You are on page 1of 11

1

O USO DE METODOLOGIAS DE ENSINO PELOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA METHODOLOGIES OF TEACHING USED BY MATHEMATIC TEACHERS
Andréa Fonseca Santosi Teresa Cristina Etcheverriaii Eixo Temático: Educação e Ensino de Ciências Exatas e Biológica RESUMO A finalidade deste trabalho é apresentar resultados obtidos a partir da realização de uma pesquisa proposta na disciplina de Laboratório de Ensino da Matemática do curso de Licenciatura em Matemática do Campus Prof. Alberto Carvalho - UFS. Nosso objetivo foi investigar o uso de metodologias voltadas para o Ensino de Matemática por partes dos professores de Matemática. Nesta investigação fizemos uso da metodologia de levantamento exploratório. Para coleta de dados foi aplicado um questionário aos professores de matemática do ensino fundamental 2 de seis escolas da rede pública da cidade de Itabaiana - SE. Foi evidenciado que as metodologias: jogos, aula expositiva e resolução de problemas são as mais abordadas na licenciatura e que os docentes se sentem melhor preparados para trabalhar com a aula expositiva. Palavras-chave: Metodologias de Ensino; Professores de Matemática; Aula Expositiva.

ABSTRACT The purpose this paper is to present results from a research proposal in the Mathematic Education Laboratory of the Mathematics College from Campus Professor Alberto Carvalho UFS. The objective this research, was to investigate use of methodologies in the teaching of mathematics employed by math teachers. In this investigation we used the exploratory survey methodology. One questionnaire was administered to math teachers in the elementary school two of six public schools in the Itabaiana city - SE. It was shown that the methods: games,

4 % dos estudantes.2 expositive classes and problem solving are the most studied and the degree that teachers feel better prepared to work with the lecture. oficinas. quais são utilizadas por eles em suas aulas e. PISA. ser compreensível e possível de ser assimilado (ver as condições dos alunos e ir dosando as dificuldades). Felicetti (2007) afirma que. 2000). dentre os fatores intervenientes que estão relacionados à reprovação dos alunos. assegurar a relação conhecimento-prática (saber aplicar o conhecimento na sua vida prática). criar condições de ensino que resultem em aprendizagem. 2006) evidencia a falta de entendimento dos mesmos em relação a esses conteúdos. por isso. Essas metodologias possuem alguns princípios básicos como: ter caráter científico e sistemático. além de levar à vinculação trabalho coletivo e particularidades individuais (educar a todos. 2006. também. resolução de problemas e uso de recursos. Cada uma deve ser utilizada de acordo com a turma cabendo ao professor decidir qual é mais viável para explicar determinado assunto. SAEB. jogos. garantir a solidez dos conhecimentos. Expositive classes. nas últimas décadas. observando as diferenças). Considerando esse pressuposto. em qual delas se sentem mais bem preparados e em qual gostariam de se preparar melhor para aplicarem em suas turmas. Math Teachers. concursos e similares (PROVA BRASIL. . As metodologias destacadas nesse texto são: aula expositiva. A autora ainda coloca que na visão do professores a questão metodológica é um fator mediador no processo de ensino e aprendizagem da Matemática. INTRODUÇÃO O fraco desempenho dos alunos nos conteúdos matemáticos em vestibulares. em ações voltadas para a formação de professores (PIRES. também. Keywords: Math teaching methodologies. a metodologia utilizada pelo professor foi indicada por 71. 2005. o uso de metodologias diferenciadas vem sendo foco de pesquisas acadêmicas e. este estudo teve como objetivo identificar quais as metodologias os professores conhecem. Há indicativos de que a metodologia utilizada influencia o processo de ensino e aprendizagem e.

A terceira parte será referente à análise dos resultados. faz da Matemática uma ferramenta poderosa nas mãos dos alunos (FELICETTI.3 Essa pesquisa foi feita a partir de uma proposta desenvolvida na disciplina de Laboratório de Ensino de Matemática.SE. . referente aos professores de Matemática de seis escolas públicas da cidade de Itabaiana . explica. Atualmente. A mesma tem como finalidade discutir os dados obtidos pela aplicação dos instrumentos num contexto particular. faz exercícios modelo. organizamos o texto em quatro partes. Para tanto. baseada numa concepção que mantém o professor como centro do processo. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Estudos realizados abordam sobre a importância do uso de diferentes metodologias como um fator que contribui no processo de ensino e aprendizagem da Matemática. Tem-se convicção de que uma prática metodológica voltada para a compreensão e não memorização. Para Rosa (no prelo) vários fatores influenciam o uso da aula expositiva. regras e postulados utilizados em determinada disciplina. da Universidade Federal de Sergipe – UFS. consiste na forma como o professor irá organizar e propor suas aulas. buscando. em especial. descrevemos os procedimentos realizados e o instrumento de investigação. Segundo o dicionário Aurélio. No caso da Matemática. apresentamos considerações e apontamos alguns encaminhamentos. aplicada de forma mecânica e sem a participação do aluno. Aula Expositiva: o professor procura transmitir de forma objetiva e rápida. Dentre as diversas metodologias utilizadas no ensino da Matemática. entre eles. Na segunda parte. o autor destaca o tempo limitado de aula. ainda. em muitas aulas de Matemática é a predominância da aula expositiva. o que se observa. destacamos aquelas que foram citadas pelos professores participantes da pesquisa. onde a aprendizagem do aluno se dá por ouvir e decorar o conteúdo. do curso Licenciatura em Matemática. Campus Professor Alberto Carvalho. muitas informações num curto espaço de tempo. metodologia é o conjunto de métodos. o aluno copia e reproduz. Na primeira. O professor passa a teoria ou definições no quadro. apresentamos a fundamentação teórica que visa esclarecer aspectos relacionados às metodologias utilizadas no ensino da matemática. em conexão com a realidade e não dissociada da mesma. 2007). à aplicabilidade e não repetição. a construção dos conceitos matemáticos e o desenvolvimento do raciocínio lógico. Para finalizar.

p. os cursos de licenciatura. a utilização da mesma favorece quando há um número excessivo de alunos em sala de aula e a escola não dispõe de recursos materiais auxiliares para o desenvolvimento do conteúdo.. O primeiro é o de que o jogo é considerado um meio cultural no qual seu significado varia conforme a época. 2003). O outro é o que os consideram como estratégias didáticas. pré . Jogos: os jogos didáticos têm revelado o entrosamento entre dois processos com características e objetivos distintos. Sendo assim.4 [. se quisermos apenas a transmissão de fatos. com características desafiadoras e que acompanham o desenvolvimento da humanidade. Logo o fato de que as pessoas aprendem através dos jogos é evidente. ou seja. define oficina como sendo “um local onde se trabalha e se elabora algo para ser utilizado”. Além disso.] a forma de Aula Expositiva é útil quando o tempo de que dispomos para o desenvolvimento de determinado conteúdo é limitado e insuficiente diante do necessário para o desenvolvimento daquele conteúdo por outras formas de Ensino. p. Neste sentido. Visto que os jogos são considerados como atividades de interação. Esta é uma situação muito comum no nosso sistema de Ensino regular onde o Professor deve “espremer” determinado conteúdo em determinado tempo. acredita-se que eles podem contribuir para um ensino de Matemática mais dinâmico e atraente ao aluno. a cultura ou o contexto. facilitadoras da aprendizagem. à perda do medo de errar e desenvolvendo atitudes de respeito e cooperação entre os participantes (DOHME.. os estudantes estarão sendo instigados à participação. tendo como fator mais forte de sua perpetuação a aplicação. a construção de material e sua respectiva utilização. quando as situações são planejadas e orientadas pelo docente. A partir de atividades lúdicas como os jogos.118) afirma que “o transcorrer histórico desta metodologia contribui para a sua repetição ao longo dos anos. que propicie a vivência. o professor tenta ensinar ou ensina como lhe foi ensinado”.10).definido por outrem. Oficina: é uma metodologia que tem por objetivo fazer com que o participante tente assimilar o maior número possível de conceitos e técnicas que são aplicadas no âmbito escolar. oficina de ensino supõe uma forma de ensinar e aprender num espaço que a caracterize como tal. Felicetti (2007. Ander-Egg (1991. a Aula Expositiva é imbatível. .

do cotidiano. o grau de desenvolvimento do alunado. utilizando-a como uma necessidade para explicar a prática. p. juntamente com os discentes. é a de ensinar os jovens a PENSAR. 12): “A principal tarefa do ensino da Matemática. Para Polya (1985. na qual o professor propõe ao educando situações problemas que almejam a investigação e exploração de conceitos matemáticos. Cada uma dessas metodologias de ensino possui uma grande importância dentro do seu contexto. Na opinião de Dante (2000). cujas características . tornam-se interessantes. Podem ser objetos reais que têm aplicação no dia-a-dia ou podem ser objetos que são usados para representar uma idéia”. grupo. quando o problema é matemático. vários educadores destacaram-se na historia da educação como criadores e entusiastas de materiais manipulativos diversos. mas sim. pois quando os problemas matemáticos provêm de situações conhecidas dos alunos. Uso de recursos: Ao longo dos anos. podendo o aluno formular questões para que seus colegas as resolvam. Vygotsky (1988) orientou seus estudos e sua metodologia pelos princípios de que o homem se caracteriza por ser parte da natureza e por pertencer a uma sociedade concreta. A organização estrutural do recurso material deve ser percebida pelo aluno. em nível secundário. porém não desmerecendo a teoria. como também. tornando-se um aluno dinâmico e pensante. classe social. Resolução de problemas: é uma metodologia educacional. podem-se e devem-se formular problemas matemáticos. instiga e reflete sobre as questões científicas e metodológicas a partir da prática. exige a maneira matemática de pensar. Os recursos materiais manipuláveis são caracterizados pelo envolvimento físico dos alunos numa situação de aprendizagem ativa. assim como uma criança não deduz. Esses materiais manipuláveis são “objetos ou coisas que o aluno é capaz de sentir. a uma determinada cultura. cabendo ao professor tornar esta passagem clara e interessante para o aluno. Considera-se que o aluno precisa ter um conhecimento mínimo sobre o material a ser utilizado.” (grifo do autor) Para ele. A escolha do material a ser utilizado deve atender. além do aspecto desafiador e de interesse. manipular e movimentar. conhecimentos matemáticos para solucioná-lo. todos os aspectos que o material oferece para alcançar o planejamento de ensino. desafiadores e isto suscita no aluno a curiosidade e o desejo de resolver a situação proposta. cabendo ao professor explorar. tocar. Para esse autor.5 Observa-se que oficina de ensino promove ação. problema é qualquer situação que necessita do pensar do indivíduo a fim de solucioná-lo. de forma súbita e irrevogável a relação entre o signo e o método de usá-lo.

O levantamento exploratório que realizamos aconteceu na segunda quinzena do mês de outubro do ano de 2010. O instrumento de investigação. mas que modificam profundamente uma natureza. tendo por base suas características em comum.6 são transitórias e não essenciais ao ser humano. quais foram as metodologias abordadas? • Tem procurado utilizá-las em sala de aula objetivando um melhor ensino? (sim) (não) • No caso de resposta afirmativa. determinar o perfil de um grupo de pessoas. quinze (15) professores de Matemática do Ensino Fundamental 2 de seis escolas da rede pública situadas na zona urbana de Itabaiana – SE. enquanto a perspectiva qualitativa nos propicia inferir uma visão geral da compreensão de professores do ensino fundamental acerca do uso de diferentes metodologias em suas aulas. a partir dos dados coletados e analisados. Fiorentini e Lorenzato (2006) esclarecem que um levantamento dessa natureza permite. foi constituído por doze (12) perguntas: duas (02) relacionadas a dados profissionais. três (03) relacionadas às metodologias utilizadas em sala de aula e cinco (05) relacionadas ao aprendizado desse tema na formação continuada. Para este estudo fizemos a análise dos questionamentos apresentados a seguir: • Qual a sua formação? Onde e quando se formou? • Há quanto tempo leciona Matemática? • Na época de sua formação foram abordadas nas disciplinas pedagógicas metodologias voltadas para o ensino da Matemática? (sim) (não) • No caso de resposta afirmativa. O método fundamental é o acompanhamento das mudanças qualitativas e quantitativas na evolução dos fenômenos que podem ser exploradas por meio das metodologias de ensino citadas anteriormente. quais os procedimentos metodológicos que utiliza? . O ponto central de sua metodologia consiste em que todos os fenômenos sejam estudados como processo em movimento e em mudança. através da sua interação com o meio. METODOLOGIA O presente trabalho levou em conta uma abordagem quanti-quali. duas (02) relacionadas ao uso de metodologias na formação inicial. Participaram da pesquisa. um questionário misto. constando da realização de um levantamento exploratório com a aplicação de instrumentos investigativos num grupo de sujeitos definidos a priori. A resposta às questões do questionário aconteceu de duas formas: alguns docentes responderam no momento em que entramos em contato com eles e outros levaram para responderem em casa.

