Rodada de Doha

A Rodada Doha – cujo nome oficial é Agenda Doha de Desenvolvimento – é um espaço internacional de negociações criado em setembro de 2011 na IV Conferência Ministerial da OMC (Organização Mundial do Comércio), realizada em Doha, no Catar. Seu objetivo é proporcionar a diminuição do protecionismo comercial e das barreiras alfandegárias, bem como resolver questões referentes a patentes comerciais. Durante o lançamento da Rodada de Doha ocorreram negociações envolvendo 142 países que se dividiram em dois blocos: o dos países desenvolvidos e dospaíses subdesenvolvidos. Nessas negociações, ficou acertado, por exemplo, que em casos de riscos à saúde pública, patentes de remédios de uso exclusivo de determinados laboratórios poderão ser quebradas para uso de laboratórios de países subdesenvolvidos. Programada para acabar em 2005, a Rodada Doha ainda se estende até os dias atuais. Há muitos impasses entre os dois blocos presentes nas negociações, sobretudo no que se refere às ações para diminuir ou extinguir as tarifas alfandegárias. Os países subdesenvolvidos desejam a diminuição na cobrança de impostos sobre os produtos agrícolas que exportam para os países desenvolvidos. Em contrapartida, estes desejam igualmente uma diminuição na cobrança de tributos sobre os seus produtos industrializados. Além disso, as negociações sofreram com uma estagnação com a crise de 2008, em que os países levantaram novamente algumas bandeiras de protecionismo sobre produtos importados, elevando os seus impostos e prejudicando a concorrência destes com os produtos nacionais. Entretanto, as negociações devem ser retomadas a partir de 2014, havendo, inclusive, certa sinalização dos países em diminuir o protecionismo e caminhar em direção à liberalização econômica. A Rodada de Doha, que se estende há quase 10 anos, iniciou-se no Qatar, em novembro de 2001, durante a IV Conferência Ministerial da OMC. Inicialmente prevista para serem concluídas em 3 anos, as negociações, supervisionadas pelo Comitê de Negociações Comerciais subordinado ao Conselho Geral da OMC, propôs uma agenda negociadora ambiciosa que superaria a cobertura de temas da Rodada Uruguai, a mais complexa negociação da história do GATT. A Rodada Doha, também conhecida como Rodada do Desenvolvimento, tem como motivação inicial a abertura de mercados agrícolas e industriais com regras que favoreçam a ampliação dos fluxos de comércio dos países em desenvolvimento. A Rodada Doha surge devido ao desbalanceamento entre os interesses dos países em desenvolvimento e os países desenvolvidos durante a Rodada Uruguai, onde novas

A Rodada Doha. porque definiu datas-limites para diversos . Decisão de 28. formação de cartéis. cujo alcance está relacionado aos investimentos em bens. escalada tarifária e barreiras nãotarifárias em bens não-agrícolas – Non-Agricultural Market Access – NAMA. altas tarifas. apoio interno. considerando os interesses e necessidades especiais dos países em desenvolvimento. abrangendo temas como escopo e definição. transparência. mecanismos de consultas e solução de controvérsias entre os membros. sobre Tratamento Mais Favorável e Diferenciado.1979. Reciprocidade e Plena Participação de Países em Desenvolvimento). subsídios e medidas compensatórias. iii) negociar a liberalização progressiva em serviços. de transparência.disciplinas sobre Propriedade Intelectual e Serviços foram propostas pelos países desenvolvidos. não-discriminação. modalidades de cooperação voluntária e instituições de concorrência para os países em desenvolvimento. viii) aprimorar os dispositivos do Acordo de Solução de Controvérsias. As discussões são norteadas pelo princípio de compromisso único – “single undertaking” – tendo em vista um tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento e países menos desenvolvidos (Parte IV do GATT 1994. Assim. ix) conduzir negociações que aprimorem as disciplinas dos Acordos sobre antidumping. vi) negociar maior transparência em compras governamentais. redução de tarifas e crédito à exportação. conforme estabelecido nas discussões do Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços – GATS. ii) discutir temas relacionados à agricultura – subsídios. não-discriminação. vii) melhorar o arcabouço institucional ao comércio eletrônico.11. a Rodada de Doha tem como principais objetivos: i) redução dos picos tarifários. preservando seus conceitos básicos. iv) ampliar o Acordo TRIMs – Trade Related Investment Measures. disposições sobre exceções e salvaguardas do balanço de pagamentos. deu nova dinâmica às negociações para o comércio agrícola internacional. v) discutir a interação entre comércio e política de concorrência – princípios gerais de concorrência. assinada no Qatar em 2001.

