You are on page 1of 93

MARIDO E INIMIGO

Burning Memories

Laura Hardy

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

Egoísta, convencido, inconseqüente, Steve Howard entrou pela segunda vez na vida de Nicole, invadindo seu quarto e deitando-se em sua cama sem pedir licença, com toda a naturalidade de quem se acha no seu direito! Depois quis possuí-la à força, como se assim pudesse fazê-la esquecer o sofrimento e a mágoa que a ausência dele lhe causara. Mas ela nunca iria concordar que seu ex-marido lhe roubasse novamente a paz; não deixaria que Steve lhe arruinasse a vida, como havia feito com o casamento! Só não imaginava que ele tinha armas tão fortes para vencer sua resistência: as armas da sedução.

Digitalização: Nelma Revisão: Cassia

Copyright: © 1981 by Laura Hardy Título original: "Burning Memories" Todos os direitos reservados, incluindo o direito de reprodução total ou parcial sob qualquer forma. Essa edição é publicada por entendimento com Silhouette Books, a Simon & Schuster Division of Gulf & Western Corporation, New York, N.Y., USA Silhouette, Silhouette Romance e colofão são marcas registradas de Simon & Schuster Tradução: Suzana França Pinto Copyright para a língua portuguesa: 1984 Abril S.A. Cultural São Paulo Composto na Tipolino Artes Gráficas Ltda. E impresso nas oficinas do Círculo do Livro S.A. Capa: Ilustração Silhouette 2

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

3

Martin estava com a testa franzida. Deviam ter saído mais cedo da festa. Londres estendia-se à frente deles. só agora. ainda não. Alguns homens já tinham insistido com ela logo nas primeiras vezes em que saíram. — Sinto muito. Aquele temperamento sereno e confortador era uma das qualidades dele que mais a atraíam. Sabia que ele sentira novamente aquela tensão involuntária. A noite de primavera estava muito limpa e fria. E como. pensou Nicole. Só que.. Nicole encolheu-se. enquanto a levava para casa. chaminés e torres de fábricas. Martin olhou-a com receio e falou: 4 . metódico. especificamente? Martin tirou uma das mãos da direção e acariciou o joelho dela. sorrindo. Ambos sentiam-se cansados. dessa vez. principalmente em suas relações pessoais. Nicole baixou o olhar. A lua crescente brilhava como uma lâmina de prata polida. e sempre agia com muita cautela. Alto. Não posso. Logo percebera que não valeria a pena apressar-se em levá-la para a cama. Ficou embaraçada. querida. — Em você — ele respondeu.. — Sou muito paciente! Nicole suspirou. — Não somos mais crianças — continuou ele. — É verdade. Ele era calmo. Martin olhou para ela. Não falava muito. é que parecia preocupado com alguma coisa. ela também não era de muita conversa.. coisa bastante incomum. — No que está pensando? — Perguntou ela. Finalmente chegaram à casa de Nicole. — Há meses que saímos e nos despedimos apenas com um beijinho de boa-noite. rejeitando um envolvimento mais íntimo com alguém. mas o brilho alaranjado das lâmpadas nos postes ainda mantinha a cidade toda iluminada. — Está vendo? — Disse Martin. Ele estivera animado á noite toda e. num amontoado de telhados. — Não posso. Não consigo. — Respeito o seu ponto de vista. — Em mim? — Nicole riu. "De longe. Ela fez força para não se afastar dele. — A festa foi gostosa. Nicole encolheu-se dentro do seu aconchegante casaco de lã. — Que bom! — Mas sobre o quê.. Martin fora o mais paciente. loiro. — Mas será que consegue imaginar como eu me sinto? — Não pode dizer que estou sendo apressado. — É nisso que estou pensando. — Foi sim. ele era uma pessoa calma e segura. mas eu. a cidade parece um gigantesco acampamento militar". mas Nicole não se importava com isso. Martin não falava.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy CAPÍTULO I Londres dormia. entendo como se sente. Não era a primeira vez que discutia sobre sexo. torcendo os dedos.

Já fazia dois anos que morava ali. Nicky. no andar térreo de um casarão estilo vitoriano. Ao entrar no quarto. — Admiro sua integridade. — Estamos os dois cansados. contrastando com os cabelos negros e brilhantes. — Cada um na sua! Nicole sorriu. Virou-se de lado. Acendeu as luzes da sala e olhou à sua volta. os arregalou. O silêncio a oprimia tornava-a vazia e melancólica. Daria tempo de chegar até lá. O telefone estava na sala. naquele instante. Mas não queria pensar nisso agora. Será que algum vizinho a escutaria? 5 . Por que Martin tinha sempre de falar em sexo? Era a última coisa que passava por sua cabeça. agarrando o robe com as mãos trêmulas. Sentiu um corpo ao lado dela. já que o escuro era tão convidativo. mas. Ela a conchegou-se nas cobertas quentes e macias. Fechou os olhos. — Você é incrível. — Não devia ter tocado no assunto esta noite. quando estava naquele apartamento. Todas as vezes que voltava para casa sentia-se terrivelmente só. Nicky. Havia um homem em sua cama! Ela gritou ao mesmo tempo em que pulava da cama. — Vai ver que a minha é o "vamos esperar para ver". Mas. e fechou os olhos. Costumava tomar um banho rápido antes de se deitar. conteve o impulso natural de acender a luz. Gastara muito tempo e energia até deixá-lo confortável e aconchegante. Estremeceu. mas valerá á pena.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não fique aborrecida. — Mas sua atitude é muito antiquada. Enxugou o corpo. — As pessoas não vão recriminá-la. vestiu um robe e saiu. Suave e delicada. enquanto sua mente trabalhava depressa. no rosto. Tinha olhos grandes. Não era o frio da madrugada que a deixava assim. com pupilas negras. foi para o banheiro e olhou-se ao espelho enquanto tirava a maquilagem. Nicole ainda ficou observando o carro dobrar a esquina. Suspirando. Ouviu o homem se mexer. antes de entrar no apartamento. — Que tal um frango assado? — Ótimo. profundas e misteriosas. A companhia de Martin espantava sua solidão por algumas horas. era como se uma onda gelada a envolvesse. sem graça. Segurou-a pelo queixo e beijou-a ternamente — Ainda estou convidado para o almoço de amanhã? — Claro! — Ela saiu do carro. Gritava involuntariamente. sabia? — É verdade. Martin riu da expressão de desamparo do rosto de Nicole. Nada de carregar preocupações e ansiedade para a cama. sua expressão ocultava obstinação e muita força de vontade. — Meio dia? — Meio dia. — Ninguém contou a você ainda? — Estamos na era da liberdade sexual. para relaxar os músculos. Sua pele era bem clara. que emolduravam o rosto oval e bem-feito. O chuveiro quente fora providencial: já se sentia sonolenta e relaxada. Ele a acariciou com suavidade. Seria melhor deitar-se de uma vez. — Sorriu. no segundo seguinte. — Isso significa que também terei de esperar. O jato de água quente estava delicioso. — Trarei uma garrafa de vinho. sabia muito bem disso.

fui eu quem o comprou — respondeu ele.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy E. — Que chave? Nicole não estava gostando nada do modo insolente como ele a olhava. secamente. O homem percebeu sua preocupação e sorriu de novo. enquanto passava a mão pelos cabelos em desalinho. descalça só de robe. 6 . — Usei a chave. Parecia rouca fraca. ninguém quer se envolver com nada. Era o que normalmente o trazia de volta a Londres. — Este apartamento é meu e você não tem direitos sobre ele. fortes e bronzeados estavam nus. mostrando os dentes grandes e alvos. — Para falar a verdade. — Voltei hoje. — Não seja ridícula. — Ponha a roupa e saia! Sentia-se em desvantagem assim. não estou machucado. Talvez ele tivesse enfrentado fogo cruzado mais uma vez. — Se vista e saia do meu apartamento — ordenou ela. para ver se não estava ferido. sonolento. Nicole perdeu a fala e foi corando devagar. incrédula. — Que diabos. se ouvisse. Os ombros largos. Nicole ficou furiosa. a velha dor. — Isso me dá alguns direitos. nem do sorriso irônico e do brilho malicioso em seus olhos. não? Nicole rangeu os dentes. ou talvez fosse tarde demais. — Esqueceu que eu tenho uma? — Ele riu. Apertou o cinto do robe com força. viria socorrê-la? Hoje em dia. Ele encolheu os ombros. com as pernas de fora e os cabelos úmidos e desarrumados. eu também não me lembrava. — O que você está fazendo aqui? — Como entrou? Ela não reconheceu a própria voz. está fazendo? A voz a deteve. nas grandes cidades. — Á essa hora? — Á hora não tem nada a ver com isso. — Se não me engano. Quem sabe eles chamariam a polícia. recobrando-se do primeiro choque. Por um instante experimentara novamente aquela sensação de medo. e ela virou-se. — Pensei que estivesse na África. — O que está fazendo aqui? — Repetiu Nicole. — Não. — Tive sorte de encontrá-la em minha mala. ansiedade. O homem na cama a fitava. Uma lâmpada de cabeceira foi acesa. Ela o examinou apreensivo.

— Nosso apartamento. vai. e ainda sorria. — Nós concordamos. — Vamos resolver isso agora. — Quem você pensa que é? — O que está fazendo? — Entrando no meu apartamento. sim. — Se teve ou não. — Não estou a fim de discutir — gritou Nicole. — O seu advogado concordou.Fascinação nº 75 — Não vou a lugar nenhum. - Marido e Inimigo - Laura Hardy O homem fitou Nicole por alguns instantes.. — Pois eu diria que interessa e muito — murmurou ele. Aquilo era demais para ela! Sentiu o sangue ferver. eu estou morto de cansaço. nunca entregava os pontos. Olhou com ódio para aqueles cabelos negros espalhados no travesseiro. 7 . Aquele homem nunca. — Nosso apartamento. — Vá para o inferno. — Verdade? — Pois não teve o meu consentimento. — Nicky. ela desviou os olhos de seu corpo viril e bronzeado. — Eu vou dormir. — Ótimo! — Este apartamento é meu. — Meu. Deixava-a louca com tanta ironia. Depois. meu! Nicole estava tão brava que nem percebeu o olhar irônico dele. — Não me lembro de ter concordado com nada. — Ah. — Se vista e me entregue á chave do apartamento e saia daqui. — Que tal discutirmos isso pela manhã? Ele bocejou e sentou-se. nosso! Ela tremia de raiva. Marchou até a cama e acendeu a luz novamente. — Por que está gritando? Ele aparentava estar calmo sensato. Embaraçada. não me interessa. — Quero que saia imediatamente. — Não vou discutir com você.. com a testa franzida. — Não. apagou a luz. Mas Nicole sabia que era puro fingimento.

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

— Eu também estou. — Se você pensa que vou permitir que durma na minha cama, está muito enganado. — Quer saber o quê mais? — Não vou nem conversar com você enquanto estiver aí. — Vamos para a sala.
Pela maneira maliciosa dele sorrir, com os olhos azuis fixos na curva dos seus seios, Nicole logo percebeu que cometera um erro. — Bem, já que insiste...

O coração dela bateu forte quando ele puxou as cobertas e saiu da cama. Ela virou-se e saiu correndo do quarto, escutando uma risada atrás de si. — Vista alguma coisa antes de vir para a sala — avisou. — Meu Deus, como você é difícil! Nicole acendeu as luzes e foi ligar o aquecedor elétrico. Tremia de frio. O robe era curto demais e estava cansada. Aquele era o pior fim de noite que podia esperar: uma bri ga. Detestava
discussões; elas á deixavam doente. Já brigara muito com aquele homem, no passado. Acreditava que tudo tinha terminado...

"Oh, como é que ele ousou entrar no meu apartamento e instalar-se confortavelmente na minha cama?" Quando o escutou entrar, ficou tensa. — Está vestido? — Estou. — Agora mais essa! — Não me vá dizer que está com vergonha de me ver nu! Nicole se virou devagar, desconfiada. Ele estava usando um robe de cetim preto que ela lhe comprara, dois anos atrás. Raramente o vestia, por isso, ainda parecia novinho em folha. Nicole encarou-o com relutância. Nunca chegara a se acostumar com o impacto vital de sua aparência. Era um homem alto, esguio e forte, de um magnetismo físico tão evidente que era difícil desviar os olhos dele. Seu corpo musculoso movia-se com graça e determinação, tal e qual um animal predatório.
Seu rosto transmitia segurança. Os traços fortes, os penetrantes olhos azuis, as linhas irônicas do canto da boca. Os lábios eram grandes e incrivelmente sensuais. Fazia muito tempo que Nicole não o via. Sentiu o coração acelerar, a garganta pulsar, e desviou o olhar.

— Vai demorar muito? — Perguntou ele, seco. — Porque se for, é melhor eu beber um uísque. — Está muito frio aqui. — Não vai demorar nada. — Pelo jeito, vai. — Você está novamente com aquele ar obstinado. Nicole suspirou. — Você pouparia tempo e desgaste para nós dois se pegasse suas roupas e fosse embora. — Sem dúvida — concordou ele. — Mas acontece que estamos no meio da noite, e estou exausto. — O que quer que eu faça? — Que acampe em algum parque? — Não me interessa. — Você não vai ficar aqui. Ele enfiou as mãos nos bolsos do robe, e ergueu os ombros, tenso. 8

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

— Pelo jeito vou precisar daquele uísque. — Não tem. — Como não? — Ele foi até o armário onde ela guardava as bebidas. — Sua hospitalidade decaiu desde a última vez em que nos vimos, hein?
Nicole se conteve para não esbofeteá-lo. Viu quando ele pegou uma garrafa de vinho tinto, que ela guardava para o almoço com Martin. — Isso é tudo que você tem? — É. — Que tal um cafezinho? — Escute, quero saber o que você está fazendo no meu apartamento! Ignorando-a, ele dirigiu-se à cozinha, em silêncio, com os pés descalços afundando no carpete creme. Nicole mordeu os lábios. Era de enlouquecer! Ele não mudara em nada! O que podia fazer?

Seguiu-o. Estava com a cabeça enfiada na geladeira. — Não tem creme? Ela contou até dez. — Não. — Você sabe que gosto de creme no meu café — reclamou ele. Nicole conteve-se para não gritar. — Eu não o esperava tão cedo. Num instante o café estava pronto. — Hum, que bom! — Estava com saudades. — O café da África não tem gosto de nada!
— Steve! Ele virou-se, com os olhos azuis mais aguçados do que nunca. — Ah, então você ainda se lembra do meu nome!

Nicole sentiu um nó na garganta. — Não acho graça nenhuma. — Não estava sendo engraçado. — O olhar irônico percorreu o corpo inteiro dela, dos cabelos úmidos aos pés descalços. — Era assim mesmo que eu a imaginava. — Fez uma pausa. — Bem, quase. — Sem o robe. Nicole corou e ficou furiosa consigo mesma. Steve riu, divertido. — Pare de agir como se eu tivesse invadido sua casa para atentar contra suas virtudes, mocinha. — Tudo o que desejo são algumas horas de sono. — Por que não foi para um hotel? 9

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

A expressão do rosto dele alterou-se, empalidecendo estranhamente. — Eu estava cansado. — Queria dormir. — Faz três noites que não durmo. — Podia muito bem dormir num hotel. — Não. Steve olhou para a caneca de café. — Tinha de vir para cá — completou-o. Nicole franziu a testa. Havia algo de errado, percebeu de repente. Uma mudança indefinível no comportamento dele. Estava tão forte e viril como sempre. Mas, sob a pele bronzeada e os músculos robustos, ele parecia muito tenso. Era verdade que não dormia há três noites, a boca estava vincada e seus olhos denotavam um cansaço que ela jamais vira. — O que aconteceu? Ele passou a mão pelos cabelos. — Tive uma semana péssima — disse finalmente, fingindo indiferença. — A pior da minha vida. Steve pegou uma caneca e entregou-a a Nicole, que a aceitou, trêmula de frio. Era gostoso sentir as palmas das mãos aquecidas pelo café.
Os dois foram para a sala e sentaram-se em frente ao aquecedor. — Tinha me esquecido do frio de Londres nessa época do ano. — A primavera está demorando.

Ele tomou um gole de café. — Como está no novo emprego? — Muito bem. Fazia seis meses que Nicole estava trabalhando no suplemento feminino do jornal, desde que Steve se fora pela última vez. Agora se sentia muito melhor e já se acostumara com o novo serviço, bem mais tranquilo que o anterior, quando ficava na reportagem.
Depois que mudou de seção, não teve condições de tomar conhecimento das notícias do dia-a-dia. Mas, pela televisão, soube de uma guerra civil na África, no país onde Steve estava trabalhando. Aliás, foi por esse motivo que ele foi enviado para lá. Só ia aos lugares atribulados do mundo. Ao menor sinal de guerra, lá estava ele. Ela o fitou, preocupada. O que havia de errado, afinal? Ele parecia distante, perdido em seus pensamentos... Steve nunca falava sobre o trabalho; escrevia suas reportagens dava por encerrado o assunto.

Fora exatamente por causa dos seus relatos objetivos, que obtivera ótima reputação nos meios jornalísticos. Era famoso por seu estilo conciso, livre de adjetivos e parágrafos longos. — O jornal sabe que você voltou? — Claro! — Eles estavam me esperando, hoje.
— Bem, pelo menos alguém sabia. — Está zangada por que eu a surpreendi?

10

— Por que não me telefonou? — Cheguei às nove horas da noite — respondeu ele.Fascinação nº 75 — Não era para menos! — Você quase morreu de susto? - Marido e Inimigo - Laura Hardy — O que é que você acha? — Ela perguntou furiosa ao se lembrar do terror que sentira quando o encontrara em sua cama. sarcástico. Será que ele também iria ignorar o fato de estarem se divorciando? Steve mordeu os lábios com ironia. como sempre. Mas Steve Howard entrara em sua vida para lhe provar o contrário. 11 . Steve bateu com força a caneca sobre a mesinha. — Bom. — Mas você não estava aqui. Ele estava super bronzeado. — Faça o favor de pegar suas coisas e ir embora. — Há semanas que não vejo ninguém da reportagem. se eu tivesse pedido sua permissão. Steve deu mais uns goles no café. Nicole seguiu-o. sem me consultar. pacata. Steve levantou-se da poltrona. E puxou-a com força para si. Agarrou-o pelo braço. o que é que você me diria? — Que não dava. o robe de cetim abriu-se. deixála a ponto de perder a cabeça e querer agredir todo mundo. cravando as unhas no cetim macio. Nicole baixou os olhos depressa. mostrando a coxa musculosa. — É verdade — disse ele. se a discussão acabou.. — Ainda não acabei. — Ainda não falamos sobre o principal. — Deve ser muito chato. e seus olhos azuis pareciam ter luz própria. por um instante. — Escute aqui: eu vou voltar para a cama. Mas os lábios tentadores já tocavam os dela. — Você parece que não quer entender. — As coisas são mais fáceis na seção feminina. de tão claros. encarando-o. — Levantarei quando quiser. assustando-a. — Foi muita petulância de sua parte ter entrado no meu apartamento e deitado na minha cama. — Agora esta é a minha casa. — Vou dormir e ponto final. — O apartamento estava vazio. — Eu não fazia idéia de que era você. — Não tenho saudades de lá. — Você não ousaria! — Disse Nicole. — Escute. — Vamos acabar com essa conversa bem comportada? — Interveio Nicole. de maneira nenhuma! — A admitiu.. Sempre se achara uma pessoa suave. — Não se arrependeu? — Não. — Não devia ter vindo para cá. — E nada de me acordar cedo. — Podemos discutir sobre isso amanhã. — Você está se esquecendo de uma coisa! — Gritou possessa. — Está vendo? — Foi exatamente isso que eu pensei. trêmula de raiva. beijando-a com muita sensualidade.

sorriso gentil. suave. mas alguma coisa fez com que hesitasse. Sentiu um calor gostoso. ouviu o ruído do colchão. passando a mão sobre os lábios. Steve aproveitou a hesitação para apertá-la ainda mais contra si. — Tão exausto que mal consigo manter os olhos abertos. trabalhando no mesmo lugar. Ele não respondeu. Steve enxergava o casamento de uma forma totalmente diferente da sua. Se não estivesse tão louca por ele. no minuto em que sair dessa cama — gritou. cedendo sob o peso dele e um bocejo preguiçoso. — Vai embora amanhã cedo. Alguém que ignorava suas constantes súplicas para que mudasse de vida. convencido. Assim. pensou. Enquanto Steve estava fora. — Basta! — Por hoje tem de bastar mesmo — concordou ele. Ele devia escolher. Talvez por serem totalmente opostos. detestava a violência. assim que seus olhares se cruzaram. O jornal já lhe oferecera cargos melhores. 12 . e não na outra face do planeta. rouco. Gostava de ficar em casa. que Steve sossegasse. a virilidade daquele homem era muito forte e aguçada para deixá-la tranqüila enquanto ele ficava meses fora. Steve virou-se antes que ela pudesse detê-lo. secretamente. Egoísta. "Isso é loucura". sofria pelos riscos que ele podia estar correndo e temia por alguma notícia ruim. e precisava arriscar-se.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole tentou empurrá-lo. Nicole sentou-se em frente ao aquecedor. Além do mais. e viu a cabeça morena afundada no travesseiro. e teve de voltar às pressas para ser operado em Londres. Nicole era delicada." Ela caminhou até o quarto. Depois do casamento. enfrentando o perigo constantemente. foi inevitável que se conhecessem. frágil. Saiu e bateu a porta com toda a força. com os punhos cerrados. Nicole teve de aprender a conviver diariamente com o seu medo. Era raro encontrá-lo em casa. Apaixonara-se à primeira vista. excitante. Era difícil acreditar que ele não tivesse outras mulheres. Steve Howard jamais poderia ter entrado em sua vida. Tinham temperamentos muito diferentes. trêmula de nervosismo e frio. menos arriscados. Sua feminilidade era tão acentuada quanto á masculinidade dele. Daí aconteceu o inevitável: Steve feriu-se enquanto cobria uma guerra no Oriente Médio. pacata. e por isso ela vivia em constante tensão. às voltas com alguma missão em outro país. Nicole ficara tonta com a sensualidade de Steve. mas ele também gostou dela de imediato. de fora. correndo por suas veias. "Não posso deixar que faça isso comigo. Foi aí que Nicole deu-lhe um ultimato: ela ou o emprego. Tremendo. teria enxergado que não iria dar certo viver com um homem que nunca ficava no mesmo lugar. — Estou cansado demais. O casamento deles tinha sido um desastre desde o primeiro dia. de modo que ela sentisse completamente a força de seu desejo. Nicole queria o marido a seu lado. Nicole conseguiu se safar. Nicole era gentil. esperava. Nicole viu a luz do quarto se apagar. Mas ele recusara. Nunca chegou a compreender direito por que. inconsequente. desistindo do perigoso noticiário internacional e pegando um emprego fixo em Londres. Não tem o direito de entrar na minha vida de novo. Mas. tinha os olhos doces.

nada menos que o massacre de mais de trezentas mil pessoas! 13 . Seus olhos se arregalaram com o que leu na primeira página. Assim que Steve se restabeleceu. Nicole deu entrada com os papéis de divórcio. Forçou-se a sair com as amigas. Num destes encontros. Passou a vê-lo mais vezes. Nicole pegou um cobertor e arrumou-se como pôde no sofá. Começou a ficar com raiva. Não teve mais notícias dele. Seus olhos estavam secos e ardiam. sem levá-la a sério. Apesar de Nicole nunca ter dito que se casaria com ele. conheceu Martin. Nicole logo lhe informou que estava se divorciando. a festas. recebeu uma carta dele. Foi até á porta. a idéia já estava em sua cabeça.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy A princípio. na cafeteira. voltou para o Oriente Médio. Acordou assustada quando o jornal foi empurrado por baixo da porta. Não estava segura ali. Apegara-se muito a Martin. Parecia uma presa indefesa nas patas de um felino. sentindo-se a última das mulheres. Precisava de carinho. e que ainda não se achava pronta para um novo relacionamento. Ele presenciara nada mais. sarcástica e irônica. Cada vez que ele tentava argumentar. "Um anão se sentiria melhor aqui". também sentiu uma grande atração por ela. pensou ela. Não deixaria que Steve arruinasse a sua vida. Ele era paciente. foi se infiltrando devagar na vida dela. Então era por isso que Steve parecia tão cansado e perturbado! Havia estourado uma rebelião sangrenta no país em que estivera trabalhando. tratando-a com muita delicadeza e ternura. ao teatro. ela já tinha feito suco de laranja e torradas. de conforto. embora se sentindo um pouco culpada. Dia após dia. agora. Steve riu. quebrada. sem responder. embora não sentisse por ele a mesma atração avassaladora que tinha por Steve. Levantou-se. No começo. Sentouse à mesa e começou a comer. trancou-se dentro do apartamento. Mas a obstinação de Nicole venceu. depois de a separação se consumar. Depois disso. na África. ela dizia: "Eu ou o emprego". enquanto tentava se espreguiçar. por seu jeito meigo e gentil. ir ao cinema. brincando. Dava-lhe segurança. Com o amor de Martin foi bem mais fácil de conviver. Quando o café ficou pronto. Ele a fazia sentir-se amada. Martin. mantendo-o sempre à distância. querida. as costas lhe doíam. Baixou o jornal devagar. naturalmente. dando uma folheada no jornal. Ficou tão furiosa que a rasgou. Logo se sentiu atraída por sua calma e firmeza de caráter. Imediatamente. e dirigiu-se para a cozinha. e menos perigoso. CAPÍTULO I I Durante a madrugada. por sua vez. pegou o jornal e o leite. sem ter um homem sempre a seu lado. O casamento tinha acabado. O sofá-cama não era como lhe tinham dito quando o comprara nada confortável. Ela não se submeteria mais àquela tortura de estar casada. E Martin compreendeu.