Quanto ao tempo que atuam. Utilizamos a letra “P” e um número para identificá-los. ainda.Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura e Especialização em Ens. Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática – Licenciatura Matemática . percebe-se que poucos estão no começo de carreira. Os professores que responderam ao questionário estão caracterizados no quadro abaixo. Isso revela que todos tiveram acesso há algum tipo de formação matemática e didático-pedagógica voltada para o ensino da matemática e que. de alguma forma. construíram algum conhecimento especializado nessa área. Quadro 1: Caracterização geral dos professores Professor P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 P13 P14 P15 Tempo de Magistério (em anos) 31 18 11 2 12 1 10 12 20 2 3 4 10 24 10 Formação inicial Matemática .7 • Segundo sua experiência profissional como docente o que acha do uso de recursos metodológicos no ensino de matemática? • Em qual metodologia você se sente melhor preparado e/ ou gostaria de ter um melhor aprendizado? Por quê? ANÁLISE E REFLEXÃO Neste tópico apresentamos a análise realizada a partir dos dados obtidos por meio da aplicação dos questionários. Mat.Licenciatura Conheceu diferentes metodologias na graduação Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Observando-se o quadro acima percebemos que todos os docentes estão habilitados para ensinar Matemática e que um deles. sendo que somente cinco (05) deles têm menos do que quatro anos de experiência docente e . possui uma Especialização em Educação Matemática. os números foram colocados aleatoriamente.

8 os outros dez (10) já lecionam há mais de dez anos. As respostas dos docentes sinalizam que a metodologia que faz uso dos jogos é a mais lembrada. Esses dados confirmam a idéia de que o professor tenta ensinar ou ensina como lhe foi ensinado. Também. constata-se que todos professores conheceram diferentes metodologias durante o curso de Licenciatura em Matemática. dentre os onze professores que reconhecem que usam diferentes metodologias a fim de promover melhoria no ensino. 2007) . preferência pela aula expositiva. quatro (04). 2003) Esses dados evidenciam que há uma relação entre o conhecimento metodológico que aplicam em suas aulas e o que aprenderam na universidade. a resolução de problemas e uso de recursos. aula expositiva (06) e resolução de problemas (06). Quadro 2: Metodologias conhecidas e utilizadas pelos professores Metodologias Aula expositiva Uso de recursos Jogos Resolução de Problemas Oficinas Etnomatemática Uso de software História da Matemática Projetos Interdisciplinares Abordadas na Licenciatura (em nº de professores) 6 2 7 6 3 1 1 2 1 Utilizadas nas aulas (em nº de professores) 2 4 7 4 2 1 - As respostas dos professores evidenciam que as metodologias mais abordadas durante o período que cursaram a Licenciatura foram: Jogos (07). O restante negou o uso de recursos metodológicos. eles se consideram melhor preparados para desenvolver aulas expositivas. mesmo afirmando que a metodologia de jogos é a mais utilizada em suas aulas. chamada por alguns de “matemática tradicional” baseada na mecanização dos cálculos e ainda a excessiva carga horária. Entretanto. (DOHME. porque segundo Fiorentini (2001) nem toda experiência vivenciada provoca aprendizagens nos sujeitos envolvidos. O quadro abaixo apresenta quais foram essas metodologias e destaca as utilizadas em suas aulas. alegando os seguintes motivos: despreparo para uso desse método de ensino. (FELICETTI. Essa experiência docente pode ser relevante ou não. sete (07) destacam o uso de jogos. considerando-se o ano escolar em que lecionam. E. podemos inferir que esta é uma metodologia que desperta o interesse dos seus alunos e que oportuniza o desenvolvimento de atitudes de respeito e cooperação entre os participantes.

por considerarem que a maioria dos alunos passa boa parte ou até mesmo a maior parte do seu tempo em frente ao computador. (P4) As metodologias são ótimas. uso de recursos manipuláveis (02). é a aula expositiva. dos sete (07) professores que responderam essa questão. (FELICETTI. Não temos condições de afirmar como acontecem essas aulas. os recursos metodológicos que gostariam de se preparar melhor são: uso de software (03). No entanto. . (P1) Na prática não funciona. por auxiliar na construção do conhecimento dos alunos e ainda. como um recurso que pode auxiliar o trabalho do professor de Matemática. Entendemos que esses professores reconhecem o computador como um recurso que desperta o interesse dos estudantes e mais. Acho importante. porque se sentem melhor preparados. enquanto que se tiverem atitude crítica serão capazes de oportunizar que seus alunos reelaborem ou produzam conhecimentos. Para eles.9 Destacamos que os professores apresentaram argumentos favoráveis ao uso de diferentes metodologias no ensino da Matemática. projetos interdisciplinares (01) para poder propor questões que envolvam conteúdos de Física e Ciências. dinamizando suas aulas. mas a realidade da educação no nosso dia a dia é outra. ainda a metodologia que lhes dá segurança. seis (06) responderam aula expositiva por exigir menos tempo para seu planejamento. suas respostas deixam claro que são poucos que realmente planejam aulas fazendo uso de diferentes recursos metodológicos. o que podemos dizer é que professores tradicionais tornarão essas aulas monótonas e desinteressantes. 2007) CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise do questionário aplicado aos professores revelou que embora eles tenham entrado em contato com diferentes metodologias no período em que cursaram a Licenciatura. (P14) Ao questionarmos sobre qual metodologia os docentes investigados se sentem melhor preparados. (LOPES. mas não pratico pela falta de condições materiais da escola. motivando o aluno e principalmente tornando visível a relação entre a Matemática escolar e a Matemática cotidiana. 1991) Apenas seis (06) professores responderam quando perguntados sobre qual alternativa metodológica gostariam de ter um melhor aprendizado.

