You are on page 1of 22

D I S C I P L I N A

Pré-Cálculo

Funções trigonométricas
Autores
Rubens Leão de Andrade Ronaldo Freire de Lima

aula

14

Governo Federal
Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância – SEED Ronaldo Motta

Revisoras de Língua Portuguesa Janaina Tomaz Capistrano Sandra Cristinne Xavier da Câmara Ilustradora Carolina Costa Editoração de Imagens Adauto Harley Carolina Costa Diagramadores Bruno de Souza Melo Adaptação para Módulo Matemático Thaisa Maria Simplício Lemos Pedro Gustavo Dias Diógenes Imagens Utilizadas Banco de Imagens Sedis (Secretaria de Educação a Distância) - UFRN Fotografias - Adauto Harley MasterClips IMSI MasterClips Collection, 1895 Francisco Blvd, East, San Rafael, CA 94901,USA. MasterFile – www.masterfile.com MorgueFile – www.morguefile.com Pixel Perfect Digital – www.pixelperfectdigital.com FreeImages – www.freeimages.co.uk FreeFoto.com – www.freefoto.com Free Pictures Photos – www.free-pictures-photos.com BigFoto – www.bigfoto.com FreeStockPhotos.com – www.freestockphotos.com OneOddDude.net – www.oneodddude.net Stock.XCHG - www.sxc.hu
Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da publicação na Fonte. UFRN/Biblioteca Central “Zila Mamede”

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitor Nilsen Carvalho Fernandes de Oliveira Filho Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral

Secretaria de Educação a Distância- SEDIS
Coordenadora da Produção dos Materiais Célia Maria de Araújo Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Projeto Gráfico Ivana Lima Revisores de Estrutura e Linguagem Eugenio Tavares Borges Marcos Aurélio Felipe Revisora das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva

Andrade, Rubens L. de. Pré-cálculo / Rubens L. de Andrade, Ronaldo F. de Lima. – 248 p. ISBN 85-7273-295-0

Natal, RN : EDUFRN Editora da UFRN, 2006.

Conteúdo: Introdução à linguagem matemática - Os números naturais e os números intereiros. - Frações e números decimais - os números racionais - Os números reais - Polinômios e equações algébricas - Inequações algébricas e intervalos - Funções I - Funções II - Funções polinomiais - Funções afins - funções quadráticas - As funções exponencial e logarítmica - Funções trigonométricas - Funções trigonométricas inversas. 1. Número real. 2. Equação. 3. Função. I. Lima, Ronaldo F. de. II. Título. CDD 512.81 RN/UF/BCZM 2006/ 29 CDU 517.13

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

cosseno e tangente. Estudar as funções seno. Introduzir e demonstrar trigonométricas. estudaremos as principais funções trigonométricas. basta examinar rapidamente um livro qualquer de Física para se perceber a enorme quantidade de fenômenos que são modelados por essas funções. a função cosseno e a função tangente. a função seno. Essas funções. discutiremos as suas propriedades e construiremos os seus gráficos. as chamadas séries de Fourier. descrevendo suas propriedades e construindo os seus gráficos. cosseno e tangente de um número real. pois. esta aula introduzindo os conceitos de seno. especialmente no Cálculo Diferencial e na Análise. o cosseno e a tangente de um número real e calculá-los. devido às suas propriedades. Iniciaremos. as principais relações Aula 14 Pré-Cálculo 1 . definiremos as funções trigonométricas. Finalizaremos demonstrando algumas relações trigonométricas e fazendo uma breve discussão acerca da técnica de redução ao primeiro quadrante. N Objetivos 1 2 3 Definir o seno. Além disso. Uma de suas características marcantes é que uma ampla classe de funções pode ser escrita como uma soma (infinita) de funções trigonométricas.Apresentação esta aula. desempenham um papel fundamental em diversas áreas da Matemática. Em seguida.

o que apenas do ângulo θ (por economia. c 1 = A1 B 1 . A1 . Designamos essas razões por: 2 Aula 14 Pré-Cálculo . obtemos b b1 = a a1 c c1 = a a1 c c1 = . a a b  com sua medida θ . identificamos o ângulo C faremos com freqüência). de lados a1 = CB1 . b = CA. B1    B      a  c        θ b A A1 C Figura 1 Obtemos então os triângulos retângulos ABC . de um Tomemos um ângulo C dos lados.  de medida θ . temos que b1 c1 a1 = = · a b c Daí. pelos pontos A . e A1 B1 C . dependendo. b1 = CA1 . b b1 b c c ou seja. o cosseno e a tangente de um número real Seno. c = AB Como esses triângulos são semelhantes. 0 < θ < 900 e. cosseno e tangente de ângulos Consideremos a seguinte construção. dessa forma. as razões .O seno. tracemos as perpendiculares a este (Figura 1). e independem da posição do ponto A . cujos lados medem a = CB.

