You are on page 1of 50

CLAUDE LÉVI-STRAUSS

MITO E SIGNIFICADO

COLETIVO SABOTAGEM

2
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
Para ter acesso a outros títulos libertos das insignificantes convenções do mercado, acesse:
https ://s a bo ta g e m. r ev o lt .o r g

Autor: Claude Levi-Strauss


Título: Mito e Significado
Título Original: Myth and Meaning
Tradução: Antônio Marques Bessa
Data Publicação Original: 1978

Esta obra não possui direitos autorais pode e deve ser reproduzida no todo ou em parte,
além de ser liberada a sua distribuição, preservando seu conteúdo e o nome de seu autor.

3
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
ÍN D I C E

As Con f e rê n c i as Massey de 1977 .................................. 05

Intro d u çã o ...................................................................... 08

I. O Enco n t r o do M i t o e da Ciênc i a ............................... 10

II. Pensa me n t o «Pri m i t i v o » e M e n t e «Ci v i l i z a d a »......... 18

III. Láb i os Rachad os e Gê m e os: a A ná l ise de um M i t o.. 27

I V. Quan d o o M i t o Se Tor na Histó r i a............................ 34

V. M i t o e M ús i c a........................................................... 42

4
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
A S CO N F E R Ê N C I A S M A S S E Y D E 1977

Desde o advento da Ciência, no século XVII, que rejeitamos a


mitologia como um produto das mentes supersticiosas e primitivas.
Contudo, só agora conseguimos ter uma perspectiva mais profunda
e completa da natureza e do papel do mito na história do Homem.
Nestas cinco conferências, o notável antropólogo Claude Lévi-
Strauss oferece penetrantevisão que é fruto de uma vida dedicada a
interpretar os mitos e a tentar descobrir o seu significado para o
entendimento humano.
As palestras intituladas «Mito e Significado», foram
transmitidas no programa Ideas, da Rádio CBC, em Dezembro de
1977, sendo preparadas a partir de uma série de longas conversas
entre o Professor Lévi-Strauss e Carole Orr Jerome, produtora da
secção parisiense da CBC. A realização do programa esteve a
cargo de Geraldine Sherman, diretora de Ideas , e Bernie Lucht foi
responsável pela produção.
As palestras foram desenvolvidas para efeitos de publicação,
acrescentando-se algum material que, pelas limitações de tempo,
não pôde ser utilizado na emissão original. As locuções oratórias
sofreram também uma ligeira revisão, de modo a adaptarem-se às
convenções mais rígidas do texto impresso. Carole Orr Jerome
elaborou as questões a formular ao professor Lévi-Strauss, o que
contribuiu para a forma definitiva das palestras. Os problemas e
temas levantados por Carole foram os seguintes:

5
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
CAPÍTULO 1

Muitos dos seus leitores pensaram que o senhor tenta fazer-


nos voltar ao pensamento mitológico, que tem a idéia de que
perdemos uma coisa muito valiosa e devemos tentar conquistá-la de
novo. Significa porventura esta formulação que devemos pôr de
lado a ciência e o pensamento moderno para regressar ao
pensamento mítico?
Que é o estruturalismo? Como é que chegou à conclusão de
que o pensamento estrutural era uma possibilidade?
É necessário haver ordem e normas para haver significado?
Poderá haver significado no caos? Que pretende dizer quando
afirma que a ordem é preferível à desordem?

CAPÍTULOS II E III

Há escritores que afirmam que o pensamento dos chamados


povos primitivos é inferior ao pensamento científico. Afirmam que é
inferior não por causa do estilo, mas porque, cientificamente
falando, está errado. Como é que compararia o pensamento
«primitivo» com o pensamento «científico».?
Aldous Huxley, na obra The Do o rs of Percepti o n , disse que a
maioria das pessoas apenas usa uma pequena parte dos seus
poderes mentais e que o restante não é praticamente utilizado.
Pensa que com o tipo de vida que temos hoje em dia tendemos a
usar menos as nossas capacidades mentais do que os povos acerca
de quem escreve e que pensam de maneira mitológica?

6
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
A Natureza mostra-nos um mundo variegado e nós tendemos a
fixar-nos mais nas diferenças que nos separam do que nas
semelhanças do desenvolvimento das nossas culturas. Acha que
estamos a caminhar para um ponto em que poderemos começar a
eliminar muitas das divisões que existementre nós?

CAPÍTULO IV

Existe o velho problema de que o investigador altera o objeto


da sua investigação pelo simples fato de estar no local.
Considerando as nossas coletas de histórias míticas, acha que são
elas que têm um significado e uma ordem próprias, ou essa ordem
foi imposta pelos antropólogos que recolheram as histórias?
Qual é a diferença entre a organização conceptual do
pensamento mítico e a da História? A narração mítica de uma
história, lida com fatos históricos, transformando-os e utilizando-os
de outra maneira?

CAPÍTULO V

Pode falar-nos de um modo genérico acerca da relação entre


o mito e a música?
Disse que o mito e a música provêm da linguagem, mas que
evoluem em diferentes direções. Que quer dizer com isto?

7
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
IN T R O D U Ç Ã O

Em b o r a vá falar acerca do que escrev i – os meus livr os, os


meus artig os e outros trabal h o s –, acontece que, infel i z m e n t e,
esqueço o que escrev o quase imed ia ta m e n t e depois de acabar.
Pro va v e l m e n t e, isso trará alguns proble m a s. Crei o, no entanto, que
há algu m a coisa de signi f i c a t i v o no fato de eu nem sequer ter a
sensação de haver escrito os meus livr os. Tenh o, ao contrári o, a
sensação de que os livr os são escritos através de mi m, e, logo que
acaba m de me atravessar, sinto- me vazio e em mi m nada fica.
Estarão lem b r a d os de que eu escrev i que os mitos desperta m
no Ho m e m pensa me n t os que lhe são desco n h e c i d o s. Esta afir m a ç ã o
tem sido muit o debatida e até critica da pelos meus colegas de líng ua
inglesa, porq ue entende m que, de um ponto de vista emp í r i c o, é uma
frase que, em últi m a análise, não possui qualq u er signi f i c a d o. M as
para mi m ela descre ve uma experiê n c i a vi v i d a, porq ue expri m e
precisa m e n te o mod o co m o eu aperceb o a mi n ha própr i a relação
com a mi n h a obra. Ou seja, a min h a obra desperta- me pensa m e n t o s
descon h e c i d o s para mi m.
Nu n ca tive, e ainda não tenho, a percepçã o do senti m e n t o da
min ha identi d a d e pessoal. A p areç o perante mi m mes m o co m o o
lugar onde há coisas que acontece m, mas não há o «Eu», não há o
«mi m ». Cada um de nós é uma espécie de encruz i l h a d a onde
acontece m coisas. As encruz i l h a d as são pura m e n t e passi vas; há algo
que acontece nesse lugar. Outras coisas igual m e n t e váli das
acontece m em outros pontos. Não há opção: é uma questão de
proba b i l i d a d es.
Não pretend o de for m a algu m a estar habil i ta d o a conc l u i r, lá
porq ue penso deste mo d o, que toda a Hu m a n i d a d e pensa també m
desta for m a. M as acho que o mo d o pecul i a r co m o cada investi ga d o r
8
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
e escrito r pensa e escreve abre uma nova perspecti v a acerca da
Hu m a n i d a d e. E o fato de eu, pessoal m e n t e, ter esta idi ossi n c rasia
talvez me habil ite a apontar algu m a coisa de váli d o, enqua nt o o
mo d o co m o pensa m os meus colegas abre diferen tes perspect i v as,
todas elas igual m e n t e válidas.

9
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
I
O E N C O N T R O D O M I T O E D A CI Ê N C I A

Dei x e m- me co me ça r co m uma conf issão pessoal. Há uma


revista que leio fiel m e n t e todos os meses do princ í p i o ao fi m, apesar
de não entende r tudo quanto diz: é o Scientific American. Em p e n h o-
me em estar tão be m info r m a d o quanto possí ve l a respeito de tudo
quanto acontece na ciência mo de r n a e das suas mais recentes
revelaç õ es. Por conseg u i n te, a mi n h a posição para co m a ciência não
é de for m a algu m a negati v a.
Em segun d o lugar, creio que há certas coisas que perde m o s e
que devía m o s fazer um esforç o para as conq u istar de nov o, porq ue
não estou seguro de que, no tipo de mu n d o em que vi ve m o s e co m o
tipo de pensa me n t o cientí f i c o a que esta m os sujeitos, possa m os
recon q u istar tais coisas co m o se nunca as tivésse m o s perdi d o; mas
pode m o s tentar tornar- nos conscie n tes da sua existênc i a e da sua
im p o r tâ n c i a.
Em terceiro lugar, tenho a sensação de que a ciênc ia mo de r n a,
na sua evolu ç ã o, não está se afastan d o destas matérias perdi das, e
que, pelo contrári o, tenta cada vez mais reinteg rá- las no camp o da
explic aç ã o cientí f i c a. O fosso, a separação real, entre a ciênc ia e
aquil o que podería m o s deno m i n a r pensa me n t o mit o l ó g i c o, para
encont rar um no me, emb o ra não seja exata m e n te isso, ocorreu nos
séculos X V I I e X V I I I . Por essa altura, co m Bac o n, Descartes,
Ne w t o n e outros, torno u- se necessári o à ciência levantar- se e
afir m a r- se contra as velhas gerações de pensa m e n t o místi c o e
míti c o, e pensou- se então que a ciência só podia existi r se voltasse
costas ao mu n d o dos sentid os, o mu n d o que ve m o s, cheira m o s,
saborea m o s e percebe m o s; o mun d o sensorial é um mu n d o ilusóri o,

10
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
ao passo que o mun d o real seria um mu n d o de propr i e d a d es
mate m á t i c as que só pode m ser descobertas pelo intelect o e que estão
em contra d i ç ã o total com o teste m u n h o dos sentid os. Este
mo v i m e n t o foi pro va v e l m e n t e necessári o, pois a experiê n c i a
dem o ns t ra- nos que, graças a esta separaçã o – este cis ma, se se quiser
–, o pensa me n t o cientí f i c o enco nt r o u condi ç õ es para se auto-
constit u i r.
Assi m, tenho a imp ressão de que (e, evide nte m e n t e, não falo
com o cientista – não sou físic o, não sou biól o g o, não sou quí m i c o) a
ciênc ia conte m p o r â n e a está no cami n h o para superar este fosso e
que os dados dos sentid os estão sendo cada vez mais reinteg ra d os na
explic aç ã o cientí f i c a co m o uma coisa que tem um signi f i c a d o, que
tem uma verda de e que pode ser expl i c a da.
To m e- se, por exe m p l o, o mu n d o dos cheiros. Nós estáva m o s
habit ua d os a pensar que se tratava de uma coisa co m p l e ta m e n t e
subject i v a e fora do mu n d o da ciênc ia. Pois agora os quí m i c o s estão
habilita d o s a dizer- nos que cada cheir o e cada gosto têm uma
deter m i n a d a co m p os i ç ã o quí m i c a e a expl i c ar- nos por que é que,
subjeti v a m e n t e, certos cheiros e gostos nos parece m ter algu m a
coisa em co m u m , enquant o acha m os outros mui t o diferentes.
To m e m o s outro exe m p l o. Ho u v e na Fil os o f i a, desde o temp o
dos Greg os até aos séculos X V I I I e mes m o X I X – e ainda hoje, em
certo sentid o –, uma discussão tre me n d a sobre a orige m das ideias
mate m á t i c as: a ideia de linha, a ideia de círc u l o, a ideia de triân g u l o.
Ha v ia, funda m e n t a l m e n t e, duas teorias clássicas do m i n a n tes: a
pri m e i r a era a da mente co m o uma tabula rasa, que nada tinha, no
com e ç o, dentro de si; tudo lhe chega v a a partir da experiê n c i a. É por
observa r m o s uma série de objetos redon d o s, nenh u m dos quais
perfeita m e n t e redon d o, que som os capazes, apesar de tudo, de
abstrair a ideia de círc u l o. A segun da teoria clássica remo n t a a
Platão, que defen de u que essas ideias de círcu l o, de triâng u l o, de
linha, eram ideias perfeitas, inatas à mente, e é por existire m na

