You are on page 1of 14

MISTURAS A BASE DE AGLOMERANTES INORGANICOS

Os aglomerantes são classificados como: Poliméricos: são os aglomerantes que tem reação devido a polimerização de uma matriz. Aéreos: são os aglomerantes que endurecem pela ação química do CO2 no ar, como por exemplo a cal aérea. Hidrálicos: são aglomerantes que endurecem pela ação exclusiva de água como por exemplo o cal hidrálico, o cimento Potland, etc. Aglomerante Inorgânico Aglomerantes aéreos (que fazem presa em contato com o ar) - gesso - cal , aérea

Aglomerantes hidráulicos (não necessitam estar expostos ao ar para fazer presa) - cal hidráulica ou hidratada - cimento Portland

PRESA OU PEGA: Tipo de fenômeno termoquímico do qual se dá o endurecimento de uma mistura de água com aglomerantes, no betão, alvenarias e massas de revestimento. AGLOMERANTE ORGÂNICO poliméricos (resina epoxídica, resina acrílica, cola, mástique) betuminosos (alcatrão, asfalto, derivados da destilação do petróleo)

sem contudo atingir seu ponto de fusão. Outras reações (ustulação. A cal é largamente utilizada na siderurgia e na metalurgia. purificação de água e como base alcalina em muitos processos químicos e minerais. Impurezas comuns. o terceiro mineral mais abundante. de forma a conseguir sua decomposição química e consequente eliminação dos produtos voláteis. Cal virgem O mesmo que óxido de cálcio. é um produto muito reativo. e geralmente se devem ao modo como a rocha foi formada. As características mudam nas diferentes partes do mundo e profundidades de mina. açúcar. sinterização. botânicas e veterinárias. f. Calcinação: s. O calcário pode ser encontrado com muitas características e impurezas diferentes. calcários e em conchas animais. CE) A cal virgem é usada na produção do hidróxido de cal (cal hidratada ou extinta) através de reação com a água: CaO + H2O → Ca(OH)2 + calor . tratamento de água e efluentes industriais. que podem ser um problema dependendo da aplicação. CaCO3 → CaO + CO2 Calcita +calor → Cal virgem + gás carbônico Forno de cal (Farias de Brito. O calcário é uma rocha sedimentária. aço e alumínio. além da calcinação interferem outros processos como a sinterização. é obtido acima do chão.É o processo de aquecer uma substância a altas temperaturas. Na produção do cimento Portland. O calcário pode ser formado pro processos químicos. que em contato com a água reage produzindo calor e hidróxido de cal (cal hidratada). vitrificação) obtidas pelo aquecimento a altas temperaturas recebem nomes específicos e não devem ser confundidas com a calcinação. na fabricação de vidros.Quím. Geralmente. É obtida pela queima a 900 °C do carbonato de cálcio presente em mármores. na indústria de celulose. A calcinação também é usada para a eliminação da água de cristalização. em aplicações medicinais. O calcário e seus subprodutos são usados na agricultura. Al2O3 (óxido de alumínio). Cal e gesso são produzidos por calcinação.Calcinação A calcinação é a transformação do calcário (CaCO3) em óxido de cálcio (CaO). são: SiO2 (Sílica). tintas. operação conhecida como queima e na oxidação de substâncias poluidoras presentes em residuos. estabilização do solo. Fe2O3 (óxido de ferro). processos químicos para produção de cimento. orgânicos ou clásticos. graxas. buscando a eliminação de sua toxidez. mas existem algumas operações de extração subterrâneas. . construção.

a cal melhora a qualidade das argamassas. coesão (menor suscetibilidade à fissuração) e retenção de água.Por causa da elevada finura de seus grãos (2 μm de diâmetro). As argamassas de cimento. sem fissuração. A cal confere uma maior plasticidade as pastas e argamassas. e conseqüente capacidade de proporcionar fluidez. . retêm mais água de amassamento e assim permitem uma melhor aderência. do que teriam com cimento Portland somente. contendo cal. permitindo que elas tenham maiores deformações.

Principais vantagens da adição de pozolanas ao cimento: como material natural são mais baratas. mármore ou conchas do mar. As pozolanas podem ser naturais ou artificiais: as naturais são constituídas por materiais naturais ricos em sílica e alumina. Pozolana O nome pozolana deriva de Pozzuoli. são capazes de se combinar. Isso ocorre com a supersaturação de Ca2+. apesar de não terem por si só propriedades aglomerantes hidráulicas. as artificiais são constituídas por argilas cozidas entre 600°C e 900°C. A sílica é obtida de argilas e xistos argilosos por serem mais reativos na produção do silicato de cálcio que a sílica obtida de areias quartzíticas. utiliza-se rochas calcárias. as temperaturas para a calcinação do cimento teriam de ser bem maiores e por esta razão. é um sulfato de cálcio hidratado cuja fórmula química é CaSO4. que geralmente ocorre associado à anidrita.2H2O. respectivamente. A formação de gel de C-S-H e o intertravamento das partículas promovem a pega e o endurecimento. cidade portuária italiana. seguida da precipitação de Ca(OH)2 ocorre uma rápida hidratação dos grãos de cimento gerando gel de C-S-H e etringita. para formar compostos semelhantes aos originados na hidratação do clínquer portland (tipo de cimento). quando há quantidade insuficiente de Al2O3 ou Fe2O3 na matéria prima. de onde se extrai o carbonato de cálcio. Sem estes elementos. os óxidos de ferro (Fe2O3) e álcalis que presentes na matéria prima facilitam a formação dos silicatos de cálcio. são feitas adições de bauxita e minério de ferro. a temperatura ambiente e em presença da água. São materiais naturais ou artificiais que. mineral abundante na natureza. . com o hidróxido de cálcio. a Etringita (C6 ASH32) pode ser formada. na região da Campânia. e oferecem uma maior durabilidade em ambientes agressivos. sulfato de cálcio anidro CaSO4. permitem um menor calor de hidratação e consequentemente uma diminuição de trações internas do betão.Etringita Nos estágios da hidratação do cimento. As argilas contêm também a alumina (Al2O3). cujos constituintes básicos são os silicatos de cálcio. A pozolana é um material inerte que reage com hidróxidos de cálcio na presença de água dando origem a um material aglomerante. giz. A matéria-prima do cimento Portland é constituída de calcário (75 a 80%) e argila (2025%) ou por outros componentes que contenham os mesmos componentes químicos. Gipsita A gipsita. Cimento Portland FABRICAÇÃO Na fabricação do cimento Portland. processo químico onde se mede o grau de combinação da pozolana e hidróxido de cálcio ou de um cimento pozolânico.A reatividade de uma pozolana pode ser medida recorrendo ao ensaio de pozolanicidade.

COMPOSTOS DO CIMENTO .Após a extração. Durante a calcinação. a matéria-prima é britada e misturada nas proporções corretas. no processo de fabricação por via seca. Esta mistura é colocada em um moinho (moinho de cru) produzindo um pó fino chamado de farinha que. é calcinado num forno rotativo a temperaturas de aproximadamente 1450°C. consome-se em torno de 800 Kcal/Kg de cimento produzido. A mistura sofre uma série de reações químicas complexas e o material que deixa o forno tem a forma de nódulos com 5 a 25mm de diâmetro sendo denominado clínquer.

