You are on page 1of 5

DECLARAÇÃO DE MANILA SOBRE O TURISMO MUNDIAL A Conferência Mundial do Turismo Que se celebrou em Manila (Filipinas) de 27 de setembro a 10 de outubro de 1980

, convocada pela Organização Mundial do Turismo, com a participação de 107 delegações de Estados e de 91 delegações de observadores, para esclarecer a natureza autêntica do turismo em todos os seus aspectos e a função que o turismo está destinado a desempenhar em um mundo dinâmico, objeto de mudanças profundas, e para examinar também as responsabilidades dos Estados no desenvolvimento e a expansão do turismo nas sociedades modernas, em sua qualidade de atividade que transcende o domínio puramente econômico das nações e dos povos. Tomando nota com satisfação dos discursos do Excelentíssimo senhor Ferdinand E. Marcos, Presidente da República das Filipinas, e da senhora Imelda Romualdez Marcos, Governadora de Metro-Manila e Ministra de Assentamentos Humanos, assim como das mensagens dos Chefes de Estado e do Governo à Conferencia, das declarações das delegações e do informe do Secretario Geral da Organização Mundial do Turismo. Considerando que o turismo mundial pode desenvolver-se em um clima de paz e segurança que pode alcançar-se mediante o esforço conjunto de todos os Estados para promover a redução da tensão internacional e fomentar a cooperação internacional com um espírito de amizade, respeito dos direitos humanos e compreensão entre todos os Estado. Convencida assim mesmo de que o turismo mundial pode contribuir para a implantação de uma nova ordem econômica internacional que ajude a eliminar o desnível econômico cada vez maior entre países desenvolvidos e países em desenvolvimento, e garanta a aceleração contínua do desenvolvimento e do progresso econômico e social, em particular nos países em desenvolvimento. Consciente de que o turismo mundial somente pode florescer se está baseado na equidade, na igualdade soberana, a não interferência em assuntos internos e a cooperação entre todos os Estados, quaisquer que sejam seus sistemas econômicos e sociais, e se seu objetivo último consiste em melhorar a qualidade de vida e criar melhores condições de vida para todos os povos, de conformidade com as exigências da dignidade humana. Convém declarar, nesta ordem de idéias o seguinte: 1. O turismo se entende como uma atividade essencial da vida das nações, por suas conseqüências diretas para os setores sociais, culturais, educativos e econômicos das sociedades nacionais e para suas relações internacionais em todo o mundo. Seu auge está vinculado ao desenvolvimento socioeconômico das nações e apóia-se no acesso do homem ao descanso criativo e às férias e a sua liberdade de viajar, no contexto do tempo livre e do ócio, cuja natureza profundamente humana sublinha. Sua existência mesmo e seu desenvolvimento estão integralmente vinculados a um estado de paz duradoura, ao qual o turismo, por sua vez, está convocado a contribuir. 2. No umbral do século XXI e diante dos problemas que se colocam à Humanidade parece oportuno e necessário analisar o fato turístico, tendo em conta fundamentalmente a amplitude que chegou a ter desde que a concessão