11
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
mente que somos capazes de as projectar, para o dizer de algu m
mo d o, na realida de, embo ra a reali da de nunca nos ofereça um
círcu l o ou um triâng u l o perfeit os.
At ua l m e n t e, os investi ga d o r es conte m p o r â n e o s no camp o da
neuro f is i o l o g i a da visão ensina m- nos que as células nerv osas da
retina e os outros aparelh os por detrás da retina estão especial i z a d o s:
algu m as células só são sensí ve is à direçã o em linha reta, outras à
direção em sentid o vertica l ou horiz o n ta l ou oblí q u o, e outras, ainda,
apenas são sensíve is à relação entre o fun d o e as figu ras destacadas,
e assim por diante. Assi m – e eu simp l i f i c o demasia d o porq ue é para
mi m muit o co m p l i c a d o expl i ca r tudo isto em inglês –, todo este
prob le m a da experiê n c ia em oposiçã o à mente parece ter uma
solução na estrutu ra do siste ma nerv os o, não na estrutu ra da mente
nem na da experiê n c i a, mas nu m ponto inter m é d i o entre a mente e a
experiê n c i a, no mo d o co m o o nosso siste ma nerv os o está constru í d o
e na mane ira co m o se interp õe entre a mente e a experiê n c i a.
É prov á v e l que haja qualq ue r coisa na prof u n d i d a d e da mi n ha
mente que faça co m que eu semp re tenha sido o que hoje se desig na
por estrutu ra l is ta. A min h a mãe conto u- me que, quand o eu tinha
cerca de dois anos e era obvia m e n t e incapaz de ler, afir m e i que era
de fato capaz de o fazer. E, quand o me pergu n ta ra m porq uê, disse
que, ao olhar para as tabuletas das lojas – por exe m p l o boulanger
(padeiro) ou boucher (talho) –, era capaz de entender qualq ue r coisa
porq ue aquil o que era obvi a m e n t e semel h a n te du m ponto de vista
gráfic o não poderia ter na escrita outro signi f i c a d o senão «bou», a
pri m e i r a sílaba co m u m a boulanger e a boucher. É pro vá v e l que não
haja mu it o mais que isto na aborda ge m estrutu ra l i sta; é a busca de
invaria n tes ou de eleme n t os invar ia n tes entre difere n ças superf i c i a i s.
Esta busca, durante a min h a vida, tem- se revelad o co m o um
interesse predo m i n a n t e. Quan d o era ainda criança, a mi n ha
curios i d a d e centro u- se durante algu m temp o na Geol o g i a. O
prob le m a na Geo l o g i a é també m tentar co m p r ee n d e r o que é

12
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
invaria n te na tre me n d a diversi da de da paisage m, ou seja, reduz i r a
paisage m a um nú mer o finito de dados e operaç ões geol ó g i c as. M a i s
tarde, co m o adolescente, gastei grande parte do meu temp o livre
desenha n d o fatos e cenári os para a ópera. A q u i també m o prob le m a
é exata m e n te o mes m o – tentar expri m i r nu ma ling u a g e m, isto é, na
ling ua ge m das artes gráficas e da pintura, algo que també m existe na
música e no libretto; ou seja, tentar expri m i r a propr i e d a d e
invaria n te de um variad o e co m p l e x o conj u n t o de códi g os (o códi g o
musica l, o códi g o literári o, o códi g o artístic o). O prob le m a é
descob r i r aquil o que é co m u m a todos. É um prob le m a, poder- se-ia
dizer, de tradu çã o, de traduz i r o que está expresso nu ma ling ua ge m
– ou nu m códig o, se se prefer i r, mas ling u a g e m é sufic ie n te – nu m a
expressão de uma ling ua ge m diferen te.
O estrutura l is m o, ou o que quer que se desig ne por este no me,
tem sido considera d o co m o algo co m p l e ta m e n te nov o e
revo l u c i o n á r i o para a altura; ora, isto, segund o penso, é dupla m e n t e
falso. Em pri m e i r o lugar, até no cam p o das hu ma n i d a d es o
estrutura l is m o não tem nada de nov o; pode-se seguir perfeita m e n t e
esta linha de pensa me n t o desde a Renasce nça até ao sécul o X I X e ao
nosso temp o. M as essa ideia també m é errada por outro mot i v o : o
que deno m i n a m o s estrutu ra l is m o no camp o da Li n g u í st i c a ou da
A n tr o p o l o g i a, ou em outras disci p l i n as, não é mais que uma páli da
imitaçã o do que as ciências naturais andara m a fazer desde semp re.
A Ciênc ia apenas tem dois mo d os de proceder: ou é
reduc i o n is ta ou é estrutu ra l ista. É reduc i o n i s ta quan d o descob re que
é possí ve l reduz ir fenô m e n o s mui t o co m p l e x o s, nu m deter m i n a d o
nível, a fenô m e n o s mais sim p l es, noutr os níve is. Por exe m p l o, há
mu itas coisas na vida que pode m ser reduz i d as a processos físic o-
quí m i c o s, que expli ca m parcial m e n t e essas coisas, mas não
total m e n t e. E, quand o somos con fr o n t a d o s co m fenô m e n o s
demasiad o co m p l e x o s para serem reduz i d o s a fenô m e n o s de orde m
inferi o r, só os pode m o s abordar estudan d o as suas relações internas,
isto é, tentan d o co m p ree n d e r que tipo de siste ma orig i n a l for m a m no
13
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
seu conju n t o. Isto é precisa m e n t e o que tenta m o s fazer na
Lin g u ís t i c a, na A n t r o p o l o g i a e em mu it os outros camp o s.
É certo – e va m os persona l i z a r a Natu reza para efeitos de
racioc í n i o – que a Natu re za apenas dispõe de um nú me r o li m i ta d o
de proced i m e n t o s e que os tipos de proced i m e n t o que utili z a a um
certo nível da realida de são susceptí v e i s de aparecer a outros níve is.
O códig o genétic o é um bo m exe m p l o; é sabido que, quan d o os
biól o g o s e os genetic istas experi m e n t a ra m difi c u l d a d es em
descre ve r o que tinha m descobe rt o, não enco nt ra ra m mel h o r soluçã o
que pedir empresta da à Lin g u í s t i c a a sua ling ua ge m, e passar então a
falar de palav ra, de frase, de acento, de sinais de pontua çã o, e assi m
por diante. Não quero dizer que seja a mes ma coisa; é evide nte que
não o é. M as é o mes m o tipo de prob le m a surgi n d o em dois níveis
difere ntes da realida de.
Lo n g e de mi m a idéia de tentar reduz i r a Cult u ra, co m o
dize m o s no nosso calão antro p o l ó g i c o, à Natu re za; contu d o, aquil o
que observa m o s ao nível da cultu ra são fenô m e n o s do mes m o tipo,
se considera d os a partir de um ponto de vista for m a l (não quero de
for m a algu m a dizer em substânc ia). Pode m o s, pelo menos, analisar
ao nível da mente o mes m o prob le m a que obser va m o s na Natu re za,
emb o ra, evide nte m e n t e, o cultura l seja mu i t o mais co m p l i c a d o e
exija um maio r nú me r o de variá v e is.
Não estou tentan d o for m u l a r uma filoso f i a ou mes m o uma
teoria. Desde criança que me senti inco m o d a d o pelo irraci o n a l e,
desde então, tenho tentado enco nt ra r uma orde m por detrás daqui l o
que se nos apresenta co m o uma desorde m. E aconteceu que me
tornei um antro p ó l o g o, não porqu e estivesse interessad o na
A n tr o p o l o g i a, mas porq ue tenta va deixa r a Fil os o f i a. Sucedeu
tam bé m que na estrutu ra acadê m i c a francesa desse temp o, em que a
A n tr o p o l o g i a não se ensina va co m o uma disci p l i n a indepen de n te nas
univ ers i d a d es, era possí ve l a uma pessoa co m for m a ç ã o em Filoso f i a
passar para A n t r o p o l o g i a. Escapei- me para esse cam p o e enfren te i

14
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
ime d iata m e n t e um prob le m a – havia uma grande quanti da d e de
regras de casame n t o em todo o mu n d o que parecia m absol uta m e n te
despro v i d a s de signi f i c a d o, e isso era ainda mais irritante quanto, se
de fato não possuía m signi f i c a d o, deveria então haver regras
difere ntes para cada pov o, emb o ra o nú me r o de regras pudesse ser
mais ou men os finit o. Assi m, se o mes m o absurd o se viesse a repetir
uma e outra vez, e outro tipo de absurd o també m noutro local, então
isso seria uma coisa que nada teria de absurd o; se fosse absurd o não
voltaria a aparecer.
Esta foi a min h a pri m e i r a orientaçã o, e cifro u- se em descob r i r
a orde m por detrás desta aparente desorde m. E quand o, depo is de ter
trabalha d o nos siste mas de parentesco e nas regras de matri m ô n i o,
voltei a min ha atenção, també m por acaso e não por opção, para a
mit o l o g i a, o prob le m a de m o n st r o u ser o mes m o. As histórias de
caráter mito l ó g i c o são, ou parece m ser, arbitrár i as, sem signi f i c a d o,
absurdas, mas apesar de tudo dir-se-ia que reaparece m um pouc o por
toda a parte. U m a criação «fantasi osa» da mente nu m deter m i n a d o
lugar seria obrigat o r ia m e n t e única – não se esperaria enco nt ra r a
mes m a criação nu m lugar co m p l e ta m e n t e diferen te. O meu
prob le m a era tentar descob r i r se havia algu m tipo de orde m por
detrás desta desorde m aparente – e era tudo. Não afir m o que haja
concl us ões a tirar de todo esse materia l.
Segu n d o penso, é absol uta m e n t e imp ossí v e l conce ber o
signi f i c a d o sem a orde m. Há uma coisa mui t o curiosa na semânti ca,
é que a palav ra «signi f i c a d o » é pro va v e l m e n t e, em toda a líng ua, a
pala vra cujo signi f i c a d o é mais difí c i l de enco nt ra r. Que é que
signi f i c a o term o «sign i f i c a r »? Parece-me que a única resposta que
se pode dar é que «sign i f i c a r » signi f i c a a possib i l i d a d e de qual q ue r
tipo de info r m a ç ã o ser tradu z i d a nu ma ling ua ge m diferen te. Não me
refiro a uma líng ua diferen te, co m o o francês ou o alemã o, mas a
difere ntes palav ras nu m nível difere nte. No fi m de contas, esta
tradu çã o é a que se espera de um dici o n á r i o – o signi f i c a d o da
pala vra em outras palav ras que, a um níve l ligeira m e n t e difere nte,
15
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
são iso m ó r f i c as relati v a m e n t e à pala v ra ou à expressão que se
pretende perceber. E porq ue não se pode substitu i r uma palav ra por
qualq u er outra palav ra, ou uma frase por qualq ue r outra frase
(arbitrárias), tem de haver regras de traduçã o. Falar de regras e falar
de signi f i c a d o é falar da mes ma coisa; e, se olhar m o s para todas as
realizaç ões da Hu m a n i d a d e, segui n d o os registr os dispo n í v e i s em
todo o mu n d o, verif i c a re m o s que o deno m i n a d o r co m u m é sempre a
intro d u ç ã o de algu m a espécie de orde m. Se isto representa uma
necessida de básica de orde m na esfera da mente hu ma n a e se a
mente hu ma n a, no fi m de contas, não passa de uma parte do
univ ers o, então quiçá a necessida de exista porq ue há algu m tipo de
orde m no uni ve rs o e o uni ve rs o não é um caos.
O que tenho tentad o dizer até agora é que hou ve um div ó r c i o –
um div ó r c i o necessário entre o pensa me n t o cientí f i c o e aquil o que
eu cha me i a lógica do concret o, ou seja o respeit o pelos dados dos
sentid os e a sua utiliza çã o co m o opostos às image ns, aos sím b o l o s e
coisas do mes m o gênero. Esta m o s agora nu m mo m e n t o em que
pode m o s, quiçá, teste m u n h a r a superação ou a inversã o deste
div ó r c i o, porq ue a ciênc ia mo de r n a parece ser capaz de progre d i r
não só segun d o a sua linha tradic i o n a l – pressio na n d o
contin u a m e n t e para a frente, mas sempre no mes m o canal li m i ta d o –
mas tam bé m, ao mes m o tem p o, alargan d o o canal e reinc o r p o r a n d o
uma grande quanti d a d e de prob le m a s anteri o r m e n t e postos de parte.
Por este moti v o, posso ficar sujeito à críti ca de «cientis m o » ou
que me considere m um crente cego na ciênc ia que a julga capaz de
resol v e r todos os prob le m as. Bo m, real m e n te não creio nisso, porq u e
não conceb o que possa vir um dia em que a ciênc ia esteja co m p l e ta
e acabada. Ha ve rá sempre nov os prob le m a s, e, ao mes m o rit m o co m
que a ciênc ia foi capaz de resol ve r prob l e m as que se consi dera v a m
filosó f i c o s há uma dúzia de anos ou há um sécul o, voltarã o a
aparecer nov os prob le m as que não havia m sido aperceb i d os co m o
tais. Ha v erá semp re um fosso entre as respostas que a ciência está
habilita d a a dar-nos e as novas pergu n tas que essas respostas
16
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
pro v o c a rã o. Portant o, não sou parti dár i o do «cient is m o ». A ciênc ia
nunca nos dará todas as respostas. O que podere m o s tentar fazer é
aume n ta r, lenta m e n te, o nú me r o e a quali da d e das respostas que
esta m os capacita d os para dar, e isto, segun d o penso, apenas o
conseg u i re m o s através da ciênc ia.