— O consulado? — Sim. Suas pernas estavam nuas sob o robe negro. Estava absorto e muito cansado. — Ele foi até o bule de café. com frieza.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Como tinha escapado vivo? Nicole estremeceu. Perdera a fome. Tinha de sair de perto dele. e correu para a porta. Ela o observou enquanto se servia. Não conseguia mais ler. — Deus sabe se vivo ou morto. que. Steve pôs um pouco de leite e depois bebeu devagar. Por que ele insistia em manter aquele emprego de correspondente internacional? Já não tinha visto a morte de perto o suficiente? Não estava cansado de presenciar tanto sofrimento? Um dia sua boa sorte o abandonaria e ele terminaria como os homens. — Claro que é! — Concordou Steve. — Senão. — O consulado britânico de lá já me avisou: se eu voltar. — Tenho certeza de que você está louco para voltar — disse. seu corpo estremeceu num longo suspiro. — Foi pior do que aquilo que você escreveu no jornal? — Perguntou Nicole. — A cidade parecia o inferno. Steve fitou-há por alguns instantes. mulheres e crianças massacradas daquela cidade: abandonado numa vala qualquer. Levantou-se num ímpeto. com os lábios trêmulos e os olhos úmidos. zanga! Ao ouvir a voz irônica e grave. Os detalhes eram tão dolorosos que. Nicole virou-se depressa. controlando a raiva. a primeira página é sua — ela respondeu amarga. ainda estaria preso por lá. — Nossa. com os olhos semi-fechados. Levantou-se e jogou a torrada na lixeira. sentia o estômago embrulhar. atirando o jornal para o lado. — Ainda está quente? — Está. Nicole tornou a sentar-se. com ironia. Steve sorriu amargamente. tensa. — Deve ter sido horrível. — Não se preocupe. em voz baixa. Nicole prendeu a respiração. Nicole estava à beira da histeria. amassou-o e jogou-o para o outro lado da cozinha. serei morto na hora. deixando a cadeira cair para trás. — Aonde você vai? — E o meu café? 14 . mesmo não estando lá. — Vejo que você andou se informando sobre as novidades do mundo — falou. Olhou novamente para o jornal. — Foi por intermédio deles que voltei. ou seria capaz de gritar e descabelar-se. — Está subestimando a verdade. Num impulso de raiva. com o mesmo tom de voz.

Martin a ouvira com toda a delicadeza. embora os dois nunca tivessem se encontrado. Steve rira baixinho. lembra-se? — E já viajei por todos os cantos do mundo. A ducha quente a acalmou. foi? — Perguntou. até que ela sucumbisse às suas caricias. já questionara Steve sobre o assunto. ainda mais seminu. — Por que é que seus olhos ficaram verdes. aliviando sua tensão. aos prantos. Ficou ali bastante tempo. e a seguir quero Bateu a porta da cozinha e entrou no banheiro. — Sei disso. Apoiou-se na pia. pegaria aquela chave de volta. odiando-o mais do que nunca. controlada. — Ele não a merecia. Nicole ensaboava-se. — Por que não me fala sobre as suas também? — Meu passado é bem mais movimentado do que o seu. — Nicole. Recebeu-a na mão. — Pois eu lhe diria algumas verdades. Abriu os olhos depressa. quando ela lhe contara sobre o seu casamento com Steve. — Sou dez anos mais velhos. Não iria ser fácil explicar a presença do ex-marido ali. tentando afastar as lembranças. Isso lhe dava duas horas para livrar-se de Steve. E antes que ele saísse. — Não acredite nelas. ah. Nos primeiros meses de casamento. Ela parou. Martin. — Não foi um casamento de verdade. mas não se virou. — Verdade — concordou ela. — Ele é do tipo que tem uma mulher em todos os portos. — que saia do meu apartamento. — afinal? — Então há um passado? De que adianta reviver o passado. pois as lágrimas já corriam livremente por seu rosto. sentindo a água correr pela pele. Vou tomar um banho e me vestir. certamente chegaria exatamente ao meio-dia.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy A voz de Steve estava calma. não há nada mais antigo do que um velho caso de amor. irônica. — Homens assim não devem casar-se. — Imagine todos esses meses trabalhando fora! Nicole cerrou os dentes. querida — dissera ele. — Aí tem pão. É lógico que já imaginara isso. de repente? — Eu lhe contei tudo sobre meus exnamorados. manteiga e geléia. — Sirva-se. Pensou em Martin. Tinha que se livrar de Steve antes que o seu convidado chegasse. — São histórias. — Gostaria que ele pudesse ouvi-lo agora. Não esperou para ouvir a resposta dele. 15 . O olhar dele se modificara. Começara a beijá-la com prazer. divertido com o ciúme dela. se pegaria! Imagine. chocada. ele era bem capaz de usar o apartamento enquanto ficasse em Londres! Esticou o braço para apanhar a toalha. ovos. claro. — Não precisamos de nada disso. Ele sempre fora pontual. — Esqueça o passado. minha querida. Martin sabia de Steve. você é pior que a polícia secreta! — Escute querida. pingando.

quer fazer o favor de vestir-se e ir embora? Ele desligou o rádio. — Vou dormir mais um pouco. — Agora pretendo descansar por mais doze horas. desafiando-o. — Está dificultando as coisas para mim. — Não vou a lugar nenhum. 16 . Durante o casamento. — Por que não? Nicole respirou fundo. — Fica bem assim — continuou ele. embaraçada.. surdo aos protestos de Nicole. Desviou os olhos. haverá comentários. Amarrou a toalha em torno de si com as mãos trêmulas.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Os olhos azuis de Steve passeavam pelas curvas bem-feitas do seu corpo. Steve deixou o robe cair no chão. — Como ousa entrar aqui? — Saia. — Gosto de garotas magricelas. — Planejei ficar hospedado aqui. — Você está louco? — Não pode. e passou por ele com toda a dignidade possível. E ele foi saindo. — Você emagreceu. ela perdera muito peso. — Steve nós estamos nos divorciando. Trancou a porta do quarto e vestiu-se. — Por que não vai para um hotel? — Por que deveria? — Esta é a minha casa. — Fez uma pausa. depois. — Depois. — Não é mais. o seguiu até o quarto. Nicole esforçou-se para manter a calma. Ela empinou o nariz. Jamais o recuperara novamente. Minutos mais tarde. o corpo acanhar-se diante daquela inspeção. Steve ouvia o rádio na cozinha. Nicole engoliu em seco. — Estou aqui só por uma semana. as coxas cobertas de pêlos. saía com um jeans justo e uma camisa de seda branca. seus cabelos estavam molhados e rebeldes.. que. depois volto para o Oriente Médio. — Não deve ficar. — Se alguém descobrir que você está morando comigo. — Ainda estou cansado. gracinha. — Não ouse. — Estou esperando alguém hoje. esticando os braços para cima. diante dos ombros musculosos e bronzeados pelo sol quente da África. Steve deitou na cama e espreguiçou-se. Ela sentiu o sangue ferver. — E agora. Ele bocejou. furiosa. Nicole sentiu os seios enrijecerem. — Escute. Sem avisála. os quadris estreitos. Ele também tomara um banho. — Não mora mais aqui.

— Não? — Ergueu as sobrancelhas. — Martin e eu não.. ou sobre o cretino do seu namorado.. — E daí ele fará de você uma mulher honesta? — Grande! — Coloque-me a par dos detalhes românticos mais tarde. — Sua voz estava rouca. e não saber dos segredos da sua vida amorosa. — Dê-me o nome.. — Ele? — Sim — respondeu ela. — Então saia daqui e me deixe em paz.. fechando a porta atrás de si. combinado? — Agora quero dormir. — Só desejo dormir dias e dias e apagar tudo da minha mente. — Bem.. Ele fechou os olhos. — Mas não quero que esteja aqui quando ele chegar. Ele sentou-se num impulso. — Mas acontece que eu preciso muito mais da cama que vocês — continuou ele. ignorando-a. que daria o mundo para esquecer. — Escute aqui. que cara paciente. mas seus olhos azuis tornaram-se.. Foi até á cozinha como um boneco. — Martin. — Será que você não percebe que estou morto de cansaço? — Vim até aqui porque necessitava de um lugar seguro para ficar. — Esperando quem? Nicole estava com os nervos à flor da pele. ameaçadores e frios. — Está preparado para esperar até que o nosso divórcio seja homologado e daí. — E é mesmo. Dito isso.. não compreende? — Minha cabeça está cheia de imagens horrorosas que não desejo lembrar. encarando-o. — Não! — A interrompeu. Nicole sentiu-se insultada. — Não quero falar sobre o divórcio. mas não demonstrou nada. Não. o apartamento. Depois sorriu. Por um instante. — Martin Eastwood. sinto muito por atrapalhar o seu encontro. fulminando-a com o olhar. — Imagino que seja muito inconveniente para você estar com a cama ocupada.. furiosa. — Como ousa sugerir. — Vão ter de se virar com o sofá.. olhando através da janela sem ver nada. diabolicamente. Steve.. completamente consternada.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ele não se moveu. Steve não disse nada. Nicole examinou seu perfil de bronze em silêncio. perplexa.. Ergueu a cabeça e disse: — Não é da sua conta.. de repente. Depois saiu devagar. ele deitou-se e cobriu-se até a cabeça.. — Vá para o inferno! — Rugiu. Nicole ficou ali parada. irônico. 17 .. — Pobre Martin.

. Os editores deviam ter diluído e amenizado a reportagem para o público. estremecendo. Pelo amor de Deus. apenas uma parte dela. lendo o jornal". Dizia que os jornais nunca publicam a verdade. sem nenhuma emoção. Finalmente. Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Que memórias horríveis ele teria trazido consigo da África? Era raro envolver-se tanto com um trabalho. já que não escrevera nem falara nada nos últimos seis meses. Não adiantava procurar por uma pista no jornal. Onde é que ele estava? Será que já tinha saído para vir almoçar com ela? De repente. culpada. mas nunca demonstrara nada a ele. E. pensou. lêem distraidamente as atrocidades da primeira página. tentou falar com Martin novamente. Foi preparar o almoço.. deixaria o emprego de correspondente e passaria a fazer reportagens em Londres mesmo. sentia-se insegura. mais alto. quase sempre viviam separados. Será que Steve acreditava mesmo que ela podia dormir com alguém como se bebesse um copo d'água? Que tipo de pessoa ele pensava que ela era afinal? Se for essa a imagem que fazia dela. sempre reclamava sobre isso. no entanto hoje. Na convulsão.. Se ele a amasse de verdade.. Pensou em Steve. o conhecia? Eles nunca tinham estado juntos por muito tempo. Fechou os olhos. cuidadosamente selecionada. Por que ele tinha voltado para casa? Ela pensava que Steve tivesse aceitado o divórcio. Suspirou. Arrepiou-se toda. Que reação poderia esperar de seu marido ao tomar conhecimento de que estava saindo com outro homem? Não sabia. com aquele ar dominical de sempre. Costumava relatar tudo friamente. seus olhos conseguiram focar a paisagem. — Pelo amor de Deus. "Enquanto saboreiam uma xícara de chá. mas agora. ele a agarrou pelos pulsos com toda a força. E. 18 . Depois de ter colocado o frango no forno. mais uma vez." Sacudiu a cabeça. procurando afastar as lembranças negativas. magoada. com os dedos fortes em sua garganta delicada. seu corpo convulsionado se debatia sob as cobertas. ouviu um grito abafado. Ele nunca. Só tinha certeza de que não estava esperando piadinhas cínicas. depois de sua súbita explosão. ele teria ficado ao seu lado. O que era aquilo? Outro grito. Nicole desligou.. jamais. puxando-a e debatendo-se. Steve deu outro berro de arrepiar. Tentaria novamente mais tarde. Aquilo era insuportável! Que imagens horrorosas deviam passar por sua mente? Inclinou-se sobre ele. com a testa franzida. No instante seguinte... O melhor seria ocupar-se para não pensar muito.. Na noite anterior ficara com raiva dele. Mas. O telefone tocou várias vezes. — Steve. acorde. estava sobre ela. não obteve resposta.. desesperado. E Steve. demonstrara insegurança. As ruas estavam desertas. então não a conhecia. mas ninguém atendeu. Lembrou-se de Martin. Nicole aproximou-se da cama. assim como os outros repórteres. Deus! Não podia deixá-lo vir almoçar. teria sido infiel enquanto estivera fora? A suspeita sempre existira no fundo de sua mente. Steve teria rido dela. E ela. segurando-o pelos ombros. — Steve! Steve! — Gritou Nicole.. Steve sacudia a cabeça. Mordeu os lábios. Ele estava tendo um pesadelo. e provavelmente não responderia à sua pergunta. Abriu a porta silenciosamente. "As pessoas devem estar na cama. — Steve. desesperada. Levantou-se da mesa devagar e foi para o quarto. com Steve no apartamento! Foi até a sala e ligou para ele. Sim.

Nicole viu um músculo pulsando ao lado da boca viril e instintivamente colocou a mão para detê-lo. a vida torna-se um valoroso tesouro — explicou por fim. sob o bronzeado de sol. Ele sorriu. afastando-se um pouco e livrando-a de seu peso. — Dê-me algo mais gostoso para eu sonhar. suplicante. Steve transpirava pela testa. fazendo-a estremecer. acariciando o rosto áspero e moreno. ou Steve dissera que precisava dela? Nunca falou nada parecido antes. — O sol tinha transformado a cidade num forno. ameaçadores. transtornado. ele estava muito pálido. então — murmurou ele. o rosto muito próximo ao dela. ela sussurrou: — Você estava tendo um pesadelo. — Pensei que tivesse chegado a minha vez.. o azul frio e calculista dos olhos. Nicky. Os dois fitaram-se por um instante. Continuou a acariciá-lo. — Tem tido muitos? Nicole já adivinhava a resposta. Não disse nada. dar tempo a ele de se recuperar. — Não pare gosto disso. notou o nariz arrogante. eles se transformariam em garras de aço.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Os olhos dele abriram-se. Admirou o rosto forte e anguloso de Steve. beijando a palma de sua mão. embora continuassem pousados sobre o pescoço dela. apenas a morte. — É melhor você voltar a dormir. — Nunca senti tanto medo. Olhouo.. Teria apenas imaginado. Nervosa. — Pensou o quê? — Perguntou ela. — Oh. irônico. acariciando-os. Os dedos relaxaram. — Quando você acha que vai morrer a qualquer instante. — Estava.. — Fazia tanto calor. Toda a tensão do corpo se foi. Não. tenso. Uma mecha de cabelos negros grudara em suas têmporas. Steve virou a cabeça. as linhas determinadas. — Muitos — respondeu ele. e disse: — Não. — Nicky. Mais uma vez ele demonstrava fraqueza. Nicole passou a mão por eles carinhosamente. — Não me pergunte Nicky — respondeu ele. com a respiração quente entrando por seus poros. ela puxou a mão. precisei tanto de você! — Murmurou ele. e à minha volta não havia mais nada. Nicole sabia que. contra a pele de Nicole. mas queria fazê-lo falar. Steve Howard não precisava de ninguém além de si mesmo. E ela jamais imaginou que algum dia ele pudesse precisar de alguém. acelerando seu coração.. pelo rosto. — E nada de pesadelos. Ainda trêmula. Saindo? — Ele é sexy? — Bonitão? 19 . Nicole viu que. — Que tipo de amante ele é? — Esse cara com quem você está. — Pensei que. se fizesse um movimento. luminosos. Seus dedos escorregaram sensualmente até os ombros dela. — Horríveis? — Perguntou.

Escute. — Não vou discutir sobre Martin com você! — Espero que não tenha falado a meu respeito com ele. com os olhos muito brilhantes. unindo as sobrancelhas ameaçadoramente. então? — O que é que ele tem. Steve desatou a rir. — Você está brincando! — Gerente de banco? — Puxa. sem sucesso. — Nós nos damos bem. — Muito mais. Nem um pouco enciumado.. — Odiaria saber que você fez comentários sobre nós com outro homem. segurando-a com força na cama. é o que quer dizer — ela comentou com ironia. — Não estou interessada no dinheiro dele. com as coxas dele sobre ás suas e os lábios à procura dos seus. Mas logo se arrependeu. devia estar desesperada! Nicole ficou indignada e ferida. — Então deve ter contado sobre mim — concluiu Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela não gostou do jeito como ele estava falando. — Martin é gerente de banco. suponho. — Mais do que o normal. eu prefiro nem pensar em você. Parecia indiferente. — Não me irrite. — Só quando. quanto mais falar de você! Steve franziu a testa. Quando as palmas das mãos encostaram-se ao peito largo e viril. Nicole viu-se prensada contra a cama. — Porque eu não gostaria nem um pouco disso — continuou ele. foi como se recebesse uma descarga elétrica. — No que está interessada. — Claro. entre dentes. — E rico. Nicole. Steve ficou vermelho. além de charme? — Ele é atraente. — Não — mentiu ela. — Martin é um homem muito charmoso. — Posso me tornar violento. Nicole sentiu-se desamparada. — Nada. Tentou empurrá-lo. também. — Mas ele sabe que você é casada.. — Não falei. — Sobre o que vocês conversam? — Sobre o custo de vida? — O maravilhoso mundo dos negócios? Os olhos de Steve estavam ameaçadores e maldosos. 20 . Abriu a boca e fechou os olhos.

cheia de insegurança. Sentia os lábios ardendo. muito emocionados para esconder a paixão que a dominava. Saiu de cabeça erguida e foi abrir a porta. Steve ergueu a cabeça e a fitou. não? — Disse ele. Steve praguejou baixinho enquanto ela deu um pulo. Nicole não ousou abrir os olhos. a pele pegando fogo de desejo. CAPÍTULO III Martin sorriu para Nicole. entregando-se com desespero. com uma garrafa de vinho na mão. — Que tal? — É da melhor safra dos últimos dez anos! 21 . Fazia tanto tempo desde a última vez em que o vira! As imagens dos primeiros dias de casamento vieram à sua mente. sobressaltada. mas. — Enquanto Martin estiver aqui ficarei muito grata se você não aparecer. Ele inclinou-se para beijá-la. vigorosas e reais. Nicole procurou recompor-se e respondeu desafiadora: — Só pode ser. Steve riu maldosamente. Nicole deu um passo para trás. A campainha tocou. sem pensar. não? — Ele está impaciente. Mostrou o vinho. acariciando-o com sofreguidão. A campainha tornou a tocar insistente. triunfante. — Deve ser o gerente de banco. — É assim que me lembrava de você — ele murmurou rouco. Martin tirou o pesado casaco e entregou-o a ela. Parou de pensar e deu vazão a seus sentimentos. Steve riu novamente. sentindo os cabelos negros entre os dedos. — Eu estava no banheiro — mentiu ela.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Agarrou-se com força nos ombros e na nuca de Steve. Ela abriu os olhos devagar. — O que é que há querida? — Não consegue andar por quê? Nicole ignorou as palavras dele. Não seria capaz de encará-lo. com as pernas fracas e os cabelos em desalinho. — Pensei que tivesse saído e se esquecido do nosso almoço. — É melhor você atender. Ela arrastou-se para fora da cama.

— Já sei. As roupas eram elegantes. — Umas vinte mil libras. Não ouvia nada. — Quanto tempo vai demorar? Não tenho mais Ela olhou o relógio. — Mais ou menos isso. enquanto Nicole ligava a cafeteira. — Desviou o olhar. seguro. — Quanto você pagou por ele? Ela pôs as xícaras sobre a mesa. mas detestava discussões. confiável. claro. — Você dormiu demais. Martin era um homem em quem podia confiar. Os dois foram para a cozinha. não foi? — Está meio despenteada. vozes alteradas. mas se o fizesse teria de lhe contar tudo. com medo de que Steve aparecesse de repente. — Sinto muito. Teve vontade de pedir para ele falar mais baixo. Martin estava muito bem vestido. — Mais uma hora. Martin. Sua aparência inspirava segurança. Nicole acenou com a cabeça. Martin era tudo isso. Aliás. olhando ao redor. — Você vai conseguir uma bela quantia quando vender este apartamento — continuou ele. franzindo a testa. Eles apreciavam um profissional de fino trato. A verdade é que sua atenção estava voltada para o quarto. — Sinto muito. do que ficar aflita o tempo todo. Era melhor falar agora. 22 . — Será que a primavera não vai chegar esse ano? — Tem feito muito frio — concordou ela. agradecida. então. — Então por que não preparamos um café? Estava sempre tão calmo e bem-humorado! Nicole sorriu para ele. — Mas de lá para cá o preço subiu. Não seria capaz de largar a esposa sozinha e viajar para o outro lado do mundo. Martin. meio distraída. Não podia prever como Martin reagiria. clássicas. divertido. — Vamos.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ótimo. — Parece que vai chover de novo — disse ele. Exatamente o que Nicole esperava de um marido: que fosse o oposto de Steve. Devia aproveitar a oportunidade para contar a Martin que eles não estavam sozinhos. mas acho que o almoço vai atrasar um pouquinho. Ele sorriu. como sempre. Será que Steve ficaria lá dentro o tempo todo? Seria difícil. Sabia que devia dizer. — Esteve apressando as coisas na cozinha para recuperar o tempo perdido? Nicole passou a mão pelos cabelos furiosa consigo mesma. Uma vez ele explicara a ela que os clientes gostavam de ter certeza de que seu dinheiro estava em boas mãos. — Ela pendurou o casaco. — Não quer abrir o vinho agora? — nada para bebermos.

Martin ficou surpreso. pode passar minha calça? A voz de Steve fez com que ela estremecesse. Depois. escondendo-a atrás das costas. nervosa. Steve já tinha pegado na mão dela e colocado debaixo da água. Antes que Martin se movesse. examinou a pele avermelhada. esperando por uma explicação. Ela hesitou. 23 . — Achei que devia ser o Martin. Oh. — Sou Steve Howard — disse ele. enrijeceu os músculos. Nicole viu quando ele fez uma careta ao perceber que seu marido usava apenas o robe de cetim. — Oh. — pouco. — Está melhor? Nicole puxou a mão com força. — Vai demorar muito ainda para a minha separação ser homologada. deixando Martin embaraçado e sem graça. confuso com a chegada de Steve. Não era assim que imaginara o seu encontro com o ex-marido de Nicole. sem nada por baixo. Inclinou-se para servir o café. quer se casar com a minha mulher? Martin ficou vermelho até a raiz dos cabelos. — Então. Percebeu o tom de ironia na voz do outro homem. — É melhor nos apresentarmos. feito uma criança malcriada. incerta. Aquele era o melhor momento para dizer a Martin que Steve estava ali. Martin levantou-se instintivamente. — Claro que Nicole poderia ter dezenas de ardentes pretendentes. quase quebrou a jarra que estava em cima da mesa. — Querida. — Martin Eastwood. Steve analisou Martin vagarosamente. — Sorriu. — Está nervosa. conforme o advogado me informou. não é? A mão de Nicole tremeu. que encarava os dois de boca aberta. não. antes de lhe dar um breve sorriso. procurando as melhores palavras. cale a boca — retrucou Nicole. — Não sabia que estava aqui — murmurou. cuidadosamente. Steve olhou para Martin. mas não lhe estendeu a mão. Terei de aguardar mais um Umedeceu os lábios. sobre Steve. — Há uma longa lista de espera. Derrubou o café sobre a mão. Olhou para Martin. observando o líquido preto e aromático. — Este é o meu marido — murmurou confusa. Virava a cabeça de um lado para o outro.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ainda não obteve a confirmação do divórcio. querida? — Desculpe. com o rosto em brasa. precisava de tempo para pensar! Nunca tinha conseguido conversar abertamente com Martin. mas ela não faz o tipo de femme fatale.

— Não sabe disso? — Pode prejudicar o seu divórcio.. 24 . com o corpo relaxado e esguio. mas. — Por que não? Martin foi apanhado de surpresa e conseguiu apenas repetir: — Por que não? — Bem. — Já disse isso a ele. — Você a ouviu.. — Era o que eu ia fazer. — Bem. — Devia ter me avisado. — Escute aqui. Steve pegou uma xícara de café e bebeu um pouquinho. pondo a xícara na mesa. por isso não se meta. se Nicole falou. é lógico que. — Está vendo? — Martin olhou triunfante para Steve. Aproximou-se de Nicole e falou baixinho: — Ele não devia estar aqui. — Nicole quer que você vá embora. — Sinto muito. — Não pode ficar aqui se ela não o deseja. Nicky.. querida. — Lógico o quê? Steve estava se divertindo. Martin não desviou os olhos de Nicole. — Gostaria de não ter sido tão covarde. — Ah.. — De nós dois. Está delicioso! Martin fez uma cara de quem esperava que o café o engasgasse. — Oh. eu tenho muito mais direito a estar neste apartamento que você.. Apoiado na pia. Nicole? — Nós ainda somos casados — interveio Steve. observava o outro como um gato a um rato. é? — Exclamou Martin. — Então é melhor sair. Martin logo viu que não gostava de Steve. Depois se virou para Steve.. você não contou a ele. Martin estava confuso. — Não se importou nem um pouco. que continuava a beber o café. com os olhos azuis brilhando. antes que ela pudesse responder. Reuniu toda a calma e compostura e dirigiu-se a ela. — Ouvi.. — Não.. — O que ele está fazendo aqui. — O contrato deste apartamento está no meu nome..Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Steve fitou Nicole com reprovação. querida? — Eu já disse isso a ele.. — Não é verdade. escute você — cortou Steve... — Hum.

Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Nunca dou importância a nada que as mulheres dizem — interrompeu Steve. Nicole levantou-se. Martin partiu para cima dele. Firmou os pés. ergueu a cabeça e ameaçou: — Se você não for embora. meu nariz — Martin gemeu. Steve tinha deixado a calça na cadeira. Sem prestar atenção no que fazia. o coração apertado. Nicole fechou os olhos. por sua vez. Martin estava prestes a explodir. observando-a tirar o ferro de dentro do armário. gemendo de dor. — Elas nunca sabem o que querem. Estava bem amassada. Martin era esguio. — Não vai fazer isso para ele. — Quem vai me colocar na rua. — Para que. — O que é que você está fazendo? — Vou passar a calça dele — disse ela. — Ele merece um belo soco no nariz. — Se você dá. e saiu. mas jamais poderia competir com os músculos de Steve. — Ele tem um punho que mais parece um martelo! — Também. cheia de remorso. — Não seja ridículo. Seu marido pôs as mãos na cintura. ela examinou-a. De repente. Martin retirou a mão. Steve riu. Martin levantou-se devagar. Martin estava estirado no chão. Nicole sentiu raiva dos dois. como num jogo de adivinhação. afinal? — Para me vingar. com a mão cobrindo o nariz. Martin. passou pelos dois com a maior calma. sorrindo cinicamente. — Já devia ter descoberto isso há muito tempo. — Não se esqueça de que quero minha calça passada — falou. impaciente. Correu para ajoelhar-se ao lado dele. atiro-o pela porta afora. vai? — Perguntou Martin. em questão de segundos. baixando a tábua de passar roupa. é um tolo. desafiadoramente. — Da próxima vez darei o troco — disse ele. — Tem que lidar com elas. — Seu bruto! — Gritou para Steve. Ela ficou desesperada. sentindo-se culpada por toda aquela situação. meu Deus! — Exclamou Nicole. estava apenas avermelhado. Relutante. — Sinto muito. — Pulou em cima de mim antes de eu estar preparado. Ele parecia estar esperando por aquilo — um ato de violência. me pegou de surpresa. Nicole fechou os olhos novamente e. sem muita convicção. você? — Essa é boa! Soltando uma exclamação de ódio. O que tinha acontecido com a bagagem dele? Será que tivera de deixála para trás? Não era a primeira vez que ele perdia um guarda-roupa inteiro. ativo. Seu nariz parecia perfeitamente normal. — Ai. furioso. Ele. 25 . Martin portava-se como um moleque que perdera a briga. — Oh.

