You are on page 1of 14

Transtorno da Conduta e Comportamento Antissocial: O Jovem Infrator na Sociedade Atual

Ana Carolina Esteves Fenato1 Denner Octavio de Oliveira Dias2

Resumo: Com o objetivo de apresentar uma correlação entre o despertar do transtorno de conduta e do comportamento antissocial, apresentaremos de que forma ocorrem os respectivos problemas demonstrando a participação do meio social e familiar para a construção dos comportamentos acima citados, além de fornecer o resultado da pesquisa a que se refere à construção do problema em um adulto que certamente fora uma criança delinquente e um jovem infrator. Palavras Chave: Transtorno de Conduta, Comportamento Antissocial, Jovem Infrator. Abstract: Com o objetivo de apresentar uma correlação entre o despertar do transtorno de conduta e do comportamento antissocial, apresentaremos de que forma ocorrem os respectivos problemas demonstrando a participação do meio social e familiar para a construção dos comportamentos acima citados, além de fornecer o resultado da pesquisa a que se refere à construção do problema em um adulto que certamente fora uma criança delinquente e um jovem infrator. Key-words: Transtorno de Conduta, Comportamento Antissocial, Jovem Infrator.

Introdução

Pretende-se

com

o

presente

artigo,

demonstrar

o

desenvolvimento dos mais variados tipos de comportamentos delinquentes presentes em jovens infratores na sociedade atual. Sendo que estes desencadeiam diversos tipos de adversidades sociais causando problemas cada vez maiores e que prejudicam o
1

Acadêmica do Curso de Direito do 2º Semestre do ano de 2012 da Faculdade do Norte Novo de Apucarana – FACNOPAR.
2

Acadêmico do Curso de Direito do 2º Semestre do ano de 2012da Faculdade do Norte Novo de Apucarana – FACNOPAR. 1

com os ditames para proporcionar o crescimento de tais comportamentos. e por fim fora demonstrado as consequências de toda uma criação desregrada que contribui para a formação de um adulto delinquente. há de se ressaltar que muitas vezes crianças tidas como antissociais não tem o sentido voltado ao descumprimento de sanções criminais sendo que estas são chamadas de delinquentes. sendo que tais comportamentos 2 . e de difícil relação social entre os pares. Desta forma. apresentando de forma sucinta os temas acima referenciados. Do ponto de vista legal ou criminológico observa-se comportamentos que estão distantes dos tidos como legais. implicando-se no descumprimento de uma série de normas mantidas como necessárias para a manutenção do bem estar social. 1 Transtorno da Conduta e Comportamento antissocial: Uma Visão Geral Nos mais variados meios de divulgação da ótica visionária relacionada ao Transtorno de Conduta ou então de um possível Comportamento Antissocial levam-se em consideração basicamente dois aspectos: um legal. Porém. termo este utilizado para referenciar os menores infratores. Do ponto de vista psiquiátrico.desenvolvimento principalmente laborativo e de relações sociais dos jovens supracitados. fora subdividido em três grupos. também conhecido como Criminologia e outro psiquiátrico. demonstraremos de que forma a construção do comportamento do jovem delinquente se dá na sociedade atual. o primeiro com as definições em padrões gerais do transtorno de conduta bem como do comportamento antissocial. No decorrer deste artigo. com abrangência nas implicações sociais e familiares para a contribuição do despertar dos respectivos problemas. fora apresentado de que forma os pais como mantedores da educação básica da criança contribui para a formação de um possível jovem infrator. no segundo. os atos antissociais estão voltados a uma concepção mais abrangente.

