You are on page 1of 21

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

PRÓ- REITORIA DE GRADUAÇÃO
PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

Bruna Pivetta Schmoller Donizete de Arruda Gordiano Gabrielle Stricker do Valle Guilherme Cantero Nunes Jessica Hitomi Sato Juliana Akemi Hoshino Kelvin Yuquimitsu Yamaguti Rhaiza Sant¶ Ana

IDEOLOGIA E RELIGIÃO SOB A ÓTICA MARXISTA

Curitiba/PR 2011

AUTORES Bruna Pivetta Schmoller Donizete de Arruda Gordiano Gabrielle Stricker do Valle Guilherme Cantero Nunes Jessica Hitomi Sato Juliana Akemi Hoshino Kelvin Yuquimitsu Yamaguti Rhaiza Sant¶ Ana

IDEOLOGIA E RELIGIÃO SOB A ÓTICA MARXISTA

Trabalho de Graduação apresentado ao Departamento de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Orientador: Prof. Dr. Abili Lázaro de Castro Lima

Curitiba/PR 2011

2

o estado de ânimo de um mundo sem coração. A religião é o ópio do povo. porque é o espírito da situação sem espírito.³Die Religion ist der Seufzer der bedrängten Kreatur. wie sie der Geist geistloser Zustände ist.) ±Karl Marx 3 . das Gemüt einer herzlosen Welt. Sie ist das Opium des Volkes´ (A religião é o suspiro da criatura aflita.

.......................5 Adorno...............16 1...................................13 1....................4..........3 Gramsci................5 1..................4......................................17 1..........................................................1Conceito........................20 4 .....................5 1.........4....................................................................................Sumário 1........................................................................... ........4 Críticas ao pensamento Marxista...... .................................................................1.....4..7 1............1 Bernstein.......................................................................................1 8 REFERÊNCIAS..... ....................................................................16 1...................... IDEOLOGIA.2 Lênin............................................................................................................... ............................19 ANEXOS................................................................ ...3 Religião como Ideologia ............................................... 5 1........2 Ideologia para Marx..............5 1......1.............................. ..4 Althusser............ .............16 1.................................................17 1.................... ........................1 Ideologia ³pré -Marxista´«.....................................4...........2 Ideologia e Cultura ..........................................................

Utilizará o sentido negativo da palavra ideologia para explicar essas transformações. Eles queriam estudar cientificamente as idéias. O sentido pejorativo surge com Napoleão. Logo.1. 1. pela naturalização ao crer que o mundo tem de ser assim. na qual os trabalhadores viviam em condições insalubres e sem nenhuma dignidade. fazendo com que a classe 5 . cegando os indivíduos d a sua real condição de injustiça e desigualdade. a ideologia diz respeito a essa lógica generalizada d e inversão e alienação. afirmando: ³Se as ideias são apreendidas como entidades autônomas. percebendo que nada mudava. da realidade. atacando -os explicitamente em seus discursos. Ou seja. Os autores afirmam que ela é negativa por dois motivos.1. É o que manteria as estruturas dessa sociedade em que há dominantes e dominados.1. ³A ideologia Alemã´. É por este motivo que Marx e Engels criticam a ideologia. E pela universalização. a ideologia de ixou de designar um cético materialismo científico para denotar a ilusão da realidade.1 Conceito 1. Este foi o conceito adotado pelos primeiros ideólogos iluministas do século XVIII. queria entender o porquê de tanta desigualdade em uma sociedade estática. Na sua obra. as ideias de um grupo se tornam de toda sociedade. tornar o mundo estático. pois os ideólogos se opunham ao seu regime autoritário. este é o segredo de toda ideologia. dizendo serem eles provedores de idéias abstratas e desconexas por estarem trancados em seu mundo psicótico. IDEOLOGIA 1. na qual as idéias eram a essência da vida material.2 Ideologia para Marx Marx nasceu e viveu numa Europa industrial. influenciados pela filosofia hegeliana. então isso ajuda a naturalizá -las e desistoricizá.1 Ideologia ³pré-Marxista´ A palavra ideologia significa literalmente estudo das idéias.las´. Dessa maneira. em que.

