FÍSICA II

-TERMOLOGIA-

Ele se mantém sempre no estado gasoso e segue rigorosamente as leis de transformações dos gases. à mesma temperatura e pressão.TERMOLOGIA ESTUDO DOS GASES ESTUDO DOS GASES Gás: fluido que tem forças de coesão muito fracas. Lei de Avogadro: Volumes iguais. pois: 23 Estudaremos toda a teoria que envolve os gases ideais. Volume: como um gás não possui forma definida. Nº de mols: pode ser determinado sempre que se souber a massa do gás . Nas CNTP temos: T = 273 K e P = 1 atm. Se estiver contido em um recipiente. A definição geral de pressão é a razão da Força pela área de aplicação: As equações que aparecerão na sequência são para gases ideais. de gases diferentes.02x10 . mais especificamente as suas transformações (isto é. quando um gás passa de um Estado para outro). que é o n° de moléculas por mol de gás. como baixa pressão e alta temperatura o gás real tem comportamento semelhante ao gás ideal. A) TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICA (Lei de Boyle) ADRIANO MEDEIROS . então a densidade é tanto maior quanto maior a massa molar. A partir dessa lei e de experimentos chegou-se ao famoso n° de Avogadro: NA = 6. Uma análise completa de um sistema gasoso é determinar todas as Variáveis de Estado. ocupando todo o volume disponível. A massa. Temperatura: é a medida do grau de agitação das moléculas de um gás. Apesar de os gases ideais se tratarem de gases fictícios. também deve ser considerada. que é um gás hipotético. Sendo a massa molar dos gases diferentes. a grande maioria dos gases reais. se comporta de forma semelhante aos gases ideais ou perfeitos. além de ocupar todo o espaço que lhe é oferecido. VARIÁVEIS DE ESTADO Pressão: a pressão de um gás é a medida do número de colisões do mesmo com as paredes do recipiente que o contém. quando estão a uma alta temperatura e baixa pressão. São elas: pressão. o seu volume é disperso. Além disso. Em nosso estudo passaremos a considerar um Gás Ideal. contêm o mesmo n° de moléculas. ou n° de mols. em determinadas condições. Transformações Gasosas As leis que seguem são experimentais. o volume do gás é o volume do recipiente. possui propriedades de compressibilidade e expansibilidade. entretanto. cujas propriedades não se alteram. Deve ser sempre medida em Kelvin nos estudos relacionados a gases.e a sua massa molecular – M. volume e temperatura absoluta. resultando em um distanciamento intermolecular grande em comparação com sólidos e líquidos. onde n é o n° de mols do gás CNTP: Condições Normais de Temperatura e Pressão.m .

(Lei de Gay-Lussac) Na transformação à pressão constante de uma dada massa gasosa. Alguns valores de R: ADRIANO MEDEIROS . denominada isoterma. Equação de Clapeyron Com base nas leis experimentais de Avogadro. Clapeyron sintetizou-as sob a forma de uma equação de estado de um gás ideal. Para comparação. Boyle. o volume V. exercida sobre ele. a constante de proporcionalidade. o volume é diretamente proporcional à temperatura absoluta. Gráfico VxT da Transformação Isobárica A Figura acima dá exemplo da curva de uma transformação adiabática. a linha tracejada é de uma transformação isotérmica que passa pelo mesmo ponto 1. Assim: pressão do gás é diretamente proporcional à temperatura absoluta. B) D) TRANSFORMAÇÃO ADIABÁTICA TRANSFORMAÇÃO ISOBÁRICA Na transformação adiabática não há troca de calor entre o sistema e o meio. Charles e Gay-Lussac. Gráfico da transformação isovolumétrica O gráfico PxV da Transformação Isotérmica é uma hipérbole equilátera. transformação isocórica. isométrica ou isovolumétrica. a onde n é o número de mols e R.TERMOLOGIA Verificou-se que se a temperatura T de uma determinada massa gasosa for mantida constante. C) TRANSFORMAÇÃO ISOVOLUMÉTRICA (Lei de Charles) Na transformação gasosa onde não há variação de volume. deste gás será inversamente proporcional à pressão P. foi denominada de constante Universal dos Gases Perfeitos. então é natural que: A parte pontilhada da reta condiz com o fato de ser impossível o estado de temperatura zero Kelvin ou de comprimirmos um gás de forma a ele não ter volume. Como o volume de um gás é diretamente proporcional ao seu n° de mols e à temperatura e inversamente proporcional à pressão.

