DEUS

255

DEUS

um é imputável por sua escolha: a divindade não é imputável" (Rep., X, 617 e). E na realidade o Demiurgo predispõe todas as coisas "para não ser causa da maldade futura dos seres individuais" (Tim., 42 d). Para Platão, a virtude, assim como o vício (logo, a totalidade da ordem moral), faz parte da esfera de causalidade dos seres criados. Todavia, ser virtuoso significa também "ser amigo da divindade'', e isso significa "ser semelhante" à divindade. "A divindade é para nós a medida de todas as coisas, muito mais do que pode sê-lo um homem, como dizem hoje" (Leis, IV, 716 c). Analogamente, segundo Aristóteles, a divindade exerce sua função apenas no mundo natural e só por essa função é possível determinar seus atributos fundamentais (Motor imóvel, Causa primeira, Pensamento do pensamento, etc). Contudo, até Aristóteles admite, conforme as crenças populares, que, "se os deuses se preocupam de algum modo com as obras humanas, como parece, é verossímil que lhes agrade ver nos homens algo de excelente e que com estes tenham a maior afinidade, o que só pode ser inteligência" {Et. nic, X, 9, 1179 a 24). A característica negativa dessa concepção é a ausência da noção de providência, ou seja, de uma ordem racional criada por D. ou que seja D., em que os homens e seus comportamentos encontrem lugar. Sua característica positiva é ser D. garante da ordem moral, conquanto não estabeleça seus caminhos e seus modos de realização. No mundo moderno essas características são encontradas nos defensores da religião natural (v.), a religião sem revelação por parte de D., confiada unicamente às forças da razão. Grócio, p. ex., afirma que os enunciados da religião natural são quatro: "Primeiro: D. existe e é uno; segundo: D. não é coisa nenhuma que se veja, mas é muito superior a elas; terceiro: as coisas humanas são cuidadas por D. e julgadas com perfeita eqüidade; quarto: D. é o artífice de todas as coisas exteriores" (De iure belli, II, 20, 45). Crenças semelhantes, que excluem das coisas humanas o plano providencial, embora reconhecendo a ajuda e a garantia divina, são freqüentes nos filósofos dos sécs. XVII e XVIII. Talvez sua melhor expressão esteja em Rousseau e em Kant. Segundo Rousseau, D. intervém para pôr em ação "as leis da ordem universal", agindo de tal modo que, nesta vida, quem se comportar corretamente e for infeliz será recompensado na outra. Aliás, para Rousseau, a exigência de ver assim garantida a

ordem moral é o único motivo razoável para crer na imortalidade da alma (Emílio, IV). Do mesmo modo, para Kant, a existência de D. é um postulado da razão prática pois só Deus torna possível a união de virtude e felicidade em que consiste o sumo bem, que é o objeto da lei moral (Crít. R. Pratica, I, cap. 2, § 5). "Desse modo", diz Kant, "mediante o conceito do sumo bem, a lei moral conduz à religião, ao conhecimento de todos os deveres na forma de mandamentos divinos; não como sanções, ou seja, como decretos arbitrários e por si mesmo acidentais de uma vontade alheia, mas como leis essenciais de toda vontade livre por si mesma, que, porém, devem ser consideradas mandamentos do Ser supremo, porque só de uma vontade moralmente perfeita (santa e boa) e ao mesmo tempo onipotente podemos esperar o sumo bem, que a lei moral nos obriga a ter como objeto de nossos esforços; portanto, podemos esperar alcançá-lo mediante o acordo com essa vontade perfeita". Conseqüentemente, para Kant D. é "1 B criador onipotente do céu e da terra, e, do ponto de vista moral, legislador santo; 2S conservador do gênero humano como seu benévolo governante e curador moral; 3S guarda de suas próprias leis, ou seja, justo juiz" (Religion, III, II, Obs. ger.). Essa solução de Kant ficou sendo típica da concepção em exame, que limita o poder moral de D. a uma garantia que não determina de modo algum a ação dos homens, mas, ao contrário, de certo modo é solicitada pela própria autonomia dessa ação. b) Deus como ordem moral do mundo. Essa concepção, como a outra de D. criador da ordem moral, apóia-se no conceito de providência, de ordem racional cjue compreende não só os eventos do mundo mas também as ações humanas, ordem que é D. mesmo ou que vem de D. Os primeiros a formular o conceito de providência foram os estóicos, que deram esse nome ou o nome de destino (v.) ao governo racional do mundo, ou seja, "a razão pela qual as coisas passadas aconteceram, as presentes acontecem e as futuras acontecerão" (STOBF.O, Ecl, I, 79). Os estóicos identificaram essa razão, destino ou natureza com D., "presente nas coisas e nos fatos todos, e que assim utiliza todas as coisas segundo sua natureza, para a economia do todo" (ALEXANDRE, De fato, 22, pp. 191, 30). Do ponto de vista dessa identificação não deveria nascer o problema da liberdade huma-