dessa forma. não consegue perceber sua situação de explorada e dominada. uma distorção do real . Esse é um dos objetivos da ideologia. Um dos instrumentos de dominação dessa superestrutura é o Estado que. desaparecendo junto com as contradições sociais. universaliza -as. mas a própria vida que determina a consciência. e sim. O conjunto dessas relações de produção forma a estrutura econômica da sociedade. pois. É essa superestrutura que detém o controlo da consciência social. além de incutir ideias de uma minoria como se fossem de interesse geral. utiliza-se do Direito. como uma forma de legitimar e legalizar essa dominação. além daquela de distorcer a reali dade. manter essa superestrutura. mas a própria realidade que condiciona os indivíduos. Esses indivíduos. Pode -se concluir então que. a consciência é um mero produto social. ou seja. têm plena consciência disso. já que ela inverte a imagem. Outro re sultado negativo de tal universalização dessas ideias é que. uma vez que isso cessasse. fazendo com que haja a dominação de uma classe por meio de leis tidas como boas e válidas. essa superestrutura só existe pelo fato da base ser ³auto -dividida´. também controla a produção mental. ela se enfraqueceria. foi dessa divisão de classes que ela surgiu. que serve de base para a superestrutura.oprimida não se revolte. que detém tal controle. uma vez que.´ Pois para mudar é necessário transformar primeiro a sociedade. mascarando esse aparato de violência e repressão social. tanto jurídica quanto política. acaba resultando em uma completa alienação da classe oprimida. A função da ideologia seria então. aquele que domina a produção material. ficam responsáveis pela produção e distribuição das ideias. são os interesses desta que são tidos como universais. A frase que sintetiza toda a teoria marxista é: ³Não é a consciência que determina a vida. assim como a ideologia faz com a realidade. não as ideias. pois não é mais a consciência individual que faz a realidade. 6 . d essa maneira não há uma invenção da realidade. Marx utiliza a metáfora da câmera escura para explicá -la. pois. Segundo Marx. precisando de uma política revolucionária. a de manter essas estruturas sociais.

Essa separação forja a aparente sensação de autonomia das ideias produzidas pelos trabalhadores espirituais. Essa aparente autonomia é produzida no momento em que se separam os indivíduos que dominam das ideias que dominam. O sentido pejorativo surge com Napoleão. Eles queriam estudar cientificamente as ideias. A palavra ideologia significa literalmente estudo das ideias. 1. se toda forma de pensamento é socialmente determinado. como tal. atacando -os explicitamente em seus discursos. correspondem às ideias da classe dominante de uma época. a ideologia deixou de designar um cético materialismo científico para denotar a ilusão da realidade. dessa forma a dominação de homens por homens é ocultada. para Marx. ela serve para mascarar a realidade. na qual as ideias eram a essência da vida material. Tais ideias. se tornam ideias dominantes. Dessa maneira. Além disso. Este foi o conceito adotado pelos primeiros ideólogos iluministas do século XVIII. como afirma Marx. afinal. o real propósito das ações do sujeito. pois os ideólogos se opunham ao seu regime autoritário. ela aparecerá como uma dominação de homens por ideias. a ideologia resulta da divisão social do trabalho e.É importante lembrar que Marx não toma a ideologia como uma falsa consciência. dizendo serem eles provedores de ideias abstratas e desconexas por estarem trancado s em seu mundo psicótico. na verdade.2 Ideologia e Cultura Como visto. o próprio marxismo também deve o sê-lo. 7 . em especial. influenciados pela filosofia hegeliana. com origens na existência da divisão da sociedade em classes contraditórias e em luta. A ideolog ia é o processo pelo qual as ideias da classe dominante se tornam ideias de todas as classes sociais. da separação entre trabalhadores materiais/ manuais (operários) e os trabalhadores espirituais/ intelectuais (pensadores e formadores de opinião). É nesse âmbito que se reflete a ideologia como um instrumento de dominação de classes e. quem a utiliza dessa forma é Engels.

