You are on page 1of 3

A visita do J.

Eduardo dos Santos e a morte do Nino


Vieira

De repente, duas das antigas colónias passaram a ganhar um peso


inusitado na agenda do governo socratóide e nas demais agências de
mandarins.

a) José Eduardo dos Santos (JES)

O estalajadeiro Cavaco recebeu o “empresário” José Eduardo dos


Santos (JES), incontestado chefe de um gang chamado MPLA mas,
envergando a casaca de presidente de Angola, país de petróleo e
diamantes, onde se morre aos 41 anos, onde 70% da população
sobrevive com um dólar diário e colocado como o 162ª país na escala
da pobreza. O que não é causa dos cabelos brancos do facínora.

A comunidade angolana em Portugal não manifestou qualquer


vibração patriótica com a presença do JES nas proximidades;
distanciou-se do corrupto que, aliás, também a ignorou. Os negócios
do JES e da sua clique não passam pelos angolanos que cá vivem.

Mesmo em Angola há quem se interrogue sobre a razão deste


interesse por Portugal, país atrasado, que nada mais tem para lhes
oferecer, que não empreiteiros que vão para lá contratar trolhas.
Estes críticos estão mal informados pois Portugal, para além de
negreiros, tem … o magalhães!!!

De facto, a China (que tem em Angola 15000 trabalhadores contra


6000 portugueses) e a Espanha têm um papel bem mais relevante e,
no âmbito da lusofonia, o Brasil tem outra dimensão. JES sabe disso
muito bem, como sabe que para guardar em beom recato o seu
pecúlio e o de outros meliantes, trafulhas e traficantes, Portugal é
quase um off-shore, onde se detêm longas amizades e conivências no
PS/PSD, o partido do poder.

Portugal é importante para os negócios de JES e da filhota e utiliza o


nome de Angola para isso, embora não seja pioneiro pois, o seu ex-
vizinho, o defunto Mobutu, fez o mesmo. Portugal é um vazadouro
para aquilo que a África tem de pior.

JES partilha com Amorim uma participação na Galp e, por outro lado,
tem parcerias com as mafias portuguesas; com o PS através do BCP e
da CGD, com o PSD no BIC, com Mira Amaral e no BAI - Banco
Africano de Investimentos (Europa) com ligações ao BPN, onde
acampou uma estrela chamada Tavares Moreira.

É divertido e revelador ver os partidos elogiarem o papel do JES para


a consolidação da democracia (?) em Angola. O PS, que passou à
frente do PSD quanto à influência junto do corrupto MPLA, enterrou a
sua antiga ligação à Unita, se nos recordarmos da visita à Jamba do
chanato de Soares, (perdão, do seu filho João), com queda de avião e
tudo. Hilariante é mesmo ver a Unita ser ludibriada por um célebre
burlão, de sucesso, um tal Vale e Azevedo, morador, impune, numa
mansão de Londres. Tudo boa gente.

Curiosa (ou escandalosa, na opinião dos ingénuos) foi a participação


do PC na missa de acção de graças ao JES. Não sabemos se tal acção
de inscreve na solidariedade própria do tempo em que o MPLA era um
partido irmão e uma filial soviética (JES até tirou o curso na
Lomonosov, a expensas do Estado soviético, que apesar dos seus
detratores, se demonstra ter funcionado como boa escola de …
gestão). Ou, se o gosto pelo JES se deve aos investimentos chineses
em Angola, uma vez que o PCC é um partido irmão.

Referimos ainda a segunda figura do Estado português, o Jaime


Gama, verdadeiro monte de gelatina que esteve ao seu nível, no
beija-mão ao JES, coerente com a consideração manifestada meses
atrás pelo Alberto João, definido como incontornável pilar da
democracia (será que se referiu à Madeira?). Bem longe do tempo em
que o AJJ era equiparado ao Bokassa, anedótico sargento, presidente,
imperador e ditador da República Centro-Africana, que oferecia
diamantes ao presidente francês, Giscard d’Estaing.

Saudamos aqui a posição do BE, que se demarcou daquela litúrgica


palhaçada, reveladora da qualidade do mandarinato nacional.

E, para terminar imaginem o nome que os convivas vão dar à parceria


estratégica entre Angola e Portugal, de acordo com uma nossa
infiltração no gabinete do primeiro-minostro. Vai chamar-se JESUS –
José Eduardo dos Santos Unido a Sócrates.

b) A Guiné-Bissau e o abate do Nino

Depois do anunciado abate do general Tagmé Na, chefe da tropa, de


imediato Nino Vieira foi abatido à catanada, ecologicamente,
revelando-se assim a preocupação dos africanos pela salvaguarda do
ambiente.

O mandarinato português, ficou alarmado com a violência, com todo


aquele cheiro a ajuste de contas entre bandos mafiosos rivais;
acordou a CPLP, organizou uma expedição e lá foram em excursão, de
urgência para Bissau, lembrando os seus antepassados quando
desembarcavam de capacete colonial, calção de caqui e pingalim na
mão à procura do soba. Mesmo que fossemos firmes devotos da
sensibilidade humana dos mandarins lusos, não acreditamos que
tenham ido a Bissau fazer turismo, nem com vocação missionária ou
humanitária, nem ensinar a democracia aos gentios, indígenas ou
nativos, como antes eram chamados os povos colonizados.
De repente, parece que se lembraram que a Guiné-Bissau está no
mapa, que lá vivem 1,5 M pessoas pobres, num país sem estruturas,
com uma economia devastada, uma conveniente ausência de
aparelho de justiça mas, muitos sinais de rápido enriquecimento nos
bairros periféricos da capital e nos carros de luxo que circulam,
naquilo que se revela ser um plágio descarado da cultura empresarial
portuguesa. Com ou sem essa coisa chamada CPLP (também ela anos
atrás atravessada por um caso de corrupção de quadros executivos),
o país mais anedótico da Europa Ocidental (pelo menos…) lá mandou
a tal delegação.

Sabia-se, antes do ajuste de contas ser a Guiné-Bissau placa giratória


do tráfico de droga que, proveniente da América do Sul, passa por ali
e outros países da África Ocidental, pasto da miséria e da corrupção,
sem rei nem roque, com destino à Europa; a Galiza foi subalternizada
como destino da conhecida “rota dos veleiros”, que circulavam a
partir das Caraíbas com a droga a bordo.

Sabia-se, antes do ajuste de contas, (relatório de 2005 do PNUE,


Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) que a Guiné-
Bissau tem sido um destino de dejectos tóxicos e radioactivos da
“civilização” europeia, dada a abertura de alguém para ganhar uns
bons cobres com a infestação do seu território e da sua população.

E isto é e era conhecido por quem, como nós, nunca foi à Guiné-
Bissau. Quanto mais pelos especialistas em diplomacia do croquete
do MNE, chefiados pelo execrável Amado.

Regularmente, sabe-se que as polícias apanham por cá quantidades


bem descritas de droga, que há gente presa mas, curiosamente,
nunca se revelou nenhum nome sonante. No entanto, os off-shores
engordam, as urbanizações de luxo nascem e os seus fogos vendem-
se, apesar da crise.

Foi preciso haver abate de caça grossa para haver reacção oficial do
governo português. Parece que antes, os tráfegos citados decorriam
em boa ordem com dinheiro abundante, sem sobressaltos, nem
publicidade mediática. Afinal tudo parece simples; tudo se resolverá
com a reestruturação das forças armadas guineenses e uns euros
para a eleição do sucessor do Nino.

11/3/2009
WWW.ESQUERDA_DESALINHADA.BLOGS.SAPO.PT