p. p. utilizado no Brasil de forma bastante abrangente e limitadora para nomear problemas de saúde mental que causam incômodo no ambiente familiar ou escolar. Rio de Janeiro. Acesso em: 17/11/2012 5 BORDIN. Revista Brasileira de Psiquiatria. Revista Brasileira de Psiquiatria. OFFORD. David R. antes dos dezoito anos não se pode dar o diagnóstico de personalidade patológica para menores. Há de se ressaltar que o transtorno de conduta não pode ser interpretado com o termo distúrbio de conduta. Psicosite. crianças e adolescentes desobedientes. David R. 01. os jovens que apresentam tais distúrbios nem sempre preenchem critérios para a categoria diagnóstica transtorno de conduta. Isabel A. p.com. Como a personalidade não está completa. com atividades perigosas e até mesmo ilegais. Isabel A. II. São Paulo. Rodrigo. 22. 1. OFFORD.. S.psicosite. esse tipo de comportamento problemático deve alcançar violações importantes.1 Transtorno da Conduta Basicamente consiste numa série de comportamentos que perturbam quem está próximo. v. Esses jovens e crianças não se importam com os sentimentos dos outros nem apresentam sofrimento psíquico por atos moralmente reprováveis. O transtorno de conduta é uma espécie de personalidade antissocial na juventude. No entanto. 12. 22. 2000. Por exemplo. 4 MAROT. S. Portanto. v.htm#topo. Assim o comportamento desses pacientes apresenta maior impacto nos outros do que nos próprios. ed. mas a correspondência que existe entre a personalidade 4 antissocial e o transtorno de conduta é muito próxima. 3 . . com dificuldade para aceitar regras e limites e que desafiam a autoridade dos pais ou professores costumam ser encaminhados aos serviços de saúdo mental devido a distúrbios da conduta. Disponível em http://www. São Paulo. Transtornos da Conduta. 12.br/tra/inf/conduta.. o termo distúrbio de conduta não é apropriado para representar diagnósticos psiquiátricos. 2004.são condenados pela sociedade desde seu início podendo ou não 3 serem transgressões das leis estatais. 2000. além das 3 BORDIN. 5 Para ser considerado Transtorno de Conduta. II. ed.

In Infopédia . 7 ALMEIDA. até situações de breve intervenção medicamentos. p.com. PsicoWeb. “Este tipo de comportamento delinquente parece preocupar muito mais os outros do que a própria criança ou adolescente que sofre da perturbação”. p. laborativo ou terapêutico.expectativas apropriadas à idade da pessoa e. ainda que extremamente enfadonhos. Disponível em: http://psicoterapiamarinaalmeida. Comportamento Antissocial Entende-se por comportamento antissocial a existência de condutas e atitudes crônicas e continuas de violências e transgressões perante os outros. MOURA. que inicia na infância ou adolescência e persiste na idade adulta. 2010. E. Acesso em: 12/11/2012. J. Acesso em: 13/11/2012 4 .pt/$comportamento-anti-social>. psicofarmácos. Transtornos de Conduta.html. Estes comportamentos fazem parte dos indivíduos que sofrem de psicopatia ou sociopatia. 6 Os portadores de Transtornos de Conduta ainda não possuem um tratamento efetivo e reconhecido especificamente para esse estado. de natureza mais grave que as travessuras ou a rebeldia normal de um adolescente. O sujeito que utiliza este comportamento é considerado socialmente incompetente. Porto Editora. Disponível em: http://www. Disponível em: Acesso em: . Está presente um padrão invasivo de desrespeito e violação dos direitos dos outros. Precisamos considerar desde a gravidade e comprometimento do caso. Basicamente as intervenções são: psicoterapia individual ou grupal. Mas nem todos os indivíduos que sofrem de comportamento antissocial se transformam em 8 psicopatas. centros de convivência 7 ocupacional. G. Rodrigues. lares substitutos. grupos de orientação e apoio.br/2010/01/transtorno-deconduta.blogspot. 6 BALLONE.. 2003. 8 COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL. ao utilizar de mecanismos inadequados para a resolução de seus problemas. Consultório de Psicologia.infopedia. São Paulo. portanto. 03. C. Marina S.

Contudo. inflexível e prejudicial a si próprio e/ou aos conviventes. A ausência de qualquer sentido moral nestes indivíduos é uma das características que os fazem parecer completamente destituídos de qualquer caráter de humanidade. A maneira mais clara como a classificação deste problema vem sendo tratada é através da subdivisão em tipos de personalidade patológica. o modo como ele vê o mundo. Também as vinculações primárias consistem em um fator importante no desenvolvimento desses comportamentos em idade precoce. por exemplo. Normalmente esta é uma 5 . os pacientes antissociais frequentemente apresentam uma história de negligência infantil ou abuso por figuras parentais. ou de violações das normas sociais em vigor numa determinada comunidade”. um dos fatores mais influentes são as relações familiares. Caracteriza um estilo pessoal de vida mal adaptado. pois são muito vagas. a maneira como expressa as emoções. Os transtornos de personalidade afetam todas as áreas de influência da personalidade de um indivíduo. Este comportamento está muitas vezes associado a uma patologia narcisista e a ausência de remorso. o comportamento social. estas pessoas não atingiram o nível evolutivo da constância objetal e como tal falta-lhes um objeto interno maternal tranquilizador. Alguns autores que abordam o tema sob uma perspectiva desenvolvimentista atribuem aos estilos parentais e à carência de laços familiares. os comportamentos antissociais que ocorrem na infância. Estudos realizados acerca da origem dos comportamentos antissociais observaram que não há um único fator causal e sim múltiplos fatores que podem favorecer o desenvolvimento desse transtorno. Este é substituído por um introjecto agressivo.De acordo com Antonio Castro Fonseca (2004) ”Os comportamentos antissociais são definidos como um padrão estável de desrespeito pelos direitos dos outros. Segundo uma perspectiva psicodinâmica. Essas características. no entanto apesar de necessárias não são suficientes para identificação dos transtornos de personalidade. Para Mahler (1985).

influenciando o comportamento antissocial em seus filhos. uma vez que a criança é supervisionada pelos pais.br/ano11/art0511. abr-jun 2009. Crianças privadas da afeição tendem a manifestar os comportamentos numa esfera maior. Variáveis familiares preditoras do comportamento antissocial em adolescentes autores de atos infracionais. e se esse cuidador tiver a índole maléfica instigará a disrupção da criança. grita. Porto Editora. mente e até bate nas outras pessoas para conseguir o que deseja. e não é feito nada em relação a isso. 2 O Papel dos Pais no desenvolvimento do Transtorno de Conduta e no Comportamento Antissocial. Porto Alegre.pdf. 9 COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL. em um enfoque voltado para a educação permanente dos profissionais e esclarecimento à. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Quando criança. o que isso sugere é que eles buscam esperança na obtenção do que lhe foi perdido esperando encontrar em alguém um cuidador confiável. a tendência é que a situação vá se agravando. futuro adolescente e futuro adulto praticamente irrecuperável 10 emocionalmente. faz birra. Os mais variados tipos de transtornos se desenvolvem na vida de um jovem infrator desde sua infância. In Infopédia . vol. ou seja.polbr.infopedia. 25. Karine Carvalho. bem como os comportamentos antissociais que ocorrem na infância são protótipos de comportamentos delinquentes que poderão acontecer mais tarde ”. tornando-se insensível ao sofrimento alheio. 2003. chora. pais e educadores. 10 POSSI.pt/$comportamento-anti-social>. Disponível em: http://www. 11 Veremos que os pais acabam muitas vezes contribuindo para esse desenvolvimento. Acesso em: 10/11/2012. Acesso em: 19/11/2012 11 PACHECO. implica. “Os transtornos de conduta. 213. Disponível em: http://www. p. A abordagem do trastorno de conduta pela enfermagem. Janaina Thais Barbosa. não só em casa. Claudio Simon. tendo eles como modelo e agindo dentro de uma limitação que os mesmo colocam.med.perturbação de comportamento mais comumente relacionada com 9 atos criminosos. HUTZ. 6 .

a criança corre o risco de ter problemas de conduta e socialização entre os outros”. Efeitos das práticas educativas no desenvolvimento do comportamento antissocial. não questionam e nem querem saber sua vida. e mostrar que o choro não irá resolver. que sabem o que 12 GOMIDE. 39. O pai quando tem essa criança como sendo difícil. ed. 2. O pai então acaba perdendo sua autoridade e ela aprendendo que sempre que desejar algo do pai. p. imaginando que de alguma forma poderá conseguir tudo o que quer. Paula Inez Cunha. Paula Inez Cunha.13 Aqueles que acabam por estresse. os resultados poderão levar a formas de 12 comportamento antissocial. “Se os pais falham em assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento social de seus filhos. quando a criança chora porque quer alguma coisa e recebeu um primeiro não. Existem também pais que não acompanham seus filhos nas suas atividades. Menor infrator: A caminho de um novo tempo. 2009. na família. mas se não fez nada de errado. que os deixam largados. ao invés do pai manter sua palavra. 2009. 49. p. 7 . Menor infrator: A caminho de um novo tempo. ou por outros motivos batendo na criança independentemente do que ela fez. Em alguns casos porque não estão mesmo preocupados e preferem deixar que seus filhos aprendam com a vida. Determinantes do comportamento infrator. Curitiba: Juruá. e é assim que ela vai crescer. a partir do momento em que a criança começa a dar trabalho. Os pais começam a colaborar para o desenvolvimento desse comportamento. cansaço. Curitiba: Juruá. ed. achando que estes já são grandinhos para precisarem dar satisfações. acabam confundindo a sua cabeça. 2.Podemos dizer então que esse comportamento começa dentro de casa. a partir de como a família se comporta perante criança. fazendo o que querem. O pai deixa de ensinar para seu filho o que é certo e o que é errado e a criança cresce sem essa noção. se mostrando uma criança difícil de lidar. ela também vai apanhar. irá conseguir se chorar ou fazer birra. ela vai apanhar. prefere não se estressar. Quando as interações entre pais e filhos são mal-adaptativas ou desajustadas. uma vez que se ela fez algo errado. 13 GOMIDE. ele atende seu pedido.

