C Concretos t d de cimento i t Portland P tl d

Concreto de qualidade
MATERIAIS DOSAGEM

LANÇAMENTO LANÇAMENTO, ADENSAMENTO E CURA

PROJETO E DETALHAMENTO

Materiais
AGLOMERANTE AGREGADOS

ADIÇÕES Õ ÁGUA

.

z Campo de aplicação z z z Massa específica p z z z . Normal: γ = 2000 a 2800 kg/m³. Pré-misturado. Leve: γ = 1200 a 2000 kg/m³. Pesado: γ = 2800 a 5000 kg/m³. Concreto massa. Estrutural.Classificação dos concretos z Modo de fabricação z z Fabricado no local.

Tipos de concreto .

Concreto Dosado em Central .

.

Concreto Virado na Obra z z z Forma popular de dizer que o concreto esta sendo dosado e misturado. Para a mistura e homogeneização do concreto são utilizadas pás. ou pequenas betoneiras elétricas. Baldes. . no canteiro da própria obra onde será aplicado. são utilizados para fazer a dosagem dos componentes do concreto volumetricamente. latas ou caixotes de madeira com dimensões conhecidas. enxadas.

q . • De forma geral. os benefícios dos pré-fabricados são qualidade.Concreto Pré-Moldado • Os p pré-moldados ou p pré-fabricados de concreto são elementos construtivos produzidos fora do local de utilização definitiva. economia de tempo p e flexibilidade de p projetos. j • Diante de várias aplicações existentes para os pré-moldados. dividimos em categorias: • Habitação • Saneamento • Transporte . com emprego intensivo de maquinário e sob rigoroso controle de qualidade capaz de garantir a máxima uniformidade dos elementos. • O processo de fabricação tem flexibilidade para se adequar aos diferentes df projetos.

.

estrutura um estado prévio de tensões. p possibilidade de vencer vãos maiores do que o concreto armado convencional. . diminuição na dimensão das peças devido à maior resistência dos materiais empregados. Os cabos de protensão têm resistência i ê i em média édi quatro vezes maior i do d que os aços utilizados no concreto armado. Dentro das vantagens g que esta técnica p q pode oferecer. através de uma compressão prévia na peça concretada. p g . . temos a redução na incidência de fissuras. que são tracionados e fixados no próprio concreto.Concreto Protendido z z z Protensão: artifício de introduzir na estrutura. A protensão t ã do d concreto t é obtida btid com a utilização tili ã de d cabos de aço de alta resistência.

.

. As armaduras.Concreto Armado z z z z Chamamos de concreto armado à estrutura de concreto que possui em seu interior. Estas armações são necessárias para atender à deficiência do concreto em resistir a esforços de tração e são indispensáveis na execução de peças como vigas e lajes. podem também aumentar a capacidade de carga à compressão. armações feitas com barras de aço. além de garantirem as resistências à tração e flexão. Um bom projeto deve considerar todas as variáveis possíveis e não só os preços unitários do aço e do concreto.

concretada eliminando o risco da aplicação do concreto fora do local determinado.Concreto Colorido z z z O concreto colorido é obtido através da adição de pigmentos à mistura. já foi utilizado em grandes obras para associar uma cor a uma peça que está sendo concretada. São aplicados também em pisos e podem ser associados a texturas. logo após a dosagem dos outros materiais. . que é feita diretamente no caminhão betoneira. Além de ser aplicado para dar um melhor efeito arquitetônico.

.

É compactado por si só devido sua alta densidade. Composição: z Cimento.Concreto Auto Adensável ou Fluido z z Concreto em que nenhuma vibração interna ou externa é necessária para a sua compactação. água. agregado. aditivos químicos e adições minerais .

2000) . WEIβE.Princípios básicos do CAA Alta defomabilidade da argamassa e do concreto Limitação do teor de agregado graúdo Auto-compactação Uso de superplastificante Redução da relação água/materiais finos Alta ta resistência es stê c a à seg segregação egação da argamassa e do concreto (DEHN. HOLSCHEMACHER.

estrutural que consiste de pasta ou argamassa de cimento Portland com incorporação de minúsculas bolhas de ar. Trata-se leve sem função estrutural. Possui massa específica variando de 400 kg/m³ a 1800 kg/m³.Concreto Celular z Trata se de concreto leve. CC 1 CC 2 CC 3 CC 4 .

300 a 1900 kgf/m³ .Concreto Convencional B it Brita Areia Água Cimento Concreto Celular V i Vazios Agregados Água Cimento Espumoso γ = 2.800 Kgf/m³ γ = 400 Kgf/m³ Célula Pré Formada Conforme a NBR 12.645 para paredes : γ = 1.400 2 400 kgf/m³ k f/ ³ γ = 1.

.

rápidas diminuição na quantidade e metragem das formas. MPa o que é de extrema importância para estruturas que necessitem ser compostas por peças com menores dimensões. O CAD tem resistências superiores a 40 MPa. dióxido de carbono e maresia. sulfatos. especiais sua porosidade e permeabilidade são reduzidas. tornando as estruturas elaboradas com este tipo de concreto. . Além do aumento na vida útil das obras.Concreto de Alto Desempenho z z z Com a utilização de adições e aditivos especiais. este concreto pode proporcionar: z desformas mais rápidas. maior rapidez na execução da obra. mais resistentes ao ataque de agentes agressivos tais como cloretos.

P d d Poder de retenção t ã d de água á 8 Exsudação. . Trabalhabilidade.Propriedades no estado fresco z z z z z z Consistência. Textura. E d ã Massa específica. Integridade da massa 8 Segregação.

concreto fresco que identifica para ser empregado sem perda de sua da consistência do . É caracterizada pela medida concreto.Trabalhabilidade z z É a propriedade do concreto sua maior ou menor aptidão com determinada facilidade homogeneidade.

Adensamento. Transporte. Lançamento.Fatores que afetam a trabalhabilidade z Fatores internos: z z z z z Consistência. Granulometria do concreto. Características da peça. z Fatores externos: z z z z z . Forma do grão do agregado. Traço do concreto. Aditivos. Mistura.

em uma massa de concreto fresco. pela aplicação de uma força. Esforço ç necessário a ocasionar.Medida da trabalhabilidade z z Deformação causada a uma massa de concreto fresco. . . uma deformação pré-estabelecida.

Abatimento do tronco de cone z NBR 7223 .

5 10 3.5 11 10 30 15 até 25 20 Verdadeiro Cisalhado Desmoronado .Tipos de abatimentos 10 até 7.

Ar incorporado .

mistura z z Razão principal: dimensões e massas específicas diferentes dos constituintes da mistura. z Segregação externa z z Conseqüência da segregação z z Heterogeneidade do concreto endurecido. Alterações nas relações agregado/cimento e água/cimento dentro do material. As partículas maiores tendem a separar da mistura durante o lançamento.Segregação z Separação dos componentes da mistura. Segregação interna z As partículas maiores e mais pesadas tendem a assentar na parte inferior. .

Normal: ocorre uniformemente em toda a superfície do concreto. Velocidade em que a exsudação ocorre. Profundidade da lâmina d'água. Duração da exsudação.Exsudação z z Forma particular de segregação z Ascensão da água de amassamento à superfície do concreto. Por canais: típica de misturas pobres em agregados finos. Caracterização quantitativa da exsudação: z z z z Tipos de exsudação z z .

z z Dentro de certos limites é benéfica z Diminui a relação a/c inicial. Em geral prevalecem as conseqüências negativas da exsudação agregado graúdo barra de aço pasta de cimento agregado miúdo água de exsudação .

1º l lançamento t .Relação a/c maior devido à exsudação da água do 2º lançamento. 2º lançamento ç Água exsudada do 1 1º lançamento retida pelo lançamento seguinte.

a alongados o gados e áspe ásperos os favorecem a o ece a segregação mais que agregados arredondados. Quanto maior . Teor de finos z Massa específica z z Angulosidade z z Relação cimento/agregados z z Concretos pobres segregam mais que os concretos ricos. Uma relação cimento/agregados baixa conduz a exsudação por canais.maior segregação. O aumento da massa específica do agregado graúdo em relação ao miúdo aumenta a tendência à segregação. gu osos.menor segregação. Agregados g egados mais as a angulosos. .Fatores que afetam a segregação z Tipo de agregado z z z Dimensão máxima característica z Quanto maior (> 25mm) .

z z Quantidade de água z Concretos muitos secos ou úmidos facilitam a segregação. A adição de pozolanas. A incorporação de ar tem efeito análogo: as bolhas de ar funcionam como material fino. Adições ç ou aditivos z z z . amassamento especialmente nas misturas ricas. Aditivos superfluidificantes: produz-se concretos fluidos e não segregáveis pela elevada redução da água de amassamento. particularmente em misturas pobres reduz a segregação.

Pela diminuição da relação a/c. . .z A velocidade e a p profundidade da lâmina d’água g exsudada são reduzidas: z z z Pelo aumento da finura do cimento. principalmente em misturas pobres. Incorporadores de ar e pozolanas reduzem a velocidade e o teor de água exsudada. exsudação mas aumenta a água exsudada. z z z z O aumento da relação cimento/agregado reduz a velocidade de exsudação. O contrário ocorre com aditivos aceleradores. a exsudação. conseqüentemente. Aditivos p plastificantes e superfluidificantes p diminuem a relação a/c e. Pelo aumento do teor de C3A do cimento. Adi i Aditivos retardadores d d ampliam li a duração d ã e intensidade i id d de d exsudação.

Cura. Agregados.Propriedades no estado endurecido z Resistência mecânica z z z z Relação água/cimento. Produção: z z z z Mistura. Lançamento / adensamento. Duração do carregamento. Tipo de cimento. cimento . Dosagem. Transporte. z z z z Temperatura. Id d Idade.

. 365 100 100 100 100 .% da resistência em 365 Tipo de cimento para as idades de: 3 7 28 90 Portland comum 38 58 81 90 Alta resistência inicial 50 65 83 93 Moderada resistência aos sulfatos 35 51 77 93 baixo calor de hidratação 16 28 58 92 dias.

Resistência à compressão z Corpos de prova cilíndricos z z Moldagem e cura: NBR 5738 Ensaio: NBR 5739 .

Resistência à tração na flexão z Resistência à tração na flexão z Ensaio: NBR 12142 .

0 kgf gf / cm ² .Resistência a tração por compressão diametral z NBR 7222 p σ = ftk = x π DxL z 2 NBR 6118 z Para fck < 180 kgf/cm² ftk = z fck 10 Para fck > 180 kgf/cm² ftk = 0 . 06 f f fck + 7 .

5MPa Coeficiente de Poisson z ν = 0.2 σ σ1 θ ε1 ε .Módulo de Elasticidade z Módulo de deformação longitudinal à compressão Ecj = 6600 f cj ( MPa) z f cj = f ck + 3.

γ ab γ ap Ms Vab Vab + v v = = = 1+ Ms Vab Vab Vap γ ab p=( − 1) x100 γ ap p γ ab − γ ap p= x100 γ ap v p= x100% Vab . γab = Massa específica absoluta do concreto. γap = Massa específica aparente do concreto.Permeabilidade e absorção z Porosidade: z z z Relaciona-se com a totalidade de vazios.

Absorção z z Relaciona se com os vazios que tem comunicação com o Relaciona-se exterior. É o p processo físico p pelo q qual o concreto retém água g nos poros e condutos capilares. = M h − M s Mh − Ms x100 A= Ms . Abs. M H 2O .

Permeabilidade z z Relaciona se com a interconexão dos vazios através de Relaciona-se canais e com a continuidade destes canais entre 2 superfícies opostas. Estruturas hidráulicas. . É importante para: z Concretos em ambientes agressivos: z Água ar. z z Concreto armado e aparente. ar solos. Água.

cura. Agregados miúdos e graúdos.composição. tipo. adensamento e acabamento Idade. finura. Cimento . graduação. . z Quantidade. pureza. Mistura. lançamento. a absorção e a permeabilidade z Materiais constituintes z z z Água . condições dos ensaios. diâmetro máximo. impurezas. z Adições: ç -q quimicamente ativas e quimicamente q inertes. z z Métodos de preparação z Condições õ posteriores z .quantidade.Fatores que afetam a porosidade.

com ar ou água. z z z b e c dependem de: z z . é Solicitações mecânicas. inclusive o cimento hidratado.Deformações z Va iações de volume Variações ol me z a) Variação do volume absoluto dos elementos ativos que se hidratam. Variações õ termo higrométricas. c) Variação do volume de material sólido inerte. b) Variação do volume de poros internos.

As deformações causadoras das mudanças de volume são grupadas em:
z

C Causadas d pelas l variações i õ das d condições di õ ambientes: bi t
z z z

Retração; Variações de umidade; Variações de temperatura;

z

Causadas pela ação de cargas externas:
z z

Deformação imediata; Deformação lenta.

