You are on page 1of 4

ROTEIRO DA LEGISLAÇÃO DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO DO RS

1. Lei Estadual nº 10.987, de 11 de agosto de 1997. Estabelece normas sobre sistemas de prevenção e proteção contra incêndios, dispõe sobre a destinação da taxa de serviços especiais não emergenciais do Corpo de Bombeiros e dá outras providências. 2. Decreto Estadual nº 37.380, de 28 de abril de 1997. Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina outras providências. 3. Decreto Estadual nº 38.273, de 09 de março de 1998. Altera as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios, aprovadas pelo Decreto nº 37.380, de 29 de abril de 1997. 4. Portaria nº 064 do EMBM de 18 de novembro de 1999. Regula a aplicação, pelos órgãos de Bombeiros da Brigada Militar, da Lei Estadual nº 10.987 de 11 de agosto de 1997, das normas técnicas de prevenção contra incêndios estabelecidas pela respectiva regulamentação e dá outras providências. 5. Portaria nº. 138 do EMBM de 20 de novembro de 2002. Estabelece o Plano Simplificado de Prevenção e proteção Contra Incêndios. 6. Classificação do risco de incêndio. a. Artigo 6º do Decreto Estadual nº. 37.380/1997; b. IRB - Instituto de Resseguros do Brasil. 7. Ocupação: a. Artigo 6º, § 2º do Decreto Estadual nº. 37.380/1997; b. Tabela 1 da NBR 9.077/2001 (Saídas de emergências em edifícios). 8. Sinalização de proibido fumar: a. Artigo 7º do Decreto Estadual nº. 37.380/1997; b. Lei Federal nº. 9.294 de 15 de julho de 1996. 9. Sistema de extintores de incêndio: a. Artigo 8º do Decreto Estadual nº. 37.380/1997; b. NBR 12.693/2010 (Sistema de proteção por extintores de incêndio); c. NR-23 do Ministério do Trabalho (Proteção contra incêndios); d. Resolução Técnica nº. 002 CCB/1999 (Baixa instruções suplementares ao Decreto nº. 37380/97, alterado pelo Decreto 38273/98, referente a Normas de Prevenção e Proteção Contra Incêndios); e. Instrução Técnica nº. 005 CCB/2002 (Baixa instrução suplementar à aplicação da Lei 10.987, de 11 de agosto de 1997, Decreto 37.380, 28 de Abril de 1997, Decreto 38.273, de 09 de Março de 1998, Art. 8º, do Decreto 37.380, de 28 de Abril de 1997, Art. 8º. §1º, §2º, da NR 23 e NBR 12.693); f. Parecer Técnico nº. 003 da DTPI de 30 de março de 2007 (Exigência de notas fiscais dos extintores ou declaração de propriedade); g. Parecer Técnico nº. 007 da DTPI de 10 de julho de 2008 (Abrigo de extintores e de mangueiras de incêndio em cores diferente da vermelha). 10. Sistema hidráulico de combate a incêndio sob comando: a. Artigo 9º do Decreto Estadual nº. 37.380/1997; b. NBR 11.861/1998 (Mangueira de incêndio - Requisitos e métodos de ensaio); c. NBR 13.714/2000 (Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio); d. Portaria nº. 090 do EMBM de 20 de novembro de 2000 (Espécie de esguicho a ser empregado nos sistemas Tipo 1, 2 e3); e. Resolução Técnica nº 001 CCB/BM/2003 (Instruções suplementares para a utilização de tubulação de cobre para sistemas Tipo 1 ou e risco pequeno, assim classificado pelo IRB); f. Resolução Técnica nº 003 CCB/BM/2003 (Instruções suplementares quanto à pintura da tubulação hidráulica dos sistemas de prevenção contra incêndios); g. Parecer Técnico nº. 007 da DTPI de 10 de julho de 2008 (Abrigo de extintores e de mangueiras de incêndio em cores diferente da vermelha). 11. Sistemas automáticos de combate a incêndio: a. Artigo 10 do Decreto Estadual nº. 38.273/1998; b. NBR 6.125/1992 (Chuveiros automáticos para extinção de incêndios);