Nicole olhou para a calça amarrotada. A porta se abriu. que horror! Ela o fitou. no passado. — Como está agora? Martin abraçou-a beijando-a nos lábios. — Quem ele pensa que é? — Continuou Martin. — Você não é sua escrava. — Vou comprar uma passagem para ele — murmurou Martin. — O que ele está fazendo em Londres? Ela apontou para o jornal. — Está muito amassada. Nicole ouviu-o engolir em seco. seria morto na certa. cauteloso. muitas vezes. — Quebro o pescoço dele se ele se aproximar de mim novamente — ameaçou Martin. afinal? — Você está certo. se voltasse. sem tentar detê-la. mas põe difícil nisso! — Ele é um bruto.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Mas Steve não pode usá-la desse jeito. — Veio escrever essa matéria da primeira página. — Ele é terrível — comentou Nicole. com frieza. — Onde está minha calça? — Ela não vai passá-la coisa nenhuma — replicou Martin. — Você me havia dito que ele era um cara difícil. condoída. com o rosto transtornado de raiva. — Deve fazer dias que ele veste a mesma roupa. o rosto dele se transformou. Nicole ligou o ferro e começou a alisar a calça. — Deixe que outra pessoa faça isso por ele. Martin prosseguiu: — Ele é muito arrogante. eu visto a sua — avisou Steve. — Não sou mesmo. — Eu não fazia idéia. Steve apareceu só de camisa. — Se minha calça não estiver pronta em cinco minutos. — Coitadinho. — É. — Disseram-lhe que. um presunçoso. Enquanto lia. — Ele desligou o ferro. — Olhou para Martin. Ele saiu e bateu a porta. — O seu pobre nariz. — Está melhorando a cada instante. com as pernas muito longas e bronzeadas de fora. — Boa pergunta. Martin arrumou sua gravata. dramático. — Concordo plenamente. — Fugiu da África com a ajuda do consulado britânico. — Onde é que estava com a cabeça. 26 . Nicole já se perguntara o mesmo. Martin murmurou alguma coisa. — Inclinou-se para beijá-lo de leve. deixando os dois boquiabertos. pegando o jornal. — Puxa.

— Em qualquer lugar do mundo. — Li o seu artigo. Martin ficou vermelho. ele que pensasse o que quisesse. — Quero dizer. Impaciente e zangado. Tinha acabado de se barbear e seu rosto estava liso e úmido. — Quando o almoço fica pronto? — Indagou Steve. não foi? — Sempre há complicações quando Steve Howard está por perto. — Não queria. Steve entrou na cozinha naquele instante.. o conteúdo é terrível. com voz fraca: — Nada. com vontade de rir novamente. você está estranha! — Não é à toa que me atendeu com aquela cara. — Terrível! Steve fingiu que não entendeu. — O frango! 27 . pelo absurdo da situação. Martin não entendeu. — Uma carnificina. Olhou para Nicole como se ela precisasse examinar a cabeça. — Uma história chocante. limitando-se a vestir a calça. Bom. — Arrumei um belo problema. Só então ela compreendeu: Steve pensava que ela tivesse contado a Martin sobre o pesadelo! Deve ter sido um pesadelo para Ele odiava revelar seus sentimentos a alguém. Não disse uma palavra. — Acho que Steve era o único repórter na área. Nicole riu histérica.Fascinação nº 75 — Não tinha ouvido falar? - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Oh. antes de responder: — Foi sim. li alguma coisa no meu jornal. — você. — Puxa. Ela não se preocuparia com. Steve fulminou Nicole com o olhar. — Nada. Nicole fez que sim com um gesto de cabeça. — Você achou? — Os editores ficaram contentes. Nicole soltou uma risada histérica. — Deve ter sido horrível. mas não havia tantos detalhes. quando abriu a porta! — Por que não me contou que ele estava aqui? — Eu não queria problemas — explicou ela. mas arrumou-os. Martin perguntou: — O que há de tão engraçado nisso? Ela parou de rir como se alguém lhe tivesse desligado a pilha e murmurou. Martin resolveu quebrar aquele silêncio constrangedor..

que estava ocupada com os temperos do frango. — Sim? — Você não. coisa que Nicole não suportava. O aroma delicioso tomou conta da cozinha. Ela não respondeu. — Pode me fazer um favor? — Ficaria grato se você fosse até o bar da esquina e me comprasse uma garrafa. daqui a pouco. então quer dizer que você não gosta mais dele? — Não. não gosto dele. observando-a atentamente. ele dormiu na cama. Ela encolheu os ombros. Martin pegou seu casaco e saiu feito um carneirinho. — Por causa de suas maneiras bem-educadas ou pela aparência? — Martin é o oposto de você. Parecia que Steve se esquecera do incidente e. pois sabia que era bem mais forte. — Por isso é que me interessei por ele. — Ficou sim. Martin a olhava. Martin olhou para Nicole. Steve apareceu na porta.. Não estava a fim de falar sobre Martin com o ex-marido. "sei"! — Exclamou ela. mas eu dormi no sofá. e ele foi para a sala. Martin se aproximou pensativo. — Ele se deteve confuso. — E ficou a noite toda? Ela ficou louca da vida. e não há uma gota de uísque em casa. mas eles devem estar chegando. Ainda mais depois daquele incidente horroroso. — Eu mesmo iria claro. — O telefone tocou. — Nicole.. — E antes que você me pergunte. Ele quis acalmá-la e brincou: — Oh. — Posso entender por que você o fisgou. Devia ter escutado suas últimas palavras. — É. e Steve suspirou de satisfação. pedindo socorro. Martin relaxou. 28 . Ele não tinha o direito! Muito sem graça. zangada.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole correu para o fogão para inspecionar a comida. — Deve ser para mim. — Sei. Steve ficou observando Nicole. Steve não tinha o direito de provocá-lo para uma briga. Ele virou-se para Martin: — Alguns colegas do jornal vêm para cá. acusador. — Por que é que você se apaixonou por ele? — Insistiu Steve. Nicole sustentou o olhar com firmeza. querendo ser bem-educado. — Estou faminto! — Podia comer esse frango sozinho em dois tempos. Tinha aprendido a cuidar de si mesmo nos lugares perigosos onde estivera e possuía os instintos rápidos de um animal selvagem. Enquanto Nicole experimentava os legumes com o garfo. pois a fitou longamente. — Desde quando ele está aqui? — Já estava aqui quando cheguei ontem à noite.

De repente. Steve parecia ter gostado da idéia. Nunca quis discutir aquele assunto com ela e sempre brincou para desviar sua atenção. — Há meses estou esperando por este momento — sussurrou Steve. Steve não esperava aquela reação. — Mas o casamento real. — A única coisa que lhe interessa é o emprego. nós passamos pela cerimônia oficial. — Não diga bobagens. — Nicky — cochichou ele ardentemente. — Não faça isso — murmurou Nicole. Suas mãos a enlaçavam bem embaixo do busto. sim. Nicole procurou lembrar-se das intermináveis noites solitárias. Mas ele já a tinha abraçado por trás.Fascinação nº 75 — Sabia disso. — Deixe-me em paz! — Gritou. — Se me desejava de verdade. beijando-a na orelha. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ao invés de se zangar. a vida dos dois não poderia continuar. Ele pensava que o casamento fosse uma prisão. acariciando-a com fervor. não deveria ter ficado longe por tanto tempo. Não queria nenhum envolvimento. Mas ela não podia mais aceitar aquela situação absurda. Suas sobrancelhas formaram uma linha única na testa. sem respiração. Aquilo lhe deu forças para soltar-se. dos meses de abandono e vazio. Fugia dos problemas e fingia acreditar que tudo estava indo às mil maravilhas entre eles. As mãos dele subiram. me levou para a cama e depois voltou para o que queria: seu emprego. olhando-o de frente. virando-se de costas. esse não existiu. com frieza. Nicole não o viu aproximar-se. Nicky. o verdadeiro casamento. Aquela atitude de posse e calor era uma tentação insuportável. voando pelo mundo daquela maneira. — O que você pensa que eu sou? — Deve me desprezar muito se acha que pode voar para dentro e fora da minha vida como um pássaro errante. fazendo-a pular. presa entre ele e a pia. enquanto ela tinha vontade de arranhá-lo no rosto. perturbado. — Oh. — Nunca fomos. Sorria maliciosamente para Nicole. várias vezes. e ela sentiu os dedos longos e fortes fechar-se fazendo seu coração disparar. deixando-a louca de desejo. mas sentiu-se preso quando ela o fez ver que. assustando-a. Steve afastou-se. e tentara dividir Nicole com o seu emprego. — Você pôs um anel no meu dedo. — Na próxima semana não estarei voando para lugar nenhum. a voz dele soou bem próxima ao seu ouvido. Nicole o empurrou. — Ainda somos casados. e não um amante voador — respondeu ela. beijando seu pescoço novamente. em concha sobre seus seios. 29 . — Pelo menos desta vez terei um marido. Ele a beijou de leve no pescoço.

Não conseguiu continuar. — Enquanto você voa para a África e o Oriente Médio. — Você está inventando histórias. podemos ter um agora mesmo. — Gostaria que você não me tivesse escolhido! O rosto dele ficou duro como pedra. — Acho que foram mais sensatas do que eu. incrédulo. com os olhos frios e ameaçadores. teve medo de chorar. filhos. não pode esperar que eu a leve a sério.. sou apenas aquela mulher com quem gosta de ir para a cama. ainda perturbado. o olhar cheio de amargura. — Não quero que me toque! Ele sacudiu a cabeça. — Eu a levo muito a sério. — Sua voz ficou trêmula. — Obrigado. tentou aproximar-se. deixando-me sozinha? — Não. — Nem eu quero que seja. Depois. 30 . com um brilho estranho nos olhos. Nicole mal conseguia disfarçar sua tristeza. — Você nunca me levou em consideração. — Se deseja um filho tanto assim. — Eu quero ter filhos. querida. — Está enganada. Steve movia-se. — Quando? — Um dia. — Se eu pudesse imaginar que você não pretendia levar a sério o seu próprio casamento. — Para você. — Não espero nada. furioso. — Ou talvez eu não tenha pedido nenhuma em casamento — completou Steve.. — Pensa que foi a primeira garota que levei para a cama? — Sei muito bem que não! — Não me casei com nenhuma das outras. — Pretendo largar meu cargo de correspondente internacional e trabalhar em Londres. — Se isso fosse verdade. observando-a furtivamente enquanto ela enxugava os olhos com as costas das mãos. — Não planejo ser mãe solteira.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não seja ridícula — respondeu ele. Mordeu os lábios. — Mas por que está com tanta pressa? — Há muito tempo para termos filhos. Nicole prendeu a respiração. mas não desse jeito. teria recusado. — Steve se aproximou. — Gostaria de ter um lar. — Talvez elas não o quisessem. Mas Nicole o empurrou com veemência. desajeitadamente. — Quero um relacionamento normal. Aquilo doía muito. entre dentes. com um marido que volte para mim todas as noites. — Não. pouco à vontade. obrigada. nunca teria me casado com você — interveio ele.

os olhos azuis e brilhantes. além do mais. e também uma mulher em Londres. — Já tive o bastante. Ele adorava o modo pelo qual sua vida estava traçada. — Isso não acontecerá. pronta para acolhê-lo quando voltasse. Steve sorriu. se você vira as costas. Já suportara angústias demais. — Há quanto tempo estão juntos? Nicole não gostou da maneira como ele fez a pergunta. os nervos sempre à flor da pele. você saiu à caça de outro. — No minuto em que virei ás costas.. Nicole gostaria de poder acreditar nisso também. — Que história tocante! — Mas já ouvi isso antes. 31 . — Já lhe disse — Nicole gritou. se antes não o enviarem dentro de um caixão — disse furiosa. Era verdade. — E quando estiver divorciada. — Oh. — O quê! — A interrompeu. — Conheci Martin há poucos meses. a espera interminável. — Pensa que eu gostava de viver como uma viúva? — Quanto tempo passou comigo depois que nos casamos Steve? — Pergunte a você mesmo. Nicole sacudiu a cabeça.. divertido. só que eu não vou ficar esperando para ver o que acontece — ela acrescentou amargurada. — Arrisque-se quanto quiser. com os olhos perigosamente brilhantes. Ele riu. os pesadelos. tinha um emprego excitante. fazendo promessas vagas. — Isso.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela sentiu-se morrer por dentro. — O adultério começa assim. mas fingiu aceitá-la como se fosse á coisa mais normal do mundo.. já o teria esquecido! — E então. Steve enfiou as mãos nos bolsos da calça. claro! — É verdade! — Eu estava numa festa quando o conheci. — Muito bem. e. que lhe proporcionava sucesso. desolada.. não podia mais conviver com as noites de insônia. e aquele corpo viril e cheio de vitalidade se apagaria como uma chama. sozinha.. — Quanto tempo? — É incrível que eu ainda seja capaz de me lembrar do seu rosto! — Se não tivesse algumas fotos suas. — Já tinha dado entrada nos papéis do divórcio. Não haveria mais o riso largo. — Eu. e ele também.. Uma bala apenas. — Nós nunca. Ele pensava que era indestrutível. mas não conte comigo. não pode se surpreender por eu procurar outra pessoa. indignada. perigo e muitas viagens. Steve falava por falar. — Conheci Martin por acaso. pretende casar-se com o gerente de banco? — Ainda não decidi o que vou fazer.

já teria ido. — Ainda não terminamos. os lábios entreabertos num gemido. entregue. Nicole fechou os olhos. escorregando até segurarem os seios. — Ele faz isso. O coração de Nicole disparou. você sabe contar mentiras com os olhos arregalados. — Espero que não — murmurou ele. — Como ele a beija? — Assim. Ela quis fugir. enrijecidos. Sua boca estava seca.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Sim. Nicole? A boca de Steve desceu sensualmente sobre a dela. — Martin a beija? Nicole virou o rosto. O barulho estridente da campainha tirou os dois do transe amoroso. Nicole sentiu os dedos dele desabotoando sua blusa de seda. tudo era uma sucessão de emoções loucas e violentas. como se ele desejasse puni-la. Nicole? — Ele se aproximou. 32 . com seus dedos enroscando-se nos cabelos longos e negros. desabotoando o sutiã. minha querida? — Sussurrou Steve. cruel. — Martin já tirou suas roupas alguma vez? Ela estremeceu. mas Steve prendeu-o entre as mãos. — Eu a mataria. Steve ergueu a cabeça. abrindo-lhe os lábios. trêmulo. seus lábios roçaram o bico do seio rosado e duro. Você não me contou o Respirava rápido. Sua mente já não trabalhava. em total abandono. Sua respiração estava entrecortada e os olhos azuis. — Não estou mentindo. já me contou — ele a interrompeu. Os dedos dele acariciavam seus seios claros. explorando-os com doçura e firmeza. — Mas como é que vou saber se você disse a verdade? — Acontece que eu acredito na fidelidade no casamento. abandonada nos braços de Steve. com a respiração quente na pele dela. fazendo com que ela jogasse a cabeça para trás. Não. — Como a maioria das mulheres. O beijo tornou-se mais forte. como se fosse inocente. tocando a pele quente e macia. — Oh. no pescoço. A outra mão de Steve deslizou para suas costas. Nicole estava totalmente entregue. não! — Ainda não. violento. não conseguia responder. ardente.. encarando-a com rancor. com a testa franzida. ingênua. de modo desagradável.. — suficiente. escuros de desejo. mas ele a agarrou pela cintura. — Não. Acariciou-a na nuca. Steve voltou a beijá-la. minha pequena. — Se eu quisesse ir para a cama com Martin. Steve curvou-se. — Que altruísmo! — Mas isso não tem muito a ver com a sua definição de "adultério"? — Qual é o seu limite. Steve riu alto.

que tal almoçarmos fora? Nicole viu-se tentada a aceitar o convite. Afinal de contas. tapa surpreendeu os dois ao mesmo tempo.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole estremeceu. Aproveitando-me dos seus favores. — Não vou sair e deixar a casa na mão deles. aquela era a sua casa. correndo os olhos pela blusa entreaberta. trêmula. muito branca. não é? Steve a soltou. sabia que. Nicole ficou irritada. Sorriu com desprezo. seco.. contrariado. molhando os lábios machucados com a língua. Como podia permitir que Steve a fizesse. — Deve ser Martin com o uísque — sussurrou Nicole. Abotoou o sutiã e a blusa antes de ir abrir a porta. — Mas assim eu fico numa situação muito difícil — reclamou Martin. — É melhor abrir a porta. — Não. — Estive pensando. com a mão na face. Nicole tentou acalmá-lo: — Escute Martin. Nicole virou-se. Steve a fitou longamente. e sentiu pena por não comê-los. mudou? — Sobre o quê? — O divórcio. — Não seria bom que o seu namorado soubesse que eu também estive. — É melhor você se arrumar antes de ir. Além do mais. A campainha soou novamente. não mudei. CAPÍTULO IV Martin entregou a garrafa de uísque para Nicole. sozinho. Olhava-a com desaprovação. Nicole saltou para trás. — Tenho que ficar. estava perturbado. — Você não mudou de idéia. — Achou que não tinha sido muito veemente e completou: — Quero a separação! 33 . sair? Martin parecia não ter gostado da idéia. devo? — Já que ele se recusa a partir. com os olhos arregalados. O. se eles saíssem Steve não tocaria na comida: ele não fazia as refeições. Tremendo. — Steve está esperando seus colegas. Mas lembrou-se do frango e das verduras que havia preparado. fixando-os nos seios firmes que ele acariciara. A mão dela voou involuntariamente.. só para desafiar Steve. — Não posso. — Pagará por isso mais tarde. — Não devo mais ficar para o almoço.

— Não sei o que você viu nele. — Ah. Martin mordeu os lábios. Suspirou e ergueu os ombros. Nicole percebeu que Martin não estava tão machucado quanto imaginava. — Eu o mandei embora pelo menos uma dúzia de vezes. Ele era convencional e educado demais para protestar. — Steve é problema meu. pelo menos em relação a ela. O relacionamento deles sempre fora muito artificial. Mas só isso. como se a estivesse culpando por isso. Embora não tivesse dito claramente. 34 .Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Está sendo muito complacente. — Tudo bem. mas acho que você tem razão. deixar. contrariado. Nada mais verdadeiro. — Pode. um relacionamento frio e formal. Martin abriu a porta com toda a dignidade. sabe onde moro — completou e saiu. — Tem certeza? — Não quer que eu fique? — Não. Como é que ele lhe dizia isso com a cara mais limpa do mundo? Será que ele mesmo não havia percebido que seria impossível continuar vivendo com Steve? — Não é nada disso. e nada mais. Nicole sentiu raiva de Martin. Martin estava com uma cara tão feia que ela se arrependeu do que dissera antes. — Desculpe por ter estragado seu dia. — Se quiser me procurar. Ele tinha o próprio orgulho ferido. Martin ficou muito vermelho. Martin a achava atraente gostava dela. sem muita convicção. desconsolado. é? — E como? — Pegando-o pela camisa e jogando-o na sarjeta? — Tente você. com muitos cuidados. Os dois sempre se comportavam com cortesia. Ele desviou os olhos. Naquele instante. Enfim. Nicole sabia perfeitamente a que ele estava se referindo. — Não gosto de deixá-la sozinha com ele. compreendeu que ele não a amava. Martin. mas falar com ele e um muro é a mesma coisa. — Que homem desagradável! — Continuou Martin. Pensava que Steve era capaz de convencê-la a ir para a cama. — Mas devia insistir com ele. eu cuido dele — disse ela. deixara implícito que ele não era capaz de enfrentar Steve. — Mas não gosto nada da idéia. — Nem eu — mentiu Nicole. deixando-o ficar no apartamento. — É melhor ir embora. Martin. Os dois ficaram calados por alguns instantes. e ela viu que o tinha ferido.

— Por quê? — De que você tem medo? — De gostar do que vai acontecer? Nicole tinha recuado. e ela não gostou. Steve acariciou-a suavemente. de braços cruzados. a respiração quente dele.. — Parece assustada. Um brilho satânico passou pelos olhos azuis. Steve estava encostado na pia. 35 . tocando-lhe o pescoço. pensativa. — Não estou com medo nenhum. trêmula. Os dois estavam tão próximos que Nicole sentia. — Não vou lhe dizer de que forma me tratava. Nicole — provocou ele. — Bem. Nada mais. Voltou devagar para a cozinha. Steve riu baixinho. — Grito quanto quiser. mas resolveu encará-lo. egoísta! — Falou aquilo com tanta veemência que Steve deixou sua mão cair. de frente.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy O amor era muito mais que isso. bonita.. Aproveitando-se da situação. Arrependeu-se de ter preferido ficar sozinha com ele no apartamento. onde está ele? — Foi embora. — Não por muito tempo. deixando-se excitar daquela maneira? Ele sabia como provocá-la e abusava disso. Seu bruto. — Tire as mãos de cima de mim — protestou ela. — E o que é isso? — Perguntou. mostrando uma veia que pulsava forte no pescoço dela. aumentando ainda mais o ritmo do seu coração. Martin a quisera por que achava que ela era adequada ao seu estilo de vida. raivosa. jovem. Como podia ser tão tola. — Quem você pensa que é? — Sou o seu marido. — Você sempre a viu como a um hotel. — Pode tirar esse sorriso da cara! — Não grite comigo — observou Steve. Aquilo deixou Nicole mais furiosa. não acha? — Não ouse me tocar! Ela assumiu uma posição de defesa quando Steve se aproximou. sorrindo. ela continuou: — Ousa me criticar por sair com Martin! — Como se atreve a pensar que pode entrar aqui e ser recebido de braços abertos depois de todo esse tempo? — O que você pensa que é um casamento? — Esta nunca foi a sua casa. com a garrafa nas mãos. Steve sorriu com ironia. ergueu a cabeça e o encarou. Fixou os pés no chão. em seu rosto. atraente. mas não agirá assim comigo nunca mais. — Então devo aproveitar o tempo que me resta. Será que não tinha coração? Já não a havia machucado o suficiente? — Seu. — Mentirosa.

saindo da cozinha e batendo a porta. — Quem vai ganhar uma surra bem merecida é você — ameaçou Steve. Nicole arrumou a mesa. Que ilusão! — Quero meu marido ao meu lado. parte para a agressão e ameaças.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — E qual é a sua opinião sobre o casamento? — Devolveu Steve. foi o que prometeu no altar! — Não esperava pelo pior tão cedo — murmurou Nicole. — Ora. Durante anos Nicole vivera sozinha em Londres. — Ele sorriu encantadoramente. querido! — Quando não sabe responder. Enquanto comiam. encarando-o com firmeza. Ela não ia deixar que Steve a seduzisse com aquele sorriso. Steve impacientou-se. que vá para o inferno! — Gritou Steve. — Senti sua falta. Foi só depois da refeição que Steve falou. Nicole não se abalou. — Foi uma promessa — informou ele. Tinha sido filha única. não a milhares de quilômetros — murmurou. — Fui mandado. "nos piores e melhores momentos"? — Se não me engano. — Tem uma idéia muito antiga do que deve ser um casamento. nem conversou comigo. você devia ter me dado opção. — Você sabia qual era o meu trabalho quando nos casamos. não era seguro. — Você fica martelando no mesmo prego o tempo todo — brincou Steve. — Não tinha idéia de que você se casou comigo para logo depois dar o fora. chamou-o para almoçar. — Seria arriscado demais. ele a olhava furtivamente. — Sempre. — Não está lembrada de que deve ser minha companheira. calado e sisudo. me deixando sozinha. — É o meu emprego. Depois. — Não podia levá-la comigo. — O almoço está pronto. — Não foi uma ameaça. em voz baixa. — Só tem a ganhar com isso. — Você é tão civilizado. criada num ambiente calmo e feliz. "Um ponto á meu favor". portanto nada mais natural do que querer reproduzir a mesma atmosfera com Steve. Quando se casou. Nicole teve a impressão de que estivera pensando no que ela lhe tinha dito. Com os olhos secos e frios. — Eu não dei o fora. não é verdade? — Não sabia que isso significava que quase nunca nos veríamos. Nicky. — Mesmo assim. — Mas não. pensou que a velha e aconchegante vida familiar fosse abrigá-la novamente. Dali a pouco ele voltou. — Às vezes suspeito que você deseje mais um lar do que um marido. com toda a naturalidade. ela pensou silenciosa. — Porque acho que é assim que você me ouve. — Pegou o avião e deu o fora. Nicole não respondeu. Virou-se de costas. 36 . o tempo todo. Seus pais faleceram antes de ela conhecê-lo.