17
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
II
PE N S A M E N T O «PR I M I T I V O »
E M E N T E «CI V I L I Z A D A »

A manei ra de pensar dos pov os a que nor m a l m e n t e, e


errada m e n te, cha ma m o s «pri m i t i v o s » –cha m e m o s- lhes antes «po v os
sem escrita», por que, segun d o penso, este é que é o fator
discri m i n a t ó r i o entre eles e nós – tem sido interp retada de dois
mo d os difere ntes, amb os errados na mi n h a opin i ã o. O pri m e i r o
conside ra que tal pensa me n t o é de quali da de mais grosseira do que o
nosso, e na A n t r o p o l o g i a conte m p o r â n ea o exe m p l o que nos ve m
ime d iata m e n t e à ideia é M a l i n o w s k i . A f i r m o , desde já, que tenho a
maio r adm i ra çã o por ele, que o consi de r o um dos mai o res
antro p ó l o g o s e que não pretend o co m esta obser va çã o di m i n u i r- lhe a
sua contri b u i ç ã o para o cam p o da ciênc ia. Cont u d o, M a l i n o w s k i
tinha a sensação de que o pensa me n t o do pov o que estava estuda n d o
– e, de uma maneira geral, o pensa m e n t o de todas as popu la ç õ es sem
escrita que eram o object o de estud o da A n t r o p o l o g i a – era ou é
deter m i n a d o inteira m e n t e pelas necessi da des básicas da vida. Se se
souber que um pov o, seja ele qual for, é deter m i n a d o pelas
necessida des mais simp les da vida –enco nt ra r subsistênc i as,
satisfazer as pulsões sexuais e assi m por diante- , então está-se apto a
explic ar as suas institu i ç õ es sociais, as suas crenças, a sua mito l o g i a
e todo o resto. Esta concep çã o, que se encon tra mu it o difu n d i d a, tem
geral m e n te, na A n t r o p o l o g i a, a desig na çã o de funci o n a l i s m o .
O outro mo d o de encarar o pensa m e n t o «pri m i t i v o » – em lugar
de sublin h a r que e um tipo de pensa me n t o inferi o r, co m o o faz a
pri m e i r a interpretaçã o – afir m a que é um tipo de pensa me n t o
fun da m e n t a l m e n t e difere nte do nosso. Esta aborda ge m à questão
18
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
concreti za- se na obra de Lé v y- Bru h l, que consi der o u que a difere n ça
básica entre o pensa me n t o «pri m i t i v o » – ponh o semp re a palav ra
«pri m i t i v o » entre aspas – e o pensa me n t o mo der n o reside em que o
pri m e i r o é co m p l e ta m e n t e deter m i n a d o pelas representaç õ es
místicas e emoc i o n a is. Enqua n t o a concep çã o de M a l i n o w s k i é
utilitár ia, a de Lév y- Bru h l é uma concep çã o emoc i o n a l ou afecti v a.
Ora, o que eu tenho tentad o mostrar é que de fato o pensa m e n t o dos
pov os sem escrita é (ou pode ser, em mui tas circ u nstâ n c i as), por um
lado, um pensa me n t o desinteressad o – e isto representa uma
difere n ça relati v a m e n t e a Ma l i n o w s k i – e, por outro, um pensa m e n t o
intelect ua l – o que é uma difere n ça em relação a Lé v y- Bru h l.
O que tentei mostrar, por exe m p l o, em Totémisme ou La
Pensée Sauvage, é que esses pov os que considera m o s estare m
total m e n t e do m i n a d o s pela necessida de de não morrere m de fo me,
de se mantere m nu m nível mí n i m o de subsistênc i a, em cond i ç õ es
materiais mu it o duras, são perfeita m e n te capazes de pensa me n t o
desinteressad o; ou seja, são mo v i d o s por uma necessida de ou um
desejo de co m p r ee n d e r o mu n d o que os envo l v e, a sua natureza e a
socieda de em que vive m. Por outro lado, para ating i re m este
object i v o, agem por meios intelect ua is, exata m e n te co m o faz um
filóso f o ou até, em certa medi d a, co m o pode fazer e fará um
cientista.
Esta é a min ha hipótese de base.
M as desde já quero esclarecer um mal- entend i d o. Di ze r que
um mod o de pensa me n t o é desinteressado, e que é um mo d o
intelect ua l de pensar, não signi f i c a que seja igual ao pensa me n t o
cientí f i c o. Evi de n te m e n t e que conti n u a a ser diferen te em certos
aspectos, e que lhe é inferi o r noutr os. E conti n u a a ser difere nte
porq ue a sua finali d a d e é ating i r, pelos mei os mais di m i n u t o s e
econô m i c o s, uma co m p ree nsã o geral do uni ve rso – e não só uma
com p r ee nsã o geral, mas sim total. Isto é, trata-se de um mod o de
pensar que parte do princ i p i o de que, se não se co m p re e n d e tudo,

19
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
não se pode expl ica r coisa algu m a. Isto está inteira m e n t e em
contrad i ç ã o co m o mod o de proceder do pensa m e n t o cientí f i c o, que
consiste em avançar etapa por etapa, tentan d o dar expl i ca ç õ es para
um deter m i n a d o nú me r o de fenô m e n o s e progre d i r, em segui da, para
outros tipos de fenô m e n o s, e assi m por diante. Co m o já disse
Descartes, o pensa me n t o cientí f i c o div i d e a difi c u l d a d e em tantas
partes quantas as necessárias para a resol ve r.
Assi m, esta amb iç ã o totali tá ri a da mente selva ge m é bastante
difere nte dos proced i m e n t o s do pensa me n t o cientí f i c o. Na verdade,
a grande diferen ç a é que esta ambi çã o não tem êxito. Poré m, nós,
por meio do pensa m e n t o cientí f i c o, somos capazes de alcançar o
do m í n i o sobre a Natu re za – creio que não há necessida de de
desen v o l v e r este ponto em concret o, já que isto é sufic ie n te m e n t e
eviden te para todos –, enquant o o mit o fracassa em dar ao ho me m
mais poder materia l sobre o meio. A pesar de tudo, dá ao ho me m a
ilusão, extre m a m e n t e imp o r ta n te, de que ele pode entender o
univ ers o e de que ele entende, de fato, o uni ve rs o. Co m o é evidente,
trata-se apenas de uma ilusão.
De v e m o s notar, no entanto, que, com o pensado res cientí f i c o s,
usa m os uma quanti da d e mu i t o li m i ta d a do nosso poder mental.
Uti l i z a m o s o que é necessári o para a nossa prof issão, para os nossos
negóc i os ou para a situaçã o partic u l a r em que nos encontra m o s
envo l v i d o s na altura. Portant o, se uma pessoa merg u l h a, durante
vinte anos ou mais, na investi ga çã o do mod o co m o opera m os
siste mas de parentesc o e os mit os, util i za essa porção do seu poder
mental. Mas não pode m o s exig i r que toda a gente esteja interessada
precisa m e n te nas mes mas coisas; daí que cada um de nós util i ze
uma certa porção do seu poder menta l para satisfazer as
necessida des ou alcançar as coisas que o interessa m.
Ho je em dia usam os mais – e ao mes m o temp o men os – a
nossa capaci da de mental que no passado. E não se trata
precisa m e n te do mes m o tipo de capaci da d e mental em amb os os

20
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
casos. Por exe m p l o, utiliza m o s conside ra v e l m e n t e men os as nossas
percepç ões sensoria is. Quan d o estava escreven d o a pri m e i ra versão
de Mithologiques, me deparei co m um prob le m a extre m a m e n t e
misteri os o. Parece que havia uma deter m i n a d a tribo que conseg u i a
ver o planeta Vê n us à luz do dia, coisa que para mi m era imp oss í v e l
e inacre d i tá v e l. Pus o proble m a a astrôn o m o s prof issi o n a i s; eles
dissera m- me que efetiv a m e n t e nós não o conseg u i m o s, mas que,
atenden d o à quanti da d e de luz emit i da pelo planeta Vê n u s durante o
dia, não é real m e n te inco n ce b í v e l que algu m a s pessoas o possa m
detectar. M a is tarde consu lte i velh os tratados sobre navega çã o
pertence n tes à nossa própr i a civi l i z a ç ã o, e tudo indica que os
mari n h e i r o s desse temp o eram perfeita m e n t e capazes de ver o
planeta à luz do dia. Prova v e l m e n t e, tam bé m nós sería m o s capazes
de o ver se tivésse m o s a vista treinada.
Passa-se precisa m e n t e o mes m o co m os nossos conhec i m e n t o s
acerca das plantas e dos ani ma is. Os pov os sem escrita têm um
conhec i m e n t o espantosa m e n t e exato do seu mei o e de todos os seus
recursos. Nós perde m o s todas estas coisas, mas não as perde m o s em
troca de nada; estam os agora aptos a guiar um auto m ó v e l sem correr
o risco de serm os esmagad os a qualq ue r mo m e n t o, e ao fi m do dia
pode m o s ligar o rádio ou o telev is o r. Isto imp l i c a um trein o de
capaci da d es menta is que os pov os «pri m i t i v o s » não possue m porq ue
não precisa m delas. Pressinto que, co m o potenc ia l que têm,
poderia m ter mo d i f i c a d o a quali d a d e das suas mentes, mas tal
mo d i f i c a ç ã o não seria adequa da ao tipo de vida que leva m e ao tipo
de relações que mantê m co m a Natu re za. Não se pode m desen v o l v e r
ime d iata m e n t e e ao mes m o temp o todas as capaci da des mentais
hu ma n as. A pe nas se pode usar um setor di m i n u t o, e esse setor nunca
é o mes m o, já que varia em função das culturas. E isto é tudo.
Pro va v e l m e n t e, uma das mu itas concl u s ões que se pode m
extrair da investig aç ã o antro p o l ó g i c a é que a mente hu ma n a, apesar
das diferen ças cultu ra is entre as diversas fracç ões da Hu m a n i d a d e, é

21
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
em toda a parte uma e a mes ma coisa, co m as mes m as capaci d a des.
Creio que esta afir m a ç ã o é aceite por todos.
Não julg o que as culturas tenha m tentad o, siste má t i c a ou
meto d i c a m e n t e, diferen c i a r- se umas das outras. A verdade é que
durante centenas de mil ha res de anos a Hu m a n i d a d e não era
nu me r o sa na Terra e os peque n os grup os existentes vi v ia m isolad os,
de mo d o que nada espanta que cada um tenha desenv o l v i d o as suas
próp r ias caracter íst icas, tornan d o- se diferen tes uns dos outros. M as
isso não era uma finali d a d e sentida pelos grup os. Foi apenas o mero
resulta d o das cond i ç õ es que preva lecera m durante um perío d o
bastante dilatad o.
Chega d os a este ponto, não queria que pensasse m que isto é
um perig o ou que estas diferen ças deveria m ser eli m i n a d as. Na
realida de, as diferen ças são extre m a m e n t e fecun d as. O progresso só
se veri f i c o u a partir das difere n ças. At ua l m e n t e, o desafi o reside
naqui l o que podería m o s cha ma r a super- co m u n i c a ç ã o – ou seja a
tendênc ia para saber exata m e n te, nu m deter m i n a d o ponto do mu n d o,
o que se passa nas restantes partes do Glo b o. Para que uma cultura
seja real me n te ela mes m a e esteja apta para prod u z i r algo de
orig i na l, a cultu ra e os seus me m b r o s têm de estar con ve n c i d o s da
sua orig i n a l i d a d e e, em certa medi d a, mes m o da sua superi o r i d a d e
sobre os outros; é somen te em condi ç õ es de sub-co m u n i c a çã o que
ela pode prod u z i r algo. Ho j e em dia estam os ameaçad os pela
perspecti v a de serm os apenas consu m i d o r e s, indi v í d u o s capazes de
consu m i r seja o que for que venha de qualq ue r ponto do mu n d o e de
qualq u er cultu ra, mas despro v i d o s de qualq ue r grau de
orig i na l i d a d e.
Pode m o s entretant o facil m e n t e conceber uma época futura em
que haja apenas uma cultu ra e uma civ i l i z a çã o em toda a superf í c i e
da Terra. Não creio que isto venha a acontecer, porq ue estão semp re
surgin d o diversas tendênc i as contrad i t ó r i as – por um lado, em
direção à ho m o g e n e i d a d e e, por outro, a fav or de novas

22
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
difere n c ia ç õ es. Quant o mais ho m o g ê n ea se tornar uma civi l i z a ç ã o,
tanto mais visí ve is se tornarã o as linhas internas de separação; e o
que se ganho u a um nível perde- se ime d i ata m e n t e no outro. Esta é
uma crença pessoal, e não tenho pro vas claras que assegure m o
func i o n a m e n t o desta dialéti ca. Mas, na reali da de, não consi g o
entende r co m o é que a Hu m a n i d a d e poderá viver sem algu m tipo de
divers id a d e interna.
Va m o s agora conside rar um mito do Canadá Oci d e n ta l sobre
uma raia que tentou contro l a r ou do m i n a r o Ven t o Sul e que teve
êxito na empresa. Trata- se de uma históri a de uma época anteri o r à
existên c ia do Ho m e m na Terra, ou seja, de um temp o em que os
ho me ns não se diferen c ia v a m de fato dos ani m a i s; os seres era m
meio hu ma n o s e meio ani ma is. Tod os se sentia m mui t o
inco m o d a d o s co m o vento, porq ue os ventos, especial m e n t e os
ventos maus, sopra va m durante todo o temp o, impe d i n d o que eles
pescasse m ou que proc u rasse m conc has co m mo l us c os na praia.
Portant o, decid i ra m que tinha m de lutar contra os ventos, obri ga n d o-
os a co m p o r ta re m- se mais decente m e n t e. Ho u v e uma exped i çã o em
que partic i p a ra m vários ani ma i s hu ma n i z a d o s ou hu ma n os
ani m a l i z a d o s, incl u i n d o a raia, que desem p e n h o u um imp o r ta n te
papel na captura do Ve nt o Sul. Este só foi libertad o depois de
pro m e te r que não voltaria a soprar constante m e n t e, mas só de vez
em quand o, ou só em deter m i n a d o s perío d o s.
Desde então, o Ve nt o Sul só sopra em certos perío d os do ano
ou, então, uma única vez em cada dois dias; durante o resto do
tem p o a Hu m a n i d a d e pode dedicar- se às suas ativ i d a d es.
Bo m, esta história nunca aconteceu na reali da de. Mas a nossa
posição não se pode li m i ta r a consi derar m o s esta história
com p l e ta m e n t e absurda e a ficar m o s satisfeit os ao taxá-la de uma
criação ima g i n o sa de uma mente entreg ue ao delíri o. Te m o s de a
tom ar a sério e fazer a segui n te perg u n ta: porq uê a raia e porq uê o
Vent o Sul?

23
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
Quan d o se estuda mi n u c i o sa m e n te o materia l mit o l ó g i c o na
for m a exata em que é narrad o, veri f i c a- se que a raia atua co m base
em deter m i n a d as característi cas, que são de duas espécies. A
pri m e i r a, é que a raia é um peixe, com o todos os seus congê ne res
espal m a d o s, escorrega d i o por baix o e duro por ci ma. E a outra
característ ic a, que per m i te à raia escapar co m sucesso quan d o tem
de enfrentar outros ani m a is, é que parece mui t o grande vista de
baix o ou de cima e extre m a m e n t e fina vista de lado. U m adversári o
poderia pensar que seria mu it o fácil disparar uma seta e matar uma
raia, por ela ser tão grande; mas, enquant o a seta se diri ge para o
alvo, a raia pode virar- se ou deslizar rapida m e n t e, oferecen d o
apenas o perfi l, que, evide nte m e n t e, é imp oss í v e l de ating i r; e é
assim que pode escapar. Portant o, a razão por que se escolhe u a raia
é que ela é um ani ma l que, consi dera d o de um ou outro ponto de
vista, é capaz de respo n d e r – empre ga n d o a ling u a g e m da
cibernét ic a – em ter m os de «si m» ou «não». É capaz de dois estados
que são descon t í n u o s, um positi v o e o outro negati v o. A funçã o que
a raia dese m p e n h a no mit o é –ainda que, evide nte m e n te, eu não
queira levar as semel ha n ç as de masia d o longe– pareci da co m a dos
eleme nt o s que se intro d u z e m nos co m p u t a d o r es mo der n o s e que se
pode m utiliza r para resol ve r grandes prob l e m as adici o n a n d o uma
série de respostas de «sim » e «não».
A p esar de ser obv ia m e n t e errad o e imp ossí v e l (dum ponto de
vista emp ír i c o) que um peixe possa lutar contra o vento, du m ponto
de vista lógic o pode- se co m p re e n d e r por que razão se utili z a m
imagens tiradas da experiê n c i a. Esta é a orig i n a l i d a d e do
pensa me n t o mit o l ó g i c o – dese m pe n h a r o papel do pensa m e n t o
conce pt u a l: um ani ma l suscetí v e l de ser usado co m o, diria eu, um
operad o r binári o, pode ter, du m ponto de vista lógi c o, uma relação
com um prob le m a que tam bé m é um prob le m a binári o. Se o Ve nt o
Sul sopra todos os dias do ano, a vida torna- se imp oss í v e l para a
Hu m a n i d a d e. M as. se apenas soprar um em cada dois dias – «si m »
um dia, «não» o outro dia, e assi m por diante –, torna- se então
24
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
possí ve l uma espécie de co m p r o m i s s o entre as necessi da des da
Hu m a n i d a d e e as condi ç õ es predo m i n a n t es no mu n d o natura l.
Assi m, du m ponto de vista lógi c o, há uma afini d a d e entre um
ani m a l co m o a raia e o tipo de proble m a que o mito tenta resol ve r.
Du m ponto de vista cientí f i c o, a histór ia não é verdade i ra, mas nós
some nte pude m o s entender esta propr ie d a d e do mit o nu m temp o em
que a cibernéti ca e os co m p u t a d o r es aparecera m no mu n d o
cientí f i c o, dando- nos o conhec i m e n t o das operaç ões binári as, que já
tinha m sido postas em prática de uma manei ra bastante difere nte,
com objetos ou seres concretos, pelo pensa me n t o míti c o. Assi m, na
realida de não existe uma espécie de div ó r c i o entre mit o l o g i a e
ciênc ia. Só o estado conte m p o r â n e o do pensa m e n t o cientí f i c o é que
nos habil ita a co m p r ee n d e r o que há neste mito, perante o qual
per m a n e c ía m o s co m p le ta m e n t e cegos antes de a idéia das operações
binárias se tornar um conce it o fam i l i a r para todos.
Neste mo m e n t o não queria que julgasse m que estou coloca n d o
em pé de igual da de a expli c a çã o cientí f i c a e a expl i ca çã o míti ca. O
que afir m o é que a grandeza e a superi o r i d a d e da expl i c aç ã o
cientí f i c a reside m não só nas realizaç õ es práticas e intelect ua is da
ciênc ia, mas també m no fato, que teste m u n h a m o s cada dia co m mais
clareza, de que a ciênc ia se encont ra não só preparada para expl i ca r
a sua própr ia vali da de co m o també m o que, em certa med i d a, é
válid o no pensa me n t o mit o l ó g i c o. O que é imp o r ta n te é que
com e ça m o s a nos interessar cada vez mais por este aspecto
qualitati v o e que a ciênc ia, que tinha uma mera perspecti v a
quantitat i v a desde o sécul o X V I I até ao sécul o X I X , co me ça a
integrar agora també m os aspectos qualitati v o s da reali da de. Esta
tendênc ia nos habil itará, indu b i ta v e l m e n t e, a entender uma grande
quanti da d e de coisas presentes no pensa me n t o mit o l ó g i c o e que no
passado nos apressáva m o s a pôr de parte co m o coisa careci da de
signi f i c a d o e absurda. E o desen v o l v i m e n t o desta linha nos levará a
ver que entre a vida e o pensa m e n t o não há aquele fosso absol ut o
que foi toma d o co m o uma realida d e concreta pelo dualis m o
25
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
filosó f i c o do século X V I I . Se for m o s levad os a pensar que o que
ocorre na nossa mente é algo em nada diferen te, nem substanc i a l
nem funda m e n t a l m e n t e, do fenô m e n o básico da vida, e se
chegar m o s à conc l usão de que não existe esse tal fosso imp ossí v e l
de superar entre a Hu m a n i d a d e, por um lado, e todos os outros seres
viv os (não só ani ma is, co m o també m plantas), por outro, talvez
então chegue m o s a ter mais sabedo r ia (faland o franca m e n t e) que
aquela que julga m o s possív e l algu m a vez vir a ter.

26
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
III
L Á B I O S R A C H A D O S E GÉ M E O S :
A AN Á L I S E DE U M MI T O

A q u i, o nosso ponto de parti da vai ser uma enig m á t i c a


observa çã o registada por um missi o n á r i o espanh o l, o padre P. J. de
Arr ia g a, nos finais do sécul o X V I , e publ i c a da na sua obra
Extirpación de la Idolatría del Peru (Lima, 162 1). O missi o ná r i o
notou que em certa parte do Peru do seu temp o, nas épocas de frio
mais intenso, o sacerdote con v o c a v a todos os habitantes que se sabia
tere m nascid o co m os pés para a frente, ou que tinha m um lábio
rachad o, ou que fosse m gêmeos. Era m então acusad os de sere m
respo nsá v e is pelo frio, porq ue, dizia- se, tinha m co m i d o sal e
pi me n ta, e ordena v a- se-lhes que se arrepen d esse m e con fessasse m
os seus cri m es.
Ora, que os gême os seja m relaci o n a d o s co m as desorde ns
atm os fé r i cas, é um fato geral m e n te aceite em todo o mun d o,
inclu i n d o o Canadá. É bem sabid o que na costa da Col ô m b i a
britân ic a, entre os índios, pensa va- se que os gê me os tinha m poderes
especiais para orig i n a r o bo m temp o, afastar as tempestades e assi m
por diante. Poré m, não é este o prob le m a que eu queria consi de rar
agora aqui. O que me espanta é que todos os investi g a d o r es do mit o
– por exe m p l o o mit ó g ra f o Sir James Frazer, que cita várias vezes
Arr ia g a – nunca perg u n tasse m por que é que as pessoas co m lábios
rachad os e os gême os, pelo men os em certos aspectos, eram
conside ra d os semel ha ntes. Parece-me que o cerne do proble m a
consiste em descob r i r: porq uê os gême os? Porquê os de lábi os
rachad os? E porq uê associar gême os e lábios rachad os?

27
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
Para resol v e r o prob le m a, temos, co m o às vezes acontece, de
dar um salto da A m é r i c a do Sul para a A m é r i c a do No rte, porq ue
será um mito norte-america n o que nos dará a chave para o mit o da
A m é r i c a do Sul. Crit ic o u- me mu ita gente por este méto d o de
procede r, afir m a n d o que os mit os de uma deter m i n a d a popu l açã o só
pode m ser interp reta d os e entend i d o s no quadr o da cultu ra dessa
mes m a popu laçã o. Há mui tas coisas que posso dizer, em jeito de
resposta, a prop ós it o dessa objeção.
Em pri m e i r o lugar, parece-me bastante óbv i o que, co m o
dem o ns t r o u em anos recentes a cha ma d a Escola de Ber ke le y, a
popu la çã o das A m é r i c as pré-colo m b i a n a s era mu it o mai o r do que se
supun ha. E, co m o era mu i t o mai o r, é óbv i o que estas popu l a ç õ es
estava m de certo mod o em contato umas co m as outras e que as
crenças, as práticas e os costu m es se difu n d i a m . Qual q u e r popu l açã o
estava semp re em posição de saber o que acontec ia na popu la çã o
vizin h a. O segun d o ponto, no caso que estam os aqui a consi derar, é
que estes mitos não existe m isolad os, por um lado no Peru, e por
outro no Canadá, antes surge m repeti da m e n t e nas áreas inter m é d i a s.
Na verdade, são mais mit os pan-ameri ca n os que mit os dispersos por
difere ntes partes do conti ne n te.
Ora, entre os Tup i n a m b á s, os antig os índi os da costa do Brasi l
ao tem p o da descoberta, co m o també m entre os índi os do Peru, há
um mito que fala de uma mul h e r que um indi v í d u o pobre consegu i u
seduz ir de uma maneira tortu osa. A versão mais conhec i d a,
registada pelo mon ge francês A n d ré The ve t no sécul o X V I ,
explic a v a que a mul h e r seduzi d a deu à luz gême os, um deles nascid o
do pai legíti m o , e o outro do sedutor, que é o Bur lã o. A mu l he r ia
encont rar- se co m o deus que seria o seu mari d o, mas no cami n h o
inter vé m o burlão e lhe faz crer que ele é o deus; então ela concebe
do burlão. Quan d o, mais tarde, encontra aquele que deveria ser o
legíti m o mari d o, conce be també m dele, e depo is dá à luz gê me os. E,
uma vez que estes falsos gême os têm difere ntes pais, possue m
característ ic as antitéticas: um é coraj os o e o outro covar de; um dá
28
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
bens aos índi os, enquant o o outro, pelo contrári o, é respo nsá ve l por
uma série de desgraças.
Ac o n t e ce que na A m é r i c a do Norte encontra m o s també m
exata m e n te o mes m o mito, especial m e n te no Nor o este dos Estados
Uni d o s e no Canadá. Toda v i a, em co m p a ra çã o co m as versões sul-
america nas, as pro ve n i e n tes da área do Canadá apresenta m duas
difere n ças imp o r ta n tes. Por exe m p l o, entre os K o o t e n a y, que vive m
nas M o n ta n h as Roch osas, há apenas uma fecun da çã o, a qual tem
com o conseq uê n c ia o nasci m e n t o de gê me os, que mais tarde se
torna m, um, a Lua e, o outro, o Sol. E entre outros índi os da
Colô m b i a britân i ca – os índi os Th o m p s o n e os Oka na ga n – há duas
irmãs que são enganadas aparente m e n t e por dois indi v í d u o s
difere ntes, dando cada uma à luz um filh o; não são real m e n te
gême os, porq ue nascera m de mães difere ntes. M as, dado que
nascera m precisa m e n te de circ u nstâ n c i as semel ha n tes, pelo men os
du m ponto de vista psicol ó g i c o e mora l, são em certo senti d o
semelh a n tes a gême os.
Estas versões são, do ponto de vista que preten d o mostrar, as
mais imp o r ta n tes. A versão dos Tho m p s o n e dos Oka na ga n debil i ta
o caráter gê me o do herói, porq ue os gêmeos não são irmã os, mas
pri m o s. E apenas as circu nstâ n c i as do seu nasci m e n t o são
estreita m e n te paralelas – amb os nascera m em conseq uê n c i a de um
engan o. Cont u d o, a intençã o básica é a mes m a: em parte algu m a
serão os heróis real m e n te gême os: nascera m de pais difere ntes,
mes m o na versão sul-ameri ca na, e têm caracteres opostos,
característ ic as que se revelarã o na sua cond u ta e no co m p o r ta m e n t o
dos seus descende n tes.
Portant o, podería m o s dizer que em todos os casos as crianças
gêmeas, ou que se acredita sere m gêmeas, co m o na versão
K o o te n a y, terão mais tarde aventuras diferen tes, que as separarã o. E
esta div isão entre indi v í d u o s que ao prin c í p i o fora m apresentad os
com o gêmeos, gême os reais ou equi v a l e n tes a gême os, é uma

