Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.

Luciane Vilela Resende DAG/UFLA

7ª Aula:

Propagaçao Assexuada: Estaquia

raiz. Em condições favoráveis estes segmentos geram uma muda Estaca: qualquer segmento da planta capaz de formar raízes adventícias e gerar uma planta Segmentos de caule. gemas . Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Estaquia: Método de propagação assexuada no qual ocorre enraizamento adventício em segmentos destacados da planta-mãe.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. folhas.

Produção de porta-enxertos Perpetuação de novas cultivares oriundas do melhoramento genético Vantagens e desvantagens: Obtenção de muitas plantas a partir de uma única planta matriz Técnica de baixo custo e fácil execução Não apresenta problemas de incompatibilidade como na enxertia Plantas produzidas a partir de porta-enxertos obtidos de estaca apresentam maior unformidade Nem sempre é viável : algumas espécies apresentam baixo potencial para enraizamento . Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Aplicações: Multiplicação de cultivares ou espécies com aptidão para emitir raízes adventícias.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.

Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Tipos de Estacas: Estacas de caule Estacas de raiz Estacas de gemas Estacas de folha: .Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.

Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. início do outono Lenhosas: São altamente lignificadas Obtidas. Que tipo usar?? . Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Tipos de Estacas de caule: Herbáceas: Baixo nível de lignificação. Alta atividade meristemática dos tecidos (ponta dos ramos) Em geral coletados no período de crescimento vegetativo Colhidas na primavera/verão Semilenhosas: Algum nível de lignificação Parte intermediária do ramo Pode conter folhas Colhidas em geral no final do verão. em geral no período de dormencia (inverno) Apresentam maior capacidade potencial de regeneraçao.

Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. de regenerar um novo indivíduo Algumas espécies apresentam naturalmente raízes adventícias Tomate milho Ficus . Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Princípios do enraizamento de Estacas Formação de raízes adventícias: depende: Desdiferenciação: capacidade de células de tecidos ja diferenciados entrarem em divisão celular e gerarem novos pontos de crescimentos (retornarem à atividade meristemática) (característica mais pronunciada em algumas células e partes da plantas do que em outras) Totipotência: Capacidade de uma célula somática.

.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Desdiferenciação é proporcionada pelo corte da estaca: condição de traumatismo Lesão nas células do floema e xilema Cicatrização pela formação de suberina (reduz a desidrataçao da área lesada) Formação de uma massa de células parenquimatosas indiferenciadas (calo) Calo: tecido cicatricial que pode surgir a partir do câmbio vascular. córtex ou medula. ( ocorre a desdiferenciação) As novas células meristemáticas se dividem originando os primórdios radiculares células adjacentes ao câmbio e ao floema iniciam a formação de raízes adventícias.

Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Formação adventícias floema de raizes a partir do .

Podem emergir em filas Semilenhosas: floema Lenhosas: câmbio. lenticelas. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Formação de raízes adventícias: duas fases Iniciação: divisão celular Diferenciação das células no primórdio radicular Na iniciação ocorre: Desdiferenciação de algumas celulas Diferenciação de algumas céluas em primórdios proximas aos feixes vasculares Formação de primordios radiculares Desenvolvimento dos primórdios e emergencia no cortex e epiderme da casca das raízes adventícias Conexão das raízes adventícias com o sistema vascular Local de formaçao do primórdio depende do tipo de estaca: Herbácea: entre os feixes vasculares ( não tem o câmbio desenvolvido).Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. medula .

Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fisiologia do enraizamento de estacas Emissão de raízes se deve a fatores endógenos e ao ambiente Interação entre fatores ( fitohormônios. co-fatores do enraizamento) presentes nos tecidos e a translocaçao de substâncias presentes nas folhas e gemas (carboidratos). Necessidade de presença de folhas em estacas de rosáceas .Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Por ex. auxina é limitante responde à aplicaçao de auxina exógena Grupo III: Um ou mais co-fatores são limitantes. quando em ambiente favorável Presença de todas substâncias necessárias ao enraizamento Grupo II: Co-fatores em quantidades elevadas. auxina pode ou ser limitante. Classificaçao das plantas quanto à facilidade de enraizamento: Grupo I : Enraizamento rápido. pouca ou nenhuma resposta aàplicaçao exógena de auxina pois co-fatores estão ausentes.

teor de reservas e nutrientes . enraizamento e parte aérea bem formada. Relaçao C/N elevada :induz enraizamento e pequena parte aérea. . etc. deficit hídrico. C/N baixa: pouco enraizamento C/N adequada (equilíbrio). co-fatores de enraizamento. Carboidrato.melhor enraizamento e sobrevivência das estacas. carboidratos.menor enraizamento Teor de carboidratos: maiores reservas.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.(Iinteração entre estes fatores) Condição Fisiológica da planta matriz: teor de água. fonte de carbono requerida pelas auxinas na sintese de ácidos nucleicos e proteínas envolvidos na formação das raízes. condição fitossanitária . Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fatores que afetam a formação de raízes Fatores internos: fitohormônios.

Idade da Planta matriz: Melhor em plantas jovens Tipo de estaca: varia com a espécie. Ca. Mg favorece: Excesso de N e Mn prejudica. Zn ativador do triptofano: precursor da auxina (deve estar presente para faciliatr o enraizamento. diâmetro da estaca. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fatores que afetam a formação de raízes Teor de carboidratos varia com a época do ano. Porem como a composiçao química do tecido varia ao longo do ramo estacas de diferentes partes do ramo enraizam de forma diferente. condicão sanitária da planta matriz Estado nutricional: adubações equilibradas favorecem enraizamento: P. Estacas lenhosas: maior acúmulo de substâncias dereserva e menor N Estacas com gemas florais enraizam menos Estacas mais lignificadas: menor enraizamento .Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.