jurídicos. psicológicos e dentre outros. natureza e funcionamento. instituições) sem que estes percebam que estão sendo inscritos ou possam fazer suas escolhas. mas sim como conjunto de procedimentos institucionais.) para a propagação e manutenção desses valores. A ideologia transforma ideias particulares da classe dominante em ide ias universais. inevitável. Dessa forma. realiza -se como lutas de classes. por parte dos sujeitos. as crenças. sagrada e eterna uma ordem que sequer corresponde às suas condições materiais de existência. por isso. morais. válidas para toda a sociedade. essa acepção considera os homens livres por natureza e que 8 . deve -se destacar o papel fundamental da cultura (aqui englobando os costumes. isto porque. Isso se deve ao fato de que a cultura inscreve seus sujeitos em um conjunto de convenções (normas. costumes. meios de comunicação e etc. moral. particular e histórica. padrões. pedagógicos. humana. padrões. a cultura oferece uma imagem invertida de sua origem.A divisão da sociedade em classes efetua-se como polarização entre dominadores e dominados. única. A cultura trata de alienar os dominados. A luta de classes é um ponto imprescindível para a análise da absorção da ideologia pela sociedade. Para melhor compreender tal fenômeno partiremos de três exemplos principais: A) A liberdade Propagada principalmente pela religião sob a égide do que ela chama de µlivre-arbítrio¶. A ideologia sustenta -se justamente pelo desconhecimento. imutável. exploradores e explorados ou. essa não se realiza como confrontos armados entre elas. da natureza da cultura e da arbitrariedade da ordem social a que estão submetidos. religiosos. universal. Um desconhecimento que é a fonte da produção de representações que tratam como natural. Isso se dá através de um discurso que cria a cultura como natural e divina e que não permite vê -la como ela realmente o é: produto da construção social. mais popularmente: proletário e burguesia (detentores dos meios de produção e não detentores dos meios de produção) e. que objetivam a manutenção da dominação. Nesse sentido. fazendo com que os ideais de um grupo dominador sejam absorvidos como naturais pelos explorados.

Nesse sentido percebe-se a herança cultural de ³tabus´ como a homossexualidade e a virgindade. Isso. Nesta situação. Marilena Chauí questiona: ³Quem dá condições para escolha? Todos podem realmente escolher o que desejarem?´ (CHAUÍ. B) A família Na ideologia burguesa. porém. Marilena. a família não é concebida como uma relação social que assume formas. através da relação en tre seus componentes)´ (CHAUÍ. Nas famílias burguesas. por exemplo. 1982. 89) Será mesmo que o operário escolheu se submeter às extensas jornadas de trabalho nas minas de carvão ou nas manufaturas durante a primeira revolução industrial? Será que foi sua escolha sujeitar-se às precárias e insalubres condições de trabalho daquelas manufaturas? São nesses pequenos exemplos que nota -se o caráter ideológico de algumas acepções comumente dispersadas na sociedade através de instituições como a Igreja ou a família. é interessante perceber que determinados v alores são conservados por famílias de determinadas classes com fins estritamente ligados à ideologia burguesa. A ideologia burguesa trata de manter a concepção uma de família. e os modos de produção diferem radicalmente. Marilena.88). cujos objetivos. 1982. de modo a ocultar a existência de três tipos diferentes de famílias. p. por exemplo. mesmo nos dias de hoje. p. moral (a vida boa. a família é representada como um co nceito geral e imutável que abarca as famílias de todas as classes e de todos os tempos. como uma realidade natural (biológica).exprimem essa liberdade pela capacidade de escolher entre coisas ou situações dadas. ³portanto. a família é vista como um contrato econômico entre duas outras famílias com o objetivo de conservar e transmitir o capit al sob a 9 . Nesse sentido. Pelo contrário. finalidades. pelo fato da manutenção dessas ideologias no meio social. eterna (sempre existiu e sempre existirá). sagrada (desejada por Deus). normal) e pedagógica (nela se aprendem as regras da verdadeira convivência dos homens. é dado sem que este conheça ou possa analisar quais coisas ou quais situações deve optar. pura. funções e sentidos diferentes em virtude das condições históricas e da situação de cada classe social na sociedade.

