You are on page 1of 20

D I S C I P L I N A

Cálculo I

A primitiva
Autores
André Gustavo Campos Pereira Joaquim Elias de Freitas Roosewelt Fonseca Soares

aula

08

Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância – SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Universidade Federal do Rio Grande do Norte Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral Secretaria de Educação a Distância- SEDIS Coordenadora da Produção dos Materiais Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Projeto Gráfico Ivana Lima Revisores de Estrutura e Linguagem Eugenio Tavares Borges Jânio Gustavo Barbosa Thalyta Mabel Nobre Barbosa Revisora das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva

Revisoras de Língua Portuguesa Janaina Tomaz Capistrano Sandra Cristinne Xavier da Câmara Revisores Técnicos Leonardo Chagas da Silva Thaísa Maria Simplício Lemos Revisora Tipográfica Nouraide Queiroz Ilustradora Carolina Costa Editoração de Imagens Adauto Harley Carolina Costa Diagramadores Bruno de Souza Melo Dimetrius de Carvalho Ferreira Ivana Lima Johann Jean Evangelista de Melo Adaptação para Módulo Matemático André Quintiliano Bezerra da Silva Kalinne Rayana Cavalcanti Pereira Thaísa Maria Simplício Lemos Colaboradora Viviane Simioli Medeiros Campos Imagens Utilizadas Banco de Imagens Sedis - UFRN Fotografias - Adauto Harley Stock.XCHG - www.sxc.hu

Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central “Zila Mamede”

Copyright © 2007  Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

calculamos a derivada de diversas funções utilizando as propriedades das funções deriváveis. na qual a definimos. Objetivos Esperamos que ao final desta aula você possa encontrar as primitivas de todas as funções estudadas nas aulas anteriores (trigonométricas. queremos saber a função que. Aula 08  Cálculo I  . quando derivada.). logarítmicas. Nesta aula.Apresentação C omeçamos a estudar a derivada de uma função na aula 4 (A derivada). exponenciais etc. resulta na função dada. trataremos de uma situação a qual chamaremos de “situação inversa”: dada uma função. Esta é chamada de primitiva da função dada e constituirá o tema central desta aula. nas aulas seguintes.

a menos de sinal. se f (x) = cos(x) não está funcionando. Precisamos agora verificar se f (x) = cos(x) é realmente a resposta à pergunta 1. você. mas e aquela conversa de que. a função que. sabemos que quando derivamos um seno obtemos um cosseno e que ao derivarmos um cosseno obtemos um seno. qual a função f (x) cuja derivada é f  (x) = −sen(x) ? Sem nos preocuparmos muito com os sinais. me responderá f  (x) = −sen(x) . quando derivada. obtemos f  (x) = (−cos(x)) = −(cos(x)) = −(−sen(x)) = sen(x)  Aula 08  Cálculo I . portanto. 1)   Qual função. e vamos fazê-lo derivando f (x): sabemos que f  (x) = −sen(x) . Vamos agora pensar na situação inversa. uma possibilidade de resposta é f (x) = cos(x). não furou nada! Lembra-se de que dissemos a menos de sinal? Pois bem. E se a pergunta fosse: 2) Qual função cuja derivada é f  (x) = sen(x)? Agora. é porque a função que derivamos envolve a função cosseno e. mais que rapidamente. gera um seno é um cosseno.A primitiva Se perguntarmos qual a derivada da função f (x) = cos(x). já não teríamos f (x) = cos(x) como solução. que tal experimentar f (x) = −cos(x)? Derivando. já que f  (x) = −sen(x) . quando derivada. através das perguntas que seguem. nos fornece como resposta f  (x) = −sen(x) ? Ou melhor. furou? Não. logo f (x) = cos(x) é a resposta. se a derivada envolve a função seno. Ora. Assim.

Uma primitiva de f em I é uma função F : I → R . então. derivando f (x) = cos(x) + 3 . k onde é uma constante qualquer. dadas por F (x) + k . Atividade 1 Encontre uma função cuja derivada é representada pelas funções abaixo: a) b) c) d) e) f (x) = cos(x) f (x) = −cos(x) f (x) = ex f (x) = 1 x f (x) = sen(x) + cos(x) Agora que essas novas idéias não estão mais nos parecendo tão estranhas. não existe apenas uma resposta. pois f (x . uma resposta para a pergunta 2 é f (x) = −cos(x). f) (x = ) cos = cos (x) (x + )k + ou seja. Aula 08  Cálculo I 3 . é a família das primitivas da f. nada melhor do que você responder a algumas questões. onde k é uma constante qualquer. temos que a pergunta inicial possui infinitas respostas corretas! Definição Seja f : I → R uma função definida em um intervalo I. voltemos nossa atenção novamente para a pergunta 1. Para se acostumar a essa pergunta. obtemos f  (x) = (cos(x) + 3) = (cos(x)) + (3) = −sen(x) + 0 = −sen(x) . De fato. qual a função cuja derivada é a função f  (x) = −sen(x)? Observe. que f (x) = cos(x) + 3 também é uma resposta. tal que F  (x) = f (x) para todo x ∈ I e dizemos que as infinitas primitivas da f. também é resposta à pergunta inicial e como essa constante pode assumir qualquer valor.Logo. Sendo a função f (x) = cos(x) resposta a essa pergunta.

