrevistados concederam conceitos 1 e 2. No entanto. obedecendo a ordem de importância. Para o gestor da confecção as mídias sociais estão obrigando as organizações organizarem seus setores de contato com os consumidores. mostrando que estas competências são essenciais a todo profissional analista de redes sociais. a fim de absorver suas percepções e desejos para responder prontamente às suas reclamações/sugestões.71 respostas foram bem diversificadas. Ao analisar o gráfico 4. visto que o mesmo deve ter iniciativa para estar sempre atualizado com as tecnologias e aperfeiçoar-se cada vez mais na utilização das ferramentas de trabalho. começando por identificar as características comportamentais que este profissional deve possuir na opinião dos gestores. foi selecionado 4 características referentes à competências e solicitado para que fossem enumerados de 1 a 4. Conforme mostra os gráficos abaixo. defende que as empresas já estão esperando por este tipo de mudança. o impacto seria a “fidelização do cliente interno e externo. As últimas quatro questões foram destinadas as core competences dos profissionais analistas de redes sociais. a gestora do setor cerâmico. objeto de estudo desse trabalho. No que diz respeito a determinação ao iniciar um novo projeto ele deve estar comprometido e focar-se na criação e desenvolvimento do mesmo desde a implantação até a conclusão. Segundo o gestor do supermercado. por ser um diferencial quando o concorrente não a possui”. sendo 1 para o mais importante e 4 para o menos.

característica que também deve estar presente neste profissional. Estímulo à Inovação Conceito 1 Conceito 2 Conceito 3 Conceito 4 17% 25% 33% 25% Gráfico 5: Estímulo à Inovação Fonte: Primária (2010). O gráfico 5 mostra sobre a competência de ter estímulo a inovação. que seria o menos importante dos quatro analisados. o estímulo a inovação tende a ser uma questão crítica para as organizações que vivem em uma era onde a concorrência é cada vez mais acirrada.72 Iniciativa e Determinação Conceito 1 Conceito 2 Conceito 3 Conceito 4 17% 17% 33% 33% Gráfico 4: Iniciativa e Determinação Fonte: Primária (2010). Apenas 17% dos entrevistados deram o conceito 4. . De acordo com Ferreira e Sousa (2008). Por isso é tão importante esta competência no perfil do profissional analista de mídias sociais.

pois este profissional precisa realizar negociações de modo a trazer benefícios para ambas as partes e não apenas o conhecimento técnico. Relacionamento Pessoal Conceito 1 Conceito 2 Conceito 3 Conceito 4 17% 25% 33% 25% Gráfico 6: Relacionamento Pessoal Fonte: Primária (2010). onde o analista precisa possuir aptidões emocionais. Por fim o conhecimento técnico ficou para trás. onde conforme respostas dos gestores. é imprescindível que este profissional saiba relacionar-se adequadamente utilizando a internet como ferramenta. 50% dos gestores entrevistados julgaram das quatro competências apresentadas. como mostrado no gráfico 7. o conhecimento técnico como sendo o menos importante para este cargo de analista de redes sociais. e vem confirmar o que foi citado por Medeiros (2007). Sendo assim. . Segundo a opinião de Galdino (2010). cognitivas e emocionais.73 No gráfico 6 foi apresentado a capacidade que compete ao profissional de se relacionar com as pessoas. Existem vários clientes em potencial nas redes sociais e saber lidar com eles é um fator determinante para sucesso da organização. seja de forma oral ou escrita. é uma competência que deve estar bem presente também na vida deste profissional.

visando sempre o lucro da mesma e a satisfação dos clientes. as qualidades foram diversas. conhecimentos técnicos em redes sociais. passando links e esperando que eles possam visitar. Na questão de número 9 onde foi indagado o que a empresa espera ao contratar um profissional dessa área. responsabilidade. sabendo transmitir exatamente a imagem da empresa. tornando-as conhecidas e integrando a empresa a todos os públicos. curiosidade. iniciativa. Quando questionados a respeito dos principais requisitos para a contratação de um profissional para trabalhar com mídias sociais. visto que eles estão representando e defendendo uma marca e o objetivo final e fazer a intermediação entre os consumidores e a empresa. integridade. basicamente eles esperam que este profissional dissemine a marca da empresa da melhor forma nas mídias sociais.74 Conhecimento Técnico Conceito 1 Conceito 2 Conceito 3 Conceito 4 16% 50% 17% 17% Gráfico 7: Conhecimento Técnico Fonte: Primária (2010). Para Felipe Moraes “o profissional tem que entender que as redes são mais do que jogar links. comunicação na parte escrita. Assim ficou claro. . trazendo um diferencial e um novo conceito. ao contrário do que alguns pensam. é relacionamento e que ali a pessoa está representando uma marca”. pró-atividade. motivação. gestão de pessoas. o trabalho do analista de redes sociais é bem mais complexo e exige muita responsabilidade. criatividade. que trabalhar com redes sociais seja apenas navegar na internet e conhecer pessoas. perseverança. tais como: gostar de navegar na internet.