para usá-los apenas quando se tornam arrimos econômicos de garantia de unidade familiar.forma de patrimônio familiar e de herança mantendo a classe. C) O trabalho A ideia de que o trabalho dignifica o homem. É possível notar através desses exemplos. Isso reflete-se na sociedade transformando-se em uma falta moral e num tipo penal. cabe a tarefa de reproduzir e perpetuar os ideais e valores burgueses para toda a sociedade. por esse motivo. retarda o maior tempo possível a constituição de novas famílias. assim como a mãe pequeno. universalizando-o. a família e a própria moral pode ser visto como uma evidente manifestação da ideo logia burguesa no meio social. posto que é através dela que a ideologia pode reforçar ou criar novos valores naturalizando-os. sob a ótica da ideologia burguesa. Já a família proletária tem como função principal a reprodução da força de trabalho procriando filhos. que o fato da classe dominante dispor dos dispositivos culturais é parte do mecanismo de dominação. Ora. Tal família deve. com exceção de casos em que interesse ao detentor das forças de produção a redução da oferta de mão de obra. a quem mais interessaria a ideia de trabalho como forma de dignificar o homem senão à 10 . propagada pelos veículos culturais como a religião. tanto material como ideológica.burguesa encarna o ideal de Mãe. é por isso que à mulher proletária não é permitido o direito do aborto decente e nem o dire ito ao anticoncepcional. É por esse motivo que se justifica o repúdio de tal classe ao adultério feminino. conservar a autoridade paterna e a domesticidade materna de f orma a manter os jovens mais tempo longe do mercado de trabalho. Nesse sentido. É a cultura a responsável pela manutenção da ideologia burguesa na sociedade. À família pequeno -burguesa. e que. posto que este poderia trazer herdeiros ilegítimos e dispersar o capital familiar. o pai pertencente à família pequeno -burguesa encarna o ideal de Pai. É nesse âmbit o que preserva-se o ideal da virgindade para as meninas e da recusa do homossexualismo de ambos os gêneros (visto que o homossexualismo não permite a reprodução e o vínculo familiar nos µmoldes burgueses¶).

própria burguesia ansiosa em manter a situação de exploração do proletário? Tal concepção desconsidera as reais condições de trabalho . entorpecem. exploram certos homens em benefício de poucos. Aqui a ideia de trabalho oculta a realidade histórico social do trabalho em benefício da perpetuação da exploração do proletariado pela burguesia. que brutalizam. 11 .

12 . a figura ilustra. Adaptação de ilustração veiculada nos EUA em 1911 cujo autor é desconhecido. também. a encarnação da ideologia na classe clerical (Nós enganamos vocês ± No original: ³We fool you´). Nesse sentido. A imagem é bastante simbólica e ilustra a dominação da classe burguesa sobre a classe operária.IMAGEM 1: ³A pirâmide do Capitalismo´.

É a ideologia que impede essa ³tomada de consciência´ da relação de exploração a que os trabalhadores estão sujeitos. onde o burguês teme que os operários ouçam. Nesse sentido. de autoria anônima. reflete a expropriação do trabalho do proletário pelo burguês (a chamada µmais valia¶). descubram sua dominação pelo proprietário dos meios de produção. 13 . é possível notar o fenômeno de alienação dos operários.IMAGEM 2: A Charge. Isso é evidenciado no último quadrinho.