Atividade 1 Calcule o seno. o cosseno e a tangente dos ângulos de medidas 30◦ e 60◦ . tenhamos b = c . Generalizemos essas idéias para valores de θ pertencentes ao conjunto dos números reais. que c a c senθ = · = = tg θ . e tg 45◦ = 1 . Observe. Aula 14 Pré-Cálculo 3 . Sugestão: considere um triângulo equilátero e trace a mediatriz de um de seus lados. a c = sen θ (seno de θ). ⇒ √ a = b 2. o triângulo ABC será isósceles e. b Assim. portanto. cosθ a b b Suponhamos agora que. Neste caso. c = b tg θ . a c = tg θ (tangente de θ). bem como de medida negativa. temos que conceituar ângulos de medida maior que 360◦ . √ b 2 sen 45 = cos45 = √ = 2 b 2 ◦ ◦ c = a sen θ. segue-se do Teorema de Pitágoras que a2 = b2 + c2 = 2b2 Assim. na Figura 1.b = cosθ (cosseno de θ). Para isso. θ = 45◦ . ainda. Além disso. temos b = a cos θ.

um ângulo de 720◦ . com o sinal positivo. por exemplo. Consideremos no plano cartesiano de coordenadas (x. um ângulo de 180◦ .Observemos os ponteiros de um relógio. y ) o círculo de raio 1 e centro O = (0. após 15 segundos. o dos segundos. 4 Aula 14 Pré-Cálculo .60 e após um hora e desesseis segundos. após dois minutos. partindo da posição zero? Existem dois sentidos para um movimento de rotação: o sentido em que giram os ponteiros de um relógio e o sentido oposto. o ponteiro terá percorrido um ângulo de 360◦ . um ângulo de 360◦ . e assim por diante. após 60 segundos. no sentido oposto. o ângulo percorrido é de 6◦ ).60 + 90◦ + 6◦ (perceba que a cada segundo. um ângulo de 360◦ . é conveniente tratar a questão da maneira exposta a seguir. isto é. A razão dessa convenção é que este é o sentido de rotação da Terra para um observador que está no pólo norte. Sua equação é x2 + y 2 = 1 . ângulos descritos por movimentos de rotação no sentido dos ponteiros de um relógio são registrados com o sinal negativo e. devemos colocar o sinal “ − ” antes dos valores obtidos. Atividade 2 1 2 Qual o ângulo percorrido pelo ponteiro dos minutos de um relógio entre zero hora da segunda-feira e 15 horas e 45 minutos da quarta-feira seguinte? Qual a posição do ponteiro dos minutos após percorrer um ângulo de 3800◦ . A partir da posição 0 (segundos). Para definir o seno e o cosseno de um valor real qualquer θ (até agora só o fizemos para 0 < θ < 90◦ ). o ponteiro terá percorrido (varrido) um ângulo de 90◦ . após uma hora. Convencionalmente. 0) . após 30 segundos. o ângulo percorrido será de 360◦ + 90◦ = 450◦ . Após 1 minuto e 15 segundos. o qual denotaremos por C . Dessa forma. nos exemplos dados anteriormente.