2) Competências técnicas: Conhecimentos específicos sobre o trabalho que deve ser realizado. Fonte: Zafiran (1999). 3) Competências sobre a organização: Saber organizar os fluxos de trabalho. Cinco gestores apenas assinalaram as competências técnicas e de serviço. A maioria dos entrevistados assinalaram quase todas as competências mencionadas. sete as competências de processos e seis as competências sobre organização.75 Também esperam transparência na comunicação e que cada ação que ele faça nas redes seja bem pensada para não comprometer a marca na web. Quadro 2: Competências Humanas no âmbito das organizações. comprovando mais uma vez que o profissional de analista de mídias sociais tem que ter habilidades sociais. 4) Competências de serviço: Aliar a competência técnica à seguinte pergunta: qual o impacto que este produto ou serviço terá sobre o consumidor final? 5) Competências sociais: Saber ser. incluindo atitudes que sustentam os comportamentos das pessoas. Na última questão foi solicitado aos entrevistados que assinalassem as questões contidas no quadro abaixo cujas core competences fossem fundamentais para o profissional de redes sociais. 1) Competências sobre processos: Os conhecimentos sobre o processo de trabalho. sendo que as competências sociais tiveram o voto dos 12 gestores envolvidos. .

a maneira como a informação é levada e entregue as pessoas certas e no momento apropriado. Neste ponto entra as competências essenciais que o individuo deve possuir. a tecnologia da informação permite inovar. os profissionais analistas de redes sociais. pois fez nascer nas empresas a preocupação com sua imagem e de seus produtos para os clientes que estão conectados às . especificamente no levantamento dos conceitos sobre competências. veio para inovar o conceito das organizações. pois atualmente as empresas buscam por cabeças pensantes que possam usar seus conhecimentos. A Tecnologia da Informação embora tenha um significado bastante amplo. objeto de estudo deste trabalho. Por meio do referencial teórico apresentado. As mídias sociais e o rápido avanço da internet trouxeram um grande impacto as organizações contemporâneas. ou que exijam força braçal. Conforme a opinião de Garcia (2010). De posse das core competences as organizações da era do conhecimento poderão ajustar os colaboradores para que suas atividades condigam com a sua função. Utilizando-se da investigação. percebe-se que a contribuição dos teóricos permite a definição do termo competência e mostra como estas características agregam valor ao profissional. mais precisamente. Com isto os analistas têm ao seu dispor as ferramentas necessárias para obter os resultados esperados na consolidação das mídias sociais nos dias atuais. habilidades e tenham atitude para ir a busca de algo que vá trazer mais resultados enquanto a tecnologia toma conta dos processos repetitivos. principalmente após a era da industrialização. de forma criativa. visto que é de fundamental importância conhecer o que os gestores de empresas esperam deste novo profissional e o que eles têm para contribuir com as organizações contemporâneas. percebe-se que a tecnologia da informação contribui ao disponibilizar de meios para criação das ferramentas de mídia social e sua implantação dentro do ambiente organizacional. A partir do que foi identificado na fundamentação teórica.76 5 CONCLUSÃO O principal objetivo deste trabalho foi identificar quais as core competences de um analista de redes sociais. bem como a apresentação dos procedimentos metodológicos a fim de identificar as diretrizes empregadas para a realização do mesmo. puderam se sustentar os argumentos utilizados para realizar este estudo.

