Questão indígena por aí, especulação imobiliária e commmodities absurdas usadas através da ob enção de terras nas regiões do centro oeste

, norte e nordeste desde os anos 80. O fato é que,- e eu conversei com o responsável por políticas públicas do incra em brasíl ia -, houve neste período uma distribuição de terras nessas regiões visando o fomento da agropecuária. Você viaja por esses lugares e vê plantação de soja de um lado e bois do outro. O caso é que a produção econômica do país está ligada a nossa posição de fornecedores, de ali tadores do mercado mundial nas commodities de alimentos. Quanto aos índios, o Estado declara na CF 88, artigos 231 e 232, o uso garantido d as terras e sua inviolabilidade, entretanto coloca ressalvas quanto ao mesmo, aludindo ao art. 174, que prevê a proteção às atividades de g arimpo, entre outras no uso da terra em detrimento ao indígena. Contradição que ocorre agora com os Guarani-Kaiowa. O dinheiro é mecanismo de intermédio entre os indivíduos e no caso dos índios, sabemos q ue não há dinheiro como base de troca. Estive em algumas tribos recentemente e, no tocantins, região centro e no amazonas , na região sul é terrível. A Funai, os senhores de terras e garimpeiros compram os índios com celular, camion ete, todo lixo industrial desta porra que nós produzimos. Envenenam pouco a pouco a pureza deste povo. Você compra 1kg de maconha no amazonas por cem reais com os ínidos, só um exemplo. Os Kaiowa são resistentes, resignados à modernidade e na sua "simplicidade" de pensa mento chegam a conclusões sábias que a luz da ciência ocidental parece ser tão difícil. A distribuição de terras do governo federal na década de 80 para os produtores de soja do RS é o principal ponto nessa questão hoje. Nos tornamos reféns da política econômica do café com leite desde a primeira república. Bem, sem muitas delongas. Caro presidente Lula, o senhor que apareceu como salvador dos índios, que comemoro u seu aniversário dizendo que protegeria este povo ameaçado, como todo o seu partido , é tão hipócrita e se coloca na posição mais estúpida que poderia haver: a de conciliar, am enizar o massacre que esses fdp fazem sobre nós. só pra lembrar que na gestão PT do governo federal a regulamentação de terras indígenas e as políticas do Incra foram as mais baixas em 20 anos. [vide texto] Caso, meus caros, não falar da questão seriamente, isso será apenas especulação. a academia vendida, hipócrita, cretina, chamando voto no PT pra amanhã. Essa é a cris e da educação como um todo, essa é a problemática de nossos dias. Aos que me falam sobre a pós modernidade, sobre o fim da história, e a queda dos par adigmas: vocês não podem ser tão estúpidos assim pra engolir essa babaquisse. O mundo ainda gira pelo dineheiro, você ainda tá fodido [só que tem mais divertimento com a internet]. Mas a porrada tá comendo solta ainda no mundo. E a tendência é controle total sobre as pessoas, levar a produção em série ao extremo, len tamente acabar com as raízes, gêneros, culturas particulares. É isso: pela história, você é sujeito e a inércia é uma bosta. Sexo, drogas e rock and roll encima da gente e um pouco de coragem pra sentar a mão na cara desses imundos e despertar consciência no que podem nossas forças. eu não sou militante de partidos, não sou centro esquerda, nem direita, não sou apolític a também, por que aí já é rir demais da inteligência alheia. O materialismo é método, modo de classificar o mundo, de compreender as estruturas. Há os que me colocam a seguinte questão. Não existe mais classe, nem nada disso. Não existe? Veja o mundo, compare, repense e responda; não existe? A intervenção tem que ser honesta, clara e concreta. A arte ainda pode ser protesto.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful