Sumário: Introdução teórica ....................................................................................... Materiais e Métodos.................................................................................... Resultados e Discussão..............

.................................................................. Conclusões e Sugestões.............................................................................. Referências Bibliográficas.......................................................................... Memória de Cálculo.................................................................................... 3 8 9 13 14 15

2

p. sob ação de uma força (magnética.2mm) de soluções concentradas (maiores que 50 g de sólidos por litro). p. (MORAES JR. p.01-03) A sedimentação é um ramo da mecânica dos fluidos que envolve sistemas sólido-fluido. 1998. (MORAES JR. 1998. já os clarificadores são projetados para operar com sólidos finos (menores que 10μm) e suspensões diluídas (concentrações menores que 1g/litro). Os sedimentadores são tanques de seção cilíndrica ou retangular. Esta operação unitária possibilita a separação dos constituintes sólidos e fluidos de uma suspensão. os espessadores (decantadores) são utilizados. da interação da partícula com a lama e das condições e variáveis do processo. com operação contínua ou descontínua.Introdução Teórica Objetivo Os objetivos do experimento são a realização de ensaios em proveta utilizando uma suspensão e aplicação do método de Talmadge-Fitch para determinação da área de um sedimentador contínuo. nos quais a deposição das partículas é realizada. da densidade do sólido e do líquido.15) Sedimentadores para sólidos finos são chamados de clarificadores quando o líquido límpido é o objetivo. 2011. Para o projeto de um sedimentador gravitacional é necessário o conhecimento do diâmetro das partículas. A movimentação do sólido através do líquido está presente neste tipo de operação.1527) 3 . da viscosidade do líquido. Teoria (adaptado de COSTA e TARDIOLI. já quando o produto visado é a lama. 1998. Estes têm o objetivo de separar os sólidos finos (diâmetro menor que 0. centrífuga ou gravitacional) ou pela adição de um fluido. p. (MORAES JR.07) A sedimentação por gravidade é definida como remoção por deposição gravitacional de partículas sólidas em suspensão no líquido.

as Zonas C e D desaparecem e chega-se a um ponto que todos os sólidos encontram-se na camada D.28) Para sedimentação descontínua (batelada). Após algum tempo. quando o regime permanente é atingido. 4 . Esse ponto é considerado o Ponto Crítico ou Ponto de Compressão (Altura Zc e Concentração Cc). B. 1998. Tabela 1: Descrição das zonas durante a sedimentação Em espessadores contínuos. a altura das zonas A. a Zona B reduz-se concomitantemente ao aumento das Zonas C e D. o mecanismo de sedimentação é ilustrado e zonas são identificadas. p. (MORAES JR. ocorre a compressão lenta dos sólidos com a suspensão do líquido retido.Figura 1: Zonas durante um experimento de sedimentação em proveta Na figura 1. as alturas de cada zona variam. Primeiramente. com o decorrer do tempo. C e D é constante. Posteriormente.

três etapas são realizadas. Figura 2: Aplicação do procedimento para determinação do ponto crítico 5 .O método gráfico de Talmadge-Fitch possibilita calcular a área mínima de um sedimentador contínuo a partir do conhecimento do ponto crítico na curva de decantação. Para determinar o ponto crítico. Primeiramente. obtém-se uma curva Z de sólidos versus o tempo θ como ilustrado na Figura 2. Primeira Etapa – Traçam-se as tangentes pelas duas extremidades da curva Segunda Etapa – Traça-se a bissetriz do ângulo formado a partir do ponto onde as tangentes se interceptam Terceira Etapa – A estimativa do instante θc em que as partículas entram em zona de compressão é dada pela interseção da bissetriz com a curva Z versus θ.

Tempo necessário para descarga do Vlíquido Com a velocidade Vc de sedimentação no instante θc é possível obter a vazão volumétrica de sedimentação. (5) Sendo. (4) Para escoamento contínuo.Volume de líquido expelido no espessamento θdescarga . θe = tempo para alcançar a concentração desejada no sedimentador contínuo e θc= tempo para alcançar o ponto crítico. (2) e (3) foram obtidas. 6 .Concentração e altura no início do ensaio Cc e Zc . (3) e (4) e da figura 3. as equações (1). obteve-se a equação (5).Considerando que a massa de sólidos é constante e que no período de compressão de sólidos ocorre a remoção de uma quantidade de líquido (alteração da concentração). Vazão Volumétrica de líquido expelido = Vazão Volumétrica de Sedimentação A partir das equações (2).Concentração e altura do ponto crítico Vlíquido . o espessamento será possível se o escoamento ascendente de líquido for igual ao escoamento descendente de sólidos. (1) (2) (3) C0 e Z0 .