77 redes absorvendo suas percepções e desejos além de responder prontamente as suas dúvidas e reclamações. pois enquanto a geração X tenta ainda se equilibrar neste mundo digital. Na busca pelos precursores responsáveis pela massificação das mídias sociais. o estudo sobre a geração Y fez entender o quanto a tecnologia afeta o comportamento das pessoas. De posse destes dados fica mais fácil identificar quais tipos de profissionais as organizações estão procurando para ocuparem tal cargo. . curiosidade. Neste público então nota-se que se encontram os principais candidatos para ocuparem esse cargo de analista de redes sociais. visto que o assunto deve ser ainda mais explorado por se tratar de um tema relativamente novo em constante aprimoramento. iniciativa. conhecimentos em redes sociais. por nascerem na era da informação. ainda há a motivação pelo tema e o vislumbre de oportunidades para aplicação destes resultados. motivação. perseverança e boa comunicação na parte escrita. a nova geração chamada de nativos digital. responsabilidade. bem como compreender que essa é uma profissão séria que exige responsabilidades e muita competência. visto que o perfil esperado pelas organizações entrevistadas muito tem a ver com as características que eles possuem como: gostar de navegar na internet. criatividade. Com a pesquisa aplicada aos gestores das empresas podem-se identificar outras competências essenciais para este profissional. Contribuindo então para a popularização das mídias sociais na contemporaneidade. atributos intensos entre essa geração que vivem conectadas em tudo ao mesmo tempo. habilidades técnicas. gestão de pessoa. próatividade. Sendo assim chegando ao final deste estudo. têm grande facilidade de se expressar por meio desta rede. tais como integridade. vontade de aprender e estar sempre atento às mudanças. após vários meses e muitas horas de dedicação a esta pesquisa.

Bruno (Org. 2010.pdf. 3. 91-123). n. Ursula. Disponível em: http://www. RECICLAGEM: Outros olhares. André. Disponível em: http://www. qualificação e desenvolvimento econômico. 2000. VILHENA. São Paulo: Makron Books.gov. Disponível em: http://www. Mariana P.plugmasters. 35-56. . São Paulo: Atlas. 2003. João Batista Diniz. Pedro Paulo. 2010. BRUNO-FARIA. Marcelo Mota. 2010 AVÓ. BRUNO. Rio de Janeiro. Hugo Pena.epsjv.fiocruz. Perfil do Profissional de TI na Era do Conhecimento. Formação do Consultor de TI.es/ servlet/fichero_articulo?codigo=2684572&orden=0>. Gestão de competências: identificação de competências relevantes a profissionais da área de T&D de uma organização pública do Distrito Federal. Fundamentos da Metodologia. Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo: leituras selecionadas (pp.0 e biblioteca 2. Fabiano C. Carla Patricia. Gerenciamento da Informação: um recurso estratégico no processo de gestão empresarial. BARROS. CARBONE. Hugo Pena. SP.dialnet. 7.baguete. ampliada. Disponível em: <http://www.com. Mimeo. BABRY.enap. (2002). Acesso em: 10 Out. BRANDÃO. 1998. v.. BRESSANO. O Projeto Didático. In L.br/index. ed. Corrêa.hsmglobal. Falta de profissionais qualificados em TI repete cenário da era industrial. BLATTMANN. LEITE. BRANDÃO. Escola Carlitos.0. 38 p. M. Rosa Maria de Paula. Acesso em : 25 Out.). BRANDÃO.com.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=2567.78 REFERÊNCIAS ANABUKI.com/editorias/falta-de-profissionaisqualificados-em-ti-repete-cenario-da-era-industrial> Acesso em: 30 Out. Disponível em: <http://www.unirioja. SILVA. BAUREN. ANDRADE. Ed. L. 2010.S. São Paulo: Atlas. 2008. Hugo Pena. 2. Acesso em: 16 out. 1996. Colaboração e interação na web 2. Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências.br/artigos/256/marcelo-mota-de-avo/04/10/2006/formacaodo-consultor-de-ti> Acesso em: 28 Out.br/beb/Monografias2006/mariana. Ilse Maria. jul./set. Gestão por competências e gestão do conhecimento. Neide A. LEHFELD.S.br/sys/materias/627/1/Perfil-doProfissional-de-TI-na-Era-do-Conhecimento Acesso em 15 Set 2010. ASSEF. Aidil J. Maria de Fátima. Alércio. Revista de Administração Contemporânea. Educação. Rio de Janeiro: Editora FGV. Disponível em: <http://br. p.-2. 2010.

São Paulo: Saraiva. Eloiza S.35. 2ª Edição.org. DELUIZ. Idalberto. Disponível em: http://www. Disponível em: <http://www. Nativos digitais: novos desafios à escola e ao trabalho docente.Rio de Janeiro. Disponível em: http://www. DEFFUNE. L. Porto Alegre: Artmed. 1999.2010. Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira. Manuel. Pesquisa – Empresa dos Sonhos dos Jovens. ARRUDA. ed. O perfil do profissional e um novo conceito em empregabilidade. DEPRESBITERIS.br/artigos/608/francielleventurini-dalla-lana/22/04/2009/desenvolvimento-de-software-comunicacao-x-sat.com. São Paulo: Makron Books. COUTINHO.cinterfor. DALLA LANA. 2003.ciadetalentos. CASTRO. 2002. Neise. COWAN. 2010. Developers‟ Magazine. 1994. Campinas. Qualificação versus Competência.br/esj/ Acesso em 7 Set. FERRAZ. CHIAVENATO.com.pdf> Acesso em: 28 Out. CIA. São Paulo: Atlas. S. Luciano Galvão. CERVO.uy/public/spanish/region/ ampro/cinterfor /publ/boletin/149/pdf/calmon. 2010. São Paulo: Editora SENAC. Pedro Luiz. G. Acesso em 25 Out.79 CASTELLS.htm. Andréa de Farias. 2010.d oc. Trabalho apresentado na „Conference of Management of Competence‟. Administração de sistemas de informação. Calmon. 2008. os negócios e a sociedade. Habilidades e Currículos de Educação Profissional: Crônicas e Reflexões. Metodologia Científica. A galáxia da Internet: Reflexões sobre a internet. John. Amado L. 2010. 2. Jorge Zahar. Ano III.G. OLIVEIRA. João Carlos. UNICAMP. . DURAND. Disponível em: http://www. Rio de janeiro: Ed. Como ser um Professor Universitário Inovador: reflexão na ação. CONCEIÇÃO. 2010. SP: Papirus. BERVIAN.. CHERMONT. D. 1998. Disponível em: http://www. Recursos Humanos. Oslo. CORTÊS. Pedro A.br/INFORMATIVO/BTS/273/boltec273b.virtualeduca. Acesso em: 25 Out. DE TALENTOS. Acesso em 07 Set.info/ponencias2010/90/nativos%20digitais_Castro_Oliveira. Francielle V. Competências. Maria. Forms of incompetence.baguete.senac. 2002. n. Desenvolvimento de software: Comunicação X Satisfação.. O Modelo das Competências Profissionais no Mundo do Trabalho e na Educação: Implicações para o Currículo. 2002. 1996. Traduzido por Ronaldo Cataldo Costa.

FERREIRA. São Paulo: Saraiva. 2001.com/Revista/Epoca/0.santana-esilva. Criciúma. O conceito de modelo de gestão de pessoas.br/rae/artigos/1459. FACIERC.EMI6406915228. S. Twitter vê e mostra tudo. maio/ago. 2. 2010. Ivan e Leal R. Acesso em: 30 Out. Edição Especial 2001. (org.1998. Acesso em 10 Mar. Inovação nas Organizações.. M.globo. São Paulo: Atlas. São Paulo: Gente. Acesso em: 07 Set 2010. FISCHER. SOUSA. Fundamentos de Metodologia. Acesso em 25 Set. Afonso.fgv. Daiane S. GARCIA.. L.pdf. André. A.K. Disponível em: www. Paulo Sérgio. 2010. "Introdução as Redes Eletrônicas de Comunicação.com. TAVARES. Tecnologia de Informação: planejamento e gestão.T. ABREU.23. 2009 .scielo. FLEURY. FLEURY. Disponível em: httpbocc.. Construindo o Conceito de Competência: RAC. FOINA. v. 2000. M. Carina J.br/pdf/rac/v5nspe/v5nspea10.).pdf. Disponível em : http://prof. Projeto pedagógico do curso de Sistemas de Informação.brpagbocc-twitter-tecninf. FLEURY. 1994.pt/gestao_de_empresas/trabalhos_07_08/word/Inova%C3%A7%C3%A3o%20n as%20Organiza%C3%A7%C3%B5es. Campinas: Instituto de Economia Unicamp. FERREIRA. Joel S. FAUSTINI.html. 2010. Acesso em: 20 Set. Disponível em: <http://grupodemidiasc. nº. Volney. 2010.L.80 MARTINS. O Twitter como Ferramenta de Comunicação Organizacional.pdf acesso em 07 Set. Departamento de Avaliação e Pesquisas Institucionais.pdf> Acesso em: 30 Out. 2010. Karen C. 2001. P. Odília. Brasília. 2010. Disponível em: http://revistaepoca. A internet como nova mídia na educação. Políticas de emprego no Brasil (pp. FLEURY. Paulo Sérgio. . FERREIRA. In Epoca. FOGAÇA. 30-45). 258-263. Disponível em: http://www16. Sara J. p. Faculdades de Ciências Economicas da Regiao Carbonífera.ogalileo.uff. Voce é nativo ou imigrante digital. São Paulo: Atlas. Sueli.com/upload/content/0_03.00O+TWITTER+VE +E+MOSTRA+TUDO. 2001 FRANCINI. Estratégias empresariais e formação de competências. D.br/cristianismo/artigos/voce-e-nativo-ou-imigrante-digital.pdf... Disponível em: http://www. A. In A. Robson T. Fogaça (Org. FACHIN.) Gestão por competências. A GESTÃO DO CONHECIMENTO: Conectando estratégia e valor para a Empresa. Maria T." Ciência e Informática. William S. A educação e reestruturação produtiva. S. In: DUTRA.

