You are on page 1of 4

Reconto

Vivíamos no séc. XXI, existia algures no Alentejo uma pequena cidade chamada Santiago do Cacém, onde morava uma pobre família, o pai Afonso, e os filhos, Pedro e Beatriz. Esta pequena família tinha um simples negócio na praça da cidade. O filho de Afonso, com o nome de Pedro, era um rapaz alegre e muito vistoso, adorava divertir-se principalmente com a sua namorada Constança e sua irmã Beatriz. Noutra cidade, Lisboa, existia uma família muito rica, o pai Fernando de Castro e a sua filha Inês de Castro que um dia preferiram trocar a grande confusão de Lisboa pela calma do Alentejo. Mudaram-se para Santiago do Cacém. Esta mudança não foi do agrado de Inês, pois ela adorava a tal confusão e o stress do dia-a-dia. Quando chegaram a Santiago, Inês ficou logo apavorada ao ver uma cidade tão pequena. Inês e seu pai foram até à sua nova casa, o castelo de Santiago do Cacém. Numa dia de sol, Inês foi dar uma volta pela cidade adormecida e numa passadeira cruzou-se com Pedro que não apreciava a sesta, os dois paralisaram o olhar um no outro… À noite Inês ficou a pensar em Pedro, acontecendo o mesmo com Pedro. Nessa mesma noite, Pedro foi sair com a sua namorada e aproveitaram para namorar. A irmã de Pedro, Beatriz era uma rapariga alegre e muito disputada pelos rapazes da cidade. Gostava de mostrar o que sabia fazer, adorava dançar e que os outros olhassem para ela, mas nunca tinha tido namorados, pois achava os rapazes da cidade sem personalidade alguma. Até que um dia, estava a trabalhar no negócio da família, quando apareceu um homem nunca antes visto por ali, Beatriz riçou encantada com tanto charme e, claro, por ser muito mais velho que ela. O homem, que por coincidência do destino era o pai de Inês, ficou igualmente encantado por Beatriz, a sua beleza logo o fascinou. Fernando de Castro dirigiu-se para a barraca de vendas onde Beatriz estava, mas apenas fixou o olhar no dela, sem dizer uma única palavra. Beatriz é chamada pelo pai para o ajudar, mas quando volta, já não estava ali Fernando. Enquanto Beatriz estava encantada com Fernando, o seu irmão fazia um esforço para parecer que estava tudo bem entre ele e a sua namorada Constança, quando na verdade, Pedro já não sentia a mesma paixão por ela, pois seu coração, sem saber, já tinha sido roubado por Inês de Castro. Inês de Castro também fazia um esforço para não pensar naquele rapaz que tinha passado por ela imundo e mal cheiroso, mas que ao mesmo tempo era lindo e muito atraente. Todos os dias Inês subia até à torre mais alta do Castelo e sonhava voltar a encontrar Pedro. Num desses dias, Inês voltou a sair do Castelo, o dia parecia estar bom, mas de repente começa a chover e Inês corre agasalhando a cabeça com a sua mala e dá um valente encontrão num rapaz (Pedro) deixando cair a mala.

Pedro de imediato baixou-se para ajudar Inês e, qual não foi o seu espanto, quando na atrapalhação de apanhar a mala, as suas mãos tocaram-se e lentamente os olhares encontraram-se e descobriram-se um ao outro. Levantaram-se ao mesmo tempo, sem nunca se largarem e no meio de tanto desejo as suas bocas tocaram-se realizando um beijo escaldante e muito apaixonado. A chuva parou e os dois fugiram para um sítio que parecia o paraíso. Lá conheceram-se realmente, perguntando tudo aquilo que queriam saber um do outro. Chegou a hora de Inês partir para o Castelo, mas os dois combinaram trocar cartas entre si e Pedro disse-lhe que seria sua irmã Beatriz que as faria chegar até às suas mãos e Inês concordou. As cartas estavam novamente na moda, principalmente entre namorados. Pedro chegou a casa e contou tudo o que se tinha passado à sua irmão Beatriz, mas esta estava longe de imaginar que a amada do seu irmão era filha de um homem que lhe tinha “dado volta à cabeça”. Havia ainda um problema para Pedro resolver, Constança! Com iria ele dizer à namorada que se tinha apaixonado por outra rapariga? No dia seguinte, foi ter com a namorada no sitio do costume e terminou tudo, Constança não aceitou e prometeu vingar-se de Inês, o que não aconteceu pois por causa da atrapalhação que iria provocar na sua cabecinha de menina “bem”! Pedro foi para o trabalho e, quando voltou para casa, escreveu uma primeira carta de amor à sua amada a contar-lhe tudo o que se tinha passado, e pediu a Beatriz que levasse a carta até ao castelo e que a entregasse somente às mãos de Inês, assim fez Beatriz. Nesse dia Beatriz descobriu que era Fernando, um homem rico e pai de Inês, não queria acreditar! Foi quando Beatriz subiu à torre do Castelo para entregar a carta a Inês e se apresentou como irmã de Pedro. Inês dissera-lhe para ter cuidado como o seu pai, pois este podia passar por ali a qualquer momento e foi aí que apareceu Fernando e Beatriz viu que era o mesmo homem por quem ela se apaixonara. Beatriz saiu disparada, sabia que seu pai nunca iria permitir tal coisa, pois era um homem muito preconceituoso. Beatriz chegou a casa e não pensou em mais nada a não ser em Fernando. No dia seguinte, Beatriz lá estava a trabalhar quando, de repente, é puxada para trás da barraca e fica assustada, quando vê que, quem a puxou, foi Fernando. Ali se conhecem, e trocam o primeiro beijo e o primeiro “amo-te”. Beatriz não controlou a vontade de estar com ele, e levou-o ao sítio que ela mais gostava e falaram, beijaram-se… Beatriz partiu, mas antes disso combinaram voltar a encontrar-se no dia seguinte à mesma hora e foi aí que aconteceu o diálogo que torna o amor de Inês e Pedro impossível. Pelas palavras de Fernando, ele nunca deixaria que a sua filha se casasse com um homem pobre, pois queria uma boa vida para ela, coisa que Pedro nunca lhe poderia dar, pois não passava de um simples comerciante… Pedro e Inês sabiam disso e resolveram dormir juntos, para que ela