e) baixas temperaturas e altas pressões. ADRIANO MEDEIROS . Como proceder para determinar a Pressão e/ou Temperatura final da mistura? (sem reação química) Os k gases quando misturados passam a ocupar um volume total VM (que pode ou não ser a soma dos volumes iniciais de cada gás. A Teoria Cinética dos Gases busca através de um estudo microscópico interpretar o comportamento dos gases. Seja uma mistura de k gases diferentes entre si ou não. (UFU-MG) Um recipiente rígido de volume 4.média dos quadrados das velocidades das moléculas Com base nisso. b) altas temperaturas e altas pressões. 3. que é definido por algumas hipóteses. a grandeza do gás que duplicará será: a) a massa b) a massa específica c) o volume d) o peso e) a energia cinética 04. em uma mistura gasosa. desses postulados e em vista dos princípios da Mecânica Newtoniana é possível provar que a pressão de um gás é dada por: (Lei Geral dos Gases Perfeitos) Misturas Gasosas Pressão Parcial A pressão parcial de cada gás. O volume próprio das moléculas é desprezível frente ao volume do recipiente. é igual à pressão que o mesmo exerceria se ocupasse o volume total da mistura gasosa. O gás é constituído por um número muito grande de moléculas em movimento desordenado descrito pelas leis de Newton. cuja abertura ocorre quando a pressão interna atinge 40 atm. c) baixas temperaturas independentemente da pressão. e) massa. volume e temperatura. As forças intermoleculares são desprezíveis.n° de moléculas no recipiente V .massa de cada molécula 2 v . pressão e volume. dependendo do problema).volume do recipiente m . estando a uma temperatura final TM. (UFU-MG) As grandezas que definem completamente o estado de um gás são: a) somente pressão e volume. 02. (UNIVALI-SC) O comportamento de um gás real aproximase do comportamento de gás ideal quando submetido a: a) baixas temperaturas e baixas pressões. Ela se baseia em um modelo de gás ideal. podemos calcular a energia cinética média das moléculas.1 litros é dotado de uma válvula de segurança. introduzindo a constante de Boltzmann k: Onde Exercícios de Fixação 01. a máxima temperatura no seu interior é: (Dado: R = 0. d) altas temperaturas e baixas pressões. A pressão parcial de cada gás é: N . d) temperatura. Partindo Essa equação pode relacionar dois diferentes estados em uma transformação gasosa qualquer. à tempera-tura da mistura. quando não há variação de massa. Se o recipiente contém 5 mols de um gás perfeito. b) apenas o volume e a temperatura. c) massa e volume. (MACK) Se a pressão de um gás confinado é duplicada a temperatura constante. 2. Lei de Dalton: a pressão total da mistura gasosa é igual à soma das pressões parciais de cada gás que compõe a mistura.TERMOLOGIA 4.082 atm L/mol K) a) 127 0C b) 277 0C c) 473 0C onde ni é o n° de mols do gás Para o caso de termos apenas dois componentes na mistura temos: Teoria Cinética dos Gases As leis anteriormente estudadas para gases perfeitos são o resultado de estudos macroscópicos. 03. As colisões são elásticas e de duração desprezível. São elas: 1. exceto nas colisões mútuas e com as paredes do recipiente. pressão.