portanto é necessário examinar as reações desses compostos com a água. As Normas Brasileiras toleram teor de óxido de magnésio (MgO) máximo de 6%. é adicionado o gesso (CaSO4 . Convém notar que a moagem fina exige maior consumo de bolas no moinho. ou seja. Neste caso falta os óxidos-ácidos para combinar com este cal livre. as peneiras manuais tecidas de arame de cobre ou aço inoxidável. cujo controle é feito através do SO3.TEMPO DE PEGA O tempo de pega do cimento é importante para permitir a aplicação adequada de pasta. cujas reações dão origem ao endurecimento. porque assim procedendo manterão alto padrão de sua marca. FINURA Quanto mais fino mais resistente é o cimento. O endurecimento é devido ao engavetamento de cristais que se formam pela cristalização de uma solução . Pelo seu grau de pureza.Vantagens: aumenta a resistência. para isso. • Má reatividade da matéria prima por causa da composição mineralógica não favorável. há 6. isto é. a mais usada. especialmente o calcário. argamassas ou concretos. Hidratação do cimento O cimento é constituído por certo número de compostos anidros. • Redução do clínquer por causa da má queima do combustível. 2H2O) na moagem do cimento. superfície em cm de todos os grãos contidos em uma grama do material.400 furos por centímetro quadrado. • Módulo de alumínio alto demais ou muito baixo. • Clínquer super queimado. • Temperatura de clínquerização não suficiente para perfeita combinação. Na peneira Nº 200. Presença de cal livre CaCO3 CaO + CO2↑ As causas podem ser: • Muito alta a saturação da cal. Na maioria dos casos é devido ao quartzo não reativo. Os gerentes de fábrica moem os seus cimentos acima de exigido pelas Normas Técnicas.: Nem todo calcário serve para a produção de cimento. o volume permanece constante. melhor hidratação. sem perda se plasticidade e trabalhabilidade. São utilizadas. . • Matéria-prima grossa. Para controlar o tempo de pega. O excesso de magnésia pode levar a fissura e expansão no concreto a longo prazo. A finura do cimento é determinada por vários métodos: o mais usado é pela superfície específica. Teoria de “Le Chatelier” sobre a cristalização (cristaloidal). os calcários ocasionarão as seguintes denominações para os produtos formados: OBS.

C2S . C3A .Teoria de Michaelis sobre hidratação (coloidal). pois a massa continua a aumentar em coesão e resistência. ou transformação. química ou físico-química. O intervalo de tempo decorrido entre a adição de água e o início das reações com os compostos do cimento é dito tempo de início de pega é evidenciado pela elevação de temperatura o aumento brusco de viscosidade da pasta. possa resultar num maior ou menor grau de consistência. Não produz hidróxido.Reage rapidamente com água e cristaliza-se com poucos minutos. . Depois de uma semana os cristais se recobrem de silicato hidratado. Fim de pega é considerado e situação em que a pasta cessa de ser deformáveis para pequenas cargas e torna-se um bloco rígido. O composto anidro vai passando para a solução aparecendo cristais de Ca(OH)2 enquanto uma massa gelatinosa de silicato hidratado se forma em torno dos grãos originais. Características da duração da pega . A pega de um cimento está relacionada à consistência que determinado constituinte ou grupo de constituintes. Na hidratação do cimento ocorre o que se segue. porém em menor quantidade que na hidratação do C3S. quando submetidos à ação física.Reage menos rapidamente que o C3A.É atacado lentamente pela água. A hidratação dá origem a uma solução supersaturada e formam-se cristais em agulhas e palhetas hexagonais. Pega e endurecimento O cimento ao ser misturado com água perde a plasticidade depois de decorrido determinado tempo.supersaturada de compostos hidratados menos solúveis que os anidros. ao longo dos seus vários estágios de mudança. mas aluminato hidratado. dentro de períodos variáveis de tempo.Denomina-se endurecimento após o término do fim de pega. O calor é tanto que quase seca a massa. C4AF . Não libera cal e forma também aluminato hidratado. Formam-se também Ca(OH)2. com os compostos: C3S .A hidratação começa dentro de poucas horas com liberação de calor.