Potencial genético: facilidade de enraizamento é um atributo genético da espécie Balanço Hormonal: pode ser feito pela aplicaçao exógena de AIB. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fatores que afetam a formação de raízes Época do ano: ligada a consistência da estaca Primavera/verão: maior crescimento vegetativo. mais herbáceas: maior capacidade de enraizamento. . AIA Oxidação de compostos fenólicos: escurecimento da base da estaca. Usar antioxidantes: PVP. Estacas herbaçeas e seimilenhosas: maiores cuidados com o ambiente. Ascórbico. Espécies caducifólias: preferencia por estacas lenhosas dormentes Espécies persistentes: primavera ao fim do outono Época mais adequada: diferente entre as espécies Importante: temperatura e umidade. ac. ANA. Inverno: maior grau de lignificação: menor enraizamento. Reaçao de oxidaçao dos fenois quando em contato com O2. citrico.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa.etc.

Brotação de gemas sem enraizamento. dobra. estiolamento. Perda d’água causa morte das estacas: Usa nebulização ou câmaras umidas. Condicionamento do ramo antes da estaquia: fitoreguladores. Deve ser poroso(equilíbrio entre umidade e aeração. porem em estacas herbáceas e semilenhosas aumentam a transpiração (murcha da estaca). Substrato: deve manter a estaca num ambiente úmido. Região basal da estaca deve ficar no escuro. etc. escuro e aerado. . anelamento. Em estacas com folhas a luz favorece o enraizamento. Luz: baixa intensidade luminosa da planta-mãe favorece enraizamento. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Fatores que afetam a formação de raízes Fatores Externos: Temperatura: aumento favorece divisão celular. Preserva as auxinas.Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Umidade: divisão celular provida pela turgidez. Temperaturas entre 18 e 21oC estimula enraizamento.

vigor moderado e sem danos provocados por intempéries. prejudicando o enraizamento. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Técnica de Estaquia Cuidados: Seleção da planta matriz: identidade da cultivar. Época de coleta da estacas: verificar para cada espécie.Espécies persistentes: estacas com folhas (usar estruturas para propagação) .Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Espécies caducifólias: gemas dormentes:aumento da temperatura promove o brotamento das gemas provocando desidratação da estaca. Porem ramos vigorosos.Coleta de maio a agosto. Estacas lenhosas: material de poda. Usar estacas medianas ou basais (maior acúmulo de reserva). ótimo estado fitossanitário. Em período de repouso: estacas com alto grau de lignificação (lenhosas). condição nutricional equilibrada. Posição do ramo: variável com a sp. Ramos com um ano de idade.

Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. . Mais lignificadas. Controle de umidade e temperatura. Estacas herbáceas: controle de umidade para evitar desidratação. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Técnicas de Estaquia Cuidados: continuando… Em período deintenso crescimento vegetativo (primavera): baixo grau de lignificação e elevada atividade do câmbio. Em período final de crescimento vegetativo( final do verão-inicio do outono): estacas semilenhosas.

casca de arroz carbonizada. Profundidade de plantio: em geral enterrar 2/3 da estaca. herbáceas. fator de maior influência no enraizamento: Areia. Em estacas semilenhosas e herbáceas. água. Corte superior deve ser acima de uma gema e o inferior abaixo de uma gema. vermiculita.5 cm (lenhosas).Em geral: 20 a 30 cm de comprimento e diâmetro entre 0. 2 a 3 folhas na parte superior.0 cm. Substrato. Folhas grandes devem ser cortadas ao meio. folhas favorecem o enraizamento (produção de co-fatores do enraizamento).6 a 2. etc.5 a 15 cm (semilenhosas).Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. . Estacas de raiz manter na posição horizontal enterrando a uma profundidade de 2. Em estacas lenhosas a presença de gemas favorece o enraizamento. em geral menores. 7. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Preparo e manejo das Estacas: Usar tesoura de poda comprimento e diâmetro: variam com a espécie e com o tipo de estaca.5 a 5.

Usados romper os anéis dos esclerenquima que podem impedir a emergencia das raízes. Anelamento:corte feito no córtex. Cobre por 30 dias durante o crescimento do ramo.(base da futura estaca). Cortes devem ser superficiais. Estiolamento: da planta toda ou de ramos. Aumenta relação C/N Tratamento com fungicidas . provocando acúmulo destes acima do corte. auxina e etileno no local do corte). Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Técnicas para favorecer o enraizamento Estratificação de estacas: Leito de areia umedecido Baixa temperatura Promove formação de calo Lesões na base da estaca: cortes favorecem a formação de calo e de raízes(estimulo da divisão celular pelo acúmulo de fotoassimilados. Reduz lignina e aumenta concentração de auxina endógena. Obstrui a translocação descente de fotoassimilados e fitohormônios .Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. . Dobra de ramos: mantendo unidos à planta-mãe por uma porção da casca e do lenho.

Princípios e Técnicas da Propagaçao de Plantas Profa. Uso de nebulização: Aplicação de água na forma de névoa. Reduz transpiração e respiração das folhas. Luciane Vilela Resende DAG/UFLA Técnicas para favorecer o enraizamento Continua… Uso de nutrientes minerais: boro em associação com AIB e adubação com zinco favorece enraizamento. redução da temperatura. Uso de fitorreguladores .