inep. Doi: http://www. de metodologias que auxiliem o ensino da Matemática despertando assim. Porto Alegre. refletir sobre elas e criar novas estratégias de ensino da Matemática. V.2006 Doi: http://provabrasil. Ezequiel. pois ao mesmo tempo em que se consideram melhor preparados para desenvolverem aulas expositivas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDER – EGG. Sugerimos a criação de um espaço de discussão sobre o uso de diferentes metodologias.gov. Diante disso. INEP . El taller: una alternativa para la innovación pedagógica. 2007. o interesse dos alunos pela disciplina. L.php?c=CPesquisa&m=ver DANTE. Jogando: O valor educacional dos jogos. 2003. Didática da Resolução de Problemas de Matemática. DOHME. onde cada professor tenha a oportunidade de relatar suas experiências. 1991.gov. FELICETTI.Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.pdf Médias Brasil. Sabemos que a Matemática é muito importante no nosso cotidiano e considerando a alta porcentagem de alunos que apresentam desempenho insatisfatório em Matemática. Brasil. Primeiros resultados: de desempenho do SAEB/2005 em perspectiva comparada.br/download/saeb/2005/SAEB1995_2005. Diss. 2000. SAEB – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica. apontam a metodologia de jogos como sendo a mais abordada na licenciatura e a mais utilizada em suas aulas. há algo contraditório nessas respostas. (Mestrado . Luis Roberto.br/index. Prova Brasil . Um estudo sobre o problema da matofobia como agente influenciador nos altos índices de reprovação na 1ª série do Ensino Médio.10 Ao que tudo indica. V. Apesar dos argumentos dados pelos docentes investigados em relação ao uso da aula expositiva para o ensino da Matemática estar baseado no fato de que esta exige um menor tempo para seu planejamento. julgamos necessária a utilização.inep. São Paulo: Informal Editora. Buenos Aires: Magisterio del Rio de la Plata. consideramos que há indícios de que o despreparo desses profissionais é o fator que mais influencia na escolha e uso de diferenciadas metodologias de ensino. São Paulo: Ática. por parte dos professores. acreditamos que seria importante continuar o trabalho com os professores envolvidos neste estudo.

1988. PISA. Quando professores e alunos constituem-se sujeitos do ensinar e do aprender Matemática. Departamento de Física da UFMS. Ano III. Revista do Professor de Matemática. SP: Autores Associados. R.PUCRS.br ii . C. POLYA. C. Educação Matemática em Revista – SBEM – RS. Rio de Janeiro. M. i Graduanda do curso de Licenciatura em Matemática – UFS – andrea570ufs@yahoo. 2006. Orientadora: Lucia Maria Martins Giraffa . LURIA. 2001. 11-16. & LORENZATO. 208 f.Capítulo 7 Aula Expositiva Disponível em: http://www. 7. out.p. 2006. G. 3. N. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Paulo Ricardo da Silva. de Física. Fac. D. N. FIORENTINI. 03 de dez.br/pibid/ Acesso em out. VYGOTSKY. 2000. 59-68 FIORENTINI. O ensino por meio de problemas. Linguagem..2010.. S.11 em Educação em Ciências e Matemática). desenvolvimento e aprendizagem. In: SBPC – Jornal da Ciência – Órgão da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. ROSA. Campinas. L. PIRES. .com.ufms. D. São Paulo: Ícone: Editora da Universidade de São Paulo.dfi. São Paulo: FTD.br Professora de Ensino de Matemática do Curso de Licenciatura em Matemática – UFS. A. LEONTIEV. A. 1985. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UNIBAN – tetcheverria@ufs. S. Currículos de matemática: da organização linear à idéia de rede.