a cultura. mas que somente tinha o caráter unilateral que privilegiava o burguês. e que fazem inculcar ideias. em oposição a isto. uma vez que era tida como universal. como o cimento da sociedade. de contenção das massas que são impedidas de tomar real consciência de sua situação e unirem-se. Já Gramsci fala dela como sendo um elemento de coesão social.3 A religião como ideologia Michel Löwy trata do conceito de ideologia como sendo um conjunto de ideias. o que acontece é que há outros. a concepção marxista que diz que é a realidad e que condiciona e cria as ideias e não o contrário. Assim algumas ideias surgiriam como naturais mesmo para os proletários. imposta pela classe dominante. ou pelo menos outro. o homem se revela também um ser de desejos pois a cultura é criada para representar os objetos desse seu de sejo. burguesia. seria aquela visão de mundo que visa ao conservadorismo enquanto que. ou ainda para legitimar sua posição ante a os proletários. tipos de ideo logia que não aquela analisada por Marx. Desta forma a ideologia em si seria um conceito neutro. Para Lênin este conceito seria mais amplo. como por exemplo. É importante deixar claro que. Esta ideologia se desdobra e se apresenta em vários campos como. Deste modo a religião é nada mais do que um galho vindo do tronco maior que é a ideologia. a política. a ideia de justiça quanto a uns terem mais e outros menos. a ideologia tal como tomada no sentido marxista do termo. a ideia de propriedade privada. a religião como instituição j á existia desde os primórdios da humanidade. explicitadas principalmente na obra A Ideologia Alemã. portanto esse caráter de disfarce ou ocultação da realidade de exploração. De fato dentro das concepções marxistas. Tem. Com o passar do tempo os seguidores do marxismo abordaram o conceito de ideologia de outra forma. Entretanto. pois uma vez que é possível uma crítica à ideologia tal como a definiu Marx e que ela se faz a partir de uma classe diferente. mas que na realidade eram ideais criadas e que serviam a interesses. o direito ou ainda a religião. O homem. para manter as massas em seu lugar. ao criar cultura. apesar das várias análises feitas sobre a religião pelos filósofos do século XIX. Segundo sua análise. a burguesa. ideias que são imbuídas de um poder simbólico. que seria a da classe trabalhadora. deveria agir baseando-se somente na razão. aquelas concepções da realidade que tem por objetivo um movimento revolucionário ou ainda critico da realidade chamar -se-iam utopias. como um ser racional. a ideologia foi tratada sempre neste lado negativo e seria justamente mais um elemento daquilo que ele chamou de superestrutura. ou seja. O conceito de ideologia é desenvolvido sempre tendo em vista o materialismo marxista.1. A realização dessa cultura é transferida para a 14 . visões de mundo ou ainda como concepções da realidade. é porque existe outra ideologia. por exemplo.

fazendo com que o individuo dependa das coisas (de um ser superior). ela mesmo desapareceria. ele está buscando esperança em uma entidade transcendental imaginária criada para amenizar a dureza da realid ade. que integra coisas que antes não tinham significado ao destino humano. importam somente as hipóteses que vieram do imaginário. em símbolos quando os homens o batizam como tal. Os interesses dessas duas classes nunca estão de acordo e por isso o conflito que envolve essas duas camandas da sociedade é inevitável. A religião também pertence a essa esfera pois se constrói por meio desses mesmos símbolos. Entretanto. Essas causas as quais Marx se refere eram. um mundo para o qual ele pudesse fugir sempre que quisesse encontrar um momento de conforto e alívio. ao final de um dia árduo. Como já mencionado anteriormente. O proletário. são coisas em si mesmos e não significam nada além do que realmente são. diferentemente dos símbolos. como por exemplo. Ao contrário da política. Porém. o papel -moeda que. da economia ou do direito. O fogo. e não os fatos. também possui seus próprios desejos. Quando. Essa ideia de alienação dos desejos nos revela uma sociedade dividia entre burgueses e proletários. Quando desaparecessem as causas q ue a criaram e que a sustentam. objetos que apenas são p odem se transformar em objetos que significam. no contexo em que a usamos passa a representar uma determinada quantidade de valor de compra que lhe é atribuído a priori . conseguindo se manifestar na realidade. a religião apresenta uma peculiaridade em relação às demais partes da superestrutura: a sua desnecessariedade. por exemplo. um trabalhador chega em casa e e se ajoelha perante uma figura santa para pedir-lhe auxílio e proteção. assim como qualquer homem. a religião tem um caráter provisório. há objetos que. Para a religião. apesar de materialmente não passar de um simples pedaço de papel. Diante dessa situação. o operário não tem outra escolha senão recorrer a sua imaginação para criar um mundo em que ele pudesse transformar seus desejos em realidade. pois ela se baseia na força da fé e não nas idéias. Esse é o cerne do surgimento da religião. as péssimas condições de vida na qual o proletariado se encontrava. isto é. Todavia. segundo Marx. Jornadas de trabalho extenuantes em locais completamente insalubres faziam parte da rotina de grande parte dos operários contemporâneos a Marx. Esse 15 . a religião faz parte da superestrutura ideológica de uma sociedade. Entretanto. ele passa o dia inteiro esgotando suas forças em um trabalho que reflete os desejos do seu patrão e não os seus. não representa nada mais além de sua própria existência. Porém. Os símbolos se constituem em coisas ou objetos que representam algo diferente do que rea lmente são. os indivíduos esquecem-se que as religiões. sobretudo. foram inventadas e acabaram se tornando naturais por causa do poder da fantasia de construir teias fortes. assim como todas as coisas culturais. não pode ser negado ou afirmado.esfera dos símbolos.