Para um sedimentador contínuo.91) (7) Substituindo a equação (7) na equação (6) resulta na área mínima do sedimentador. obtemos a seguinte relação. a velocidade de sedimentação na camada de compressão deve ser igual à vazão mássica de sólidos alimentada. Z0 e Ze. tem-se: (8) A = área da seção reta do sedimentador.Figura 3: Determinação de Z1. Com Cc e Zc. a partir da tangente à curva de sedimentação no ponto crítico Com C0. (MORAES JR. Portanto. obtém-se o valor de Ce utilizando a Equação (1). Uma vez que no ensaio descontínuo na escala de bancada a massa é constante e na análise do sedimentador industrial foi suposta desprezível a saída de sólidos pelo clarificado. (6) Q0 = vazão volumétrica de alimentação do sedimentador contínuo. 7 . a relação abaixo é válida. 1998. p. obtém-se o valor de θe utilizando a Equação (5).

a forma de alumínio foi retirada da estufa e pesada. cronômetro e uma suspensão composta por KH2PO4. estufa para secagem e balança eletrônica para pesagem. Os registros das alturas continuaram por 4 horas após o início do experimento. a suspensão composta foi elaborada pelo técnico de laboratório. agitou-se a proveta (tampada com filme PVC) até a completa homogeneização da suspensão. Durante a primeira hora do experimento. Métodos Primeiramente. a altura da interface (Z) entre o líquido límpido e a região de lama em deposição foi registrada em intervalos de 3 minutos. retirou-se uma alíquota de 5 ml de suspensão da proveta e a transferiu para a forma alumínio (previamente pesada). No dia seguinte (após aproximadamente 14 horas do último registro no dia anterior). o valor da altura de espessamento (Ze) foi obtido. uma forma de alumínio. Após isto. o cronômetro foi disparado e a altura da interface da suspensão na proveta (Z0) foi anotada. MgSO4. Após aproximadamente 3 horas de experimento. sendo que durante a última hora os valores de altura foram registrados em intervalos de 10 minutos. Em seguida. também. na proporção de 3:2:1. 8 . a altura (Z) é registrada em intervalos de 6 minutos. obtendo-se o valor da concentração da suspensão (C0). uma pipeta graduada (5 ml). A forma contendo a solução foi colocada na estufa para realização da secagem.Materiais Os materiais necessários para realização do experimento são uma proveta graduada. Já durante a segunda hora do experimento. 7H2O e CaO. Utiliza-se. A partir do momento em que a alíquota de suspensão foi retirada.

5 9.8 11.2 33.7 9.0 8.4 10.6 10.2 9.8 9.9 8. os valores do tempo e da altura (Z) obtidos estão relacionados na Tabela 2.3 9.0 8.9 28.6 9.7 8.8 8.4 26.4 15. Tabela 2 – Valores do tempo transcorrido em relação à altura(Z) Tempo (min) 0 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30 33 36 39 42 45 48 51 54 57 60 66 72 78 84 90 96 102 108 114 120 126 132 138 148 158 168 178 188 198 208 240 1054 1291 1405 Z Altura (cm) 35.Resultados Após acompanhar e registrar o decaimento da interface (Z) formada entre o líquido límpido e a região da lama.2 11.0 22.8 10.2 12.2 14.4 8.0 11.0 10.1 20.6 16.4 19.0 8.5 9.1 9.2 10.0 17.0 24.2 13.7 12.3 12.6 30.6 11.0 9.5 11.0 9 .9 9.4 12.

42 Para obter o valor da concentração (C0). os dados da Tabela 3 foram obtidos. obteve-se a curva de sedimentação. obteve-se uma curva de sedimentação com a maioria dos pontos concentrados no período inicial (0 a 250 minutos).55 Volume suspensão (ml) 5 Massa de sólidos secos (g) 0. Conseqüentemente. Figura 4 – Curva de Sedimentação A existência de um intervalo de tempo significativamente grande sem medições é resultado da impossibilidade de colher dados durante a noite.Para obtenção do valor da concentração inicial (C0) da suspensão. realizamos o seguinte cálculo: Utilizando os valores da Tabela 2. Tabela 3 – Valores obtidos no laboratório Massa da forma de Alumínio(g) 3. 10 .

utilizou-se o método de Talmadge-Fitch. como ilustrado abaixo na figura 5. Z0 e Ze já são conhecidos.0 cm Como os valores de C0. Figura 5 – Curva de sedimentação obtida manualmente e aplicação do método de Talmadge-Fitch A altura no início do ensaio (Z0) é determinada no momento em a alíquota de suspensão foi retirada e o cronômetro foi acionado. eles foram utilizados para o cálculo da concentração final dos sólidos que saem na base do sedimentador contínuo (Ce).Para obter o valor da altura crítica (Zc) e do tempo crítico (θc).6 g/l 11 .2 cm O valor de Ze foi determinado no fim do experimento. Ze = 8. Ce = 369. Z0 = 35.