saberá identificar a família das primitivas da função derivada. pois. 4 (A derivada). perguntar: qual a função que quando derivada nos fornece como resposta = −sen(x). G(x) = x2 + k é a família das primitivas da g (x) = 2x . 5 (Derivadas de funções compostas). Atividade 2 Liste as funções cujas derivadas você conhece e dessa forma. uma primitiva de g (x) = 2x é G(x) = x2 e. enquanto não memorizarmos uma boa parte dessa tabela. qual a função f (x) . f  (x) Você deve ter notado que se souber qual é a derivada de uma função. encontre a família das primitivas da derivada. pois 3   1 3 1  F (x) = x = 3x3−1 = x2 3 3 1 e G(x) = x3 + k .Exemplo 1 1 F (x) = x3 é uma primitiva para f (x) = x2 em R . onde k é uma constante qualquer é a família das primitivas da f. 3 Então. retome as aulas 3 (Taxa de variação). automaticamente. 4 Aula 08  Cálculo I . ou melhor. Monte uma tabela mais ou menos assim: Tabela 1 Função Derivada Função ⇒ ⇒ ⇒ Família das primitivas xn ex ln(x) nxn−1 ex 1 x nxn−1 ex 1 x xn + k ex + k ln(x) + k Vamos lá. Assim. é equivalente a perguntar qual a primitiva de −sen(x) . temos f  (x) = 2x . precisaremos de uma fonte de consulta ao alcance das mãos. consequentemente. cuja derivada é f  (x) = −sen(x). você tem muito trabalho pela frente! Não tenha pressa. Observe: dada f (x) = x2 . 6 (Aplicações da derivada) e 7 (Mais aplicações – Gráficos de funções) e vá preenchendo sua tabela de modo que ela fique com bastante primitivas.

de modo que a composta f ◦ g faça sentido. não fique |cos(x)| muito preocupado se sua resposta não ficar igualzinha à dos livros. na ln(cos(x)) devemos ter cuidado para que os pontos x sejam tais que o cos(x) > 0 . na maioria das tabelas encontradas nos livros. por exemplo: g (x) = ln(f (x)) ⇒ g  (x) = f  (x) . para complicar um pouco mais. Gostariamos muito que você dedicasse um certo tempo na construção dessas tabelas. Aula 08  Cálculo I 5 . por exemplo: Tabela 2 Função f (x)) Derivada de ln(f (x)) ⇒ ⇒ Função Família das primitivas cos(x) sen(x) −sen(x) = −tg (x) cos(x) cos(x) = cotg (x) sen(x) tg (x) cotg (x) −ln(cos(x)) + k ln(cos(x)) + k ⇒ A única observação que faremos na tabela anterior é que devemos tomar cuidado quando compomos as funções para que a imagem da primeira g esteja contida no domínio da segunda f. Então.Atividade 3 Relembre a regra da cadeia (aula 5) e acrescente à sua tabela primitivas mais elaboradas como. podemos encontrar muitas outras famílias de primitivas. Por isso. 1 −ln|cos(x)| = ln|cos(x)|−1 = ln = ln|sec(x)|. já que o domínio do são os reais positivos. f (x) Com essa informação em mãos. mas o mais importante é que entenda o que você está respondendo ao montá-las. Por exemplo. a primitiva da tg (x) é −ln|cos(x)| ou.

Então. O símbolo significa apenas que estamos procurando a família das primitivas da função f (x) e o dx expressa a variável (independente) com a qual estamos trabalhando. denominada uma integral indefinida de f. a saber. Note que a função toma um valor x e o transforma (leva no ponto de sua imagem) em f (x) = 2t . onde k é uma constante.Notação – Usaremos a notação função f (x). se a variável independente não aparece na expressão da função. ou seja.  Na notação f (x)dx . Então. quanto valem f (1). Então. f (2) e f (10) ? Calculemos tais valores. Podemos agora resolver os exemplos que seguem. todo ponto do domínio está sendo levado num mesmo ponto da imagem. Ou seja. 2 2 em f (2) = 2t e 10 e 10 em f (10) = 2t .   f (x)dx para representar a família das primitivas da f (x)dx = F (x) + k . Ora. ou seja. o que representa a função f (x) = 2t ? Vamos lá. 6 Aula 08  Cálculo I . só para fixarmos a idéia: Símbolos que delimitam a função de interesse z }| { Z f (x) dx | {z } função da qual queremos a primitiva  Que negócio é esse de variável independente? Não está lembrado? Então é um bom momento para reler a aula 3. a função f denomina-se integrando. Assim ele transformará 1 em f (1) = 2t. Se a variável independente é x. no qual iniciamos uma conversa sobre taxa de variação. 2t. Uma primitiva de f é. suponhamos que o domínio dessa função seja toda a reta (R ). mas a função que leva todo valor num mesmo ponto é chamada função constante. também. x. isso significa que a função será uma função constante.