Paris: Les Editions d‟Organisation. Modelo de competências e gestão dos talentos. 34. em: . IBOPE Nielsen Online.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=Portal IBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Internet&docid=6F05B313D4B0445783257765004 B261D. Elian Alabi. 2010 GIL. 2007. Disponível http://professor. Acesso em 07 Out. 1994.ibope... Midia Social não é estratégia. 260 p.info/index. Disponível em: <http://dominioti. Prof. Acesso em: 07 Out. Editora: Cidade.com. GRAMIGNA. 1994. O mercado de trabalho de TI em 2010. 2010.htm> Acesso em: 30 Out 2010. 2. Analista de Mídia Social ou Analista de Redes Sociais Disponível em: < http://www.com/vidlib7/e2. São Paulo: Editora Gente. GALDINO. 2010. 3.rafaelgaldino. LÉVY. LEONARD-BARTON.ed. RJ: FGV. Disponível em: http://www. Mas afinal. 2010. a Sociedade do Conhecimento e a Educação para o Pensar.com/blog/2009/10/14/profissao-analistade-midia-social-ou-analista-de-redes-sociais/ > Acesso em: 16 Out.apinfo. Sergio. o que é “Tecnologia da informação”?. De la compétence.com/artigo82.wordpress.php/2010/midia-social-nao-e-estrategia/574. Acesso em: 04 Out. São Paulo: Ed.com/artigos/sociais/administracao/a--importancia-domapeamento-de-competencias-3006/artigo/. D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. OLIVEIRA. 2002. Pierre. Como elaborar projetos de pesquisa. Fabio. ed. G. São Paulo: Atlas. 2. Rafael. LUCCI. Antônio Carlos. GIORDANI. Acesso em 15 Ago. 2009.81 GARCIA.sergiojr. 5 ed. 2000. Comunica-MG discute cenário da internet e consumo de redes sociais no Brasil Disponível em: http://www. Cibercultura. A Era Pós-Industrial.hottopos. 1998. HENRIQUE. Maria Rita. Disponível em http://www. Fernando. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.com/2009/10/25/o-mercado-de-trabalho-de-ti-em-2010> Acesso em: 14 Jul.Leonardo R. SOA para Suporte aos Objetivos Estratégicos de Negócio das Organizações. 2010 HERRERA. Wagner.htm. A importância do mapeamento de competências. Disponível em: <http://www. LE BOTERF. 2010. JR.artigos. Manual de gestão de pessoas e equipes: estratégias e tendências / Coordenação de Gustavo Boog e Magdalena Boog. Rodrigo.

com.2010. Michael S. n. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. 31.mec. Acesso em 01 Ago.com. Developers‟ Magazine. Acesso em: 15 Out. Mídias Sociais e Empresas: Uma Relação de Sucesso.mestreseo. Brasília. 30. Robson. Ministério da Educação (2009). 1991.htm> Acesso em: 31 Out.net/cienceconempr/gestao/corecompetence. 2010. São Paulo. MATTAR. Fauze N. Disponível em: <http://midiaboom. A competência essencial. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Tim. MELO. Disponível em: <http://robsonmedeiros. São Paulo: Infinito. Chico. Pesquisa de Marketing: ed. 2010. 1999.gov.com/2007/09/perfil-do-analista-de-sistemas. v. p. compacta. 10-13.br/carreira/2010/01/22/o-que-deseja-como-pensa-e-age-ageracao-y/. Atlas. São Paulo: Integrare Editora. MORTON. 2001.html>Acesso em: 29 Set. Sidnei. Rio de Janeiro.br/redes-sociais/midias-sociaisempresas-relacao-sucesso> Acesso em: 31 Out. H. Paulo. Margareth.br monografias redessociais_comorganiz. MUNHOZ.82 MARTELETO. Larissa R. Disponível em: <http://portal. 1996. MICHEL.pdf Acesso em: 20 Set 2010. 2010. O'REILLY. Paulo. Perfil do Analista de Sistemas. n.aberje. In: The corporation of the 1990s . What Is Web 2.blogspot..html> Acesso em: 28 Out. MEDEIROS.uol. Ciência da Informação. NUNES. 2000.Information technology and organizational transformation. Oxford University Press.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20. Scott.com. OLIVEIRA.0: Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software Disponível em: <http://oreillynet. “Referencial de Sistemas de Informação – Bacharelado”. 2010.knoow.br/2010/02/23/o-bombeiro-das-redes-sociais> Acesso em: 31 Out. Bruno. 2010. MOREIRA. . Conceito de Core Competence. MEC. 2010./abr. O que deseja e como pensa e age a geração Y. Ano III. p.br/dmdocuments/ referencial_ humanidade. Você tem o perfil que o mercado quer ?. 2010. MONTENEGRO. 71-81.com. O Bombeiro das Redes Sociais. jan.pdf>. Disponível em: <http://www. Clayton. Regina Maria. Disponível em: <http://www. 1. NISEMBAUM. Disponível em: http://idgnow. Geração Y: o nascimento de uma nova versão de lideres. Disponível em: httpwww. MIRANDA. New York.

.brmonografiasredessociais_comor ganiz. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Acesso em: 31 Out. Acesso em: 01 Out.br/noticias/tecnologiapessoal/facebook-supera-400-milhoes-de-usuarios-21042010-17.shl>. In: XXVII Intercom. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Passado e futuro da era da informação. 1999. 2008. 9. Disponível em: http://200. PITHAN. 2004. A Influência das Redes Sociais da Comunicação Organizacional. RAPKIEWICZ.. p. A História da Internet.br/revistas/index. PRIMO. Teoria das Redes e Redes Sociais na Internet: Considerações sobre o Orkut. Acesso em: 07 Out.83 PAVARIN. Guilherme.intercom. 2007.Acesso em: 17 Set. QUINTÃO. O Gerente de projetos na empresa. RECUERO. RESENDE.shl. RECUERO. São Paulo: Atlas.com. Anais do XXVII Intercom. Roque.com. Flávia Ataíde. 2010. Porto Alegre. RABECHINI Jr.53. TECHNORATI. A Rede Orkut como Mecanismo de Vínculo Social e Produção de Conhecimentos. Lidia M.com/blogging/state-of-the-blogosphere/>. Disponível em: <http://info. Atualização de Profissionais de Tecnologia da Informação: Educação Continuada e Novos Métodos. 2010.0. Rio de Janeiro: Qualitymark.169. organizações e sociedade .portcom.com. 2004. Disponível em: <http://www. RANGEL.89/download/CD%20congressos/2001/SBC%202001/pdf/arq0058. State of the Blogosphere. Reposcom. Disponível em: <http://reposcom.php/buscalegis/article/viewFile/2621 /2192> Acesso em: 28 Out. Disponível em: http://info.br/bitstream/1904/16889/1/R1249-1.Laís Maciel. 2009 (Coleção Cibercultura).abril.pdf >. SEGRE. Alex.org. Redes sociais na internet. 2010. Ricardo P. 2010.aberje. Acesso em: 21 Set.ccj.ufsc.br/noticias/internet/facebook-esta-longe-do-orkut-veja-ranking24032010-40.Disponível:<httpwww. RANGEL. O aspecto relacional das interações na Web 2.buscalegis. Clevi. Ricardo. v. pdf.Patrícia L. 2010. Acesso em 20 Set. ROBERTO. 1-21.. Raquel. REUTERS. 2010. 2004. Paul Julius. 2000. os Weblogs e os Fotologs. Tecnologia Pessoal: Facebook supera 400 milhões de usuários. 2005. E.abril. Disponível em: <http://technorati. . Facebook está longe do Orkut. Raquel. 2010. ago.pdf>. Porto Alegre: Sulina. O livro das competências: desenvolvimento das competências: a melhor auto-ajuda para pessoas.

