1.3 [0 , 3] ; [4 , 7] e [10 , 11].

1.4 240 km/h.
1.5 A velocidade de 180 km/h foi atingida três vezes.
2. Resposta: (D).
Não pode ser a opção (A) pois a variável t (tempo) tem de au-
mentar, não se pode voltar “atrás” no tempo.
Tembém, não pode ser a opção (B) pois a variável tempo não pode
parar.
O gráfico representado na opção (C) também não está correcto,
uma vez que ao instante inicial (t = 0) deve corresponder d = 0.
3.1 a) D
f
= [– 3 , 4[ ; Pág. 177
b) D’
f
= [– 2 , 3[ .
c) Os zeros são: – 1 , 0 e 3.
3.2 a) não tem;
b) não tem;
c) f (– 3) = – 2 é mínimo relativo;
f (2) = – 1 é mínimo relativo;
d) f (– 3) = – 2 é o mínimo absoluto;
e) não tem;
f) os minimizantes são: – 3 e 2.
3.3
Intervalos de monotonia:
a função é crescente em [– 3 , 0[ e em [2 , 4[ ;
é decrescente em [0 , 2].
3.4 a) ]– 1 , 0[ ∪ ]3 , 4[ ;
b) [– 3 , – 1[ ∪ ]0 , 3[ .
4.1 Por exemplo:
4.2 (A) s (x) = – 1 ⇔ x = – 1 ; a afirmação é falsa.
(B) s (x) ≥ – 1 , A x ∈ D
s
; a afirmação é verdadeira.
(C) s é crescente em [– 1 , 3] e decrescente em [3 , 5] , logo s(3) = 1
é o valor máximo de s em R
+
; a afirmação é verdadeira.
(D) Por observação do gráfico construído na alínea anterior, facil-
mente se constata que a afirmação é verdadeira, uma vez que o
gráfico intersecta o eixo Ox em três pontos.
x – 3 0 2 4
f (x) – 2 £ 0 ¢ – 1 £
1. Pág. 174
Resposta: (A).
2. Teste da recta vertical: uma curva representada num referencial é o
gráfico de uma função se e só se qualquer recta vertical intersecta o
gráfico, no máximo, num ponto.
Resposta: (C).
3. (A) A função g tem apenas um zero: – 5; Pág. 175
afirmação falsa.
(B) O mínimo absoluto da função g é 0 (o minimizante é – 5);
afirmação verdadeira.
(C) O contradomínio de g não é R porque g(x) ≥ 0 , A x ∈ D
g
.
afirmação falsa.
(D) A equação g (x) = 1 pode ter três soluções; afirmação falsa.
Resposta: (B).
4. O perímetro p da secção produzida na esfera pelo referido plano é
máximo quando o ponto P se encontra na origem do referencial.
Logo as opções (A) e (B) ficam excluídas.
1. Pág. 176
1.1 As variáveis que aparecem relacionadas no gráfico são:
a distância, em km, que é a variável independente (a unidade no
eixo horizontal é o km);
a velocidade, em km/h, que é a variável dependente (a unidade no
eixo vertical é 20 km/h).
1.2
Distância
(km)
Velocidade
(km/h)
0 0
1 60
3 160
7 240
13 140
14 0

Sendo a ordenada de e o raio do y P r círculo tem-se que:
pelo q
2
y r +
2 2
5 uue = 25 –
Logo, o perímetro dess
2
r y
p
.
aa secção é dado por:
= 2 25 – o qu
2
p y π , e e exclui a opção (D).
Resposta: (C).
Capítulo 6
PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO
43
C
E
X
M
A
1
0

©

P
o
r
t
o

E
d
i
t
o
r
a
EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A 10.° ANO
44
C
E
X
M
A
1
0

©

P
o
r
t
o

E
d
i
t
o
r
a
EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A 10.° ANO
PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 6
5.1 Pág. 178
Df
1
= ]– 3 , 2] e D’f
1
= [1 , 4[ ;
Df
2
= [– 2 , 3] e D’f
2
= [– 2 , 5] ;
Df
3
= R e D’f
3
= {– 2 , 0 , 3} ;
Df
4
= [0 , + ?[ e D’f
4
= [0 , + ?[ ;
Df
5
= ]– ? , – 1[ ∪ ]– 1 , + ?[ ou R \ {– 1} e
Df
6
= ]– ? , – 1] ∪ [0 , 3] e D’f
6
= ]– ? , 2] ∪ {3} ;
Df
7
= ]– ? , 4[ e D’f
7
= ]– ? , 6[ ∪ {7} ;
Df
8
= ]– ? , 2[ ∪ ]2 , 4] e D’f
8
= [0 , + ?[ ;
Df
9
= ]– ? , 2[ ∪ ]2 , + ?[ ou R \ {2} e
D’f
9
= ]– ? , – 1] ∪ [3 , + ?[ .
5.2 a) f
1
(0) = 2,2 ; b) f
3
(– 1) = 0 ;
c) f
3
(0) = 3 ; d) f
6
(0) = 0 ;
e) f
6
(2) = 2 ; f) f
7
(1) = 7 ;
g) f
7
(– 2) = 3 ; h) f
8
(4) = 0 .
5.3 a) f
3
(x) = – 2 ⇔ x < – 1 ;
b) f
6
(x) = 0 ⇔ x = – 2 › x = 0 ;
c)
d) f
7
(x) = 0 ⇔ x = – 4 › x = 0 ;
e) f
9
(x) = 0 é impossível, x ∈ ∅ .
6.1 Pág. 179
f é crescente em [– 6 , – 3] , em [– 1 , 2] e em [6 , 10].
f é decrescente em [– 3 , – 1] e em [2 , 6].
6.2 f (10) = 7 é o máximo absoluto e também é máximo relativo.
f (– 3) = 3 é um máximo relativo.
f (2) = 6 é um máximo relativo.
f (x) = 1 , com x ∈ [– 2 , – 1] é máximo relativo.
6.3 O mínimo absoluto é f (– 6) = – 6.
minimizantes: – 6 ; [– 2 , – 1] e 6.
6.4 Os zeros são: – 4 , 4 e 8.
6.5 A função é positiva em ]– 4 , 4[ e em ]8 , 10] e é negativa em
[– 6 , – 4[ e em ]4 , 8[ .
6.6 Por exemplo, [– 6 , – 5] .
6.7 Por exemplo, [1 , 3].
7.1 Das 0 às 6 horas, das 14 às 16 horas e das 16 às 17 horas.
7.2 Das 16 horas às 17 horas, porque o consumo de electricidade pas-
sou, bruscamente, a ser zero.
7.3 Foi crescente das 6 horas às 12 horas e das 17 horas às 20 horas e
foi decrescente das 12 horas às 14 horas e das 20 horas às 24 horas.
7.4 Às 20 horas foi atingido o valor máximo; o valor mínimo ocorreu
das 0 horas às 6 horas.
7.5 Máximos relativos: 0 horas às 6 horas; 12 horas e 20 horas.
Mínimos relativos: 0 horas às 6 horas; das 14 horas às 16 horas;
das 16 horas às 17 horas e às 24 horas.