Ela decorre da desidratação do gesso quando o cimento atinge temperatura acima de 120º C (início). . impurezas orgânicas contida na água ou na areia. conforme as exigências e normas padrões de cada país. aditivos aceleradores. aditivos retardadores.. CPII e CPV.As normas brasileiras estabelecem um tempo mínimo de 1 hora para o início de pega (todos os cimentos).Na indústria de cimento emprega-se a gipsita com o propósito de retardar o tempo de pega. pois é o composto que reage imediatamente com água. . mas com o fim de pega normal. .O cimento quente diminui o tempo de pega.A adição em geral corresponde a cerca de 1 a 5% de SO3. Fatores que reduzem o tempo de pega: finura elevada.Cimentos ricos em C3A dão pega muito rapidamente. máximo de 12 horas para o final de final de pega dos cimentos CPIII e CPIV.Temperaturas próximas de 0ºC retardam as reações e pouco abaixo deste valor. . ácido fosfórico. baixo fator água / cimento.A duração da pega varia inversamente com o grau de moagem. máximo de 10 horas para final de pega dos cimentos CPI. . Fatores que aumentam o tempo de pega: baixas temperaturas.Compostos solúveis que retardam a pega: carbonato de sódio. óxido de zinco. . bórax. altas temperaturas. . baixa umidade do ar.Verifica-se em alguns cimentos o fenômeno denominado de falsa pega. CPII e CPV apresentam tempo de início de pega variando de 2 a 3 horas enquanto os cimentos CPIII e CPIV apresentam tempo de início pega superiores a 3 horas. . as paralisam. açúcar. Geralmente os cimentos CPI. que consiste em iniciar a pega alguns minutos após a adição de água. .

.

aderência e resistência para receber o reboco ou emboço. Recomenda-se que a cura seja intensa nos 03 (três) primeiros dias. o cimento endureceria muito rapidamente. reagindo em presença da água. A cura correta garante resistência e durabilidade adequada. 8 – Por quantos dias deve ser realizada a cura de uma lage? Deve-se molhar as estruturas para executar a cura. algumas argilas queimadas em temperaturas elevadas (500 a 900ºC) e derivados da queima de carvão mineral. o cimento Portland recebe algumas adições. inviabilizando sua utilização. O gesso é adicionado ao cimento com o objetivo de controlar o tempo de pega do cimento. têm propriedade de ligante hidráulico muito resistente. Esta é razão do gesso ser adicionado a todos os tipos cimento Portland. . os materiais pozolânicos apresentam a propriedade de ligante hidráulico. em geral na proporção de 3% de gesso para 97% de clínquer. que permitem a produção de diversos tipos de cimentos disponíveis no mercado. após o final de pega. Tal adição torna os concretos e argamassas mais trabalháveis e quando presentes no cimento são conhecidos como fíler calcário.ADIÇÕES Após o resfriamento. É que as reações de endurecimento só ocorrem. como a durabilidade e a resistência final. Os materiais carbonáticos são rochas moídas. além da água. Quando pulverizados em partículas muito finas. tenha um período de cura de pelo menos 03 dias (72H). Adicionada à moagem do clínquer e gesso. 7 – O que é cura? Procedimento que visa garantir a correta hidratação do cimento através da umidificação contínua ou aplicação direta da água na superfície dos mesmos. por no mínimo 07 (sete) dias. umidade relativa do ar. sua resistência e durabilidade. As escórias de alto-forno. porém um pouco distinta das escórias de alto-forno. que em sua hidratação libera hidróxido de cálcio (Cal) que reage com a pozolana. incidência do sol e velocidade do vento. em proporções adequadas. Na fase de moagem. com características aglomerantes muito semelhante à do clínquer. 9 – Por quanto tempo deve-se proceder a cura do chapisco? O ideal é que o chapisco aplicado. Sem sua adição. a escória de alto-forno melhora algumas propriedades do cimento. uma vez misturado à água de amassamento. que apresentam carbonato de cálcio em sua constituição tais como o próprio calcário. evitando que haja perda de água de amassamento do concreto ou argamassa por evaporação. garantindo assim. Os materiais pozolânicos são rochas vulcânicas ou matérias orgânicas fossilizadas encontradas na natureza. seja alvenaria de tijolos cerâmicos ou de concreto. o clínquer é moído em partículas menores que 75 μm de diâmetro. na presença do clínquer. O cimento enriquecido com pozolana adquire maior impermeabilidade. 10 – Quando devemos iniciar o processo de cura? O ideal é após o início de pega do cimento. obtidas durante a produção do ferro-gusa. O início de pega pode variar em função da temperatura.