A figura (5) ilustra a curva de sedimentação traçada manualmente.0 min O valor de Z1 foi obtido a partir da tangente a curva de sedimentação no ponto crítico. θe = 162. Como os valores de θe e Z0 são conhecidos. Sendo este obtido através de cálculos demonstrados no memorial. o valor de A foi calculado.2 cm θc = 91. Os valores obtidos de Zc e θc seguem abaixo.03) que é a vazão volumétrica de alimentação do sedimentador contínuo. para chegarmos ao valor de A (área da secção reta do decantador). a utilização do método de Talmadge-Fitch permitiu obter o PONTO CRÍTICO.7 m² 12 . A = 7. sendo Z o valor no qual a tangente corta o eixo das ordenadas. Zc = 10. primeiramente realizou-se o cálculo do θe.0 m³/h (fornecido por COSTA e TARDIOLI.5 min Finalmente. utilizou-se o valor de Q0 = 1.0 cm Para obtermos o valor da área da secção reta para um sedimentador contínuo. assim: Z1 = 13. 2011. p.

na qual se observou a separação de uma suspensão pela deposição de sólidos até se obter um fluido límpido e uma lama. Já a partir do ponto crítico. pois permitiu aos alunos obter a experiência prática de realizar a operação unitária de sedimentação por gravidade. 13 . a elaboração do relatório permitiu a elucidação dos conceitos teóricos que permitem realizar projetos de sedimentadores. também. Esta possui comportamento semelhante ao esperado. Uma possível fonte de desvio nos valores calculados é a impossibilidade de obter valores da altura (Z) no período da noite. Conseqüentemente. o experimento atingiu seu objetivo. Sendo que no início. Concluindo. Além disso. O registro da altura da interface entre o líquido límpido e a lama em deposição com relação ao tempo permitiu traçar a curva de sedimentação. que refletiu em pontos muito espaçados. satisfatoriamente. A aplicação do método manual para traçar a tangente. a altura (Z) decaiu rapidamente em relação ao tempo. A aplicação do método de Talmadge-Fitch permitiu. assim como valor de Z1. pode ter reduzido a precisão dos valores obtidos. os sólidos entraram na zona de compressão e a velocidade de sedimentação diminuiu rapidamente. o valor de A (área da secção reta de um sedimentador contínuo) foi obtido através das equações ilustradas no memorial de cálculo. obter os valores da altura crítica (Zc) e do tempo crítico (θc).Conclusões e sugestões A realização do experimento permitiu a visualização da operação unitária de sedimentação por gravidade.

Fundamentos de Operações Unitárias: Projeto Básico e Seleção de Equipamentos de Indústrias Químicas. P.. B.. 07 – 92. Material didático da disciplina de Laboratório dos Processos Químicos: Experimento de Sedimentação. São Carlos: UFSCar/DEQ. 01-03 MORAES JR. TARDIOLI. São Carlos: UFSCar/DEQ. p.Bibliografia COSTA. 14 . 1998. p. B. D. W. 2011.. C.

Memorial de Cálculo Para obter o valor de Ce . Os valores são substituídos na equação (5) e o valor de θe é determinado. Z0 = 35.0 cm. para isto os valores de θe = 162.5 min = 2. Os valores de C0 = 84 g/l.2 cm = 0.0 cm foi obtido no fim. já o valor de Ze = 8.0 min).0 m³/h = 15 .71 horas e Z0 = 35. ( ) ( ) min A equação (8) foi utilizada para determinar a área da secção reta do decantador. utilizou-se a equação (1). o valor da vazão volumétrica de alimentação do sedimentador contínuo é dado pela literatura indicada. sendo Q0 = 1.35 m foram necessários para o procedimento de cálculo.2 cm. Os valores utilizados foram obtidos através do método de Talmadge-Fitch que determinou o ponto crítico (Zc=10. Segue o cálculo detalhado dos valores: O cálculo para obtenção do valor de θe utilizou-se a equação (5). A reta tangente a curva de sedimentação no ponto crítico determinou o valor de Z1= 13.2 cm foram obtidos no início do experimento. Além disso. θc= 91.