Steve? — Ainda não. Teddy Wiseman era um homem corpulento. — Não acha que Nicole devia dar uma opinião sobre isso? — Não — respondeu Steve. hein. — Nicole. O jornalismo era a sua vida. Mas Teddy não se deu por satisfeito e piscou um olho para Nicole. Wiseman. 37 . olhando para Steve. Os dois entraram. grandalhão e desajeitado. cada vez mais zangada. Enquanto ele foi atender à porta. derrubando a cadeira ao chão.Fascinação nº 75 Steve xingou entre dentes. ninguém entende! — Mas quem sabe agora a vida melhora. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Naquele instante. Tinha os gestos lentos. hein? — Sobre o quê? — Ela perguntou. não pretendo discutir o assunto. com as mãos trêmulas. Teddy ficou embaraçado. como se dormisse com elas todos os dias. quando as coisas esquentavam no jornal. como se ela fosse uma criança. Nicole deu um pulo. — Até lá. sem demonstrar a raiva anterior. — Nada. não contou? — Perguntou Teddy a ela. Steve pareceu mais agitado. Nicole teve a estranha sensação de que ele queria levar Teddy para a sala. — Teddy. — Viu a reportagem que seu marido trouxe de lá? — Coisa boa. Steve pegou o uísque e dois copos. Continuaram a conversar entre si. Teddy sorriu por detrás das grossas lentes dos óculos. — Veja se o convence direitinho. — Opinião sobre o quê? — Insistiu ela pela terceira vez. — Deve ser Teddy. atrapalhados. enquanto cumprimentava o amigo. Sr. — Discutir o quê? — Insistiu Nicole. Ouviu a voz serena e confiante de Steve. Steve? — É. com a voz mais alta e irritada. hein? — Esse homem é milagroso! — Como é que escapa. — Ele já lhe contou. — Alô. é um prazer revê-la. Nicole ergueu a cadeira. agarrando-o pelo casaco. Mas nenhum dos dois respondeu. Suas roupas estavam sempre amarrotadas. mas. ninguém se movia com mais rapidez e precisão do que ele. vamos para a sala enquanto Nicole lava a louça. — Não contou a ela. — É que preciso me decidir primeiro. — Mais tarde — respondeu. a campainha soou.

falando pouco. Nas festas. embaraçado. Um emprego fixo em Londres! — Ainda não me decidi — resmungou ele. Nada tinha mudado. Steve a fitava. Sua vida social era limitada. — Ofereci a Steve o cargo de editor da parte internacional do jornal — continuou Teddy. Ele estava querendo levá-la para o seu time. piscando de novo para ela. ela o ouviu abrir a porta." Olhou para Steve. Teddy soltou-se de Steve. — Mas eu não acho — retrucou Steve. Olhou com frieza para Steve e disse: — Ele é quem sabe. sem se importar a mínima com Steve. observando. ouviu os dois homens indo para a sala. acho que Nicole devia dar sua opinião sobre o assunto — disse. Ela era tímida. sarcástica. Nicole raramente recebia visitas. Steve tinha muitos amigos. — Estou certo de que ela o apoiaria. — Atende para mim. Teddy baixou a cabeça. olhando para o marido. Quem disse que as mulheres estão emancipadas? No papel. Mas um dia ainda vou vê-las bebendo. Queria que ela influenciasse Steve para fazer o que ele. pensou ela. Silêncio. queria. se descabelado por isso. Teddy. Impossível! Não combinava de maneira nenhuma. triunfante. "Esses homens são impossíveis". barulhento e divertido. Nicole ficou tensa. enquanto os maridos cuidam da casa. Steve ainda não estava preparado para largar sua vida de errante pelo mundo. 38 . puxando-o pelo braço. e toda vez que vinha para Londres eles apareciam no apartamento em bandos. pensou zangada. Nicky? — Atenda você. pode ser. De que adiantava mudar sua opinião? Já havia implorado chorado.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy "Isso me põe no meu lugar". Dali a pouco. Mesmo ameaçado pelo divórcio. Nicole virou-se de costas e começou a lavar a louça. Faria exatamente como ele: seguiria em frente com seus planos. Ela não os conhecia bem. costumava ficar num canto. — Com todo o respeito. louca da vida. Um silêncio estarrecedor pairou pela cozinha. não sabia conversar com estranhos. "Eu faço o trabalho doméstico enquanto eles bebem uísque. sempre ficava afastada. reservada. A campainha tocou novamente. tentando imaginá-lo de avental. Depois. incrédulo e surpreso. e de vez em quando servia sanduíches e enchia os copos. Mas Nicole já tinha entendido. nunca mais. — O que acha Nicole? Ela não hesitou. Esfregou a palha de aço com violência na panela. Agora.

de cabelos vermelhos e olhos verdes. pensou ela. no papel da mulherzinha meiga e submissa. Conhecia bem Joanne Hellies. mas já a vira andando pelo jornal com saias justíssimas. ignorando-o. como quisesse. — Não vou discutir com você. Se quisesse modificar a vida deles. Steve entrou na cozinha. Não podia mais ser uma esposa de enfeite. Joanne era repórter. — Preciso de mais copos. ainda não. ela percebeu que criara para Steve uma imagem de mulher submissa e amável. Nicole escapuliu silenciosamente para o quarto. Depois de limpar a cozinha. você vai junto. Joanne Hellies! O que é que ela estava fazendo ali? Imaginou a sala inteirinha perfumada com a entrada dela. Sim." Sua aparência começou a ficar diferente. que não correspondia ao seu verdadeiro eu. Nicole mal a conhecia. A conversa continuou. "Muitas coisas vão ter de mudar". praticamente abandonando-a em Londres. Vivia rodeada de homens. nem como conduzir o seu futuro. Nicole começou a limpar a pia. fechando a porta atrás de si. incerto. Comprara-o num impulso. Sempre fora uma figura apagada. — Joanne! — Como vai? Nicole fez uma careta. Ela não estava com a menor vontade de entrar na sala usando jeans. O comportamento dele tinha sido determinado pelo seu. E ele reagira de acordo. Não Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Pela primeira vez em sua vida. pensou. toda pintada e perfumada. Ouviu Steve falando em meio aos alegres cumprimentos para o novo visitante. Trancou a porta. decidida. Uma mulher realmente vibrante. A maquilagem dera cor à sua pele pálida. Analisou-se novamente. Pouco depois. teria de começar da estaca zero. — Quando eles forem embora. Steve pegou os copos e saiu. mas de uma coisa estava certa: era ela quem construiria a sua vida agora. — Assim está bem melhor — murmurou para a imagem refletida no espelho. e não estava a fim de ser comparada a ela. Nicole só tinha um vestido capaz de tirar Steve da cadeira. Escrevia suas matérias sempre sob um ponto de vista feminino. meiga e delicada. "Já me deixei levar por muitas coisas. sem saber se seria capaz de usá-lo algum dia. sozinha. Os cílios espessos. Havia mulheres que gostavam de se exibir diante dos 39 . Queria pensar mais um pouco. tinha dado a Steve a imagem que ele queria dela. a boca vermelha e cheia. — Por que não se junta a nós na sala? — Perguntou ele. "A começar por agora!" Nunca prestara atenção em si mesma antes. aproximando-se. animada. "Nunca mais". os olhos cor de âmbar bem delineado. nem ninguém. nem Martin. Não se olhava muito tempo no espelho. E é claro que ele respondera a essa imagem. tirou a roupa e começou a procurar o que vestir. Pelo menos. que vivia esbanjando sensualidade com roupas sofisticadas. nem se preocupava tanto com a sua aparência. Não sabia direito o que fazer.

dando um gole no uísque. e tratava as secretárias com altivez e desprezo. — As mulheres que vão para o estrangeiro precisam ser muito duronas. Ele era um dos repórteres mais antigos do jornal. por favor. acenando afirmativamente com a cabeça. Joanne deu um sorriso encantador para ele. rindo. — Cansada das noticias locais? — Perguntou Steve. — O que gostaria de beber? — Uísque. Nicole sorriu. — Posso lhe servir um drinque? — Perguntou Joe Fraser. Nicole andou com displicência até eles. o rosto bonito e feminino. e sabia usar a roupa certa para acentuar suas curvas. velho amigo de Steve. no sofá. a conversa parou por completo. olhando-a com interesse e surpresa. seria capaz de jogar o uísque na cara dela. — Oi — respondeu a moça. — Não preciso de força física para rompê-las — respondeu Joanne. — É só piscar o olho e todas as portas estão abertas — acrescentou um dos rapazes. Senão. ela era dura como o gelo. Hoje ela deixaria bem. mas ela sabia que a repórter dizia a verdade. Joanne era uma mulher que nunca estava com gente do próprio sexo. Joanne. Seus olhos verdes eram impiedosos e arrogantes. Joanne encolheu os ombros. Teddy olhou para ela e sacudiu a cabeça.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy homens. Ela pegou o copo e deu um golinho. Os homens levantaram-se. fingindo apreciar a bebida. — Não vai dar. quando ela se sentou ao lado dele. brincando. Ela sorriu para todos. arregalou os olhos. Seu vestido de malha era decotado e curto. provocante. ela sempre se camuflara. claro a Steve que tinha atrativos que ele nem imaginava! Quando entrou na sala. Mas hoje não. Steve. Nicole não. — Adoraria trabalhar no estrangeiro — disse Joanne. — Alguma vez já reparou nas mulheres que trabalham fora do país? — São como touros. Talvez eles enxergassem Joanne com lentes cor-derosa. de copo na mão. — Alô — murmuraram os homens. Todos os homens riram menos Nicole. capazes de derrubar uma parede com o pé! — Disse Teddy. encostando-se no sofá e cruzando as longas pernas diante dos olhos apreciadores de Steve. — Principalmente portas de quartos! 40 . Nicole deu mais uns golinhos. de maneira elegante. detendo-se em Joanne. Não tinha nenhuma amiga no jornal. — Mas eu sou — acrescentou a moça. Era uma mulher sinuosa. — Olá. de modo a tornar-se invisível e normal. Por trás da figura sexy. — Tenho certeza de que farei um bom trabalho como correspondente.

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

Joanne encarou-o através dos longos cílios, provocante. — Que gracinha! — Teddy tem razão — disse Steve. — O emprego não é para mulheres. — É muito arriscado. — Oh, eu não estava falando em me tornar correspondente de guerra — explicou ela. — Há muitas outras coisas a se fazer no estrangeiro. — Falando em empregos — disse Joe, olhando para Steve —, você vai aceitar a oferta do editor? — David Wakeman sai daqui a um mês, não é?
Teddy respondeu por ele. — Steve está pensando no assunto. Steve olhou para Nicole. Ela olhava para o uísque que ainda tinha no copo, desolada. Por mais que bebesse, ele nunca parecia terminar. Joanne inclinou-se para frente, pôs a mão no joelho de Steve e pediu, com voz doce:

— Oh, o aceite, por favor! Nicole olhou para ela, cerrando os dentes. Steve sorria para Joanne com ar cúmplice. Não parecia surpreso com a intimidade do gesto dela. Os dois se conheciam há anos. E que tipo de relacionamento mantinham? Nicole não sabia. — Vou precisar de muita persuasão — continuou Steve, observando Nicole. — Sou muito persuasiva — disse Joanne, jogando todo seu charme. — Você é perfeito para ser o novo editor do noticiário internacional. — Já trabalhou muitos anos fora, saberia dirigir os homens como ninguém. — Ou as mulheres — completou Joe Fraser. — Ela o está adulando, Steve. — Cuidado.
— Fique tranquilo — respondeu Steve, rindo.

Joe voltou-se para Nicole. — Tenho certeza de que você quer que ele aceite o emprego. — Para mim, tanto faz. — Deu mais um gole naquele uísque horrível, sentindo um calorzinho na garganta. — Ele é livre, pode fazer o que quiser. Houve silêncio na sala. Steve e Nicole se entreolharam por alguns instantes; Joanne deu uma risadinha. — Está ouvindo, Steve? — Estou — respondeu ele, sem desviar o olhar de Nicole. — Gostaria que minha mulher fosse tão compreensiva quanto a sua — disse Peter Lewis, passando a mão nos cabelos. — Ela me deixa completamente louco quando começa a reclamar do meu horário de trabalho. — Devia ter uma conversinha com ela, Nicole, ensiná-la sobre os segredos de um casamento
perfeito. — Não devia perder essa chance, Steve — interveio Teddy Wiseman, apressadamente.

— Não poderá cobrir as guerras para sempre. — Vai ter de desistir dessa vida um dia, e quanto mais demorar em resolver, mais difícil será a decisão. 41

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

— Não estava planejando voltar definitivamente para cá, ainda — observou Steve. — É uma coisa que está no sangue. — A vida me parecerá muito sem graça e aborrecida se ficar em Londres. Nicole olhou para o copo. "Isso descreve muito bem o nosso casamento, não?", pensou consigo mesma. "Sem graça e longe de ser atraente." Joanne jogou um daqueles sorrisos encantadores para Steve. — Devia estar pretendendo uma carreira executiva. — Na sua posição, eu já estaria. — Você sabe muito bem que, para ser um editor respeitado e conceituado, o caminho é longo. — Está na hora de construir o seu futuro. Peter Lewis soltou uma exclamação. — Puxa! — As mulheres de hoje estão sempre dando palpites, influenciando nossas decisões. — Se minha mãe tentasse fazer isso com meu pai, levaria um belo; tapa na cara!
— Aí está um casamento feliz de verdade — interrompeu Nicole, categoricamente. — Igual ao meu. O silêncio pesou. Steve olhou ameaçadoramente para ela. Teddy levantou-se, dizendo que tinha de ir. Quase ao mesmo tempo, os outros também se retiraram, inventando desculpas. Steve foi com eles até a porta. Joanne sorriu maliciosamente para Nicole. — Foi bobagem sua — sentenciou.

— Foi? — Perguntou Nicole, com frieza. — Vai receber o troco. — Vou. — Steve não é do tipo que leva um desaforo na frente dos amigos. — Sei. Joanne olhou-a com curiosidade, passando os dedos
gata observadora. — Eu o conheço há muito mais tempo que você. — Que bom! longos pelos cabelos sedosos. Sua atitude era a de urna

— Sabe Nicole, fazia uma idéia totalmente diferente de você. — Pensei que fosse do tipo domesticado. — Pensou, é? Devia ser o que Steve achava, também. — Ei, não precisa ficar zangada — disse Joanne, sorrindo. — Estamos do mesmo lado, não se esqueça. "Não estou do seu lado, senhora", pensou Nicole. "Prefiro perder, a ter que lutar do seu lado." — Você tem de ser mais discreta — acrescentou Joanne. — Leve os homens na brincadeira. — Finja que eles estão ganhando, para fazer prevalecer a sua idéia. — Isso os faz felizes. — Nunca deve declarar uma guerra diretamente. — Quem acaba levando a pior é você. 42

Fascinação nº 75

-

Marido e Inimigo

-

Laura Hardy

Nicole ficou surpresa. Joanne estava tentando ser legal com ela, sem dúvida. Sorriu. — Vou pensar no assunto. — Isso se chama diplomacia — explicou Joanne. — Use e abuse dela, minha cara, e seja feliz. Naquele instante Steve voltou. A repórter levantou-se, passando a mão pelo rosto dele. — Está na hora de eu ir também, Steve. — Vai lembrar-se do que eu lhe disse sobre o emprego, não vai? — Tchauzinho, querido.
Ela acenou para Nicole e saiu.

A porta bateu. Steve encarou Nicole com os olhos azuis fuzilando.

CAPÍTULO V

— Devia bater em você. Steve estava transtornado, com os dentes cerrados pela raiva. Mas Nicole sentia-se cheia de coragem. O uísque corria em suas veias, deixando uma onda de calor confortável dentro de si.
Empinou o nariz, desafiadoramente. — Tente!

— Num minuto. — Franziu a testa. — Esse vestido!
— O que tem ele?

Steve analisou-a de cima a baixo, bem devagar, com os olhos semicerrados. Nicole estremeceu, sentindo-se nua. — É muito justo! — E o que você pretende fazer, brigando comigo na frente dos meus amigos? — Eu não briguei. — Não lhe dirigi a palavra.
— Não diretamente. — Mas eles entenderam muito bem o que você quis dizer. — Toda aquela bobagem sobre eu ser livre para escolher!

— É o que quer, não é? — Falou fria, sem piscar. — Pois então. — Você é livre como um passarinho. — Nunca mais me desafie na frente de ninguém! — Não fiz nada disso. — Apenas esclareci nossa situação. Steve parecia controlar-se para não sacudi-la. — Oh, sim, claro. — Eles saíram daqui com a impressão de que não somos mais casados, que vivemos discutindo! 43

Os dedos delicados afagavam os cabelos curtos e negros com fervor. violenta. pelo jeito. — Não? Steve aproximou-se dela. detendo-se em cada curva do vestido sexy. abrindo o vestido. — São mesmo — concordou ele. minha cara. avassaladora. Nicole observou. Nicole tentou se safar. Curvou-se. Ou não teria tentado me Tentou recuperar a raiva anterior. Sem saber como. — Jamais fomos. beijando-a sensualmente no pescoço. 44 . estou de volta agora. de olhos fechados. O vestido tinha caído aos seus pés. — Olá. desesperada. Steve aproximou-se dela num piscar de olhos. — enfrentar. — Isso não é casamento. Seu coração começou a bater alucinadamente. mas logo em seguida fechou-a em concha sobre o seu seio. tomado por uma emoção violenta. Ele a beijava com suavidade. passando os dedos sobre a sua pele clara e morna. Ele a fitava. Nicole soltou um gemido de prazer. mas não conseguiu lembrar-se de nada. Mas. Ele obedeceu. mulher. — As regras são minhas. — Não. — Vamos nos lembrar dos velhos tempos — disse Steve. Quando a boca de Steve finalmente tocou a sua. Os lábios estavam quentes e macios. — Tire a mão daí. mas ele a puxou com mais força. não — protestou ela. insolente. não eram. apenas como uma mulher para quem volta de vez em quando. Sentia a boca seca e as pernas fracas. enviando ondas de prazer pela espinha dela. com uma das mãos passeando lentamente por suas costas. Os olhos dele brilharam de raiva. Ela sobressaltou-se. Ele corria os olhos por todo o seu corpo bem devagar. Nicole ergueu a cabeça. Nicole soltou um suspiro abafado. Sentiu-se ameaçada. — Agora as regras são outras. assustada. Só a sensação do desejo existia agora. — Está bêbada? — Só bebi um copo de uísque! — Você jamais aguentou mais que um copo de leite. os braços dela enlaçaram o pescoço moreno. intensificando o seu prazer.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Pois eles estão certos sobre uma coisa: não somos casados. — Pois bem. Não se iria deixar dominar por ele de maneira alguma! — Não se aproxime — conseguiu sussurrar. — Você nunca me tratou como sua esposa. Nicole olhou para a mão morena e forte que agora acariciava seu ventre.

. com o corpo todo estremecendo de tanto prazer e desejo? Poderia esperar que Steve a enxergasse como um ser igual. impacientes. — Mentirosa — falou. — Sei muito bem o que é. — Você é muito sexy. pensou ela. afinal. eu garanto. Ele não compreendia seu ponto de vista e nem a tratava de igual para igual. detendo-se nos seios claros e firmes.. Assim seria até o fim. e não de um eterno caso de amor. Ele a via como uma fêmea. não há dúvida.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy "Não era isso que eu queria que acontecesse". — Falaremos disso mais tarde. "Mais uma vez presa. — Não consegue ligar nem uma lâmpada! — Martin não tem nada a ver com isso. Nicole gostaria que ele a amasse. — Ele passeou sensualmente com os lábios em sua pele e murmurou: — Tenho uma coisa mais importante para fazer. com idéias próprias. "Não". Era lógico que Steve faria amor com ela e lhe daria todos os carinhos do mundo." Steve enxergava as coisas de maneira muito simples. — Querida. que precisasse dela. — E alguns bem mais confiáveis. — Preciso de você. Ele ergueu a cabeça com a respiração tensa e os olhos semicerrados. sem conseguir encontrar uma solução. Steve abriu os olhos e fitou-a. pensou ela. 45 . — Não quero um marido que vai embora por meses. se ela sucumbia ao primeiro toque de seus dedos experientes? — Não preciso de você — retrucou-a rouca. desesperada. e depois some novamente. — Ele não sabe excitá-la. — Estou falando de você. eu vi. de repente volta por alguns dias. Como é mesmo o nome dele? — Steve ficou impaciente. se tudo o que ele tinha de fazer era tocá-la para transformar-se numa boneca em suas mãos? Nicole viu-se nua. deslizando pelos seios até as coxas macias. mais uma vez. Nicky. mas depois seria capaz de partir para a África. mas não daquela forma. está bem? Curvou-se e beijou-a no colo. Depois se perguntou sincera: "Ou era?" Sob aquela louca excitação.. Steve passou os olhos por ela. procurando recompor-se. mas visivelmente surpreso. "Aqui estou de volta". perdida.. — Mas há muitos outros homens por aí que também são. — Preciso de um casamento de verdade. Para que entender. procurou raciocinar. disse Nicole a si mesma. As mãos dele estavam cada vez mais afoitas e ansiosas. apertada contra ele. Mas como pensar. — Falaremos disso agora. tentando sorrir. e ponto final. Nicole prendeu a respiração. a vítima indefesa diante da vontade do macho. — Não fale mais naquele idiota. — Vamos voltar a falar daquele.

Quanta coisa tinha deixado passar? Não havia considerado nenhuma questão a fundo antes de se casar. — Deseja me manipular conforme a sua vontade. não é verdade? — Humm — concordou ele. não vou querer saber de você. — Quero estar lá fora. Nicole o empurrou. teria? — Seu trabalho. E agora pagava caro por isso. 46 . — Enquanto me considerar como uma boneca. é? — É. voltando a acariciá-la. sou eu que passo a maior parte do tempo aqui. você não teria se casado comigo. com a qual pode brincar e deixar de lado conforme a sua vontade. — Muito bem. — Ainda não estou preparado para dar ordens. — Meu advogado disse que tenho direito a ficar na casa. — Agora sei onde estou pisando. — Não está sendo justa — observou Steve. — Tem que se conscientizar disso de uma vez por todas. — Ficaria muito grata se fosse para um hotel. gentilmente. é melhor esquecermos nosso casamento. — Você sabia muito bem que tipo de homem eu era quando se casou comigo. furioso. — Preciso da adrenalina. irritado. Ele mordeu os lábios. os olhos parecendo duas brasas brilhantes. — Não é uma questão de dar ordens. Steve passou a mão por seus seios. Nicky. — Vai receber um belo aumento. — Ah.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela também o queria muito. não compreende? — Porque uma coisa mudou Steve: você não era casado antes. — Não acha que está na hora de mudar? — Nicole encarou-o de frente. onde as coisas acontecem. — É isso que está errado. — Não vou ficar escutando seus desaforos — gritou Steve. mas dessa vez não cederia à tentação dos seus beijos. — Quer sua mulher e o seu velho estilo de vida ao mesmo tempo. — Quero falar sobre o emprego que Teddy Wiseman lhe ofereceu. — Pare com isso! — Ainda não estou pronto para me transformar num vegetal — respondeu Steve. — Se eu fosse do tipo que gostasse de ficar em casa. eu ficarei grudado numa mesa para o resto da vida. tapa na mão dele. e agora é. — Devia aceitar a oferta. — E eu gosto de ser correspondente internacional. e será promovido. — Acabou de dizer que não mudou em nada. você não vai ficar me dando ordens. sem poder voltar atrás. não me chamou muito a atenção — confessou Nicole. na época. — Ótimo. — Afinal. mas não tem intenção nenhuma de mudar. — Estou pensando nele. — Casados ou não. Teria de lutar com todas as forças. — Se abandonar a reportagem. Steve. do contrário. — E por que você está hesitando? — Deu um. — E eu não mudei nada. — Mas você disse que um dia largaria esse emprego. — Você está querendo comer o bolo inteiro sozinho. — É mais uma atitude de vida.

A conversa animada que escutara antes de abrir a porta devia ser sobre Steve e ela. — Já seria o suficiente para convencer o juiz de que o nosso casamento foi uma farsa! — Conte. Sentou-se no sofá e ali ficou por um longo tempo. Nicole viu que ele estava a ponto de estourar. "Como vou me sentir?" Tinha se arriscado muito. agora. não era da sua natureza. — Depois. julgando que Steve a amava o suficiente para encarar o problema e resolver ficar. mas isto não a confortava. Ela também resolveu fazer de conta que não havia nada de estranho. Ficaria sozinha. Nicole ouviu a porta da frente batendo com um estrondo. percebeu um silêncio estranho no ar. então! — Gritou ele. Nicole nunca pensou que fosse capaz de brigar tanto por uma coisa. — Não preciso mentir. Detestava discutir com Steve. Mas estava difícil. apenas sentia frio. enquanto se vestia. quando entrou no jornal. — Duvido que saiba contar até vinte! — Posso fazer as contas nos dedos — replicou Nicole. "É bom que ele vá embora". Sim. provavelmente á essa hora ele estaria rindo dela. Mas tudo podia dar errado. Steve tomaria o primeiro avião rumo ao perigo. de se convencer disso. "E se ele voltar para a África e terminar com uma bala na barriga?". quando tudo o que podia lembrar-se era das mãos dele deslizando por seu corpo. deixando-a sozinha outra vez! No dia seguinte. tinha as pernas fracas e moles. — Mas não vou perder a cabeça por sua causa. Tinha conseguido colocar suas idéias para Steve. — Pode ir é para o inferno! Steve saiu. Devia estar radiante. — Basta contar os dias em que ficamos juntos desde que nos casamos. aos prantos. 47 . E daí? Estaria sozinha para sempre. perguntou-se. — Tenho de resolver isso com você. mas isso só fortaleceria os pensamentos dele. Jamais fora combativa.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Grande! — Você tem todos os direitos. Muito frio. E se ele pusesse o trabalho em primeiro lugar? Já tinha feito isso antes e poderia muito bem fazê-lo de novo. — Deve discutir isso com o seu advogado. Abraçou a si mesma. guardando consigo apenas as recordações ardentes das carícias apaixonadas dele! Era um prognóstico amargo. Teria sido bem mais fácil se ela respondesse aos seus instintos naturais e se deixasse levar. Estava tremendo dos pés à cabeça. — Gostaria que isso acontecesse. — Não sei. Agora todos continuavam a trabalhar fingindo-se concentrados no que faziam. iria para a audiência com um monte de mentiras sobre mim. e eu nenhum. Se tivessem feito amor. — Vem me provocando o tempo todo. Ao invés disso. de que o homem deve subjugar a mulher à própria vontade. pelo jeito. lutava por seu futuro. repetiu para si mesma. mordendo os lábios para não chorar. não? — É o que estava querendo desde o primeiro dia em que me viu.

que lhe fazia as perguntas mais embaraçosas. é você! — Tudo bem? — Acorde garota! Jane piscou os olhos amigavelmente. E sua transferência para o Suplemento Feminino tinha chamado muito a atenção. todo mundo sabia que o seu casamento não ia bem.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole detestava falar sobre sua vida particular. — Nós vimos Steve saindo do elevador. Ela também trabalhava no Suplemento Feminino. Nicole sacudiu a cabeça. as cotoveladas que uns davam. Ela se concentrou no trabalho e não ergueu a cabeça nenhuma vez. — O cozido de hoje foi terrível! Nicole teve a impressão de que Jane falava sem parar para deter uma pergunta insolente de Mandy. — Você não sabe? — Insistiu. — Eu estava sonhando — confessou Nicole. — Vai acabar caindo no rio! Nicole riu. Resolveu comer uma salada num restaurante ali por perto. e sempre falava o que lhe vinha à cabeça. Mandy Graban era uma morena intrometida e arrogante. antes de voltar. ela respondeu: — Não sei. — Oh. Jane. Jane quis continuar. — Sinto muito. Só aí é que ela percebeu que Jane não estava sozinha. Ela deu um adeusinho e saiu. — Quero comprar umas meias. mas sempre havia alguém mais indiscreto. Estava tão distraída que. — Cuidado. exatamente como estava acontecendo naquela manhã. Mandy não se intimidou. nos outros. pediu desculpas. — É verdade que lhe ofereceram o cargo de editor do noticiário internacional? — Ele vai aceitar? Jane olhou para Nicole de forma suplicante. hein? — Brincou Jane. e depois olhou para o relógio. O olhar que recebeu da outra garota não foi nada agradável. A maioria das pessoas evitava conversar com ela sobre o assunto. — Acho que sou capaz! — Você almoçou na cantina? — A gente devia processar o jornal por envenenamento! — Antes que Nicole pudesse responder. pronta para atacar. Na hora do almoço não quis ir até a cantina. embora não conversassem muito. eram amigas. — Se você perguntar a ele eu tenho certeza de que vai lhe dar uma resposta. Depois. Mas isso não servia para desviar os olhares. Mesmo assim. — Preciso ir. mas Mandy foi mais rápida. ela continuou: — Vou voltar a trazer meus próprios sanduíches. Um pouco mais adiante Jane a alcançou. ao dar um encontrão numa pessoa. que estava com os olhos fixos nela. Com toda a calma. 48 . e. saiu para fazer algumas compras antes de voltar ao jornal. Apesar do jeito brusco de Nicole. antes mesmo de reconhecê-la. Nicole era tão calada que o curioso mais ousado logo desistia de ir falar com ela.

e pela vitrine viu o rosto preocupado da amiga. desajeitada. — Com quem ele estava? — Joanne Hellies. — Então me fale de uma vez — disse Nicole. Nicole conseguiu parecer relaxada. — Mais cedo ou mais tarde ela vai lhe perguntar. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole não conseguia compreender como é que Jane se dava bem com Mandy. Enfim. — Um pouco atrevida. as amizades de trabalho eram mais uma conveniência do que uma escolha pessoal. você disfarçou bem! — Até pensei que gostasse dela! — E quem consegue? — Nicole suspirou. — Ela é ambiciosa. — Ela quase fez isso agora. — Eles deviam estar indo almoçar — continuou. — Mandy ainda vai jogar isso na sua cara — desculpou-se Jane. — E quem não conhece? Nicole parou em frente a uma loja. Steve não estava sozinho. — Claro! — Respondeu Jane. — Agora tenho de ir. — Muito. Prepare-se para os ataques — Esqueci de uma coisa.. — É que. não? Nicole concordou com a cabeça. 49 . — Joanne quer trabalhar como correspondente e está pedindo uma ajudazinha a Steve. — Acho melhor você saber logo. — Ninguém vai me pegar de surpresa. — Quando ela está com uma idéia fixa. descontraída. — Deu uma risadinha. pressentindo que havia mais uma coisa que Jane queria lhe dizer. — Puxa. — Oh. — Isso explica tudo. não há quem a faça calar — continuou a amiga. com falso entusiasmo.Fascinação nº 75 — Não foi sua culpa. — É veneno puro! Jane sufocou uma gargalhada. — Tudo bem. O sorriso de Nicole desapareceu de sua face. Naquela tarde mesmo Mandy parou diante da mesa dela. — Muito atraente também. com um sorriso falso nos lábios. — Tchauzinho! — inesperados! E foi o que aconteceu. — Sinto muito.. — Você conhece Joanne. não? — Muito. — Assim é que se fala. — Obrigada por ter me contado. isso. — Ela não foi muito simpática. fingindo despreocupação.

Joanne deve estar mesmo desesperada! O telefone tocou e Nicole atendeu. devolvendo-lhe o mesmo tipo de sorriso. — Só que há muita pesquisa para uma única pessoa. Era lógico que ele se referia ao acontecido na festa do dia anterior. no entanto. Uma hora mais tarde. pensou Nicole. — Vamos. Joe. e passava gente em todas as direções. veio até eles. enquanto Joe foi falar com o editor. e preciso dele para a semana que vem. — Phil e eu vamos sair agora para fotografar alguns circos que estão se apresentando em Londres. De longe. — Quem? — Joanne Hellies. — Ás nove da manhã. Jane lhe fez um sinal de "Eu não disse?". que logo começou a bater papo com as garotas. Agora. gostaria muito! — Quando quer que eu comece? — Amanhã. o fotógrafo. — Adivinhe quem estava com Steve — continuou Mandy. foi embora. donzela de gelo — disse Phil. cheio de mesas e máquinas de escrever. Phil — chamou Joe. Com ele veio um jovem fotógrafo. Os telefones não paravam de tocar. Joe Fraser entrou no departamento. já estava bem acostumada. Depois. era receber um olhar desses de um homem que mal conhecia. O Suplemento Feminino ficava num salão imenso. — Não sei. — Estou escrevendo um artigo sobre circos. com um sorriso insolente nos lábios. Encarou-o com desprezo. medindo-a de alto a baixo. Phil Smith. Mas ela respondeu apenas: — Puxa. sem saber o que fazer. — Dá para você me ajudar? — Claro. A garota arregalou os olhos e prendeu a respiração.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy "Aí vem". Mandy e o rapaz logo estavam conversando animadamente. e Nicole sorriu. — Olá. observando-a atentamente. Se havia uma coisa que detestava. Nicole cerrou os dentes. Raymond disse que eu poderia pegá-la emprestada por algum tempo. — Como vai. — Amanhã eu lhe entrego uma lista de coisas para você procurar nos arquivos. — Escute. — Oi. está bem? — Ok. Ela ergueu os olhos. Nicole pensou que nunca seria capaz de trabalhar naquela confusão. 50 . sem olhar para Mandy. Quando se mudou para lá. Nicole? — Bem. que ficou ali parada. Alguém se curvou sobre a sua mesa. esperando que Nicole se traísse.

O táxi saiu meio de lado.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ah. com a mão erguida. 51 . que indicavam em que prateleira estava á informação desejada. claro. afastando uma mecha de cabelos molhados e depois o acariciou no rosto. esperando uma brecha no trânsito.. E agora uma delas era real. Joe soltou uma gargalhada. Á essa hora. fechou o guarda-chuva e a seguiu. por sua vez. bem como as informações sobre as pessoas mencionadas nas reportagens. As notícias corriam rápidas por ali! Chovia a cântaros quando Nicole finalmente saiu do jornal naquela tarde. Por um segundo Nicole pensou que ele a tivesse visto e que aguardava por ela. Por mais insolente que Phil Smith fosse. existia um monte de livros. Não estava surpresa. Estava para correr e pegá-lo quando viu Steve na outra entrada do prédio. pois havia várias pastas com números e cores diferentes. olhando ao redor. Nicole voltou ao trabalho. — Você já falou com ela. Joanne passou a mão pela testa dele. depois. ele nunca se metera a engraçadinho com mulheres casadas. o tráfego de Londres era lento e pesado. sempre têm um vasto arquivo. Atrás deles. enquanto arrastava Phil para fora da sala. Hesitou sob a marquise de concreto da entrada do prédio. Steve segurou-a pelo braço para ajudá-la a entrar no carro. Todas as cópias antigas do diário estavam lá. Estava para se juntar a ele quando observou Joanne Hellies correndo pelo pátio. mas elas não passavam de assombrações para Nicole. com um vinco de irritação na testa. variando conforme o assunto. prontamente. O táxi parou e Steve abriu a porta. Ele podia ter tido muitas mulheres no passado. onde os repórteres procuram acontecimentos do passado para Nicole estava acostumada a pesquisá-lo. — O que é que ele tem que eu não tenho? — Charme — respondeu Nicole. A enorme sala estava sempre cheia de gente correndo de uma prateleira para outra. Viu um táxi se aproximando pela avenida. O frio da primavera. O pessoal que trabalhava lá parecia muito paciente. que. — Piscou para Nicole. Sempre soubera que Joanne arrastava a asa para Steve. como data e local do ocorrido. espere um pouco. — Vamos conversar sobre. agora é a minha vez. Era impossível apressá-los. com os cabelos vermelhos meio escondidos sob a capa de chuva. Steve inclinado para Joanne. Ele ocupava um andar inteiro do prédio. sem saber se enfrentava a chuva ou não.. Nicole ficou olhando para as duas cabeças que enxergava através do vidro embaçado. em busca das mais variadas questões. Apoiou-se na parede de mármore. com o seu perfil moreno bem delineado. Nicole pensou que fosse desmaiar. nunca a repreendera. CAPÍTULO VI Os grandes jornais enriquecer os seus artigos.

ela respondeu. — Ela gosta muito de você. — Leve e gostoso. Nicole abriu uma gaveta. Ele era forte. fazendo anotações num caderno. não o tinha visto! Steve parecia bem melhor. — Ela me crivaria de perguntas. — Após — Mas que coincidência! — Disse alguém com intimidade. com bailarinas. Nicole virou-se. — Ela adora é ficar dando ordens para o irmão mais novo. — Se está pretendendo ficar na Inglaterra apenas por alguns dias. Estava de terno novo. mágicos. — O que está fazendo? — Perguntou. Será que ia a algum lugar em especial? Ficara muito elegante. — Um belo assunto. — Quer que eu o ajude? — Oferecera-se Nicole. 52 . isso sim. com o paletó de lã escuro e o colete do mesmo tecido. — Pesquisando o quê? camisa Corando. e o material à sua disposição era bastante farto e bonito. elefantes.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole passou quase que o dia inteiro ali. e de vez em quando alguém se desculpava ao passar por trás dela. Os arquivos ficavam em filas estreitas. Era uma roupa bem mais formal do que aquela que normalmente usava. devia fazer um esforço e ir até Suffolk. Steve sempre vestia jeans. — Pesquisando. — Maggie adora meter-se na vida dos outros. olhando para as pastas que Nicole consultava. e uma branca que contrastava com sua pele bronzeada e viril. — Já foi ver Margaret? Steve não ligava muito para a sua família. A irmã Margaret o via muito pouco. — Claro que não! — A gente ia acabar brigando por causa das fotos! — dizer isto. O rosto estava mais descansado e toda a tensão que trouxera do exterior tinha se evaporado. — Joe está escrevendo um artigo sobre o circo. Steve fez uma careta. — Fez um gesto impaciente. Só poderia usar duas delas. A história do circo era fascinante. Nicole esforçou-se para desviar os olhos daquele corpo esbelto e másculo. e quase nunca lhe escrevia. tigres. Joe estava no departamento de fotografias. — Oh. bem próximo ao seu ouvido. Nicole observou-o atentamente. como sempre. Recuperava-se rápido. Ele raramente a visitava. — Imagine as fotos mais fantásticas do início do século. e sempre reclamava por isso. Muito obrigado. e já tinha reclamado para ela que levaria muito tempo para escolher as fotos do artigo. — Ainda não. ele fora embora. e eu só podendo escolher duas! — Tinha dito zangado. assustada. — Pediu-me para ajudá-lo.

— Não vou lá sozinho. — Puxa! — Por que é que eu estou com a impressão de que você não gosta dela? — Ela nem existe para mim. não minha. Steve dizia constantemente que Margaret devia ser tratada à distância. — O que há com você? — Ele sorriu irônico. com os cabelos negros e os olhos azuis iguais aos do irmão. a irmã costumava organizar a sua vida também. observando-a atentamente. não? — Traz a presa nos dentes sem machucá-la. — Machucou-se? Segurou no pulso dela antes que Nicole pudesse fazer alguma coisa. o pão. Nicole corou arrependida pelo que acabara de dizer. — É um perfeito cão de caça. — Que ótima idéia! Nicole voltou os olhos para a prateleira. apertando os dedos na gaveta de aço.Fascinação nº 75 tivesse se esquecido de mim. Empurrou a gaveta do arquivo com tanta força que quase prendeu os dedos. "Por que não calo a boca?". Eles estavam muito brancos e pálidos comparados à pele bronzeada e forte de Steve. já quarentona. eu a vi em ação. Steve sorriu. 53 . — Ela é sua irmã. Perto dela Nicole sempre se sentia fraca e apagada. ativa. obrigada. — Não. Uma pessoa esguia. Steve sabia muito bem que ela apenas não queria acompanhá-lo. — Não? Nicole sentiu vontade de esmurrá-lo. Era ela quem organizava as festas locais. E isso não tinha nada a ver com gostar ou não de Margaret. então. a Joanne — continuou Steve. — Uma criatura cativante. com energia suficiente para seis pessoas. — Gosto de Margaret. — Sim. Quando ele era jovem. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Pensei que — Não me repreenda. Steve viu-a puxar a mão. satisfeito. perguntou-se. Tinha três filhos e um marido médico. — Vamos juntos. e ele ficou aliviado por conseguir escapar dos olhos argutos dela. — Leve Joanne Hellies. — Mas você gosta dela. — Ele a observou por um instante. não? Nicole ficou calada. cozinhar e ditar a vida social do lugarejo. Ela mesma tomava conta de tudo. Morava numa chácara na pequena vila de Suffolk. e limpar a casa. apesar disso. — Devia tomar mais cuidado. — Não. — Mãozinhas minúsculas — falou rouco. Examinou seus dedos atentamente. zangada consigo mesma. Nicole sacudiu a cabeça com firmeza. e. Margaret era uma mulher esfuziante. só para apagar o sorriso de satisfação de seu rosto. ainda encontrava tempo para fazer suas próprias geléias de frutas.

— Está com um aspecto horrível. — Vou tentar. — Já consegui todos os dados que queria. Às cinco horas Joe entrou no departamento. Ele julgava ser o centro do universo. não teria pedido isso para hoje. — Obrigado. estou apenas organizando a pesquisa para você. Nicole sorriu para ele e disse: — Obrigada. Steve levou sua mão até os lábios. diferente de alguns repórteres. Mais algum tempo e estaria careca. Era Joe. — Podia tê-lo terminado amanhã cedo. amigavelmente. todos deviam girar à sua volta. — Se não for problema. roçando-a num leve beijo. viu quando ele partiu. Não tinha a menor noção de tempo. — Se soubesse que levaria tanto tempo. — Leve à minha mesa quando estiver terminando. mas. — Ótimo. Joe. com o canto dos olhos. preocupado. Ele era uma pessoa agradável de trabalhar. — Oi. Foi fazer uma consulta com um funcionário. fazendo com que ele a soltasse. Joe sorriu. Nicole virou-se de costas e saiu trêmula. As outras garotas estavam indo embora. Entregava-lhe um trabalho para ser datilografado e dali a cinco minutos voltava para ver se já estava pronto. A grande sala foi se esvaziando aos poucos. está bem? Às seis horas ela ainda não tinha acabado. Ele tinha trinta e poucos anos. Nicole já acompanhara Steve em algumas reportagens e fora uma experiência terrível. Naquele momento alguém passou por eles. Nicole parou de bater à máquina.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela sentiu o coração acelerar. — Agora é que me diz isso! — Sinto muito. Eram quase sete horas quando finalmente bateu a última linha. afastando aquelas lembranças. Deu uma olhada no que ela datilografava. de olhos fechados. cobrindo suas máquinas de escrever. 54 . obedecendo às suas ordens. Suas costas doíam. é melhor colocá-las em ordem. Nicole passou a mão nos cabelos. — Dá para você me entregar isso ainda hoje? Nicole olhou para o relógio da parede. claro — emendou Joe. — E então? — Tudo bem. a testa alta. — Fiz algumas anotações. — Olá. Recostou-se na cadeira.

— Vamos jantar no Ramiro's — disse Joanne. — Chegou pelo telex. se não é a minha esposa! Joanne riu. Àquela hora era sempre assim. — Acho que no fundo as pessoas gostam dessa parte só porque espera que um dos animais se rebele e arranque fora a cabeça do domador. prendendo-as com um clipe. com afetação. — Você parece mesmo muito cansada. — Outro terremoto daqueles! — Não é o meu campo — respondeu Steve. Quando viu Nicole. eu estava brincando. ajustando o cinto dourado do vestido verde. — Só não gostava muito da parte dos leões e tigres. Joe? Ele fez que sim com um gesto de cabeça. Joe fez que sim com a cabeça. — Quando era criança. — Juntou as páginas com cuidado. A mulher falava com animação. — Aqui está. Joanne voltou-se para o espelho do elevador. Nicole apertou os lábios. que horror. Joe! O elevador parou e abriu a porta. — Mas pode ir se quiser. — Faz uma hora. mas hoje está cinzenta! — É muito gentil da sua parte. — Ele a olhou. — Nicole riu. Joe sorriu. dando um passo para trás. — Quer dar uma checada agora? — Quero que você vá para casa e descanse bastante. — Adorei ter feito essa pesquisa — confessou Nicole. Os dois saíram juntos da sala. mas estava lotado. O elevador parou. — Não cabe! — Não cabe! — Gritaram as pessoas. — Estou cansada demais.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Tudo bem. ora. 55 . — Os domadores são cruéis. — Não estou com pressa. — Vai jantar fora. Joe. vibrava quando meus pais me levavam a um deles. — E você? — Perguntou ele. e os quatro entraram. colocando a mão sobre o braço de Steve. — Sempre fui fascinada pelo circo. virando o rosto. Nicole. exclamou: — Ora. passando a mão pelos cabelos cor de fogo. — Vai ser mais rápido pela escada. — Todos esses elogios ainda vão me subir à cabeça! Escutaram alguns passos pelo corredor. — Muito obrigado. — Prefiro esperar. Joe. — Sua pele normalmente é pálida. Sorriu para própria imagem com satisfação. preocupado. — Oh. e a porta fechou-se novamente. Ela preferia morrer a revelar todo o ciúme que sentia na alma. Ficaram esperando pelo elevador. Nicole virou-se e avistou Joanne Hellies saindo de uma sala com Steve.

Joe falou: — Nicky e eu também estamos. — São poucos os que podem dar-se ao luxo de comer no Ramiro's. trêmula. — Gosto da comida indiana e adoraria jantar com você. fitando a porta fechada do elevador. Nicole aguardou-o. — Obrigada. Ele corou. — Imagine. andando apressada. mas não posso pagar o Ramiro's com o meu salário. Sentiu que todos olhavam para ela. Nicole mordeu os lábios. — Bem. nem um barzinho para tomar uma cerveja! — Prefiro Londres. indo jantar fora. — Só estive aqui na hora do almoço — comentou Nicole. dando ao local um ar de aconchego. envolvente. Eram os únicos fregueses. Nicole estava grata a Joe por tê-la salvado das garras de Joanne Hellies. não foi? — Um pouco demais — confessou Nicole.. — À noite parece bem diferente. A superfície negra do rio refletia a iluminação amarela das ruas e dos edifícios de concreto. Ergueu a cabeça. Joanne estava alegre como um rato que roubou um pedaço de queijo. correndo para alcançá-la. Na hora do almoço. entretanto. — Ei. — O próprio dono é quem cozinha. As pesadas cortinas vermelhas estavam fechadas. — Ótimo! Os dois caminharam silenciosamente pela estreita calçada que beirava o Tâmisa. estava sempre lotado. — Sorriu para Steve. — Vamos a um restaurante indiano. e logo pediram o prato. — Pelo contrário! — Sorriu. Com toda a calma. com refeições e café a um preço bastante razoável para quem trabalhava nas imediações. Joe. tampando um pouco a entrada da testa. O elevador parou e Nicole saiu na frente. o Madras. tudo fechava. Nicky. Cerrou os próprios punhos. e o dia acabava. — Eu também. — Gosto do frango com curry de lá. Os dois andaram pela rua movimentada. dez mil vezes. e é um lugar agradável. felina. — Às seis horas. Joe pegou em seu cotovelo e conduziu-a até o outro lado da avenida.. — Gosto de Londres à noite — disse Nicole. cega de dor. — Espero que não tenha ficado zangada. — Já estive lá. numa cidadezinha de Cheshire. lutando para não demonstrar a amargura que a consumia por dentro.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Com o canto dos olhos. Era uma mulher competitiva. Os lustres orientais do restaurante indiano brilhavam intensamente. — Joanne abusou um pouco. espere por mim! — Chamou Joe. 56 . — Cresci no interior. a do canto. Nicole viu as unhas pintadas de vermelho brilhante contra o tecido escuro do terno novo de Steve. e de natureza maldosa. não é? — Tem uma atmosfera mágica. O vento da noite soprava os seus cabelos ralos. sem graça. Joe conduziu-a até uma mesa. Joe. e que tal comer frango com curry comigo? — O Madras não é ruim. intimidade e bom gosto.

Nicole conseguiu comer um pouco do frango. Ofereceu um pouco de paratha a ela. pensou Nicole. Mesmo assim. 57 . Durante o jantar. Não podia impedi-lo. "Bem do gênero dele". problema dele. logo deixou o prato de lado. — Obrigada. — Ele é humano — insistiu Joe. mas um grande amigo. — Aquele negócio da África o pegou desprevenido — murmurou Joe. — E também se sentindo culpado. querendo pôr um ponto final na conversa. ficar tanto tempo sozinha enquanto Steve estava fora. finalmente. — Conseguiu escapar por milagre. — Não sei como Steve a suporta. sabia disso? — Uma pessoa da embaixada o escondeu. Estava estragando seu apetite. — Steve o conhecia. incrédula. Nicole olhou para o prato. — Nunca o vi tão perturbado. Mas também não gostaria de ouvir falar nisso. Joe. Seu estômago pesava. — Eles tinham tomado uns drinques juntos alguns dias antes. Gostaria que ele parasse de falar sobre Steve. horrorizado. — Deve ter sido duro para você. Ela ficou rodando o frango no prato com o garfo. — Talvez da próxima vez ele não escape. mas parecia determinado a falar de Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ele era de pouca conversa. — Steve gosta de ser auto-suficiente — acrescentou ela. — Sei como se sente. desolada. Se Steve queria andar a beira do abismo. e tem personalidade muito forte. Parecia muito bem-feito. e ficou calado por alguns minutos. não quero paratha. Nicole sacudiu a cabeça. Ele estava delicioso. "Tomaram uns uísques e tornaram-se amigos. enojado. Esses homens me deixam doente. — Está zangado. Joe compreendeu a dor que ela estava sentindo. — Gosta de viver no perigo. Joe foi ficando mais relaxado. Joe continuou: — Sabe o que ele disse para mim? "Por que eu?" "Por que justo eu escapei vivo?" Os lábios de Nicole tremeram. mas perdera a vontade de comer. — Culpado? — Culpado do quê? — De estar vivo. amargurada. — Joanne só traz problemas — começou Joe. — Acho que ele gosta dela. — Mas ninguém consegue ser totalmente auto-suficiente. — Ele não é uma pessoa fácil. — Já tem muita comida no meu prato! — Por que é que eles exageram tanto? — Acho que pensam que somos uns esfomeados." — Não quero falar sobre isso — falou alto. — É — concordou Nicole. de se lidar. Joe fez que sim com a cabeça. — Steve consegue.

A fofoca sobre o relacionamento dele com Joanne já devia estar correndo solta.. Quando Nicole chegou à redação. Voltou para casa às seis horas em ponto. — Viver em Londres está se tornando um pesadelo. Nicole ficou muito tempo deitada. imaginando-o com outras mulheres. Estava exausta. como sempre. — Levei horas. no orçamento. virando-se de lado e fechando os olhos. Quando saíram. e camisa branca. Jane veio ao seu encontro para se queixar do atraso do metrô. — Eu os levaria ao jornal! Ele estava de jeans. — Acho que seria mais rápido vir andando. Ouviu-o assobiar da cozinha. com outra mulher. Claro. fitando o escuro. pensou. — Vim buscar algumas coisas — interrompeu-o. Mandy veio na direção delas. Só de vê-lo. sabendo que Steve estava na mesma cidade. — Normalmente deveria levar uns vinte e cinco minutos! — Corte. — Mas ele não vive atrás de problemas? — Perguntou Nicole. Joanne Hellies era uma mulher muito atraente. — Da outra vez saí tão depressa que esqueci uns papéis muito importantes. viu que Steve estava lá. fazendo naquele instante. Nicole recusava-se a entrar naquele joguinho sórdido. Era duro voltar para um apartamento vazio. As pessoas queriam saber o que é que ela achava do ex-marido sair com Joanne. — Já lhe disse. Só que estas estavam muito longe e ela não as conhecia. ninguém mais aguenta! — Vim de ônibus. O garçom trouxe a conta e Joe fez o cheque. remoendo-se de ciúmes. Seu único consolo era saber que ele não corria perigo de vida estando em Londres. Joe. e maldosa. ele fez questão de pô-la num táxi e pagar a corrida adiantada ao motorista. e isso já basta para Steve. — Devia tê-los pedido para mim. imaginando o que Steve e Joanne estariam. juntas fazendo um Cooper! — Brincou Jane. com a cara mais inocente do mundo. 58 .Fascinação nº 75 — Imagine! - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ela é atraente.. eles alegam. "Belo consolo". Louca de raiva. isso sim. mas ela não permitiria que ninguém comentasse sobre o assunto. na manhã seguinte. Pisava em cima de qualquer um para conseguir seus objetivos. também. — Levei uma hora para chegar aqui. Steve cruzou os braços. não querendo dar tempo para mais conversas. — Você e eu. ela escancarou a porta. Não era a primeira vez que se encontrava sozinha. Nicole ficava nervosa. Só que não foi fácil. com a voz carregada de tristeza. Não estava a fim de ouvir comentários maldosos sobre Steve. Assim que entrou no apartamento. e Nicole teve de mudar de assunto várias vezes. Todos que vinham conversar com ela acabavam por falar alguma coisa a respeito. Nicole afastou-se de Jane apressadamente. — É uma víbora.

muito. Ela estava certa. assinou um papel e pronto. — Eu tive de descobrir depois de dar muita cabeçada. — Quer um cachorro! — Não é verdade. que recebe uns. — Gosta de se envolver. com cinismo. — Apenas se casou comigo. não é? — Um computadorzinho que volta para casa todos os dias as seis. — Eu sou um fato. — É o que vou fazer! — Ele também estava zangado. — Não espera que eu seja outra coisa. — A comida estava deliciosa. — Ela é do seu tipo. com amargura. — Há muitas outras mulheres no mundo de quem não preciso ouvir reclamações! — Joanne Hellies? — Joanne — confirmou Steve com ironia. Nicky o conhecia bem para saber a resposta. — Claro que é! — Ele é farinha do mesmo saco que o seu gerente de banco. — No mais. Steve e Joanne já tinham tido um caso. — Não sou do tipo que volta para casa ás seis todos os dias. que jamais lhe causará problemas. — É nisso que quer me transformar. — Afinal. — Sim. — Gosta de pular a cerca de vez em quando. — Dê o fora e seja você mesmo em outro lugar. — Se você está falando da minha vida de solteiro. — Quem o convidou para vir aqui e gritar comigo? — Estou lhe dando o divórcio. — Eu não pulo a cerca. então dê o fora! — Exclamou Nicole. não? — Outro cara domado. impaciente.Fascinação nº 75 — Teve uma noite agradável com Joe? - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela o olhou com um falso sorriso. — O meu jeito de ser. — É isso aí — continuou Steve. — Bem. e Joe é um cara muito legal. — É você que está fazendo isso. — Recusa-se a encarar os fatos. tapinhas afetuosas na cabeça para depois comer! — Você não quer um homem. é claro que costumava me divertir de vez em quando. — Ela não está "arrumando" nada — retrucou Steve. Não precisou responder. seguro. Joanne já insinuara isso. — Ela é realista. ela combina direitinho com você. mas só superficialmente. — Sei que gosta de Joanne. — Está me dizendo que não é um marido! — Pois bem. pelo menos ela sabe o que está arrumando — murmurou Nicole. Nicole. com sarcasmo. — Você será livre. 59 . — Tenho certeza disso. — Está torcendo as coisas de novo. — Já se conheciam bastante no passado. droga! — Nunca pulou claro — acrescentou Nicole. me aceita como sou. Steve desviou o olhar. isso é um fato. — Sempre suspeitei de vocês dois. não quer nenhum laço conjugal. — Não é isso que fazemos antes de nos amarrarmos a alguém? — Você não se amarrou a mim. Steve ergueu os ombros.

— Devia ter feito isso na noite em que voltei! Ela viu-se suspensa no ar como uma criança. — Todo mundo é de todo mundo. com voz grave e arrastada. cheia de sarcasmo. — Não faça isso. mas não tinha como pará-la. 60 . Nicole começou a sentir uma grande excitação também. Soava horrível. Os dedos dele cravaram-se nos ombros frágeis. Engoliu em seco. Seus olhos brilharam vingativos. De repente. totalmente alheio aos seus protestos. Nicole jamais falara com alguém naquele tom. Entendeu. — Nicky! — Não fale assim! — Talvez eu devesse aprender com ela. — Não. Steve. O coração de Nicole pulou.. a promessa daqueles olhos azuis ameaçadores. mas Steve era muito mais forte que ela e a sacudia com raiva. ela teve receio. Steve parou por um instante. Sua voz estava alta. — Não tenho a menor intenção de voltar para casa qualquer dia e encontrar você e Joanne no meu quarto. — E dê-me a chave de volta. — Ponha-me no chão! — Ordenou. Agarrou-a pelos braços e sacudiua com violência. — Não quero que use o apartamento quando bem entender. mas também nunca sentira tanta raiva de uma pessoa como agora. — Eu não quero. Estava inteiramente à mercê de um homem violento e forte. Além do medo. — Como ousa! — Jamais o perdoarei! — Não pode. Seu rosto estava transtornado pela raiva. encarando-o.. com desdém. Steve estava louco de desejo e raiva. — Nicole não sentia o menor medo dele. e logo em seguida deitada no ombro dele.. Ele foi andando para o quarto. desafiadoramente. batendo com os punhos cerrados nas costas de Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ainda não? — Não a deixe esperar por muito tempo. estridente. — Solte-me! — Ela gritou possessa.. — Sua. — A porta está aí. — Não pode pensar em ser livre e ao mesmo tempo querer me prender! — Eu também tenho de saber como é gostoso divertirse sem compromisso! Steve atravessou o espaço que os separava em dois passos. Nicole procurou safar-se. — Saia e não volte mais. não existem mais laços! — Por que não tirar vantagem disso também? — Não seja ridícula! — Mas você devia achar bom — continuou Nicole. — Não quero mais ouvir essas bobagens! — Não tem que escutar. — Não. constatou incrédula. O ciúme a consumia como um ácido corrosivo. também — continuou. — Faço — respondeu ele. — Vai ver que não descobri ainda o que estive perdendo! — Toda essa liberdade para com as pessoas. debatendo-se.

Nicole o encarou trêmula de medo. Nicole agora sentia todo o corpo pegar fogo. mas não tem a menor intenção de comportar-se como meu marido. desejando este momento todos aqueles dias. agora mesmo. Talvez nem ele mesmo percebesse o que estava fazendo: agia por instinto. Sempre tinham sido amantes apaixonados. mas ela sufocou o consentimento. provocando-a. Sua respiração estava forte. o peito musculoso. sozinha. o pescoço alvo. — Vale para os dois lados. Respirava forte como ela.. Estivera. Nicole teve de lutar contra a vontade de se entregar. O lado fraco de Nicole quis concordar. Lembrou-se dos meses que passara ali. gemendo e passando a mão pelos cabelos negros e grossos. Deitou-se sobre ela e beijou-a sensualmente. amargurada.. Ele ergueu o rosto. Desde que o vira em sua cama. mas esquece-se de que é o meu marido também! — Não vamos começar tudo de novo. Nicole sentiu-se enfraquecer de desejo. — Não sou eu quem precisa perceber isso — respondeu ela. Nicole quis escapar pelo outro lado. Ele atirou a camisa no chão. Nicole soltou um gemido abafado. Quando reagiu. Quando começou a tirar a calça. naquela cama. Steve. exigindo resposta. beijando-a com fervor. — Querida. forçando-a a deitar-se de novo. mas nunca experimentaram tanta ansiedade. — Você diz que sou sua mulher. estarei perdida para sempre". Precisamos fazer amor. Ao perceber que ela se rendia. constatou com amargura. Aquilo não era amor. tentava conquistá-la pela superioridade do sexo. Steve atirou o vestido dela no chão. arrancando o seu vestido. irregular.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não me importo á mínima com o que você quer. — Quer que eu seja sua esposa. Seu peito bronzeado brilhava sob a réstia de luz que vinha da sala. 61 . — Está na hora disso entrar na sua cabecinha. — Você é minha mulher. foi quase que esmagada sobre o colchão. como se ela fosse uma boneca. Era uma guerra! E Steve pretendia vencê-la. Ao ver-se encurralado por ela. Steve começou a acariciá-la. Esforçou-se para pensar. Relaxou sob o corpo viril. Ergueu as mãos trêmulas e tocou o pescoço moreno. mas ele a agarrou com severidade. enquanto ela o acariciava com sofreguidão. Sua expressão era de triunfo e desejo. beijando-a com ardor e raiva. e começou a desabotoar o sutiã. os ombros. — Para o diabo a sua teoria! — Vou me portar como um verdadeiro marido. Ele insistiu brutal. jogou-a sobre a cama. Depois. mordiscando a boca delicada. e ficou praticamente sem movimentos. sentindo a própria pele vibrar de prazer. "Se eu me entregar agora. Abriu a porta do quarto com um pontapé. As mãos dele á exploravam famintas.

novamente. arriscando a cartada final. 62 . Steve estava em vantagem. está me ouvindo? — Não o farei! O rosto dele ficou tenso. Era uma luta corporal. Aproximou-se. determinada. contanto que esteja ao seu lado. — E ainda o quero. — Não pense que gosto de gritar. — Estou cansada de viver sozinha. com franqueza. Não tinha esperança de vencer daquela maneira.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole fechou os olhos. surpreso. não minta. — Não o farei. então — aconselhou Nicole. — Também fico — replicou ele. — Se não suporta morar em Londres. dela com ar felino. Steve. — Desista querida. Como podia perder. furioso. — Fico com dor de cabeça. pensando que Steve depois se submeteria a ela. recuperando a autoconfiança. agora. pois a derrota seria certa. mas se fizer isso comigo jamais o perdoarei. desde que voltei de viagem. Steve sorriu novamente. — Decida-se. mas não me oferece nenhum. — É horrível. Nicole saiu da cama. Não podia lutar usando como arma o próprio corpo. Seu corpo viril e ansioso sempre a derrotara pelo prazer. Os olhos azuis fixaram-se nos seus. — Eu também. — Não grite dessa maneira! — Mas só assim você me ouve. Steve! Ele parou a um palmo dela. Estava na hora de tomar uma decisão. — É uma coisa muito simples: quero um casamento baseado em respeito. segurando seu rosto entre as mãos. Mas logo sorriu. — Não me importo de morar em Timbuctu. — Até que isso aconteça. sempre aparecendo e desaparecendo de sua vida. — Querida. ameaçador. — Falo de um sentimento mútuo. — Não. cansada desse falso casamento. — Sim — admitiu-a. Nicole sacudiu a cabeça tristemente. Levantou-se para tirar o resto da roupa. Steve. — Tente compreender. louco de desejo. — Estou falando sério. enrolada na coberta. Franziu a testa. Ele ergueu a cabeça. — Você tem sido uma dor de cabeça permanente para mim. rindo baixinho. se contava com os instintos dela á seu favor? Já se entregara a ele no passado. — Sabe muito bem que não pode suportar. Nicky — ele respondeu. Estava certo da sua vitória. Ele começou a beijá-la com ardor. — Se me quer como sua esposa vai ter de mudar nossa vida. mas se enganara. — Não seja tola. a voz rouca. não dormirá comigo. — Mas não farei amor com você — continuou ela. inquiridores. — Você me desejou agora mesmo. — Você exige respeito. e nesta disputa ela tinha pouquíssimas chances de vencer. — A rua inteira escutou o que disse. — Não posso detê-lo — a admitiu —. leve-me com você. Sentia o corpo dele colado ao seu. Esse homem era um nômade.

" Continuava muda. Jamais pensaria em desafiar a superioridade masculina dele se não tivesse vivido momentos de medo e angústia enquanto ele ficava ausente. ele está compreendendo!" Nicole disse a si mesma. você não é a mulher que pensei que fosse. "Estamos num campo de batalha. Viu-o corar de raiva. Passou a mão pelo cabelo. Cerrou os lábios com determinação. sem se importar com o quanto isso lhe custasse. — Tenho certeza de que Joanne será mais receptiva. Steve parecia contrariado. zangado. — Não admiro as mulheres que ditam as leis! Claro que não a admirava! Se alguém tivesse que ditar alguma coisa. aceitara aquela posição sem o saber. regido por homens. Nicole fora criada desta forma. e depois pegou as roupas do chão. Estava lutando por sua vida. — Estava totalmente enganado sobre você. vestindo-se rapidamente. quero a chave do apartamento. — Achei que fosse a pessoa certa para se casar comigo — reclamou ele. Ele pensava apenas em si mesmo. Steve bateu a porta com tanta força que o quarto estremeceu. impassível. pensou ela. — Pensei que fosse meiga. ele se enganara redondamente. — Não.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Os olhos dele pareciam duas pedras de gelo. Isso era verdade. — Você é tão meiga quanto um trator! — Concluiu ele. nervoso. Nicole sabia que tipo de reação ele esperava dela. Nicky. Não iria ficar em casa passivamente enquanto o via arriscar-se em terras estranhas. — Por que não fala alguma coisa? — Perguntou Steve. segura de ter dito tudo o que queria. — Sua idiota obstinada! — Gritou ele. — Não se esqueça. baixinho. O mundo era território masculino. Ela começou a chorar. e assim seria até o fim da humanidade. Talvez Steve não a entendesse. Deu um sorrisinho sarcástico. organizado por eles. Pois bem. "Há hora e lugar certos para a meiguice". e esperava que sua esposa o acompanhasse de qualquer maneira. — Já disse tudo o que tinha para dizer. mas Nicole agora lutava tanto por ela quanto por ele próprio. e não pretendia ceder. Steve desejava uma mulher que não lhe fizesse nenhuma exigência. Ao se casar com Steve. "Afinal. encarando-o sem medo. 63 . Nicole encarou-o sem o menor constrangimento. Ele parecia querer estrangulá-la. seria ele. sem perguntas. Praguejou alguma coisa. Nicole observou-o em silêncio. que se submetesse e aceitasse tudo. pela própria felicidade. Steve percebeu a decisão dela. E ponto final. — Não dirijo a minha vida para satisfazer você — continuou Steve. À mulher cabe a submissão.

Nicole lembrou-se das brincadeiras do telefone sem fio da infância. CAPÍTULO VII Durante o resto da semana Nicole ficou em estado de letargia. — Foi sem querer. — Steve tem mantido longas conversas com Teddy Wiseman. — A gente acaba ficando curiosa. mas depois não era capaz de se lembrar de nem uma palavra. e no final ela estava completamente distorcida. — Estava me comportando como Mandy. — Desculpe-me. — Devem estar escolhendo o próximo país para onde ele vai. — É que todo mundo faz comentários. não? — Igualzinho — respondeu Nicole. ela respondia. mas continuou sorrindo. Jane hesitou. rindo da aflição da colega. — Tem certeza? — Jane não parecia convencida. incrédula. — Tudo bem? Nicole sorriu para Jane. Eram incríveis como as notícias circulavam rápido. ou a queda de governo de um país do outro lado do mundo. não é? — É mesmo? — Nicole encolheu os ombros. — Tudo. com o sentido alterado. — Ou discutindo sobre uma guerra civil. Mal sabia o que estava fazendo no trabalho. A amiga ficou vermelha. Os dias sucediam-se sem que os notasse. quem sabe? Jane a fitou. as pessoas conversavam. — Então todos morrendo de vontade de saber o que Steve vai fazer — continuou Jane. Um cochichava para o outro uma frase. imagina coisas.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Cambaleou até a cama e ficou lá. em prantos. — Você está sonhando acordada! Nicole teve vontade de chorar. 64 . por muito tempo. Nicky. uma revolução. — Será que é isso? — Acho que sim. — Pois vão ter de esperar. — Estou? — Sinto muito. As pessoas inventavam e fantasiavam muito. — Então Steve não vai aceitar o emprego de editor internacional? — Você também. Jane? — Recriminou-a Nicole. sorria.

— É? — Um passarinho me contou que você e Steve estão se divorciando. — Estou aborrecendo você? — Não. — Joanne estava querendo um emprego no exterior há meses. Ela curvou-se sobre a escrivaninha. ela esperou até ter uma chance para lhe perguntar. Esforçou-se para se concentrar no trabalho. sua felicidade. — Quer fazer o favor de me deixar em paz? Joanne riu baixinho. Não escutava uma palavra do que Joe dizia. Dali a pouco Mandy apareceu. Joanne viera ali para perturbá-la. e você? Joanne não estava ali por acaso. quando Joe apareceu para conversar sobre a matéria do circo. — É verdade que Joanne Hellies está de malas prontas para o Oriente Médio? — Onde você ouviu isso? — Comentaram lá na cantina. Nicole esperava pela decisão de Steve mais que todo mundo. Joanne passou a ponta da língua pelos lábios vermelhos. — Parece que o conseguiu. zangada. e Mandy teve de ir embora. — Acho que não preciso. franzindo a testa. Parou e deu um sorriso felino. você teria contestado na hora. Era duro fingir que estava interessada. — Estou ocupada. Mas a situação era bem diferente. — Acabo de ouvir uma coisa. — Sou fascinada pelo circo. É lógico que a amiga imaginava que Steve e ela tinham conversado sobre o assunto. mas não estava disposta a deixar que ela conseguisse seu intento. Enquanto datilografava. 65 . Dela dependia seu futuro. rebolando sobre os saltos altos. e deu-lhe as costas. — Pergunte a ele — respondeu. — Se fosse mentira. Joanne passou pela mesa de Nicole. Não parou e nem olhou na direção de Nicole. Queria dizer alguma coisa. pensava no que a garota lhe dissera. Naquela tarde. — É verdade? Nicole enrijeceu os músculos. Uma hora mais tarde. Toda a sua atenção se concentrava em Steve. Nicole era capaz de pular em seu pescoço. Ele parou de falar.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Nicole não queria admitir a Jane que ela própria também teria de aguardar. Steve passou pela sala. imagine! — Sorriu. Nicole fingiu indiferença. — Como vai? — Bem. Seria verdade? Mais tarde. — Oi. Nicole começou a datilografar com violência.

— Joanne Hellies. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela riu. — Não pára de representar um segundo. Será que Joe estava se afeiçoando a ela? Esperava que não. mas ela não aceitou o seu convite para ir jantar fora. Eu também. — Os dois são bem diferentes. — Meu Deus. com sinceridade. deixando Nicole atônita. — Não devia ficar se desculpando o tempo todo. está sempre coberta de razão e segurança. — Nada foi alterado. Ela seria mesmo assim? — Bem. mas numa coisa parecem idênticos: são reservados e misteriosos.. — É difícil conversar com algumas pessoas — continuou ele. — Eu? — Sinto muito. — É tudo teatro. — Está vendo? — Você pede desculpas com muita frequência. eu preciso correr! Ele saiu da sala como um coelho assustado.. Só que não disse que os planos dela dependiam inteiramente de Steve. — Fala demais. mas não o amo — falou. apenas. — Desculpe. — Ela sorriu. — Ela me faz sentir como um idiota. — Olhou para o relógio. — Por que envergonhar-se de si mesma? — Aprecio seu jeito calmo e reservado. com honestidade. — É. Nicole também corou. por exemplo. mas como amigo. — Pergunte a si mesmo sobre isso. 66 . Martin. fala? — Não. Martin ligou-lhe uma noite. — É muito tímida também — disse Joe. Gostava muito dele. — E acho que você também não me ama. — Está mudando de idéia sobre o divórcio? Nicole suspirou. Nos dias seguintes Nicole viu Steve só de longe. Desviou o olhar. Ele ficou embaraçado. — Somos? Nicole nunca tinha pensado nisso. — Então por que não quer sair comigo? — Martin eu gosto de você. — Tenho vontade de sumir! — Ouvi falar que ela vai para o Oriente Médio. sem graça. — Nenhum de vocês deixa transparecer muito. você não fala pelos cotovelos. — Está tão evidente assim? — Desculpe. logo mais. Joe ficou com o rosto vermelho. Nicole ficou surpresa com a reação de Joe.Fascinação nº 75 — Mas está preocupada com Steve.

— Maggie vai adorar revê-la. — Ele estava ofendido. sentia-se culpada por ter saído com ele. Foi a mais difícil de sua vida. — Sinto muito. Martin era um problema a mais numa situação já complicada. Embora soubesse que não o amava verdadeiramente. Aquela semana custou a passar. Quando abriu a porta da cozinha. mas era evidente que logo mais contaria a Steve que vira o melhor amigo dele almoçando com a sua esposa no restaurante do jornal. — Bom passeio. As lojas estavam superlotadas. — Fiz café — disse ele. No sábado de manhã Nicole deu uma limpada na casa e depois foi fazer compras. — Venha comigo. e então resolveram sentar-se à mesma mesa. Tudo o que queria era uma xícara de chá. com pouca convicção. Ela estava sozinha. — É mesmo? 67 . sorrindo. Steve levantou-se e serviu-lhe uma xícara de café. Ela o usara para esquecer Steve. — Pediu-me que a levasse. — Falei com ela pelo telefone. levou um choque. os pacotes que voltou carregando pareciam de pedra. aconteceu de chegarem juntos à cantina. Joanne parecia ter ganhado um bolo de aniversário. seus olhos brilhavam triunfantes. Joe ficou sem graça. aliviada. — O que está fazendo aqui? — Perguntou ela. Mas os olhares maldosos pesavam em sua alma. mas não deu a mínima importância. Suas costas doíam. sentia-se exausta. — Não me importo — respondeu ela. Nicole. Nicole estava consciente dos cochichos e olhares enviesados que eles recebiam. — Você não me deu chance. rebolando cantina afora. As más línguas que morressem de falar. Nicole suspirou novamente. contrariado. — Devia ter percebido que isso poderia causar fofoca. zangada. Depois olhou para o ex-marido. Ela não esperou pela resposta. Não combinara nada com ele. No dia seguinte almoçou com Joe. nada mais que isso. — Estão se divertindo? Os dois ergueram a cabeça para encarar Joanne. virou-se e saiu. Steve estava sentado à mesa. Ela começou a tirar as coisas dos pacotes... mas nós nem chegamos a esse ponto. Nicole pôs os embrulhos sobre a cadeira e respirou. — Quer parar de entrar e sair do meu apartamento? — Vou visitar Maggie. — Não. deu? — Mal pude beijá-la! Ele desligou o telefone. com a maior naturalidade do mundo.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Ei.

pensou. Num dia de inverno. na chuvinha incessante. Sim. — Mas não pretendo ir até lá em sua companhia. tapas na cara. Steve virou-se. Uma torta de frango seria muito mais convidativa do que aquilo que estava comendo. Ali estava o verdadeiro homem. — Ela gosta de você — continuou ele. O lago tinha a superfície lisa como espelho. como se ela não soubesse. "Mas não de mim". — Parte de tudo aquilo que eu sentia falta. tristonha. como se a tivesse escutado. Colocou a salada sobre a mesa. Nicole odiou-se. querendo lhe dar uns. — Andrea e os gêmeos vão estar em casa — continuou Steve. inventando um meio de persuadi-la a ir até a casa de Margaret. explodindo com a mesma vitalidade da mãe. Quase podia ler a mente dele maquinando. — É.. — Obrigada. — Agora. e era rodeado por chorões. Estava louca para ir. ambos jogaram migalha de pão para os bichinhos. impaciente. sozinha. — Lembra-se? — Já estivemos lá muitas vezes. E que não se esquecera dela. — Prefiro ir outro dia. — E todos os legumes são cultivados na própria horta do hotel. movimento. apesar do sol. enquanto estava na África. Era assim que vivia.. — Quando se está do outro lado do mundo. Nicole observou-o atentamente. Ele não gostava de falar sobre os próprios sentimentos e.. — Naquele hotelzinho do Essex. comida. levamos com a gente a terra natal inteira. — Sua mulher agradece sensibilizada ter sido incluída numa lista onde figuram bichos. — Mas você fazia parte das minhas lembranças — disse Steve. Formavam um trio barulhento e divertido. — Isso é o seu almoço? — Quis saber ele. desesperada para ficar com Steve. — Que ótimo! — Fico feliz em saber que sentiu saudades de alguma coisa. O resto dele endureceu de repente. Eles também adoravam a "tia Nicky". — Pegou o queijo da geladeira. e era muito feliz. — Sempre me recordava desse lugar enquanto estava na África. bem ou mal. ele fingia. — Eu sempre pensava nos campos verdes daqui. Olhou para a salada. — Também gosto dela.. lembrava-se muito bem do lugar. Steve nunca demonstrava suas intenções. 68 . Ele sabia que Nicole gostava dos filhos de sua irmã. nas ruas cinzentas de Londres. Seu emprego exigia nervos de aço e independência. — Tem uma torta de frango fantástica lá — prosseguiu Steve. afinal. Sabia que fraquejava. Era uma manhã fria de primavera. Ela pegou os talheres. — Eu estava mesmo me perguntando: "Quanto tempo vai durar esse bom humor?" Nos anos de convivência Nicole aprendera que. — Eles têm aquela lagoa enorme. quando Steve parecia ponderado e razoável. — Sua tola obstinada. brutal e violento. com patinhos.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Margaret gostava de mandar na vida de todo mundo. — Poderíamos comer no caminho. dissera a ela que sentira saudades. me der licença.

A brincadeira a tinha machucado. Mas preferiu ficar quieta. — E você sabe disso tanto quanto eu! — Ela também se intrometeria na nossa vida. Só se achava realmente forte quando Steve não estava por perto. Nicole encolheu-se. pensou Nicole. — É por isso que vou para o exterior. — Gostaria disso? "Nunca". A virilidade daquele homem tinha um efeito desastroso sobre ela. familiar.Fascinação nº 75 A tentação era enorme. — Poderíamos morar na mesma vila que Margaret. "Isto é apenas uma trégua. Por outro lado. Steve passaria o dia envolvido numa atmosfera alegre.. enganou-se". Queria ir. cada uma com sua chaminé e antenas de TV no telhado. Cada vez que seu olhar encontrava o dele. Sacudiu a cabeça. De vez em quando. Nicole teve de rir. as telhas e tijolos marrons.. "Se pensa que venceu a batalha. — Você podia arrumar uma casa fora de Londres. segurando seu braço. — Vamos. querendo organizar os horários. Steve viu que tinha ganhado. mesmo? — Martin. Ele sorriu. — Maggie me empurraria para a bebida em menos de um mês. visitar Maggie seria uma boa idéia. Talvez então percebesse que um casamento significa bem mais que fazer amor nos intervalos do trabalho. — Não precisa sair do país para fugir da rotina — disse Nicole. hesitante. Como é que ele se chama. — Você sabe muito bem que o nome dele é Martin. Ela nem precisou responder. As casas eram todas iguais. surgiam pequenas lojas e padarias de esquinas. Seus olhos brilhavam exultantes. todas exatamente do mesmo jeito. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Seria muito perigoso. 69 . pensou Nicole. — Tem visto aquele. — Deus me livre e guarde! — Está sendo injusto com sua irmã.. fazendo uma careta. Steve não tirava os olhos da estrada. Sabia que procurava apenas uma desculpa. queria estar com Steve! — Bem. enquanto entrava no carro que ele tinha alugado. — E pare de querer pôr uma argola no meu pescoço! — Ele falou com veemência. sentia-se fraca.. Steve também riu. por exemplo. — Steve apontou para as ruas. — Por que deveria me lembrar dessa droga de nome? — Gostaria de poder esquecer esse sujeito! — Então não fale nele." Passava agora pela parte norte da cidade. — A vida de subúrbio é entediante.

— Acontece que só houve um. Encontrava-se em pleno campo. quando as cores parecem mais vivas que o normal. eu lhe diria. e a garçonete parecia do século passado. surgiam pequenas plantações. lembra-se? — É por aqui. Os talheres eram de prata. — Não arrumei nada. Embora a comida dali fosse muito boa. — Nicole não se deu por satisfeita. intrigada. você saía com outros homens! — Homem — corrigiu Nicole. Não devia ter demonstrado ciúme. Nicole arrependeu-se por ter reagido à provocação dele. — Mas isso não me interessa. Steve não respondeu. entrando num desvio. Steve insistiu para que eles fossem até o lago ver os patos. com cortinas de veludo pesado. — Podia ter se divertido com todas elas. se não me engano. mas tudo não passou de um aperto de mão. o que arrumou enquanto esteve fora? Assim que viu Steve sorrir. Logo o avistaram. Virou-se para Steve! — Por que sou sempre eu quem deve fazer as confissões? — E você. Mesmo assim. Era uma daquelas frias manhãs de primavera. O céu estava muito limpo e azul. pesados e gastos pelo uso. acelerando o carro a mais de cem por hora. Vacas malhadas e carneiros pastavam pacificamente. — Depende de você. Depois do almoço. — Por que haveria de mentir? — Podia ter saído com quantos homens quisesse. A torta de frango veio mais deliciosa do que nunca. Ele diminuiu a marcha. — Sei. — Muito mal escolhido. e poucas pessoas o conheciam. Nicole não gostava de velocidade. — Para onde estamos indo? — Ao hotel. — Conheci algumas africanas bonitas. — Martin. Todo esse clima proporcionava um charme muito especial ao lugar. Não tiveram problemas para encontrar uma mesa vazia. a maioria. A sala de jantar do hotel parecia á loja de um antiquário. além da deliciosa comida caseira. eu sei você já me disse! Nicole ficou furiosa. Havia poucos carros na estrada. — Espero que não briguemos o caminho inteiro — murmurou Steve. por sinal.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Como? — Se quando eu estava do outro lado do mundo. já que estamos em processo de divórcio. paredes cobertas de papel com desenho rococó e carpete vermelho escuro desbotado. — Martin é um homem muito bom! — Sim. O olhar de Steve era irônico. no singular. pastagens ainda úmidas pelo orvalho. acompanhada por legumes e verduras cozidas. — É a verdade! — Ela ficou zangada. — É o que você diz. Nicole o olhou. 70 . De vez em quando. — Se não fosse. e dali a pouco estacionavam. o restaurante ficava fora da estrada principal.

pegando um pãozinho também. Nicole fez que sim com a cabeça. um copo de vinho não pode tê-la deixada bêbada! — Brincou ele. — Disse a ela que chegaríamos à tarde. encerada desde o teto. se veria forçado a usar um terno em pleno sábado. mas detestava vestir-se. Nesse momento Nicole compreendeu que aquela imagem ficaria para sempre gravada em sua memória: Steve à beira do lago. não é? Nicole sorriu. Assim que Steve jogou algumas migalhas. Devia ter movimentado a casa inteira desde cedo. Nicole também os alimentou.. O marido de Margaret. A casa. até aquela alegria de viver que ele demonstrava. Sentia-se triste porque sabia que algum dia tudo acabaria. As crianças estariam lavadas e esfregadas ao máximo. — Sim. — Á que horas chegaremos á casa de Maggie? — Daqui á uma hora. — Não podemos deixá-los na mão. Seu cabelo negro voava ao vento. Steve ria para os patos.. ela quase caiu. — Pegou um pão. Olhou para o céu limpo e gelado. conversando com eles. — Está com frio? — Perguntou Steve. mas não determinei o horário. Mais adiante. apesar do tamanho. no fundo do peito. — Um pouco. divertindo-se com um pequenino que. Nicole sentiu as pernas fraquejarem. solenemente nos fins de semana. Estava assim por causa de uma melancolia inexplicável. os patos juntaram-se num bando barulhento e briguento. — Tem certeza de que é só isso? — Gracejou ele. — Por acaso já lhe mostrei o que comprei para ela? — Perguntou Steve. Os chorões estendiam seus longos galhos até a superfície espelhada do lago. Steve segurou-a pelo braço. com os galhos dos chorões balançando atrás dele. — É melhor irmos — disse Steve. para que tudo estivesse em ordem. olhando para ela. mais ou menos. 71 . Não era bem isso. — Quer dizer que. disputando os pedaços de pão a bicadas e gritos. estremecendo. Passarinhos cantavam aqui e ali. quando entraram no carro. Nicole sorriu. e sempre acabava abocanhando os melhores pedaços.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Devem estar morrendo de fome. Margaret adorava recebê-los. e pôs as mãos nos bolsos do casaco. incapaz de falar. — De jeito nenhum. quer dizer que Maggie deve ter preparado um daqueles maravilhosos chás que só ela sabe fazer. Seu olhar minucioso não perdoaria um só cinzeiro fora do lugar. Derek era uma pessoa pacífica e amigável. — O chão está muito escorregadio. um quadro ligeiramente torto. sob protestos. jogando as migalhas em lugares diferentes. sorrindo em meio à brisa. Ele pegou um pacote do banco de trás. era bem mais rápido e astuto que os outros. — Ei. pulando de um lado para o outro. piscando um olho. Achou melhor mudar de assunto.

— Oi. acenando e pulando alegremente. imponente e bem vestida. pobre garota. — Depois eu vejo. curiosos. Primeiro beijou Steve. — Só pode ser para mim! — Como eles são parecidos com você. — Como está bronzeado! — Basta olhar para saber que você não estava na Inglaterra nos últimos meses! — Vieram bem até aqui. Logo avistaram a casa de Margaret. com uma igrejinha e a praça central arborizada. com uma blusa de seda. os olhos muito vivos e escuros. — Vou contar á mamãe que logo de cara vocês já foram pedindo presentes. Tinham sete anos. As crianças interceptaram o carro ainda na estrada. coração-mole. Assim que desceram do carro. de sua casa era possível ouvir as ondas se quebrarem contra as pedras. compenetrada. não pegaram muito trânsito? — E você Nicole. saia de lã e colar de pérolas. só para me exibir. Steve — comentou Nicole. — Por que "pobre garota"? 72 . — Eu é que não gostaria. incerto. com telhado bem inclinado. os cabelos negros e brilhantes. — Apenas não suportaria usar um casaco de peles ou uma bolsa de crocodilo. — Tinha me esquecido do seu sentimentalismo em relação aos animais. O ar estava impregnado de maresia. — O que vocês trouxeram para nós? Eles pegaram os embrulhos. tomava conta dos dois. mas sempre acabavam fazendo as pazes. tio Steve. Steve parou e todos subiram no banco de trás. Peter e Luke. Era uma construção grande. — Fiquem quietos — ralhou ela. A irmã mais velha. — Toda vez que olhasse para o tambor. Os gêmeos. — Ela os avisou antes. — Oi. — Oh! Ele a olhou. me lembraria do pobre veado que foi morto para transformar-se num instrumento! Steve sorriu. Viviam brigando entre si. coberto por uma trepadeira de flores amarelas. sólida. Andrea. tia Nicky. todas limpas e bem cuidadas. — O que foi? — Acha que ela não vai gostar? — Acho que vai adorar. — Não sou sentimental. começou a falar. eram idênticos.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não desembrulhe — protestou Nicole. — O que é? — Um tambor africano. — É uma. Margaret vivia bem próxima do mar. como vai? Steve não entendeu. Passaram por diversas vilas. Maggie apareceu à porta. feito de pele de veado. — Mas — protestou Peter — esse pacote tem o meu nome escrito nele. mesmo — observou Steve. e começaram a tentar adivinhar o conteúdo deles.

Nicole o fuzilou com o olhar. o que foi que eu disse dessa vez? — Quis saber ele. e foi logo avisando às crianças que elas não deviam tocá-lo. — Virou-se para as crianças zangadas. Eram animais entalhados em madeira. e filhos parecidos com Steve. O instrumento estava completamente desafinado. não leva presente. Steve a seguiu. Andrea estudava piano na sala. A menina ficou calada. — Mas você ficou brava de repente! — Impressão sua. carregando esses embrulhos? — Já sabem: quem pedir. — Os pacotes têm os nomes deles. loucas de alegria. — Ei. — Por que ficou brava comigo? — Oh. implorando que a irmã não os "denunciasse". e as duas saíram em direção ao quarto dela. querida. — Ora. entrando na casa. entre gritinhos de satisfação e risadas. Peter olhou suplicante para Andrea. Mas Nicole não respondeu. — Viu? — Maggie gostou do presente. As crianças. abriram-nos ali mesmo. que também tinha entrado. — Cada um pegou o seu. cale a boca — respondeu ela. Steve. que também o abriu. Estava fascinada. de onde se avistava o mar. mas ela tocava com tanto vigor que a audição era agradável. preparando o chá. Depois que ela entrou na casa. por ela possuir uma família tão alegre. muito bem-feitos. — O que foi Nicky? — Acha que eu não devia ter dado o tambor a Maggie? — Não é nada. exultante. não quer me mostrar suas bonecas novas? A menina pegou-a pela mão. Admirou o tambor. Steve olhou para Nicole. Steve entregou o pacote a Margaret. CAPÍTULO VIII Margaret e Nicole estavam na cozinha. 73 . — São uns diabinhos. — Agora podem abrir. observando os gêmeos brincar com os bichinhos. dizendo que era lindo. — Então. Tivera inveja de Margaret. — O que pensam que estão fazendo. Maggie. não são? — Comentou Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Porque é casada com você. Derek e os garotos tinham saído para um passeio até o alto da montanha. deixe-os. Steve riu. Nicole preferia morrer a confessar o que sentira observando os gêmeos. — Virou-se para Andrea. Steve.

Margaret estava adorando a idéia de ver o irmãozinho sendo contestado pelo menos uma vez na vida. ovos quentes. Nicole suspirou. — Mesmo? — Sorriu. - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Está levando a sério esse negócio de divórcio ou não? — Muito a sério. e começaram a se servir. — Posso imaginar. no fundo. — O chá está quase pronto. e muito mimada. — Firme o pé que ele acaba cedendo. A mesa estava farta e apetitosa: sanduíches de queijo. tio Steve? — Perguntou Peter. o que acha? — Já me disse coisas bem desagradáveis. presunto. e desde então ela se ressentira. Fora filha única. antes de vocês se casarem. ainda estou tentando enfiar na cabeça dele que desta forma nós não podemos continuar juntos. seguidos pelo pai e Steve. — Para falar a verdade. Gostava muito dele. não? — Steve tem a mania irritante de querer tudo à sua maneira. Tinha a impressão de que. Os olhos de Margaret aguçaram-se ante a determinação da cunhada. famintos. — Sei. — Pois é. curioso. — Foi ele quem me fez vir. — Mas você veio com ele para cá. Nicole preferiu calar-se. Nicole pôs a água fervendo dentro do bule. mas a sua oferta foi irrecusável. por alguém que não fosse ela própria. 74 . — É um bruto. — Ou ele me leva ou fica comigo na Inglaterra. Steve chegou para acabar com o seu reinado. mas Steve achava que ela jamais o perdoaria por ele ter nascido.Fascinação nº 75 Margaret olhou para Nicole. durante sete anos. — Vão lá lavar as mãos! — Ordenou Maggie. todos — emendou Nicole. — Mas eu a avisei. além do chá e do leite fresquinho. Todos obedeceram prontamente. — Mas eu também estava louca. vários tipos de bolo e uma enorme salada de frutas. para ver vocês. — Desde o berço! — Ele berrava. de uma fazenda próxima. — Nunca vi tanta obstinação. Maggie sempre falava do irmão com uma ponta de rancor. — Não admitirei mais as constantes separações. — Você está certa — disse Margaret. sorrindo. — Não pretendia vir com ele. — Você viu pigmeus na África. O relacionamento deles tinha sido e ainda era bastante competitivo. Todos se sentaram. — Margaret sacudiu a cabeça. Os gêmeos entraram correndo na cozinha. — E ele. e conseguia o que queria.

— Pensei que tivesse se divertido. — O que foi? — Ele franziu a testa. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Margaret presidia a mesa com desenvoltura. "É isso o que está acontecendo. A viagem de volta foi rápida. — Ah.. — Chega de bolo. Agora o encanto tinha se quebrado. 75 . — Já são quase sete horas. — Então o que há? — Insistiu Steve. Nicole analisava tudo silenciosamente. — Boa noite. — Achou. — Eu estava. Depois de muitos beijos e abraços. — Ainda é cedo! — Protestou Margaret. não enxerga?" — Achei que passamos um dia delicioso — continuou ele. mãe.. fascinada. Enxergara. o aroma gostoso da comida. e hoje a estrada vai estar cheia de gente. O menino fez uma careta. rindo de um caso acontecido na escola. — Daqui até Londres são duas horas de viagem. — Você nunca me entendeu. observando quando se esvaziavam. é? Não pôde deixar de fazer um comentário irônico. e recebeu os elogios de Steve com um sorriso. Peter. Nicole olhou para trás e acenou para todos na porteira. Havia uma envolvente magia naquele lugar. — Nicole fitou-o. na casa de Margaret... Uma coruja passou pela estrada com a cara branca e assustada. Ela estava adorando ter visitas em casa. No parapeito do vitrô estava um jarro verde com flores do campo. batendo os dedos com impaciência na direção.Fascinação nº 75 Steve riu. comentando sobre o nascimento de um carneirinho da fazenda ao lado. cheia de tristeza. vendo as crianças conversando alegremente. A noite caía pelas janelas embaçadas e as mariposas se debatiam contra o vidro. — Sei disso. — Não a compreendo. — Parecia feliz. perfumando todo o ambiente. — Dessa vez não vi nenhum. Nicole olhou-o com hostilidade. "Você é um bruto. A comida foi desaparecendo aos poucos. insensível" Nicole respondeu em silêncio. os dois saíram de carro. Prestava atenção em todos os pratos e xícaras. o perfume das flores. mana. Será que ele não percebia o que havia de errado? Ela ficara radiante demais naquela casa. enquanto comiam bolo e frutas. Ás nove em ponto Steve estacionou em frente ao apartamento. — Temos que voltar — disse Steve. atraídas pela luz aconchegante que vinha de dentro. o futuro com o qual sempre sonhara: o riso das crianças.

— Não faça ameaças. com as calças e os tênis desbotados. mas Steve a chutou com violência.. Nicole desceu e bateu a porta. — Muito mais atraente que todos os xampus perfumados do mundo. o que foi que fiz hoje? — Achei que fosse gostar de visitar Maggie e aqueles diabinhos terríveis que são seus filhos. . — Vá embora. — A voz dele estava rouca. como um sargento do exército. Steve chegou tão perto dela que seus corpos se tocaram. Steve abraçou-a com força. dando consentimento. — Você está com cheiro do campo. — Ela estava rígida como uma pedra. Nicole não respondeu. Nicole baixou os olhos. — Sua pele também está perfumada. mas seu corpo inteiro clamava pelo corpo dele. Nicky! — novamente! — O coração de Steve batia forte contra a palma da mão de Nicole. Nicole pegou-a de volta. Ele tomou a chave da mão dela e abriu a porta do apartamento. Nicole sentiu o coração acelerar.. vou ficar bravo de verdade. — Steve a prendeu contra a parede. — Boa noite.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Então me diga o que há de errado! — Por que fica me olhando com essa cara? — Pensa que não percebo que está me acusando de alguma coisa? — Deus. Lembrou-se dos gêmeos acenando da porteira. — Conhecia muito bem aquele olhar. Steve a alcançou na entrada. apertando-a contra si. — Não me obrigue a machucá-la. Steve descansou a cabeça no pescoço alvo. sorrisos idênticos no rosto. Não me mande embora Só conseguia ouvir as batidas do próprio coração. não! — Protestou ela. — Nicky. — Não. Ela se viu desamparada. — Seu cabelo me lembra a relva macia. — Se você não falar agora. 76 . — Oh. se for capaz. — Você é um bruto. — Quero que me diga: que há de errado? — Não pretendo ter outra daquelas brigas horrorosas. — Você é muito violento. — Vá. — Atire-me na rua. Nicole sentiu a respiração quente em sua pele. — Preciso de você. . batendo-a atrás de si logo em seguida. — Não me dê ás costas enquanto eu estiver falando — gritou. Ia fechá-la. convidativa. — Roçou os lábios no rosto dela. sabia disso? — É apenas isso que sabe dizer.

desejo um lar cheio de alegria". e não numa casa aconchegante. "O que pensa que está fazendo comigo?". o que ele diria? "Sim. Sacudiu a cabeça com veemência. — Vou pegá-la às sete. Perdi a batalha". mas você não estava. louco de desejo. — Queria convidá-la para jantar fora. um dia". "Fui derrotada" pensou ela. Martin. com os olhos negros fixos e embaçados. — Vai para onde? — Uma viagem rápida pelo Oriente Médio. — Que tal jantarmos? — Adoraria. Seus olhos brilhavam de fúria. Martin suspirou. Steve disse: — Eu quero vê-la amanhã. — Por que nunca fala nada? — Já disse tudo o que tinha a dizer. — Seu marido ainda está por aí? — Ele não fica mais no apartamento — respondeu ela. — Amanhã. As palavras giravam em sua mente. — Tudo bem? — Liguei antes. — Olá. — Diga alguma coisa — ordenou Steve. "Ele vai embora. Mas seria um juramento vago. — Mas eu parto na segunda-feira. satisfeito.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy E se ela lhe dissesse: "Quero filhos assim. Nicole o encarava sem vê-lo. mas Nicole o ignorou. A dor que sentia era indescritível. — Não vai dar. — Estou cansada de repetir a mesma coisa o tempo todo. O telefone tocou. 77 . erguendo a cabeça. prometeria Steve. Logo em seguida ele pegaria um avião e a deixaria para trás. então. — A que horas? Steve surgiu ao lado dela. Nicole empalideceu. com esposa e filhos. — Estarei pronta. perguntou-se Nicole. Nicole correu para atendê-lo. — Viu Steve enrijecer os músculos. — Eu saí. pois para Steve a felicidade residia em viajar pelo mundo como um cigano. evasiva. — Está me deixando louco — sussurrou ele. — Alô? — Nicole? Reconheceu a voz cautelosa. Assim que desligou o telefone.

— Ela merecia o lugar. — Solte-me! — Oh. não! — Os olhos dele escureceram. trabalhou duro para isso. Nicole estremeceu. está ficando com ciúme — avisou-o. aquecendo-a. Alguma coisa a perturbava. — Boa noite. fingindo bocejar. — Não esta noite. com amargura. — Vamos esquecer-nos de tudo e de todos. a boca trêmula. com um brilho vitorioso no olhar. lembrou. querida. forçando-a a encará-lo de frente. Como devia estar triunfante! Ele continuava sorrindo. — Quer dizer que ela conseguiu o que queria. quando quiser. — O que quer que eu diga? — Se espera que eu rompa em choro e me atire a seus pés. está muito enganado. — Obrigada pelo passeio. sim. — Veremos. — Não importa. — Esquecer? — Nicole empurrou-o com força. — Não? — Estou cansada. impassível e determinado. você pode ir para onde desejar. — Pensemos somente em nós. Viu o rosto dele. — Não vou a lugar nenhum! Steve a puxou pelo cotovelo. os olhos azuis fixos nos dela. deixando-a fraca. — Devia ter desconfiado mais cedo — falou. — Ela também deu tudo o que tinha para conseguir você. lá no fundo da cabeça. — E você está gostando. não? Steve passou as mãos pelas costas dela. De repente. — Quer fazer o favor de sair? — Virou as costas. — Sim. — Por mim. Nicole fechou os olhos de dor. Ela ficou muda de medo. Nicky.. Ele ficou vermelho de raiva. sentindo-se completamente indefesa. Oriente Médio? Onde é que ela tinha ouvido. — Eu quero que você vá — murmurou ela num fio de voz. levaria Steve também.. Nicole.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Nicole! — Ouviu o que eu disse? — Ouvi. — Vamos deixar Joanne de lado esta noite. — Você pede para apagar tudo o que me fez? 78 . finalmente! Joanne não tinha apenas ganhado um emprego no exterior. — Joanne está indo com você? Steve sorriu com satisfação. não foi? — Cuidado.

— Mas não posso lhe prometer o mesmo da próxima vez que nos encontramos. — Não ligo para ameaças. — Mas para essa você vai ligar. Seus olhos brilhavam como brasas incandescentes. — Pela última vez. sufocando-a com um beijo. — Conheço um mais curto. antes que ela pudesse fugir. com aquele sujeitinho de cera? — Pensa que vou ficar quieto enquanto a vejo sair com outro homem? — Se acha que me trancarei no apartamento que nem boba. está enganado. — Não vou dormir com você! — Gritou possessa. Depois. — Nem eu. Ao ver que ela cedia. E. Nicole abriu a boca para gritar. sim. O peso másculo a pressionava sensualmente contra a cama. Steve. Ela redobrou os esforços para empurrá-lo. entrou no quarto e jogou-a na cama como se ela fosse uma boneca. contra os lábios dele. Mas sua resistência enfraquecia aos poucos. Steve ergueu a cabeça. — Dessa vez não vai conseguir me deter. Nicole tinha o rosto em brasa.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não deve estar falando sério. Steve! — E não pode acreditar também que vou permitir que me toque depois de saber que vai partir para o Oriente Médio com ela. prendeu-a contra o colchão com o seu próprio corpo. Steve ergueu-a nos braços com uma rapidez incrível. é? — E você. normalmente. quando fui embora. Caminhou pela sala. — Não me ameace Nicky. — Não! Steve pôs a mão em seu seio. querendo que ele saísse de cima. Nicole soltou um gemido involuntário. ele foi tirando suas roupas devagar. puxando-os para trás. encarando-a com olhos cheios de desejo. Viu-se inteiramente acariciada. e ele sorriu. — Devia tê-la possuído na noite em que cheguei. com a boca colada na dele. Nicole sentiu as faces ardendo. — E louco. eu nunca fui para a cama com Martin! — Gritou. — Não? 79 . mas ele a silenciou imediatamente. mas foi vencida. com hostilidade. e sabe muito bem disso. Agarrou os cabelos dele com força. — Nicole procurava fingir indiferença. Steve era muito forte. totalmente indefesa. — Não adianta Nicky. mas estava cansado demais. — Já me manteve à distância por muito tempo. — Vou levar minha vida. então. — Você está me machucando! — Não resista. Nicole lutou em vão. na segunda-feira! — Isso é absurdo! — Ah. — "Vida" é um novo nome para isso. — Está mentindo. — Eu não quero você! Steve riu baixinho. — Não gosto disso. — Nós dois sabemos.

odiando-se. Um pouco antes de adormecer. deixando um rastro de fogo por onde passavam. sentindo-se protegida e aquecida. Talvez nunca mais o visse. aspirando o ar frio e puro da manhã." Nicole parou de sorrir. de corpo e alma. Queria entregar-se a ele. — Steve? Ele abriu os olhos. como é que podia sair assim. deixando apenas aquele recado curto e seco? Suas pernas fraquejaram. Ali. Steve estava dizendo algumas coisas. de que adiantava resistir? Steve ia partir. Não havia ninguém na cozinha. sentia-se viva de verdade. Steve. saiu da cama e vestiu o robe de seda. ordenar as idéias. gemendo de prazer. A voz dele estava carregada de triunfo. ele sussurrou ao seu ouvido: — Precisava disso. só emoção. deixando o sentimento tomar conta de seus atos. Sentou-se pesadamente. Steve também descansava. e caiu em sono profundo. e que momentos antes os dois tinham sido uma só criatura. ignorar o calor daquelas mãos. sim. fitando o vazio. Steve devia estar fazendo o chá. Toda a sua força estava sendo sugada. com um sorriso nos lábios. Só quando estava com ele. Sentiu frio de repente. Seus braços o enlaçaram. — Quer que eu vá buscar alguma coisa para você beber? — Leite quente? — Chocolate? — Não. mas isso não importava. — Você é minha. fazendo um desenho dourado e sinuoso na parede. notou o bilhete sobre a mesa. Nicole o acariciou de leve no rosto. A armadilha era muito sedutora.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Ela fechou os olhos. deixando o sol passar por uma pequena fresta. Estaria tomando banho? Bocejando. Cruzou os braços sob a nuca. Os lábios de Steve tocaram seu pescoço alvo. e. feliz. Nicole viu-se sozinha na cama. Depois viu Nicole e sorriu. Espreguiçou-se devagar. — Não sabe o quanto eu precisava de você. com o corpo agora relaxado e satisfeito. não existia a razão. eu a acordei? — Sonhei novamente. o arrepio do próprio corpo. Nicky. beijando-a de leve. Aguçou os ouvidos. Aonde teria ido? Depois da noite maravilh osa que passaram. Só sabia que o homem que amava estava deitado á seu lado. Nicole tentou fazer a sua cabeça funcionar. fazendo-a estremecer de prazer. na manhã seguinte. Beijou-o com muita paixão e o acariciou. — Desculpe. Foi impossível. Afinal. Acordou durante a noite. "Tive de sair. — É isso que importa. sem mais nem menos. Isso não seria o suficiente para se entregar? Oh. — Deixe-me abraçá-la. Ainda tinha pesadelos. contorcendo-se. Nicole não pôde adivinhar se ele mentia ou não. Pôs a chaleira no fogo. Nicole aninhou-se em seus braços. mas não escutou nada. só quero que você fique junto de mim. Ligo depois. nos braços de Steve. mas suas mãos tremiam enquanto a acariciavam sensualmente. 80 . ao pegar as xícaras no armário. As cortinas ainda estavam fechadas. sim! Dormiu com a cabeça aninhada nos ombros fortes e musculosos.

Como é que não pensara nisso? Ele a tinha deixado na cama. Continuou a desfiar seu ponto de vista. mas me disseram que não dormiu lá. Quando Martin chegou. mas nada aconteceu. à noite. 81 . com os punhos fechados. Steve já se esquecera da paixão da noite anterior. tudo perfeitamente compreensível. — Como vê. — Oh! — O homem ficou embaraçado. Enquanto comiam. — Isso é importante. — Alô? — Atendeu ela. em tom monótono. Agora se odiava. As horas se arrastavam intermináveis. Fez o chá como um autômato. perguntou-se. Se Teddy sabia que Steve tinha um encontro com Joanne. — O casamento não é um paraíso. sem nenhuma palavra de carinho. de forma lógica. Isso é que os separava não Joanne. por que deveria aguardar um homem que nunca vinha? Martin reservara uma mesa num restaurante finíssimo. — É que eu tentei falar com ele no hotel. — Steve está? — Não. não? — Somos do mesmo tipo. Joanne Hellies era capaz de usar todas as armas para conseguir o que queria. "Como pude ser tão fraca?". — Disse que pretendia divorciar-se de Steve. obrigado. só. ofegante. para ir se encontrar com outra mulher! Voltou vagarosamente para a cozinha. devia ser para tratar da viagem. Nicole. — Acho que você deve ser totalmente franca comigo. Depois que ele desligou Nicole ainda ficou com o telefone na mão durante algum tempo. precisamos ser francos um com o outro. levou um susto. mas depois achou melhor ir jantar fora. Nicole. Isso a fez se sentir melhor — um pouco. e sim Teddy Wiseman. completamente transtornada. Não interessava muito a Nicole saber por que ele tinha saído. Era meticuloso e racional. em minha opinião. Afinal de contas. num domingo. O fato é que se fora sem avisála. Nicole estava péssima. Quase falou que tinha mudado de idéia. Tomou um banho e vestiu-se. — Oi. — Não sei para onde foi. — Ele estava aqui — admitiu Nicole. sozinha. — Está bem. Enquanto ele falava. Entregara-se a Steve de corpo e alma. Steve estava com Joanne. — Nós nos damos muito bem. Como ele era chato! Falava sem parar. — Mas saiu há pouco. — Deve ter ido encontrar-se com Joanne. — Desculpe ter ligado á essa hora.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Na noite anterior abandonara a luta. Como é que tivera coragem de sair com Martin? — Nunca acreditei no amor romântico — continuava ele. Expunha suas idéias em sequência. As palavras lhe entravam por um ouvido e saíam pelo outro. Não era Steve. ele conversou com ela sobre a situação. Seu único amor era o trabalho. Esperou pelo chamado do telefone. mas quer mesmo isso? Nem esperou pela resposta. Fizera amor com ela para depois deixá-la. — Acho que podemos ser felizes juntos. Nicole olhou para o relógio. Quando Martin segurou na sua mão. O telefone tocou. Nicole sentiu-se desesperada. Ele vencera.