temos que a função f (x) = 2t é constante se a variável Voltando a independente for x. se a  variável independente for x ? Em outras palavras. 2xdx significa: qual a família das primitivas da função f (x) = 2x se a variável Exemplo 3 Encontre 2tdx  Mas. e como já vimos qual é a primitiva de uma função constante. então. pelas regras de derivação (seria um bom momento de rever a aula 4). assim. você mais que rapidamente me diria f (x) = x . que a derivada de uma constante vezes uma função é a constante vezes a derivada da função (f (x) = Lg (x) ⇒ f  (x) = Lg  (x)). podemos imaginar f  (x) = L = L. Ora.1 = L. qual a função cuja derivada nos dá uma função constante? Solução Vamos lá: se tivéssemos perguntado qual a função f (x) cuja derivada é f  (x) = 1 . E se pedirmos a função f (x) cuja derivada é f  (x) = L . Encontre 2xdx  Mas. onde L é uma constante? Sabemos.  temos 2tdx = 2tx + K. 2tdx significa: qual a família das primitivas da função f (x) = 2t .  2tdx .1 .  Resumindo: Ldx = Lx + k . onde 1 = g  (x) .Exemplo 2  independente for x ? Resposta: F (x) = x2 + K . logo. Aula 08  Cálculo I 7 . sabemos que se 1 = g  (x) . Verificando: f  (x) = (Lx) = Lx = L. g (x) = x . f (x) = Lg (x) = Lx.

G : I → R  as primitivas de f e g. vamos entender o que ele está dizendo. se f. Então:   cf ( x ) dx = c f (x)dx a)    b) (f (x) + g(x))dx = f (x)dx + g(x)dx    c) (f (x) − g(x))dx = f (x)dx − g(x)dx Antes de demonstrar esse teorema. Revisando. respectivamente. respectivamente. 8 Aula 08  Cálculo I . temos: i) ii) (cf (x)) = cf  (x) (f (x) + g (x)) = f  (x) + g  (x) (f (x) − g (x)) = f  (x) − g  (x) iii) Usando essas propriedades da derivada. seria um bom momento de fazer isso. vamos demonstrar as propriedades da integral indefinida. g : I → R são funções deriváveis e c ∈ R é uma constante. c ∈ R uma constante e F. Os itens b) e c) dizem que a integral indefinida da soma e da diferença é a soma e a diferença das integrais indefinidas.Se você ainda não releu a aula 4. g : I → R funções. O item a) diz que integral indefinida de uma constante vezes uma função é igual à constante vezes a integral indefinida da função. Estamos insistindo nesse ponto porque usaremos as propriedades das derivadas e gostaríamos que estivesse claro cada passo que faremos. Teorema 1 Sejam f.

fazendo k2 = 0 . podemos reescrevê-la da seguinte forma (F (x) + G(x)) = f (x) + g (x) . Equação (4) Pelo item ii) das propriedades de derivadas. temos que F é uma primitiva da f.  f (x)dx = F (x) + K1 . ou seja. Se multiplicarmos a igualdade anterior por c ∈ R . Retornando à equação (3). podemos reescrevê-la da seguinte forma (cF (x)) = cf (x) para todo x ∈ I . obtemos:   f (x)dx = F (x) Equação (1) e. b)  As equações (1) e (2) são equivalentes a: F  (x) = f (x) e G (x) = g (x) e . obtemos: g (x)dx = G(x) . para todo x ∈ I . Equação (3) Pelo item i) das propriedades de derivadas.Demonstração – Por hipótese. temos que cF  (x) = (cF (x)) . para todo x ∈ I . onde K1 é uma constante qualquer e G uma primitiva da g. temos  (1)  cf (x)dx = cF (x) = c f (x)dx . Retornando à equação (4). A equação anterior significa que cF (x) é uma primitiva de cF (x) e. fazendo K1 = 0 . seja. ou  g (x)dx = G(x) + k2 . Somando as igualdades anteriores. Em particular. Aula 08  Cálculo I  . para todo x ∈ I . temos:  (1)e(2)   (f (x) + g (x))dx = F (x) + G(x) = f (x)dx + g (x)dx . para todo x ∈ I . temos cF  (x) = cf (x). Equação (2) a) A equação (1) é equivalente a F  (x) = f (x). para todo x ∈ I . A equação anterior significa que F (x) + G(x) é uma primitiva de f (x) + g (x) e. onde k2 também é uma constante qualquer. novamente. fazendo novamente a constante da família de primitivas igual a zero. fazendo a constante da família de primitivas igual a zero. temos que F  (x) + G (x) = (F (x) + G(x)) . temos F  (x) + G (x) = f (x) + g (x) .