Compartimentação: a. Portaria 083 do EMBM de 02 de julho de 2. comissionamento e manutenção de sistemas de detecção e alarme de incêndio . h. Artigo 11 do Decreto Estadual nº. Artigo 13 do Decreto Estadual nº.Requisitos). d. NBR 10. Parecer Técnico nº. NBR 13. NBR 10. Resolução Técnica nº 013 BM-CCB/2007 (Instruções suplementares acerca da exigência de instalação de sistema automático de extinção de incêndio em garagens situadas abaixo do nível da soleira de entrada e com área superior a 500 m²). c. NBR 9. NBR 8. NBR 9.434/2004 Parte 1 e Parte 2 e NBR 13. 38. Artigo 14 do Decreto Estadual nº. Sistema de saída de emergência: a.836/1992 (Detectores automáticos de fumaça para proteção contra incêndio). 13. NBR 12. NBR 11. b.c. Resolução Técnica nº 017/CCB/BM/2012 (Baixa instruções suplementares ao Decreto Estadual 37380/98.077/2001 (Saídas de emergências em edifícios). j.674/2005 (Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndios. conectados a rede e alimentação normal). e. Item 4. d. d.5. g. 38. NBR 9. 16. 001/DTPI/2009 (Alarme de incêndio sem fio).077/2001 (Saídas de emergências em edifícios). 38.273/1998. com água nebulizada para transformadores e reatores de potência). com gás carbônico em transmissores e reatores de potência contendo óleo isolante). 38. 074/EMBM/2000 (Estabelece procedimentos para conexão de alarmes em frações da Brigada Militar e dá outras providências). NBR 17. Sistema de iluminação de emergência: a. Resolução Técnica nº 003 CCB/BM/2003 (Instruções suplementares quanto a pintura da tubulação hidráulica dos sistemas de prevenção contra incêndios). Sistema de sinalização de segurança contra incêndio e pânico: a. f. Sistema de detecção e alarme de incêndio: a. nota "b" da NBR 9. instalação. d.077/2001 (Saídas de emergências em edifícios).273/1998. 15. f. NBR 10. e. Artigo 12 do Decreto Estadual nº. 12.135/1992 (Chuveiros automáticos para extinção de incêndios). NBR 11. NBR 6. . e. b. de eventos e de exibição).742/2003 (Porta corta-fogo para saída de emergência). 38.232/2005 (Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndios.7. f.897/2007 (Sistemas de proteção contra incêndio por chuveiros automáticos – Requisitos). Resolução Técnica nº 002/CCB/BM/2003 (Instruções suplementares para a utilização de blocos autônomos de iluminação de emergência. Resolução Técnica nº 009/CCB/BM/2004 (Instrução suplementar para a instalação de sistemas automáticos de extinção de incêndios). c. referente as normas de proteção contra incêndio para a segurança contra incêndio e pânico em centros esportivos. Artigo 15 do Decreto Estadual nº. e. NBR 11.077/2001 (Saídas de emergências em edifícios). Portaria nº.000 (Exigência de sistema de iluminação de emergência regular). d.898/1999 (Sistema de iluminação de emergência). Resolução Técnica nº 011 CBBM-SPIS/2005 (Instruções suplementares acerca da dispensa da instalação de sistema automático de extinção de incêndio).077/2001 (Saídas de emergências em edifícios).273/1998.2.Requisitos).273/1998. c. b. b.240/2010 (Sistema de detecção e alarme de incêndio .Projeto.898/1999 (Sistema de iluminação de emergência). b.434/05 Parte 3 (Sinalização de segurança contra incêndio e pânico). Resolução Técnica nº 007/CCB/BM/2003 (Instrução suplementar quanto ao emprego da escada à prova de fumaça pressurizada (PFP) em substituição à escada à prova de fumaça (PF)).785/1997 (Barra antipânico . c. NBR 9. i. 14.273/1998.

Decreto Estadual nº. b. d. d. 080 do EMBM de 22 de novembro de 1999 (Estabelece parâmetros técnicos na aplicação da Portaria nº.203/2000 (Caldeiras estacionárias elétricas a vapor – Inspeção de segurança). 38. NBR 11. 18. NR-13 do Ministério do Trabalho (Caldeiras e vasos de pressão). NBR 12. c.177/1999 Parte 1 e Parte 2 (Caldeiras estacionarias a vapor – Inspeção e segurança). Artigo 20 do Decreto Estadual nº. 17. c. b. NBR 15. e.Terminologia). b. NBR 13. envasamento e distribuição de gás liquefeito de petróleo (GLP) . Artigo 21 do Decreto Estadual nº. Resolução Técnica nº. Parte 2.514/07). 38. d. Parte 2 e Parte 3 (Hidrantes urbanos de incêndio). Portaria nº. NR-20 do Ministério do Trabalho (Líquidos combustíveis e inflamáveis). b.419/2005 (Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas). Artigo 19 do Decreto Estadual nº. 38. 23. e. SISTEMA GASPEX – EMMETI. o qual não está contemplado em normas específicas vigentes). Parte 4. 19. Sistema de hidrantes públicos: a. 20. o qual não está contemplado em normas específicas vigentes).273/1998.312/1997 (Estabelece a obrigatoriedade de colocação de hidrantes de combate ao fogo na rede pública de abastecimento de água.273/1998.273/1998. Caldeiras e vasos de pressão: a. Central de GLP: a. composto por tubo de alumínio multicamadas e conexões de prensar. 38. Sistema de proteção contra descargas atmosféricas . NBR 11.636/1989 (Paredes divisórias sem função estrutural – Determinação da resistência ao fogo).Projeto e construção). nos depósitos de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). Líquidos inflamáveis e combustíveis: a.c. 21.273/1998. NBR 10. 38. 014-BM/CCB/2009 (Treinamento de prevenção e combate a incêndios – TPCI). NBR 5.186/2005 (Base de armazenamento. Parte 5.(SPDA): a. padrão SIGAS – TERMOFUSÃO. d. Artigo 5º. Artigo 17 do Decreto Estadual nº. Parte 6 e Parte 7 (Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis). 37. 05 de 26 de fevereiro de 2008 da ANP (Adoção da NBR 15. Parecer Técnico nº. 38. NBR 17. 22. Artigo 16 do Decreto Estadual nº. Artigo 18 do Decreto Estadual nº. Portaria nº. Parecer Técnico nº. Parte 3. . Treinamento pessoal para operação dos sistemas de prevenção e proteção contra incêndios: a.742/2003 (Porta corta fogo para saída de emergência). Resolução Técnica nº 005/CCB/BM/2003 (Instruções suplementares quanto a exigência e procedimentos relativos ao sistema de proteção contra descargas atmosféricas – SPDA). c. b. 001 da DTPI de 19 de janeiro de 2012 (Uso de material alternativo para instalação de redes internas de distribuição de gás combustível. NBR 5. c. b. inciso IV da Portaria 064 EMBM/1999. Resolução nº 04 de 19 de abril de 1989 da Comissão de Energia Nuclear – CNEN (Material radioativo em SPDA).096/2000 (Caldeiras estacionárias aquotubulares e flamotubulares a vapor . Áreas de armazenamento de GLP: a.667/2006 Parte 1. c. 001 da DTPI de 22 de agosto de 2011 (Uso de material alternativo para instalação de sistemas de condução de gás natural – GN e gás liquefeito de petróleo – GLP.505/2006 Parte 1.523/2008 (Central de gás liquefeito de petróleo).273/1998. 027/96/DNC no que tange a instalações hidráulicas sobre comando. NBR 15. b.514/2007 (Área de armazenamento de recipientes transportáveis de gás liquefeito de petróleo (GLP) destinado ou não à comercialização – Critérios de segurança).273/1998. NBR 13.). c. d.

434/2004 Parte 1 (Sinalização de segurança contra incêndio e pânico). Símbolos gráficos para projeto: a. b. NR-19 do Ministério do Trabalho (Explosivos). d. 072 do EMBM de 30 de dezembro de 1999 (Eventos com queima de fogos de artifício).665/2000 (Dá nova redação ao regulamento para a fiscalização de produtos controlados (R-105). 014/BM-CCB/2009. b.987 de 11 de agosto de 1997. 26. Taxas de serviços diversos a. b.714/2000 (Sistema de Hidrantes e de Mangotinhos para combate a incêndio). 088 do EMBM de 02 de julho de 2000 (Acresce alinhas ao inciso IV do ART 5º da Portaria 064 EMBM/99).109 de 19 de dezembro de 1985 (Dispõe sobre taxa de serviços diversos). Formação de brigada de incêndio: a. Portaria nº. . Portaria nº. NBR 15. b. d. 25. Artigo 5º.277/2005 (Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos).100/1998 (Proteção contra incêndio – Símbolos gráficos para projeto). 27.c. Instrução Técnica nº. c. a cerca do treinamento de prevenção e combate a incêndio).219/2005 (Plano de emergência contra incêndio – Requisitos). 24. NBR 14. 8. Explosivos: a. Decreto Federal nº. pelos órgãos de bombeiro da Brigada Militar. da cobrança da taxa de serviços diversos pela prestação de serviços especiais não emergenciais e dá outras providências). Portaria nº. e. 069/EMBM/1999 (Regula a aplicação. inciso IV da Portaria 064 EMBM/1999. 001/BM-CCB/2010 (Baixa instruções complementares a Resolução Técnica nº. 3. NBR 14. Lei Estadual nº. 073 do EMBM de 30 de dezembro de 1999 (Armazenamento e comércio de fogos de artifício). Portaria nº. NBR 13.8 da NBR 13. Item 5. da Lei Estadual nº 10. c.276/2006 (Brigada de incêndio – Requisitos). NBR 14. f.