As deformações causam:
z

Fissuras
z z

Caminho aberto para agentes agressivos; Diminuição da seção resistente;

z

Esforços adicionais
z

Em estruturas hiperestáticas. p

z

Deformações que ocorrem numa estrutura mediante a variação do teor de água:
z z

Retração - contração inicial que se verifica pela reação cimento e água; Mudanças de volume por variações de umidade devida a absorção e perda de água (expansões e contrações, respectivamente); Consumo de cimento; Relação água/cimento; Tipo e graduação dos agregados; condições de exposição da estrutura.

z

As deformações variam com:
z z z z

.Variações volumétricas em estruturas expostas às à intempéries é z z z z Contração . lá ti Nas estruturas protegidas das intempéries ocorre apenas a retração inicial. A secagem rápida dá as contrações mais importantes.retração química.retração t ã plástica. que se traduzem por tensões de tração. . Expansões e contrações .de acordo com as condições atmosféricas e o g grau de exposição p ç da estrutura. pelo impedimento das d f deformações õ .

ocasião em que ela se comporta como uma estrutura exposta.Variações ç volumétricas nas estruturas submersas z O concreto expande quando entra em serviço. serviço deformação esta que se soma algebricamente à retração. salvo nos períodos em que a estrutura é esvaziada. .

menor retração Maior “slump” .maior retração ã Maior diâmetro máximo .maior retração ç .Retração inicial z Retração para um concreto usual z z z z z C = 300 kg/m³ a/c=0.4 mm/m = 4‰ Maior a/c .maior retração Maior “C” .50 0.

1 7.9 4.7 4.4 50 5.0 5.5 Tensão de tração surgida na estrutura impedida de deformar-se devido à retração inicial = 65 kgf/cm kgf/cm² .1 4.Dimensão máxima característica 19 38 50 z Slump (cm) 5 10 15 5 10 15 5 10 15 Retração (x 10-4) 6.6 3.3 71 7.

Deformações ç causadas p pelas variações ç de temperatura z Causam contrações ou expansões pela redução ou elevação da temperatura. Dependem dos coeficientes de contração ou dilatação linear. z . que indicam a variação da umidade de comprimento para a variação de 1ºC.

. z Os efeitos ocasionados pelas mudanças das condições ambientes são mais acentuados acent ados nas estruturas expostas do que nas protegidas.z As variações de temperatura mais importantes são as variações diárias.

rochas ígneas: Calcário: α= 4 a 5 x 10-6/ºC α= 3 a 4 x 10-6/ºC α= 2 a 3 x 10-6/ºC z z Manufatura do concreto Proporção cimento/agregados z O coeficiente do cimento é maior que o do agregado .Fatores q que afetam o coeficiente de dilatação ç térmica do concreto (α ) z Tipo de agregado z z z Pedregulho. quartizito: Granito.

os recalques diferenciais que podem aparecer causam fissuração. desigualmente. a capacidade p portante do p subsolo.Deformações ç causadas p por movimentos das fundações z Variando-se. . g . .

20 0.30 0.Deformações no concreto armado z N concreto armado No d a armadura d i õ restrições impõe i õ à deformação do concreto: z À compressão p z Ea = Ec Ea » Ec Te ensão. % .10 0. MPa 700 z À tração z 600 500 400 300 200 100 0 0.50 0.00 0.60 Deformação.40 0.

Relação entre as resistências do concreto e do aço. Variações dimensionais devidas à retração. Espessura de cobrimento da armadura. .z A fissuração no concreto armado depende de: z z z z Resistência do concreto.

Deformações causadas pela ação de cargas ε El Ei t0 z z Tempo Deformação imediata (Ei) Deformação lenta (El) .

Deformação elástica inicial .Fluência ε ε1 εer εt εe εe .Deformação lenta σ εer .Deformação total ε1 .Deformação ç elástica retardada εT .

apoio retração. z Fluência: z z . nem com o passar do tempo. e sim depois de algum tempo após o descarregamento descarregamento. protensão) sendo favorável no caso de esforços indesejáveis. g .Deformação lenta z Deformação ç elástica retardada z Desaparece com a retirada do carregamento. É a deformação ç q que não desaparece p com a retirada do carregamento. não imediatamente como a deformação elástica. retração protensão). porém desfavorável no caso de esforços desejáveis protensão. A deformação lenta diminui o efeito de esforços de sujeição (recalques de apoio.