4. Florianópolis: Visual books. MENEZES. 2010.M.br/scielo. F.com. Colaboradores: José Augusto de Souza Peres. São Paulo: Atlas.brpapersregionaisnorte 2010resumosR22-0015 Acesso em: 01 set 2010. Lídia.br/faculdadefortium. 2010 SILVA. Vinicius Gadis..php?pid=S010019652004000100016&script=sci_arttext& tlng=es> Acesso em: 31 Out. Edna lúcia de. TCC Métodos e Técnicas.seminfo. AZEVEDO.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=Portal IBOPE&pub=T&db=caldb&comp=IBOPE+Intelig%EAncia&docid=3BF88551B2BA15 0183257769004BACA9. 2000. A. 2010. Cris. Sergio Amadeu. Disponível em: <http://www. P.pdf> Acesso em: 28 Out. Pesquisa social: métodos e técnicas. Disponível <http://www. N. Florianópolis: UFSC. FIALHO. Metodologia as pesquisa e elaboração de dissertação. SILVEIRA.soeaa. Sidnei Renato. R. Disponível em: <http://www.intercom. 2010. A.fortium. 1999. Luiza Elayne.usp. SANTOS. OTANI. Denis Alcides. SOUZA.pdf> Acesso em: 31 Out.org. 2007 SOUZA.br/~is/abc/abc/node20. A Arpanet.84 REZENDE. Ver. Rio de janeiro: DP&A. SILVEIRA.html> Acesso em: 20 Out.scielo. Disponível em: < http://www.. Atual. Imre.com. Software Livre e Globalização contra-hegemônica. ROTHER. Nero. Antônio Raimundo.br/61_soeaa/_textos_referenciais/texto_referencial_10.ibope. Disponível em: <http://www. 2005.br/arquimedes_belo/material/inclus ao_digital.br/anais/2009/pdfs/WEI_Tche/63357_1. C. O Uso de Mídias Sociais nas Empresas: Adequação para Cultura.br/pdf/ci/v32n3/19034. A era do conhecimento: os novos desafios para os profissionais de engenharia. Identidade e Públicos. RICHARDSON. Disponível em: http://www. Inclusão Digital. J. . Metodologia cientifica: conhecimento. Ed. 2010.scielo.com. Larissa M.org. ALVARENGA. 2010. et al. A Web Semântica e suas contribuições para a ciência da informação.. RIBEIRO. a construção do SANTOS. 2010. em: SOUZA. Estera Muszkat. 3.com. Ed.ime. Acesso em 23 Jul.pdf> Acesso em: 28 Out. SIMON. Metodologia para projeto de planejamento estratégico de informações alinhado ao planejamento estratégico: a experiência do SenacPR. Brasil está entre os dez países que mais acessam redes sociais.pdf> Acesso em: 10 Jul. Disponível em: http://www. Renato Rocha. Disponível em: <http://www. IBOPE. Uma Reflexão sobre a Construção de Currículos de Cursos de Sistemas de Informação.

O choque do futuro. 2010. Web 2. UNESP . Traduzido por HowStuffWorks Brasil.php?option=com_content&task=view&id=123&Itemid= 197> Acesso em: 20 Out.. Acesso em 30 Ago. 1995. Paris: Liaisons.com. Ivone Guerreiro. Acesso em: 04 Out. WIKIPÉDIA. Disponível em: <http://www.org/wiki/Lista_de_redes_sociais. Mário. Disponível http://pt. . 2010 VIANA. CASTON. Rio de Janeiro: Campus. 2010. Estágio e TCC de sistemas de Informação. TOMAÉL. TAPSCOTT. Art. Sistemas de Informação.asp?id=73931&titulo=Fernando_Viana. Objectif compètence: pour une nouvelle logique. Disponível em: http://www. 2010.scielo.edu.pdf> Acesso em: 31 Out. VERONI.com/2010/03/reportagem-especialanalistas-de-midias. OS NOVOS TEMPOS: A CONVIVÊNCIA DAS GERAÇÕES X E Y NAS EMPRESAS. Acesso em 25 set. Wander. Disponível em: <http://sin. Jonathan.brpdfciv34n228559. 1998. SVEIBY. Disponível em: http://informatica. Fernando.pdf. K. Acesso em: 19 Set. Como funciona o Facebook.br/sobre-o-curso/descricao> Acesso em: 20 Out. em: ZAFIRAN. ALCARÁ. Analista de mídias sociais ganham o mercado de trabalho. Rio de Janeiro.php Acesso em: 15 Out. Mudança de paradigma: a nova promessa de tecnologia da informação.hsw. Tecnologia da informação para gestão. Disponível em: <http://cafecomnoticias. 2010. Don.infonet. 2010 TRISTÃO. 3 ed. 1999. Disponível em: http://www. 2004.Universidade Estadual Paulista. Editora Record. Ephraim MClean e James Wetherbe. UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Adriana Rosecler.br/facebook.br/fernandoviana /ler.blogspot.falm.html> Acesso em: 01 Nov. Alvin. Sistemas de Informação. Lista de redes sociais.wikipedia. Trad. TOFFLER.uol.com. Porto Alegre: Bookman. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios do conhecimento.ufsc. UENP – Universidade Estadual do Note do Paraná. 2010. São Paulo: Makron Books.com/blog/wp-content/uploads/2008/08/0610433_2008_cap_2. TURBAN Efrain.inf.unesp. Renate Schinke.85 STRICKLAND. DI CHIARA. 2010. Maria Inês. 2010. Disponível em: <http://mtristao. 1972. Disponível em: http://www.br/index.br/guia/sistemas_info. P.htm.0: Estratégia e Usabilidade.

. Sandra Rejane Joaquim Cipriano Tiago Kamers Acadêmicos da 8ª fase do curso de Sistemas de Informação .86 APÊNDICE A: Questionário aplicado aos gestores das Organizações de diversas segmentações em Criciúma. Cordialmente. que a sua identidade será preservada. salientamos que os resultados servem especificamente ao trabalho em questão. a ser defendido em novembro de 2010. Assim. O tema está relacionado com levantamento das core competences de analista de mídias sociais. a amostra considerada são os gestores de recursos humanos que contratam tais profissionais. Caríssimo (a) Gestor (a). e ainda. Estamos lhe entregando um questionário que constitui o instrumento de pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso. Sem mais.FACIERC. agradecemos antecipadamente a sua participação. Na finalidade de buscar respostas próximas à realidade.

Qual o número de funcionários que a empresa possui? ( ) menos que 50 ( ) entre 51 e 100 ( ) entre que 101 e 500 ( ) acima de 500 4 – Sua empresa utiliza alguma mídia social atualmente? Caso sim.87 Questionário: 1. quais? ( ) Orkut ( ) Twitter ( ) Facebook ( ) Nenhuma ( ) Outros _______________________________ 5 – Você julga importante para o posicionamento organizacional a participação da empresa em redes sociais? Por quê? 6 – Em sua opinião. qual o impacto das mídias sociais nas organizações contemporâneas? .Qual o segmento que a sua empresa atua? 2.Há quanto tempo que a organização está atuando no mercado? 3.

( ) Competências técnicas: Conhecimentos específicos sobre o trabalho que deve ser realizado. ( ) Competências de serviço: Aliar a competência técnica à seguinte pergunta: qual o impacto que este produto ou serviço terá sobre o consumidor final? ( ) Competências sociais: Saber ser. ( ) Iniciativa e determinação ( ) Estímulo à inovação ( ) Relacionamento pessoal ( ) Conhecimento técnico 8 – Quais os requisitos principais para contratação de um profissional que trabalha com mídias sociais? 9 – O que a empresa espera ao contratar um profissional dessa área? 10 – Assinale as core competences que você considera fundamentais para um profissional analista de redes sociais. incluindo atitudes que sustentam os comportamentos das pessoas.88 7 . ( ) Competências sobre a organização: Saber organizar os fluxos de trabalho. sendo 1 a mais importante e 4 a menos importante. quais as características comportamentais que o profissional que trabalha com mídias sociais deve possuir? Enumere de 1 a 4.Em sua opinião. ( ) Outras _________________________________________________________ . ( ) Competências sobre processos: Os conhecimentos sobre o processo de trabalho.