f x x x
6
( ) = 1 = –
3
2
0 1 ; ⇔ › < ≤

D'f
5
= – ,
3
2
3
2
, + o ? ?
1
]
1

¸


1
]
1

¸

uu \
3
2
R
¹
,
¹
¹
,
¹
.
1.1 Pág. 180
(A) O gráfico não é o correcto uma vez que a Ana não esteve sem-
pre à mesma distância do solo.
(B) O gráfico, também, não é o correcto pois a distância a que a
Ana se encontrava do solo não aumentou continuadamente,
com o decorrer do tempo.
(C) Este gráfico, também, não é o correcto já que a distância a que
a Ana se encontrava do solo é igual nos instantes em que o ba-
loiço está numa posição vertical relativamente ao solo (igual à
posição a que se encontra o baloiço quando está parado).
Logo o gráfico correcto é o (D).
1.2 Resposta (A)
• O gráfico (B) é incorrecto porque, segundo este gráfico, existe um
instante no qual a bandeira ocupa uma infinidade de posições, o
que é impossível (não é o gráfico de uma função).
• O gráfico (C) é incorrecto porque a velocidade a que a bandeira
sobe ou desce não é constante.
• O gráfico (D) é incorrecto porque, segundo este gráfico, depois de
o sistema avariar, a bandeira apenas subiu duas vezes e não três
conforme o enunciado.
2.1 A distância da casa do João à universidade é de 3,5 km. Pág. 181
2.2 Dos 0 min aos 10 min percorreu 500 metros;
Dos 60 min aos 80 min percorreu 500 metros;
Dos 200 min aos 210 min percorreu 500 metros;
Dos 230 aos 240 min percorreu 500 metros;
No total o João percorreu a pé 2000 metros.
2.3 10 min (para a viagem de ida) e 20 min (para a viagem de volta).
No total o João esperou 30 minutos pelos autocarros.
2.4 210 min – 80 min = 130 min = 2 h 10 min
11 h 40 min – 2 h 10 min = 9 h 30 min
O João chegou à universidade às 9 h 30 min.
2.5 Determinação da velocidade média da viagem de ida:
Determinação da velocidade média da viagem de volta:
A velocidade média da viagem de volta (10,5 km/h) foi superior à
velocidade média da viagem de ida (5 km/h).
2.6 Por exemplo:
O João saiu de casa dirigindo-se para praia a uma velocidade média
de 40 km/h. Quando chegou à praia passeou na pista paralela à
costa durante 15 minutos. Depois regressou a casa a uma velocidade
média de 30 km/h, chegando a casa 50 minutos após de ter partido.
3.1 Gráfico (A) : António. Pág. 182
Gráfico (B) : Nuno.
Gráfico (C) : Pedro.
3.2 Por exemplo:
O Joaquim saiu de casa, algum tempo depois verificou que estava
atrasado e decidiu por isso aumentar a velocidade. Antes de chegar
ao campo de futebol parou para descansar.

3,5
1
3
= 3,5
3
1
= 10,5 .
repare que 280 min
×
– 260 min = 20 min =
1
3
hora
¸
¸

_
,

3 – 0,5
0,5
=
2,5
0,5
= 5 (repare que 50 min – – 20 min = 0,5 horas)
45
C
E
X
M
A
1
0

©

P
o
r
t
o

E
d
i
t
o
r
a
EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A 10.° ANO
PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 6
Pág. 185
6. • O gráfico (B) é incorrecto porque quando P percorre o lado
[AB], durante o primeiro segundo, a distância d decresce
quando P percorre metade do segmento e cresce quando P per-
corre a parte restante. O mesmo acontece quando P percorre o
lado [CD].
• O gráfico (C) é incorrecto porque, por exemplo, como
tem-se que d(2) > d(1) ao contrário do que se apresenta neste
gráfico.
• O gráfico (D) também se rejeita porque, por exemplo, d (0) = d (1)
dado que .
O gráfico correcto é o (A).

OA OB = = 1

OC OB >
4.2 Pág. 183
4.3
4.4
5.1 a) O recipiente E. Pág. 184
b)
5.2 Por exemplo:
Recipiente Gráfico
A 1
B 3
C 4
D 2