mas suas conclusões foram as mesmas. O outro é a de uma droga que aliena e cega o proletário das injustiças da realidade e que. Marx afirma a religião é o ³ópio do povo´. todos somos humanos e estamos sucetíveis às mesmas agonias e por isso o poder instrumental da religião. Uma é a de a religião. focando principalmente o cristianismo. Seja aqui ou na China. Marx estudou outras religiões além do cristianismo. serve para aliviar as dores da opressão ao mesmo tempo que justifica a miséria terrena com a promessa de uma vida melhor após a morte. Marx compara a religião à uma substância viciante. ainda que seu direcionamento fosse realista na evolução da sociedade. A partir dessa ideia pode-se chegar a duas conclusões. isto é. fez várias críticas à religião. Ópio é o nome que se dá ao suco extraido da papoila e que. 104). se consumido regularmente. um universo perfeito. consequentemente. um projetar em um mundo abstrato e fantasioso a solução das contradições que o envolve aqui neste mundo. proporciona alívio momentâneo ao operário e compensa ³formas de vida de outro modo insuportáveis´ (MONDIN. como reflexo do pensamento. 16 . como as orientais. Ao criar. baseando seus argumentos em obras que consistiam marjoritaramente de críticas à filosofia cristã. É uma ideia necessária que pode funcionar tanto como uma válvula de escape ou de elemento de contenção. na metáfora apresentada na frase. a religião se torna o único lugar de paz e consolo da calsse operária. pois ela não é nada mais do que uma invenção que reflete as circ unstâncias em que o homem vive. permanece inalterado.4 Críticas ao pensamento Marxista 1. 1926. Em outras palavras. mesmo que numa fantasiam. ameniza o sofrimento causado pela realidade de exploração em que vivem. claramete influenciado pela sua formação a teia. a religião seria nada mais do que uma fuga da cruel realidade. portanto. p. ou seja. A religião é. Sua concepção seria. pode causar dependência. o fim das mazelas que o aflige. conserva os indivíduos em suas posições. a ³consciência invertida do mundo´ que tende a sumir na medida em que desapareceram as condições sociais que a mantém. Assim. Grande parte da reprovação que ele apresenta em suas críticas se deve à indignaçã o que ele sentia em relação ao papel social que Igreja ortodoxa adotava ao preferir ser serviçal da burguesia do que apoiar a luta em prol do proletariado. assim como o ópio e suas propriedades alucinógenas.1 Bernstein Bernstein foi o primeiro a colocar a possibilidade de que o próprio marxismo seria uma ideologia. seja ela qual for. Marx.mundo que ele cria é a religião.4. 1. Portanto. faz com que não tomem consciência de sua situação evitando que se revoltem. livre de controvérsias e subjulgamentos.