pequeno resumo descritivo com ação nociva de algumas das impurezas encontradas na areia. barro. contração. 15 – O que é Clínquer? Matéria-prima básica para a fabricação de cimento. 16 – O que é Pozolana? . Tem por finalidade otimizar a aderência do revestimento. A qualidade da areia interfere diretamente na qualidade dos concretos e cimentos. com possível adição de areia e minério de ferro para devidas correções. aréola. 13 – A qualidade da areia interfere na qualidade dos concretos e argamassas? Sim. 14 – O que é chapisco? Argamassa fluida à base de cimento e areia que é aplicada sobre a superfície da alvenaria. principalmente por falta de cura correta. Por retração hidráulica. podem prejudicar o processo de endurecimento do cimento. que podem aparecer no estado plástico ou endurecido. A presença de substâncias nocivas na areia. corrosão da armadura. São causados por retração hidráulica. saibro. por isso alteração a relação água/cimento com queda de resistência e grande probabilidade de fissuração. diminuindo assim a sua resistência. torrões de argila. por exemplo: matéria orgânica. É obtido pela calcinação (1400 – 1500 º C) conjunta de uma mistura previamente dosada e homogeneizada de calcário e argila. terra. cura insuficiente. desde o seu retardamento até a completa inibição. Abaixo. materiais carbonosos e pulverulentos. devendo-se sempre evitar areia comum. etc. recobrimento insuficiente. onde há perda de água por evaporação.075mm (siltes e argilas). entre outros fatores.11 – Por que muitas lages concretadas trincam? Devido à deficiência no processo de adensamento do concreto (concreto mal vibrado). areia de caba. Possuem como característica altíssima retenção de água e inchamento. 12 – O que é fissuração e por que elas ocorrem? É a propriedade do concreto ou cimento de promover trincas ou fissuras. podendo provocar possíveis desagregações. sais de sulfatos e cloretos. • Impurezas Orgânicas: esse tipo de contaminante interfere nos tempos de pega e endurecimento de argamassas e concretos. a água evaporada deixa vazios. • Materiais Pulverulentos: são os materiais com dimensão inferior a 0. torna-se muito importante a análise e escolha da areia. • Torrões de Argila: cria no interior do concreto pontos fragilizados que diminuem consideravelmente a resistência à compressão. Sendo assim.

formam parte ou o todo de uma estrutura de engenharia ou construção. 18 – O que significa “tempo de pega”? É o momento de endurecimento da pasta de cimento. 17 – O que é Filler Calcário ou Material Carbonático? Matéria-prima utilizada na fabricação do cimento. ou que se constitua no próprio acabamento final.Material utilizado como adição na fabricação de cimento. em condições classificadas ou não. melhor trabalhabilidade e menor tendência a fissuração em argamassas e concretos. Possui propriedade de ligante hidráulico. Segundo a NBR 7211 (EB-4). AGREGADOS Definições Agregados são definidos como partículas de rocha ou minerais que. Os agregados. através do processo de hidratação do cimento. argilas calcinadas e rochas vulcânicas. agregados são materiais pétreos. Possuem ação predominantemente física. 19 – O que é reboco? É a camada de revestimento que encobre o emboço e serve para receber a camada decorativa. com propriedades adequadas. obtidos por fragmentação artificial ou já fragmentados naturalmente. Os agregados geralmente têm como função atuar como elemento inerte ou que não sofra transformação química nas argamassas e concretos. quando consideradas em conjunto. possuindo dimensões nominais máxima inferior a 152 mm e mínima superior ou igual a 0. Os tipos de pozolana mais utilizados são as cinzas volantes. Devido ao seu tamanho e formato. aquece o cimento. conferem maior compacidade. 20 – Por que o cimento as vezes pode chegar quente no depósito? Porque na moagem de cimento há o calor produzido pelo atrito no interior do moinho. É o momento em que o concreto passa do estado plástico para o estado rígido.075 mm. além de .