não sabe nunca onde ele está. Janaina Thaís Barbosa. que acabam se esquecendo dos filhos. principalmente como a raiva e o medo. É muito comum entre os pais utilizarem de punições físicas para tentar educar seus filhos. set 2004. mas não para dentro de casa com seu filho. se dedicam inteiramente ao trabalho que faz. 8 . volta para casa no horário que quiser que os pais não ligam. e quando os vê fazendo algo de errado. 28. porque nem ele consegue parar em casa. uma vez que gera emoções negativas nela. já que ela resolve o problema a curto prazo. e assim. Em outros casos. apenas assistem. ao invés de mostrar a eles que não devem reproduzir certas práticas. Os filhos têm os pais como modelos. faz com que eles mudem seu comportamento para conseguir de volta aquilo que perderam. Famílias que possuem problemas já dentro de casa.fazem. fazem papel de meros espectadores. e deixam de dar amor e carinho e estarem presente na vida das crianças. Porém. acabam correndo atrás de tantas coisas que precisam resolver. muitas vezes traz consequências no futuro da criança. As formas que os pais procuram educar seus filhos faz toda a diferença no futuro destes. estão os pais que vivem ausentes por trabalharem demais. para não serem machucados ou presos por seus atos. que fazem dela um ambiente de brigas e discussões entre as pessoas que convivem ali ou 14 PACHECO. pais que são ótimos profissionais. A Construção do comportamento antissocial em adolescentes autores de atos infracionais: uma análise a partir das praticas educativas e dos estilos parentais. p. onde os pais privam seus filhos de algo importante para eles. como atos de violência por exemplo. Outro aspecto que assume papel determinante nas práticas educativas parentais refere-se ao conceito 14 social onde ocorrem as relações entre pais e filhos. É muito frequente também estratégias que incluem a privação de privilégios. alguns ainda querem ensinar aos seus filhos maneiras de se defender caso seja necessário. e pior que isso. Esses pais ficam tão preocupados e ocupados com seus problemas. O jovem então sai quando quer. porém existem muitos pais que não podem ser tomados como exemplo para que seu filho tenha um bom desenvolvimento social. Porto Alegre.

47. que se unem em busca de identidade. geralmente da mesma faixa etária. Paula Inez Cunha. grupos. como em famílias dilaceradas. perde o referencial mais importante que iria norteá-lo à sua maturidade. a discórdia e as separações conjugais. São formados. que o adolescente inicia suas relações sociais e a partir desse aprendizado é que ele irá compor as demais interações. 3 – O jovem infrator na sociedade atual. os problemas econômicos (desemprego). 9 . Estas. Efeitos das práticas educativas no desenvolvimento do comportamento antissocial. 2. muitas vezes seguidas de violência influenciam no aparecimento do comportamento antissocial. por sua vez. Favorecem o estresse dos membros da família. A influência dos pares é tão forte que mesmo em famílias bem estruturadas. p. a personalidade do adolescente será formada a partir dos valores dos seus pares. afetam as relações pais/filhos estão corelacionadas ao aparecimento do comportamento antissocial. justamente pela identificação comum. estes exercem sua influência. 15 A assistência familiar é de fundamental importância. a base para a formação do indivíduo maduro.vizinhos. Curitiba: Juruá. Famílias submetidas a estresse têm maiores chances de desenvolverem relações interpessoais indesejáveis. 2009. É a partir da palavra dos pais que o adolescente irá progredir rumo à maturidade. Os pares são pessoas ligadas. sem base de valores. Menor infrator: A caminho de um novo tempo. ed. a violência familiar. Logo. mas não de forma tão intensa. já que lhes faltou o apoio dos pais. Quando um adolescente é criado num ambiente familiar dilacerado. 15 GOMIDE. adulto. mais próximas. de vínculo frágil ou inexistente. É através da família que o adolescente aprende a subordinar – se à autoridade.