temos que    1 1 n−1 nxn−1 dx = nx dx = xn−1 dx .. Multiplicando ambos os mas. obtemos xn−1 dx = . n n  nxn−1 dx = xn .Atividade 4 Demonstre.. n n  xn Juntando essas informações. por meio dos exemplos. o item c) do teorema 1. Exemplo 4  Calcule xn dx . n Dessa forma. Vamos ver. encontramos a primitiva de todas as funções do tipo xn :    x3 x4 xn+1 x2 dx = . sabemos que lados da igualdade por 1 . 3 4 n+1 E usando os itens b e c do teorema 1. temos n  1 1 nxn−1 dx = xn . podemos calcular: 0 Aula 08  Cálculo I . .. . . Solução Pela nossa tabela. pela propriedade a do teorema 1. . usando as idéias da demonstração do item b). como esse teorema facilita o cálculo de primitivas. xn dx = . x3 dx = .

calcular  (f  (x)g (x) + f (x)g  (x))dx = f (x)g (x) + K e   f (x) g (x)    f  (x)g (x) − f (x)g  (x) g (x)2  f (x) +K.x2 x3 x4 + − 2 3 4      x2 x7 6 6 2)  (3x + 4x )dx = 3xdx − 4x dx = 3 xdx − 4 x6 dx = 3 2 − 4 7 1)   (x + x − x )dx = 2 3  xdx +  x dx − 2  x3 dx = Lembre que essa é uma das possíveis primitivas. para todo x ∈ I . assim 1)  2)    (x + x2 − x3 )dx = (3x + 4x6 )dx = x2 x3 x4 + − +K 2 3 4 3x2 4x7 − +L 2 7 onde K e L são constantes. vimos que se f. Podemos. então. Para sermos mais precisos na resolução.então. Fazendo mais uma revisão da aula 4. vale  f (x) g (x)  = f  (x)g (x) − f (x)g  (x) g (x)2 . então: 1)  (f (x)g(x)) = f  (x)g(x) + f (x)g (x) 2)  Se g(x) = 0 . devemos acrescentar uma constante para exprimir que para qualquer constante o valor anterior continua sendo uma primitiva. g (x) dx = dx = Exemplo 5  cos(x) ln(x) − sen(x) x dx . Calcule: ln(x)2 Aula 08  Cálculo I 11 . g : I → R são funções deriváveis.

o resultado é 2 ln(x) ln(x) Chegou a hora de praticar primitivas!!! Atividade 5 Calcule: a) b) c) d) e) f) g) h)  (2 + y 2 )2 dx  2 x + e dx x     (3senφ + 2cosφ)dφ t(1 + t2 )dt x−3 + √  x − 3x1/4 − x2 dx         √ y 1 + 2e dy 2y x2 cos(x) − 2xsen(x) x4  dx (2xcos(x) − x2 sen(x))dx  Aula 08  Cálculo I .Solução Nesta situação dá para perceber nitidamente que se fizermos f (x) = sen(x) e g (x) = ln(x) a expressão anterior a ser calculada é exatamente        f (x)  f (x)g (x) − f (x)g  (x) f (x) dx = dx = + K . 2 g (x) g (x) g (x)  cos(x) ln(x) − sen(x) x dx = sen(x) + K . portanto.

Cálculo: um novo horizonte. Auto-avaliação Descreva com suas palavras o que entendeu sobre o significado da primitiva de uma função.Resumo Nesta aula. GUIDORIZZI. Hamilton Luiz. Vimos também algumas propriedades das primitivas. Rio de Janeiro: LTC. Aula 08  Cálculo I 13 . Um curso de cálculo. buscamos uma função que quando derivada resulta na função dada. v 1. ou seja. 6. 2001. Howard. ed. v 1. Porto Alegre: Bookman. dada uma função. vimos que uma operação “inversa” da derivação é a “primitivação”. 5. a saber: a primitiva da soma (diferença) é a soma (diferença) das primitivas e a primitiva de uma constante vezes uma função é igual à constante vezes a primitiva da função. ed. Referências ANTON. 2000.

Anotações 14 Aula 08  Cálculo I .

Anotações Aula 08  Cálculo I 15 .

Anotações 16 Aula 08  Cálculo I .