29
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
característ ic a básica de todos os mitos da A m é r i c a do Sul e do
Norte.
No versão dos Tho m p s o n e dos Oka na ga n há um por m e n o r
mu it o curios o e que é muit o im p o rta n te. Le m b r a m- se de que nessa
versão não existe m gême os de qualq ue r espécie, porq ue se trata de
duas irmãs que viaja m para encon trar, cada uma delas, um mari d o.
Foi- lhes dito por uma avó que elas recon h ec er i a m os seus mari d o s
por tais e tais característ ic as, e elas depo is fora m ambas enganadas
por burlões que encont rara m no seu cami n h o e que as fizera m crer
que eram eles os mari d o s co m que m deveria m casar. Passara m a
noite co m eles e de cada uma delas nasceu depois uma crian ça.
Ora, depois dessa desgraçada noite passada na cabana do
burlão, a irmã mais velha deixa a mais nova e parte para visitar a sua
avó, que é uma cabra de mon ta n h a e també m uma espécie de mag o;
com o já sabe que a sua neta ve m a cami n h o, envia- lhe uma lebre
para lhe dar as boas-vin das na estrada. A lebre escon de u- se debai x o
de um tronc o que tinha caído no mei o do cami n h o e, quan d o a moça
levant o u a perna para passar por ci ma do tronc o, a lebre pôde ver
suas partes genitais e lanço u uma piada mu it o pouc o aprop r i a d a. A
moça fico u furiosa e bateu- lhe co m um pau, fende n d o- lhe o nariz. E
eis a razão por que os ani ma is da fam í l i a lepor i n a têm agora um
nariz rachad o e um lábio superi o r, que nas pessoas se deno m i n a
lábio lepor i n o, por causa desta pecul ia r i d a d e anatô m i c a dos coelh os
e das lebres.
Por outras palav ras, a irmã mais velha co me ça por div i d i r o
corp o do ani ma l; se esta div isão fosse levada até ao fi m – se não
parasse no nariz mas conti n u asse por todo o corp o até à cauda, ela
transf o r m a r i a um indi v í d u o em dois gêmeos, ou seja dois indi v í d u o s
absoluta m e n t e semelh a n tes ou idênti c os, porq ue era m amb os parte
de um todo. A este respeito, é extre m a m e n t e imp o r ta n te descob r i r a
conce pçã o que os Índ i os ameri ca n os, por toda a A m é r i c a,
desen v o l v e r a m acerca da orige m dos gê me os. E o que encontra m o s

30
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
é uma crença geral em que os gê me os são o resultad o de uma
div isão interna dos flui d o s do corp o, que depo is soli d i f i c a m e se
torna m nu ma criança. Por exe m p l o, entre algu ns índi os norte-
america n os a mul h e r grávi d a está proi b i d a de se voltar brusca m e n te
quand o se encontra dor m i n d o na cama, porq ue, se o fizer, os flui d o s
do corp o pode m se div i d i r em duas partes, dando orige m a gême os.
Há també m um mito entre os índi os K w a k i u t l, da ilha de
Van c ô v e r, que se tem de referi r. Di z respeito a uma meni na que toda
a gente odeia por ter o lábio rachad o. A pa rece então uma ogra, uma
mu l he r caniba l sobrenat u ra l, que rouba todas as crianças,
inclus i v a m e n t e a men i na de lábi o rachad o. Põe-nas todas nu ma cesta
para as levar para casa e co mê- las. A men i n a que foi captura da em
pri m e i r o lugar fico u nu ma ponta da cesta e consegue fazer uma
abertura co m uma conc ha que tinha apanha d o na praia. O cesto vai
às costas da ogra e a meni n a consegue saltar e fug i r pri m e i r o que
todas as outras. Ela sai da cesta co m os pés para a frente.
Esta posição da rapari ga de lábi o rachad o é mu i t o simétr i ca
relati va m e n t e à posição da lebre no mito que anteri o r m e n t e
menc i o n e i: agachan d o- se debai x o da heroí na quand o se escon de sob
o tronc o que lhe barra o cami n h o, a lebre está em relação a ela
exata m e n te na mes ma posiçã o co m o se tivesse nascid o da moça co m
os pés para a frente. Veri f i c a m o s deste mo d o que em toda esta
mit o l o g i a há de fato uma relação entre gê me os, por um lado, e o
nasci m e n t o co m os pés para a frente ou posiç ões que,
metaf o r i c a m e n t e falan d o, são idênti cas, por outro. Estes dados
clari f i c a m evide nte m e n t e as cone x õ es de que parti m o s ao consi derar
as relações descritas pelo padre Ar r i a ga, no Peru, entre gê me os,
pessoas que nascera m co m os pés para a frente e pessoas co m lábi os
rachad os.
O fato de o lábio rachad o ser consi dera d o co m o uma
geme i da de incip ie n te pode ajudar- nos a resol ve r um prob le m a que é
fun da m e n t a l para os antrop ó l o g o s que trabal ha m especia l m e n t e no

31
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
Canadá: porq ue é que os índi os Oji b w a e outros grup os da fam í l i a
ling u íst i ca algon k i a n a escol hera m a lebre co m o a mais alta deidade
em que acredita v a m? A p resen tara m- se já várias expl i c aç ões: a lebre
era um ele me n t o imp o r ta n te, mes m o essencial, da sua dieta; a lebre
corre co m grande rapidez, e era um exe m p l o dos talentos que os
índi os deveria m possuir; e assi m por diante. Nen h u m a destas
explic aç ões é sufic ie n te m e n t e con v i n c e n te. M as, se as mi n has
anterio res interpreta ç ões são corretas, me parece mu i t o mais
con v i n c e n t e dizer: 1) entre a fam í l i a dos roedo res, a lebre é o mai o r,
o mais notá ve l, o mais imp o r ta n te, e pode ser toma d a co m o o
representan te da fam í l i a dos roedo res; 2) todos os roedo res exibe m
uma pecul ia r i d a d e anatô m i c a que os torna gême os inci p i e n tes, pois
estão, de certo mo d o, div i d i d o s em duas metades.
Quan d o há gême os, ou até mais crianças, no ventre da mãe, o
mit o reflete nor m a l m e n t e conseq uê n c i as mui t o sérias, porqu e,
mes m o que só haja dois fil h os, as crianças co me ça m a lutar e a
com p e t i r para decid i r que m terá a honra de nascer em pri m e i r o
lugar. E uma delas, a má, não hesita em fazer um corte, se é que
posso falar assi m, para nascer pri me i r o; em vez de seguir o cami n h o
nor m a l, div i de o corp o da mãe a fi m de se escapar para fora dele.
A q u i reside, segun d o penso, a expl i ca çã o para o fato de o
nasci m e n t o co m os pés para a frente ser assi m i l a d o à geme i da de,
pois é no caso de geme i da de que a pressa co m p et i t i v a de uma das
crianças para nascer pri m e i r o destró i a mãe. Ge me i d a d e e
nasci m e n t o co m os pés para a frente são sinais de um parto perig os o
ou de um parto heróic o, porq ue a criança toma rá a inic iati v a e
tornar- se-á uma espécie de herói, um herói assassino em certos
casos; mas de qualq ue r mo d o ela realiza uma façanha mui t o
im p o r ta n te.
Penso que isto expli ca a razão por que em várias trib os se
mata m os gêmeos, be m co m o as crianças que nasce m co m os pés
para a frente.

32
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
O real me n t e imp o r ta n te é que em toda a mit o l o g i a ameri ca na, e
tam bé m na mit o l o g i a do mu n d o inteiro, há deidades ou persona ge ns
sobrenatu ra is que dese m pe n h a m o papel de inter m e d i á r i o s entre os
poderes de cima e a Hu m a n i d a d e em baix o. Pode m ser representa das
de difere ntes manei ras: há, por exe m p l o, persona ge ns do tipo de um
M essias e gême os de caráter celeste. Pode-se ver que o papel da
lebre na mito l o g i a algon k i a n a se enco nt ra precisa m e n te entre o
M essias – ou seja o inter m e d i á r i o únic o – e os gême os de caráter
celeste. A lebre não é um par de gê me os, mas um par de gêmeos
incip ie n te. E m b o r a seja um indi v í d u o co m p l e t o, tem um lábi o
rachad o e está a mei o cami n h o de se tornar em gê me os.
Isto expli ca a razão por que nesta mit o l o g i a a lebre, enquant o
deus, possui um caráter amb í g u o – o que tem preoc u p a d o os
com e n ta d o res e antro p ó l o g o s. Às vezes é uma deidade mu i t o sábia
que tem a seu cargo a orde m do uni ve rs o, outras aparece co m o um
palhaç o ridíc u l o que vai de contrate m p o em contrate m p o. E este fato
tam bé m se poderá entender mel h o r se se expl i c ar a escol ha da lebre
por parte dos Índi os Al g o n k i a n o s por ser um indi v í d u o entre as duas
cond iç õ es: a) uma deidade sing u la r benéfi ca para a Hu m a n i d a d e; e
b) gême os, um dos quais é bo m, e o outro mau. Não estand o ainda
total m e n t e divi d i d a em duas metades, não sendo ainda gême os, as
duas característ ic as opostas pode m per ma n e c er fund i d as nu ma única
e mes m a pessoa.

33
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
IV
Q U A N D O O M I T O SE T O R N A H IS T Ó R I A

O tema apresenta dois prob le m a s para o mito l o g i s ta. O


pri m e i r o é um prob le m a teóric o de grande imp o r tâ n c i a, porq ue,
quand o se exa m i n a o material publ i ca d o na A m é r i c a do Sul, na
A m é r i c a do No rte e em outras partes do mu n d o, parece que esse
material é de duas espécies. As vezes os antrop ó l o g o s recol he ra m
mit os que se asseme l h a m mais ou menos a frag m e n t o s e reme n d o s,
se assim me posso expri m i r. Trata- se de histórias descone x as, que se
segue m umas às outras sem qual q u e r tipo de relaci o n a m e n t o
eviden te entre elas. Outras vezes, co m o na região dos Va u p és, na
Colô m b i a, encontra m- se históri as mit o l ó g i c a s mu it o coerentes, todas
div i d i d as em capítu l o s, que se segue m uns aos outros nu ma orde m
mu it o lógica.
Assi m, chega m o s a uma pergu n ta decisi v a: que signi f i c a d o
têm estas histórias recol h i d as? Pode m signi f i c a r duas coisas
difere ntes. Pode m signi f i c a r, por exe m p l o, que a orde m coerente,
com o uma espécie de saga, é a cond i çã o pri m i t i v a, e, semp re que se
encont re m mitos em ele me n t os descone x o s, há-de tratar- se do
resulta d o de um processo de deteri o raç ã o e desorga n i za çã o; neste
caso, apenas se encont ra m eleme n t os dispersos do que anteri o r m e n t e
foi um todo signi f i c a n te. Pode-se també m apresentar a hipótese de
que o estado descone x o é o arcaico, e que os mitos fora m reuni d os e
postos em orde m por alguns nati v os sabedo res e filóso f o s, que nem
semp re aparece m em toda a parte mas apenas em deter m i n a d o tipo
de sociedade. Te m- se precisa m e n te o mes m o prob le m a co m a
Bíb l ia, porq ue parece que o seu material de base era for m a d o por
eleme nt o s desco ne x o s que depo is fora m reuni d os por fil óso f o s
conhece d o r es para tecer uma história contí n u a. Seria extre m a m e n t e
34
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
im p o r ta n te descob r i r se a situação entre os pov os sem escrita que
fora m estuda d os pelos antro p ó l o g o s é a mes ma que a da Bí b l i a ou
outra co m p le ta m e n t e diferente.
O segun d o proble m a, emb o ra ainda teóric o, é de natureza mais
prática. No passado, diga m o s nos fins do sécul o X I X e nos
prin c í p i o s do século X X , o materia l mito l ó g i c o era recol h i d o
prin c i p a l m e n t e pelos antro p ó l o g o s, isto é, pessoas do exteri o r. Claro
que em muit os casos, e especia l m e n t e no Canadá, eles contara m
com a colab o ra ç ã o de nativ os. Dei x e m- me por exe m p l o citar o caso
de Franz Boas, que tinha um colabo ra d o r k wa k i u t l, Georg e Hu n t (de
fato, ele não era real m e n te k wa k i u t l, porqu e nasceu de pai escocês e
de uma mãe tling it, mas foi criad o entre os K w a k i u l e identi f i c o u- se
com p l e ta m e n t e co m a sua cultura). E, para o estudo dos Tsi m s h i a n,
Boas tinha Henr y Tate, que era um tsi ms h i a n culto, e M a r i u s
Barbea u conto u co m W i l l i a m Ben y o n, que també m era um
tsims h ia n culto. Assi m se assegur o u, desde o co me ç o, a cooperaçã o
nativ a, mas a verdade é que Hu n t, Tate ou Ben y o n trabal ha ra m sob a
direção dos antro p ó l o g o s, ou seja, tornara m- se eles própr i o s també m
antro p ó l o g o s. Con he c ia m, co m certeza, as mel h o res lendas, as
tradiç ões do seu própr i o clã, a sua linha ge r n, mas apesar de tudo
mostra v a m- se igual m e n t e interessad os em obter info r m a ç ã o de
outras fam í l i as, outros clãs, e assi m por diante.
Quan d o olha m o s para este enor m e corpo de mit o l o g i a
amerí n d i a que é o Tsimshian Mythology, de Boas e Tate, ou para os
textos k wa k i u t l colig i d o s por Hu nt, e organ i z a d o s, publ i ca d o s e
tradu z i d o s també m por Boas, encon tra m o s mais ou men os a mes m a
organi za çã o da info r m a ç ã o, porqu e é a reco m e n d a d a pelos
antro p ó l o g o s: por exe m p l o, ao princ í p i o, mitos cos m o l ó g i c o s e
cos m o g ô n i c o s, e depois o materia l que se pode consi derar co m o
tradiçã o lendária e histórias de fa m í l i a.
Co m e ç a d a esta tarefa pelos antro p ó l o g o s, foi depois
desen v o l v i d a pelos Índi os, e para diferentes objeti v o s: por exe m p l o,

35
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
para que a sua líng ua e a sua mito l o g i a seja m ensina das na escola
eleme nta r às crianças índias. Parece-me que hoje em dia isso é mui t o
im p o r ta n te. Outra final i d a d e é util i za r as tradiç ões lendárias para
fun da m e n t a r reiv i n d i c a ç õ es contra os branc os – reiv i n d i c a ç õ es
territo r ia is, reiv i n d i c a ç õ es polít i c as e outras.
Assi m, é extre m a m e n t e imp o r ta n te veri f i c a r se há diferen ças
(e, se hou v e r, que tipo de diferen ças) entre as tradiç ões recol h i d as do
exterio r e as colig i d as do interi o r como se tivesse m sido recol h i d as
do exterio r. De v o dizer que o Canadá tem sorte em que os livr os
sobre a sua mit o l o g i a e tradiç õ es lendárias haja m sido organ i z a d o s e
editados pelos especial istas indí ge nas. Este processo co me ç o u cedo:
há o livr o Legends of Vancouver, por Pauli ne Johnso n, editad o antes
da Pri me i r a Guerra M u n d i a l. Ma is tarde, temos os livr os de Ma r i u s
Barbea u, que não era evide nte m e n te indí ge na, mas que tentou
colig i r material históri c o ou semi- histór i c o, tornan d o- se o porta- voz
dos seus info r m a d o r es nati v o s; prod u z i u, por assi m dizer, sua
próp r ia versão daquela mito l o g i a.
M a is interessantes, mui t íssi m o mais interessantes, são liv ros
com o Men of Medeek, publ i ca d o em K i t i m a t em 1962, que segun d o
se supõe é o relato textua l das pala vras do Che fe Wa l te r W r i g h t, um
chefe tsims h ia n da região do curso méd i o do rio Skeena, relato
colig i d o por outra pessoa, um investi ga d o r de cam p o branc o que
nem sequer era um prof issi o n a l. E ainda mais imp o r ta n te é um livr o
recente do Chefe Ke n n et h Harr is, que també m é um chefe tsi msh i a n,
e publi ca d o por ele em 1974.
Co m este materia l, pode m o s procede r a uma espécie de
experiê n c i a, co m p a ra n d o o materia l recol h i d o pelos antro p ó l o g o s
com o direta m e n te recolh i d o e publ i ca d o pelos Índi os. Não deveria
na verdade dizer «recol h i d o », porq ue em vez de apresentar as
tradiç ões de diversas fam í l i as, diversos clãs, diversas linhage ns,
reuni das e justap ostas umas às outras, o que se vê nos dois livr os é

36
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
real m e n t e a histór ia de uma fam í l i a ou de um clã, publ i ca da por um
dos seus descende n tes.
O prob le m a é este: onde acaba a mito l o g i a e onde co me ça a
Histó r ia? No caso co m p le ta m e n t e nov o para nós de uma Histór i a
sem arqui v o s, sem docu m e n t o s escritos, apenas existe uma tradição
verba l, que aparece ao mes m o temp o co m o Histó r i a. Ora, se
com p a ra r m o s essas duas histór ias, a pri m e i r a obtida na região do
curso méd i o do rio Skeena, do Chefe W r i g h t, e a outra escrita e
publi ca d a pelo Che fe Harris, de uma fa m í l i a da região do curso
superio r do Skeena, da área de Haze lt o n, acaba m o s por encontra r
semelh a n ças e diferen ças. No relato do Che fe W r i g h t temos o que eu
poderia cha ma r a gênese de uma desorde m: toda a históri a tem por
object i v o explic ar co m o, depois do seu co me ç o, um deter m i n a d o
clã, linhage m ou grup o de linha ge ns atravessou uma série de
grandes pro va ç õ es, perío d os de sucessos e perío d o s de fracassos,
cam i n h a n d o progressi v a m e n t e para um fi m desastros o. É uma
história tre me n d a m e n t e pessi m i s ta, na verdade a história de uma
queda. No caso do Chefe Harris, há uma perspect i v a bastante
difere nte, porq ue o livr o parece princ i p a l m e n t e orienta d o para
explic ar a orige m de uma orde m social que era a orde m social
daquele perío d o históri c o, e que ainda é evide nte, se assi m se pode
dizer, nos vários no mes, títul os e pri v i l é g i o s que um deter m i n a d o
indi v í d u o que ocupa um lugar proe m i n e n t e na sua fa m í l i a ou clã
acu m u l o u por herança à sua volta. Tud o se passa co m o se se
projectasse sim u lta n ea m e n t e no écran do presente um sucessão
diacrô n i c a de acontec i m e n t o s para reconsti t u i r, peça por peça, uma
orde m sincrô n i c a que existe e é ilustrada pela lista de no mes e
priv i lé g i o s de um dado indi v í d u o.
Os dois livr os, as duas histórias, são positi v a m e n t e fascina n tes,
e grandes peças do ponto de vista literári o. M as, para o antro p ó l o g o,
o seu princ i p a l interesse está em ilustrar as característ i cas de um tipo
de Histó r ia ampla m e n t e difere nte da nossa. A Histó r i a tal qual a
escreve m o s é pratica m e n t e, e inteira m e n t e, baseada em docu m e n t o s
37
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
escritos, enqua nt o no caso destas duas histórias não há docu m e n t o s
escritos ou, se os hou ve r, são mu i t o pouc os.
Ora, o que me espanta, quan d o os tento co m pa ra r, é que ambos
prin c i p i a m co m o relato de um tem p o míti c o ou talvez históri c o –
não sei se um, se outro, ou quiçá arqueo l ó g i c o seja o mais adequa d o
–, quan d o na região do curso superi o r do Skeena, perto do que agora
é Hazelto n, havia urna grande cidade gire Barbeau referi u co m o
no me de Tenla ha m, narran d o o que aí acontece u. Trata- se
pratica m e n t e da mes m a histór ia em amb os os livr os: expl i c a m que a
cidade foi destru í d a, que os sobre v i v e n t es deixara m o local e
com e çara m a sua peregri n a ç ã o ao long o do Skeena.
Na verdade, isto pode ser um relato histór i c o, mas, se se
analisar mais de perto o mod o co m o o fato é expl i ca d o, veri f i c a- se
que o tipo de acontec i m e n t o é o mes m o, mas que difere quanto aos
por m e n o r es. Por exe m p l o, conf o r m e a versão, na orige m pode estar
uma luta entre duas aldeias ou duas cidades, uma luta que se
desenca de o u por causa de um adultéri o; finas a históri a tem várias
possib i l i d a d es: o mari d o mato u o amante de sua mul h e r, ou os
irmã os matara m o amante da ir mã, ou, ainda, o mari d o mato u a sua
mu l he r porq ue ela tinha um amante. Co m o se vê, temos uma célula
explic at i v a. A sua estrutura básica é a mes m a, mas o conteúdo da
célula já não é o mes m o e pode variar; é, portant o, uma espécie de
min i m i t o, se assi m se pode dizer, porq ue é mui t o curto e mu it o
conde nsad o, mas tem ainda a propr ie d a d e de um mito; na med i da
em que o pode m o s seguir sob diferen tes transfo r m a ç õ es. Quan d o se
transf o r m a um eleme n t o, então os outros eleme n t o s têm de ser
forç osa m e n t e readaptad os às muda n ç as sofri das pelo pri m e i r o. O
que me interessa nestas histórias de clãs é este pri me i r o aspecto.
O segun d o aspecto é que são histórias alta me n te repetiti v as; o
mes m o tipo de ele me n t o pode ser util i za d o diversas vezes, na
explic aç ã o de vários acontec i m e n t o s. Por exe m p l o, é interessante
veri f i c a r que nas histórias da tradiçã o partic u l a r do Chefe W r i g h t e