O cronograma previu a abertura de novas conversações e também a implantação de acordos anteriormente firmados. Os países que participam da Rodada de Doha podem ser divididos em dois blocos: * Países desenvolvidos – Bloco composto pelos países mais ricos do mundo. As negociações relacionadas aos produtos manufaturados e serviços também ficaram estagnadas. A princípio as rodadas aconteceriam até 2005. Índia e Brasil. e ainda buscar a redução de tarifas e subsídios que dificultam o livre comércio. destacando-se EUA. Dois anos se passaram sem que fossem cumpridos os prazos para a apresentação de fórmulas para a redução de tarifas agrícolas. . Reivindicam a diminuição dos impostos cobrados dos produtos agrícolas estrangeiros. quanto aos novos compromissos e regras assumidos. * Países em desenvolvimento – Bloco composto pelo G20 (os 20 maiores países em desenvolvimento). dessa forma. segurança alimentar e desenvolvimento rural. A Rodada de Doha. é uma negociação entre os países associados à Organização Mundial do Comercio (OMC). Nessa ocasião. aprofundando as medidas para a correção e prevenção de restrições e distorções nos mercados agrícolas. como proteção ao meio ambiente. Os ministros também registraram as preocupações não comerciais. O lançamento dessas negociações aconteceu em 2001. o que significa que as negociações se interrelacionam e não podem ser acordadas separadamente. a liberalização do comércio mundial. da OMC. países da Europa e Japão. Já os países ricos exigem uma maior abertura para seus produtos industrializados. durante a 4ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Doha. O maior foco da discussão entre esses blocos são os subsídios agrícolas. O cronograma e a revisão dos acordos foram organizados conforme as propostas feitas pelos países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC). oficialmente de Agenda Doha de Desenvolvimento. Os paises em desenvolvimento sentem-se prejudicados pelos fortes subsídios e incentivos que os países ricos dão a seus produtos agrícolas. promovendo. cujo objetivo é diminuir as barreiras comerciais. em 1995. 142 países se prontificaram a incentivar o comércio internacional. no Qatar. ou ainda de Rodada do Desenvolvimento. tanto em relação aos antigos. As negociações continuam regularmente durante as Seções Especiais do Comitê de Agricultura. A declaração colocou os assuntos agrícolas sob o regime do “single undertaking”. dos subsídios agrícolas e incentivos internos.acordos assinados na Rodada Uruguai. chamada. representados principalmente por China. A Rodada Doha ratificou um tratamento especial e diferenciado para países em desenvolvimento.

após algumas tentativas de aproximação entre as partes. Durante esse período haveria mais duas conferências ministeriais que se convencionou chamar de Rodadas de Doha porque elas davam continuidade aos debates iniciados na reunião de Doha. foi esboçado um acordo para que a rodada fosse concluída em 2005. entre eles o Brasil. Por outro lado. houve mais uma conferência ministerial. Em 2004. Em relação às tarifas e aos incentivos internos não houve acordo. queriam vender para os mais industrializados. foi um retumbante fracasso. Em novembro de 2001. . os países participantes chegaram a um acordo. mas foi assinado acordo prevendo a eliminação de todos os subsídios aos bens agrícolas para exportação até 2013. nesse acordo não foram abordadas as questões mais importantes e polêmicas. que estabeleceu que os subsídios agrícolas deverão ser eliminados até o ano de 2013.No segundo encontro entre os representantes dos países. os países em desenvolvimento reagiram e criaram o G-20. em 2004. foi estendido até o fim de 2006 o prazo para chegar a um entendimento. essa conferência se deu em Doha. na cidade de Potsdam (Alemanha). no México. pois EUA e Índia não entraram em um acordo em relação aos incentivos internos e ao protecionismo agrícola. no Qatar. a proposta apresentada pelos EUA e pela UE foi rejeitada e criticada pelos países em desenvolvimento. Em 2007. em Cancun. Nessa ocasião foi criado bloco do G20. representantes dos dois blocos se reúnem. na cidade de Cancun. na qual não se avançou muito. Em dezembro de 2005. mas a negociação fracassou. na cidade de Genebra (Suíça). em Hong Kong. As economias mais desenvolvidas se recusaram a reduzir os subsídios agrícolas e decidiram manter as barreiras tarifárias. A conferência de 2003. Os países mais fortes em agronegócios. as negociações pararam. foi realizada a IV Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC). O objetivo era derrubar barreiras comerciais e facilitar o acesso aos mercados para incentivar o intercâmbio internacional. Em 2008. e vice-versa. especificamente. liderado pela Índia e pelo Brasil. Como os entraves não são poucos. Diante da impossibilidade de um consenso. um grupo reunindo 20 nações dispostas a lutar por seus interesses. na cidade de Hong Kong (China). Esse tipo de encontro é a mais alta instância da OMC e. foi estabelecido um prazo de quatro anos para negociação. O prazo estabelecido para o fim da rodada não foi cumprido. Porém. Em dezembro de 2005.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful