You are on page 1of 3

--- RESUMO DE BANCO DE DADOS --banco de dados conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade

de usuários sistema de gerência de banco de dados software que incorpora as funções de definição, recuperação e alteração de dados em um banco de dados modelo de dados descrição formal da estrutura de um banco de dados modelo conceitual modelo de dados abstrato, que descreve a estrutura de um banco de dados de forma independente de um SGBD particular modelo lógico modelo de dados que representa a estrutura de dados de um banco de dados conforme vista pelo usuário do SGBD entidade ou tabela ou relação conjunto de objetos da realidade modelada sobre os quais deseja-se manter informações no banco de dados relacionamento conjunto de associações entre entidades cardinalidade (mínima, máxima) de entidade em relacionamento número (mínimo, máximo) de ocorrências de entidade associadas a uma ocorrência da entidade em questão através do relacionamento atributo ou coluna dado que é associado a cada ocorrência de uma entidade ou de um relacionamento registro ou linha ou tupla Um registro é constituído por conjunto de campos valorados (contendo dados. Consiste na unidade de armazenamento e recuperação da informação em um arquivo. Geralmente, os registros de um arquivo possuem um formato padrão (layout), definido pela seqüência, tipo e tamanho dos campos que o compõem. Porém, algumas linguagens de programação permitem a criação de registros com layouts deferentes em um mesmo arquivo, recurso este que raramente é utilizado. Resumidamente, um registro é uma instância de uma tabela, ou entidade. identificador de entidade conjunto de atributos e relacionamentos cujos valores distinguem uma ocorrência da entidade das demais

Chave
As tabelas relacionam-se umas as outras através de chaves. Uma chave é um conjunto de um ou mais atributos que determinam a unicidade de cada registro. CHAVE PRIMÁRIA (PRIMARY KEY - PK) A CHAVE PRIMÁRIA (ou simplesmente CHAVE) é o identificador único de um registo em um arquivo. Pode ser constituída de um campo (CHAVE SIMPLES) ou pela combinação de dois ou mais campos (CHAVE COMPOSTA), de tal maneira, que não existam dois registros no arquivo com o mesmo valor de chave primária.

. o que será garantido através de mecanismos de integridade de coluna. Ë utilizada como parâmetro (filtro) para seleção de registros no arquivo em consultas. A relação então se reduz para uma relação 1. o analista deverá eleger somente uma delas como CHAVE PRIMÁRIA. sendo que o lado n ficará com a nova tabela criada. ou seja. Neste caso. Existem alguns tipos de relacionamentos possíveis no MER: • • • Um para um (1 para 1) . formada por diversos campos-chave de outras tabelas. que veremos no capítulo relativo a banco de dados.a chave primária da tabela que tem o lado 1 está para ir para a tabela do lado N. CHAVE CANDIDATA Pode ocorrer uma situação em que mais de um campo satisfaça a condição de chave primária. constituindo duas ou mais CHAVES CANDIDATAS. ficando assim uma chave composta. indicando que tratam-se de campos de preenchimento obrigatório e com valores únicos para cada registro. No lado N ela é chamada de chave estrangeira.quando tabelas têm entre si relação n. as demais permanecerão na condição de CANDIDATAS. Um para muitos (1 para N) . .indica que as tabelas têm relação unívoca entre si. emissão de relatórios ou processos de atualização simultânea de um grupo de registros. Você escolhe qual tabela vai receber a chave estrangeira. é necessário criar uma nova tabela com as chaves primárias das tabelas envolvidas..CHAVE SECUNDÁRIA (FOREING KEY ou FK) A chave secundária pode ser formada por um campo ou pela combinação de campos (SIMPLES / COMPOSTA).n.n. Muitos para muitos (N para N) .