As últimas seriam desqualificadas pela crítica.2 Lênin Lênin conceitua ideologia como uma visão de mundo específica de uma class e social ± ele é o primeiro a conferir o termo não só a burguesia. em seu sistema socialista.4 Althusser Tem a versão mais influente do que seria ideologia das últimas duas décadas. por exemplo.portanto. 1. ou seja. Aqui se 17 . necessária a certa estrutura. em seu sentido amplo. nenhum elemento da superestrutura pode ser destacado da ideologia e concebido como independente dela ± incluindo a ciência. que é historicamente determinada (evolui num processo dialético) e pode ser reconhecida por todos. racionalizada. Dentro desse aspecto. renovando-se continuamente. Seria no conflito contra os saudosos e os oportunistas da situação presente que a práxis se libertaria de seu caráter unilateral . 1971: 328). neutra acerca do tema e a ide ologia apareceria.4. 1. Esse objetivo pertenceria aos revolucionários. também tem a capacidade de inspirar atitudes concretas e proporcionar orientação para a ação. possuindo sua parcela de conhecimento rigoroso e sua parcela de ilusão e manifestando -se na ³arte. um conjunto de ideias facilmente impregnável pelos critérios que advém da percepção dessas massas. 1861). p. Toda a superestrutura é ideologia para Gramsci. Viria a prezar.4. É. desejada. no direito. enquanto as primeiras se tratariam daquelas que constituem o campo no qual se realizam os avanços da ciência. a sobreposição da segunda. e a parte arbitrária. Ele analisa a dominação ideológica burguesa da sociedade apoiado no que ele concebe como ³aparelhos ideológicos do Estado´ (AIE). portanto. Mais do que um sistema de ideias. Gramsci também percorreria o terreno ideológico ao dividi -lo entre a parte historicamente orgânica. deixaria de ser um instrumento necessário para a ocultação da verdade ou distorção dela. Althusser acredita que é at ravés dos AIE que a burguesia logra a reprodução de sua lógica de dominação excludente e desigual. (GRAMSCI.cuja consciência se move no plano do "senso comum" ± para a ação. 1977.4. 'preconceito' e 'superstição'". A ideologia. Abre a possibilidade para que o marxismo seja ideológico. ela também. na atividade econômica´ (GRAMSCI.3 Gramsci Para ele. mas ao proletariado. marcada mente. por pregar a mobilização das classes populares . 1. como ideário. O pensador italiano constatou que "a filosofia da práxis se tornou.

então. seja como for. dividido por categorias que giram em falso e o preparam para a dominação contra os conceitos que foram conscebi dos outrota. Nas palavras de Althusser. caminha para os cargos dos pequenos e médios quadros. a aparencia socialmente necessária tornou -se a própria sociedade real. ³ela se encarrega das crianças de todas as classes sociais desde o maternal.4. simpatizando com o mais primitivo e o menos diferenciado. passa a girar segundo nuances de preto e branco (maniqueísmo). Ela deve-se dar contando com um elemento fora do processo produtivo: o sistema escolar capitalista. 18 . (Nota -se aqui a primeira cisão entre a teoria de Marx e a de Althusser. pois elas fogem à experiência daquilo que cri ticam. os saberes contidos na ideologia dominante (o francês. filosofia). e acaba por sucumbir a uma posição inferior do que a do objeto por ela criticada. p. empregados. funcionários peque nos e médios. Desse modo. não basta assegurar aos trabalhadores (força de trabalho) as condições materiais para sua reprodução. a literatura). Por volta do 16º ano. ele coloca que a cultura se tornou ideológica. O que se aprende na escola. a escola. sendo medi ada pela totaliade. sejam para fornecer além dos ³intelectuais do trabalhador coletivo´. gerentes). os agentes da repressão (militares. Para ele. pequenos burgueses de todo tipo. e desde o maternal ela lhes inculca. a ideologia hoje significa uma sociedade enquanto aparência. também. pode -se ter que as formações espirituais são feitas pelo homem e que servem para encobrir a vida natural. Para ele. educação cívica. que em sua maioria são ³leigos´ convictos). policiais. nada mais do que uma máscara mortuária. ou simplesmente a ideologia em estado puro (moral. as ciências. a crítica tradicional sucumbiu à mesma reificação que ela critica. futuramente. os agentes da exploração (capitalistas. como mais AIE . seja para cair no semi desemprego intelectual. 1985.encontra a primeira diferença entre as teorizações de Marx e Althusser. Segundo o próprio filósofo. Outra parte da juventude escolarizável prossegue: e. a história natural. por isso. Nesse sentido. 79) 1. que esconde a dominação do parcial. o cálculo. uma enorme massa de crianças entra na µprodução¶ São os operários ou os pequenos camponeses. durante anos. ou seja. escolher um ponto de vista subtraído de órbitas ideológicas mostra -se tão fictício quanto elaborar utopias abstratas. Uma última parcela chega ao final do percurso. A grande maioria das críticas socialistas são insuficientes. administradores) e os profissionais da ideologia (padres de toda espécie.5 Adorno Nas teorizações de Adorno. A ideologia.´ (ALTHUSSER. políticos. O mundo. mantida como um apêndice do processo social e transformando a vida em uma ideologia de reificação. a submissão à ideologia dominante ou o domínio de sua prática. nada mais é que o µ know how¶ capitalista e forma a assegurar. complementa Althusser. visto que Marx acredita na Igreja como principal instituição propagadora da ideologia burguesa). precisamente durante aqueles em que a criança é mais µvulnerável¶. espremida entre o aparelho de estado familiar e o aparelho de estado escolar.