38
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
da tradição partic u la r do Chefe Harr is se enco nt ra m acontec i m e n t o s
semelh a n tes, mas que não têm lugar no mes m o sítio, que não dize m
respeito às mes mas pessoas e que, pro va v e l m e n t e, não se passa m no
mes m o perío d o históri c o.
O que se desco bre ao ler estes livros é que a oposiçã o – a
oposiçã o sim p l i f i c a d a entre M i t o l o g i a e Histó r i a que estam os
habit ua d os a fazer – não se encont ra bem defi n i d a, e que há um níve l
inter m é d i o. A M i t o l o g i a é estática: encontra m o s os mes m o s
eleme nt o s mito l ó g i c o s co m b i n a d o s de infi n i t as manei ras, mas nu m
siste ma fechad o, contra p o n d o- se à Histó r i a, que, evide nte m e n t e, é
um siste ma aberto.
O caráter aberto da Histó r i a está assegura d o pelas inu m e rá v e i s
mane iras de co m p o r e reco m p o r as células mito l ó g i c as ou as células
explic at i v as, que eram orig i n a r i a m e n t e mito l ó g i c as. Isto dem o nst ra-
nos que, usand o o mes m o materia l, porq ue no fun d o é um tipo de
material que pertence à herança co m u m ou ao patri m ô n i o co m u m de
todos os grup os, de todos os clãs, ou de todas as linhage ns, uma
pessoa pode toda v ia consegu i r elaborar um relato orig i na l para cada
um deles.
O que era engan os o nos antig os relatos antro p o l ó g i c o s era a
mistu ra que se fazia das tradiç ões e crenças pertence n tes a
divers íssi m o s grup os sociais. Isto fez que se perdesse de vista uma
característ ic a funda m e n t a l de todo o materia l – que cada tipo de
Histó r ia pertence a um dado grup o, a uma dada fa m í l i a, a uma dada
linha ge m, ou a um dado clã, e tenta expl i c ar o seu destin o, que pode
ser desgraçad o ou triu n f a l, ou justi f i ca r os direitos e pri v i l é g i o s tal
com o existe m no mo m e n t o presente, ou, ainda, tenta vali da r
reiv i n d i c a ç õ es de direitos que já há mu it o desaparecera m.
Quan d o tenta m o s fazer Histó r i a cientí f i c a, faze m o s porve n t u r a
algo cientí f i c o ou adopta m o s també m a nossa própr i a mit o l o g i a
nessa tentati v a de fazer Histór i a pura? Parece-me mui t o interessante
conside rar o mo d o co m o, quer no No rte quer no Sul da A m é r i c a, e
39
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
na realida d e em todas as partes do mun d o, um indi v í d u o que
recebeu, por direit o e herança, um certo relato da mito l o g i a ou da
tradiçã o lendária do seu própr i o grup o reage ao ouv i r outra versão
difere nte, contada por algué m pertence n te a um clã ou linha ge m
difere nte, a qual é semel h a n te em certa med i d a mas, noutra
perspecti v a, é també m extre m a m e n t e difere nte. Quant o a este ponto,
podería m o s pensar que é imp ossí v e l que dois relatos que não são
idêntic o s, nem o mes m o, possa m ser verda de i r o s ao mes m o temp o,
mas apesar de tudo eles parece m ser aceites co m o verdade em
algu ns casos, co m a única difere n ç a de que um relato é consi dera d o
melh o r e mais por m e n o r i z a d o do que o outro. No u t r os casos, os dois
relatos pode m ser conside ra d os igual m e n t e váli d os, porq ue as
difere n ças entre eles não são perceb i d as co m o tais.
Na nossa vida diária també m não temos consciê n c i a de que nos
encont ra m o s precisa m e n te na mes ma situação relati va m e n t e a
divers os relatos histór ic os, escritos por difere ntes historia d o r es.
Só presta m o s atenção ao que é basica m e n t e semel ha n te, e
esquece m o s as diferen ç as devi d as ao fato de que os histori a d o r es
proc u ra m e interpreta m os dados de for m a substanc i a l m e n t e
difere nte. Assi m, se se tomare m dois relatos de historia d o res, de
difere ntes tradiç õ es intelect ua is e com alinha m e n t o s polít i c o s
divers os, de acontec i m e n t o s co m o a Rev o l u ç ã o A m e r i c a n a, a guerra
Franc o- Inglesa no Canadá ou a Rev o l u ç ã o Francesa, não fica m o s de
fato nada espantad os ao constatar que eles não nos conta m
exata m e n te a mes ma coisa.
Portant o, a mi n h a imp ressão é que, estudan d o cuidad osa m e n t e
esta Histó r ia, no sentid o geral da palav ra, que os autores indí g e n as
conte m p o r â n e o s nos tenta m dar do seu passado, não a consi de ra n d o
com o um relato fantástic o, mas antes investi ga n d o co m bastante
cuidad o, co m a ajuda de uma arqueo l o g i a de salva m e n t o –
escavan d o os sítios referid os nas histór ias –, e tentand o, na medi d a
do possív e l, estabelecer corresp o n d ê n c i as entre difere ntes relatos,

40
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
veri f i c a n d o o que corresp o n d e e o que não corresp o n d e, talvez
possa m o s no fi m deste processo chegar a uma mel h o r co m p r ee nsão
do que é na realida d e a ciênc ia históri c a.
Não ando longe de pensar que, nas nossas socieda des, a
Histó r ia substit u i a M i t o l o g i a e dese m p e n h a a mes m a funçã o, já que
para as socieda des sem escrita e sem arqui v o s a M i t o l o g i a tem por
final i d a d e assegurar, co m um alto grau de certeza – a certeza
com p l e ta é obvia m e n t e im p ossí v e l –, que o futu ro per ma n e ce rá fiel
ao presente e ao passado. Cont u d o, para nós, o futur o deveria ser
semp re diferente, e cada vez mais difere nte do presente, depen de n d o
algu m as diferen ç as, é claro, das nossas preferên c i as de caráter
políti c o. M as, apesar de tudo, o mur o que em certa medi d a existe na
nossa mente entre M i t o l o g i a e Histó r i a pode pro va v e l m e n t e abrir
fendas pelo estud o de Histó r i as conceb i d as não já co m o separadas
da M i t o l o g i a, mas co m o uma conti n u a çã o da mit o l o g i a.

41
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
V

MITO E MÚSIC A

A relação entre mito e música, em que tanto insisti na parte


inicia l de Le Cru et le Cuit e també m na parte final de L’Homme, é
talvez o tema que deu orige m à mai o r parte dos mal- entend i d o s,
especial m e n t e no mu n d o de líng ua inglesa, mas també m em França,
porq ue se pensava que essa relação era bastante arbitrár ia. Eu, pelo
contrár i o, tinha a ideia de que não havia uma única relação, mas dois
tipos de relação – uma de simi l a r i d a d e e outra de conti g u i d a d e – e
de que, na realida de, eles eram de fato o mes m o. M as não
com p r ee n d i ime d iata m e n te esta relação, e foi a relação de
sim i la r i d a d e que me cha m o u em pri m e i r o lugar a atenção. Tentarei
explic ar co m o isso se passou.
Relati v a m e n t e ao aspecto da simi l a r i d a d e, a mi n h a con v i c ç ã o
era que, tal co m o sucede nu ma partitu ra musi cal; é imp ossí v e l
com p r ee n d e r um mit o co m o uma sequên c i a contí n u a. Esta é a razão
por que deve m o s estar conscie ntes de que se tentar m o s ler um mit o
da mes ma maneira que lem os uma novela ou um artig o de jornal, ou
seja linha por linha, da esquerda para a direita, não podere m o s
chegar a entende r o mito, porq ue temos de o apreender co m o uma
totalid a d e e desco br i r que o signi f i c a d o básico do mito não está
ligad o à sequênc ia de aconteci m e n t o s, mas antes, se assi m se pode
dizer, a grup os de acontec i m e n t o s, ainda que tais aconteci m e n t o s
ocorra m em mo m e n t o s diferen tes da Histó r i a. Portant o, temos de ler
o mito mais ou men os co m o lería m o s uma partit u ra musica l, pond o
de parte as frases musica is e tentand o enten der a pági na inteira, co m
42
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
a certeza de que o que está escrito na pri m e i r a frase musi ca l da
página só adquire signi f i c a d o se se consi de ra r que faz parte e é uma
parcela do que se enco nt ra escrito na segund a, na terceira, na quarta
e assim por diante. Ou seja, não só temos de ler da esquerda para a
direita, mas simu lta n ea m e n t e na verti ca l, de ci ma para bai x o. Te m o s
de perceber que cada página é uma totali da de. E só consi de ra n d o o
mit o co m o se fosse uma partit u ra orquestral, escrita frase por frase, é
que o pode m o s entender co m o uma totali da de, e extrai r o seu
signi f i c a d o.
Co m o é que isto acontece e porq uê? Na mi n h a opin iã o, é o
segun d o aspecto, o aspecto da conti g u i d a d e, que nos dá a chave para
este prob le m a.
Na verdade, foi só quand o o pensa m e n t o mito l ó g i c o, não digo
se dissip o u ou desapareceu, mas passou para segun d o plano no
pensa me n t o ocide ntal da Renascen ça e do sécul o X V I I I , que
com e çara m a aparecer as pri m e i r as novel as, em vez de histórias
ainda elabora das segun d o o mode l o da mito l o g i a. E foi precisa m e n t e
por essa altura que teste m u n h a m o s o apareci m e n t o dos grandes
estilos musica is, característ i c os do sécul o X V I I e, princ i p a l m e n t e,
dos séculos X V I I I e X I X .
Foi co m o se a música mu dasse co m p l e ta m e n t e a sua for m a
tradic i o n a l para se apossar da funçã o –fun çã o intelect u a l e també m
emot i v a que o pensa me n t o mito l ó g i c o aband o n o u mais ou menos
nessa época. Quan d o falo de músi ca, devia, co m certeza, quali f i c a r o
term o. A música que assu m i u a funçã o tradic i o n a l da mito l o g i a não
é um deter m i n a d o tipo de músi ca, mas a músi ca tal co m o surgi u na
civ il i z a ç ã o ocide nta l, nos pri m e i r o s quartéis do século X V I I , co m
Fresco ba l d i, e nos pri m e i r o s anos do século X V I I I , co m Bach,
música que ating i u o seu má x i m o desen v o l v i m e n t o co m M o z a rt,
Beeth o v e n e Wa g n e r, nos sécul os X V I I e X I X .
O que eu gostaria de fazer a fi m de clari f i c a r estas afir m a ç õ es
era oferecer um exe m p l o concret o, que to mare i da tetral o g i a O Anel
43
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
dos Nibelungos, de Wa g n e r. U m dos temas mais imp o r ta n tes das
tetralo g ia é o que em francês se cha ma «le thè me de la renun c i at i o n
à l’a m o u r » – a renún c ia ao amor. Co m o se sabe, este tema aparece
pela pri m e i r a vez na co m p o s i ç ã o O Ouro do Reno, no mo m e n t o em
que Al b e r i c h sabe pelas nin fas do Reno que só pode conq u istar o
ouro se renun c ia r a todas as espécies de amor hu ma n o. Este
assustado r mot i v o musica l é um aviso a Al b e r i c h, dado no preciso
mo m e n t o em que ele diz que fica co m o ouro e que renun c i a ao
amor de uma vez por todas. Tud o isto é muit o claro e simp l es; é o
sentid o literal do tema: A l be r i c h está a renun c i a r ao amor.
Ora, o segun d o mo m e n t o, imp o r ta n te e surpreen d e n te, em que
o tema reaparece é nas Val q u í r í as, em circu nstâ n c i as que torna m
extraor d i n a r ia m e n t e difíc i l entender porq uê. No mo m e n t o em que
Sieg m u n d descob re que Siegl i n d e é sua irmã e se apai x o n a por ela, e
precisa m e n te quan d o iam inicia r uma relação incestu osa, graças à
espada que se encon tra espetada na árvore e quand o Sieg m u n d a
tenta arrancar – nesse mo m e n t o, reaparece o tema da renú nc i a ao
amor. Isto parece um mistéri o porq ue, nesse mo m e n t o, Sieg m u n d
não está de for m a algu m a renun c i a n d o ao amor – está fazend o
exata m e n te o contrári o, e conhece n d o o amor pela pri m e i r a vez na
sua vida, co m a sua irmã Siegl i n d e.
O terceiro mo m e n t o em que o tema aparece é tam bé m nas
Valquírias, no últi m o ato, quan d o W o ta n, o rei dos deuses, conde na
a sua filha Bru n i l d e a um long o sono mág i c o, rodean d o- a co m uma
barreira de fogo. Poderia se pensar que W o ta n estava renun c i a n d o
tam bé m ao amor, porq ue renu nc i a v a ao amor pela sua filha; mas tal
interp retação não é muit o con v i n c e n te.
Vê- se, assim, que enfre nta m o s aqui um mes m o tipo de
prob le m a que na mit o l o g i a. Ou seja: temos um tema – neste caso um
tema musical em lugar de um tema mit o l ó g i c o – que aparece em três
mo m e n t o s diferen tes nu ma histór ia bastante longa: uma vez ao
prin c i p i o, outra vez no mei o, e outra ainda no fi m, se para esta

44
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
análise nos li m i ta r m o s às duas pri m e i r as obras d’ O Anel dos
Nibelungos. O que eu gostaria de mostrar é que a única manei ra de
entende r estas reapariç õ es misteri osas do tema é juntar os três
acontec i m e n t o s, ainda que pareça m mu it o diferentes, empi l h á- los
uns por cima dos outros, a ver se poderão ser tratados co m o um
únic o e o mes m o aconteci m e n t o.
Pode m o s constatar que nas três ocasiões difere ntes há um
tesouro que tem de ser afastado ou desvia d o daqu i l o, para que está
destina d o. Há o ouro, que se enco nt ra enterra d o nas prof u n d e z as do
Ren o; há a espada, que está enterra da na árvore, que é uma árvore
sim b ó l i c a, a árvore do uni ve rso ou a árvore da vida; e há a mu l h e r
cha m a d a Bru n i l d e, que tem de ser tirada do círcu l o de fogo. A
repetição do tema sugere-nos que, na verdade, o ouro, a espada e
Bru n i l d e são a mes ma coisa: o ouro co m o um mei o para conq u is ta r
o poder, a espada co m o um mei o para conq u i sta r o amor, se assi m se
pode dizer. E o fato de haver uma espécie de união entre o ouro, a
espada e a mul h e r é, real me n te, a mel h o r expl i ca çã o que podere m o s
ter para que no final d’ O Crepúsculo dos Deuses seja através de
Bru n i l d e que o ouro volte ao Reno. Eles são uma e a mes ma coisa,
mas consi de ra d os de diferentes pontos de vista.
Por este processo se torna m claros outras peças do quebra-
cabeças. Por exe m p l o, ainda que A l b e r i c h renun c i asse ao amor mais
tarde, graças ao ouro, poderi a seduzi r uma mu l h e r que lhe daria um
filh o, Hage n. É graças à conq u i sta da espada que Sieg m u n d alcança
tam bé m um filh o, que será Sieg f r i e d. Assi m, a reapari çã o do tema
mostra- nos algo que nunca foi expl i ca d o nos poe mas, isto é, que há
uma espécie de gemei d a d e entre Hage n, o traid o r, e Siegf r i e d, o
herói. Estão nu m estreito paralel is m o. E isto expl i ca també m por que
razão será possíve l a Siegf r i e d e a Hagen, ou mel h o r, a Siegf r i e d,
pri m e i r o co m o ele mes m o e depo is sob o disfarce de Hage n,
conq u istar Bru n i l d e em diferen tes mo m e n t o s da histór ia.

