ESTADO DE MINAS - QUINTA-FEIRA, 20 DE FEVEREIRO DE 2003

PÁGINA 19

GERAIS

❚ MENINA MORTA

PORTEIRO QUE ASFIXIOU A PRÓPRIA FILHA, DE 2 ANOS, EM UM HOTEL NO CENTRO DE BELO HORIZONTE, NO ÚLTIMO DIA 8, ALEGA ESTAR ARREPENDIDO, MAS CARTA ENVIADA POR ELE À EX-MULHER É A PRINCIPAL PROVA DA POLÍCIA PARA ATESTAR QUE O CRIME FOI PREMEDITADO

Pai diz que se vingou de traição
GISLENE ALENCAR

Um ato repentino e precipitado. Assim foi definido pelo porteiro Antônio Leal Ribeiro, de 30 anos, o assassinato da filha dele, Camila Conceição Ribeiro, de 2 anos e 3 meses, no último dia 8, no Hotel Gontijo, no Centro de Belo Horizonte. Ele foi apresentado ontem pela manhã no Departamento de Investigações (DI), depois de ter sido preso na segundafeira passada em Foz do Iguaçu, no Paraná, onde vendia picolés, e trazido para a capital anteontem sob forte escolta policial. Para o titular da Divisão de Crimes Contra a Vida (DCcV), Alexandre Liberal, o crime foi premeditado. Leal será indiciado por homicídio qualificado e, se for condenado, pode pegar até 30 anos de prisão. Frio e cabisbaixo, o acusado disse estar arrependido e que matou a filha para se vingar da ex-mulher, a secretária Elaine Daniela Conceição Santos, de 23 anos, com quem viveu cerca de três anos e separou-se em janeiro, por vontade dela. Ele alegou traição e, em uma carta postada para a secretária no dia 7, explicou os motivos. O bilhete foi mostrado pelo delegado. “Com certeza você vai se perguntar o porque (sic) que (sic) eu tomei essa atitude. Só estou terminando a lambança que você começou. Ninguém me sacaneia e passa batido”, escreveu o porteiro. Para a polícia, essa é o principal prova de que o crime foi premeditado. A mãe da menina, Elaine dos Santos, disse que a alegação de “traição” é “sem cabimento” e que se separou porque não tinha

mais condições de conviver com ele. Ele disse que mereceria a guilhotina pelo crime que cometeu. Antônio ficará preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana, por medida de segurança. O delegado acredita que até a próxima semana o inquérito será encaminhado à Justiça. O delegado vai pedir a prisão preventiva de Antônio, que já teve a temporária concedida pelo I Tribunal do Júri de BH. O porteiro confessou que asfixiou a filha com uma toalha, enquanto ela dormia. Ele fugiu para Foz do Iguaçu na mesma noite do dia 7. A prisão dele, Antônio na avenida JK, no Centro da cidade, só foi possível com a união das polícias Civil e Federal. O porteiro contou que chegou a ir ao Paraguai e que estava vendendo picolé para conseguir dinheiro para retornar a Minas Gerais e se entregar à polícia. Ele se negou a dizer como foi o dia que passou com a filha. Era ele quem cuidava dela durante o dia. Segundo Liberal, Antônio tentou despistar a polícia comprando uma passagem para o Espírito Santo. A polícia descobriu que, há dez anos, ele morou e trabalhou como camelô em Foz do Iguaçu e trabalhou na hipótese dele ter retornado para lá. Antônio tem outras passagens policiais, por furto e falsa identidade. Ele cumpriu pena por tentativa de assalto, na Casa de Detenção Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de BH, antes de se relacionar com Elaine. Antônio pediu à ex-mulher para passar o fim de semana com sua filha e a matou asfixiada.