p. 19 . 101).³Não há mais ideologia no sentido próprio de falsa consciência. mas somente propaganda a favor do mundo. mas que pede o silêncio. 2002. mediante a sua publicação e a mentira provocadora.´ (ADORNO [1949]. que não pretende ser acreditada.

REALE. 2. Paulinas. 3. FTD. Ed. ALTHUSSER. 104 -106. Paulinas. In: Industria Cultural e Sociedade. 2008. LÖWY. CHAUÍ. MARX. ed. 65-88. 2002. p. Curso de Filosofia. vol. Terry. ANTISERI. p. São Paulo: Cortez. Michel. Ideologia . vol. 18. 20 . Rubens. ed. São Paulo: Paz e Terra. Crítica Cultural e Sociedade . Brasiliense. Louis. p. Marx. Ed. O que é Ideologia? Ed. MONDIN. EAGLETON. Introdução à crítica da Filosofia do Direito de Hegel . Dario. Jorge Zahar Ed. O que é Religião? Ed. p. in: A Questão Judaica.transformar o mundo . BOTTOMORE. Aparelhos ideológicos de Estado . 3. Ed. p 183-186. 316 -318. 49 -51. Marilena. 103-127. Boitempo. 1985. Giovanni. Moacir. Ed.REFERÊNCIAS ALVES. 191 -192. Theodor W. Rio de Janeiro: Graal. p. Karl. Referências Extras ADORNO. História da Filosofia. Ed. Tom. Brasiliense. Dicionário do Pensamento Marxista . Moraes. GADOTTI. Ideologias e ciência social: elementos para uma análise marxista. Battista.

.. Via tudo o que fazia O lucro do seu patrão E em cada coisa que via Misteriosamente havia A marca de sua mão. b) Marx teoriza sobre o papel da religião na manutenção da ideologia burguesa como forma de controle social da massa trabalhadora.ANEXOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE DIREITO DIREITO E SOCIEDADE Professor Abili Lázaro Castro de Lima Grupo 5 ± Ideologia e Religião sob a ótica marxista Exercícios de fixação 01) Leia atentamente os trechos das músicas a seguir e responda as questões propostas: O operário em construção .com....Vinícius de Moraes E um fato novo se viu Que a todos admirava: O que o operário dizia Outro operário escutava. E o operário disse: Não! ..] [. Identifique no trecho da música ³Admirável gado novo´ elementos que reafirmem tal concepção. Não voam nem se pode flutuar.as. objetos Produtos..] O povo foge da ignorância Apesar de viver tão perto dela E sonham com melhores tempos idos Contemplam essa vida numa cela... Esperam nova possibilidade De verem esse mundo se acabar A Arca de Noé. E o operário disse: Não! [. E aprendeu a notar coisas A que não dava atenção: Notou que sua marmita Era o prato do patrão Que sua cerveja preta Era o uísque do patrão Que seu macacão de zuarte Era o terno do patrão Que o casebre onde morava Era a mansão do patrão Que seus dois pés andarilhos Fonte: http://letras.br/vinicius-de-moraes/87332/ Eram as rodas do patrão Que a dureza do seu dia Era a noite do patrão Que sua imensa fadiga Era amiga do patrão.br/ze-ramalho/49361/ a) Identifique no trecho da música ³Operário em construção´ elementos que caracterizam a ideologia burguesa segundo as teorizações de Karl Marx.com.disse o operário Não podes dar-me o que é meu [. 21 .. E foi assim que o operário Do edifício em construção Que sempre dizia sim Começou a dizer não. Fonte: http://letras. explicitando.Mentira! . Não voam nem se pode flutuar.terra. o dirigível Não voam nem se pode flutuar.] Via coisas.gritou o patrão Não vês o que te dou eu? ...] Admirável gado novo ± Zé Ramalho [.terra.Loucura! . manufaturas.