45
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
Poderia contin u a r co m temas deste gênero durante bastante
tem p o, mas talvez seja m sufic ie n tes estes exe m p l o s para expl i ca r a
sim i la r i d a d e de méto d o entre a análise do mito e a co m p re e nsã o da
música. Quan d o ouv i m o s músi ca, esta m os ouv i n d o, afinal de contas,
algo que vai de um ponto inic ia l para um term o final e que se
desen v o l v e através do tem p o. Ouça m uma sinf o n i a: uma sinf o n i a
tem um princ í p i o, um meio e um fi m; contu d o nunca se enten derá
nada da sinf o n i a nem se conseg u i rá ter prazer ou escutá-la se se for
incapaz de relaci o n a r, a cada passo, o que antes se escuto u co m o
que se está a escutar, mante n d o a consciê n c i a da totali da d e da
música. Se se retiver por exe m p l o a fór m u l a musica l do tema e das
variaç ões, só se pode enten der e sentir a músi ca se para cada
variação se tiver em mente o tema que se ouv i u em pri m e i r o lugar;
cada variaçã o tem um sabor musi ca l que lhe é própr i o, se se
conseg u i r relaci o n á- la inconsc ie n te m e n t e co m a variação escutada
anterio r m e n t e.
Há, pois, uma espécie de reconstru çã o contí n u a que se
desen v o l v e na mente do ouv i n te da músi ca ou de uma história
mit o l ó g i c a. Não se trata apenas de uma simi l a r i d a d e global. É
exata m e n te co m o se, ao inven tar as for m as musica is especí f i c as, a
música só redesco b r isse estrutu ras que já existia m a níve l
mit o l ó g i c o.
É, por exe m p l o, extraor d i n á r i o que a fuga, co m o foi
for m a l i z a d a no temp o de Bach, seja a representaçã o ao vi v o do
desen v o l v i m e n t o de deter m i n a d o s mit os que têm duas espécies de
persona ge ns ou dois grup os de persona ge ns. Di ga m o s: um bo m e
outro mau, emb o ra isto constit ua uma super-simp l i f i c a ç ã o. A
história inven tar ia d a pelo mito é a de um grup o que tenta escapar ou
fug ir do outro grup o de personag e ns. Trata- se então de uma
persegu i ç ã o de um grup o pelo outro, chegan d o às vezes o grup o A a
alcançar o grup o B, distanc i a n d o- se depois nova m e n t e o grup o B –
tudo co m o na fuga. Te m- se o que se cha ma em francês «le sujet et la
répo nse». A antítese ou antif o n i a conti n u a pela história fora, até
46
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
amb os os grup os estare m quase mistu ra d os e conf u n d i d o s – um
equi v a le n te da stretta da fuga; final m e n t e, a soluçã o ou clí m a x deste
con f l i t o surge pela conju g a çã o dos dois princ í p i o s que se tinha m
oposto durante todo o mito. Pode ser um con f l i t o entre os poderes de
cima e os poderes de baix o, o céu e a terra, ou o sol e os poderes
subterrâ ne os, e assi m sucessi v a m e n t e. A soluçã o míti ca de
conju g a ç ã o é mu it o semel ha nte em estrutu ra aos acordes que
resol v e m e põe m fi m à peça musica l, porq ue també m eles oferece m
uma conj u g a çã o de extre m o s que se junta m por uma e últi m a vez.
Ta m b é m se poderia mostrar que há mit os, ou grup os de mitos, que
são constru í d o s co m o uma sonata, uma sinf o n i a, um rond ó ou uma
tocata, ou qualq ue r outra for m a que a música, na realida d e, não
inve nt o u, mas que foi inco ns c i e n te m e n t e buscar à estrutura do mito.
Há uma histór ia que gostaria de lhes contar. Quan d o andava a
escreve r Le Cru et le Cuit, deci d i dar a cada, seção do livr o o caráter
de uma for m a musica l e cha ma r, a uma, «sonata», a outra, «ron d ó »,
e assi m sucessi va m e n t e. Depare i- me então um mit o cuja estrutu ra
com p r ee n d i a perfeita m e n t e, mas o qual não encontra v a uma for m a
musica l que corresp o n d esse à estrutu ra mit o l ó g i c a. Cha m e i então o
meu amig o, o co m p o s i t o r René Lei b o w i t z, e expl i q u e i- lhe o meu
prob le m a. Descre v i- lhe a estrutu ra do mito: ao co me ç o duas
histórias co m p l e ta m e n t e difere ntes, sem relação aparente uma co m a
outra, mas que progressi v a m e n t e se mistu ra m e conf u n d e m, até que
no fi m acaba m por for m a r um só tema. Co m o se cha ma r i a uma peça
musica l co m a mes ma estrutu ra?
Ele pensou no assunto e disse-me que em toda a históri a da
música não existia, que ele soubesse, uma peça musi ca l co m tal
estrutura. Assi m, não há no me para ela. É evide nte m e n te possí v e l
com p o r uma peça musica l co m esta estrutu ra; e passadas algu m as
semanas ele envio u- me uma partit u ra que tinha co m p o s t o co m base
na estrutu ra do mito que eu lhe contara.

47
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
A co m p a ra çã o entre a músi ca e a ling ua ge m é um prob le m a
extre m a m e n t e espinh os o, porqu e, em certa medi d a, a co m pa ra çã o
faz-se co m materia is muit o pareci d os e, ao mes m o temp o,
tre me n d a m e n t e difere ntes. Por exe m p l o, os ling u i stas
conte m p o r â n e o s dissera m- nos que os ele me n t os básicos da
ling ua ge m são os fone m as – ou seja, aqueles sons que nós
inco rreta m e n te representa m o s por letras –, que em si mes m o s não
têm qualq u er signi f i c a d o, mas são co m b i n a d o s para difere n c i a r os
signi f i c a d o s. Pode-se dizer pratica m e n t e o mes m o das notas
musica is. U m a nota – A, B, C, D e assi m por diante – não tem
signi f i c a d o em si. mes ma; é apenas uma nota. É só pela co m b i n a ç ã o
das notas que se pode criar música. Podería m o s dizer perfeita m e n t e
que, enquan t o na ling ua ge m tem os fone m as co m o material
eleme nta r, na música temos algo que eu poderia cha ma r «sone m as»
– em inglês, talvez que a palav ra mais adequa da fosse «tone m as ».
Isto é uma simi la r i d a d e.
M as, se se pensar no nível segui nte da ling ua ge m, se veri f i ca rá
que os fone m as se co m b i n a m de mod o á for m a r palav ras; e as
pala vras, por sua vez, co m b i n a m- se para for m a r frases. M as na
música não há palav ras: os eleme nt o s básicos – as notas – quan d o se
com b i n a m dão imed iata m e n te orige m a uma «frase», uma frase
meló d i c a. Assi m, enquant o na ling ua ge m se tem três níve is mu i t o
bem defin i d o s – fone m as que, co m b i n a d o s, for m a m palav ras, e
pala vras que, co m b i n a d as, for m a m frases –, na músi ca tem- se co m
as notas uma coisa pareci da aos fone m as do ponto de vista lógic o,
mas perde- se o nível da palav ra e passa-se imed i ata m e n t e ao
do m í n i o da frase.
A g o r a pode- se co m p a ra r a mito l o g i a quer co m a ling ua ge m ,
quer co m a música, mas há uma difere n ç a: na mit o l o g i a não há
fone m as; os ele me n t os básicos são as palav ras. Assi m, se se to mar a
ling ua ge m com o um paradi g m a, é constit u í d o por, em pri m e i r o
lugar, fone m as; em segun d o lugar, palav ras; em tercei ro lugar,
frases. Na música há o equi v a l e n te aos fone m a s e o equi v a l e n te às
48
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
frases, mas falta o equi v a le n te às pala vras. No mito há um
equi v a le n te às palav ras, um equi v a le n te às frases, mas não há
equi v a le n te para os fone m as. Há, portant o, em ambos casos, um
nível que falta.
Se tentar m o s entende r a relação entre ling ua ge m, mit o e
música, só o pode m o s fazer util i za n d o a ling ua ge m co m o ponto de
partida, poden d o- se depois demo n st ra r que a músi ca, por um lado, e
a mito l o g i a, por outro, têm orige m na ling u a g e m, mas que ambas as
for m as se desenv o l v e ra m separada m e n te e em difere ntes direções: a
música destaca os aspectos do som já presentes na ling u a g e m ,
enquant o a mito l o g i a subli n h a o aspecto do senti d o, o aspecto do
signi f i c a d o, que també m está prof u n d a m e n t e presente na ling ua ge m.
Foi Ferd i na n d de Saussure que m nos mostr o u que a ling u a g e m
é feita de ele me n t os indisso c i á v e is, que são, por um lado, o som, e,
por outro, o signi f i c a d o. E o meu ami g o Ro m a n Jakobs o n acaba de
publi ca r um peque n o livr o intitu la d o Le Son et le Sens, co m o as duas
insepará ve is faces da ling ua ge m. Te m o s o som, e o som tem um
signi f i c a d o, e não há signi f i c a d o sem som para o veic u l a r. Na
música, é o eleme nt o sonor o que predo m i n a, e no mito é o
signi f i c a d o.
Desde criança que tenho sonhad o ser co m p o s i t o r ou, pelo
men os, um chefe de orquestra. Quan d o ainda era criança tentei
ardua m e n te co m p o r a músi ca para uma ópera, para a qual escre v i o
libretto e pintei os cenários, mas fui incapaz de a co m p o r porq ue me
falta va algo no cérebro. Penso que só a músi ca e a mate m á t i c a é que
real m e n t e exige m quali da des inatas e que uma pessoa tem de possui r
herança genética para trabal har em qualq ue r um destes dois camp os.
Le m b r o- me mu it íssi m o be m, quand o viv i em No v a Y o r k co m o
refug ia d o durante a guerra, que alm o ce i uma vez co m um grande
com p o s i t o r francês, Dari us M i l h a u d. Pergu n te i- lhe nessa altura:
«Quan d o é que se con ve n c e u de que iria ser um co m p o s i t o r?» Disse-
me que já quand o era crian ça, na cama, quase a dor m i r, ouv ia uma

49
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o
espécie de música sem relação algu m a co m qualq u er tipo de música
por ele conhec i d a; descob r i u mais tarde que essa era já a sua própr i a
música.
Quan d o me deparei co m o fato de que a músi ca e a mit o l o g i a
eram, se assim se pode dizer, duas irmãs geradas pela ling u a g e m que
seguira m cami n h o s diferen tes, escol he n d o cada uma a sua direção –
com o na mito l o g i a, em que um personag e m vai para o No rte,
enquant o o outro se diri ge ao Sul, e nunca mais se encont ra m –,
pensei que, se não era capaz de co m p o r co m os sons, talvez o
pudesse fazer co m os signi f i c a d o s.
O tipo de paralelis m o que tentei esboçar – já o disse, mas
gostaria de o voltar a subli n h a r mais uma vez – só se aplica, tanto
quanto sei, à música ociden ta l tal co m o se desenv o l v e u nos últi m o s
séculos. M as, atual m e n t e, esta m os perante algo que, do ponto de
vista lógic o, é bastante semel ha n te ao que acontece u quand o o mito
desapareceu co m o gênero literári o, para ser substitu í d o pelo
ro ma n c e. Esta m o s teste m u n h a n d o o desaparec i m e n t o do próp r i o
ro ma n c e. E é bastante pro v á v e l que o que aconteceu no sécul o
X V I I I , quan d o a música assu m i u a estrutu ra e a funçã o da mito l o g i a,
esteja se passand o nova m e n t e agora, agora que a deno m i n a d a
música serial substitu i u o ro ma n c e co m o gênero, no mo m e n t o em
que este está desaparece n d o da cena literária.

db

50
Claude Lé v i- Strauss – M i t o e Signi f i c a d o