então. se θ = 90◦ . Note ainda que. 1 tg θ = y · x Então. o ponto P ∈ C determinado por α é o mesmo que o determinado por θ . sen θ y = · x cos θ cos 0◦ = 1 cos 90◦ = 0 cos 180◦ = −1 cos 270◦ = 0 cos 360◦ = 1 sen 0◦ = 0 sen 90◦ = 1 sen 180◦ = 0 sen 270◦ = −1 sen 360◦ = 0 tg 0◦ = 0 tg 180◦ = 0 tg 360◦ = 0 Aula 14 Pré-Cálculo 5 . isto é. 1 sen θ = y . Observe que cada rotação θ de Ox determina um ponto P = (x. para um ângulo θ tal que 0 ≤ θ < 360◦ e que determina em C um ponto P = (x. consideraremos os ângulos determinados por uma rotação da semi-reta Ox em torno da origem. n + θ . então. no caso sentido horário. o cosseno e a tangente no caso 0 < θ < 90◦ e. n ∈ Z. de acordo com a Figura 2. definimos ainda tg θ = Temos. Pela convenção estabelecida. definimos e sen θ = y . se α e θ são tais que α = 360◦ . � P �  • y � θ  �  O x x  y Figura 2 Nesse sistema de coordenadas. o qual é dado pela interseção entre C e a semi-reta obtida dessa rotação (Figura 2). y ) . y ) em C . 270◦ . estes terão medida positiva no caso da rotação ser feita no sentido anti-horário (oposto ao do movimento dos ponteiros de um relógio) e negativa. Da maneira como foram obtidos o seno. temos cos θ = x . cos θ = x Se x = 0 .

(−4) + 210◦ . Para um ângulo qualquer de medida α ∈ R . (−3) − 150◦ = 360◦ . y ) determinado por α e θ é o mesmo. para determinarmos o valor de n . cosθ < 0 .Além disso. (−3) − 360◦ + 210◦ = 360◦ . cosθ > 0 . 6 Aula 14 Pré-Cálculo . sen θ > 0 e tg θ < 0 . Como queremos que o resto seja maior do que zero. escrevemos −150◦ = −360◦ + 210◦ . então. se α = 385◦ . temos que α = 360◦ . Combinando-se essas duas equações. Por exemplo. (−3) − 150◦ . cosθ < 0 . Neste caso. n ∈ Z. é fácil ver que existem θ . 3 + 150◦ ) = 360◦ . 1 + 25◦ . Por outro lado. 0◦ ≤ θ < 360◦ e um inteiro n (positivo ou negativo) tais que α = 360◦ . obtemos α = 360◦ . (−1) + 340◦ . temos que 0◦ < θ < 90◦ 90◦ < θ < 180◦ 180◦ < θ < 270◦ 270◦ < θ < 360◦ ⇒ ⇒ ⇒ ⇒ cos θ > 0 . sen θ < 0 e tg θ > 0 . é natural definirmos cos α = cos θ = x e sen α = sen θ = y . cos(−20◦ ) = cos 340◦ e sen (−20◦ ) = sen 340◦ . primeiro. sen θ > 0 e tg θ > 0 . n + θ . logo. Assim. cos 385◦ = cos 25◦ e sen 385◦ = sen 25◦ . α = 360◦ . sen θ < 0 e tg θ < 0 . dividimos 1230 por 360 e obtemos α = −(360◦ . se α = −20◦ . cos (−1230◦ ) = cos 210◦ e sen (−1230◦ ) = sen 210◦ . Finalmente. Logo. vejamos o exemplo α = −1230◦ . nesse caso. o ponto P = (x. Uma vez que.

Convencionaremos que essa distância é positiva. Uma vez que C tem raio r = 1 . enquanto a de um ângulo de −180◦ é igual a −π .Se α é tal que cos α = 0 . Para convertermos graus em radianos. O valor dessa distância é. o cosseno e a tangente dos ângulos de medidas 405◦ . A conveniência de se usar o radiano como unidade de medida de ângulos é que. A medida de um ângulo em radianos Seja P0 = (1. φ 2π na qual α e φ são. respectivamente. Assim. concluímos que: a medida em radianos de um ângulo é igual ao comprimento do arco que esse ângulo determina no círculo unitário C . Perceba que 1 rad ≈ 57◦ . Por exemplo. 45◦ = π/4 rad e 60◦ = π/3 rad. usamos a proporção α 360 = . a medida em radianos de um ângulo de 360◦ é igual a 2π (que é a medida do comprimento de C ). e negativa. −690◦ e 2580◦ . 0) ∈ R2 . então. se  é o comprimento do arco de um círculo de raio r cujo ângulo central correspondente mede φ radianos. se α < 0◦ . Quando a semi-reta Ox gira de um ângulo de medida α . as medidas em graus e radianos do ângulo em questão. por definição. se α > 0◦ . o ponto P0 percorre sobre o círculo unitário C uma certa distância.  = rφ . definimos ainda tg α = sen α · cos α Atividade 3 Calcule o seno. Aula 14 Pré-Cálculo 7 . a medida do ângulo em radianos (rad).