c) 3 vezes a pressão atmosférica. mantendo a pressão interna no valor P0.90 b) 1. devemos utilizar para R o valor numérico: a) 273/22. b) 36 mols de gás.K) a) 2.4 d) 1/273 e) 273 07. As figuras representam diagramas TxP e TxV. O gás é então comprimido.082 atm L/mol. parte do gás é liberada para o ambiente. em função de seu volume gasoso. em forma de quadrado de lados paralelos aos eixos de um gráfico da pressão absoluta de um gás. Esse gás é aquecido. encerrado num recipiente de volume V onde a pressão é p e a temperatura.1 M0 13. Sabe-se que a pressão atmosférica no local vale 680 mmHg. sob pressão constante até que seu volume seja reduzido a 25 % do inicial. monoatômico. até uma temperatura de 477° C. No final do aquecimento. V em litros e T em Kelvin. de: a) 1. 3 05. podemos afirmar que ela apresenta: a) duas transformações isobáricas e duas isométricas. a temperatura é TB = 127 0C e a pressão é pB = 1. o volume VB. Ao ser aquecido até T = 77 ºC (350 K). valerá: a) 10 atm b) 8 atm c) 12 atm d) 15 atm e) 20 atm 06. Nesses diagramas. indicamos P em atmosferas. R = constante universal dos gases ideais.0 atm 15. Nessas condições. a pressão do gás no cilindro deverá ser: a) 1/3 da pressão atmosférica. 12. d) 3x10 mols de gás. contido em um cilindro.0 atm b) 3.5 M0 e) 0.4 b) 22. atingindo o volume máximo permitido. sendo T a temperatura absoluta. (FUVEST) Um cilindro contém uma certa massa M0 de um gás a T0 = 7 ºC (280 K) e pressão P0.0 atm.5 vezes a pressão atmosférica.30 J. d) duas transformações adiabáticas e duas isobáricas.8 M0 c) 0.0 atm c) 4. Assim.4 14.90 litros. que pode mover-se sem atrito. (UCMG) Duplicando-se a velocidade média quadrática das moléculas de um gás ideal monoatômico a uma temperatura termodinâmica T. que a constante dos –1 – 1 5 gases vale 8. no seu estado final. TA = 27 0C.7 M0 d) 0.K e que 1x10 Pa corresponde a 760 mmHg. Analise os itens abaixo quanto ao fato de as relações dadas estarem certas ou erradas.0 atm e) 8. de massa desprezível. VA = 0. Nessas relações: E = energia cinética média das moléculas do gás. (CEFET) O reservatório representado contém 0. (AMAN) Um gás perfeito se encontra em um recipiente de 4L de volume sob pressão de 2 atm e a uma temperatura de 27° C. (UERJ) Para podermos aplicar a equação PV = nRT dos gases perfeitos. NA = n° de Avogadro. ocupa apenas a metade de seu volume à temperatura ambiente. medida em graus Celsius é T. Se essa pressão ultrapassar P0. d) 1. c) duas transformações adiabáticas e duas isométricas. b) duas transformações isotérmicas e duas isométricas.2 litros é ocupado por 64g de gás oxigênio à temperatura de 27 0C. (FUVEST) Uma certa massa de gás ideal sofre uma compressão isotérmica muito lenta passando de um estado A para um estado B. a massa de gás que permanece no cilindro é. (CEFET) Um gás. transformação descrita acima só pode corresponder às curvas 09.TERMOLOGIA d) 527 0C e) 649 0 a) pV = nNaKT b) pV = NART c) pV = 2nNAE/3 d) pV/NA =nKT +273nK 11.2 c) 1.5 atm. a válvula do cilindro libera parte do gás. Em um estado A. Desconsiderando o volume do manômetro é possível afirmar que existe no reservatório: a) 5 mols de gás. Na situação final.mol . aproximadamente. deve ser: a) 0.0 M0 b) 0. (1 mol de O2 = 32g) (R = 0. A pressão do gás. b) igual à pressão atmosférica. (PUCCAMP) Um gás perfeito é mantido em um cilindro fechado por um pistão. à pressão atmosférica. a nova temperatura do gás é: a) 2T b) 4T c)√ d) T/√ e) T/4 10. (CEFET) Numa transformação gasosa cíclica. 4 c) 8 mols de gás. V o volume e P a pressão do gás. e) duas transformações isobáricas e duas adiabáticas. O cilindro contém um pistão.0 atm d) 6.4/273 c) 1/22. (UNB) Considere n mols de um gás ideal. Em outro estado B. K = constante de Boltzmann. ADRIANO MEDEIROS . Em seguida.0 e) 2.249 m de um gás perfeito a 27° C e se comunica com um manômetro de tubo aberto que contém mercúrio. Qual é a pressão no interior do recipiente? Considere o oxigênio um gás perfeito. Ele possui uma válvula de segurança que impede a pressão interna de alcançar valores superiores a P0. e) 4 vezes a pressão atmosférica.6 d) 2. o gás é aquecido a volume constante. Observa-se que a temperatura absoluta do gás é aumentada em 3 vezes do seu valor inicial. fazendo com que o pistão seja empurrado. as suas variáveis são: pA = 2. (UNISA-SP) Um volume de 8. 08. em litros. e) 22 mols de gás.

aproximadamente.0m abaixo do nível externo da água. e 12. c 02. a 11.0m e) 13. d 04. em relação ao nível externo da água. b 06. b 16. b 10. e com a temperatura do gás a 360K. b 13.8m 03. utilizado para o armazenamento de ar. d b) 9. G é fechado na sua parte superior. G contém ar.2m GABARITO 01. com a tampa superior a uma altura H. com paredes laterais de pequena espessura. d 08.0m acima do nível externo da água como mostra a figura a seguir. c 07. metálico. Nessas condições. igual a: a) 8. Supondo que o ar se comporte como um gás ideal. é um recipiente cilíndrico. inicialmente à temperatura de 300K e o nível da água no seu interior se encontra 2.2m c) 10. (FUVEST) O gasômetro G.d ADRIANO MEDEIROS . a nova altura H será.8m d) 11. o sistema se estabiliza numa nova altura de equilíbrio. Aquecendose o gás. a tampa de G está 9.TERMOLOGIA a) I e IV d) I e VI b) II e V e) III e VI c) III e IV 16. aberto na inferior que permanece imersa em água e pode se mover na direção vertical. d 14. d 09. a 05. a 15.