serem resistentes. limonita. · agregados pesados – São utilizados na fabricação de concretos para estruturas especiais.). · agregados naturais – fragmentados naturalmente (ex: areia. etc). etc. isopor. obtidos por peneiramento. Agregados de areia natural. raios X. pedregulho e pedra britada são essenciais para construção civil e representam a maior proporção dos materiais usados na indústria da construção. usados em aplicações específicas. vermiculita. o grande volume de agregados para construção é produzido diretamente por britagem de maciços rochosos ou de ocorrências naturais de depósitos particulados do tipo areia. · agregados normais – Usados em obras correntes (ex: brita granítica. magnetita. duráveis e sem ação química nociva sobre o aglomerante. material pulverulento. expressos em porcentagem da massa total das quantidades de grãos ou fragmentos menores que os vários tamanhos considerados. etc. · Artificiais – Obtidos a partir de substâncias naturais ou artificiais que passam por vários tratamentos. tais como blindagem contra irradiações gama. pedregulho e conglomerado. etc) b) Com relação a massa unitária os agregados são classificados em: · agregados leves – Muito empregados atualmente na construção de pré-moldados com vantagens na redução de peso e excelentes qualidades de isolamento térmico e acústico (Ex: pedra-pomes. Os minerais utilizadas para produção desses agregados são: barita. ou que dificultem a aderência da pasta com os grãos de pedra. styropor. pedrisco). c) Quanto ao tipo de fragmentação os agregados podem ser classificados em: · agregados artificiais – fragmentados ou triturados com auxílio de britadores ou outro meio de cominuição artificial (ex: brita. brita basáltica. pedregulho. o tipo de fragmentação e a granulometria: a) Com relação a origem do material os agregados podem ser classificados como: · Naturais – provindos de rochas naturais (ex: areia. partículas fracas. pedregulho) d) Os agregados classificados segundo seus limites granulométricos. Fora uma relativamente pequena quantidade de agregados leves manufaturados e outros agregados especiais. não devem levar para o concreto ou argamassa elementos estranhos ou prejudiciais às reações do aglomerante (matéria orgânica. argila expandida. brita basáltica. (ex: argila expandida. misturas e fusões. sinter. etc.). a massa unitária. vermiculita. etc). A reutilização de agregados está somente agora se tornando uma prática e a substituição de agregados naturais por agregados artificiais a partir de resíduos de produtos de outras indústrias possui uma pequena aplicação na indústria da construção. Classificações e nomenclatura A classificação dos agregados pode ser quanto a origem do material. etc. areia quartzosa. (também conhecido como graduação de agregados) apresentados nas tabelas a seguir são: .

· agregados miúdos – São materiais pétreos. cujos grãos. · agregados graúdos – São materiais pétreos granulosos. em sua maioria. em sua maioria. pedregulhos ou seixo rolado). passam por uma peneira de malha quadrada com abertura nominal de 152 mm e ficam retidos na peneira ABNT 4. granulosos.8 mm e ficam retidos na peneira ABNT 0. . passam pela peneira ABNT 4.8 mm (ex: brita ou cascalho. cujos grãos.075 mm (ex: areia e pedriscos).