com os organismos especializados das Nações Unidas e com as demais organizações internacionais interessadas. aos trabalhadores do direito a férias anuais remuneradas fez com que se passasse do âmbito limitado de um prazer de minorias ao âmbito geral da vida social e econômica. conseqüência natural do direito ao trabalho. na Declaração Universal dos Direitos Humanos assim como acolhidos na legislação de muitos Estados. Tal esforço deve conceber-se em harmonia com as prioridades. 7. 8. 9. em cooperação. O papel do turismo na economia nacional e no comércio internacional fazem dele um valioso indicador do desenvolvimento mundial. Implica para a sociedade o dever de criar para o conjunto dos cidadãos as melhores condições práticas de acesso efetivo e sem discriminação a este tipo de atividade. por pertencer ao desenvolvimento da mesma personalidade humana. As aspirações turísticas dos povos interessados. o desenvolvimento do turismo procedente de outros países deve ser acompanhado de um esforço similar para desenvolver o turismo nacional. 6. por meio de seu acesso a férias e às viagens. a ação permanente dos organismos de caráter associativo que representam as diversas camadas da população e a contribuição dos setores técnicos operacionais especializados. Assim. As nações e os grupos de nações deveriam definir e estudar estas limitações com o fim de adotar medidas para atenuar sua influência negativa. Sua função constante na atividade econômica nacional. assim como o reconhecimento de pertencer a uma cultura e a um povo são outras tantas razões imperiosas para facilitar. sua participação no turismo nacional e internacional.3. a infundir uma consciência mais clara da comunidade de interesses e a desenvolver atividades favoráveis para a economia geral do país. a possibilidade de que cada um conheça seu próprio meio. faz do turismo uma exigência que os governos devem ter em conta e devem satisfazer. deram ao turismo moderno um lugar importante no conjunto das atividades humanas. estão reconhecidos. Os Estados reconheceram este fato e a grande maioria confiou à Organização Mundial do Turismo a missão de velar pelo desenvolvimento harmonioso e continuado do turismo. a reafirmação de sua consciência nacional e da solidariedade que o une a seus compatriotas. na medida em que seja real e significativa. . o turismo que praticam os seus habitantes contribui para re-equilibrar a economia nacional mediante a redistribuição das rendas nacionais. A importância que milhões de nossos contemporâneos concedem ao turismo tanto em seu emprego do tempo livre como em sua concepção de qualidade de vida. nas trocas internacionais e no equilíbrio da balança de pagamentos o situa entre os principais ramos da atividade econômica mundial. O direito às férias. a iniciativa legislativa e institucional dos Estados. 5. as instituições e as tradições de cada país. Dentro de cada país. nos casos adequados. não pode constituir o único critério pra determinar o grau de estímulo que os Estados devem atribuir a esta atividade. São muitas as limitações ao desenvolvimento do turismo. A rentabilidade econômica do turismo. 4. O direito ao uso do tempo livre e especialmente o direito de acesso às férias e à liberdade de viagens e de turismo.

No âmbito das tentativas empreendidas em todo o mundo com vistas ao estabelecimento de uma nova ordem econômica internacional. Trata-se de recursos cujo emprego não pode deixar-se a uma utilização descontrolada sem correr o risco de sua degradação. As nações deveriam fomentar melhores condições de emprego para os trabalhadores da atividade turística e confirmar e proteger seu direito à constituição de sindicatos profissionais e para a negociação coletiva. os poderes públicos e os operadores técnicos deveriam participar no desenvolvimento do turismo com a formulação de linhas diretivas que tendam a estimular inversões apropriadas. o turismo é um fator criador de um número considerável de novas atividades. de conhecimento mutuo entre os homens e os povos. na medida em que esta categoria da população dispõe. O turismo moderno nasce da aplicação dessa política social que conduziu à obtenção pelos trabalhadores de férias anuais remuneradas. Como conseqüência. 15. Pela amplitude dos serviços que exige para sua realização. 14. de aumento da capacidade de trabalho das coletividades humanas e de bem-estar individual e coletivo. Deverse-ia conceder a mesma atenção às pessoas da terceira idade e aos deficientes. e de aperfeiçoamento individual. As comunidades nacionais e a comunidade . o grau de desenvolvimento desses países. por sua natureza. Uma política positiva nesta esfera deveria consistir na concessão dos máximos estímulos e facilidades possíveis. nem para os lugares históricos e culturais. e mesmo de sua destruição. Chegou a ser um fator de equilíbrio social. qualquer que seja. 13. Todos os recursos turísticos pertencem ao patrimônio da Humanidade. o turismo. especialmente para os recursos naturais. de renda menos favoráveis para desfrutar de viagens e férias. 18. Nesse sentido. 12. fonte de criação de empregos. o turismo é um fator de equilíbrio social. em condições apropriadas. atração essencial do turismo. 11. uma dimensão cultural e moral que é necessário favorecer e proteger contra os desajustes negativos devido aos fatores econômicos. O turismo adquiriu além de suas conhecidas dimensões quantitativas. bens e valores. O turismo da juventude requer a atenção mais ativa.10. constitui um elemento positivo de progresso social em todos os países onde se pratica. 17. de cooperação. de compreensão mútua e de solidariedade entre todos os países. base de respeito e confiança entre todos os povos do mundo. pode desempenhar um papel positivo de equilíbrio. 16. Por seus efeitos sobre a saúde física e psíquica de quem o pratica. por outro lado. O turismo social é um objetivo que a sociedade deve alcançar para os cidadãos menos favorecidos no exercício de seu direito ao descanso. A satisfação das necessidades turísticas não deve constituir uma ameaça para os interesses sociais e econômicos das populações das regiões turísticas. o turismo aparece como um fator positivo e permanente de conhecimento e de compreensão mutua. Os recursos turísticos de que dispõe os países estão constituídos por sua vez por espaço. a qual equivale por sua vez ao reconhecimento de um direito fundamental do ser humano ao descanso e ao ócio. para o meio ambiente. No contexto das relações internacionais e em relação com a busca de uma paz baseada na justiça e no respeito das aspirações individuais e nacionais.