engravidasse e assim o pai os obrigasse a casar. Numa noite, Pedro subiu até Castelo e passou a noite com Inês, automaticamente Inês engravida, mas acaba ganhar medo de contar ao pai e tenta esconder a barriga que cada vez crescia mais e a Pedro só contou passado um mês, ele não aguentou de tanta felicidade! Também Beatriz ganhou coragem para contar ao pai e ao irmão que estava tendo um caso com um homem mais velho e que esse homem era pai de Inês de Castro e muito rico. Surpreendentemente o seu pai reagiu bem, Beatriz sabia que era porque ele era muito rico. Já Pedro ficou u pouco mais incomodado, mas acabou por apoiar a irmã. Beatriz foi apressadamente ter com Fernando para lhe contar que o seu pai tinha aceitado a sua relação com ele. Fernando ficou muito feliz, pois já podia assumir a sua relação perante toda a gente. Inês continuava sem coragem para admitir a sua gravidez ao pai, e já não havia maneira de esconder a barriga… Inês sentia-se apavorada. Um dia Inês enviou uma carta a Pedro, (agora era mais fácil de comunicarem), pois Beatriz estava muitas vezes no Castelo e era ela que fazia as trocas de cartas. Na carta, pedia para Pedro ir ao Castelo no dia seguinte, porque ela iria contar ao pai da sua gravidez, mas precisava da sua ajuda. Quando chegou à hora de fala com seu pai, Inês estava bastante nervosa, tal como Pedro. O seu pai não percebia o que Pedro estava ali a fazer. Quando Inês disse ao pai que estava apaixonada por Pedro, ele ficou muito zangado e ainda ficou mais transtornado ao saber que Inês esperava um filho. Estava possesso por saber todas aquelas notícias. Fernando ia obrigar Inês e Pedro a casarem-se antes do nascimento da criança. Inês comunicou a notícia a Pedro, o que o deixou muito feliz. Pedro avisou logo que não tinha dinheiro para pagar o casamento e Inês informouo que ficaria tudo por conta do seu pai. O pai de Inês estava completamente desiludido com a filha, mas como não queria escândalos desse tipo na sua família aceitou arcar com as despesas do casamento. Inês andava atarefada com os preparativos do seu casamento, o vestido os convidados, o banquete… Ela queria que tudo corresse bem, tinha de estar tudo perfeito. Pedro não ligava nenhuma a essas coisas, como qualquer homem. Inês, 15 dias antes do casamento, não se andava a sentir bem, sentia-se cansada, mal disposta, mas como estava grávida pensou que era da sua gravidez e não deu muita importância. No dia do casamento o pior acontece. A igreja estava enfeitada, os convidados à espera, Pedro, lindo e deslumbrante, no altar ao lado de Beatriz, ninguém previa o que iria acontecer. Inês chegou à igreja, nunca se tinha visto noiva tão bonita com ela. Todos estavam encantados com tanta beleza. A cerimónia começou, o padre declarou-os “marido e mulher”, beijaram-se e sem mais nem menos Inês cai. No chão, Inês diz as suas últimas palavras,

pois sentia que ia morrer. Pedro chora a sua morte debruçado sobre ela, era uma enorme tristeza, pois tinha perdido a mulher da sua vida e também o seu filho que ainda nem tinha nascido.