que é o raio de C ). por definição. √ √  2 2 . 0) . Dessa forma. Por exemplo. o que nos dá . se φ = 0. estaremos numa posição P = (x. chamada de extremidade do percurso. a partir do ponto P0 = (1. O seno. y ). o cosseno e a tangente de um número real O seno e o cosseno de um número real φ são definidos.Atividade 4 Converta 30◦ . a extremidade do percurso é o ponto P = 2 2 √ 2 89π 89π · = = sen cos 2 4 4 8 Aula 14 Pré-Cálculo . damos 11 voltas no círculo C no sentido anti-horário e mais 1/8 de volta (pois π/4 = 2π/8 ). sendo que o percurso é feito no sentido horário. P0 = (1. como o seno e o cosseno do ângulo cuja medida em radianos é φ . percorremos o círculo unitário C no sentido anti-horário até alcançarmos uma distância φ (a unidade de comprimento é a unidade do sistema cartesiano. temos 4 φ = 2π. 0) . a extremidade é. Neste caso. se φ < 0 . Temos então que cos φ = x   e sen φ = y . No final do percurso. o procedimento é o mesmo. não há um percurso propriamente dito.11 + π 4  e. respectivamente. então. 3260◦ e −1234◦ para radianos. isso significa que: se φ > 0 . De acordo com as considerações feitas nos parágrafos anteriores. se φ = 89π .

Nessas condições. π 3π e . definimos 2 2 tg φ = sen φ · cos φ Exemplo 1 Calcule cos Temos que −34π 25π e sen · 3 3 25π 24π + π π = = 8π + · 3 3 3 25π π 1 π = cos = (note que rd = 60◦ ). a extremidade do percurso é a mesma do arco P0 P de comprimento γ (Figura 3). 3 3 2 3 −34π . y ) . cos −34π −36π + 2π 2π = = −12π + · 3 3 3 Aula 14 Pré-Cálculo 9 . qualquer φ ∈ R pode ser escrito na forma φ = 2π. cos φ = cos γ = x Quando γ é diferente de e sen φ = sen γ = y . temos Quanto a 3 Logo. temos que cos φ = 0. n∈Z e 0 ≤ γ < 2π .    P γ •  P  • 0   O x  y Figura 3 Então. Nesse caso.n + γ .De modo geral. se P = (x.

2 Assim. podemos ainda definir a função tangente. 3 3 Atividade 5 Calcule cos 19π −23π −69π . em que −1 ≤ cos φ ≤ 1 . sen : R → [−1. n ∈ Z. 1] φ → cos φ . φ = 2πn ± π 2 . definindo-se então a função cosseno. 1] φ → sen φ . Da mesma forma. fazendo-se D = R − {φ ∈ R. temos a função seno. cosseno e tangente Segue-se das considerações do item anterior que a cada número real φ associa-se o número real cos φ . cos : R → [−1. n ∈ Z} . Observe que cos φ = 0 ⇔ φ = 2πn ± π . R tg : D → φ → tg φ . sen e tg · 2 6 4 As funções seno. 10 Aula 14 Pré-Cálculo . sen −34π 2π = sen = −1 .Dessa forma.

π/2] . a abscissa de P cresce de −1 a 1 . é crescente no intervalo [π. Para isso. temos que a função seno: é crescente no intervalo [−π/2. conforme mostrado na Figura 4. Isso sugere o gráfico da função cosseno. 2π ] . 3π/2] . cos (φ + 2π ) = cos φ . é decrescente no intervalo [π/2. Concluímos. essa configuração repete-se em cada intervalo de comprimento 2π . observemos que quando φ varia de 0 a π . ∀ φ ∈ R . A partir daí. Por outro lado. Aula 14 Pré-Cálculo 11 .Façamos agora um estudo do comportamento da função cosseno. pois. quando φ varia de π a 2π . a abscissa do ponto P ∈ C determinado por φ decresce de 1 a −1 . então. π ] . como se vê facilmente. que a função cosseno: é decrescente no intervalo [0. Figura 4 – Gráfico da função cosseno Analogamente.