Na prática do turismo. a integração do turismo nos método de formação da juventude constitui um elemento fundamental de uma educação que favoreça a consolidação permanente da paz.internacional inteira devem desenvolver os esforços necessários para sua preservação. A igualdade de destino dos povos. das férias e das viagens se tornará parte do processo de formação da juventude. a que tenham em conta as orientações. 22. Estes elementos são fundamentalmente os seguintes: a. A cooperação técnica e financeira. A liberação do homem respeitando sua identidade e sua dignidade. A realização plena do ser humano. Seria conveniente que a preparação para a prática do turismo. 19. tanto nacional como internacional. 23. não pode interpretar-se como uma atividade de ajuda. Uma contribuição cada vez maior á educação. A este respeito. culturais e religiosos. contribuam no contexto de suas tarefas diárias. A preparação para o turismo deveria fazer parte da preparação para a responsabilidade cívica dos cidadãos. assim como à Organização Mundial do Turismo. as autoridades se verão cada vez mais obrigadas a prestar uma constante atenção ao desenvolvimento da atividade turística e recreativa nacional e internacional. e. em qualquer circunstância e especialmente em tempos de conflito. c. 24. A conservação dos lugares históricos. sobre os elementos técnicos e materiais devem prevalecer os elementos espirituais. reflexões e recomendações que resultam dos trabalhos da Conferência. já que na realidade constitui o ato por meio do qual se colocam a disposição os meios necessários para a utilização de um bem em benefício de todas as partes. Nesse sentido. Nesse sentido é desejável que os governos apliquem por si mesmos aos meios de educação e de informação de que dispõem e que facilitem a ação dos indivíduos e da entidade que se dedicam a esta tarefa. sobre a base de sua experiência. Toda concepção prospectiva do desenvolvimento social. 21. Ao conceber assim os valores reconhecidos do turismo. b. que hoje forma parte integrante da vida das sociedades nacionais e internacionais modernas. cultural e econômico da Humanidade deveria levar em conta a atividade turística e recreativa. A cooperação internacional em matéria de turismo é uma atividade na qual devem respeitar-se a personalidade dos povos e os interesses fundamentais dos Estados. com o objeto de que. bilateral e multilateral. Convida-se aos Estados e aos demais participantes na Conferência. que tem sua origem na participação cada vez mais ampla da população nas férias e nas viagens. a converter em realidades os . A afirmação da originalidade das culturas e o respeito ao patrimônio moral dos povos. constitui uma das responsabilidades fundamentais dos Estados. com o objetivo de garantir a expansão ordenada do turismo em harmonia com as demais necessidades fundamentais da sociedade. que constituem seus elementos inseparáveis. assim como nas outras muitas causas que motivam o deslocamento dos indivíduos. se confirma de maneira evidente o papel central e decisivo da Organização Mundial do Turismo como elemento de concepção e de harmonização. 20. d.

por meio de seus mecanismos internos e nos casos apropriados em cooperação com outras entidades internacionais intergovernamentais e não governamentais. conceitos e linhas diretivas contidas no presente documento definitivo. . A Conferência apela a Organização Mundial do Turismo que tome todas as medidas necessárias.objetivos que se fixaram com vistas a ampliar o processo de desenvolvimento do turismo mundial e para apontar-lhe um novo impulso. para permitir a aplicação global dos princípios. 25.