De que adiantaria saber a hora do vôo. em direção ao arquivo. Ficou a noite toda aguardando pelo toque do telefone. Martin era uma pessoa muito formal. — Sinto muito. com determinação. 82 . — Acho que está certa em querer o divórcio — disse ele. ela morreria de ciúme. acho que nós não combinamos. Mesmo que a viagem deles fosse apenas por motivos profissionais. Podia fingir que se esquecera da hora. Martin. Tinha recomeçado a datilografar quando viu Joe passando pela sala. — Me enganei. e nada de ele aparecer. — Está ficando tarde. Tinha de arrumar uma desculpa plausível. hesitante. aliviada. — Significa apenas que eu nunca deveria ter saído com você. Só conseguiu adormecer bem de manhãzinha. mas não havia sinal de Steve. Nicole entrou na cozinha com o coração aos pulos. Martin ainda lhe desejou muitas felicidades. pela qual se apaixonasse perdidamente? Riu sozinha. Não conseguia enxergar o impassível Martin louco por uma mulher. muito monótona e também não a amava. de outro modo. Franziu a testa. A manhã foi passando. — Sim. com o coração apertado de dor. — A que horas sai o avião de Steve. Alcançou-o em seguida. mas não é o suficiente para um casamento. coisa difícil de acreditar. — Steve é um mau sujeito. — Quer dizer que pretende voltar para o seu marido? — Não. Nicole resolveu deixar o orgulho de lado e ligar para o departamento dele. Joe? Joe não sorriu. Mas desta forma estaria ferindo o próprio orgulho. — Ela sorriu. Afinal. — Entendo. Martin. Nunca sentira nada por ele. — Steve partiu ontem à noite. Martin. Ela agradeceu-lhe e entrou no apartamento. Nicole prendeu a respiração. — Vamos? Despediram-se formalmente. Steve deveria ter lhe telefonado. para ser bem sincera. para perguntar a que horas o avião partiria. Foi para o trabalho sentindo-se a mais miserável das mulheres. — Olhou as horas novamente. — Acho que devíamos aceitar este fato e esquecermos tudo isso. agora enxergava tudo com clareza. logo todos saberiam que Steve não dissera à própria esposa quando viajaria para o exterior. — Lamento tê-lo feito perder o seu tempo comigo. Esperava encontrar Steve por lá. — Então. Com ele podia falar diretamente.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Sim — disse Nicole. com um aperto de mão que pareceu agradável a Nicole. se não pretendia ir ao aeroporto? Por nada nesse mundo o veria partir para o Oriente Médio em companhia de Joanne Hellies. pois. O que diria ele se ela lhe tivesse desejado boa sorte para encontrar uma mulher. — Oh! — Gosto de você.

- Marido e Inimigo - Laura Hardy Voltou para a mesa em estado de choque. Nicole entrou logo. No final. obrigada. Um enorme cachorro negro cochilava sob a mesa. Nicole ensaiara a viagem. mas recusava-se a comentar o fato com qualquer colega de trabalho. e andou nas nuvens durante dois dias. Queria o filho de Steve. — Quer uma fatia de torta? Nicole olhou para o doce. cuidando de seus clientes. — Você está pálida! — O que foi? — Estou contente em vê-la aqui. Margaret soltou uma exclamação de surpresa e alegria. CAPÍTULO IX Três semanas mais tarde descobriu que esperava um bebê. oferecendo-lhe uma xícara de café. Vários pães recém-assados esfriavam numa grande assadeira sobre a pia da cozinha. Nicole suspirou. Derek estava fora. que colocou perto da janela da sala. — O que há de errado? — Perguntou Margaret. — Mas alguma coisa a preocupa. De dentro da casa podiam-se ouvir os gritos e as risadas dos três. Sentia-se tão infeliz pela partida de Steve que nem lhe passou pela cabeça que pudesse estar grávida. a felicidade tomou conta dela. claro.Fascinação nº 75 — Entendo. pegou um trem até Suffolk e foi visitar Margaret. Seria capaz de dar à luz sozinha? Detestava a idéia de que sua criança não tivesse pai. A casa estava ensolarada e perfumada de jasmins. Fazia tempo que desejava ser mãe. — Comigo é que aconteceu algo desastroso. As crianças os tinham colhido num bosque próximo e Maggie arranjara as flores dentro de um grande vaso. enquanto ela brincava com as crianças no jardim. saiu-se melhor do que esperava. pensando em como daria a notícia à cunhada. Só depois é que Nicole percebeu a ironia da situação. Margaret preparou um café. — Steve? — Teve outro acidente. — Não estou com fome. Depois. foi isso? — Não. A primeira reação foi de surpresa e descrença. Estremeceu. — Não. Estava se divorciando. Tinha de falar com alguém. 83 . Naquele fim de semana. Margaret arregalou os olhos e examinou Nicole de cima a baixo. Era coberto com glacê de amêndoas. — Como assim? — De que está falando? — Estou grávida.

Nicole ainda não lhe tinha dito nada sobre Joanne. Margaret ouviu aquele monte de palavras com atenção. como um solteirão desimpedido.. E nem ia dizer. No domingo. Não seria capaz de destruir o respeito que a cunhada sentia pelo irmão. e depois voar novamente para o exterior.. — Vou dar um jeito — respondeu Nicole. — Não deve separar-se de Steve se está esperando um filho dele. contra o próprio pai.. — Pensará que ganhou a parada. agora que está grávida. Maggie encolheu os ombros. ela e os gêmeos passaram o dia todo andando nas montanhas. — Você precisará da ajuda de Steve.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Não! — Verdade? — Puxa. — Pois eu acho que vai. Mas Nicole sabia muito bem que aquilo não faria nenhuma diferença. Além do mais. quando souber. querida? — Não gosto da idéia de que está sozinha num apartamento vazio. Apesar de chamá-lo de bruto. ele vai querer ficar na Inglaterra. — Eu terei de ficar em casa.. Se ele não estava preparado para ficar na Inglaterra e gozar de uma vida familiar normal. Maggie sacudiu a cabeça. —. — Ora. Isso vai complicar um pouco as coisas — emendou séria. — Tenho certeza de que.. ela não iria chantageá-lo. melancólica. gozando dos confortos de um lar. — Não conseguirá criar um filho. no momento em que pisar em Londres. suas idéias sobre o casamento eram antiquadas. Margaret ficaria muito chocada. com teimosia. O perfume dos jasmins entrava em suas narinas. insensível. Passou o fim de semana inteiro em Suffolk. divorciada ou não. brincando de esconde-esconde. Maggie passou o resto da tarde procurando convencê-la a desistir do divórcio. — A criança é um fato. Naquela tarde Nicole chegou ao chalé muito. — Daí ele vai passar duas semanas em casa. colhendo amoras nos bosques. terá uma mulher e um filho à sua espera. — Não quer ter o filho? — Claro que quero! — É o que mais desejo no mundo. — Pretende continuar a ação do divórcio? — Não pode Nicky. — Você vai se tratar. enquanto Steve viaja pelo mundo do mesmo modo. Nicky. — Mas um bebê não vai mudar nada. isso é. — O que é que você vai fazer? — Não sei. cuidando do bebê. ela não pretendia usar a criança como uma arma. — Já complicou. — E. — Não posso? Nicole segurou a xícara com as duas mãos. — Não seja tola.. Margaret viu aquele rosto cansado e ficou aflita. Steve não permitiria que um bebê o privasse da vida que gostava de levar. não vai. vai? — Tudo será como antes. ela gostava muito dele. Nicole sorriu. Não queria voltar para o seu apartamento em Londres. sozinha. de testa franzida e mão no queixo. — O que acontecerá se eu contar a ele? — Vai pular de alegria. — Viu o rosto melancólico de Nicole. 84 .

Era a única maneira de não pensar no ex-marido: evitá-lo. ao sair do trabalho. — Está passando bem. perdia peso dia-a-dia. Sentia a cabeça leve. Ele detestava escrever cartas. "Não vou desmaiar. e uma multidão de turistas começava a tomar conta das ruas. — Joe riu. As pessoas tomavam todo o cuidado para não mencionar o nome de Steve nem de Joanne na frente dela. Joe tinha acabado de chegar de uma semana de férias na Escócia. triunfante. se calaram. Mas ela não tinha fome e. Ela entrou no carro de bom grado. na cantina. coloridos. Mas Joe não ficou convencido. O dia tinha sido muito quente. Steve enviava as suas reportagens do Oriente Médio. enquanto falava sobre assuntos corriqueiros. — Estava enjoado. punha o jornal de lado. Era Joe. Rasgou todos. Nicole não recebia notícias de Steve. — Ele franziu a testa. O médico lhe dera algumas vitaminas para tomar. e a repreendera severamente por não estar se alimentando bem. imaginavam que os dois tivessem um caso. Nicole? Ela não estava. Assim que ela sentou-se numa mesa próxima. 85 . o silêncio pesava como pedra em suas costas. dizia Nicole para si mesma. esquisito. — Finalmente arrumei uma vaga no estacionamento — declarou ele. tudo bem. — Deve ter sido erro deles. enquanto a esposa ficava feita tonta à espera do marido. — Não agüentava mais andar de transporte coletivo. um carro buzinou a seu lado. ao invés de engordar. um grupo de repórteres conversava animadamente. Estou bem". — Sim. não acha? — Você está cada vez mais pálida. não tinha problemas. Sabiam que Steve e Joanne estavam juntos no exterior e. As garotas usavam vestidos leves. Isso foi fácil de fazer no trabalho. De vez em quando. Mas quando voltava à noite para casa. — Muita bondade sua — disse. Estava sempre ocupada com isso ou aquilo.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Tudo bem. mas Nicole não as lia. — Está muito calor. Uma vez. — Aceita uma carona? Nicole sentia-se cansada. conhecendo aquela mulher. — Fazia uns três anos que eu vinha de metrô. Forçou um sorriso. mas Nicole percebia quando paravam de falar. o corpo mole. surgia um cartão-postal com uma ou duas linhas. Observou-a atentamente com o canto dos olhos. Nos últimos dias estivera exausta. — O que eu sei é que posso vir para o trabalho de carro. Nicole passou a mão pela testa úmida. como devia acontecer. — E como a conseguiu? — Sei lá. Era horrível pensar que eles podiam ter pena dela. O verão tinha chegado. Assim que enxergava o nome dele. eu vou me cuidar direitinho. sorrindo. Uma tarde.

o escritório cheio de gente e máquinas datilografando. em voz alta. tudo isso contribuía para a sua falta de energia. Nicole ficou de olhos fechados. O doutor sorriu. Foi tomada pelo pânico. Nicole fez força para falar. Escutou-o falando ao telefone. o barulho da cidade. — A criança está bem? 86 . teve de deitá-la de novo. — Três dias de repouso para você — disse ele. Mal ergueu a cabeça. Joe devia ter encontrado o nome dele na sua lista de endereços. muito sensato e calmo. perguntava-se sem parar. Ele a examinou cuidadosamente. Nicole apoiou a cabeça em seu ombro e. — Você está doente. claro que não! — É esse mormaço. sim! — Constatou ansioso. — O médico já vem. — Então. — Vou perder o bebê? — Não. mas logo teve de se apoiar na parede. Nicole entrou. cabelo grisalho. Joe correu para ampará-la. Joe voltou-se para segurá-la. Nicole respondia de olhos fechados. Não ouviu mais nada. ao voltar. como é que vai? Abriu os olhos com dificuldade e viu seu médico. e começou a suar frio. O médico era um senhor de seus cinqüenta anos. vacilou. no entanto. Nicole quis sentar-se para dizer que estava tudo bem. agarrou-se a ele. Viu tudo girar à sua volta. preocupado. para não cair. — Fique aí quietinha — ordenou ele. fazendo perguntas de vez em quando.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Quando desceu do carro." — Vou chamar um médico — disse Joe. Ele a levou até o quarto e obrigou-a a deitar-se. Joe devia ter ido embora. — Olá! — Como se sente agora? — O bebê — murmurou Nicole. — Está doente? — Não. pelo menos o quarto não rodava. não. — O calor — murmurou Nicole. apenas um pouco cansada. Assim. Joe inclinou-se sobre ela. Suas pernas tremiam. "Será que vou perder o meu bebê?". — Sei. A sala girava como um carrossel. — Você está branca como um fantasma. paternalmente. Tudo continuava a girar. Era mais fácil relaxar. "Quero o meu bebê. — Não se mexa Nicky. não conseguiu. O calor. Joe pegou a chave e abriu a porta do apartamento.

. Dormira de roupa. Nada melhor do que deitar-se e esperar pela comida. Joe. Estava com muita fome. Pelos cuidados. 87 . Estava exausta e faminta. Escovou os cabelos e olhou-se no espelho. Joe. o que é que está fazendo fora da cama? — E o que é que você ainda está fazendo aqui? — Alguém tinha de tomar conta de você. não. carregando uma bandeja com suco de laranja.. Sua saia e a blusa estavam amarrotadas. para observá-la. Ele sentou-se na beira da cama. — Já para a cama. tirou-as e vestiu a camisola e o robe. Já era bem tarde quando acordou. é só. mas você tem sido muito displicente! — Não come direito. — À risca. Nicole comeu tudo com apetite e sorriu quando ele pegou a bandeja de volta. e que faça pelo menos três refeições por dia. A cabeça não rodava mais. Quando abriu a porta do quarto. de um lado para o outro. nesse estado. mas sentiase enjoada. — Não podia deixá-la aqui sozinha. O médico devia ter lhe contado. Primeiro foi se lavar no banheiro. — Não é problema nenhum. soltou uma exclamação. Sentou-se devagar. senão o bebê vai sofrer as consequências. preocupado como um pai ansioso. Nicole. — Tome muito leite. coma verduras frescas e frutas. — Mas eu. cuidadosamente. — Nicole! Ela desistiu. Andava na ponta dos pés. Sua aparência tinha melhorado. Desceu da cama. Dez minutos depois. os ossos saltando no rosto! — Não pode deixar de se alimentar. — Puxa. — Pois então. entendeu? — Ele sorriu.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Tudo parece normal. com os lábios trêmulos. — Obrigada. magra. — Não. está. — Estava ótimo.. Ela sorriu. mas agora não há mais necessidade de ficar. — Não foi o que eu lhe disse antes? Nicole fez que sim com a cabeça. ovos mexidos e torradas. Arrumou as cobertas da cama. — Estou boa de novo. Entregou-se ao sono de muito bom grado. — Bem. branca como um fantasma! Nicole voltou a se deitar. quietinha. agradecida. — Ei. Joe entrava no quarto. — Descanse bastante. — Está com uma aparência bem melhor. Joe já sabia do bebê. — Obrigada. — Vou deixar uma dieta para você seguir à risca. — É muita bondade sua.. fiquei assustado quando você quase desmaiou. Joe permanecia lá. Nicole nem o escutou sair. — Posso lhe trazer alguma coisa? — Chocolate quente? — Algo para comer? — Pode deixar que eu mesma. — Por ora. — Sorriu. — Quero que fique na cama.

— Sei o que está pensando Steve. Ficou mais pálida. eu também posso. ao ver Steve. Seus olhos se apertaram. 88 . sem responder. Estava apavorado. Até suas orelhas estavam vermelhas. Olhava para Nicole como se não a conhecesse. — Isso é verdade? Nicole encarou-o. Foi até a cama. — Eu explico. Steve parou rígido como uma pedra. — Não preciso de explicações. Joe era um sujeito pacífico. pois Steve parecia uma cobra pronta para dar o bote. Steve era capaz de esganá-la. — Virou-se para o marido. — Odeio você! Joe sentia-se mortificado por presenciar aquela cena. Nicole sentou-se. — Ela desmaiou e eu chamei o médico. — Se pode. — Não diga nada.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — O que está acontecendo aqui? — Perguntou uma voz vinda da porta. e depois para Joe. morto de medo. — Você não. O rosto tenso. Steve. Olhou-o com desprezo. Joe virou-se. — Volte para Joanne Hellies e não me apareça nunca mais. que detestava a violência. Joe afastou-se até uma distância segura e disse: — É verdade. Joe deu um passo atrás. — O que é que você está fazendo no quarto da minha esposa? — São duas horas da manhã. — Ele me contou. Nicky? — Como pôde deixar outro tocá-la? — Por que não deveria? — Você não tem o direito de me criticar. — Steve fechou os punhos ameaçadoramente. Nicole virou o rosto. Como ousava bancar o marido ultrajado depois de tudo que tinha feito? Ele era um hipócrita. — Não é da conta dele. com o rosto vermelho como pimentão. — Gritar com ele? — Quebrarei seu pescoço! Nervoso. desafiante. Deu um passo em direção a Steve. Joe — pediu Nicole. — Ela está esperando um bebê — disse Joe. — Meu filho — disse Steve. — Como pôde fazer isso. com frieza. mas seus olhos brilhavam de ódio. olhando ameaçadoramente para ela. Steve ficou sem fala. — Não ligue para o que ela está dizendo. crispado. Ele também parecia abatido. deixando as cobertas caírem dos ombros semi-desnudos. — O que está acontecendo? — Não grite com Joe — ordenou Nicole. pois vou esmurrá-lo até á morte. Steve. mas não é nada disso. — Economize a saliva. — Então? — Pôs as mãos na cintura. — Não pense que pode entrar no meu apartamento a essa hora da noite para brigar e gritar! — Ele está aqui a convite meu.

Olhou para Nicole e murmurou: — Bem. — Não quero que me toque. Joe. — O que aconteceu? — Ainda pergunta? Steve viu o rosto lívido. — Sentou-se na cama. — Saia. — Não vá. Steve inclinou-se sobre ela. — Mas. — Ele não pode dar ordens na minha casa. Joe. os seios mal cobertos pela camisolinha cor-de-rosa. é melhor você ir. se você quer que eu fique. - Marido e Inimigo - Laura Hardy Disse que perdeu — Ela não tem comido — continuou o amigo. 89 . — Obrigada por tudo. Steve semicerrou os olhos. — E nada disso é culpa sua. é? Ele fechou os olhos e respirou fundo.. Joe saiu depressa. — O doutor está preocupado. — Está bem. — Saia. — Parece doente. com ironia. — Vá embora! — Depois de eu ter voado meio mundo para encontrar você? — O que está fazendo aqui em Londres? — Cansado de Joanne. — Você está com um aspecto terrível. Joe. — Devia torcer o seu pescoço. — Nunca houve nada entre mim e Joanne.. — Sinto muito. as olheiras. Steve virou-se para ele. Steve? — Ou ela lhe deu o fora e começou a sair com outros? — Perguntou Nicole. — Não fale assim com ele. só tinha de ser estúpida mesmo. — Você está muito magra. — Aconselho-a a ficar calada. Nicole teve medo. os cabelos em desalinho. Nicole teve mais raiva ainda. senão torço o pescoço dele! Joe hesitou. — E saia agora. Ela riu incrédula.Fascinação nº 75 muito peso. — Sua pequena estúpida! — Para ter me casado com você. Uma briga só complicaria as coisas.. — Nicole ficou furiosa.. — Detesto ouvi-la falar assim. tenso e agressivo.

ás noites também. — Essas mulheres são incríveis! — Sempre conseguem o que querem! — Acha mesmo? — Perguntou Nicole. — Nunca a quis. San Francisco. — Você me fez ver que não podia continuar a viver da mesma maneira. enquanto Steve se divertia com o perigo em outro ponto do planeta. Nicole espantou-se. — Então.. — Steve fitou-a profundamente. Não ficaria com ela. — Como assim? — Joanne é a nova correspondente internacional do jornal.. — Fora os fins de semana na Califórnia. — Mas você ficou com ela todas. arregalando os olhos. eu não quis mudar o meu estilo de vida depois que nos casamos.Fascinação nº 75 — Imagine! - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Nunca — insistiu Steve. femininas. Você não volta mais para lá? Steve sacudiu a cabeça negativamente. — Onde. — Quer dizer que. mas não pelo motivo que você pensa. — Washington? — Vou trabalhar como correspondente. não? — Esse emprego não é perigoso. Tanto fazia. e não racionais e duronas como ela. — Principalmente quando está gritando. Seus olhos brilhavam. 90 . essas semanas! — Apenas para lhe mostrar seu novo distrito. no Cairo. — Sim. — Só fui até lá para ensinar-lhe alguns truques. mas no fundo continuava zangada com o marido. — O quê? — Nicole sentou-se. — Eu estava errado... rouca. Bahamas. — Você é a pessoa certa para mim. Austrália. Joanne estava me perseguindo. Que tal? Nicole estava louca de felicidade. — Mas você a desejava. e depois suspirou. — Aceitará o emprego daqui? — Suas esperanças fugiram quando ele sacudiu a cabeça novamente.. — Ainda não havia me decidido. — Ergueu os olhos azuis e brilhantes para Nicole. — Acha que vai gostar de morar nos Estados Unidos? — Ele sorriu. — Joanne não é meu tipo. — Por que não me contou que tinha isso em mente? — Por que foi embora sem me dizer uma palavra? — Como pôde fazer isso comigo? Steve a fitou longamente. — Você tinha razão. então? O que interessava? África. ressabiada. Nicole sentiu o coração bater mais forte. — Precisava pensar. — Ela tentava utilizar-se da minha influência para conseguir o emprego de correspondente internacional. Ainda não conseguia acreditar no que ele dizia. Teria o filho. América Central. — Washington. — Deixei-a instalada num belo apartamento. — Gosto que minhas mulheres sejam meigas. em Londres. — Ela queria me persuadir a aceitar o cargo de editor.. Nicole encarou-o. sozinha. pelo contrário! — E eu vou voltar para casa toda.

trêmula. — Não se zangue — pediu ele. da última vez. sabia que seria minha. então? — Sabe muito bem que sim! — E não foi engraçado. deu? — Não. dela e o perdoava por tudo. ao invés disso. não é? — Desde o dia em que pus os olhos em você. Nicky. Depois acrescentou malicioso: — Quer dizer que deu certo. — Sentia a sua falta. sério. — E eu? — Acha que nunca temia por você? — Pensa que não passava as noites em claro. concordando. percebi o quanto você significava para mim. — Mas. — Só de imaginar que alguma bala pudesse feri-la. — Fitou-a. Nicole estava feliz. — O problema é que não queria largar o meu trabalho. naqueles dias eu já estava pensando.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Oh! Nicky eu fui um bruto. — Era muito perigoso. — O importante é que nos amamos. — Preciso de você. — Lamento querida. Sofrera muito. — Sei que brigamos o tempo todo que estive aqui. — Nunca? — Juro. para nós dois ficarmos juntos. aliviada. ficava apavorado. quando me ameaçou de divórcio. — Jamais toquei outra mulher. segurando-a pela cintura. — Tentei continuar com os dois. — Steve suspirou pesadamente. e achei que não teria chance de escapar vivo. entretanto seria um louco se a levasse comigo. — Deixou-me sofrer. — Eu te amo loucamente. mas vencera. — Eu te amo. Steve abraçou-a. — Cheguei da África. — Mas depois compreendi sua situação. — Quando me vi no meio daquele massacre. para me deixar com ciúme? Ele corou levemente. — Eu sei. Nicole suspirou. — Enquanto discutíamos. — Pensei que estivesse com Joanne! — Mas era a única conclusão possível de se chegar. Os olhos dele pareciam suplicantes. nunca mais houve outra mulher. — Então. e começando a perceber que tinha de tomar uma decisão. — Precisava ceder. — Sabia que a fazia sofrer. eu vi que só dependia de mim. — Sei que não lhe escrevia muito. 91 . — Acredita em mim. mas não queria enxergar os fatos. não? — Virou-se para fitá-lo. de propósito. — Você é tudo que sempre desejei numa mulher — sussurrou no ouvido dela. — Você sabia como eu devia estar me sentindo. afinal. O coração de Nicole batia violentamente. louco para vêla. — Não acreditei que estivesse falando a sério. — Desde o primeiro instante. fui recebido por uma gatinha feroz que só me arranhou! — Creio que foi por este motivo que a fiz sofrer. mas não deu certo. Steve era. egoísta. preocupada. deixando que ela apoiasse a cabeça em seu ombro forte. esperando ansiosamente por alguma notícia sua? — Perguntou Nicole. amá-la. — É que eu fiquei muito magoado. Nicky. flertou com Joanne de propósito. mas sempre pensava em você. ao mesmo tempo.

— Agora tudo vai ser diferente. — Preciso de todo o seu amor. — Sinto muito. — Fui embora. — Se você não estivesse doente. — Seus olhos se iluminaram. — As coisas não foram fáceis para mim. Nicky. Fim 92 . — Vou pensar no assunto. querido. — Demais.. — É verdade. — Combinado. tudo se transformou em luz e confiança para o futuro.. Steve? — Foi sobre isso que tive de tomar uma decisão. não — corrigiu Steve. — Está feliz com o bebê? — Ainda não disse nada. agora tinha diante de si um marido maravilhoso e a promessa de uma vida eternamente feliz. — felizes: eu. Em vez de tristes recordações. eu a amaria agora! Nós seremos Nicole sorriu encantada. — Ainda pensa em fugir. você. nossos filhos. — Meu amor. para poder pensar em paz. — Encarei a verdade: só seria livre se a abandonasse. Nicole suspirou. — Eu te amo demais. — De cada beijo e carinho. De repente. — Preciso me acostumar à idéia — respondeu Steve. minha querida. Nicole deu um sorriso maroto. — Mataria o primeiro que se aproximasse de você. Steve. — Um filho é o último elo da corrente. — Ele a beijou com paixão. pensativo. — Tenho certeza de que amanhã acordarei muito melhor. você me pertence. Nicky. Há poucas horas. não? — Agora estou preso dos pés à cabeça. Nicole examinou o rosto de seu marido com apaixonada intensidade. e logo vi que era impossível. — Perdoe-me.Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy — Você se comportou de maneira muito egoísta. então. — Não há mais escapatória. Nicole estava mergulhada nas trevas e no desespero. — Oh.

Fascinação nº 75 - Marido e Inimigo - Laura Hardy Fascinação é o primeiro de uma série de ROMANCES PARA AMAR.. Foi então que uma esperança louca veio aquecer seu coração: descobriu que havia ainda entre eles um sentimento muito forte. perderia para sempre o homem amado. com amargura. A seguir: LAÇOS DE CRISTAL Sondra Stanford "Não existem mais laços que possam nos prender um ao outro. Agora Alys estava sozinha. uma atração irresistível. na capa. Fascinação é o primeiro de uma série de ROMANCES PARA AMAR. para romper os últimos laços que os uniam. se perdesse. infeliz e totalmente arrependida de tê-lo abandonado. sentado à sua frente. E.. segurava as cartas que iriam decidir tudo.. mas que também não lhes permitiria separarem-se para sempre. o destino de Leila Mallory estaria selado: se ganhasse o jogo. havia dito Rand Sheffield. tinha perdido o marido. garante que você vai 1er uma inesquecível história de amor. mas teria muito dinheiro nas mãos e a vida inteira para lamentar sua sorte. Alys". três anos atrás. Por sua própria culpa. o homem que. mesmo assim ficaria sozinha e infeliz.. garante que você vai 1er uma inesquecível história de amor. aquela talvez fosse á última vez que estaria olhando para o rosto sério e bonito de David Madigan. que não fora suficiente para vencer as incompreensões e mantê-los unidos no passado. fundo e jogou sua última cartada. 93 . só lhe restava pedir o divórcio. O símbolo do casal apaixonado. pois teria que pagar-lhe uma enorme dívida. De qual quer modo. A seguir: A ÚLTIMA CARTADA Tess Oliver Numa única partida de póquer. O símbolo do casal apaixonado. o único homem que amara o único que poderia fazê-la feliz. Seu parceiro a odiaria e desprezaria. na capa. Leila respirou.

Related Interests