JUAREZ RODRIGUES

FRIEZA

Antônio Leal Ribeiro, de 30 anos, pode pegar até 30 anos de prisão pelo assassinato de Camila. Ele ficará detido em presídio em Contagem

A CARTA DA VINGANÇA “COM CERTEZA VOCÊ VAI SE PERGUNTAR O PORQUE (SIC)
QUE (SIC) EU TOMEI ESSA ATITUDE. 1º: SÓ ESTOU TERMINANDO A LAMBANÇA QUE VOCÊ COMEÇOU. 2º: SE EU NÃO POSSO CRIAR A CAMILA NEM EDUCÁ-LA, NINGUÉM MAIS FARÁ ISSO POR MIM. 3º: SÓ AGORA VOCÊ VAI VER QUE FOI UM ERRO VOCÊ COLOCAR SUAS VAIDADES ACIMA DE SUA FAMÍLIA. 4º: NINGUÉM ME SACANEIA E PASSA BATIDO. 5º: AGORA VOCÊ VAI SOFRER COMO EU SOFRI’’.
❚ BARREIRO

Cabo PM morto com cinco tiros
EULER JUNIOR

VÍTIMA

José Francisco (detalhe), motorista da Parati, morreu na hora

❚ ACIDENTE

Carreta descontrolada mata e fere na BR-381
Uma pessoa morreu e pelo menos 20 ficaram feridas em grave acidente na manhã de ontem, na BR-381, na saída de Belo Horizonte para Vitória (ES). Por volta das 9h20, a carreta, placa MPP-1515, de Viana (ES), segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), perdeu a direção em uma curva, na altura do km 426, e atingiu a Parati, placa GLX-1945, de Mateus Leme, e o Peugeot 206, placa GZF-4227, de Belo Horizonte, que vinham em sentido contrário. Em seguida, a carreta colidiu com o ônibus da empresa Saritur, placa GVJ-2186, de Caeté. De acordo com a PRF, o motorista da Parati, José Francisco de Souza, de 43 anos, ficou preso nas ferragens e morreu no local. Os passageiros do ônibus Antonela Tonidândel Schettini, de 25, e Ataíde Batista dos Santos, de 60, foram levados em estado grave para o hospital. Os demais passageiros sofreram lesões leves. O motorista do Peugeot, Flávio Naves Carneiro, de 36, teve ferimentos sem gravidade. Os feridos foram encaminhados pelo Corpo de Bombeiros para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII e para o Odilon Behrens. A PRF acredita que o motorista da carreta, Adelson Delpupo, de 47, seja mesmo o responsável pelo acidente. Ele não sofreu ferimento e, depois da colisão, foi encontrado em um posto de gasolina próximo ao local do ocorrido, em estado de choque. A pista ficou interditada nos dois sentidos durante toda a manhã e o trânsito foi liberado por volta das 13h.

A Polícia Militar não descarta a possibilidade de que o assassinato do cabo da Polícia Militar Anderson Carneiro, de 36 anos, na madrugada de ontem, em Belo Horizonte, pode ter sido vingança. O cabo, que trabalhava na Companhia de Missões Especiais há 16 anos, foi atingido por cinco tiros próximo a sua casa, na rua Barão de Monte Alto, bairro Cardoso, na região do Barreiro. Segundo testemunhas, ele estava passando na moto, placa GYE 3955, quando foi parado por homens que estavam em um Chevette. A vítima chegou a descer da moto para conversar com os homens, sendo atingido pelos cinco tiros. As testemunhas não anotaram a placa do Chevette. Quarenta policiais do 5º Batalhão fizeram rastreamento na região, mas não conseguiram localizar os assassinos. O delegado Alexandre Liberal, chefe da Divisão de Crimes Contra a Vida de Belo Horizonte, informou que ainda não há suspeitos do crime. Outros três homicídios registrados em BH e na região metropolitana mobilizaram a polícia. O corpo de um homem assassinado a tiros foi encontrado próximo a um depósito de construção no bairro Santa Amélia, na Pampulha. No bairro São Domingos, em Contagem, um desconhecido fez disparos contra Natanael Martins Gonçalves, de 22. Ele chegou a ser levado para o HPS, mas morreu.