Praticando, Praticando, Praticando Nuno Crato Expresso de 15/03/2009 "Há em Nova Iorque muitos locais famosos dedicados à música.

Mas não há nenhum tão venerado e vetusto como Carnegie Hall. Construído em 1891, nele residiram algumas das companhias e orquestras mais famosas do mundo. Tocar nessa imponente sala de espectáculos é, ainda hoje, uma ambição de muitos grandes músicos. Conta-se que, um dia, quando Arthur Rubinstein se passeava pela Sétima Avenida, nas redondezas do teatro, foi abordado por um transeunte perdido, que lhe perguntou como se ia para Carnegie Hall. O grande pianista terá respondido: Praticando! Praticando! Praticando!. O dito ficou famoso e tornou-se uma piada predilecta de alguns educa-dores norte-americanos. Apesar de desaconselhada por algumas correntes pedagógicas hoje antiquadas, que consideram a prática e a memorização como contraproducente, a importância da repetição organizada tem sido reforçada por muitos estudos modernos sobre o funcionamento da mente humana. Henry L. Roediger, um dos psicólogos norte-americanos que mais se têm dedicado à investigação do sucesso das práticas de estudo, esteve esta semana em Portugal e proferiu uma conferência sobre o tema na Universidade de Lisboa. Roediger reconhece a importância da prática de memorização repetida. Tem feito estudos experimentais sobre diferentes maneiras de memorizar o vocabulário de uma língua estrangeira e sobre temas de estudo mais complexos em sala de aula. Uma das conclusões mais interessantes dos seus estudos é que os conhecimentos ganham em ser recapitulados e reavivados, mesmo quando estão já

memorizados ou assimilados. A ideia muito comum de que, uma vez estudados uns assuntos, o estudante deve progredir para outros, sem revisitar as matérias aprendidas, parece ser errónea. Alguns psicólogos, nomeadamente David Geary, que também esteve entre nós há algum tempo, corroboram esta ideia e falam em sobreaprender, dizendo que os estudantes não devem parar depois de terem assimilado o estritamente necessário de determinada matéria, mas devem prosseguir, estudando mais, de forma a reterem o máximo da própria matéria original. Outros psicólogos e estudiosos da cognição, como Nathaniel Lasry (Science 320, p. 1720), interpretam estes resultados no quadro das des-cobertas recentes sobre o carácter activo e adaptável (labile) da memória. Ao contrário do que por vezes se pensa, cada vez que um facto é relem-brado, a memória transforma-se e reforça-se, recriando-se em novas versões. Mas a revelação mais interessante dos estudos apresentados por Roediger é o papel dos testes. Sendo importante que os estudantes sejam capazes de ter uma noção do seu estado de aprendizagem, parece que essa noção é geralmente limitada e dificilmente leva a que os estudantes reforcem o estudo no que mais necessitam. A avaliação organizada parece ser um factor determinante na consoli-dação dos conhecimentos. É importante que o estudante seja avaliado de forma repetida e espaçada. Ao testar os conhecimentos, procede-se a uma recuperação activa da memória, que reforça os conhecimentos. Como diz Roediger "o factor decisivo para a aprendizagem de longo prazo é a introdução de testes" (Science 319, p. 967, 2008). Estes trabalhos científicos fornecem novos argumentos aos modernos estudiosos de peda-gogia. Reforçam o papel da instrução dirigida e põem em causa as velhas recomendações românticas de um estudo puramente autónomo, conduzido ao ritmo do aluno."