Há de se ressaltar que comumente se verifica que o jovem com esse tipo de comportamento dificilmente conseguirá ter um bom emprego. não irá conseguir parar em nenhum. colegas e professores. Assim. Adriano Sampaio.br/artigos/exibir/3987/O-adolescente-infrator. assim. Pag. vai fazendo com que ela ou qualquer um próximo a ele se distancie. Disponível em: http://www. Dentro destas formações por laços de mesmo interesse. quando adulto. ao contrário. instável. não tem respeito com ninguém mais. muitas vezes criam a falsa impressão de conseguiram prestígio rápido se vendo como alguém importante dentro daquele grupo. Janeiro 2008. ou por achar que não tem que receber ordens de ninguém. Assim desenvolvem tais comportamentos delinquentes.com. roubam. por ter interesses. Um jovem com esse tipo de comportamento terá complicações no seu futuro.direitonet. tratando ela como sua escrava e não sua mulher. consequentemente irá procurar um grupo onde se identifique. Outro fator que contribui para esse tipo de formação dos grupos supracitados se deve ao fato de que no Brasil. dificilmente conseguirá manter relações conjugais. nem dentro e nem fora de casa. onde o desemprego assola o país. devido a seus tipos de comportamentos. Acessado em: 16/11/2012. deixando difícil qualquer tipo de relação. 10 . já que quando jovem tinha tudo o que queria e nunca precisou fazer nada para ninguém. achando que sua companheira deverá satisfazer seus desejos a qualquer momento.Um jovem que se sente rejeitado por pais. em roubar o local onde trabalha ou coisa do tipo. 09. uma vez que será agressivo. ou não se manterá no emprego. o crime se apresenta 16 como uma forma de emprego muito atraente a estes jovens. onde um curso superior parece ser uma realidade distante. sobretudo nas classes baixais em que as pessoas não possuem qualquer qualificação para o trabalho. usam drogas. 16 MUNIZ. quando desempregado e sozinho. O Adolescente Infrator. uma vez que não conseguiriam almejar tal prestigio dentro da sociedade cotidiana. onde todos os componentes dele tenham e valorizem esse comportamento antissocial.

mas de outros iguais a ele. visto que não se trata de um problema Jurídico. viverá se escondendo dela com medo de ser preso por algum ato que cometeu. enxergando 17 no crime a forma mais imediata de ascensão social e de poder. A adolescência por ser uma fase turbulenta na vida da pessoa. por acabar comprando brigas ou até mesmo fazendo dívidas de drogas que não pode pagar. ainda mais para aquela parcela da população que não tem perspectiva de futuro promissor. onde nesta fase se consolida a maior percepção do referido comportamento. graças ao mundo que entrou e as amizades fez. bem como do comportamento antissocial ocorre principalmente pela influência dos pais que 17 MUNIZ. Adriano Sampaio. O adolescente encontra-se em uma fase em que as propostas criminosas são muito atraentes. das bebidas e da marginalidade.imagina que já não tem nada a perder. mas o que já foi feito não há como reparar. 11. esse adulto. O desenvolvimento do transtorno de conduta.direitonet. tão pouco Penal. podemos dizer que o transtorno de conduta é algo perceptível durante a juventude. viverá se escondendo não só da policia. se encontrem soluções eficazes para o fenômeno. o que se pode fazer é tentar parar com esses comportamentos. e então acaba se afundando mais ainda no mundo das drogas. que se inicia na infância. Conclusão O comportamento antissocial seria então um comportamento criminoso. Acessado em: 18/11/2012. De outro vértice. Por seus atos. em seu papel sócio-educacional. porém mais perigosos. requer especial atenção não só do Estado. O Adolescente Infrator. A Resposta Penal ao problema do Adolescente Infrator parece não ser o instrumento mais adequado. sendo este chamado de personalidade antissocial juvenil. 11 . irá acabar enfrentando mais problemas com a polícia do que já tinha. onde o indivíduo está em processo de formação. Disponível em: http://www. e vai se desenvolvendo da adolescência até a fase adulta. uma vez que nem emprego é capaz de arrumar. Isso faz da vida de qualquer um. um transtorno. devendo tal problema ser percebido por uma ótica psicossocial para que a partir disso.br/artigos/exibir/3987/O-adolescente-infrator. Pag. Janeiro 2008. ou pior que isso. mas também de toda a sociedade.com.

p.com. como os que foram tratados. Marina S. que por traz de um adulto com problemas. e se satisfazendo apenas em ver suas normas serem seguidas e se esquecendo de dar o mínimo de amor possível para seu filho. Podemos concluir então. Não adianta o pai dar tudo o que o filho quer fazer tudo para protegê-lo. o pai fazer de seu filho um “soldado”. Consultório de Psicologia. mostrando a eles o que é certo ou errado. Mas também não adianta não fazer nada disso. 12 .br/2010/01/transtorno-deconduta. Acesso em: 12/11/2012. aquele o qual se identifica. e. pois dentro desse grupo. mas imaginar que as crianças conseguirão crescer educadas por si só. por jovens com esse tipo de comportamento é dos pais. quando está com seu grupo. ou esperar que a escola eduque a criança e ser ausente na vida de seu filho. ou pior. tem um incentivo para praticar tais atos de violência. por ser bom no que faz. São Paulo. Um jovem infrator. 03. Disponível em: http://psicoterapiamarinaalmeida. por não ter dado pelo menos os elementos supracitados. através de práticas como furto ou roubo. o que podem ou não fazer.html. Referências ALMEIDA. por exemplo. por possuírem os mesmos comportamentos. Podemos dizer então que a maior responsabilidade culpa. no ponto de vista dos outros membros.blogspot. além disso. Rodrigues. 2010. se preocupando mais com seus problemas particulares e não incluindo seus filhos. que deve viver seguindo regras impostas por ele.não conseguem dar amor. trata-lo como se ele sempre fosse precisar da sua ajuda para decidir algo. ou pelo menos acompanha-lo e mostrar os caminhos certo a serem seguidos. pode se dizer que houve um jovem infrator. conseguir mais facilmente o que desejam. é considerado bom. atenção e nem acompanhar seus filhos nas suas atividades. que na sua infância não teve todo o amor que precisava apenas pais que não conseguiram ou nem tentaram dar uma educação digna a ele.

Revista Brasileira de Psiquiatria. 49. p. Nelson Iguimar. 2000. p. 2.psiqweb. 2008. Abordagem sócio-ecológica do comportamento antissocial em meio urbano. 39 -? GOMIDE.AMARANTES. São José do Rio Preto. p. Temas em Psicologia. e desafios ao tratamento. Personalidade Patológica. ed. Disponível em http://www.br. Denise Pimentel. Perturbação de personalidade antissocial: enquadramento jurídico legal. comorbidades. Isabel A. Campinas. 1-16. 2. Mariana. Douglas. Curitiba: Juruá. Análise Psicológica. ed. Transtorno de personalidade antissocial e transtornos por uso de substancias: caracterização. Comportamento antissocial infantil e seu impacto para a competência social. 22ª edição v. VALÉRIO. 2004. 13 . Paula Inez Cunha. 2002. social a BORDIN. Efeitos das práticas educativas no desenvolvimento do comportamento antissocial. 2003. Porto Editora.med. 2009. COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL. www. MACHADO. Portugal. Acesso em: 13/11/2012 COSTA.br/tra/out/personalidade. OFFORD. Curitiba: Juruá. Rio de Janeiro. Acesso em: 10/11/2012.. MARINHO. 141-147. Eixo do XIV Encontro em que se insere: Violência. 01.br/tra/inf/conduta. GOMIDE. Infopédia. v. IN: ______.psicosite. Espanha.pt/$comportamento-anti-social>. 47. 119-132. p. 2008. p. 1-14. p. Rio de Janeiro. David R. Delinquência juvenil: da disfunção psicopatologia.htm#topo. 01-12. Paula Inez Cunha. 2007. Transtornos da Conduta. p. p.com. CABALLO. Efeitos das práticas educativas no desenvolvimento do comportamento antissocial. 2009. Psicosite.. Paulo. Maria Luiza. Transtornos de Conduta . ed. 16. BENAVENTE. Acesso em: 17/11/2012.com. Disponível em: http://www. Saúde & Doenças. revisto em 2008. 01. Curitiba: Juruá.psicosite. Psicologia. Mundos Sociais: Saberes e Práticas. p. Transtorno da conduta e comportamento antissocial. Moura EC. BALLONE GJ. Maus tratos e tendência antissocial: alguns aspectos observados em crianças abrigadas. Menor infrator: A caminho de um novo tempo. 02. disponível em www. 12. MAROT. Paula Inez Cunha. p. 637-645. MAROT. 2009. Lisboa. Psicosite. Menor infrator: A caminho de um novo tempo.infopedia. Rodrigo. S. 2004.htm. Internet. Janelise Bergamaschi Paziani. Determinantes do comportamento infrator. LIMA. Vicente E. Menor infrator: A caminho de um novo tempo.pscicologia. 2011. 2. Rodrigo.pt.in. Cátia Susana Oliveira. MOURA. 2002. Acesso em: 14/11/2012. Renata. Marly A. São Paulo. PsiqWeb. FONSECA. nº 126. nº 1. GOMIDE. p. FERNANDES. Disponível em: http://www. p.