π/2) a função seno é crescente e a função cosseno é decrescente. sen (φ + 2π ) = sen φ . φ = 2πn + . a função tangente é crescente. pode-se esboçar o seu gráfico. cos φ 2 Consideremos agora o intervalo (π/2. tg φ1 = sen φ2 sen φ2 sen φ1 > > = tg φ2 . donde se infere que. observemos inicialmente que no intervalo (0. Figura 5 – Gráfico da função seno Quanto à função tangente. dados φ1 . nesse intervalo. Daí. uma vez que tg φ = sen φ π . n ∈ Z . Segue-se que.Além disso. a função tangente é também crescente no intervalo (π/2. enquanto a função cosseno é decrescente e negativa. tem-se cos φ1 < cos φ2 < 0 < sen φ1 < sen φ2 . ∀ φ ∈ R . Logo. 12 Aula 14 Pré-Cálculo . Veja que neste a função seno é decrescente e positiva. φ2 ∈ (π/2. π ) . π ) . conforme mostramos na Figura 5. π ) com φ1 > φ2 . cos φ1 cos φ1 cos φ2 isto é.

Figura 6 – Gráfico da função tangente Note ainda nesse gráfico que.No próximo item. ∀φ = 2πn + π . o comportamento da função tangente repete-se em intervalos de comprimento π . donde se conclui que essa função é crescente em cada intervalo do tipo (α. provaremos que tg (φ + π ) = tg φ . em cada intervalo (α. Logo. com α= π + πn . n ∈ Z . n ∈ Z. Aula 14 Pré-Cálculo 13 . conforme o seu gráfico. ilustrado na Figura 6. β ) . a função tangente varia de −∞ até +∞ . o conjunto-imagem dessa função é R . 2 Assim. β ) . 2 e β = α+π.

chamada de fundamental. os pontos do círculo unitário C determinados por θ e φ . 0). decorre diretamente do teorema de Pitágoras. conforme a Figura 7. P  •• S  Q•  y  O P0 x  •  Figura 7 14 Aula 14 Pré-Cálculo . (1) Essa relação. em que P0 = (1. (3) Demonstração – Suponhamos inicialmente que θ > φ > 0 . denominadas relações trigonométricas. Então. Sendo assim. cos(−φ) = cosφ . cosseno e tangente. São elas: cos2 φ + sen2 φ = 1 . (2) Já essas são verificadas imediatamente a partir das definições. se Q e P são.Relações trigonométricas Vejamos agora as principais fórmulas que relacionam as funções seno. cos(θ − φ) = cosθcosφ + sen θ sen φ . respectivamente. θ − φ é o comprimento do arco P Q . enquanto φ é o comprimento do arco P0 P . temos que θ é o comprimento do arco P0 Q . sen (−φ) = −sen φ .

quando não se tem θ > φ > 0 . y0 ). y1 )] = segue-se que  (x1 − x0 )2 + (y1 − y0 )2 . fazendose φ = π/2 . Por outro lado. tem-se cos (θ + φ) = cos θcos (−φ) + sen θ sen (−φ) = cos θcos φ − sen θ sen φ . sen θ) . das definições de seno e cosseno. cos (θ − π/2) = sen θ . (x1 . (4) Demonstração – Fazendo θ + φ = θ − (−φ) e usando as relações trigonométricas (2) e (3). são facilmente reduzidos a este usando-se as relações trigonométricas dadas em (2) .Tomando-se o arco P0 S de comprimento θ − φ . Logo. P = (cos φ. (5) Essas relações trigonométricas seguem-se diretamente das relações (3) e (4). como desejado. cos (θ + φ) = cos θcos φ − sen θ sen φ . de acordo com a fórmula da distância entre dois pontos. sen φ) e S = (cos (θ − φ). dist[(x0 . Os casos remanescentes. tem-se Q = (cos θ. usando a relação fundamental e simplificando-os. (cos (θ − φ) − 1)2 + sen2 (θ − φ) = (cos θ − cos φ)2 + (sen θ − sen φ)2 . obtémse a relação trigonométrica (3). isto é. sen (θ − φ)) . Desenvolvendo os quadrados. temos que as distâncias entre os pontos P0 e S e os pontos P e Q são iguais. cos (θ + π/2) = −sen θ . Aula 14 Pré-Cálculo 15 .

