You are on page 1of 2

1) Francisco, há mais de 4 (quatro) meses, não consegue alugar seu apartamento, porque o locatário do apartamento vizinho cria todo

tipo de dificuldades e embaraços às visitas dos pretensos locatários. Incomodado com essa situação, Francisco procura você, ilustre advogado(a), solicitando um parecer sobre a questão. 2) Argan, não suportando as prestações de veículo adquirido, mediante alienação fiduciária em garantia, resolve vendê-lo a Molière. Como a alienação fiduciária não foi anotada no Certificado de Registro de veículo automotor e Argan omitiu a origem da coisa, Molière, acreditando na validade do negócio, resolve adquirir o veículo, mediante contrato verbal e pagamento à vista. Em razão de inadimplemento de seis prestações, a instituição financeira credora formulou busca e apreensão do veículo. Tanto Argan e Molière alegaram boa-fé. Pergunta-se: a) a quem pertence o veículo; b) procedeu, corretamente, a instituição financeira? C) A instituição financeira também poderia formular reintegração de posse em desfavor de Molière? 3) Tício e familiares invadiram imóvel rural de área registrada de 100 (cem) hectares. Em área de 45 (quarenta e cinco) hectares, fixaram moradia e realizaram diversas plantações. Após 61 (sessenta e um) meses de posse mansa, pacífica e sem qualquer oposição, Tício é surpreendido por pretensão possessória – com pedido liminar - formulada pelos herdeiros (dentre eles um menor púbere) do proprietário do imóvel, falecido há mais de 7 (sete) anos. Tício, que não tem qualquer outro local de morada, procura você, ilustre advogado (a), em busca da melhor defesa. Ajude-o. 4) Argan, próspero empresário, em 12 de janeiro de 2003, realizou doação de 01 (um) imóvel localizado na zona rural de Santana dos Montes, com área de 48 (quarenta e oito hectares) hectares a seu sobrinho, Molière, nascido em 11 de janeiro de 1988. Embora não tenha havido expressa aceitação de Molière, o imóvel, objeto da doação, foi registrado, no cartório de imóveis da localidade, em seu nome. Em 20 de março de 2006, Molière resolveu vender o imóvel, recebido a título de doação, em favor do casal Manuela e Marcos. Recebido o preço e satisfeitas demais providências de estilo, a propriedade do imóvel foi transferida ao casal, mediante registro imobiliário do título translativo. Manuela e Marcos, mediante força própria, realizaram várias acessões no seu único bem imóvel, inclusive, ali, fixaram moradia. Ocorre que, após o falecimento de Argan, em 10 de outubro de 2013, os seus herdeiros questionaram a validade da doação realizada. Asseveram que se trata de ato negocial nulo, em razão de violação ao disposto no art. 104, I, do Código Civil. Sustentam, ainda, que a doação deve ser desfeita, porquanto o donatário, comprovadamente, agrediu o doador em 7 de setembro de 2005, o que ensejou processo-crime, não findo, pela prática de lesão corporal leve. O casal se justifica, alegando que desconhece a origem do imóvel, que a edificação realizada no imóvel tem valor econômico muito superior ao do solo, e, ainda, atribuíram, a exploração de parte de sua superfície à Sociedade TUDO CERTO LTDA., mediante contrato oneroso com termo final em 2020. Resolva a controvérsia, analisando, particularmente:

garantido à Fernanda permanência no exercício da posse direta por força do comodato verbal. 8) Francisco adquiriu imóvel pela cláusula constituti. que não tem intenção de causar qualquer prejuízo à coletividade e. Decorridos cincos anos da citada notificação. 7) Argan. que antecedeu à ocupação da área e que nenhum vizinho se sentiu prejudicado. suspendem ou interrompem a prescrição? Explique. tratando-se. 1. algazara e o som de potentes alto-falantes em automóveis em horários. do casal e da Sociedade TUDO CERTO LTDA. depósito antigo de coisas preciosas no subsolo do terreno. pois. legitimidade passiva. a propriedade do imóvel cabe a quem ? Por quê? (oito pontos) c) as acessões que foram realizadas no imóvel. e. (15 pontos) 6) Aplica-se à desapropriação privada ou judicial indireta e à usucapião coletiva a regra do art. ali próximo. que um templo. com pedido de tutela antecipada. como se seu fosse. Denunciado o comodato. ainda. por fim. ( dois pontos) d) se os agentes da Sociedade TUDO CERTO LTDA encontrarem. não atendeu ordem para desocupar o imóvel. bem como as possíveis defesas de Argan. Julgue a controvérsia.244 do CC segundo o qual se estende ao possuidor o disposto quanto ao devedor acerca das causas que obstam. Que pretensões Francisco pode formular para ter acesso à coisa? Como ficam eventuais benfeitorias realizadas por Fernanda após a denúncia do contrato? . causa maiores ruídos provenientes de cultos religiosos. mesmo após a rescisão de seu contrato de trabalho. uma vez que não foi acionado anteriormente. em razão da comprovada poluição sonora decorrente do acesso intenso e barulhento de frequentadores. Notificado. ( três pontos) b) a situação dos herdeiros do falecido. Fernanda resistiu e não desocupou o imóvel. o proprietário do imóvel indaga quais as alternativas possíveis para retomar a coisa.a) a validade ou invalidade do contrato de doação. acidentalmente. contra o proprietário de loja de conveniência situada no posto de gasolina TUDO SEMPRE CERTO LTDA. que a pretensão viola o direito constitucional ao exercício de sua atividade econômica. reconhecidamente. porquanto não é o causador da perturbação alegada. de área residencial-comercial em que essas interferências são normais. No mérito.. objetivando a proibição do funcionamento do estabelecimento das 24:00 às 6:00 horas. a quem pertencerá tal depósito ? (dois pontos) 5) O Ministério Público ingressou com ação civil pública. imóvel funcional. de descanso. analisando TODAS as circunstâncias e alegações. Em contestação. permaneceu ocupando. alega que é titular de alvará de funcionamento. alegou o réu que o Ministério Público não tem legitimidade para tutela de interesses individuais.