REPPOLD. O Adolescente Infrator. A Construção do comportamento antissocial em adolescentes autores de atos infracionais: uma análise a partir das praticas educativas e dos estilos parentais. em um enfoque voltado para a educação permanente dos profissionais e esclarecimento à. Naira Vassalo. nº 66. 91-103. Alessandra Turini Bolsoni. Felipe Filardi. Pag. Problemas de comportamento: um panorama da área. Acesso em: 19/11/2012 ROCHA. HUTZ. Crime – psicopatia. 2005. São Paulo. Nilton. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Acta Médica Portuguesa.br/revista/psicologia/146--vinculacao-ecomportamento-anti-social. PACHECO. Porto. p. Claudio Simon. SINTRA. p. p. Caroline. Catarina Isabel Fernandes. Janaina Thaís Barbosa. SOUSA. 152-161.com. 383-399. p. Vinculação e Comportamento Antissocial. 2011. PRETTE. Karla Cristhina Alves. Acesso em: 17/11/2012 PACHECO. 05. nº 02. NUNES. ALVARENGA. 2011. 2009. Psicanalítica revista de Cultura e Arte.com. FORMIGA. 29. Lilian Cibele Maia. Disponível em: http://www. Disponível em: http://www. Porto Alegre. Revista IMESC. Comportamento antissocial e impulsividade no transtorno de personalidade antissocial. 25. Almil Del. 2003. Adriano Sampaio.psicanalitica. pais e educadores. Variantes do transtorno antissocial e suas implicações em perícia. 291292. HUTZ. Fernando Pessoa. Hilda C. set 2004. Laura M. 14 . Porto Alegre. P. abrjun 2009. Janaina. Laura. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. v. POSSI. Condutas antissociais e delitivas e habilidades sociais em contexto forense. Revista Brasileira de Psiquiatria. v. SOUSA. 2010. p. 11-43.pdf. Cesar Augusto.br/ano11/art0511. p. OLIVEIRA.MORANA. 1-22. São Paulo. LOPES.direitonet. Psicologia Argumentativa. nº 02. SILVA. PACHECO. Janeiro 2008. 213.med. Acessado em: 16/11/2012. MUNIZ. Disponível em: http://www. 28. Variáveis familiares preditoras do comportamento antissocial em adolescentes autores de atos infracionais. Belo Horizonte. Patrícia. LAGE. 2009. sociopatia e personalidade antissocial. 2000. Claudio Simon. Psicologia: Reflexão e Crítica. vol.polbr. Perturbação da personalidade antissocial e inimputabilidade. 09. p. PICCININI. p. A abordagem do transtorno de conduta pela enfermagem. Karine Carvalho. Paulo. Janaina Thais Barbosa. Estabilidade do comportamento antissocial na transição da infância para a adolescência: uma perspectiva desenvolvimentista. Curitiba. Porto Alegre. 5561. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. p.br/artigos/exibir/3987/O-adolescente-infrator.