(a)cos (2θ) = cos2 θ − sen2 θ (d)1 − cos 2θ = 2 sen2 θ (g )sen (θ ± π ) = −sen θ (b)sen 2θ = 2 sen θ cos θ (e)cos (θ ± π ) = −cos θ (h)sen (θ ± 3π/2) = ±cos θ (c)1 + cos 2θ = 2cos2 θ π ) = ± sen θ (f )cos (θ ± 32 (i)tg (θ ± π ) = tg θ 16 Aula 14 Pré-Cálculo . sen (θ + φ) = sen θ cos φ + sen φ cos θ . por (5). (3) e (6). Atividade 6 Demonstre as relações trigonométricas seguintes. (8) Essa relação trigonométrica segue-se diretamente da igualdade θ − φ = θ − (−φ) e das relações (7) e (2) . sen (θ − π/2) = −cos θ . sen (θ − φ) = sen θ cos φ − sen φ cos θ . que sen (θ + φ) = cos ((θ + φ) − π/2) = cos (θ + (φ − π/2)) = = cos θcos (φ − π/2) − sen θ sen (φ − π/2) = = cos θ sen φ − sen θ (−cos φ) = = sen θ cos φ + sen φ cos θ . (6) Demonstração – Das igualdades em (5). temos cos θ = cos (θ +π/2−π/2) = sen (θ +π/2) e −cos θ = −cos (θ − π/2 + π/2) = sen (θ − π/2) . (7) Demonstração – Temos.sen (θ + π/2) = cos θ .

(π. estará no primeiro quadrante. π/2) o primeiro. em consideração aos pontos que estes determinam no círculo unitário C . Dessa forma. π . (π/2. Os arcos notáveis dividem o intervalo [0. 2π ) o quarto. π/2 . existe um real α pertencente ao primeiro quadrante (0. π/2) (ou que é um arco notável). tem-se cos φ = cos θ e sen φ = sen θ . por exemplo. sendo (0. 3π/2 . 3π/2) o terceiro e (3π/2. Se θ é um dos arcos notáveis. Porém. e 2π .Redução ao primeiro quadrante Os números reais 0 . claramente. os quais chamamos quadrantes. De fato. não há nada a ser feito. Suponhamos então que θ esteja em um dos quadrantes. o seno e o cosseno (e. tal que o seno e o cosseno de φ são determinados pelos valores do seno e do cosseno de α . n ∈ Z . Aula 14 Pré-Cálculo 17 . Vejamos agora que: dado um número real qualquer φ . como vimos. Os casos em que θ pertence ao terceiro ou quarto quadrantes são tratados de maneira análoga. são chamados de arcos notáveis . 2π ] em quatro intervalos abertos de comprimento π/2 . 0 ≤ θ < 2π . Além disso. pelas relações trigonométricas (5) e (6). os quais deixamos como exercício. a tangente) de θ ficam determinados pelos valores do seno e do cosseno de α . Neste caso. conseqüentemente. que está no primeiro quadrante. α = θ − π/2 . cos α = cos (θ − π/2) = sen θ e sen α = sen (θ − π/2) = −cos θ . o segundo. φ pode sempre ser escrito na forma φ = 2πn + θ . π ) o segundo.

ROBBINS. 18 Aula 14 Pré-Cálculo . Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna. o cosseno e a tangente de um número real e vimos como calculá-los explicitamente em alguns casos especiais. Herbert. Descreva suas propriedades. O que é matemática?: uma abordagem elementar de métodos e conceitos. numa biblioteca ou na Internet. sobre as funções trigonométricas: secante. descrevemos suas principais propriedades e construímos os seus gráficos. com as funções cosseno. demonstramos as principais relações trigonométricas. Referências CARVALHO.v.Resumo Nesta aula. cossecante e cotangente (que não foram tratadas aqui). Richard. COURANT. 2001. Estudamos as funções seno. comparando-as. 2. 1.ed. Além disso. Auto-avaliação Faça uma pesquisa. Paulo César et al. introduzimos o seno. 2000. A matemática do ensino médio. cosseno e tangente. respectivamente. seno e tangente. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática.